Ir para conteúdo

Posts Recomendados

  • Respostas 246
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

Saindo de ônibus de Curitiba as 23h00min chega as 06h00min horas em Foz do Iguaçu e vice versa, o custo da passagem, fica em torno de R$ 140,00 aproximadamente ida e volta, e se sair de São Paulo dire

Olá Pessoal! Além do ótimo guia criado pelo membro abaixo, como morador da cidade, tenho algumas dicas básicas mais abaixo.... foz-do-iguacu-guia-de-informacoes-t30067.html   Dicas pessoais de pas

Não, no exterior somente passaporte, e no caso da America do Sul,  RG em bom estado e de preferência recente, são aceitos como documento de identificação.

Posted Images

  • 1 mês depois...
  • Colaboradores

Paraguay não tem nada em especial para conhecer,apenas as missiones jesuiticas,porem essas ficam na fronteira com Argentina,perto de Encarnacion.

É longe,não dá tempo de ir.Empresa-Nuestra Señora de Assunción,uma das poucas coisas boas deste triste pais.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 semanas depois...
  • Membros
Onde e mais barato comprar roubas de frio , em Ciudad del Leste ou Puerto ? ( ou ate mesmo Buenos aires )

 

Estou indo para patagônia passando por foz e vou ter oportunidade de passar por lá se necessário ...

 

Paraguai não tem. Principalmente se for algo mais técnico.

 

Oq vc chama de algo mais Técnico ?Corta vento por exemplo ?

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores
Onde e mais barato comprar roubas de frio , em Ciudad del Leste ou Puerto ? ( ou ate mesmo Buenos aires )

 

Estou indo para patagônia passando por foz e vou ter oportunidade de passar por lá se necessário ...

 

Roupas de frio baratas você encontra...mas com as mesmas qualidades de um shopping popular. Como Patagônia é um local que você vai precisar de roupas de qualidade ou técnicas, pesquise bem antes, você até pode achar alguma que lhe atenderia, não recomendo.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 mês depois...
  • Membros

Estive em Foz na última de semana do mês de Outubro/2016, segue algumas dicas:

 

Hospedagem: Hotel Águas do Iguaçu - diária casal: R$ 154,00. Localização excelente, na av. Brasil, uma avenida que possui um comércio enorme, várias lojas e alguns Restaurantes e Bares. O hotel fica a menos de 300 m do TTU (Terminal de Transporte Urbano), deste Terminal saem ônibus p/ diversos lugares como: Aeroporto, Cataratas, Templo Budista, Ponte da Amizade, Itaipu etc. Nas Ruas adjacentes ao Terminal passam ônibus p/ a Argentina e Paraguai.

Um táxi do aeroporto até o Hotel custa aproximadamente R$ 60,00 (Outubro-2016).

 

Cataratas Brasileiras: fui de ônibus de linha, demorou uns 50 minutos até chegar nas Cataratas (o ônibus passa no aeroporto).

 

Cataratas: Sensação indescritível, clima impressionante, paisagens maravilhosas!! Duração aproximada para curtir a paisagem e tirar diversas fotos: 2 h e meia (sem incluir os passeios). Dentro do Parque das Cataratas há um Restaurante, salvo engano, o custo do buffet livre por pessoa era de R$ 72,00. Comi um Hambúrguer reforçado(relativamente grande, 02 hamburguers) por R$ 19,90 em um lanchonete.

 

Passeio Macuco Safari: Duração aproximada incluindo os deslocamentos: 1 H e 45 min. Se vc for até as cataratas este passeio é indispensável. Se vc adquirir o passeio através deste site de descontos: http://ticketloko.com/ conseguirá aproximadamente R$ 25,00 de desconto em cada ingresso. Existe tb a loja física deste site localizada na Av. Brasil, ao lado do Hotel Águas do Iguaçu. Existe tb o Macuco do lado Argentino das Cataratas, custa uns 90 reais a menos e o barco deles me pareceu melhor e maior. o Barco (lancha) do Brasileiro é mais elevado, portanto quem não vai na parte da frente não tem uma boa visão. Além do que, o piloto vai no meio da lancha e o argentino vai no fundo do barco.

 

Cataratas Argentinas: fui por conta própria, de ônibus de Linha. Passeio por Agência estava cobrando R$ 90,00 por pessoa (sem ingresso). Peguei o ônibus que vai para Puerto Iguazu (Argentina) em uma Avenida ao lado do TTU (Terminal de transporte Urbano), Salvo engano, o ônibus passa de 1 em 1 hora. Valor: R$ 4,00. É obrigatória o desembarque na Aduaneira Argentina, os funcionários conferem seus documentos (não leva mais do que 10 minutos) Vc desembarca no Terminal de Puerto Iguazu e pega outro ônibus que sai de 20 em 20 min (custou 130 pesos - ida e volta inclusas, aproximadamente 27 reais, o peso estava 5 para 1 real) . A entrada no Parque Argentino tb é em Pesos. (250 pesos para Brasileiros). Para se fazer câmbio existe uma Agência dentro do Supermercado Muffato, localizado há 100 m do TTU, a cotação estava bem favorável. Também existem diversas agências na Avenida Brasil, próximo ao Hotel Águas do Iguaçu. Dentro do Parque aceitam reais e dólares. O Transporte no interior do Parque é feito através de pequenos trens que partem de 30 em 30 minutos. Prepare-se para caminhar bastante, Existe o circuito Inferior, o Superior e o que leva até a famosa Garganta do Diabo. Na maior parte do caminho andamos em passarelas de ferro sobre as águas do Rio. Acho que no total percorremos uns 6 km. Vale a visita, a paisagem é totalmente diferente da do lado do Brasil. No lado Argentino vemos as cachoeiras em sua maioria, na parte de cima. A sensação e a visão da Garganta do Diabo é incrível!!! Duração aproximada do passeio dentro das Cataratas Argentinas: 4 h e meia. Duração do ônibus do Brasil até o Terminal argentino: 50 minutos. Duração do ônibus Terminal de Puerto Iguazu - Cataratas: 20 minutos, aproximadamente.

 

Usina de Itaipu: existe diversos passeios, fiz o da Visão Panorâmica: R$ 31,00. No início é exibido um vídeo num telão, aproximadamente 10 minutos de duração. Logo após embarcamos em um ônibus panorâmico que sai de 30 em 30 min. Duração: 1 H e 40, aproximadamente.

 

Templo Budista: fui de ônibus de Linha, saindo do TTU. Duração aproximada do deslocamento: 35 minutos. O Templo se localiza próximo à Ponte da Amizade, em local elevado. Duração aproximada do passeio, incluindo tempo destinado para fotos: 35 minutos.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Silnei changed the title to Foz do Iguaçu

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Felipao86
      Olá pessoal,
      Dando seguimento aos relatos de viagens que tenho feito desde 2013, vou relatar os 5 dias que passamos em Foz do Iguaçu, de 03 a 08 de fevereiro de 2015.
       
      Como já tem um tempo que fomos, não lembro de todos os detalhes, mas caso tenham alguma dúvida posso tentar olhar em anotações antigas.
      Meus relatos também são mais sucintos, fiquem a vontade para perguntar qualquer coisa.
      Voamos pela Gol com escala de 10 horas em Curitiba, tempo suficiente para uma esticada até o maravilhoso Jardim Botânico, arredores e também o Mercado Municipal, que fica ao lado da Rodoviária.
      Curitiba é muito linda, arborizada e fácil de locomover. No aeroporto você pega um mapinha da cidade. De lá tem um ônibus executivo (R$12,00) que te leva até a rodoviária dura em torno de 40 min o trajeto e de lá pegamos um taxi até o Jardim Botânico.
      Andamos bastante, tiramos muitas fotos admirando aquele lugar fantástico. Imagino que os jardins na Europa sejam nesse nível para cima!
       

       
      Ao final da tarde voltamos ao aeroporto e pegamos o vôo para Foz. Foi o pior vôo da minha vida, turbulência grave, muitos trancos, estava um tempo muito fechado e com muita chuva. O comandante avisou que talvez teríamos que ir para Maringá mas no final deu tudo certo. Foi a primeira vez que senti medo dentro de um avião (até hoje ainda não voltei 100% ao normal, rs).
      Lá no Aeroporto de Foz tem um ônibus coletivo que leva até o terminal da cidade (não lembro agora os nomes, mas é super tranquilo). Descemos perto do hotel e termimanos de chegar de taxi (agora que não deu nem 10,00).
      Ficamos hospedados no Hotel Blue Star II (reservas pelo booking): é um hotel bem simples, mas tem ar condicionado, bom chuveiro e frigobar. Café da manhã honesto. Pagamos 80,00 reais a diária. Ele fica próximo a um shopping onde fizemos muitas refeições (ruins né, comida de shopping).
       
      Dia 1: Cataratas do Iguaçu (lado brasileiro) e Parque das Aves
      Após o café da manhã, pegamos o ônibus perto do hotel até o terminal e de lá o ônibus que vai até o parque das Cataratas (é o mesmo que vai até o aeroporto);
      No terminal de ônibus tem um quiosque de informações turísticas.
      Ingressos para o parque comprados (24,00 por pessoa para brasileiros) vc pega um ônibus panorâmico e vai até a entrada da trilha. O restante do caminho é feito a pé e em vários pontos há mirantes para apreciar a beleza das cataratas.
      Realmente é algo indescritível, a beleza das quedas d´água, o vapor e o barulho da água é muito relaxante. Uma sensação de contato com a natureza muito intensa e tranquilizante.
      Durante toda a manhã fomos apreciando as cascatas e tirando muitas fotos.

       
      Nos divertimos com os quatis tentando roubar frutas da bolsa de uma francesa e os monitores do parque dando orientações.
      Aliás, a infraestrutura do parque brasileiro é fantástica, tudo muito limpo, organizado e bem sinalizado.
      No meio do caminho tem uma trilha para o Macuco Safari, que é um passeio de barco pelo rio com visita a quedas d´agua. Na época acho que custava 140 reais por pessoa. Não fizemos porque sabíamos que no lado argentino tem o mesmo passeio (mais completo na verdade, pois tem mais cascatas que a lancha te leva) pela metade do preço.
      O gran finale do passeio é chegar até a garganta do diabo por baixo, através daquele mirante. É impossível não se molhar todo, mas é muito gratificante.
      E vale a clássica foto do pica pau, rs
       

      Lanchamos na praça de alimentação (combo sanduba com fritas e refri, 25 reais cada);
      À tarde fomos ao parque das aves, é só atravessar a rua do outro lado do parque e já está na entrada.
      A entrada custa 24 reais por pessoa.
      Eu achei que ia curtir o parque porque vi por outros relatos, mas eu gostei demais! Demais mesmo! É cada pássaro mais lindo que o outro, é incrível ver como a natureza é diversificada.
      E outra coisa, o parque é imenso! Gastamos mais tempo nele do que no parque das Cataratas.
      A parte mais legal é quando você entra num viveiro de araras e elas ficam voando acima de você fazendo um barulho ensurdecedor.
      Uma pena que a bateria da minha câmera e do celular acabaram logo no início do passeio, não deu para tirar muitas fotos.


       
      Ao final do dia voltamos para o hotel e à noite comemos um japa (bem ruim) no shopping que fica perto.
       
      Dia 2 – Cataratas (lado argentino)
      Primeira coisa: se você quer conhecer bem as Cataratas a visita ao parque do lado argentino é indispensável. Primeiro porque o parque é muito maior, segundo porque você tem uma vista diferente (no lado brasileiro você vê bem as cascatas, do lado argentino você fica em cima delas) e porque a visão da garganta do diabo é incrível.
      Tínhamos lido como ir de ônibus até o parque, mas seria demorado e custoso. Ficamos sabendo de um hostel que fazia um transfer ida de volta por cerca d 30,00 reais e lá fomos nós!
      Por esse preço não esperava nenhum luxo, mas fomos numa van toda vandalizada (rs). O carro quase desmontou no meio do caminho. Fomos eu e minha esposa e um casal de franceses só.
      Demoramos demais na imigração argentina porque os funcionários estavam de greve no dia. Uma hora depois seguimos viagem.
      O parque argentino é mais rústico, sua infraestrutura é mais simples, porém nós gostamos muito mais do que o lado brasileiro. Você também tem maior contato com a fauna local. É bem maior e com 3 circuitos: inferios, superior e Garganta do Diabo.
       


       
      Fomos por todos eles, começando pelo Circuito Inferior. A todo momento você se vê acima das cascatas, a sensação de vertigem aumenta muito e vamos saboreando cada um desses momentos incríveis.
      Existem placas informativas (em espanhol e inglês) com a flora e fauna características.
      Prepare-se, é um dia inteiro de caminhada! Muitas, mas muitas trilhas de caminhada!
      Na hora do almoço fizemos o passeio com a Aventura Nautica, similar ao Macuco Safari, porém muito mais barato. Show de bola, você vai até debaixo de uma das cataratas, a sensação de refrescância naquele calor que fazia foi tudibom!
       


       
      O mais legal fica no final, que é a garganta do diabo. Você pega um trenzinho interno e depois tem que andar bastante até chegar na boca da garganta. A sensação é indescritível, parece que ela está nos sugando para baixo. Muita gente fica tonta no local.
      Ao final do passeio ainda passamos por um museu que conta a história da criação do parque e da colonização da região como um todo.
       

       
      Esse dia foi muito cansativo, fomos direto para o hotel dormir, exaustos!
       
      Dia 3 – Itaipu: A pedra que canta!
       
      Tinha grandes expectativas desse dia. Me lembro de ter estudado itaipu quando nas aulas de geografia do ensino médio e queria muito conhecer a estrutura do lugar. Gente, não tem cabimento aquilo, é uma obra gigantesca, própria mesmo de obras do regime militar. A imensidão de concreto a sua frente é difícil até de calcular.
      E o legal de itaipu é que o turismo lá deixou de ser simplesmente uma visita panorâmica à usina. O lugar virou um verdadeiro complexo de atrações.
      Nós fizemos 3 passeios durante o dia: circuito especial (é a visita mais completa na hidrelétrica, te leva até o centro de comando – 61,00), o polo astronômico (tem um planetário, mas achei bem fraquinho – 17,00) e o Ecomuseu (tem um museu contanto um ponto da construção da hidrelétrica e o impacto ambiental causado – 10,00). O site é bem organizado, dá pra comprar direitinho com os horários (http://www.turismoitaipu.com.br)
       


       
      O dia passa muito rápido nesse lugar. Realmente incrível.
       
      À noite fomos comer na churrascaria do Gaúcho (http://www.churrascariadogaucho.com.br), tinha um rodízio de carnes razoável mas com um bom preço (acho que era 25,00 reais por pessoa).
       
      Dia 4 – Ciudad Del Este e Puerto Iguazu
      O dia internacional da viagem. Decidimos ir a Ciudad Del Este ver o que era de tão barato lá. Na época que fomos estava acontecendo uma reforma na Ponte da Amizade de modo que era mais rápido atravessar andando do que de moto ou carro.
      No meio do caminho da ponte fui parando para tirar umas fotos e distraído meu celular caiu no chão. Por muito pouco ele caía no rio. A vantagem é que já estava mesmo indo ao Paraguai, mais fácil de comprar outro, rs.
      É realmente um local totalmente voltado par compras. Mil lojas e shoppings, vendedores ambulantes na rua e que não lhe deixam em paz nenhum minuto. Detestei. Tive a mesma sensação quando passei na Calle Florida em Buenos Aires. Só tinha um pouco de sossego quando entrava em algum shopping.
      Mas de fato é tudo bem mais em conta. Minha esposa comprou um celular pela metade do preço e perfumes com uns 40% de desconto. Ainda conseguimos pechinchar um massageador de “brinde”.
      À volta para o Brasil é aquela tensão, mesmo sabendo que não tínhamos extrapolado o limite de compras (acho que é 300 dólares), os fiscais da receita ficam de olho em qualquer um suspeito. A fiscal parou um cara bem na minha frente que parecia ter acabado de comprar um notebook.
      (Um detalhe que muita gente esquece: a fiscalização no retorno ao Brasil pela ponte é aleatória, porém no aeroporto de Foz é obrigatória para TODOS. Antes do check-in tem um Raio-X da receita e todos devem passar por ele. SE não me engano lá eles apreendem mesmo mercadorias suspeitas. Fiquem atentos).
       

       
      Voltamos ao hotel para descansar um pouco pois à noite iríamos conhecer Puerto Iguazu, cidade argentina fronteiriça.
      Fomos e voltamos com uma van combinada com o cara do hostel (o mesmo que arrumou nosso transporte para o parque das cataratas do lado argentino).
      Lá em Puerto Iguazu o lance é visitar as lojinhas de temperos, vinhos e alfajors e comer em alguns daqueles restaurantes. Ficamos em um e pedimos uma porção de bife de chorizo, que não estava muito boa e fez minha esposa passar mal à noite.
      No entanto, compramos um azeite delicioso que até hoje usamos em casa. Muito bom mesmo!
       
      (Vou ficar devendo fotos de Puerto Iguazu, esquecemos a câmera no hotel!).
       
      Voltamos ao hotel já de madrugada. No dia seguinte pela pegamos o vôo de volta para casa (e vimos muita gente tomando multa na fiscalização da Receita antes do Check-in).
       
      Resumão: um lugar incrível, que até hoje tenho vontade de voltar pelas belezas naturais. Realmente as cataratas são uma das maravilhas do mundo. Itaipu também foi bem surpreendente.
      Não voltaria a Puerto Iguazu nem Ciudad del Este.
      Faltou visitar o templo Budista, que dizem ser bem famoso, e o Marco das 3 Fronteiras.
      Obrigado pessoal. Qualquer dúvida estou a disposição.
    • Por Makukey
      Estoy saliendo del uruguay día 01/01/2021 de montevideo hasta Foz do Iguaçu y de foz hasta ushuaia de carona alguien quiere aventura?
      Whatsapp: +598096221755
    • Por MAQ1981
      Ola pessoal,

      Tenho 20 dias férias (sem chance de negociação) em Agosto/2020 e planejo viajar de carro (com esposa e filha de 18 meses) até Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS e depois Foz do Iguaçu.
      Sim. Só viajaremos se a questão do COVID19 tenha de fato amenizado. O que não parece ser o caso.
      Mas vou seguir com o planejamento e decidir na véspera...

      O trecho entre São Paulo e Floripa eu conheço bem.
      Planejo fazer uma parada de 1 noite em Curitiba e 3 noites em Florianópolis e então seguir para  Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS.

      A ideia é não fazer trechos muito longos de carro (> ~5hs) para não deixar minha filha muito irritada e cansada.

      Porém, o trecho entre Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS até Foz do Iguaçu está um quebra cabeça.

      A ideia a principio era sair de Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS e seguir até Chapecó e passar 1 noite para então seguir viagem.
      Porém os trechos de Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS até Chapecó e então Foz do Iguaçu são bem longos (~8hs)
      Tenho simulado diversas opções de caminho, cogitando 2 paradas antes de Foz do Iguaçu, mas as cidades mais promissoras ficam aproximadamente ~6hs.

      Alguém conhece essa região e poderia sugerir uma roteiro entre Praia Grande-SC / Cambará do Sul-RS até  Foz do Iguaçu?

      Obrigado. Grande Abraço!
      Marcelo
    • Por MatheusMTH
      Gente quando acabar esse infeliz episódio do coronavirus eu pretendo ir a Argentina, porém planejei ir de Fortaleza até Foz do Iguaçu e de Foz até Puerto Iguazu e me hospedar por lá, porém reparei agora que não existem linhas de ônibus direto de Fortaleza pra Foz, alguém com mais experiência pode me dar uma força? Uma ideia
    • Por Danilocnavarro11
      Já pensou em ir pra Ushuaia sem gastar 1 centavo com hospedagem e viajando a maior parte do tempo de carona?
      link do vídeo 1 da viagem no youtube: https://youtu.be/GpeOd9NBSKE
      Foi o que eu e minha namorada fizemos. Saímos do interior de SP com o único objetivo de chegar a Ushuaia aproveitando ao máximo o caminho. Sem muito dinheiro, precisávamos economizar de todas formas disponíveis. Os maiores gastos geralmente são: 
      A hospedagem, o transporte e a alimentação. 
       
      Para a hospedagem levamos uma barraca e usamos o couchsurfing. 
       
      Para o transporte pedimos carona ao longo de toda Ruta 3, o que nos rendeu experiências incríveis e amizades inesquecíveis.
       
      E para a alimentação simplesmente cozinhavamos sempre que possível e muitas vezes nossos anfitriões faziam comidas incríveis para a gente. Também pedimos frutas em hortifrutis (detalhes no texto).
       
      Nosso primeiro destino foi Foz do Iguaçu. Optamos por ir de avião para lá, pois no fim das contas sairia muito mais barato do que ônibus, além de mais rápido. Chegando lá a gente se hospedeu pelo couchsurfing com a María e seu gato Naru. Que foram muito receptivos. O couchsurfing é uma plataforma para pessoas apaixonadas por viajar que gostam de compartilhar suas experiências e ajudar o próximo. Se ainda não usa, procure para sua próxima viagem. Conhecer as pessoas locais dessa forma deixa tudo na viagem mais orgânica e imersiva. Ficamos uns cinco dias em Foz e depois partimos. 
      <iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/GpeOd9NBSKE" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe> Em Buenos aires novamente utilizamos o couchsurfing. Foi bem fácil encontrar hospedagem por lá. Quem nos hospedou foi a Eliana e sua família. Foi tudo tão bom que em poucos dias já nos sentíamos parte da família. Ela tinha aquele jeito mãezona, que nos deixa aconchegado e bem a vontade. Entre as conversas com eles, nos falaram e ressaltaram do frio que iria fazer em Ushuaia, pois o inverno estava chegando. E do quão mal equipados estávamos. Aliás, se fôssemos comprar tudo que aconselhavam para o frio intenso de lá, não nos sobraria um tostão para viajar. E além de uma bota de cem reais que achei na decatlhon, fomos apenas com o que já tínhamos. Na ignorância de dois Sorocabanos que mal conhecem o frio e que o mais perto de neve que já tinham visto era o gelo que acumula no congelador. Mal sabíamos que além de toda a beleza da neve, ela também pode doer. 
       
      Aqui vale ressaltar uma recomendação muito importante: Jamais, mas jamais vá de jaqueta de couro para Ushuaia ou para qualquer lugar frio. É simplesmente estúpido. Você vai sofrer. E no caminho tem cidades piores que Ushuaia. É frio, e venta muito no caminho. Então seja sensato, e gaste um pouco mais com uma boa blusa impermeável, térmica e sei lá mais o que. Se proteja do frio. Ele dói e a neve machuca! A gente precisou comprar lá em Ushuaia. 
       
      Voltando a Buenos Aires, demos uma volta por lá e a Eliana nos mostrou um pouco da cidade. Depois fomos a Puerto Madero, a Casa Rosada e outras partes turísticas da cidade que todo mundo já conhece. 
       
      Aqui vale dar outra dica importante também para alimentação. Em tempos de crise, ou como eles chamam na Argentina, Macrise, desperdício de alimento é de partir o coração. Então deixei a vergonha de lado, e como lá são muitos os hortifrutis e suas frutas estragam quando não são vendidas, amadurecem e vão direto para o lixo, e entre essas frutas têm muitas partes boas e comestíveis, resolvi tentar pedir, como diria em castellano, se eles não poderiam ajudar um casal de viajantes sem muitos recursos, mas com grandes sonhos, a nos darem “unas frutas más maduras”, e todas as vezes as respostas foram positivas. E na maioria das vezes conseguiamos umas frutas boas. Além da economia, a parte mais bacana disso e das caronas é sair da mesmice, da sua zona de conforto. Se abrir para novas possibilidades, sem julgamentos e confiar no simples altruísmo das pessoas. Isso nos dá certa motivação, sabe. Que o mundo pode ser um lugar bom.
       
      Então se você tem uma vontade de viajar, mas não tem muita grana, não tem problema, é importante, antes de mais nada, querer. E simplesmente ir. 
       
      Depois relato mais. Mas basicamente fomos depois para Bahia Blanca, Viedma, Puerto Madryn, Trelew, Comodoro Rivadavia, Rio Gallegos e Ushuaia.
       
      Infelizmente peguei um vírus que encriptou todos os vídeos da viagem e tô bem bolado com isso. Então será só esse vídeo mesmo. Mas logo faço de outros lugares. Estamos fazendo um canal, e tô querendo ir subindo bastante conteúdo de viagem
       
      Tô fazendo uma página no insta também junto com minha namorada que me acompanha nas loucuras. Ver se consigo produzir vídeos e quem sabe viajar de graça futuramente haha 
      https://www.instagram.com/viajandomais_/
       
       






×
×
  • Criar Novo...