Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''deserto de atacama''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
  • Perguntas e Respostas sobre Destinos
    • Destinos
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem por Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Equipamentos - Perguntas e Repostas
    • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Mochilão Roots
    • Mochilão Roots
  • Viagem de Carro
    • Viagem de carro
  • Viagem de Moto
    • Viagem de moto
  • Cicloturismo
    • Cicloturismo
  • Outras Tribos Viajantes
    • Outras Tribos Viajantes
  • Work Exchange
    • Work Exchange - Troca de Trabalho por Hospedagem
  • Outros Fóruns
    • Outros Fóruns
  • Promoções
    • Passagens Aéreas

Categorias

  • América do Norte
  • América do Sul
  • Ásia
  • Europa
  • Oceania
  • Oriente Médio

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Tópicos que recomendo


Ocupação

Encontrado 38 registros

  1. Olá mochileiros(as)! Vim relatar uma roadtrip que eu e meu noivo, Luís, fizemos em dezembro de 2017. Saímos de Jaraguá do Sul/SC de carro (Vectra GT 2.0) e fomos até San Pedro de Atacama. Sei que há bastante relato sobre esse destino, porém, nada mais justo do que colaborarmos com nossa experiência depois de tanto utilizar o site Começarei com alguns tópicos antes de descrever o dia-a-dia, pois as vezes pode ser a dúvida de alguém. DOCUMENTAÇÃO Não temos passaporte, por isso fomos somente com o RG e CNH. O carro é financiado, porém o documento está em meu nome. Mesmo assim, escolhemos pedir ao Banco onde o financiamento foi feito a Autorização para Viagem ao Exterior para garantir. Depois fui ao Cartório para fazer o Apostilamento da Convenção de Haia (válido para os 2 países que passamos, Argentina e Chile). Fizemos Carta Verde pela SulAmérica através de uma seguradora daqui de Jaraguá. Pagamos R$151,38 por 12 dias. Tem a opção de fazer na fronteira, porém, como estávamos com horários apertados, não quisemos correr o risco. E foi ótimo, pois quando passamos de manhã para a Argentina, ainda estava tudo fechado. O SOAPEX, válido para o Chile, nós fizemos pelo site da HDI Seguros https://www.hdi.cl e pagamos $10,13 (dólares) no cartão de crédito. Fizemos também, para cada um, o seguro viagem. É o tipo de coisa que pagamos torcendo para não usar, mas é muito importante tê-lo. Contratamos pela Real Seguro Viagem. Custou R$66,24 cada, válido por 10 dias. A CNH de meu noivo, condutor por toda viagem, não foi pedida. Os policiais estavam mais interessados em saber sobre mim, a proprietária do veículo. Mas não deixa de ser um doc. obrigatório. Confesso que em nenhum momento nos pediram a autorização do carro e seu apostilamento. Mas tê-los em mãos foi uma tranquilidade pra minha cabeça durante a viagem rs. Outra questão foi a propina para policiais. Lemos que isso ocorre muito, e também ouvimos de pessoas próximas. Conosco não aconteceu isso. Na verdade, fomos parados apenas 1 vez na Argentina – na ida – além das fronteiras. E o policial que nos parou foi muito gentil,só pediu documento do carro e meu RG e nos lembrou de manter os faróis acesos lá mesmo durante o dia. Levamos cambão, kit primeiros socorros e os 2 triângulos exigidos, mas que também não foram pedidos. DINHEIRO Não foi nossa primeira viagem na América do Sul. Porém, cometemos um grave erro que não tínhamos feito ainda... Eu troquei na cidade onde moro uma grande quantia em pesos argentinos, o que seria suficiente para ida e volta (gasolina, hotéis, comida). A minha ideia era que só passaríamos por essas cidades, ou seja, não teríamos tempo de percorre-las atrás de casas de câmbio, então essa alternativa seria um ganho de tempo. E foi, mas perdi dinheiro. E muito. Pegamos uma cotação horrível, e cada centavo encarece demais uma conta a pagar na viagem. É muito mais vantajoso trocar na cidade. Se quiser levar alguma quantia na moeda do país, aconselho levar pouco. Resumindo: levamos 400 dólares, 3700 reais, 60.000 pesos chilenos e 9400 pesos argentinos. Também levamos cartão de crédito internacional. Em real, reservamos para tudo isso 8 mil. Mas por causa do “erro” da cotação podemos considerar que perdemos mais de 500 reais do total Os pesos chilenos eram só pra entrar no país, o restante para os dias que ficamos em San Pedro trocamos na rua Toconao, onde tem muitas opções. Os dólares foram o melhor negócio! Quando compramos, pagamos o equivalente a 3,30 reais por dólar. Lá vendemos por 3,42! ROUPAS Fomos no verão, mas por causa da altitude em alguns passeios, sabíamos que pegaríamos muito frio (chegamos a 10 graus negativos!). Por isso levamos casacos, gorro, calça, shorts, vestido, regatas... Mas sobre a temperatura falarei melhor em cada dia. DIA 1 – 23/12/17 (JARAGUÁ DO SUL – SÃO JOSÉ DO CEDRO) Optamos por não andar muito na ida para não cansar demais, e também porque quisemos fazer alguns caminhos de dia por causa da paisagem. Saímos logo após o almoço e percorremos 585km. Fomos sentido Mafra, Porto União, Palmas...Não pegamos pedágio nesse trecho. Nos hospedamos no Hotel Cedro Palace que fica perto da rodovia e pagamos R$110,00 pelo quarto duplo. A entrada da cidade tem o asfalto muito ruim, por isso cuidem com os buracos! Tudo no hotel é novo e bem confortável. O café da manhã estava incluso e era bem servido, com muitas opções! OBS: todas nossas reservas eram feitas pelo Booking e os nosso filtros eram: estacionamento gratuito, wifi e café da manhã incluso. Reservamos cada hotel 1 dia antes de ir para a cidade. Exceto o hotel em San Pedro de Atacama por causa da concorrência da data e dos preços que aumentam no final de ano. DIA 2 – 24/12/17 (SÃO JOSÉ DO CEDRO – RESISTÊNCIA) Após o café, saímos em direção a Dionísio Cerqueira para passar pela fronteira com a Argentina. Foi tudo bem rápido. Passamos por um primeiro guichê (sem sair do carro), onde o rapaz pediu nossos documentos, o do carro e a carta verde. Também tivemos que abaixar os vidros para enxergar que éramos só em 2 e abrir o porta malas. Depois estacionamos mais a frente para fazer a Migração. Descemos até o estabelecimento para entregar os mesmos documentos e dizer para onde estávamos indo. A moça preencheu tudo com nossos dados, nos entregou o papel e pediu para que guardássemos ele para a saída do país. Ali em Bernardo de Irigoyen abastecemos no YPF. No caminho todo abastacemos lá e no Shell. Em ambos os postos pedimos a Nafta Super (equivalente a nossa gasolina aditivada). O litro custava entre 24,99 e 26,36 pesos argentinos. DICA: Já adianto que a conveniência do YPF é mais cara. Chegamos a pagar 430 pesos para comer um lanche lá. A do Shell tem um preço beeem melhor e até mais opções. Pena que não são em todos os trechos que encontramos ele. Cuidado com uma coisa que em vários lugares fazem: não colocam preço nas mercadorias. Eles decidem no caixa o quanto querem te cobrar. Chegamos a pagar o equivalente a 13 reais por 1,5L de água. Se tiverem a oportunidade de entrar nas cidades para comprar essas coisas, aproveitem. Pois sentimos bastante diferença no bolso. No trecho desse dia, pagamos 3 pedágios: dois de 20 pesos cada e um de 15 pesos. No geral as estradas te um bom pavimento e o limite de velocidade chega a 110km/h. Dá pra andar bem por causa das retas, mas tem que cuidar muito com os animais na pista. Desviamos e até tivemos que parar o carro por causa de cachorros, bois, cabras e cavalos. Usamos o app Maps.me para vermos nos mapas off-line onde tinham postos, restaurantes, pedágios e radares no caminho. Foi muito útil para programarmos quando parar para abastecer, principalmente, pois em alguns trechos demora pra encontrar um posto e as vezes ele é sem bandeira ou simplesmente está fechado. No restante do caminho, usávamos os mapas baixados do Google Maps. Em Resistência ficamos no Hotel Del Pomar. Pelas opções do booking, achamos as hospedagens disponíveis pro dia muito caras. Esse estava em “oferta” e saiu por $52 (dólares). É um hotel diferente do que estamos acostumados. Podíamos ter rodado a cidade para procurar outros que não estivessem no booking, mas sempre chegávamos muito cansados e o tempo estava curto. Nos programamos muito mal para passar o dia 24 na estrada. Os estabelecimentos fecham cedo, claro (no máximo até as 18h). Então nossa ceia foi um pacote de batata Lays e 2 cervejas. DIA 3 – 25/12/17 (RESISTÊNCIA – TILCARA) Tivemos que pagar um pedágio no Chaco. Custou 30 pesos – o mais caro que encontramos tanto na ida quanto na volta, mas nada comparado aos pedágios que pagamos nas estradas brasileiras. E outro pedágio perto de Salta. Esse saiu por 5 pesos (o mais barato). Em Monte Quemado, passando a rotatória da entrada, paramos num posto que tinha restaurante, do lado esquerdo da rodovia. Cada um comeu uma milanesa grande (frango) com salada e suco (eles estavam sem batatas, principal acompanhamento dos pratos de lá). Tudo saiu por 270 pesos. A estrada fica muito ruim por uns 30km após passar esse lugar. Muitos buracos, dava até medo pelo carro. Mas assim que passa o posto policial, tudo mudou e voltou a ter uma ótima pista. Foram 932km até chegar em Tilcara. E que cidade linda! Nos apaixonamos pela simplicidade das ruas, das pessoas...e estava bem cheia! Conforme nos aproximamos, a paisagem nos presenteia com lindas montanhas como podem ver nas fotos: Demos entrada no Hostal Antigua Tilcara. Pagamos $99 (dólares) por 2 diárias para casal. O lugar é muito aconchegante, nos sentimos em casa. Algumas coisas poderiam ser melhores: sair mais água no chuveiro e ter opções de salgado no café (um presunto e queijo estaria perfeito!). A internet não é muito boa, oscila bastante, mas deve ser por causa da localização. Descemos a rua do Hostal para dar uma volta a pé e depois jantar. Paramos no restaurante A La Playa para jantar. Dividimos uma cerveja local tipo stout chamada Tilcara. Eu comi Lomo de Lhama com creme de curry e batatas, e meu namorado pediu uma Milanesa com batatas. Tudo saiu por 440 pesos incluindo os 15 pesos da entrada (torradas com uma pasta de berinjela temperada). ALTITUDE: Tilcara encontra-se a 2465m de altitude. Já adianto que nem lá e nem no Paso de Jama (a 4200m) passamos mal. Estávamos preparados para vomitar, ter dores de cabeça, etc. Mas nosso organismo deu uma mãozinha e talvez ter feito o caminho de carro subindo aos poucos deve ter ajudado. O maior problema que enfrentamos foi o tempo seco. Nariz sangrando, olhos ardendo e boca rachada. Mesmo usando soro fisiológico, colírio e manteiga de cacau, foi difícil. De manhã e a noite é friozinho, pegamos 11 graus nesse período. Mas a tarde é quente apesar de ventar bastante. Acho que chegou a 30 graus. DIA 4 – 26/12/17 (PASSEIOS EM TILCARA) Após o café da manhã no Hostal, fomos de carro até Pucará de Tilcara e o Jardim Botânico de Altura (ficam no mesmo lugar). Estrangeiros pagam 100 pesos para entrar e ganhar um folheto/mapa explicativo como guia da visita. Neste dia as refeições foram mais econômicas, almoçamos no próprio Hostal, pois serviam combos individuais. Cada um pediu 4 empanadas + 1 Quilmes long neck, tudo por 100 pesos. A tarde fomos até Purmamarca visitar o famoso Cerro de los Siete Colores. Logo na entrada da cidade tem como estacionar o carro na rua e seguir a pé por 1 ou 2 quarteirões. Para você subir num morro de frente para o Cerro e observá-lo melhor, precisa pagar 5 pesos. É jogo rápido. A montanha é linda, claro, tem que visitar. Mas não precisa separar muito tempo para isso. Quando voltamos a Tilcara fomos passear na Plaza Alvarez Prado, a principal e onde muitos artesãos vendem suas criações. Passamos numa vendinha para comprar aquelas sopas de saquinho e um pouco de pão haha essa foi nossa janta. Aproveitamos que o Hostal tem cozinha compartilhada para dar uma economizada. DIA 5 – 27/12/17 (TILCARA – SAN PEDRO DE ATACAMA) Tchau Tilcara, tchau Argentina. Após o café, abastecemos o carro na saída da cidade (tem um YPF lá) e partimos rumo ao Paso de Jama que nos levaria ao destino principal: San Pedro de Atacama. Passamos por muuitas curvas na RN52, logo após Purmamarca. Dá medinho, mas o caminho é lindo demais! O asfalto está muito bom, o que dá mais segurança para dirigir por lá. O último posto de gasolina antes de subir o Paso de Jama fica na saída de Susques (na rodovia mesmo). Lá completamos o tanque e cada um comeu um lanche e o refri foi dividido. O “almoço” deu 170 pesos. Passamos pelas Salinas Grandes no caminho. Vale muito a pena parar para apreciar. A aduana chilena fica um pouco antes da fronteira em si. No primeiro guichê nos entregaram um papel que seria o controle dos carimbos. Estacionamos o carro e entramos. Lá dentro são 6 tramites, entra na fila do primeiro e conforme vão carimbando, eles te liberam para o próximo. Até o 4º pedem identidades ou passaporte e documento do carro. No 5º cada pessoa preenche a Migração, lá contém seus dados e se você declara estar levando mais de 10 mil dólares (ou o equivalente em outra moeda), produtos de origem animal ou vegetal ou animais de estimação. Depois de entregar a declaração eles perguntam se temos certeza do que declaramos e o último tramite é a revista do carro e das malas. Após a revista é dado o último carimbo e pode prosseguir. Todo o processo é demorado, acho que ficamos 1h lá. Já quaaaase chegando tem a Laguna Pujsa que dá uma prévia das coisas lindas que veríamos nos dias seguintes. Tínhamos reservado 4 noites no Hostal Montepardo 3 meses antes da viagem. Porém, como precisamos antecipar em 1 dia, não conseguimos entrar antes lá, já estavam cheios. Por isso a primeira noite em San Pedro dormimos no Hostal Atacama North. Foram pagos $64,26 (dólares) por um quarto com 2 camas de solteiro e banheiro compartilhado. Achei caro em vista do que estávamos pagando no caminho e do que estavam nos oferecendo. No mais, tudo bem organizado e limpo. Depois de fazer o check-in fomos a Rua Caracoles e suas transversais para fechar os passeios, trocar dinheiro, comprar água e jantar. A rua é demais! Tudo gira em torno dela: restaurantes, mercados, lojas, agências, câmbio... Pesquisamos em 4 agências e fechamos os passeios na Sun Travel (ou Yalcana) Pagamos 130.000 pesos chilenos em 3 tours para 2 pessoas: - Geysers del Tatio (4:30 as 12h com café da manhã) – incluindo Vado de Putana e o povoado Machuca - Piedras Rojas e Lagunas Altiplanicas (7h as 18:30 com café e almoço) – incluindo Salar de Atacama, Laguna Chaxa, Toconao, Socaire, Trópico de Capricórnio. - Laguna Cejar e Tebinquiche (16:30 as 20:30 com snacks e Pisco Sour) – inclui flutuação na Laguna Piedras e uma vista linda do pôr-do-sol na Tebinquiche com Pisco Sour. As entradas nos parques são a parte, nenhuma agência inclui esses valores nos passeios porque o pagamento é individual. Passarei os valores no relato de cada tour. Lá é muito comum o Menú. Geralmente ele compõe uma entrada, um prato principal (fondo ou principale) e as vezes vem bebida ou sobremesa (postre). No restaurante Paatcha (Caracoles, 140) o menu vinha acrescido de taça de vinho. Além disso pedimos 1 cerveja artesanal do tipo IPA e tudo saiu por 20.000 pesos (com 10% de atendimento chamado lá de propina ou “tips” e é opcional). A moça que nos atendeu era brasileira e nos explicou que toda noite lá você escolhe se quer 10% de desconto ou 1 Pisco Sour. Ficamos com a 1ª opção. Água lá preferimos comprar galão de 6 litros e encher nosso cantil. Pagamos 2500 pesos mas encontramos por até 1750 em alguns lugares. Convertendo, isso dá o mesmo do que pagávamos o de 1,5L na Argentina... DIA 6 – 28/12/17 (GEYSERS DEL TATIO / VADO DE PUTANA / MACHUCA) Nosso combinado no Hostal Atacama North foi: deixar paga a diária, deixar o carro estacionado na frente e as malas arrumadas dentro do quarto com a chave em cima. Assim a recepcionista poderia deixar na sala dela até voltarmos do tour e liberar o quarto para outros hóspedes, pois o check-out era 11:30 e só chegaríamos depois das 12h. Ela foi muito atenciosa em nos oferecer um lanche para levar de madrugada, já que não tomaríamos café lá. Mas recusamos, pois sabíamos que essa refeição estava inclusa no passeio também. E nos foi o suficiente. 4h da manhã acordamos, pois entre 4:30 e 5h a van da Sun Travel passaria para nos buscar rumo ao primeiro tour. É muito comum um determinado passeio não fechar número de pessoas o suficiente na agência. Quando isso ocorre, eles realocam as pessoas para ir com outra agência. Foi o que nos aconteceu no primeiro dia. Entrada por pessoa: 10.000 pesos. As 7h descemos do micro ônibus já nos Geysers e estavam deliciosos -10 graus! Fomos bem preparados com casacos, gorros, etc, pois quando fechamos o pacote o Alejandro (vendedor e guia da Sun Travel) nos alertou sobre a temperatura. O lugar é maravilhoso, e todos são avisados das regras que devem ser seguidas, pois já houve casos de pessoas que morreram no local por desatenção e desrespeito a essas regras. O guia Cristobán era muuuito animado e fez todos acordarem e se interessarem pelas explicações que ele dava. Até o momento que nem frio mais sentíamos <3 Ali mesmo, ao lado do micro, foi montada uma mesa com café, chás, pães, frios, bolos e bolachas e todos conversaram um pouco, comeram e apreciaram a vista. Em nosso tour tinham franceses, chilenos, alemães, brasileiros... Voltamos a estrada e paramos no Vado de Putana. Putana é o nome do vulcão que se vê ao fundo na próxima foto e nesse local se encontra uma ave que faz um barulho parecido com uma risada. Mais a frente, paramos no povoado Machuca, onde pudemos ficar 30 minutos livres, sem guia. Comemos um espetinho de lhama e andamos até uma igreja que tem no alto. Ao voltar para San Pedro, fomos almoçar no Sol Inti (Tocopilla, 130). O menu desse dia incluía entrada, prato principal e sobremesa. Além disso, cada um pediu uma cerveja Austral. Tudo saiu por 17.000 pesos. Buscamos nossas malas e o carro no hostal e fomos fazer o check-in no Hostal Montepardo, onde ficamos até o último dia. Eu amei lá! É muito familiar, a decoração é maravilhosa, tem 3 gatos lindos e o quarto é muito confortável. O Rodrigo nos recepcionou e nos apresentou tudo. Também se ofereceu para explicar sobre a região e ajudar nos tours. Tiramos a tarde para descansar, pois eu estava me sentindo um pouco mal. Acredito que por causa da diferença de temperatura da manhã para a tarde. E também porque vacilei em tomar pouca água só porque estava frio. Fim do dia fomos conhecer o La Frachuteria. É uma casa de croissants e pães comandada por um francês. Vale muito a pena tomar um café lá. Não é barato, mas eu mesma adoro esse tipo de comida e nunca tinha experimentado um tão bom! Cada um comeu um croissant salgado e dividimos um doce (de framboesa com chocolate branco). Eu tomei um café preto pequeno, e o Luís um com leite grande. Tudo saiu por 11.200 pesos. Eu já fui com a ideia de comprar umas lembrancinhas simples para familiares e para a gente também. Gostamos de ter em casa objetos que nos lembre constantemente da viagem. Então fomos até a Feira Artesanal ao lado da Iglesia San Pedro de Atacama. Acredito que os artesãos tem um acordo sobre os preços para não geral muita concorrência. Por exemplo, havia os mesmos objetos em todas as barraquinhas pelo mesmo valor. Uma ou outra se destacava por vender algo diferente. Roupas, decoração, acessórios, ervas, etc. Artesanato não é algo barato e acho que nem deve ser. Achei os preços bem justos. Compramos (quase) tudo o que queríamos para nós e para os outros e gastamos o equivalente a R$80,00 Para esta noite eu tinha reservado há meses o tour astronômico. Era o passeio mais esperado por mim. Ao chegar na agência SpaceObs para pagar, fui informada que estavam cancelando devido a quantidade de nuvens e a Lua cheia. Apesar de ficar muito chateada, eu entendi que é um lugar muito sério. Eles não queriam receber por um passeio do qual eu não desfrutaria completamente. Para quem não sabe, a luminosidade da Lua atrapalha a observação do céu, como o que ocorre com a luminosidade artificial que temos nas cidades. Fica para uma próxima DIA 7 – 29/12/17 (LAGUNAS ALTIPANICAS, PIEDRAS ROJAS E SALAR) De novo não conseguimos tomar café no hostal, mas o Rodrigo deixou preparado um lanche de queijo e peito de peru com uma banana e suco de maçã para cada <3 7:30 a van nos buscou. Foi um tour bem menor, com 8 pessoas. As explicações foram dadas pelo Alejandro em espanhol e inglês. Só nós 2 éramos brasileiros, a maioria eram coreanas e havia 1 italiano. Primeiro paramos no povoado de Toconao, onde observamos a igreja principal da cidade e ouvimos sobre os costumes religiosos e como a colonização espanhola influenciou neles. No caminho até a próxima parada, passamos pela marcação do Trópico de Capricórnio. Lá foi explicado como se reconhece onde está o Norte, Sul, Leste e Oeste. Depois viajamos até Socaire. Lá há um restaurante onde muitas excursões param para tomar café e/ou almoçar. Tinha café, chás, ovos mexidos, manteiga, marmelada e pães. De barriga cheia, fomos a pé até uma outra igreja. Ao voltar, seguimos até as Lagunas Altiplanicas (Mistanti e Miñiques). Ali é paga a primeira entrada do dia: 3000 pesos por pessoa. Há delimitações feitas com pedras no chão para não chegar muito perto. Já voltando sentido San Pedro, paramos para almoçar no mesmo local que tomamos café, isso já era 15:30. Estava inclusa a limonada, a entrada e o prato principal. Como em todos os lugares que servem menu do dia, você tem 2 opções de entrada para escolher e de 3 a 5 opções de prato principal. Piedras Rojas acredito ter sido o lugar que mais gostamos de visitar. A paisagem é maravilhosa e o contraste da água clara com as pedras avermelhadas é demais. Nossa última parada foi o Salar de Atacama. Para entrar lá, cada pessoa paga 2500 pesos. Observamos mais de perto os Flamingos Andinos (existem 3 espécies na região e eles explicam como as diferenciar pelas cores) e soubemos um pouco mais sobre a Artemia salina, crustáceo que é o principal alimento para os flamingos manterem sua cor. Chegamos em San Pedro por volta das 18:30. Fomos até o hotel tomar um banho e sair para jantar. Nesta noite comemos no Barros Cafe (Tocopilla, 418). Ali não tinha opção de menu completo, então fomos direto ao prato principal: o meu era um quiche de queijo gouda com cebolas caramelizadas e acompanhava salada. Do Luís era um lanche bem grande, mas não me recordo tudo o que vinha nele. Dividimos uma Pisco Sour com Rica Rica (é uma planta de gosto mentolado) e tudo saiu por 15400 pesos sempre com os 10% incluso. DIA 8 – 30/12/17 (LAGUNA CEJAR, PIEDRAS E TEBINQUICHE) Chegou nosso último dia na cidade Tomamos um café maravilhoso no Montepardo e fomos alugar uma bicicleta. Não me recordo o nome do lugar, mas fica no início da Caracoles (se vc começa-la pela rua Ignacio Carrera Pinto). Se for nesse sentido será o primeiro lugar escrito Rent a Bike a esquerda que verá. Pagamos 8000 pesos para usar as 2 bikes por 6 horas (mas ficamos bem menos que isso). Está incluso o capacete, colete verde de segurança, kit remendo de pneu, bombinha e cadeado. No dia anterior eu machuquei minha perna esquerda e estava com dor muscular. Por isso usamos a bike para ir só até Pucará de Quitor (dá uns 6km ida e volta). A entrada lá custa 3000 pesos e leva 2h aproximadamente para percorrer tudo. Devolvemos as bicicletas e finalmente conseguimos sentar no ChelaCabur (Caracoles, 212). É um pub que só toca rock e vende várias cervejas nacionais muito boas. Sempre que passávamos lá estava muuuito cheio. Acho que só pegamos mesa porque devia ter aberto há poucos minutos. A partir das 12:30 você pode pedir pizza. Eles encomendam da Pizzeria El Charrua e vc come na embalagem mesmo com guardanapos. Lá sai barato pedir garrafa tipo litrão. Tem de 3 marcas e sai por 2500 pesos cada! Mas como queríamos experimentar outras do cardápio, fomos pedindo em tamanhos menores. Tomamos umas 5 (algumas de 500ml e outras de 330ml) e pedimos pizza de mussarela. Tudo saiu por 30100 pesos. Nos empolgamos, mas pelo menos o que sobrou da pizza foi nossa janta para compensar o gasto. Voltamos para hotel para descansar e trocar de roupa, já que as 15:50 tínhamos que estar na agência para visitar a Laguna Cejar e Tebinquiche. Entrada na Cejar: 17000 pesos. É a entrada mais cara e lá nos explicaram o porque. Uma das atrações é você entrar na Laguna Piedras para flutuar, pois ela tem 9x mais sal que o mar. Como estamos sempre com protetor solar e também levamos sujeira do corpo à laguna, o tratamento daquela água sai caro para o Parque. Lá nos perguntamos: mas não era na Cejar que se entra para boiar? Pois é, entramos na Piedras. Há uma proteção em volta da Cejar, um deck de madeira com proteção de ferro para delimitar até onde podemos ir. Eu sinceramente não entendi se nunca pôde entrar lá ou se isso é recente e transferiram o “mergulho” para a Piedras, pois todas as informações e relatos que lemos antes da viagem se referiam a Cejar. Como saímos cheios de sal da laguna, pudemos tomar uma ducha (proibido usar sabonete ou shampoo) e nos trocar antes de seguir até os Ojos del Salar. Lá, em um dos “ojos”, da para mergulhar, mas precisa saber nadar (sua profundidade não é totalmente conhecida, mas estima-se ter mais de 20 metros). Então por este motivo não entramos Por último, chegamos a Tebinquiche e tínhamos uns 15 minutos para percorrer o limite em volta dela até a mesa estar posta. Enquanto apreciávamos o pôr-do-sol, comemos uns snacks (amendoins, bolachas e batatas) e tomamos a famosa Pisco Sour (tinha opção de suco para quem não bebe). De volta para San Pedro levamos esse fim de tarde maravilhoso na memória como uma despedida do dia e de lá. Queremos voltar, não deu pra ver tudo o que queríamos e o legal – ao meu ver, claro - é você realmente aproveitar a cidade. O bom de ficar mais dias seria ter pausas entre os passeios para não se esgotar muito. O sol e a secura do tempo nos deixou mais cansados do que o normal, apesar de não sentirmos os males da altitude. No relato da volta serei mais sucinta, pois as novidades já se foram. DIA 9 – 31/12/17 (ATACAMA – SANTIAGO DEL ESTERO) Antes de partir, abastecemos no posto COPEC que fica na Toconao. No Chile usamos a gasolina 93 que equivale a nossa comum aqui, enquanto a 95 seria uma aditivada (tem a 93, 95 e 97). Saímos as 8:30 e começamos a voltar. Fizemos um caminho um pouco diferente da ida e dormimos em Santiago del Estero. Nesse trecho teve apenas 1 pedágio de 5 pesos. Nos hospedamos no Hotel Ciudad que fica bem no centro. A diária saiu por $61,71 (dólares) com café e estacionamento. Após o check-in e um banho, saímos a pé para procurar um lugar aberto para comer. Quase tudo fechado e os que estavam abertos eram muito longe do hotel – não queríamos entrar no carro de novo – ou só com reserva para a ceia e festa. Até que no quarteirão de cima do hotel encontramos o Alma. É um restaurante muuuito pequeno, uma portinha na verdade com 1 mesa na calçada que faz comida árabe. Pedimos 6 esfihas, 4 blakavas de sobremesa e uma coca e pagamos 150 pesos. Deixamos 50 pesos de gorjeta para o dono, que é Sírio na verdade. E apesar de ser uma prática muito comum na Argentina, ele não queria aceitar. Insistimos e ele ficou bastante feliz. Deu um beijo e abraço em nós 2 e nos acompanhou até a calçada. Não vimos os fogos, na verdade acordamos com eles hehe DIA 10 - 01/01/18 (SANTIAGO DEL ESTERO – POSADAS) Após o café da manhã com muitas meias-luas, seguimos por mais 948km até Posadas. Tivemos 3 pedágios para pagar: dois de 30 pesos e um de 15 pesos. Dormimos no Hotel Maryland, opção mais barata que o booking nos deu para aquele dia ($52). O hotel é bem simples, até por isso achei um pouco caro pelo o que oferecia e pelo o que encontramos nos dias anteriores. Mas era confortável e era só isso que precisávamos, na verdade. De novo começamos a saga de procurar algo para comer. Tudo fechado e não queríamos comer salgado no posto. Rodamos um monte com o carro até acharmos uma pizzaria e lanchonete que nos custou apenas 80 pesos por 2 lanches e 1 coca-cola! DIA 11 - 02/01/18 (POSADAS – JARAGUÁ DO SUL) Tínhamos a opção de passar pela fronteira de Porto Xavier, de balsa. Mas resolvemos subir até Dionísio Cerqueira (mesmo lugar que entramos na Argentina) e de lá voltar pela mesma estrada até Jaraguá do Sul/SC. Tivemos só 1 pedágio de 20 pesos. Foi uma viagem tranquila apesar da chuvinha, da neblina e do trânsito que encontramos no Brasil, totalmente diferente das estradas desertas que já estávamos acostumados. Resumindo: Nosso gasto total foi de 3500 reais por pessoa para 11 dias. Podíamos ter cozinhado mais para não comer tanto fora, dormir em hostel com quarto e banheiro compartilhado, não comprar lembrancinhas, ir com mais pessoas no carro. Enfim, dá pra fazer essa viagem com menos grana ainda! Valeu demais a experiência, com certeza o que vivemos brevemente lá nos deu muitas lições sobre pessoas, valores e prioridades. Desculpem o tamanho do relato e por ter esquecido o nome de alguns lugares. Postamos mais fotos no instagram @mrlaalm e @luizion_ e se quiserem perguntar algo por aqui, ficarei feliz em poder ajudar. Beijos e até um próximo relato!
  2. gusta

    Deserto de Atacama

    Ola pessoal!!! Isso daqui é uma tentativa de fazer um guia completo sobre o Atacama, onde vou tentar detalhar tudo q da pra fazer e como fazer, segundo a experiencia de quem morou la por 6 meses e muito provavelmente vai voltar a viver la depois de setembro. Primeiro de tudo como chegar? Para quem esta sem meio de transporte propio: 1- Via aeroporto de Calama - Ha varias opçoes de transfer q custam em média 12.000 CLP ida e 20.000CLP ida e volta (por relatos q ouvi as melhores são Vivi tranfer e TransVIP) 2- Via Rodoviaria de Calama(ha mais de uma rodoviaria em calama, uam de cada empresa, coisa de loco) - Bus por entre 3.000 e 3.500 3- Via Tour pelo salar de Uyuni - O tour de 3 dias saindo da cidade de Uyuni na Bolivia custava cerca de 100USD. Chegando em San Pedro Clima De maio a Agosto faz um frio desgraçado. De Setembro a Abril faz um frio razoalvel pela noite e pela manha, mas clima agradavel durante o dia. A estaçao das chuvas é de entre fim da janeiro até começo de março e isso pode realmente estragar seu tour, esse ano os geyser del tatio ficaram inacessiveis por mais de uma semana, cuidado ao vir nessa epoca, vai muito da sorte Mal de Altitude, vende se remedio pra isso nas farmacias, tb ha a famosa folha de coca pra fazer cha e uma erva local chamada chachacoma tb pra fazer cha q ajuda combater esse mal q os sintomas em geral é dor de cabeça, dificuldade pra respirar e vomitos!!! San pedro esta ha 2.500m, nao é tao alto, mas mal de altura cada pessoa sente diferente. Hospedagem Não tem nenhum tipo de transporte publico em San Pedro, só taxi, então evite lugares muito afastado do centro. Onde é o Centro? Proximo da Igreja e da praça, evitar escolher lugares q fiquem a mais de 20 minutos de caminhada do centro. San Pedro tem hospedagem desde hostel bem simples na casa de 6.000 a 10.000 pela diaria, até hoteis 5 estrelas q custam centenas de dolares uma noite. De hostel q ouvi falar bem por turistas Pangea, o mais famoso dos hostel de San Pedro. Tatais, lascar, Atacama roots e Matty. Outro interessante é o Aji verde, tem uma boa area outside com arvores. Campings, tem muitos pela cidade q cobram um pouco mais barato q hostel e tb se pode fazer camping "selvagem", nao recomendo muito, mas muita gente faz, risco bem baixo de ser roubado, mas eu nao arriscaria. Alimentação Vc não vai encontrar nada por menos de 4.000 o menu(Uma sopa de entrada e um prato principal) e esse lugar de 4.000 se chama "los carritos", pergunte e qquer local vai saber te informar, fica perto do campo de futebol. Ha outros restaurantes na casa dos 5.000 a 6.000 como o Pica del Indio(se acostumem comer nas pica, pelo chile, pica significa restaurante bom e barato) Outro um pouco mais caro q eu curto é o Delicias de Carmen, sai uns 10.000 o prato. Bares NOTA: NÃO SE PODE BEBER NA RUA NO CHILE, SOB RISCO DE MULTA. Nota2: Pra consumir bebidas alcoolicas num bar tem q se comer algo. O unico bar q nao se necessita comer em San Pedro é o Chelacabur, mas la só vende cerveja, nada de destilados e la vende a melhoe piza de San pedro, nao é feita la eles pegam numa pizzaria na esquina. Outros bares, tem o Los gordos, Barros e Mal de Puna. Alem de Bares para beber ha uma opção pouco divulgada, chamada "los pimentos"ou "praitas", q são festas semi clandestinas( digo semi pq é proibido ter isso em atacama, mas a policia sabe da mesma, só q finge na ver), só perguntar no seu hostel, mas fica bem proximo ao mal de puna, na saida da cidade no meio de um terreno perto do rio, o pessoal leva uns alto falantes movidos a bateria de carro, lanternas e cooler e a festa roal até proximo do nascer do sol. (Dica, levem sua bebida, pq sai caro comprar la(Nota em san pedro só vende bebidas em lojas de bebidas, nao vende em mercado comum)). Artesanatos Infelizmente a grande maioria dos artesanatos, vendido la nao é feito a mao e sim bugigangas feitas industrialmente na bolivia e peru, com algumas varas excessoes, como os artesanatos q vendem do lado da rodoviaria e nos povoados de Socaire e Toconao. Mercados Não tem mercado grande la, só mini mercados, então os preço são meio caros, alias bem caros(pra quem chega de bus por calama e for ficar muitos dias e cozinhando no hostel, recomendo procurar um hipermercado de calama). Agencias de turismo Sim creio q é oq todos querem saber, acho q a parte mais dificil de dar dicas, mas vamos la. Tirando algumas exceções tanto pra boa quanto pra ruim, as agencias de San Pedro são quase a mesma coisa, fazem os tours pros mesmo lugares en vans, então o diferencial fica mais por conta de qualidade do veiculo e do café da manha e de certa forma do guia(mas ja ouvi reclamaçao sobre guias de agencias chamas de as melhores de SPA). Pra escolher funciona assim, agencias q tem o mesmo preço ou preço bem proximo( 10% pra cima ou pra baixo) vão oferecer o mesmo serviço. Excessão pra cima, são por coincidência as agencias focadas em brasileiros q é a Flavia Bia, Allyu e Araya, mas as mesmas tem o preço q nao cabe no orçamento da maioria das pessoas e coloquei os nomes na ordem da mais cara pra mais barata. Excessão pra baixo, Licanantay Turismo( Agencia do Jesus), é a mais barata de San Pedro, mas a qualidade é pessima, não to falando de algo ruim, to falando de pessimo mesmo, se tiver duvidas só ver os reviews do google e trip advisor. Do resto é tudo quase a mesma, nao vou ficar dando nomes, q nao ponho minha mão no fogo por nenhuma, usem o trip advisor e google pra ler review. E tb tem uma coisa q passa muito em San Pedro, é o "TRASPASSO", quando uma agencia nao tem passageiros o sufiente pra sair com um tour sem tomar prejuízo, elas vende esses pasajeiros pra outra agencia q ainda tem vaga(As 3 agencias brazucas q citei, na fazem isso, sem mesmo se for 2 pessoas, por isso sao tao caras), la vc acaba comprando gato por lebre as vezes. Outra fonte variaçao de preços é a quantidade de pessoas por auto, em geral são vans pra entre 12 ou 18 pessoas, as tb algumas agencias trabalham com buses pra 24 pax. Na boa, falo por experiencia propia como guia de turismo, tuor com mais 15 pessoas começa ficar ruim, sendo 18 o limite extremo pra um guia, mais q isso o tour fica uma merda. Então quando for comprar um tour, minha dica é perguntar se a agencia vai sair ou fazer traspasso e perguntar quanto o maximo de pax, nao vao com mais de 18, paguem 2.000 mais caro, mas peguem uma agencia q sai com menos passageiro. Tb perguntem se vai chofer + guia ou chofer/guia q é outro fator q muda a qualidade do tour, ja q eu dava muita informaçao com o auto em movimento quando trabalhei la e no caso de chofer/guia ele só passa informaçao com o auto parado, automaticamente vc tem menos informaçao. Atracões! Local pra se visitar é oq nao falta, da pra passar uma semana no Atacama e nao se conhece tudo. Vc pode fazer os tour no sistema corrido 2 tours por dia ou bem relaxado, lembrando q alguns locais ficam acima dos 4.000m e é aconselhavel aclimatação, pra nao se sentir mal. Em San Pedro ha atrações q só se chega em autos(particular ou agencia), outros pra ir bicicletas e algumas que até rola ir a pé. Ir a pé Free walking tour - Aquele famoso sistema de city tour q o pagamento é gorjeta no fim do tour no valor q vc acha q vale o tour(recomendo no minimo 5.000CLP), tem as 10am e 3pm, sai da praça san pedro, os guias usam camisetas vermelha e branca listrada. Os 2 tours sao distintos cada um tem foco em uma parte da história de san pedro, portanto se pode fazer os 2 se tiver tempo. Em bike Se aluga bikes em qquer lugar de san pedro com preços na casa de 3.000 meio dia e 6.000 dia inteiro Lembre de pros passeios de bike levar lanche e a agua. Vale da morte/marte(entrada 3.000) pode se ir só pra admirar a paisagem ou alugar um prancha de sand board e passar a tarde ou amanha deslizando nas dunas por la. Pukara de Quitor(entrada 2.000) - Ruinas de uma fortaleza indigena local(uma fortaleza licanantay, q é o onome dos indigenas daqui, tb conhecidos por atacamenos) q fica uns 10 minutos de bike(tb da pra ir a pé se tiver diposiçao), depois de pedala se prepare pra subir a pé pq é um morro e de la vc pode ver toda cidade. Vale de catarpe/Garganta do Diabo(entrada 2.000) (entre 2h e 5h no total)- Um vale verde no meio do deserto, onde vc tanto pode fazer a rota facil q é ir até a igreja passando pelo tambo de catarpe q era uma fortaleza inca(sim, os incas chegaram ao atacama tb) ou fazer as rotas mais dificeis q é garganta do diabo e a rota dos tuneis, onde tem varias subidas e decidas. Aldea de Tulor( entrada nao lembro, mas uns 2.000) - Essas ruinas de uma aldeia dos primeiros habitantes do atacama fica cerca de meia hora de pedalada de San Pedro. Pozo 3 - paga-se 5.000 pra ter acesso a piscinas de aguas termais no meio do deserto, fica uns 30 minutos de pedalada. Ojos del Salar( o tour de laguna cejar passa por aqui), se vc quer dar uns mergulhos sem gastar nada alem do aluguel da bike, se prepare pra pedalar pelo menso uns 45 minutos e vai encontar 2 piscinas naturais de agua gelada e salobra no meio do deserto. Em auto Pode se fazer em auto particular ou com agencias, no caso de fazer com auto partucular se perde toda explicaçao do guia, onde em alguns tour faz toda diferença. Tours de meio dia Vale da Lua - Preço: entre 13.000 e 17.000 - taxa de entrada 3.000 - periodo tarde Laguna Cejar( Lagoa de agua 3x mais salgada q o mar, onde se flutua) - Preço: entre 13.000 e 15.000 - taxa de entrada 17.000 periodo tarde Lagunas escondidas ( outra laguna de agua super salgada q an minha opniao é mais bonita q a cejar) Preço: entre 18.000 e 20.000 - taxa de entrada 5.000 periodo tarde Geyser del Tatio - entre 18.000 e 22.000 - taxa de entrada 10.000 - periodo manha(Nota: ir super agasalhado, faz media de -8 no verao e -15 no inverno) Vale do arco iris e Petogrifos de hebas buenas entre 22.000 e 25.000 - taxa de entrada 3.000 - periodo manha Tour astronomico entre 18.000 e 20.000 - taxa de entrada nao taxa de entrada - periodo noite Termas de puritama entre 12.000 e 15.000 - taxa de entrada 9.000(seg a sex parte da tarde) a 15.000(manha e fds e feriados) - periodo manha e tarde Lagunas Altiplanica - s/ Pedras Rojas entre 25.000 e 30.000 - taxa de entrada 5.500 - periodo manha Tours de dia inteiro Lagunas Altiplanica - c/ Mirante Pedras Rojas(nao chega nas pedras em si com era antes) entre 40.000 e 45.000 - taxa de entrada 5.500 Salar de Tara - entre 45.000 e 50.000 - taxa de entrada - Não tem Trekking Vale guatin/vale dos cactus com termino nas termas - entre 35.000 e 40.000(até menos se tiver um grupo de umas 6 pessoas) - taxa de entrada mesma das termas Cerro toco - 5.500m(mais facil q o lascar) - entre 65.000 e 70.000 (tb é possivel desconto pra grupos 6 pessoas, vai em 4x4 com essa capaciade, igual uyuni) Vulcão lascar - 5.500m - entre 85.000 e 90.000 - (tb é possivel desconto pra grupos 6 pessoas, vai em 4x4 com essa capaciade, igual uyuni) Tour ao Uyuni Os tour ao Uyuni tem de 3 dias(termino na bolivia) e 4 dias (regresso ao atacama 3 dias sai uns 100.000 4 dias uns 120.000 Pessoal tudo q coloquei aqui, foi fruto do conhecimento adquirido ao longos dos quase 6 meses q morei no atacama trabalhando com turismo e em hostel, espero q eu nao tenha esquecido de nada, qquer coisa eu edito e acrescento algo.
  3. Tatiane Juidecce

    Situação em Piedras Rojas - Atacama

    Ola Galera, Ontem as 22:00 da note fiquei sabendo que por uma atitude idiota do Canal off com seu funcionário e praticante de Kitesurf @renoromeu, fizeram uma matéria em Piedras Rojas, onde é totalmente proibido este tipo de esporte por preservação a natureza. A comunidade local fechou sem previsão de abertura. Para os mochileiros de plantão que estão planejando a viagem ainda este ano, procurem se informar como vai ficar os passeios com as agencias. Estou extremamente chocada com esta noticia. a pessoa que fez o esporte ainda matem as fotos em seu instagram. Estou embarcando para o meu primeiro mochilão em Abril e isso me deixou muito chateada... O que vcs acham desta atitude? Vejam a materia nos instagrans: @arayaatacama , @desertodoatacama, principalmente no @atacama_trips
  4. Fala galera! Eu e minha namorada acabamos e chegar do lugar mais incrível do mundo, mais conhecido como San Pedro de Atacama e, como aprendemos muita coisa aqui, nada mais justo que repassar pra vocês toda nossa viagem num relato cheio de informações atualizadas. Estivemos lá de 14 até 20 de outubro de 2016. As fotos (muitas) não postadas aqui estão no nosso instagram: @ofiliperocha e @maragbreves Se puderem dar uma moral lá, ficaremos gratos! Então, vamos lá! Acho que dividindo por tópicos fica mais organizado: Passagens aéreas Primeiramente, devo alertar que você NÃO DEVE COMPRAR o trecho Brasil - Calama antes de pesquisar bem outras alternativas. Óbvio que tem seus benefícios, como a obrigatoriedade de a cia área te alocar em outro voo caso perca a conexão por atraso no primeiro voo e etc, mas nem sempre compensa. No nosso caso, o trecho Rio - Calama pela LATAM sairia cerca de 600 reais mais caro do que comprar os trechos separados. Compramos as passagens em agosto e o trecho Rio-Santiago e Santiago - Rio saíram por 2 mil reais (para duas pessoas) em voos diretos! Sobre o trecho Santiago - Calama, comparamos os preços e decidimos comprar no site chileno da SKY AIRLINES ATUALIZAÇÃO IMPORTANTE 1: Em todos os lugares que pesquisei, havia lido que para comprar as passagens no site da sky seria preciso enviar um e-mail mandando dados, uma burocracia só..Informo que conosco não foi preciso nada disso. Bastou entrar no site chileno da companhia (para isso entre no site da companhia: http://www.skyairline.cl/verChange.aspx e selecione o país como CHILE e o idioma espanhol. Caso não apareça a opção, entre no site da empresa, no canto esquerdo superior da tela clique no país que aparece, que a tela pra você mudar de país vai aparecer). Escolhidos os trechos, basta inserir o numero de um cartão internacional que a compra será feita na hora, sem e-mails e demais burocracias. Como documento coloquei meu passaporte e minha namorada a identidade dela. Interessante é que no e-mail eles não aceitaram um endereço brasileiro (.br), porém o hotmail fornece e-mail apenas ".com", o qual utilizamos sem maiores dificuldades. O trecho Santiago - Calama ida e volta saiu por 110 dólares já com as taxas, para duas pessoas ! 300 reais mais barato do que comprando no site chileno da Latam. ATUALIZAÇÃO IMPORTANTE 2: Os principais sites avaliadores de cias aéreas estão desatualizados quando falam da SKY. A companhia se tornou uma low cost e não possui serviço de bordo, apenas venda de alimentos e bebidas. Como o voo dura só 2 horas, não foi nada que me atrapalhasse. No que diz respeito à qualidade do serviço, os aviões são ótimos! Eu e minha namorada achamos inclusive mais confortável que o voo internacional operado pela LATAM. Partimos do Rio às 6:40 do dia 14/10 e chegamos em Santiago pouco antes das 11:30. Nosso voo para Calama partia apenas às 15:25. Achei importante deixar essa folga de tempo para passar pela imigração e se caso nosso voo tivesse atraso. Nesse meio tempo, aproveitei para: comprar um chip de internet no chile: No terceiro andar do aeroporto de Santiago, saindo do elevador basta ir na direção esquerda até uma loja chamada FOTOKINKA. Lá, adquiri um chip pré-pago da Movistar que vinha com 150mb de internet e 2.000 pesos de crédito. Ainda na loja, a moça me orientou a discar um número e gastar esse saldo em mais 200mb de internet. Por fim, pagamos 9 mil pesos pelo chip e ficamos com 350mb de internet móvel para a viagem toda. Essa quantidade eu diria que foi razoável (acabou no último dia, no aeroporto de Santiago). Compartilhava os dados com minha namorada e controlávamos o uso do 3G (não deixamos ligado o tempo todo). Vale dizer que a cobertura da Movistar é ótima em San Pedro e em quase todos os passeios. Chegada a hora, embarcamos rumo a Calama, num voo onde o visual é alucinante, parece que não vai ter aeroporto pra pousar e você se dá conta de que está no meio do NADA. Chegamos ao Chile! Vista na viagem para Calama: Transfer do aeroporto El Loa (Calama) até San Pedro Chegando em Calama após 2h de voo, você se depara com o modesto e bonito aeroporto de El Loa. Bagagens retiradas, é chegada a hora de ir pra San Pedro do Atacama, cidade base para conhecer o deserto! Para tanto, será necessário contratar um serviço de transfer ou ir de ônibus. Pela comodidade, ficamos com a primeira opção. Muito se fala na Licancabur, mas é bom deixar claro que ela não é a única empresa que faz o serviço. No primeiro andar do aeroporto de Calama, há diversos stands de empresas que fazem esse transporte, mas atenção: Na volta, chegamos a Calama perto das 7h e estavam todas fechadas, então se você vai chegar cedo, é bom reservar antes. Reservamos nosso transfer diretamente com o Hostel (assunto para o próximo tópico) e quando chegamos já estavam nos esperando no desembarque com uma placa. Seguimos viagem numa confortável minivan da Hyundai com ar condicionado e bancos de couro até a porta do Hostel. Digo isso não por ser fútil, mas por custo benefício mesmo: A Licancabur te cobra 20 mil pesos, te leva de ônibus e, pelo que sei, te deixa no centro de SPA cheio de malas. Esse transfer que pegamos te leva de carro, com no máximo mais umas 6 pessoas e te deixa na porta do hostel pelos mesmos 20 mil pesos por pessoa (ida e volta), já com horário marcado pra te pegarem na volta. Prometo que vou procurar o recibo que tem o nome da empresa e posto aqui. O melhor: o motorista Rodolfo ainda deu uma paradinha pra tirarmos uma fotos antes mesmo de chegar na vila! (prepare-se para o vento, às 18h30 o vento começa a pegar) Chegamos no deserto! Paradinha para fotos logo na chegada: Hostel: Pra nós, foi uma das escolhas mais difíceis. Como era nossa primeira viagem pra fora, passamos meses pesquisando onde ficar. Por fim, acabamos escolhendo o Hostel Mamatierra, número 1 de avaliações no TripAdvisor. Daria pra ficar num mais barato? Daria, mas não sei se compensaria, sinceramente. O hostel é sensacional ! A começar pela simpatia do cara que nos atendeu quando chegamos. Nos deu mapa de SPA, senha do Wifi, informações sobre a cidade e sobre os passeios. No último dia, quando minha namorada passou mal, nos ofereceu gratuitamente remédios para mal de altitude. Os demais funcionários também são super simpáticos, em especial um boliviano que vem pro Rio ano que vem passar o carnaval! Dentre os pontos relevantes do Hostel estão: 1) Café da manhã: Salada de frutas, sucos, chá de coca (e outros), pão, presunto, queijo, sucrilhos, leite, café, chocolate, iogurte..dentre outras coisas que não me lembro. É bem completo para um hostel, não tenho do que reclamar. E se em SPA você sai quase todo dia antes do horário do café, aí está: Você avisa eles no dia anterior e eles deixam um saquinho de lanche com o seu nome e quarto na cozinha pra você levar pro passeio! O lanchinho inclui pão, suco de caixinha, iogurte ou bote com pêssego e barra de cereal! 2) Água quente: Pegamos um quarto com banheiro privado e não nos faltou água quente, todos os dias, toda hora que precisávamos. 3) Bebedouro na cozinha: Nosso gasto com água em pelo deserto foi de 2 mil pesos em 2 garrafas de 1,5L quando chegamos. Isto porque o Hostel possui um bebedouro na cozinha onde você pode encher suas garrafas a hora que quiser, o que te faz economizar uma boa grana no deserto, tendo em vista o consumo intenso de água! 4) Mercadinho do lado: com água, vinhos, lanches, congelados, legumes, frutas e conservados em geral. Do lado mesmo, não não dá nem três passos. 5) Wi-fi: ponto negativo. Não pegava no quarto de jeito nenhum (talvez pq ficamos afastados da recepção). Na área comum pegava ok, nada demais o sinal. Poderia ser melhor, mas quem vai pra SPA não pode exigir uma "modernidade" dessas no meio do deserto e de fato não fará falta, o que não falta é coisa pra fazer. 6) Paredes de Adobe: que isolam a temperatura (e o wifi também hehe). Não passamos frio em momento algum. O quarto era quentinho demais, durante o dia fazia até calor dentro dele. Entrada do Hostel: Área comum: Cozinha: Ja já eu volto pra continuar contando!
  5. Serro de Santa Lucia - Santiago Fala galera Mochileira!!! Preciso deixar aqui um pouco da minha contribuição para esse site tão maravilhosa que me ajuda em diversas formas!!! Em setembro de 2017 fiz minha primeira viagem internacional. O destino escolhido foi o Chile... amei muito o lugar e pretendo voltar e fazer a patagônia um dia! O destino foi escolhido de forma espontânea, precisava tirar férias... eu tinha programado ir ao Peru, mas estava receosa da fazer uma viagem de 25 dias sozinha pelo Peru , mexendo aqui no Mochileiros.com descobri um grupo no Whatsapp de uma galera que iria fazer o Chile em Setembro, me animei e me juntei a eles! Obrigado @thiagocmuniz !! Ia fazer a minha viagem praticamente sozinha e ir encontrando esses brasileiros no decorrer da viagem de acordo com o roteiro de cada uma... mas por sorte, meu roteiro bateu perfeitamente com uma menina maluca e gente boa e a companhia dela fez toda a diferença nessa viagem, ficamos juntas em todos os momento de alegria, bebedeira e desespero (mochilão sem desespero não é mochilão de verdade). Então eu só tenho a agradecer a esse site por me permitir conhecer pessoas e me proporcionar viagens sem igual. Agora vamos ao que interessa! Meu cronograma foi assim: 08/09 (Sexta) - Rio - Santiago - Cheguei em Santiago 09/09 (sábado) - Santiago - Passeio pelo centro de Santiago, comidas e Balada!! \o/ 10/09 (domingo) - Santiago - Ressaca, ressaca, ressaca e chuva 11/09 (segunda) - Santiago - Eu ouvi neve??? - Farellones 12/09 (terça) - Santiago - Calama - Atacama - Dia de câmbio e deslocamento 13/09 (quarta) - Atacama - Ventania e passeio cancelado 14/09 (quinta) - Atacama - Passeio de Bike / Laguna Cejar 15/09 (sexta) - Atacama - Termas Puritama / Tour Astronômico 16/09 (sábado) - Atacama - Piedra Rojas e Fiesta Patria \o/ - Siiim, pude dançar no Ataca 17/09 (domingo) - Atacama/Santiago - Geiser Del Tatio / desespero! perdi o passaporte. E agora? 18/09 (Segunda) - Santiago - Rio - Até a próxima Vou tentar simplificar um pouco os meus gastos: Levei tudo em dólar. Quando comecei a comprar os dólares a vantagem em relação ao real era enorme, mas quando cheguei lá o dólar desvalorizou bastante e a diferença não foi tão grande. eu realizei do Rio 3 compras de 300 dólares com cotações bem diferentes. Fiz a média do que gastei nas 3 compras do dólar e a média do valor do meu dólar em relação ao real ficou em 3,30... O cálculo para saber se está vantajoso real ou dólar na cotação que peguei: 1 dólar = 622 pesos 1 dólar = 3,30 reais 1 real = 185 pesos 3,30 * 185 = 610,5 pesos Nesse cálculo o dólar estava 21,5 pesos mais vantajoso. Diferença bem pouca, mas toda economia é válida =D Fiz somente 2 Câmbios no Chile - dia 09/09 o dia seguinte que cheguei e 12/09 antes de ir para o Atacama... E foi a melhor coisa!!! No Atacama o Real estava valendo 155/160 e o dólar estava 600 pesos Então, evitem trocar dinheiro no Atacama... Como eu fui prevenida, fiz os meus cálculos de quanto ia gastar e troquei 50 dólares a mais por garantia e com isso emprestei (ambiei) pesos com as amigas que levaram a menos. ATENÇÃO! NÃO FAÇA CÂMBIO NO AEROPORTO!! - Quando cheguei no aeroporto de Santiago estava uma vergonha o câmbio!!! o Dólar estava 540 e o Real estava 145 e ainda paga uma taxa lá d 1% se não me engano. Para sair do aeroporto eu paguei no cartão de crédito 6.500 pesos (+- 35,00 reais) num transfer muito bom que fechou para mim e mais 2 casais de brasileiros que conheci no avião. O tranfer me deixou na porta do Hostel, se não me engano o nome era Delfos... é amarelinho. GASTOS: Transporte aéreo: Rio - Santiago Rio (Latam) - R$ 1117,00 + Santiago - Calama - Santiago (Sky Airlines) R$ 420,00 (atenção, acredito que foi mais vantajoso comprar em Pesos do que em dólar, a conversão estava melhor pelo meu cartão assim) Hospedagem: Santiago - Che Lagarto (4 diárias) - Total - R$ 240,00 com café da manhã bem bom - Cama em dorm. c/8 (Paguei pelo feminino e fiquei no misto para acompanhar a amiga nova. San Pedro Atacama - Chill Hostel (5 diárias) Paguei pelo Airbnb - R$ 203,00 - Cama em dorm c/6 (feminino) Gastos durante a viagem: Como eu disse anteriormente, eu levei 900 dólares. Durante a viagem gastei 690 dólares + 26 mil pesos no cartão Por que eu utilizei o cartão? Foram 6.500 pesos do Tranfe pois não tinha pesos em espécies quando cheguei e 19.000 pesos (+- 100 reais) de um jantar simples com pizza média e bebida no dia 11//09, pois cheguei tarde de Farellones e não consegui trocar dinheiro. Arredondando: O total dessa viagem foi de R$ 4.400,00. Não considerei uma viagem cara, pois se tratando do Chile, consegui fazer o meu dinheiro render (exceto pela passagem aérea que dei bobeira e logo depois que comprei ficou 400 reais mais barata). Eu já saí do Brasil com passeios fechados (todos eu paguei somente quando cheguei) Farellones que reservou foram as meninas do grupo, não me recordo o nome da agência, mas o guia e o vendedor eram brasileiro: Vendedor Patrick +55 19 98166-7899 No Atacama foi tudo com a Maravilhosa Carla Boechat do blog fuigosteicontei.com.br que estava morando lá na época e fechou tudo para mim O que levei? Vestuário: 2 calças térmicas - 2º pele 3 leggins 1 Calça Moletom 1 short 3 Blusas - manga longa 4 blusas - manga curta 2 blusas alça 1 blusa 2° pele 2 fleeces 1 Corta Vento 7 Meias 2 luvas 1 cachecol 1 tênis (All Star) 1 Bota (Nord Outdoor) 1 Chinelo 1 óculos sol e grau 2 biquínis 10 calcinhas 2 Sutiãs calcanheira Higiene: 1 Shampoo 1 condicionar 1 creme para pentear 3 ampolas Pantene - Muito útil 1 papel higiênico 1 lenços umedecidos 1 Sabonete corpo e rosto 1 pinça 1 gilete 1 Bepantol 1 Batom de cacau 2 Toalhas 1 Pente 2 Protetor solar corpo e resto 1 desodorante 1 Repelente 1 Escova de dente 1 Pasta 1 fiodental Saúde band aid Nebacetim esparadrapo Gases Algodão Dipirona Tylenol Resfenol / Benegripe Dorflex Imosec Cataflan Diamox Benalete Alcool em gel descongex / loratadina Neosoro / Rinosoro Vonau Flash (enjoo} Colírio Antissépticos cicatrizantes para machucados em geral (spray) Estomazil, Eno Obs: Usei vários desses.. principalmente pq uma amiga se machucou no Atacama e deixei boa parte da minha farmacinha com ela. Outros: doleira 2 Cadeados 1 carregador de celular 1 caderno 1 caneta 1 copias dos documentos 1 travesseiro 1 adaptador / T - Não precisei Lanterna Pilhas Sobre o clima de setembro Peguei muuuito frio em Santiago.. Houve nevasca no domingo, que foi ótimo para a minha vista em Farellones na segunda! a maioria dos dias em Santiago era difícil ficar sem luva e cachecol. Mas no Atacama é deserto, neh? Era muuuuuito quente durante o dia e muuuuuito frio a noite! (Não subestime o frio do Tour Astronômico! é muito frio mesmo e vc vai precisar de todas as camadas). Próximo capítulo: Enfim, chegou o dia!
  6. fernandobalm

    10/2017: Santiago e Atacama

    Considerações Gerais: Não pretendo aqui fazer um relato detalhado, mas apenas descrever a viagem com as informações que considerar mais relevantes para quem pretende fazer um roteiro semelhante, principalmente o trajeto, preços, acomodações, meios de transporte e informações adicionais que eu achar relevantes. Sobre os locais a visitar, só vou citar os de que mais gostei ou que estiverem fora dos roteiros tradicionais. Os outros pode-se ver facilmente nos roteiros disponíveis na internet. Os meus itens preferidos geralmente relacionam-se à Natureza e à Espiritualidade. Informações Gerais Não foi necessário visto para ir ao Chile. Não era necessário nem passaporte, mas como minha carteira de identidade tinha cerca de 30 anos, levei-o. Não existia exigência para validade mínima. Meu passaporte vencia em fevereiro de 2018 (cerca de 4 meses depois da minha entrada). A moeda do Chile era o peso chileno, que podia ser trocada por reais diretamente (sem necessidade de dólares ou euros) em Santiago e São Pedro de Atacama. Existia a lei de isenção de imposto sobre valor agregado de 19% para pagamento de hotéis em dólares (acho que euros também), por isso levei dólares somente para este fim. Mas, como eu fiquei em hostels muito simples, não havia esta cobrança nem para pagamento em pesos e os dólares mostraram-se em grande parte desnecessários. Em toda a viagem houve bastante sol. Chuva de média intensidade só peguei em algumas horas de um dia em Santiago. As temperaturas também estiveram razoáveis (para um paulistano) durante o dia, mas um pouco frias à noite. Chegavam em média a 25 C ao longo do dia em Santiago e a um pouco mais no Atacama. À noite, a temperatura caía até cerca de 13 C em Santiago e 10 C no Atacama (perto da madrugada caía mais, chegando talvez a perto de 5 C). A exceção foi a ida de madrugada para Geysers del Tatio, em que ficou abaixo de zero. A população de uma maneira geral foi muito cordial e gentil, procurando até falar português, quando sabia . As paisagens agradaram-me muito, principalmente dos Andes e dos vários pontos do deserto . Sofri um pouco com a altitude de algumas atrações do Atacama, que passavam de 4.500 m e queimei minha boca nos Geysers del Tatio devido ao frio , pois não a protegi adequadamente. Com um trânsito bem mais tranquilo que o de São Paulo, Santiago pareceu-me uma cidade bem organizada. São Pedro do Atacama pareceu-me pequena e só apresentava congestionamento de vans nas saídas simultâneas para as excursões e de pedestres na Rua Caracoles no centro. Achei o país muito saudável socialmente (muito mais do que o Brasil), apesar de ter conhecido poucos locais. Mesmo sem ter a força econômica brasileira, pareceu-me muito mais equilibrado. Como consequência, pareceu-me ser muito mais seguro. Uma francesa que lá conheci confirmou que Santiago lhe pareceu mais segura do que Paris. Gastei na viagem R$ 2.359,37, sendo R$ 84,37 com alimentação, R$ 376,19 com hospedagem, R$ 18,37 com transporte local durante a viagem, R$ 224,49 com a passagem de ida e volta de ônibus entre Santiago e São Pedro de Atacama, R$ 242,42 com ingressos para as atrações, R$ 679,92 com pacotes para as atrações, R$ 5,23 com tarifa para câmbio, R$ 5,53 com gorjetas, R$ 495,16 com passagens aéreas, R$ 212,07 com taxas de embarque para ir e voltar a SP e R$ 16,68 com IOF. Sem contar o custo das passagens aéreas, das taxas de embarque e do IOF o gasto foi de R$ 1.652,14 (média de R$ 118,01 por dia). Mas considere que eu sou bem econômico (desta vez até que nem tanto ). Fiz todos os meus gastos no Chile em espécie, para evitar as taxas e impostos cobrados pelo uso de cartões. Só comprei a passagem de ônibus para São Pedro do Atacama com cartão porque fiz com antecedência quando estava no Brasil e porque comprando pela internet o desconto era maior do que o imposto. A Viagem: Minha viagem foi de SP (aeroporto de Guarulhos) a Santiago em 17/10/2017 pela Gol (http://www.voegol.com.br). O voo saía às 10:30 e chegava às 13:40 horas. A volta foi de Santiago a SP (Guarulhos) em 31/10/2017 pela Gol. O voo saía às 14:20 e chegava às 19:10. Paguei R$ 495,16 por ida e volta. Paguei R$ 113,38 pela taxa de embarque de ida e R$ 98,69 pela de volta usando cartão de crédito. Ao todo o preço foi de R$ 707,23. Antes de sair do Brasil, no dia 16/10, comprei US$ 150 para a viagem, com taxa de câmbio de R$ 3,31. Gastei R$ 496,07 de câmbio e mais R$ R$ 5,45 de IOF. A taxa até que não foi ruim, mas como eu acabei não pagando toda a hospedagem em dólares porque os hostels eram muito simples e acho que não cobravam o imposto sobre valor agregado, teria sido melhor comprar somente pesos chilenos diretamente com reais em Santiago. As taxas seriam melhores e não pagaria IOF (como diz a Jovem Pan - Brasil, o país dos impostos). Saquei os dólares diretamente do caixa eletrônico do Bradesco na agência do começo da Avenida Paulista (https://banco.bradesco/html/classic/canais-digitais/autoatendimento/moeda-estrangeira.shtm), porém gastando muito tempo para poder cadastrar a autorização no sistema do banco (cerca de 3 horas), por ser a primeira vez e eu não ter biometria cadastrada. Na 3.a feira 17/10, no Aeroporto de Guarulhos troquei uma das notas recebidas da máquina por outras menores em uma casa de câmbio. As atendentes foram muito gentis (até estranhei). Quando fui usar o dinheiro no Chile disseram-me que estava riscado, borrado e com carimbos e que não era costume receberem notas assim no Chile, mas acabaram aceitando. Quando as troquei em Guarulhos eu não percebi. No voo conheci um casal de gaúcha e paulista que deram bastante informações sobre o Chile, Santiago e sobre suas experiências por lá . O avião fez o sobrevoo sobre os Andes (https://www.google.com.br/search?q=sobrevoo+andes+sao+paulo+santiago&tbm=isch) na parte final da viagem para chegar a Santiago. O comandante avisou que iria começar e me pareceu ter reduzido a velocidade para que os passageiros aproveitassem a vista ou talvez por razões de segurança. O avião parecia parar. Como o tempo estava limpo, deu para ver amplamente a paisagem. Achei-a espetacular . Havia levado sanduíches para a viagem e talvez o jantar, mas não pude entrar com eles. Informaram-me que era proibido e seria descartado na verificação sanitária. Resolvi comer todos no voo e após a aterrissagem, antes de passar pela verificação sanitária . No aeroporto perguntei a alguns taxistas sobre como chegar ao centro e me deram informações incorretas . Como já havia estudado um pouco o mapa da cidade não acreditei e fui até o centro de informações turísticas, que me deu as informações corretas sobre meios de ir ao centro, localização de hostels e demais pontos relevantes para minha estada em Santiago. Deram-me gratuitamente um mapa da cidade. Fui bem atendido . Achei estranha a postura dos taxistas e incompatível com o nível do país. Lembraram-me algumas experiências desagradáveis no Brasil. Precisei fazer um pequeno câmbio no aeroporto para pagar o ônibus até o centro. A taxa foi desastrosa. Foi de 169 pesos chilenos por real. Troquei R$ 16,00 na AFEX e ainda paguei US$ 1.50 de tarifa. Depois descobri que isso não era necessário. Poderia ter pego um ônibus da empresa Turbus até seu terminal e pago com cartão de crédito. Peguei um ônibus urbano regular da empresa Centropuerto (http://www.centropuerto.cl) até a região central (Metro Los Héroes - Plazoleta central) por 1800 pesos (acho que comprando a ida e volta havia um desconto). De lá fui caminhando até a Rua Augustinas para fazer câmbio para a viagem. No caminho vi bicicletas do Itaú para aluguel, semelhantes às que há no Brasil. Na Laser (http://www.cambioslaser.cl - Augustinas, 1022) troquei R$ 1.050,00 com taxa de 190 pesos chilenos por real e sem tarifa. Só não troquei tudo porque não aceitava notas de R$ 20,00. Troquei R$ 130 na Suiza (Augustinas, 1036) com taxa de 189 pesos chilenos por real e também sem tarifa. Fiquei hospedado no kombi Hostel (https://www.facebook.com/kombihostelsantiago) por 4 noites. Paguei US$ 35 e 1200 pesos chilenos pelas 4 noites (eram US$ 37, mas eu não tinha US$ 2 trocados). Paguei em dólares para ficar isento dos 19% do imposto de valor agregado, que não é pago por quem usa moeda estrangeira forte no pagamento. Mas o atendente, filho do dono, disse que eles não emitiam aquele tipo de nota em que vale esta regra, então não fazia diferença. Assim, os dólares teriam sido desnecessários. Achei o hostel bem razoável, com bom café da manhã e boa localização, apesar do barulho à noite devido às casas noturnas do entorno. O dono era brasileiro e seu filho falava fluentemente português. Talvez por isso havia muitos hóspedes brasileiros. Para minha avaliação completa veja (https://www.tripadvisor.com.br/ShowUserReviews-g294305-d1672899-r540752838-Kombi_Hostel-Santiago_Santiago_Metropolitan_Region.html). Após chegar conheci alguns hóspedes e ficamos conversando. Havia duas cariocas, 1 argentino que trabalhava no Brasil, 1 baiano e 1 chileno. Depois ainda fui comprar 1 banana no Supermercado Líder (https://www.lider.cl/supermercado) por 160 pesos. Para informações e atrações de Santiago veja http://chile.travel/pt-br/onde-ir/centro-santiago-e-valparaiso/santiago e https://nosnochile.com.br/19-atracoes-gratuitas-para-curtir-em-santiago-do-chile. Os pontos de que mais gostei foram a vista dos Andes, o Parque Metropolitano, o Monte Santa Lucia, a simulação do interior do cérebro e os museus históricos e artísticos. Na 4.a feira 18/10 fui ao Parque Metropolitano (http://www.parquemet.gob.cl), que me disseram ser o maior parque urbano do mundo, mas que desconfio não ser uma informação precisa. De qualquer modo pareceu-me bem grande e gostei muito dele. Fiquei das 10 às 20 horas. Comecei subindo a trilha a pé para ir ao Santuário de Imaculada Conceição no Monte San Cristóbal. Fiquei lá algum tempo admirando a vista da cidade por vários ângulos e também o santuário em si. Depois fui andar pelas trilhas do parque para explorá-lo, no meio da vegetação e às vezes na pista para bicicletas e automóveis. Havia piscinas, mirantes, áreas verdes, monumentos, casas de cultura, anfiteatros, construções para eventos e espetáculos, jardins botânicos, esculturas ao ar livre, cemitério de cachorros, etc. Encontrei muitas turmas (provavelmente de estudantes) e ciclistas. Não tive nenhum problema de segurança, embora ao perguntar para alguns profissionais de segurança, eles tenham dito para que eu evitasse trilhas desertas e algumas áreas na borda do parque. Abriu o sol e eu estava sem bloqueador solar, mas não me senti queimar muito. Achei espetacular a vista da cidade com os Andes ao fundo . Perto do belo por do sol um prédio muito alto refletia seus raios com parte lateral de suas janelas mais altas, fazendo uma imagem de que muito gostei . Todas as atrações foram gratuitas. Depois do passeio comprei 400 g de macarrão, 1 banana, 1 cebola e 1 tomate por 998 pesos chilenos no Supermercado Líder. À noite, o baiano Karlos Neon tocou algumas músicas brasileiras e estrangeiras na primeira parte de uma festa promovida pelo hostel. A festa teve uma 2.a parte e depois uma extensão numa casa noturna, mas eu fui dormir no intervalo . Na 5.a feira 19/10 comecei indo ao Museu La Chascona de Pablo Neruda, mas não entrei por achar caro, somente vendo alguns versos nas paredes de fora. Segui visitando a Universidade perto do hostel e a Escola de Direito, o Bairro Bellavista, parques próximos ao hostel, o Parque Florestal, o Museu de Belas Artes e o MAC (Museu de Arte Contemporânea), em que havia uma simulação de como é dentro do cérebro , e o mercado de verduras e frutas, onde aproveitei para comprar 2 batatas por 40 pesos, 6 bananas por 270 pesos e 4 tomates por 200 pesos. Depois fui visitar um centro cultural, a Universidade Católica, igrejas, o convento franciscano mais antigo do Chile, a Estação Central, imprimi minhas passagens no terminal da empresa Turbus (lá os terminais são específicos para as empresas e não rodoviárias gerais) e terminei o dia visitando o Parque O'Higgins e agregados, de que muito gostei, com suas várias atrações . Todas as atrações que visitei foram gratuitas. Vi muitos cachorros de rua durante os passeios. Dei um dos mapas (acho que foi o do Parque Metropolitano) que havia ganho para a francesa Jane, que estava hospedada no hostel. Reencontrei as cariocas, agora juntas com outros brasileiros. Na 6.a feira 20/10 comecei visitando o Parque Baquedano e o Bairro Lastarria. Depois fui visitar o Monte Santa Lúcia, que achei muito bom com muitas atrações, construções antigas, monumentos, jardins, vistas espetaculares com 360 graus de amplitude a partir do centro da cidade , fontes, etc. Apesar da chuva, que engrossou um pouco ao longo do passeio, foi um dos pontos de que mais gostei. Havia vários brasileiros visitando o local. Saindo de lá visitei o Centro Histórico, o Centro Cultural La Moneda e o Museu Histórico Nacional, que achei apresentar uma excelente visão da história do país , com ilustrações e explicações do processo histórico. Mas, justamente por querer ver detalhadamente, não consegui completar a visita. Parei no meio do século XX, antes do Allende e do Pinochet. Saindo de lá, já sem chuva, pude ver e ouvir um grupo tocando música popular na Praça das Armas, que fazia com que as pessoas dançassem. Na volta para o hostel ainda passei por grupos folclóricos (1 deles com boneco gigante) em um beco com várias formas de arte. Todas as atrações foram gratuitas. Neste dia comprei 330 pesos em batatas e 2 tomates no mercado de verduras e frutas e 480 pesos num pacote de macarrão no Supermercado Líder, já me preparando para a viagem para o Atacama. À noite chegou um paulistano que pretendia passar o fim de semana em Santiago. No sábado 21/10 saí cedo para pegar o ônibus para São Pedro do Atacama. Pedi para tomar o café da manhã antes, coisa com que os atendentes do hostel concordaram, mas me disseram que não seria possível pães, pois a padaria só fornecia os pães a partir das 8 horas. Encontrei alguns pães na área em que os hóspedes deixam alimentos para compartilhar ou talvez em que o próprio hostel tenha colocado as sobras do dia anterior. Combinei então com o atendente de pegar aqueles pães e ele substituí-los quando chegassem os da padaria. Andei cerca de 1 hora a pé até o terminal da Turbus (https://www.turbus.cl), empresa de que eu havia comprado as passagens ainda no Brasil por 40.300,00 pesos. O ônibus saía às 9:31 e chegava às 8:00 do dia seguinte. Comprando pela internet havia desconto de 10 a 15% e comprando com antecedência ainda se conseguia preços mais baixos (acho que eram promocionais). Antes do ônibus sair pedi para a atendente de um bar encher minha garrafa com água da torneira, que ela disse ser potável. O condutor do ônibus alertou-me para tomar cuidado e não deixar minhas coisas sozinhas, principalmente passaporte e carteira. Foram fornecidos 2 pequenos lanches (1 suco pequeno de caixa e 1 biscoito pequeno) durante a viagem, que foi tranquila. Houve várias paradas em vários locais para embarque e desembarque. Gostei da paisagem enquanto ainda era dia , principalmente da parte que permitia vista da costa . À noite o céu estava bastante estrelado . Perto da chegada, a vista da região do Atacama também me agradou . Na parada em Chacabuco, comprei bananas, peras, pães e marraquetas (um tipo de pão) por 2932 pesos chilenos no Supermercado Unimarc (www.unimarc.cl). Conheci 2 alemãs (1 falava português, pois sua mãe era brasileira) e 1 francesa que estavam indo para São Pedro do Atacama. Para as atrações e informações de São Pedro de Atacama veja http://www.sanpedrodeatacama.com, https://www.visitchile.com.br/guias-de-viagem/san-pedro-de-atacama/aonde-ir.htm e https://www.dicaschile.com.br/2017/04/o-que-fazer-em-san-pedro-de-atacama.html. No domingo 22/10, após chegar, fui procurar locais com os menores preços para ficar. Passei por vários hostels e hotéis até encontrar o Juriques (http://www.juriques.com/hostales.html), que a alemã havia mencionado no ônibus e que eu havia pesquisado no Brasil. Quando lá cheguei o preço era menor do que o que eu havia visto no Brasil e o menor de todos que eu havia visitado lá. Fiquei nele por 6.000 pesos por diária. Para minha avaliação completa do hostel veja https://www.tripadvisor.com/ShowUserReviews-g303681-d2367239-r540755097-Juriques_Hostal-San_Pedro_de_Atacama_Antofagasta_Region.html. O atendente Hector foi muito cordial e disse que entraria em contato com a pessoa que fazia os passeios para as atrações para o hostel para fazer um orçamento. Enquanto isso eu fui para várias agências (algumas que eu já havia pesquisado e com quem já havia conversado do Brasil) para levantar preços. Os melhores preços encontrei na Andes Travel (https://www.tripadvisor.com/Attraction_Review-g303681-d8368194-Reviews-Andes_Travel-San_Pedro_de_Atacama_Antofagasta_Region.html), Caracoles, 174, telefones 552893281, 982459568, 971044491, 942962663, que me atendeu bem. Para minha avaliação completa dela veja (https://www.tripadvisor.com/ShowUserReviews-g303681-d8368194-r540757282-Andes_Travel-San_Pedro_de_Atacama_Antofagasta_Region.html). Voltei ao hostel e Hector me disse que a sua parceira de pacotes não conseguiria cobrir os preços que eu havia encontrado. Agradeci muito e voltei para a Andes Travel para fechar o pacote. Paguei 110 mil pesos por um pacote que incluía 5 excursões (Lagoas Altiplânicas e Pedras Vermelhas; Salar de Tara; Vale do Arco-íris; Lagoa Cejar, Olhos do Salar e Lagoa Tebinquinche; e Geyser El Tatio). Saindo de lá fui agendar o Tour Astronômico na Space (http://www.spaceobs.com), que disseram ser muito concorrido e necessário ser agendado antes. Agendei para 4.a feira, 25/10, comprometendo-me a pagar US$ 30.00 (poderia alternativamente pagar 20 mil pesos) até as 15 horas do dia do evento, caso este não fosse cancelado (poderia ocorrer cancelamento devido a questões atmosféricas). Saindo de lá troquei US$ 20.00 por 2 notas de 10 e novamente comentaram dos carimbos na nota que não são bem aceitos no Chile, mas fizeram a troca. Também passei no setor de informações turísticas, onde me deram um mapa e várias informações sobre a cidade e sobre como ir ao projeto ALMA (http://www.almaobservatory.org), de observação do espaço sideral, inclusive para busca de vida extraterrestre. Depois de tudo isso resolvi aproveitar o fim de tarde para conhecer minha primeira atração, Pukara de Quitor (https://www.google.com.br/search?q=pukara+de+quitor&tbm=isch), que era próxima, somente a 3 km de distância. Fui andando. Paguei 3 mil pesos pelo ingresso de entrada. Gostei muito da vista dos mirantes que existem ao longo da subida. Gostei também das estruturas arqueológicas, da estátua e da caverna . Na volta fiz caminho diferente e acabei não fazendo o melhor percurso. Estava de chinelo e acabei entrando no leito seco de um rio cheio de pedras, o que soltou a tira do meu chinelo . Ao voltar para o hostel conheci um grupo de israelenses, uma dupla de 1 americana e o chileno Brian, e um alemão que era engenheiro de ensino, teve uma doença e passou a trabalhar como caminhoneiro. À tarde já havia conhecido um espanhol das Canárias que estava passando uma temporada ali e vivia de tocar música. Preparei o que havia comprado para o jantar usando a cozinha do hostel. Pedi para o atendente me acordar no dia seguinte. Na 2.a feira 23/10 fiz a excursão para Lagoas Altiplânicas e Pedras Vermelhas (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=lagunas+altiplanicas+y+piedras+rojas). Acho que o atendente acordou a pessoa errada (ele disse que me acordou, eu recusei e não quis acordar ). Mesmo assim, pouco tempo depois eu acordei por conta própria e deu tempo de me preparar. A van estava prevista para passar às 7:30 e passou um pouco depois disso. Achei a excursão muito boa . Havia 6 brasileiros (de São Paulo, Limeira e Florianópolis) e 2 americanos de Miami. Achei o guia o melhor de todas as excursões que fiz. Começamos visitando o povoado de Socaire, onde havia um casa típica com uma lhama, objetos típicos e uma pequena e simples igreja histórica . Depois fomos para as lagoas altiplânicas e as pedras vermelhas. Paguei 3 mil pesos pela entrada. Achei-as espetaculares . A paisagem com as montanhas ao fundo e a cor das pedras, do solo e da água faziam uma combinação de que muito gostei nos vários locais. Chegamos inicialmente ao Salar de Talar onde tomamos café da manhã, que achei bem razoável . A água era fria, verde e salgada, e havia flamingos na lagoa. No meio da trilha havia uma estrada para carros, que eu achei que era aberta à visitação. Peguei-a para chegar mais próximo aos flamingos, mas era proibida. O guia assobiou para mim, mas eu pensei que estava achando que eu iria me atrasar e disse com gestos que só iria um pouco mais e voltaria. Quando voltei ele me disse aborrecido que o caminho era proibido. Aí que eu entendi. Eu sou meio lento mesmo . Depois fomos para as lagoas altiplânicas, com vistas igualmente espetaculares . Fizemos uma pausa para o almoço num restaurante, sendo que na subida já havíamos encomendado (e o meu pedido de almoço vegetariano foi cumprido). O preço já estava incluído no pacote. Gostei bastante da comida, simples e saborosa e do molho um pouco apimentado para se comer com pão . Dei 50 pesos de gorjeta. Após o almoço fomos para o Salar de Atacama e a Lagoa Chaxa. Paguei 2.500 pesos de entrada. Achei o salar bem interessante e amplo e a lagoa bela também, mas diferente das anteriores, por parecer ficar numa planície. Havia também bastante flamingos e crustáceos artemias. Desta vez perguntei ao guia antes detalhadamente por onde poderia andar e não saí do caminho . Ao longo do passeio vi pássaros, raposa e lagartos . Voltamos perto de 17:30. No fim do dia comprei 1 tomate por 30 pesos no Centro Agropecuário. Na 3.a feira 24/10 fiz a excursão para o Salar de Tara (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=salar+de+tara). Era das 9 às 17 horas. A entrada para as atrações foi gratuita. Estavam na excursão outros 7 brasileiros (2 de Brasília, 2 cariocas, 2 do ABC paulista e 1 paulistano de origem japonesa), 2 chilenas de Concepción e 1 mexicano. Os brasileiros, incluindo a mim em parte do tempo, ficaram juntos e pareciam bastante animados. O carioca mencionou a visita ao Estádio Nacional em Santiago, que eu não havia feito. A guia chamava-se Marta. A estrada era bem sinuosa e uma enorme subida em boa parte do trajeto. Houve muito vento, principalmente nas áreas mais altas e descampadas e perto da lagoa, porém até que não estava tanto frio, principalmente no sol. Paramos na estrada para o café da manhã num local com bela vista . Achei espetaculares as paisagens tanto no caminho como no próprio salar , principalmente a partir das zonas altas que permitiam vista bem ampla, do salar e da lagoa. As estruturas rochosas cujas semelhanças estimulam a imaginação também muito me agradaram . Vimos vicunhas, jumentos, pássaros e coelhos ao longo do passeio. Senti dor de cabeça a partir do meio do passeio, que foi o de maior altitude que fiz. O café da manhã foi bem razoável, mas o almoço não foi suficiente para todos com fartura. Foi servido após a visita à lagoa. Quando cheguei já estavam terminando vários itens e acabei pegando menos do que pegaria normalmente para deixar para os outros. Na volta paramos na estrada novamente para apreciar a vista e tirarem fotos. À noite ainda assisti a um jogo de futebol no pequeno estádio da cidade , com entrada gratuita. Comprei 600 pesos em tomates, cebola, pepinos, abobrinha, cenoura e pimentão no Centro Agropecuário. Na 4.a feira 25/10 fiz a excursão para o Vale do Arco-íris (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=valle+del+arcoiris). Era das 8:30 às 14 horas e incluiu um bom e farto café da manhã. A entrada custou 3 mil pesos. O motorista chamava-se Julio e o guia chamava-se Burak, era turco e sabia falar português razoavelmente. Eu era o único estrangeiro, acompanhado por alguns chilenos (cerca de 6). Vimos pássaros, vicunhas e lhamas no caminho. Começamos visitando Yerbas Buenas, uma área com petroglifos, que eram variados, com muitas figuras de animais, incluindo 1 macaco, 3 flamingos, desenhos xamânicos e outros. Depois fomos para o Vale do Arco-íris que tinha rochas com formas e cores variadas, amarela, verde clara, verde escura, marrom clara, marrom escura, cinza e negra, entre as que pude perceber. Achei o cenário espetacular, principalmente as vistas a partir do alto . Voltamos para a cidade e fui até o hostel, onde a americana Grace explicou-me sobre a ida ao Vale da Lua. Fui até a Agência Space, verifiquei que o tour astronômico da noite estava confirmado e paguei por ele. Depois dei uma volta por parte da cidade e gostei do Mural do Liceu Politécnico com cenas da vida indígena, das bonitas pequenas praças com vegetação (acho que local) e da igreja central, que visitei vários dias . Procurei ONGs para conhecer e não encontrei nenhuma que necessitasse de doações. Depois de muito procurar, descobri também de onde saíam os ônibus para o Projeto ALMA nos finais de semana, pois apesar de não haver vagas para reserva nem para lista de espera, era possível ficar esperando na porta do ônibus para ver se havia desistências. À noite fui ao tour astronômico da Agência Space. Foi um dos eventos de que mais gostei . Achei espetacular a vista do céu a olho nu e com telescópios. Era num observatório um pouco (uns 15 minutos) afastado da cidade. O ônibus nos pegou cerca de 20:50 numa esquina da Rua Caracoles e nos trouxe de volta cerca de meia noite. Eram cerca de 20 pessoas. O monitor da minha visita foi o Danilo. Pareceu-me ter profundos conhecimentos da área. Inicialmente foi possível observar o céu a olho nu e, com auxílio de um laser, identificar as constelações do zodíaco visíveis no horário. Posteriormente foi possível visualizar muitos itens com telescópios (cerca de 10), como as crateras da Lua, o Planeta Saturno, a Nuvem de Magalhães, as Plêiades, nebulosas, galáxias próximas, estrelas binárias, etc. No final, com a temperatura já bem mais baixa, houve uma conversa em um auditório para dúvidas, tomando chocolate quente. Só achei que parte do tempo usado com brincadeiras no início poderia ter sido usado para informações mais relevantes sobre o assunto, sem perder o bom humor que caracterizou toda a apresentação. Depois de encerrado, o ônibus deixou cada um perto das suas respectivas acomodações. Na 5.a feira 26/10 fui com Grace pela manhã ao Vale da Morte ou Vale de Marte (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=valle+de+la+muerte+atacama). Fomos caminhando, cerca de 30 minutos. No caminho passamos por um mural sobre a população e o local. A entrada para o Vale custou 3 mil pesos. Realmente parecia com as fotos que eu costumo ver de Marte, com pouquíssimo seres vivos, só rochas e areia, de cores vermelha, laranja e marrom. As vistas me pareceram espetaculares . Havia algumas pessoas praticando descida de esqui na areia. Fomos até a borda final do Vale. Depois de contemplar bastante perguntei a Grace se queria ir para a parte de trás, que parecia um pouco distante, para contemplar a vista e depois descer pela areia, porém sem esqui. Mas ela disse que não estava muito bem, não tinha se alimentado bem e preferiria voltar. Fiquei um pouco preocupado, mas ela disse que conseguiria voltar sem problemas e que eu poderia ir. Depois dela reafirmar isso algumas vezes, mencionar que havia várias pessoas fazendo o trajeto, e portanto seria socorrida caso algo de errado ocorresse, decidi ir só para os paredões e deixá-la voltar só. Fiquei pensando se ela não poderia estar com hipoglicemia e acabei ficando preocupado durante minha ida aos paredões. Pedi autorização à guarda para ir ao outro lado do desfiladeiro e descer pela areia, ela ficou meio ressabiada, mas me autorizou, somente dizendo para eu ter cuidado, principalmente na descida. Para achar a entrada para o outro lado do desfiladeiro fiquei um tempo tentando, mas era óbvio que só poderia ser aquele caminho que peguei. Durante o começo da minha caminhada acompanhei Grace com o olhar lá de cima para ver se estava caminhando bem. Depois fui me aprofundando nos paredões e fui bem mais longe do que planejara inicialmente. Achei as vistas lá de cima espetaculares . Quando cheguei longe o bastante, já tendo passado do ponto original do caminho pelo qual viemos, decidi descer pela areia, fazendo uma espécie de esqui com os pés, o que encheu de areia meu tênis . Na volta, já fora do vale, ainda subi em algumas colinas para apreciar a vista, em especial numa em que havia uma cruz. Quando cheguei ao hostel encontrei Grace conversando na mesa, com boa aparência. Perguntei-lhe se estava bem e disse que estava bem como sempre . Almocei, descansei um pouco e fui para a excursão para as Lagoas Cejar (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=laguna+cejar) e Tebinquinche (https://www.google.com.br/search?q=laguna+tebinquinche&tbm=isch) e os Olhos do Salar, a única da agência em que eu fui pegar o transporte na própria agência. Estava prevista para sair as 16 horas e atrasou cerca de meia hora. A entrada para Cejar custou 15 mil (até as 14 horas era 10 mil) pesos e para Tebinquinche custou 2 mil pesos. O motorista Eduardo do micro-ônibus era de origem boliviana e muito bem humorado. Eram cerca de 10 pessoas. Nesta excursão conheci o brasiliense Tiago, filho de mineiros, atleticano, e conversamos sobre a situação do Brasil. A Lagoa Cejar me pareceu muito bela e com muito sal, onde não se afunda. Havia chuveiros para se tirar o sal depois do banho. A seguir fomos para 2 poços ao lado da estrada, chamados de Olhos do Salar, onde pude nadar bem, apesar da água um pouco fria. As paisagens do deserto agradaram-me bastante . Seguindo em frente fomos para a Lagoa Tebinquinche, cujas paisagens também muito me agradaram , variando de acordo com a luminosidade do fim de tarde. Dei uma volta no circuito permitido e pudemos contemplar o por do sol a partir dela, mostrando a cor da lagoa azul turquesa e as montanhas multicoloridas . No fim do passeio houve um pequeno lanche e experimentei uma bebida alcoólica chamada pisco sour, de que gostei e achei não muito forte. Voltamos já no escuro. Em outro momento um francês que conheci no albergue me falou de sua visita à Lagoa Cejar de bicicleta. Fiquei pensando que poderia ter feito o mesmo, economizado o dinheiro da excursão, pago menos pela entrada e ficado muito mais tempo aproveitando desde a manhã. Neste dia comprei 860 pesos em pães, 120 pesos em 1 cebola e 460 pesos em cenoura, maças e abobrinha no Centro Agropecuário. Pedi para um grupo de 3 chilenas que havia chegado e ficado no mesmo quarto para me acordarem no dia seguinte por volta de 4:15. Na 6.a feira 27/10 fiz a excursão para os Geysers del Tatio (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=Geysers+del+Tatio). Era das 5 hs ao meio dia. As chilenas, que também iriam para a mesma excursão, porém com outra agência, acordaram-me exatamente como pedi. Durante boa parte da noite um rapaz esteve passando mal e vomitando. Perguntei se precisava de ajuda, mas não respondeu. Pelo que o atendente do hostel me falou ele estava alcoolizado. O micro-ônibus demorou um pouco para passar (atrasou mais de meia hora). O motorista novamente era o Eduardo, mesmo do dia anterior. Eram cerca de 20 pessoas, entre as quais havia uma publicitária de São Paulo. A entrada custou 10 mil pesos. Dei mil pesos de gorjeta quando o guia passou o chapéu pedindo no fim da excursão. O ônibus subiu lentamente, em parte no escuro, mas como atrasou, em parte já com um pouco de luz do amanhecer. Assim deu para ver a silueta das montanhas e alguns animais. Achei a paisagem espetacular . Ao chegar lá informaram-nos que a temperatura era de -6.4 C e após breve explicação e recomendações de segurança fomos ver os geysers. Havia vários e a água era muito quente e jorrava bem alto em alguns. Existia um geyser chamado Mata Gringo. Narraram que uma turista belga morreu queimada quando caiu em um geyser. Na minha visita as delimitações guardavam razoável distância para os pontos de que saem água. Pude tocar em um pouco da água que escorria pelo chão de um geyser e senti o quão quente poderia ser (estava quase fervendo). Achei a vista deles muito boa e os maiores imponentes . Tomamos café da manhã (razoável, mas inferior ao da maioria das excursões anteriores) apreciando os geysers. Na volta pude ver a paisagem com a luz do dia. Entre ida e volta pudemos apreciar o vulcão que havia no caminho, as montanhas, os cursos de água, a vegetação e os animais (flamingos, pássaros, vicunhas). Paramos na estrada para ver o vulcão e as aves no rio e depois no povoado de Machuca, onde havia espetinho de carne de lhama. Eu, como não como carne, fui explorar a vila e conhecer a pequena igreja local de 1933, a vista a partir da colina em que ela ficava, as casas locais e o jardim com plantas típicas . Fizemos ainda uma parada extra no cânion de um rio com montanhas em volta . Chegamos por volta de meio dia, eu almocei e fui deitar um pouco, pois estava com dor de cabeça, provavelmente devido à altitude, que perdurou por boa parte da tarde. Após conversar com um jovem chileno recém chegado e receber algumas informações dele, saí cerca de 15 hs para conhecer a Garganta do Diabo (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=garganta+del+diablo+atacama). Fui andando, cerca de 45 minutos. Era um pouco à frente de Pukara de Quitor. A entrada para a Garganta do Diabo e Catarpe custou 2 mil pesos. Na portaria deram-me um mapa e me disseram que fechava por volta de 19 hs. Logo na saída encontrei um francês, perguntei se queria ir junto, mas ele disse que caminhava só. Inicialmente fui admirando a paisagem semidesértica e depois fui por uma trilha que ia subindo, permitindo belas vistas e acabava em um túnel, que atravessei, só para ver o que havia do outro lado. Eu não tinha luz, mas mesmo assim consegui atravessá-lo com a iluminação que entrava pelas 2 saídas. Não quis seguir em frente do outro lado, somente apreciei um pouco a paisagem. Depois daí segui para a garganta, de que muito gostei . Pareceu-me longa e variada. Achei espetaculares os caminhos no meio do desfiladeiro e as estruturas naturais de pedra. A seguir fui para Tombo de Catarpe, um local com ruínas de construções de pedra. A vista a partir dela também me agradou . Por último visitei mais para frente a Igreja de São Isidro, que era uma capela de 1913, bem simples e antiga, parecia feita de argila. Reencontrei o francês em vários pontos do caminho e no fim quando eu voltava da capela ele estava indo e me perguntou se era longe e o quanto valia a pena. Resolveu ir também. Já bem mais para a frente, próximo da portaria, encontrei as 3 chilenas do albergue, que me pediram para tirar fotos delas. Na saída, pouco depois das 19 hs, pedi desculpas ao porteiro pelo atraso, mas ele disse que não havia problemas. À noite reencontrei o chileno que havia chegado ao hostel e conheci um grupo de alemães em viagem pela América do Sul, com quem fiquei conversando durante o jantar. Ao ir para o quarto dormir conheci um casal de chilenos, o homem era policial, que iria dormir em cima da minha cama (fiquei com medo da cama não aguentar com os 2 ). Comprei 700 pesos em pães na Tackey (https://www.yelp.com.br/biz/tackey-san-pedro-de-atacama), que achei ter os melhores preços, 550 pesos em espaguete no armazém do Vicente, que ficava um pouco abaixo, e 880 pesos em maças, cenoura, pepino e abobrinha no Centro Agropecuário. No sábado 28/10 o casal de chilenos e as 3 amigas chilenas foram para Yuni, Grace foi embora e chegaram um grego, australianos e uma alemã. Logo de manhã fui tentar ir visitar o Projeto Alma. Disseram-me que o ônibus saía às 9 horas e eu deveria chegar por volta de 8:30 para ficar em uma fila, caso houvesse desistências. Se desejar fazer esta visita, sugiro fortemente reservar seu lugar o mais rápido possível, pois hoje, dia 12/06 em que estou escrevendo, verifiquei que a próxima data em que se consegue confirmar a visita, sem depender de lista de espera ou desistências é 30/09, ou seja, daqui a mais de 3 meses. A página para tal é http://www.almaobservatory.org/en/outreach/alma-observatory-public-visits. Cheguei por volta de 8:35 e já havia 2 pessoas esperando, 1 alemão e 1 brasileira. Começaram a chegar mais pessoas e logo depois chegou a coordenadora da ida, que organizou a fila e começou a chamar os inscritos confirmados e os inscritos para a lista de espera. Quando acabou de chamar os da lista de espera, o ônibus ficou cheio. Aí o alemão foi embora. Alguns instantes depois a coordenadora disse que 2 pessoas haviam desistido (acho que porque nem todos do grupo em que estavam conseguiram vaga) e que havia sido aberta 1 vaga. Então a brasileira que estava na minha frente pode ir na última vaga, mas eu não. Fiquei feliz por ela, pois era a única chance dela, posto que iria embora no dia seguinte. Decidi então visitar o Vale da Lua (https://www.google.com.br/search?tbm=isch&q=valle+de+la+luna+atacama). Fui a pé e fiz todo o percurso a pé. Paguei 2.500 pesos (500 pesos a menos por ter entrado de manhã) pela entrada. Levei uma garrafa grande de água, 5 pães e 1 maça. No Centro de Visitantes a atendente deu-me uma explicação geral sobre a visita e, vendo que eu estava a pé e desejava ir depois à Pedra do Coyote, autorizou-me a sair por trás, algo que não era permitido normalmente, sendo que aquela saída estava fechada. Achei espetacular o Vale da Lua , com suas paisagens e variações. Após caminhar um pouco passei pelas Cavernas de Sal. Quando estava visitando as mais fechadas, um casal iluminou o caminho para mim, posto que eu não tinha iluminação. No fim havia um cânion, mas parte estava fechada. A seguir fui para a duna e o mirante. A duna lembrou-me as praias do nordeste brasileiro. O mirante tinha uma vista espetacular , com o anfiteatro bem à frente. Achei um pouco confusas as suas trilhas. A seguir passei por 2 minas de sal antigas. Por fim passei pelas 3 Marias e entrei num campo de sal em que havia uma mina grande. O campo de sal parecia ter aparentes lagos, rios e cachoeiras de sal, que achei espetaculares . Lá encontrei um grupo de brasileiros que tinha vindo de carro desde o sul do Brasil. Após apreciar bastante as várias construções naturais do campo de sal, voltei para a estrada e fui para a saída. Creio que saí perto de 17 horas, rumo à Pedra do Coyote. Mas a volta foi grande e demorei cerca de 2 horas para chegar lá andando. A paisagem do deserto em parte foi bem interessante, mesmo vista da estrada. Cheguei um pouco após o por do sol, mas ainda deu para aproveitar o crepúsculo para apreciar a vista . Fiquei lá até quase a escuridão total e depois voltei no escuro pela estrada, algo que não foi muito agradável, mas não teve grandes problemas. Neste dia comprei 620 pesos em pães. No domingo 29/10 tentei novamente ir ao Projeto Alma, mas novamente não consegui. Cheguei perto do mesmo horário do dia anterior, mas desta vez já havia várias pessoas esperando. E não houve desistências suficientes, então ninguém que estava esperando pode ir. Fui então caminhar pela estrada para apreciar com calma a vista perdida do dia anterior. Havia alguns pontos muito bons de observação para o Vale da Lua . Do outro lado reencontrei o final do Vale da Morte em que havia estado antes. Pude explorar com calma a região e contemplar o deserto. Quando voltei para o hostel para almoçar, conheci um casal de brasileiros (Bianca e o marido) que havia acabado de chegar de uma excursão ao Salar de Yuni. Narraram suas experiências, de como gostaram dos locais visitados, das instalações precárias onde pernoitaram e de como passaram mal devido à altitude. Falei-lhes do tour astronômico e se interessaram, porém não conseguiram vaga. Depoi do almoço fui ver alguns pontos da cidade que faltavam e depois fiquei admirando a vida na praça central. Não houve jogos à noite para assistir. O grego foi embora e eu fui dormir cedo para me preparar para ir embora no dia seguinte. Comprei 1450 pesos em pães e 750 pesos em tomates, maça, pimentão e abobrinha. Na 2.a feira 30/10 de manhã despedi-me de Hector e peguei o ônibus às 9 horas para Santiago. A viagem foi tranquila com paisagens belas de montanhas e praias . Deu para ver boa parte do que eu havia perdido na ida por estar à noite, principalmente as praias da região da Bahia Inglesa, o caribe chileno. No fim do dia o tempo fechou, mas ja estava escurecendo mesmo e não comprometeu muito. O ônibus parou várias vezes novamente e forneceram 2 lanches pequenos. Além deles, comi parte do que havia comprado e levado. Chegamos por volta de 8 horas da manhã. 3.a feira 31/10, após chegar fui caminhando até o Palácio de La Moneda, para onde tinha enviado um email para tentar agendar uma visita. No caminho comi uma empanada de uma ambulante, que mais parecia um pastel, pagando mil pesos. Mas não consegui fazer a visita, pois não responderam meu email. Era necessário ter agendado antes (https://visitasguiadas.presidencia.cl). Como não tinha acesso a Internet, o atendente do centro cultural emprestou-me seu celular, mas não achei a resposta. Então fui visitar as salas que faltavam do Museu Histórico Nacional, mas elas estavam fechadas temporariamente para algum tipo de reforma. Ou seja, tinha optado pelo Palácio de La Moneda e pelo Museu Histórico (se desse tempo) ao invés do Estádio Nacional por ser mais viável no tempo de que disporia, mas acabei não conseguindo visitar nada . Entretanto, por coincidência, estava lá bem na hora da troca da guarda, que pude acompanhar inteiramente (cerca de meia hora) . Passeei um pouco pelo centro, comprei 700 pesos em pães Supermercado Cencosud (http://www.cencosud.com), 1250 pesos em uma empanada de queijo e champignon (neste dia foram minhas primeiras empanadas da viagem) e 630 em um creme de Berlim na Paradiso S.A. (http://www.paradiso.cl). Gostei muito destes 2 últimos . Perguntei para a atendente se poderia pagar um pouco menos pela última (acho que cerca de 20 pesos), visto que estava indo embora e aqueles eram meus últimos pesos, sem contar o ônibus, e ela concordou. Depois de comer e andar mais um pouco, peguei o ônibus para o aeroporto, pagando 1800 pesos. Um pouco antes de embarcar comi os pães que havia comprado numa mesa do Starbucks, após pedir para a atendente para usá-la, que deixou. O tempo na volta estava encoberto e não foi possível repetir a vista dos Andes, mas a da ida ficou gravada na minha memória.
  7. Saudações mochileiros, principalmente aqueles que querem viajar de carro. Não tive tempo de relatar minha viagem de carro de Belo Horizonte ao Atacama realizada em setembro de 2017, mas aqui vai minha contribuição. Após várias pesquisas aqui no site e com a ajuda de várias pessoas para o planejamento como o grande viajante de carro HLIRAJUNIOR e sua companheira (muito conhecimento e experiência), ao Alexandre e Rosângela do blog VIAJANDO DE CARRO (no qual baseie meu roteiro e pelas dicas providenciais por email), o João Carlos Truppel (Facebook), grande viajante de carro da América do Sul, ao Guilherme Pegoraro (que me enviou uma planilha bacana de roteiro e gastos – descobri um relato dele no blog VIAJANDO DE CARRO), ao blog www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br onde peguei várias dicas e mapas dos passeios. Também à Marisa Belle Bertoldo (relato no blog FELIPEOPEQUENOVIAJANTE) pelas dicas e ao blog MOCHILA CRÔNICA pelas informações. No relato não vou me a ter a pequenos detalhes. Caso alguém tem interesse, pode entrar em contato ([email protected]). Agradeço a todos pela disponibilidade e me coloco também a disposição para ajudar a quem pretende realizar esta viagem espetacular. Para quem vai se aventurar de carro pelo NOA ARG e CHI em direção ao Atacama é sempre bom estar com as informações claras e atualizadas. Nesta viagem fomos eu e meu irmão de república da época da faculdade Rômulo pois minha esposa desistiu pela longa distância (pior que ela tinha razão: é muito longe). Então, para quem pretende, é melhor preparar o psicológico, pois a cada dia você está mais longe de casa – mas é muito longe mesmo. Todos os hotéis da ida foram reservados antecipadamente via Booking e a volta íamos escolhendo a cada destino (mas com algumas opções já pesquisadas). Qual carro nós fomos? Punto Essence 1.6 2013/14. Mas dá para ir? Tranquilamente. A viagem foi feita em 17 dias. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS (ARG e CHI) – Dica: organizar pasta com documentos. • Passaporte (agiliza o trâmite nas fronteiras) ou Identidade (com o RG o seu comprovante de entrada e saída dos países será um ticket estilo supermercado, logo se rasgar ou perder vai ter muita dor de cabeça. Com isso recomendo o passaporte). • CNH e muito recomendado Permissão Internacional para dirigir (PID). Não me pediram mas preferi evitar problemas. • CRLV do veículo. • Seguro Carta Verde (Pedi via internet no site Luma Seguros - foi mais em conta do que na minha corretora). • Seguro SOAPEX (comprei no site da HDI Seguros via cartão de crédito – para preencher os dados é necessário o número do motor do carro. Caso tenha dúvida, veja algum vídeo no youtube de como achar o número do motor do modelo do seu carro – lembrando: NÃO é número do Chassi) • Extensão de perímetro do seguro do automóvel (Eu fiz com o corretor do meu seguro. Como o meu seguro cobria o Mercosul, estava tranquilo quanto à ARG, mas os 4 dias no CHI preferir pagar quase 400 reais, pois estaria no meio do deserto e sabe-se lá o que poderia acontecer – melhor prevenir). Dia 1 Belo Horizonte-MG a Marília-SP. Distância média: 880 Km Tempo (com paradas): 11h Saímos cedo de BH e fomos tranquilos até Marília – SP. O dia estava ensolarado, a pista era duplicada e em bom estado. Paramos para lanchar e almoçar no caminho. *No roteiro, defini que os primeiros dias da viagem seriam os mais extensos para poder curtir melhor na ARG e CHI. Com o ânimo de início de viagem e tendo alguém para conversar, ajuda a deixar o cansaço de lado. *Pedágios: Foram 13 pedágios entre BH e Marília com média de R$ 5 (total de R$ 65,70). Hotel em Marília: Almaru Flat Hotel (Muito confortável). Média R$ 150,00 a diária. Já na estrada ainda em Minas Gerais. Final de tarde chegando em Marília-SP. Dia 2: Marília-SP a Puerto Iguazu-ARG Distância média: 710 Km Tempo (com paradas): 11h Saímos cedo. O dia estava ensolarado e a estrada era pedagiada e em bom estado. Fomos para Foz do Iguaçu, onde trocamos reais/dólares por pesos argentinos em um shopping. Abastecemos e depois cruzamos a fronteira no mesmo dia para Puerto Iguazu. Na travessia, geralmente tem uma pequena fila de carros (depende da época e horário que você estiver atravessando). Já separe os documentos (passaportes e do veículo, abaixe os vidros e acenda as luzes internas (se for noite) pois geralmente eles dão uma olhada geral nos passageiros para ver quantos são e se condizem com os documentos. Nossa travessia foi bem tranquila e rápida. Puerto Iguazu é muito legal de conhecer. Preferimos deixar o carro no hotel e sair para conhecer a pé. A cotação estava R$ 1 = PA$ 5. (A cotação que consegui em BH foi 1 dólar = R$ 3,28). *Pedágios: Foram 8 pedágios entre Marília e Foz do Iguaçú com média de R$ 12 (total de R$ 97,40). Hotel em Puerto Iguazu: Hotel Oxum (Simples mas limpo e confortável). Média PA$ 900,00. Na estrada no Paraná. Ainda no Paraná sentido Puerto Iguazu. Atravessando a fronteira em Foz para ARG Dia 3: Puerto Iguazu – ARG a Corrientes - ARG Distância média: 625 Km Tempo (com paradas): 10h Saímos de Puerto Iguazu e o dia estava chuvoso. Seguimos com calma por causa da pista molhada. Na saída, ficamos um pouco perdidos com o GPS que estava indicando a rota pelo Paraguai (estava configurado para menor distância. Mudamos para menor tempo e colocamos a cidade de Posadas como destino). *Dica: De preferência, no GPS coloque sempre uma cidade próxima ao invés de colocar seu destino final do dia. Com isso, você diminui a chance de ficar perdido! Havia algumas barreiras policiais mas apenas uma nos parou (Gerdameria) e perguntou aonde iríamos *Dica: Mesmo indo para o Atacama, sempre falávamos que iríamos para a próxima cidade do nosso destino, pois evitava a suspeita de que estávamos com muito dinheiro e bagagem. Isto funcionou durante toda a viagem sem problemas. As vezes que fomos parados na ARG era apenas para perguntar onde iríamos ou conversar por sermos brasileiros. A maioria era bem receptivo. Não tivemos problemas com a corrupção. Independente disso, levamos o formulário de multa anti-corrupção do governo da ARG. Neste caso, deve ser o último recurso. Passamos por San Ignácio Mini para almoçar e acabou que não fomos às ruínas (vai ficar para uma próxima oportunidade). Nosso destino neste dia foi Corrientes. É uma boa cidade para pernoite. Vale a pena visitar o cassino e a região beira-rio. *Pedágios: Foram 3 pedágios entre Puerto Iguazu e Corrientes: Eldorado PA$ 20,00, Santa Ana PA$ 20,00 e Ituazingo PA$ 20,00 (total de 12 reais). Hotel em Corrientes: Hotel Orly (Bom, limpo e confortável). Média PA$ 980,00. Hotel central com estacionamento a uma quadra). Em Corrientes abasteça e compre lanche reforçado e água: próximo dia de trecho sem muito atrativo para refeições. Observação: Nas cidades das províncias de Missiones, Chaco e Salta durante a tarde, mais ou menos a partir das 14h as cidades ficam vazias depois do almoço até às 17h, parecendo que é feriado (siesta). Após as 17h, tudo volta ao normal e o comércio (principalmente bares e restaurantes) fica aberto até tarde. Ir se acostumando com a rotina das siestas. Na estrada depois da saída de Puerto Iguazu. Na estrada sentido Corrientes. Na estrada sentido Corrientes. Passando por Ita Ibate sentido Corrientes. Fim de tarde sentido Corrientes. Chegando em Corrientes. Corrientes a noite. Dia 4: Corrientes – ARG a Salta - ARG Distância média: 840 Km Tempo (com paradas): 11h Foi um dos percursos mais cansativos. Possui muitas retas e é monótono (pode dar sono). O dia estava nublado, o que ajudou por ser uma região que faz muito calor. Fique atento a animais como cabras atravessando a pista em alguns pontos próximos de cidades. A pista é simples mas boa (não possui acostamento asfaltado). Possui muitos insetos chocando contra o para-brisas (não esqueça de colocar solução de limpeza no reservatório do para-brisas para facilitar o uso). Apesar de ser quase tudo reto durante boa parte do trajeto, não abuse da velocidade. Vá curtindo a viagem e além disso não dê sorte para o azar (nem para a polícia). Saímos de Corrientes sentido Salta passando logo no início por Resistência. Andamos cerca de 700km pela RN 16 (cerca de 8h). É uma região com pouca estrutura e possui cidades pequenas na beira de estrada sem muitos atrativos para lanche (tente levar da cidade de origem). *Muito importante abastecer sempre que o tanque passar de ¾ cheio se seu carro tiver pouca autonomia ou metade se tiver uma boa autonomia (o meu tanque de 60L dava uma média de 750 km). Neste dia paramos em um posto YPF e tivemos que esperar cerca de 40 minutos até o caminhão abastecer o tanque. Os postos ficam mais nas proximidades de cidades, vilarejos (pueblos) e trevo de acesso ao último trecho de 45km para Salta. Quando chega próximo de Monte Quemado (Província de Santiago del Estero) o asfalto fica cheio de buracos e deve-se reduzir bem a velocidade. Tomar cuidado com os veículos contrários que invadem a contramão tentando desviar dos mesmos (você também terá que ir para a contramão, então cuidado ao atravessar para a outra pista e não foque apenas nos buracos). Antes de chegar no cruzamento com a Ruta 9 começa a ter mais curvas e no horizonte começa-se a ver as primeiras montanhas da Cordilheira dos Andes. Após entrar na ruta 9, a viagem já estava bem cansativa, logo redobre a atenção e tente parar um pouco mais para curtir esta região que é muito bonita. Neste momento estava próximo do pôr do sol e a paisagem ficou bem marcante. A chegada de Salta é bem bonita com uma descida espetacular. Chegamos cerca de 19:30. Durante o percurso passamos por alguns postos e blitz da polícia Caminera e Gerdameria. Não tivemos problemas em nenhum, inclusive no posto mais comentado e famoso de Pampa de Los Guanacos. *Pedágios: Foram 2 pedágios entre Corrientes e Salta: Resistência PA$ 15,00 e Makalle PA$ 30,00 (total 9 reais). Na chegada de Salta não havia pedágios (havia lido relatos de que tinha). Havia alguns trechos em obras, logo, no futuro podem haver outros pedágios ou pode ser algum pedágio que existia que estava em reforma. Salta: a cidade possui ótima estrutura turística, com diversos hotéis e restaurantes. A temperatura estava agradável. Achei a cidade tranquila e segura. A noite vale a pena conhecer as famosas peñas (por mais que seja pega-turista, como gosto da cultura, achei muito interessante). Compre folhas de coca seca para mascar ou fazer chá para tolerar melhor a altitude. Próximo dia: começa a melhor parte da viagem. Hotel: Hotel Samka (Bom, limpo e confortável). Média PA$ 920,00. Hotel central com estacionamento. Saindo de Corrientes para cruzar a ponte sentido Resistência. Saindo de Corrientes para cruzar a Ponte sentido Resistência. Reta do Chaco sentido Salta. Esquece, é só reta. Reta do Chaco. Reta do Chaco. Animais na pista próximo a entrada de alguma cidadezinha no norte da ARG. Começam os buracos próximo a Monte Quemado. Primeiras montanhas da Cordilheira próximo ao cruzamento com a ruta 9 sentido Salta. Na ruta 9 sentido Salta. Fim de tarde sentido Salta. Em Salta. Dia 5: Passeio Salta Cachi Cafayate Distância média: 360 Km (boa parte em rípio) Tempo (com paradas): 8 h Saímos tarde de Salta (em torno de 11:30) em direção à Cafayate (rutas 68, 33 e 40), passando pela Cuesta del Obispo e Parque Nacional Los Cardones. O dia estava ensolarado e seco. A Cuesta del Obispo é muito linda, com paisagens bem diferentes das nossas (vale muito a pena). A estrada é de rípio e estava boa, com muitas subidas e curvas. Indo devagar, curtindo a paisagem e ouvindo uma boa música fica tudo tranquilo. Pegamos muitos ventos fortes que levantava muita poeira. Ao final do trecho de rípio pegamos um trecho de subida asfaltado em bom estado (a esquerda tinha uma placa do Parque Los Cardones e uma estradinha mas deve-se seguir direto no asfalto (entramos a esquerda e saímos em um lugar que parecia ser de piquenique, muito legal e bonito mas acabou nos atrasando – se sair cedo de Salta vale a pena). Depois tem uma descida íngreme e sinuosa (nessa hora ficamos meio confusos com o GPS pois mandava sair do asfalto - pode continuar no asfalto que não tem erro) até chegar na reta del Tin Tin, onde paramos para tirar fotos dos cactos gigantes. A região também é muito bonita e diferente. Depois seguimos para Cachi e achamos tudo fechado por causa da siesta. Só conseguimos o restaurante de um clube que fez uns sanduiches de presunto e mussarela. A cidade é muito tranquila. Seguimos para Cafayate (RN40) em estrada de rípio em estado regular. É uma região pouco habitada. Pegamos muito vento e poeira (parecia o fim do mundo, muito diferente). Atentar sempre para a direção que está seguindo no GPS pois as vezes tem alguma bifurcação e não tem placa indicando. Como saímos tarde de Salta, chegamos tarde em Quebrada las Flechas e já estava escuro e não aproveitamos (logo saia cedo de Salta e aproveite). Chegando em San Carlos, a estrada já é asfaltada. Log depois chega em Cafayate. Chegamos cansados no hostel e depois do descanso saímos para conhecer a cidade. É pequena mas muito boa e tranquila. Conhecida como a terra do bom vinho de altitude, onde as principais atrações são suas bodegas. Dicas Levar muita água, roupa corta vento, protetor solar e lanche muito reforçado. É uma região bem inóspita e a falta de água ou alimentação pode levar a uma desidratação ou hipoglicemia e o resgate pode ser muito demorado por ser uma região pouco habitada. Além disso, tem a siesta e caso chegue nestes horários, vai achar a cidade vazia e comércio em geral fechado. Parece cidade fantasma. Entre Cachi e Cafayate, dirija devagar. Não deixe de tomar o vinho Quara uva Torrontés em Cafayate. Ficar atento ao GPS se está configurado como menor distância, menor tempo ou fora de estrada. Quando íamos pegar estrada de rípio muitas vezes mudávamos para menor distância ou fora de estrada. Depende muito da hora, logo é importante estudar e conhecer muito bem todo o roteiro para evitar seguir o GPS e ir por um caminho não programado. Na saída de Salta, configure o GPS para menor distância e cidade: Cachi. Quando saímos configuramos para Cafayate e o GPS nos direcionou para a RN 68 (asfaltada e que não passaria por Cachi). Como já havia estudado o roteiro, ficou mais fácil perceber e corrigir. Vale a pena ficar 2 dias em Cafayate. Quando for embora, saia mais cedo para aproveitar as paisagens da Quebrada de Cafayate. Hotel: Hostel Andino (parece hotel mas é hostel, bem limpo e confortável). Média PA$ 900,00. Saída de Salta sentido Cuesta del Obispo. Por enquanto asfalto. Início da Cuesta del Obispo ainda asfalto. Ainda asfalto. Início para a Cuesta del Obispo. Ainda asfalto mas depois começa o rípio. Início da Cuesta del Obispo já com rípio. Paisagem no início da Cuesta del Obispo. Rípio na Cuesta del Obispo. Cuesta del Obispo. A estrada clara ao fundo é de onde viemos. Cuesta del ObispoPercorre-se todo a estrada de rípio até em cima. Imensidão. Depois do rípio da Cuesta del Obispo nesta placa deve-se seguir direto no asfalto para chegar ao Parque Nacional Los Cardones. Na placa a esquerda tem uma estrada de rípio que dá em um lugar bem bonito no meio do nada - mas não é sentido Los Cardones – se sair cedo de Salta vale a pena conhecer). Se virar a esquerda na placa vai conhecer este lugar. Ao final da estrada tem umas mesas para piquenique. Seguindo no asfalto após a placa sentido Los Cardones. Seguindo no asfalto após a placa vai começar algumas curvas e depois uma descida sinuosa (onde foi tirada a foto). A fina faixa reta na foto é a reta del Tin Tin já em Los Cardones. O embaçado é poeira levantada pela ventania. Los Cardones. Aqui tem um local para estacionar o carro e curtir. Cuidado com outros carros ao atravessar o asfalto. Por mais que seja uma região pouco habitada as vezes passa algum carro. Após Los Cardones, Payogasta sentido Cachi. Em Cachi. Parecia cidade fantasma por causa da siesta. Vilarejo após Cachi sentido Cafayate. Após Cachi pegamos estrada de rípio sentido Cafayate. Muita ventania. Paisagem desoladora, parecia o fim do mundo (veja ao fundo da imagem). Sentido Cafayate. Muita ventania. Paisagem desoladora. Quebrada las Flechas a noite. Uma pena não ter saído mais cedo de Salta. Dia 6: Cafayate – ARG a Tilcara Distância média: 200 Km (até Salta) e 173 Km (até Tilcara passando por La Cornisa) Tempo (com paradas e engarrafamento de acidente): 10 h Cerca de 09:00 seguimos em direção a Salta pela Ruta 68 - asfaltada e em ótima condição. No início tem-se as formações rochosas da Quebrada de Cafayate (Los Castillos, El Obelisco, El Fraile, El Sapo, El Anfiteatro e Garganta del Diablo - todas identificadas). Vale a pena fazer este percurso com calma e apreciar as paisagens e as diferentes formações rochosas. Paramos no restaurante Posta de Las Cabras (ruta 68 - Km 88) para almoçar. É um lugar gostoso para descansar e curtir a calmaria. Cuidado ao pegar o volante após o almoço por causa do sono que pode vir. Seguimos em direção à Salta e de lá pegamos a estreita Estrada de La Cornisa sentido San Salvador de Jujuy para chegar em Tilcara. Em Salta, agarramos um pouco e saímos depois de 14hs. A estrada de La Cornisa é muito bonita e diferente, mas aviso que é muito estreita, logo tem que haver muito cuidado, uma certa perícia do motorista e cautela nas curvas. Tem uns mirantes que valem a pena parar. Pegamos a parte final já escuro. Recomendo sair de Salta no máximo entre 11-12h. Vá com calma para curtir cada detalhe. Depois de Jujuy houve um acidente na estrada e ficamos mais de 1 hora parados com isso chegamos a noite em Tilcara. Tilcara é muito legal de conhecer, um lugar alternativo no norte da ARG. Hotel em Tilcara: Villa del Cielo (muito bom, só fica um pouco distante do centro, mas vale a muito a pena). Média PA$ 950,00. Bônus: O hotel já havia sido eleito um dos melhores que ficamos, mas algo nos deixou ainda mais confiantes. Meu amigo esqueceu uma bolsa com dinheiro no hotel e só constatou no meio do caminho indo para o Atacama. Como conversei muito com a gerente Marisel por email antes da viagem não preocupei muito e fiquei de mandar um email para ela quando chegássemos ao deserto uma vez que iríamos passar por Tilcara na volta. Então, quando chegamos no hotel em SPA, ela já havia enviado um email informando do ocorrido e que a bolsa estava no cofre do hotel à disposição. Combinei que na volta pegaríamos e foi isso mesmo que aconteceu. O atendimento da Marisel é muito claro e honesto. Inclusive no primeiro dia, ao pagar, o meu cartão de crédito não estava passando, então o funcionário ligou para ela (que estava em Buenos Aires) e conversamos a melhor forma de resolver o problema e foi muito tranquilo. (Dica: tente manter um contato mais próximo com os hotéis que irá ficar para facilitar numa situação como esta). Vinícola em Cafayate Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta. Quebrada de Cafayate e formações rochosas. Retorno de Cafayate sentido Salta. Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta. El Fraile. Quebrada de Cafayate. Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta. Quebrada de Cafayate. Retorno de Cafayate sentido Salta. Após Salta já na Estrada de La Cornisa. Estreita e sinuosa mas uma experiência sem igual. Após Salta já na Estrada de La Cornisa. Estreita e sinuosa mas uma experiência sem igual. Dique - La Cornisa Paisagem na Estrada de La Cornisa Parador Posta de las Cabras sentido Salta Praça em Tilcara Dia 7: Tilcara (ARG) a San Pedro de Atacama (SPA) - CHI Distância média: 436 Km Tempo (com paradas): 8 h (considere o tempo que pode ficar na aduana, ficamos quase 1:30. Melhor é estimar em 10 horas para ir com calma. Esta parte é um dos lugares mais bonitos da viagem (coisa que quem só vai de avião nunca vai conhecer). De Tilcara até SPA: asfalto em bom estado e não há pedágio (apenas algumas curvas da Cuesta de Lipán que estão sem asfalto). Tomamos café da manhã e saímos cerca de 8h. Reservamos o dia para a travessia da Cordilheira dos Andes via Paso Jama. Enchemos o tanque um dia antes no posto YPF na saída de Tilcara. Saímos de Tilcara e seguimos sentido Purmamarca. Subimos a Cuesta de Lipán com uma visão sem igual. Depois da subida começa uma descida também sinuosa. Embora o trecho do dia não seja tão longo, reserve o dia todo pois possui muitos atrativos com lugares bonitos, além disso, possui grande altitude (logo o carro perde potência e vai mais lentamente) além de trechos de subidas e descidas sinuosos. Todo o trajeto é tranquilo mas deve-se tomar cuidado (curvas, subidas, descidas e altitude). Quase ao chegar no topo da Cuesta de Lipán (depois de Abra de Porterillos) começa-se a descer uma região bem bonita (todas são). Quando acabam as descidas mais ingrímes começa-se uma parte mais reta e chega-se ao salar Salinas Grandes (não tem como não parar e ver a beleza). A RN52 corta o salar e fica bem interessante. Seguindo adiante, passa-se pelo Salar de Olaroz e de Jama, que também são magníficos (ainda na ARG). Depois vem Susques (um vilarejo bem diferente; na entrada tem um centro de informação ao turista com muitos mapas e catálogos de turismo grátis). Abastecemos para garantir e seguimos em direção à aduana ARG/CHI. Já na aduana, primeiro paramos no posto para completar o tanque e depois loja de conveniência. Depois fomos aos guichês com a documentação, onde faz-se a burocracia de saída da ARG/entrada no CHI (migração). Depois você continua os trâmites em várias cabines ao lado (sanitário onde declara que não leva itens proibidos como vegetais e etc. e para verificar a documentação do carro). Depois um agente vai vistoriar o carro. O nosso apenas pediu para abrir o porta-malas, deu uma olhada e nos liberou (mas vimos carros que tiveram que tirar a bagagem – aí demora bem mais). Depois que você é liberado e recebe o recibo validado, vai com o carro até uma cancela na estrada onde um agente vistoria os recibos de migração e abre a cancela para poder continuar sentido CHI. Aí é uma paisagem mais diferente e impressionante atrás da outra. Sem explicação. Após ver paisagens que mais parece outro planeta por um longo tempo começa-se a descida já próximo a SPA (de 4200m para 2200m em 42Km). Tem que ir com o carro sempre engrenado e não deixar embalar muito (ir freando aos poucos para os discos de freio não esquentarem e perderem o atrito). Por segurança mantenha baixa velocidade durante a descida. NÃO UTILIZE O FREIO CONSTANTEMENTE EVITANDO O SUPERAQUECIMENTO. Observação: *Com as altas altitudes você vai perceber o carro perdendo potência, mas é normal. Fique atento também quanto aos sintomas da altitude. *Agasalhe bem pois nos pontos mais altos do percurso a temperatura pode chegar a temperaturas negativas. *Nos lanches que são levados, se tiver frutas e vegetais terá que jogar fora antes da fronteira; inclusive você consegue ver várias coisas jogadas antes da fronteira. Água e refrigerante fechado não tivemos problema. *Na parte de documentação pegamos agentes educados e prestativos mas também pegamos um sem paciência. Então sempre esteja com a sua documentação e a do carro em mãos para agilizar. Seguimos sentido SPA pois tínhamos que chegar antes das 16h para pagar o Tour astronômico da Space Orbs. Chegamos um pouco antes e fomos direto acertar e depois procurar o hotel. (É necessário fazer o pagamento até as 15h00 do dia para confirmar o tour, porém combinei antes por email a necessidade de um prazo um pouco maior justificando a travessia da fronteira neste dia e a agência aceitou). SPA é uma cidadezinha diferente, parecendo o velho oeste moderno em outro planeta. Não vou me ater aos detalhes pois aqui nos mochileiros já tem muitos relatos e informações sobre a cidade. Acho importante dizer que no início você fica meio perdido sem saber como funciona o trânsito. Então, antes de entrar em alguma rua, veja se já tem carros e qual o sentido que eles estão para evitar maiores problemas com os Carabineros do Chile. Sempre via carros da polícia na cidade e região. Depois achamos o hotel que havia reservado (Geisers del Tatio). Arranjamos as coisas para cerca de 20h encontrar a van da agência para irmos ao Tour. Vale muito a pena. O céu é muito diferente lá no Atacama. Experiência única estar lá no meio do nada e ver o firmamento. (Fizemos a opção em espanhol). Hotel em SPA: Geisers del Tatio (muito bom, cerca de 8 minutos andando do centro de SPA. Boa estrutura. Valeu a pena, embora queria ter reservado o Pueblo de Tierra - melhor custo benefício). Média R$ 1500 as 4 diárias. Tour Astronômico: Agência PC$ 20000 (cerca de R$ 105,00 cada). Dicas *Para o dia da travessia do Passo Jama saia com o tanque cheio pois o consumo de combustível aumenta devido a altitude. De preferência abasteça em Susques e complete o tanque na fronteira. *Conselho: NÃO LEVAR NADA REFERENTE A ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL OU VEGETAL pois pode atrasar e muito! Além disso podem revistar o carro todo ou multar. *Pesquise ao menos 3 lugares de câmbio na Calle Toconao e faça o câmbio de pesos chilenos (calcule a necessidade média para alimentação, passeios e gasolina de acordo com os dias que vai ficar em SPA). *Importante atentar que o pagamento do hotel em moeda forte (dólar ou euro) pois isenta os turistas estrangeiros (menos de 60 dias no país) do pagamento do imposto IVA, que tem alíquota de 19% no CHI. Paguei no cartão de crédito e obtive o desconto.(Apesar do IOF, é muito mais tranquilo e seguro do que ficar viajando com uma grande quantidade de dinheiro em espécie, uma vez que o hotel tende a ser o seu maior gasto em SPA). Para a isenção tem que apresentar o passaporte ou cartão de entrada no CHI (tarjeta migratória). Veja no site do hotel ou confirme se ele está registrado ano Serviço de Impuestos Internos (SII). *Antes dos passeios em altas altitudes: bastante líquido, refeição leve e evitar excesso de bebida alcoólica. *Pagamento da entrada dos passeios deve ser em pesos chilenos. De preferência, o de restaurantes também, pois com a conversão que eles aplicam você pode ficar em desvantagem. *Recuse troco de notas de dólares velhas ou rasgadas. Tente reservar hotéis ou hostels que possuam estacionamento (algumas ruas não é permitido estacionar). Leve no mínimo 2 L de água por pessoa a cada passeio. *Restaurantes: por volta das 22h00 já começam a fechar as portas. Adição de 10% de propina (gorjeta). *Leve lanche para café da manhã/tarde para os passeios independentes e para os mais longos levar um lanche mais reforçado ou programe um almoço em algum ponto de apoio (Toconao ou Socaire por exemplo). O nosso cronograma básico foi este (a parte de descanso ficou entre descanso e conhecer a cidade): Cronograma Atacama Manhã Tarde Noite Tilcara SPA Tour astronômico Descanso Laguna Chaxa/Ojos del Salar/ Laguna Tebinquiche Descanso Geisers del Tatio Almoço/ Vale de la Luna Descanso Piedras Rojas/Lagunas Altiplânicas Altiplânicas/Socaire Descanso SPA Tilcara Descanso Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán. Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán. Saída de Pumamarca sentido Cuesta del Lipán. Cuesta del Lipán. No alto da Cuesta del Lipán em Abra de Porterillos. Após Abra de Porterillos. Este local também é muito bonito. Sentido Paso Jama. Faixa branca ao fundo - Salinas Grandes Susques Susques Atravessando a Cordilheira dos Andes Atravessando a Cordilheira dos Andes Fronteira ARG/CHI Paso Jama. Atravessando a Cordilheira dos Andes Gelo na beira da estrada. Vulcão Licancabur. Quando avistar está próximo de SPA. Descida de 42 Km sentido SPA SPA SPA Hotel Geisers del Tatio Dia 8: SPA (CHI) A cotação em SPA estava US$ 1 = PC$ 620 (Como comprei o dólar a R$3,28, R$ 1 = PC$ 189). De manhã resolvemos descansar, conhecer a cidade, fazer o câmbio (Calle Toconao), almoçar e fechar o passeio de Geisers del Tatio para a manhã do próximo dia. À tarde pegamos o carro e fomos para Toconao, Laguna Chaxa, Ojos de Salar e por último ver o pôr do sol na Laguna Tebinquiche. É tranquilo de ir seguindo as orientações (www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br) e placas indicativas. Não fomos à Laguna Cejar pois achei que não justificava o preço absurdo que estão cobrando. Para chegar na Laguna Chaxa é bem tranquilo (cerca de 30 min de SPA). Passa se por Toconao e depois tem a placa indicativa para virar à direita numa estrada de rípio e sal em bom estado. Da Chaxa, também é simples ir aos Ojos del Salar que já é caminho para Tebinquiche, onde o pôr do sol é um espetáculo. De Tebinquiche, volta-se já escurecendo mas fica fácil ao seguir os carros das agências. Os passeios valeram muito a pena e é inesquecível o pôr do sol na Laguna Tebinquiche. A noite descasamos para o outro dia de manhã (para os Geisers tem que acordar bem cedo, a van passou no hotel cerca de 05:00). Ingresso Laguna Chaxa: PC$ 5000 (cerca de R$ 27,00). Ingresso Laguna Tebinquiche: $4000,00 (cerca R$ 21,00). Em nenhuma da lagunas pode entrar na água. Toconao Rípio sentido Laguna Chaxa Placa indicativa. Muito bem sinalizado. Laguna Chaxa Laguna Chaxa Placa indicativa. Muito bem sinalizado. Ojos del Salar Laguna Tebinquiche Mudança das cores na Laguna Tebinquiche com o pôr do Sol Dia 9: SPA Geisers del Tatio e Valle de la Luna Resumo do dia: a manhã toda: passeio Geisers del Tatio/povoado Machuca. Almoço em SPA. A tarde: descanso e saída cerca de 15:00 para Valle de la Luna. O horário que a agência agendou para a van nos pegar foi próximo de 05:00. No dia anterior avisamos no hotel que precisaríamos do café com antecedência e eles deixaram tudo pronto e um funcionário inclusive levantou para nos atender no que pedíssemos. Tomamos pouco café no hotel e levamos um lanche (não deixe de levar água também - ao longo do dia vai fazendo muito calor). Estava bem frio e o deslocamento foi um pouco mais de 1 hora até o parque. Leve muita roupa de frio inclusive luvas boas pois as mãos quase congelam e é muito ruim (fui com calça térmica e outra calça por cima além de blusa térmica, uma normal e uma corta vento, duas meias para trilha e luvas - mesmo assim sente um pouco de frio. O pior mesmo foram as mãos). De qualquer forma você faz um sacrifício mas vale muito a pena. O lugar é diferente do que estamos acostumados e te faz lembrar os desenhos animados de infância. Foi muito bom conhecer este lugar. O frio incomoda mesmo só até o sol aparecer (naquele dia foi cerca de 06:40). Depois ficou muito tranquilo (depende da época que você vai). Tomamos um café da agência quando chegamos lá cerca de 06:10 e a temperatura era cerca de 7 graus negativos. Na volta, passamos pelo povoado de Machuca que tinha muitos turistas. *Cuidados: Os poços são demarcados mas evite chegar muito perto. Nunca coloque a mão diretamente nos poços e nem chegue muito perto. Segundo informações do guia já aconteceram acidentes fatais. A temperatura da água pode chegar a 85°C. Geisers del tatio: Agência PC$ 19000 (cerca de R$ 100,00 cada) e ingresso para entrada: PC$ 5000 (cerca de R$ 27,00 cada). Chegamos cerca de 12:00 em SPA e fomos almoçar em algum restaurante. Depois descansamos um pouco no hotel e pegamos o carro e fomos ao Valle de la Luna. . Valle de la Luna É bem perto de SPA. Cerca de 15-20 minutos de carro. Para este passeio leve boné, passe protetor solar, óculos de sol, algo para comer, muita água, roupa leve, bota de trilha ou tênis. Antes passamos na entrada do Valle de la Muerte mas não entramos pois este dia foi cansativo e não daria para fazer os 3 passeios. Seguindo pelo GPS e as placas é bem fácil. O acesso é muito próximo de SPA - cerca de 3km. Depois pega-se uma estrada de rípio. Chega-se na entrada do parque e paga-se o ingresso. Eles dão um mapa e explicam o tempo médio entre cada ponto. Depois de pagar a entrada, com o carro, anda-se uma parte de rípio até ter a parada para as Cuevas de sal. Estacionamos o carro e seguimos um grupo de turistas com guia nas cavernas. É bem legal mas quem não gosta de lugar fechado não vale muito a pena. Eu não tenho problema com isso, mas como tem gente na frente e atrás, você fica um pouco apreensivo. Depois de visitar as Cuevas , pegamos o carro e seguimos até as Tres Marias (cerca de 8 minutos), mas é bem bonito o caminho então paramos muito. Antes de chegar às Tres Marias, do lado direito tem o Anfiteatro. Depois voltamos e paramos em um estacionamento e subimos a pé para a Grande Duna. É uma caminhada de cerca de 10 minutos. Lá em cima cuidado ao ficar nas beiradas dos paredões. Subimos antes do pôr do sol para aproveitar bem a paisagem. Vale muito a pena este passeio. Retornamos para o Hotel antes do escurecer e a cor do ceu é indescritível. Valle de la Luna: Ingresso $3000,00 (cerca R$ 15,00 por pessoa). Geisers del Tatio Geisers del Tatio Geisers del Tatio Geisers del Tatio SentidoMachuca Povoado de Machuca Entrada do Valle de la Muerte Valle de la Luna Cuevas de sal Anfiteatro Três Marias Valle de la Luna no topo da Grande Duna - a esquerda o Anfiteatro sentido Três Marias Pôr do sol no Valle de la Luna Retorno do passeio do Valle de la Luna Dia 10: Piedras Rojas (PR) / Lagunas Altiplânicas (Lagunas Miscanti y Miñiques) e Socaire (nesta ordem). Distância média: 300 Km ida e volta Tempo (com paradas): 9h. Piedras Rojas (PR): Acordamos cerca de 05:00, tomamos café no hotel (avisamos um dia antes o horário) e pegamos estrada. Ainda escuro e frio fomos tranquilo sentido Toconao, Socaire. Após Socaire seguimos sentido Lagunas Altiplânicas. Passamos pela entrada das Aliplânicas (bem sinalizado) e seguimos a estrada direto, sentido Paso Sico. Após a entrada das Lagunas, a estrada de asfalto, após um tempo, vira uma estrada de rípio. Toda a paisagem da região é também indescritível. Não tinha nenhum carro ou van de agência então ficou um pouco estranho, mas uma hora passou uma van de agência e vimos que estávamos no caminho certo. A estrada de rípio estava transitável e não era ruim. Apenas vá com calma e aprecie. Após a entrada das Altiplânicas foi cerca de 35 Km até chegar em Piedras Rojas (GPS -23.91180, -67.69249). Antes da entrada das PR havia umas curvas sinuosas e até passei direto (não vi nenhuma placa, apesar de falarem que tem uma placa a direita com o dizer Salar de Águas Calientes). Então fiquei sem saber onde era, mas como uma van havia nos passado, com o zoom da câmera ficamos procurando e a vimos bem de longe (da entrada até o local é cerca de 1,5Km). O caminho até lá é um pouco ruim mas nada demais, só ir devagar. Não conseguimos parar onde a van estava, então paramos antes e fomos andando até o local. Obs: A entrada para as PR é gratuita. Não tem banheiros. O local estava tão frio que o computador do carro acusou “9 graus negativos. Possível gelo na estrada”! Após curtir e comtemplar muito aquele local magnífico (não faça como muitos que vi por lá, chegam, tiram fotos e saem – sente e curta por muito tempo aquele local inesquecível). Antes de sair, conversei com um guia para saber se as Lagunas Altiplânicas estavam abertas (por causa do gelo, no dia que chegamos houve relatos que estava fechado – logo o local que mais queria conhecer), mas aí o guia falou que estava liberado o acesso. Dica: se for em época de muito frio tem grande chance de não conhecer as Altiplânicas por causa da neve, pois o acesso é de subida até chegar no guarda parque e descida mais íngreme para chegar às lagunas). Lagunas Altiplânicas Voltamos das PR pelo mesmo caminho e viramos à direita no acesso às Altiplânicas. Depois de sair da estrada principal, a estrada de acesso até o guarda parque é muito tranquila (cerca de 8 minutos). Chegando lá, pagamos a entrada e recebemos as instruções. Depois descemos até as lagunas (lá tem estacionamentos e banheiros). A descida estava um pouco molhada e com barro por causa do derretimento do gelo, com isso tinha que ir com mais cuidado. O local é magnífico. Se Deus quiser eu vou voltar (de carro). Depois de parar na Miscanti e contemplar, seguimos para Miñiques (parece um quadro)! Acabei perdendo algumas fotos, mas na minha memória ainda estão as paisagens. Saímos cerca de 13:00 e fomos em direção a Socaire para almoçar. Não me lembro muito bem o nome do restaurante mas fica na estrada que corta a cidade. Lagunas Altiplânicas: Ingresso $3000,00 (cerca R$ 15,00 por pessoa). Dica: este dia você vai para um lugar que não tem estrutura, então leve muita água, protetor solar, protetor labial, casaco corta vento, luvas, gorro, chapéu, óculos de sol e muito lanche. Faz bastante frio (e venta muito). Saia cedo para aproveitar melhor o local pois a medida que o tempo vai passando vai chegando mais turistas e fica difícil de aproveitar (como fomos bem cedo teve momentos bem tranquilos sem turistas). Como saí bem cedo ainda está escuro, então tome cuidado na estrada pois acaba sendo mais perigoso. De preferência, leve folhas de coca para mastigar pois o passeio está a quase 5000 metros de altitude. Não ultrapasse as demarcações das trilhas. Respeite a cultura e a preservação do local. Socaire: cidadezinha interessante, povoado pré-colombiano. Paramos na volta para almoçar uma comida típica atacamenha. Depois voltamos para SPA (mais uns 45 minutos). É um dia cansativo mas que vale muito a pena. Piedras Rojas: recomendo colocar as coordenadas no GPS antes de sair para garantir que vai achar. Sobre os Carabineros de Chile Os Carabineros de Chile são muito honestos. Relato duas experiências com eles. Uma foi no dia da volta da Laguna Chaxa, já a noite e na chegada, já dentro da cidade encostei o carro para verificar o GPS para ver qual caminho seguir. Como estávamos vindo da estrada, o farol estava alto e esqueci de abaixar o farol. Logo, vem um carro no sentido contrário e quando fui ver uma caminhonete verde dos Carabineros e o policial já foi logo falando em tom forte: Baja la luz! Baja la luz! Um pequeno detalhe, mas que para eles pode influenciar na segurança dos demais motoristas. Só fiquei com certo medo de querer multar, mas abaixei a luz e disse que tinha abaixado e eles foram embora. Em outro episódio, voltando das Lagunas Altiplânicas, iria parar em Socaire para almoçar e havia uma blitz na estrada principal que corta a cidadela. O policial veio e solicitou a documentação do veículo e motorista. Entreguei logo a PID (Permissão Internacional para Dirigir) para não ter problema e o CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo). Ele verificou e começou a anotar algumas coisas num caderninho dele (aí eu fiquei pensando: será que ele vai me multar?). Já fui perguntando: ¿Que eres esto? Aí ele falou que era apenas para controle deles (me pareceu mais alguma coisa sobre estatística - talvez sobre veículos estrangeiros - ou evitar parar um carro mais de uma vez, pois quando fui embora ele já acenou para passar direto). Nesta abordagem, pedi para tirar uma foto do carro dos Carabineros e ele autorizou (é bem diferente), mas acabei perdendo a foto mas não a memória. Se tiver interesse veja no google como são. Estrada asfaltada para Piedras Rojas/Altiplânicas Estrada de rípio após a entrada das Altiplânicas sentido Piedras Rojas Piedras Rojas. Lá na frente fica a estrada de rípio sentido Paso Sico Piedras Rojas Piedras Rojas Piedras Rojas Piedras Rojas Piedras Rojas Piedras Rojas Lagunas Altiplânicas Lagunas Altiplânicas (perdi muitas fotos da Lagunas) Retorno das Lagunas Altiplânicas sentido Socaire Dia 11: SPA (CHI) a Maimará (ARG) Aqui termina nossa estadia no deserto, mas não a aventura. Retornamos de SPA para Maimará apreciando as paisagens. Foram muitas paisagens diferentes . No caminho demos carona para um casal de mochileiros argentinos. Foi muito legal a troca de experiência e poder treinar um pouco o espanhol. Paramos muito pois na ida paramos menos por causa que tínhamos que chegar em SPA a tempo de pagar o Tour Astronômico. Na fronteira foi bem tranquilo. Inclusive meu amigo foi atendido e tomou oxigênio no centro médico. Atendimento bem rápido e prestativo. Chegamos em Maimará e fomos ao hospital da cidade pois meu amigo estava sentindo um pouco de mal por causa da altitude. Embora tínhamos o seguro viagem, resolvemos ir no hospital da cidade (público). O atendimento também foi bem prestativo e mediram a oxigenação dele que estava um pouco baixa. A noite fomos a Tilcara para distrair pois Maimará não tem opção a noite. Hotel em Maimará: Posta de Gherard (simples mas o quarto que ficamos estava com um pouco de cheiro de mofo, o que para mim é muito ruim por causa de rinite). No mais atendimento muito atencioso. Sem café da manhã. Média PA$ 600,00. Estacionamento na frente do hotel. Retorno de SPA para ARG Retorno de SPA para ARG Retorno de SPA para ARG Paletas del Pintor – Maimará Cierro Siete Colores - Pumamarca Pumamarca Tilcara Dia 12: Maimará (ARG) a Joaquín Victor Gonzales (ARG) 490 km 08h-17h Distância média: 490 Km Tempo (com paradas): 8 h Saímos cedo de Maimará para conhecer as Paletas del Pintor e depois fomos para Pumamarca conhecer o Cierro Siete Colores e passamos a manhã por lá e almoçamos. Possui muitas feiras de artesanato e é bem diferente. Havia decidido que não iríamos em Humahuaca e Iruya desta vez por falta de tempo (vai ficar apara a proxima). Em Humahuaca tem o Cierro Cuatorze Colores que parece valer muito a pena. Depois do almoço seguimos sentido joaquín Vicotr Gonzales (JVG) onde havíamos decidido que seria nossa pernoite. Na volta da viagem não reservamos nenhumlocal para ficar e achamos uma pousada de um português na beira da estrada principal que corta a cidade. JVG não tem muito atrativo, acho que vale mais como ponto de apoio para pernoite. Sem fotos. Dia 13: Joaquín Victor Gonzales a Resistência Continuação do retorno da viagem. Reta do Chaco sem muito atrativo. Manter autonomia de gasolina e comprar lanche. Resistência é uma cidade melhor estruturada do que Corrientes. Gostei muito de conhecer. Lá vale a pena tomar um chope na Choperia Mosto e tomar café da manhã na lanchonete Cascanueces. Sem fotos. Dia 14: Resistência a Foz do Iguaçu Retorno ao BRA por Foz do Iguaçu. Dia também cansativo mas tudo tranquilo. Demos carona para um venezuelano mochileiro que mora em Bariloche e estava indo para o Rio de Janeiro e nos ensinou muito o espanhol. Antes da travessia da fronteira passamos em Puerto Iguazu para comprar uns vinhos pode vale a pena. Jogar fora qualquer vestígio de folhas de coca antes de atravessar a fronteira pois é proibido no Brasil. A travessia da fronteira foi tranquila. A noite no Brasil te traz uma certa tranquilidade de saber que está em casa. A noite o venezuelano saiu para tomar uma cerveja gelada conosco. Hotel em Foz: Hotel Coroados (simples e preço justo). Média de 135,00 a diária. Sem fotos. Dia 15: Foz do Iguaçu (Cataratas do Iguaçu) Resolvi deixar mais um dia em Foz no roteiro devido a previsão do cansaço acumulado da viagem. É uma boa opção tendo em vista que você pode conhecer as Cataratas do Iguaçú. Já conhecia mas vale muito a pena o passeio. Neste dia também fomos no Free Shop na ARG pois vale a pena para muitos produtos (tente ter uma noção dos preços no BRA mas as promoções de bebidas estavam com preço bom). Ingressos Cataratas: R$ 37,00 mais R$ 20,00 de estacionamento. Próximo dia preparar para pegar estrada. Cataratas do iguaçú. Por mais que seja apenas uma foto vale muito a pena conhecer. Dia 16: Foz do Iguaçu a Marília Neste dia na saída de Foz a Polícia Rodoviária Federal nos parou e deu uma revistada básica no carro, inclusive pedindo para abrir bagagem. Como há um grande contrabando de mercadorias do Paraguai para o Brasil é normal eles pararem neste posto. Não é proibido levar bebida só não vá levar todo o bagageiro de bebidas. O retorno fica mais cansativo com o passar dos dias da viagem. Logo tem que descansar bem e distrair relembrando cada detalhe de uma aventura e experiência que você vai poder contar para as pessoas mais próximas e se Deus quiser para os filhos e netos! Sem fotos. Dia 17: Marília a BH Este percurso foi bem longo e cansativo mas chegamos bem em BH, quase 22:00. Fica aqui o nosso relato e que possa ajudar muito mochileiros que desejam fazer uma aventura dessas. Abraço a todos. Último registro da viagem Dicas gerais da viagem *A média do preço da gasolina na ARG e CHI não estavam muito diferentes do Brasil, porém a gasolina lá é mais pura e rendia mais, logo acho que estava valendo o preço. *De preferência para roupas fáceis de lavar, pois uma viagem longa requer que você constantemente lave algumas peças de roupa para economizar espaço no carro. *Conhça bem o carro que vai e mantenha sempre revisado. *Na nossa saída de Belo Horizonte levamos 2 fardos de 12 garrafas de 500 mL e 1 fardo de 6 garrafas de 1L. Vale muito mais a pena você comprar antes da viagem e levar. Durante toda a viagem no carro há um grande consumo de água. Se for comprar toda essa água no caminho fica no mínimo 4 vezes mais caro. Essa água deu até o segundo dia em SPA sendo que em alguns hotéis a gente reabastecia. Se coubesse tinha levado no mínimo mais um fardo de 6 de 1 L. Logo, tente levar mais. *Segundo a legislação não pode levar bagagem no banco de trás do carro, então tente se programar com um carro que caiba toda a bagagem no porta malas de acordo com o número de pessoas. Algumas coisas levávamos embaixo e atrás dos bancos (motorista e passageiro – cuidado para não rolar para os pés do motorista podendo causar acidentes). Evitávamos colocar mochilas no banco de trás para não ter problemas com a polícia. *Tente prever uma média de gastos em cada país com alimentação, hospedagem e combustível para facilitar a média de dinheiro que será convertido em outra moeda. Caso tenha maior interesse entre em contato. *O carro fica todo empoeirado se for na época de seca, então tem que parar um dia para tentar passar uma pano úmido por dentro para facilitar a viagem (lavar não adianta muito). *Viajei de carro próprio então se for de veículo financiado procure maiores informações. *Na ARG, veículo não pode ter engate traseiro. *De preferência todos os passageiros adultos devem ter uma noção do roteiro e outros detalhes importantes da viagem. *Ande sempre com um galão de água no carro. *Tente reduzir o custo da viagem pegando promoção em sites de reserva de hoteís, levando água e lanches já da sua cidade de origem ou comprando em supermercados. *O preço médio das refeições não estavam muito diferentes do Brasil (embora a maioria dos lugares que comemos você pedia um prato e dava para duas pessoas. *Agende e/ou pague as contas/compromissos (Cemig, Condomínio, Net e outros) do período antes da viagem. Site pesquisados: www.viagensaamericadosul.blogspot.com.br http://mydestinationanywhere.com/ http://www.fragatasurprise.com/2016/03/San-Ignacio-Mini.html http://www.meumapamundi.com.br https://www.viagemdigital.com.br http://www.phototravel360.com/ http://www.estrangeira.com.br/ http://www.maiorviagem.net/ http://www.portao02.comi http://viajarintenso.com.br http://estradaseuvou.com.br/ http://queimandoasfalto.com.br/ http://www.abrainternacional.com.br/servicos/paises-signatarios/ https://weather.comHYPERLINK "https://weather.com/"/ https://weatherspark.com/ http://maladeaventuras.com/ www.viaggiando.com.br http://apureguria.com/tag/atacama/ https://viajento.com/ https://omochileiro.wordpress.com/2014/12/24/deserto-do-atacama-para-mochileiros-tudo-qHYPERLINK "https://omochileiro.wordpress.com/2014/12/24/deserto-do-atacama-para-mochileiros-tudo-que-voce-precisa-saber/"ue-voce-precisa-saber/ http://www.ruta0.com/ http://www.guiaviagem.org/argentina-clima/ https://www.welcomeargentina.com/purmamarca/caminata_cerroscolorados.html http://viajandodecarro.com.br/ http://www.360meridianos.com/2015/02/purmamarca-e-o-cerro-de-los-siete-colores.html http://mundosemfim.com http://HYPERLINK "http://www.cabostral.com/clima-argentina.php"www.cabostral.com/clima-argentina.php# http://www.pasosfronterizos.gov.cl/complejos_pais.html http://chile.travel/donde-ir/norte-desierto-atacama/san-pedro-atacama/ http://roteirosemais.com/dicas-de-viagem/frases-basicas-em-espanhol-para-viagHYPERLINK "http://roteirosemais.com/dicas-de-viagem/frases-basicas-em-espanhol-para-viagem/"em/ http://aurelio.net/viagem/atacama/ http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/deserto-do-atHYPERLINK "http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/deserto-do-atacama/"acama/ http://www.terraadentro.com/2015/02/21/deserto-do-atacama-de-carro/ https://atacamadecarro.wordpress.com/2015/06/14/trajeto-de-san-pedro-de-atacama-as-lagunas-antiplanicas-e-laguna-chaxa/ Tem muitos mais sites que pesquisei não salvei. http://www.viajologoexisto.com.br/dicas-vle/dicas/sete-motivos-para-voce-conhecer-o-deserto-no-atacama/ http://www.vidavivida.com.br/2010/12/24/deserto-do-atacama-cidades-e-passeios/comment-page-1/ (Cidades norte ARG) http://viajandodeHYPERLINK "http://viajandodecarro.com.br/como-planejar-sua-viagem/combustivel/"carro.com.br/como-planejar-sua-viagem/combustivel/ COMBUSTÍVEL http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/assuntos-consulares/organizacoesHYPERLINK "http://www.brasileirosnomundo.itamaraty.gov.br/assuntos-consulares/organizacoes-de-assistencia"-de-assistencia CENTROS DE AJUDA AO TURISTA EM CASO DE NECESSIDADE MAPAS DE COMO CHEGAR EM ALGUNS LUGARES NO ATACAMA http://viagensaamericadosul.blogspot.com.br/2013/08/deserto-do-atacama-mapas-e-gps-viajando.html http://www.viajenaviagem.com/2013/01/roteiro-atacama-50-dicHYPERLINK "http://www.viajenaviagem.com/2013/01/roteiro-atacama-50-dicas"as http://www.rbbv.com.br/americas/america-do-sul/chile/ Postos YPF http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicioHYPERLINK "http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicio&filtro=ProvinciaES"&HYPERLINK "http://www.ypf.com/guia/mapa/paginas/mapa.aspx?entidad=EstacionServicio&filtro=ProvinciaES"filtro=ProvinciaES COTAÇÕES http://brl.pt.fxexchangerate.com/ars/ http://www.oanda.com/lang/pt/currency/HYPERLINK "http://www.oanda.com/lang/pt/currency/historical-rates/"historical-rates/ http://www.exchangemoney.com.br/novosite/?ref=HYPERLINK "http://www.exchangemoney.com.br/novosite/?ref=mundodeviajante"mundodeviajante http://www.cambiosantiago.cl/?page_id=17 http://g1.globo.com/economia/mercados/cotacoes/moedas/index.html http://blogdescalada.com/saiba-quais-sao-as-vacinas-necessarias-para-viajar-pela-america-do-sul/ (VACINAS) Pesquisa de notas falsas: Blog Viajeibonito e Descortinando horizontes
  8. Cibeli v Massier

    San Pedro de Atacama

    Olá pessoal, Vou passar um breve resumo da viagem à San Pedro de Atacama que eu e minha irmã fizemos em agosto/2017. Compramos voo da Avianca saindo de São Paulo para Santiago e de Santiago à Calama compramos com a Sky Airline, quando compramos as passagens compensou comprar trechos separados, mas deixamos um tempo de mais ou menos 4 horas entres os voos, para não correr o risco de perder a conexão, já que compramos separados. Importante: compramos voos separados e deixamos um intervalo de 4h entre a conexão, foi a sorte, porque além do atraso da Avianca ficamos um bom tempo na fila para fazer a migração, então se for comprar trechos separados, deixe um intervalo de 4h a 5h ou compre a passagem daqui do Brasil até Calama, a Latam faz esse trecho e não precisa se preocupar se perder a conexão. Em Calama tem várias empresas que fazem o transfer para San Pedro do Atacama e todas têm praticamente o mesmo valor $12.000 ida ou $20.000 ida e volta, todos os transfer te deixa na frente do hostel e a viagem dura em média 1h20min. Chegamos em San Pedro de Atacama no dia 19/08 por volta das 22h e como estávamos com fome, fomos ao centro para comer e comprar água, pois como o deserto é muito seco seu corpo pede por água. No centro tem muitas opções de restaurantes, é até difícil de escolher. Nosso hostal ficava umas 8 quadras até a praça principal, mas como SPA é uma cidade tranquila, não tem perigo andar tarde da noite pelas ruas. No dia 20/08 pela manhã voltamos ao centro para pesquisar os passeios. Primeiro fomos na Grado 10 que já tínhamos pesquisado aqui pelo Brasil e gostamos, porque os passeios é feito em um caminhão adaptado (tipo safári) e algumas outras vantagens, porém a atendente nos avisou que o caminhão iria entrar em manutenção no outro dia, então acabou o encanto, mas também não escolhemos eles devido terem apenas 4 passeios e o preço não era atraente, por isso desistimos deles. Passamos em outras agências, algumas os preços eram mais baratos, mas a que mais chamou nossa atenção foi a Agência Flamingo, por vários motivos: 1º Atendimento, quem nos atendeu foi a Sandy, ela foi muito atenciosa e fez um roteiro para nós conforme já havíamos planejado. 2º Eles tem o motorista e o guias, geralmente as outras agência tem apenas o motorista. Nosso guia foi o Leonardo, super atencioso, explicava toda parte de geologia e curiosidade do deserto, ele fala espanhol, mas dá para entender perfeitamente. 3º Café da manhã, escolhemos a agência pelo café da manhã rsrsrsrs, acreditem é muito importante ter um pão baguete e crossaint (amo de paixão o Chile e já fui outras vezes, mas o pãozinho deles é difícil...rsrsrsr). No dia 20/08 no período da tarde fizemos o Valle del Luna, não vou entrar a fundo sobre cada passeio, pois todos tem suas particularidades e beleza, cada um tem uma visão diferentes, eu em particular jamais imaginei que um dia veria tamanha beleza. Por isso é importante o guia, ele nos contava cada detalhe dos lugares. O Por do sol no final desse passeio é deslumbrante. Dia 21/08 fizemos Piedra Rojas, o passeio foi o dia todo, portanto tivemos café da manhã e almoço. No mesmo dia no período da noite fizemos o Tour Astronômico, esse passeio não tenho palavras para descrever o quão maravilhoso foi, nunca imaginei ver o céu como eu vi, era tão estrelado e tão magnifico você poder enxergar tudo aquilo. Dia 22/08 fizemos o famoso Geysers Del Tatio, é impressionante o poder da natureza, de como ela consegue te surpreender, o que impressiona também é o frio, nunca senti tanto frio e olha que estávamos com muita roupa, quando chegamos nos Geysers estava -12° sensação térmica de -30°, só posso dizer que era muitoooo frio, mas não demorou muito para o sol nascer e dai deu uma amenizada e não ficou tão ruim assim, mas sem dúvida a natureza viva e respirando a sua frente compensa todo o frio. No dia 22/08 a tarde fomos relaxar nas Termas de Puritana, esse é outro lugar perfeito, com aquela água quente, cachoeiras e uma vista perfeita. Dia 23/08 fizemos o Salar de Tara, esse é mais um dos lugares que você se sente tão pequeno, pois os lugares são tão grandiosos e tão perfeitos que a gente acaba achando que é uma miragem do deserto. Em SPA tem outros passeios, mas infelizmente não podíamos fazer mais nenhum devido ao tempo que planejamos. Tivemos o prazer de conhecer pessoas do bem e poder compartilhar dos mesmos sonhos e que ficamos amigos. Dicas importantes: Compre roupa segunda pele, ela será praticamente sua 1ª pele…rsrsrsrs Leve touca, luva, cachecol, lenço e uma boa jaqueta que corta o vento. A pele resseca muito, então não adianta manteiga de cacau, leve pomada mesmo, nós levamos Bepantol e outras pomadas, foi o que nos salvou. O nariz arde muito devido o tempo seco, então leve alguma coisa para hidratar. Não tenha frescura com pó, é o que mais tem lá. Beba muita água. Alguns passeios o banheiro é ao natural, então carregue papel para se limpar. Hospedagem - Hostal Sol y Viento - Quarto duplo com banheiro privado. De 19/08 a 23/08 pagamos aproximadamente $130.000 (+ ou – R$ 660,00) Quarto sempre limpo e chuveiro a gás, muito bom. Transfer de Calama SPA Calama – Pampa Agência de Turismo – Flamingo. San Pedro de Atacama foi algo surpreendente e inesperado, tínhamos um pouco de noção de como era, mas as característica dos lugares foi surreal. Vale muito a pena conhecer. Espero ter contribuído um pouquinho. Bjos
  9. Esse é mais um dos inúmeros relatos que aparecem aqui todos os dias... Mas, para mim, tem um significado especial. É a primeira vez desde 2010 que viajo com meus pais de carro (desde que comecei a trabalhar de verdade não consegui mais conciliar minhas férias e meus destinos com os deles). A princípio iriam apenas meus pais, eu e meu namorado, mas minha mãe bateu o pé e disse que meu irmão iria junto. Agora sim, viajaríamos bem apertados lá atrás, mas fazer o quê?! Em 2013 meu namorado foi a Santiago com os pais e eu fui depois com meu irmão. Mostrei as fotos do Atacama para meu pai e ele ficou maravilhado. Mas, ele sempre teve medo de viajar para o “estrangeiro”. Em 2014 consegui convencê-lo a ir com a gente (eu e meu namorado) fazer compras em Ciudad del Este. Minha mãe animou e ele topou. Depois que ele aprendeu o caminho e viu que não era o fim do mundo, voltou lá mais duas vezes! Em 2014 resolvemos que iríamos todos para a Disney, mas a empresa que eu trabalhava faliu e com isso perdi minhas férias, consegui apenas 9 dias de folga, mas que ficaria inviável viajar com eles para os Estados Unidos, então fui com meu namorado para Machu Picchu (http://www.mochileiros.com/cusco-aguas-calientes-machu-picchu-lima-paracas-ica-nazca-30-08-a-07-09-2014-muitas-fotos-t101509.html) e eles partiram para a Disney. Adoraram! Esse ano eu tinha pensado em voltar à Disney (acabei indo em 2016), depois pensei em visitar a “família” do meu namorado no México, aí cogitei San Andrés e então resolvi passear pelo mochileiros.com e me deparei com o relato do Flavius: https://www.mochileiros.com/topic/58848-viagem-de-carro-para-san-pedro-de-atacama-passando-por-salta-tilcara-e-antofagasta-mar%C3%A7o2017/?tab=comments#comment-644684 e pensei: “por que não?!” Li o relato de cabo a rabo e fui atrás de mais e mais relatos, mostrei para o meu namorado que comprou a ideia e começamos a pesquisar mais. Um belo dia virei para o meu pai e disse: “pai, teve um cara lá no fórum que foi de Caldas Novas até o Atacama de carro. Acredita?!” E ele respondeu: “Hmmm”, virou e continuou fazendo as coisas dele. Passado algum tempo ele me chamou e disse: “quanto ficaria para fazer essa viagem? ”, eu disse que não sabia, mas que podia pesquisar. E ficou combinado que depois que eu apresentasse os custos da viagem ele iria decidir se ia ou não. Eu já tinha meu plano B que era comprar a primeira passagem barata para o exterior kkkkkkkkk Fiz o que ele pediu e depois de 1 mês de pesquisas, entreguei o orçamento da viagem. Ele pensou por mais duas semanas, me encheu de perguntas (muitas perguntas) e falou que queria ir. Achei que ele ia dar para trás depois de algum tempo, tanto que nem confirmei com meu namorado que iríamos. O tempo foi passando e eu me toquei que era verdade. Então ficamos 1 mês ensaiando como contar para minha sogra que iríamos viajar de carro para outro país. Contamos morrendo de medo, mas no final tudo deu certo (foi muito melhor do que imaginamos). Agora oficialmente iríamos para o Atacama de carro! Roteiro Nosso roteiro ficou assim: 1. Brasília – São José do Rio Preto (733km) 2. São José do Rio Preto – Foz do Iguaçu (858km) 3. Foz do Iguaçu – Posadas (318km) 4. Posadas – Santa Fé (793km) 5. Santa Fé – Mendoza (908km) 6. Mendoza – Santiago (364km) 7. Santiago 8. Santiago – Embalse el Yeso – Santiago (224km) 9. Santiago – Valparaiso – Viña del Mar – Santiago 10. Santiago – Copiapó (806km) 11. Copiapó – San Pedro (859km) 12. San Pedro 13. San Pedro 14. San Pedro 15. San Pedro 16. Uyuni 17. Uyuni 18. Uyuni 19. Uyuni 20. San Pedro 21. San Pedro – Salta (597km) 22. Salta – Resistencia (824km) 23. Resistencia – Assunção (329km) 24. Assunção – Foz do Iguaçu (334km) 25. Foz do Iguaçu 26. Foz do Iguaçu 27. Foz do Iguaçu – São José do Rio Preto (864km) 28. São José do Rio Preto – Brasília (733km) Seguros Fizemos seguro viagem pela Porto Seguro (única seguradora que cobria viagem feita com veículo próprio), plano Mundo 120 Bronze, no valor de R$ 326,58 por pessoa. O Seguro CARTA VERDE foi feito também pela Porto Seguro, no valor de R$252 Contratamos o seguro SOAPEX pela internet no valor de 11 dólares = R$ 40,23 (com iof e conversão). E por fim, a extensão do seguro do carro para América do Sul, no valor de R$397,30. PID Eu e meu namorado tivemos que tirar a Permissão Internacional para Dirigir, pois a embaixada do Chile nos informou que era obrigatório possuir. O custo foi de R$290 cada. Meu pai já tinha a dele e ainda estava na validade. Adesivos Mandamos fazer uns adesivos para colocar nas portas do carro e na traseira, nos custou R$90 Conect Car Compramos a TAG do Conect Car pra evitar filas e acreditem, isso ajuda muito! Nos custou R$ 220 na primeira leva da viagem e na volta colocamos mais R$ 30. Hotéis Fizemos todas as reservas pelo Booking.com. Fora do Brasil, pagamos todas as diárias em dólares (já tínhamos nos programado para isso) São José do Rio Preto: Hotel Plaza Inn Foz do Iguaçu: Hotel Baviera Iguassu Posadas: La Mision Posadas Santa Fé: Hostal Santa Fe De La Veracruz Mendoza: Hotel Ibis Mendoza Santiago: Bellavista Apartments Copiapó: Hotel Chagall San Pedro: Hotel Dunas Salta: Hotel del Antiguo Convento Resistência: Gala Hotel & Convenciones Assunção: La Casa Arthaus Foz do Iguaçu: Hotel Baviera Iguassu São José do Rio Preto: Hotel Plaza Inn Os custos da viagem foram divididos por 5 pessoas, mas para facilitar as contas aqui vou separar entre "pai" e "eu", onde pai corresponde a 3 pessoas e eu a duas pessoas. Nem todos os lugares terão os custos do meu pai porque ele jogava as notinhas foras ante de me passar o valor... só no final da viagem que ele entendeu que precisava delas para colocar nas minhas planilhas. Ah, também ganhei o apelido da "louca das planilhas", mas eu prefiro ficar organizada durante a viagem toda do que ficar devendo dinheiro porque não me organizei direito. Alimentação Calculei alimentação da seguinte maneira: R$ 25 para o café da manhã por pessoa R$ 50 para o almoço por pessoa R$ 50 para o jantar por pessoa Vale ressaltar que apenas eu e meu namorado seguimos a risca essa parte, meus pais e meu irmão sempre extrapolavam o limite estabelecido. Sem mais delongas, vamos ao relato! 24/12/17 - Domingo - Brasília / São José do Rio Preto Abastecemos o carro na noite anterior. Encontrei com meus pais por volta das 07:00 da manhã, colocamos todas as coisas na caçamba da camionete e às 08:03 saímos de casa. Preferimos ir pela estrada de Goiânia que é duplicada mesmo pagando pedágio. Às 09:20 chegamos no Jerivá e tomamos café da manhã. Animação na estrada Nesse dia passamos por 7 assaltinhos, quer dizer, pedágios: Alexânia GO: R$ 4,90 às 9:04 Anápolis Go: R$ 3,60 às 10:11 Professor Jamil GO: R$ 5,20 às 11:19 Itumbiara GO: R$ 6,30 às 12:24 Prata MG: R$ 5,60 às 14:36 Fronteira MG: R$ 3,30 às 15:49 Onda Verde SP: R$ 5,20 às 16:24 Paramos para almoçar no Trevão em Minas Gerais às 13:40 e de lá seguimos para Frutal, onde eu queria tomar um suco de abacaxi que minha chefe havia recomendado. Procuramos pela tal barraquinha na beira da estrada, mas era 24 de dezembro à tarde e ninguém estava mais trabalhando. Paramos para abastecer, o diesel S10 custava R$ 3,379, colocamos 65,86 litros, o que nos custou R$ 222,54 e consumo ficou na casa de 8,8km/l. Chegamos em São José do Rio Preto às 17:00. Dava pra ter andado mais, dava. Mas como somente meu pai e meu namorado estavam dirigindo achei melhor andarmos apenas 733km nesse dia, já que teríamos muitos dias ainda pela frente. Fizemos o check-in no hotel, tomamos um banho, descansamos e depois fomos jantar. Ceia de natal Gastos do dia: Abastecimento do dia 23/12: R$ 183,23 Conect Car: R$ 220 Café da manhã: pai: R$ 17,50 Café da manhã eu: R$ 12,00 Almoço pai: R$47,54 Almoço eu: R$ 47,53 Abastecimento em Frutal: R$ 222,54 Hotel pai: R$ 199,52 Hotel eu: R$ 165,12 Jantar pai: R$ 89 Jantar eu: R$ 64 Total do dia: R$ 1.267,98 Total Pai: R$ 666,44 Total Eu: R$ 601,53 25/12/17 - Segunda - São José do Rio Preto / Foz do Iguaçu Acordamos e fomos tomar café da manhã às 07:20. Fizemos check-out no hotel e pegamos a estrada. Nesse dia passamos por 6 assaltinhos: José Bonifácio SP: R$ 5,20 às 8:48 Floresta PR: R$ 13,40 às 14:09 Campo Mourão PR: R$ 13,40 às 15:01 Corbélia PR: R$ 13,40 às 16:11 Céu Azul PR: R$ 11,70 às 17:03 São Miguel do Iguaçu PR: R$ 15,30 às 17:55 Paramos para almoçar em Maringá e já aproveitamos para abastecer, o diesel S10 custava R$ 3,31, colocamos 66,10 litros, o que nos custou R$ 204,91 e consumo ficou na casa de 8,9km/l. Chegamos no hotel em Foz do Iguaçu às 18:20 debaixo de chuva. Fizemos o check-in e descansamos um pouco. Saímos para jantar numa churrascaria chamada Jardim da Cerveja que ficava do outro lado da rua, indicação do funcionário do hotel. A comida estava boa, mas o atendimento foi péssimo. Parecia que os garçons não queriam estar trabalhando no feriado e descontavam sua raiva nos clientes. Não recomendo. Gastos do dia: Abastecimento em Maringá: R$ 204,91 Almoço pai: R$ 78,95 Almoço eu: R$ 43,65 Hotel pai: R$ 300 Hotel eu: R$ 240 Jantar pai: R$ 150 Total do dia: R$ 1.017,51 Total Pai: R$ 631,40 Total Eu: R$ 488,56 26/12/17 - Terça - Foz do Iguaçu / Posadas Tomamos café às 06:30 e saímos às 07:00 para Ciudad del Este, precisávamos trocar dinheiro e comprar meu drone. Vinha acompanhando a cotação pela internet há 3 semanas e vi que era mais jogo trocar pesos argentinos, guaranis e bolivianos lá em CDE mesmo. Se me lembro bem, nosso cambio ficou assim: 5,56 reais = 1 peso argentino 1 dólar = 19 pesos argentinos 1 real = 1.601 guaranis Comprei meu drone na Mega Eletrônicos, loja lotada, fila pra pagar, pra tirar o produto, pra testar, mais de duas horas na loja... Pegamos um ônibus até a ponte, desci com meu namorado e meus pais foram para o hotel arrumar as malas. Desci na ponte para declarar, pois não queria ter problemas na volta para o Brasil e nem em viagens futuras. Bom, chegando la na receita federal fiz a declaração de bens, o drone foi levado para análise (para saber se o valor que declarei batia com o valor real da mercadoria) e depois fui pagar no caixa eletrônico do banco do Brasil pagar a GRU que foi gerada... Problema 1: o caixa não tinha leitura biométrica Problema 2: eu não sabia (e não sei até hoje) a minha senha de letras Problema 3: a senha estava anotada na minha carteira que tinha ficado no Brasil Problema 4: eu não consegui transferir o dinheiro (tentei aumentar o limite antes de viajar, mas não tinha dado certo) para meu pai fazer o pagamento Já estava preocupada quando o fiscal da receita disse: "Olha, você só pode retirar a mercadoria daqui quando efetuar o pagamento e comprovar. Enquanto não fizer isso, a mercadoria fica retida aqui". Aí desesperei de vez! Meu pai me ligou e disse que tinha dinheiro na conta. Ele efetuou o pagamento, me mandou o comprovante e enviei para o e-mail da receita federal. Depois que o fiscal conferiu no sistema ele me entregou o drone e a declaração de importação, com ela posso sair do Brasil e retornar sem problemas. Retornamos para Foz, paramos no Mcdonalds para comer algo (na verdade eu não posso comer pão, sou celíaca, então comi apenas batata frita e meu namorado comeu o sanduíche) e depois fomos para o hotel e terminamos de colocar as coisas no carro, fizemos o check-out e fomos abastecer, o diesel S10 custava R$ 3,597, colocamos 43,03 litros, o que nos custou R$ 154,78 e consumo ficou na casa de 9km/l. Perguntamos se eles vendiam o adesivo de velocidade para colocar no carro, mas ele disseram que só encontraríamos na Argentina mesmo. (Há uma lei na argentina que diz que veículos como camionetes devem ter um adesivo de velocidade de 110km/h refletivo colado na traseira do veículo, se você não tiver pode ser multado ou pior, ser parado pela caminera e ter que pagar uma bela grana para ser liberado). Seguimos em direção a Puerto Iguazu na Argentina. E para nossa surpresa a Aduana Argentina estava lotada, ficamos mais ou menos 1 hora e meia na fila. Olharam nossos documentos, carimbaram os passaportes, conferiram a carta verde e documento do veículo, perguntaram onde a dona estava (o carro está no nome da minha mãe), olharam a caçamba do carro e perguntaram também qual era o nosso destino final e respondemos: Santiago. Seguimos na estrada de pista dupla, asfalto bom, sem acostamento e com a sinalização um pouco confusa (os avisos de fim da terceira faixa apareciam somente depois que a faixa já tinha terminado, avisos de retorno e saída da pista só apareciam depois que você tinha perdido a saída, depois de uns dias acostumamos com a sinalização caótica deles). Paramos no primeiro posto de gasolina e compramos o adesivo refletivo. Importante ressaltar: somente nesse trecho de Puerto Iguazu até Misiones fomos parados 5 vezes pela polícia caminera 1 vez pela Gendarmeria. Em todas as vezes eles pediram o documento do carro, CNH, carta verde, abaixamos os vidros, colocaram a cabeça dentro do carro para olhar todo mundo, perguntaram de onde estávamos vindo e para onde iríamos e só! Não fomos multados, não tivemos que pagar propina, fomos tratados com educação, nenhum policial foi grosso conosco em todo território argentino. Adesivo de 110km/h exigido na Argentina para camionetes Nesse dia passamos por apenas 2 assaltinhos: Colonia Victoria ARG: AR$ 20 às 14:00 Santa Ana ARG: AR$ 20 às 17:50 Paramos em San Ignácio em Misiones para visitarmos as ruínas jesuíticas. Como eram as ruínas antigamente O ingresso que você paga te dá o direito de visitar as outras 3 missões jesuíticas na Argentina (por 15 dias), como não sabíamos disso não nos programamos para visitá-las. Seguimos para o nosso hotel em Posadas. Chegamos por volta das 18:30, estava sol e fazendo bastante calor. O Hotel era 3 estrelas, bem novo, quarto amplo, muito bom! Arruamos nossas coisas e descemos para jantar às 20:00. Experimentamos a especialidade do hotel: wok de vegetables. Excelente pedida!! Gastos do dia: Ônibus Foz/CDE: R$ 26,25 (5 pessoas) Ônibus CDE/Foz: R$ 26,25 (5 pessoas) Ônibus CDE/Foz: R$ 10,50 (2 pessoas) Drone: U$ 1.113 Bateria drone e cartão de memória: U$ 143 Declaração drone: R$ 1.343,28 Almoço eu: R$ 22,50 Abastecimento em Foz: R$ 154,78 Pedágios: AR$ 40 Ruínas Jesuíticas pai: AR$ 510 Ruínas Jesuíticas eu: AR$ 340 Águas: AR$ 40 Adesivo 110 km/h: AR$ 85 Hotel pai: U$ 100 Hotel eu: U$ 80 Jantar pai: AR$ 800 Jantar eu: AR$ 510 Total do dia: R$ 1.583,56 AR$: 2.325 U$: 1.436 Total Pai: R$ 129,89 AR$: 1.392,50 U$: 100 Total Eu: R$ 1.453,67 AR$: 932,50 U$: 1.336 27/12/17 - Quarta - Posadas / Santa Fé Tomamos café às 07:00 da manhã, fizemos check-out do hotel e seguimos em direção a Santa Fé. Paramos para abastecer em Fachinal, o diesel S10 custava AR$ 25,62, colocamos 39,81 litros, o que nos custou AR$ 1020 e consumo ficou na casa de 9km/l. Fizemos um pequeno desvio do roteiro original, meu pai queria ir até Uruguaiana, na verdade atravessar a ponte de Paso de los Libres até Uruguaiana e voltar, mas consegui convencê-lo de que iríamos perder muito tempo na imigração, então fomos apenas até a margem do rio Uruguai do lado de Paso de los Libres. Na outra margem do rio está a cidade de Uruguaiana/BR Aproveitamos já almoçamos (pedimos uma parrillada familiar) e abastecemos em Paso de los Libres, o diesel S10 custava AR$ 26,48, colocamos 34 litros, o que nos custou AR$ 902 e consumo ficou na casa de 9km/l. Nesse dia pegamos estradas em dois extremos: mão dupla, cheia de buraco, nenhum posto de gasolina por quase 200km de estrada, 3 postos de polícia caminera (fomos parados em todos), nada em volta da estrada e depois pegamos pista duplicada por uns 100km só de reta, asfalto bom e com acostamento (aí deu para tirar o atraso da pista ruim.) Passamos por 2 assaltinhos: Fachinal ARG: AR$ 8 às 09:20 Paraná ARG: AR$ 35 às 19:11 Chegamos em Santa Fé às 19:45, lembra que falei lá em cima da sinalização argentina ser muito doida? Pois é, a saída vem antes da placa e nós passamos obviamente. Tivemos que dar uma volta enorme na cidade até conseguirmos achar um retorno e o GPS parar de mandar a gente ficar dando voltas aleatórias na cidade. Fizemos o check-in no hotel, aí veio a primeira surpresa da viagem: o prédio era muito bonito, bem no centro da cidade, a rua da frente era fechada e cheia de lojas, porém os quartos... ah, os quartos... velhos, cama horrível, você afundava nela (eu particularmente detesto colchão mole, mas tava ruim até pro meu namorado que é adepto), o banheiro tinha um cheiro ruim, mas fazer o que?! Tá no inferno, abraça o capeta! O jantar no hotel era muito caro, então fomos até o McDonalds que ficava umas 3 quadras do hotel. A cidade estava bem movimentada, não ficamos com medo de andar nesse trecho. O McDonalds parecia que tinha sido tomado por todas as crianças de Santa Fé, tava uma bagunça, criança correndo, pai gritando, gente te empurrando, o caos Voltamos para o hotel e tentamos descansar, mas foi difícil... Gastos do dia: Abastecimento em Fachinal: AR$ 1.020 Pedágios: AR$ 43 Almoço pai: R$ 78,00 Almoço eu: R$ 53 Águas: AR$ 52 Abastecimento em Paso de los Libres: AR$ 902 2 pacotes de gelo: AR$ 55 Mercado: AR$ 70,05 Hotel pai: U$ 100 Hotel eu: U$ 82,28 Estacionamento hotel: U$ 7 Jantar pai: AR$ 525 Jantar eu: AR$ 165 Total do dia: R$ 131 AR$: 2.832,05 U$: 189,28 Total Pai: R$ 78 AR$: 1.596,02 U$: 103,50 Total Eu: R$ 54 AR$: 1.236,03 U$: 85,78 Continua...
  10. Adriano Bolzani

    Conheça o DESERTO DO ATACAMA

    Apesar de ser chamado de Deserto, o local está mais para um oásis de tão belo e rico de beleza natural. Estivemos na região e nos encantamos com as paisagens, lagoas, montanhas, fauna e com o céu estrelado à noite. Há diversas opções de passeios e estilo de viagem para quem vai a região, podendo ser uma viagem de luxo ou bem mochileiro. Não importando o estilo, é um destino que precisa ser visitado ao menos uma vez na vida. Nós já estamos planejando o retorno. 8 Dias não foram suficientes De nossa primeira experiência lá, criamos 9 posts repletos de dicas e fotos para auxiliar outros viajantes. Conheça o Deserto do Atacama e seus encantos.
  11. Vanilsa Potira

    CHILE: Do Atacama à Patagonia

    Olá, galera da mochila!!! Estou de volta ao Mochileiros para descrever em um breve relato a viagem que fiz com amigos ao Chile entre os dias 05 a 19 de janeiro passado. O Chile é bastante visitado e os lugares que conhecemos dispensam relatos com muitos detalhes. Por isso me atentarei nos valores que pagamos nos passeios, nos hostels e nos registros fotográficos dessa aventura linda que fizemos da Rota do Deserto à Rota do Fim do Mundo. Primeiramente, como sempre, a viagem de avião começou em Manaus porque passagens com saída de Boa Vista custam simplesmente “os olhos da cara”! Conseguimos passagens com um preço bom de 1700,00 reais ida e volta, mas, já vi passagens com tarifas bem mais baixas, mas para outro período, fora da alta estação. Ao chegarmos em Santiago, seguimos direto para o Atacama, onde ficamos cinco dias por lá e aproveitamos bem os passeios naquele incrível deserto. Mas, antes, conferimos a cotação do dólar que estava 1 dólar para 600,00 pesos e 1 real corresponde a 165 pesos, mais ou menos. Pegamos o voo da Sky, cuja tarifa foi de 50,00 dólares. Já tínhamos reservado antes pela internet. Voo tranquilo com duração de 1h40min mais ou menos. Do aeroporto seguimos de van da empresa Lincancabur. Fizemos um contato com um agente e agendamos a hora da chegada para ele nos pegar no aeroporto. Pagamos o transfer na chegada que custou 12 mil pesos (A reserva pode ser pelo site da empresa http://www.translicancabur.cl/). A van nos deixou no Hostel Ayny com a primeira diária já reservada pelo Booking. Esse hostel oferece quarto compartilhado com banheiro e cozinha também compartilhados. Também tem opção para casais e quarto com banheiro e cozinha privativo. Ou seja, tem para todas as preferências e bolsos. No dia seguinte, depois de pesquisarmos os preços em várias agências, decidimos pela Lithium Adventures. Dos dez passeios que a agência oferece fechamos um pacote com sete tours, por 172 mil pesos ou 287 dólares por pessoa, que foi mais ou menos uns mil reais sem as tarifas de entradas. Abaixo, um resumo do roteiro que realizamos: 1º dia: Laguna Cejar (entrada: 17 mil pesos); 2º dia: Piedras Rojas e lagunas altiplanicas - Full Day (Entrada: 5500,00 pesos); 3º dia: Valle del Arcoiris e Petrogrifos (entrada no Petrogrifos: 3000 pesos e no Valle de la Luna: 3000 pesos). 4º dia: Gêiser del Tatio, Termas del Puritama e Tour Astronômico (entrada nos gêiseres: 10 mil pesos para estrangeiros e nas Termas del Puritama foram 9 mil pesos) 5º dia: Salar de Tara e Monges de la Pakana - Full Day. Todos os passeios são feitos de vans e guias bilíngues. No dia do passeio a Piedras Rojas, houve um protesto dos indígenas contra o impacto ecológico e ambiental causado pelo turismo e, portanto, não pudemos visitar a região. Assim, foram nossos dias no Atacama, um lugar belíssimo, maravilhoso, que é quente durante o dia e muito frio a noite. San Pedro do Atacama é uma cidade pequena com cerca de 10 mil habitantes e uns 200 turistas para cada um! Rss. Muito legal encontrar gente de várias partes do mundo e sempre com alguém se inicia uma grande amizade. Quero destacar a atenção dos guias. Todos maravilhosos. Mas o Nicolás Yaru foi o mais incrível de todos. Detentor de um vasto conhecimento da área, explicou com segurança como é a vida das pessoas que vivem no Atacama, seus costumes e suas necessidades básicas de sobrevivência no deserto. É bastante comunicativo e interativo com as pessoas e além do mais não se importa em tirar fotos para os turistas, pois sabe o melhor ângulo para uma excelente fotografia!! É o melhor guia do Atacama!! Depois desses cinco dias intensivos no Atacama, segui de ônibus para Santiago, pela Rota do Deserto. Foi uma opção minha para conhecer a realidade daquela região. O deserto chega a ser hostil em certos trechos e ao mesmo tempo imponente e lindo. A passagem do ônibus pela TurBus custou 49 mil pesos Depois de um dia e uma noite viajando, cheguei em Santiago e segui direto ao aeroporto, onde encontrei minha amiga para irmos a Punta Arenas, o outro extremo do Chile. De Punta Arenas seguimos para Puerto Natales, com transfer em ônibus da empresa Busur. Que também foi agendado e pago pela internet por 30 dólares ida e volta (https://www.bussur.com/). Depois de mais ou menos três horas de viagem, pela chamada Rota do Fim do Mundo, chegamos na rodoviária da gelada Puerto Natales. Tomamos um táxi até o Hostel Chamango, onde ficamos hospedadas em um quarto com banheiro privativo, por 24 mil pesos a diária. No dia seguinte, fechamos com a agência o único passeio que fizemos no lugar: Parque Nacional Torres Del Paine que custou 35 mil pesos por pessoa, sem almoço e a entrada no parque que custa 21 mil pesos. Uma dica que dou é de as pessoas levarem seu próprio almoço ou almoçar nos caríssimos restaurantes localizados dentro do parque. O passeio no Parque Nacional Torres Del Paine é lindo, com muitas paisagens belíssimas, é um local ideal para trekking, de fato. Nesse passeio, avistamos as Torres Del Paine por diversos miradores espetaculares, conhecemos o Lago Grey e visitamos a Cueva do MIlodón (entrada 5000 pesos). Agendamos um passeio de barco pelo Glaciar Balmaceda y Serrano, mas, chuva e vento nos impediram de sair do hostel. Foi uma pena, pois ficamos na pequena cidade de Puerto Natales praticamente sem fazer muita coisa alternativa nesse dia chuvoso. E, após três dias curtindo o frio e o vento da patagônia chilena, retornamos a Santiago para encontrar um casal de amigos que fizeram passeios alternativos pelas vinícolas chilenas, pois estavam com uma bebê de colo e depois visitamos uma amiga chilena que morou em Roraima um tempo. Assim passamos as férias no Chile. Presenciamos tantas belezas que foram uma recompensa à distância que percorremos, ao calor e frio que sentimos, e claro, ao investimento $$$$$$$$$$$$ necessário. Afinal de contas a Patagônia, principalmente, não é um dos destinos mais baratos para viajar na América Latina. A média de preços de hospedagem e alimentação pode assustar os viajantes mais econômicos. Um simples café com leite e pão com manteiga podem custar uns 36,00 reais! um almoço simples, uns 42 reais... Já no Atacama, como já citei, tem para todos os gostos e bolsos. Mas, valeu a pena. Elegi o Atacama como meus destinos preferidos. Mas, também fiquei muito encantada com a beleza da Patagônia. Valeu tanto a pena que eu vou voltar para conhecer outros destinos do fim do mundo. Já pensando na Argentina... rss Abaixo seguem algumas fotos do maravilhoso passeio ao Chile.
  12. A ideia de fazer o relato de viagem é partilhar com os outros um pouco da experiência de viajar e servir de incentivo e orientação do que fazer (ou não fazer). Vamos lá! Diário de bordo 1Sai de Londrina no domingo dia 18/12 às 7:45. Nunca pensei que uma simples viagem de Londrina para ctba pudesse demorar tanto. O ônibus entrou em tudo quanto é cidade, distrito e vila. Mas tbm fez uma parada na famosa "soledade". A máquina de suco natural de laranja é a melhor.Bem, depois de ser "assaltado" com os preços da Parada Soledade, foi hora de seguir viagem.Cheguei em ctba as 17:30. Quase 9 horas de viagem pra percorrer 400 km. O ônibus para Santiago estava previsto de saída às 20:00, mas só chegou as 22:00. A única opção que tive de ônibus foi a Chilebus. Deu trabalho pra compra a passagem, mas tudo funcionou bem.O que me tranquilizou foi que tinha algumas irmãs/freiras, da ordem trapista, que iriam embarcar no mesmo ônibus que eu e já haviam viajado outras vezes neste ônibus e disseram que ele costuma mesmo atrasar.Detalhe, uma das irmãs veio me perguntar se eu estava com bagagens e se eu não poderia assumir uma de suas bagagens. Infelizmente não dava neh. Não dá pra confiar nem em uma trapista hehe.Bem... As 22:00 o ônibus chegou. Embarquei e seguiu viagem.Logo que entrei, de tão cansado que estava eu dormi fácil. Não era nem 1:30 já passamos em Floripa em Porto Alegre as 6:40. Diário de bordo 2 Esse foi um dia de estrada. Saímos de porto alegre as 7:00, rumo ao interior do RS. O motorista não tinha dó de pisar no acelerador hehe Tbm não tinha dó de nós, só foi parar em Uruguaiana, última cidade do Brasil. Paramos para tomar banho e comer. Ahn banho... Como me fez bem! O guia disse que seria uma parada de 1:30. Ficamos um pouco mais de 2 horas parados. Foi bom pq arrumei uma tomada e deu para completar a carga do cel. Depois, mais duas horas parados nas alfândegas do Brasil e Argentina. Engraçado como é uma burocracia burra. Fiscalizam tanto para não fiscalizar nada. Seguimos viagem, agora do lado argentino. No começo pegamos umas estradas ruins, o ônibus andava muito devagar. Foi possível observar um belo por do sol. Depois de servido um lanche logo dormi. Acordei em uma parada lanche e banheiro, mas acho que demorei acordar e so deu tempo de ir ao banheiro rsrs e logo já voltamos para a estrada e dormi dnovo. Diário de bordo 3 Já acordei bem mais no interior argentino. Estava em Rio Coarto, a 465 km de Mendonza. Fizemos uma rápida parada em um posto de gasolina para uma ida no banheiro. Tentei comprar algo de comer, me informaram que não aceitavam reais e nem dólar. Depois, já dentro do ônibus me falaram que conseguiram comprar com reais. Uma pena, estava faminto heheh Agora já é possível perceber alguma mudança na paisagem, já não tão tradicional. Quando chega em Mendonza, aí sim vc percebe que está em outro país. De longe vc começa a avistar os Andes com seu topo ainda coberto de gelo. A sensação de passar pelos Andrés e incrível. Impressiona a grandeza. Depois de muito subir, atravessamos para o lado chileno, e depois de uma via Crucis na alfândega chilena, voltamos a rodar. Se a subida do lado argentino já é lindo, a descida do lado chileno é de tirar o fôlego. A chegada em Santiago foi tranquila. Uma rodoviária apertada, lotada, lembra o camelo de Londrina ou até mesmo a região da 25 de março. Logo que desembarquei, fui atrás de comprar um chip local e trocar alguns pesos chilenos, o que pude fazer na rodoviária mesmo. Na rodoviária tbm tinha mc donalds. Pensei que seria a solução pra minha fome infinita. Pqp, pior Mc q já comi na minha vida! Lanche, suco(sem gelo), batata... Tudo parecia ser do dia anterior. Mas, enfim, eu tava com fome... E mesmo comendo um pouco, continuei com fome kkkkk Chamar um uber não foi tão prático como é no Brasil, mas deu certo. Cheguei no hostel. Hostel Chic. Muito bom! Limpo, organizado, confortável. Tomei um banho e fui dormir, estava exausto. Diário de bordo 4 Acordei antes do cel despertar. Acho q é a vontade de viajar heheh Meu ônibus para San Pedro saia as 9:30, então coloquei o cel para despertar as 7:45 pra ter um tempo de ajeitar as coisas, utilizar do banheiro, tomar café e voltar para a rodoviária. Eu já tinha comprado a passagem no dia anterior. Levantei, arrumei as coisas, tomei café e fui...rodoviária. Comprei passagem pela Turbus. Saiu o equivalente a R$ 250,00. Um tanto barato pelo tanto que vou percorrer. A previsão é de 22 horas de estrada. Tinham me recomendado não pegar o Turbus, mas acho que estavam enganados. O bus e muito confortável e o melhor de tudo é que da pra carregar o cel é o carregador funciona de vdd, ao contrário de muito ônibus que conheço no brasil. Obs. Perdi um carregador portátil de cel no hostel. Inexplicavelmente ele sumiu. Ainda bem que tenho outro. Agora é só esperar chegar em algum lugar descente para comer. Hunnn Quase 10 horas na estrada e o lugar descente para comer não chegou. Não é que não chegou o lugar descente, é que não chegou lugar algum para comer. Graças a Deus que sou o mínimo prevenido e do Brasil eu trouxe algumas porcarias, tipo, bolacha passatempo e pingo de ouro, foi o que salvou. A paisagem, desde que saí de Santiago não mudou muito. Muita montanha e um lugar bastante árido, com pouquíssima vegetação. Cidades uma distantes das outras, com uns 100 km ou mais. Ahn, no meio do trajeto foi possível avistar o oceano pacífico (eu nunca tinha visto outro oceano além do atlântico). Emocionante. Por um bom tempo viajamos com ele a esquerda. O sinal de celular/internet funciona muito bem aqui (pelo menos com o chip q comprei). Funciona até atravessando túnel. Fiz um amigo. Um australiano que sentou ao meu lado depois de algumas cidades. Por sorte ele fala um pouco de espanhol e português. Pq meu inglês é muito amador hahah. Aproveitei uma entrada em uma cidade para comprar algo de comer. Não foi uma parada. Foi só embarque e desembarque, mas o australiano, vendo meu desespero por comida, segurou (pq senão o bus tinha me deixado) o bus enquanto eu comprava um salgadinho da Elma chips. Horrível e caro, diga-se de passagem kkkkk No bus serviram uma bolacha, tipo walfer e um suco (doce que nunca vi igual) Deu pra dar uma enganada na fome. Obs. O cenário muda quando chegamos em alguma cidade. Embora de ruas estreitas, elas parecem bem organizadas, mesmo entre tantas montanha, pedras e areia. Apesar de longa e cansativa, a noite dentro do bus foi tranquila. Agora é só chegar no Atacama. Diário de bordo 5 Primeiro dia no Atacama. Depois de mais de 20 horas de viagem, chegou. Meu hostel ficava bem perto da rodoviária. Cheguei às 9, mas meu check in era só às 14. Victor, que toma conta do hostel deixou eu ingressar, tomar um banho e deixar as coisas mesmo antes do check in. Banho tomado, fui atrás de agências para fazer os tours. Pesquisei algumas, mas a que melhor se encaixou no que eu queria foi a Ayllu, uma agência praticamente brasileira. Fechei com eles ao meio dia e o primeiro tour foi às 14. Só o tempo de almoçar e já ir. Almocei em um restaurante bom. Tortilhas acompanhada de guacamole. Mui bueno! Passei no hostel, peguei a mochila e foi para o tour. Termas de Puritana. Foi quase um tour vip, uma vez que estava só eu e mais um casal de SP. Eduardo e sua namo (não lembro o nome, então pode ser Mônica rsrs). Termas é top demais. Um oásis que corre no deserto. Uns 3000 m de altitude e a temperatura média da água é de 25 a 32 graus. São 7 piscinas, todas próprias para banho. Uma água muito cristalina. É possível ver o fundo em qq lugar q vc estiver. Tentei tirar fotos debaixo da água, mas sem muito sucesso hehe Depois de experimentar das 7 piscinas, foi a hora do lanche da tarde (oferecido pela agência), com prato principal cevichi, muuuuito bom, acompanhado de vinho branco e mais um monte de coisas que nem me lembro. Foi um tour sensacional. Voltei para o hostel já quase de noite. Achei que em San Pedro do Atacama demora muito escurecer. Até 9 ainda está claro. Cheguei exausto no hostel. E ao invés de tomar uma banho e descansar, não... Tomei um banho e fui atrás de uma agência que faz o tour astronômico. Consegui pegar a última vaga do ano, porém, o tour saia a meia noite. Contratei mesmo assim, queria muito fazer. Tem duas horas e meia de duração, ou seja, voltaria as 2:30 da madrugada. Detalhe, as 5:30 a van do tour do dia seguinte passaria no hostel me pegar. Apesar da canseira foi muito bom ter feito o astronômico. A vista do céu aqui do Atacama não tem igual. Uma guia, Alessandra, dava explicações sensacionais, cativante. Faz vc se apaixonar por astronomia. Depois de mais de uma hora de aula a céu aberto, somente com os astros iluminando e um frio de zero grau, foi a hora de observar os astros nos telescópios. Outra experiência única. E para finalizar o tour, tivemos uma espécie de bate papo com um e astrônomo, Alan. Algo sensacional tbm. Acompanhado de chocolate quente. Ônibus me deixou no hostel. Só apaguei. Já dormi com a roupa de acordar no dia seguinte. Ou melhor, dali 3 horas hehehe. Diário de bordo 6 Dia de conhecer as Lagunas Altiplânicas, Vale de la luna e Vale de la muerte. Acordei cedo, muuuuito cedo. Me confundi com o fuso horário kkkkk Mas graças a Deus que foi mais cedo e não mais tarde. Sem contar que já tinha ido dormir bem tarde na noite anterior. Bem... A van passou me buscar no hostel com algum atraso (isso se repetiu outras vezes ). Logo quando saímos em direção as altiplânicas o guia avisa q teremos duas horas de viagem e seria bom que a gente dormisse para chegar bem descansado. Dormir era uma coisa que eu precisava muito. Mas, pera... Cade o encosto de cabeça no banco da van?? Simplesmente não tinha kkkkk (conforto nessas vans tbm nao era o forte da agência) Tentei de várias formas. De varias mesmo, e depois de bastante malabarismo ajeitei um jeito desajeitado para tentar dormir. A canseira era tanta q consegui. Quando estava para chegar nas lagunas, acordei com os sacolejos da van. Chegamos em Piedras Ojas primeiro. Onde tbm tem lagunas. Fazia tanto frio que quase não foi suficiente a roupa que estava vestindo. Somente com o rosto de fora e isso com alguma proteção de óculos de sol, ainda sentia frio. Uma delícia! Piedra Ojas é perfeito. Suas pedras avermelhadas, com contraste do sal das lagunas, as lagunas que mais parece um espelho de tanto que refletem perfeitamente as montanhas que a cercam. Depois de curtir essa paisagem espetacular e poder tirar algumas fotos, a agência preparou um delicioso café da manhã. Eles montaram o café neste cenário. Ainda que fosse meu costumeiro pãozinho com manteiga e café já seria muito bom. Depois dessa etapa, fomos para as Lagunas Altiplânicas, tem os nomes mas não me recordo agora. São perfeitas tbm. Com um azul vivo que parece filtro de foto. Nessas lagunas vc não pode chegar tão perto. Mas tem uma trilha entre uma e outra, com um caminho desenhado por pedras, que vc pode percorrer, um trecho de uns 2 km. Lógico que eu quis fazer. O cenário vai ficando mais espetacular conforme vc vai percorrendo a trilha. Mas, detalhe, estava a mais de 4000 m de altitude, era meu primeiro tour com tanta altitude, então, 2 km se tornam 20 hehehe No final da trilha eu estava quase morrendo. Alguns tinham andado mais rápido do que eu, outros ficaram pelo caminho, e estava só eu e minha garrafa de água de 1,6 que já estava bem menos da metade. Quase desisti, mas era uma questão de honra. Finalmente cheguei na segunda laguna. Recompensador. E a van estava lá esperando. Na volta passamos pelo linha do trópico de capricórnio, o que para mim não é grande coisa rsrs(moro bem perto deste trópico), mas foi bom saber que estava no mesmo grau que em casa. Voltamos para a agência. Serviram almoço pra nós e seguimos para o segundo tour do dia: vale de la luna e vale de la muerte. Tour este onde faz muito sol e muito calor. Entao... Ja comprei mais uma garrafa de 1,6 l de água. E lá fomos. Primeiro no vale de la luna. Sebastian foi o nosso guia neste tour. Primeiro atravessamos uma caverna formada com o trabalho da água do oceano sobre os tantos minerais dessa região, principalmente o sal. Vc pode ver e tocar nos cristais de sal ao longo de toda a caverna. Quando começamos a entrar na caverna, confesso que fiquei com medo. Sei lá... Va que dá um terremoto bem na hora q estou dentro heheh vai saber! Mas não, foi dboa. Alguns trecho da caverna ela se torna bem apertada, por isso o guia recomendou q não levasse nada além do celular, até pq precisaria da luz do cel em algumas partes, mas eu, com medo de dar um terremoto e acabar preso dentro da caverna, levei minha garrafa de água rsrs A experiência na caverna foi além de minhas expectativas. Quando saímos da caverna, subimos um bom trecho a pé, na beira de uma duna enorme de areia. Ao chegar no topo é possível ter uma vista que 360° do vale de la luna. O vale tem este nome pelo fato de todo o seu terreno é muito similar com o terreno lunar. Todo acidentado, cheio de crateras. Parecido com o que vemos nos filmes daquilo que deve ser a lua ou marte. A sensação é indescritível. Uma pergunta não sai da cabeça: como tudo aquilo se formou? Quando ocorreu? Foi somente a força da natureza? Parece impossível! A impressão que fico é que foi tudo cuidadosamente desenhado. Depois do mirante foi a vez de percorremos aquilo que chamam de anfiteatro. Um paredão imenso de rocha avermelhada que lembra muito uma arena do tipo romana. Passamos tbm pelas três marias. Tres, ou melhor, apenas duas rochas em pé, solitárias. Digo duas pq originalmente eram três, mas a algum tempo um turista subiu em uma para tirar uma foto e ela se quebrou. Diz a lenda que foi um brasileiro, porém, eu e meus companheiros de tour resolvemos mudar a lenda e dizer que foi um turista argentino rsrs. Saindo dali fomos para o Vale del la muerte e Pedra do Koiote. Cenário que lembra bastante o do desenho do Papa-léguas. Ali foi nos serviram um lanche da tarde, sempre acompanhado de um bom vinho e apreciamos o por do sol. Retornamos para a cidade e embora estivesse quase morto de canseira, precisei sair para trocar dinheiro. Faz parte da vida de um viajante. Diário de bordo 7 Hj a van até q não atrasou tanto (taaaanto). Era para passar as 5:30 e passou quase as 6. O problema é q a agência colocou 11 pessoas em uma van com 10 lugares e por isso tivemos que passar em um outro local para por um banco a mais. Isso sim ajudou a atrasar ainda mais. Saímos às 6:30. Isso foi ruim. Pq o tour da manhã era nós Gêiseres del Tatio e o fenômeno dos gêiseres são mais intensos na madrugada. Por isso é importante sair o mais cedo possível. As outras agências iniciam o tour dos gêiseres as 4:30 da madrugada. Deixo aqui minha indignação com a Agência Aylu, e sinceramente, se hj fosse escolher uma agência, com certeza não seria ela. Por causa do atraso, nosso guia subiu os 4500 metros de altitude muito rápido, o que acredito que ajudou no mal estar que senti ao chegar no local dos gêiseres. A princípio eu pensei que não conseguiria sair da van. Mas bem capaz... Não tinha como não conhecer este fenômeno. A água sai da terra a uma temperatura média de 80°, o que nessa altitude é mais q suficiente para ferver. O cheiro de enxofre é forte. Um cheiro que parece com o cheiro de ovo cosido. O nosso guia foi muito rico nas informações que passou. Acrescentou muito ao tour. Vapores por toda parte. Águas saindo da terra como se fosse um chafariz. Por todo o parque existem áreas delimitadas para evitar acidentes. Há relatos de turistas que sofreram graves danos com acidentes e outros que até mesmo morreram, tendo em vista que facilitaram e abusaram do espaço. Apesar de algum temor de acidentes, quando respeitado os limites, o tour é tranquilo. Em vários pontos é possível tocar na águas fervendo. Claro que fiz isso por várias vezes. Até pq ajudava a descongelar a mão que estava congelada do frio. Nos gêiseres tem tbm uma piscina térmica que os turistas podem banhar-se. Entrei só um pouco, pois não é recomendável a permanência de mais do que dez minutos, devido a presença de alguns minerais que pode ser prejudicial a saúde. Eu tbm nem queria ficar muito. Tava frio e a água não é taaao quente assim na piscina. Ao sair da piscina tomamos um excelente café da manhã ali nos gêiseres mesmo. A altitude me fez muito mal. Senti mal do estômago, muita fadiga, um mal estar e tontura. Ao contrário dos outros dias, não tive dor de cabeça, mas a sensação não é nada legal. Ao descermos dos gêiseres, passamos por um vale belíssimo. Cheio de verde, vida animal e vegetal. Geralmente os turistas param ali para apreciação da paisagem e claro, tirar umas fotos, mas a nossa van não parou, somente passou bem de vagar, parando em alguns pontos, mas não descemos. Por um lado, eu estava tão mal e até achei bom não ter que descer. Ao retornar para San Pedro, fui imediatamente em uma farmácia q tinha perto da agência e comprei um "sal de frutas". Foi tomar e a mal estar passou imediatamente. Graças a Deus! Pq dali a pouco já tinha o tour da tarde para fazer e não queria perder de jeito nenhum. Algum tempo de espera e já sentindo fome (claro rsrs), partimos em direção as Lagunas Escondidas. Não ficam tão longe de San Pedro. As duas vans lotaram e por isso eu é uma outra turista, Nathalia, tivemos que ir de Hilux, VIPs kkkkk Foi legal que o tivemos um guia só para nós dois. Mas, mesmo tendo um guia só para nós dois, ele não nos alertou de algo muito importante sobre as lagunas escondidas. Bem... As Lagunas Escondidas é um complexo de 7 lagoas formadas por águas subterrâneas e que por estar em uma área rica em sal, elas são praticamente conhecidas como lagoas salgadas. A coloração delas são perfeitas. Contrastam com o branco do sal e variam entre um verde bem claro e vários tons de azuis. Em duas dessas lagoas é possível entrar e o mais interessante, além da beleza, é que a concentração de sal é tão grande que por mais que vc queira ou tente, não consegue afundar. As lagoas aptas para o banho e a primeira é a última. Então, como logo a primeira já era apta para banho, já providenciei minha sunga e cai na água. Como sabia q não afundava, entrei com aquele típico salto meio que abraçando os joelhos. Pqp kkkkkkkk Foi isso que o meu guia vip não me alertou. Não deveria molhar o rosto (claro). É tanto, mas tanto sal que fica insuportável ele no rosto, lábios, olhos e nariz. Logo que mergulhei de cabeça e todas as outras pessoas fizeram um coro de NAAAAO, um colega me arrumou uma garrafinha de água doce que limpei minha mão e depois limpei o rosto. Com isso fiquei zero km. Deu pra curtir a lagoa sossegado. O que me conforta é que outro colega fez o mesmo que eu heheh A sensação de não afundar é muito boa. Estranha no começo, mas assim q vc pega o jeito da coisa fica muuuuito bom. A água é fria e tinha bastante vento, mas, dois min que vc está na água já está acostumado e não quer mais sair. Mas o almoço nos esperava. Um delicioso frango acompanhado de uma especie de pure de batata. Sempre regado com vinho. Comi muuuuito e depois de alimentado fomos percorrer as outras lagunas. O terreno é lindíssimo e é ajuda na beleza das lagunas, como relatei acima. Ao chegar na última (apta para banho), o sol já estava mais baixo e o vento aumentava. Confesso que estava com medo do frio, mas mesmo assim entrei e foi show. A última é muito melhor q a primeira. Maior, mas funda, mais espaço, mais beleza. Se é que isso é possível. Retornamos para a agência. Ao voltar para o hostel, acompanhei algumas meninas que estavam no tour e se hospedavam para o mesmo lado. Paramos em um sorveteria e tomamos sorvetes com alguns sabores exóticos. Delicioso1 Passei na rodoviária para tentar comprar passagem para Santiago. Já estava fechada. Véspera de natal é complicado. Cheguei no hostel, arrumei um pouco da minha bagunça, preparei as tralhas do dia seguinte. Estava quase que sozinho no hostel. só havia mais um casal, mas em acomodação bem longe. Banho tomado, sai para trocar dinheiro e comer com um casal de amigos que conheci no tour. Por ser véspera de natal, os poucos restaurantes que estavam abertos estavam lotados. Encontrei o Felippe e a Rebeca no restaurante combinado, porém, muito mais tarde que o combinado. mas, deu bom! Como eles já tinha jantado, participei só dá sobremesa. Muito boa por sinal. Voltei para o hostel e dormi. Pq amanhã tem mais. Último dia. Diário de bordo 8 Último dia em San Pedro. O dia não começou tão cedo, até pq hj é só um tour. Preferi ir até a agência do que esperar a van passar no hostel me buscar. Até pq quis passar na rodoviária tentar comprar passagem. Não consegui comprar pela internet. Dei azar, rodoviária fechada. Normal, dia de natal neh. Fui para a agência. Não deu tempo de tomar café e já saímos. Dia de visitar o tão esperado Salar de Tara. A caminho de lá passamos pertinho do vulcão Licancabur. Ver de perto é sensacional. Parte do tour foi tbm o famoso Protetor do deserto do Atacama Depois, mais estrada. Mas a estrada não é algo fixo. É no meio do nada. O guia é que vai fazendo em meio as pedras. O caminho é longo, mas todo o trajeto é belíssimo. Ao chegar no Salar de Tara o espetáculo é ainda maior. Imenso, parece que que não tem fim. Um paredão de pedras em meio a penhascos e vales. A vontade é ficar admirando a paisagem por horas. São pedra e rochas de vários formatos, cores e tamanhos. Ainda passamos por outros penhascos de cores diferentes e formas perfeitas q contrastam com o céu azul. Perfeito. A última etapa do tour foi na Lagoa dos Flamingos. A van nos deixou em uma parte bem ao alto, perto do paredão de pedras e descemos por uma trilha. Perfeito! Curti cada momento. Afinal era meus últimos momentos neste paraíso. No fim da trilha, um delicioso almoço nos aguardava. Salmão com mais um monte de coisa. Dessa vez, como já tinha acompanha as outras refeições, fiquei por último para me servir. Sabia q não ficaria sem. E por isso pude pegar bem mais que o normal hahahah Na hora que cheguei na mesa a galera me chamou de pedreiro kkkkkkkk Foda-se, comi muito bem A volta foi bem rápida, até pq não aguentei o sono e dormi uma parte do caminho. Quando cheguei em San Pedro, nem fui para o hostel. Pedi para me deixarem na rodoviária. Graças a Deus deu tempo de comprar a passagem ainda para o dia 25. Era 4 da tarde e o bus saia as 18:45 para Santiago. Comprei uma das últimas passagens. Corri para o hostel. Do qual já tinha feito o chek out, mas o Victor autorizou eu deixar minha mochila lá. Então, tomei banho bem tranquilo, separei o q precisava levar comigo dentro do bus. Carreguei o cel é o carregador portátil e pronto, partiu Santiago com alguns dias de antecedência uhul Que venha Santiago! 20 horas de viagem. Entrei no bus e tomei um dramim. Nem precisava, mas foi só para garantir que dormiria e apaguei geral. Diário de bordo 9 Dormi tanto que fui acordar já era umas 10 da manhã. Já estava até bem perto de santiago. Por isso, esse fim de viagem foi dboa. Lendo, comendo, dormindo, contemplando o Pacífico. Chegando em Santiago a paisagem muda. Fica muito mais verde. Desembarquei em Santiago peguei o metrô e fui para o hostel que eu teria reserva para dali dois dias. O jeito era arriscar. Quando cheguei no hostel, o cara foi taxativo: só se tiver reserva; estamos lotados. Ele me indicou outros vários ali na região mesmo. Fui em um vem perto, em uma rua paralela. Nada, lotado. Bateu uma preocupação hahah Fui para o próximo do mapa, hostel Kombi. Nesse tinha vaga. Ufaaa. E era bem barato. Precisava de 3 noites em Santiago, mas como já tinha a reserva da última noite, contratei por duas. Tomei um banho e sai explorar um pouco da região onde estava. Muito legal por sinal. Deu tempo de conhecer um parque e um pouco do comércio da região, já que nessa época do ano o sol se põe em Santiago quase as 9 da noite. Comi tbm, estava faminto. Passei no mercado e comprei mais umas porcarias pra comer. Sempre gosto de ir em mercados em outras cidades. Minha mãe tbm ama hahaha Eu acho q é como participar um pouco da vida local. Voltando no hostel, coloquei um miojo pra fazer, mas daí fui comunicado que rolaria uma pizza no hostel. Resolvi pagar e participar. Seria uma forma de interagir. Só que não. No hostel haviam vários gringos. Até aí tudo normal. Foda é quando eles falam outra língua q não o espanhol. Mas vários falavam espanhol, mas eram argentinos e chatos (não acho que todos os argentinos sejam chatos pfv). Tentei interagir, mas sem chance. Só conversavam entre eles. E olha q sou fácil fácil de fazer amigos. Mas com esses argentinos, sem chance hhahah Comi a porcaria da pizza. Não passava de uma massa ruim d pão com molho de tomate barato. Recheio quase não tinha. Ou seja, não valeu de quase nada rsrs Sem problema, valeu a experiência de conhecer estes argentinos mal humorados kkkkkk e fiz amizades com algumas chilenas e chilenos (estes sim bem legais). Deitei e apaguei. Diário de bordo 10 Acordei às 9 para tomar o café que era servido até as 10. Depois tomei um banho e era dia de explorar a Santiago. No meu quarto tinha um chileno. Pensa num mlk bom de papo. O que os argentinos não eram de conversar, esse chinelo era. Depois de conversar sobre várias coisas, fui tomar um banho e sai para o tour. Sempre de metrô, que Santiago é muito bem servida. Te leva por onde precisar. Primeira parada foi no Museu da História Natural, o Museu Nacional, que fica dentro de um parque com muito verde. Só o parque já valeria a pena. Mas o museu é muito top. Fiz bem em escolher ele como destino. Depois dali fui para o museu dos Direitos Humanos, um museu da ditadura militar do Chile. É muito interessante e importante o museu, mas confesso que deveria ter ido primeiro nele e depois no da História Natural. Pelo simples motivo que vc sai de lá um tanto deprimido. Mas valeu, foi bom! Percorri um trecho da cidade a pé mas estava longe do meu próximo destino, então resolvi pegar o metrô em direção a outro parque. Parei para comer (claro haha) e depois só curti a natureza. Voltei para o hostel caminhando. Não cheguei tarde no hostel. O chileno estava la. Conversamos um pouco. Ele saiu Eu tomei banho e sai tbm. Como a região que eu estava era de muitos bares, sai dar uma passeada. Resolvi entrar em um e tomar uma cerveja. Neste bar tinha tipo um standard. E como eu era o único brasileiro ali, logo tornei parte do show. Foi muito engraçado. Diário de bordo 11 Último dia em Santiago. Acordei cedo para aproveitar o café do hostel. Tomei um banho. Arrumei minhas coisas. Fiz o check out. Deixei a mochila no hostel e fui em direção ao edifício mais alto da América latina, Gran Torre Costenera. E possível subir nele e apreciar toda Santiago em 360°. O elevador sobe muito rápido. O ouvido chega a tampar. Lá de cima e show. Um edifício novo. Muito bem cuidado e dizem ser resistente a terremotos. Eu e um grupo de turistas tivemos o acompanhamento de uma guia que falava português, ajudando bastante a entender a história de Santiago e seus principais pontos. O edifício fica agregado a um grande shopping. Tinha ouvido falar que tinha nesse shopping lojas de departamentos com ótimos preços. Não sei o que é ótimos preços pra esse povo. Pra mim tava tudo muito caro. Só comprei uns vinhos e chocolate. Ou seja, quase tudo q uma pessoa precisa na vida kkkkkk Passei no meu novo hostel, fiz o check in e fui deixar a mochila no quarto. Este hostel tbm era muito bom. Praticamente um hotel, mas vc fica no quarto com várias pessoas. De cara já encontrei com um brasileiro. Trocamos algumas informações e ali, na hora já combinamos de pegar uma balada. Afinal, está era minha última noite no Chile. Votei para o antigo hostel pegar minha mochila e o brasileiro já tinha comunicado com outros dois brasileiros do novo hostel sobre a balada, ou seja, iríamos os 4. A balada começava as 23 mas quem chegasse até a meia noite não pagava a entrada. Era tudo o que 4 brasileiros em fim de viagem precisavam kkkk Descansei um pouco, fui ao mercado comprar porcarias pra comer durante a viagem do dia seguinte, tomei um banho. Comi um MC (claaro) e fomos pra balada. Eu tinha olhado no mapa e visto q não era longe, por isso resolvemos ir andando. Pelo menos na região em que estávamos a cidade de Santiago é bem tranquila Chegamos dentro do horário free. A balada não era das melhores, mas isso se compararmos ao Brasil. Pq acho que de Santiago deve ser uma das boas. Tava bem lotado e a música era boa. Valeu a pena para encerrar a viagem ao Chile. Acho q não gostamos muito. Só fechamos, literalmente, a balada kkkkk Fomos os últimos a sair. Chegamos no hostel às 5:00. Valeu, valeu, valeu! Diário de bordo 12 Acordei às 6:30. Precisava pegar o metrô e chegar no terminal rodoviário umas 7 para embarcar as 8. Foi tranquilo. Gastei meus últimos pesos chilenos no rodoviária e partiu Brasil. Apesar de estar com sono, quis curtir um pouco mais das paisagens do Chile e dos andes. Como demorou na fronteira Chile/ Argentina, aproveitei e puxei um ronco. Depois, mais de andes e aí sim, depois de ter descido eu dormi. Apaguei. Acordei já muito dnoite. Paramos em um posto e gastei o q tinha de pesos argentinos. Pra que voltar com dinheiro neh?!. Comi e voltei a dormir. Diário de bordo 13 Amanheceu o dia, ainda era Argentina. Ta louco, é estrada que não acaba mais. Na verdade, eu que escolhi andar tanto por estrada. Preferia até mesmo fazer todo esse trajeto dirigindo, mas, como não era possível, optei em fazer de bus mesmo. Também poderia ter optado em ir de avião. O preço não era muito diferente e tenho ciência de que todo esse tempo de estrada eu poderia ter aproveitado por lá. Afinal, foram mais de 10.000 km rodados de bus. Mas, a intenção era essa mesmo. Rodar de bus. Passar por lugares que um voo de pouco mais de duas horas não me proporcionaria. Conhecer lugares que o buzão passou. Conhecer pessoas que esse tempo no bus oportunizou Enfim... Perto do meio dia chegamos na fronteira Argentina/Brasil. Trâmite dos dois lados. Saímos de lá quase as 2 da tarde. Paramos em um restaurante. Parada de duas Horas para banho e almoço. Saímos umas 4 horas. Estrada e um pouco de chuva. Passamos por porto Alegre quase meia noite e dormi pra passar logo a viagem. Diário de bordo 14 As 5:30 da manhã passamos por Floripa. Em ctba chegamos as 10. Deu tempo de comprar a passagem do bus q sai às 11:00. Porém, esse bus demora pra caramba pra chegar em Ldna, pois ele vai parando em tudo quanto é lugar (parecido com o da ida). Chegada em Londrina ás 20:00. Mas graças a Deus a viagem foi toda tranquila, sem nenhum incidente, superou minhas expectativas. Obrigado Senhor!
  13. Olá galera mochileira, vou retribuir o aprendizado obtido aqui tentando passar um pouco do que foi essa trip e quem sabe também ajudar alguém. Fomos em 3 pessoas (eu, esposa e sobrinha) em um C3 Picasso 1.6. O carro, apesar de não ser 4x4, o que me fez falta (contarei mais adiante), se portou muito bem e tivemos pouquíssimos contratempos, fazendo uma boa média de 13,5 km/L. sempre na gasolina super ou 95. Falando em gasosa, os valores da gasolina nos postos foram na média: Brasil: entre R$ 3,90 e 4,30. Argentina: em torno de ARP 26,27 (R$ 3,67) Chile: em torno de CP 809,00 (R$ 4,30) Câmbio: Endereços: Corrientes/ARG: Av. 9 de Julio, 996 Calama/CHI: Calle Emilio Sotomayor, 2125 O dólar estava cerca de R$3,35 e o peso argentino R$0,20 em Puerto Iguazu e Ciudad del Est. Compramos apenas alguns pesos em Puerto Iguazu para almoçarmos e pagarmos os pedágios do caminho para Corrientes, onde já tinha selecionado uma agência de câmbio no centro da cidade. A decisão foi acertada, pois conseguimos melhores taxas e compramos peso argentino e dólar na seguinte cotação: Peso Argentino: ~R$ 0,14 ou ARP 7,15 por real. Dolar: R$ 3,245 ou USD 0,308 por real. O Peso chileno optamos por comprar em Calama, onde faríamos nosso primeiro pernoite. No centro de Calama, na praça da Igreja, tem uma boa casa de câmbio, com cotação superior a de San Pedro. Mas tive que trocar bastante dólar em San Pedro também, onde geralmente conseguíamos a cotação de CP 600,00 por dólar. Obs. Fizemos câmbio de reais apenas em Corrientes, trocando-os por dólares. A moeda estadunidense tem melhor aceitação e a troca de câmbio favorecia sempre. Documentos levados foram esses, sendo que apenas uma única vez nos solicitaram apenas a CRLV, nada mais. * RG * CNH * CRLV * Carta Verde * SOAPEX Agora um breve resumo: Dia 1. De Santos/SP até Foz do Iguaçu/PR Saímos por volta de 07h30 e chegamos quase 23h00 no hotel. Muitos pedágios, muito trânsito, vários acidentados no caminho, enfim, mais de 1000km em estradas brasileiras, sem novidade. Nos hospedamos sempre através do Booking.com e em Foz, ficamos no Salvatti Cataratas Hotel e pagamos R$135,00 o quarto triplo com café da manhã e garagem. Nenhuma maravilha, mas é bem localizado. Bom custo benefício. Dia 2. De Foz do Iguaçu/PR a Corrientes/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00 A travessia foi bem demorada na fronteira argentina. Uma fila imensa de veículos que nos custou cerca de 1h30. Em Puerto Iguazu paramos para comprar chip de celular (Personal) para utilizarmos a internet, almoçarmos e fazermos um pouco de câmbio, o suficiente para chegarmos até corrientes. No caminho tem muitos bloqueios policiais, mas não fomos parados em nenhuma para solicitar documento, no máximo perguntavam para onde íamos e mandavam seguir adiante. Chegamos ao anoitecer em Corrientes e fomos direto para nossa hospedagem. Ficamos na Torre Costanera Norte. Recomendo fortemente. Fica em um edíficio com vista para o Rio Paraná, e é um apartamento muito agradável e confortável. Por não ser Hotel ou similar, não tem café da manhã, mas tem cozinha equipada. Pagamos 800 pesos no local. Dia 3. De Corrientes/ARG a Salta/ARG Saída: 08h00 Chegada: 20h00 Muito chão pela frente, realmente atravessar aquela reta de 500km é um chaco, com o perdão do trocadilho. Poucas cidades pelo caminho, alguns postos de gasolina, muitos insetos se espatifando na frente do veículo (uma capa é recomendável) e poucos veículos no caminho. No início do trajeto tivemos um pneu furado. E no meio do caminho, creio que no trecho esburacado após Monte Quemado, um dos pneus sofreu uma pancada e criou um galo, o que me obrigou a troca-lo mais adiante, visto que a malha de aço interna foi rompida. Foi difícil arrumar um local para almoçar, mas por volta de 14hs encontramos um local pitoresco, um pouco rústico, mas com boa comida e preço honesto. Não marquei o local, mas deve ficar próximo de Monte Quemado, logo na marginal de frente para pista e se chama Comedouro La Tranquera, vale a parada! Com muito cansaço e sono chegamos em Salta. Nos hospedamos novamente em um apartamento (Monoambiente Equipado e Calido). Com boa localização e certo conforto. Não possuía garagem, tivemos que estacionar em frente. Pagamos 820 pesos ao proprietário que nos aguardou no local. Dia 4. De Salta/ARG a Calama/CHI Saída: 08h30 Chegada: 23h00 Enfim atravessaríamos a cordilheira. Mas, não sabendo que teríamos tantas atrações no caminho, saímos com toda calma do mundo as 8h30. Um erro, já que o trajeto era longo, com muitos atrativos no caminho. Sugiro sair bem mais cedo. No caminho paramos para apreciar as costas de Purmamarca, as Salinas Grandes, Lhamas, cactos, mirantes de Jujuy em geral... Na fronteira chegamos por volta de 16h00, onde abastecemos, almoçamos alguns salgados da conveniência mesmo e fomos fazer os trâmites. Havia uma grande fila de veículos para entrar e outra maior ainda de pessoas dentro da aduana. Os policiais estavam meio estressadinhos, mas ajudavam a todos da melhor forma. Fomos apenas com RG e Documento do veículo. Por volta de 19h00 iniciamos a entrada no Chile. Achávamos que seria só descida...ledo engano...ainda havia muita subida pela frente. A dor de cabeça se fazia presente em todos, um pouco de tontura ao mínimo esforço e assim fomos subindo e subindo. O carro, carregado até o talo, não passava de 60km/h e em algumas subidas não passava dos 40km/h. As garrafas PET sendo amarrotadas como papel... e o sol que nos acompanhava começava a ir embora. E com o sol, vai-se o calor também. A temperatura começa a cair gradativamente de cerca de 17° as 17hs para cerca de 3° no ponto mais alto, a 4.820msnm, as 21h00. Daí em diante começou a descida, no breu total, nem podíamos ver as paisagens...mas enfim chegamos em San Pedro, porém nossa reserva era em Calama. Agora veja a situação: 10 da noite, sem almoçar e jantar, cabeça explodindo...procuramos hospedagem em San Pedro mesmo...mas nesse horário e nessa época do ano...nem a pau Juvenal....tivemos que seguir pista por mais 100km até Calama e procurar nosso abrigo previamente reservado. Em Calama ficamos em uma pousada meio estranha (Apartamentos Norte Grande), mas fomos bem atendidos. Possuía garagem pelo menos. Mas não oferecia café da manhã. Pagamos cerca de USD 35,00. Dia 5 – De Calama/CHI a Iquique/CHI Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Como o trajeto nesse dia era mais curto, aproveitamos a manhã para ir ao Centro. Fizemos câmbio Dolar/Peso chileno na empresa AFEX, Calle Emilio Sotomayor 2125. Boa cotação, superior à de San Pedro. Compramos um chip de celular da Movistar. Fomos trocar o pneu danificado (calombo) em uma gomeria próxima ao Shopping, onde fomos depois almoçar antes de seguir viagem. De Calama à Iquique são dois caminhos, por deserto ou litoral. Então fomos conhecer a famosa Ruta 01 que nos levaria ao destino margeando a costa do Pacífico. Seguimos primeiramente até Tocopilla, uma pequena cidade litorânea onde acessamos a ruta 1. Realmente o caminho é sensacional. Uma pista simples espremida entre praias desertas, com suas areias pedregosas e cheias de conchas brancas trazidas pelo mar azul e serras de areia e pedra ao lado direito, muito altas e sem vegetação. Há diversos mirantes no trajeto e até mesmos as praias são acessíveis aos veículos. Vimos também diversas barracas de camping no caminho, parece ser comum acamparem na praia e passarem a noite com a família. Nada como termos segurança para tal hein? Após tantas praias desertas, ou quase, chegamos em Iquique, já nos deparando com trânsito intenso, porém organizado, com as praias cheias de jovens ouvindo música, praticando esportes ou passeando. A cidade não é muito grande, mas é bem cuidada, com bastante policiamento e comércio variado, para todos os gostos. Fizemos algumas compras em um hipermercado e fomos para o Hotel. Hotel Manuel Rodriguez Express, de excelente localização, a 1 quadra da praia, bem próxima da movimentada Praia de Cavancha. O hotel parece bem antigo, mas está em boas condições, com estacionamento externo em frente e café da manhã. Pagamos cerca de R$420,00 pelas duas diárias em quarto triplo. Dia 6. Iquique/CHI Dia de passear. Fomos conhecer a Plaza Arturo Prat, onde tem a Torre del Reloj e uma boa feira de artesanato. Muitos casarões antigos dão o tom de cidade antiga e preservada ao local. Passamos também frente ao Museu Corbeta Esmeralda, mas achamos meio pequeno e ninguém se interessou em entrar. Fica para a próxima rs. Fomos direto a praia caminhar um pouco pelo calçadão e conhecer o local. A noite fomos a pé até a praia próxima ao hotel, onde viramos o réveillon. Eles fazem, tal como nós, balsas com os fogos de artificio, e o foguetório durou cerca de 25 min, muito bonito por sinal. O que me chamou a atenção foi o costume local de soltar balões, geralmente pequenos e vermelhos, que iluminavam a noite vagando pelo céu. Imagina dezenas de balãozinhos vagando no céu da praia...realmente bacana. E bebida rolava no máximo um vinho ou espumante entre as famílias...nada de bêbado, gente vendendo cerveja, whisky e afins...tudo sendo festejado com alegria e segurança. Dia 7. Iquique/CHI a Toconao/CHI Saída: 09h00 Chegada: 18h00 Finalmente Atacama. Partimos em direção ao nosso grande objetivo, mas antes ainda paramos na cidade abandonada de Humberstone. Infelizmente estava fechada por ser dia 1, e assim tiramos apenas algumas fotos do lado externo. Vamos ter que voltar lá tb, parece ser muito interessante o local. Uma cidade abandonada no meio do deserto, com todas as casas, ruas e acessórios preservados. No caminho, antes de chegar a San Pedro, também já aproveitamos e conhecemos a Cordillera del Sal e Valle de La Muerte, o que já nos deu o gostinho do que teríamos pela frente. Locais sensacionais. A Cordillera tem um mirante bem amplo onde você pode descer até onde conseguir e tirar fotos realmente no meio das dunas e pedras. O Valle de La Muerte não fizemos o sandboard, apenas seguimos até o final da trilha, porém devido ao horário o vento estava forte demais, nos golpeando com areia e evitando que subíssemos até o mirante. Mas deu para ver o suficiente do local. Dali fomos direto para Toconao. O pequeno povoado de Toconao fica a cerca de 25 min de San Pedro ou 30km. Quando procurava quarto em San Pedro pelo Booking, encontrava pouca coisa devido a data, e o que encontrava estava caro demais ou eram apenas hostels com quarto e banheiro compartilhado, o que não serviria para uma família. Assim acabei pesquisando por algo nas proximidades e acabei por encontrar em Toconao exatamente o que eu procurava. A cidade fica perto de vários locais de visitação, possuía comércio próprio e até mesmo posto policial. Enfim, acabamos por selecionar o Hostal Altos del Lascar. Com quarto e banheiro privado, Wi-FI, cozinha coletiva, café da manhã e estacionamento. E ainda pudemos utilizar a máquina de lavar roupa e varal, o que nos foi muito útil. Até churrasqueira a disposição tinha. Por ali ficamos por 5 diárias pagando cerca de R$221,00 por dia ou US68,00 o quarto para até 4 pessoas (cama casal + beliche). Super recomendo! Dia 8 – Atacama Na parte da manhã fomos conhecer o centro de San Pedro e fazer câmbio na Calle Toconao, além de abastecer o veículo no escondido posto de San Pedro. Almoçamos em Toconao todos os dias no restaurante Chaxa I, boa comida, bom preço, bom atendimento e bem pertinho do Hostal. Geralmente comíamos os três com bebida por cerca de 10.000 pesos, cerca de R$50,00. Recomendo. A tarde fomos visitar as Lagunas Cejar, Piedra, Tebenquiche e Ojos del Salar. A estrada é por terra, mas dá para andar tranquilamente em boa velocidade. Lagunas Cejar e Piedra - A laguna Piedra estava meio seca e sem graça...já a laguna Cejar é bonita, mas creio que seja melhor para quem pretende entrar na água e ficar boiando ou apenas se refrescando. Pagamos cerca de R$75,00 por pessoa ou CP 15.000 p.p e não aproveitamos tanto. Há várias outras lagunas mais bonitas. Ojos del Salar – Muito legal de conhecer. Não mergulhamos também, mas é bem incomum e vale a pena conhecer. Laguna Tebenquiche – Uma laguna branca com muito sal em volta. Após o estacionamento há um trajeto bem comprido acompanhando a borda da laguna onde você pode tirar fotos. As montanhas espelhadas na laguna são formidáveis. Pagamos CP 3.000 p.p. Recomendo. Dia 9 – Atacama Hora de visitar as Lagunas Altiplânicas Miniques e Miscanti. Por sorte, Toconao está mais perto do que San Pedro e chegamos bem cedinho lá. Devido a altitude o frio vem com força, a cabeça dói, o carro sofre, mas chegamos e aproveitamos muito o lugar. Indescritível é o que podemos dizer das lagunas. O silêncio, a paisagem ao fundo e as lagunas em si, são de outro planeta. Pagamos CP 2000 p.p. Na descida esquecemos de ir visitar as Piedras Rojas...tão perto e perdemos esse passeio. Fica para a próxima também rs. Após as Lagunas fomos em direção a Toconao e no caminho, em Socaire, avistamos a estradinha que subiria para a Laguna Lejia. Entramos nela e começamos a subir uma estradinha bem ruim de terra e pedra...fomos até certo ponto apenas já que o carro não era 4x4 e o negócio estava piorando cada vez mais e não havia uma alma viva por perto...enfim, ficará para quando for fazer a subida do vulcão Lascar. Após isso fomos direto até a entrada que nos levaria à Laguna Chaxa, onde enfim pudemos ver e admirar os famosos Flamingos Chilenos. A Laguna fica à esquerda de quem está voltando para Toconao e leva uns bons quilômetros por estrada de terra, mas sem problemas. A laguna por si só já é muito bonita e fica ainda melhor com as dezenas de flamingos se alimentando por toda a laguna, bem pertinho de você as vezes. São animais lindos com certeza. Vale muito a visita. Pagamos cerca de CP 1500 p.p. Dia 10 – Atacama Nesse dia nos programamos para visitar Os Geisers del Tatio. Saímos as 4h30 e fomos em direção a San Pedro, onde pegamos a estrada que nos levaria até o ponto turístico. Nesse momento a temperatura estava em cerca de 14°, na altitude de Toconao (2400 msnm). E assim, após passar por San Pedro, fomos subindo e subindo...a estrada de terra batida começou a piorar conforme nos aproximávamos. E conforme subíamos a temperatura despencava. Se no início havia pouquíssimos carros subindo, de repente havia uma fila imensa de carros. Nosso carro de passeio, 1.6, naquela estrada cheia de costelas de vacas sofria e tínhamos que ir devagar enquanto a maioria de vans e caminhonetes passavam como se não houvesse amanhã. As costelas de vacas foram aumentando e chegou um momento em que parecia que andávamos sobre contínuas tartarugas (tachão) por diversos km. Até que, faltando poucos km, a uma altitude de mais de 4.000 msnm, com o termômetro anotando -8°, o câmbio do veículo simplesmente se desmanchou, travando em 4º marcha. Ou seja, tivemos que parar no cantinho, ligar o pisco alerta, colocar rapidamente os triângulos e torcer para ninguém passar por cima. Como não havia muito o que fazer, sem sinal de celular, e a galera passando correndo a caminho dos gêiseres, somente nos restou relaxar e esperar o sol nascer totalmente para aguardar o pessoal voltar e pedir auxílio. Cerca de 2 hrs depois começaram a aparecer alguns veículos retornando. A maioria sequer parava para perguntar e os que paravam geralmente tinham os veículos cheios de passageiros. Até que uma nobre alma argentina parou e nos ofereceu carona até San Pedro. Sr. Xavier e sua companheira foram simplesmente sensacionais. Somos muito agradecidos por ter conhecido esse Hermano. Ainda paramos em Machuca, porém ninguém conseguiu auxílio no local e tivemos que nos deslocar até San Pedro, onde fomos à oficina logo ali próximo da aduana. Depois de uma pequena espera de 5 hrs eles conseguiram uma camionete para fazer o resgate do veículo que passou o dia todo abandonado na estradinha de El Tatio. Com o carro na oficina, foi constatado que soltou uma peça do seletor de marcha...provavelmente soltou a alavanca do seletor ou o trambulador. Eles encaixaram, botaram uma abraçadeira para reforçar e pronto...voltou ao normal. Custo disso tudo: Resgate: CLP 90.000 Mão de Obra: CLP 20.000 Ou seja, saiu caro. Quase R$450,00 só pelo resgate. Ainda tentei locar uma camionete para fazer esse resgate, porém o aluguel sairia mais caro. Mas foi um susto, pois dependendo do defeito, por exemplo um defeito no disco ou platô, teria que ficar sem o veículo por uns 3 dias até chegar as peças de Calama. Demos sorte, a sorte de quem se arrisca! Nesse dia perdemos o dia inteiro resolvendo isso. Deu tempo apenas para correr até o centro de San Pedro e comprar um passeio para os Geisers para o dia seguinte. Conseguimos um valor bom, CLP 17.000 p.p . Dia 11 – Atacama Saímos as 4h30 de Toconao, dessa vez apenas para estacionar nosso guerreiro em São Pedro, no estacionamento municipal, onde a van da agência contratada já nos aguardava ao chegarmos. Após a van buscar a galera que nos acompanharia em seus hostels, colombianos e argentinos, partimos em direção, pela 3º vez, da estrada que nos levaria aos Geisers del Tatio. Dessa vez, a viagem foi tranquila, com uma van preparada para esse tipo de viagem. Chegamos com o céu começando a clarear, por volta de 6hs, com temperatura de -7° na portaria do parque. Pagamos mais CLP 10.000 p.p pela entrada e depois a van nos leva até o primeiro estacionamento, a partir de onde inicia-se o tour. O guia chama-se Celso, muito competente e paciente com todos. Recomendo. Apesar do frio de gelar a alma, o passeio é gostoso e interessante. Tem muita gente no local, atrapalha um pouco as fotos, mas com paciência consegue-se bons clicks. E realmente é incrível aquele espetáculo da natureza...surreal demais! O Segundo ponto é onde encontramos menos geisers, porém mais fortes e altos. Além disso tem a piscina de água termal, com vestiários e tudo mais. Não entramos, apenas observamos os gringos fazendo a festa. Devia estar muito bom...lá dentro. No estacionamento desse segundo ponto, o guia oferece o desayuno, com suco, pães, bolo, chá, ovos mexidos, geleia, etc. Muito bom o café da manhã sob o sol nascente do deserto, com gaivotas andinas passeando entre nós e a visão das montanhas e geisers...realmente incrível. Depois disso iniciamos o retorno. Durante o retorno ainda tem alguns pontos de exploração. Nesse caso, o primeiro foi a cidadela de Machuca, com algumas construções antigas e uma cantina, onde vende-se café, chá, empanadas, etc. Do lado de fora tem o churrasquinho de lhamo, por CLP 3.000. Muita fila para experimentar a iguaria, mas provamos e aprovamos. O próximo ponto foi ao lado da estrada, em alguns pontos há pequenos alagados beirando morros pedregosos, com muita vegetação rasteira e vários flamingos ou lhamas se alimentando. Em um ponto ainda tem um mirante com vista para um tipo de canyon profundo e que vai margeando a estrada por um trecho. Muito bonito tb. O último ponto do passeio é a parada em Guatin, no Vale dos Cactus. Fazemos a exploração dando a volta, seguindo o curso de um pequeno riacho. Local muito pitoresco, com cactos de até 10 metros e talvez centenas de anos de vida. Enfim, por volta de 13hs a van nos deixou no estacionamento de San Pedro. Se o perrengue do dia anterior nos trouxe prejuízo, ao menos fazendo o tour com a agência pudemos visitar outros pontos além dos geisers, que talvez, sozinhos, não encontraríamos. Voltamos correndo para Toconao para almoçar e descansar. A tarde teria mais Por volta de 17h00 partimos em direção ao Valle de La Luna. O primeiro passeio é nas Cavernas de Sal. As cavernas são legais por serem no deserto e tem uma vista de cima, mas em matéria de cavernas estamos bem servidos e essa não nos impressionou. Depois das cavernas, todos seguem direto para o estacionamento do Valle para assistir o famoso pôr do sol. O local realmente é muito show e o pôr do sol bonito. Tem gente pra c... mas deu pra pegar um lugarzinho na beira da morro com vista para as dunas e assistir esse gran finale. Dia 12 – De Toconao/CHI a Salta/ARG Saída: 09h00 Chegada: 20h00. Dia triste, dia de partida. Deixamos o acolhedor Hostel Altos del Lascar e fomos para San Pedro abastecer e pegar a estrada rumo a fronteira. Dessa vez, já que estava noite em nossa chegada, pudemos contemplar o Vulcão Licancabur nos acompanhando durante boa parte da subida da cordilheira. Haja espaço em disco para tanto foto, mas ele merece. E sempre que podíamos parávamos em algum ponto interessante, seja pequenas lagunas, lhamas no caminho, guanacos, etc. Ainda pensamos virar em Hito Cajon e ir visitar as Lagunas Branca e verde, porém, após pesquisar bem, pensamos ser arriscado demais ir em carro de passeio. Até agora não sei se é tão problemático assim. Seguimos em frente, dando adeus ao Chile, com uma até que rápida migração em Paso Jama. Na Argentina, paramos novamente no mirador de Jujuy, dessa vez apenas para comprar alguns souviniers. Também paramos em Purmamarca atrás de mais presentes e fazer um lanchinho. O local é bem interessante e vale uma visita mais duradoura, talvez até uma hospedagem no local. Chegamos em Salta já no ínicio da noite, depois de trocentas paradas durante o retorno. Nos hospedamos no Hotel Guemes. Bem ruim. Pagamos cerca de ARP 980.00. O prédio é muito antigo, então é como entrar em um túnel do tempo. Tudo é muito velho, com cara e cheiro de coisa velha. O café da manhã foi um pão duro com geléia e água, porque havia apenas chá, o que não tomávamos. Enfim, serviu para tomar banho e descansar. O ponto positivo é a localização, a poucos metros da praça 9 de julho. A noite, por ser sábado, pudemos ver como é movimentada e bonita a cidade de Salta. Muitos artistas de rua trabalhando e divertindo os turistas e o comércio bem diversificado. Passeamos, jantamos e fomos dormir, pois o dia seguinte seria longo através do chaco. Dia 13 – De Salta/ARG a Resistência/ARG Saída: 09h00 Chegada: 17h00 Apenas um dia de deslocamento, sem muitas novidades no caminho. Nesse dia pela primeira vez um policial nos parou e pediu documento do veículo. Apenas conferiu e mandou seguir, sem maiores problemas. Não solicitou a CNH e muito menos a Carta Verde. Chegamos ainda de dia no Hotel Diamante, em excelente localização. O custo foi de + - ARP 1100.00 e o problema foi pagar. Havia sobrado apenas dólares e eles não aceitavam. Mas apesar de ser domingo, com todas as casas de câmbio fechadas, tivemos a sorte de ter um Cassino bem perto e que fazia esse câmbio. Corremos até lá e trocamos dólar x peso em boa cotação e assim pudemos pagar o hotel. Acho que o nome do Cassino é Atrium. Para jantar busquei algumas pizzas ali perto, por ARP 350. Tem bastante comércio por perto e o hotel não é antigo, com um bom café da manhã. Recomendo! Dia 14 – De Resistência/ARG a Foz do Iguaçu/PR Saída: 09h00 Chegada: 17h00. Dia de dar adeus aos Hermanos argentinos e voltar para essa doida terra. Mais um dia tranquilo de estrada, sem muito movimento. Assim como na saída, não havia ninguém na aduana brasileira, apenas passamos... Nos hospedamos no Hotel Blue Star II. Hotel bom, limpo, com estacionamento descoberto e café da manhã padrão Brasil, com tudo que tem direito J Pagamos R$160,00 pelo quarto triplo. Recomendo. Dia 15 – Foz do Iguaçu/PR a Cascavel/PR Saída: 09h00 Chegada: 21h00 Dia de aproveitar a passagem por Foz e fazer os passeios clássicos: gastar dólares no Paraguai e visitar as Cataratas do Iguaçu. Depois de uma fila imensa para entrar em Ciudad del Est, conseguimos estacionar no shopping que existe logo na entrada, do lado esquerdo de quem ta chegando lá. Uns 40 min para fazer o retorno e estacionar lá, mas pelo menos você já fica na boca pra pegar a ponta quando for sair. Fizemos nossas comprinhas e fomos embora em direção ao Parque Iguaçu. Um bonito passeio também a ser feito. É tudo muito bem organizado e caro tb. Depois de tanto deserto, areia e umidade quase zero, agora foi o contrário: muita água, chuvisco, umidade altíssima, calor e floresta pra todo lado. Saímos de lá já quase 17h00 e para não dirigir muito tempo a noite, fomos até Cascavel. No caminho paramos para jantar no _____ . Surpreendeu a qualidade e o preço. Pagamos R$60,00 para um banquete (arroz, feijão preto, farofa, bife, fritas, ovo frito, macarrão, salada com tomate, suco de laranja e refrigerante). Depois de tanto lanche ou Pollo com papas...matamos a vontade da comida brasileira ali. Procurando hotel pelo celular, encontramos o Hotel Jóia. Era o melhor custo benefício que havia no momento, mas também não decepcionou. Um quarto bom, com estacionamento coberto, e ótimo café da manhã. Pagamos R$152,00 o quarto triplo. Dia 16 – Cascavel/PR a Santos/SP Saída: 10h00 Chegada: 23h00 Sem novidades. Muito trânsito, muito idiota fazendo cagada no trânsito, acidentados pelo caminho, dezenas de radares e pedágios caríssimos, postos policiais vazios, enfim, estávamos em casa novamente JJ Trajetos: Data Origem KM Tempo Destino 26/dez Dia 1 Santos/SP 1053 14h2 Foz de Iguaçu/PR 27/dez Dia 2 Foz de Iguaçu/PR 622 7h39 Corrientes/ARG 28/dez Dia 3 Corrientes/ARG 836 9h58 Salta/ARG 29/dez Dia 4 Salta/ARG 700 8h38 Calama/CHI 30/dez Dia 5 Calama/CHI 388 4h32 Iquique/CHI 31/dez Dia 6 Iquique/CHI 1/jan Dia 7 Iquique/CHI 524 5h57 Toconao/CHI 2/jan Dia 8 Atacama 3/jan Dia 9 Atacama 4/jan Dia 10 Atacama 5/jan Dia 11 Atacama 6/jan Dia 12 Toconao/CHI 554 7h27 Salta 7/jan Dia 13 Salta 821 10h16 Resistência/ARG 8/jan Dia 14 Resistência/ARG 642 8h20 Foz de Iguaçu/PR 9/jan Dia 15 Ciudad del Est/PGY e Cataratas De Iguaçu 9/jan Dia 15 Foz de Iguaçu/PR 139 1h53 Cascavel/PR 10/jan Dia 16 Cascavel/PR 916 12h7 Santos/SP Distância Percorrida: 8.333 km – Média 13km/L Hotel para 3 pessoas Combustivel: Nafta Super – 95 Data Hotel Combustivel Pedágios Alimentação Passeios Outros 26/dez R$135,00 R$380,00 R$121,30 R$64,90 R$8,00 R$709,20 27/dez R$111,89 R$167,83 R$8,39 R$84,00 R$32,00 R$404,11 28/dez R$111,89 R$177,62 R$6,29 R$48,95 R$55,63 R$400,39 29/dez R$113,58 R$139,86 R$0,70 R$25,17 R$279,31 30/dez R$210,15 R$159,61 R$5,32 R$216,56 R$259,47 R$851,11 31/dez R$210,15 R$70,49 R$175,57 R$456,21 01/jan R$221,29 R$138,33 R$8,25 R$82,41 R$47,88 R$498,16 02/jan R$221,29 R$154,29 R$111,83 R$271,33 R$21,28 R$780,03 03/jan R$221,29 R$112,79 R$119,44 R$87,78 R$90,44 R$631,75 04/jan R$221,29 R$114,39 R$591,62 R$927,29 05/jan R$221,29 R$39,10 R$446,90 R$10,64 R$717,94 06/jan R$136,36 R$148,97 R$53,85 R$111,89 R$451,07 07/jan R$125,87 R$194,41 R$4,90 R$67,83 R$393,01 08/jan R$160,00 R$251,75 R$10,49 R$50,69 R$19,30 R$492,23 09/jan R$152,00 R$100,00 R$27,00 R$107,77 R$159,80 R$546,57 10/jan R$250,00 R$94,70 R$39,00 R$30,00 R$413,70 R$2.573,34 R$2.375,45 R$287,34 R$1.296,39 R$1.013,71 R$1.405,84 R$8.952,06 Agradecemos aos administradores desse site por manter um fórum tão útil. Agora é planejar a próxima trip, provavelmente por Bolívia e Peru, ou talvez, quem sabe, dar uma passadinha também no Atacama para fazer os passeios que faltaram (Tour Astronômico, Vulcão Lascar, Piedras Rojas, Baltinache, Humberstone). Um abraço a todos ! André e Joyce
  14. Ola, amigos! Janeiro e férias! Decidi dessa vez ir para Santiago e San Pedro do Atacama. Fui com um amigo que topou de ultima hora essa trip. Vou tentar relatar o máximo que eu consegui sem ocupar muito o tempo de vocês. Qualquer duvida, só falar. Achei importante e que eu quase não via aqui na hora de ler os relatos foi o valor em pesos e em reais também, pra ter uma média melhor, então vou tentar sempre relatar os dois. Dia 6 ao 11 - Santiago Dia 11 a 16 - Atacama. Santiago Dia 06 - 1º dia. A viagem começou cedo, tinha conexoes a serem feitas e uma rapida e breve experiencia no Couchsurfing. Chegamos em Santiago por volta de 1h da manha do dia 06. Na saída do aeroporto trocamos o minimo de pesos possivel, apenas o básico pro transfer, no valor de $7500 (+/- R$35) pesos e para o metro até o hostel no dia seguinte, $600 pesos (+/- R$3). Visto que o check-in do Hostel começava as 14h, optamos por ficar uma noite na casa da Alicia, encontrei-a pelo site do Couchsurfing e foi uma experiência bem agradavél e por isso quis relatar aqui. Não foi tão simples e rapido como eu esperava que fosse e como teria lido relatos tambem. Demorei pra encontrar a Alicia; uma pessoa muito gente boa e com a casa super aconchegante e agradável, perto do metro, o que facilitou a nossa vida. Ela saiu de manhã para trabalhar e deixou a casa toda pra gente. Deu 11h e nossa aventura de achar o metro e o hostel tinha começado. Pra minha surpresa, foi mais facil que o esperado. O metro tem várias linhas, mas tinha muitas placas bem sinalizadas, o que foi um alivio e tanto. A linha vermelha me pareceu ser a principal, e a única que precisei usar. Chegamos tranquilamente ao Che Lagarto, hostel que reservei pelo booking. Muito bem localizado e muito bem estruturado. Fica num prédio com 10 andares, com elevador, terraço com bar, area social na recepção com tv e sinuca. Os funcionários sao muito prestativos e te ajudam nas mais diversas duvidas que você tenha. A cozinha é um espetaculo a parte, enorme, bem montada e com tudo que você precisa. Os quartos são enormes, como se fossem dois ambientes, cada um com duas beliches...no meio ficam os lockers, estreitos mais bem altos, você pode alugar um cadeado na recepção ou levar o seu. O café parece um banquete, maravilhoso. Fomos andar aos arredores, fazer o cambio e tudo mais. Demos sorte de achar o cambio por 196 na Rua Augustina e aproveitamos para trocar tudo de uma vez, já que as casas de cambio no Atacama o real é bem desvalorizado. (pra fazer a conta, seria a quantia em real levada x196, que daria o valor em pesos chilenos que você teria.) Resolvemos almoçar num bar meio famoso por lá, conhecido por ter tido a presença do Bill Clinton e que por coincidência ficava ao ladinho do hostel. A noite, fomos conhecer a animação do bairro Bella Vista, aproveitar também, que era uma sexta feira. Acabamos numa boate chamada Club 57, que tocou tudo que é ritmo, até um pouco de br hahaha mas esse povo é meio parado ainda no Kuduro e Michel Teló, garantiu boas risadas. A entrada custou $5000 pesos (+/- R$25) e descobrimos depois que apresentando a pulseira do hostel não pagava nada Dia 07 - 2º dia Conhecendo mais os arredores, paramos no Cerro Santa Lucia, parada obrigatória pra qualquer turista. É tudo muito rústico e lindo de se ver. Subindo e subindo você chega no ponto principal e tem de presente uma vista e tanto do centro de Santiago e das Cordilleras. Na volta, ja tarde, resolvemos andar um pouquinho e almoçar no restaurante Mama Rockers. Todo moderno e alternativo. O hamburguer valia cada centavo e ficamos cheio até o dia seguinte. Custou por volta de $5000 pesos (+/- R$25) + refri $1000 e poucos pesos (+/- R$6). Terminamos o dia em um grupão que tava no hostel rumo a mais uma baladinha em BellaVista, dessa vez nao pagamos, que um dos meninos era local e conhecia os organizadores. Foi num lugar meio rústico ao pé do Serro San Cristobal, no final da rua Pio Nono (a principal), a festa era só de Reggaeton e eu amei demais já que amo um reggaeton hahahha. Dia 08 - 3º dia. Acordamos, tomamos café e seguimos ao metro em direção a estação Pajaritos, aonde se encontra tambem um terminal de onibus para varios locais incluindo Valparaíso, nosso destino. Tem varias e varias agencias no centro que faz o passeio Valparaiso+Vina del Mar por volta de $20-25 mil pesos (+/- R$100-120), mas resolvemos ir por conta já que queriamos uma certa propriedade sobre nossos passos e do que fazer, além de ser bem mais barato. Na estação, pagamos $4000 (R$20) pesos pela ida e $5000 (R$25) pela volta, mais compramos separadamente e talvez se comprarem ida+volta saia mais barato ainda. Chegamos no terminal de onibus de Valpo e com o mapinha na mão (não larguei por nada e nos ajudou demais) seguimos em direção a subida mais conhecido de lá. demoramos por volta de 20 a 25 min caminhando tranquilamente e chegamos na escadinha principal, onde os guias e alguns turistas tambem estavam subindo. É uma subida boa e cansativa, mas a cada vez que se olhava pra tras via um visual e tanto. Desde o começo do passeio, apesar dos gastos baixos, eu e meu amigo resolveos tirar o dia e nos presentear com um jantar mais careiro, com direito a vinho e entradas hahahah e decidimos ser em Valparaiso. Foi delicia e pagamos cada um uns $10.000 (+/- R$50) com direito a entrada, prato principal e sobremesa, tudo muito delicioso. Descemos o morrinho e fomos andando pela Av. Brasil, conhecido por ter varias universidades e os estudantes ficarem na praça em frente que é estreita mais do tamanho da rua inteira, toda de coqueiros e com um arzinho muito agradavel. Terminamos o dia vendo o por do sol na frente dos leões marinhos (parada obrigatoria em valparaiso). Voltamos ao Hostel e ficamos em galera bebendo e conversando madrugada afora, já que era Domingo e tanto o bar do hostel como a cidade é meio parada. Dia 09 - 4º dia Café da manha bem farto pra aguentar o dia e seguimos rumo a outro ponto obrigatório em santiago, o Cerro San Cristobal. Fomos andando do hostel até lá, é uma boa andada de uns 40min, mas paramos por diversos lugares para conhecer e tirar fotos. Chegando lá ja tinha uma fila bem grande, mas até que foi bem rapido. Pagamos a Funicular ida e volta para subir e descer mais rapido ate o Cerro. $2000 pesos (R$10). É um passeio rapido e muito gostoso. Subindo e subindo o Cerro você da de cara com o Santuário, o lugar é muito muito bonito e emocionante, da uma paz interior muito boa, e tem uma musica ambiente própria ao Santuário. Dia 10 - 5º dia Como era nosso ultimo dia, resovelmos tirar o dia para comprar as lembrancinhas e dar mais uma volta aos arredores. Fomos até o palacio La Moneda, aproveitamos para dar uma entrada e ver como era por dentro tambem. Tava rolando um exposição do Picasso e tudo mais. Depois de muita andança finalizamos o dia no hostel com muitos vinhos e petiscos. Aliás, indico demais vocês provarem o Tostitos e o Ramistas Crisp, uma deliciaaa. Atacama Dia 11 - 1º dia Chegamos em Atacama por volta de meio dia. Nosso voo de Santiago X Calama foi as 8h e chegamos por volta de 10:15h, depois o transfer de Calama ate Atacama de 1:30h. Reservamos o Hostel Siete Colores, que fica próxima a rua principal, Caracoles. Fizemos o Check-in e fomos direto pechichar os tours nas agencias, já que queriamos fazer um passeio já no mesmo dia. Depois de passar por umas 5 agencias, fechamos com a Tani Tani. Tivemos um feedback bom de umas brasileiras que chegaram na hora que estavamos lá e que ja estavam no ultimo passeio. O valor total de 5 passeios ficou em $63 mil pesos (+/- R$320) + 15mil (+/- R$80) de entradas (nas entradas usei sempre minha carteirinha de estudante, IMPORTANTE: vale qualquer coisa, até comprovante no celular, vi aqui de gente dizendo que tinha que tirar a carteirinha brasileira de estudante, e apesar da minha ser, vi varias que nao eram, inclusive meu amigo mostrava só o comprovante de que estudava na faculdade e pelo celular). Os passeios que eu fiz foram: Valle de La luna, Piedras Rojas + Lagunas Altiplanticas, Lagunas Escondidas e Geyser del Tatio. Marcado 15h na agencia, seguimos ao Vale de La luna, que passou pela Cordillera del Sal, as tres marias e outros pontos lindos de viver. Finalizamos com uma bela vista do por so dol. Chegamos de volta as 21h e fomos descansar no hostel. Dia 12 - 2º dia. Passeio a Piedras Rojas e Lagunas. acordamos bem cedo, que o passeio começava com a van nos pegando no hostel as 7h. Passou pela Laguna Chaxar, Piedras Rojas e as Altiplanticas. Na volta, a tarde, uma parada pelo Tropico de Capricornio. Esse passeio contou tambem com o Almoço, muito gostosinho, por sinal. E no final, ainda fomos a uma cidadezinha ao lado ver lhamas <3 Na volta, fomos a um Bar chamado Lola, com musica ótima e tambem rolava karaoke por la, um clima muito bom. Os bares e restuarantes em Sao Pedro fecham normalmente a 00h, sem excessão. Na sexta e sabado alguns funcionam ate 01:30h. Dia 13 - 3º dia Foi dia de Lagunas Escondidas, aquela que você boia de tanto sal. É tudo muito lindo e te faz pensar como que a natureza apronta uma coisa tao linda dessas. Na volta, tem uns snacks bem servidos, na pedra do coiote, pra ver o por do sol. Dia 14-15 - 4º e 5º dia. No dia 14, tiramos um day off, pra curtir o centro, almoçar, comprar lembrancinhas e queriamos alugar a bike e ir até Pukara de Quitor, não rolou, ninguem tinha bike pra alugar no dia, então fica ai a vontade pra próxima. No dia 15, tinhamos o Geyser, o passeio é famoso por começar bem bem cedo, as 4h da manha e por fazer bem frio e chegar a temperatura negativa. Tem a altitude bem alta, 4.300m. Ideal você se agasalhar MUITO. Fui com tres blusas, um casaco de lã, luva, legging, calça jeans, duas meias e tenis esportivo. E senti friooo! Nesse passeio tem o Desayuno (cafe da manha) incluido e muito gostoso. Tambem passei bem mal por conta da altitude, fiquei fraca, e com falta de ar. a Dificuldade de respirar aliás, durou o dia todo. Muito valido levar bala ou planta de Coca, alguns guias tambem lhe dão. Dia 16 - Volta pra Casa Em poucas palavras, o atacama foi a coisa mais bonita que meus olhos ja viram, voltei de alma e coração lavados. Resumão de valores, se eu esquecer de algum, só perguntar. Pra atingir um valor equivalente do peso em real, usem a regrinha de multiplicar por 5. Ex: $2000 pesos, equivalente a R$10, pois 2x5=10 Aero RioXSantiago (com conexao ida e votla em SP) - R$1500 Aero SantiagoXCalamaXSantiago - R$380 DICONA: Comprei pela Latam. Procurem na aba anonima por ''latam chile'' e comprem diretamente de lá, vai aparecer tudo em pesos mas é só usar a regrinha da conversão que dá tudo certo, é muito mais barato, coisa de R$200 a R$300 reais, ou mais. Só que precisa ser de cartão internacional, tá? e esse valor ja incluiu ida e volta+taxas+IOF) Transfer aero de CalamaXAtacama (ida e volta) R$100 ($20 mil pesos) Transfer Aero ao Centro de Santiago R$40 ($7.500 pesos) - Taxi sai por volta de 15mil pesos, é fretado e valor fixo. Pacote com 5 passeios no Atacama R$320 ($63 mil pesos) Hostel Che Lagarto em Santiago, 5 diarias R$220 Hostel Siete Colores no Atacama, 5 diárias R$400 Gastos em Santiago R$600 ($127 mil pesos) Gastos no Atacama, com o transfer incluido R$400 ($84 mil pesos) TOTAL DE GASTOS (FORA PASSAGENS QUE PODEM VARIAR): R$1980 Ainda me sobrou 40mil pesos, que troquei no aero mesmo, na volta. É isso, espero que curtam.
  15. Oi gente estou em viagem pelo Chile realizando um sonho antigo, pois todo ano pensava em fazer esse roteiro e acabava mudando pra outro. Eu ja fui pra Argentina por 16 dias fiz Buenos Aires, El Calafate e Ushuaia. Fiz no ano passado Peru e agora a bola da vez é Chile com Santiago, Pucon e Atacama. Minha viagem vai durar 13 dias e vou tentar colocar aqui um pouco do que estou conhecendo, tentar colocar alguns preços, passeios e fotos. Não sou boa pra escrever kkkkk então será resumido... Segue primeiro o roteiro... Viagem Chile 2016 - 13 dias 04/10 – Ida para Santiago as 7:35 - Passeio Santiago (trocar dinheiro bairro Agustinas) 1ª diária 05/10 – Cajon del maipo - Embalse El Yeso – 2 diária Santiago 06/10 - Vinícolas - ida para Pucon a noite 07/10 – Pucon – 1 diária – passeios na cidade alugar bike 08/10 - Pucon – 2 diária – Parque Nacional Huerquehue (fa) 09/10 – Pucon – retorno para Santiago a noite 10/10 – Ida SPA – 1 diária 11/10 – SPA - Manhã livre, tarde Valle de la luna - Tour antronômico a noite – 2 diária 12/10 – Lagunas Altiplanicas e Piedras Rojas – 3 diária 13/10 - Geysers del Tatio e Laguna Cejar – 4 diária 14/10 – Salar de Tara – 5 diária 15/10 – Pukara de Quitor, Quebrada del Diablo e túnel – 6 diária 16/10 - retorno Santiago - Retorno SP Então pessoal esse é o roteiro original..mas sempre acontece mudanças, então vou colocar pra vocês o dia a dia o que realmente estou fazendo ok.. Na realidade mudou muita coisa rsrsrs
  16. Olá pessoal, Depois de colher muitas informações do Mochileiros, vim dividir com vocês a viagem que fiz para o Chile em janeiro de 2018. Meu plano inicial era ficar apenas em Santiago e para isso comprei passagens bem antecipadamente (GRU- SCL 960,00 com taxas pela Latam). Porém, 15 dias antes da viagem resolvi esticar para San Pedro do Atacama, um sonho que eu já estava nutrindo faz tempo e mesmo sem tanto planejamento, a viagem foi muito boa e não tão cara quanto eu imaginava ("não tão" porque o Chile é sempre caro hahaha). O trecho Santiago- Calama e vice-versa comprei pela Sky a 64 dólares, já com taxas. Importante lembrar que esse preço é apenas para bagagem de mão, mas a franquia deles é de 20 kg, então não tem muito o que se preocupar com peso. O único agravante é que eles realmente medem a bagagem, então fiquem atentos as dimensões (minha mochila ficou no limite dos 55 cm hahaha). Fiz o seguro viagem com a Allianz por R$ 96,00. Tudo é feito pelo site, bem explicadinho. Fiquem atentos pois na homepage do site sempre tem códigos promocionais. Reservei os hostels pelo Booking. Como eu queria quarto e banheiros privativos, acabei pagando um pouco mais por essas opções, mas achei bem válido, principalmente em San Pedro, na hora que você quer chegar do passeio e não ter que esperar para tomar um banho hahaha. Escolhi o Hostel Casa Flores em SPA e o Travessia BB em Santiago. Uma dica importante no Chile é pagar os hostels sempre em dólares. Nesse caso, há isenção de um imposto (IVA- 19%), o que já dá uma enoooorme economia. Como eu já tinha lido alguns relatos sobre hostels que não davam esse direito ao cliente, assim que reservei já me comuniquei com os lugares pedindo essa informação. Os dois foram bem solicítos em relação a isso e não tive problema nenhum. Ainda no Brasil, comprei os dólares para os hostels e alguns pesos chilenos para não chegar sem nada, mas gente NÃO façam isso. A cotação do peso é ridícula no Brasil. A do aeroporto de Santiago também não é nada boa, mas para esses trocadinhos realmente é melhor trocar lá. Na AFEX do aeroporto de Santiago a cotação estava 1 real a 177 pesos. Se tiver oportunidade de trocar no centro de Santiago é bem melhor ou até mesmo em SPA. Na mala, é imprescindível levar um abrigo corta-vento, calça comprida e tênis/botas confortáveis para caminhada, mesmo no verão, porque nos passeios de altitude o clima é imprevisível. Já na cidade faz muuuuito calor, então tem que levar umas roupinhas de verão também e um chapéu/boné porque o sol é matador. Muito protetor solar, soro fisiológico, bepantol e creme hidratante também são essenciais. Não senti os efeitos da altitude, mas é legal também levar um kitzinho de remédios para dor de cabeça. Quem tem hipertensão deve ficar bem atento e evitar os passeios de altitude se não tiver muito bem controlada. Fiz uma pesquisa na internet com algumas agências para ver o preço dos passeios, mas não fechei nada. Realmente se consegue preços bem melhores lá, mas é importante ir com uma noção dos valores. Tudo preparado, meu planejamento ficou assim: Dia 1- São Paulo- Santiago, Santiago-Calama, Calama- San Pedro do Atacama Dia 2- San Pedro do Atacama Dia 3- San Pedro do Atacama Dia 4- San Pedro do Atacama Dia 5- San Pedro do Atacama- Calama, Calama- Santiago Dia 6- Santiago Dia 7- Santiago- São Paulo Daqui a pouco volto, para continuar o relato dessa viagem incrível!! Continua...
  17. Depois de pensar muito sobre o que dar para a minha mãe de presente no seu aniversário de 60 anos, resolvi que o melhor investimento seria uma viagem para o Chile. Não me arrependi, ela amou demais! No site, detalhes do roteiro com valores, vídeo e fotos! http://www.tiapoly.com.br/mochilao-da-terceira-idade-santiago-e-atacama-com-minha-mae/
  18. barbara.hernandes

    Perrengues no Atacama

    Olha, difícil ter uma viagem onde tudo, absolutamente tudo, dê certo. Sempre tem algum plano que você tem que mudar, um horário, um trajeto, alguma coisa. Tem também aqueles mega problemas tipo ser assaltado, perder algo de valor, e nesse sentido já adianto que não aconteceu nada de mal. Mas essa viagem pro Chile teve perrengue e planos furados - alguns por puro azar, outros por sacanagem de outros, e finalmente, alguns simplesmente pela época do ano em que estivemos por lá. Sem mais delongas, vamos tirar o elefante da sala e falar de todos os perrengues de uma vez. #1 O vôo mudou de horário e não fomos notificados Isso nem foi um perrengue em si, mas acabou desencadeando em uma série de coisas que nos impossibilitou de ver as estrelas no deserto do Atacama. Mas com calma chego no fim desse causo. Nós sairíamos de SP às 8 da manhã e nosso segundo vôo, pra Calama, sairia às 14h de Santiago. Nosso plano era estar na cidade de San Pedro no máximo às 18h. No entanto, um dia antes, enquanto fazíamos o check-in, percebemos que o horário do vôo pra Calama aparecia como 16h e pouco. Nem eu e R. nem minha mãe e irmão recebemos nenhum tipo de notificação (compramos dois pares de passagens separados, foram duas reservas) e fiquei frustrada. Uma empresa grande como a LATAM não avisar? Estranho. Mas ok. Nem pensamos que isso afetaria em nada. (o restante do relato você pode encontrar lá no meu blog - http://www.barbaridades.net/2018/01/tudo-que-deu-errado-chile-2.html)
  19. Olá pessoal! Quero compartilhar com vocês o roteiro que eu fiz no Atacama e também servir de base para outros viajantes. Pra chegar lá eu peguei um avião de São Paulo até Santiago, e de lá eu peguei outro voo separado de Santiago até Calama, a Sky Airline que foi onde eu achei os voos com melhores preços. Chegando em Calama tem mais uma van que você pega até San Pedro de Atacama. Minha recomendação principal é que você deixei planejado os lugares que quer visitar pois nem todos tem disponibilidade todos os dias ou todos os horários ou passar mal por não estar aclimatado. Particularmente eu fechei todos os passeios com a mesma agência, consegui um bom desconto no final das contas pagando em dinheiro. Eu fechei com os Backpackers, que também estava com um preço de hospedagem bacana em quarto compartilhado no Hostel deles. Uma dica, os restaurantes lá são MUITO caros, mas tem um lugar meio escondido atrás do campo de futebol com alguns restaurantes mais simples e que são bem mais em conta e que oferecem basicamente os mesmos pratos dos restaurantes do centro. Pra localizar estes restaurantes é só procurar pelo campo de futebol. Como alguns lugares lá são distante e também pra não ter dor de cabeça eu preferi não alugar carro, fiz todos os passeios com a van da agência, e ia dormindo ou fazendo bagunça com a galera hehehe. Na Caracoles e nas ruas próximas é o centro, onde você acha as agências de turismo, bancos, restaurantes e etc. A cidade toda praticamente é voltada para o turismo. Primeiro dia Meu primeiro passeio foi fazer Sandboarding no Valle de la Muerte, geralmente este passeio é feito a tarde pois o sol está mais fraco, e não tem muito segredo, chegando lá o instrutor vai dar todas as dicas e ensinar todo mundo, e você pode cair na areia a vontade que não machuca. Pra este passeio recomendo passar protetor solar e levar bastante água. No mesmo dia fui fazer o Star Tour. Vale bastante a pela, você visita um observatório com vários telescópios gigantes e a instrutora vai explicando sobre as estrelas e constelações. No final você pode observar o céu usando os telescópios, eu consegui tirar essa foto maneira da lua apontando a câmera do celular na lente de um deles. Segundo dia O segundo dia foi Piedras Rojas, Salar de Atacama e Lagunas Altiplánicas, pra mim foi um dos que valeu mais o custo benefício, você passa o dia inteiro visitando uns dos principais locais do Atacama, neste tinha até almoço incluso. Terceiro dia O terceiro foi visitar os Geisers del Tatio, este é um dos clássicos! Muita gente compra roupa de frio so pra fazer este tour, mas acho que não precisa... É só levar várias blusas que você aguenta numa boa, este passeio é feito bem cedo porque é o horário que os geisers entram em atividade. Logo depois você irá para as águas termais, onde você toma banho na água quentinha. Dependendo de onde você agendou seu passeio, você passa por mais dois lugares, o Valle de los Cactus, e uma pequena cidade chamada Machuca. Neste dia também deu pra fazer o passeio mais clássico do Atacama, o Valle de la Luna Quarto dia Aqui eu visitei as Lagunas Escondidas, as famosas lagoas que você não afunda. Eu achei que valeu mais a pena que a Laguna Cejar porque estava bem mais barato e achei a experiência um pouco parecida. Quinto dia Este dia é pra quem curte bike! Eu fiz um pedal que passa por Pukará Quitor, Catarpe, Garganta del Diablo e Valle de la Muerte. É um pouco pesado, aproximadamente 40km no calor seco do Atacama, mas vale muito a pena! Se você quiser um ritmo mais leve, pode ir até Pukará Quitor somente que já vai valer o passeio. Este aqui eu não fiz com a agência, combinei e fui com um colega e fiz no hostel. Vou deixar um link com mapa e detalhes sobre como fazer este pedal lá, é só clicar aqui. Sexto dia Este dia eu subi o vulcão Lascar! Foi uma das experiências mais incríveis viajando. Pode ir tranquilo que qualquer um com algum condicionamento consegue fazer com calma, basta estar aclimatado antes que geralmente o guia caminha no ritmo do mais lento. Se ficar alguma dúvida pode me mandar mensagem que eu respondo. Eu também escrevi cada passeio detalhado no meu blog: http://www.trilhei.com.br/o-que-fazer-no-atacama-e-como-agendar-os-passeios-roteiro-completo/
  20. Primeiro quero agradecer ao Mochileiros.com por todo conteúdo disponibilizado que tanto me ajudou na organização dessa viagem. Quero dizer que as infos aqui compartilhadas, não só me incentivaram como me ajudou a fazer uma estimativa real de gastos para o meu estilo de viagem (voltei com R$100,00 porque acabei pulando muitas refeições menos em função do clima seco), o que foi excencial para a minha experiência. Então vamos lá! Comprei a passagem pra Santiago em setembro, em princípio ia somnte para lá. A vontade de ir ao Atacama era grande apesar da grana ser curta. Vi num tópico sobre sobre as passagens da SKY airlines (obrigada pessoa maravilinda), e num dia pós drinks cheguei alegrinha e bam, comprei uma passagem por 75USD -muito barata!!Como já sabia que os custos lá eram grandes, optei por ficar só duas noites- me arrpendi fique mais dois dias, Santiago é cara também. Meu roteiro ficou assim: Poa- Guarulhos- Stiago 24/12 Stiago-Calama-San Pedro - 25/12 San Pedro - 26/12 San Pedro- Calama - Santiago - 27/12 Santiago- 28/12 Santiago 29/12 Valparaíso/Viña- 30/12 Saniago- Guarulhos-31/12 Guarulhos-PoA - 01/12 Saí de Porto Alegre por volta das 13h esperei em guarulhos até às 20h (tempo que pareceu uma eternidade), cheguei em Santiago às 11:55 de lá aqui já era 00:55, imigração vazia e tinha um papai noel andadando por lá catei o Wifi gráis do aeroporto e fui dar Felix Natal pra família. Terminadas as comemorações fui catar um banco pra dormir. Frio pra cara*** ainda bem que estava com a corta vento amarrada na cintura, tive que me cobrir. Dormda, ás 3h fui pra área de embarque - a de embarque domésticos é melhor que a de internacionais- e me arrependi de não ter ido dormir por lá, bem mais confortável... Embarquei às 4h o voo saiu 5 e pouco. O voo, low cost, não tem serviço de bordo grátis é bem apertado, ainda bem que sobraram umas poltronas e pude deitar, dormi até Calama. Ahhh se você quer ver as cordilheiras sente do lado esquerdo, tanto vindo do Brasil quanto pra Calama. Chegando em Calama peguei o transfer da Lincabur, eles cumprem direitinho o lance das reservas então, apesar de ter chegado ás 7:20 saímos só às 9h pra esperar gente de um outro voo mas assim, a mesma seriedade vale pra volta, assim me disseram no hostel: Lincabur sempre passa!!! Iniciamos o caminho e que caminho, acordilheira ali sempre acompanhando, demorou cerca de 1:40h até San Pedro. Cheguei no hostel (Pange Norte), amei! O Staff era uma menina americana muito fofa, me ajudou a guardar a mochila e eu já saí em busca de tours pra tarde. Como era natal, muita coisa estava fechada, orcei em alguns lugares e fechei dois tours com a Tani Tani, fiz Valle de la Luna e Piedras Rojas por 45000CHL (o cara me deu 10000 de desconto pra fechar), troquei uns reais pois tinha tocado 100000CHL em PoA (a 180, o que foi uma cotação igual ás que peguei no Chile) e ahei que podia icar sem grana muito rápido e no outro dia o tour era o dia todo, achei um lugar na Taconao que estava trocando a 182, troquei mais 30000 e fui me preparar pro Valle. Passei num Armazém que tem próximo do hostel, comprei uma água de 6l por 1600CHL(vai por mim compre) pra reabastecer minha garrafa de 1,5l que tinha comprado no aeroporto e que já tinha ido.Comprei um pacote de pão com 4 tipo hamburger por 2000CHL uma lata de atum por 1750CHL e um tomate, fiz um sanduiche no hostel, troquei os tenis por uma bota, pus um boné a corta vento e na mochila água, salgadinho, protetor e bpantol (leve Bpantol! e use, use muito pq é seco pra cara*** e sua boca nariz vão sentir). Dei uma volta na pracinha, tirei umas fotos usei o wifi gratis da praça e fui pra agência pegar a van pro passeio. o passio, que vou dizer... maravilhoso! Você ve paisagens indescritíveis, passa por dentro de cavernas, sobe dunas enoooormes e , se tiver minimamente sentimento, vai se sentir insgnficante nesse mundo. No passio já comecei a conversar com duas Brasileiras de São Paulo, umas amadas. Descobrimos que iríamos fazer o tour do dia seguinte juntas e já combinamos! Ah elas tinham perdido as malas no voo da LAN pq era necessário pegar e despachar de novo pra Calama então, fiquem atentos. Depois do Valle subimos na Pedra do Coiote para o por do sol, aqui o vento pega, então LEVE CASACO! E leve boné (melhor que chapéu pois venta muito e o chapéu vooa vc pode perder se cair fora das trilhas onde não se pode pisar) pois o sol é de rachar e reflete na areia, nem preciso dizer que óculos escuros tb são ítem de primeira nescessidade. Chegamos perto das 21h, no hostel e fui pra fila do banho que estava um alvoroço pois a água estava acabando... consegui, mas tava um fiapo, fazer o que... deserto e hostel cheio.Na fila, conheci uma brasileira de Floripa, depois do banho sentei com ela e mais uns paulistas e catarinenses, muitas conversas sobre as viagens ... cama, podre, e tendo que levantar ás 6:30h pro passeio. Uma coisa divina desse hostel que achei, além da área comum que propicia o enconro dos hóspedes, é o colchão e a roupa de cama um mínimo de conforto depois do cansaço da viagem e das dunas. Continua...
  21. RobsonGeofísico

    Barateando a Viagem pelo Atacama - Vamos de Bike

    Se você chega da Bolivia em San Pedro de Atacama toma logo aquele susto com o preço das coisas e com aquele sistema monetário de milhares que confunde a cabeça. Mas calma! Dá pra baratear a viagem fazendo alguns passeios de bike! Se jogaaa!!! Você pode alugar a bike em várias casas de aluguel espalhadas pela cidade, o sistema de aluguel geralmente é por 6 horas (3.000 pesos - R$ 17,00) ou por 24 horas (8.000 pesos - R$ 45,00). Já de bike na mão você pode se jogar com tranquilidade no Vale de la Lula e e no Vale de la muerte essas atrações são há menos de 10Km da cidade e vocẽ pode ir aproveitando a paisagem em seu tempo. O conselho que fica é faça o passeio pela manhã ou no fim da tarde pois o sol costuma castigar no deserto. NOTAS: As locadoras dão um mapinha com os principais caminhos do Atacama. Eu só fiz o Vale de La Luna, mas dá pra fazer a laguna mais Cejar e vẽr as estrelas a noite.
  22. mschwartz

    Atacama de carro

    People, Tem muitos posts sobre os passeios no Atacama e as agências para se contratar. E de carro? É possível fazer todos os passeios de carro?
  23. fabianribeiro

    arquivo Deserto de Atacama

    [info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre a cidade de San Pedro de Atacama e o Deserto do Atacama. Se você está com alguma dúvida em relação à região, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece o Atacama, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info] [linkbox]Guia de Santiago por Mochileiros.com Escreva seu Relato sobre o Atacama Procurando companhia para viajar para o Atacama? Crie seu Tópico aqui! Deserto do Atacama - Tópico de Perguntas e Respostas Dicas - Deserto do Atacama Troque informações sobre Hospedagem em San Pedro de Atacama Deserto do Atacama de Bicicleta Relatos sobre o Atacama: Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Leo Caetano Relato sobre viagem de vinte dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pela mochileira Milena Garcia Relato sobre viagem de dezenove dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Xunfos Relato sobre viagem de vinte e cinco dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pela mochileira Samanthavas Relato sobre viagem de vinte e um dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro FHMartins Relato sobre viagem ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Michelschon Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pela mochileira Carla Nogueira Relato sobre viagem de sessenta dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Cmcf Relato sobre viagem de sessenta dias ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Dickens Relato sobre viagem ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Magno Fugisava Relato sobre viagem ao Chile, incluindo o Deserto do Atacama pelo mochileiro Morenopissedoff[/linkbox] Pretendo conhecer os seguintes lugares: 1. Cidade de San Pedro de Atacama Cidade de onde parte todas as aventuras para o deserto. Dentro da cidade será visitado o Museu Arqueológico de P. Le Paige. 2. Valle de La Luna Fica a mais ou menos 17 km de San Pedro de Atacama. Um lugar único no mundo onde tudo lembra a lua. 3. Toconao e Salar de Atacama Fica mais ou menos 38 km ao sul de San Pedro de Atacama. No caminho é possível ver de longe os vulcões Licancabur e Lascar entre outros. Chegando ao povoado de Toconao segue-se o salar até a Laguna Chaxa (habitada por flamingos) 4. Geysers del Tatio Campo geotérmico que fica a mais de 4.200 metros de altura que a partir das 5 horas da manhã cria um fenômeno incrível. Fica a mais ou menos 89 km. 5. Termas de Puritama O rio Puritama e suas águas quentes (30ºC) administradas pelo Hotel Explora mas de acesso público. Fica mais ou menos 28 km. 6. Pukara de Quitor A cerca de 3 km de San Pedro está o Forte Quitor, construído pelo povo atacamenho para defenderem-se de outros povos. 7. Valle de La Muerte A cerca de 3 km de San Pedro também está o Vale da Morte. Bonitas formações rochosas. 8. Lagunas Altiplánicas Misticanti e Miñique ficam a mais de 4.000 metros sobre o nível do mar e a mais ou menos 90 km de San Pedro de Atacama. A viagem desde San Pedro passa pelo povoado de Toconao e pela beira do Salar de Atacama. 9. Ruínas de Tulor Fica mais ou menos a 10km de San Pedro de Atacama. Vestígios de um antigo povo atacamenho com mais de 3.000 anos sepultado pela areia. 9. Tour Astronômico Uma agência na cidade (Rua Caracoles 174 C) oferece a mais ou menos $ 8.000 por pessoa (transporte e chocolate quente) um de 3 horas. Pode-se ouvir a explicação sobre o espaço e fazer uso dos equipamentos. 10. Vulcão Lascar (5.592 metros) Saída de San Pedro as 5:00h da manhã. Preço $65.000 por pessoa pela Vulcano Desporte Aventura - Dura o dia todo. Transporte até 4.600 metros (passando pelo Lagoa Lejía). Depois são 3 horas de caminhada até a cratera e mais 45 minutos até o cume. Uma hora e meia de descanso e voltamos para San Pedro de Atacama. Tudo leva apenas um dia! 11. Vulcão Licancabour (5.970 metros) Preço de $ 100.000 por pessoa (incluindo: guia especializado, transporte, café da manhã, lunch e equipamento pra camping). O circuito completo leva três dias saindo de San Pedro as 7h da manhã para chegar a base (nas ruínas incas a 5.000 metros). No segundo dia com uma caminhada de mais ou menos 8 horas chega-se ao cume (lá em cima tem uma lagoa). Voltando a San Pedro a noite. 12. Quebrada de Cari Saindo pela estrada que leva a Calama a mais ou menos 10km há um caminho antigo que leva a parte mais alta da Cordilheira de La Sal. Outros possíveis Llullaillaco (6.739 metros) é um dos mais altos mas é complicado de fazer. Levaria mais ou menos 4 dias. Vulcão Sairecabur (6.026 metros) Este leva apenas 11 horas (das 5 as 18) e custa $ 65.000. O veículo vai até uma "azufrera" abandonada (a mais ou menos 5.400 metros) passando os Geysers del Tatio. Um caminhada de 3 horas pra subida. Ojos del Salado Simplesmente o maior vulcão do mundo. Esse é mais complicado pra chegar até ele. Onde ficar? Camping Los Chañares Preço: $ 2.000 por pessoa (para barracas) Preço: $ 3.500 por pessoa (peças ou quartos?) Rua Ckilapana (umas 5 quadras do centro do povoado) Tudo bem simples. Banheiros e Duchas compartilhadas. 5 locais para obter água. Aberto apenas no verão. Casa Adobe Preço: 5 a 8 US$ (depende da tempo da estadia e temporada) Rua Domingo Atienza 582 (3 quadras da Av. Caracoles) Hotal Monyplan Preço: $ 5.000 (mais ou menos 8 dolares?) Rua Lesana 687 Banho compartilhado. Cozinha comum, água quente. Hotal y Camping Puritama Preço: consultar lá. Rua Caracoles. Tem quartos com banheiro particular (se optar). Hotal Katarpe Preço: ???? Parece ser o melhorzinho. Tem quartos simples com banheiro particular. Cafeteria, bar e Internet! Rua Domingo Atienza esquina Caracoles. A idéia é ir em Janeiro. Se mais alguém estiver por lá e quiser trocar uma idéia, estamos ae. Estou coletando mais informações e vou posta-las aqui pra que vocês consultem.
  24. HELENA ART

    DESERTO DO ATACAMA EM 10 DIAS DE CARRO

    Qual a estrada e roteiro que sugerem para eu, meu marido e filho fazermos de carro de São Paulo até o Deserto do Atacama em 10 dias? Sei que é apertado mas é o tempo que temos! Muito obrigada! Helena
  25. Vôos São Paulo à Santiago - LATAM: R$ 961.74 Santiago à Calama - SKY AIRLINE: U$ 116.48 Seguro Saúde Viagem Mondial: R$135,47 Transfers Aeroporto – Centro (Delphos): $6,900 Uber Bag Centro – Aeroporto: $17,460 Calama – San Pedro (ida e volta - transvip): $20,000 Aeroporto – Providência (Ônibus – Centropuerto) : $1,700 Transfer Providência – Aeroporto(Delphos): $8,500 Hospedagens Landay Hostel - Santiago Tipo de quarto: Particular com duas camas de solteiro com banheiro compartilhado Preço diária: U$44 para 2 pessoas Opinião: Não recomendo o hostel, apesar da localização central parecer boa, este hostel fica em uma rua em que não tem nada, um breu total de noite. Não achei seguro e de noite eles fecham a porta e você tem que ficar do lado de fora até alguém resolver atender a porta. As instalações são boas mas o banho foi frio. Kirckir Hostel - Atacama Tipo de quarto: Compartilhado com 4 camas - Feminino Preço diária: U$24 por pessoa Opinião: Recomendo. Bom café da manhã e os dias que você vai fazer passeio antes das 8, eles fazem um snack com lanche+suco pra você levar. Quarto arrumado e limpo. Tivemos problemas com a calefação no nosso quarto mas nada a ponto de congelar. Banheiro compartilhado do lado externo, 1 fechado e os outros tinha o teto meio de palha então podia entrar um ventindo indesejavel, porém banho quente. Me hospedaria denovo. Providência Hostal - Santiago Tipo de quarto: Compartilhado com 6 camas - Feminino Preço diária: U$18 por pessoa Opinião: Recomendo. Café da manhã muito bom, com frutas, pães, geléias, cerais, etc. O quarto feminino era bom, boas camas porém sem tomada em cada cama, tivemos que pedir um extensor. Não tivemos sorte com a calefação também mas nada que a gente ficasse morrendo de frio. Tem secador de cabelo para emprestar e os funcionários são bem prestativos. Passeios Atacama Chegando fomos cotar alguns preços e fechamos com a agência FOX TRAVEL. Gostei da agência, ela é bem simples mas com boas vans e ótimos guias. O único tour que recomendo fazer com uma agência mais especializada é o TOUR ASTRONOMICO. Valle de la Luna (Valle del Luna, Dunas, Mirador de Carl e Atardecer) Horário: 15:00 ás 18:30 Preço: De $10.000 por $7.000 Entrada: $3.000 Incluído: Nada Altitude máxima: 2450 Salar de Tara (Laguna Quipiaco, Monjes de la Pacana, Catefrales de Tara, Salar de Tara) Horário: 08:00 ás 16:00 Preço: De $55.000 por $40.000 Entrada: Não Incluído: Café da manhã e almoço Altitude máxima: 4800 Piedras Rojas (Tocpnao, Salar de Atacama, Laguna Chaxas, Socaire, Piedras Rojas) Horário: 07:00 ás 17:00 Preço: De $55.000 por $35.000 Entrada: $6000 Incluído: Café da manhã e almoço Altitude máxima: 4400 Geyser del Tatio (Campo geotermico, termas e poblado de machuca) Horário: 05:00 ás 12:30 Preço: De $20.000 por $15.000 Entrada: $10.000 Incluído: Café da manhã Altitude máxima: ?? Laguna Cejar (Laguna Cejar, Ojos del Salar e Laguna Tebinquinche) Horário: 15:00 ás 18:30 Preço: De $20.000 por $15.000 Entrada: $17.000 Incluído: Drinks e petiscos Altitude máxima: 2450 Tour Astronômico Horário: 20:00 ás 22:00 Preço: De $20.000 por $15.000 Entrada: - Incluído: Café, chocolate quente e alguns petiscos Altitude máxima: 2400 Passeios Santiago Palácio de la Moneda: Grátis Mercado municipal: Grátis Centro histórico de Santiago: Grátis Museu da memória e dos direitos humanos: Grátis Cerro Santa Lucia: Grátis Pub Crawl: $10,000 Viña del mar e Valparaíso: com agência $20,000 Cerro San Cristóbal: Sky Costañera: $7,500 somente de quarta. Outros dias é outro valor. Farellones Transfer: $15,000 Aluguel de roupas (não utilizei): $25,000 completo Entrada no parque + 2 horas de aula de ski + Equipamento de Ski: $34,000 Locker: $4,500
×