Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''rio de janeiro''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 36 registros

  1. RELATO TRAVESSIA SERRA FINA: No feriado do dia sete de setembro/17 eu criei coragem para realizar este desafio - A Travessia da Serra Fina trilha no Sudeste do Brasil uma travessia cobiçadas e que tbm e considerada uma das mais difíceis do Brasil. Localizada na tríplice divisa de SP/RJ/MG. Começa pelo Pico do Capim Amarelo (2570 m) e passa por diversos picos acima dos 2000 m de altitude e em duas das dez mais altas montanhas do Brasil: Pedra da Mina (4° 2798 m) e Pico dos 3 Estados (10° 2665 m). Estava com um grupo de 14 pessoas do Trilhas&Passeios ❤️❤️❤️. Começamos a Travessia da Serra fina, dia 07/09, às 5h30 pela toca do Lobo, tds os integrantes pegaram água 6 litros cada um,ai seguimos até o cume do Capim Amarelo, com aproximadamente 20 kg na cargueira, claro que qdo começou as cordas aí eu comecei a chorar e pensei não irei conseguir aí pensei já deu pra mim, pq já estava sem forças para subir, aí ao chegar na última corda nosso amigo Franco que ja estava ao Cume do Capim desceu e pegou há minha cargueira aí sim eu consegui chegar ao cume feliz da vida 😅😅😅 estava morta de cansaço aí o grupo fez a opção de não acampar, lá, eram as últimas Vagas e deixamos para outro grupo, avançando até o Maracanã, claro aí foi só alegria pq era só descida onde acampamos no primeiro dia. Tudo bem tranquilo, chegamos cedo, montamos acampamento e durante a noite, a temperatura chegou a -2ºC, e durante o dia, a mesma foi de aproximadamente 24 graus. Iniciamos o segundo dia, com a intenção de alcançar a Pedra da Mina e acamparmos no Vale do Ruah, claro que eu tbm sofri mas um pouco menos, pois estava só com 2 litros de água, pq lá na frente tem ponto de água e a subida era em zigue-zague. Ao chegarmos no Cume da Mina, a mesma já estava lotada, Pois bem lá estava eu na Pedra da Mina (4° montanha mais alta do Brasil). Após avistar o cupim do Boi, Pico dos três estados aí pensei borá terminar que agora falta pouco 😅😅😅 (se referindo ao Três estados), aí eu segui junto ao grupo com a logística de chegar no Camping. Chegamos a tarde no Vale do Ruah, montamos acampamento e às 18h já estava muito frio, claro eu não consegui dormir de maneira alguma, pois eu estava com uma mega friaca. Quando amanheceu todas as barracas estavam congeladas, águas dentro da barracas e mochilas, tudo congelado, um guia lá disse que a temperatura chegou a -12ºC. No terceiro dia, tínhamos como objetivo acampar no Pico dos Três estados, avançamos rapidamente até mesmo pq que tem muitos trechos de escalaminhada mas ao chegar ao local, já estava tudo lotado, porém conseguimos acampar pouco abaixo do mesmo, sem grandes problemas, claro uma subida bem puxada pq estávamos com 6 litros de água na cargueira claro na minha só deu para colocar 3 litros estava muito cheia aí eu levei na mão os outros 3 litros que no caminho nosso amigo Franco colocou na cargueira dele. No último dia o sol nasceu lindíssimo no alto do Pico dos Três Estados, e depois disso foi só descida 😅😅😅 antes fosse né , pois “a gente desce pra subir, e sobe pra descer”. Isso porque se passa por várias outras montanhas para se chegar ao sítio do Pierre, na BR-354 na cidade de Itamonte, onde termina a travessia. Passamos pelo Cabeça de Touro, Alto dos Ivos e outros, o nosso resgate estava marcado para ás 15h00, mas devido a nossa agilidade , felicidade, cansaço e etc estávamos em Itamonte às 13h00 🎉🎉🎉, claro que nossa amigo do resgate Alexandre e o Sr. Manoel já estavam lá. A experiência é única em que eu aprendi muito uma delas é que nessa travessia a água se torna o bem mais valioso, a parte física já estava pra lá de comprometida como dores nas pernas dor de cabeça devido ao sol muito quente o cansaço foram vencidos e superados, pois graças adeus eu não encontrei nenhum bicho já que eu tenho medo e isso me impedia de acompanhar em montanha claro que o psicológico conta muito e eu só tenho a agradecer a meu deus e a tds do grupo Trilhas&Passeios pela união e apoio uma energia magnífica que ficará em minha vida e para fechar eu FARIA td novamente. Travessia Serra Fina: da Toca do Lobo ao Sítio do Pierre – 30 km de extensão Pedra da Mina: 2.798,4 metros (4º ponto culminante) Pico dos Três Estados: 2.665,0 metros (10º ponto culminante) Pico do Capim Amarelo: 2.570 metros Alto dos Ivos: 2.519 metros Pico Cabeça de Touro: 2.649 metros Pico Cupim do Boi: 2.543 metros " Eu que decidi viajar, Eu que escolhi conhecer, Nada tenho a deixar Porque aprendi a viver..."
  2. Dificuldade: Difícil - Categoria 2 Distância: 48 km Altitude Máxima:1.514 m Circular: Não Como chegar São José do Barreiro esta localizada aos pés da Serra da Bocaina, estando a 273 km de São Paulo e 214 km do Rio de Janeiro, São José do Barreiro está ligado à Rodovia Dutra pela Estrada dos Tropeiros que, agora reformada, oferece um acesso fácil e seguro aos visitantes. Como essa não é uma trilha circular, a não ser que vá até a cidade com mais alguém no carro que possa leva-lo embora o ideal é ir de ônibus. Existe um ônibus por semana saindo de São Paulo para São José do Barreiro, o melhor lugar para pegar um ônibus para a cidade é partindo de Guarantigueta/SP que possui mais horários de ônibus, a operadora de Ônibus é a Pássaro Marrom. A estrada que vai até a entrada do parque esta sendo toda reformada, já sendo possível um carro de passeio subir quase até a portaria do parque, caso não queira arriscar com seu próprio carro existem pessoas na cidade que fazem esse trajeto, alguns contatos são: Elieser: (12) 3117-2123 Reginaldo: (12) 99747-9651 Roger: (12) 3117-2050 O Elieser oferece o serviço de levar o seu carro até a cidade de Mambucaba para que você já siga viajem de lá, o Reginaldo faz o resgate no próprio carro também na cidade de Mambucaba. A logística para essa trilha não é das mais simples, vale a pena ligar para alguém da cidade antes de ir e também já combinar um resgate na saída da trilha para não ficar na mão. Planejamento É muito importante fazer um belo planejamento antes de iniciar essas travessia, isso pode reduzir o peso que vai carregar e seus joelhos e suas pernas vão agradecer no último dia. A travessia pode ser feita de 2 a 4 dias, considero 3 dias o ideal para aproveitar bem. É possível pernoitar em pousadas ou acampar em alguns lugares no próprio parque, abaixo algumas distancias para uma decisão de onde ira acampar. Portaria -- 8km --> Cachoeira das Posses -- 22km --> Cachoeira do Veado -- 18km --> Fim Portaria -- 18km --> Pousada Barreirinha -- 12km --> Cachoeira do Veado -- 18km --> Fim A Trilha A trilha é parte da história do Brasil, foi construída pelos escravos entre os séculos XVII e XIX, a partir de trilhas dos índios Guaianazes, ponto de passagem obrigatório, nos séculos XVII e XVIII, o caminho ligava Minas Gerais a Rio de Janeiro e São Paulo. No chamado "Ciclo do Ouro". Antes de tudo é preciso de uma autorização para entrar no Parque, para isso envie um e-mail para [email protected] solicitando tal autorização. Fizemos essa travessia pela primeira vez em fevereiro de 2012 e decidimos refazer ela agora com mais conhecimento, equipamentos e claro preparo físico, nessa segunda travessia acabamos pegamos uma bela chuva no segundo dia, por esse motivo mesclei as fotos da postagem com a primeira travessia afim de ilustrar melhor como é a trilha. Quem me acompanhou nessa trilha foram meu pai Mario, meu irmão Mateus e meu cunhado Luan, sendo que essa seria a primeira trilha da vida do meu irmão. Fizemos ela nos dias 15,16 e 17 de novembro. Nosso trajeto foi sair de Guaratinguetá no ônibus das 7h até São José do Barreiro e já havíamos combinado com o Reginaldo para nos levar até a entrada do parque, chegamos na cidade por volta das 9:30h e já começamos a subida com o Reginaldo, chegando na entrada do parque por volta das 11h. Durante a subida existem vários trechos que formam mirantes belíssimos, vale a pena pedir para dar uma paradinha rápida. Nosso planejamento era acampar o primeiro dia na cachoeira das Posses e o segundo dia na Cachoeira do Veado, dessa forma o primeiro dia é o mais tranquilo, partindo da portaria com 1,5km de caminhada se chega na Cachoeira Santo Izidro, ela fica a esquerda da trilha e é uma bela descida até chegar na base da cachoeira, dependo do preparo físico considere "esconder" as mochilas próximo da trilha e pega-las na volta. Voltando para a trilha, andando cerca de 1,5 km existe um atalho que reduz a trilha em 1,3 km, caso opte em não usar o atalho some essa distancia nos valores descritos acima. Bom considerando que você pegou o atalho, da cachoeira Santo Izidro até a cachoeira das Posses são cerca de 6,5 km em um caminho relativamente tranquilo. A Cachoeira das Posses fica do lado esquerdo da trilha, quando começar a ver as araucárias é porque esta bem próximo da entrada. Logo no começo da trilha em direção a cachoeira existe uma casa abandonada no lado direito, é um opção de acampamento fechado. Um pouco mais a frente existe uma boa área de camping para 4 ou 5 barracas. Atras dessa área existe mais uma casa abandonada, nós acampamos dentro dessa casa, na "cozinha" da casa existe espaço para 3 barracas, as paredes laterais caíram mas mesmo assim é uma boa proteção do vento e existe um fogão a lenha que pode ser utilizado para cozinhar ou apenas para fazer uma "fogueira" para esquentar a noite. Como dito o primeiro dia é o mais tranquilo, então caminhando bem você terá bastante tempo para curtir a Cachoeira das Posses, ao lado da casa e da área de camping existe uma trilha com uma placa indicando o caminho da cachoeira, cerca de 200 m a frente existe a primeira queda, nada muito grande, continue descendo a trilha por mais cerca de 600 m até a base da cachoeira. Para quem assim como nós decidiu não acampar na pousada Barreirinha, o segundo dia é o mais cansativo e longo, são 22 km até a cachoeira do Veado, sendo boa parte sem árvores e com algumas subidas pesadas se levar em consideração que estamos com peso nas costas. Acordamos cedo e demos uma última passada na primeira queda da cachoeira das Posses para "tomar banho" e saímos que a caminhada seria longa. Os primeiros 4 km são tranquilos, ainda estão protegidos pelas árvores e com poucas subidas e ainda com pontos de água no caminho. Depois disso começa o caminho por estrada de terra, sem árvores e com algumas subidas e descidas bem cansativas, caminhando em torno de 6 km encontrasse a Pousada Barreirinha, é um bom lugar para trocar a água e até mesmo para comer ou beber alguma coisa, de qualquer forma, corte caminho pela pousada que vai desviar de uma bela subida ingrime e curta. Saindo da pousada ainda faltam 12 km até a cachoeira do Veado, cerca de 8 km do percurso continua sem árvores e em estrada da terra, nesse percurso 2 km depois de passar por um pasto com uma pousada ao lado tem uma subida bem pesada, é praticamente o último trecho em estrada de terra, ou pelo menos estrada que aparenta ter condições de passagem de carro. Após essa subida já começa um pouco mais de vegetação com alguns pontos de bastante árvores e já alguns trechos com o calçamento real, desse trecho até a cachoeira do Veado faltam pouco mais de 5 km, quase chegando na fazenda central existe um rio com um pinguela para atravessar, considere um bom ponto para trocar de água novamente caso necessário. Desse ponto para frente falta pouco até a cachoeira, na primeira vez que fizemos a trilha acabamos chegando tarde nesse ponto e decidimos acampar ao lado da fazenda central por já estar escurecendo e existe uma boa área de camping ao lado de um lago. Passando a fazenda central falta bem pouco, porém, começam algumas descidas e o terreno é bem ruim, ainda mais se estiver chovendo(ou muito molhado), mesmo sendo um trecho relativamente curto leva uns 30 minutos para atravessar. Assim que terminar a descida, do lado esquerda existe uma "gaiola" para atravessar o rio, se trata de uma caixa de metal suspensa em um cabo de aço para fazer a travessia, do outro lado do rio existe uma pousada com área para camping, essa é uma parte bem divertida da trilha. Continuando a trilha sem pegar a gaiola é o caminho até a cachoeira do Veado e após um pequeno pasto já começam as áreas de camping próximo da cachoeira, nós decidimos acampar logo após o pasto. O ideal é acelerar a caminhada dos 22 km desde a Cachoeira das Posses para aproveitar a Cachoeira do Veado ainda no segundo dia e no terceiro dia já pegar a trilha logo cedo. A Cachoeira do Veado é a mais bonita da travessia, com duas quedas, totalizando 80m de altura, o acesso a última queda é bem tranquilo, já para chegar a segunda queda já é mais complicado. O terceiro dia são 18 km até a ponte de arame onde geralmente é feito o resgate, para continuar é necessário atravessar a gaiola e passar por traz da pousada para continuar a trilha. Cachoeiras a parte, o terceiro dia da trilha é o mais bonito pois é quase por completo dentro da mata e com o calçamento real, existem vários trechos de subidas e descidas pelo calçamento, as pedras estão muito lisas e com chuva o caminho se torna ainda mais difícil. Durante a descida existem vários pontos com água, não precisa descer carregado de água pois é muito fácil encontrar no meio do caminho. Em alguns trechos as pedras do calçamento já se soltaram e em períodos de chuva viram um barro só, por isso todo cuidado na descida é pouco. Faltando quase 4 km para o fim da trilha é necessário atravessar o rio Mambucaba, a ponte que corta o rio esta caindo, nas duas vezes que fizemos a trilha não tivemos coragem de atravessar a ponte, mas alguns grupos assim o fizeram, como no trecho onde a trilha encontra o rio ele esta mais raso é preferível cruzar pelo rio mesmo. Atravessando o rio, falta pouco, mais 4 km e é o fim da trilha, a trilha termina em uma estrada de terra e do lado direito tem a ponte que também cruza o rio Mambucaba, ela é conhecida como ponte de arame, existem algumas casas nessa estrada próximo da ponte, se você não deixou um resgate combinado existe a possibilidade de bater em alguma casa e com sorte achar alguém que te leve até a rodovia ou ir caminhando cerca de 20 km até a Rodovia Rio x Santos. Essa é uma trilha muito bonita e ainda tem o charme de ser parte da história do Brasil, com um bom preparo físico e Fé no Pé é um belo programa.
  3. Depois de muito planejar, resolvi tirar do papel e fazer essa viagem, confesso que não me agradava muito a idéia de ir para o rio, mas fui surpreendido, realmente vale o nome de cidade maravilhosa. O Rio tem muitos atrativos, dos mais diversos tipos e para os mais diversos gostos. Como o meu gosto é trilhas e montanha não tinha como ser diferente, hehe, e o meu objetivo principal era subir a Pedra da Gávea. Decidimos ir para o Rio de ônibus, e chegamos la Domingo de manhã, passeamos um pouco e conhecemos alguns lugares como Ipanema, Lagoa Rodrigo de Freitas, Leblon e a cada lugar que íamos nos encantávamos mais e mais. Depois de almoçar estava na hora de subir e iniciamos nossa empreitada em torno das 14 horas. A entrada para a Pedra da Gávea fica no final da Estrada do Sorimã, la tem uma praça, e uma rua com uma guarita, essa primeira guarita, acho que é do condomínio que tem ali, o caminho segue pela rua, por mais ou menos 1km, até que chegamos numa segunda guarita, essa sim sendo o início da trilha, e la deve ser registrado o nome para a subida. A primeira parte da subida é bem cansativa, e recomendo que esteja preparado para fazê-la, principalmente se estiver com uma mochila cargueira. São uns 40 minutos de caminhada até a Pedra do Navio e de la a subida torna-se pura escalaminhada. O próximo ponto conhecido é a Praça da Bandeira, que é uma clareira e um ponto onde muitos aproveitam para tomar um fôlego e comer alguma coisa. De la para a carrasqueira já esta pertinho, uns 20 minutos. Um pouquinho antes de chegar à temida carrasqueira, tem uma trilha que sai pela esquerda que leva no paredão, um lugar que rende fotos incríveis. Nesse ponto ja é possível tambem visualizar a face do imperador. Mesmo com todo o cansaço essa vista te faz puxar forças sabe-se la de onde. É impressionante hehe. A carrasqueira é considerada uma escalada de nível 1 e muitas pessoas optam por fazer com corda. Se você for de final de semana esteja preparado para enfrentar uma grande fila e possivelmente levar mais de uma hora na subida. Para quem optar por fazer sem corda, basta seguir a rota certa, são dois caminhos, esquerda e direita, você verá as fendas, o da esquerda oferece mais apoios, e fica mais fácil de subir. Quando for descer use o mesmo ! Esquerda de quem sobe, direita de quem desce. A carrasqueira é um trecho muuuito legal, mas não brinque com a sorte, acidentes realmente acontecem lá, e são graves, portanto, preste atenção e certifique-se de que seus pés estão bem apoiados e as mãos firmes nas agarras. Terminada a carrasqueira pode comemorar, ainda tem mais um pouco de escalaminhada, mas pode se considerar no topo rs. E uma vez que você chegar ao topo você terá certeza que cada pingo de suor valeu a pena. Mesmo no topo tem vários pontos para conhecer, a mesa, cadeirinha, pedra do raio, pedra do egito, admirar todas as visões que a pedra da gávea oferece. Coloque no seu cronograma pelo menos uma hora para ficar lá em cima. Uma informação interessante, eu procurei em muitos lugares qual seria a altura da pedra do raio, lugar onde você encontra algumas fotos insanas por ai, não achei. Mas deixo agora pra vocês, em torno de 5 metros é o risco pela foto, aos corajosos boa sorte ! A sensação de conquista é enorme ao chegar la em cima !!! Aproveitamos também para conhecer um lugar pouco explorado, a orelha do imperador, não existe trilha marcada para la. Então você precisa estar com alguém que conheça e saiba como chegar. Posso afirmar que é um dos lugares mais incríveis que ja fui !! Quando chega a hora de voltar a descida exige bastante dos joelhos, são em torno de 3 horas para a subida e umas 2 horas para a descida. Lembre-se de não deixar lixo na trilha e também de não pixar as pedras. Assim o parque continua aberto e os trilheiros agradecem ! RS Espero que vocês façam essa trilha e aproveitem tanto quanto nós aproveitamos. Deixo aqui também uma dica de guia. O Jhonny conhece muito la e é uma ótima opção. (21) 96894-4695
  4. Período: 14 a 23/07/2008 e 06 a 15/07/2015 Cidades: Ilha Grande Ilha Grande, o paraíso dos turistas estrangeiros. Nunca vi tanto turista estrangeiro junto! O local é bem rústico, simples, sem carros e considero como principais atrações, as trilhas e passeios de barco. Bom para quem gosta de caminhar (muito!) e não tem enjôo de mar, mas a recompensa são praias lindas, de água muito clara, cercadas por mata. Acredito que não seja um destino bom para quem tem crianças pequenas, devido às características do local, como o acesso difícil às principais belezas da ilha. Também não é indicado para quem espera luxo, conforto e não vive sem as facilidades de uma cidade grande. Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Fiquei hospedada na Vila do Abraão, que é a maior vila da ilha e com mais infra-estrutura. Na segunda viagem para a ilha, dividi a estadia entre Araçatiba e Bananal. Obs.: "Outras opções" referem-se às indicações que recebi de colegas, mas que não experimentei por não ter tido tempo ou por ter tomado conhecimento delas tarde demais. ATENÇÃO: não possuo nenhum vínculo com pousada, hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. Alguns dos pontos turísticos, bem como alguns estabelecimentos, não foram visitados por mim e as informações foram pesquisadas em guias. Portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade, se os dados são atualizados e/ou verossímeis. O texto na cor preta se refere ao primeiro relato de 2008 e o texto na cor verde, às informações atualizadas ou ao novo relato de 2015. A cidade É uma das inúmeras ilhas de Angra dos Reis, a qual possui, em sua totalidade, cerca de 148mil habitantes (dados IBGE 2007) e área de 800 Km². Faz limite com as cidades de Bananal (SP), Cunha (SP), Mangaratiba, Paraty, Rio Claro e São José do Barreiro (SP). Apresenta clima tropical úmido com temperatura média de 27ºC. **************************************** Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos mais recentes: 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi
  5. Fui a Ilha Grande no dia 2 de Janeiro, chegando pela manhã. Peguei a ilha em dias menos cheios que no ano novo, mas não estava vazia. Ela estava lotada de argentinos. Parti de São Paulo (Tietê) dia 1 as 22:40, e cheguei em torno de 6:30 em Angra dos Reis. Pegamos um Flex Boat no valor de 50 reais só ida, ou 80 ida e volta, e em 35 minutos estávamos em Ilha Grande. Paramos na Vila do Abraão, e fomos procurar o nosso camping. Ficamos no camping Raio de Sol, organizado, com wifi, 2 chuveiros masculinos e 2 femininos (quentes), mais dois frios, e 2 banheiros para cada sexo. Pagamos 30 reais a diária por pessoa no camping. Eles disponibilizam alguns ventiladores para alugar no valor de 10 reais a diária, nós pegamos um, pois o calor estava intenso. Montamos a barraca, arrumamos as coisas e partimos para conhecer a ilha. Na ilha não entra carros e nem motos, logo tudo é feito por barco, bicicleta ou a pé. Começamos pela trilha de Lopes Mendes, a praia que é divulgada como a mais bonita da ilha. Fomos com o intuito de conhecer muita coisa e gastar muito pouco, então não pagamos um barco (30 ida e volta) e fomos pela trilha que dizem durar 2:30 hs. Levamos 4 horas, parando bastante para ver a paisagem e para descansar. Eu não tenho reparo físico nenhum, e tenho um problema que meu pé dói quando ano muito, então fiz bem tranquilo, para apreciar mesmo, sem forçar meu corpo. No caminho você passa pela praia de Palmas, depois Pouso, e enfim chega em Lopes Mendes. Indo de barco, você ainda terá que fazer a trilha de Pouso até Lopes Mendes, pois eles não entram na praia, mas é curta (em torno de 25 minutos). Lopes Mendes Lopes Mendes realmente é muito bonita, uma água clara, cercada por árvores, areia clara, e com bastante gente. Não tem muita estrutura, somente alguns ambulantes que vendem água, cerveja e refrigerante. Ficamos em torno de uma hora na praia nadando, fiz algumas fotos e vídeos com o drone, e pegamos um barco para voltar até Abraão. Chegamos por volta das 18 horas, sem almoçar, e cozinhamos no camping, novamente na intenção de economizar. Comida na ilha é caro, inclusive no mercado, pois obviamente tudo chega de barco. Uma lata de atum custa em torno de 10 reais. A noite demos uma volta na vila, conhecemos algumas lojas, e demos uma olhada nos preços para um possível passeio de barco. No outro dia fomos até uma agência de passeios, e pegamos por 60 reais um passeio de escuna até a Lagoa Azul e mais duas praias A Lagoa Azul realmente é incrível, as fotos e vídeos mostram realmente como é, mas ao vivo é sempre melhor. Lagoa Azul pelo drone Passamos em mais duas praias, onde rolou um almoço (não comemos para economizar). Voltando ao caming em torno das 17 horas, cozinhamos e dormimos cedo, pois no outro dia pretendíamos fazer um passeio mais longo de barco. Acordamos bem cedo, compramos o café da manhã no mercado e preparamos no camping. Pagamos o passeio de barco (170 reais), e embarcamos as 10:30 para um passeio de lancha chamado Ilhas Paradisíacas. E esse foi um dos pontos altos da viagem. As ilhas são incríveis! Elas são mais próximas de Angra dos Reis, mas a água é tão limpa e cristalina, que parece que você não está perto do continente. Depois das Ilhas e das Praias que visitamos, paramos em uma delas para almoçar. As pessoas pagaram em torno de 40 a 50 reais em um almoço, nós novamente comemos o que levamos, o resto do café da manhã. Praia do Dentista Chegamos por volta das 18 horas, descemos da lancha e fomos em um bar/restaurante nos despedir do pessoal da lancha, fizemos o passeio pela Adventure Boat, e a Kelly (creio que é dona) foi super simpática, e no final foi tomar algo com todo mundo do passeio. Estávamos cansado demais para cozinhar, então fomos procurar um prato feito para comer, e o mais barato que achamos foi por 21,90. A comida estava boa, e depois dormimos cedo. No outro dia acordamos mais tarde, cansados. Em torno do meio dia saímos para fazer uma trilha de 1:30 hs, para a Cachoeira da Feiticeira e a Praia da Feiticeira. Trilha para a cachoeria A cachoeira é bonita, mas não vale a caminhada se você tem algo mais legal para fazer. Ela tem uns 15 metros de altura, mas é fechada por árvores, e estava lotada de argentinos, que inclusive levaram uma caixa de som pra lá. Vista da trilha Pra mim trilha na natureza não combina com barulho, nem na trilha e nem na cachoeira. Na trilha vimos vários animais, como o Tiê sangue, um pássaro lindo, e vários macacos Bugio. Macacos Bugio Descemos mais na trilha e fomos para a praia da Feiticeira, onde compramos por 20 reais a volta de barco. A cachoeira não vale tanto a pena, mas a trilha é linda, cheia de animais e árvores bonitas, me senti muito bem! No outro dia acordamos cedo, e fomos para a praia preta, e de abraão, para conhecer um pouco mais da vila que ficamos, mas que por querer conhecer outros praias não olhamos direito. Perto da praia preta, abraão é bem bonita! Uma água clara, algumas pedras, e muitos pássaros. Voltamos ao camping, desmontamos a barraca, e partimos rumo a São Paulo. Ilha Grande foi uma das viagens mais incríveis que já fiz! Custos: 30 reais a diária do camping 21,90 o PF mais barato que achei 80 reais ida e volta pelo Flex Boat de Angra para a Ilha 15 reais o barco de volta de Lopes Mendes 20 reais o barco de volta da praia da Feiticeira Passeio lagoa azul: 60 reais Passeio Ilhas Paradisíacas: 170 reais Pode parecer caro o passeio de 170 reais, mas vale cada centavo. Vejam o vídeo e tirem suas conclusões. (está no começo do post) Valeu!
  6. Texto original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/arraial-do-cabo-o-caribe-brasileiro/ Quem seria louco de decidir em cima da hora, no feriado, sair de São Paulo e ir até Arraial do Cabo? Bom, olhando as fotos daquele paraíso de águas azul-caribe, acho que muita gente além de nós! É claro que a experiência deve ser infinitamente melhor sem a multidão de gente nas praias, mas ainda assim valeu cada minuto! Arraial do Cabo fica na região dos lagos, há aproximadamente 2 horas do Rio de janeiro e 8 de São Paulo (de carro), logo na chegada da cidade a vista da Prainha já encanta, mas pode se preparar que o melhor vem depois, e fica mais escondidinho. Não espere muito da parte urbana, não é uma cidadezinha agradável e aconchegante como Búzios ou Paraty, o forte são mesmo as praias e a prática de mergulho! Nós ficamos na Pousada Casa Verde, na Praia dos Anjos, aprovei e recomendo! Ela é bem simples mas limpa e agradável, tem piscina, churrasqueira e cozinha para quem quiser economizar e fazer as próprias refeições (inclusive o café da manhã, que não está disponível). O proprietário, Carlos, é super receptivo e nos ajudou bastante com dicas do que fazer por lá. A localização também é boa, depois de ter andado um pouco pela cidade achei aquele um dos melhores lugares, é tranquilo, perto do porto e da trilha para a Praia do Forno e próximo a um centrinho com alguns (poucos) bares e restaurantes. A praia é bem próxima mas não muito indicada para banho pois é onde ficam os barcos. Começamos pela Praia do Forno, para chegar até lá é preciso encarar uma trilhazinha de uns 10 minutos, é bem simples, apesar de um pouco cansativa. Mirantes e pontos estratégicos para fotos são constantes no caminho repleto de mandacarus (mais conhecidos como cactos) e a vista é recompensadora! A praia, de um tamanho razoável, conta com certa infra-estrutura além de vários ambulantes. Achei um pouco desnecessário o som alto vindo dos restaurantes, mas nada que pudesse estragar a beleza caribenha daquele lugar! Seguimos para a Prainha, essa já de fácil acesso mas em compensação não tão bonita quanto a primeira e bem mais cheia. Ficamos pouco tempo por lá pra poder conferir o pôr-do-sol em um lugar fantástico onde quase ninguém vai, é preciso subir as escadas da ponta esquerda da Praia Grande (olhando para o mar) e continuar mais um pouco para cima, assim que passar o posto policial é só estender a canga e curtir a vista. O lugar “oficial” para ver o pôr-do-sol por lá é o Pontal do Atalaia, onde dizem ser melhor ir de carro pois é bem afastado, não tivemos a oportunidade de conhecer pois apesar de tempo bom, todos os dias terminaram parcialmente nublados. À noite, no centrinho da Praia dos Anjos jantamos no restaurante Saint Tropez, achei o mais aconchegante de lá, com mesinhas na varanda e um clima legal. Comemos um camarão com catupiry delicioso! Não é super barato mas o prato dá pra duas pessoas, vale a pena se a ideia for uma jantinha gostosa. Se quiser algo mais em conta não faltam opções, há pizzarias, restaurantes por quilo, casas de lanche e a maravilhosa tapioca da Sabor em Pedaços, um lugar pequenininho mas cheio de amor e delícias doces e salgadas, tudo bem baratinho. Só não vá em busca de baladas, a vida noturna ali se resume a uma praça com barraquinhas de caipirinha (e cuidado ao pedir caipifruta, queria uma de manga mas o que recebi foi uma batida… estava muito boa, mas não era uma caipirinha!). No dia seguinte fomos conhecer Búzios, recomendo muito fazer um bate-volta pois é pertinho de Arraial do Cabo, cerca de uma hora de viagem e se estiver de carro dá pra conhecer as praias mais afastadas, que eu particularmente gostei mais do que as próximas ao centro. Mas esse vai ser assunto para um próximo texto! No terceiro e último dia fechamos o tradicional passeio de escuna. Todas as agências (são muitas) oferecem esse passeio e atualmente o valor cobrado é R$60,00 por pessoa, incluso água e refrigerante durante todo o tempo no barco (churrasco, caipirinha e cerveja são vendidos a parte), mas a agência Tubarão Rio costuma cobrar R$30,00! Ficamos meio desconfiados mas como foi indicação acabamos indo e foi tudo certo (exceto o péssimo atendimento na loja), metade do dinheiro economizado! No barco eles oferecem aluguel snorkel por R$10,00, nós pegamos um mas não recomendo! O tempo é muito curto nas praias e não há tantos pontos para ver os peixes. Dica: Fique o mais longe possível do churrasco, é impossível respirar naquela região do barco! Os passeios saem por volta das 11h e duram aproximadamente 3 horas, é preciso pagar uma taxa portuária de R$5,00, isso é feito diretamente nas cabines no porto e em seguida é só encontrar seu barco no meio da zona de gente e música alta que conturba o ambiente. Ah, fique de olho nas cordas que amarram as embarcações, muitas tartarugas costumam aparecer ali. Antes de fazer as paradas, a escuna passa por alguns pontos como o Boqueirão, que é o estreito que separa o continente da Ilha do Farol, a Pedra do Perfil do Macaco, a maravilhosa Gruta azul e a Fenda de Nossa Senhora da Conceição, onde há uma estátua da Santa, tudo com a devida explicação do guia. Passar por essas paisagens rochosas é tão diferente que nos faz sentir em outro lugar, algo como a Escócia ou Nova Zelândia, imagino. Quando o barco começa a se aproximar da primeira parada, a Praia do Farol, já dá pra perceber a mudança na tonalidade da água de um azul mais escuro para um turquesa hipnotizante! Essa praia é considerada pela Marinha a mais perfeita do Brasil, é super restrita, sendo possível desembarcar nela uma quantidade limitada de gente e por apenas 40 minutos, além disso não é permitido levar alimentos e outras coisas que possam gerar sujeira na praia. Não há restaurantes nem ambulantes, o tempo é todo para apreciar aquela areia branca bem fininha e o mar tão transparente que dá pra enxergar nitidamente os dedos dos pés, é tudo tão perfeito que dá até dó de não poder aproveitá-la mais um pouquinho. A segunda e última parada é em uma das duas Prainhas do Pontal do Atalaia, assim como a anterior é paradisíaca, mas além de não ser restrita, tem acesso por terra também, então fica bem mais cheia. Nessa e em todas as outras praias de Arraial do Cabo, a água é muito gelada, mesmo no calor! O passeio acabou por volta das 15h e passamos para conhecer a Igreja Nossa Senhora dos Remédios, padroeira de Arraial do Cabo. Ela fica no caminho da saída do porto e é daquelas bem simples, com teto de madeira, branquinha e azul, uma graça! Terminamos o dia na Praia Grande, que apesar do nome, não lembra nem de longe a homônima paulista e é realmente enorme! Os restaurantes cobram R$10,00 pela mesa e guarda-sol caso não haja consumo de comida. Ficamos lá aproveitando o último dia no paraíso até o sol se pôr entre as nuvens. Pra quem é de São Paulo, se não quiser passar pelo Rio pra voltar, a dica é ir por Magé, o tempo é o mesmo. Aproveite para fazer uma pausa na Parada do Bubi, na Dutra, o restaurante beira de estrada mais aconchegante que já vi! Texto original com fotos e mapa aqui: http://www.queroirla.com.br/arraial-do-cabo-o-caribe-brasileiro/
  7. Post original com fotos e mapas aqui: http://www.queroirla.com.br/paraty-roteiro-pelo-centro/ Fundada em 1667, a cidade de Paraty no Rio de Janeiro teve seus momentos de glória com os engenhos de cana-de-açucar, sendo grande produtora de aguardente (e até hoje sinônimo de boa cachaça) e principalmente como rota de transporte de ouro e pedras preciosas de Minas Gerais para Portugal. Porém com a construção de um caminho da Estrada Real direto para o Rio de Janeiro, a cidade perdeu sua importância econômica e caiu no esquecimento até a década de 70, quando foi “redescoberta” e começou a se tornar o importante centro turístico que é hoje. Comece o dia visitando o Forte Defensor Perpétuo, é necessário encarar uma subidinha, mas a mata acompanha e sombreia todo o caminho, o que deixa um ar fresquinho e agradável mesmo debaixo de muito sol. Além disso o percurso é premiado com algumas vistas da cidade e da Praia do Pontal. A construção onde antigamente abrigava o forte data de 1793, porém foi reconstruída e reformada após o período de declínio da cidade de Paraty. Hoje o lugar funciona como museu, mas é bom checar os horários para visitação das mostras. Do lado de fora há alguns canhões originais, projetados por ingleses e portugueses e um gostoso espaço verde com vista para o mar. Depois dessa caminhada aproveite para conhecer a Praia do Pontal. Se for da pegada mais esportista pode alugar caiaque ali mesmo na beira da água, senão escolha um dos quiosques pra relaxar um pouco e dar um mergulho. A praia não é ruim, mas se quiser algo muito mais aconchegante sugiro a Prainha da Praia grande, a aproximadamente 10 km do centro. Os próximos pontos já são dentro do labirinto de ruas de pedra chamadas “pé-de-moleque”. É impossível não se sentir em outra época com aquelas sequências de casinhas de portas e janelas coloridas em estilo colonial, com seus charmosos lampiões à moda antiga e toda uma atmosfera que a transforma em uma das cidades mais charmosas do Brasil! Atravesse a ponte principal sobre o Rio Perequê-Açu, separe um sapato confortável e vamos lá! A primeira dica é a Azulejos Eternos, como o nome sugere, eles são especializados em pintura artesanal em azulejos, desde os tradicionais números de casas até padronagens portuguesas, marroquinas, indianas… verdadeiras obras de arte! A loja é comandada pela brasileira Cris Pires e o francês Elie Audoux, ela também pinta quadros além de imprimir seu estilo urbano e feminino nos ladrilhos. Os valores não são exorbitantes, mas se quiser só uma lembrancinha eles vendem imãs de geladeira simulando azulejos também! A próxima parada é no Armazém Paraty, uma incrível loja especializada em artigos indígenas como adereços, peças de decoração e artesanato, feitos pelas próprias comunidades. Cada conjunto de produtos tem uma placa identificando de qual tribo eles provém, qual sua história, região e outras informações. Além disso eles contam com uma grande variedade de livros e DVDs sobre o assunto e são engajados nos problemas atuais dos povos indígenas. Um pouco mais para frente na mesma rua fica o Empório da Cachaça, um paraíso para os apreciadores do destilado brasileiro. As bebidas são expostas por região com destaque para as de Paraty, é claro! Algumas marcas aprovadas por quem gosta da bebida (não é meu caso rs) são a Maria Izabel e a Paratiana. A loja também agrada outros públicos vendendo cervejas especiais, doces em compota, pimentas e outras iguarias como a trufa de cachaça (dessa eu gostei!). Os preços não são tão convidativos, mas vale a pena entrar nem que seja só para conhecer. Saindo um pouco da rota das compras, temos a Casa da Cultura de Paraty, um espaço multi-cultural onde normalmente rolam exposições de graça como a “Mitos e Lendas”, com coloridas esculturas em papel machê e paineis contando algumas histórias populares que tem Paraty como cenário, em cartaz até dia 09/11. O lugar também recebe peças de teatro, sessões de cinema de graça para adultos e crianças, cursos, e outras atividades. Lá dentro o simpático Café Cultural oferece algumas opções para beliscar entre um evento e outro. Assim como em vários outros casarões da cidade, a fachada da Casa da Cultura foi decorada com símbolos geométricos que simbolizariam a presença de um proprietário maçônico. Existem diversas histórias como essa sobre a maçonaria em Paraty. Quer fazer uma pausa para um café? Sugiro o Café do Cais, um cantinho aconchegante comandado pela Tássia e o Rafael, super simpáticos e atenciosos. Segundo eles, a produção é 98% mineira, cafés, bolos e salgados são produzidos com ingredientes trazidos de lá. Experimente o bolo de pão de mel, é delicioso! Uma curiosidade, repare na casa em frente ao café, ela é toda de tijolos aparentes, a única no centro histórico que foge do padrão. A próxima parada é na rua mais fofa da cidade, a Rua do Fogo! É uma pequena viela entre a Rua Santa Rita e a Rua da Lapa, uma das únicas sem comércio nem restaurantes e que poucos turistas dão atenção. Há uma lenda de que a rua passou a ter esse nome (que não consta nos mapas) pois era onde as mulheres tinham seus encontros “fogosos”, mas uma placa em uma das casas desmente dizendo que era porque o pessoal da roça ia até lá com latões onde faziam fogo para cozinhar. De qualquer forma, é uma graça e vale a visita (especialmente a noite)! Bem ali ao lado fica a Igreja de Santa Rita, cartão postal de Paraty e hoje a mais antiga da cidade! Ela foi erguida em 1722, destinada aos pardos (naquela época havia distinção por cor da pele e classe social, cada igreja se destinava a um grupo diferente). A fachada foi construída no estilo da arquitetura jesuítica porém a parte interna é um misto mais simplificado de Barroco, com detalhes dourados e colunas retorcidas e Rococó, percebido pelo uso de cores em tons pastéis como verde e rosa e elementos decorativos em formatos de concha por exemplo. Depois de alguns anos fechado para reforma, o lugar reabriu recentemente e funciona como Museu de Arte Sacra. A entrada é gratuita e o funcionamento é de quarta a domingo, das 09h às 12h e das 14h às 17h. Paraty tem inúmeros restaurantes, a grande maioria oferecendo pratos de peixes e frutos do mar ou pizzarias. Mas tem um lugar escondidinho que quero apresentar à vocês, é o Le Castellet, uma creperie autenticamente francesa! (falou em França, já me apaixonei!). A decoração é perfeita, com referências a Marseille, cidade natal do Chef Yves Lepide, dono e cozinheiro, e a comida é uma delícia! O crepe não é no modelo brasileiro, ele vem aberto, quase como uma pizza, acompanhado de umas batatinhas fantásticas! É bem grande, se não estiver com muita fome dá até pra dividir. Eles também fazem uns azeites artesanais bem diferentes como de manga ou banana. Ah, só tem um ponto negativo, eles não aceitam cartão, então vá preparado! E pra sobremesa? O Finlandês Sorvetes é uma boa opção. O que mais me agrada ali na verdade é a decoração, com um ar meio retrô. O sorvete é bom, tem bastante opções mas não gosto muito de não poder pegar eu mesma o quanto quero, você tem que pedir para as funcionárias e elas colocam as bolas de sorvete no pote, depois pode arrematar com as coberturas. O Café Pingado também é uma boa saída, o ambiente é acolhedor e eles tem algumas sobremesas com sabores mais exóticos. Além disso há os tradicionais carrinhos de doces espalhados por algumas das esquinas mais movimentadas da cidade. Pra fechar a noite sugiro uma passadinha na Cervejaria Caborê, é um pouco afastada do centro histórico mas nada que não dê pra ir a pé. A cerveja é produção própria, e pra quem quer experimentar de tudo um pouco eles oferecem por R$20,00 um kit degustação com as três opções (cerveja de trigo, pilsen e escura) em copos de 200ml. Achei um bom custo-benefício e tirando a escura que eu pessoalmente não gosto do estilo, as outras são uma maravilhosas! A comida também é muito boa e o cardápio bem variado, com carnes, massas, sanduíches, porções e entradas como a deliciosa bruscheta. Mas os valores não são tão atrativos. Eles também fazem visitas guiadas na fábrica (ao lado do bar/restaurante) para conhecer o processo de fabricação da cerveja. As visitas acontecem de 4ª a sábado e é necessário reservar. Ah, e ali pertinho fica o Café do Canal, uma pizzaria deliciosa onde toca o melhor músico de Paraty! Claro que não digo isso só porque é meu pai rsrsrs!
  8. laisalencar

    Ilha Grande - RJ

    Fui para Ilha Grande com meu namorado na semana passada. Não tenho nem palavras para descrever como amei o lugar. Tudo muito lindo, muito natural, me senti a vontade o tempo todo. Decidi escrever aqui para dar algumas dicas para que está indo. Espero que sejam úteis. - Para chegar até Ilha Grande você pode ir com a barca (R$ 4,50 e demora 1:30 hr pra chegar) ou com barcos particulares (mais caros). No cais ficam alguns homens gritando que tem barco pra Ilha por 20 reais, dizendo que eles chegam em 40 minutos e que a barca demora muito mais e bla bla bla. Caí na besteira de ir em um desses. HORRÍVEL. Super lotado e desconfortável, além de ser mais caro. Começamos já estressados. E detalhe: A IDA ATÉ A ILHA DUROU QUASE 2 HORAS, e não 40 minutos como eles dizem. Então, se você chegar em Angra após as 11 da manhã, não tenha pressa de chegar correndo até Ilha Grande. Vá de barca mesmo, o 1ª horário da tarde é 15:30 se não em engano. Ainda porque, não vai adiantar muito chegar na Ilha depois das 11, pq nesse horários todos os passeios de barco já sairam. -> Pousada - Ficamos em uma pousada muito boa chamada Mara e Claude. Fica poucos metros pra esquerda do cais de Abraão, na areia da praia mesmo. Pegamos um quarto com sacada de vista para o mar, com ar condicionado, ventilador, tv, frigobar, rede,cama de casal, banheiro e café da manhã incluso. Pagamos 150,00 a diária e gostamos tanto que ficamos um dia a mais. O dono (Claude) é um velhinho francês muito divertido. - A maioria das pousadas não serve almoço nem jantar. O que não tem problema pois no horário do almoço você vai estar nos passeios pela ilha, e na janta vai querer passear pela vila e jantar em um dos vários restaurantes que tem la. ->Aluguel de coisinhas - Alugamos máscara de mergulho e capinha a prova de água pra máquina todos os dias. VALE MUITO A PENA Não da pra ficar tirando foto dos passeios sem a capinha (alias, até dá. Mas você tem que tomar muito cuidado e não pode entrar na água com a máquina, nem filmar e tirar fotos em baixo da água. Aluguel da máscara: 10,00 por dia por pessoa Aluguel da capinha a prova de água: 15,00 reais por dia Sobre a capinha: Cuidado: tem várias barraquinhas perto do cais alugando por 25,00 reais. Não alugue! Você acha facilmente por 15,00 reais em outros lugares. E VALE MUITO A PENA ALUGAR. ->Comidas -Nós levamos vários lanchinhos de São Paulo para evitar gastos a mais na ilha. Principalmente nos passeios de barco você precisa levar algo pra comer. Os passeios duram por volta de 6 horas e só tem uma parada pra almoço, então é sempre bom levar um salgadinho ou bolacha, lembrando de levar um saquinho para jogar seu lixo. (Parece óbvio, mas acreditem, vimos pessoas jogando lixo no mar descaradamente. Triste.) Restaurantes: Ficamos 6 dias na Ilha e comemos em alguns lugares bacanas: - Restaurante Gabi Biel: muito bom e barato. Comemos 2 vezes lá. No ultimo dia pedimos uma picanha na chapa que acompanhava batata frita, arroz, vinagrete (que trocamos por farofa) e feijão. Pagamos 50,00 reais e comemos BEM!!!! -Pizza na praça: comemos 2 vezes lá. Na primeira pedimos pizza e nos arrependemos. Se você mora em São Paulo (conhecida por ter uma pizza muito boa) não vai gostar da pizza de lá, meio sem gracinha. Na segunda vez que fomos meu namorado pediu um macarrão alho e óleo (muito bom) e eu pedi um contra filé com arroz, fritas e farofa (que também estava muito bom). O lugar tmb é bem baratinho, nossa conta deu uns 50,00 reais também. - Padaria: acho que é a única da vila. Muito boa. Um dos poucos lugares que encontrei suco de laranja na ilha (um suco maravilhoso diga-se de passagem). Ela é um pouquinho cara. Um enroladinho de presunto e queijo custa uns 4,50. O suco custa isso tmb. Mas vale a pena fazer um lanchinho, e la tem Wi-fi. - Comida Japonesa: não sei o nome, mas fica do lado da padaria. Pedimos um hot holl que vinha 10 unidades por 24,00 reais. Quando chegou ficamos meio chocados, pois eles eram minúsculos. Mas estavam tão gostosos que até valeram a pena. -Restaurantes que paramos nos passeios de barco: todos muito caros. Pratos por volta de 70,00, 90,00 e até 130,00 reais. No primeiro que fomos não comemos nada. Em um outro passeio pedidos uma porção de peixe e uma de arroz. A conta ficou em uns 50,00 reais. -Carrinho de doces: quase na frente da Pizza na praça tem um homem com um carrinho grande de doces. Quem faz os doces é a mulher dele. Tem doces de tudo quanto é tipo: pavê, pudim, bolos, cocadas, pé de moleques.... e diversos sabores: Pavê de chocolate, limão, doce de leite, paçoca... Bolo de chocolate, limão.... Cada doce custa 5,00 reais e são muito bons! Comemos lá umas 3 vezes. Quando digo que 50,00 reais para o casal é baratinho é pq na ilha você dificilmente vai achar algo por menos que isso. Tudo la é muito caro, mas você acaba se acostumando. -> Internet -Algumas pousadas tem, a maioria não. Tem algumas lan-houses na ilha extremamente caras. 0,20 centavos por minuto. Fui algumas vezes bem rapidinho só pra ver meu e-mail. A internet é bem lerdinha, então cada vez que eu ia la ficava uns 3 reais, por mais que eu ficassem bem pouco e visse só algums e-mails. -> Passeios (com corações mesmo pois fiquei apaixonada) Não se preocupe em achar seus passeios. Tem MUITOS pontos de passeios pela vila. Cada portinha que você entra tem gente te oferecendo passeios. Conhecemos algumas agencias, mas passeamos todos os dias com a mesma, pois gostamos dela. Fica no comecinho da rua da padaria, do lado da lan house. O vendedor se chamava Lucas e foi MUITO prestativo, nos indicando muitas coisas bacanas. Passeios que fizemos: - Meia volta na ilha: muito bom. Começa 10:30 e termina 17:30 (mas você nem vê o tempo passar). Custa 90,00 e estão inclusos água, máscaras de mergulho e macarrões (pra boair). Fizemos esse passeio 2 vezes. O passeio é de lancha, então você chega muito rápido nas praias. O roteiro inclui, na ordem: > Lagoa verde: linda demais, ótima pra ver peixinhos e tartarugas. Vá para o lado oposto da onde os barcos param, depois das pedras. Lá tem menos pessoas e você vai conseguir ver mais peixinhos e quem sabe tartarugas e cavalos marinhos. Eu vi apenas peixes, meu namorado viu uma tartaruga. Ele sempre se afastava mais, eu tinha medo e ficava mais perto da praia. Mas se você quiser ver algo diferente não pode ser medroso que nem eu (também não vá fazer a loucura de ir longe demais ou ir pra onde é caminho dos barcos) > Helicóptero: acidente ocorrido em 1998 fez com que o helicóptero do empresário Eduardo Tapajós, dono do Hotel Gloria naufragasse. Ele está a 7 metros de profundidade. Na 1ª vez que fizemos essa meia volta na ilha a água estava muito escura e não deu pra ver nada. Na segunda, conseguimos mergulhar 4,5 metros (sem equipamento mesmo) e vimos o helicóptero bem de pertinho. Na mesma região (Praia do Bananal) é possível ver o local onde ocorreu o deslizamento no reveillon de 2010. > Parcel de Aripeba: Bacana pra mergulho. Tem uns corais com cavalos marinhos, infelizmente não vi nenhum. Vimos aranha do mar e 3 estrelas do mar enormes. A praia é do Willian Bonner. Mas ele não pode construir nada pq perdeu esse direito na justiça, já que ele estava tentando cercar a praia com cerca elétrica (what?). > Lagoa Azul: lindaaa. Onde finalmente vi uma tartaruga. Veio nadando na minha frente. Fiquei maravilhada. > Saco do céu: o saco do céu não é uma praia, é uma região. É um local onde dizem que o mar reflete perfeitamente o céu. Quando fui, não vi nada disso nenhuma das vezes. > Praia do amor: a praia é feia (se comparada às outras) e não tem nada pra se ver quando mergulhamos. Mas tem uma história bacana. Dizem que no passado um casal ia nessa praia pra namorar escondido. O pai da menina descobriu e matou o menino. Ela, por sua vez, acabou se matando. Hoje dizem que o casal que pular de mãos dadas do barco ou que escrever seu nome na areia, ficará junto pra sempre. Eu e meu namorados escrevemos nosso nome na areia, mas logo em seguida um urubu passou por cima... acho que é mal sinal né? hahahaha Alias, urubu é praticamente o único tipo de pássaro que você vai ver na ilha. TEM MUUUUITO URUBU! >Feiticeira: a ultima praia do passeio. A história do nome é devido á uma escrava velhinha, que logo que foi alforriada foi morar nessa praia. Dizem que ela fazia muitos rituais na beira do mar. Por isso o nome. Tem umas pedras na direita da praia que é muito bonito de mergulhar, em um determinado ponto você se vê entre dois paredões enormes. É lindo. Na praia tem uma cachoeira tmb, mas não fomos. Quem vai por esses passeios de barco não tem tempo de fazer as trilhas, pois ficamos 40 minutos em cada praia. - Ilhas de Angra: o MELHORRRR passeio de todos. Não tenho nem como dizer como é lindo. (120,00 reais por pessoa) São 4 paradas: ] - Cataguases: praia linda de morrer. Provavelmente o lugar mais lindo que já vi. Joguem no google. - Botinas: duas ilhas minúsculas e muito parecidas. Parecem aquelas ilhas de desenhos. 7 metros de profundidade e muitos peixinhos lindos. Amei! Joguem no google tmb. -Lagoa azul -Almoço caro em Japariz -Lopes Mendes (25,00 reias por pessoa) O barco nos deixa na Praia do Pouso e temos que fazer uma trilha sofrida até Lopes Mendes, que fica do outro lado da Ilha Grande. A trilha é rapidinha (uns 30 minutos), mas tem umas subidas que judiam. Eu cheguei na praia com as pernas tremendo. A praia de Lopes Mendes é muito linda e quase não tem ninguém. É como se fosse um paraíso só seu. Vale a pena andar até a ponta esquerda da praia, onde tem umas pedras e um barril enorme (mais alto que eu, que tenho 1,70 de altura) que caiu de um navio há muito tempo atras. A praia tem muito caranguejo. A areia toda é cheia de buraquinhos, e eles se escondem antes mesmo que você tenha tempo de admirá-los. Mas vimos bastante siris e caranguejos andando pelo mar. A areia é estranha de um jeito bom. Ela é fofa de um jeito diferente, não sei explicar. Faz barulho quando você anda. A praia é linda pra se ver e nadar, mas não vimos nada quando mergulhamos. No passeio diz que você pode fazer uma trilha pra Praia de Santo Antonio. Mas era muito mal sinalizado o local e não encontramos, ficamos com medo de entrar na trilha errada e acabar nos perdendo. A Praia do Pouso, que é onde o barco nos deixa e nos busca, tem um restaurante flutuante. - Taxi Boat Um dia eu e meu namorado caímos na ENORME BESTEIRA de dormir até mais tarde. Quando saímos da pousada, por volta do meio dia, já não tinha mais nenhum passeio pra sair e as lojas estavam TODAS FECHADAS (sim, eles fecham a tarde toda devido ao baixo movimento). Mas nem tudo estava perdido. Alugamos um taxi boat para conhecer a praia do Abraãozinho. Pagamos 10,00 reais cada. O taxi boat deixa a gente na praia e combina que horas volta pra nos buscar. A praia e quase deserta, mas é bonita (bonita, não maravilhosa). Na volta pedimos pro moço nos deixar na praia preta. É bacana, mas nada de mais. Tem umas ruínas de um presidio, mas as ruínas principais ficam em Dois Rios. Voltamos pra Vila do Abraão por uma trilha, de 20 minutos e super tranquila. Ouvimos falar que no shopping tem uma agencia que faz uns passeios diferenciados, para grupos pequenos com foco em ver os bichinhos mesmo (tartarugas, cavalos marinhos, peixinhos). Fomos la, a dona é uma estrangeira chamada Gigi, bem enrolada. Conversamos com ela e ela ficou de nos ligar na manhã seguinte dizendo se ocorreria o passeio mesmo (pq o tempo não estava muito bom). Acordamos sem chuva, sol bonito, não muito forte, mas o tempo estava muito bom. Ela não ligou e quando ligamos ela disse que não ia rolar o passeio pq tinham poucas pessoas. (Sendo que ela havia dito que o passeio ERA para poucas pessoas). Quando questionei ela meio que se embananou e disse que estava indo pra Angra. Depois a vimos no cais com um pessoal. Enfim, ficamos muito chateados. Nossa vontade era de ficar mais uma semana na ilha, para fazer todos os passeios que não fizemos. Com certeza voltaremos. O lugar é lindo demais. Espero ter ajudado quem pretende ir para lá. Importante! Na ilha não existem caixas eletrônicos. A maioria dos lugares aceita cartão, mas mesmo assim leve uma quantia em dinheiro.
  9. Relato ilha grande Resolvemos dar a volta na ilha grande, para conhecer o que ela tem de bom e de ruim, invés de ficarmos hospedados em Abraão fazendo pequenos passeios, pudemos conhecer e conviver um pouco com as pessoas que vivem lá, ver de perto como é o cotidiano, seus hábitos e costumes, além da aventura de cruzar o mangue, cachoeiras, trilhas (algumas em péssimas condições, mas tão belas quanto as outras.), pudemos sentir a energia real do lugar, que é incrível. Esperamos que ao descrever nossa aventura possamos tirar dúvidas e despertar interesse em todos vocês. Um Abraço, Espero que gostem!! Fernanda e Pablo Primeiro dia: Saímos Barbacena, um grupo de quatro pessoas: Pablo, Fernanda, William e Karen às 5 da manhã rumo a Angra dos Reis, chegamos as 12:30. Depois do almoço pegamos o Catamarã rumo à Ilha Grande, chegamos em Abraão por volta das 17:00 e fomos direto para o camping TOCA DOS GUAIMUNS. Depois de montar acampamento fomos curtir a noite de Abraão, onde rola música ao vivo em bares legais, artesanato e muita gente bacana. Não demoramos muito a voltar pro camping, pois o dia seguinte ia ser longo. Chegada em Abraão Segundo dia: Levantamos bem cedo e depois de um belo café fomos mergulhar DIVE CIA MERGULHOS na enseada do Bananal, foram momentos inesquecíveis, alem do mergulho um belo passeio de barco. No inicio da tarde iniciamos nossa caminhada na praia do bananal. Foi um caminhada um pouco complicada no começo, andamos 40 minutos na trilha errada devido ao deslizamento de terra que ocorreu no inicio do ano tivemos que descobrir/inventar uma trilha alternativa até chegar no que sobrou da principal.Foi um trecho muito ruim devido ao clima pesado e as mortes que o acidente ocasionou, passamos em meio aos destroços e pudemos sentir um pouco do sofrimento daquelas pessoas que estavam ali na noite do réveillon de 2010. Seguimos para a praia de Matariz ainda na enseada do Bananal e tivemos que acampar pois já estava escurecendo. Ficamos na casa de um senhora muito simpática, Dona Marilene, que nos cobrou apenas R$10,00 (pessoa) para ficarmos no seu quintal com um lindo gramado, muitos coqueiros, um riacho do lado e um coelhinho chamado “pena”. Mergulho no Bananal Inicio da trip Enceada do Bananal Destroços Bananal Praia do Bananal Praia da Matariz Camping D. Marilene Terceiro dia: Saímos de Matariz rumo a praia de Passaterra. No meio do caminho passamos por um figueira branca gigantesca que nasceu sobre uma enorme pedra. Uma parada pra um mergulho e descanso, logo depois seguimos em direção de Sito Forte. Passamos pelas praias de Maguariquessaba, Marinheiro, Praia de Sitio Forte e chegamos na Praia de Tapera, onde conhecemos um pescador chamado Zé Maia que permitiu que ficássemos acampados no seu quintal. Passamos boas horas conversando com ele e compartilhando um pouco da sua experiência. Trilha entre Matariz e Passaterra Praia de Sitio Forte Casa do seu Zé Maia praia de Tapera Quarto dia: Depois de mais de 6 Km de subidas e descidas, muitas árvores caídas pelo caminho e belíssimas paisagens, seguimos nossa viagem sentido a Praia Grande de Araçatiba. Depois de Ubatubinha encaramos um subida bem pesada chegamos na Praia da Longa, logo em seguida uma trilha bem fechada para a Lagoa Verde, mais uma parada para descanso e mergulho. Um lugar maravilhoso. Aprendemos que sempre depois de um trecho bem sinistro de caminhada a Ilha nos proporciona uma enorme recompensa. Seguimos em frente, rumo à Praia Grande de Araçatiba, onde ficamos o resto do dia, passamos a noite no camping do tio do Licon (um nativo muito bacana), luar na beira da praia na companhia de amigos. Chegada em Ubatubinha Vista da trilha Trilha Praia da Longa Praia da Longa Praia de Ubatubinha caminho para Lagoa Verde Lagoa Verde Quinto dia: Seguindo conselhos do Tio do Lincon acordamos bem cedo para tentar pegar carona com o barco que transporta os alunos para escola que fica em proveta, o que nos economizaria horas de caminhada, conseguimos a carona, o que foi muito bacana, economizamos 8Km de caminhada passamos na praia vermelha, GRUTA DO ACAIA e por fim chegamos em Proveta, que é uma cidadezinha onde 98% da população é evangélica, passamos próximo a ilha de meros e contornamos a ponta do Drago até chegar a praia do AVENTUREIRO. Chegamos por volta das 12:00 horas, e como a praia é maravilhosa resolvemos ficar e passar a noite, primeiro fomos atrás de um camping, a vantagem dessa praia é que tem 17 opções para campistas, nós, como estávamos cansados e um pouco ansiosos para mergulhar, ficamos em um dos primeiros campings, o da Dona Zuleica, armamos acampamento e depois fomos curtir a praia, mar de água cristalina e boas ondas, uma beleza pra quem pratica surf, ficamos encantados com tanta beleza reunida em um só local, com vista privilegiada para a reserva ambiental : Praias do sul e do leste, e a ponta da Parnaioca. Almoçamos no bar da Dona Zuleica, que preparou um peixe com batata delicioso, no fim da tarde fomos passear na Praia do Demo, onde as ondas quebram com força. A noite fomos relaxar no Bar do.Rafael, recente morador do aventureiro, o bar fica bem em frente ao tão famoso coqueiro torto, recomendamos o pastel de camarão e também o açaí. Praia Grande de Araçatiba Carona no barco da escola Comunidade de Provetá Ponta do Drago Praia do Aventureiro O famoso coqueiro Praia do Sul e do Leste vista do Aventureiro Sexto dia: Pensamos em sair bem cedo, por volta das 5 da manhã, pois teríamos muitos obstáculos pela frente, um seria atravessar o mangue e o outro seria o rio da Parnaioca, porém começou a chover forte, chuva que já era esperada, pois na noite anterior o tempo estava mudando, tivemos que desmontar as barracas as pressas, pois a enxurrada era muito forte, e no camping da dona Zuleica não havia lonas de proteção e as nossas lonas estavam em baixo das barracas, enfim, ficamos no prejuízo, as nossas coisas encharcadas, esperamos a chuva passar no banheiro, que era uma casinha coberta, pensamos em desistir, pois não daria pra continuar com as coisas molhadas, mas por sorte conhecemos uma figura do Aventureiro, um enigma pra falar verdade, chamado Serrão, que nos ofereceu sua casa. Sem muitas opções aceitamos o convite, colocamos as coisas pra secar no varal da casa, não podemos deixar de citar o surf, um labrador muito lindo que estava lá, também o BA outra figurassa do aventureiro, amigo do Serrão. Passamos a tarde olhando o mar revolto devido a chuva e o tempo totalmente fechado, o que deixava mais longe a possibilidade de concluirmos nosso percurso pelo menos nos próximos 3 dias, pois a previsão era de ressaca. Almoçamos no camping do Luis, que serve uma comida deliciosa e tem variedades de aperitivos e bebidas, depois voltamos pra casa do Serrão, onde passamos a noite. Aventureiro depois do temporal Sétimo dia: Acordamos cedo com murmúrios de que sairia um barco ruma a Angra dos reis, pois a guarda costeira passou um rádio informando que era para retirar todos os barcos dali, pois o mar há algumas horas estaria de ressaca, foi a oportunidade que vimos de encerrar o passeio, ficamos tristes, mas arrumamos nossas coisas rapidamente, para tentar pegar o barco, chegando no “cais” haviam outros turistas que também queriam ir embora devido ao mal tempo e no barco só cabiam 13 pessoas e já haviam embarcado 11, como não sabíamos por quanto tempo iríamos esperar ali no Aventureiro, decidimos que nossos companheiros Willian e Karen partissem, pois tinham compromissos em Minas, ficamos com medo por eles , pois o mar estava bastante agitado e o barquinho era muito pequeno, tanto que sumia entre as ondas, mais tarde recebemos a noticia de que chegaram bem em Angra, ufa. Ficamos felizes por não ter ido embora, voltamos para casa do Serrão, ficamos na varanda apreciando o espetáculo da natureza, ondas enormes, que deixaram a praia praticamente sem areia, a água que era cristalina ficou cinza combinado com céu, mas não deixava de ser uma bela paisagem. Ter ficado foi de tudo arriscado, mas não tínhamos pressa, almoçamos novamente no camping do Luis, fizemos amizade com um pessoal do Rio que também decidiu ficar, trocamos emails e tudo mais, conversamos com alguns moradores da vila, foi uma boa experiência. A noite voltamos pro bar do Rafael pra comer pastel de camarão depois fomos dormir na esperança de que o mar acalmasse e o tempo também. Will e Karen saindo no ultimo barco para o continente Barraca secando na varanda da igreja Oitavo dia: Acordamos cedo, o mar estava um pouco mais calmo e não chovia mais, vimos um pessoal indo surfar na parai do leste, local pra onde pretendíamos ir também, arrumamos nossas coisas para partir, o pessoal já estava longe, mas tinha uns meninos e uma moça que também estavam indo pra lá ver o pessoal surfar, a moça estava com uma prancha de bodyboard, o que nos foi muito útil, o BA nos acompanhou também. Passamos pela praia do Demo e sua pedras, atravessamos uma pedra enorme para chegar até a praia do sul, a pedra era escorregadia, pois estava molhada pelas ondas do mar ainda revolto, ficamos admirados coma a beleza real da praia do sul, que era extensa e nos gerou pelo menos 40 minutos de caminhada até o ilhote e o tão falado mangue que separava a praia do sul da praia do leste. Pegamos uma trilha até chegar no mangue, que estava cheio devido a maré alta e a chuva, porém um mangue de águas cristalinas, muito bonito por sinal, atravessar ele não foi nada assustador como imaginávamos, depois tivemos que atravessar nadando um rio que se formou com o encontro das águas da lagoa com as águas do mar, estava bem fundo e a correnteza um pouco forte, adrenalina subiu, amarramos uma corda na prancha de bodyboard e primeiro atravessamos as mochilas, depois o restante do pessoal, ficamos felizes por ter atravessado e conseguido chegar a praia do leste, lá encontramos com o restante do pessoal que já estava lá, despedimos de todos e fomos ruma a Parnaioca, recebemos uma ajuda do BA e do Serrão e também do surf (labrador), passamos por um atalho que nos adiantou um bom tempo de caminhada, sozinhos atravessamos o rio da Parnaioca que também estava misturado com águas do mar devido a ressaca, foi mais difícil porque estávamos sem a prancha, tivemos que amarrar a corda e passar cada hora com uma coisa, ficamos em média 30 minutos pra fazer isso, depois foi tranqüilo, chegamos ao camping organizadíssimo do Seu Silva, um senhor muito simpático e muito vascaíno, nesse camping tem tudo, banheiro separado pra homens e mulheres, cozinha, mesas, áreas de camping todas cobertas com lona, vamos dizer assim, é um camping 5 estrelas. Estávamos cansados da agitação do dia, arrumamos nossas coisas e depois fomos almoçar na casa de uma moça que prepara almoço pra turistas, uma delicia por sinal, depois passeamos na praia da Parnaioca e voltamos pro camping do seu Silva pra tomar o tão sonhado banho e descansar. Chegando na praia do sul O famoso mangue Encontro das aguas da lagoa com o mar Surf, nosso guia Rio da Parnaioca chegnado no mar Rio da Parnaioca chegnado no mar Praia da Parnaioca Nono dia Acordamos bem cedo, tomamos um café reforçado, baixamos acampamento, nos despedimos do Sr Silva e partimos rumo a Dois Rios, foi uma caminhada longa, pois a trilha estava molhada e com muitas árvores caídas no caminho, mas linda mesmo assim, podíamos ouvir os animais naquele silêncio, era tudo mágico, o mar de longe batendo na encosta, tudo perfeito, passamos pela gruta das cinzas, e também por outra figueira branca gigante, a trilha apesar de estar um pouco descuidada foi uma das mais belas de todo o trajeto e com muitas goiabas, andamos umas 4 horas até chegar em Dois Rios, que um vilarejo pouco movimentado, pelo menos na tarde em que chegamos, pois estava começando a chover, não tinha muitos turistas apenas os moradores do local, visitamos o presídio, ou o que restou dele, conhecemos um senhor que foi presidiário e acabou ficando na ilha após cumprir sua pena, uma figura lendária da região, fizemos um lanche, estávamos cansados, mas a nossa meta era chegar a Abraão no mesmo dia, pois não era possível ( permitido ) acampar em Dois Rios, e tínhamos poucas horas de luz do dia e o casal que estava conosco levou a lanterna embora, enfim, tínhamos mais 3 horas de caminhada, era estrada desta vez, o que facilitou um pouco, apesar de ser subida, passamos na piscina dos soldados, e depois seguimos por um atalho ( do bambuzal), o que nos adiantou 45 minutos de caminhada, em média. As mochilas pareciam cada vez mais pesadas, o corpo já não respondia direito, cansaço forte que foi superado ao ver a vista do mirante, dava pra ver toda Vila do Abraão, estávamos perto do fim. A estrada não foi muito bem planejada, pois dava muitas voltas, se houvesse trilhas talvez chegaríamos mais rápido, mas também estávamos ali pra curtir o momento e felizes por não ter ido embora e conseguir completar nosso objetivo. Chegamos no Abraão e fomos direto pro camping do Bicão, sabíamos que era o único que tinha lonas de proteção pra barracas, e como estava chovendo, era o mais indicado, a nossa esperança era que o tempo melhorasse pra ficarmos na ilha até o fim da semana, porém o tempo não colaborou, choveu a noite toda e chuva forte, a temperatura caiu, e como não seria possível, devido ao mau tempo, visitar os lugares que não estava no nosso trajeto, (Pico do papagaio, Lopes Mendes, caixadaço, Farol dos Castelianos, etc...), resolvemos ir embora pra Angra, pegamos a barca pela manhã e deixamos Ilha Grande, já com saudades. Foram 2 horas de barca até Angra, chegamos lá com chuva forte, fomos até o estacionamento pegar o carro, passamos no Shopping Piratas pra almoçar e depois 7 horas de estrada com chuva, chegamos em casa. Trilha de Parnaioca a Dois Rios Figueira gigante Chegando em Dois Rios Presidio de Dois Rios De Dois Rios a Abraão Piscina dos soldados Abraão vista do mirante Despedida da ilha Considerações Finais: Não se deve desistir de um objetivo ou meta traçada, enfrentamos algumas dificuldades nas trilhas e no acampamento, superamos medos, vencemos limites impostos pela própria natureza, porém fomos recompensados com momentos maravilhosos, pessoas maravilhosas, belas paisagem, e enfim voltados de alma limpa, prontos pra outra aventura. Ilha Grande é um paraíso, que temos perto de nós, as catástrofes que ocorreram lá devido as chuvas no início do ano, não foram capazes de diminuir a beleza e energia do local, além do mais, acidentes naturais acontecem em qualquer lugar do mundo, e para morrer basta estar vivo. Pretendemos voltar em breve. OBS: Aos que gostaram da idéia sugerimos que levem o mínimo de roupas possível, a bagagem ( as mochilas) devem estar equipadas apenas com o necessário. Utilizar tênis confortável e antiderrapante, levar capa de chuva, e o bom e velho miojo.
  10. Participaram desse trekking: Marcio Marques (eu), Valéria e Léo . Foram Nove dias e aproximadamente 100km, contabilizados pelo GPS. 1º dia (11/5) Tudo combinado e acertado, na madrugada do dia 11, peço a minha esposa para chamar um táxi e parto para a casa da ValériaDSC-0004 e Léo, chego lá as 5:15 e eles já me esperavam com as mochilas no carro. Partimos para Mangaratiba, onde iríamos pegar a barca das 8h. Chegamos com quase meia hora de antecedência, com tempo suficiente para estacionar o carro e irmos para a barca. Passagem comprada entramos e nos acomodamos. Foram quase duas horaDSC-0009 s até a ilha e não via a hora de chegar e iniciar a logo à tão sonhada volta. Já na ilha, uma breve parada para fotos e “pé na trilha” para o nosso primeiro destino, praia de Palmas. Demos uma passada no camping Paraíso na Praia Brava para dar um alô no João Pontes e resolvemos ficar por ali mesmo. 2º dia (12/5) DSC-0033Acordamos cedo e partimos para o Farol de Castelhano, passamos por Palmas, Pouso Mangues, Aroeiras e Praia de Castelhano, e com o adiantar da hora, resolvemos não ir ao farol. Na volta, pegamos uma estadinha de terra que leva a DSC-0049igrejinha de Lopes Mendes e pudemos apreciar aquela imensidão de praia, e não é a toa que é considerada uma das praias mais linda da ilha. 3º dia (13/5) Acordamos bem cedo, pois o nosso objetivo era Caxadaço, e teríamos que pegar a temida trilha Santo Antonio x Caxadaço. A VDSC-0058 aléria partiu na frente, eu e Léo ficamos desarmando o acampamento e nos encontraríamos com ela na bifurcação de Sto. Antonio x Lopes Mendes. Entramos na trilha para Sto. Antonio e logo na frente encontramos a bifurcação para Caxadaço, entramos e fomos seguindo as dicas do J. Bernardo (autor do livro Trilhas da Ilha Grande). A trilha esta bem marcada no início e depois somente algumas DSC-0062marcações antigas nas arvores, mas com calma e muita atenção, da pra fazer na boa (levamos aproximadamente 3h15m). Essa foi a trilha mais bonita que fiz na ilha. Chegamos a Caxadaço e deparamos com aquela praia pequena e maravilhosa, sua água azul e cristalina, e em minha opinião, a mais bonita da ilha, não resisti e fui logo mergulhar. 4º dia (14/5) Acordamos muito cedo para desarmar o acampamento, pois ali não é permitido acampar, tomamos o café da manha e partimos paDSC-0071 ra o nosso destino, a praia de Parnaioca. Fizemos uma parada em Dois Rios no Bar da Janete e ficamos proseando com o sr Pedro, escutando as historias da ilha e do “Calderão do Diabo”. Quase uma da tarde, “metemos o pé” para o nosso destino, chegando lá por volta das quatro horas, trilha um pouco longa, mas bem tranqüila, ela já sai atrás do camping da Janete. Acampamento armado, dia lindo e noite estrelada, com direito a bolo e parabéns, era aniversário de um IMG_6457dos hóspedes (André Cypriano, fotografo) e quando souberam que naquele dia era o meu aniversário e no dia anterior o da Valéria, nos convidaram para os parabéns, com direito a soprar vela e tudo mais. Fomos dormir com o céu estrelado, mas derrepente o tempo muda, estava entrando uma frete fria com previsão para sexta feira, mas ela se antecipou e tivemos que fazer três pernoites em Parnaioca por causa da travessia do costão do Demo. 7º dia (17/5) Com o acampamento desarmado, partimos por volta das 9h30m, com destino ao Aventureiro. Atravessamos o rio no final da praia eP1000928 calçamos as botas, pegamos a trilha para a praia do Leste, e na vertente do morro tinha uma placa informado que era proibido ir adiante, pois se trata uma reserva biológica, e lógico que fomos a diante e um pouco mais para frente já se tem uma linda vista das praias do Leste e Sul com o ilhote ao meio. Atravessamos toda a praia e chegamos ao ilhote, onde tem o mangue, e ai veio pergunta: onde é a pasP1000932sagem? Fui checar a profundidade e uma possível passagem, depois de confirmada, fizemos um lanche e partimos com sucesso para a praia do sul. Começamos a caminhar em direção ao costão do Demo, e confesso que fiquei um pouco preocupado, pois a visão frontal que tínhamos era que a pedra era bem inclinada, quase na vertical com o mar indo lá em cima. Chegando ao costão, vimos P1000936que era bem mais fácil que o imaginado, e passamos desviando das línguas negras, que são muito escorregadias. Cruzamos pela praia do Demo e finalmente chegamos ao Aventureiro por volta das 15h30m. Armamos acampamento no camping do Luis e não foi necessário pegar autorização por causa da baixa temporada. 8º dia (18/5) Partimos do Aventureiro quase 10h da manha com destino a Araçatiba, a Valéria saiu na nossa frente, e de cara pegamos uma DSC-0131subida muito inclinada, a mais íngreme de toda a volta e o esforço foi muito grande, me obrigado a dar algumas paradas para enxugar o suor que caia nos meus olhos, ainda bem que o trecho não é muito longo. Na descida para Provetá se tem uma linda vista da praia de tirar o fôlego, mar azul e transparente e chegando ao final da trilha, me deparei com uma IMG_6531ducha de água desviada de um rio, não resisti, dei um mergulho n o mar e fui fazer uma massagem naquela ducha gelada revigoraste. Pegamos a trilha, uma longa subida, no final passamos pela bifurcação para a gruta do Acaia, passamos por Araçatibinha e por fim chegamos no camping Bem Natural, o camping fica no alto, tem que subir uma enorme escadaria, mas a vista é compensadora. 9º dia (19/5) Partimos cedo e fomos tomar o café da manha no bar da Nena, que no dia anterior, já com o bar fechado e com a maior boa vontade, preparou um belo e suculento PF para mim. De Barriga cIMG_6542 heia partimos para o nosso destino, a praia de Bananal. Passamos pelas praias da Longa, Ubatubinha, Tapera - onde comemos um delicioso file de peixe com arroz - Sitio Forte, Marinheiro, Maguaraquissaba, Passaterra, Matariz e depois desse trecho, veio uma boa subida, acelerei o passo e acabei deixando a Valéria e Léo um pouco para trás, pois queria pegar o por do sol em Bananal. Cheguei no Bananal por volta de 17h30m, arriei a mochila o fui contemplar o sol morrendo por traz das montanhas de Angra e nada deles aparecerem, conheci um velho pescador que morava em frente, e ficamos batendo papo. ComoIMG_6446 eles não apareceram, achei que poderiam ter ficado em alguma pousada então toquei em frente, fui procurar o pescador Zeca na Praia de Bananal Pequeno, ao encontrar o Zeca ele me falou que não tinha como armar a minha barraca, pois não tinha espaço em seu terreno (uma pirambeira danada), então ele me sugeriu que fosse para a praia, ao chegar lá, vi um pequeno cais de madeira e resolvi fazer um “bivak” ali mesmo. Tudo pronto e arrumado fiquei deitado dentro do meu saco, contemplando as estrelas e acabei cochilando, ao despertar, olho para o céu e não vi mais nenhuma estrela, o tempo estava nublado, então achei IMG_6396 melhor armar a barraca para não ser surpreendido por alguma chuva. Ao terminar de armar a barraca, começaram a cair as primeiras cotas de chuva, ai pensei comigo mesmo, e agora, será que vai passar e amanhecer um lindo dia, ou ficaria chovendo o dia todo. A chuva ia e vinha e em algumas vezes muito forte, então tive que montar um plano para o dia seguinte, caso amanhece-s chovendo. Coloquei o equipamento fotográfico dentro da mochila, amarrei as botas na lateral e joguei a capa em cima de tudo, me preparando para o pior e o pior veio. 10º dia (20/5) Amanheceu chovendo bastante, só tinha dormido umas 2hs no IMG_6521máximo, então logo desmontei a barraca e partir para o Abraão por vota das 7hs. Fiquei um pouco receoso, pois estava só e sem poder me comunicar com ninguém, a trilha molhada e escorregadia, mas resolvi encarar, coloquei o papete e “meti o pé”, dei uma pequena parada no Saco do Céu para tomar um bom c afé da manha e prossegui o meu caminho. Chegando ao Abraão, foi uma felicidade só por ter completado a volta (nesse trecho foram aproximadamente 17km em 6h30m), mesmo com a queimada de algumas etapas (Gruta do Acaia, Sundara, Mirante Por do Sol em Araçatiba do Espia e outras praias que acabei passando batido, mas que estarão na minha próxima volta) e ao cruzar o centro do Abraão por volta das 13h30m, escutei alguém me chamando e quando olho, era a Váleria e o Léo, ai me contaram que tinham ficado em uma pousada, pegaram um barco de Bananal para o Abrão logo cedo, pois estava chovendo muito. Fui tomar um banho, comer alguma coisa e pegamos a barca para Mangaratiba das 17h30m, ficando a vontade de quero mais e quem sabe com toda a Camelada. E o que posso dizer mais, foi simplesmente muito SHOW!!!!!!!! hehehehe Fotos: Marcio Marques, Valeria e Leo. Volta na Ilha Grande realizada em maio de 2009 Fotos: http://mpmarques.multiply.com/photos/album/160/Making_off_da_Volta_na_Ilha_Grande http://mpmarques.multiply.com/photos/album/159/Volta_na_Ilha_Grande Mapa: http://www.everytrail.com/view_trip.php?trip_id=359665
  11. Pessoal, segue nem tão breve relato da minha 2ª passada pela Ilha Grande, agora em setembro/09. Segunda: Cheguei na rodoviária de Angra às 05:40. Fechei com o catamarã da IGT por R$20,00 para ir até o Abraão. Este catamarã é uma das formas mais convenientes de ir ao Abraão. Muito rápido, fez a travessia em 40minutos, saindo às 08:00. Se você comprar o ticket no próprio cais de Santa Luzia, vai pagar R$25. Comprando na agência da IGT na própria rodoviária se paga R$20. Chegando no Abraão, tudo muito molhado, porém ainda não chovia. Coloquei o pé na trilha às 09:00 e segui para Dois Rios, com destino final Parnaióca. A estradinha apesar do absurdo que tem chovido não estava muito lamacenta. Nesse caso, o tal atalho pela trilha no bambuzal a direita da estrada (utilizada para cortar caminho) não vale a pena, pois ali sim estava tudo muito escorregadio. Eu pequei essa trilhinha, mas tava brabo mesmo. A cargueira nas minhas costas (esqueci de pesar) atrapalhava bastante, mas cheguei a Dois Rios após 1 hora de subida e 1 hora de descida, às 11:00. A companheira no perrengue. Ainda sem chuva, dei um rolê bem rápido por ali, pois estava bem preocupado com o horário, pois os guardinhas me disseram que eu teria 04:30 horas de trilha muito escorregadia até Parnaióca. Dois Rios Recepção em Dois Rios pela belas palmeiras... Imagine esse lugar com sol.. Ainda enquanto conhecia as ruínas do presídio começou a chover, e CHOVEU MUITO MESMO. A trilha é bem legal, limpa, com algumas atrações, mata belíssima e perfumada, muitos pássaros, macacos e até algumas cobrinhas, ehhehe. Enquanto São Pedro lavava a ilha, eu cruzei a ensaboada trilha praticamente sozinho, tenho cruzado com apenas 3 pessoas voltando de Parnaióca. Bom, eu estava sozinho, e sozinho eu fico muito ansioso e ando que nem um cavalo. Cumpri a trilha quase 'submarina' de tanta água em 03:00 horas. Parnaióca é linda. É o tipo de praia que eu gosto, pouca infra, poucas casas e natureza bem selvagem. Parnaióca, into the wild... Maravilhosa praia No dia em particular, a 'natureza selvagem' estava praticamente hostil. A chuva caía sem dó, o mar estava numa ressaca monstruosa e o vento que via do oceano varria até passarinho. Mesmo assim, concluí meu objetivo e dei uma entrada na praia, quase congelando. Não havia mais nenhum turista em Parnaióca, em nenhum dos campings. Acampei (R$15) na própria cozinha do camping da Janete, sob recomendação do Rossi, gente boa que cuidava das coisas por lá. Aí foi tomar um banho, cozinhar um miojo com molho de tomate e proteína de soja, e relaxar vendo a chuva cair e tomando uma cerveja vendida no camping (itaipava lata r$3). Chovia tanto que até às 20:00, quando fui dormir pregado, não havia condição de sair para dar uma volta. Cheguei sim, a tomar um pouco de chuva e caminhar na praia à noite, mas o tempo não estava para brincadeira mesmo. Armando uma bivak da T&R sem specks: só amarrando tudo mesmo... Ah, importante dizer que nesse dia nenhum camping servia comida, e não havia qualquer barco na praia. Portanto, vá prevenido com comida, e ciente de que podem não haver barcos! Na terça feira acordei bem cedo, e com o tempo ainda sem chover, decidi voltar para o Abraão, pois as condições do dia anterior me assustaram, e achei melhor não encarar a travessia para o Aventureiro por causa das condições, principalmente pelo mar revolto. Deu tempo de passar bastante pela praia, maravilhosa, com esquilinhos brincando a beira mar, uma belíssima sinfonia de pássaros e para minha alegria um silêncio humano espetacular. Saí de lá com a certeza de que volto outra vez, mesmo se tiver mais gente. O Lugar é incrível mesmo. Mais uma vez, minha ansiedade me fez "camelar" voando baixo nas escorregadias trilhas. Cheguei a Dois Rios 02:30 depois. Apenas garoava fraco e parava, então aproveitei para curtir bastante, entrei no mar, no rio, no presídio, nas ruínas, conversei com os muitos urubus (que eram os únicos a me fazer companhia na praia) e aproveitei para 'comer' minha mochila, reduzindo peso. Quando eu saia de Dois Rios chegavam os primeiros visitantes do dia vindo do Abraão, isso já perto do meio-dia. Voltei ao Abraão sem passar pela trilha escorregadia, no mesmo tempo da ida, com alguma garoa na cabeça. Árvore descomunal, na trilha entre Dois Rios e Parnaióca No Abraão fiquei no camping do Bicão (R$10,00 a diária), muito bom, estava tranquilo com apenas mais 3 barracas. Aproveito para responder o que perguntaram no fórum, o hostel "Resta 1" estava R$20 com café, e o "Hostel do Bugio" estava R$20 sem café. Lembrando que era fora de temporada, durante semana e em época chuvosa. De tarde a chuva voltou a cair forte, e eu me entretive com várias cervejas que comprei no mercado e deixei na geladeira do camping. Ah, nessa noite a vila estava bem quieta, com muitos lugares fechados... Os poucos turistas eram gringos, e a opção mais barata para comer era PF de R$15. Portanto, nada melhor que usar a infra do camping, e cozinhei bonito umas abobrinhas com omelete. Quarta acordo bem cedo também, e ainda sob tempo nublado - mas sem chuva - fui trilhar até o saco do céu, ou até onde aguentasse. Parei em todas as bifurcações possíveis, com algumas surpresas legais como prainhas bacanas, muitas árvores frutíferas bonitas, conchas delicadas e tudo absolutamente vazio. Os macacos e esquilos estavam sempre por perto. Bom, quando ao saco do céu, que eu conheci de barco em fevereiro, realmente não recomendo que ninguém vá de trilha para esta atração. Contornar o local nada mais é que se enfiar num povoado desorganizado e sujo, em visualizar do mangue as belas águas desta protegida baía da ilha grande. Augusto, onde você ficou aqui? Cara, realmente não gostei do lugar, será que estivemos no mesmo lugar? hehehe Uma das praias entre a praia preta e o saco do céu... esses são 'taxi boats', para os cansados de trilhar... Como o sol não saia de jeito nenhum, fiquei algum tempo na praia da Camiranga, uma bem no meu estilo, acompanhado de pássaros mergulhões e alguns cachorros vadios, ehheehe. Adorei essa prainha de camiranga... várias pitangueiras carregadas de frutas... muito bom... Voltei para a vila, aonde ainda fui dar uma volta pelo circuito do Abraão, e acompanhar o anoitecer do mirante da praia preta. Em dias de sol, o 'poção' deve fazer a alegria da galera. Eu entrei aqui e meu queixo quase desmontou de tanto tremer de frio. O aqueduto é muito bacana! Por aqui, encontrei vários turistas, mas o pouco movimento me permitiu (principalmente quando já havia anoitecido) visualizar muitos bichos, corujinhas lindas, aranhas medonhas (que os olhos refletem na cor verde a luz da lanterna) e até uma bela e perigosa jararaca. Saco do Céu, quase um espelho belíssimo animal... Enfim, um dia como esse motivaria qualquer um, pois apenas garoou leve por um curto período. Mas lá pelas 22:00 entrou um vento fortíssimo, a madrugada foi de tempestade e ventos fortíssimos, que até me acordaram, mesmo com várias itaipavas na cabeça. Quinta feira amanheceu debaixo de muita chuva e vento, o que foi meu convite para embarcar no catamarã às 12:30 (novamente pagando R$20 na agência, ao invés de R$25 no barco) e seguir para Sampa no busão das 15:00. Enfim, o tempo realmente não ajudou a revelar as belezas da ilha, mas eu curti bastante o passeio, nada melhor que uma boa mochilada para te tirar da pressão da bolha paulistana. Abrãao, com uma brecha de bom tempo... Comi vááárias... Até mais!
×
×
  • Criar Novo...