Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''experiência mistica e outras bobagens''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 1 registro

  1. Quinze anos atrás um acontecimento me fez começar a escrever sem eu nunca ter escrito nem uma carta se quer, foi o start para colocar no papel algumas aventuras que achava relevante, deixando alguma coisa escrita para ajudar outros caminhantes como eu, num tempo em que nem internet existia, não como agora. "-Divanei, é melhor vocês não irem viajar, pois nosso primo de Rio Preto recebeu uma mensagem espiritual e a mensagem dizia que se vocês fizerem esta trilha, PELO MENOS UM VOLTARÁ EM UM CAIXÃO”. Caminhar em trilhas pelas florestas e montanhas sempre foi minha grande paixão, escrever, minha grande decepção. Mas o que aconteceu conosco nesta caminhada, acho que merece ser colocado no papel. Invertendo o velho ditado, seria trágico se não fosse cômico. A trilha do Rio Branquinho é uma daquelas caminhadas pouco conhecida pelos paulistanos, apesar de partir do extremo sul da cidade, mais precisamente do distrito de Parelheiros, num lugar conhecido como Represa, ela atravessa toda a Serra do Mar findando em Itanhaém, já no litoral. Eu já havia tomado conhecimento a algum tempo da existência desta trilha e aguardava a oportunidade de fazê-la, para isso convidei um primo que mora na capital, pois seria mais fácil para ele descobrir os horários e itinerários dos ônibus, do que para mim, pobre habitante do interior de São Paulo. Marcamos a viagem para o primeiro final de semana de agosto(2003), pois eu não iria trabalhar e a previsão do tempo era favorável. Começava então uma série de acontecimentos e coincidências que parecia anunciar uma tragédia. Ao sair de casa para trabalhar, três dias antes da viagem, pela primeira vez depois de seis anos trabalhando como motociclista, levei a minha primeira queda ao atropelar um cachorro. Braços ralados, mãos esfoladas, joelhos inchados e outras escoriações pelo corpo. Viagem cancelada, que frustração!!!! Na semana seguinte não seria possível ir, tinha que trabalhar no sábado e ponto final. Escolhemos então como nova tentativa o terceiro final de semana do mês, mais precisamente o dia vinte e três de agosto, já que o calendário da empresa onde eu trabalhava não previa trabalho para o final de semana. Na quinta-feira, 21 de agosto, minha mochila já estava pronta, a comida e tudo para a viagem já estava pronto. Quando cheguei à tarde na empresa me deram a péssima notícia: Por alguns problemas técnicos, eu iria ter que trabalhar no sábado. Bateu em mim um sentimento de derrota, mais uma vez iria ter que dar o cano no meu companheiro de caminhada? Passei toda a sexta-feira tentando achar uma solução rápida. Trabalheira na hora do almoço, consegui que um colega fizesse parte do meu trabalho no sábado. A outra parte eu faria na sexta-feira mesmo, depois do expediente. E assim foi. Terminado o expediente às 17 horas, peguei a minha moto e fui terminar o serviço que me restava. Foi quando de repente minha moto foi atingida por trás por um carro. Lá estava eu, mais uma vez beijando o asfalto e amaldiçoando a minha sorte. Seria a maldição da trilha? Seria algum aviso para eu esquecer desta caminhada? Levantei-me do chão, tirei a poeira da roupa, minhas mãos sangravam um pouco, as costas e as pernas estavam doloridas, mas eu não havia quebrado nada. Levantei e fui correndo para casa. Tomei um banho, eu ainda não estava derrotado, nunca escondi de ninguém o meu ceticismo por estas coisas, tudo não passava de mera coincidência do acaso, eu iria viajar, mesmo dolorido, eu iria assim mesmo. Coloquei a mochila nas costas e peguei o ônibus para São Paulo às 08 da noite, fui para casa do meu primo na Zona Leste, chegando lá descobri que um amigo dele, na verdade um rapaz casado com uma meia prima minha, iria conosco. O Marcão parece ser gente boa, nunca tinha caminhado em nenhuma trilha, seria a primeira dele. Ele é evangélico, só não me perguntem de que igreja, pois não saberei responder, possivelmente de uma destas dezenas que surgem a cada ano no Brasil. Todas as mochilas prontas, mapas, e outros equipamentos, resolvemos dormir na casa do meu primo e combinamos de sair as 04 horas da manhã, pois era primordial começar a trilha o mais cedo possível. Dormíamos na sala, eu, o Marcão e a esposa dele, quando mais ou menos as 03 e meia da manhã tocou o Telefone. Eram os nossos parentes que haviam chegado de Rio Preto e estavam no portão e como a casa era de fundos e nós não estávamos escutando eles baterem, resolverão ligar para que nós fôssemos abrir o portão. Como quem atendeu ao telefone foi o Marcão, coube a ele a missão ingrata de levantar da cama quente e fazer entrar os parentes. Estes parentes são gente boa, primos, tios, todos da mesma igreja do Marcão. Eles passam os finas de semana viajando com uma Vam cheia de evangélicos, pregando e tinham vindo à São Paulo justamente para isto. O que o Marcão conversou la fora com eles, eu não sei dizer, só sei que o Marcão foi até a sala aonde estávamos dormindo e disse que não iria mais viajar, pois teria que participar de uma vigíliacom os nossos parentes evangélicos e que se ele não fosse à vigília e fosse viajar, para ele seria a morte. Como eu estava meio sonolento não liguei muito para o assunto, já havia me acostumado durante vários anos de caminhadas a levar bolos de última hora. Com toda esta confusão acabamos perdendo a hora e acordamos depois das 06 da manhã. Tudo bem, mais um infeliz azar. Agora éramos só nós dois, eu e meu companheiro de viagem, o meu primo Lindolfo . Mochila nas costas ,partimos para o ponto de ônibus, meu primo à frente e eu logo atrás. Mas antes que eu cruzasse o portão, fui surpreendido por uma janela que se abriu subitamente na minha cara. Era outra prima minha que morava na casa da frente. Cumprimentei-a, pois não a vi quando cheguei à noite. O cumprimento foi retribuído. Foi quando ela sem me deixar falar mais nada, me deu o seguinte aviso:-“Divanei, é melhor vocês não irem viajar, pois nosso primo de Rio Preto recebeu uma mensagem espiritual . A mensagem dizia que se vocês fizerem esta trilha, pelo menos um voltará em um caixão". Há, vai se foder, diante de tanta coincidência não havia ceticismo que não se abalasse. Mesmo assim fingindo estar todo seguro de mim, balancei os ombros e sai. Decidi que não contaria nada para o meu primo, se contasse sei que ele não sairia de casa. Confesso que fiquei muito preocupado, já pensou se acontecesse alguma coisa com o meu primo, iriam me culpar para o resto da vida, mas eu tinha que pagar para ver. Pegamos as peruas, metrôs e ônibus, atravessamos da zona leste até o fim da zona sul em mais de três horas de viajem. Chegamos ao vilarejo da Represa, possivelmente pertence ao distrito de Parelheiros, que aliás, é conhecidíssimo por ser uma região muito violenta . Descemos do ônibus que estava muito lotado e fomos tomar um café antes de começarmos a caminhar. Tínhamos que andar uns 15 km pela linha de trem que desce para o litoral e enquanto caminhávamos, eu ia pensando em tudo que tinha acontecido até o momento, nos dois acidentes de moto, na convocação para trabalhar no sábado, na chegada dos parentes 30 minutos antes da viagem, na desistência de última hora do Marcão, sem falar naquela previsão mórbida que teimava em não abandonar os meus pensamentos. Comecei então a me sentir responsável pela vida do meu companheiro de trilha. Começamos a cruzar com alguns elementos estranhos e eu imaginava que poderíamos ser assaltados a qualquer momento, pelo menos enquanto não nos afastássemos da civilização. Mais ou menos uma hora depois de começarmos a caminhar, passou por nós uma caminhonete, já que paralelo a este pedaço da linha do trem havia uma rústica estrada. A caminhonete passou uns 100 metros e voltou. Foi quando um dos ocupantes disse : “Aí, vocês tem dinheiro aí mano”. Na hora gelei, mas felizmente, era só uma brincadeira. Eles só queriam uma informação, que foi dada por nós sem nenhum problema. Abandonamos de vez a civilização e chegamos ao nosso primeiro objetivo , a Estação Evangelista de Souza. Melhor dizendo, antiga estação, pois está abandonada desde que os trens pararam de carregar passageiros e passaram a transportar apenas cargas. Nós só não contávamos com um pequeno problema: Haviam instalado ali um pequeno posto da polícia metropolitana e assim fomos informados que não poderíamos passar sem autorização da prefeitura. Caramba!! Nada estava dando certo, agora mais esta ,parecia haver uma conspiração para nos impedir de realizar a trilha. Depois de muita conversa o guarda nos disse que faria vistas grossas e nos deixaria passar, não antes sem dar um aviso: “Vocês vão com cuidado, pois é muito grande o número de pessoas que morrem atropeladas nesta ferrovia”. Mais morte atravessando o nosso caminho, parecia que morrer seria apenas questão de tempo. (Estação Evangelista de Souza-2003) Mesmo assim seguimos nosso caminho, olhando as belas e surpreendentes paisagens ao nosso redor. Florestas e montanhas a perder de vista, rios de águas cristalinas, pássaros, muito ar puro e também, é claro, o patrimônio histórico da ferrovia, com suas estações, túneis e pontes. Por falar em túneis e pontes, estes dois me fizeram tomar cuidados especiais. A todo o momento eu pedia para o meu primo não andar na beira das pontes, que estavam muito deterioradas e escondiam debaixo de si, dezenas de metros de altura. E os túneis sempre escuros e em curvas, podiam nos fazer bater de frente com um trem. (2003) Estávamos na metade da caminhada que teríamos que fazer na linha férrea, quando passou por nós um trem com umas vinte pessoas em cima. Eram alguns mochileiros que estavam descendo para o litoral de carona, clandestina é claro. Meu primo sugeriu pegar uma carona até o nosso destino, já que a velocidade ali na serra era muito baixa. Pensei bem: Andar de pingente de trem depois de tudo o que estava acontecendo, não seria uma boa. Meu primo não entendia o que estava acontecendo comigo, onde estava o meu espírito de aventura. O coitado ainda não sabia o que realmente estava acontecendo. (2003) Cruzamos com um índio, que morava numa tribo próxima dali e pedimos informação sobre a tal trilha que iria até o mar. Ele nos disse que nós poderíamos pegar um atalho, e assim não precisaríamos andar muito sobre o trilho, entrando logo na mata. Agradecemos a dica e seguimos. Alguns minutos depois encontramos um rapaz que já tinha feito a trilha e nos confirmou a dica do índio. Mas disse que seria quase impossível terminarmos a trilha, pois não tínhamos cordas para atravessar alguns abismos no final da trilha( eu nuncsa soube que abismos eram esses). Fiquei preocupado, mas decidi seguir caminhando assim mesmo, deveria haver algum desvio que pudéssemos pegar para terminar a trilha. Ele ainda avisou para tomar cuidado no início da trilha com uma grande cachoeira, que deveria ser transposta sem trilha. Enfim abandonamos a ferrovia e caímos na mata. No início a trilha um pouco íngreme e escorregadia logo nos levou a uma pequena cachoeira, com um poço de águas verdes e profundas. Imediatamente tirei a minha roupa, me apoiei sobre uma grande rocha e .........voltei a vestir a roupa de novo , pois a água estava muito fria e eu não queria virar picolé. Minha atitude foi seguida pelo meu primo. Comemos alguma coisa e retomamos a viagem. Nosso próximo objetivo era chegar até o Rio Branquinho e percorrê-lo até o seu encontro com o Rio Capivarí. Andamos uns dez minutos pelo rio até que encontramos a tal cachoeira. Na verdade uma gigantesca queda d' água descendo por fendas na rocha. Começamos a descer os abismos pela mata, na esperança de encontrar a tal trilha no pé da cachoeira. Levamos quase uma hora para vencer o desnível de mais de cem metros. A dificuldade do terreno voltou a me preocupar. Cada vez que meu primo por algum motivo escorregava a beira do precipício, aquele pensamento macabro voltava à minha cabeça. Minha preocupação começou a se transformar em pânico quando percebi que no pé da tal cachoeira não havia sinal algum de trilha. Procurei dos dois lados do rio, mas nada encontrei. E para piorar a situação, surgiu no pé da cachoeira outro abismo igual ou maior que aquele que acabávamos de atravessar. Foi aí que tomei conta da gravidade e da enrascada em que tínhamos nos metido. Não contei nada para o meu primo, não queria deixá-lo em desespero. Era como se naquela hora o passeio tivesse acabado para mim, e agora o meu principal objetivo era me manter vivo, e principalmente manter vivo o meu primo. Claro que se fosse em outra circunstância eu estaria vibrando com a possibilidade de uma aventura a mais na viagem, mas como não pensar na tal profecia depois de tudo que vinha acontecendo de errado, era como se a tragédia anunciada fosse acontecer a qualquer momento. Tinha chegado a hora de eu por em prática toda a minha experiência adquirida em vários anos de caminhadas por todo tipo de terreno. Tinha que redobrar atenção, usar meu faro de trilheiro, mas será que tudo isso resolveria, já que a minha maior luta seria contra supostas forças do alem? Literalmente não dava para voltar atrás, nem na trilha e nem no destino. Aliás, o nosso destino teria que ser sempre em frente, ou melhor, sempre para baixo. Abismos, despenhadeiros, gargantas profundas, cipós que agarravam na mochila, espinhos que castigavam as mãos, as dificuldades iam se seguindo. Quando a tensão diminuía um pouco, podíamos prestar atenção nos maravilhosos poços que se formavam no pé das cachoeiras. Houve um momento em que eu e meu primo estávamos tentando vencer mais uma queda, quando nos vimos presos à um paredão. Pendurados, não conseguíamos ir para lugar algum. Abaixo de nossos pés uns quinze ou vinte metros de altura e, para piorar, um poço profundo, não que para mim isso fosse algum problema pois sei nadar razoavelmente bem, mas meu primo só sabe nadar o famoso estilo machado sem cabo. E para piorar ainda, ele acabará de perder seu colete salva vidas. Seria apenas mais uma coincidência, o certo é que conseguimos nos livrar de mais aquele sufoco. Já era quase seis horas da tarde, o sol já começava a desaparecer no horizonte, ainda estávamos presos ali naquela garganta, sem nenhum lugar para dormir. Se ficássemos sentados ali no leito do rio esperando a noite passar, corríamos o risco de sermos arrastados por alguma cabeça d' água, que poderia possivelmente inundar todo o rio. Foi quando quase praticamente já sem luz, depois de descer mais um paredão, para minha surpresa dei de cara com um antigo acampamento de palmiteiros ou caçadores. Tratava-se de uma pequena barraca quase todo destruída pelo tempo, parecia ter sido abandonada há anos , mas para mim parecia o mais lindo e confortável hotel. Comemoramos muito aquele achado. Depois de um dia de decepção, poderíamos descansar confortavelmente. Se realmente íamos morrer no dia seguinte, pelo menos morreríamos de barriga cheia e com o sono em dia. (Encontro Branquinho com o Capivarí-2003) Acordamos poucos minutos depois das cinco da manhã, nenhuma cobra, onça ou qualquer outro animal selvagem tinha aparecido, tínhamos um longo dia pela frente. Teríamos que caminhar bravamente para tentar alcançar o litoral até o anoitecer. Fiquei pensando como ficariam preocupados as nossas famílias se não chegássemos em casa na hora marcada. Ainda mais sabendo da previsão macabra. Parecia que nossa sorte tinha começado a mudar. Depois de uma vasculhada pela área, encontrei uma trilha. Só podia ser a tal trilha, era batida, um pouco confusa, mas larga. Corria paralela ao Rio Branquinho, e olhando o mapa que tínhamos em mãos, não tínhamos mais dúvida, era a trilha que procurávamos. Estávamos no plano, o rio era cristalino, gelado e maravilhoso. O prazer voltara a fazer parte da nossa caminhada. Pássaros, árvores enormes, todos os cheiros e cores que só a mata Atlântica pode proporcionar. Depois de três horas de caminhada finalmente encontramos o famoso Rio Capivarí. Paramos, fizemos um lanche, estávamos estasiados com tanta beleza. A preservação do local é incrível. São florestas e montanhas a perder de vista. Pequenos rios que deságuam no Rio Branco, que passa a ganhar esse nome depois do encontro com o Capivarí, são dezenas. Por enquanto toda tensão havia passado, caminhávamos eufóricos, a trilha era fácil , plana e larga. Batíamos papo e observávamos tudo ao nosso redor. Resolvi então apertar o passo, deixando meu primo um pouquinho para trás. Foi quando de repente ouvi um grande barulho de alguém caindo no chão. Olhei para trás e o que eu vi me deixou paralisado, mal consegui mover as pernas, senti arrepios em todo o corpo. Vi meu primo caído no chão com as mãos na garganta sem poder respirar. Ele levantava e caia de novo. Apontava a mão para a cabeça e para a coluna, balançava os braços pedindo socorro. Sim, meu amigo estava morrendo na minha frente e, aparentemente sem que eu pudesse fazer nada. Mesmo conhecendo técnicas básicas de primeiros socorros, na minha cabeça só um pensamento: A maldita profecia havia se cumprido. Eu estava pasmo, perplexo. Havíamos passado por tantos perigos, e a morte nos apanhara em um lugar onde nem uma criança seria capaz de se acidentar. Meu primo Lindolfo é grandão, um pouco acima do peso. Quem o vê pela primeira vez, com seu chapéu com uma pena de urubu, pensa estar frente a frente com um Rambo das florestas Brasileiras, mas não é bem assim, como ele mesmo diz, ele é meio estabanado, costuma cair com certa freqüência ,mas é impressionante o progresso que teve em pouco tempo em matéria de caminhadas. Hoje ele já consegue terminar trilhas que antes ele nem sonhava em realizar. Falastrão, é uma excelente companhia para caminhar, me agrada e da prazer caminhar a seu lado. De repente vi o meu pesadelo ruir em alguns segundos, meu primo voltara pouco a pouco a respirar. Foi se acalmando, sua cor voltara ao normal. Ele sobrevivera a mais esta. Até hoje não sei o que aconteceu. Possivelmente ao cair no chão depois de tropeçar em um cipó, bateu com o peito e a garganta em um toco, fechando-lhe as vias respiratórias, que aos poucos foi voltando ao normal. Depois de um breve descanso, seguimos firmes e a passos largos, vário riachos foram cruzados e começaram a surgir de repente alguns pés de bananas, um claro sinal de civilização. Mas como? Civilização no meio da floresta? . Mais meia hora de caminhada e nossa pergunta foram logo respondidas. Uma tribo indígena! Sim indígena, uma tribo Guarani, uma visão de encher a alma. Depois de tanto tempo quase nos arrastando pela mata, fomos dar de cara logo com um povo que sonhara em conhecer. Mesmo estando a menos de 100 km da maior cidade do país, esta tribo conhecida como tribo do Rio Branco, mal fala português, as crianças só tupi-guarani. Nosso primeiro contato foi com as crianças, claro que não entendemos uma palavra do que elas falaram. Logo avistei uma índia semi-nua, que tratou logo de vestir uma camiseta. Pedimos para nos aproximar e fomos autorizados. Cumprimentamos o índio e a índia, que nos responderão com um português de difícil compreensão. Perguntamos o tempo que gastaríamos para chegar ao litoral e ele disse que em quatro ou cinco horas de trilha chegaríamos a um local onde seria possível pegar um ônibus. Ficamos felizes, conseguiríamos com certeza terminar a nossa viagem na data prevista. A pedido do índio distribuímos alguns doces para as crianças, nos despedimos e seguimos em frente . ( 2003) A trilha continuava plana e de fácil navegação. O Rio Branco continuava a nos acompanhar e fazia jus a seu nome, limpo , translúcido e calmo. Encontramos pela frente um índio que vivia isolado da tribo. Parecia ter uns 50 anos de idade( seria o seu Vera Tupâ, que eu só conheceria 12 anos mais tarde ?). Segundo ele, estava morando ali a uns vinte anos. Disse ter vindo de uma tribo guarani do Estado de Santa Catarina. Foi por ele também que descobrimos e ficamos sabendo que aquela tribo, conhecida como Rio Branco, está ali a menos de trinta anos. Provavelmente habitavam o litoral e com a explosão urbana, foram obrigados a se mudar para as montanhas. Atravessamos o Rio Branco e continuamos a caminhada, agora pela sua margem esquerda. Depois de algum tempo de caminhada, agora por uma estradinha de terra, paralela ao rio, chegamos ao que parecia ser a área principal da tribo. La havia uma pequena escola e um posto de saúde e a iluminação elétrica também havia chegado, o que não diminuía em nada a fantástica sensação de estarmos diante de um povo de hábitos tão primitivos, surpresas que só um país como o Brasil pode nos proporcionar, um Brasil pouco conhecido pela maioria dos brasileiros. Tiramos algumas fotos e continuamos pela estradinha. Eu estava eufórico, fui acometido der repente por uma felicidade que não sentira há muito tempo. Sentia-me leve, parecia estar flutuando, era como se eu tivesse atingido o nirvana. Começara a perceber que toda aquela profecia não passava de pura cretinice. Ao invés de morrermos, havíamos ganhado mais vida. Tínhamos passado algumas dificuldades,admito, mas estávamos ali de pé, firmes para contar a história. Sobrevivemos a tal maldição, íamos ver o sol nascer mais veze, desta vez fortalecidos e confiantes em nós mesmos. Contei toda a história paro o meu primo enquanto caminhávamos pela estradinha de terra e depois fizemos muitas piadas com o que tinha acontecido, rimos muito. Foi ai que ele começou a entender porque eu havia durante toda a caminhada, o tratado como se ele fosse uma criança. Conseguimos uma carona com um baiano que morou na Chapada Diamantina e hoje vivia em São Bernardo. Descemos em um bairro do litoral, aonde pegamos um ônibus que nos deixou na rodoviária de Itanhaém. Pedi que meu primo ligasse para casa dele, pois provavelmente sua esposa poderia estar preocupada por causa da tal profecia. Ficamos sabendo que a profecia teria sido recebida, na verdade, por uma tia nossa, e que a profecia dizia que se fôssemos, seríamos picados por uma serpente negra e que a visão se limitava apenas ao Marcão e sua esposa e no caso, serpente negra na crença deles não tinha nada a ver com cobra e significaria somente a morte. Juro que a minha vontade era de mandar enfiar profecia e serpente negra na bunda, mas por respeito deixei pra la. Pegamos uma Vam até o terminal do metrô Jabaquara. Despedimo-nos na Estação da Sé com uma sensação de vitória, de alma lavada, com alegria e satisfação, que só pode ser sentida apenas por quem se dispuser a abandonar a civilização e se lançar rumo ao desconhecido. Como se chama esse gato, é seu animal de estimação? -"Chama gato mesmo, nois cria pra comer no Natal" ( Vera Tupâ, lider da tribo) Divanei Goes de Paula / agosto de 2003 NOTA IMPORTANTE: Pois é caros amigos, se você teve paciencia para ler esse tosco relato até o fim e não está entendendo nada, preciso lhe dizer que estamos falando de um tempo sem internet, sem celular, sem redes sociais , sem mapas de satélites, sem GPS, sem comunicação quase nenhuma, tanto que nem sabíamos da existencia da tal tribo do Rio Branco. Hoje a tal travessia do Rio Branquinho é uma travessia clássica, quase uma carne de vaca, mas ainda continua linda como sempre foi. Para ilustrar melhor esse relato, eu intercalei fotos originais da época com fotos recentes e essa narrativa por incrível que pareça, acaba por se tornar um documento histórico de um passado não muito distante. Divanei Goes de Paula- março/2018
×
×
  • Criar Novo...