Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''bungee jump''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. A contagem regressiva a começa, os gritos ecoam, 3... coração começa a bater mais forte 2... respiração ofegante 1... hora de saltar!! Eu fiz umas das aventunturas mais incríveis da minha vida, pulei de um penhasco! Quem não tem o sonho não é? haha O Cânion Espraiado novamente foi palco para mais uma das minhas aventuras, se jogar de um pêndulo no cânion. Após você chegar no topo do cânion onde tem um retiro da montanha, começamos a caminhada de 25 minutos até o local do salto. Nesse caminho passamos por um riacho, banhado e terrenos bem úmidos até chegar a borda do cânion onde caminhamos por mais 10 minutos (então nada de tenis ou botas impermeável uma galocha até o joelho é a melhor solução para esse trajeto haha) Chegando lá o pessoal te recepciona e te prepara para saltar. A contagem regressiva começa, os gritos ecoam... 3... coração começa a bater mais forte 2... respiração ofegante 1... hora de saltar!! A partir daí são 2 segundos de queda livre até você pendular lá no meio do canion. O grito de felicidade é inevitável! Sem dúvida uma experiência incrível, umas das mais sensacionais da vida! Estar ali, pendurado olhando a 300 metros para baixo de você, olhando as montanhas, os pássaros passando a sua volta, tudo isso é tão incrível quanto o desafio de saltar. Logo após você inicia o processo de retorno para a borda do cânion, 5 minutos depois você já está de volta e pronto para saltar novamente. Em questão de 15 minutos você já saltou e está super super feliz!
  2. Seguindo minha filosofia de viagem, essa não poderia ser diferente, ou seja, busque um bom preço das passagens, encontre uma data que combine com sua disponibilidade e orçamento (lembrando que o cartão de crédito sempre pode dar uma ajudinha aqui) e partiu viagem. Esta foi uma viagem curta, porém cheia de expectativas alimentadas por mais de dois anos. Ao total, foram 8 dias em que eu e minha filha tivemos de fazer escolhas para tirar o máximo de proveito de um pedacinho desse país cheio de contrastes. Dia 1 (Segunda - 8/5): Chegada no aeroporto salgado filho em Porto Alegre aproximadamente às 8:15 para confirmar que a autorização de menor e tudo mais estavam de acordo, descobrimos que o juizado abriria somente as 9, tudo bem, assim temos mais tempo para fazer nada. O primeiro sinal que o universo estava a nosso favor, veio do check in, onde a gentil atendente nos deu a opção de não trocar de aeroporto em São Paulo de Congonhas para Guarulhos, local de onde partíamos para Joanesburgo. Seria um longo dia já que nosso vôo sairia de São Paulo somente às 17:30. Dia 2 (Terça - 9/5): Chegada em Joanesburgo aproximadamente às 7:45am, nosso fuso horário está 5 horas a frente. Neste momento inicia a parte tensa na imigração, pois seguindo as exigências da embaixada temos certidão de nascimento, autorização de viagem para menor, certidão de vacinação internacional e tradução juramentada já que eles não sabem ler português .Estava com o espírito pronto para rebater todas as perguntas vinda de qualquer agente federal, porém uma surpresa, a única pergunta foi se tínhamos uma caneta pois a dele parou de escrever (acredite ). Passando todos os trâmites de imigração, bagagem e câmbio, chegamos de táxi (550 ZAR) até o hostel “The Birchwood Backpacker Lodge” (75 USD para duas noites), o qual entendi o motivo da altíssima recomendação no booking.com, iniciando pelo check in programado para às 15h da tarde foi feito às 11h. Aproveitando o embalo e esquecendo qualquer sensação de cansaço da viagem, iniciamos a busca através do citysightseing.com.za para um dia nas ruas de Joanesburgo (19 USD). Chegada até o local de partida com o Uber (5 USD). Saindo do Rosebank, passamos por 2 zoológicos e vários museus, porém o foco ficou para o Museu do Apartheid (12 USD) o qual passamos quase 3 horas sem assistir todos os documentários e ler todas as descrições. Retornamos através de dois ônibus (a linha vermelha e a verde) sentido os efeitos da viagem. Paramos no shopping para uma refeição deliciosa porém um tanto cara (26 USD). Carregado o SIM card recebido no aeroporto (7 USD), que a propósito não foi mencionado anteriormente, mantivemos uma ótima percepção de gentileza e cordialidade do povo sul africano, exemplo foi do atendente que sem nenhuma obrigação já com a loja fechando (a propósito o comércio fecha cedo aqui) fez questão de auxiliar até que eu tivesse a Internet propriamente configurada. Agora com internet estamos prontos para retornar ao quartel general através de Uber (5 USD). Dia 3 (Quarta - 10/5): Nesta manhã apesar do relógio despertar às 7:30 não saímos da cama antes das 9am. Após um saboroso café da manhã, retomamos a programação do dia o qual tivemos a confirmação de saída de carro às 13 horas em direção ao Kruger Park com o Pieter Strydom do Big Six Tour Safaris, sendo 3 dias com 2 noites incluindo transporte, entrada nos parques e café da manhã (1007 USD). Iniciamos uma longa jornada com duas paradas para lanche (95 e 97 ZAR) e às 19:30 cruzamos as porteiras do Park que fecham às 18h, porém estávamos em comunicação com o pessoal do parque durante o trajeto evitando qualquer mal entendido diante do Rangers fortemente armados. Após acomodados no luxuoso Lodge (Já que não havia mais vagas para barracas), aproveitei o banho de banheira para relaxar e renovar as energias para o próximo dia que inicia bem cedo. Dia 4 (Quinta - 11/4): O relógio desperta pela primeira vez às 4:15 e já estava acordado (na verdade acho que nem dormi direito ansioso para sair), levamos cobertores para nossa primeira aventura em busca dos incríveis Big 5 (leão, elefante Africano, Búfalo, leopardo e o rinoceronte negro ou o branco). Ante das 5 da manhã já estávamos com as lanternas em busca de qualquer coisa que brilhasse para assim identificar o que seria. Após 3 horas de passeio por uma das estradas do Kruger Park estávamos de volta para um rápido café e assim partir do acampamento "Arpen" para o "Satara" onde tomamos um delicioso café da manhã. Em direção ao acampamento “Skukuza”, passamos por uma quantidade significativa de mamíferos e pássaros. Chegando no acampamento, compramos entre bebidas, comidas e souvenir (306 ZAR). A quantidades de animais vistos e as curiosidades da vida animal na sua mais pura realidade continuam a impressionar, sendo a última no final do dia, a observação de um crocodilo demostrantando sua exímia paciência e estratégia em busca de sua janta :'> . Seguimos em direção ao próximo e último acampamento "Pretoriuskop". Chegamos já era noite, compramos nossa janta (204 ZAR) e aproveitamos o restante do dia desfrutando uma ótima conversa em frente a cabana. Dia 5 (Sexta - 12/5): Acordamos mais tarde, às 6am para preparar nossa bagagem em direção ao Panorama Route, sendo que 6:30 já estávamos na estrada, ainda dentro do Park com esperança de ver os felinos, porém continuamos com a mesma amostragem. A próxima parada foi no hotel “Hippo Hollow Country Estate” para um fantástico e delicioso café da manhã em frente ao Rio dentro de uma área reservada onde já estávamos esperando ver outros animais (isso vicia) . Seguimos nossa rota e agora com parada na fantástica “Blyde River Canyon” (pensa em algo incrível). O próximo ponto foi a "God's Window" que estava fechada, pois com a altitude ao nível das nuvens, não temos garantia de apreciar esse cenário, porém fomos compensados na próxima parada (Lembra do outro incrível? Pois é, esse é ainda melhor) . Seguimos a descida até próxima cidade, onde a parada foi para um Waffle belga e um café delicioso (13 USD), mas waffle não vou esquecer, ainda fizemos outra parada até o fim da nossa jornada às 19:30, mas não tive coragem de tirar o gosto do waffle da boca. Durante a noite, sem muito tempo para pausa, tínhamos que preparar a programação do final de semana, com o desafio de não ter luz no hostel, coisas de África do Sul (lembrei do nosso país neste momento). Dia 6 (Sábado - 13/5): Acordamos as 7 horas para preparar e ajustar a bagagem (tivemos que fazer uma de duas bagagens para economizar 300 ZAR, já que os vôos domésticos dão direito somente a uma bagagem de mão de 7kg) para o vôo em direção a Port Elizabeth com a FlySafair (290 USD), fomos de Uber (25 USD). Chegando no aeroporto, fomos retirar o carro na “Europcar” (43 USD) alugado online pela “www.rentcar.com/pt-br”. Pegamos o mais barato, talvez tenha sido sorte mas pegamos um Kia Picanto LX com 7.000km, porém câmbio manual o que dificultou ainda mais a condução do lado inglês, talvez seja fácil para alguns, mas eu estava o tempo todo pensando que estava na contramão, além de tentar trocar a marcha com a mão direita. Após uma parada em Jeffreys Bay para comer (29 USD), continuamos a jornada até “Plettenberg”, onde apesar de uma passagem rápida, foi uma ótima opção no hostel “Nothando Backpackers Lodge” (378 ZAR) com direito a boa cerveja e ótima troca de experiência com pessoas do Canadá, Austrália, Suíça, Coréia e África do Sul. Dia 7 (Domingo 14/5): Relógio tocou às 7:30, mas como tínhamos que sair somente às 9, aproveitamos uns minutos a mais de preguiça. Fomos até o mercado comprar o café da manhã (97 ZAR) e desfrutá-lo na beira da praia. Chegamos meio dia no “Bungy Jump Bridge, Bloukrans” conforme agendado em “www.faceadrenalin.com” e assim sentir a euforia e adrenalina causada por um salto de ponte a 216 metros de altura , o mais alto do mundo! (1900 ZAR, sendo 233 de impostos). Depois de ver o vídeo ficou difícil não comprá-lo apesar do preço (600 ZAR com pen drive). Missão cumprida é hora de retornar a Port Elizabeth com parada em “Storms River” para um lanche (113 ZAR). Tudo conforme esperado, entregamos o carro no final do dia com tanque cheio (47 USD) e embarcamos de volta a Johannesburgo às 20:50 e tomamos um Uber (45 ZAR) até o “Terrilyn Guesthouse and Backpackers Hostel” (500 ZAR) o qual fomos muito bem recebidos por uma senhora de forte sotaque inglês. Agora é dormir e se preparar psicologicamente para a volta. Dia 8 (Segunda 15/5): Acordamos cedo porém saímos da cama somente as 8 e apesar de não estar incluído o café, essa simpática senhora compartilhou seus cookies e um bom café. Uber até o aeroporto (110 ZAR) e após o motorista desistir do GPS, chegamos ao portão de embarque "errado" e ficamos aguardando quase até perder o vôo e se dar conta de mudar. Chegando em São Paulo às 17, descobrimos que teríamos que trocar de aeroporto ou aguardar mais um hora. A escolha foi: "daqui ninguém me tira" . Era hora da última extravagância na janta (R$ 119) e chegada em Porto Alegre às 23:50. A parte boa de viagens curtas, é que aproveitamos ao máximo cada minuto de nosso tempo e a outra parte boa é que já saímos com uma lista pronta do próximo roteiro a ser realizado. Tabela com os valores gastos em cada um dos dias convertidos para reais com a cotação do dia da publicação (29-Mai-2017). Total gasto durante a viagem foi de R$ 6686 ou R$ 836 por dia para duas pessoas. 1 ZAR = 0,25 BRL 1 USD = 3,27 BRL
×
×
  • Criar Novo...