Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''viagemdemoto''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. Os Cânions de Capitólio e dicas sobre essa linda cidade. Uma cidade bonita e bem organizada. O turismo para conhecer os cânions de Capitólio ganhou mais força nos últimos 3 anos e com isso mudou a vida de muita gente. Este é o tipo de história que mais se ouve por lá. O maior exemplo é o do Gilson, do Gilson Passeios Náuticos, que de caseiro hoje é empresário com 10 lanchas que fazem o passeio pelos Cânions de Capitólio. Tive a oportunidade de conhecê-lo nos dando carona até o passeio. Falei nos no plural porque estava com a Natália, Americana em sua primeira viagem para fora dos EUA. O Gilson contou um pouco como rala para ser “patrão”. No embalo das oportunidades do crescimento da cidade, conheci mais dois casais, nos dois coincidentemente os homens são ex publicitários. Um deles é o Eduardo do Salvatore, que me recebeu em uma tarde quando bati em sua porta sem marcar nem avisar, e mesmo assim ele foi bem receptivo me contando todas as mudanças de caminho que já teve em dois anos de estabelecimento na cidade. Parece que depois de muito esforço estão conseguindo mudar um pouco ou pelo menos ampliar um pouco a visão dos moradores daqui sobre culinária. Estive lá e experimentei bife ancho angus com risoto de tomate e estavam muito bons. Vale conhecer! Saiba mais no Blog O Mundo em Lanches.
  2. Motociclistas e Mochileiros, Beleza? Depois de muito utilizar o Mochileiros.com para me auxiliar nas trips pelo mundo, chegou a hora de retribuir e escrever meu primeiro relato por aqui 👏. Em 26/12, eu e minha noiva embarcamos na nossa primeira viagem de moto mais longa. Já fizemos algumas viagens e mochilões pela Europa e América do Sul e também algumas viagens curtas de moto, mas essa foi nossa primeira ridetrip de média duração (total de 12 dias e 3.724km). Para começar, escolhemos o Uruguai, país que muito nos agrada, já conhecíamos, e que fica razoavelmente perto de Curitiba, nossa cidade de partida. Fomos com um BMW F800GS Adventure que dispensa comentários. Moto perfeita para ridetrips. Nosso roteiro foi o seguinte: (mais adiante detalho tempos de viagem e quilometragem rodada) 26/12: saída de Curitiba/PR com pernoite em Porto Alegre/RS 27/12: Dia livre em Porto Alegre/RS 28/12: Saída para Punta del Diablo/UY 29, 30 e 31/12: Dias livres em Punta del Diablo/UY 01/01: Saída para Piriápolis/UY 02/01: Dia livre em Piriápolis/UY 03/01: Saída para Colônia do Sacramento/UY com passagem para almoço em Montevideo/UY. 04/01: Dia livre em Colônia do Sacramento/UY 05/01: Saída de Colônia do Sacramento/UY com pernoite em Santa Maria/RS 06/01: Retorno para Curitiba/PR com passagem por Bento Gonçalves/RS ----- PREPARAÇÃO ----- Antes de começar as informações dos trechos, aqui vão algumas informações iniciais do planejamento. Como já conhecia vários dos lugares que passamos, em um mochilão feito em 2016, já tinha uma ideia de como eram os locais e as necessidades de hospedagem, dinheiro, câmbio etc. Optamos por fazer as reservas de hostel antecipadamente, porque época de final de ano, sobretudo em Punta del Diablo e Colônia que ficam muito cheias, principalmente de turistas brasileiros. Com a moto, como ela está bem cuidada, fiz apenas uma revisão preventiva, troca de óleo, filtro e pastilha traseira. Para quem for de Curitiba, recomendo a Touring Motos, adiante do Parque Barigui. Pneu traseiro estava praticamente novo. Pneus dianteiro já estava meia vida, mas resolvi encarar (talvez uma decisão errada rsrsrs). Estamos sem top case e bauletos laterais. Utilizamos uma soft bag da BMW de 65 litros emprestada de um tio meu e, para evitar problemas com espaço, comprei um saco estanque da Guepardo de 20 litros. Só 55 reais na Canyon Adventure, em Curitiba, e coube um monte de coisa. O saco era preso sobre a soft bag com extensor. Não tivemos problemas. Levei apenas o kit de ferramentas da moto e um frasco de spray Motul para lubrificar a corrente. Nada mais, nem kit de reparo de pneu. No Uruguai tem bastante auxílio, caso fosse necessário. Emiti a carta verde pelo site da Porto Seguro, inclusive imprimi em papel verde como havia recomendando alguns blogs. Achei exagerado, mas preferi evitar problemas. Fomos com passaporte, mesmo sendo permitido entrar com RG. Tenho pra mim que o único documento internacional é o passaporte, então preferível sempre estar com ele fora do país. Aqui foi uma vantagem. Na fronteira do Chuy, a agente de imigração disse que com passaporte tudo fica mais fácil e rápido e não precisa preencher aqueles formulários de imigração. Ponto pro passaporte rsrsrs! O planejamento não teve nada de especial. Apenas criei uma planilha com o roteiro, distância entre as cidades, descrição de pontos de referência para orientar na estrada (viajamos sem GPS) e tempo, conforme o Google Maps, entre os destinos. Dia 1 (26/12) – Curitiba a Porto Alegre – 744km No dia anterior já prendi a soft bag na moto e o saco estanque, assim economizava tempo para a partida. Pneus calibrados e tanque cheio. Às 6:00 saímos de Curitiba com destino a Porto Alegre. Fomos pela BR-101 a qual conheço bem até a região de Laguna/SC. Depois era tudo novidade. Neste trecho tem pagamento de pedágio, não é caro, até chegar no RS. Estrada boa, mas bem movimentada. Evite abastecer próximo a Balneário Camboriú e Florianópolis, o preço vai lá em cima nessas regiões. Depois de Laguna a estrada continua boa, só um vento lateral na região da ponte de Laguna, muito bonita por sinal, que assustou um pouco. Em Osório/RS, pegamos a famosa freeway. Que monotonia rsrs. 90 km de quase uma reta infinita, sem subidas ou decida, sem posto, sem nada. E pior, estava um solzão de 34 graus marcando no painel da moto. Os quilômetros não passavam kkk. Chegamos em Porto Alegre por volta das 15h30. Viagem bem tranquila. Ficamos no Intercity Cidade Baixa. Peguei uma promoção no booking.com e o hotel saiu por um preço muito bom. Chegamos lá e o queixo caiu. Que baita hotel. Banho para recuperar as energias e fomos conhecer Porto Alegre (POA). Cidade agradável, bastante construções antigas e um pouco mal cuidadas. Mas o saldo foi positivo. Dia 2 (27/12) – Dia livre em POA – 0km de moto, muitos km’s a pé. Dia livre para conhecer POA. Visitamos o centro, Palácio Piratini (recomendo entrar e fazer a visita guiada - gratuito), Mercado Central, Hotel Majestic (casa do poeta Mario Quintana) e várias feiras de rua. Porto Alegre, embora um pouco mal cuidada, nos impressionou muito. Gostamos de lá. Próximo ao fim do dia fomos ao Gasômetro para ver o pôr do sol. Que lugar bonito e vibe legal. Vale a pena tirar uns minutos para relaxar e apreciar o visual. À noite, voltando para o hotel, paramos para comer em um lugar chamado Butcher Burger. Que surpresa boa. Lanche e lugar muito bom. Fica a dica. Dia 3 (28/12) – Porto Alegre a Punta del Diablo – 563km Saímos cedo, não tanto como queríamos, pois o café da manhã do hotel começava apenas as 6 horas, com destino a Punta del Diablo, Uruguai. A saída de POA foi um pouco complicada, bastante trânsito e mesmo com a ajuda do GPS do celular acabamos errando algumas saídas. Chegamos até a entrar errado na rodoviária da cidade (no lugar exclusivo de ônibus – que cagada 😆), mas depois de quase 1 hora conseguimos sair da cidade e rumamos sentido Pelotas. Estradas boas e pedágio gratuito para moto. Em Pelotas seguimos pela RSC-741, sentido Rio Grande e depois sentido Chuí. Aqui uma dica: a estrada que leva até a fronteira do Chuí é um retão de 100 km sem posto de gasolina. Bom ficar atento com o abastecimento do veículo. Fomos achar posto só perto de Santa Vitória do Palmar. Na fronteira com do Chuí, antes de ir para a imigração, paramos trocar alguns reais. A cotação estava boa. Pelo que me lembro, algo em torno de 8 pesos uruguaios por real. Dinheiro trocado, fomos para a fronteira fazer a imigração. Preenchemos aqueles formulários de entrada, porém quando chegamos no guichê a funcionária nos informou que como estávamos com passaporte não era necessário. Fila um tanto quanto grande para a fronteira. Era por volta das 14 horas. Imigração feita, seguimos para Punta del Diablo. Estrada uruguaia muito boa e, nesses primeiros quilômetros, cuidando com os limites de velocidade, pois ainda não sabia como era o controle por lá. Fato curioso: poucos quilômetros após a fronteira tem uma pista de pouso de aviões médios no meio da rodovia. É bem curioso, você passa sobre aquelas marcações na pista de pouso, além da largura da pista que chama a atenção. Por volta das 15h30 chegamos no nosso hostel em Punta del Diablo, Giramundos. Lugar bacana, vibe boa e preço bom. Recomendo. Check-in feito, fomos dar um pulo na praia de Punta. Primeiro a Playa de la Viuda, bonita mas a visitada no dia seguinte era mais. À noite uma cerveja e milanesa num lugar que não lembro o nome e estava muito bom. A conta ficou em torno de 1.100 pesos (cerveja grande e duas milanesas que também são grandes). Dica: pagar com cartão de crédito para receber a isenção do imposto. Atualmente está em 22%. Vale muito a pena. Dias 4, 5 e 6 (29, 30, 31/12) – Dias livres em Punta del Diablo Tiramos esses dias para descansar e aproveitar Punta del Diablo e região. Dia 29 tiramos para aproveitar a praia, dessa vez a Playa de los Pescadores, bem bonita, cheia e agradável. Nada como descansar e ler um livro na areia. Aproveitamos que tínhamos cozinha em nossa cabana e compramos um peixe fresco direto dos pescadores para o almoço. Que delícia 😋. Dia 30 aproveitamos para voltar até a fronteira do Chuí para comprar algumas coisas no duty free e abastecer a moto no lado brasileiro. São apenas 60 km de Punta até a fronteira. Então valeu a pena voltar para abastecer lá. Os preços do duty free do Chuy uruguaio são bem bacanas. Vale a pena dar uma olhada. Aproveitamos para trocar mais um pouco de dinheiro. Desta vez em um supermercado mesmo. A melhor cotação da viagem. Pedi indicação de casa de câmbio e o atendente se dispôs a fazer o câmbio para mim. Foi quase 9 pesos por real. Voltamos para Punta, passeamos um pouco mais na praia e a noite voltamos ao centrinho para comer algo. Aproveitando para falar de Punta. O centrinho do balneário, especialmente por ser final de ano, é bem agitado e cheio. Muitos carros, motos, vans e motorhomes do Brasil e da Argentina. Várias opções de restaurantes e bastante mercadinhos pela cidade. No horário de almoço e, principalmente, perto do horário de fechar (cerca de 20h30) sempre ficavam cheios. O preço é mais alto que o habitual. Dia 31, virada de ano, aproveitamos para ir conhecer a Fortaleza de Santa Tereza. Fica cerca de 15 km de Punta e vale a pena a visita. A Fortaleza ainda é uma instalação militar e funciona como um pequeno museu. Vale a pena a visita. O Parque Nacional de Santa Tereza tem praias bem bonitas e muita gente acampando nessa época do ano. Na volta de Santa Teresa para Punta, paramos em um mercadinho e compramos um bom bife ancho uruguaio. Vamos aproveitar a cozinha que temos 🤪. 400 pesos por dois bons pedaços de carne e batatas. O almoço estava garantido. Ahhh a carne uruguaia. À noite, começos um peixe fresco feito na cabana do hostel mesmo e por volta da 22h00 descemos para a praia para quem sabe ver um queima de fogos. Olha ... surpreendeu. Teve uma boa queima de fogos. Bastante gente na areia e no centrinho confraternizando. CONTINUA ...
×
×
  • Criar Novo...