Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''trilhas em minas gerais''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. Sou novato no site. Porém sou apaixonado por caminhadas longas, já fiz várias travessias e vários caminhos a pé. Conheço muito o vale da Babilônia e a Serra da Canastra, sempre fui de carro ou de moto, porém agora estou querendo atravessá-los a pé, eu e minha esposa com mochila nas costas. Quem interessar segue a jornada, já aviso que são muitos Km andados por dia, e o nível de subidas é médio alto, porém a estrada é ótima para caminhar e a paisagem e principalmente a hospitalidade do lugar vale a pena!!!! 1º dia. Saída de São João Batista do Glória dormindo em cima do Morro das Cruzes ( lugar magnífico de díficil acesso) 23 Km 2º dia. Morro das Cruzes até o alto da Serra Branca neste ponto atravessamos a Babilônia ( pense num lugar deserto, pensou?? é muito mais.......) 18 km. 3º dia. Serra Branca fazer uma visita na parte Baixa da Cachoeira Casca Danta, a maior cahoeira de MG e uma das maiores do Brasil, e chegar até São José do Barreiro, uma pequenina cidade de aproximadamente 3 mil hab. onde tem um artesão mui talentoso em animais de madeira, comida ótima!! 22 Km 4º dia. São José do Barreiro passando por Vargem Bonita e chegar até São Roque de Minas, uma longa caminhada 39 Km 5º dia. São Roque de Minas, entrando no parque nacional indo até a nascente do Rio São Francisco, visitando currais de Pedra e iniciando a travessia inteira do parque Da Serra da Canastra na parte alta onde iremos dormir em um distrito chamado São João. 50 a 55 Km, porém é muito plano, sem dificuldades. 6º dia. São João até a saída da portaria de Sacramento, onde cocluiremos a travessia da parte alta do parque. 35 a 40 Km. de lá para frente é de carro né!!! A data é em novembro, ainda não definimos os dias, não vale a pena ir em feriados o movimento de motos e trilheiros é intenso o que dificulta a caminhada devido a poeira. Quem interessar, é bom tirar uns dias a mais para a empreitada, como todo caminheiro sabe....haver imprevistos ( chuvas, bolhas,etc..) e demorar mais que os 6/ 7 dias. Abraços. Robinson
  2. "Esse relato transcreve a travessia feita pelo Parque Nacional da Serra da Canastra, entre os dias 01 a 05 de maio de 2008, partindo de Passos-MG até a Cachoeira Casca D'anta, visitando também algumas cachoeiras e atrações em Furnas e retornando a Passos. Espero que gostem..." Marcelo Morais. Há muito tempo planejava fazer essa travessia que se dá no Parque Nacional da Serra da Canastra, localizada no sudoeste de MG. O problema era a falta de informação sobre as rotas, locais para acampar, distancias, companhia e logística para a volta. As coisas começaram a clarear quando consegui uns arquivos de GPS de uns colegas que fazem trilhas de motos. Num dia, fiz um passeio de moto pelo caminho a ser percorrido na travessia. Vi que era tranqüilo apesar de longo, e tinha bastante local pra comer, acampar e curtir belas paisagens. No inicio de Abril, minha amiga Priscila me fez um convite para se juntar a ela e uns amigos dela para fazermos a travessia. Como ainda estava me recuperando de um acidente em uma trilha na Chapada Diamantina, não dei certeza se poderia ir, mas estava alucinado com a idéia. Imediatamente comecei a rever os mapas, imagens de satélite e arquivos do caminho por onde passaríamos, mesmo que ainda eu não fosse, serviria de ajuda para o pessoal que iria. A intenção inicial do pessoal era caminhar sem peso nas costas e para isso contariam com um carro de apoio durante a caminhada, esse carro seria uma camionete, mas com a desistência do dono, acabou ficando por conta do fusca da nossa amiga Priscila. A direção do fusca seria revezada pelo grupo à medida que alguém estivesse cansado. O grupo que no início seriam 18 pessoas se resumiu a 7 pessoas no dia da partida: Marcelo, téc. eletrotécnico, estudante de matemática, responsável pelo planejamento e navegação do grupo. Náriman, enfermeira, professora e responsável pela área médica da aventura. Priscila, téc eletrotécnica, estudante de eng. Civil, fotógrafa e responsável pelo transporte. Rodrigo Bob, estudante de eng. mecânica da UNICAMP e perito em combustão de gases. André Clone, físico e caçador de petróleo. Luciano, engenheiro eletricista e doutorando em eng. Marcio Véi, Doutorando em Ed. Física e escritor. ...só fera!!! Hehehehhe!!!! 30 de abril de 2008 - quarta-feira Ainda não conhecia a maioria das pessoas do grupo, só pelas mensagens trocadas por e-mail, mas todos se encontraram na minha casa em Passos-MG, para de lá partirmos rumo à Serra da Canastra. O pessoal acabou chegando tarde, pois vinham cada um de uma cidade diferente: Franca - SP, Varginha - MG e Campinas - SP. A intenção inicial era partir em dois carros para a Pousada Boa Esperança (Pousada do Eninho) na quarta a noite mesmo, mas o pessoal chegou muito cansado e resolvemos dormir em Passos mesmo. Ficamos tomando uma cerveja e discutindo os últimos detalhes da caminhada. 01 de maio de 2008 - quinta-feira Levantamos já um pouco tarde, arrumamos toda a bagagem no fusca, passamos numa padaria para tomarmos um bom café da manha e partimos rumo a São João Batista do Glória. Para se chegar a São João Batista do Glória, ou simplesmente “Glória”, como o pessoal costuma a falar por aqui, é necessário entrar na cidade de Passos e perguntar o caminho, pois não há sinalização na cidade e o caminho é um tanto quanto confuso. Ao conseguir pegar a estrada para o Glória, chega-se ao Rio Grande, 11 km depois, onde toma-se uma balsa para atravessar o rio. De lá são mais 5 km até a cidade. Chegamos ao Rio Grande e pegamos uma grande fila para a balsa, uma vez que em épocas de feriados, uma grande quantidade de jipeiros, motoqueiros e pessoas em carros comuns, percorrem esse trajeto. Portanto, não fiquem chateados se pegarem a balsa no Glória ou em Delfinópolis cheia. Eu já tive que esperar 3 horas. A vantagem é que a balsa funciona 24 horas e para usá-la, se paga uma taxa do R$ 4,00 por carro na volta (a ida é grátis). Chegamos ao Glória, as 11:30 e de lá pegamos a estrada rumo a Pousada Boa Esperança (mais conhecida como Pousada do Eninho), que fica há 25 km e 40 min de lá. Do Glória há várias estradas que vão para vários locais na no Parque Nacional da Serra da Canastra. Mas todas são sinalizados, é só ficar de olho nas placas e escolher o caminho certo para onde se quer ir. Para o nosso destino é só seguir as placas indicando “Vale do Céu”. A estrada é boa, mas a nossa colega Priscila conseguiu atolar o fusca! Ficamos um tempo conversando lá na pousada do Eninho, e acabei conhecendo por coincidência o editor do Mochileiros.com “Vareja”. Deixei o meu carro lá, pegamos umas ultimas informações com o pessoal e partimos para a caminhada as 13:10 h acompanhados apenas pelo fusca de apoio e dois cachorros que viviam por alí. Pousada Boa Esperança Estrada Delfinópolis Casca D’anta Delffinópolis - MG Fone: (35) 3524-1426 (Enio e Gasparina) Camping: R$ 18,00 (com café da manhã) Almoço ou jantar: 12,00 Chalés: R$ 70,00 (por pessoa/por dia, com uma refeição e café da manhã incluso). http://www.canastra.com.br/hospedagem/boaesperança.index.htm Do Eninho pode-se seguir 2 caminhos até a Pousada da Vanda (nosso segundo destino). O primeiro caminho é a chamada “trilha do Facão” e pode ser percorrida à pé ou de moto, tem cerca de 18 km. O segundo caminho, mais tradicional, possui 22 km é uma estrada por onde pode-se passar carro. Resolvemos ir pelo caminho da estrada por causa do nosso carro de apoio. A estrada é bem manjada e não tem erro, se não sair dela, não se perde. Depois de 6 km e 1:20h de caminhada, inicia-se uma subida mais forte por uma estrada chamada “estrada calçada”, pois ela é toda de paralelepípedos. De lá pode-se observar uns vales muito bonitos. Após percorrermos uns quilômetros chegamos até a Pousada Quilombo, de lá pode-se visitar a cachoeira do Quilombo, que fica a 4 km de lá, ou continuar pela estrada até chegar ao Vale da Babilônia. Logo que se avista o Vale, vê-se uma enorme Cruz escrita “Babilônia – Vale dos Bernardes – Guimarães, Ribeiros, Fortunatos”. A partir desse ponto percorremos a estrada toda paralelamente ao chapadão da Babilônia, em uma estrada praticamente plana, passando por algumas pousadas e fazendas. O visual do vale e show! 10 km e 3 horas depois do inicio da caminhada passamos pela Pousada Babilônia, onde paramos para fazer um super lanche. A caminhada estava super tranqüila, estávamos caminhando no ritmo de passeio, batendo papo e tirando fotos. É possível caminhar mais rápido e diminuir o tempo até a pousada da Vanda. Próximo à pousada Babilônia, há uma cachoeira bem grande que os nativos chamam de “Cachoeira do Dão” outros de “Cachoeira das Cobras”, da estrada dá pra se vê-la bem nítida. Como estava ficando tarde, resolvemos não visitar a cachoeira, pois o tempo estava se fechando e ainda tínhamos que andar um tanto. A partir desse ponto resolvemos dar uma “apertada no passo” pra chegar mais cedo e não pegar chuva, o que foi inevitável. Pegamos uma chuvinha quando estávamos quase chegando a Pousada da Vanda. Durante todo o dia o clima se manteve fresco e agradável, o que ajudou a não desgastar muito o pessoal. Aos 20 km de caminhada, às 18:45 h chegamos a propriedade do “Sô Zezico”, um Sr. Muito gente fina conhecido por ser o fornecedor de gasolina para os motoqueiros e jipeiros que passam pela serra. R$ 3,00 o litro! 2 km depois, as 19:15 h chegamos ao nosso destino no primeiro dia, a Pousada da Vanda. Pousada da Vanda Serra Branca Fone: (35) 9997-0057 Pernoite: R$20,00 (quarto coletivo) Almoço ou Jantar: R$10,00 Café da manhã: R$6,00 Cerveja em lata: R$ 2,00 Refrigerante lata: R$ 2,00 Na pousada negociamos o preço e acabamos optando por um quarto coletivo, tipo albergue, por R$ 30,00 por pessoa com o jantar e café da manha incluso. Achamos um preço justo. O jantar foi show de bola!!! Frango caipira, carne cozida, arroz, salada, mais algumas outras coisas que não lembro e uma cachaça especial que tínhamos levado (pros mineiros isso é sagrado!!!). Os quartos e os banheiros são bons. A Vanda disse que o pessoal não costuma ficar acampado lá, mas se quiserem podem acampar também, ela não quis dizer o preço, mas deve ser em torno de R$ 10,00. Durante a noite choveu e fez muito frio, mas deu pra dormir muito bem e confortável, tirando os roncos do Márcio!! 02 de maio de 2008 - sexta-feira Levantamos as 09:00 h tomamos aquele big café da manhã, com o melhor pão de queijo que já comi. Arrumamos as bagagens tiramos umas fotos de uns pássaros exóticos que tem lá na pousada e partimos as 10:50 h rumo a subida da Serra Branca. A Serra Branca é o morro mais íngreme que temos que subir durante o percurso, tem um desnível de 240 m e uns 3 km de subida, fizemos a subida em 1h sem problemas. A visão lá de cima é muito bonita, e dá pra ver todo o vale que percorremos no dia anterior. A partir desse momento, começamos a caminhar por cima do Chapadão da Babilônia. Por um longo trecho bem plano. Isso facilitou bastante a caminhada. Depois de caminhar uns 6 km, no alto da serra, chega-se a uma bifurcação onde tem uma placa com indicação de 2 caminhos. Os dois caminhos chegam à Cachoeira Casca D’anta, porém primeiro, à direita, você vai por São José do Barreiro, e Estrada do Rolador. O segundo caminho segue para a cachoeira, sentido vão dos cândidos e Igrejinha. Siga o caminho menor, ou seja, sentido Vão dos Cândidos (Placas azuis). A partir desse entroncamento, há uma terceira opção que é uma "trilha alternativa" que vai por caminhos onde passam gado e motos. A intenção inicial era descobrir e mapear essa trilha no GPS, mas no alto da serra estava uma neblina muito densa, onde não se conseguia ver mais do que 100 m adiante, e o sinal do GPS estava muito falho. Mas eu conversei com alguns nativos e eles disseram que dá para passar por lá sem problemas. A referencia é “vale e caminho da mineradora de diamantes”. Esse caminho se inicia próximo à placa da Serra da Babilônia, passa por dentro de um grande vale e termina bem próximo à Casca D’anta. Continuando nossa caminhada pelo alto do Chapadão da Babilônia, as 14:00 h encontramos com um grupo de motociclistas desesperados porque um deles caiu e quebrou o braço. A sorte era minha namorada ter levado sua super caixa de primeiros socorros. Resumindo: ela deu uma injeção pra dor e uns comprimidos para acalmar o cara, colocou o braço dele no local enquanto os amigos dele arrumaram um carro com um nativo e uma ambulância para levá-lo ao hospital de São Roque de Minas... A gente não sabia quem tava mais desesperado, o cara do braço quebrado ou os amigos dele!!! No fim deu tudo certo. As 15:30 h chegamos a um ponto que é chamado de descida da Serra da Babilônia. A referência é um muro de pedras junto a um mata burros. Da placa até o muro de pedras são cerca de 4,5 km. A partir desse local começa a descida que é tranqüila porém a estrada está um pouco mais precária do que as outras por onde passamos. O tempo deu uma melhorada e deu pra apreciar o belo visual da Serra da Canastra ao fundo com a Casca D’anta ainda pequenininha de longe. Após a descida da Babilônia subimos o ultimo morro que nos leva a “Igrejinha”. Esse local é um morro alto que funciona como uma espécie de mirante 360º. Lá em cima tem um restaurante e uma área de camping muito legal... Vale muito a pena ficar uma noite lá.!! O visual é nota 1000. Da pra ver toda a Serra da Canastra por um lado e a Serra da Babilônia por outro. Saindo de lá continuamos a caminhada e chegamos ao nosso destino às 18:15, já bastante cansados. No Camping Dois Irmãos, o Sr. Vicente nos recebeu muito bem. Esse camping é mais conhecido como “Zé de Lima”, o antigo proprietário. Inclusive as placas ainda estão com o nome do Zé de Lima. A esposa dele preparou aquele jantar especial para nós, com frango caipira, macarrão, batatas, arroz, carne de porco cozida e salada. Além daquela cachaça sagrada né!!! Ficamos ali no restaurante dele até tarde conversando... depois montamos as barracas e fomos dormir. O camping é muito bem estruturado e fica há 5 minutos da Portaria do IBAMA. Restaurante e Camping Dois Irmãos Sitio Cachoeira Casca D’anta (Parte Baixa) São Roque de Minas- MG (37) 9951-8567 (Sr. Vicente e Ileuza) Almoço ou jantar para quem está acampado: R$ 10,00 Almoço ou jantar para quem não está acampado: R$ 12,00 Café da manhã: R$ 6,00 (servido até as 9.00h) Camping R$ 10,00 03 de maio de 2008 – sábado Levantamos um pouco tarde e acabamos perdendo o café da manha. Comemos uns biscoitos e frutas que levamos e partimos para a cachoeira Casca D’anta. A intenção era visitar a parte baixa e a alta da cachoeira mas a trilha que leva à parte alta estava interditada por questões de segurança. Pra mim que já fui lá 2 vezes não fez diferença, mas o pessoal ficou um pouco decepcionado. Na portaria do IBAMA é necessário pagar uma taxa de R$ 3,00 por pessoa e você pode entrar e sair quando necessário dentro do mesmo dia. Antigamente podia-se acampar na área da cachoeira, mas há alguns anos atrás teve uma tromba d’água que saiu levando barracas e pessoas pelo rio São Francisco abaixo. Depois foi proibido. Ficamos na cachoeira até por volta de 13 horas, depois voltamos ao restaurante do Sr. Vicente almoçamos e fomos procurar uma forma de irmos embora. A intenção era voltar para Passos só no domingo, mas algum iluminado teve a idéia de passarmos o domingo conhecendo a área de Furnas. Eu como trabalho lá, já conheço tudo mas a maioria da turma ainda não conhecia. Fechamos um acordo com o Sr. Vicente e pagamos a ele R$ 50,00 para ele nos levar até a cidade de Vargem Bonita, 22 km da cachoeira. Em Vargem Bonita uma turma pegou um ônibus as 17:00 h para Piumhi onde pegaram outro ônibus, as 18:40 h para Furnas. Eu segui no fusca e me encontrei com a turma em Furnas. Lá nos hospedamos na casa do pai do Marcio Véi, onde comemos muito bem... ficamos de papo furado o resto da noite. 04 de maio de 2008 – domingo Nesse dia, rolou o maior transtorno, levantei cedo e fui com a Priscila, Bob e Náriman, buscar meu carro na pousada do Eninho, 40 km de Furnas, quando faltavam 500 m pra chegar, lembrei que tinha deixado a chave do carro em Furnas... Acabei encontrado de novo, nosso amigo Vareja que estava hospedado lá no Eninho. E aí Vareja!!! Voltamos a Furnas, deixamos o Bob e Priscila junto com o restante da turma e voltei lá no Eninho com a minha namorada pra buscar o carro. Acabei chegando de volta as 16:00 h. Perdi quase o dia todo nesse vacilo. Enquanto isso, o pessoal visitou a Cachoeira do Filó, que fica às margens da rodovia MG-050, 3 km de Furnas e a Cachoeira Lagoa Azul (R$ 5,00), a 8 km de Furnas, na verdade, não sei porque ela se chama lagoa azul, porque ela é verde!!. Depois foram almoçar no famoso Restaurante do Turvo, onde por aqui se come uns dos melhores pratos de peixes da região. Pra finalizar visitaram o mirante da Usina Hidrelétrica de Furnas e o Mirante do “VHF” um morro de onde se vê grande parte do lago e do Rio Grande depois da Usina. O visual e o por do sol são fantásticos!!! A noite voltamos à passos, onde cada um pegou seu carro e seguiram para suas cidades. Isso fechou o sensacional feriado do trabalhador. Distâncias: Passos – Porto do Glória 11 km 15 min carro Porto do Glória – São João Batista do Glória 05 km 05 min carro São João Batista do Glória – Pousada Boa Esperança 25 km 40 min carro Pousada Boa Esperança – Pousada da Vanda (estrada) 22 km 08 h a pé Pousada Boa Esperança – Pousada da Vanda (trilha do facão) 18 km 04 h a pé Pousada da Vanda – Camping 2 Irmãos 25 km 07 h a pé Camping 2 Irmãos – Cachoeira Casca D’anta 1,3 km 20 min a pé Camping 2 Irmãos – Vargem Bonita 22 km 40 m carro Gastos: em torno de R$ 150,00 incluindo gasolina do fusca, lanches, jantar, camping, taxas do ibama e passagem de ônibus. Suprimentos: barraca, lanches leves, frutas, anorak, saco de dormir, isolante térmico, binóculo, água (não achamos muitas nascentes), maquina fotográfica, poucas roupas, mapas, lanterna, cachaça, kit 1º socorros. Obs.: no percurso, não há telefones públicos nem sinal de telefone celular. No camping do Sr. Vicente você poderá fazer ligações a cobrar usando o celular dele. Acho que tem sinal da operadora Vivo próximo ao camping dele. pessoal, espero que tenham gostado do relato e que ele seja útil para alguem. tenho os mapas da travessia, se alguem tiver interesse, me mandem um e-mail que eu envio. não sei se dá pra colocar aqui, são 6 páginas e esta em formato .pdf. Qualquer dúvida é só perguntar! [email protected] Abraços e se alguem aparecer por aqui, faça contato! Marcelo Morais
×
×
  • Criar Novo...