Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

FERNANDO O A

Escalada Vulcão Villarica - Pucón, Chile

Posts Recomendados

SOU DO ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL, MEU NOME É FERNANDO, E MINHA ESPOSA ANDREA, E FOMOS PARA PUCON PARA FAZER A ESCALADA NO VULÇÃO VILLA RICA, ANDAR A CAVALO E IR NO TERMAS.

 

FECHEI O PACOTE COM A EMPRESA TRANCURA, COM OTIMAS PROMOÇÕES E ATE PORQUE ATENDIA AOS NOSSOS INTERESSES TURISTICOS, PAGAMOS 30.000 PESOS NA ESCALADA POR PESSOA E 16.000 A CAVALGADA E O TERMAS.

 

SO QUE AS VEZES O BARATO SAI CARO...E FOI ESSE O DITADO QUE EU NAO QUERIA QUE ACONTECESSE COMIGO, APESAR DO GERENTE DO HOTEL ONDE FIQUEI (NAO VOU COLOCAR O NOME DO HOTEL E DO GERENTE PARA EVITAR PROBLEMAS PARA ELE) JA TENDO ME ALERTADO, QUANDO DISSE QUE TINHA FECHADO COM A EMPRESA TRANCURA A ESCALADA NO VULÇÃO VILLA RICA. NO INICIO PENSEI QUE FOI COM INTERRESSE LUCRATIVO, TIPO QUE ELE TERIA UMA COMISSÃO SE EU FOSSE NA EMPRESA QUE ELE ME INDICASSE.

 

BOM ESSE EMAIL TEM O OBJETIVO PRINCIPAL RECLAMAR DO GUIA TURISTICO NO QUAL NOS ACOMPANHOU NA ESCALADA DE NOME RODRIGO E ALERTAR A TODOS, QUE O QUE VAI TE LEVAR AO CUME DO VULCAO NÃO É TAO SOMENTE A SUA CONDIÇÃO FISICA, MAS PRINCIPALMENTE O GUIA QUE SE CONTRATA.

 

O GUIA CRISTIAN, QUE NOS ACOMPANHOU NO INICIO DA ESCURSÃO, MUITO ATENCIOSO, GENTIL, NOS DEU TODA A ATENÇÃO E ESCLARECIMENTOS SOBRE A ESCALADA, SO QUE ELE TEVE QUE FICAR COM MINHA ESPOSA, QUE NAO TEVE CONDIÇÕES DE PROSSEGUIR, E QUANDO RETORNEI, ELA ME DISSE DE TODA A ATENÇÃO E PREOCUPAÇÃO QUE ELE TEVE EM SER SOLIDÁRIO E ATENCIOSO EM SUAS DIFICULDADES.

 

BOM UMA PENA, PORQUE O QUE ACONTECEU COMIGO FOI O CONTRARIO E SO NAO TERMINOU EM CONFUSAO COM O GUIA RODRIGO, PORQUE SOU UMA PESSOA TOTALMENTE COMEDIDA E RAZOAVEL.

 

PARA CHEGAR NA PRIMEIRA PARADA TIVE QUE ANDAR MAIS RAPIDO, POR UNS 150 METROS, POIS TIVE QUE DEIXAR MINHA ESPOSA COM O GUIA CRISTIAN PARA TRAS E ALCANÇAR O GRUPO QUE ESTAVA COM O GUIA RODRIGO.

 

FOI AI QUE TUDO COMEÇOU, QUANDO EU CHEGUEI NO PRIMEIRO DESCANÇO, JA ATRASADO, POR TER ACOMPANHADO MINHA ESPOSA, TODOS JA ESTAVAM DESCANÇANDO, E MAL PUDE TOMAR UMA AGUA E ELE JA DISSE, "VAMOS PARTIR", EU TINHA ACABADO DE TIRAR A GARRAFA DE AGUA, QUANDO ELE, O GUIA RODRIGO, SE VIROU NO MEIO DE TODOS E ME DISSE, QUANDO EU DISSER PARTIR, É PARA PARTIR...ENTENDEU...

 

NEM NAS FORÇAS ARAMADA É ASSIM, QUANDO UM GRUPO PARA PARA DESCANÇAR, SE FALA O TEMPO QUE SE VAI DESCANÇAR...E QUANDO FALTA UM MINUTO PARA ENCERRAR O DESCANÇO SE DIZ "PREPARAR PARA PARTIR", SO DEPOIS DE UM MINUTO, TODOS PARTEM.

 

NA ANTEPENULTIMA PARADA ANTES DE CHEGAR AO TOPO DO VULÇÃO, ONDE TINHAMOS QUE COLOCAR OS CAPACETES E COLOCAR NAS BOTAS UMA SOLA COM PONTAS DE METAL PARA ANDAR NO GELO. O GUIA COLOCOU NAS DUAS PESSOAS QUE ESTAVAM NO NOSSO GRUPO, UM HOLANDES E UM NORTE AMERICANO, QUANDO CHEGOU MINHA VEZ, ELE SAIU DE PERTO E FOI ATENDER UMA OUTRA MENINA QUE ESTAVA COM OUTRO GUIA, QUE ESTAVA COM DIFICULDADES PARA POR O SUPORTE NA BOTA.

 

INCLUSIVE, PERGUNTEI AO OUTROS DOIS, O HOLANDES E O AMERICANO SE O GUIA NAO ME AUXILIARIA A COLOCAR A SOLA DE PONTAS EMBAIXO DA BOTA, TENDO AMBOS FEITO UMA PIADINHA DE QUE EU NAO PRECISAVA...

 

DEPOIS DE ALGUM TEMPO, É QUE O GUIA RODRIGO VEIO ME AUXILIAR A COLOCAR O SUPORTE NA BOTA, NAO TENDO ME DADO A MENOR ATENÇAO, OU PERGUNTADO SE EU PRECISA DE DESCANÇAR MAIS UM POUCO, POR EU TER ME ESFORÇADO ANTERIORMENTE, E AINDA PARTIMOS PRIMEIRO QUE OUTROS DOIS GRUPOS QUE JA ESTAVAM DESCANÇANDO QUANDO CHEGAMOS.

 

EU FALO UM POUCO INGLES E ESPANHOL, E AO TENTAR ME COMUNICAR COM O GUIA, ELE DISSE NAO FALAR E NAO ENTENDER PORTUGUES, O QUE ACHEI ESTRANHO E INCRIVEL PARA UM GUIA, POIS TENHO CERTEZA QUE AQUI EM PUCON HA MAIS BRASILEIROS QUE NORTE AMERICANOS E HOLANDESES.

 

ELE SE COMUNICAVA EM INGLES A TODO O MOMENTO COM OS OUTROS DOIS QUE ESTAVAM NO GRUPO, O NORTE AMERICANO E O HOLANDES.

 

PELO QUE PUDE NOTAR, OS OUTROS GUIAS, EXPLICAVAM A TODO O MOMENTO COMO CAMINHAR NA NEVE, COMO USAR O SUPORTE DE MAO, ENTRE OUTRAS COISAS, INCLUSIVE PERGUNTAR SE TODOS ESTAVAM BEM, ANDANDO SEMPRE JUNTOS E ACOMPANHANDO OS SEUS CLIENTES.

 

O GUIA RODRIGO, ANDAVA A TODO O MOMENTO A FRENTE, NOS DEIXANDO PARA TRAS, E POR DUAS VEZES DISSE PARA ELE PARA QUE FOSSEMOS MAIS LENTO, OU QUE PELO MENOS ELE FICASSE PROXIMO DE NOS, COMO TODAS AS OUTRAS EQUIPES., TENDO INCLUSIVE O HOLANDES DITO A ELE TAMBEM, PARA QUE FOSSE MAIS DEVAGAR

 

 

NA PRIMEIRA PARADA, PARA DESCANÇO, ERAMOS QUASE A ULTIMA EQUIPE A CHEGAR E QUANDO CHEGAMOS NO ULTIMO DESCANÇO ERAMOS A SEGUNDA EQUIPE, OU SEJA, TINHAM MAIS OU MENOS 7 EQUIPES DE ESCALADA.

 

EM UM MOMENTO CHEGUEI A COMENTAR COM O HOLANDES QUE O NOSSO GUIA ESTAVA MUITO RAPIDO, QUE AQUILO NAO ERA UMA COMPETIÇÃO E SIM TURISMO, QUE ELE NAO PRECISAVA IR TAO RAPIDO NOS DEIXANDO PARA TRAS A TODO MOMENTO.

 

QUANDO EU CHEGAVA NO LOCAL DE DESCANÇO,ELE JÁ ESTAVA LA A APROXIMADAMENTE UMS 10 MINUTOS, OU SEJA EU DESCANÇAVA 5 MINUTOS E ELE JA PARTIA.

 

DETALHE, OUTRAS EQUIPES QUE CHEGARAM PRIMEIRO QUE A GENTE, DESCANÇAVA MAIS, E NOS PARTIAMOS.

 

A UNS 20 METROS DO ULTIMO PONTO DE DESCANÇO, QUE DEVE FICAR A UNS 100 METROS DO TOPO, TIVE UMA CAIMBRA, E DISSE AO GUIA RODRIGO PARA ESPERAR UM POUCO PARA DESCANÇARMOS, TENDO ELE ME DITO QUE EU NAO MAIS SEGUIRIA. DISSE A ELE PARA DESCANÇAR QUE EU CONSEGUIRIA SUBIR, TENDO ELE DITO QUE NAO.

 

O GUIA RODRIGO DISSE QUE IRIA COM OS DEMAIS (HOLANDES E AMERICANO), QUE EU TERIA QUE FICAR ALI ESPERANDO ELES VOLTAREM.

 

ENQUANTO EU ESPERAVA ELES VOLTAREM, VI MAIS DUAS EQUIPES PASSANDO POR MIM, UM GUIA COM DUAS GAROTAS, SUBINDO BEM LENTAMENTE E CONVERSANDO COM ELAS A TODO O MOMENTO, E OUTRA EQUIPE COM DOIS RAPAZES E UMA GAROTA TAMBEM BEM LENTAMENTE, TOTALMENTE DIFERENTE DO NOSSO GRUPO.

 

ESSAS DUAS EQUIPES TINHAMOS PASSADO POR ELES A DUAS PARADAS PARA BAIXO DA MONTANHA, E PUDE PERCEBER A ATENÇAO QUE OS GUIAS ESTAVAM COM ELES.

 

AS DUAS EQUIPES ANDAVAM MUITO MAIS LENTAMENTE QUE A NOSSA EQUIPE, PARA SE TER IDEIA, QUANDO ELES PASSARAM POR MIM A MINHA EQUIPE JA ESTAVA QUASE NO TOPO.

 

O GUIA RODRIGO PARECIA QUE ESTAVA COMPETINDO COM OS OUTROS OU COM ELE MESMO, ELE NAO TEM O MENOR PERFIL PARA GUIA, POIS NAO SABE TRATAR COM AS PESSOAS, ELE PODE SER UM BOM ESCALADOR, MAS NAO TEM DIDATICA PARA LIDAR COM AS PESSOAS.

 

DEPOIS DE ALGUM TEMPO O GUIA RODRIGO FEZ CONTATO COMIGO, JUNTAMENTE COM O HOLANDES E AMERICANO PARA INICIARMOS A DESCIDA, TENDO O HOLANDES PASSADO MAL, E NOS A TODO O MOMENTO TIVEMOS QUE FICAR ESPERANDO ELE (HOLANDES) DESCANÇAR, TENDO EU DESCIDO NORMALMENTE.

 

NAO ESTOU FAZENDO ESSA RECLAMAÇÃO POR ELE NAO TER ME DEIXADO TERMINAR A SUBIDA, POR EU TER TIDO CAIMBRA EM UM MUSCULO DA PERNA ESQUERDA, MAS SIM PELA FALTA DE TRATAMENTO QUE DEVERIA TER SIDO DADO A MINHA PESSOA E DAS DEMAIS QUE ESTAVAM NO GRUPO.

 

E AINDA SEI QUE SE TIVESSEMOS DESCANÇADO E NAO FORÇADO TANTO A SUBIDA, SEI QUE TERIA CHEGADO AO TOPO, E O HOLANDES NAO TERIA PASSADO MAL NA DESCIDA, POIS A ULTIMA EQUIPE PASSOU POR MIM A APROXIMADAMENTE 40 MINUTOS APOS O GUIA RODRIGO TER PARTIDO E ME DEIXADO PARA TRAS, OU SEJA, NAO HAVIA PRESSA E O CEU E O TOPO DO VULCAO ESTAVAM TOTALMENTE LIMPOS.

 

 

FERNANDO

Compartilhar este post


Link para o post

valew pelo toque, realmente essa agencia que vc foi, varias pessoas aqui no forum falo que não é boa, quando eu for vou pela agencia florencia... uma pergunta que dia vc foi? e o vucão ja estava com muita neve? ja dava pra esquiar?

Compartilhar este post


Link para o post

Quando eu estive em Pucon em 2009 iria fazer o Trkkig com esta ag, de certa forma acabei dando sorte, pois ´s havia eu e mais rapaz, então eles disseram q o tempo não estava bom e adiaram, eu e o outro cara pegamos o dinheiro de volta então fui ver outras ag e descobri q nenhuma delas havia cancelado, acabei comprando com a ag informações turísticas e fui no dia seguinte, dois guias nos acompanharam e nos deram toda a assistência inclusive com o equipamento, uma dica q eu sempre dou é nunca contrate nada sem antes estar no local para pesquisar pessoalmente. ::otemo::::otemo::::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post

Nossa, que coisa ruim!

 

Eu também fiz essa ascenção ao Villarrica mas vou confessar que nem lembro o nome da agência, foi negociando nas ruas de Pucon mesmo e foi a mais barata que conseguimos, com a ajuda de uns amigos chilenos que negociaram.

Agora vou dizer as minhas impressões pessoais desse passeio:

- Particularmente eu achei o trekking bem leve (talvez porque eu tivesse acabado de voltar de 3 dias de trekking no Aconcágua). É bastante íngreme, porém os guias fazem muitas paradas com os grupos, e a certo horário a montanha lota e vira aquela procissão subindo bem devagarzinho... eu confesso que achei mala ter que andar com freio de mão puxado em alguns pontos.

- Eu acho que muita gente que não está acostumado a caminhar vai nesse passeio. Digo isso pois o nosso guia sempre nos elogiava pelo pique (todos do meu grupo estavam subindo bem) e deu os parabéns para todos que chegaram no topo - me disse ainda que muitos brasileiros desistem no caminho, principalmente os de SP (fama de sedentários overseas)

- A descida do vulcão é feita através de esqui-bunda. É bem divertido mas, cá entre nós, soa como turismo irresponsável de latino americano. Eles inventam uma maneira de usar o piquete para nos ensinar a frear a descida que pode chegar a 60km/h facilmente. Perder um piquete nessa velocidade é fácil e isso é perigoso no meio da neve, enfiar no próprio estômago também, e de boa, pode acontecer.

 

No mais eu sugiro para quem for fazer o passeio conversar na agencia, dizer que não tem experiencia com neve, perguntar se o guia vai explicar como usa os equipamentos (o meu ensinou), perguntar o nivel de dificuldade, fazer uma avaliação sincera de sua condição física, essas coisas.

Mais uma coisa, subir com o capacete na cabeça durante o tempo todo e não somente quando se chega ao topo é indispensável, afinal pedras rolam durante todo o trajeto.

Compartilhar este post


Link para o post

Olá, dia 07/09/2011 também subi à cratera do Vila Rica. Confesso que os guias não são nada carinhosos, mas concordo que a atitude deles seja meio severa pois a maioria das pessoas que tentam subir são muito fracas fisicamente, não praticam esportes, tem problemas de saúde, não estão acostumadas com temperaturas negativas. De 3 equipes que tentaram escalar, só uma de estranjeiros (pela metade) chegou ao topo e eu que estava junto com as duas equipes de desistentes. Para alcançar o outro grupo, que distava a mais de uma hora de escalada tivemos duas parada de 5 minutos em 2 horas. Andando a passos largos os alcançamos na cratera. As condições são severas e arriscadas. Quanto mais os guias estiverem próximos uns dos outros, melhor, pois significa ajuda em algum caso de acidente caso haja. O guia é responsável pelo grupo, e um acidente pode acabar com a carreira/emprego dele.

Depois de chegar ao cume, o guia estava super gentil, muito amigável inclusive fiz aula de ski com ele mesmo no dia seguinte.

Entenda que toda a suposta ignorância é para o bem de todos, e escalar o Vila Rica não é para qualquer um. Se não está acostumado com isso, não tente!!!! Se o tempo não estiver muito bom, não tente!!!

Quanto mais as pessoas desistirem, melhor será, pois os guias irão ganhar a mesma cota sem ter que passar por todo o trabalho de chegar ao topo.

As agências não estão nem ai para as pessoas que acham que conseguem escalar. O que importa é ganhar o valor que pagamos e que não é pouco (cerca de R$140,00).

Ainda assim, sugiro o passeio, é muito bom. Faça exercícios, prepare-se, suba morros, Pratique esportes!!!

Recomendo o guia Jorge. Trabalha nas agencias Araucania e Florencia que ficam no centrinho de pucon, pelo número 460 da avenida principal.

Abraços

 

Ricardo Mazin

Compartilhar este post


Link para o post

Salve Galera,

 

Sou novo no mochileiros, mas já percebi que trata-se de um site sensacional pra quem curte viajar e não passar tantos perrengues.

 

Cai nesse tópico, li com muita atenção todos os posts e gostaria de deixar aqui registrada a minha história.

 

- FERNANDO - Vc. deu muito mais sorte que eu e sua esposa, se recebeu mesmo essa atenção toda do guia, leia o que aconteceu com a minha esposa.

 

- FLORENCIA E GUIA JORGE - Pra quem fechou passeios com a Florencia e conheceu o guia Jorge, segue a minha impressão.

- FLORENCIA - Segundo ouvi de muitas pessoas de Pucón mesmo, o objetivo do dono da operadora é ganhar grana, que se danem as pessoas, ele objetiva só o lucro e nada mais. Nem atualizar o equiapmento ele se dá ao trabalho, vez que minha esposa usou uma calça que simplesmente não fechava, e não pensem que adiantou ela reclamar.

 

- GUIA JORGE - Sinceramente acho que o Jorge não é de todo um mal profissional, ele só tem uma má vontade gigante de levar as pessoas até o cume, em nosso grupo, de 11 pessoas só 1 chegou, amigo pessoal do guia Carlos (acho que era esse o nome do guia), saíram a frente de todos, eu e um casal chegamos até a pedra branca onde o guia Jorge nos disse que não teríamos mais tempo pra atingir o cume. Leiam o meu relato abaixo e vejam o porque não conseguimos chegar.

 

- EM PRIMEIRO LUGAR, Pucón é uma cidade espetacular, pra onde voltarei mais vezes se possível, tudo na cidade é lindo e pra prática de esportes de aventura então nem se fala. Assim como o fernando, fechei o passeio com a Florência por indicação da dona do hostal onde ficamos hospedados, e como o Fernando, não vou expor nem o Hostal muito menos sua proprietária, da qual ficamos amigos, pois trata-se de uma pessoa séria, extremamente honesta e que nos tratou bem demais.

 

- O VILLARRICA - Pra subir o danado, ainda mais no inverno como eu tentei fazer, é cascudo, ainda mais pra quem nunca fez trekking na neve. Eu sabia que minha esposa não aguentaria a subida e que ficaria pra trás no primeiro grupo desistente, mas eu tinha gás pra chegar lá em cima, e teria chegado não fosse o guia Jorge ter nos levado em zigue-zague montanha acima enquanto todas as outras iam em linha reta, fomos a primeira equipe a entrar no vulcão e fomos ultrapassados por todas as outras, além do que, o guia Jorge nos guiou com passos de lesma e nas paradas dizia "Ótimo, muito bom pessoal, desse jeito vamos chegar bem lá em cima"..... pra depois, chegando logo abaixo da pedra branca, avisado aos 3 restantes que estava tarde e o tempo estava fechando e que não daria pra chegarmos ao cume. Bom, subimos té a pedra branca e de lá era possível ver as outras equipes toda subindo, e porque nós não podíamos também ?!?!??? Me senti lesado, mas senti principalmente que tudo já estava armado, que o Guia Carlos ficaria como ficou, livre pra levar seu amigo pro cume, enquanto os "Guias" Jorge e Andres (esse tem um capítulo à parte), levariam o restante do grupo para um passeio pela montanha. Apesar de nunca ter feito trekking na neve, estava super bem, afinal eu me cuido, pedalo, corro, faço caminhadas, sou campeão paulista de trekking de regularidade e participei de algumas provas de corrida de aventura, ou seja, sempre me mantenho em movimento. Sou guia de trekking e membro de uma equipe de técnicas verticais e achei uma baita sacanagem o descaso com que fomos levados na montanha.

 

Mas nada disso desabona a cidade de pucón, o ruim é que pra quem não tem carteirinha de algum clube alpino tem que contratar essas pessoas pra nos levar montanha acima. Agora deixo o meu relato pra vcs. se deliciarem com o tratamento da Turismo Florencia e dos "Guias" Carlos, Andres e Jorge.

 

"Estive em pucon agora em setembro de 2011 e tentei ascender ao cume do villarrica com a Turismo Florência, que nos foi indicada por uma pessoa do hostel em que nos hospedamos. Gostaria de deixar registrado que JAMAIS FAÇAM QUALQUER COISA COM ESSA OPERADORA !!! Eles não são profissionais de confiança. Não cheguei ao cume porque o guia nos levou o tempo todo em zigue-zague enquanto todas as outras operadoras subiam em linha reta, fomos os primeiros a entrar no parque e fomos ultrapassados por todas as outras, nosso guia nos levou num ritmo pra não chegar e quando parávamos para comer ele dizia que o ritmo estava ótimo, sensacional. Chegamos até o ponto conhecido como pedra branca e aí o guia (Jorge) simplesmente vira e diz que estava tarde pra chegarmos ao cume e que deveríamos voltar. Até o esquibunda na descida ficou sem graça ante a frustração que eu sentia.

Mas o pior veio depois, quando soube o que aconteceu com minha esposa, que passou mal logo no começo da caminhada e parou na altura da cafeteria, acompanhada do "GUIA ANDRES", que a fez, sozinha, atravessar um bowl bem profundo para chegar na cafeteria e voltou pra montanha pra se reunir ao grupo, e ainda teve a cara de pau de dizer que deixou pessoalmente minha esposa na cafeteria e estava tudo bem com ela. O "TUDO BEM" é que ela teve uma crise de vômito e diarréia, desmaiou, só foi amparada pelos funcionários da cafeteria da estação de esqui, no meio disso tudo ainda teve um ray ban novinho furtado e recebeu ZERO assitência da operadora/guia. Não fossem os funcionários da cafeteria, sabe Deus o que teria acontecido com ela. Tudo bem que eu sabia que ela não tinha condição de subir, mas mulher é assim mesmo, elas são teimosas, mas mais da metade das pessoas que vão até lá e tentam subir o vulcão nã otem condição pra tal, do grupo que eu estava, de 11 pessoas, só um chegou (Amigo pessoal do guia e que teve o Guia carlos só pra ele), eu e um casal chegamos a pedra branca graças a má vontade do guia Jorge, mas daí a pessoa não se sentir bem e o DITO GUIA simplesmente deixá-la pra trás, com a pessoa passando mal, tendo desmaios, queda de pressão, dor de cabeça, etc... é inaceitável pra quem ostenta no braço o patch de "SOCORRISTA DE MONTANHA". Todos os guias de todas as operadoras são obrigados a ter esse curso e se tornam "socorristas de montanha", o que pra mim, depois dessa experiência da minha esposa, acho um PIADA E TANTO, TENHO PENA DE QUEM PRECISAR SER SOCORRIDO POR UM DESTES 3 GUIAS DA FLORENCIA.

 

Então, quando forem e/ou quando indicarem pra alguém a ida a Pucón, eu também indico, no geral a viagem foi sensacional, mas com a "operadora" TURISMO FLORÊNCIA, NUNCA INDIQUEM ESTA OPERADORA, pois tratam-se de pessoas preocupadas tão e somente em receber sua grana (Já ouvi isso de outras pessoas que fizeram passeios com eles) e te levar pro cume que é bom NADA. Num grupo de 11 pessoas, somente 1 chegou e sabem porque ?!? Primeiro porque era Alemão, e o que não falta na Alemanha é neve e montanha, mas porque era amigo pessoal de um dos guias, que aliás, deixou o restante do grupo pra trás e se preocupou única e exclusivamente com seu amigo, enquanto os outros 2 guias (Jorge e Andres) nos levaram para uma passeio no bosque que custou $ 35 800 pesos por cabeça."

Compartilhar este post


Link para o post

E ainda por cima galera, como guia de técnica verticais, sempre levamos pessoas para praticar rappel e cascading e nunca deixamos qualquer pessoa, independente de sua condição, sem assistência quando necessário.

 

O que percebi que acontece bastante em pucón é que as operadoras te vendem o sonho de chegar ao cume do vulcão e à possibilidade de ver Lava fumegante, e te entregam um pesadelo, um trekkingzinho, um passeio no bosque. Não fazem previamente nenhum tipo de avaliação com as pessoas, pelo menos um papo franco pra verificar as possibilidades de cada um. Eu tinha totais condições de seguir o guia Carlos e seu amiguinho germânico, mas o guia Jorge não me deixou passar a frente do grupo e seguí-los.

 

É uma baba chegar ao cume do Villarrica, seja no inverno ou no verão, o que mais dificulta o acesso ao cume são as operadoras e seus "GUIAS", infelizmente não posso fazer a tentativa sozinho, tenho obrigatoriamente que ter um guia comigo, então é provável que, na minha próxima ida a pucón, eu tente contratar um guia diretamente fazendo contato com o CONAR, pegar um guia free lance, pra subir solo, sem grupo, porque o que mais acontece, sobretudo quando dizem que os brasileiros são os que menos conseguem, é justificável pelo sedentarismo e afins, mas também é bem justificável porque as operadoras vem nos brasileiros dinheiro fácil, todo grupo de brasileiro sobre conversando, falando alto, parando o tempo todo pra tirar fotos, enfim, o caras pensam: "eles não estão nem aí se não conseguirem chegar, nunca viram neve na vida, estão maravilhados, a gente leva eles pra dar uma voltinha na montanha, inventa uma desculpa pra não tentar o cume e eles aceitam, tiram suas fotos e ficam felizes". É lamentável....

 

Mas estou postando minha reclamação, sobretudo pelo que aconteceu com minha esposa, por mim eu estou tranquilo, posso voltar lá a qualquer hora e subir esse vulcão, que nem é tão alto assim, mas pela "Assistência" dada a minha esposa, estou postando meu relato em todos os sites que vejo sobre pucon e sobre o villarrica, inclusive já mndei meu relato para a agência (mesmo sabendo que não farão nada pra mudar a atitude) e para o CONAR, pois as pessoas tem que saber o que se faz por lá.

 

E TIRANDO AS OPERADORAS, PELO MENOS FALO PELA FLORÊNCIA, PUCÓN É UMA CIDADE MARAVILHOSA E QUE VALE MUITO A PENA CONHECER.

 

Abraços a todos e me desculpem pelas redundãncias no texto, quando a gente escreve com ravia e indignação as vezes repetimos frases.

 

Dida

São Paulo - SP

Compartilhar este post


Link para o post

Fernando,

Lendo seu relato fiquei admirada de ter acontecido fato bastante semelhante quando tentei fazer a trilha inca clássica para Machu Picchu. O guia que atendia a mim e ao grupo dava muuuuita atenção aos americanos q estavam fazendo o trekking. Até aí, tudo bem, fato relevável...fazer o que?. Mas era visível como eu e uma amiga estávamos sendo preteridas na caminhada. Ele tb falava somente em inglês e apesar de ter uma argentina no grupo, ele parecia se recusar a falar o espanhol com ela e conosco. Por diversas vezes ele nos deixou para trás e continuávamos a caminhada sozinhas (já pensou se uma de nós desmaiássemos ou sei lá, acontecesse de necessitarmos de ajuda). Qdo alcançávarmos ele e os americanos (todos já estavam descansando há tempos), chegávamos e logo após tínhamos q partir, mal descansávamos... enfim, acredito que seja mais comum do que imagino a preferência dos guias por trilheiros/turistas da américa do norte e europa. Até hoje não entendo o q essa distinção pode beneficiar a um guia sul americano...

Compartilhar este post


Link para o post

Estivemos em Pucón, minha namorada e eu, em setembro de 2011, vou deixar aqui algumas impressões e dicas rápidas que talvez sirvam para alguém.

Para chegar a Pucón fomos de avião até Santiago (pela Gol, vôo vazio e bem tranqüilo, chegando lá as 4 da manhã) e para Pucón optamos por 11 horas de ônibus, para conhecermos mais lugares no caminho. Os ônibus saem do Terminal Alameda no centro de Santiago. Pegamos uma minivan, mas saiu mais caro que o táxi. Só descobri depois que o táxi custava CH$8.000,00 e pela minivan acabamos pagando 12 mil. Coisas de sonolentos recém chegados.

 

Não vale a pena ir de ônibus até Púcon. A estrada não tem nada demais, a viagem gasta um dia inteiro e ainda corre o risco de viajar ao som de um "chachachá chachachá chachachá" a todo volume por ininterruptos 900 km! É uma viagem de 11 horas com paradas de 5 ou 10 minutos nas cidades (umas 4 ao total).

Erramos na hora de comprar a passagem, ao invés de da TurBus (turbus.cl, a melhor do Chile) compramos da Inter, quase o mesmo preço e poltronas não muito confortáveis. Leve água e comida para café, almoço, janta e lanches (nas paradas é bem mais caro). Tenha certeza de que estás no guichê da TurBus na hora da compra, pois o logo da companhia pode estar presente em outras empresas! Na próxima viagem faremos diferente: de Santiago iremos de avião até Temuco (tem vôos baratos, entre US$ 50,00 e 60,00, pela Sky Air Line - skyair.cl) e mais 2 horas de ônibus à Pucón.

 

Chegando a cidade, ficamos encantados pela cidade. É expetacular! Tem cheiro de lenha pelas ruas por causa das lareiras. Moraria lá fácil! É muito bonita, bem limpa e tranqüila. Porém, nos meses de alta temporada dizem que fica bastante tumultuada. Perambule a pé pela cidade e não só pela Ohiggins, a rua principal, que concentra a maioria das lojas e atrações urbanas. Para beber, a dica é o chopp Torobayo! Uns dos melhores que eu já bebi, encorpado e avermelhado. O que achamos melhor deixar para a próxima foi o Crudo, e lá eles tem os melhores do Chile (!?), que é basicamente a versão mapuche de um sanduíche aberto com carpaccio, é feito com fatias grossas de carne de gado crua.

 

Ficamos na pousada École (ecole.cl) em um quarto com cama de casal e banheiro privativo que custou CH$25.000,00/dia, mas se pagar com dólares, euros ou cartão de crédito tem 19% de desconto. Lei chilena que vale para todos os estabelecimentos. O restaurante da pousada é outra dica, comidas muito bem feitas e com preço honesto (a guacamole para uma pessoa serve duas fácil e é muito boa). ). O café da manhã não tem o melhor custo/benefício. Pareceu caro (CH$ 3.300 por pessoa) pelo oferecido (pão, mel, iogurte com frutas e café com leite). Caminhando pelas ruas achamos uma senhora que alugava um chalé com TV a cabo, lareira, cozinha completa, jogo de lençol/toalha - muito bom - por CH$20.000,00 por dia, só não alugamos para poder pagar com cartão de crédito ganhar os 19% de desconto.

 

Fizemos a subida ao vulcão pela empresa Aventur (aventurpucon.cl, Palguin, 383). Ótimo serviço, ótimo atendimento, bons materiais e um bom guia Como era baixa temporada (mesmo assim havia bastante gente subindo), tivemos um guia particular. Foi muito desgastante, mas vale muito à pena. A vista durante a subida é muito bonita com Pucón, o lago Villarrica e os outros vulcões ao fundo. A cratera é incrível com as fumarolas, pedras verdes e lava (mas os gases dela ardem os olhos e o nariz). A descida de "esqui bunda" é divertida.

 

Para quem quer poupar alguns kilômetros de subida, deve levar dinheiro para o teleférico (CH$ 7mil). Na ida não parecia fazer muita diferença (estávamos animados e descansados), mas na volta nos arrependemos um pouco. Pelo menos podemos dizer que subimos o vulcão todo! Sem trapaça!

 

Também com a Aventur aluguamos os equipos para esqui e o transfer (pague o transfer o centro de esqui é longe e táxi vai custar mais caro) até o centro de esqui (eskipucon.cl). Para quem nunca esquiou não perca a oportunidade, é muito divertido. O centro de esqui é bem equipado e organizado, com cafeteria e restaurante e oferece pistas para todos os níveis. As agências de turismo oferecem instrutores (CH$15.000,00 por 2 horas por pessoa) não pagamos o instrutor e não me arrependo. É relativamente fácil e vale a diversão de aprender caindo. Além do aluguel dos equipamentos e do transfer tens que pagar a entrada no centro de esqui, que pode ser para o dia todo ou para meio dia (CH$18.000,00 e CH$14.000,00 na baixa temporada, respectivamente). Meio dia foi o suficiente para brincar na neve, cansa bastante, mas o dia todo lá vale à pena.

 

O pacote todo para duas pessoas custou CH$117.000,00, incluindo equipamentos e transfer do esqui e da subida além de um par de guantes (bem chingling que se compra em qualquer esquina), mas que são bem importantes na neve. Recomendo a Aventur, não tive aquela sensação de turista sendo extorquido lá e fomos muito bem atendidos. Na pousada nos recomendaram a Aguaventura (aguaventura.com - Palguin, 336), mas não gostamos muito do atendimento. Fomos desaconselhados a contratar a Trancura, mesmo sabendo que o clima não está propenso à subidas, têm a fama de levar os clientes, dizer que não está propício e não devolver o dinheiro.

 

Levamos todo o dinheiro em pesos chilenos comprados a R$1,00 = CH$208,00. Um a cotação horrível. A cotação em Púcon na troca de reais por pesos estava em CH$220,00 e o dólar a CH$480,00. . O ideal é trocar reais por pesos chilenos apenas para os primeiros gastos como transfers, ônibus e comidas na chegada ao Chile e o restante em dólares. Vale a pena pela cotação de lá e pelo desconto para moeda estrangeira.

 

Abraços

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Áurea Freire
      SAÍDA DE REC-SCL 
      No começo de Maio, a empresa aérea GOL abriu promoções com destinos para a América do sul, então surgiu a ideia de conhecermos Santiago, vi que as passagens estavam por R$ 1.069 cada, comprei primeiro a do meu esposo e quando fui comprar a minha, do nada a empresa aumentou o preço da passagem para R$ 1.456. Então a minha dica é, quando for comprar, compre as duas ao mesmo tempo, para não correr o risco de acontecer o que aconteceu comigo. Comecei então a pesquisar e encontrei muitas dicas legais aqui no mochileiros.com, descreverei algumas delas com preços atualizados da minha viagem no decorrer do texto.
      A minha ideia era conhecer Santiago e uma cidade chamada de Pucón que fica situada no Sul do Chile, gosto de roteiros de aventura então eu tinha lido que em Pucón tinha o Vulcão Villarrica que é ativo e algumas agências faziam a ascensão a ele, fora as Termas Geométricas e Reserva Huilo Huilo, que me deixaram com muita vontade de conhecer este lugar. Então me empolguei, li e pesquisei muito!  Fechei as pousadas todas pelo site da Booking.com daqui do Brasil mesmo. E os passeios deixei para fechar por lá, pois tinha lido que daqui do Brasil os preços eram bem maiores e lá conversando pessoalmente a gente poderia encontrar preços bem mais em conta. E era tudo verdade!😁 O único passeio que fechei daqui do Brasil foi para Embalse Y Yeso com a empresa Sousas Tour, o valor do passeio em reais foram R$ 557, 89 por pessoa (CLP$ 106.000)  que por sinal foi a melhor escolha que fiz, são muito pontuais e honestos. Além de no final do passeio rolar um lanchinho com queijos e vinhos...Amazing!!!😍 Falarei um pouco mais ao descrever meus roteiros. Mas depois andando pelas ruas de Santiago, eu vi que há outras empresas que fazem esse passeio por valores mais em conta, basta negociar. Mas eu super recomendo o Sousas Tour!!!
      Saímos de Recife às 5hs da manhã fizemos o check in, despachamos as malas, passamos pela PRF e embarcamos. Fizemos uma escala no aeroporto de São Paulo-GRU, aguardamos mais ou menos uma hora e meia e pegamos o voo para Santiago. No avião indo para Santiago os comissários de bordo nos entregam um formulário para preencher que teremos que apresentar a PRF quando desembarcamos em Santiago. No avião eles dão duas opções de comida para você escolher,  Pasta ou frango com arroz, mais uma sobremesa e algo para beber que pode ser suco, água ou refrigerante. Dica, peguem a pasta, pois o frango tem um aspecto de pálido, tipo cru. 🤮 Meu esposo escolheu na ida pasta e na volta o frango e se arrependeu! 😅
      Levamos Reais escondidos na doleira, pois tínhamos visto muitos relatos que não era muita vantagem utilizar os cartões de créditos, pois o dólar além de estar a US$ 3,45 tinham as taxa de IOF, devido a isto levamos dinheiro vivo. 🤑 Chegando em Santiago, fizemos o câmbio de R$ 200,00 no aeroporto, a pior cotação R$ 1,00 era R$ 169 pesos chilenos, mas o grande problema fica na taxa de IOF que eles ainda descontam. Deveria ter trocado apenas R$ 100, 00 que era o suficiente, pois dava para pegarmos a Van (Transvip), o valor da van foi de R$ 42,00 por pessoa ( CLP$ 7.000), lá no aeroporto existe essa Van, você compra o ticket assim que você pega as malas, tem um loja da transvip que é show de bola 🤘. Você mostra ao atendente o endereço que quer ir e eles te deixam bem na porta. É superprático e muito mais barato do que pegar táxi que em todo lugar eles te enrolam e te cobram horrores.
      1º Dia em Santiago
      Em Santiago ganhamos uma hora devido ao fuso horário e chegamos as 15:30hs, a Van nos deixou por volta das 16:30hs. Eu tinha Reservado uma diária para casal no Hostel Princess Insolente R$ 130 reais a diária, pagamos em dólar para não pagar o IOF. Fica próximo ao centro, mas durante à noite não tem nada para ir. Um outro detalhe é que na recepção te pedem um valor antecipado pelas chaves do quarto, dizem que é pra no caso de vc perder, já está pago o valor. Mas a verdade é que no Chile tudo eles pedem propina (gorjeta) e no final das contas, eles seguram seu dinheiro caso você não o peça de volta, como somos brasileiros e mais espertos, pedimos de volta é lógico...ahhahahah...😉 Abaixo tá a foto da área de lazer do hostel, é bem charmosinho. Ahhh, e esse é o gato do meu esposo.

      Assim que deixamos as bagagens no Hostel, fomos caminhando até o Centro de Santiago, Rua das Agustinas para fazermos câmbio. Achamos a casa de Câmbio Brollanos e conseguimos a melhor cotação, R$ 1,00 era 187 pesos chilenos. Na frente fica um monte de gente te oferecendo por uma cotação bem melhor, mas não arrisquei pra não correr o risco de pegar notas falsas😳. Voltamos para o Hostel, descansamos um pouco e saímos para comer alguma coisa. Escolhemos um cachorro quente, pois não tínhamos muita experiência em fazer os pedidos, pois o cardápio vem em espanhol e achamos melhor não arriscar, já que na rua estávamos sem internet para consultar. Cada cachorro quente saiu por 3.800 pesos! 😲 Caro pra caramba, e vinha com umas coisas bem ruins dentro tipo palta (abacate), e uma salada lá que parecia repolho só que bem azedinho. Enfim, não gostamos muito!🤢 Voltamos para o Hostel, descansamos e fomos dormir, estávamos exaustos e no dia seguinte as 4h da manhã a empresa Sousas Tour iríamos nos buscar para conhecermos o Embalse y Yesso. Passamos na recepção e perguntamos se era possível nos servirem o café da manhã mais cedo pois teríamos este passeio, sem problemas, ela nos disse.
      2º Dia Passeio para Embalse Y Yesso
      Acordamos cedo, tomamos banho, detalhe, água gelada porque não conseguimos regular a temperatura do chuveiro 😢, nos arrumamos e fomos tomar o café. Nos serviram dois sanduiches de caixa que já estavam prontos e um suco. Assim como todo bom brasileiro, nos atrasamos e o Guilherme dono e guia da Sousas Tour chegou pontualmente no Hostel para nos buscar. Até nos deu uma bronquinha pelo atraso e ele estava coberto de razão😊, pois em cada Hostel que ele parava para pegar um turista que por sinal, era brasileiro, atrasava de 10 a 20 min e no final a gente acabou pegando um transitozinhoooo para sair da cidade😅, o que atrasa o nosso passeio. O Guilherme fez quatro paradas antes de chegarmos ao Embalse Y Yesso, a primeira foi para tomar café numa padaria já no final de Santiago, como nós dois já tínhamos tomado café, utilizamos o banheiro e compramos uma água grande 1.800 pesos. A água mineral é muito cara e a maioria das pessoas tomam água da torneira. Foi à única vez que compramos água no Chile!😏 Pegamos estrada, o Guilherme é super gente fina falou sobre os problemas no Chile, comentou que o sistema de saúde é péssimo, as Universidades são todas particulares, nos mostrou os bairros ricos e os pobres de Santiago, nos disse que o salário mínimo lá se equivale a R$ 1.500 no Brasil, mas o custo de vida em Santiago é alto. A segunda parada que ele fez, foi na ponte, depois uma numa loja, passou o caminho todo falando sobre o frio e que tínhamos que nos proteger e comprar gorros, luvas e etc. Mas na Verdade, a gente nem precisou. Comprei porque fiquei com medo, mas na vdd, nem utilizei quando cheguei lá. Abaixo tem fothênhas meu pouvooo!
       
      Foto da lojinha que paramos pra comprar os acessórios!!! 1 charme, não é? Achei o Chile tão PhoPho!!!
      A Segunda foto foi na Ponte, era bem estreita e só passava um carro de cada vez e detalhe, eles passavam numa carreira só! Vôuteeee! A ponte parecia que ia cair com todos nós! 😳
      Aqui a foto do meu maridão, né?! Não podia faltar!!!

       
      Esse passeio é ôthemoo gentiii, e eu não poderia passar o caminho todo sem tirar fothênhassss, então, toxma foto pra cima!!!!
       

      O boy amaaaa essa touquinha da Alemanha e eu acho...hahahahhaha...🤣

      Fothênhas juntos para registrar o time!

       
      Juro que é a última foto desse passeio, antes de chegar ao Embalse y elso...rsrsrsrsr

       
      Thanrammmm!!! Chegamos, deu pra sentir, né? Beachooo, esse lugar é muito topster!

      Foto de blogueirinho porque eu sou muito Phoda de fotógrafa...ahhahahahahaha...

      Tá, eu confesso que ele é mais fotogênico, mas eu sei encontrar os melhores ângulos...hahahhahaha...Nossas DR's de viagens é sempre por conta das fotos...hahahhahahahah🤣

       
      Apachetas, bom!!! Esse é o meu novo vício! Aprendi que as apachetas eram feitas pelo povo andino para marcar o caminho por onde passavam, desta forma eles poderiam percorrer toda montanha atras de comidas e ervas e na volta, eles conseguiam achar o caminho por contas das apachetas que deixavam. Tem uma brincadeira legal que rola pela America do sul, por onde você for, você faz uma apacheta e pede algo que gostaria de alcançar, diz a lenda que quando a apacheta se desfazer, seus pedidos são realizados. Mas a verdade sobre elas é que quando você para pra empilhar pedras, requer atenção, paciência, calma, concentração e fé. Você acaba buscando o equilíbrio das pedras, quando você finaliza a apacheta, você tem paz! É uma sensação muito Phodaaa!!!
       

      Na volta do passeio, ficamos na rodoviaria do centro de Santiago por volta das 5hs. Pedimos ao guia que nos deixasse por lá. Compramos duas passagens para Pucón, o valor das passagens foi de R$150,00 por pessoa (CLP$ 28.050). O horário de saída do ônibus era umas 21hs, então fomos comer alguma coisa na lanchonete, jogar papo fora e esperar a hora de partida. Compramos cadeiras semi-cama, já que passaríamos à noite viajando que fosse no mínimo um pouco confortável. A viagem de Santiago para Pucon é aproximadamente 11 horas. Os ônibus são bem seguros, tem um sensor de velocidade, o motorista não pode ultrapassar de 100km que ele dispara e todo os passageiros ficam cientes. Ahhh, e no ônibus servem lanchinho!! Recebemos à janta e fomos dormir, quando já estávamos próximos a Pucon, recebemos o café da manhã. Bem Maraaaaaa, né gentxxx! Igualzinho ao Braselllll!
       
      3° Dia - Pucón
      Chegamos em Pucón umas 8hs e tudo ainda tava puta escuroooooo, além de frio! Esperamos o céu clarear mais um pouco dentro da rodoviária e quando deu umas 9hs, saímos para procurar. a merda é que eu tinha me esquecido de ver no mapa a localização porque estávamos sem internet na rua. Passamos horassss procurando e nadaaa! 😢 Ninguém sabia nos informar! A dica é, se puder, compre um pacote de net daqui do Brasil mesmo, ou assim que chegar lá, providencie um chip. Nossa sorte é que encontramos um casal de Argentinos que estavam procurando o hostel deles com um GPS. Gentx, não sei vocês, mas o meu anjo da guarda é muito Phodaaaa e não dorme no ponto. O casal achou pra gente o Hotel Lounge Brasil, o valor da hospedagem foi de R$ 400,00 o casal durante três dias, eu já tinha reservado daqui do Brasil mesmo, utilizei o site da booking, aliás, adoro esse site! Chegamos no Hotel e a recepcionista Maria nos tratou super bem e até deixou a gente fazer o checkin antes da hora. Um beijo Maria, sua lindaaa! Ela aqueceu o nosso quarto, porque gente, Pucon é muitooooo frio e nós fomos no inverno! Chuva era bóiaaaa! Abaixo tem uma fothênha pra vocês verem que delícia de lugar.
       

      Bom, deixamos as malas no hotel e pernas pra quê te quero. Fomo comer alguma coisa e achamos uma subway, lá eles vendem uns sabores diferentes dos daqui do Brasil e tem a opção de guacamole (abacate). Pedimos dois subways e fomos numa agencia (Aguaventura) fechar o pacote das termas geométricas (R$ 120,00 por pessoa), pois eu estava super ansiosa para conhecer. E, que lugar é aquele Brasellll? Conseguimos por um precinho bem em conta, negociar pessoalmente é sempre a melhor opção. O passeio ficou marcado para as 15hs, fomos para o hotel e aguardamos eles irem nos buscar. Tava chovendo e eu fiquei preocupada de estragar o passeio, mas o guia nos informou que dia de chuva é o melhor dia para conhecer as termas 😳, só entendi quando cheguei lá...🤣 Gentxxx, tava um frio de lascar o quengo do ser humaninho ( 0ºC), mas a piscinas são muito quantes (45°C). Pra tirar a roupa foi toda uma oração e quando entramos na água parecia que iriam tirar o nosso couro...hahahha...Mas calmaaaa, isso é o choque térmico. Depois que você se acostuma, não quer mais sair de lá. Eu amei esse lugar, amei Pucon! Olha a chuva de fotos pra vocês sentirem a sensação! Toxmaaaa! Primeiro o boy magia, depois ME!
       

       
      Sai daí boy, que vem chuva de fotos minhas...ahahhahaha🤣🤣🤣🤣

      Nessa, eu tou com friooo!!!

      A água tava uma delícia e o passeio foi adorável. Voltamos à Pucon e programamos o passeio do outro dia que seria escalar o Vulcão Villaricca, mas infelizmente como tava chovendo muito e tinha risco de ocorrer avalanches, não pudemos ir.
      4° Dia - Pucón
      Marcamos apenas um dia de neve na base dele (R$ 120,00 por pessoa). Exploramos a sua base e conhecemos aos arredores. Abaixo tem fothênhaaasss! Conhecemos uma galera Brasileira, só pra variar...hahahhah...Que eram da Baêaahhh! Ôh povo Maraaaa! 😍

      Oiiii, você quer brincar na neve? hahahahha...Brasileiros adoram uma neve, principalmente quando é a primeira vez!!!

      Meu melhor par!

       
      Na volta fomos explorar um pouco a cidade de Pucon, já que só teríamos mais um dia para regressar à Santiago. E gentx, pense numa cidade charmosinha, eu super me encantei, é bem seguro por lá, embora eu tenha sido furtada 🤬... Nunca vacilem com suas coisas, o meu celular estava no bolso do casaco. Fomos num supermercado Eltit que fica na Av. Libertador General Bernardo O' Higgins, próximo do hotel e num picar de olhos, perdi o meu celular. Na saída do supermercado haviam uns peruanos vendendo alfajor, vieram me abordar e eu não quis, quando cheguei no Hotel, fui procurar o meu celular e o canto mais limpo do mundo. Fiquei muitoooo 🤬! Mas voltando ao assunto da cidade, toxma foto pra tu sentir! 


      Tem esse coração próximo da praça, você pode comprar um cadeado e gravar o seu nome e o nome do love, não é phopho!

       
      A areia da praia tem essa cor preta devido aos fragmentos vulcânicos de erupção que ocorrem neste lugar, pois a cidade é arrodeada de vulcão e tem o Villaricca que é um vulcão ativo.


      5º Dia - Pucón
      Bom, chegamos no último dia em Pucon, seguimos para a Reserva Ecológica Huilo huilo, gentx que lugar linduuuu Brasel, e super fofo pra quem tem crianças, eu super indico. Como sou um pouco criança ainda...hahhahahah...adoro essas coisinhas de duendes e fadas. Saca só as fothênhas!


      Quando a bruxinha seduz o boy magia...hahhahahahah🤣

      Tava chovendo muito e na foto não dá pra ver direitinho, mas a água é bem azul, segundo o guia é água de origem glacial, por isso tem essa cor! 😍
       


      Fadinhasssssssss! Gentx, essa fadinha custou 80 pesos, lembro muito bem desse preço!


      Esta árvore enorme atrás de mim é um dos hotéis que tem na floresta encantada, por dentro é super lindo. Dica, se puderem, reservem pelo menos uma noite nesse lugar.

      Olhem como é aconchegante por dentro.







      Fim da nossa estadia em Pucón!!!

      Bora seguir o baile pra Santiago!!! huhuhuhuhuhu...Voltamos com o guia para Pucon, compramos nossas passagens de volta à Santiago, no mexmoo esqueminha. Jantamos no restaurante e seguimos viagem. No ônibus nos deram dois lanches! Um na janta e outro no café da manhã. A diferença é que esse ônibus não fez a mesma rota da ida a Santiago. Ficamos em outra rodoviária completamente diferente e detalhe, no mesmo dilema de sem internet pra descobrir o que fazer.
      6° Dia - Santiago
      Chegamos por volta das 8hs da manhã em Santiago e tudo escuro ainda. Perguntamos a um guarda como faríamos para pegar o metrô. Ele nos explicou direitinho e fomos simbora por esse mundo de meu Deus, eu tava morrendo de medo, pois dizem que em Santiago é mais perigoso e como eu tinha sido furtada em Pucon, tava torando aço. Mas deu tudo certo!!! Ficamos em um hostel no bairro de Providência bem perto do Bela vista, que é um bairro bem badalado pros jovens, tem cerveja, paqueras e drogas...😳...Muitaaaa agitação! Chegamos no hostel Che lagarto, fizemos checkin, ele fica bem no centro, virando a esquina tem o Cerro de Santa Lúcia, muito bonito a vista de lá. Segue fothênhas porque eu sei que vocês já estavam com saudades delas...hahhaha

      Tem o funicular que você pega pra subir e ter uma vista maravilhosa das Cordilheiras dos Andes arrodeando Santiago. Dica, pegue só a opção de ida, é mais barato e você já desce bem próximo ao Costanera. Eu não fui ao Costanera,almoçamos no Restaurante Giratório, enquanto vc almoça, ele dá um giro de 360º graus, desta forma vc vê a cidade toda sem sair do lugar, é super charmosinho. Ah, tem que resevar por que é lotadooooo,o legal é que você almoça ao som do Tom Jobim, delícia, né???

      Pegamos o bondinho pra descer!


      Nas ruas de Santiago!

      Hora do almoçooo!


      8° Dia Santiago - Valparaíso e Vina del mar
      Segundo dia em Santiago, pegamos um metrô e fomos até a rodoviária para pegar um ônibus que nos levasse para conhecer Valparaíso e Vilna del Mar! Dica, evitem os horáriso de pico do metrô pois as passagens ficam mais caras. Fechamos um pacote turístico quando chegamos em Valparaíso, pois sozinhos nos perderíamos e lá é um pouco esquisito, mas a grande vantagem mesmo é que eles otimizaram o nosso tempo e conseguimos ver os dois lugares em um dia só. Pechinchei e consegui um precinho bem em conta dizendo que éramos estudantes...ahahahhah...Segue mais fothênhassss!

      Valparaíso é um charme gentx e super colorido, cada casa tem uma cor, e muito grafite nas paredes, dá pra tirar fotos bem legais. Eu super me apaixonei!!!!



      Depois do almoço fomos para Vina del mar, é uma cidade vizinha,ela é governada por uma prefeita mulher e ela faz questão de espalhar flores pela cidade. É muito phopha!!! Saca as Fothênhassss!



       
      Bom gentx, esse foi o meu roteiro no Chile, eu espero voltar, pois quero muito conhecer o deserto do Atacama e a Ilha de Páscoa.
      Eu vou dá uma procurada na minha agenda de viagens para disponibilizar alguns valores pra vocês, porque eu não lembro de cabeça.
      Xêru e segue o baile pra próxima viagem!!!

      20170610_123029.mp4
    • Por MARCELO.RV
      Olá pessoal, começando aqui mais um relato da minha segunda viagem pela América do Sul, rodamos 30 dias, saímos de casa dia 22/12 e chegamos dia 21/01, somos eu, minha esposa e minha filha de 13 anos, vou tentar detalhar o que for mais relevante para os viajantes. Em relação a preços, por onde passamos tem hotéis, hostels e campings para todos os gostos e preços, então esta parte aconselho uma boa pesquisa para adequar melhor o orçamento ao estilo da viagem, o que foi bom e barato pra mim talvez não seja para outra pessoa e vice-e-versa, todas as minhas reservas foram feitas pelo Booking e pelo AirBnB, e outros não reservei, cheguei na hora e procurei ou pesquisei antes pela internet e já fui como uma referência. Vale lembrar que viajo com criança, então todo meu planejamento tento considerar no máximo 2 dias seguidos de estrada, senão fica desgastante demais, na parte final da viagem tocamos 6 dias direto, mas não tivemos muita alternativa e vou contar no decorrer do relato. Todos os valores que eu colocar serão em reais, abaixo algumas informações:
      Equipamentos: cambão, extintor, kit primeiros socorros, 2 triângulos, carta verde(Argentina e Uruguai, fiz com a Sul América, 156,00 para 30 dias), Soapex(Chile, faz no site da HDI, super tranquilo a 11 dólares) e colete reflexivo, levem todos, fui roubado em 100,00 por causa do colete, situação que vou narrar abaixo.
      Gasolina: Na minha região o preço estava 4,79 o litro, abasteci em São Paulo a 3,83, em Gramado o preço chegou a 5,00, então não abasteci lá, voltei a abastecer novamente a 4,69 depois de descer a serra. Na Argentina região de Federación 4,59 e descendo rumo a patagônia por volta de 3,35, na patagônia o governo dá um subsídio para a gasolina, então é mais barata.
      Nossa rota principal foi : Gramado/Canela, Federación, Bariloche, Pucón, Puerto Varas, El Chaltén e El Calafate, mas ao longo de toda a rota tivemos diversos lugares interessantes.
      1º dia 22/12 – Cons. Lafaiete – MG X Curitiba – 1000km – Apenas deslocamento, sem nada de atrativo na estrada, ficamos preocupados em passar por São Paulo sendo véspera de feriado, mas correu bem, sem congestionamento que era o meu medo. Basicamente saindo da minha cidade pego a Fernão Dias em Carmópolis de Minas e depois de São Paulo a Régis até Curitiba.
      2º dia 23/12 – Curitiba X Canela – 734 km – Dia também para deslocamento, sem muita coisa, apenas estrada.
      3º dia 24/12 –  Canela – Coloquei no planejamento ficar em Canela e passear em Gramado que estava espetacular por causa do Natal Luz, conseguimos uma apartamento montado por 710,00 as 2 diárias, pela época o preço foi razoável, e o lugar muito bom. Subimos a serra que é muito bonita e pouco antes de Canela a estrada começa e ficar florida com belas plantações de hortênsias.
      Apart em canela https://booki.ng/2G1d7yq
       



















    • Por [email protected]
      oi estou planejando uma viagem para o chile e gostaria de saber se pucon vale a pena ?
    • Por Júnia Pimenta
      [info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre a cidade de Pucón. Se você está com alguma dúvida em relação à cidade, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece Pucón, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info]
       
       
      [linkbox]Guia da Região dos Lagos por Mochileiros.com
      Escreva seu Relato sobre Pucón
      Procurando companhia para viajar para Pucón? Crie seu Tópico aqui!
      Região dos Lagos - Tópico de Perguntas e Respostas
      Pucón - Tópico de Perguntas e Respostas
      Puerto Varas - Tópico de Perguntas e Respostas
       
      Relatos sobre Pucón:
      Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro Leo Caetano
      Relato sobre viagem de dezessete dias ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro apmontenor
      Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro marcosplf
      Relato sobre viagem de ônibus ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro Robson Cesar
      Relato sobre viagem de carro ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro Mário Luc
      Relato sobre viagem de treze dias ao Chile, incluindo Pucón pela mochileira Cascia
      Relato sobre viagem ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro Sergio Soares
      Relato sobre viagem de dezesseis dias ao Chile, incluindo Pucón pelo mochileiro Furuta
      Relato sobre viagem de dezesseis dias ao Chile, incluindo Pucón pela mochileira Ana Biazzi
      Relato sobre viagem de vinte dias ao Chile, incluindo Pucón pela mochileira Erika Marques[/linkbox]
    • Por AndrewOliveira
      E aí gente, estive em pucón agora em dezembro, a cidade é incrível, muita atividade pra fazer!! A ascensão do Villarrica estava rolando normalmente, o problema é que estava na faixa dos 80 mil pesos, e a maioria das pessoas do hostel que fizeram a ascensão , reclamaram que os guias não estavam indo até o cume, porém outros disseram que foram até o cume sem problemas, se você estiver com a grana curta, sugiro fazer o Mountain bike até o base do vulcão, onde você sobe a pé até certo ponto do vulcão (na neve) e na volta faz um Mountain bike nível 2 de dificuldade com direito a uns 3 km de descida na estrada del vulcan, além de um tour de bike pelos principais pontos do centro de pucón. Tudo isso por 20 mil pesos! A agência é a Trepa Expediciones , e quanto ao hostel, pra quem estiver fazendo um mochilão mais econômico, eu indico o Lacustre Trip Hostel, lugar super aconchegante, com vários ambientes legais, e 8 mil pesos a pernoite.
      Para a alimentação procurem o Vulcan Burguer, os sanduíches são enormes! Abraços!


×
×
  • Criar Novo...