Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''peru''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
  • Destinos
    • América do Sul
    • África
    • Ásia
    • América Central, Caribe e México
    • Brasil
    • Europa
    • Estados Unidos e Canadá
    • Oceania
    • Oriente Médio
    • Volta ao Mundo
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar: Grupos e Eventos
  • Equipamentos
    • Equipamentos de Camping e Aventura
  • Avaliações
    • Avaliações
  • Estilos de Viajar
    • Mochilão Roots
    • Trekking e Montanhismo
    • Viagem de Barco ou Navio
    • Viagem de carro
    • Cicloturismo - Viagem de Bicicleta
    • Viagem de moto
    • Vanlife: Viver e viajar em uma casa sobre rodas
  • Classificados
    • Classificados
  • Central de Caronas
    • Caronas
  • Outros Assuntos
    • Papo Mochileiro e Off Topic
  • Blogs de Viagem
    • Blogs de Viagem
    • Posts
  • Guia do Mochileiro
    • Guia do Mochileiro
  • Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Travessias
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Arquivo
    • Arquivo
  • Ajuda e Suporte
    • Ajuda & Suporte

Encontrado 141 registros

  1. Huaraz - Peru parte IV

    Huaraz Depois do calor de Paracas, voltamos para o frio, dessa vez desembarcamos na cidade Huaraz. Chegar lá, não foi nada fácil, houve até pausa para decisão se a viagem seria feita ou não. O motivo da quase desistência? Leia-se: Não existe o trajeto Ica para Huaraz. Então, o desembarque em Huaraz só seria possível de Lima. Ou seja, teríamos que sair de Ica para Lima, o que nos rendeu quatro horas de viagem. Esperamos duas horas e depois voltamos para estrada direto para Huaraz, sendo mais 8 horas de viagem. Ao todo foram 14 horas de viagem, bem pouco se comparando com a viagem anterior. Mas, o item da grana e o cansaço da maioria, estava pesando sob a decisão. Fizemos o cálculo e no fim, se ficássemos em Lima, os gastos seriam os mesmo ou um pouco mais. Então, encaramos e fomos para Huaraz. O horário do trajeto era das 14h às 18h, sendo que às 17h nos serviram um lanche. E depois, chegando a Lima o trajeto foi 21h às 5:30 até Huaraz. Transporte: Cruz del Sur: Ica – Lima (49 soles); Lima – Huaraz (70 soles); Huaraz – Lima (70 soles). Huaraz nos recepcionou com um frio de arrepiar a espinha. Mais do que Cusco com toda a certeza. Huaraz é uma cidade pequenina com um pouco mais de 80 mil habitantes. É famosa por ser entrada do Parque Nacional de Huascaran, com suas cordilheiras brancas. Basicamente, a cidade vive do turismo, mas tem exportação de minérios e agricultura. Até pouco tempo era desconhecida pelos brasileiros, mais vem sendo parte dos pacotes turísticos, por suas lagunas e montanhas, principalmente por mochileiros que gostam de aventura e desafios. Ficamos três dias na cidade, mas a grana já curta, fez nos optarmos só por um passeio. Então descansamos no primeiro dia, passeamos no segundo e conhecemos a cidade no terceiro. SMLXL Ficamos hospedados no Hostel Akilpo. Por questões de logística e contratempos, ao definirmos o roteiro com datas, arrisca-se o fato de que nunca sabemos se tudo vai da certo, então, o pagamento de hospedagem antecipado, às vezes é obrigatório ou então reservar duas vezes o mesmo hostel com datas diferentes, como foi nosso caso (hehe). No caso, do hostel de Huaraz, chegamos no horário posterior do da reserva, então fomos obrigados a pagar a mais. A principio não gostamos muito, pois além do excedente, tivemos que pagar taxas extras. Estávamos cansados, e aquilo aumentou nosso mau humor, e tudo piorou quando soubermos que o grupo ficaria em quartos separados e o café não era incluso. Sentimos uma falta de organização tremenda e um pouco de falta de respeito. Mas, não tínhamos outra opção e no fim, sabemos lidar com a situação, tudo se organizou e no fim ficou tudo bem. continuação >> https://vivianln04.wixsite.com/macuxiviajante/single-post/2018/04/13/Peru-25-dias---Parte-IV
  2. Com o atraso de quase um ano, estou deixando aqui meu relato dessa viagem que fiz em Julho de 2017 para Bolívia e Peru. Na época Lula tava solto e tinha acabado de ser condenado, brasileiros ainda não tinham feito Piedras Rojas ser fechado pra visitação, Game of Thrones S07 tava estreando na HBO (assisti na viagem inclusive) e Despacito tava bombando no mundo todo. Desculpe quaisquer erros gramaticais ou de concordância desde já, e se esquecer algo que você quer saber, pode perguntar aí embaixo. PREPARATIVOS PRÉ-VIAGEM Os integrantes da viagem são eu e minha namorada. Planejamos a algum tempo nos mudar pra Irlanda, economizando nosso dinheiro para ir, portanto nas alturas de Fevereiro/17, ela vivia triste por que não íamos ver Machu Picchu antes de ir, que era um sonho antigo de nós dois, e provavelmente se desse certo na Irlanda, só conseguiríamos visitar essa maravilha do mundo moderno depois de uns 4 ou 5 anos, de acordo com nossos planos. Então em um final de semana desse fevereiro, a família dela ligou dizendo pra eu verificar uma passagem pra Cuiabá, onde parentes dela moram, para eles irem visitar. Ligaram pra mim porque sou uma espécie de agente de viagens independente e comunitário, sempre verificando pra parentada passagens. Não sei se outros mochileiros também tem essa funções voluntárias, podia tirar uma grana boa com isso. Ao verificar vi que realmente estava com uma promoção boa, a passagem estava muito barata. Achar algo de Macapá pra qualquer parte do Brasil com bom preço é muito difícil, muitas vezes tem que ter sorte, como foi esse caso. Então enquanto pesquisava pra eles as datas, me bateu um estalo de um relato antigo que tinha lido aqui uma vez, que falava de ir pra Bolívia por Cáceres, cidade próxima a Cuiabá. Na mesma hora a cabeça de viajante começa a ficar a mil, comecei a maquinar o percurso na cabeça, pensar se valia a pena, fazer cálculos, etc. Fiquei como a Nazaré. Bolando roteiro e calculando gastos de um mochilão ainda imaginário Após verificar tudo mentalmente, fui ver a volta. Tinha na conta Multiplus uns 15 mil pontos, que sobraram de outra viagem, e 15 mil na conta de minha mãe, que tinha transferido do cartão de crédito, que é de meu uso. Então como quem não quer nada, fui pesquisar quanto estava custando passagens de Lima para Macapá, somente a volta. Pan, 14.000 pontos cada! Com essa nova informação a cabeça ficou a mil, compartilhei com a namorada a descoberta. A gente tinha que decidir rápido, por que a qualquer momento podia mudar a pontuação ou o preço da passagem. Por fim, por causa da passagem muito em conta, e o sonho de ver Machu Picchu, resolvemos "embarcar" nessa!! Uhul, em um espaço de tempo de 2 horas, fomos de conformados a não visitar Machu Picchu, a ter Julho praticamente todo e alguns dias de agosto lá pras bandas dele. Euforia da viagem tomou conta, e passei a planejar furiosamente o roteiro e preparativos. Como tiramos a passagem com muita antecedência, tempo para se programar não faltou. Juntamos uma graninha, compramos algumas coisas que precisavam, outras já tínhamos do Mochilão feito para o Chile em 2016 (que também ainda não fiz relato, futuramente quem sabe). Abaixo terá a relação do que levamos em detalhes. Tudo pronto, fizemos o seguro viagem com a Real Seguros, que era a mais em conta, e já adianto que não precisamos utilizar os seus serviços, mas isso é uma coisa boa, melhor passar a viagem sem perrengues de saúde, pois como bem já dizia Paulo Cintura “Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa”. Agora vou falar de outra parada importante pra você se organizar pré-viagem. Como garantir que você não vai perder suas fotos tão queridas que você vai usar pra ter uma ideia do visual que viu ao vivo futuramente. Parece clichê falar mas as fotos não passam nem 50% da sensação que você tem ao presenciar tudo pessoalmente, todo o seu campo de visão preenchido por aquelas paisagens, a proximidade que você sente de montanhas e quedas d’água que nas fotos parecem estar muito distantes. Por isso, você tem que garantir que você terá as fotos para avivar sua memória, e também, para os que curtem as redes sociais de fotografia, compartilhar com quem quiser suas aventuras e conseguir aqueles likes. Para lhes safar dessa, o que eu digo é o seguinte: Tenha mais de um Backup. O sistema que eu uso até agora nunca perdi uma foto de viagens, dá um trabalho mas vale a pena. Ele consiste no seguinte: Ao final do dia, quando você voltar para o hostel faça o Ritual do Backup. Minha câmera tem Wifi, então eu passava as fotos que bati no dia pro Smartphone, e nele eu tinha o App Google Fotos instalado (tem pra iOS e Android). Com ele você consegue fazer o backup de fotos e vídeos ilimitadamente (mantendo a qualidade original das fotos) para a Nuvem. Então eu botava o celular pra fazer o backup no wifi durante toda a noite, enquanto recarregava-o. Além disso, sempre que o Hostel tinha Computadores para uso dos hóspedes, ou tava com um tempo livre e via uma lan house, eu pegava os cartões de memória e passava todas as fotos batidas pro HD externo, que ficava sempre comigo na mochila de ataque. Pode fazer isso que é garantido não perder nada! Durante nossa viagem achamos no chão uma bolsa contendo vários cartões de memória e acessórios de um casal alemão, que entregamos após gritar perguntando de quem era. Eles nos agradeceram bastante, porque disseram que não tinham backup e se perdessem teriam perdido as fotos de toda a viagem praticamente, que já estava no final. Não corra esse risco, sempre tenha o backup seguro. Desde já também já me desculpo por não ser mestre em fotografia como alguns que já vi por aqui, caras muito bons mesmo que manjam demais e nos entregam muitas pinturas para nosso deleite. Eu não tenho tanta noção assim de coisas básicas, mas tento fazer o máximo com o que sei, acho que deu pra fazer umas boas fotos na viagem. Julguem. INFORMAÇÕES IMPORTANTES LEVAMOS: R$3.500 cada, mais 150 dólares por via das dúvidas, com cartões de crédito para emergências (que não foram muito utilizados, só para pagar um ou outro hostel que não cobrava a mais ou até dava desconto). Deu de boa, usando o TrabeePocket pra calcular os gastos é difícil ficar apertado. Você vai saber quando o dinheiro tiver acabando, aí só pensar no que ainda vai querer fazer, calcular a comida, etc, que você não vai passar fome nem ficar sem camisinha pra uma eventualidade (mas se for fazer trilha, favor levar a uma boa quantidade, pra não ter que ficar pedindo nas outras barracas no meio da noite) e acabar gerando um mochileirinho não-planejado. CÂMERAS UTILIZADAS: - Semi-profissional Canon Powershot SX530HS. É boa por que a lente é angular, e tem um zoom bomzinho. Pelo preço, foi um bom negócio. - Gopro 3 - Motorola G4 - OnePlus 3T Para edição das fotos, não manjo muito desses aplicativos complicados, então somente fiz ajustes no Snapseed mesmo, nada mais. O QUE LEVEI: Em mim: Doleira durante toda a viagem, que não tirava pra nada (até tomava banho com ela.. brinks) contendo: - Dinheiro - Cartões - Passaporte Uma doleira é INDISPENSÁVEL no Mochilão. Todo mundo fala isso mas não custa repetir. Na Mochila de Ataque (uma caselogic de notebook veinha que tinha aqui): - Câmeras mencionadas acima, menos o Moto G4 - Acessórios diversos para as câmeras, como Tripé, bastão, etc 1 - HD externo para Backup das fotos sempre que possível 2 - Cartões de Memória 1 - Lanterna led (recomendo as pra cabeça, lhe deixa com as mãos livres) e baterias 1 - Fone de ouvidos 1 – Tapa-olhos (Para dormir sem incômodos) 1 - Tapa ouvidos (Mesmo motivo acima, pode ser usado fones de ouvidos intra auriculares também) 2 – Óculos de sol (favor levar um com uma lente de qualidade, especialmente pro Salar, pois seu uso é praticamente obrigatórios pois as corneas queimam por algum fator que eu esqueci agora, reflexo da luz solar no chão se não me engano) 1 – Par de Luvas 1 – Toalha Quechua Ultra Absorvente 1 - Kit Viagem com Shampoo e Condicionador 250ml 1 - Bepantol 1 – Desodorante Rolon 1 - Escova de dentes e pasta 1 – perfume em uma embalagem de viagem 50ml 1 – Protetor Solar (No mínimo uns 30fps, na altitude o sol dói mais na pele, pondo da maneira mais simples possível) 1 – Repelente loção (Spray talvez barrem) 1 – Rolo de papel filme 1 – Pacote de lenços umedecidos 1 – Pente 1 – Pasta com papéis como: mapas Salkantay, Passagens compradas antecipadamente de volta e Santa Cruz-Sucre e Seguro Saúde 1 – Powerbank 10000mHa (muito importante, principalmente nos dias sem energia que passei no Salar de Uyuni e na Trilha Salkantay) 2 – Cadeados (Para deixar suas coisas seguras nos lockers de Hostels) 1 – Carteira com pouca coisa, pra enganar besta em caso de um roubo, ou furto etc. 1 – Carregadores de todos os eletrônicos 1 – Extensão/filtro de linha e adaptadores de tomadas (As vezes você terá somente ou duas tomadas para utilizar e vários apetrechos para carregar, então leve no mínimo um Benjamin) 3 – Cartelas de Clorin para usar nas trilhas, porém já adianto que não foi preciso, sempre havia água disponível, mas nunca é demais previnir 1 – Bolsa com uma grande variedades de remédios: Estomazil, Ibuprofeno, Imosec, Multigrip, Aspirina, Buscopan Composto, Clarimir, Diamox, Tylenol, Esparadrapo, Gaze, Algodão, Oftalbiotica, Plasil, Tesourinha, Serra de unha. Foi bastante pesada, depois de um tempo deixei o shampoo e condicionador no mochilão, além de alguns acessórios de câmera que sabia que não ia precisar e a extensão e adaptadores de tomadas. Mas não tava nada absurdo, deu pra levar ou eu me acostumei depois de um tempo. No Mochilão (Uma Quechua de 40L que comprei na Decathlon): 8 - Camisas/Camisetas 1 – Calça Jeans (fui vestido) 1 – Calça Moleton 1 – Calça de trilha Forclaz Quechua modulável 2 – Bermudas 1 – Blusa Fleece 1 – Calça Fleece 1 – Blusa Moleton 1 – Corta vento 1 – Blusa Segunda Pele 1 – Calça Segunda Pele 1 – Tênis 1 – Sandália 1 – Bota Impermeável Timberland Flume Mid As roupas em camada são essenciais para o frio que faz, comprem tudo na decathlon que sim, é a mais em conta que tem em 95% das vezes. Eu não recomendo a bota da Timberland, apesar de se dizer impermeável, ela molhou na viagem, meus pés ficarem ensopados. Quando voltei entrei em contato com a Garantia (mesmo fora do período) e pedi meu dinheiro de volta. Depois de uma ameaça de Procon eles devolveram meu dinheiro. Não acho que esqueci algo muito importante, tudo me serviu muito bem na viagem. Planejamento é tudo, pensem bem no que vocês podem precisar, se informem nos diversos relatos que tem aqui para basear o seu. Abaixo uma foto da arrumação (ainda não saiu tudo aí, faltou coisa): Era véspera de viagem, não reparem a bagunça! Tudo pronto, planejado e organizado (viagem sem planejamento é privilégio de quem tem dinheiro, se você é liso como eu e quer aproveitar, faça-o), embarcamos para Cuiabá, onde não começa o relato (já que vou focar só na Bolívia e Peru) e termina o pré-viagem que falei até agora. Segue o roteiro padrão que seguimos, bem simples, lembrando que ele foi bastante personalizado, devido as situações pouco comuns de entrada e saída que tínhamos e também as prioridades de visitações. Foi tudo escolhido a dedo, então não sei se ele como um todo pode servir para pessoas que não moram no Mato Grosso, mas partes com certeza podem se encaixar com o seu. O importante é não engessar o seu ao que outras pessoas fizeram, e procurar fazer o que você acha que vai dar mais certo. ROTEIRO 05/07/2017 Macapá > Cuiabá 06/07/2017 Cuiabá 07/07/2017 Cuiabá 08/07/2017 Cuiabá 09/07/2017 Cuiabá > Cáceres 10/07/2017 Cáceres > San Matías > Santa Cruz 11/07/2017 Santa Cruz > Sucre > Uyuni 12/07/2017 Uyuni 13/07/2017 Uyuni 14/07/2017 Uyuni > La Paz 15/07/2017 La Paz 16/07/2017 La Paz 17/07/2017 La Paz 18/07/2017 La Paz 19/07/2017 La Paz > Copacabana 20/07/2017 Copacabana >Puno > Cusco 21/07/2017 Cusco 22/07/2017 Cusco 23/07/2017 Cusco 24/07/2017 Cusco 25/07/2017 Cusco 26/07/2017 Cusco 27/07/2017 Cusco 28/07/2017 Cusco > Machu Picchu Pueblo 29/07/2017 Machu Picchu 30/07/2017 Machu Picchu > Cusco 31/07/2017 Cusco > Huacachina 01/08/2017 Huacachina 02/08/2017 Huacachina 03/08/2017 Huacachina > Lima > Huaraz 04/08/2017 Huaraz 05/08/2017 Huaraz 06/08/2017 Huaraz 07/08/2017 Huaraz > Lima 08/08/2017 Lima 09/08/2017 Lima > Macapá Partiu terra dos Jajajas que tanto me fazem estresse nos jogos online! RELATO 05/07/2017–08/07/2017 Cuiabá Nesses dias ficamos mais com a família e fizemos passeios pela cidade. Então, para manter o foco do relato a Bolívia e ao Peru, vou passar pra quando fomos pra Bolívia. Fiquem abaixo somente com uma foto que tiramos na Chapada dos Guimarães: Meme look at all the fucks I give.jpg 09/07/2017-11/07/2017 – Ida para Uyuni Começamos nossa peregrinação onibulesca para Uyuni indo para Cáceres, de onde dia 10 pegaríamos um ônibus que nos levaria até San Matías, para que pudéssemos comprar nossa passagem para Santa Cruz de la Sierra. Já tínhamos a passagem de Santa Cruz para Sucre, e de Sucre iríamos pegar um ônibus para Uyuni. Pra quem quiser pegar esse caminho para entrar no Bolívia, você deve chegar em Cáceres (Vans da Meira Tur lhe pegam onde você estiver em Cuiabá, e lhe deixam em Cáceres), se dirigir a PF que tem lá, para informar sua saída do Brasil, eles lhe darão um carimbo e um papel para você entregar no retorno, então se dirija a Rodoviária e compre sua passagem para Corixá, onde fica a divisa com a Bolívia, fizemos como nos foi recomendado, chegando lá você verá vários taxistas só esperando sua ilustre presença, para lhe levar por uma estradinha de terra até San Matías, onde você deverá ir até a imigração e também fazer câmbio para pagar a passagem de ônibus. Troque somente o essencial, pois a cotação não vai estar muito boa. Não esqueça do principal na viagem: a arte de pechinchar. É assim que você se identifica como brasileiro nas viagens, porque os gringão dasoropa só perguntam o preço e pagam. Não faça isso, sempre há margem para um desconto sulamericano. Nós fazíamos uma estratégia good cop / bad cop, onde minha namorada ia na frente, perguntar o preço, e depois me dizia, e eu fazia aquela cara de quem diz que tá caro, e perguntava se não dava pra dar uma baixada. Quase sempre dava certo, então tenha isso em mente em todas as transações comerciais que fizer. Não vou me prender tanto na questão do câmbio, até por que as cotações já não estão as mesmas de quando fui. Para efeitos de conhecimento, levei 150 dólares e o resto todo em reais, pois na minha opinião perder 2 vezes ao trocar para dólar e depois a moeda local não valia tanto a pena na Bolívia. Já no Peru sim, então recomendo levar dólares para lá (se bem quem tá em crise lá agora, se pá deve tá bom reais também). Há várias postagens com dicas para câmbio, então não posso lhes ensinar mais que eles. No final da postagem vou deixar o que gastei nos dias que estou relatando, e desde já deixo a recomendação de um excelente aplicativo para você calcular seus gastos na viagem sem ter que ficar contando os borós onde chegar. É o TrabeePocket, nele você cria uma viagem com um período de tempo, e vai inserindo quanto tem, quanto trocar e tudo que gastar. Pra lançar na moeda local os gastos, você tem que comprar o premium do App, se não me engano são uns 8 reais somente. Vale muito a pena, pois inclusive é de onde agora, quase um ano depois, estou tirando os valores de tudo que gastei. Após você pode exportar seus gastos em forma de planilha, para consultar. Foi uma mão na roda. Com o andar da carruagem também vou falando outros apps que auxiliaram bastante na viagem. Infelizmente eu esqueci de botar no TrabeePocket os câmbios que fiz, então esse é outro motivo pelo qual não vou detalhá-los aqui. Retornando ao relato, chegamos na rodoviária, com pesos bolivianos trocados e o passaporte de entrada na Bolívia carimbado, eles também lhe dão documentos para guardar e devolver na saída do país, então baste cuidado com tudo isso, deixe sempre na doleira, ou em um compartimento seguro da mochila de ataque. San Matías é uma cidadezinha com estrada de chão, então tem muita poeira por lá, e o SOL também não dava muito sossego. Não é interessante, é bastante feinha, porém sem ela não chegaríamos a nossos objetivos de viagem, então não vou difamar a coitada. Compramos duas passagens para Santa Cruz, dois Salgadinhos, e ficamos lá, esperando nosso ônibus. Estava pensando aqui, e é engraçado que nos grandes centros turísticos de nossas viagens, é comum encontrar outras pessoas como nós, com mochila nas costas, talvez um bronzeado, aquela pinta mochileira. Já no começo da viagem, somos só nós, nos dirigindo aos lugares onde nos reunimos com os demais de nossa tribo. Isso é algo que sempre percebi e achei legal. Em San Matías nossa companhia nos ônibus eram trabalhadores rurais, vendedores de coca, e família Bolivianas, só nós dois e talvez mais um casal de turistas. Não é uma rota muito comum para entrar na Bolívia, nem muito confortável ou agradável, mas era o que tinha pra gente, então foi o jeito. Os perrengues fazem parte da rotina mochileira, e eu principalmente estava utilizando essa viagem também como uma espécie de prova de fogo que vamos conseguir nos manter na Irlanda. Eu pensava que se conseguíssemos passar aquele mês em 2 países novos, com todos os perrengues e cuidados inerentes ao mochilão, a Irlanda ia ser fichinha. Daqui pro final do relato vocês vão saber se a missão foi cumprida ou não. Bom acho, que por agora é só, no próximo capítulo vou narrar nossa chegada em Santa Cruz até Uyuni, e talvez o começo do Salar. Até lá! GASTOS DO DIA (lembrando que somos 2, então vou dividir o que gastamos e colocar o valor individual): 09/07 Suco E Laka Oreo – R$5 Passagens Cuiabá-Cáceres – R$66 Hotel Cáceres – R$35 10/07 Táxi para PF ida e volta – R$15 Passagem Van Corixá – R$25 Taxi para a imigração, câmbio e rodoviária de Santa Matías – R$20
  3. Olá mochileiros e mochileiras ! Tudo bem com vocês ? Como estão os planos para a(s) próxima(s) viagem(s) ? Estes próximos posts são para quem está almejando uma viagem ao Peru, e para quem ainda não tem isso em vista, após conhecer esse pedacinho de mundo bem do nosso ladinho, vai querer passar na frente na lista de destinos! Estou aqui para compartilhar um pouquinho dessa experiência incrível que tive o prazer de me proporcionar nesse ano de 2017. O intuito é te ajudar! Da mesma forma que sempre recebo muita ajuda por essa galera sensacional desse grupo! Seja bem vindos à minha viagem ao Peru, em 16 dias, por 8 cidades, sozinha, de mochila nas costas, coragem, mente e coração abertos! Como tudo começou: Como todo mundo que passa por aqui, sou uma garota que ama viagens e viajar! Fiz algumas viagens fora do país a passeio e a trabalho no ano de 2014. Nos anos seguintes, 2015 e 2016 minha vida foi só trabalho, não tive tempo para planejar viagens internacionais, acabei optando por conhecer cantos do nosso Brasil (AMO!). Porém, é sempre bom esse contato com culturas diferentes, lugares diferentes, pessoas diferentes, então, estava faltando algo em mim, eu precisava "sair por ai". Depois dessas viagens que fiz, dentro de mim tinha que a próxima seria aqui na América do Sul, então no final de 2016 comecei a ler muito sobre isso. Passei por aqui muitas vezes, li muitos relatos. A princípio, estava lendo sobre fazer Peru, Chile e Bolívia na mesma viagem. Porém, como não teria mais que 20 dias, estaria sozinha e por sempre ter mais lugares no Peru que eu desejava visitar, acabei optando por somente Peru. Dica: Relato do Rodrigo (@rodrigoalcure) ! Muito bom! Preparativos: Como eu já sabia que seria uma viagem estilo mochilão, desde final de 2016 já comecei fazendo a lista das coisas que precisava comprar. Veja! Toalha de microfibra (Dechatlon) Bota para trecking (Bota Finisterre Vento) Mochila cargueira (Quechua Escape 50 litros) Mochila de ataque (A mochila Escape já vem com a de ataque) Power Bank (Asus) Óculos de sol polarizado (Speedo Voley) Roupa segunda pele (Dechatlon) Meias para trecking (Dechatlon) Blusa fleece (Dechatlon) Casaco corta vento (Dechatlon) Câmera (Troquei de celular, fiquei com a câmera do Zenfone 3, Asus) Como podem ver, a maioria das coisas adquiri na Dechatlon! Lá tem tudo e com um ótimo custo benefício. Os outros itens fora da Dechatlon foram alvo de muita pesquisa, com isso, após o uso, indico todos! Abaixo, outros itens importantes que adicionei na minha lista de coisas para levar: Capa de chuva Kit primeiros socorros (Com remédios essenciais, band-aid) Adaptador de tomadas Zip Lock Lenço umedecido Protetor solar Kit para sono (protetor auricular, tapa olho, suporte para pescoço) Cadeado Doleira Pinça Linha/agulha Álcool em gel Tesoura Fora isso, o básico, que seriam as roupas de frio (seguindo o protocolo de 3 camadas), cachecol, luvas, toucas. Dicas: Leve repelente! Eu não levei, porém, em Machu Picchu você vai precisar! Leve um relógio, pulseira, algo que te forneça o horário e seja de fácil acesso o tempo todo. Manter a pontualidade é de extrema importância! Eu utilizei a minha smart band o tempo todo "colada" em meu braço. A mochila cargueira da Escape não foi suficiente, pois era muito pequena. Precisei comprar outra mochila durante a viagem. Como fazer caber tudo na mochila? Leve somente o que você vai utilizar! Como por exemplo, não precisa do pote inteiro de shampoo, separe e leve em um recipiente o suficiente para o período que vai passar lá. Evite itens em vidros, pois pesa muito na mochila. Duas semanas antes da viagem eu já comecei a separar as coisas que iria levar em um canto. Isso te ajuda a não esquecer nada! Roteiro: O roteiro foi fruto de muitas pesquisas! É a junção de todos os lugares que me fizeram querer aproveitar para explorar dessa vez somente o Peru! Passarei por 8 cidades peruanas. Olhem só: Passagens: Comecei a busca por passagens por volta de 2 meses antes. Acompanhei por um bom tempo o vem e vai de preços. Com a ajuda do Google Flights, consegui acompanhar as promoções e peguei um bom preço e nas datas que eu precisava. Dica: No Google Flights é possível você cadastrar as datas, voos e horários que você quer acompanhar e ele te envia e-mails de notificação quando o voo aumenta ou diminui de valor. Muito, muito útil! Depois que conheci, não usei outro buscador. Acredito que já dei umas boas dicas nessa intro As próximas, vou passando conforme relato os dias. Bora pro Peru, partiu! ...Continuação nos próximos posts Beijos! Tabata Instagram: @tatablita
  4. Um semana depois de voltar de viagem sigo encontrando pessoas, revendo amigos e conhecidos que me perguntam sobre essa experiência. Encontros e conversas em que ouço perguntas e comentários que podem ser divididos em duas ou três categorias. As quais poderiam ser nomeadas como: os que me acham maluca; os que me acham corajosa e/ou admiram o feito; os que não estão nem aí, nem pensam nada sobre. E isso tudo que tenho ouvido está me fazendo pensar sobre 'o porquê viajo sozinha'. Até porque eu não sei em qual categoria destas eu me colocaria, ou qual delas eu penso ser a mais justa para o que aconteceu. Por que viajo sozinha? Sempre fui (e ainda sou) bastante insegura. Não naquilo que sou, nos meus valores, convicções e caráter. Sempre tive muito claro o que é certo, o que eu quero para mim e como quero ser lembrada pelas pessoas. Mas sou insegura naquilo que faço, naquilo que sei, naquilo que quero dizer. A primeira viagem que fiz sozinha foi quando finalizei a faculdade. Vivia um momento de 'e agora?', de passagem de uma vida de estudante e estagiária para profissional. Foi a primeira vez que me vi longe de casa, em um lugar que as pessoas não falavam a minha língua e que eu precisei me virar. Com uma mochila nas costas, uma passagem de ônibus e pouquíssimo dinheiro, organizei meu tempo, fiz escolhas, somei amigos e vivências. Voltei feliz e confiante que sendo capaz disso, seria capaz de outras coisas também, principalmente as quais mais despertavam medo em mim. Fiz a seleção para o mestrado mais ou menos confiante, sabia das minhas limitações teóricas e de currículo. Fui aprovada. Vivi quase três anos de idas e vindas entre a minha cidade e Porto Alegre em que, com poucas exceções, viajava pensando 'guria, tu tá fazendo mestrado em uma das melhores universidades do país, tu conseguiu'. Mesmo assim as dúvidas quanto a minha capacidade e merecimento do que estava vivendo, me acompanharam durante todo o processo. Defendi minha pesquisa frente a uma banca que a aprovou praticamente sem sugestões de correção. Após a conclusão do mestrado, um retorno do terrível 'e agora?'. Senti que era hora de me testar novamente. Uma viagem mais longa, com trocas de cidades e voos com conexão. Um medo imenso, misturado com uma vontade quase necessidade de me arriscar. Fiquei dez dias longe de casa, sozinha com minha mochila, de hostel em hostel. Um planejamento que me acalmava, mas que dava espaço ao inesperado. O que no fundo era o que eu mais queria. Queria me arriscar, me testar, sentir na pele a intensidade da solidão. Voltei feliz, energizada e gritando pra mim mesma que viagens são o que eu quero acumular nesta vida. Então, respondendo: eu viajo sozinha porque me faz bem! Uma forma um tanto egoísta de me abastecer de segurança, uma forma um tanto intensa de sentir que sim, as coisas vão dar certo. Não penso em viajar sozinha sempre, não quero pensar nada a respeito. O que sei é que estar imersa em outra cultura me ensina, me ajuda a ver como somos pequenos em nossa rotina, e que tudo aquilo que pode me deixar triste ou insegura é pequeno demais em um mundo tão grande. O Peru, país escolhido para essa viagem, se mostrou acolhedor a todas essas minhas inseguranças. Pessoas alegres e dispostas a ajudar, lugares bem sinalizados e já bastante povoados por turistas (apesar de estarem em baixa temporada agora). Vivi as ruas bonitas de Lima, a praia em Miraflores e o centro histórico em dias sol. Já em Cusco, a sensação de não estar em 2018, despertada pela arquitetura. Ruas estreitas e cheias de história e cultura, pessoas caminhando para todos os lados, disputando lugar entre as ofertas de tudo que se pode imaginar. A viagem de trem até Águas Calientes, a energia de uma cidadezinha ao pé daquilo que eu mais esperava. Minha subida até Machu Picchu foi pela trilha: eu recomendo! Uma paisagem que motivava degrau por degrau e que foi compensada pela beleza de uma cidade lindíssima. Arrepio e choro ao entrar, saudade e muitas fotos ao sair. Viajo sozinha não porque não tenho amigos ou pessoas para me acompanhar, mas porque vejo nessas experiências a oportunidade de conversar somente com a Fernanda, levar ela para o mundo e deixar que ela veja que há muito mais lá fora. Muitas vezes senti minha mão sendo pega por mim mesma, como se houvesse outra Fernanda, bem mais segura, que garantia 'é por aqui'. Por isso não me sinti sozinha. Não fui nem sou triste comigo mesma, pelo contrário. Viajo sozinha para provar para mim mesma que eu sou o que tenho de mais importante. Que minha família e as pessoas que sinto saudade são as que quero sempre por perto.A intensidade de estar só e longe de casa possibilita outro ângulo de olhar, faz ver o que realmente importa. Um deslocamento que sacode e faz ver a pequenez de tanta coisa que, de perto, parece grande. E, por fim, viajo sozinha também porque sou, como dizia Frida Kahlo "o assunto que conheço melhor", minha melhor companhia, a pessoa que quero mais bem e feliz. O que entendo ser uma construção primeira, algo que fará que eu seja uma boa companhia para quem for comigo nas próximas viagens, ou quem permanecerá perto por aqui mesmo. Viajem sozinhos. É o que desejo.
  5. Peru 25 dias

    Primeiramente, é a primeira vez que escrevo na página. Resolvi relar, pois quanto mais informações e pontos de vistas diferentes, melhor. Eu tenho um blog chamado Macuxi viajante. Mas, como nao e conhecido, as vezes não chega nos sites de busca. Peru não era meu destino de fim de ano, eu iria para outro lugar bem diferente. Mas, como nem tudo é do nosso jeito, às vezes é até melhor, recebi um convite de uma amiga da época de faculdade para fazer um mochilao por esse País, com ela e mais cinco amigos. A principio fiquei com receio, não pelo lugar, pois eu topo tudo. Mas, sim por ser uma viagem em grupo, estou acostumada a viajar sozinha. Em grupo sempre tem divergências, mas ela me garantiu que o foco de todos era o mesmo - viagem boa, barata e diversão. Arrisquei minhas fichas e topei o desafio. Uma semana depois, já tinha comprado a primeira passagem da jornada, não tinha mais volta. A galera já tinha pré-definido os lugares do roteiro, só faltava questões de hospedagem, passeios e afins. Depois, de saber os lugares, fui pesquisar um pouco e comecei a ficar angustiada com essa viagem. Estava animada, mas preocupada, a ponto de pensar em desistir. Quanto mais lia sobre o lugar, me apaixonava, mas ao mesmo tempo eram tantos relatos de gente passando mal, por causa da altitude e que precisava de preparo físico. Que comecei a pegar mais pesado na academia e fazer alguns tipos de exames, como cardiorrespiratório. Eu tinha histórico de asma, rinite alérgica, gastrite, então tudo de ruim passava na minha cabeça, mas no fim deu tudo certo. Tanto a viagem em grupo, como a ótima adaptação do corpo ao local. Então, vamos embarcar nessa?! Let’s go! Nossa viagem seria de 25 dias. Como saindo de Boa vista direto para Cusco seria muito caro, nosso caminho era um tanto estranho, mas interessante e bem mais barato. Passaríamos por mais de 10 cidades e ficaríamos em 06. E 03 países diferentes. 1º PARADA – PORTO VELHO. Saímos de Boa Vista para Porto velho de avião com conexão em Manaus, dia 25 de dezembro. Chegamos à noite e fomos direto para rodoviária de Porto Velho (que lugarzinho mais feio, de Boa vista é bem melhor!!). Ônibus de Porto velho para Rio Branco: Empresa Amatur R$ 62,00 (Esse valor era promoção de natal, geralmente é quase o dobro!). Tempo de viagem: 8h. 2º PARADA – RIO BRANCO. Chegamos à rodoviária de Rio Branco 7 da manhã (Me impressionou a estrutura, achei que era ruim, mas o lugar é bem legal). De lá fretamos um táxi empresa Acre táxi com Josias até Brasiléia, por R$ 100,00/ pessoa. Tempo de viagem: 3h 3º PARADA – BRASILÉIA. Chegamos a Brasileia 11h e de lá pegamos outro táxi para Iñaperi (fronteira do Peru) com o taxista Mateus. O valor de R$ 100,00 que pagamos já inclui esse segundo táxi. Tempo de viagem: mais ou menos 1h. 4º PARADA – IÑAPERI. Chegamos a Iñaperi. O Mateus foi bem solicito. Passamos pela imigração brasileira para carimbar passaporte ou identidade. Ele nos levou para almoçar, pagamos em torno de R$ 10,00 para tomar uma sopa de sêmola (muito gostosa) com direito a refresco. E ainda provamos Res com maní (carne de boi com amendoim). Ele também ajudou no cambio, com a Noemi. Obs. Achávamos que o cambio estava 1 x 1, mas quando chegamos lá estava 1 sole por R$ 0,87. Era o melhor que tinha, perdemos uma quantia considerável. Mas, eu troquei mais duas vezes em Cusco e Lima, ambos por R$ 0,91. Um pouco melhor. Antes de sair de Iñaperi, precisávamos passar pela imigração peruana, dá entrada no País. Tinha uma fila considerável. A imigração é bem tranquila, você preenche o formulário e eles perguntam quanto tempo você vai ficar no País e carimbam com os dias que você pode permanecer. Se caso você, ultrapassar da data de saída, você pagará uma multa. Próximo destino seria Puerto Maldonado. O Mateus nos ajudou com carinha da Van que iria para Puerto por 30 soles/pessoa (até a rodoviária de Puerto). Eram 230km.Tempo de viagem:3h e meia. Contato: Mateus – (68) 99987 1091 5º PARADA – PUERTO MALDONADO. Mais uma vez nos impressionamos dessa vez com a dimensão de Puerto. Achei que era uma cidade bem pequena, mas não. É um mundo e bem congestionada. Se tivéssemos tempo e dinheiro, podíamos ficar lá para curtir pelo menos uma noite. Mas fomos direto para a rodoviária. Compramos nossa passagem para Cusco pela Cruz del sur – cruzeiro suíte. 77 soles com serviço de bordo + 3 soles da taxa de embarque. Saída 21h e chegada 7h. Obs.: O ônibus é barato para comodidade que temos e se comparado com as empresas brasileiras. A poltrona reclinável 160 graus, confortável, tem cobertor, tem travesseiro, tem televisão com filme/fones de ouvido, tem todas as refeições, é espaçoso, entrada USB, tem wifi (mas não funcionou). Como não tínhamos certeza do horário que iriamos chegar, então compramos na hora. E tinha bastante vaga. E outra observação é sobre despacho de bagagens. É da mesma forma que avião, eles pegam sua bagagem antes de entrar no portão, para despachar para o ônibus. Como minha mochila era pequena, não tinha necessidade. Isso funciona em todo o Peru e Bolívia. A estrada peruana é ótima! 6º PARADA – CUSCO. Todo o detalhe desse lugar será dito em outro post. 7º PARADA – ICA/PARACAS Todo o detalhe desse lugar será dito em outro post. 8º PARADA – HUARAZ Todo o detalhe desse lugar será dito em outro post. 9º PARADA – LIMA Todo o detalhe desse lugar será dito em outro post. 10º PARADA – SANTA CRUZ DE LA SIERRA. Saímos de Lima para Santa Cruz de avião no dia 15 de janeiro. Esse roteiro parece estranho, mas foi um meio de economizarmos em passagem aérea. Aproveitamos as oportunidades. Mas, não é um caminho que aconselho muito, é cansativo, mas não deixa de ser uma opção. O cambio foi de 1 sole para 1,70 bolívares. Trocamos no aeroporto de Santa. Trocamos pouco, pois ficaríamos só um dia. E eles não trocam moedas! Voltei com 10 soles em moeda para casa...^^ Chegamos 4 da manhã e pegamos um ônibus que saía do aeroporto para pontos estratégicos da cidade. O valor independente do destino. O funcionamento é de 6:30 – 22h. Todos os dias. Sai um ônibus a cada 20 minutos. O ônibus diurno é 6 bolívares e o noturno é 4 bolívares. Ele nos deixou em um local lá perto centro e pegamos um ônibus comum por 2 bolívares perto da rodoviária. Ficamos em um hostel em frente à rodoviária. O hostel 13 de dezembro. Dividindo o valor entre os sete, a hospedagem ficou 43 bolívares. O hostel era só para descansarmos um pouco. Então escolhemos pelo preço, pela disponibilidade mesmo. De modo geral, não era ruim. A comida precisa ter cuidado de onde comer. Enquanto o pessoal dormia, eu saí para comer aos redores, não comíamos direito há horas. Depois, de andar um pouco e sem opções entrei no restaurante e pedi um frango frito. A comida estava longe de ser boa, mas me ajudou a enganar a fome. Mas, esteja com remédio da verme em dias. Estômagos muitos sensíveis, podem não se adaptar. O almoço foi 14 bolívares. Santa cruz de la sierra é uma das cidades mais populosa de Bolívia. Mas, pela primeira vez eu queria embora cedo. A cidade é estranha. Muitos brasileiros moram lá para cursar medicina. Mas, particularmente não gostamos. Não sei se porque não a conhecemos mais, ou se fomos só na parte pobre. Mas, não temos o que elogiar. Os bolivianos de modo geral são grosseiros, mal te respondem. Eu achei cidade cara, sem pensar em conversão de moeda. Uma agua era 6 bolívares. Conhecemos a Plaza 24 de setembro, que foi o local mais simpático que vimos por lá. E limpo. Além da linda catedral basílica de st. Lawrence. Nós embarcamos de ônibus para Puerto quijarro/Suarez à noite e chegamos por volta de 7h da manhã lá. As passagens já tinham sido compradas pela internet uns dias antes. E lá na rodoviária só trocamos pelo bilhete. Empresa: não lembro o nome R$ 78,00. A empresa é desorganizada e o ônibus é bem ruim. 11º PARADA – PUERTO SUAREZ. Na rodoviária de Puerto Suarez, pegamos um taxi ate a fronteira com Brasil. R$ 5,00/pessoa. Chegamos cedo, mas já tinha uma fila enorme na imigração boliviana. Passamos a manhã toda na fila e sol quente. Na fila já nos ofereceram a van que iria direto para Campo Grande, sem precisar ir para Corumbá. E fechamos com eles. Carimbaram nossa saída da Bolívia. Os bolivianos pagam uma taxa para entrar e sair no Brasil. Quando andamos um pouco, pensando que já estávamos indo embora, deparamos com uma segunda fila enorme para da entrada no Brasil na fronteira brasileira. O que achamos uma burrice, por que brasileiro precisa da entrada no Brasil?! Depois, de muito tempo, um oficial da PF pegou os documentos de todos brasileiros e entrou para tentar facilitar as coisas. Saímos da fronteira para Campo Grande meio-dia e chegamos 18h (horário local). Em termos gerais, foi mais 4h de viagem. Empresa da Van até Campo Grande: Vanzella – R$ 120,00/pessoa. 12º PARADA – CAMPO GRANDE. Ultima parada da viagem e já não tínhamos dinheiro. Mas, o cartão salva (rsrs). A cidade é parecida com Boa Vista. Parece tranquila de se viver e fácil de dirigir na cidade. Mas, tem quatro vezes mais habitante que aqui. Passamos três dias. E foi mais para descansar. A cidade em si não tem muito que fazer. Os turistas vão para lá para visitar Bonito e o Pantanal. Que são as atrações do estado. Mas, em janeiro é alta temporada, então é muito caro. E não tínhamos Money. Andamos pelo centro, fizemos algumas compras. Conhecemos o Parque das nações indígenas que fica bem pertinho do Shopping campo grande. O parque é grande, legal para fazer piquenique, esporte. O aquário localizado dentro do parque ainda esta em construção. A noite uma opção que todos falam é Valley, tem três casas de shows, mas na quinta o dia que fomos só uma delas estava aberta. A casa de show é tipicamente sertaneja, hit de campo grande. A casa é bem decorada, até demais. Acaba diminuindo o espaço para as pessoas dançarem. As duplas que cantaram são boas, mas tocou também outros tipos de musicas. A entrada era R$ 25,00. E as bebidas são de 10 para cima. De modo geral é boa, mas, nada demais. Hospedagem: Pousada e camping Santa Clara – Rodrigo (67) 9695 4722 Endereço: Av Vitor Meireles, 125. Bairro Universitário. R$ 32,00/diária (reservamos pelo Booking). Pontos positivos – o hostel parece uma chácara, bem grande e ventilado. Os quartos são bons. Tem café e é gostoso. Você pode usar a cozinha e lavanderia quando quiser. Tem internet. Tem sinuca, piscina que pode ser usado à vontade. O proprietário é bem tranquilo e sem burocracia. Perto da rodoviária. Pontos negativos: não seria um ponto negativo, mas a localização não e pertinho do centro. Da uns 20 minutos de carro. Para algumas pessoas isso pode ser ruim. Como a viagem foi longa, não tem como escrever tudo em um post. Então, publicarei aos poucos. Além de falar sobre o que levei na mochila, quais remédios levar e etc.
  6. fala pessoal, sou do mochileiros há mais de 15 anos! muito tempo rodando por aqui....afastado a bastante tempo, mas to de volta! em 3 meses embarco com minha esposa e dois filhos (de dois anos e meio e 5 anos de idade) para um mega mochilão! eles tem pouco tempo de vida mas já rodaram um bocado...mas nada comparado a essa viagem! na verdade acho que vai ser a mais desafiadora da minha vida. Viajar com filhos pequenos é mais aventura que escalar o k2!!!!!!!!!!! kkkkkkkkkkkk enfim, vais ser mais ou menos isso aqui: 28 de ABRIL – VÔO RIO LIMA 29 DE ABRIL – LIMA – Manhã – praça de armas (catedral com catacumbas, casa do arcebispo, etc) – almoço – tarde huaca pucllana – janta huaca puclla – parque das águas pra fechar o dia Relax, pracinha, descansar, parque das águas pela noite 30 de abril – LIMA - PARACAS em onibus DIA 1º DE MAIO – PARACAS Passeio deserto costa cliffs e ilhas balestas DIA 2 DE MAIO – PARACAS – ICA – DESIERTO DE HUACACHINA DIA 3 DE MAIO – PARACAS – LIma DIA 4 DE MAIO – LIMA CUSCO DIA 05 DE MAIO – CUSCO Descansar, passeio pela cidade, não se movimentar muito, ver citie tour DIA 06 DE MAIO – CUSCO City tour, mercado central , comer, relax, descansar... DIA 07 DE MAIO – Maras e Moray (salineira) DIA 08 – ir para Ollantaytambo – ir cedo, contratar guia local volta pelas ruinas, passeios, curtir DIA 09 – Ollantaytambo – relaxar na cidade DIA 10 - OLLANTAYTAMBO – AGUAS CALIENTES EM TREM DIA 11 – MACHUPICCHU E RETORNO A CUZCO – domir em CUSCO posada del viajero DIA 12 – CUZCO – PUNO – 8 da manhã DIA 13 – PUNO - ILHA DE URUS URUMA ONDE VAMOS DORMIR DIA 14 – PUNO – COPACABANA DIA 15 – COPACABANA – DORMIR NA ILHA DO SOL DIA 16 – COPACABANA - LA PAZ DIA 17 – LA PAZ DIA 18 – VOO LA PAZ IQUIQUE DIA 19 - IQUIQUE DIA 19 – IQUIQUE – SAN PEDRO DE ATACAMA DIA 20 – ATACAMA DIA 21 – ATACAMA DIA 22- ATACAMA DIA 23 – ATACAMA DIA 24 – ATACAMA DIA 25 atacama jujuy - DIA 30 - VOO SALTA - RIO. ENFIM, ESSE é o roteiro, quero pegar dicas específicas dos lugares que vamos. A maioria dos hoteis já estão reservados...com dois pirralhos não da pra arriscar muito.
  7. 12/12- SUCRE Fala gente! Vi que já tem uma galera acompanhando o relato e fico muito feliz de saber que estou ajudando alguém Então, tentarei escrever o relato em até dois meses, afinal, quero escrever tudo bem detalhamente com preços e tudo mais, e sei que é bem chato ficar esperando um relato muito tempo. Eu esqueci de falar que nós levamos todo nosso dinheiro em dólar, porque vale mais a pena, o real não compensa muito lá fora. Indico também trocarem o dinheiro aos poucos, porque você corre menos risco de perder dinheiro. Pra vocês terem noção, trocávamos nosso dinheiro aos poucos e pagávamos R$3,30 mais ou menos e quando fomos trocar da ultima vez, pagamos R$3,45, imagina quanto dinheiro não vai nesses 15 centavos. Bom, dito isso, vamos lá. Chegamos em Santa Cruz 1h20 e o nosso voo para Sucre seria só 11h. Passei as 10h mais entediantes da minha vida, tentando dormir naquele banco duro do aeroporto, mas sem sucesso né. Dada a hora do embarque, fizemos o check-in, foi bem tranquilo, mas façam com antecedência porque ouvi falar que sempre tem muita fila. Nós voamos com a Amaszonas e gostei da de voar com a companhia. O avião estava cheio com todos os bancos ocupados. Foi servido apenas um café com leite, mas não esperava mais que isso, eu tava na maior larica e o cafezinho deu pra dar uma enganada, uma dica é sempre levem uns snacks do Brasil, a larica vai bater e você não pensar duas vezes antes de gastar aquela grana no aeroporto. Por sorte, ainda tinha sobrado algumas comidinhas na mochila e eu comi. O voo durou uns 40min ou menos, foi bem rápido. Dica: Eu indico comprar a passagem aérea para Sucre, vi em muitos relatos que as estradas da Bolívia não são muitos boas e até um pouco perigosas, sem contar que a viagem é bem demorada, então invistam nisso. Compramos ainda no Brasil. Chegamos em Sucre e detalhe: não tínhamos nenhum boliviano, porque pensamos "ah, vamos deixar pra trocar dinheiro no aeroporto de Sucre" maior erro que cometemos. Quando chegamos no aeroporto e fomos procurar uma casa de cambio, NÃO TINHA NENHUMA! Nós fodemos legal haha Ficamos besta de como um aeroporto não tinha uma casa de cambio, e pior é que o aeroporto ficava no meio do nada, não tínhamos pra onde ir hahaha Então, lá fomos nós procurar um taxista que aceitasse dólar ... Achamos um que estava cobrando Bs.60 e acabamos fechando por $10 (obvio que perdemos dinheiro). Depois de uns 20min. chegamos a Plaza de Armas. Como eu já tinha baixado o mapa da cidade e eu já tinha um hostel em mente, então foi fácil encontrar o lugar- se o mapa não tivesse nos levado para o lugar errado- mas depois de tanto andar, encontramos o bendito hostel. Ficamos no Kutur Berlin, super indico esse hostel galera, foi bom e barato, bem localizado e já tinha café incluso (melhor café da manhã da viagem). Deixamos nossas coisas, tomamos uma ducha, fomos trocar dinheiro e finalmente comer. Eu estava quase desmaiando de fome, encontramos um restaurante bem legal (e barato ). Se chama Condor cafe, é um lugar bem aconchegante. Comprei um pastel de queso (com uma massa bem diferente do nosso pastel hahaha) e um refrigerante com aparência de xixi e gosto de guarana. Depois fomos numa loja comprar agua e uma batatinha (que eu odiei). Fomos passear um pouco pela cidade e devo dizer que eu não dava nada pra Sucre, mas cheguei lá e me encontei pela cidade, ela é bem charmosa, vale a pena ficar um dia na cidade e conhecer seus principais pontos. Fomos no mirador de la Recoleta e em um outra praça, cujo nome não lemro. Fomos numa especie de parque dos dinossaouros (não é aquele pago), eu não sei porque, mas os bolivianos tem um apego com dinossauros, que eu não compreendo hahaha Depois fomos só andando e admirando a cidade. Fomos ao mercadão e acabamos comprando umas uvas com uma venderdora muito simpatica, que até nos deu umas uvas de brinde. Eu queria ter mais fotos da cidade pra mostrar pra vocês, mas não vai ser possível e mais tarde eu conto o porquê. Cuidado com o que vocês vão comer desse mercadão, porque os Bolivianos no geral não são muito higiênicos e algumas coisas são meio duvidosas. Se for comprar frutas, lave muito bem. Por exemplo, tinha uma mulher arrumando o cabelo da filha do lado das carnes (que também estavam com um cheiro bem estranho ). Então, fiquem espertos. Fomos procurar um lugar pra comprar nossas passagens para o Uyuni, a ideia inicial era comprar direto no terminal, mas não valia muito a pena porque teríamos que pagar o táxi, então íamos acabar gastando mais. Compramos no nosso hostel e pagamos um preço Ok, pagamos até mais barato do que havíamos planejado Compramos pro dia seguinte as 18h. Fomos pra Plaza a noite e como estava no mês natalino a Plaza estava linda, toda iluminada <3 Ia ter meio que uma festa no hostel mas eu preferi dormir, porque eu estava morta. Dormi tão bem que nem ouvi o barulho da festa haha Já no outro dia, tomei aquele café da manhã divino do Hostel, como lá também é um restaurante, então o café da manhã é TOP. Acabei conhecendo o Tomek, da Polônia e a Francesca, da Alemanha. Ficamos conversando um bom tempo e a Francesca nos eu varias dicas do Uyuni. Saímos pra conhecer mais da cidade, mas eu já estava meio cansada da cidade, pois já tinha conhecido tudo lá Almoçamos no hostel mesmo, encontramos o Tomek e almoçamos juntos. Não, e que almoço top hein haha Comi sopa como entrada (é sempre sopa), depois batata, arroz com mais alguma coisa, um refresco de Gergelim (horrível) e de sobremesa foi uma salada de frutas, adorei. Como não tínhamos nada pra fazer, jogamos Uno com o Tomek e foi bem divertido (Uno uni as pessoas, já to avisando ). Tomek nos levou em um Cafe muito legal, que eu amei de verdade, se eu pudesse voltaria lá agora. Era uma loja de chocolate mas também uma cafeteria. Parece que eu experimentei o chocolate de verdade, o lugar se chama Para tí, se puder, vá nesse lugar. Já estava dando nosso horário, então fomos arrumar nossas coisas. Infelizmente não conseguimos nos despedir do Tomek, então tivemos que ir. Fomos pra Plaza para encontrar um táxi e acabamos encontrando um Brasileira, chamada Nádia e foi muito bom encontrar alguém da minha terra (e eu nem sabia que estava com saudades), ficamos um bom tempo conversando e quando percebi já estava um pouco atrasa para o embarque, então fomos comprar água e achar um táxi. Fiquem espertos com os táxis, pois assim que eles veem que você é turista, já aumentam o preço. Eu indico perguntar sempre antes pra alguém ou algum nativo, quanto custa o táxi, porque assim você vai com o preço em mente. Se eles jogarem um preço muito diferente, já fala "no, no voy pagar eso, tengo poca plata" e ameaça ir embora, ele abaixam o preço rapidinho . Sempre pechinche, dá certo na maioria das vezes. Pegamos o táxi e depois de uns 15min chegamos. Parecia uma guerra, todo mundo gritando no seu ouvido, tentando te puxar pra agência deles haha é horrivel, foca no que você quer e não dá corda pra ninguém la hahaha chegamos no guichê pra pegar nossas passagens, comprem a passagem sempre com antecedência (pelo menos um dia antes) porque essa companhia (aviação 6 de Octubre) é a única que faz o trajeto direto pro Uyuni, então lota bem rápido. Pagamos a taxa do terminal e ficamos esperando dar o horário, nesse meio tempo conhecemos o Vicent, da França. Muito simpático, ele disse que ia pra Cusco na mesma época que a gente, então já trocamos contatos e combinamos de nos encontrar lá. Dado o horário nos despedimos dele e fomos pro ônibus. Tivemos que rodar o terminal inteiro pra encontrar a bosta daquele ônibus, que não estava no lugar indicado na passagem. Bolivia é terra sem lei galera, tivemos que ir pedindo informação até achar o bendito ônibus. Encontramos e fomos encarar 11h de viagem. GASTOS: Táxi: $10 Câmbio: $1= Bs.6,90 (Trocamos $165= Bs.1137) Água: Bs.5 Batata: Bs.5 Pastel de queso: Bs.9 Refrigerante com aparência de xixi: Bs.6 Uvas: Bs.20 Passagem pro Uyuni: Bs.80 Almoço: Bs.23 Café: Bs.9 Água: Bs.6 Táxi para o terminal: Bs.12 Taxa do terminal: Bs.2,50
  8. Boa tarde amigos, venho relatar aqui a viagem de 29 dias que minha namorada e eu fizemos por 4 países. Depois de muito pesquisar aqui no site acabamos fazendo o seguinte roteiro: Santa Fé, Mendoza, Santiago, La Serena, Antofagasta, San Pedro de Atacama, Iquique, Arequipa, Cusco, Puno, Copacabana, La Paz, Potosí, Uyuni, General Guemes, Alegrete. Somos de Porto Alegre e fizemos a trip com um Gol 1.000, sem direção hidráulica mas com um ar condicionado que funciona perfeitamente, chamamos o auto de "El Tanque". No total foram 11.070 Km, 17 hoteis/hostels/pousadas, 4 países, uma infinidade de novos amigos. O custo total ficou por volta de 17 mil reais, 8.500 para cada, levamos 2.900 dólares em espécie. Dia 1 - Porto Alegre - Santa Fé Saímos de Poa dia 23/12/17 ás 6h da manhã, esse primeiro dia era um dos trechos mais longos da viagem, podem imaginar que quase não dormimos pois estávamos ansiosos para sair, foram alguns meses de planejamento e muitas dúvidas ainda pairavam pois não achei nenhum roteiro completamente igual ao que iríamos fazer. Malas no Tanque, check list feito e chimarrão na mão. Vamos lá!! O trajeto Poa até a fronteira muito tranquilo, a aduana estava vazia e foi muito rápido, mostramos passaportes, carta verde e segue o baile. Na Argentina que começaram algumas complicações, assim que entramos na Ruta 14 fomos parados pela polícia, uns sujeitos com roupas de milicianos nos pediram documentos e para ver o extintor de incêndio, então disseram que o mesmo estava vencido, na verdade ele venceria 31/12. Um dos sujeitos me levou para uma sala uns 200m do carro e outro ficou com minha namorada na porta do carro, lá dentro inventou mil histórias e tive que desembolsar depois de muito negociar, paguei 20 dólares. Ao longo desse trajeto fomos parados mais 5x, todas as vezes pediram as mesmas coisas e nenhum deles falou que o extintor estava vencido, nessas outras 5 paradas os policiais que nos pararam estavam com coletes verdes e nos pareceram mais "sérios" que aqueles primeiros que tinha roupas de militares e cara de malandro. Chegamos em santa fé já era noite e ficamos num hotel que havia reservado pelo booking, no outro dia sairíamos cedo novamente e o trajeto também era longo. Dia 2 - Santa Fé - Mendoza Acordamos cedo novamente e na recepção do hotel encontrei um casal de brasileiros que estavam sem dinheiro porque haviam pago tanta propina na estrada que não sobrou quase nada, então fiquei um pouco mais aliviado por ter sido extorquido apenas 1 vez, pois passei o caminho todo com raiva daqueles primeiros policiais. Saímos 7h com destino a Mendoza, lá ficaríamos 2 dias. Aqui algumas considerações: não tínhamos interesse em visitar vinícolas, pode parecer estranho pois a região é propícia, mas a verdade é que no RS acabamos visitando tantas na Serra que acaba que o processo é todo o mesmo; nas vinícolas os preços de vinhos são na maioria das vezes mais caros que no mercado da cidade e pq estaríamos dia 25/12 lá, feriado, então poucas estariam abertas. Nosso estilo de viagem é mais lado B e conhecer pessoas. Caminho cansativo, alguns pedágios, mas termina na Ruta 7, aí quase dorme no volante. A estrada toda duplicada e desemboca dentro de Mendoza. Chegamos estava anoitecendo, era noite de natal e estava absolutamente tudo fechado, então acabamos comendo num restaurante bem "pega turista" no centro da cidade, menu de natal que era caro e ruim, mas estávamos cansados mesmo, comemos e fomos dormir. Dia 3 - Mendoza Finalmente acordamos em um horário "digno" e fomos conhecer a cidade, praças e afins. Como estávamos quase sem Pesos e as casas de câmbio estavam fechadas, resolvi ir sacar dinheiro em um caixa eletrônico, sempre libero meu cartão (débito e crédito) no exterior, assim qualquer aperto consigo dinheiro, eis que a máquina engole meu cartão que "nunca mais voltou" (nessa parte imagina o Tim Maia cantando), fiquei apavorado, era o cartão que levamos com limite mais alto, que seria fundamental em qualquer imprevisto mecãnico, médico ou sei lá o que. Bom, passado a frustração e depois de 10 chutes na máquina fui cancelar o cartão e pensar em plano B. Lembramos que o NuBank vc consegue gerar boletos sempre que quiser, assim poderíamos gerar, pagar e liberar mais crédito sempre que precisasse. Resolvido o drama fomos finalmente passear, fomos nas 5 praças menores e no parque da cidade, parque General San MArtin tem inclusive um estádio de futebol no meio, muitas famílias fazendo assado e tentando diminuir o calor nas sombras do mesmo. Foi muito legal e nos divertimos conhecendo o gigante parque, apenas uma loja de conveniência estava aberta, então compramos vinho, água e alguns petiscos e curtimos o feriado. Nota: Numa viagem dessas abridor de garrafas sempre é útil.
  9. Olá galera!!! Tudo bom? Eu sou a Paola, tenho 18 anos (sim, bem nova haha), sou da capital de São Paulo e vim retribuir toda a ajuda do site e dos relatos que eu li e que me incentivaram tanto a por uma mochila nas costas e ir com a cara e a coragem. Viajei para Bolívia, Chile e Peru por 29 dias com FUCKING 800 dólares (sim, eu sei que a maioria das pessoas- 99%- vai com mais dinheiro, mas fazer o que né ) e graças a isso passei vários perrengues e os melhores momentos da minha vida. Eu viajei com mais duas amigas, Carol e Yolanda. Viajamos do dia 11/12/17 à 09/01/18. Eu tenho muitas dicas para dar (coisas que ninguém conta haha), então espero que gostem e acompanhem . Roteiro: 12/12: São Paulo- Santa Cruz- Sucre 13/12: Sucre- Uyuni 14/12: Salar de Uyuni 15/12: Salar de Uyuni 16/12: Salar de Uyuni- San Pedro 17/12: San Pedro de Atacama 18/12: San Pedro de Atacama- Arica 19/12: Arica- Tacna- Arequipa 20/12: Arequipa 21/12: Arequipa 22/12: Arequipa 23/12: Arequipa 24/12: Arequipa (Já perceberam que moramos na cidade, né?) 25/12: Arequipa- Ica 26/12: Ica- Huacachina 27/12: Huacachina- Ica 28/12: Ica- Cusco 29/12: Cusco 30/12: Cusco 31/12: Cusco 01/01: Águas Calientes 02/01: Machu Picchu- Cusco 03/01: Cusco- Puno 04/01: Puno- Copacabana- La Paz 05/01: La Paz 06/01: La Paz 07/01: La Paz- Cochabamba 08/01: Santa Cruz 09/01: Santa Cruz- São Paulo Bom, fazia muito tempo que eu tinha o sonho de fazer um mochilão e acabou que me apaixonei pelo Salar de Uyuni e como não sou de ferro, fui colocando mais uma cidade e mais uma e mais uma, até que ficou três países haha demorou um certo tempo para conseguirmos o dinheiro, mas depois de muito tempo trabalhando duro, conseguimos, fomos, com pouco dinheiro, mas fomos. Então, se você quer vá lá e faça, foi nosso primeiro mochilão e aconteceu várias merdas- que fazem parte e deixam a viagem ainda mais legal- o que eu quero dizer é: SÓ VAI MANO! Com pouco dinheiro, com medo, mas VAI! O que levar: Eu não lembro tudo que eu levei, mas vou colocar os principais... Segunda pele: R$40 Fleece: R$20 Jaqueta Corta-vento: R$200 Duas luvas: R$15 (promoção) Doleira: R$8 Lanterna: R$10 Toalha Secagem rápida: R$35 Mochila de ataque: R$80 Mochilão 50L: 280 Calça segunda pele: R$40 3 pares de meia (grossas): R$25 Bota Impermeável: R$200 PS.: Fora a doleira e a lanterna, eu comprei tudo na Decathlon. Os preços lá eram mais em conta. Pra quem vai viajar mais pro final do ano, eu indico esperar até mais ou menos Setembro, porque já começa a aparecer umas promoções bem legais, por exemplo, a luva, paguei super barato nas duas e compensou muito o custo-benefício. 1 Touca 1 Cachecol 1 Calça jeans 1 calça legging 7 pares de meias 2 pares de meias (umas meias mais grossinha para os dias realmente frios) 8 blusas leves 10 calcinhas 2 sutiãs 1 short 2 vestidos 1 Moletom Biquini Chinelo Bandeira do Brasil (patriota que sou) Outras coisas: 2 Cadeados Batom de cacau Colirio Rinosoro escova e pasta de dente rolo de papel de higiênico (eu deveria inclusive ter levado o saco- mas não dava hahaha) (isso é muito importante, vai por mim) pote de shampoo, condicionador e hidratante lenços umedecidos (muito importante também, serve pra limpar qualquer coisinha) protetor solar e mais trezentas coisas PS.: Não se esqueçam do Certificado Internacional de Vacina da Febre Amarela, tecnicamente eles deveriam te pedir na fronteira, mas não pedem em nenhum momento. Mas sempre bom levar, afinal, você não quer voltar com febre amarela, né? PASSAGENS AÉREAS: Então, compramos nossa passagem com as milhas de um conhecido, saiu quase a mesma coisa, mas conseguimos economizar uns R$50, então foi válida a tentativa. Porém, nós acompanhamos os preços durante o ano todo esperando uma promoção. Pra quem vai viajar na mesma época que a gente ou até a partir de Outubro mesmo, fica esperando que lá pro final de Agosto começa a aparecer umas promoções muitos boas. Então, se puder, espere! Aguenta o coração. Porque, quando íamos pesquisar, geralmente estava mais de mil de reais e quando começou a surgir as promoções, estava lá pra R$850. Passagem de Guarulhos- SP para Santa Cruz- BO: R$823 Bagagens ida e volta (porque agora tem essa palhaçada ): R$70 Passagem de Santa Cruz para Sucre: R$130 (único luxo que nos demos ) Okay, chegou o dia 11/12. Tudo preparado. Coração a mil. Nosso embarque era o melhor horário: 23h30. Pegamos o transfer da Gol em Congonhas, depois de pouco mais de 1h30 chegamos em Guarulhos. Ficamos um bom tempo esperando o check-in, façam com antecedência, a fila da Gol sempre é enorme. Essa somos nós, ainda em Guarulhos, muito plenas antes da viagem No avião tivemos um lanchinho, recebemos o papel da imigração, cujo papel não entendi bosta nenhuma, mas só fui escrevendo na fé de que estava certo. Depois de 2h30 de viagem chegamos ao território Boliviano, chegamos por volta de 1h20, passamos pela imigração, carimbamos nossos passaportes, tudo ok. E o mochilão começou oficialmente!
  10. MOCHILÃO SOZINHA PELO PERU, BOLIVIA E CHILE

    Oi, Pessoal!!!!! Meu nome é Roberta e no fim de Dezembro de 2017 fiz meu primeiro mochilão. Fui para o Peru, Bolívia e Chile, num total de 20 dias viajando. Só a primeira semana do mochilão que eu estava acompanhada por uma amiga que já conhecia, o restante fiz tudo sozinha, conheci muitas pessoas, culturas e lugares sensacionais. Passei alguns perrengues, mas faz parte!!!!! Antes de ir fiz muitas pesquisas!!!! Muitas mesmo!!! Foram meses lendo relatos, conversando com amigos que já foram e tentando achar gente pra ir comigo. Quero deixar meu agradecimento para Laryssa Vivi que teve a maior paciência comigo, ela foi uns meses antes que eu e me deu muitas dicas, me ajudou muito com roteiro e me incentivou a não desistir mesmo indo sozinha. Valeuuuu Laryssa!!!!! Também agradeço o Jeff RUIM, ele foi uns anos antes, não fez o mesmo roteiro que eu, mas deu dicas super válidas e o maior incentivo!!!!! Valeuuuu Jeff. Meus pais me chamaram de louca por, primeiro, colocar todas as minhas roupas em uma mochila e, segundo, por ir sozinha para o "perigo e pobreza da América do Sul". Eu amei, recomendo e voltaria!!!! Meu roteiro foi assim: 21/12 São Paulo – Cusco 22/12 Cusco 23/12 Cusco – Vale Sagrado e Águas Calientes 24/12 Machu Picchu 25/12 Cusco 26/12 Cusco 27/12 Cusco – Arequipa 28/12 Arequipa 29/12 Arequipa 30/12 Arequipa - Puno 31/12 Puno – Copacabana 01/01 Copacabana – La Paz 02/01 La Paz 03/01 La Paz – Uyuni 04/01 Uyuni – 1º dia de Tour 05/01 Uyuni – 2º dia de Tour 06/01 Uyuni (3º dia de Tour ) – Atacama 06/01 a 10/01 – Atacama 10/01 Atacama – São Paulo Observação - Diminuiria um dia em Cusco, um em Arequipa e talvez um no Atacama, aumentaria talvez um dia e La Paz ou iria conhecer outra cidade do Peru. O que levei no Mochilão (60L Quechua): - 3 calças de ginasticas, 3 compridas e uma mais curta - 8 blusas (4 blusas eram daquelas de algodão da Hering, só mudou a cor kkkkk, 1 de ginástica que não amassava, 1 mais bonitinha e 2 de alcinha com pano mais bonitinho pra sair) – não levaria a blusa mais bonitinha porque amassou inteira e não consegui usar mais e só levaria uma de alcinha ao invés das 2. - 2 calças jeans – só levaria uma - 1 jaqueta moletom - 10 calcinhas - 1 par de chinelos - 1 pijama (usei uma calça de ginástica velha que ficou por lá e uma blusa de pijama) - 3 tops de ginástica - 2 sutiãs - 1 gorro - 1 par de luvas - 1 blusa segunda pele - 1 calça segunda pele (quase não usei, mas acho que foi mais de preguiça) - 1 biquini - 1 toalha de secagem rápida - 1 shorts (não levaria) - 1 rolo de papel higiênico - 1 pacote com 100 lenços umedecidos - 1 secador de cabelo (não levaria) - 2 tênis (um no pé e outro na mala – só usei um!) - 8 pares de meia (2 térmicas, 2 de trilha e 4 normais) - 1 shampoo pequeno - 1 condicionador pequeno (tive que comprar outro lá) - 1 sabonete em barras (tive que comprar outro lá) - 1 saboneteira - 1 desodorante aerossol - 1 gilete (não usei) - 1 alicate de unha (não usei) - protetores solares: corpo, rosto e boca - 1 repelente - 1 capa de chuva (não levaria, compraria lá) - 1 soro fisiológico Na mochila de Ataque: - jaqueta corta vento - minhas maquiagens (base, pó, corretivo, rímel, batom e pincéis) – peso totalmente morto!!! Não usei nada - 1 escova de cabelo - 1 escova de dente - 1 pasta de dente pequena - 1 fio dental - 1 pinça - 1 espelhinho - 1 lixa de unha - celular - carregador celular - carregador portátil de celular + carregador - adaptadores de tomada (não usei, porque meus carregadores já tinham saída em formato de bolinha) - 1 T - 1 pen drive (não usei) - lacinhos de cabelo - 1 fone de ouvido (não usei) - 1 caneta - 1 pasta com documentos: voucher passagem, ticket trem de Ollantaytambo a Águas Calientes, Vouches Passagem Todo Turismo de La Paz para Uyuni, Certificado de Vacinação Internacional, Passaporte, Confirmação de Hosteis, Roteiro e TODOS os papeis que me entregavam nas imigrações) - Capa de chuva para mochilão - Remédios (plasil, neosaldina, mioflex, amoxicilina, emosec, repoflor, eno,.... e um kit todo) - Band Aid - 1 óculos de sol Observações - Não levei bota, porque comprei uma muito ruim da Quechua na Decatlhon e machucou meu pé, dai levei um tênis waterproff da Quechua muito bom e no fim só usei ele. - Não levei, mas recomendo levar: Bepanthol (boca fica destruída!), cachecol, blusa mais fina de manga comprida, álcool em gel, colírio e remédio para o fígado. - PAPEL HIGIÊNICO É MUITO NECESSÁRIO! Comprei Antecipadamente - Passagens aéreas - R$2000 que podia ser parcelado até em 10x, entrando por Cusco e saindo por Calama. - Trem de Ollantaytambo para Águas Calientes – comprei só este trecho, porque fui de trem e voltei de trilha. Comprei pela Peru Rail (no site dele mesmo) na Black Friday e paguei 45 dólares, o preço normal para época era 62 dólares. - Ônibus da Todo Turismo de La Paz para Uyuni – R$133,00 semi leito, mas o meu era leito – indico fortemente que comprem as poltronas 10 ou 11 se não me engano, não senta ninguém na sua frente e elas descem mais que as outras! Certificado de Vacinação Internacional - Exigido pela Bolívia, não me pediram, mas eu tinha comigo, vai que... Hostels - Já deixei todos reservados pelo Brasil, como ia sozinha não queria ficar batendo de porta em porta pechinchando valor e vendo se tinha vaga. -Todos foram pagos no local e NÃO antecipadamente. Seguro Viagem - Fiz pela Mondial, paguei R$230,00 (podia parcelar até em 3x). Fiz o mais caro porque a diferença era de R$70 reais apenas e com cobertura maior, não precisei usar mas vi muita gente passando mal. Façam! Dinheiro Levei 1800 dólares (usei 1000 dólares) + 400 soles (levaria apenas 100 soles do Brasil para despesas iniciais, como táxi do aeroporto ao hostel) + R$300 reais + 3mil pesos chilenos (não levaria) + cartão de crédito para emergência (usei no aeroporto na volta apenas) Paguei no Brasil por 0,0062 no peso chileno e R$1,23 no sol peruano – super caro! Cartão de Crédito: tenho Mastercard do Banco do Brasil, desbloqueei um mês antes de ir. Dois dias antes de embarcar liguei no banco e fui informada que não estava desbloqueado porque no Peru tinha uma norma a ser seguida, deveriam informar não sei quem lá sobre meu possível uso do cartão e demoraria 72hs para confirmarem se deu certo. No fim deu certo! Veja certinho com seu banco... Táxi - Usei no Peru e na Bolívia – não tem taxímetro, portanto negocie antes. Não pegue qualquer táxi pela sua segurança. Hosteis que fechei (pelo Booking) - CUSCO Inka Wild Hostel: SUPER RECOMENDADO - cama confortável, banheiros limpos, comida muito boa e barata, tem bar pra quem quiser se divertir um pouco, excelente localização, próximo a Plaza de Armas, com café da manhã, tem agência no local com preços bem em conta, deixei mochilão no depósito para ir para Machu Picchu. - ÁGUAS CALIENTES Casa Paz Hostel: OK – tinha uma aranha na minha cama, mas vida que segue! Era o hostel mais barato que encontrei, bem próximo da pracinha e do ponto de ônibus para subir Machu Picchu, mas tinha que subir uma ladeira imensa para chegar até ele, tinha café da manhã super gostoso, quartos cheiravam um pouco de mofo, mas pelo valor e por uma pernoite eu voltaria. Sfatt acordou antes das 4hs da manhã para fazer nosso café. - AREQUIPA Los Andes Bed & Breakfast: SUPER RECOMENDADO – cama de solteiro super confortável e quentinha, quarto super limpo, com loker e criado mudo individual, café da manhã e localização muito boa, meio quarteirão da Plaza de Armas. - COPACABANA San Cristobal (reservei outro, mas me mudaram para esse...) NÃO RECOMENDO – sujo, banheiro sujo, sem café da manhã, staffs de mal com a vida. Única coisa que prestou foi a localização. - LA PAZ Loki: RECOMENDADO -.não achei o melhor hostel que eu fiquei, mas estava limpo, cama confortável e quarto quentinho, bar para se distrair e conhecer gente, boa localização, comida melhor que da rua, sem café da manhã. - SAN PEDRO DE ATACAMA: Ckappin: SUPER RECOMENDADO – hostel simples, com quarto pequeno e sem café da manhã, mas me senti em casa. Staffs muito legais e ótima localização, melhor valor que encontrei em San Pedro de Atacama.
  11. Mochileiros, sem medo de soar clichê, começo meu relato agradecendo a todos as pessoas que aqui relataram sua viagem ao Peru antes da minha ida. Daqui tirei dicas valiosas e muita inspiração! E esse é um dos motivos pelos quais eu venho aqui hoje relatar a minha experiência: retribuir um pouco da ajuda que tive. O outro motivo? Fazer essa experiência tão legal de ir viajar durar mais tempo na minha memória (: Como tudo começou: Depois de 2 anos sem férias, eu tinha marcado 10 dias de férias para dezembro de 2017. Cerca de um mês antes, surgiu uma promoção de passagens para o Peru, 10 dias, exatamente o primeiro e último dia das minhas férias. O Peru já estava no topo da minha lista de destinos há tempos. Achei que era um sinal, lembrei que não acredito muito em sinais (talvez agora acredite mais haha). Queria ir, mas não tinha companhia. Resumindo: fui sozinha, minha primeira viagem sola e foi uma experiência linda (: Em um mês eu "organizei" o roteiro, reservei o hostel e fui. Minha maior dica: não organize tanto. Eu agendei apenas o passeio de Machu Picchu, o que eu recomendo por causa do limite de pessoas. O resto fui vendo lá. E, por mais contraditório que pareça, se vc está lendo meu roteiro em busca de um roteiro, minha maior dica é mesmo essa: vai com menos roteiro possível. Ou vai, se isso te faz dormir mais tranquila/o, mas se permite flexibilizar também. Vai ter imprevisto, vai ter gente legal cruzando seu caminho, vai ter uns rolês que vc nem imaginava e que vai querer fazer na hora. Então é isso, lê bastante, pesquisa, mas vai aberta/o. Vamos lá: 10 DIAS: CUSCO - ÁGUAS CALIENTES - MACHU PICCHU - PUNO - AMANTANI - TAQUILE - LAGUNA HUMANTAY Antes do relato mesmo, algumas DICAS QUE EU GOSTARIA DE TER LIDO ANTES DE IR (ou que eu li e não segui rsrs): 1) Compre os passeios lá: essa eu li muitas vezes, mas não teve jeito, o passeio pra Machu Picchu eu comprei aqui no Brasil antes e paguei mais caro. Se eu me arrependo? Não. Era a minha primeira viagem sozinha, eu sabia que lá seria mais barato, mas não quis arriscar. Então é isso, se vc vai dormir mais tranquilo, acho que vale a pena. Pra mim valeu rsrs. Comprei antes com uma agência peruana (Peru Travel Explorer- www.perutravelexplorer.com - Guia Adrian - Whatsapp: +51992862206 - atende em português), que eu recomendo. Super atenciosos, respondem rápido, me deixaram pagar lá na hora e sem taxa e personalizam os roteiros conforme a necessidade). Mas recomendo ainda mais: comprem os passeios em cusco, ainda que seja com eles. Ah, o que dá para fazer também é comprar antes apenas a entrada para Machu Picchu e aí já fica garantido. Esse site explica como comprar e tem MUITAS dicas boas sobre o peru: https://sundaycooks.com/ingressos-para-machu-picchu-vale-a-pena-comprar-antecipado/. Inclusive, se você vai subir uma das montanhas é mais importante ainda comprar antecipado! Todos os outros passeios eu comprei lá na hora e foi tranquilo e bem mais em conta. Cusco tem uma agência de viagem ao lado da outra, os caras adoram uma negociada, os guias são super atenciosos, vale a pena comprar lá. 2) REAL X DOLAR X SOLES: velha dúvida de sempre. Primeiro, soles nem pensar. Quase não tem para trocar no Brasil e o valor é bem alto. Minha dica é: ver com o pessoal que está por lá (aqui no mochileiros sempre tem gente, fiz isso e deu certo) como está o valor do real e do dólar para troca. Quando eu fui, em dez 2017, o real estava 0,93 soles (0,94 eu encontrei dentro da Agência Peru Travel Explorer, na Avenida El Sol, onde, aliás, estão as casas de câmbio mais confiáveis e vantajosas) e o dólar estava 3,22 soles (e eu paguei em média 3,40 reais). Como eu fiz: levei dólar para pagar os passeios e o hostel (por uma questão de menos volume - eita, que de humanas ela - e pelo booking). De resto, levei reais e troquei lá, facilmente. E também levei um cartão de crédito do Banco do Brasil e um Nubank desbloqueados para transações internacionais, caso precisasse. Teve um dia que precisei sacar porque viajei e a companhia de ônibus não aceitava cartão (fica a dica) e aí saquei usando o Nubank num caixa eletrônico normal que tinha na rodoviária. Paguei uma taxa, mas consegui sacar (to contando porque não sabia que o nubank dava para sacar, se isso já é algo comum para vc, perdoa eu e não desiste do meu relato). 3) Sobre valores: vou colocar aqui mais ou menos os valores principais para você poder se organizar sobre quanto de dinheiro levar e pra não ficar poluindo muito o relato de viagem. Sei que esse é um ponto super importante, viajar é um privilégio que envolve condições financeiras e planejamento, mas acredito que há vários blogs que podem fazer isso por vc melhor do que o meu relato (como, por exemplo, o site quantocustaviajar). Fiz muitos passeios de graça, comi em locais muito saborosos e baratos e fiquei em acomodações confortáveis e modestas. Mas o principal de tudo isso: era a viagem que cabia no meu orçamento e nos moldes que eu estava a fim de fazer e acho que isso é o que mais conta. Se é relevante (eu sempre acho relevante saber o perfil de quem tá relatando, especialmente da onde vem o dinheiro) o meu perfil é: sou servidora pública comissionada, 26 anos, pago aluguel e todos os boletinhos que quem mora sozinho tá acostumado. De modo geral, minha viagem foi o que se pode chamar de "low cost", algo entre o mochilão raiz e a viagem de quem nunca ouviu "transação não autorizada" hehe. Ou seja, não foi uma viagem luxuosa, mas foi confortável, me permiti pequenos luxos e também alguns gastos a mais para me sentir mais segura (como o hostel com quarto feminino (não misto) e o ônibus leito cama individual, sem ngm sentado ao lado). Ah, e de jeito nenhum comi fast food e comida congelada pra economizar (já fiz mochilão assim e foi legal também, mas desta vez não viajei com essa vibe, até porque as comidas no Peru são baratas, muito gostosas, e eu sou absolutamente apaixonada por gastronomia e culinária). Então é isso, você pode usar como uma base, seguir meus acertos e evitar repetir meus rolês errados e aí, de acordo com o seu perfil e o seu orçamento, gastar muito mais ou muito menos do que eu. Ou exatamente o mesmo e aí me chama prum café rsrs Quem precisar de mais detalhes pode me mandar mensagem que vou respondendo tb Preço médio das refeições: em Cusco, por 20 soles, equivalente a 20 reais você come muito bem!! Na verdade, quase todos os dias eu comi muito bem pagando menos de 20 reais. Os restaurantes têm a opção menu do dia, que consiste em sopa + prato principal e normalmente salada e bebida livre. E tb às vezes rola umas sobremesas de graça. Sou vegetariana e comi muito bem todos os dias (veganos também passam muito bem em cusco). Quem quiser mais dicas, é só falar. Fiz um puta roteiro gastronômico de vegetariano, tenho vários restaurantes bons e baratos pra indicar (só para não ficar muito grande aqui). Águas Calientes já fica um pouco mais caro: em média 50 reais, mas foram apenas 2 refeições e aqui eu comi muito bem, dá pra encontrar restaurantes mais simples. Puno: só fiz uma refeição em puno, gastei 20 reais. Hostel Cusco: 40 reais por noite (como eu disse, tem por menos, mas eu preferi um quarto não misto). Ônibus Cusco - Puno: 50 soles (praticamente 50 reais) - empresa Tour Peru, recomendo muito. Comprei ônibus leito cama individual, super confortável, dormi a noite inteira, o que faz muita diferença no outro dia de viagem. Na volta, comprei de outra empresa, que eu não me recordo o nome, e paguei 35 soles. Ou seja, se você olhar na rodoviária tem várias opções e aí pode escolher uma que seja adequada para o seu tipo de viagem. Como eu fui sozinha na ida, preferi essa empresa que haviam me recomendado e realmente gostei muito. Ah, uma dica é comprar as passagens na rodoviária mesmo, quanto mais perto do embarque, mais barato e eles negociam tb!! 4) Lavar roupa em Cusco é muito barato: se vc tá viajando com pouca bagagem ou tá há muito tempo na estrada, lavar roupa em Cusco é uma ótima opção. Custa entre 2 a 5 soles o kilo, fica pronto rapidinho e você economiza na bagagem e ainda dá uma força pro comércio local. Fiz isso uma vez durante a viagem e foi muito bom. 5) Seguro viagem: é importante fazer. Eu fiz, mas como não precisei não sei dizer se era bom ou não. Tem muitos sites que falam sobre isso e que dá para comparar. Acho importante porque conheci pessoas que ficaram mal lá e tiveram atendimento rápido. 6) Melhor época para ir: 99% dos blogs dizem para evitar os meses de novembro a março por causa das chuvas. Minha opinião? Se você pode ir nos outros meses, beleza, vai e ainda assim eu evitaria os meses de alta temporada porque fica tudo muito cheio (ex: maio). Mas se você não pode, a época do ano não é um motivo para você deixar de ir. Eu fui em dezembro, tenho amigos que tb foram em época de chuvas e todo mundo aproveitou muito bem. A chuva é aquela de verão, dura cerca de uma hora e depois passa. Tendo um pouquinho de paciência, é só achar um lugar abrigado, tomar um café ou mesmo colocar uma capa de chuva e seguir a vida. Achei uma época boa porque os locais não estão tão cheios, dá para aproveitar tudo com mais calma e também não é tão frio como nos meses de seca. Lembrando que essas épocas bem definidas de seca e chuva afetam mais a região de Cusco e de Machu Picchu. Lima, Arequipa, Lago Titicaca não são tão afetados, então não faz tanta diferença assim a época do ano. Outra coisa: se você planeja fazer a trilha inca, aí acho que seria melhor ir na época de seca mesmo, porque a chuva pode atrapalhar o acampamento. Mas assim, enquanto eu estava lá, havia gente fazendo a trilha normalmente e eu fiz o treeking da Laguna Humantay, que é uma parte da trilha Salkantay e não tive problema algum com a chuva (inclusive deu o maior solzão e voltei queimada rsrs). 7) Tempo em dezembro, o que levar na mala: O tempo é bem instável por lá, então a minha dica é levar um pouco de cada coisa e ir naquele esquema de camadas. Em Cusco, como fica a quase 4000 metros de altitute, é um pouco mais frio. De dia, uma camiseta e jaqueta já resolvem. Às vezes, uma camiseta e um blusão (peruano, pra ser bem turista haha). À noite esfria mesmo, um blusão e uma jaquetinha corta vento dão conta. Em Águas Calientes e Machhu Picchu normalmente é mais calor durante o dia. Não esqueçam o protetor! Lago Titicaca: é louco. Tem sol vc tá torrando, vem uma nuvem vc morre de frio haha Em Amantani passei o maior calor e o maior frio da viagem, com diferença de menos de 24 horas. Aqui a jaqueta corta vento e o blusão precisam de mais um gorro e se possível, uma luva ou mais uma jaqueta. Final do dia é frio mesmo. Minha mala para 10 dias (com uma lavação): umas 6 camisetas + 2 legs + 1 calça jeans preta + 1 jaqueta jeans + 1 jaqueta corta vento + 1 capa de chuva (Decathlon - recomendo, fica pequena na mochila, dá para usar várias vezes, ajuda a esquentar e é bem melhor que a de plástico!) + pijama de manga comprida (pra cusco é bem bom até porque assim, os cobertores peruanos são um pouco pequenos haha) e lá comprei 2 blusões peruanos que foram bem úteis e um gorro que usei na trilha de Amantani. De calçado levei uma bota de trilha, um all star e havaianas. Foi suficiente, na medida certa. 8. Chip da Claro: em Cusco, com mais ou menos 30 reais você compra um chip claro com 3 giga de internet (tem opções mais baratas, com menos gigas). Comprei e foi muito bom, a internet lá pega bem, inclusive nas montanhas e aí dava para usar o google maps e o tripadvisor de boa, além das redes sociais. Mesmo com o chip o seu número no whatsapp fica o mesmo e as pessoas conseguem falar com vc normalmente, não precisa nem avisar que mudou de número. Em cusco, a loja da claro fica na rua Ayacucho 227, pertinho da Avenida El Sol. 9. Não ignore o poder e o sabor do chá de Coca e de Muña. Eles ajudam na altitude e na digestão, além de serem mito gostosos. 10. Vão logo pro Peru. O restante das dicas vou colocando conforme for escrevendo o relato de cada dia. Por hoje é isso, espero que ajude alguém da mesma forma que me ajudou. Até mais
  12. Entre julho e novembro de 2017 parti pra uma viagem sem muitos planos, com pouquíssimo dinheiro, sem experiência e com passagem apenas de ida pra Bolívia. Foram quatro meses de viagem com muito aprendizado e muitos perrengues pra contar. Não sou muito adepto ao estilo "mochileiros" de relatar viagens. Nunca pensei em fazer este relato, mas acho que de alguma forma posso contribuir com alguma informação útil para os futuros mochileiros que passarem por onde passei. Sendo assim, não esperem fotos, preços (até porque nunca anotei essas coisas), tantos detalhes minuciosos do que comi, que horas fui no banheiro, qual papel usei. Enfim. Vou tentar ser bem objetivo na medida do possível. Destino: eu só queria viajar por algum lugar legal aqui na América do Sul pela proximidade e custos também (era minha primeira viagem assim, e sozinho). Então "joguei a roleta" e vi qual seria a passagem mais barata. Resultado: Santa Cruz de la Sierra, Bolíva. Com o destino definido, pensei no que fazer quando chegasse lá. Me cadastrei no Workaway e procurei um hostel pra trabalhar em qualquer cidade por lá. A primeira que me respondesse eu iria. Deu Cochabamba. Preparativos: saí de Vitória/ES com uma Mochila de 50L e uma pequena que usava na faculdade com notebook (jamais levem um notebook em um mochilão) e algumas roupas. Como aqui não faz frio, e nunca usei botas na vida, acabei comprando uma jaqueta impermeável com fleece dentro, um par de botas, uma capa de chuva pra mochila e um cobertor de viagem (tudo na Decathlon). Levei alguns remédios (um monte, porque não sabia quanto tempo ficaria viajando), RG, carteira de vacinação e foi isso. Bolívia: ainda não tinha muita noção de se locomover de um lugar pro outro, de distâncias e tal, pouco antes da viagem consegui um Couchsurfing em Santa Cruz. Então cheguei, passei uma noite lá, e no dia seguinte peguei o ônibus pra Cochabamba. Em Cocha trabalhei duas semanas no Jaguar House Hostel. Adorei a cidade, o clima, a organização. Aproveitei esse tempo pra pensar no próximo destino. Conheci bastante gente e todos iam pra La Paz. Mantive contato com um pessoal e me falaram que lá tinham party hostels que sempre precisava de voluntários. Escrevi pro LOKI e Wild Rover. O Wild Rover pareceu mais organizado, então acabando meu voluntário em Cochabamba fui direto pra La Paz atrás desse hostel. Cheguei de madrugada, paguei uma diária, e no dia seguinte já fazia parte da equipe. Passei quase 3 semanas trabalhando no Wild Rover La Paz. Experiência incrível, e que ainda me deu direito a fazer a Death Road de graça pela agência que fica na entrada do hostel (Altitude Biking). Pensei em fazer a tour do Uyuni mas eu não estava preparado pra tanto frio então deixei pra quando (se) voltasse. Nesse tempo meu próximo destino já tava definido: Cusco. Fui no terminal comprar passagem e já não tinha mais. Tentei Arequipa, também não tinha. Comprei pra Copacabana onde passaria uma noite e pegaria o ônibus no dia seguinte pra Cusco. Só que em Copacabana conheci um chileno muito gente boa e aí acabei indo com ele pra Isla del Sol acampar lá em cima, onde tem o bosque de eucaliptos e tal. Depois dessa aventura voltei pra Copa e mais tarde peguei o ônibus pra Cusco. Peru: Em Cusco eu sabia que precisava ganhar dinheiro se quisesse seguir viajando porque já tava ficando sem nada. Como não tinha nada planejado (óbvio), fui direto pro WIld Rover Cusco, falei que tinha trabalhado no de La Paz e pedi uma diária grátis. Usei essa diária apenas pra conversar com os managers e pedir pra trabalhar lá também. Eles pegaram minha referência de La Paz e no dia seguinte já comecei a trabalhar lá também. Enquanto trabalhava no Wild Rover saí pra buscar emprego na cidade, com classificados na mão e tudo. Em uma semana consegui emprego na agência de turismo Wilka Travel, onde fiquei por 40 dias. Neste tempo consegui vivenciar mais a rotina do cidadão cusqueño e me integrar a cultura daquela cidade. Com o salário consegui sair de hostel e alugar um quartinho modesto em San Blas e ainda aproveitar pra fazer alguns tours (pela agência conseguia descontos e gratuidades). Ainda em Cusco comecei a pensar nos próximos destinos e decidi que iria subindo ao norte até chegar na Colômbia. Infelizmente isso nunca aconteceu porque descobri que teria de voltar pro Brasil em algum momento antes do ano acabar, então tive que comprar uma passagem de volta com certa urgência. Comprei com saída de Buenos Aires. Eu teria uns 2 meses pra me virar pra chegar em Buenos Aires. Foi uma decisão difícil porque Chile e Argentina a essa altura da viagem já estavam bem distantes dos meus planos por serem países bem caros pra mochileiros. Mas fazer o que? Antes de sair do Peru dei uma passada rápida em Arequipa porque havia combinado com uma amiga de assistir um jogo do Peru x Colômbia lá no Wild Rover Arequipa. Passei três dias na cidade e não fiz tour nenhum simplesmente porque machuquei meu dedão na primeira noite (bêbado). De lá decidi que voltaria a La Paz pra trabalhar mais uns dias no Wild Rover, economizar uma grana, e e depois seguir pra Uyuni. Peguei um ônibus de Arequipa até Desaguadero, cruzei a fronteira caminhando, e peguei um trufi até La Paz. Chile: Mais uns 10 dias em La Paz (já era final de outubro) e eu ainda tinha que cruzar mais algumas fronteiras até chegar em Buenos Aires. Segui pra Uyuni, fiz o tour até a fronteira com o Chile e fui pra San Pedro de Atacama. Foi uma mudança brutal de preços pra quem estava por Peru e Bolívia, e eu certamente não tava preparado pra isso. Passei (acho que) três noites em um hostel lá apenas tentando Couchsurfing. Consegui em Viña del Mar. Assim que confirmei pensei "como chegar em Viña del Mar?". Carona, claro! Já tinha escutado que caronas são relativamente tranquilas no Chile. Então fui de San Pedro de Atacama até La Serena pegando carona atrás de carona. Como não tinha barraca pra dormir na estrada, acabei tendo que pegar um ônibus por 4 horas de um ponto ao outro pra ter onde passar a noite (pagos no cartão de crédito porque já não tinha mais dinheiro em espécie). Passei uns dias em Viña, aproveitei pra conhecer Valparaíso, até que conseguium Couch em Santiago. Consegui fácil. Acabei pegando um ônibus pra lá porque a distância é curta e a passagem barata. Passei mais uns dias em Santiago pensando como faria pra cruzar a fronteira e consegui carona com um Couchsurfer que viajava de carro. Consegui ainda um Couch em Córdoba e precisava dar um jeito de chegar lá. Argentina: chegando em Mendoza, achamos um hostel barato (já que não consegui Couch) e na manhã seguinte minha carona seguia pro norte enquanto eu ia pra beira da estrada pegar carona. Acho que foi a carona mais difícil de conseguir de toda minha viagem. Era madrugada quando o caminhoneiro me alertou que, apesar de ir pra Córdoba, iria me deixar 100km antes porque era um horário perigoso demais pra chegar no ponto que ele iria parar. Como disse, não tinha barraca e praticamente sem dinheiro em espécie, passei a noite numa loja de conveniência do posto de gasolina que tinha nesse lugar que ele me deixou. Na manhã seguinte, consegui rápido uma carona pra Córdoba. Passei uns dias lá, consegui um Couch em Rosário, então saindo de Córdoba foi pé na estrada mais uma vez até conseguir carona pra Rosário. Em Rosário minha Couch me tratou como um rei, me deu várias dicas e tal. Ali já faltava perto de uma semana pro meu vôo e só precisava de uma última carona pra chegar até Buenos Aires. Conseguindo um Couch, me mandei pra estrada e, outra vez, foi uma carona bem chata de se conseguir. Desci muito longe da cidade, tive que pegar um trem gratuito, achar meu Couch à noite etc. Mas no final deu tudo certo. De lá foi só aproveitar os dias na cidade e voltar pro Brasil. Dicas aleatórias básicas: Sou totalmente contra o "dá pra se virar bem com português". Dá pra sobreviver, vivenciar experiências não. Então aprenda o máximo de espanhol que puder antes de fazer uma viagem assim. Meu inglês é bom (pra trabalhar em hostel é fundamental) e meu vocabulário de espanhol era muito bom também, entendia tudo mas faltava segurança pra tentar falar. Ao longo da viagem fui me soltando e aí tudo ficou ainda melhor. Conheci muitos brasileiros que não sabiam falar outro idioma e todos se diziam muito arrependidos porque acabaram perdendo muita coisa na viagem (proximidade com locais, negociações, interação com outros viajantes); Respeite a altitude (La Paz, Cusco, etc): você nunca saberá como vai reagir a isso até chegar lá e sentir. Tem gente que não dá nada, outros ficam morrendo dois dias no quarto do hostel com médico atendendo. Na dúvida, melhor não programar nada que requer esforço físico nos primeiros dias; Respeite a cultura local, tente aprender o mínimo de costumes e tradições de onde você estiver visitando; quando for pegar carona saia o mais cedo possível, por volta das 5h, pra estrada; tenha dinheiro trocado se tiver pegando carona pela Argentina porque pra pegar ônibus municipal é necessário ter um cartão (que obviamente você não vai ter), e sem ele o que dá pra fazer é pedir pra alguém passar o cartão pra você e você pagar em dinheiro; pedir desconto é normal no Peru e Bolívia, mas antes de começar a chorar, avalie se o valor do pedido não é justo, e principalmente, se aqueles trocados de desconto vão te fazer falta (quase sempre o vendedor precisa muito mais dessas moedas do que você, viajante); viajar tem seus riscos, mas não se esqueça de onde você vem - o Brasil é um país extremamente perigoso, então acho que há um exagero quando se fala em riscos, assaltos, etc entre viajantes brasileiros. Nunca usei doleira pra nada, minhas coisas ficavam guardadas no locker do hostel, sempre caminhei em todos os horários do dia e noite no Peru e Bolívia e nunca passei por nenhuma situação de perigo; Se puder faça seguro viagem, eu não fiz e não precisei, mas não é raro ver gente com braço quebrado em La Paz por conta da Death Road, ou que passou muito mal com altitude. Em Buenos Aires uma amiga caiu da cama do hostel, precisou ser hospitalizada e essa brincadeira custou em perto de 2 mil reais. Nunca se sabe o que pode acontecer, né? Enfim, se lembrar mais coisas importantes vou complementando. Bom, minha viagem foi basicamente isso aí. Quem tiver perguntas/dúvidas sobre os lugares/pontos de carona/qualquer coisa assim fique à vontade pra mandar mensagem inbox ou aqui no tópico mesmo que tentarei responder da melhor forma possível. Em 15 dias volto pra Cusco pra trabalhar na mesma agência de turismo, então quem tiver planejando ir pra lá nas próximas semanas pode entrar em contato também
  13. Extremos da América do Sul

    Olá amigos e amigas! Queria divulgar uma aventura que estou partindo agora na semana que vem e me apresentar. Me chamo Will Gittens, tenho 34 anos, apaixonado por veleiros, camping selvagem, mochilões e aventuras. Já atravessei 5 países da América do Sul com menos de 800 reais, atravessei o Atlântico e o Mar do Norte em navio de carga, fiz uma volta ao mundo atravessando a América do Sul, Europa, Rússia e Ásia por terra, conseguindo ir daqui de SP até o Vietnam sem pegar avião nenhum e gastando muito pouco. Estou partindo para finalizar um plano antigo meu, conhecer todos os extremos da América do Sul e nesse 3° mochilão longo pelo nosso continente pretendo atingir essa meta. Ponto mais alto, mais ao sul, mais ao norte, mais ao leste, mais ao Oeste, Amazônia e Cataratas do Iguaçu. Juntando com outras expedições que eu fiz pelo Atacama, Uyuni, Titicaca, Pantanal e Machu Picchu ( vou novamente dessa vez por Salkantay ), terei conhecido por terra todos os cantos desse continente incrível que moramos. Convido vocês à acompanharem a expedição, farei uma cobertura no youtube e no blog mostrando como é viver e trabalhar enquanto se viaja, como sempre, gastando o mínimo possível. Grande abraço e um 2018 de grandes aventuras para todos nós.
  14. LIMA|PERU - ONDE SE HOSPEDAR EM LIMA

    LIMA|PERU - ONDE SE HOSPEDAR EM LIMA Blog de Viagens - Vou e Volto Já! Ficamos hospedados em nossa passagem por Lima, em 2 locais. O primeiro foi na chegada, no Hotel El Ducado, sua reserva foi feita através da empresa de turismoMachu Picchu Brasil (Fechamos em um pacote que adquirimos conforme informei no post Peru - Dicas Inicias). Já o segundo foi o Pirwa Hostels, onde fizemos a reserva pelo próprio site deles e por nossa conta. Usamos este hostel quando retornamos de Ica. O primeiro, Hotel El Ducado, possui uma ótima localização! Esta a duas quadras do famoso Shopping Larcomar, e outros pontos interessantes como o Parque Del Amor, casas de casino, o Restaurante La Rosa Náutica, fica próximo também dos pontos de saída dos parapentes, é realmente lindo de assistir! É um hotel bom, equipe atenciosa, tudo limpinho. Este foi o único hotel onde o "desayuno" era servido na mesa, com uma quantidade pré-definida. Muito saboroso. Não tivemos nenhum problema com eles. O anúncio na recepção dizia que o matrimonial estava por S/190. Hotel El Ducado Hotel El Ducado $ Valor: Aconselho a consultar diretamente no site para obter valores atualizados. 📍 Calle Juan Fanning, Miraflores, 18 🏠 Mais informações: www.ducado.pe/en/ O segundo, Pirwa Hostel, também possui uma boa localização em Miraflores, cercada por vários restaurantes, fast-food, lojas, fica no meio da movimentação, mas a rua em si é silenciosa, ó que é excelente. Esta a mais ou menos 2 km de Shopping Larcomar. Os quartos são muito bons e o atendimento é fantástico. Pirwa Hostel $ Valor: Aconselho a consultar diretamente no site para obter valores atualizados. 📍 Coronel Inclan, Miraflores, 494 🏠 Mais informações: www.pirwahostelscusco.com/pt/bb-inclan-lima.html
  15. LIMA|PERU - ONDE IR EM LIMA

    LIMA|PERU - ONDE IR EM LIMA Blog de Viagens - Vou e Volto Já! Viajar é tão maravilhoso, não?! Neste momento estou abrindo minha sacolinha do Britt Shop Peru, que tem todas as lembranças possível dessa viagem inesquecível. Quando abro ela, ainda consigo sentir o cheiro de uma mistura de coca com sabonete de hotel. Boas lembranças. Bom, mas vamos ao que interessa: Onde ir em Lima. Dicas quentíssimas para quem esta indo realizar essa viagem tão cheia de magia!!
  16. Relato da minha estadia em Cusco e Matchu Pitchu. Irei descrever a minha experiência durante uma semana no país. E no final colocarei observação gerais. Dia 01 - Sábado Após 5 horas de viagem Rio de Janeiro x Lima e mais 01h30 de Lima até Cusco, finalmente desembarcamos. Perdemos duas horas procurando hotel, pois o que tínhamos reservado ao chegar lá estava sem internet e sem chuveiro quente. Porém, depois de nos alojar resolvemos caminhar um pouco para nos ambientar com a altitude. Fomos caminhando até a plaza das Armas, muito bonita diga-se de passagem. Mas um alerta, vá agasalhado, após às 17h a temperatura cai de forma assustadora. Aproveitamos para conhecer o mercado central. O local é muito barato, você consegue pechinchar e abaixar o preço de tudo que comprar, mas para comer não é muito recomendado, pois tem aparência de sujo. Nesse mesmo dia, fomos a diversas agências de viagens para ver os passeios para Vale Sagrado, City Tour, Salinas de Mara e Moray e Vale Sul. De todas que visitamos a mais acessível foi a Mapis Explores, cujo funcionário Ronaldo foi extremamente simpático e atencioso. Na agência fechamos os pacotes com os respectivos preços: Vale Sagrado: 50 soles por pessoa, com almoço incluído. Salinas Mara e Moray: 25 soles por pessoa. City Tour: 15 soles por pessoa Vale Sul: 25 soles por pessoa. Montanha Colorida - 75 soles por pessoa. Após fecharmos tudo, fomos comer e depois embora dormir, pois teríamos que estar 08h na praça para fazermos o City Tour e estávamos mortos por conta dá viagem. Gastos do Dia Táxi aeroporto x pousada 20 soles Táxi pousada x plaza das Armas 5 soles Plaza das Armas x Pousada 5 soles Almoço 10 soles por pessoa. Bilhete Turístico 130 soles por pessoa (recomendamos comprar o bilhete, pois vale por 10 dias e é muito mais econômico que comprar as entradas dos lugares que visitar a parte) Dia 02 Acordamos cedo e fomos para o ponto de encontro na Plaza das Armas. Ficamos preocupados porque não encontrávamos o Ronaldo, mas ele me encontrou no horário marcado. Partimos no ônibus com gente dos mais variados países, tinha chilenos, canadenses, americanos, austríacos e, claro, brasileiros. Paramos em uma feira artesanal, muito simples, porém deu para comprar as lembranças pros familiares. Nossa primeira parada foi em Pisac. A guia ficou uns 15 a 20 minutos contando a história do local e depois podemos andar para tirar fotos. Um pouco cansativo devido a altura, pois o ponto mais alto tem 3.500 metros, mas vale a pena fazer o esforço, já que a vista é sensacional . Antes de almoçar (o almoço estava incluído no passeio e valeu muito a pena, pois a comida é saborosa demais) paramos para ver pratas numa rua de comércio local. Nem perdemos muito tempo vendo, pois o preço não compensa e é igual ou mais caro que no Brasil. Após o almoço saímos para visitar Olhamtaytambo. Em Olhamtayambo a vista é acompanhada dá guia o tempo todo, que vai contando a história do local e as curiosidades. Ficamos 1h apenas lá e o ideal seria ficar ao menos duas, devido as histórias que o local abriga. Mas, apesar do pouco tempo, deu para tirar bastante fotos, que colocaremos abaixo. Nossa última parada do dia foi em Chinchero. O local é bem simples, só tem uma feira artesanal e uma igreja do século 16. Retornamos para Cusco, onde chegamos por volta de 19h30. Ainda paramos para comer no MC Donalds, onde compramos um balde estilo KFC com 6 frangos + 3 refris e 3 batatas por 35 soles. Neste dia gastamos pouco, pois o passeio tínhamos pago no nosso primeiro dia na cidade e estava incluído almoço: Gastos do dia : 2 águas - 2 soles cada 1 inca cola - 3 soles 1 Saxo de bala de cola - 2 soles 1 milho - 4 soles Lembranças pra família - 50 soles 1 pipoca - 2 soles 1 boneca pra minha afilhada - 10 soles Comida - 35 soles Dia 03 Acordamos, tomamos um reforçado café na pousada e partimos para o ponto de encontro na Plaza das Armas. Saímos exatamente as 09h em direção a Moray. Paramos numa feira de artesanato onde as mulheres explicaram o processo de produção e fabricação dos tecidos originários da pele das Alpacas. Valeu a pena, pois entender o processo é válido, já que muitas vezes não valorizamos os trabalhos artesanais. Em Seguidas fomos para Moray, onde nosso guia contou a história do local por aproximadamente 15 minutos e depois liberou o pessoal para fotos. No local ele nos disse que ali era um local de produção de batatas, que se produzia 21 tipos diferentes. E que a mesma é um produto de origem peruana. Ainda de acordo com o Guia, no Peru existem mais de 50 tipos de batatas diferentes. Ao sair de Moray fizemos uma parada para ir ao banheiro e seguimos para as Salinas de Mara. Foi sem dúvida o melhor programa do dia. O visual é encantador, as histórias, ver famílias que vivem das Salinas foi uma lição e aprendizado. Ao colocar a mão nas águas e colocar o dedo na boca depois você já sente o forte gosto de sal. Caminhar entre as minas e conhecer o processo deve produção do sal foi muito interessante. Após mais ou menos 1h retornamos para o ônibus com destino a Plaza das Armas, em Cusco. Chegamos lá por volta das 15h e fomos almoçar. Após o almoço caminhamos até o ponto dos ônibus para ver preço e horário do trajeto Cusco x Olhamtayambo, pois no dia seguinte pegariamos o trem em Olhamtayambo para ir a águas calientes. Após fazer tudo isso fomos para a pousada descansar já que a noite iríamos descer para jantar e caminhar na Plaza das Armas. Descemos para comer e passear pela Plaza das Armas, após rodamos bastante escolhemos uma pizzaria que a bebida era grátis. A pizza muito saborosa e o atendimento excelente. Após comer andamos para conhecer um pouco mais e tirar fotos da cidade a noite. A noite é muito agitada, com pubs, bares e praças lotadas. Gastos do dia 3 águas - 2 soles cada 2 mirabal - 2 soles cada Almoço - 50 soles Jantar - 50 soles Dia 04 Neste dia acordamos cedo e fomos pra Plaza das Armas procurar uma agência que nos levasse a Rainbown Montain na quinta-feira. Após nossa pesquisa fechamos com a agência que fez o pacote por 75 soles por pessoa. E no pacote estava incluído café da manhã, almoço, kit de oxigênio e serviço de transporte e guia . Após resolver as coisas fomos para o hotel arrumar as malas, pois pegariamos o trem em Olhamtayambo com destino a Águas Calientes as 15h30. Fomos de van e pagamos 10 soles cada pelo trajeto de 2h. Chegamos em Olhamtayambo com antecedência e paramos em um bar para beber Cusquenha. Partimos para Águas Calientes, o trajeto do trem é ao lado de um rio e de diversas montanhas. A vista não é nada demais, porém é melhor que do as comunidades que cortam a linha férrea no Rio de Janeiro. Ao chegar em águas calientes tivemos uma surpresa agradável: o local é muito mais que um pequeno vilarejo. É muito bonito e aconchegante. Ótimos restaurantes, ruas limpas e povo receptivo e acolhedor. E o melhor, os hostels, tem preços bem acessíveis. Já chegamos e fomos comprar as passagens do trem que leva para Matchu Pitchu, o trajeto de ida e volta por adulto estrangeiro custa 24 dólares ou 75 soles. Compramos logo os dois trajetos e fomos informados que não tem horário, basta chegar na estação e embarcar no ônibus. A noite fomos comer em um restaurante chamado ........ Brasileiros têm 20℅ de desconto no local. E os funcionários merecem um destaque aqui. O tempo todo os mesmos iam até nossa mesa perguntar se estava tudo bem, se precisávamos de algo e, toda vez que a gente começava a tirar fotos, eles perguntavam se a gente queria que eles batessem as fotos. Terminamos de comer e voltamos para o Hostel, pois iríamos pegar a van as 05h30 no dia seguinte e tínhamos que acordar cedo. Gastos do dia: Almoço: 30 soles p casal 2 águas: 5 soles Van para Águas calientes 10 soles de cada Jantar 90 soles Dia 05 Acordamos por volta de 04h, pois no restaurante nos avisaram que a partir de 04h já teria gente nas filas dos ônibus, que começariam a sair às 05h30. Chegamos no ponto as 04h30 e já tinha umas 30 pessoas em nossa frente. E conforme o tempo ia passando a fila só aumentava. Antes mesmo das 5h já deveria ter umas 100 pessoas na fila. Compramos duas águas, dois biscoitos e partimos no ônibus rumo a Matchu Pitchu. O caminho demorou uns 30 minutos . E quanto mais próximos ficávamos, mas a emoção e ansiedade aumentava. Ao chegar foi um misto de alegria e emoção. Vontade de rir, de chorar, ficamos parados admirando o local. Encontramos com dois brasileiros (Guilherme e Andréia) que tínhamos conhecido na fila do trem, em Olhamtayambo, e partimos para desbravar a montanha. Matchu Pitchu é extremamente lindo e fascinante. Cada detalhe chama muito atenção e a vista é encantadora. Como compramos também a entrada para montanha Hayuana Pitchu e, no primeiro horário, no qual tínhamos que subir as 07 ou as 08h, andamos por Matchu Pitchu por 01h30 aproximadamente e fomos subir a montanha. Trilhas estreitas, muitos degraus, calor, suor, mas tudo vale a pena. A paz que você tem ao chegar no ponto alto da montanha é sem comparação. O sentimento de prazer que por completar a escalada é único. Tudo valeu muito a pena. O lado ruim dá montanha são que muitas pessoas ao chegar em determinados locais com vista bonita paravam para tirar fotos e não saiam mais. Em alguns momentos tive que falar para irem andando e em outros perguntei quanto eles cobravam pra deixar outras pessoas tirar foto do terreno deles, o que os deixavam sem graça e assim saiam. Voltando a viagem, após chegar no topo dos 2.500 e poucos metros relaxamos, tiramos fotos na companhia de nossos amigos e iniciamos a descida. E a cada instante parávamos para admirar a vista, aproveitar o momento único e claro, tirar fotos. Saímos dá Montanha, passeamos mais um pouco por Matchu Pitchu e as 11h30, após 5h30, saímos do parque. Eu e minha noiva pegamos o ônibus para Águas calientes e fomos para estação de trem tentar trocar nossa passagem. Nossos trem de volta estava marcado para 18h20 e trocamos para o de 13h37, porém cada um precisou pagar 8 dólares, que era a diferença de valor . Após a troca, tínhamos uma hora para comer e fomos procurar um local perto. Encontramos um que ofereciam 20℅ de desconto para estrangeiros. Comemos, a comida não estava tão saborosa, e na hora de pedir a conta uma surpresa: o tal valor dos 20℅ é cobrado como taxa de serviço. Logo me recusei a pagar e Lara minha surpresa, minha conta com valor total, sem os 20 % deu 12 soles mais barato que a primeira conta que o garçom me deu O garçom me fez a seguinte conta, o que estranhei: 29 reais cada prato (foram dois) o valor passava de 40 para 29 12 soles o suco 6 soles o refrigerante O que dava 76 + 15 de 20% e minha conta deu 90 soles. Ao falar que não pagaria os 20% já que não era obrigatório, ele me tirou os 20% e pra meu espanto, minha conta deu 78 soles. 30 cada prato (no cardápio estava 39) 12 suco e 6 da coca, dando 78 soles. Resolvido o problema fomos para estação de trem e embarcamos para Olhamtayambo. Ao chegar em Olhamtayambo pegamos uma van, na qual pagamos 10 soles cada e migramos para Cusco. Ao chegar fomos descansar, pois no dia seguinte íamos acordar às 03h para irmos a Rainbown Montain. Por volta de 20h desci para comprar uma pizza e duas coca colas. Paguei 30 soles por tudo. A pizza foi muito saborosa. Gastos do dia Almoco 78 soles Água 4 soles Diferença do trem - 50 soles Pizza + coca - 30 soles Dia 06 Com certeza nosso pior dia no Peru. Acordamos 02h30, pois a van nos buscaria entre 03h e 03h30 para irmos a Rainbown Montain. Ficamos quase 4h sentados dentro de uma van ouvindo música peruana. Ao chegar lá tomamos café dá manhã (estava incluído no pacote) e começamos a andar em direção da montanha. O trajeto é cheio de lama, rios, e muuuuito cansativo. No trajeto pegamos chuva de granizo (todas vezes que choveu foi somente gelo). Após todo trajeto de chuva, frio, vento, lamas chegamos ao cume da montanha. Ao chegar lá tivemos uma frustração, pois o tempo estava muito fechado e com isso a montanha não estava tão colorida. Sem falar na temperatura que estava próxima de 0 grau. Tivemos somente 30 minutos para ficar lá em cima e tivemos que iniciar o trajeto novamente, só que agora pra descer. Vale destacar aqui que no caminho ficam uns locais com cavalos cobrando 70 soles pelo trajeto de ida e volta. O que foi feito por diversas pessoas dos grupos que lá estavam. No trajeto da volta também pegamos chuva de granizo e muito frio. Ao chegarmos no ponto de encontro, paramos para almoçar (também incluído no pacote de 75 soles por pessoa). O almoço teve uma entrada de sopa e o prato principal foi arroz, frango e batata. Após o almoço pegamos o trajeto de volta para casa e demoramos mais 4 horas. No final das contas perdemos quase 8h na van, 6h subindo e 30 minutos apenas no topo da montanha. Chegamos em Cusco por volta das 18h e fomos para o hotel descansar. A noite descemos para comer e fomos comer o balde de frango com nuggets, batata e refrigerante e pagamos 37 soles. Gastos do dia Água - 4 soles Suporte pra subir trilha - 5 soles Balde do MC - 37 soles Dia 07 Nosso último dia no Peru. Acordamos cedo e fomos comprar algumas lembranças pros amigos e familiares. Compramos mochilas, chaveiros, blusas, canecas, casacos, camisas, pães, cervejas, pina colas e imãs de geladeira e bonés. Gastamos aproximadamente 500 soles com presentes. Após as compras retornamos para o hotel, para terminar de arrumar as malas e fomos embora. Pagamos 8 soles para ir até o aeroporto de Táxi. E embarcamos em Cusco com destino a lima às 12h00 pro nosso voo sair às 12h50. Chegamos em Lima 14h15 e fomos comer e fazer hora, pois a gente só ia pegar as nossas mala no Brasil e o voo estava marcado para sair de Lima com destino ao Rio as 21h30. Embarcamos no horário certo e chegamos no Brasil no sábado às 06h da manhã. Observações: O tempo todo as pessoas te oferecem as coisas. Após um certo tempo você vai para de responder e começa a ignorar. Se for pagar em soles ou dólar, chore preço. Eles sempre dão desconto para você quando compra em espécie. Todos os dias nos ofereceram maconha, principalmente a noite na praça das armas. As pessoas ouviam a gente conversar em português e falavam: olá brasileiros, querem maconha?". Os passeios sao muito bons e os locais lindos, porém o deslocamento sempre é muito longo o que acaba tornando tudo mais cansativo. Se puder ir a águas calientes vá, é a parte mais bonita de toda a viagem. E não precisa reservar hotel lá. Procure ao chegar, muitos não estão no booking e o preço médio é de 60 a 80 soles por noite/casal. Sempre que for descer para a praça das armas, vá a pé. É prático e você aproveita pra conhecer os becos e vielas da cidade. Já para subir, prefira os táxis. Custam em média 4 soles e você evita subir ladeira na altitude. Repare bem nos restaurantes antes de entrar para comer. Muitos são bem sujos, com o chão engordurado e as mesas sujas. Experimentamos Folha de Coca Inca Cola Pisco Chá orgânico Alpaca Cordeiro Cusquenha
  17. Pessoal, Me chamo Marcelo e eu, junto com mais 3 amigos(as), Edmar, Renata e Isabel, vamos de Curitiba a Machu Picchu seguindo pela Argentina, Chile, Bolívia e Peru. Serão 30 dias de viagem com o meu Renault Symbol 1.6 2013. Vamos partir no dia 26/12/2017 e devemos voltar dia 24/01/2018. Estou me preparando para a viagem desde junho com manutenções, melhorias e equipamentos extras. Também já paguei os seguros de saúde, carta verde e Soapex (Chile). Nesta etapa os custos foram estes: Seguro Carta Verde= R$ 60,00 para 30 dias (só Argentina) pela Seguros Proteges, de São Borja-RS. Seguro Soapex do Chile= R$ 34,00 para 12 dias pela internet. Seguro de saúde= R$ 252,00 para cada, pela Assist Card por intermédio do site SegurosPromo . com . br. Troca de óleo, filtro do óleo, filtro de combustível, filtro do ar condicionado e filtro de ar = R$ 205,00 Então o custo inicial (fora a troca de peças na revisão) é de R$ 551,00 A seguir vou detalhar o roteiro pretendido.
  18. 24 dias - Bolívia, Chile e Perú

    Olá! Fiz um relato sobre a minha viagem de 24 dias pela Bolívia, Chile e Perú. Vou deixar aqui também a planilha que usei para me organizar, exatamente como planejei, para que vocês possam ver como fiz. Espero que ajude vocês. Boa viagem! Bjs! Fernanda @nandaletsgo Relato_nandaletsgo_24dias_Bolivia_Chile_Peru.pdf Roteiro_planilha excel.pdf
  19. Escolhi o mês de setembro para ir para o Peru, pois havia lido que o período de chuvas vai de outubro a abril e chuva sempre atrapalha qualquer viagem. Na chegada no aeroporto de Lima, a primeira coisa que procurei foi um chip de celular para uso durante o período no país (2 semanas), mas, como eu havia lido antes, a lojinha da Claro do aeroporto não vende mais. O segundo passo no aeroporto foi trocar uns dólares por soles. Como a cotação é um pouco maior que as casas de câmbio, troquei inicialmente 100 dólares para os gastos mais imediatos. Por fim, para sair do aeroporto, era hora de ver o táxi. Muitos taxistas oferecendo o transporte por preços altos e em dólares, mas segui a recomendação de pegar o Taxi Green, que tem preços mais baixos, carros em bom estado e o pagamento é feito no balcão da empresa no próprio aeroporto. Pagamos 50 soles para Miraflores. Fui com amigos e nos hospedamos durante 5 dias em um apartamento pelo Airbnb bem próximo ao mar. Mas não pense que a praia tem a configuração que estamos acostumados no Brasil. Para conseguir chegar lá, é preciso transpor a região dos barrancos, descendo uma certa quantidade de escadas e passando por passarela sobre a rua que fica à beira mar, um tanto cansativo. E não espere encontrar uma praia com areia. Mas como a época em que fomos estava bem frio, a praia, que já não era convidativa, não parecia assim uma boa ideia. Para o primeiro dia na cidade, acabamos explorando a região próxima ao apartamento, já que já era perto da hora do almoço. Após deixar malas e resgatar a dignidade depois de uma noite passada em conexões de aeroportos, almoçamos uma comida deliciosa (lomo saltado) e com ótimo preço em um restaurante do lado do Parque Kennedy. E aproveitando o comércio ao redor, procurei uma loja da Claro para a compra do chip e do pacote de internet, já que os quiosques dentro dos shoppings e mercados também não vendiam. Não foi difícil encontrar a tal “oficina”, que é uma loja maior da operadora com muitos balcões de atendimento. Gastei 5 soles no chip e 20 soles em um pacote de 1GB de internet. Aproveitando o comércio intenso, descobrimos uma casa de câmbio também para trocar uma quantidade maior de dólares com preço mais vantajoso do que no aeroporto. É interessante também pedir notas de menor valor para facilitar na hora de pagar o Uber, por exemplo. Aliás o Uber foi o nosso meio de transporte durante todo o período em Lima. É uma cidade com trânsito intenso e grande quantidade de táxi em péssimo estado de conservação, daí garantir certo conforto no Uber e com o preço já conhecido de antemão é bem prático. Lima é uma cidade sempre cinza que raramente tem chuva ou sol. Mesmo assim, é indicado usar protetor solar porque a camada de ozônio que está sobre a cidade tem um grande buraco, deixando passar os raios mais nocivos à saúde. Mesmo com o frio que fez no meu período de viagem, esse cuidado é altamente recomendado. As páginas cupofthings.com e sundaycooks.com foram as que mais gostei de explorar e que indico para pesquisar sobre Lima. Há muitas dicas valiosas que usei e que poderão ser também úteis a outros viajantes. Dia 1 – Centro histórico de Lima Pegamos o Uber e paramos inicialmente na Plaza de Armas, uma grande praça no centro em torno da qual estão alguns dos lugares que visitamos no dia. A Plaza de Armas era um lugar já povoado antes da chegada dos espanhóis. Foi refundado em 1535 pelo conquistador Francisco Pizarro. No passado foi usado para touradas e execuções. Foi também onde aconteceu a proclamação de Independência do Peru. A Catedral de Lima está de frente para a Plaza de Armas. Sua construção iniciou em 1535 e sofreu com muitos terremotos. Sua arquitetura se inspirou na Catedral de Sevilha. Outro ponto também situado ali é o Palácio Arquiepiscopado. Bem ao lado da Catedral, tem fachadas com dois grandes balcões bem conservados apesar do tempo. Desde 1535 foi o local que Pizarro escolheu para acolher o clero. De frente para a praça, o Palácio do Governo, com soldados em guarda na sua frente, é a sede do governo peruano. Para sua visitação, é necessário agendar com 48 horas de antecedência. Andando alguns quarteirões, chegamos ao Convento de São Francisco. Fundado em 1546 e reconstruído pela última vez em 1642, sua grande atração são as catacumbas, onde muitos moradores foram enterrados para estar mais perto de Deus. Essa função foi desativada em 1810. Mais adiante, o Parque da Muralha é um lugar agradável para um rápido passeio durante o dia. Mas não senti muita segurança em afastar um pouco além do parque, ainda mais que já é possível avistar favelas ao longe. Em alguns pontos embaixo da estrutura do parque, é possível ver os muros construídos pelos espanhóis para proteger a cidade de ataques piratas ou invasões inimigas. Enquanto era colônia espanhola, a cidade era toda cercada pela muralha, por isso até hoje o nome do distrito é Cercado de Lima. Perto dali está o Convento de Santo Domingo, fundado em 1535 e reconstruído pela última vez em 1746, seu interior possui grande acervo de arte sacra. Finalmente, andando um pouco mais, chegamos na Plaza San Martín. No centro da praça está a imponente estátua do libertador San Martín montado em seu alazão. Ao redor da praça, estão o Teatro Colón e o Grand Hotel Bolivar, famoso como o melhor pisco da cidade. Dia 2 Pegamos o Uber para a Huaca Pucllana. A Huaca é um sítio arqueológico dentro da cidade, entre San Isidro e Miraflores. É uma construção em tijolos de barro, constituída de uma parte térrea e uma pirâmide reservada aos rituais sagrados. A disposição dos tijolos em pé e com pequenas brechas entre eles para suportar tremores de terra já mostra os avançados conhecimentos de arquitetura dos povos pré-incas séculos atrás. A pirâmide possui sete níveis, mas eles foram construídos em diferentes momentos da história e por diferentes culturas. Logo em seguida, fomos ao Mate, que é o museu privado de Mario Testino. A visita é curta por ser um lugar pequeno, mas faz a gente experimentar entrar numa revista de moda. São fotos enormes de personalidades nas paredes, inclusive com uma ala dedicada a Lady Di. Há também uma ala que causa impacto visual com fotos super coloridas de trajes típicos andinos que faz valer a pena a visita ao pequeno museu. Em seguida, perto da hora do almoço, chegamos ao Shopping Larcomar. Ao chegar ao shopping, achei estranho não o avistar da calçada. Isso porque ele fica uns níveis abaixo da rua, bem na encosta com uma bela vista para o mar. Seguindo a dica das meninas do site Cup of Things, anotei alguns restaurantes com bons preços para experimentar na cidade. Um deles, o T’anta, tem endereço no Larcomar e foi super aprovado, além do que almoçar com vista para o mar sempre vale a pena. Após, conhecemos o Mercado de Surquillo. Além dos artigos habituais de um mercado municipal, o Surquillo tem muitos produtos, como frutas, temperos e especiarias regionais, que são muito diferentes para nós. Apesar disso, o lugar não me cativou. Fica numa região bem feia da cidade e não tem muito ar de lugar seguro, com uma confusão enorme de veículos e entulho ocupando o mesmo lugar do lado de fora, que não agrada o turista. Finalmente, atravessando a ponte próxima do mercado, fica a Av. Petit Thouars, com vários mercados de artesanato, que é um paraíso para a turistada, com muitos itens para comprinhas. Dia 3 O dia começou com o Museu Larco. O Larco é um museu privado instalado em um palácio do século 18. Sua fachada e jardins são os pontos altos da visita. Bem arborizado e com flores que dão muita cor na parte de fora, há ainda esteiras disponíveis para os visitantes desfrutarem de um lugar tão belo. Em uma sala apartada do museu, uma parte do acervo que chama atenção é a galeria de cerâmica erótica. E completando um ambiente tão agradável, existe um café-restaurante com preços bem acessíveis e comida deliciosa (características que se tornaram de praxe na cidade). A maioria das mesas já estava reservada, mas como ainda não era meio-dia, conseguimos uma das poucas mesas disponíveis. Na parte da tarde, o Parque de La Reserva foi a escolha. O parque tem um conjunto de bonitas fontes de água no “Circuito Mágico del Agua” que dançam e se iluminam. É bom verificar o horário de abertura do parque, que acontece no meio da tarde. Há também um show holográfico à noite, mas acabamos não vendo porque chegamos cedo e a espera seria longa, além do frio que fazia. Dia 4 Pegamos o Uber para Parque Bosque El Olivar. O bosque das oliveiras é um lugar bucólico e agradável que fica no charmoso bairro de San Isidro. As árvores bem cuidadas e o laguinho com crianças brincando ao redor faz do lugar um ambiente bem gostoso de visitar. A vizinhança é também muito bonitinha, com casas mais arrumadas e lojinhas bem frequentadas. Como as distâncias ficam próximas, nesse dia exploramos tudo a pé. Como nessas proximidades fica o Restaurante Barra Chalaca (sugestão das meninas do Cup of Things), foi o dia de experimentar mais recomendação. É um lugar bem pequeno, com mesas do lado de fora, com uma comida deliciosa como sempre. São poucas mesas, mas chegamos cerca de meio-dia, então não tivemos problema de espera. Mas a fila se formou pouco depois e foi só crescendo. Andando um pouco mais por San Isidro na direção do mar/Miraflores, outra surpresa recomendada pelo Cup of Things, mas que acabamos chegando por acaso foi a sorveteria artesanal Amorelado. A loja é bem pequena, mas com decoração retrô que é um charme. E os sorvetes são produção própria e bem indicados. Terminamos o passeio pelo Malecón, a região bem cuidada que fica ao longo das falésias, formada por uma sequência de vários parques. É fácil encontrar muitas pessoas fazendo uso das suas estruturas, com quadras de esporte, pista de skate, bares, restaurantes, um passeio com bastante movimento e vista para o mar do Pacífico. O Parque del Amor é um desses lugares no Malecón, com paredes de mosaico ao estilo de Gaudí em uma área bonita e bem frequentada. A descida até a praia não é tão fácil, mas em algum ponto tem um caminho íngreme com escadas que cansam um pouco. Cusco No aeroporto de Cusco, fui saber o valor do transporte no guichê de táxi oficial e me assustei, porque além de bem caro, era cobrado em dólares. Como do lado de fora havia alguns taxistas oferecendo o serviço, pedi para o motorista me mostrar o carro dele para avaliar o tamanho e estado, e negociei por 15 soles o valor até próximo à Plaza de Armas. Como é indicado fazer a aclimatação por causa da altitude, deixamos o dia livre para apenas fazer o reconhecimento da cidade sem pressa. A melhor localização é próximo à Plaza de Armas, prestando atenção que tem lugares que estão em níveis mais altos, com acesso por ruas com escadas, que podem incomodar o viajante que leva uma mala, ou cansar mais rápido por causa da altitude, ou outro inconveniente. Uma ideia para saber os níveis das ruas pode ser se posicionando no mapa na Plaza de Armas, ficando de frente para a Catedral de Cusco. À frente é subida, atrás é descida e nas laterais é plano. Para os passeios, ao chegar ao hotel em Cusco, já fui abordado por uma agência de viagem, que me mostrou o catálogo dos passeios. Como eu tinha já anotado antecipadamente os que eram de meu interesse, bastou escolher os que eles disponibilizavam. Assim, já deixei tudo pago e agendado, preenchendo os meus dias que ficaria em Cusco. Deixei também pago o boleto turístico e, mais tarde no mesmo dia, a agência já deixou ele na recepção do hotel. Esse boleto contém a maioria das entradas nos passeios de Cusco. Para prevenir do mal da altitude, no hotel em que fiquei, havia na recepção uma garrafa com água quente e folhas de coca secas para fazer infusão e tomar o chá. Como é estimulante, o indicado é só tomar o chá durante o dia. Para o preparo da infusão, 3 ou 4 folhas são suficientes. O gosto é de qualquer outro chá, nada demais. Não sei se eu passaria mal sem ele, mas eu prefiri não arriscar, com risco de estragar o passeio. A página andarilhosdomundo.com.br foi onde peguei muitas informações sobre os passeios a partir de Cusco e vale a pena a leitura dos textos para se programar melhor. Dia 1 – Vale Sagrado A van nos pegou no hotel bem cedo para um passeio que duraria o dia inteiro. Com o boleto turístico em mãos, seguimos com mais uma porção de turistas de vários países diferentes. Primeira parada: uma casa em Chinchero de umas senhoras de roupas típicas que ensinam alguns costumes e tradições, criam suas lhamas ou alpacas no pequeno curral e possuem uma pequena exposição dos mais diferentes produtos de lã para venda no local. Em seguida, chegamos a Moray, o sítio arqueológico com os anéis concêntricos em vários níveis. Uma das teorias sobre o lugar diz que é provável que os incas aproveitavam a diferença de temperatura entre os diversos níveis para fazer testes de adaptação dos produtos que plantavam. Mais adiante, para chegar nas salinas de Maras, passamos por uma estrada à beira do precipício na descida da montanha, que dá até certo medo. Maras é uma área em que se produz artesanalmente sal em várias poças rasas em terraços de níveis diferentes, de onde corre a água salgada que vem da montanha. O almoço, que também deixamos pago junto com todo o passeio, foi em um buffet em Urubamba. Como o ônibus só pararia o tempo certo de almoçar, não daria para explorar a cidade. Após o almoço, chegamos a Ollantaytambo, uma das cidades mais charmosinhas do passeio. Como há estação do trem para Machu Picchu ali, muita gente acaba não voltando para o ônibus para pegar o trem depois de conhecer melhor a cidade. O passeio envolve a subida na montanha usando os degraus construídos pelos incas. É cansativo, mas é uma vista linda a que se tem lá de cima. A última parada do dia foi em Pisaq, mas dessa vez o ônibus fez toda a subida até a montanha, poupando o esforço físico dos turistas. Mais uma vez, a vista das montanhas é um espetáculo. Os incas cultuavam a natureza e viviam em harmonia com as suas formas, aproveitando os espaços naturais para favorecer a sua sobrevivência e a vida em sociedade. A conservação desses sítios arqueológicos dá uma grande amostra de como funcionava essa relação entre os incas e a natureza. Dia 2 – City Tour O city tour dura uma tarde e se inicia em frente à Catedral, na Plaza de Armas. No meio de uma multidão de pessoas (acontecia um casamento coletivo), foi um desafio saber o ponto de encontro com o guia para o passeio. Uma vez junto do grupo, era hora de explorar o interior da Catedral. Uma pena que não é permitido tirar fotos, porque os detalhes internos acompanhados das explicações do guia fazem valer a pena uma visita. Qorikancha ou Templo do Sol fica também bem próximo da Plaza de Armas e o grupo foi conduzido a pé pelo guia. Nesse local, a base da construção inca foi aproveitada pelos espanhóis para erigir um convento, mas é possível ver a estrutura construídas pelos incas em algumas paredes preservadas até hoje. Mesmo passando por alguns terremotos, a sólida estrutura inca se preservou, enquanto a espanhola precisou ser refeita. Saindo de Qorikancha, é hora de todos entrarem no ônibus para seguir para as demais atrações. Próxima parada: Tambomachay. A partir da recepção, o caminho é uma subida cansativa, já que este é o ponto mais alto no passeio, com mais de 3700 metros acima do nível do mar. Nesse lugar, os incas se dedicavam ao culto às águas, como um templo de purificação. Diz a lenda que tomar água desse lugar cura vários males. O próximo sítio arqueológico foi Q’enqo, um lugar também no alto, de onde se tem uma boa visão de Cusco. Ali existe um labirinto de rochas, onde acessamos os túneis para chegar a um espaço apertado com uma grande pedra em forma de mesa de sacrifícios, onde os incas realizavam rituais. O último lugar no city tour é Sacsayhuaman, ou, como o guia brincou, é mais fácil dizer como os americanos: “sexy woman”. Trata-se do maior templo de Cusco, onde funcionou uma fortaleza militar guardando a entrada do império. Sua estrutura é formada por pedras gigantescas, polidas e encaixadas de forma impressionante sobre como isso foi possível cerca de um a dois séculos antes da chegada dos espanhóis. Dia 3 – Vale Sagrado Sul Um ponto negativo nesse passeio foi que a van nos pegou no hotel já eram cerca de 9h da manhã e o passeio duraria até cerca de 15h, sem parada para almoço. No caminho de volta, algumas pessoas ficaram em restaurantes com comida típica que o guia indicava fora de Cusco, mas depois esses grupos desgarrados ficariam por sua própria conta para voltar para a cidade. Passamos primeiro por Tipón, onde existe todo um sistema de irrigação bem organizado, onde os incas faziam um uso bem otimizado da água para a sua agricultura. Ao redor de um lugar bem arquitetado e fértil, existia também um templo religioso, sendo ainda preservada parte da edificação no local. Mais adiante, as ruínas de Pikillakta são de sociedades pré-incas (wari) e ainda não foram totalmente exploradas pelos pesquisadores. Pikillakta era uma cidade branca, com as paredes das construções caiadas de gesso. As pesquisas nesse sítio avançam na medida em que é liberada verba pública, mas constantemente o orçamento não é suficiente, fazendo estagnar as explorações por longos períodos. O último ponto incluído no passeio foi Andahuaylillas, um lugarejo com uma igreja ornamentada de paredes e teto pintados com imagens religiosas e, por isso, conhecida como a “Capela Sistina das Américas”. Em alguns pontos nas paredes é possível ver uma sobreposição de pinturas por outros trabalhos artísticos, o que revela uma rixa entre as ordens religiosas que dominaram o local. Em frente à igreja, há uma feirinha de artesanato e algum lanche, que foi providencial porque já passava da hora do almoço e ainda tínhamos que fazer o caminho de volta para Cusco. Dia 4 – Explorando Cusco Esse foi o dia em que não marcamos passeio com guia e resolvemos andar pela cidade para conhecer outros recantos ainda não explorados. Guiados pelo Google Maps, subimos as cansativas ruas com escadas na direção de San Blás, um bairro mais alto e bem charmosinho. Ao lado da igreja de San Blás, há uma feirinha de artesanato, além de vários pátios com produtos para turistas. Ao longo das estreitas ruas, existe comércio de todo tipo. Entramos em alguns pelo caminho para os souvenires e fomos na direção da Pedra dos 12 Ângulos. Muitas construções na cidade foram feitas em cima das bases incas, restando muitas paredes ainda originais. O encaixe perfeito das pedras muitas vezes traz recortes formando desenhos bem diversos. Assim a Pedra dos 12 Ângulos é famosa por ter essa quantidade tão original de recortes. Seguimos para dois museus incluídos no boleto turístico e que ficam bem próximos um do outro e bem próximos do templo de Qorikancha: Museu Municipal de Arte Contemporânea e Museu Histórico Regional. São lugares pequenos, com algumas exposições culturais que poderiam passar desapercebidas, mas já estavam incluídos no valor pago pelo boleto, então não tinha nada a perder a não ser a sola do sapato. Andando um pouco mais, chegamos ao Museu do Sítio de Qorikancha, que não é o mesmo que visitamos no city tour. A entrada do museu é subterrânea em fica um pouco escondida, confundindo um pouco o visitante. É um museu bem pequeno, com exposição de cerâmica, algumas múmias e rituais usados pelos incas, inclusive mostrando como eram feitas cirurgias já naquela época. Um pouco mais distante, mas ainda assim fomos a pé, está o Monumento Pachacuteq. Esse é o mesmo líder inca que tem a estátua na Plaza de Armas, mas no Monumento a estátua é gigantesca e fica em cima de uma torre. A subida é através de uma escada interna em espiral, com vários andares com pequenas exposições sobre a cultura local. No último nível, chegamos nos pés da estátua e é impossível fazê-la caber em uma foto tirada de perto. Voltando em direção ao centro, chegamos na “25 de março” de Cusco, região com vários centros comerciais e uma quantidade enorme de lojas com preços populares e todo tipo de mercadoria. Perto dali, está o popular Mercado de San Pedro, com uma grande variedade de comidas expostas sem muita higiene. Vendem muita coisa estranha, inclusive vi uns recipientes com cérebro sem refrigeração. Não comprei nada ali, só uma visita foi suficiente. Machu Picchu Se não for fazer a trilha de quatro dias que leva a Águas Calientes (=Machu Picchu Pueblo), a outra maneira para chegar é somente por trem. É imprescindível comprar antecipadamente a passagem de trem de ida e volta, já que é arriscado não ter passagem disponível quanto mais perto estiver da data da viagem. O ingresso para a entrada de Machu Picchu também é bom comprar com certa antecedência, porque tem número limitado de visitantes por dia/turno. Compramos a passagem de trem saindo da estação de Poroy, que é a mais próxima a Cusco. O próprio hotel deixou reservado o táxi para nos pegar. Como voltaríamos para o mesmo hotel posteriormente, eles guardaram nossas as malas, assim poderíamos viajar apenas com mochilas, já que a estadia em Machu Picchu era bem curta. Viajamos pela Perurail, que tem trens que variam de categoria e preço. Nos horários que escolhemos, pegamos na ida o Vistadome e na volta o Expedition. O primeiro é mais confortável e tem um lanche mais generoso, enquanto o segundo é mais simples e oferece um belisquete estilo biscoito de avião, então melhor não viajar com fome. Os trilhos seguem as margens do Rio Urubamba até Águas Calientes, em uma viagem de cerca de 3 horas e meia, com lindas paisagens entremeadas por montanhas. O povoado de Machu Picchu é bem pequeno e lá não circulam carros. Os veículos desse tipo que existem por lá são somente as vans oficiais que levam os turistas para a montanha. Então é fácil circular para o reconhecimento da cidade. E também qualquer lugar que escolher para hospedagem fica perto de tudo. Eu até esperava que a cidade fosse um pouco mais bonitinha, em vez do aspecto de favela que se via em várias partes. Diferente do clima em Lima e Cusco, Águas Calientes é mais quente e já dá pra usar bermuda e camiseta. Na chegada à cidade, já fomos ao guichê das vans para deixar comprada a passagem para subir e descer a montanha. O preço é salgado e em dólares, mas eles convertem em soles na hora. No dia seguinte acordamos de madrugada, tomamos café na pousada (que servia desde às 4h) e fomos percorrendo a gigantesca fila para ver onde acabava. Demoramos cerca de 2 horas até chegar a nossa vez de pegar a van. Por isso eu recomendo não se enrolar e pegar a fila o quanto antes se for visitar Machu Picchu no turno da manhã. Existe a opção de seguir a trilha a pé, mas pode ser cansativo e demorado. É bom lembrar que tem que ter pique ainda para conhecer a montanha. Machu Picchu é o ponto alto da viagem. Como a sequência de passeios até chegar aqui é uma onda crescente, é recomendável deixar essas ruínas para o final, senão há risco de se decepcionar com os outros lugares se eles forem visitados após Machu Picchu. Como não há banheiro dentro da cidadela dos incas, use o que tem de fora antes de passar pelas catracas. Também não é permitido comer dentro do sítio. Mas leve alguma coisa para comer na saída antes de pegar a van de volta. Leve também água para as várias horas que permanecer lá. Além do filtro soltar, outra coisa que acho essencial levar é o repelente. Os mosquitinhos grudam na pele e deixam um vermelhão que coça muito. O espetáculo das ruínas de Machu Picchu se abre rapidamente tão logo a gente entra no parque. O deslumbramento é inevitável e a vontade é de conhecer cada impressão, cada cantinho, cada detalhe para guardar na memória algo tão precioso. E é uma integração linda com a natureza, parece muito natural a existência de um lugar que se encaixa perfeitamente ao cenário das montanhas ali naquele espaço. No caminho sempre há uma boa quantidade de escadas para subir e descer, mas a exploração das áreas edificadas que podemos ver ao nosso redor é fácil e não precisa de grande preparo. Talvez seja necessário um tanto maior de esforço para explorar as áreas mais distantes, como a Porta do Sol, ou para subir as montanhas compradas à parte do passeio mais simples. Alguns turistas são repreendidos vez ou outra pelos seguranças por se alimentarem ou alimentando as lhamas. Quando os bichos sentem o cheiro de comida, eles se aproximam mesmo. Por isso muita gente, para tirar foto junto com eles, buscam atraí-los com alguma guloseima. Atualmente o parque mudou as regras para acesso. Antes o ingresso valia para o dia inteiro, agora temos que escolher o período (manhã ou tarde) e não ultrapassar o horário limite. Outra alteração foi a exigência de ter um guia turístico junto dos visitantes. Eu fui poucos meses após essas mudanças e ainda não vi a exigência por lá. Li relato de turista dizendo que conversou com funcionários do parque e esses teriam dito que as regras passariam a valer a partir de 2018. Seja como for, é melhor estar preparado caso eles passem a colocar as novas regras em prática. É bom não ser pego desprevenido para a viagem ser memorável. Mas isso não é difícil em um destino desse porte. E por fim, não se esqueça de carimbar o passaporte na saída. É uma lembrança oficial para levar pra gente mesmo.
  20. Alguém já foi de Peru Hop?

    Gente vi em um relato que a menina utilizou o Peru Hop para fazer um determinado trajeto e achei bem interessante. Ele faz Lima até Cusco passando por Paracas, Huacachina, Nazca, Arequipa e Cusco. Quem conhece, sabe se vale mesmo a pena ou é melhor tentar fazer independente? https://www.peruhop.com/passes/to-cusco-without-the-lake/
  21. O seguinte relato é atrasado pq a falta de tempo do ultimo ano não me permitiu escrever e organizar tudo antes. Mas estou fazendo agora pois pode ser útil, eu mesmo não achei muita informação sobre alguns lugares que visitei e descobri tudo por lá na raça Em outubro de 2016 fui para Chiclayo, no norte do Peru, por causa de uma promoção de passagem (paguei somente R$630 ida e volta!) e iniciei meu mochilão de 19 dias por lá sem roteiro definido, o unico planejamento era passar alguns dias a mais em Huaraz pra fazer o trekking Santa Cruz. Não sei se vou conseguir transmitir isso no relato, mas essa viagem foi muito mais que visitar locais bonitos, eu consegui experimentar o dia-a-dia deles lá em várias situações, desde as mais simples até as mais inusitadas como vender flores na porta do cemitério! No final vou postar todos os preços de forma mais detalhada, durante o relato não vou focar muito nisso. Dia 1 - 21/10 - Chiclayo Pousei em Chiclayo por volta de umas 14h da tarde. Fiz uma reserva pelo hostelworld no hostel "Casa Cima" dias antes da viagem e o Liam, dono do hostel, entrou em contato comigo e disse que me encontraria no aeroporto pois o hostel era bem próximo e caminhariamos até lá. Achei diferente e curioso, mas ele não cobraria nada por isso e aceitei de boa. No caminho do aeroporto até o hostel fomos conversando e descobri que ela é um ex-militar inglês que vive em Chiclayo pois se casou com uma peruana e tem uma filha. O hostel não é bem um hostel, é um apartamento grande, na cobertura, que ele vive com a esposa e filha e aluga 3 quartos para hospedes. Antes de chegar no hostel paramos num botequinho pra conversar mais e beber algo. EM seguida fomos pro hostel pra eu deixar minhas coisas e depois eu precisava trocar dolares por soles. O Liam se ofereceu e foi comigo até o centro trocar dolares em lugares confiaveis, pegamos um taxi por 4 soles (eu não planejava andar de taxi na viagem, queria economizar né, mas quando descobri o preço deles em chiclayo me dei a esse luxo em algumas situações hahaha). Era umas 17h ainda e em um folheto da cidade que o Liam me entregou vi que a praia ficava a uns 9km de chiclayo e tinha um pier lá. Decidi que iria até lá pra ver o por do sol do pacifico e o Liam me explicou como chegar lá de forma economica (a palavra magica do mochileiro hahaha). O transporte público de Chiclayo não possui onibus, possui "Kombis" que na verdade são vans, o pessoal das grandes cidades e que já foram pra região periferica ou mais distantes sabem do que eu estou falando. Segui a infos do Liam de onde pegar a Kombi e em qual direção ir, cheguei na garagem das kombis, perguntei qual ia pra "Pimentel" e peguei uma. Me custou 3 soles e eu rodei 9km até lá. Cheguei, caminhei pelo pier, tomei um suco e usei o wi-fi, apreciei o por do sol, comi um espetinho na rua (que até hoje não sei exatamente que carne era HAHAHA), e peguei a kombi de volta pro centro Chiclayo e depois um taxi até o hostel. Chegando na cidade, fui comer numa lanchonete quase ao lado do hostel. -Kombi indo pra Pimentel -Pier em Pimental -Por do Sol em Pimentel -Espetinho de Rua https://photos.app.goo.gl/Su4N7kypVY35SwUK2 -Nesse link tem um video do cobrador anunciando o destino da kombi e abrindo a porta pros passageiros Dia 2 - 22/10 - Chiclayo Eu li que Chiclayo ficava numa região rica em arqueologia, com várias descobertas importantes de culturas pré-incas, os mochas eque viveram entra 100 a.c. e 800 d.c. entre outros. Sabendo disso e seguindo algumas dicas do Liam, decidi que ia pra uma cidade vizinha visitar 2 museus e em seguida ia pra outra cidade para o complexo arqueológico Túcume com piramides de 2000 anos atras. Aí começa a aventura! Fui umas 8h pra garagem das kombis novamente e peguei uma até Lambayeque. Lá visitei o museu Brüning e o museu Tumbas Reales de Sipán. O museu Brüning é simples, não achei tão legal, mas possui uma ala com itens do culto sexual dos mochas enorme, nunca tinha visto tanta escultura de pênis hahahaha. Os caras esculpiam pênis em todas as ceramicas! hahaha Em seguida fui caminhando pro museu Tumbas Reales de Sipán, esse sim era interessante de modo geral. A história do senhor Sipán, um dos achados mais importantes da arqueologia mundial pois ele se tratava de um grande governador e a sua tumba estava intacta, nunca foi saqueada nem nada, e por isso puderam estudar a fundo tudo. Em seguida peguei outra kombi e fui pra um vilarejo vizinho visitar o complexo arqueologico com umas piramides e tal. A kombi me deixou no vilarejo umas 11h, estava tendo uma feira de rua a aproveitei caminhar lá. Em seguida peguei um tuk-tuk que me deixou na entrada do complexo. E como a região lá é um deserto, chegou a hora de caminhar no sol infernal hahaha O Complexo possuia 26 estruturas em piramides mocha, e muita coisa ainda estava sendo estudada e visitantes não acessar algumas areas. Foi legal e diferente, subi num mirador pra ter uma vista completa do complexo. Após umas 3h por lá peguei um tuk-tuk de volta pro vilarejo, almocei por incriveis 6 soles num restaurante familiar pequeno que tinha 2 mesas somente, conversei um monte com a mesa do lado e com a dona do restaurante que disse que foi a primeira vez que alguém de outro país comeu lá. (pra vocês terem ideia de como não é comum turistas naquela região e muito menos ainda mochileiros que se permitem a ter essa experiencia de transporte publico e de forma economica, sem auxilio de agencias hahaha) E bom, não sou a pessoa mais fascinada do mundo por arqueologia, mas já que estava lá tinha que conhecer tudo isso né. E que bela escolha! Sai fascinado pela história, cultura, costumes. Aprender tudo vendo os vestigios da época ao vivo e visitando os próprios lugares é uma bela experiência! Peguei uma kombi de volta direto pra Chiclayo e cheguei umas 17h por lá. Na noite do dia seguinte eu iria pra Cajarmaca por indicações do Liam e um taxista que conversei bastante e então fui comprar a passagem. Passei no mercado comprar algumas coisas pra comer. E depois no hostel fui ver o que poderia fazer no dia seguinte e descansar. Estava acabado por causa do sol do deserto hahaha - Ceramica XXX - museu tumba reales de sipán, a construção do museu é no mesmo formato em que as piramides da época eram construidas - mirador para as piramides. Como elas foram construidas de adobe a 2000 anos, por fora elas são assim bem diferentes do conceito de piramide que conhecemos -Escavações -prato de comida que me custou 5 soles, Muy Rica! Dia 3 - 23/10 - Chiclayo Decidi que iria pra outro complexo arqueologico nesse dia, no caso o local em que encontraram a tumba do sr Sipán, e em seguida iria pra o "Santuario Histórico Bosque de Pómac" que nada mais é que um bosque no meio do deserto que com umas piramides de 1000 anos atras também, mas por já terem sido exploradas e estudada, era possivel subir no topo delas! Bom, umas 8h sai e fui pegar a kombi pra Huaca Rajada que ficava numa cidade vizinha também pra conhecer o complexo arqueológico onde encontraram a tumba do Sr Sipan. Lá estava tendo uma excursão de uma escola com um professor dando explicações, perguntei pro auxiliar se eu poderia ir seguindo eles pra ouvir tudo e permitiram, aprendi mais um monte de coisas, animal!!! De lá peguei uma kombi e voltei pra Chiclayo pra pegar outra kombi em direção ao bosque. Paguei 5 soles e viajei 60km de Kombi até a entrada do bosque na beira da rodovia, lá almocei num restaurante na beira da estrada também quase em frente ao bosque. Comida feita num fogão a lenha, que delicia! Me custou 10 soles. Depois de alimentado, paguei 10 soles pra um tuk-tuk rodar comigo dentro do bosque já que cada ponto de visita lá dentro ficava bem distante, rodamos uns 30km no total lá dentro. Lá vi uma arvore com mais de 500 anos de idade, subi num mirador pra ter uma vista completa do bosque que floresceu em pleno deserto por conta de um rio que passa por lá, e depois fui ver 2 piramides que havia no meio do bosque e que era praticamente um parque de diversão pois é aberto pro publico subir nela e tudo mais. Depois peguei uma kombi na beira da estrada novamente para chiclayo. Enquanto esperava a kombi, um caminhãozinho parou me oferecendo carona, mas eles iam até metade do caminho só e eu teria que pegar uma kombi de qualquer jeito, no caso a mesma que passaria ali. Recusei e esperei a kombi ali mesmo. Chegando em chiclayo umas 17h fui arrumar minhas coisas, comi algo e fui pra rodoviaria pegar o onibus umas 20h pra Cajamarca. A viagem duraria a madrugada toda e eu aproveitei pra dormir e economizar uma diaria. -Representação da tumba do senhor sipán no local real onde foi encontrado, porém a ossada e tesouro real estão no museu que visitei no dia anterior -Rodovia para chegar no bosque -Restaurante em frente ao bosque -Almoço feito no fogão a lenha -Arvore de mais de 500 anos -Vista do bosque seco em cima de um mirador -Topo da piramide -No meio do nada esperando a Kombosa hahaha E assim terminou minha passagem por Chiclayo. Fui na cara e na coragem e curti demais, aprendi um monte! Foi o tipo de rolê que eu escolheria não fazer se tivesse planejado antes, e que não saberia o que estaria perdendo. Continua...
  22. Este relato é sobre a viagem ao Peru que fiz com minha esposa entre os dias 17 e 29 de outubro de 2017 e o principal objetivo ao compartilhá-lo é poder auxiliar os leitores que desejam um dia visitar este encantador País. Visitamos as regiões de Cusco, Machu Picchu, Huaraz, Ica, Paracas e Lima e ainda faltou no roteiro tantas cidades interessantes. Compramos antecipadamente as passagens de avião, deslocamentos de ônibus entre as cidades, os ingressos para Machu Picchu e Huayna Picchu, as passagens de trem para Águas Calientes e fizemos todas as reservas de pousadas e hostels através do site Booking.com. 17/10/17 – São Paulo x Lima x Cusco Saímos de São Paulo – Brasil com destino a Lima - Peru no voo da LATAM as 9h00, a duração desta viagem de avião é de 5h05, mas como o Peru possui 2 horas de diferença de fuso horário e devido ao horário de verão no Brasil, pousamos em Lima às 11h05 (horário local). - Passagem aérea ida e volta SP x Lima x Cusco e taxas por pessoa: R$ 1750,00 Desembarcamos, passamos rapidamente pela imigração e fomos buscar as bagagens, nosso próximo voo era de Lima para Cusco às 13h40. Uma observação importante é que no aeroporto de Lima é necessário retirar as malas, sair do aeroporto e entrar novamente pelo acesso de voos nacionais. Enquanto esperávamos pelo horário de embarque almoçamos no aeroporto de lima no Mc Donald’s. - 40,50 soles por 2 combos. As 15h00, desembarcamos em Cusco, pegamos as bagagens novamente e fomos em busca de um taxi para ir até a pousada que havíamos reservado (6km de distância do aeroporto e 25 minutos). Dentro do aeroporto os taxistas credenciados nos cobraram 40 soles pelo transporte, mas decidimos andar um pouco mais e assim que cruzamos a porta do aeroporto, no estacionamento mesmo, encontramos um taxista que nos ofereceu o serviço pela metade do preço, 20 soles. O trânsito na cidade não estava muito ruim e o deslocamento até a pousada foi rápido. Fizemos o check-in na La Posada Del Viajero, no centro de Cusco - Endereço: Santa Catalina Ancha, 366 - bem atrás da Catedral da Plaza de armas, na parte plana da cidade. - 2 diárias quarto exclusivo com banheiro privativo: 327 soles A pousada fica no fundo de uma viela e é muito bem estruturada. Possui quartos compartilhados sem banheiro privativo e quartos exclusivos com banheiro. Todos os funcionários da pousada foram muito atenciosos e nos deram muitas dicas de Cusco. Deixamos as malas no quarto, tomamos o famoso chá de coca oferecido na recepção do hotel para ajudar a minimizar os efeitos da altitude, já que Cusco está a 3400 metros acima do nível do mar, e fomos conhecer a cidade. Passamos pela Plaza de Armas, tiramos algumas fotos do chafariz, da estátua dourada, da Catedral Sagrada Família e seguimos descendo a principal avenida da cidade, Av El Sol, em busca de um local para trocar reais por soles, a moeda local do Peru. A tarefa não foi nada difícil, já que praticamente em cada porta de comércio que se olha encontra-se uma placa de câmbio. Pesquismos a cotação do real em uns 5 lugares, mas como a variação é bem pequena, acabamos fechando em uma papelaria que estava com a taxa: 0,945. Ou seja, um pouco menos que 1 real. Dessa forma, conseguimos quase a mesma quantidade de dinheiro em soles que em reais. Entramos em alguns centros artesanais e a Karina logo comprou um poncho por 58 soles. Fomos então fechar o passeio que gostaríamos de fazer no dia seguinte. Existem muitas agências que oferecem passeios em Cusco e os preços variam bastante, vale a pena comparar e entender bem as diferenças, como número de pessoas do grupo, almoço, horário de saída e retorno, entre outras. Jantamos na Trattoria Adriano - Endereço: Av El Sol, 102. - Pizza 8 pedaços (pequena e massa fina) - 1 coca vidro pequena - 1 cerveja cusquenha pequena - 1 sorvete banana split Total: 60 soles No retorno a pousada paramos no mercado e compramos uma água de 2,5l por 3 soles. 18/10/17 – Cusco – Passeio Vale Sagrado Sul – Moray e Maras Acordamos as 7h00, tomamos um bom café da manhã na pousada (3 tipos de suco, pão, manteiga, geleia, cereais, café com leite e frutas) e esperamos na porta da pousada no horário combinado pelo transfer do passeio. Na noite anterior fechamos, na agência Puma Peru Expedition, o passeio para Maras e Moray com 2 quadriciclos por 170 soles no total com saída as 8h00 e retorno as 15h00. Esperamos na portaria da pousada por mais de 20 minutos e por volta de 8h25 uma menina nos encontrou. Fomos a seguindo, a pé, por algumas ruas até embarcar em uma van que estava descendo a rua. Na van conhecemos os demais integrantes do grupo, que era bem pequeno, nós dois e outros dois rapazes jovens, um canadense e outro britânico. Seguimos de van por pouco mais de meia hora até uma fazenda onde estavam estacionados os quadriciclos. Ao chegar, o guia e alguns ajudantes nos passaram as instruções, preenchemos uma folha com nossos dados, deixamos os documentos, pegamos os capacetes e luvas e andamos algumas voltas em uma pequena pista circular para nos ambientar com os quadriciclos. Os quadriciclos eram grandes, potentes e bem conservados. Após os testes, seguimos o guia dirigindo em fila única, por estradas de terra, sentido Moray. Em pouco mais de 40 minutos chegamos a Moray, compramos os boletos turísticos e entramos. Há duas opções para o acesso aos principais pontos turísticos de Cusco: Boleto Parcial no valor de 70 soles por pessoa, válido por 2 dias ou o Boleto Total no valor de 130 soles por pessoa, válido por até uma semana. Ambos opções dão direito a entrada nas principais ruínas do Valle Sagrado(Pisaq/ Ollantaytambo/ Chinchero / Moray) e em mais algumas atrações na cidade de Cusco. Como iríamos ficar apenas dois dias em Cusco optamos pelo boleto parcial. O Boleto turístico pode ser comprado durante os passeios ou no escritório de turismo de Cusco na Av. El Sol, 103. Ficamos somente 15 minutos em Moray, porém tempo suficiente para tirar algumas fotos e ouvir algumas explicações do guia sobre o local. Seguimos então novamente pilotando os quadriciclos rumo a Maras. Para acessar as salinas é necessário a compra de um ingresso no valor de 10 soles por pessoa. O guia nos informou que nossa visita ali duraria uns 40 minutos, nos deu algumas explicações e nos deixou livres para circular pelo local. Em Maras existem bastantes coisas interessantes a venda, inclusive artesanatos feitos com sal, além do próprio sal produzido lá para consumo. Retornamos de quadriciclo a fazenda, pegamos a van e voltamos a Cusco, chegando ao Centro por volta de 15h00. Almoçamos no restaurante Emperador Pizzeria – Endereço: Calle Escribanos 177 – Plaza Regocijo. Comemos o menu do dia, que veio com uma entrada (4 nachos e pate de guacamole), sopa, e o prato principal, frango empanado, arroz e batatas e 1 copo de limonada por 15 soles por pessoa, totalizando 30 soles. Após o almoço visitamos o Museu Inka – Endereço: Rua Cuesta el Almirante,103 – Centro - na rua esquerda a catedral da Plaza Central. Na entrada do museu tiramos fotos com uma lhama que estava com uma peruana e pedia apenas uma “propina” em troca. A entrada do museu custa 10 soles por pessoa e não é permitido tirar fotos em seu interior. O museu é bem pequeno, porém interessante para aprender um pouco mais da cultura e história local. Destaque para os crânios na última sala do museu. Saindo do Museu fomos ao Centro Artesanal de Cusco que fica na última quadra da avenida El Sol, cruzamento da avenida Tullumayo. O mercado fica abrigado em um grande galpão, repleto de barracas, disponibiliza ainda uma variada praça de alimentação e possui artesanatos de várias regiões do Peru e os preços são um pouco mais baratos que o famoso Mercado San Pedro. Compramos um presépio de pedra bem bonito por 10 soles. A noite fomos jantar novamente na Trattoria Adriano - Lasagna: 26 soles - Fetuccini Alfredo: 26soles - 2 Coca-Cola 500ml: 12 soles Total: 64 soles Tomamos sorvete em uma cafeteria na Av El Sol que não recordamos o nome: 10 soles por 2 bolas. Fechamos na agência Moshinaga Travel Agency o passeio para o dia seguinte – Vale Sagrado por 45 soles por pessoa com almoço incluso. Decidimos fechar este passeio em uma agência diferente da anterior pois não havíamos gostado muito da explicações do guia anterior, além do preço nesta nova agência ser um pouco inferior. 19/10/17 – Cusco – Passeio Vale Sagrado e Águas Calientes Tomamos novamente café da manhã na pousada e deixamos as malas guardadas no depósito da pousada, uma vez, que iríamos dormir a próxima noite em Águas Calientes, para visitar Machu Picchu no dia posterior, retornando a Cusco somente na sequência. Fomos até a agência como combinado às 8h00. Aguardamos novamente quase meia hora até que uma menina nos encontrou e pediu que a seguimos. Desta vez andamos bastante, uns 25min, a pé dentro de Cusco até chegar ao ônibus que estava estacionado em um posto de combustível. O ônibus era grande e o grupo de turistas era de mais ou menos 20 pessoas. Por volta de 9h00 saímos com destino ao Vale Sagrado. A primeira parada, depois de pouco mais de meia hora de estrada, e 50km de Cusco, foi no mercado artesanal de Calca, ficamos lá por cerca de 25 minutos. O mercado nada mais é do que várias tendas a céu aberto com vários itens artesanais. Destaque para as facas feitas com resina com rostos macabros e a dupla de bois que são colocados no topo das casas da região para proteção. - Banheiro 1 sole Próxima parada foi Pisac, cidade que fica a 33 km de Cusco. Antes de acessar o sítio arqueológico, paramos em uma portaria para quem não possuísse o boleto turístico o comprar. Como já o possuímos, bastou o apresentá-lo. O ônibus estacionou, subimos todos juntos a pé até a parte principal do sítio e o guia fez uma breve explicação sobre o lugar. Falou sobre os motivos daquela construção, que data do ano de 1480, ter sido feita ali, entre elas abalos sísmicos, estudo da astronomia, agricultura, clima , entre outros. Explicou sobre as 1500 catacumbas que existem encravadas na montanha. Comentou que os Incas cultivavam ali, nos terraços agrícolas, mais de 4000 tipos de batatas, 800 tipos de milho, entre muitas outras coisas. Na sequência combinou um local de encontro para o grupo e nos deu 30 minutos livre para explorarmos o local. Subimos ao topo do centro arqueológico, tiramos muitas fotos e descemos pois já era tempo de encontrar o grupo. Ficamos em Pisac por volta de 1 hora no total. Na sequência o ônibus parou no mercado artesanato e joias em Pisac. Conhecemos uma fábrica de joias, onde aprendemos as diferentes tipos de pratas e a diferenciar pratarias verdadeiras e falsas. Ficamos lá por 25 minutos. Este mercado possui banheiro e não é necessário pagar. Karina comprou um pingente de prata e pedra azul por 45 soles. Seguimos então com destino a Urubamba para almoçar. Após 1 hora de viagem chegamos ao restaurante Paqharina, um local muito bonito com buffet de comida a vontade, bastante variedade (saladas, carne de alpaca, frango, peixe, macarrão, arroz, lentilha, milhos, batatas, sobremesas) e tudo muito gostoso. O guia nos avisou que teríamos 45 minutos para o almoço, tempo suficiente. Após o almoço nos deslocamos de ônibus por 30 minutos a Ollantaytambo, mais uma obra monumental da arquitetura Inca que constituiu um complexo militar, religioso, administrativo e agrícola. O local é repleto de gigantes pedras com lados, ângulos e volumes bem diferentes. O acesso ao atrativo está incluído no boleto turístico. Destaque para o Templo do Sol, impressionante conjunto arquitetônico, já bem destruído pela ação do tempo e dos exploradores espanhóis. A parede principal é formada por 6 enormes pedras com muitos ângulos e que se encaixam com enorme precisão. Ficamos em Ollantaytambo pouco menos de 1 hora. Seguimos então, de mototáxi, que são motos com uma cabine atrás que comportam até duas pessoas, em direção a estação de trem de Ollantaytambo, onde iríamos pegar o trem da Inca Rail com destino a Águas Calientes as 16h36 (importate chegar na estação com pelo menos 30 minutos de antecedência) O trajeto até a estação durou 5 minutos e pagamos 3 soles. O trajeto de trem de Ollantaytambo até Águas Calientes, também hoje conhecida como Machu Picchu Pueblo, é feito somente por 2 empresas: Inca Rail e Peru Rail, ambas possuem ofertas de transporte em vagões com vários estilos e preços. Escolhemos a Inca Rail pelo horário oferecidos e pagamos 64 dólares por pessoa na classe executiva. A viagem de trem durou 1h30 e durante o trajeto nos serviram 1 snack e uma bebida a escolha, quente ou gelada. Eu escolhi Soda Andina (suco de limão, angostura, ginger ale, com fatias de gengibre e uma estrela de anis) e a Karina escolheu café com leite. A classe executiva do trem da Inca Rail possui janelas bem grandes, inclusive no teto e a vista em volta é maravilhosa. Passamos por um vale cercado de montanhas com picos nevados e no final da viagem parece que estamos passando por dentro da selva, árvores altas dos dois lados, seguindo o rio Urubamba ao lado esquerdo. Chegando na estação de Águas Calientes fomos recepcionados por uma funcionária do hotel que havíamos reservado no Booking. O Hotel chama-se El Tambo MachuPicchu e fica bem no centro cidade, a uns 5 minutos a pé da estação. Pagamos 115 soles por uma diária e o hotel atendeu as nossas expectativas para um bom banho e uma noite de sono confortável. Fizemos o check-in no hotel, fomos conhecer a cidadezinha, comprar as passagens de ida e volta de ônibus a Machu Picchu e jantar. As passagens do ônibus são compradas no quiosque da Consettur, em baixo da ponte sobre o rio que corta a cidade, bem fácil de achar, e a subida e descida de microônibus nos custou 24 dólares por pessoa. Após entrar em alguns restaurantes e não gostar muito dos preços decidimos parar em um na rua em frente a linha do trem e pedir lanches. - 2 cheeseburguers com ovo : 44 soles - 1 cerveja cusquenã trigo grande : 16 soles - 1 coca de 500ml : 8 soles - Taxa deserviço: 14 soles Total: 82soles Infelizmente não lembramos o nome do restaurante, mas não o recomendamos pois o atendimento foi péssimo, a comida demorou muito para chegar e a carne do hambúrguer era bem ruim. Na volta compramos uma água de 2,5l no mercado na rua do hotel por 5 soles. 20/10/17 – Machu Picchu – Cidade perdida dos Incas Acordamos bem cedo, às 3h50, para ficar na fila do ônibus que começa a subir a Machu Picchu à partir das 5h30. Como era bem cedo, o hotel ainda não estava servindo o café da manhã, mas combinamos o horário que sairíamos na noite anterior com a funcionária do hotel e eles nos deixaram um kit de lanche, com pão, suco e fruta. Chegamos na fila do ônibus para subir Machu Picchu as 4h20. A fila já estava enorme, uns 120 metros e mais de 200 pessoas. Fui perguntar ao primeiro da fila e ele me falou que chegou lá por volta de 3h00. Apesar do nosso lugar atrás na fila vários ônibus surgiram, as pessoas foram subindo em ordem e entramos rapidamente as 5h40. Chegamos a portaria as 6h05, pegamos mais uma fila até a catraca, mas logo já conseguimos entrar. Subimos então andando rapidamente diretamente a parte alta para ter a vista de Machu Picchu com poucos turistas. Ao chegarmos em um ponto bem alto olhamos para baixo e vista era espetacular, praticamente não existiam nuvens cobrindo as construções. Deixei a GoPro posicionada estrategicamente tirando fotos automaticamente a cada 10 segundos para posteriormente fazer Time Lapse. Tiramos então algumas fotos com a câmera e o celular e em questão de 15 minutos muitas nuvens cobriram a vista e não enxergávamos absolutamente mais nada abaixo. Aguardamos uns 15min e as nuvens se dispersaram, deixando a vista maravilhosa novamente. Exploramos bem a parte alta e seguimos em direção a parte baixa. Dica preciosa: Leve repelente, algumas pessoas estavam com muitas mordidas de mosquitos nas pernas e braços. Tive então que percorrer rapidamente toda a parte baixa e voltar a portaria pois precisava usar o banheiro que encontra-se fora do parque, paguei 2 soles. Apresentei novamente o ingresso e o passaporte na entrada e fui informado que seria minha última entrada permitida. Fomos então novamente ao final da parte baixa pois iríamos subir a montanha Huayna Picchu. Havíamos comprado o ingresso a esta montanha juntamente com o ingresso do parque Machu Picchu 3 meses antes da viagem. Muito importante comprar o ingresso com bastante antecedência pois o acesso a montanha Huayna Picchu é restrito a 200 pessoas no horário das 7 às 8h e outras 200 pessoas das 10 às 11h. O ingresso de Machu Picchu e Huayna Picchu por pessoa nos custou 200 soles e mais 8 soles de taxa do site oficial do Ministério da Cultura do Peru. Somente este site é confiável para a compra dos ingressos. Optamos pelo segundo horário e demoramos pouco menos de 2 horas pra subir e 40 min pra descer a montanha. A subida tem um grau de dificuldade bem difícil, devido sua altitude máxima: 2720m, sua grande inclinação e as suas estreitas escadas de pedra com antigos cabos de aço para apoio. No topo da montanha encontramos uma placa com a indicação de uma trilha que vai até a Gran Caverna. Não a fizemos por falta de tempo, pois a placa indicava 1h30 de duração para ida e mais 1h30 para volta. Pesquisando posteriormente descobri que a Gran Caverna é conhecida como o Templo da Lua, uma estrutura enigmática e que ainda é um dos grandes mistérios da cidade Inca. Na descida da montanha foi quando torci meu pé direito, fiquei preocupado com a máquina fotográfica que estava pendurada no pescoço e que a todo momento balançava e passava raspando da encosta da montanha, me descuidei por um momento com os desníveis do chão e pisei em falso, virando o pé. Deveria ter guardado a câmera em segurança na mochila antes de iniciar a descida para ficar com as 2 mãos livres e sem distração. Por volta de 13h00 acabamos o passeio em Machu Picchu e entramos na fila do ônibus para retornar a Águas Calientes. Na saída do parque, no centro de informações é possível carimbar o passaporte com um desenho de Machu Picchu, sem nenhum custo. É claro, que esquecemos... Esperamos 45 minutos na fila até entrar no ônibus e mais 30 minutos até chegar a Águas Calientes. Fomos então diretamente a estação de trem pois havíamos comprado as passagens de Águas Calientes à Poroy às 16h12, novamente com a Inca Rail. - pagamos 90 dólares por pessoa na classe executiva. Devido a problemas no trem da empresa Peru Rail só conseguimos embarcar em nosso trem com 30 minutos de atraso. A viagem de trem do retorno foi mais demorada que a do dia anterior pois o trajeto é um pouco maior, demoramos 3h30 e chegamos a Poroy às 20h20. Desembarcamos, estávamos em busca de um táxi até Cusco, até que encontramos um outro casal de brasileiros que tinham o mesmo destino e topavam dividir o transporte conosco. Pagamos 10 soles por pessoa, totalizando 40 soles. O taxi nos deixou no mesmo hotel em que havíamos deixado nossas malas no dia anterior pela manhã. Neste momento a dor em meu tornozelo havia piorado muito e eu mal conseguia apoiar o pé no chão, por este motivo, e pelo cansaço do dia, decidimos solicitar entrega de comida no hotel. A recepcionista do Hotel, muito solicita, nos recomendou a Pizzeria Marengo, nos ajudou com o pedido e conseguiu um pouco de gelo para eu colocar no pé. - Pizza tamanho individual: 21soles - Lasanha grande: 21soles - Entrega 5 soles Total: 47 soles Compramos também duas coca colas de 500ml no próprio Hotel. A pizza e a lasanha eram bem grandes para 1 pessoa e estavam muito gostosas. Após fazer gelo, tomei um anti-inflamatório e um analgésico e fomos dormir. 21/10/17 – Cusco x Lima x Huaraz Na manhã seguinte, meu tornozelo estava um pouco menos inchado e doendo menos. Tomamos o café da manhã no hotel e fizemos o check-out. - Hotel Cusco 1 diária: 164 soles Já tínhamos combinado na noite anterior com o taxista que nos trouxe de Poroy o transporte as 7h10 para o aeroporto por 20 soles. O senhor muito simpático chegou com 10 minutos de antecedência em nosso hotel. Chegando ao aeroporto percebemos que havíamos esquecido os 2 carregadores e baterias da máquina fotográfica e GoPro nas tomadas do quarto. Fizemos o Checkin na companhia aérea e faltava somente 20 minutos para o início do horário de embarque. Tentamos então ligar para o hotel de um telefone público de dentro do aeroporto, mas não conseguimos. Pedimos ajuda a um segurança do aeroporto, ele tentou usar o telefone e também não conseguiu, pegou então seu celular e discou para o hotel. Explicamos rapidamente o ocorrido e a recepcionista se dispôs a envia-los rapidamente através de um taxista. Passados 30 minutos, ou seja, 10 minutos após o horário de início do embarque o taxista apareceu em frente ao portão 2 com um saco plástico na mão. Pagamos os 15 soles combinados e saímos correndo em direção ao embarque. É claro que o portão de embarque estava vazio e o avião já estava lotado de passageiros, fomos os últimos a entrar no avião. Mas estávamos com os carregadores e baterias. Pousamos em Lima as 9h55. Pegamos as bagagens e saímos do aeroporto para pegarmos o táxi com destino a Plaza Norte, onde iríamos embarcar de ônibus rumo a Huaraz, no norte do Peru. Negociamos com o taxista e fechamos o transporte por 20 soles. Os taxistas dentro do aeroporto cobravam o dobro deste valor e a caminhada até o portão do aeroporto é de 5 minutos. Fizemos o check-in e deixamos as malas na empresa de ônibus, Oltursa, que havíamos comprado as passagens para Huaraz. - Deslocamento ônibus Lima x Huaraz: R$94,00 Almoçamos no shopping Plaza Lima Norte, ao lado da rodoviária, no restaurante Don Buffet – por quilo - 2 pratos de comida : 27 soles - Suco: 8 soles Total: 35 soles Na hora de embarcar tivemos que pagar uma tarifa que desconhecíamos para acesso ao Gran Terminal Terrestre: 4 soles por pessoa Ao entrar no ônibus percebemos então que eu havia comprado as poltronas erradas. Como a viagem de Lima a Huaraz dura cerca de 7h30, a faríamos durante o dia, as vistas são bem bonitas e o ônibus possui dois andares, minha intenção era comprar as primeiras poltronas do andar superior. Porém, me confundi e acabei comprando as primeiras do andar inferior, que inclusive eram mais confortáveis. O ônibus era bem confortável, possuía banheiro no andar inferior e superior, mas o wifi era bem ruim. Chegamos em Huaraz as 21h00. Retiramos as bagagens e caminhamos por 5 minutos a pé até o Hostel que havíamos reservado – Akilpo – Endereço: Antonio Raymondi 510. O hotel estava cheio de gringos de vários países diferentes, só não encontramos brasileiros. Segundo o recepcionista do hotel os brasileiros vão somente para Machu Picchu e Cusco. Fizemos o check-in, tomamos banho e fomos correndo ao mercado comprar o jantar e coisas para o café da manhã. Sorte que corremos pois ao entrarmos no mercado, poucos minutos antes das 22h00, as portas fecharam. - compras mercado : 14 soles Voltamos ao Hostel, cozinhamos e comemos miojo na cozinha comunitária. Ficamos conversando com uma menina, bem simpática, da Bélgica que estava de viagem pela América do Sul e na semana seguinte iria para o Rio de Janeiro encontrar seu namorado. Ela nos perguntou sobre a violência no Rio e lhe demos algumas dicas. 22/10/17 - Huaraz Tomamos café da manhã, fomos conhecer a Plaza de Armas de Huaraz e tentar comprar os passeios nas agências. Depois de ver a cidade praticamente deserta e cheia de policiais na rua, perguntamos o motivo e descobrimos que se tratava do dia de Censo Nacional na cidade e por este motivo as pessoas não poderiam sair de suas casas das 8h00 as 17h00 para responder à perguntas, sujeitas a multas e até prisão. Só víamos alguns comércios abertos, onde a população morava em cima. Fechamos então os passeios na única agência que encontramos aberta: Turismo Perudiamonds – Endereço: Av. Luzuriaga, 618. Se fossemos fazer 1 passeio com eles o valor seria 40 soles por pessoa, se fossem 2 passeios ficava 35 soles cada por pessoa e caso fossem 3 passeios ficaria em 30 soles cada por pessoa. Fechamos então 3 dias de passeios, totalizando 180 soles para duas pessoas. - Passeio Glaciar Pastoruri: 30 soles por pessoa. - Passeio Ruínas de Chavin de Huantar: 30 soles por pessoa. - Passeio Laguna 69: 30 soles por pessoa. Uma observação é que gostaríamos de fazer o passeio das Ruínas de Chavin de Huantar na segunda-feira. Entretanto, ficamos sabendo que este local fica fechado as segundas-feiras para manutenção. Encontramos também uma vendinha aberta e aproveitamos para comprar algumas coisas para fazer o almoço: macarrão, molho, presunto, ovo, suco, água, gastamos 18 soles. Voltamos para o hostel e a Karina fez um macarrão muito gostoso. Após o almoço, por recomendação do vendedor da agência saímos para tentar ir até as ruínas de Willcahuain. Segundo ele a caminhada de ida duraria 45 minutos. Porém, devido a informações desencontradas a respeito da direção das ruínas, de várias pessoas da cidade, inclusive policiais, e a falta de táxi na cidade desistimos da visita. Voltamos ao Hostel e cochilamos por 2 horas. Acordamos e estava chovendo bastante, mas mesmo assim saímos para jantar e comprar coisas para o café da manhã e lanches para o passeio do dia seguinte, já que não pararíamos em nenhum restaurante para almoçar. Jantamos no Restaurante Don Vito – Endereço: Av. Luzuriaga, 483 - ¼ Pollo a la Brasa (A la pobre): 19 soles - ¼ Pollo a la Brasa (Arrocero): 16 soles - Coca 1 litro: 7 soles Total: 42 soles Compras Mercado: café da manha, snacks, lanches, chocolates e água – 62,80 soles 23/10/17 – Glaciar Pastoruri Acordamos as 7h15, tomamos café da manhã, preparamos os lanches para o almoço e seguimos rumo à agência pois nosso passeio ao Glaciar Pastoruri iniciaria as 9h00. No centro da cidade embarcamos em uma van e após pouco mais de 2 horas e 70km chegamos a entrada do Parque Nacional de Huascarán. A entrada do parque custa 10 soles por dia por pessoa. Durante o trajeto o guia fez muitas explicações sobre o que deveríamos fazer para evitar problemas com a altitude, já que o Glaciar está a mais de 5000 metros de altitude. Entre as recomendações, caminhar lentamente, respirar e expirar de forma completa e não parar para descansar por muito tempo durante a caminhada. Também aprendemos que a população que nasceu e vive na região andina não sofre com o mal de altitude pois possui adaptações biológicas, tendo pulmões, intestino e outros órgãos de tamanho superior. Percorremos de van uma estrada sinuosa e estreitas onde as paisagens eram muito bonitas, com montanhas cobertas por neve ao fundo. Fizemos uma parada para ver a água gaseificada, uma nascente de água borbulhante e imprópria para o consumos humano. Ali também era possível tirar fotos com Lhamas vestidas com roupas e óculos de sol. Outra parada para tirar fotos com as Puyas Raimondi, uma espécie de planta da família das bromélias que brota em altitudes entre 3200 e 4800 metros e pode atingir até 12 metros de altura. Uma curiosidade é que cada planta produz, uma única vez em sua vida, aproximadamente 8.000 flores, contendo seis milhões de sementes. Chegamos então as 13h20 à entrada do Glaciar Pastoruri que possuía algumas poucas construções, entre elas banheiros, que para usar pagava 1 sole. O combinado com o guia era retornarmos a van após 2 horas, sendo 45 minutos para subir, 30 minutos para desfrutar da vista do glaciar e mais 45 minutos para retornar. O caminho desde a entrada até o Glaciar é de 1,5 km em estrada estreita cimentada e com leve inclinação, podendo ser percorrido em 45 minutos. Também é oferecido por 7,5 soles por pessoa a subida de 1km do trajeto a cavalos. Devido a altitude a subida a pé é um pouco cansativa e por isso a utilização dos cavalos deve ser considerada à pessoas que não possuem um condicionamento físico adequado. Enquanto estávamos subindo o tempo foi fechando, escutávamos alguns trovões e assim que avistamos o glaciar começou a nevar. Tiramos algumas fotos e quando olhamos em volta praticamente todas as pessoas que estavam lá tinham voltado para a van. O Glaciar é imenso e a beleza é impressionante. Entretanto, devido ao aquecimento global esta maravilha natural está encolhendo e de acordo com a previsão de especialistas em menos de 10 anos não existirá mais. Dicas: leve roupas bem quentes, cachecol, gorro, luvas, e meias extras para quando entrar novamente na van para o retorno, pois as nossas ficaram muito molhadas pela neve e nossos pés ficaram quase congelados. No retorno do passeio paramos na estrada para observar algumas pinturas rupestres cravadas em um paredão de pedras, mas como o tempo estava bem ruim quase ninguém desceu da van. Chegamos em Huaraz por volta de 17h00, fomos ao Hostel tomar um banho quente e depois voltamos ao Centro para jantar. Encontramos uma pizzaria muito boa: Pizzaria BB – endereço: - Pizza grande: 26soles - Coca pequena: 4 soles - Cerveja artesanal pequena: 13 soles Total: 43 soles Paramos novamente em um mercado para comprar o café da manhã do dia seguinte: 10 soles 24/10/17 – Chavín de Huantar Novamente tomamos café da manhã no hostel e fomos até a agência de turismo no horário combinado, as 9h00. Entramos na van e seguimos rumo as ruínas de Chavín de Huantar, percorrendo uma estrada paralela ao Rio Santa que é considerado a coluna vertebral das Cordilheiras Branca e Negra. A guia do passeio era muita simpática e tinha muito conhecimento sobre a região. Recebemos informações sobre o Parque Nacional de Huascarán, entre elas que a Cordilheira Branca possui mais de 775 picos nevados, sendo que 27 superam os 6000m de altitude e mais de 500 superam os 5000m. O parque também possui mais de 434 lagoas. Aprendemos que os idiomas mais antigos do Peru são o Aimara e Quéchua e as civilizações mais antigas da região são a Chavín, Huari e os Incas. Conhecemos também a Chakana, a cruz andina, um símbolo inca considerado o caminho para o divino com muitos significados interessantes, entre eles a representação dos quatro elementos - água, terra, fogo e ar. Após 2 horas de trajeto, dentro do Parque Nacional de Huascarán, paramos próximos a Lagoa Querococha, que fica a 3980 metros de altitude para tirar fotos, comprar água e usar o banheiro. Durante o trajeto passamos pelo Túnel de Cahuish, o túnel mais alto do mundo, que está a 4500 metros de altitude e possui 480 metros de largura. Na entrada das ruínas de Chavín de Huantar pagamos 10 soles por pessoa. O passeio ao centro arqueológico é considerado histórico, cultural e paisagístico. No ano 800 a.C o local era considerado uma Meca e servia de palco para rituais de inicialização de sacerdotes, sendo permitido o acesso apenas pelos mais avançados espiritualmente. A história que se conta é que durante os rituais os participantes utilizavam alucinógenos como os Cactos de San Pedro para realizar a transformação do ser humano em felinos. Após conhecer os túneis de escoamento e drenagem, a praça central e as ruínas de algumas construções, entramos em labirintos de galerias estreitas subterrâneas. Saindo das ruínas fomos de van até um restaurante próximo para almoçar. - Milanesa frango: 22 soles - Truta: 20 soles - 2 cocas: 5 soles Total: 47soles Após o almoço fomos ao Museu Nacional de Chavín, inaugurado em 2008 graças a ajuda no governo japonês, sua entrada custa 7 soles por pessoa. O museu possui 14 salas e é repleto de peças recuperadas das ruínas, como vasilhas de cerâmica, agulhas de ossos, instrumentos musicais feitos de conchas marinhas, obeliscos e as famosas cabeças clavas. Retornamos a Huaras por volta das 19h00, passamos no mercado para comprar algumas coisas para o café da manhã do dia seguinte, snacks e água, gastamos 44 soles. Voltamos então ao Hostel, cozinhamos e comemos macarrão. 25/10/17 – Laguna 69 Neste dia acordamos bem cedo pois a saída para o passeio seria as 5h30. O microônibus nos encontrou em frente ao hostel e seguimos parando em mais alguns hotéis para pegar outros turistas. As 7h30 fizemos uma parada em um restaurante próximo a entrada do Parque Nacional de Huascarán para tomar café manhã. Começou então as explicações do guia sobre as características do parque, como o clima, altitude, fauna, flora, entre outras. Em certo momento o guia levantou uma faixa que relacionava vários itens e seus respectivos tempos de decomposição no meio ambiente, alguns itens com centenas e milhares de anos. Comentou inclusive a respeito de cascas de bananas e o miolo da maça, elementos orgânicos, que são utilizados até como adubo mas em uma vegetação de altitude se torna também um problema. O que mais nos impressionou neste e em muitos outros momentos foi a conscientização ambiental da população do Peru. Um pouco adiante paramos na entrada do parque e pagamos os 10 soles do ingresso. As 9h00 fizemos outra parada de 10 minutos na lagoa Llanganuco para observar a beleza do local e tirar fotos. Pouco a frente o microônibus estacionou e iniciamos a trilha a pé até a Laguna 69. Para chegar a laguna é necessário percorrer 7km de subida por trilhas íngremes de cascalho, chegando a uma altimetria de 4600 metros. Demoramos 3h15 para chegar até a laguna, porém a beleza do local fez valer todo o esforço da subida. Devido a água da laguna ser proveniente do derretimento do glaciar sua cor é um azul muito claro parecido com as águas dos mares do Caribe. A lagoa possui 48 metros de profundidade. Ficamos na beira da laguna por uns 40 minutos, descansando, lanchando e tirando fotos. Iniciamos então a descida de mais 7km, que durou mais 2 horas. No final da trilha, já na parte plana, um senhor vende água, refrigerante e cerveja, tudo quente é claro. Mas para quem chega cansado e morrendo de sede, é um baita alívio. Retornamos a Huaraz, chegando as 19h00. Como já tínhamos devolvido a chave do quarto, tomamos banho nas duchas compartilhadas do Hostel, e saímos para jantar. Comemos novamente na Pizzaria B.B. - Pizza: 26 soles - Jarra suco laranja: 13soles Total: 39 soles Voltamos ao Hostel, pegamos nossas bagagens e fomos caminhando cerca de 10 minutos até a garagem da empresa de transporte de ônibus Cruz Del Sur para embarcar as 22h00. Fizemos de ônibus o trajeto Huaraz x Lima em 8h00 e pagamos R$90,00 por pessoa. 26/10/17 – Ica e Huacachina Chegamos na garagem Javier Prado em Lima as 6h00. Retiramos as bagagens e as despachamos novamente com destino a Ica, embarcando as 6h55. O trajeto de Lima a Ica durou pouco mais de 4h30 e nos custou R$68,00 por pessoa. Desembarcamos em Ica as 12h00, retiramos as bagagens e já despachamos novamente para o trajeto que faríamos as 19h00 com destino a Paracas, ficando apenas com 2 mochilas pequenas. Neste momento muitos taxistas locais já nos cercaram, oferecendo serviços de transporte ao Oásis de Huacachina. Mas nossa ideia era ir antes conhecer o museu regional de Ica. Combinamos com o taxista a ida até o museu por 5 soles. O local fica a umas 10 quadras de distância, porém fazia bastante calor e o sol castigava. A entrada do museu nos custou 7,5 soles por pessoa e não era permitido tirar fotos em seu interior. Ficamos lá não mais que 40 minutos, tempo suficiente para conhecer todo o acervo. Destaque para a última sala que exibe algumas múmias e crânios com trepanações, procedimento médico antigo que consistia em fazer a abertura de um ou mais buracos no crânio, com o objetivos curativos, mágico-ritualístico, ou mesmo uma tradição cultural. Além de alguns crânios alongados, resultado de uma intervenção intencional no crescimento do crânio de crianças, como prática que servia como um sinal de distinção do indivíduo em seu grupo social para liderança, magia ou ambas. Havíamos também combinado com o mesmo taxista o transporte a Huacachina por 8 soles. Percorremos 15 minutos de carro até lá e o rapaz nos levou até uma agência de sua confiança para adquirirmos o passeio de buggy e sandboard nas dunas, pagamos 35 soles por pessoa, com as entradas da dunas inclusas (3,60 soles por pessoa). Nos indicou também o restaurante Oasis América, onde almoçamos: - Ceviche de pescada: 28 soles - Frango a milanesa: 26 soles - Coca-cola 1L: 8 soles Total: 62 soles Após o almoço fomos conhecer o Óasis e relaxar até o horário do passeio, que seria as 16h15. No horário combinado fomos até a agência e após esperar alguns minutos nos indicaram um buggy para subir, pois saiam vários ao mesmo momento. Nosso buggy tinha lugar para 13 pessoas, além do motorista e era bem estilizado. O passeio foi bem emocionante, o motorista acelerava bastante nas subidas das dunas e nas descidas desligava o motor e parecia que o buggy iria capotar. Em certo momento o motorista estacionou o buggy e nos ensinou as duas formas de descermos as dunas com a prancha, era possível descer deitado de barriga para baixo, sempre levantando bem a cabeça para não bater na prancha e enfiando os pés na areia para frear ou sentado com as pernas levantadas e utilizando as mão como freio. Assistimos ao por do sol nas dunas, tiramos mais fotos do Oásis e chegamos na agência por volta de 18h20. Havíamos combinado com o mesmo taxista de nos encontrar ali e levar de volta a garagem da Cruz del Sur em Ica, pagamos 8 soles pelo trajeto de 20 minutos. Embarcamos com destino a Paracas as 19h00 e em pouco mais de 1 hora chegamos ao nosso próximo destino, pagamos 25 soles pela passagem de ônibus. Detalhe que o wi-fi no ônibus Cruz del Sur era uma porcaria. Desembarcamos em Paracas e caminhamos por 5 minutos até o Hostel Atenas Backpacker Hospedaje – endereço: Av. Dos Libertadores, lote 2. - 165 soles por 2 diárias em um quarto com cama de casal e banheiro privativo O proprietário, Pepe, um senhor muito simpático, nos deu várias dicas da cidade e nos ajudou reservando os passeios do dia seguinte. - 75 soles por pessoa para os passeios de Ilhas Ballestas e o Deserto de Paracas. Fomos então jantar em um lugar bem legal - Misk’i (Pizzeria, Café e Bar) - Batatas fritas: 8 soles - Pizza pequena: 16 soles - Cheeseburguer: 25 soles - Cerveja Pilsen pequena: 6 soles - Limonada Frozen: 8 soles Total: 63 soles 27/10/17 - Ilhas Ballestas e Deserto de Paracas Acordamos, tomamos o café da manhã no hotel que não estava incluso no valor do quarto, mas o Sr Pepe nos serviu. Fomos então até o Pier, encontramos o restante de nosso grupo e as 9h00 embarcamos na lancha rápida, com capacidade para mais de 30 pessoas. Para quem gosta de tirar fotos o melhor lugar para sentar é do lado esquerdo do barco. A caminho das Ilhas avistamos nas areias do deserto uma formação curiosa em formato de candelabro, ou tridente com 150 metros de comprimento. Pouco se sabe exatamente a respeito da origem desta criação, como quem foram os responsáveis por sua construção ou qual a sua função. Algumas teorias defendem que trata-se de um elemento da cultura Paracas, que data de 500 a 400a.C. Outras pessoas defendem que o candelabro foi criado na época da conquista espanhola. Fato é que atualmente o desenho na areias é utilizado para guiar o navegantes da costa peruana. Chegamos as ilhas e já avistamos uma quantidade absurda de animais como: pelicanos, gaivotas, e outras aves da costa peruana, além de lobos, leões marinhos e pinguins de Humboldt, que atualmente estão ameaçados de extinção. Observamos também sobre as rochas uma grande quantidade de excremento de pássaros. Conhecido como guano, os excrementos são um excelente adubo natural e a cada 7 anos são retiradas e vendidas mais de 7000 toneladas, principalmente para a Europa e América do Norte, a preços absurdos. Por volta de 10h30 retornamos ao Pier e encerramos o passeio de lancha. Fomos então até um mercadinho local comprar algumas coisas para comer durante o horário do almoço, já que o passeio da Reserva Nacional de Paracas terminava em uma praia com alguns restaurantes, mas segundo o Sr Pepe os preços seriam bem salgados. A van nos encontrou no hostel as 11h30 e seguimos em direção ao deserto. Primeira parada no principal monumento da cidade de Paracas que foi construído em homenagem ao General San Martin, um dos principais responsáveis pela independência do Peru e do Chile. O guia então nos passou algumas informações sobre Paracas, por exemplo que lá vivem atualmente por volta de 4000 pessoas e que a cidade tem capacidade para hospedar mais 2500 turistas em seus três hotéis 4 estrelas, um hotel 5 estrelas e muitas outras hospedagens. Mas adiante paramos para observar de longe, em uma lagoa os flamingos de cor rosada que se deslocam a esta região nesta determinada época do ano. Infelizmente não pudemos chegar mais próximos pois a área está sob proteção ambiental. Passamos pela portaria do Parque Nacional de Paracas e adiante paramos para ver os fósseis de Moluscos existentes ali, o que evidencia que a muito tempo atrás aquela região era mar, exatamente a 36 milhões de anos, e quando a placa tectônica de Nazca se levantou a topologia da região foi alterada. A seguir fomos até dois mirantes para observar as formações rochosas no mar. Antigamente existia ali uma formação conhecida como Catedral. Porém, as rochas sofreram um colapso em um forte terremoto que atingiu a região em 2007. Uma curiosidade é que as estradas dentro do parque não são feitas de asfalto e sim de sal, e continuamente são depositadas novas camadas de sal para revitalizá-las. Outra parada para tirar fotos na Playa Roja, uma praia belíssima com um imenso paredão avermelhado que acompanha toda a orla da praia. Por volta de 13h00 chegamos a praia de Lagunilla e o combinado com o guia era ficarmos lá por aproximadamente 1 hora para almoçar e curtir o local. Pagamos 1 sole para ir ao banheiro e fomos logo subir o mirante para tirar fotos. O vento em cima era tão forte que só fomos capazes de ficar alguns minutos antes de descer. Regressamos ao Hostel por volta de 15h00. Como era cedo ainda, decidimos dar uma volta pela praia, ver alguns artesanatos na orla e esperar pelo por do sol. Após tomarmos banho no hotel saímos para jantar, novamente no Misk’i (Pizzeria, Café e Bar) - Pizza pequena: 16 soles - Taco carne: 25 soles - Cerveja Cusquena grande: 11 soles - Limonada Frozen: 8 soles - Pizza doce: 16 soles Total: 76 soles 28/10/17 - Lima Acordamos cedo, tomamos novamente café da manhã no hostel, fizemos o check-out e seguimos até a garagem Cruz del Sur em Paracas para embarcar com destino a Lima às 7h30. A garagem da empresa de ônibus e bem bonita e os banheiros possuem até duchas para os usuários tomarem banho, e sem pagar nenhuma taxa extra por isto. Fomos despachar as bagagens e a atendente nos informou que devido ao tráfego o ônibus estava atrasado e iria provavelmente demorar meia hora além do previsto. Embarcamos no ônibus e depois de 3h45 chegamos à garagem da empresa Cruz del Sul - Javier Prado em Lima. Pagamos R$65,00 por pessoa pelo trajeto de ônibus de Paracas a Lima. Pegamos um táxi, por 12 soles, até o Hostal Porta – endereço: Rua Porta, 686 - Miraflores. - 131 soles por 1 diária em um quarto com cama de casal e banheiro privativo Malas deixadas no hostel, saímos então para almoçar e caminhar pelo bairro de Miraflores. Almoçamos no restaurante San Marcelo - Milanesa de frango: 22 soles - Lomo saltado: 25 soles - Chica morada 500 ml: 6 soles - Coca cola 500ml: 4 soles - ½ porção Wanton frito: 8 soles Total: 65 soles O Lomo Saltado, prato típico da gastronomia peruana, estava delicioso e a chicha morada, suco tradicional peruano feito de milho, abacaxi e outras coisas nem tanto. Eles servem a bebida, espécie de suco, quente e o gosto é muito forte, não nos agradou. Depois do almoço fomos conhecer o parque John F. Kennedy, o parque das flores e dos gatos. Trocamos então mais um pouco de reais em soles em uma casa de câmbio em Miraflores na Av Jose Pardo, 140 - 1 real = 0,93 soles Além de Miraflores, queríamos visitar o Centro de Lima, e um amigo que fizemos no deslocamento de Paracas a Lima, nos recomendou ir até lá com ônibus metropolitano, sendo mais barato que táxi e bem mais rápido. Embarcamos então na Estação Ricardo Palma – Linha C, que fica a umas 2 quadras do parque John F. Kennedy e desembarcamos, nove estações depois na Estação Central. - 2,5 soles cada um ida e mais 2,5 cada volta 1 estação depois Os ônibus estavam bem lotados, mas trafegavam nas vias exclusivas enquanto as vias laterais estavam com o trânsito totalmente parado. No Centro conhecemos, apenas por fora, o imenso Palácio do Governo, o Palácio Municipal de Lima, a Catedral de Lima e o Palácio Arquiepiscopal de Lima, todos na Plaza Maior. Visitamos também o Parque da Bandeira e a Plaza San Martin, além de algumas lojas que vendem artesanatos fabricados por todo o Peru, com preços bem inferiores aos de Cusco e Águas Calientes. Tomamos um delicioso sorvete artesanal na Cafeteria Heladeria – endereço: Jr de La Union, 574 - 7 soles por 2 bolas No retorno embarcamos na estação Jirón de la Union e desembarcamos na estação Benavides, um pouco mais próxima de nosso Hotel. Da estação Benavides caminhamos uns 10 minutos até o shopping Larcomar, construído a céu aberto em uma falésia, com muitos restaurantes, lojas, um cinema e pista de boliche. De lá fomos caminhando na Orla, passando pelo Parque Del Amor e pelo Farol Marina Náutica. Jantamos ali próximo em um quiosque com vista para o mar que vende Crepes, endereço: Beso Frances – Malecon de La Reserva S/N -Napolitano: 12 soles -Napoleon: 15 soles -Café com leite: 7 soles -Frappe Manjar: 13 soles Total: 47 soles 29/10/17 – Lima x São Paulo Acordamos as 5h25 para pegar a Quick Llama van para o aeroporto. Fizemos a reserva para o transporte compartilhado pela Internet, na noite anterior e pagamos 35 soles para nós dois. A Quick Llama oferece translados de muitos hotéis de Lima até o aeroporto Jorge Chavez e vice-versa e é possível escolher o horário preferido, com intervalos de uma em uma hora. Esta foi uma alternativa bem mais barata aos táxis, que cobrariam em média 50 soles para este trajeto. A caminho do aeroporto cruzamos um ônibus da empresa Airport Express Lima, que presta um serviço similar, sendo nesta empresa possível agendar transporte ao aeroporto com intervalos a cada meia hora. Chegando ao aeroporto descobrimos que nosso voo estava atrasado em 2 horas, por este motivo a companhia aérea nos forneceu 2 vouchers para tomarmos café da manhã no hotel. Porém, logo descobrimos que estes vouchers só poderiam ser utilizados na área de fast-food, ou seja só tínhamos 2 opções: Mc Donalds ou Pardos Chicken e davam direito somente a um pão com ovo, ou pão com frango e um café. As 19h00, horário local, desembarcamos no Aeroporto Internacional de Guarulhos e estávamos de volta ao Brasil e a São Paulo.
  23. Peru- Arequipa, Puno e Cusco. Nossa viagem finalizou em Cusco, Salkantay. Haviamos fechado um pacote no Brasil e decidimos ir por conta própria para Arequipa e Puno. Partimos de Porto Velho no dia 08/07/2017, pela noite. Fomos de ônibus até Rio Branco de onde tomamos um táxi até Brasiléia. Chegamos a Rio Branco por volta das cinco da manhã. E Ficamos esperando o táxi lotar pra nos levar. Estava eu e minha amiga e precisávamos de mais duas pessoas. Conseguimos lotar o táxi por volta das 7:30 e partimos rumo à Brasiléia. De lá o taxista nos colocou no outro táxi que nos levaria até Assis Brasil (ultima cidade antes da fronteira) para dar saída do país e entrar em Inapari- Peru. Nesse percurso, chegamos aproximadamente meio dia, não lembro ao certo. Mas decidimos seguir sem parar para almoçar para não perder tempo e não passar a noite em lugar inseguro. Antes, trocamos todos os reias por soles. Dica: ali em Inapari é o lugar mais em conta a se trocar. Dica2:Troque tudo. Na volta vc não perde dinheiro. È só trocar por real novamente.A cotação tava 1 real para 0,90 soles. Entramos apenas com RG bem conservado. Não pediram o certificado internacional de vacinação. Esse percurso todo deu, em reais: Passagem de ônibus Porto Velho x Rio Branco: 104 reais. Táxi de Rio Branco à Brasiléia: 70 reais. Táxi de Brasiléia Assis Brasil: 40 reais. Total: 114 reais. Pegamos a van de Inapari até Puerto Maldonado pagando 30 soles. Chegamos lá por volta das 15h. Um parênteses aqui para o calor insuportável da van. Eles não ligam o ar da van então, se prepare pra passar muito calor MESMO! Chegamos em Puerto Maldonado após 13 de horas de viagem. Meu pé inchou mas nada grave. Aproveitamos para comprar um chip peruano com uma peruana que conhecemos na van. Ela foi muito simpatica em fazer isso por nós. Apenas peruanos podem comprar chip e registrá-lo com seu documento. Tivemos a sorte de pegar um ônibus até arequipa por 60 soles. O ônibus tinha serviço de bordo, com jantar e café da manhã, cobertor e aquecedor (que só descobrimos mais tarde). A viagem até arequipa durou 13 horas. Foi tão confortável que não sentimos a demora. Outro parênteses aqui: Não almoçamos então o jantar do ônibus foi a salvação! E estava muito bom: arroz, bife e brócolis com refrigerante. Detalhe: nos serviram o jantar no momento em que subíamos bastante e o soroche começou a dar seus sinais. Mas, eu optei por trabalhar o psicológico, pois, a fome era maior. Logico, que fiquei enjoada por um bom tempo, mas de barriga cheia!rrsrsrs. Eu havia lido muitos relatos indicando tomar aspirina antes de sentir o soroche para amenizar os efeitos. Tomei e me senti enjoada. Nada grave. Fazia -4º na estrada mas o santo aquecedor do ônibus nos deixou tranquilas. Quando chegamos não estava tão frio. Em Arequipa é frio quando amanhece e anoitece. Na metade do dia vc fica até de regata. Chegamos a Arequipa na segunda-feira, por volta das 9h. Mas até descer do ônibus e chegar ao hotel foi mais uma hora. Reservamos o hotel pelo booking.com. E o hostel escolhido foi o Gran Hotel que fica a umas quatro quadras da Plaza de Armas. Ficamos três dias na cidade e gastamos nas diárias 147 soles. Quarto duplo sem TV (quem precisa de TV?) e banheiro compartilhado. Hostel limpinho com ambiente bem retro. Amamos! Ficamos os três dias indo e vindo para a Plaza de Armas e andando aos arredores pq o Canion Del Colca ficava inviável pra gente porque nos faltava tempo (e dinheiro..rsrsrs). Nesses três dias descobrimos uma espécie de 25 de março perto do nosso hostel, onde compramos muitas coisas para frio, muita coisa em conta mesmo. Eu paguei 100 reais no bastão de caminhada e quis matar minha amiga porque ela achou um por 20 soles. 20 soles gente!!! Fizemos em Arequipa um city tour por 20 soles cada uma. Ele ia no mirador de Yanahuara. De Yanahuara é a vista maravilhosa para o vulcão Misti. No Mirador de Carmen Alto temos a vista para os três vulcões: Chachani, Misti eo Pichu Pichu. E nos levaram tambem um lugar lá pra vc tirar foto com águias e alpaca (ou seria lhama)e andar a cavalo. Achamos essa parte desnecessária. Nos levaram para conhecer um centro sobre lhamas, alpacas e vicunas, onde nos explicaram a diferença dos três. Interessante também. Resumo de ARequipa: cidade muito linda! Fiquei encantada ao ver um vulcão. A cidade é linda!Arquitetura impressionante. Podíamos ficar horas e horas sentada na praça admirando cada lugarzinho! Detalhe para arequipa: O caminhão de lixo quando passa toca a musica da Pequena Sereia para alertar a população. Muito fofo! Alimentação em Arequipa era muito barata: Encontramos almoço por 8 soles, com direito a entrada, prato principal e refresco ( refresco não é suco! ) 12/07- Ida a Puno. Chegamos a Puno as 3h da manhã. Um frio terrível! Tão terrível que aceitamos (com medo) a ajuda de um senhor que estava na rodoviária oferecendo hotel a quem chegava. Não conseguimos reservar antes e estavamos sem internet. Devido ao frio, aceitamos, porque até então esperaríamos o dia amanhecer para ir atras de hotel. A diária era 50 soles, com café da manhã. Havia mais baratos? Com certeza! Mas a ocasião faz o ladrão e no nosso caso, a necessidade. Lá mesmo no hotel fechamos o passeio do lago. Nem imaginavamos que seria o melhor passeio mais bem pago na vida! Aproveitamos esse primeiro dia e andamos pela cidade. O nosso hotel ficava num lugar muito pobre. Não havia nada de bonito ou que chamasse a atenção, porém, o lago ficava bem próximo. Chegamos até lá e tiramos muitas fotos e ficamos contemplando-o. Nosso passeio saía no dia seguinte, às 8h e retornava no outro dia, às 16h. O Passeio custou 100 soles, com almoço e jantar do dia 1, café do dia 2 e para o almoço do dia 2, na ilha, pagamos antecipadamente 20 soles. Foi um passeio magnífico! O passeio começou nas Islas Flotantes, depois de uma meia hora na embarcação. Não achei a Isla bonita, mas a história por trás é muito interessante. Talvez por eu não me sentir a vontade a pisar numa ilha flutuante feita de plantas..rsrsrs Da Isla Flotante de los Uros fomos a Isla Amantani, a segunda maior do lago. A primeira é uma Isla boliviana. Em Amantani fomos divididos em grupos. Cada grupo de no maximo quatro pessoas ficava com uma familia. No fim do dia tem uma festa de recepção aos turistas. Não fomos devido ao frio. Mas a animação estava boa. Amantani é linda! Os nativos ainda possuem hábitos de seus antepassados, bem como a língua que usam. Eles tem dificuldade no espanhol. O guia nos falou que as crianças aprendem na escola mas, eu percebi que ainda assim, eles tem dificuldade. O filho da dona da casa que ficamos, me chamou para o café (desayuno) mas falou jantar (cena). Detalhe para Amantani: a casa que ficamos era a mais linda da ilha: toda florida! Um sonho! Detalhe dois: Não tem internet. Em algum ponto ela pega, mas cai rapidamente. Detalhe três:o 3g da claro pega muitíssimo bem no lago. Passamos umas duas horas navegando, no lago e na internet! Neste dia número um subimos ao topo da ilha. Uma subida sofrida de 4945 m. Na altitude, imaginem! Cada parada para respirar era uma parada também de contemplação. Lindo, mas sofrido! Chegando ao topo, fomos presenteados com um lindo pôr-do-sol...e frio! ( eu já falei frio?rsrsrsrs) Nessa subida temos dois lugares a conhecer: na dualidade inca, O templo a Pachamama ( mãe natureza, o feminino) e o templo a Pachatata ( o deus masculino). O templo que o guia nos deu foi o templo a Pachatata. Quem quisesse, teria que dar três voltas ao redor do templo com uma pedrinha pega por lá mesmo, e no fim da terceira volta, jogar a pedra dentro do templo e fazer um pedido. Lógico que fiz isso! Com muita fé! O templo nada mais é que uma espécie de ruínas cercada por um muro. O guia explicou muita coisa mas eu tava muito concentrada no frio. (novamente) No dia seguinte, fomos a Isla Taquile. Lá subimos até a praça principal da ilha. Foi uma hora mais ou menos de subida. Com uma vista linda. Tivemos o almoço numa casa onde nos apresentaram sua cultura. Danças, costumes, etc. Façam esse passeio! Vale muito a pena! Muita coisa perdemos por não falar inglês. Mas interagíamos como podíamos..hehehe Após o retorno a Puno, fomos conhecer a cidade. Plaza de Armas, etc. Nada tão bonito como Arequipa, mas vale a visita. Precisávamos estar em Cusco no domingo, 16/07 para iniciarmos o pacote para a trilha Salkantay. Fomos para a rodoviária e pegamos um ônibus noturno para economizar em hospedagem. Informaçao importante: Observamos em Puno, uns policiais pedindo documentação de todos, os locais e os turistas. Ficamos com medo por não estarmos com passaporte. Mas nos pareceu procedimento de praxe. Também não perguntamos nada. Dica: de Arequipa a Puno a passagem custou 15 soles, porém, o ônibus era muito desconfortável, mas pelo horário que a gente precisava, ou era esse ou não era. De Puno a Cusco também foi o mesmo preço, mas o ônibus era melhor. Dica 2: Não tenham medo!Mesmo sendo uma viagem de duas mulheres de ônibus ninguém, absolutamente ninguém mexeu conosco. Me senti mais segura que no Brasil. Em Cusco fomos a Machu Pichu via Salkantay. Muito do que li por aqui me ajudou bastante e voltamos completamente renovadas! Mais abaixo, segue foto de Salkantay e Machu Pichu!
  24. 17/05/2017: voo de São Paulo para Lima (5h). Taxi (empresa taxi green, 50 soles) do aeroporto ao Terminal Los Olivos (empresa Movil Tours). A região em torno desse terminal é bem feia, fiquei dentro do terminal esperando até às 10h a saída do ônibus para Huaraz. O ônibus era convencional, foram cerca de 8h de viagem, com uma parada para almoço. Senti dor de cabeça e um pouco de enjoo no caminho, efeitos da mudança de altitude, mas nada insuportável. Em Huaraz, peguei táxi do terminal da Movil tours (4 soles) até o Hotel America onde eu havia reservado 3 noites. Após check in, saí para procurar agencias e decidir os passeios que faria. Ainda estava indecisa sobre o trekking Santa Cruz. 18/05/17: saída às 9h para o Glaciar Pastoruri. Fechei esse passeio com a agência Pablo Tours (35 soles). Na ida a van estava perdendo um pouco de óleo, motorista parou para olhar, mas deu tudo certo. Fomos e voltamos em segurança. Teve parada na zona de água gaseificada Pumapampa. Vimos as Puias Raymondis (árvores gigantes que vivem cerca de 100 anos e só florecem uma vez, morrem após florescer, possuem muitos espinhos e receberam esse nome em homenagem a um geógrafo italiano). Avistamos um pico nevado com imagem semelhante ao rosto de Cristo (Mururu). Finalmente a van parou onde se iniciaria a caminhada até o Glaciar Pastoruri. A caminhada é tranquila, cerca de 35 minutos. Mas a altitude mostra seus efeitos e por ser o primeiro dia, senti um pouco de cansaço. No final da caminhada estamos a mais de 5000 metros de altitude. O Glaciar Pastoruri é patrimônio natural da Humanidade desde 1985. Foi bom e necessário para aclimatação. A caminhada é sobre umas passarelas e no trajeto há fotos contando a história do Glaciar (“La ruta del cambio climático”), mostrando como ele está desaparecendo. Há cerca de 30 anos atrás era possível caminhar sobre a neve. Hoje só se pode avistá-lo de longe. Na volta paramos para almoçar: truta frita, arroz, batata e salada. Prato muito bem servido, lugar simples. Chegando em Huaraz, fui ao centro de informações turísticas e à casa de guias perguntar sobre o trekking Santa Cruz. A única agência que contraindicaram foi a Perudiamonds (fiquei curiosa, mas não descobri por que). Falaram que o preço razoável seria 250 dolares pelos 4 dias/3 noites. Empresas que cobram 350 soles provavelmente teriam equipamentos de má qualidade, guias que são mal pagos, não seriam confiáveis. E nas agencias por onde havia perguntado, os preços eram todos 350 ou 400 soles, mal sabiam informar sobre o trekking. Percebi que todas vendiam o mesmo “grupão”. Fiquei com receio de ficar 4 dias sem banheiro, de tomar chuva e passar muito frio. 19/05/17: ônibus passou às 5:30 no hotel para o passeio da Laguna 69. Fiz pela agencia Quechua Andes (35 soles). O ônibus foi lotado, parou no caminho para tomarmos café da manhã. Fui usar o banheiro e tinha um buraco na parede...só vi depois que estava lá dentro...quem estava lá fora poderia ver as pessoas ali, se prestasse atenção...abaixei a cabeça para que pelo menos não reconhecessem o rosto, kkkk.... O ônibus fez mais uma parada no caminho para tirarmos fotos na Laguna Chinancocha (lagoa mulher) que é linda! Há alguns passeios só até ali, eles chamam de Quebrada Llanganuco (onde estão as Lagunas Chinancocha e Orconcocha - lagoa homem). Avistamos o Huascarán, tiramos fotos e seguimos de ônibus até Cebollapampa (3900m de altitude), início da trilha para a Laguna 69 (esta fica a 4600m de altitude). Foram cerca de 3h de caminhada na ida!!! Cansativo, mas muito bem recompensado pelas belas paisagens no caminho e na lagoa. O tempo estava frio, com períodos de chuva, mas estando com roupas adequadas dá para ir muito bem. Não é recomendável para o primeiro dia. No ônibus, fui ao lado de uma suíça que iria fazer o trekking sta Cruz. Ela havia reservado pela agencia ECO ICE, pela internet, cerca de 240 dol. Pensei em procurar essa agencia para ver se ainda haveria vaga... No trajeto de ônibus voltando para Huaraz estava chovendo e frio...acabei decidindo que não queria passar perrengue. Nessa época do ano não seria mais tempo de chuva, mas como o clima está louco...estava chovendo todos os dias...eu preciso de banheiro pelo menos dia sim dia não...decidi ficar mais 3 noites no mesmo hotel, com banheiro privativo e TV e desisti do trekking. 20/05/2017: tive uma noite péssima, acordei com barulho de hóspedes bêbados chegando no hotel de madrugada, além de música de alguma casa noturna que ficou com som alto até 5h da manhã!!! Conversei na recepção e me mudaram para o andar de cima que foi mais tranquilo nas outras noites. Nesse dia fui por conta própria para a Laguna Churup. Peguei van às 8:30h até Pitec. A van sai da esquina da Av. Prorrogação Augustin Gamarra com Av. Antonio Raimondi; passa por uns bairros bem simples. Passa por Llupa e até ali seriam 5 soles, mas como estávamos em 5 pessoas que iriam até Churup ele continuou por mais 5 soles até a entrada do Parque. Eu havia sido informada no Centro turístico que era possível fazer essa trilha sozinha, mas não achei fácil! Teve um trecho com cordas e que precisava cruzar a água, contei com ajuda de um grupo. Teria desistido se não fossem eles. Também exige bom condicionamento devido altitude (fica a 4480m) e trechos com pedras. Demorei 1h40 no trecho de ida. Estava nublado, mesmo assim a vista era linda! A Lagoa é verde, bem diferente da Laguna 69. Recomendo as duas igualmente. Mas a sensação de vencer desafio na Churup foi maior. Além de ter menos muvuca que na 69. Eu havia comprado o bilhete de 65 soles pois a princípio faria o trekking santa cruz. Esse bilhete valia para qualquer parte do parque Huascaran. Mas como só utilizei em 3 partes, teria sido mais vantajoso pagar os 10 soles de cada entrada. Tinha horário para voltar, a van que nos levou ficaria esperando. Sem ela não havia outro tipo de transporte. Então comecei a fazer a trilha da volta sozinha, pois o grupo que me ajudou era de moradores de Huaraz que estavam fazendo picnic e iriam ficar mais tempo por lá. Na volta conheci uma brasileira que estava morando no Peru e faz escaladas e sua amiga peruana. Perguntei sobre o Nevado Mateo, que haviam me falado ser um local em que se podia caminhar na neve. A peruana me indicou a agencia Andeankingdom e fui me informar...seria uma experiência muito diferente. Na agencia disseram que faziam o passeio a partir de 2 pessoas, ainda não sabiam se teria mais uma pessoa para fazer comigo...fiquei na espera. À noite jantei um ¼ monstrito no restaurante ao lado do hotel: era um prato muito grande, ¼ de frango assado, arroz chaufa (ovo, moyashi, pimentão), batatas e salada. 21/05/2017: fiz o passeio para Ruinas de Chavín com a agencia Pablo Tours (35 soles + 10 entrada no parque). Sai de Huaraz às 9h, a van foi lotada e eu era a única não peruana! Paramos no caminho para tirar fotos na laguna Querococha (3980m) que é linda também! No trajeto tem passagem por um túnel sob a cordilheira, incrível o caminho. Gostei muito. É o passeio que menos exige esforço físico. O Sítio Arqueológico de Chavín de Huántar é Patrimônio Histórico da Humanidade. O povo Chavín teve grande importância histórica para a civilização peruana, por isso tantos peruanos visitando o local. E quem entende de arqueologia fica mais fascinado ainda. Passamos também no Museu Nacional de Chavín, que foi uma doação do governo japonês em 2008, onde se conta de forma mais didática como funcionava a civilização Chavín. Algumas informações interessantes desse passeio: Estela de Raimondi é uma escultura pétrea, original está no museu em Lima; El Lánzon é uma escultura esculpida em granito irregular, mede 4,54m; Cabezas clavas eram esculturas de cabeças que ficavam na parede dos templos com feições de felinos. Xamãs tomavam chá do cacto de San Pedro, alucinógeno, e possivelmente a imagem das cabeças clavas poderiam ser as imagens formadas após o efeito do chá. 22/05/2017: a agencia não conseguiu outra pessoa para o passeio do Nevado Mateo, mas me fez a proposta de fazer sozinha com o guia e eu aceitei! Foram 210 dol pelo passeio com alimentação e equipamentos. Caro, mas valeu por ser algo totalmente diferente e pela alegria que senti ao ver tanta beleza. Passei um pouco de medo também e muito frio, mas adorei! O taxi com o guia me pegou no hotel às 3:45!!!! Foram 2 horas de estrada, passamos por Carhuaz e depois Ulta, até a base para subir o nevado. Dava para sentir que a estrada tinha muitas curvas, o tempo estava ruim, com chuva e o carro quase bateu numa vaca no caminho, não tinha quase nada de visibilidade! Ao chegarmos no alto, onde teríamos que começar a caminhar, estava nevando! Eram 6h da manhã...esperamos uma hora e como melhorou um pouco iniciamos a caminhada. Havia mais um turista com seu guia no local! Passeio super vip!!!! Desde o início fui ligada ao guia com equipamento de segurança. Tem uma parte em que se caminha por pedras e depois começa o trecho com neve (nessa parte coloquei os sapatos especiais e os grampos e óculos escuros). Senti até calor com a quantidade de roupa que estava usando, fui tirando as camadas conforme subia... Lá do alto consegui avistar 3 lagoas e estava em frente ao Huascaran! Fiquei um pouco até recuperar energias e descemos de volta. Cair na neve até era gostoso, mas fiquei imaginando como saber se naquele trecho não teria um buraco sem fim? O guia disse que a textura da neve indica por onde é possível caminhar e nos trechos mais íngremes a chance de avalanche é maior...correu tudo bem, voltei cansada, mas feliz!!! Os donos da agencia são também donos do Hostel e bar Campo Base e eu e o guia ganhamos uma porção de pasteis e um pisco sour cortesias por termos subido ao cume do nevado Mateo. Achei muito gentil! E gostei da região onde fica esse hostel, é um tipo de vila com vários restaurantes, agencias, hostels...O guia que me acompanhou é o Jack Sierralta, super gente boa. 23/05/2017: dia de descanso para andar por Huaraz. Passei pela Praça Soledad onde está a igreja Soledad, padroeira de Huaraz. Caminhei até a Rua José Olaya, que foi a rua onde permaneceram intactas casas após o último terremoto em Huaraz. Aos domingos tem feira gastronômica ali. Como não era domingo, o mais interessante nessa rua foi ver 2 vacas andando soltas e um rebanho de ovelhas sendo tocadas por ali!!! Caminhei até a Igreja S. Francisco, fui ao mercado Central e fiquei horrorizada como eles deixam carnes expostas sem refrigeração e as cestas de pão no chão. Almocei no Bistro de Los Andes. Fica numa esquina na Praça das Armas, no andar superior, de onde se pode avistar a praça e as cordilheiras. Tomei Shacue (sopa de feijões andinos com ovo e queijo). Visitei o museu arqueológico de Ancash onde vi um resumo do que já havia visto em Chavín. Descansei um pouco no Hotel até o horário de jantar e pegar o ônibus para Trujillo. O jantar foi no Café Andino, que ficava próximo ao hotel e achei bem aconchegante. Comi quinaufa (parecido com arroz chaufa, mas com quinua no lugar do arroz). O ônibus para Trujillo saia do quarteirão atrás do hotel, era da companhia Linea (50 soles), executivo, consegui descansar. Apesar de um trecho cheio de curvas no início e não ter nenhuma parada, a viagem foi tranquila. 24/05/17: tomei taxi (5 soles) até o hostel Munay Wasi. Encontrei um casal de franceses que havia feito o trekking santa cruz, mas havia se queixado de terem tomado ônibus público!!! Não havia um transporte contratado para eles, então tiveram que esperar muito para chegar do fim da trilha em Huaraz. Além disso disseram que o guia não explicava nada no trajeto, só caminhava e os turistas iam cada um por si...não me arrependi de não ter feito, ao saber disso. Gostei dos passeios que fiz, mas se algum dia tiver companhia pretendo ir com alguma agencia melhor. Encontrei a suíça que também fez o trekking, mas pela eco ice e disse que foi melhor, era um grupo menor, os equipamentos eram ok, transporte real para o grupo. No hostel me deram informações sobre os passeios que conseguiria fazer em Trujillo sem agencia. Fui para Huaca de La Luna, visitei o museu e depois visitei a Huaca. A visita guiada está inclusa no valor do ingresso e foi ótima. A Huaca del Sol está fechada para investigação, está bem destruída. As Huacas foram provavelmente pirâmides. Templos administrativos (Sol) e religioso (lua) da civilização Moche, que viveu de 100 a 600 dC. Viviam entre a montanha (pai) e rio (mãe). Cerro Branco: pessoas de Trujillo subiam no cerro, mas demorou para saberem que ali haviam as Huacas. Civilização fazia sacrifícios (sangue dos guerreiros em troca de água) pelos Deuses, quando demorava muito para chover faziam as oferendas. Huaca del sol: 11 andares. Desenhos simétricos, muitas aves, répteis, coloridos. Há uma teoria de que os Moches teriam se mudado e virado o povo de Chan Chan... 25/05/2017: fui a Chan Chan. Estava sozinha, então não paguei pelo guia. Comprei um folheto informativo. A grandiosidade do lugar é interessante, mas gostei mais das Huacas. Caminhei até o Museu de Chan Chan, mas não compensa, não tinha quase nada. Peguei o ônibus até Huanchaco, mas também não gostei dessa praia. Ela é cheia de pedras, não se pode caminhar molhando os pés na água, só pelo calçadão. O céu é cinza, deve ser boa para surfistas (tinha muitos). Caminhei um pouco, passei por uma igrejinha e peguei o ônibus de volta para almoçar em Trujillo. Fui ao restaurante que me recomendaram como tendo o melhor ceviche da cidade: El Rincón de Vallejo. Foi gostoso, não sei se é realmente o melhor pois não comi em outros lugares. Mas gostei do ambiente. Depois do almoço caminhei pelo centro histórico, entrei na casa de la Emancipación e no Centro cultural de Trujillo. À noite voltei à Casa de la Emancipación pois havia um show gratuito de lançamento do cd de uma cantora de Trujillo. 26/5/2017: Fui ao Palácio Iturregui que atualmente é um clube privado e abre das 8-10:30 para visitas ao seu interior. Cobram 5 soles. Não gostei. Em compensação, fui também na Casa Urquiaga, onde a entrada é gratuita e tem guia que explica cada cômodo, nessa Casa valeria pagar para entrar! Caminhando pela Calle Pizarro, vi uma apresentação de marinera na Plaza de la Merced. Teve um mini-aula também, mas não participei, só fiquei olhando como as pessoas se empolgam! Almocei e à noite peguei o ônibus para Lima. 27/5/17: O ônibus da viação Cruz del Sur era o único que chegava na Javier Prado, em Lima. O hostel havia me dito que esse seria o local mais próximo deles. Mesmo assim precisei pegar um taxi (cerca de 20 min). O hostel ficava em Miraflores e saí para encontrar o tour a pé que sairia dali até o centro de Lima. Há mais de um grupo que realiza esse tour, eu fiz com o guia de colete amarelo e gostei muito. O tour foi pelo centro histórico e o guia contou um pouco sobre a história de Lima. Terminou com uma degustação de Pisco Sour e explicação sobre o Pisco. De lá fui ao bairro Barranco, onde almocei e à tarde fiz outro tour a pé. Eu já havia ido nesse bairro boêmio à noite, na minha outra viagem a Lima. Foi interessante vê-lo durante o dia e conhecer um pouco mais sobre sua história. Vi um cara pedindo a namorada em casamento na ponte! Não lembro o nome da ponte, mas dizem que as mulheres que atravessam a ponte com a respiração presa e fazendo pedido tem esse pedido realizado em 2 horas! Não consegui passar sem respirar, kkkk. Nesse bairro fiz tour com pessoal de colete verde (disseram ser o primeiro grupo a fazer tour a pé em Lima), gostei muito também. 28/5/17: Não gostei do hostel onde me hospedei em Lima, pior custo benefício da viagem. Fiquei num quarto individual, mas o banheiro só ficava no andar de cima. O hostel era uma casa grande, o quarto individual era a provável despensa onde colocaram uma cama. Tinha cheiro de mofo. Nesse local teria sido melhor ficar no quarto coletivo. Nesse dia caminhei por Miraflores, pela costa e fui até o Museu de Arqueologia e história do Peru (vi mais uma vez a Estela Raimondi, dessa vez a original). O museu fica no bairro Pueblo Livre, é muito bonito e didático. Fiquei com vontade de conhecer Ica e Nazca...Depois do museu fui à Huaca Pucllana, uma pirâmide. Lembro de passar por ela à noite e vê-la iluminada da outra vez que estive em Lima. Mas dessa vez fiz o passeio por dentro. Ela existe há 1500 anos, feita de adobitos, construção resistente a sismos (tem espaço entre as pedras). Vi as tumbas dos Wasi (crianças sacrificadas!!! Eram da família ou não? Mistério...). À noite fui ao Larcomar, comi lanche no Papachosperu. No Peru, pelo menos em todas as cidades que visitei, não há um terminal rodoviário para todas as companhias, portanto é bom se assegurar do endereço do embarque e desembarque. A tarifa mais barata pode sair cara pelo tempo de deslocamento (e custo do taxi). Essa foi minha segunda vez no país (na primeira fui a Puno, Cusco e Machu Pichu e Lima) e com certeza voltarei. Ancash me encantou com a Cordillera Blanca, ainda há muito que ver por lá. E conversando com outras pessoas fiquei com vontade de conhecer Ica, Arequipa, Nazca...
×