Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''hamburgo''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 2 registros

  1. 📷 Texto original com fotos aqui Hamburgo é uma cidade moderna, mas tem aquele charme europeu e uma identidade forte que vem das águas! É banhada pelos rios Alster e Elba, sendo esse último a porta de entrada para o imenso Porto de Hamburgo. Ao longo de sua história, a cidade passou por períodos críticos de destruição e mortes, sendo os mais relevantes o grande incêndio de 1842 e os bombardeios no período da Segunda Guerra Mundial. Embora seja a segunda maior cidade da Alemanha, atrás apenas da capitalBerlim, é possível conhecer relativamente bem Hamburgo em 2 ou 3 dias. A cidade é bem plana e simples de ser explorada a pé, mas se for preciso o metrô também funciona muito bem. Para chegar do aeroporto ao centro, o jeito mais simples é pegar o trem (S1 – Direção Hamburg-Blankenese) até a Estação Central (Hauptbahnhof). O valor do bilhete é 3,30 € e a viagem dura cerca de 25 minutos. Veja aqui mais informações sobre o transporte publico de Hamburgo. Acabamos ficando hospedados em dois hotéis diferentes. A primeira noite em uma das unidades do Novum, próximo à Estação Central e o resto dos dias no City Hotel Hamburg Mitte. O primeiro é mais barato, tem boa localização e um café da manhã eficiente, mas recomendo mais o segundo! Apesar de ter o café da manhã pago a parte (que achei caro e não experimentei), os quartos são bem modernos e dos andares altos tem-se uma super vista da cidade! O entorno do Lago Alster é uma das regiões mais fotogênicas da cidade, e um bom ponto de partida para explorá-la. O cenário com as altas torres das igrejas atrás do conjunto de prédios que circundam o lago dão a impressão de estarmos em uma ilustração de lata de biscoitos. No inverno, adicione o fato de o lago estar quase congelado e o resultado é uma vontade de ficar ali olhando aquela paisagem até que o frio não permita mais sentir as mãos, hora de encontrar um lugar quentinho! Caminhando por essa região super sofisticada, cheia de lojas de grife e hotéis caríssimos, me deparei com o simpático Big Fat Unicorn, que já me ganhou pelo nome! O café, todo fofo, serve sanduíches coloridos e outras delícias para encher a barriga e o feed do Instagram. A poucos minutos de lá fica a Rathaus – o prédio da prefeitura, um dos cartões postais de Hamburgo. O edifício é lindo, uma imponente construção de arquitetura neoclássica que domina a Rathausmarkt, praça onde está localizado. É possível acessar gratuitamente o hall de entrada. Nas ruas ao entorno, especialmente na Mönckebergstrasse, há muitas lojas, cafés e restaurantes. Embora existam diversas igrejas em Hamburgo, foram duas as que me chamaram mais atenção. A primeira é a St. Nikolai, que na verdade hoje funciona como um memorial, tendo preservada apenas sua torre e algumas ruínas. A igreja foi bombardeada pelos ingleses durante a Segunda Guerra Mundial em um ataque conhecido como “Operação Gomorra”. Na área externa há algumas obras de arte como a escultura “The Ordeal“, onde um homem está sentado tristemente sobre os tijolos originais do campo de prisioneiros deSandbostel. A torre, que já foi a mais alta do mundo, hoje ocupa o quinto lugar entre as maiores torres de igreja. A subida ao topo é feita através de um elevador e a vista lá de cima deve ser fantástica! A outra igreja que achei diferente do comum é a St. Michaelis. Seu interior, de tonalidades claras e detalhes dourados, parece muito um ambiente de teatro, com um auditório no mezanino e grandes janelas envidraçadas onde imaginei camarotes reais. A entrada na igreja é grátis, mas também há ingressos para quem quiser subir na torre. À noite tive que ir conhecer a tão falada Rua Reeperbahn, famosa por ser um pouco como o Red Light District de Amsterdam. É aquele lado meio caótico da cidade, onde os letreiros em neon atraem já embriagado turistas e hamburgueses. Tanto a via principal quanto as adjacentes tem opções de “entretenimento adulto” para todos os tipos de público. A região, chamada St. Pauli, ganhou essa fama por ser próxima ao Porto de Hamburgo, se tornando então o local de diversão dos profissionais do mar.Mas St. Pauli também não é só sacanagem. Há quase 60 anos, quando os Beatlesainda estavam no começo da carreira, eles fizeram ali algumas das suas primeiras apresentações fora da Inglaterra. Por sua história com a cidade, ganharam há alguns anos uma homenagem: a Beatlesplatz! A praça fica no final da Reeperbahn e tem esculturas dos integrantes da banda Mas o que eu gostei mesmo naquela região foi a Cervejaria Astra, pertinho da Beatlesplatz. O espaço é enorme, com uma decoração meio industrial e uma mesa de pebolim (pra jogar de graça)! Essa cerveja é bem comum em Hamburgo, mas lá é possível experimentar os diferentes tipos, como a IPA e a Stout. Vale a pena pegar o kit degustação. A comida também é deliciosa e bem variada, das tradicionais salsichas à pratos vegetarianos. A bagunça de St. Pauli é legal, mas como estava em uma vibe mais intimista, fomos até o Cotton Club, um bar de jazz pequenininho e aconhegante. Não é a opção mais barata, mas o lugar é único e a banda era incrível, liderada pelo sueco Bent Persson. Valeu cada centavo! Uma das regiões mais peculiares de Hamburgo é a Speicherstadt, um bairro inteiro ocupado por antigos armazéns. Pode não soar muito interessante, mas os prédios, todos em tijolinhos avermelhados, ficam lindos espalhados pelos vários canais que cortam esse pedaço da cidade. Hoje alguns desses edifícios são ocupados empresas e museus, como o Miniatur Wunderland e o Museu Marítimo. Quando avistar uma grande e ousada silhueta à beira-rio, chegou a Elbphilharmonie! O monumental prédio mistura o estilo industrial dos antigos armazéns com formas e materiais modernos. Em seu interior funcionam duas salas de concerto, alguns bares e restaurantes e até um hotel! Há um espaço aberto ao público que oferece uma ampla vista da cidade. A entrada é gratuita se retirar o ingresso na hora (disponibilidade mediante lotação), mas também é possível reservar pelo site. Nesse caso há um custo de 2€ por pessoa. Apesar do clima frio e molhado, a caminhada pela borda do Elba até o Fish Market é agradável. Um pequeno desvio para as ruas do bairro Portugeisenviertel nos faz pensar que estamos em Portugal! Se quer trocar a salsicha por um bacalhau, siga para ruas como a Rambachstraße e a Ditmar-Koel-Straße, onde há diversos restaurantes de comida portuguesa. Há também alguns italianos, espanhóis e até brasileiros, mas o foco mesmo é a culinária lusitana. O antigo mercado de peixes atualmente funciona só aos domingos e até as 09:30. Eu como estou longe de ser uma pessoa matutina, só conheci mesmo por fora. Mas dizem ser tradição passar por ali saindo dos bares e baladas da Reeperbahn para comer sanduíche de arenque ou outros peixes. Falando em comida, duas coisas bastante típicas por lá são o Currywurst, uma salsicha com molho de tomate e curry e o Franzbrötchen, um pãozinho doce com gostinho de canela que é simplesmente delicioso (aliás, pão é uma coisa que os alemães sabem fazer muito bem)! Além disso, não dá pra ir à Alemanhae não comer um Apfelstrudel, né? Se tiver mais de dois dias, vale a pena fazer um bate-volta em Lübeck. Essa pequena cidadezinha medieval fica há aproximadamente 50 minutos de trem de Hamburgo e é encantadora! 📷 Texto original com fotos aqui
  2. Olá! Farei viagem com minha esposa chegando no dia 15/10/19 em Frankfurt e partindo de Berlim no dia 27/10/19. Pensei no seguinte roteiro: Frankfurt- Colônia- Dusseldorf- Hamburgo e Berlim. Minhas dúvidas : 1. Incluiria mais alguma cidade ? 2. Quantos dias ficar em cada cidade? Pensei na seguinte programação : Dias 15 (chegada) e 16- Frankfurt Dias 17 e 18 - Colônia Dia 19- Dusseldorf Dias 20 e 21 -Hamburgo Dias 22, 23, 24, 25, 26: Berlim. Dia 27: vôo de volta 3. Faço tudo alugando carro ou tem algum trecho que seria melhor ir de trem ? É facil encontrar estacionamento nessas cidades? Obrigado pela atenção !
×
×
  • Criar Novo...