Ir para conteúdo
Entre para seguir isso  
Rosa Maria Pelaggi

Roteiro - Buenos Aires em 8 dias

Posts Recomendados

Pessoal, montei um roteiro de Buenos Aires com informações que cataloguei durante as duas vezes que estive lá e com pesquisas que fiz na internet e em um ótimo livro publicado por Hugo Ibarzábal. Espero que gostem!

 

1º dia - Avenida de maio

 

Antes de iniciar o primeiro dia de passeio, recomendo que você tome um bom café da manhã.

Se você não tomar seu “desayuno”, forma como os porteños chamam o café da manhã, no hotel, sugiro tomar em um dos inúmeros cafés espalhados pela cidade, já que a maioria é de boa qualidade.

O café portenho é constituído de meias lunas, que são croissants de manteiga ou de gordura (grasa), (os de manteiga são mais fofinhos e doces e os de gordura são mais duros e menos doces), café com leite e suco de laranja.

Começamos o passeio na Plaza de Mayo, cenário das mais importantes manifestações políticas da Argentina. A Pirâmide situada no meio da Plaza doi erigida em 1811 para comemorar o primeiro ano da revolução contra o poder espanhol.

 

No centro da praça centenas de mães de pessoas desaparecidas durante o regime militar iniciado em 1976 se manifestam na esperança de saber o que ocorreu com seus entes.

 

À frente da praça está a casa rosada, sede do governo nacional.

 

20110603151457.jpg

 

Durante o período em que estivemos em Buenos Aires, algumas pessoas nos disseram que a casa Rosada tem sua cor atribuída ao fato de na época de sua construção as tintas mais baratas serem feitas a base de sangue de vaca, porém, muitos artigos informam que pintá-la desta cor foi idéia do Presidente Sarmiento, que tentou simbolizar a união de dois partidos políticos nacionais: os federiais (colorados) e unitários (brancos).

Diante da casa está o monumento ao general Manuel Belgrano, uma obra feita em bronze com pedestal de granito. Belgrano foi criador da bandeira nacional e líder nas guerras de independência do país. A estátua, de 1873, é de autoria do francês Albert Carrie Belleuse e do argentino Manuel de Santa Coloma.

O edifício branco que fica do outro lado da casa rosada é o Cabildo.

 

20110603151302.jpg

 

Ele foi sede do primeiro governo e foi parcialmente demolido para a abertura das avenidas de Mayo e Diagonal Sur. Uma argentina me explicou que a Avenida de Mayo foi construída de forma a ligar a casa rosada, ao palácio legislativo e o congresso (vizualize no mapa como a casa rosada desemboca no Congresso), simbolizando a união dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

 

Olhando o Cabildo de frente, verifica-se que à direita dele está a Prefeitura de Buenos Aires e mais à direita, a Catedral Metropolitana, em estilo grego.

 

Catedral

 

20110603151950.jpg

 

A Catedral foi construída em 1752 e foi aberta ao público somente em 1822. Dentro da Catedral está a tumba de José de San Martín. José Francisco de San Martín y Matorras foi um militar e político argentino (25/2/1778-17/8/1850). Com 6 anos foi para a Espanha, foi educado em um seminário em Madri e serviu no exército espanhol por 22 anos. Chegou a lutar contra as forças de Napoleão. Em 1812 voltou para a capital da Argentina, Buenos Aires, ao saber da existência de movimentos pró-independência isolados e colocou-se a serviço dos revolucionários.

Organizou e chefiou a luta contra as tropas espanholas, da qual sai vitorioso em 1816. Dedicou-se, então, a libertar as nações vizinhas. Com um pequeno exército, cruzou os Andes para ajudar na campanha pela independência do Chile, colaborando com o líder Bernardo O´Higgins. Em 1820 chegou pelo mar ao Peru, acompanhado por tropas cedidas por O'Higgins.

Tomou Lima e declarou a independência do país em 28 de julho de 1821. Contudo, os espanhóis ainda resistiram no interior e o processo só se consolidou quando Simón Bolivar veio em sua ajuda. Depois da vitória, os dois se desentenderam em relação à forma de governo que deveria ser instalada. Em 1822, San Martín abandonou a política e se exilou na Bélgica e depois na França, onde morreu.

Os outros edifícios que se localizam na praça são mais modernos e pertencem a bancos, ministérios e empresas privadas.

Caminhando pela Avenida de Mayo, verifica-se que são poucas as edificações mais modernas. São muitas construções antigas de estilo francês e italiano, com mais ou menos a mesma altura e coroadas com magníficas cúpulas.

No número 829 está o Café Tortoni, o mais antigo e mais lindo de Buenos Aires. Foi fundado em 1858 e possui lindas colunas, mesas de mármore, elegantes cadeiras e poltronas. Sua atmosfera é nostálgica. Não deixe de visitá-lo, nem que seja para tomar um cafezinho enquanto admira o local!

 

 

Se estiver com pique, você poderá combinar este roteiro com mais algum outro abaixo!

 

2º dia – Avenida Corrientes e Recoleta

 

Este é o dia mais cansativo e se você quiser, poderá ser dividido em dois.

::mmm:

 

Até 1930 a Avenida Corrientes foi reduto indiscutível do Tango. Neste ano ela foi alargada, perdendo edifícios do lado par e ganhando a fisionomia atual. Ainda mantém a fama da Rua que não dorme, como era conhecida pelos antigos portenhos.

Esta Avenida começa quase no porto, na Avenida Eduardo Madero. Ali fica o Luna Park, uma casa de shows muito grande, como um ginásio. Quando estivemos em Buenos Aires aí estava ocorrendo o “Holiday on Ice”.

Caminhando em direção ao obelisco, você verá a sua direita o Palácio do Correio Central. Aí também está um Terminal de ônibus, os quais vão para todas as partes da cidade. Atravessando a Calle Bouchard você perceberá o edifício do Ministério do Exército e em frente dele o monumento a Cristóvão Colombo.

Ao atravessar a Avenida Leandro N. Alem, você nota que à frente há uma leve subida. Ocorre que nos tempos coloniais o Rio da Prata chegava até aqui!

Ao atravessar a Rua Reconquista, note a Pirâmide de Mayo ao fundo. Seguem-se a Calle San Martins e a Florida.

Na esquina com a calle Maipú há um prédio da Telefonica, que oferece serviços de telefonia. Do outro lado da rua está a Igreja Metodista erguida em 1874, imponente edifício gótico com torre lateral.

Após atravessar a Calle Esmeralda, você avistará a pizzaria mais antiga da Corrientes, a Las Cuartetas, muito boa e linda.

Um pouco mais adiante está o Cine Teatro Ópera e em frente o Gran Rex, aonde se apresentam grandes espetáculos, inclusive os da Broadway.

Ao lado do cine teatro está outra ótima pizzaria e confeitaria bastante tradicional, a Genova.

Continuando pela Corrientes, chegamos à Calle Carlos Pellegrini, marginal da Avenida 9 de Julio e à Plaza de la República, onde se localiza o famoso Obelisco de Buenos Aires, erguido em 1936 para comemorar os 400 anos de fundação da cidade. É o mais conhecido cartão postal da cidade.

Atravessando a 9 de julio, você avistará um restaurante antigo e bom, o Arturito. Em seguida, o El Vesuvio, confeitaria que serve muitos quitudes deliciosos, como churros.

Na esquina com a Calle Liberdad o ideal é dobrar à direita. No número 431 há o excelente restaurante e cervejaria Edelweiss, muito lindo e tradicional.

Seguindo pela Calle Liberdad você chegará à Plaza Lavalle, aonde está situado o Palácio da Justiça e o Teatro Colón, principal palco lírico da América Latina.

O Teatro Colón (em português Teatro Colombo) é a mais importante sala de espetáculos de Buenos Aires, Argentina. Inaugurado em 25 de maio de 1908, é um dos teatros de ópera mais famosos do mundo, desenhado por Francesco Tamburini e Víctor Meano.

Com capacidade para 3000 pessoas e em um entorno de estilo eclético, mescla do neo-renascentismo italiano e do barroco francês, o desenho do teatro apresenta uma rica decoração em dourado e escarlate. A cúpula mostra figuras pintadas pelo reconhecido artista contemporâneo Raúl Soldi.

Ao longo de sua história o Teatro Colón tem abrigado grandes personagens como Arturo Toscanini, Jane Bathori, Enrico Caruso, Maria Callas, Plácido Domingo, Luciano Pavarotti e Astor Piazzolla.

Também é um habitual cenário de espectáculos de balé e, ocasionalmente, de atos oficiais e privados e de música popular. Desde novembro de 1989 o teatro é um dos monumentos históricos nacionais.

Dada a precária situação econômica argentina, nos últimos anos o Teatro tem vivido momentos de dificuldade, sendo atacado por alguns setores que tem posto em questão o financiamento estatal de seu elevado custo. A partir de 2006, está passando por uma remodelação integral da sala, pelo qual sua atividade será limitada.

http://www.teatrocolon.org.ar

 

20110603153001.JPG

 

Voltando à Corrientes e seguindo nosso passeio, você notará uma modificação nesta Avenida, que passa a ter diversos teatros, cinemais, livrarias etc.

Ao lado do Multiteatro está uma das filiais da rede Il Gato, restaurante italiano. Experimentamos e adoramos! Eles possuem algumas promoções durante a semana, na qual a pessoa pode escolher uma entrada, um prato principal e sobremesa, por 40 pesos. Vale a pena!

Um pouco mais a frente está a loja da Arcor (Corrientes, 1335), onde você pode comprar qualquer tipo de produto desta marca.

 

20110603145008.JPG

 

Tome cuidado com os preços, pois comprei muitos itens e depois descobri que estavam muito mais caros que os cobrados normalmente. Inclusive no supermercado estavam mais baratos! ::dãã2::ãã2::'>

 

20110603145158.JPG

 

Na esquina com a Talcahuano está a pizzaria Banchero, muito conhecida por sua fugazza. Mais a frente está a pizzaria Güerrin, onde se comem pizzas no balcão.

Em frente ao Güerrin está a pizzaria Los Imortales, muito tradicional.

Após a Calle Uruguay está um café bonito e tradicional, o Giralda. Quase do lado está a Lyon D’or que vende confeitos e bombons da melhor qualidade e em embalagens espetaculares.

Na altura do 1500 está o Centro Cultural San Martín, complexo que reune teatros, museus, cinemas e salas de exposição, em um amplo espaço. Os preços são bem acessíveis e há atividades grátis. Vale a pena checar!

Na esquina com a Calle Montevideo está a Confeitaria La Paz, reduto dos intelectuais portenhos.

No número 1612 da Corrientes está o Empório de Las Papas Fritas, muito procurado pelos brasileiros por sua ótima comida. O Valor cobrado é de 85 pesos por pessoa para entrada, prato principal e sobremesa.

Ainda, no número 1669 está a casa chamada Gato Negro. É uma casa de chás que foi declarada sítio de interesse cultural de Buenos Aires. Há todos os tipos de especiarias naturais para a preparação dos chás. Vale a pena conferir.

Na esquina com a Callao há a Confeitaria La Opera na esquina.

Continuamos pela Callao. Depois da Corrientes vem a Calle Lavalle. A quadra da esquerda é ocupada pelo Colégio Del Salvador, um dos mais tradicionais da cidade. Na esquida de Tucumán está a igreja del Salvador, sóbria e com uma alta cúpula. Duas quadras adiante e estará na Avenida Córdoba, muito larga e importante.

Aqui vale a pena entrar por uma quadra na Córdoba à esquerda, até o número 1900, onde se encontra o meu edifício preferido em toda a cidade: o de obras sanitárias da nação!!!

 

20110603153217.JPG

 

Construído em 1877 é super ornamentado, extravagante e imponente. Foi construído para sediar o Congresso Nacional e por isso possui escudos de todas as províncias na fachada porém decidiu-se lhe dar outro destino.

 

20110603153417.JPG

Detalhes da abóboda

 

No número 892 da Callao funcionou uma das mais importantes livrarias de Buenos Aires, a Classica e Moderna. Hoje funciona ali um conjunto bar/ livraria muito bonito.

Em frente está a plaza Rodriguez Peña e Plácio Pizzurno, sede do Conselho Nacional de Educação.

Seguindo pela Callao você encontrará a Avenida Santa Fé, muito movimentada e cheia de lojas de roupas, supermercados, bares e restaurantes.

Continuando pela Callao, na altura do número 1130 há uma filial da pizzaria Los Imortales, muito tradicional e famosa em Buenos Aires.

Siga até a Avenida Quintana. Entre nela à esquerda e siga. Você está na Recoleta, o bairro mais sofisticado da cidade. Neste ponto há muitos bares e restaurantes de qualidade. Vale a pena sentar para almoçar ou tomar um café em um dos elegantes restaurantes que ali se encontram.

Do outro lado da praça está o cemitério de La Recoleta, o mais luxuoso da América do Sul e onde se encontram os restos mortais das pessoas que fizeram a história argentina. O túmulo mais visitado é o de Evita Peron.

 

20110603152450.JPG

 

María Eva Duarte de Perón, conhecida como Evita, (província de Buenos Aires, 7 de Maio de 1919 — Buenos Aires, 26 de Julho de 1952) foi uma atriz e líder política argentina. Tornou-se primeira-dama da Argentina quando o general Juan Domingo Perón foi eleito presidente

Por causa da personalidade arrebatada e por ser uma defensora incansável dos pobres, miseráveis e explorados Eva muitas vezes foi confundida como sendo uma militante de esquerda , embora nunca o tenha sido. Ela rejeitava ferrenhamente este rótulo, tendo inclusive muitas vezes se indisposto com os comunistas ortodoxos da Argentina, que viam na ação assistencialista até mesmo um fator de atraso nas conquistas da classe operária. O voto feminino, por exemplo, reivindicação histórica das mulheres comunistas argentinas, foi implantado por um golpe de voluntarismo de Evita. Isso irritou profundamente a militância comunista, como Julieta Lanteri, Carolina Musill, Victoria Ocampo, Alicia Moreau, que defendiam a tese de que a conquista deveria ser historicamente conduzida.Quando a lei do voto feminino foi sancionada por Perón elas disseram: "agora não queremos mais votar".

Morreu aos 33 anos, de câncer uterino. Embalsamado, seu corpo ficou exposto à visitação pública até que, durante o golpe de Estado que derrubou Perón em 1955, seu cadáver foi roubado e enterrado em Milão, Itália. Dezesseis anos mais tarde, em 1971, o corpo foi exumado e transladado para a Espanha. Ali foi entregue ao ex-presidente Perón, que vivia exilado em Madri. O médico argentino que embalsamou Evita revelou que fora um trabalho perfeito, uma vez que, Evita parecia "uma boneca" devido a sua baixa estatura, pele alva e vestido de cetim branco. Após a vinda do esquife da Espanha numa caixa de vidro...Evita parecia adormecida.

Vale a pena conferir os mausoléus, sepulcros e criptas, os quais foram criados por artistas italianos e franceses. É a necrópole mais luxuosa da América Latina.

Ao lado do cemitério está a Igreja do Pilar, de arte barroca. Concebida pelos arquitetos jesuítas Bianchi e Prímoli, começou a ser construída em 1716 e foi inaugurada em 1732. A seguir, no número 1930 da Junín está o Centro Cultural Recoleta, instalado em um antigo Mosteiro de Monges Recoletos. Esta edificação serviu como hospital na época das invasões de 1806 e mais tarde funcionaria como quartel, hotel de imigrantes e alojamento para índios. Nele se realizam ali uma infinidade de atividades culturais. Entre e confira!!!

Ao lado do Centro Cultural está o Buenos Aires Design Recoleta, um mini shopping com inúmeros restaurantes. No fundo do corredor está uma loja da Ferrari e o Hard Rock Café.

 

20110603140554.JPG

 

O Hard Rock tem capacidade para 350 pessoas em cada piso. Há um museu dfo rock, com instrumentos autografados e curiosidades pesuradas na parede. Há uma lpja com artigos da Hard Rock Cafe. No menu há lanches, refeições, sobremesas e bebidas. Não resistimos! Pedimos o lanche tradicional com gaseosas (coca cola) e fritas. Saiu 20 dálares por prato.

 

20110603135545.JPG

 

 

Se decidir atravessar a Avenida Libertador, poderá visitar o Museu Nacional de Belas Artes, o qual reune importantes obras primas nacionais e internacionais e uma biblioteca com mais de 30 mil volumes.

Ao lado do museu, na Plaza Naciones Unidas, está a Floralis Genérica, uma escultura metálica que possui um sistema elétrico que abre as pétalas da flor durante o dia e fecha ao anoitecer.

Voltando para a Plaza Alvear, chega-se à Avenida Alvear e cruzando uma praça, chega-se à Calle Posadas. No número 1725 está a Sala Nacional de Exposições, que ocupa um edifício de estilo francês, o Palais de Glace. Voltando à Avenida Alvear e descendo ela você encontrará o Alvear Palace Hotel, um dos mais tradicionais da cidade.

Continuando pela Alvear, atravessando a Callao começa o bairro Norte até a Calle Montevideo. No trajeto você encontrará do seu lado esquerdo uma série de importantes palacetes. Num deles funciona a galeria Alvear, com suas elegantes boutiques. Tão elegantes que é nesta rua que estão as lojas mais luxuosas da cidade, como a Luiz Vitton, Versace, Armani, Ralph Lauren e Kenzo.

Na Montevideo entre à esquerda e siga até a primeira rua, Posadas. Aí encontra-se o shopping center Patio Bullrich, muito bonito.

Voltando para a Alvear e na próxima rua, Cerrito, está o maior e mais caro hotel da cidade, o Buenos Aires Hyatt Park. Sua construção deu origem a várias manifestações populares, já que a administração do hotel queria demolir um antigo palácio situado no terreno adquirido para construí-lo. Diante de tantos protestos, decidiram construir o hotel no jardim do palácio e este foi restaurado e mantido. Nele funciona hoje um restaurante.

Seguindo pela Arroyo, se vizualiza o Palácio da Nunciatura Apostólica no número 1300 e no número 1142 a Embaixada do Brasil. Na esquina com a Cerrito está a Embaixada da França. Atravessando a 9 de Julio, continue pela Calle Arroyo. Ela tem este nome, que em português significa córrego, e um traçado irregular porque foi construída sobre a canalização de um córrego.

Há muitos edifícios bonitos nesta Rua. Na medida em que caminhe à frente, vire para trás e visualize a paisagem. É linda!

A rua seguinte é a Arenales. À sua esquerda está o Palácio San Martin, sede da Chancelaria e em frente a Plaza San Martin. Na paraça está um monumento ao General de San Martín.

À direita de quem olha o monumento está o Palácio Paz, sede do Círculo Militar. Ao lado dele está o prédio sede da Direção de Parques Nacionais. Ao fundo e abaixo está a Plaza del Retiro. Ali se localiza a Torre dos Ingleses, presente da comunidade britânica à Argentina em 1816. Ali também está a estação ferroviária Retiro, inaugurada em 1913.

 

20110603140727.JPG

 

3º dia - Compras – Avenida Santa Fé e Florida

 

A Avenida Santa Fé é perfeita para quem quer fazer compras. Também é bem legal caminhar e prestar atenção nos bonitos edifícios que ali se encontram.

Partindo da esquina com a Riobamba, iniciamos nosso passeio pelas livrarias. São muitas, mas a mais especial, com certeza, é a filial do El Ateneo, chamado El Ateneo Grand Splendid.

 

Situado no número 1860 da Avenida Santa Fé, Barrio Norte,, o prédio foi projetado por arquitetos e por Peró Armengol Torres para o empresario Max Glucksman (1.875-1946) e aberto como um teatro chamado Teatro Gran Splendid em maio 1919. Tem capacidade para 1050 pessoas. O teatro foi fechado e adquirido, em 2000, pela rede de livrarias Yenni, que apesar de tê-lo transformado em livraria, manteve as características anteriores, incluindo as estantes no lugar das poltronas.

Vale a pena entrar e conferir!

Seguindo pela Santa fé, atravessando a Callao, você encontrará uma série de lojas de marcas famosas, como Rip Curl, Quiksilver, Puma, Nike, Legacy, Prune etc.

Caminhando um pouco mais à frente, você encontrará a Avenida 9 de julho e o Obelisco.

 

20110603155450.JPG

 

Atravesse a Avenida e caminhe por mais algumas quadras. Você encontrará a Calle Florida.

A Florida era uma Rua residencial que se transformou em um corredor comercial exclusivo para pedestres. É a rua onde mais de caminha em toda a Argentina e é a preferida dos turistas para as compras.

Na Florida existem edifícios belíssimos! Assim, não deixe de prestar atenção no prédio naval, que fica na esquina com a Avenida Córdoba; as Galerias Pacífico, com seus maravilhosos afrescos pintados por famosos artistas argentinos; a Calle Lavalle com suas lojas e cinemas; o café Richmond, um dos mais tradicionais de Buenos Aires; a Galeria Guemes e seu interior.

 

20110603154932.JPG

Galerias Pacífico

 

20110603150336.JPG

 

Na Florida também há muitos lojas de Câmbio para troca de moeda e inúmeras sorveterias.

Sugiro o Freddo, a Abuela Goye e o Persicco.

 

20110603153719.JPG

Sorvete do Freddo

 

Os proprietários do Persicco são descendentes dos fundadores do Freddo, de modo que o sorvete tem uma textura muito parecida, apesar dos sabores do Persicco serem muito mais elaborados e diversificados que os do Freddo. A Abuela Goye vende o sorvete produzido em Bariloche e também é uma delícia!

O Persicco está situado entre as Calles Tucuman e Reconquista, atrás das Galerias Pacífico.

 

4º dia – Delta e Tigre

 

O “Tigre” é um conjunto de ilhas que formam uma reserva natural da fauna e flora argentinas.

Para ir ao Delta e Tigre é necessário ir até a estação Retiro do Metrô e se dirigir às linhas de trem. Compre o bilhete de trem para a estação Mitre. Desça em Mitre e siga pela plataforma até outro prédio, o da estação Maipú. Suba pela escada rolante até o primeiro andar e caminhe pelo corredor até a bilheiteria do Trem de La Costa. Compre a passagem para a estação Delta, última do percurso.

O Trem de La Costa foi inaugurado em 1995 e é um dos passeios preferidos dos turistas que veem à Buenos Aires.

Ao longo da viagem você vai perceber a mudança da paisagem urbana para rural. As antigas estações foram restauradas e estão muito bonitas. Você poe descer na estação que quiser e voltar ao trem sem pagar outra passagem.

Vale a pena descer em San Isidro, cidade onde reside Cristina Kirshner no momento. Há um mini shopping gracioso com diversos tipos de lojas, pequenos restaurantes e uma filial do Freddo.

 

20110603140148.JPG

 

Subindo a escadaria está a catedral, maravilhosa!

 

20110603140329.JPG

 

Retornando ao trem e desembarcando na estação Delta, você deverá caminhar por uma quadra até atingir as margens do Rio Tigre. Ali se encontra o maior parque de diversões da Argentina: Parque de La Costa.

 

20110603155149.JPG

 

Compramos um passeio de barco pelo Rio Tigre.

 

20110603141118.JPG

 

O passeio custou 25 pesos por pessoa (R$ 12,50 reais) e foi maravilhoso. Demora 2 horas e percorre diversas ilhas, nas quais se observa as casas de veraneio dos argentinas, as famílias curtindo o final de semana, fazendo suas parillas etc.

 

20110603155315.JPG

Casa de veraneio

 

Margeando a costa do rio há um shopping com lojinhas, restaurantes e bares. Há também o Cassino Trilenium, um dos mais modernos da Argentina e uma feira de artesanatos.

Para voltar, basta caminhar até a estação Tigre (vá até o Mc Donalds e atravesse a avenida), comprar a passagem e retornar à estação Retiro.

 

20110603141312.JPG

 

5º dia – Palermo

 

20110603135750.JPG

 

O passeio no parque Palermo é um dos meus preferidos de Buenos Aires, apesar de muitos turistas não o fazerem.

No ano de 1836, Juan Manoel de Rosas, governador da província de Buenos Aires, escolheu estes terrenos para edificar sua residência. Eram terras alagadiças que ele melhorou com um sistema de drenagem, plantio de árvores e a construção de um grande lago artificial.

Com o tempo o lugar foi perdendo o esplendor e em 1874 o Presidente Sarmiento decidiu criar ali o parque Palermo, cujo projeto foi concebido pelo arquiteto Julio Dormal (que concluiu as obras do teatro Colón) e por Carlos Thays, o célebre paisagista francês responsável pela remodelagem do Bois de Boulogne de Paris (com o qual os bosques de Palermo tem notável semelhança).

O parque é bem grande e pode-se percorrê-lo em carruagens (estão à frente do Zoológico), de bicicleta (você pode alugar em frente à entrada do Rosedal e saem por volta de 10 pesos a hora), de táxi ou mesmo caminhando.

 

20110603145641.JPG

 

Para chegar a este maravilhoso parque você deve pegar o metrô da linha D e descer na estação Plaza Italia. Nesta praça, em 1897, partiu o primeiro bonde de Buenos Aires. Há um monumento à Giuseppe Garibaldi doado pela comunidade italiana em 1904.

Em frente à praça está o Jardim Zoológico, ali instalado no final do século XIX e hoje considerado monumento histórico nacional.

Diante do Zoológico está o Jardim Botânico, concebido por Carlos Thays e inaugurado em 1899, possui mais de 7 mil exemplares classificados, originários das mais diversas regiões do planeta.

Entrando pela Avenida Sarmiento você chegará à Avenida del Libertador, onde está instalado um dos monumentos mais importantes da cidade: La Carta Magna y las Quatro Regiones Argentinas ou Monumento dos espanhóis. Ele foi dado à cidade pela comunidade espanhola em 1916, ano do centenário da independência argentina.

É um imponente conjunto em mármore branco que culmina com a figura da república, uma grande fonte em suas bases e quatro alegorias em bronze referentes às 4 regiões do país: o Prata, o Pampa, o Chaco e os Andes. Seu autor foi o escultor espanhol Augustín Chuerol.

 

20110603144737.JPG

 

Atravessando a Avenida del Libertador começa o Parque Palermo e na esquina da direita está localiada uma escultura de Auguste Rodin, datada de 1899: o Monumento a Sarmiento, com a figura do homenageado em bronze, sobre uma base de mármore.

 

20110603145948.JPG

 

Atrás desta estátua conserva-se uma árvore conhecida como o “Aromo do perdão”, à sombra da qual costuma descansar o governador Juan Manuel de Rosas. Neste lugar Manuelita, filha de Rosas, obteve o perdão para muitos adversários do pai que a procurava em busca de ajuda.

 

20110603150042.JPG

 

Continuando pela Sarmiento, rumo à Avenida Figueroa Alcorta você encontrará a escultura “Chaperuzinho Vermelho e o Lobo”, feita pelo escultor francês Jean Carlús em 1852.

 

20110603145803.JPG

 

À sua direita sai uma avenida curva, a Iraola. Neste ponto há um monumento a Carlos III, o monarca espanhol que criou o vice-reino do Rio da Prata. Siga por esta rua em direção à Sarmiento. Em frente está o Parque Andaluz, doado à cidade pela Câmara Municipal de Sevilha. Saindo para a esquerda, você verá a Plaza Brown. Contorne o grande lago. Aqui se pode alugar um pedalinho. Continuando o contorno, encontrará à esquerda o Rosedal, onde estão representadas maos de 15 mil exemplares de roseiras.

 

20110603135126.JPG

 

Ainda há o Jardim japones, o, planetário, museus, templo islâmico, jóquei etc.

 

20110603142844.JPG

 

Dica: preste atenção nos passeadores de perro, pessoas que recebem uma quantia mensal para passear com cachorros.

 

6º dia - La Boca

 

La Boca é um dos bairros mais típicos de Buenos Aires e um dos mais procurados pelos turistas. Alguns historiadores acreditam que Buenos Aires foi fundada neste bairro.

Com a imigração de europeus, principalmente italianos de Gênova, o local se tornou famoso.

É um bairro portuário, no qual quase todas as casas são feitas com chapas de metal e pintadas com cores vivas. Neste ambiente, frequentado por marinheiros, estivadores, cafetões etc., surgiu o tango.

Há vários ônibus que levam ao Caminito, mas preferimos pegar um táxi, que nos deixou no estádio Boca Juniors, La Bombonera, aonde se encontra também o museu deste clube.

 

20110603141612.JPG

 

Quem visita o museu se impressiona, principalmente com a tecnologia. Não é para menos: foram investidos 3 milhões de dólares para a construção do Museo de la Pasión Boquense.

 

20110603152225.JPG

 

O local reúne tudo relacionado ao time, dividido por temas. Há uma área destinada à história, outra aos jogadores, uma aos fundadores do museu, às camisetas do time, ao bairro, aos campeonatos, às imagens e recordações e a várias outras coisas. Há ainda a sessão "Genio y Pasión", dedicada ao ídolo Diego Maradona, o maior astro que já passou pelo time.

 

20110603152108.JPG

 

Mas não é preciso ser fã do time ou de futebol para visitar o local. Quando se entra no "La Pasión", uma sala de cinema em 360º, projetada em uma bola de futebol gigante, a tecnologia é espantosa. São pelo menos cinco telas ao redor e o espectador assiste tudo como se estivesse no meio de um estádio. É um pequeno filme, onde é possível viver os momentos de um jogador durante uma partida, sentir a vibração da torcida, acompanhar a bola até a entrada do gol, os bastidores de um jogo e muito mais. Tudo com efeitos audiovisuais fantásticos. É o único do tipo na América Latina.

Museo de la Pasión Boquense:

Endereço: Brandsen 805 - La Boca

Telefone: (0xx5411) 4362-1100

Horário: de quarta a domingo, e feriados, das 10h às 19h

Faixa etária: menores de 10 anos, acompanhados de um responsável

Estacionamento: localizado a poucos metros da entrada do museu

Linhas de ônibus que passam perto do museu:

Por Brandsen: 25 / 46 / 86

Por Almte. Brown: 29 / 53 / 152 / 168 / 64

Por Patricios: 22 / 24 / 39 / 70 / 93

O Museu é grande e se você realmente se interessar pela história deste time, demorará um pouco para percorrê-lo totalmente. Ao final da visita, pode-se conhecer o estádio.

Após a visita, siga pela Rua Del Vale Iberlucea até a Rua Caminito.

Nela você vai encontrar muitos museus, inúmeras obras de artistas argentinos, restaurantes, dançarinos bailando tango etc. Um verdadeiro museu-galeria-teatro a céu aberto! Vale a pena conferir!

 

20110603145341.JPG

 

7º dia - Porto Madero

 

Antigamente, a região de Porto Madero era de acesso restrito, até que os armazéns portuários foram transformados em contruções belíssimas, as quais hoje abrigam os melhores restaurantes da cidade e escritórios.

Prédios modernos foram sendo construídos no meio de uma faixa costeira e hoje Porto Madero é um dos bairros mais chiques e um dos metros quadrados mais caros da cidade.

Para chegar a Porto Madero você vai precisar caminhar pela Avenida Córdoba até o final, atravessar a Avenida Eduardo Madero e seguir caminhando para sua direita. Encontrará à sua frente o Buquebus, porto daonde partem os barcos para o Uruguai e outras regiões.

Siga para os diques e vá andando.

Você vai encontrar o Yacht Club Puerto Madero e o Museu Fragata Sarmiento.

A Fragata teve sua construção encomendada pelo Comodoro Rovadavia a um estaleiro em Birkenhead, Inglaterra, em 1898. A Fragata de 3 mastros, 85 metros de comprimento e 13 de altura foi navio escola da marinha argentina. Após superar navegar um bilhão de milhas (39 viagens pelos mares em todo o mundo) a fragata parou de navegar em 1961.

A ponte da mulher também é um dos cartões postais de Buenos Aires. É um traballho do arquiteto espanhol Santiago Calatrava e levou 12 meses para ser construída, tendo a sua conslusão ocorrido em 2001.

Já nos últimos diques estão nossos restaures preferidos: La Bisteca, Brazas Argentinas e Siga la Vaca.

O Brazas Argentinas custa cerca de R$ 35,00 por pessoa e há mesa de saladas, rodízio de frutos do mar com camarões, massas, cozinha internacional, além das tradicionais carnes argentinas e está inclusa a sobremesa!!!

O Siga la Vaca custa uma média de R$ 35,00 por pessoa e possui rodízio de carnes, argentinas e buffet de saladas. Está incluso uma jarra de refri ou garrafa de vinho (750ml) e uma sobremesa deliciosa!!!

 

20110603142020.JPG

 

Nestes dois restaurantes o sistema de rodízio é diferente do utilizado no Brasil. Você é que tem que se servir direto na churrasqueira. Se quiser repetir, basta retornar ao buffet ou churrasqueira.

8º dia - San Telmo

 

San Telmo é um bairro antigo que abrigou importantes residências pertencentes à classe rica da cidade. Em 1871 uma epidemia de febre amerela dizimou a população local e a maioria dos moradores que sobreviveram se mudaram para outros locais da cidade.

Por volta de 1960 San Telmo foi descoberto por empresários, comerciantes e artistas plásticos que montaram ali seus ateliês, ocorrendo uma transformação bastante considerável nesta região.

Hoje, Sant Telmo é reconhecida pelas suas lojas de antigüidades. São muitas!

O ideal é começar o passeio pela Calle Defensa. Siga até a esquina com a Belgrano. Aí está a Igreja de San Domingo, que abriga os restos mortais de Manuel Belgrano, criador da bandeira argentina.

Nesta igreja ocorreram combates quando os ingleses invadiram Buenos Aires em 1806.

Siga até a Plaza Dorrego. Ali, aos domingos há uma grande feira de artesanato e antigüidades.

Descendo para a Calle Humberto I até o número 340, chega-se à igreja Nossa Senhora do Belém , fundada em 1806. Nesta igreja também ocorreram combates quando os ingleses invadiram Buenos Aires em 1806 e serviu de hopital durante a epidemia de febre amarela.

Seguindo pela Defensa, você encontrará o Parque Lezama e o Museu Histórico Nacional.

O Museu exibe aproximadamente 3 mil peças de significativos momentos históricos do país. O belíssimo acervo trata apenas e tão somente da história nacional.

Dali se observa uma bela igreja ortodoxa russa.

Veja também a Pasaje San Francisco e Casa Minima.

Curiosidade: Os argentinos são famosos por protestarem o tempo todo por qualquer motivo. Ao passarmos pela loja da Puma recém inaugurada em San Telmo, notamos que alguém havia pixado a seguinte frase: "Aqui não é Palermo", se referindo a um dos bairros mais chiques de Buenos Aires... ::xiu::

 

Outras opções:

 

9º dia - La Plata

 

Se você dispuser de tempo, vale a pena visitar a cidade de La Plata, capital da Província de Buenos Aires. Fica a 60 Km da capital federal e o passeio dura um dia.

Para ir, você precisa pegar um ônibus na estação de trem Constituición. Você deve descer na praça da igreja matriz. Peça para o motorista lhe avisar quando chegar próximo.

La Plata é uma cidade bem planejada, arborizada, com edifícios muito bonitos. Preste atenção na Catedral. É realmente suntuosa e se você prestar atenção, verá que consegue enxergá-la já da estrada.

Os maiores atrativos desta cidade são o Zoologico, o Observatório astronômico e o Museu de Ciências Naturais.

Optamos por conhecer o Museu. Fomos caminhando do centro até o Museu, mas a caminhada é bem longa, motivo pelo qual sugiro tomar um táxi. Não só o museu como o seu entorno estão bastante abandonados e por este motivo não aconselho a visita no final da tarde. Achei um pouco ermo.

De qualquer forma, o acervo faz valer apena a visita, já que ali estão expostos uma série de fósseis de animais pré-históricos. Impressionante!

 

Horários: de terça a domingo, das 10 às 18 horas.

Entrada: 6 pesos, ou seja, 3 reais. Menores de 12 anos não pagam.

 

10º dia - Temaiken

 

O Temaiken é um bioparque localizado em Escobar e combina o Jardim Botânico, Zoologico, Aquário e Museu de História Natural e Antropologia, exibindo ambientes que explicam e exemplificam as interconexões da vida.

O parque fica aberto no verão de terça a domingo, das 10:00 às 19:00 horas e no inverno das 10:00 às 18:00 horas. O ingresso custa 68 pesos.

Como chegar: Linha 60: Tomar o ônibus 60 que sai de Plaza Itália e chega até a entrada do Bioparque.

 

11º dia - Shopping Unicenter

 

Não tivemos oportunidade de visitar o Unicenter, mas li em diversos artigos que é um melhores lugares para se fazer compras em Buenos Aires. Fica distante do centro, mas há ônibus gratuito saindo da Florida. Também fornecem cupons de desconto para as lojas.

O endereço é http://www.unicenter.com.ar

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu deixaria um dia para Luján.

 

A experiência de manter contato direto com os animais é única, só quem passou por isso sabe como é!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

×