Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''canyon amola faca''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
    • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
    • Trilhas e Trekking
  • Viajar sem dinheiro
    • Viajar sem dinheiro
  • Viagem de Carro
    • Viagem de carro
  • Viagem de Moto
    • Viagem de moto
  • Cicloturismo
    • Cicloturismo
  • Outros Fóruns
    • Outros Fóruns
  • Promoções
    • Voos Baratos

Categorias

  • América do Norte
  • América do Sul
  • Ásia
  • Brasil
  • Europa
  • Oceania
  • Oriente Médio

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Tópicos que recomendo


Ocupação

Encontrado 1 registro

  1. Era quase meio dia numa manhã de novembro. Sob o sol quente, a radiação castigava a pele já queimada dos meus braços, mãos e pescoço. Estava exausto. Os pés doíam, enfiados nos calçados especiais para caminhada que por algum milagre ainda insistiam em não se esfarelar. Mesmo com o lindo dia e com a paisagem deslumbrante do alto do Canion da Rocinha a inspirar a elevação do espírito, meu humor não poderia estar pior. Durante a noite anterior havia acabado a água nos meus dois cantis e a boca seca somada à respiração ofegante faziam a sensação de sede parecer insuportável. Com as últimas forças atravessei a campina e desci à margem do último córrego que tinha que atravessar. Depois disso, a estrada e o fim da jornada. Na margem, soltei a barrigueira e tirei a pesada mochila dos ombros. Com esforço, alcancei um dos cantis de plástico verde, e tentando me equilibrar sobre o terreno molhado, acocorei sobre a vertente e o enchi com um pouco daquela água gelada e cristalina. Levantei para beber e no momento em que tocava os lábios no cantil meu pé escorregou. Caí de lado sobre o barranco irregular e úmido. O cantil bateu no chão e foi parar dentro de uma poça lamacenta, derramando todo o seu líquido. Foi a gota d’água. Senti o calor do sangue subindo à minha cabeça e a fúria tomou conta de mim. Toda a frustração, o cansaço e a tristeza vieram à tona. Levantei e alcancei o cantil apenas para jogá-lo mais longe, com toda a minha força. Uma semana antes eu me sentia muito bem, me preparando para o que imaginava seria um trekking “épico”. Já havia alinhavado alguns detalhes da viagem com meu velho amigo de caminhadas. Mauro e eu nos conhecemos durante o serviço militar obrigatório, há mais de trinta anos atrás. De lá pra cá, mesmo sem qualquer regularidade, acumulamos aventuras, quilômetros caminhados e muitas histórias para contar. A nossa última aventura havia sido num final de semana de fevereiro deste ano. Com um amigo, fomos a um cânion muito pouco visitado em Cambará do Sul, que exigiu uma caminhada de 12 quilômetros sob forte chuva. O clima não estava nada bom e a previsão para os próximos dias era pior ainda. Assim, chegamos, acampamos e no dia seguinte retornamos outros 12 quilômetros. Mesmo assim valeu pela boa companhia, pelo exercício físico e por ter matado a saudade de um dos meus cânions preferidos. Depois de muitas conversas e combinações, a decisão estava tomada: desta vez, Kátia ficaria em casa com as crianças. Eu havia conseguido uns dias de férias do trabalho e, se por um lado estava precisando me afastar das tarefas rotineiras, por outro eu tinha planos... A ideia era aproveitar a exuberância inspiradora e remota do ambiente natural dos cânions de São José dos Ausentes para produzir fotos e vídeos para um novo projeto pessoal. Há algum tempo Kátia e eu vínhamos conversando sobre fazer algo baseado em plataformas virtuais. Ela é da área de informática e, muito criativa, tinha tido experiências de trabalho com mídias sociais. Insistia para que eu montasse algo nesse sentido, com enfoque nas minhas experiências. Agora, por algum motivo, me senti mais confiante e resolvi abraçar a proposta. A oportunidade de começar a produzir material num ambiente natural era perfeita. Um local onde eu me sinto à vontade, que faz parte de mim. Abri o armário e comecei a tirar as teias de aranha do nosso equipamento fotográfico, guardado há alguns anos, especialmente depois do advento dos smartphones... apesar de ter que carregar uma pesada “tralha” (máquina DSL, suas lentes e tripé, além de baterias extras e outros acessórios), a qualidade das fotos valeria a pena. Suportar o peso extra do equipamento fotográfico era um dos principais desafios desta empreitada. Deixaria o telefone celular para comunicação, navegação, vídeos e algumas fotos ocasionais. Adquiri um power bank de 10.400mAh para garantir a duração da bateria do telefone até o fim da viagem. O segundo desafio da caminhada era justamente a navegação. Com o meu bom e velho Garmin eTrex Venture na maioridade (passou dos 18 aninhos) e já mostrando sérios problemas – mapas desatualizados, display sem mapa e tela falhando, eu queria muito testar o sistema de navegação Google pelo celular. Ainda assim levamos o velhinho eTrex (pelo menos para marcar os waypoints), além de bússolas magnéticas e cartas topográficas da região. Falando em região, chegada a véspera da viagem ainda não tínhamos decidido qual seria o roteiro exato, para desespero dos nossos familiares. Sabíamos que seria algum trecho entre o Cânion Fortaleza, em Cambará do Sul e o Cânion Montenegro, em São José dos Ausentes, numa jornada entre 4 e 5 dias. Isso seria decidido no carro, subindo a serra. Com a mochila cargueira preparada e a maleta com o equipamento fotográfico ao lado, restava aguardar o Mauro, que chegou perto das oito e meia da manhã de sexta-feira, feriado de Finados. Eu estava louco para botar o pé na estrada, mas, a convite da Kátia, o meu parceiro de aventuras, com a sua calma de sempre, entrou e tomou um café e comeu um sanduíche. Finalmente saímos para a maior caminhada que eu faria em anos! Mas conhecendo meu amigo, sabia que não começaríamos assim, tão imediatamente... então, pacientemente usufruí da parada em São Francisco de Paula (80 km rodados) para pesar as mochilas numa balança de farmácia e olhar umas lojinhas (todas fechadas), da parada em Tainhas (distrito de SFP, 115 km rodados) para um lanche e olhar as divertidas camisetas do Radicci, e da parada em São José dos Ausentes (248 km rodados) para um café com bolo na única lancheria (e também loja de bolsas, calçados, roupas, panelas e todo o tipo de utensílios) aberta naquele dia de feriado nacional. Tínhamos decidido fazer um roteiro inédito: caminhar do Cânion Monte Negro, onde fica o ponto mais alto do Estado do Rio Grande do Sul, seguindo para o Sul, pela encosta do planalto até o ponto de encontro com a BR 285, no início da descida da bela Serra da Rocinha. Seria uma caminhada entre 30 e 40 quilômetros, dependendo que quantos cânions iríamos visitar no caminho, considerando os imensos recortes dos profundos vales que os compõem. Enfim, decidimos deixar o carro na Fazenda Monte Negro, vencendo mais 45 quilômetros de estrada de terra. Para o Mauro, tudo em Ausentes era novidade. Eu, no entanto, havia me hospedado ali há cerca de 17 anos atrás. Apesar do local estar diferente, maior e mais bonito, muitas lembranças vieram à tona. Foi uma saída solitária, de uns três dias, para conhecer o tal ponto mais alto do Estado. Lembro bem que peguei muita chuva e frio nas minhas caminhadas por lá. Tentei várias vezes ver o cânion mas o tempo ruim não permitia e enchia tudo com a sua névoa cinza. Lembro também da comida campeira deliciosa que era (e deve ser ainda hoje) servida lá. Lembro do calor do fogo de chão e do fogão a lenha, sempre acesos. Lembro do peso das cobertas a ajudarem a aquecer a cama fria à noite. Lembro da escuridão e do silêncio absurdo da noite, me levando a refletir sobre as coisas da vida e principalmente sobre a recente perda da minha mãe, vencida pelo câncer. Naquele momento, era apenas eu. Avós, tios, pais e irmão. Todos haviam partido. Essas foram as lembranças que aquela casa de fazenda, com seus dois andares, me trouxe assim que o carro parou à sua frente. Conversamos com um rapaz, filho do proprietário. Ele não só permitiu que deixássemos o carro no estacionamento da pousada como nos deu uma carona até a base do Monte Negro. Eram passadas quatro horas da tarde quando, enfim, colocamos as mochilas nas costas e começamos a caminhar. Como é proibido acampar na área do Cânion, tivemos que contornar o Monte, pelo Leste, através de mata fechada. Foi um início conturbado e surpreendente, já que, na minha cabeça, não teríamos que passar por nenhuma mata. Tive grande dificuldade em me deslocar, já que a organização do meu equipamento não ajudava... aquela maleta de material fotográfico na mão... assim, mal tinha começado a caminhar e consegui alguns arranhões, duas quedas e afundar os calçados na lama preta, molhando as meias e as calças. Mas a compensação não demorou a chegar.. Após uns 200 metros de sofrimento, digo, caminhada, a mata começou a abrir e, ao passar por uma espécie de túnel verde, descortinou-se uma clareira à beira do planalto. Era final da tarde e uma luz amarelada incidia, oblíqua, nas nuvens que dominavam o ar, da beira do planalto para baixo, como um tapete branco-dourado estendido em continuação aos verdes campos de cima da serra. Uma visão espetacular, revigorante. Fiz o primeiro vídeo da viagem com aquele cenário. Decidimos acampar por ali mesmo, posicionando uma das entradas da barraca para o lado do sol nascente. Jantamos e nos organizamos para descansar. Eu me sentia feliz por estar novamente no alto da montanha (por assim dizer), respirando ar puro, curtindo as cores da natureza, longe das luzes elétricas e do burburinho da cidade. Estava pronto para me livrar daquela frequência de 60 hertz que nos cerca cotidianamente e retornar à frequência da natureza, e, esperava, para minha própria frequência. Este sentimento não durou muito... Eu tinha adquirido um isolante térmico novo, mais compacto e confortável para colocar debaixo do meu saco de dormir. Eu tinha consciência que estava com 50 anos de idade e um sobrepeso de, no mínimo, 20 quilos. Não era mais um guri que podia dormir de qualquer maneira e acordar inteiro na manhã seguinte. Então, comprei, via internet, um isolante térmico inflável importado, de uma marca conhecida e reconhecida. A encomenda chegou num prazo razoável e cheguei a testá-la alguns dias antes do início da jornada. Fiz um vídeo sobre o assunto para o nosso canal do Youtube. Tudo certo. O fato é que na hora “h” o isolante inflável inflou e desinflou imediatamente, não se importando com a minha necessidade de conforto. De algum modo, ele estava furado. Muito furado. Até agora não sei o que houve. Até gravei um vídeo demonstrando minha frustração. Pior que ter frustrado a experiência com o equipamento novo foi a noção de ter que passar o resto da viagem sem o conforto, carregando um peso morto. Por sorte eu tinha levado outro isolante, de EVA, bastante fino. O suficiente para eu não ter que dormir direto no chão da barraca. Me arrumei como pude e, lembrando do meu pescoço que há meses estava dolorido, peguei o meu travesseiro compacto e comecei a inflá-lo. Por alguma ironia do destino, ele resolveu seguir o mesmo rumo do isolante térmico inflável. Minha “paz interior”, tão buscada pelo Mestre Shifu, estava sendo posta à prova. Tive que fazer o tradicional travesseiro de roupas para apoiar minha cabeça, ao deitar... paz interior, paz interior... afff... afinal, dormi. Mas não muito. Era perto das duas da manhã quando fui acordado pelo barulho do vento a bater na mata próxima e a sacudir as paredes da barraca. Nada de mais, afinal, sei que na beira dos cânions o clima muda rapidamente e sempre tem algum vento. Mas tinha alguma coisa diferente... estava quente e o vento parecia estar aumentando. Acordei de sobressalto uma hora depois com o barulho do vento que castigava violentamente a lateral da barraca, a ponto de prensá-la ao chão, sobre o Mauro, que dormia ao meu lado, enfiado no seu... esquema de dormir. O barulho era assustador e o vento parecia ser de um tornado. Bem, eu já tinha pêgo temporais enquanto acampava, mas não assim. Não à beira de um precipício, a 1.300 metros de altitude. Saí da barraca pelo outro lado, para tentar ter uma noção do que estava acontecendo. O céu estava limpo sobre nós, com uma absurda quantidade de estrelas e, olhando ao Sul, divisei uma linha mais escura junto ao horizonte movendo-se, com seus raios, rapidamente a Leste. Os ventos que passavam sobre nós eram puxados para a linha de mau tempo e pareciam alimentá-la. Uma tormenta muito forte se avizinhava. Dei a volta na barraca para conferir as estacas e as cordas. Tudo certo, apesar da pressão do vento, que realmente deitava a barraca sobre ela mesma. Sobre isso, não havia o que fazer a não ser rezar e confiar para que as varetas de estrutura não cedessem. Era uma barraca nova, comprada especialmente para uma saída com a família no feriado de sete de setembro. Aproveitei uma oportunidade no Outlet da The North Face e comprei uma Triarch 3. A barraca é sensacional. Ainda que tenha saído pela metade do preço, o valor pago era relativamente alto em relação a outras marcas, o que me fez levar um olhar preocupado da esposa. Agora a barraca estava mostrando o seu valor. O raiar do dia foi estranho. O sol nasceu esplêndido e laranja e sobre nossas cabeças ainda havia céu claro. Mas ventava muito e sabíamos que o temporal não tardaria a nos alcançar. Tirei umas fotos – tremidas por causa do vento – e fiz um vídeo mostrando a barraca adernada e o barulho do vento. Tomamos café rapidamente, arrumamos as mochilas e com bastante dificuldade, por causa do vento incessante, desmontamos a barraca. Começamos a caminhar na direção da tempestade. Saímos em busca do Cânion Boa Vista e do morro do mesmo nome, que é o segundo ponto mais alto do Estado, cerca de 10 quilômetros ao Sul da nossa posição. O tempo fechou de vez e, no meio do caminho veio a chuva. Tivemos tempo para colocar as jaquetas impermeáveis e as capas nas mochilas, mas sem muita serventia pois o vento sacudia tudo e fazia a água entrar em todos os lugares. Tentei proteger a maleta da melhor maneira possível, sem sucesso. Mesmo sendo uma maleta especial e reforçada, todo o equipamento molhou. Para piorar a situação, subiu um nevoeiro, dificultando a nossa navegação. Não víamos mais do que 10 metros à nossa frente. Mesmo com o GPS do telefone nos auxiliando, estava difícil encontrar a direção certa no meio do campo. O nosso objetivo era encontrar uma plantação de pinheiros que cortava o nosso caminho e escondia, atrás de si, uma estrada que levava ao Boa Vista. A chuva apertava e dificultava o manuseio do telefone celular. O aparelho não reconhecia a digital do meu dedo molhado. Além disso, cada vez que queria consultar o GPS eu tinha que parar, colocar a maleta no chão, puxar o telefone do bolso e de alguma forma tentar secar a ponta do dedo. Não foram poucas as vezes que eu tive que digitar a senha de segurança. Eu não quis deixar o aparelho desbloqueado porque não queria correr o risco de que algum toque acidental fechasse o mapa do GPS. Eu estava offline. Obrigado, Claro. Depois de algum tempo caminhando em zigue-zague, encontramos a plantação de pinheiros. De fato, só não batemos nela, porque quando o Mauro gritou “olha os pinus!!” estávamos andando ao lado dela e não de frente, como deveríamos. Deu tempo de cruzar a cerca e parar debaixo da primeira linha de pinheiros quando um aguaceiro começou a cair sem sinal de trégua. Ficamos parados, de pé, não havia mais nada a fazer. Dali para adiante, por outro lado, a nossa vida ficara mais “fácil”. O vento diminuiu. Bastava seguir a linha de pinheiros até encontrar a estrada. Era uma estrada típica de interior de plantação de pinheiros: rústica, suja e cheia de áreas alagadas. Uma hora e meia depois chegamos à entrada da Pousada Ecológica dos Cannyons, junto ao Cânion da Boa Vista. Nem houve discussão sobre a hipótese se seguir caminho. Era impossível. Entramos na pousada e pedimos acomodação para passar a noite. Eram onze horas da manhã e estávamos caminhando sob vento ou chuva desde as seis e meia. O atendente foi conferir se havia acomodações. Por sorte, a pousada não estava cheia. Tinha um pessoal da UFRGS (vimos a van na entrada do estacionamento) e mais dois casais hospedados. O gerente nos acomodou num chalé de madeira. Não era novo mas estava em boas condições. Contava com dois pequenos quartos de casal, um banheiro com chuveiro elétrico, e uma saleta que acomodava um beliche, um móvel com uma tv de tubo e... uma lareira! Imediatamente pedi ao gerente que acionasse a lareira. Ele retornou em seguida com uma caixa de lenha e em dois minutos ouvimos o crepitar da madeira. Era o local ideal para secarmos nossas roupas e calçados. Fiquei tão comovido que tirei uma foto dos meus tênis secando à beira do fogo. Ahhhh, um banho quente! Fiquei mais de meia hora no banho, aquecendo meus pés gelados, até que o Mauro, perdendo a paciência, bateu na porta pra saber se estava tudo bem. Coloquei uma roupa seca, pedi desculpas pela demora e fui para junto da lareira. Em seguida, fomos para a área de estar da pousada que contava com uma grande lareira ladeada por sofás confortáveis e com... wifi! Conversei com a Kátia e mandei umas fotos. Pela tv ficamos sabendo que a tormenta tinha sido realmente dura. Causou alagamentos e destelhamentos por todo o Estado. O noticiário informou que os ventos chegaram a 80 km/h na região em que estávamos. Quando contávamos o que tínhamos feito, as pessoas ficavam assustadas e nos olhavam como se fôssemos loucos. Todos na pousada – até a cozinheira – já sabiam dos coroas malucos que chegaram molhados e passaram de barraca por um vendaval. O almoço campeiro estava simplesmente delicioso. Simples e saboroso. Quando estávamos nos retirando, vimos o pessoal da universidade fazendo o check-out. Passamos o resto da tarde descansando, evitando que o fogo da lareira se apagasse (ou que as roupas queimassem muito próximas às chamas) e carregando nossos aparelhos eletrônicos. O passar das horas abriu o tempo. Lá pelas cinco da tarde, claridades mais fortes entravam pela janela do chalé. Em seguida, vinha uma nuvem e o tempo fechava novamente. Em seguida, fomos para o lobby, esperar a hora do jantar. Eu também queria ver a previsão do tempo no noticiário e aproveitar o sinal de internet disponível apenas naquele ambiente. Estávamos sentados junto à lareira quando ouvimos os dois casais que ficaram na pousada conversando com o proprietário da pousada sobre como ir ao Cânion Amola Faca. Eles queriam ir mesmo com o tempo não estando ainda tão firme. Olhei para o Mauro, que estava sentado junto ao fogo da lareira do lobby. Sabíamos que seria uma caminhada inútil de 6 quilômetros. O cânion estava fechado de nuvens, com certeza. À noitinha os casais estavam de volta. Não resisti e perguntei sobre a ida ao Cânion Amola Faca. Eles responderam, desapontados, que nem conseguiram chegar à beira. Um dos rios que corta a estrada que leva ao cânion estava transbordado, com uma corrente muito forte, devido às chuvas. Não se atreveram a tentar cruzar a torrente de água. Os casais, biólogos, viviam da pesquisa em campo e do ambiente acadêmico. Começamos uma conversa animada sobre sustentabilidade, acampar, trekkings e sobre o Cânion Josafaz, em especial. Pela conversa, entendi que os pesquisadores haviam procurado, sem sucesso, um local específico, importante para seus estudos, na região. Por incrível coincidência, a região do Cânion Josafaz nos é conhecida e querida. Estive com o Mauro lá por várias vezes. Descemos o cânion em duas oportunidades, por uma trilha inacreditável. Outras duas vezes estive lá guiando outras pessoas pela descida. Confesso que não conseguia encontrar a trilha sem o Mauro, por mais que tentasse. Por outro lado, eu conhecia muito bem a parte de cima, próxima das localidades de Aratinga e Contendas, pertencentes ao município de São Francisco de Paula. E conhecia o local procurado pelos biólogos. Isso deixou nossa conversa ainda mais interessante. Fomos interrompidos pela chamada à janta, que estava deliciosa. Em seguida, voltamos à beira da lareira, onde retomamos as conversas por mais um par de horas antes de nos recolhermos aos chalés. Resolvi me acomodar no beliche, mais próximo da lareira onde podia ficar ouvindo o crepitar da lenha sob a pouca luz avermelhada que emanava do canto da sala. A previsão do tempo era boa para os próximos dias mas eu sabia que teria dificuldades com o terreno molhado pela abundante chuva que caíra. Os campos de turfeiras deviam estar ainda mais encharcados. Organizei as cobertas sobre o pequeno colchão de beliche e adormeci rapidamente. No dia seguinte, domingo, o café foi posto às oito e meia, mais tarde do que eu gostaria. No entanto, o tempo ainda não estava firme, variando entre sol e nevoeiro. Percebi que o vento estava mudando para o quadrante Sul, o que me encheu de esperança. Aproveitei o maravilhoso café colonial que foi posto à mesa. Enfim, perto das dez horas da manhã fizemos o check-out, nos despedimos dos nossos novos amigos e retomamos a nossa jornada rumo ao Cânion Amola Faca. Quase todo o percurso de 6 quilômetros foi feito por estrada de terra e pedras. O terreno já havia enxugado bastante e os rios estavam quase em seu leito normal. Mas a sorte continuava a me testar e a sola do meu tênis do pé esquerdo começou a desprender. Iniciei a caminhada com os calçados à meia-boca mas confiante que conseguiria chegar ao final. Nada disso. Tentei amarrar cordas em torno do pé, mas ao caminhar as cordas soltavam facilmente. A situação estava começando a ficar periclitante pois, caso soltasse totalmente a sola, eu não poderia continuar. Só tinha levado aquele calçado. Perseverei e continuei a caminhar, com cuidado. Apesar do céu estar muito nebuloso, consegui belas fotos da longa cachoeira que despenca dentro do cânion. Demos a volta no vértice do cânion para nos refrescarmos nas águas daquele arroio. Aproveitei a parada para verificar o estado dos meus calçados. Nada bom. O calçado do pé direito já dava sinais de descolamento da sola. Foi aí que tive a ideia de furar a ponta da biqueira do tênis e passar uma corda, que amarrei nos cadarços. Ficou muito bom e segui confiante. O céu havia limpado de vez e agora o sol batia inclemente. Depois de encher nossos cantis, ficamos contemplando a beleza do lugar, acompanhados por uma leve brisa e alguns pássaros. Decidimos acampar por ali, em algum lugar de uma espécie de platô que se estendia para leste, a partir da face sul do cânion. Quando estava em casa estudando a região, pelo computador, percebi aquele platô e tive vontade de explorá-lo até sua extremidade leste e acampar lá, tendo uma visão de uma área litorânea que poderia se estender desde Torres até talvez Imbituba ou Tubarão, ao Norte. Mas a caminhada era longa e sob os argumentos do Mauro, resolvemos fica mais perto. Uma coisa eu não abria mão: queria ver o sol nascer no litoral. Esse é um espetáculo mágico. Não tivemos dificuldade em encontrar um local plano, que poderia servir. Consultamos o Garmin sobre a posição do sol nascente, e, a princípio, seria adequado. Montamos o acampamento sem pressa, aguardando a noite fria e ventosa que viria. Preparei uma sopa de galinha com arroz (aquelas prontas, de pacote, claro) e ainda enfiei um miojo e nacos de salame na panela. Uma refeição quente antes de dormir, simples assim. Dormi bem apesar do incômodo nas mãos, braços e pescoço causados pela radiação solar. Tinha esquecido do protetor solar e agora teria que ter muito cuidado no restante da caminhada. Dormi tão bem que quase perdi o espetáculo que buscava. Fazia uns oito graus fora da barraca e o vento forte do amanhecer deixava a sensação próximo de zero. Mesmo com as mãos tremendo, tirei várias fotos e decidi que iria filmar o sol nascendo. Este seria um presente meu para a Kátia. Ela queria muito ter vindo junto. Lembrei do nosso primeiro acampamento, perto do vértice do Cânion Fortaleza, em Cambará do Sul. Estávamos namorando há apenas dois meses e assim que começou o recesso das festas de final de ano, a convidei para acampar. E ela topou, mal sabendo onde estava se metendo. O seu tênis de marca, branquinho, também. Se não me engano, o coitadinho não resistiu e foi pro lixo assim que retornamos. O importante é que o destino sorriu para nós e a nossa união inclui também o amor pela natureza e pelos acampamentos. Ela adorou conhecer a região dos cânions e me acompanha sempre que pode. Lembro do seu rosto quando a levei pela primeira vez ao mirante do Cânion Fortaleza e lembro a sua expressão maravilhada quando a levei pela primeira vez ao Cânion Malacara, o nosso preferido. Lamentei muito a sua ausência nesta jornada e por isso quis gravar um sol nascente, só para ela. E a natureza ajudou. Foi mágico. Tomamos um bom café da manhã, com direito a bebida achocolatada, frutas e pão. Muita energia para o trecho que estaria por vir. Caminhamos por lindas campinas onduladas, cheias de flores coloridas e pontuadas por capões de mata. As araucárias ainda dominavam a paisagem por ali, até que começamos a divisar as plantações de pinheiros comerciais. Quando chegamos no meio de uma campina cercada de morros verdes, aproximou-se de nós um cavaleiro, o chamado peão de estância. Por segurança paramos e aguardamos a sua lenta aproximação. Após as saudações, explicamos que estávamos caminhando e pedimos passagem. Ele falou prontamente que respeita muito os turistas “como nós” e que tem bronca apenas com os caçadores. Aposto que ele soube que éramos mochileiros (e não caçadores) muito antes de nós o termos visto. Trocamos algumas impressões sobre o tempo e perguntamos sobre o caminho a seguir. Para a nossa surpresa, ele disse que teríamos que passar pelas plantações de pinheiros... isso não estava no mapa do Google... a imagem mostrava claramente que era campo aberto até o fim da caminhada. Ao que parece a ação do agronegócio ainda é mais rápida do que a atualização da foto do satélite de navegação. O peão, lógico, estava certo e em dado momento não tivemos mais campo pela frente, apenas pinheiros. Passamos por uma taipa de pedra, uma antiga mangueira (ou curral) feita de pedras encaixadas. Essa era uma prática muito antiga da cultura serrana e uma habilidade quase perdida no tempo. Essa taipa tinha mais de dois metros de altura e, na sua base, um metro de espessura. Uma construção singular. Em seguida, fomos na direção do Cânion da Rocinha, num lugar chamado “chiqueirão”. Erramos o caminho ao tentar desviar a primeira entrada do cânion e tivemos que caminhar quase dois quilômetros a mais. No entanto, esse ponto nos deu uma visão privilegiada da estrada da Serra da Rocinha e as construções dos novos viadutos que o governo federal está construindo. Demoramos quase uma hora para contornar esse vale reto e fundo para descobrir, do outro lado, uma estrada que ia exatamente na direção que tomaríamos. Era quase meio dia e o sol a pino estava nos castigando. Eu resolvi caminhar com a minha jaqueta leve, apesar do calor, para evitar mais queimaduras nos braços e no pescoço. Passava um calor opressivo, suando bicas, enfiado naquela jaqueta de nylon. Por sorte, um nevoeiro esparso começou a toldar o céu, aliviando o calor. Paramos um pouco para descansar, no meio de uma estrada. Sentamos, nos encostamos nas mochilas, puxamos os chapéus sobre o rosto e... tiramos uma soneca. Bem no meio da estrada. Acordei sobressaltado com o barulho de um motor. Poderia ser um carro a passar pela estrada em que estávamos deitados. O cochilo não durou mais do que quinze minutos, mas foi o suficiente para renovar os ânimos. Partimos para encarar o que imaginávamos seria o último grande obstáculo: um arroio caudaloso, margeado pelas plantações de pinheiros e que acabava por se lançar no fundo do cânion. Ao chegarmos às margens, percebemos que o desafio maior para atravessá-lo seria chegar às suas margens. O arroio corria por uma depressão ou vale com mais de dois metros de profundidade, com paredes verticais tomadas por uma planta espinhosa que conhecemos por orelha do diabo. Tivemos que caminhar um bom pedaço da sua margem até encontrarmos um ponto de descida, que conjugasse também um bom ponto de travessia e uma possibilidade de subida do outro lado. O arroio era lindo, com pequenas corredeiras e poços que convidavam para um banho refrescante. Deixamos para uma próxima vez. Estávamos à meia-tarde e o “nada”, o nevoeiro que sobe das encostas sempre nesse horário estava cada vez mais forte. Após caminharmos através de plantações de pinheiros encharcadas e cruzarmos por outro belíssimo arroio, alcançamos a região da nascente do Rio das Antas. Um lugar que ainda quero conhecer melhor. Tentávamos nos afastar um pouco da borda do planalto para termos um pouco mais de visibilidade, mas assim que adentramos a estreita faixa de campo que separa o precipício do vale do Rio das Antas, a visibilidade piorou. Às cinco horas da tarde não conseguíamos ver mais do que dez metros adiante de nós. Mesmo com o GPS era difícil navegar em linha reta ou mesmo antever os obstáculos pela frente. Passamos por uma área de nascentes e turfeiras que acabou com as minhas energias. Percebi que estávamos indo da direção errada e, preocupado, me dirigi à primeira elevação que consegui divisar. Cansado, quase não consegui subir o morro, que não era tão alto mas compensava com a dificuldade de sua inclinação acentuada. No cume, declarei ao Mauro que não conseguiria seguir adiante, tanto pelo meu cansaço como pela visibilidade, que a essas alturas estava reduzida a uns cinco metros. Montamos acampamento num lugar mais ou menos plano. Acabei por montar minha cama no espaço de 40 centímetros entre duas pedras e com os pés num buraco. Repeti a janta da noite anterior, que dividi com meu companheiro, e me acomodei para dormir. Estava exausto e com os calçados, meias e as calças molhados. Sabia que as coisas continuariam assim até a manhã seguinte pois o vento forte trazia apenas aquele nevoeiro úmido e gelado. Dormi como uma pedra. O amanhecer do dia seguinte foi esplêndido. Mais um espetáculo da natureza. O morro que decidi subir, quase no escuro, estava na borda do cânion e nos presenteou com um crepúsculo de tirar o fôlego. Estávamos a poucos quilômetros do final da caminhada e o dia estava aberto, iluminado e aquecendo rapidamente. Como previ, minhas roupas ainda estavam molhadas. Decidi trocar as calças e colocar meias limpas e secas. Usar a última muda de roupa limpa não me preocupava porque estávamos concluindo a jornada e meus pés estavam doloridos e machucados por causa do esforço de caminhar com calçados danificados e sempre molhados. Devoramos tudo que pudemos no café da manhã, desmontamos o acampamento e descemos o morro, na direção Sul. Ultrapassamos uma encosta e subimos um morro que, em seu topo, mostrava afloramentos rochosos e um pouco além, uma estação meteorológica. A estação resumia-se numa antena cravejada de equipamentos e um pequeno cubículo na sua base, possivelmente para guardar algum material. Vimos rastros de veículos mas nenhuma estrada ou trilha. Paramos para descansar e tirar algumas fotos. Aproveitei para usar a máquina fotográfica para registrar as encostas azuladas do Cânion da Rocinha. A caminhada estava relativamente fácil, sobre terreno alto e seco. Após contornarmos algumas pedras, paramos para descansar numa rara sombra. Dali enxergávamos, muito perto, as antenas no topo da Serra da Rocinha e, a cerca de um quilômetro, a estrada BR 285! Emocionado, pus a mão no bolso da calça para pegar o celular, verificar a nossa posição e tirar umas fotos. O bolso estava rasgado e o telefone não estava ali. Entrei em pânico e falei pro Mauro: “perdi meu telefone!”. Não era possível. Não podia ser verdade! Não, não, não! Todas as fotos, todos os vídeos que tinha feito... Não! Falei pro Mauro: “Vou voltar e procurar”. Deixei a mochila ali mesmo e comecei a retornar. Não lembrava ao certo onde tinha sido a última vez que tinha usado o aparelho mas, mesmo sabendo que as chances de encontrá-lo eram diminutas, não podia aceitar a ideia da perda assim, tão facilmente. Minha cabeça estava um turbilhão e mal vi o Mauro caminhando atrás de mim, me auxiliando na busca. Tentando loucamente lembrar da última vez em que o tinha visto, imaginei que tinha sido naquela encosta rochosa, perto da estação meteorológica. Caminhando lentamente, olhava para o chão e, a essas alturas rezando, para encontrar o telefone. Eram aproximadamente 500 metros de trilha de gado, campina baixa e pedras até o local da estação meteorológica. Fiz e refiz esse caminho duas vezes, tentei traçados diferentes, ziguezagueei por todo o terreno. Quase duas horas de procura, inútil. Apesar do esforço no auxílio da busca, Mauro me alertou do horário. Precisávamos abandonar a busca e concluir a caminhada. Uma vez na estrada, teríamos que pedir um táxi para o nosso resgate. Estávamos a 12 quilômetros de São José dos Ausente e a 57 do nosso carro. Arrasado, concordei. Tínhamos que encerrar a jornada. Eu não conseguia falar e também não conseguia chorar, apesar da vontade. Todas as cenas gravadas e fotografadas vinham à minha memória. Um sentimento de culpa também me invadiu. Por que eu troquei de calça? Por que não tive mais cuidado? Agora, todos os vídeos estavam perdidos. Muitas fotos também. Não havia backup e a única nuvem era a negra que pairava sobre a minha cabeça agora. Todo o projeto estava comprometido. As ideias, as imagens, as falas, todos os registros estavam perdidos. Me arrastei pelos últimos metros da caminhada até a estrada. O Mauro, tentando me animar, perguntava “Por onde agora?”, mesmo sabendo que o caminho em frente era o melhor. Eu mal balbuciava, sem força, “Por onde tu quiser...”, ou fazia um sinal com a mão, indicando seguir em frente. No final, eu simplesmente continuava caminhando. Estava cansado, com sede, triste e frustrado. Meus pés e ombros doíam. Minhas mãos e pescoço ardiam, queimados do sol. Estava farto de carregar na mão aquela maleta... Será que isso era uma mensagem do destino? Ou era puro azar? Há anos eu não tinha a oportunidade de fazer uma caminhada dessas. Trabalho, família, dinheiro, preguiça, sempre havia uma “desculpa” que me direcionava para outras atividades. Agora, tinha conseguido férias, tinha companhia, tinha a liberação da família, e tinha uma motivação a mais, um projeto. Enveredar por uma área de trabalho nova, com novos desafios. Eu sempre gostei de novos desafios. Comecei a jornada animado e a encerrava frustrado. Qual seria a moral da história? Haveria uma? Vamos deixar os clichês de lado, por um momento. As respostas estão aqui mas às vezes não nos vêm facilmente. Precisei de algum tempo para processar toda a jornada. Não sei se obtive alguma resposta, mas certamente tomei algumas decisões. E se essa jornada tivesse sido com você, querido leitor? Eram quase onze horas daquela manhã quente quando eu cheguei no córrego, à beira da estrada. Eu estava suado e com sede. Lembrei que estava com os cantis vazios e resolvi pegar um pouco de água e me refrescar antes de subir o barranco pedregoso até a estrada. Após a triste cena que se seguiu, ante os olhos arregalados do meu companheiro de caminhada, lentamente peguei meu cantil, lavei e enchi novamente. Subi o barranco de pedra, deixei a mochila cair nas pedras e sentei à beira da estrada, com a cabeça apoiada nas mãos, tentando acalmar a respiração e a mente. O Mauro, com ainda mais vagar, repetiu os meus passos barranco acima. Antes que ele pusesse por os pés na estrada eu levantei e apertei-lhe a mão. Pedi desculpas pela cena e pelo mau humor. Agradeci pela companhia e pela paciência e lhe disse que eu não poderia pisar na estrada sem estar com meu amigo, companheiro de caminhadas. Pisamos juntos no leito da estrada poeirenta.
×