Ir para conteúdo

Croácia em 10 dias (em detalhes, com dicas e fotos)


Posts Recomendados

  • Membros

Dicas iniciais:

  • Dólar ou euro? Como a Croácia (ainda) não faz parte da EU, a moeda por lá é a Kuna, e podem surgir dúvidas se o melhor é levar dólar ou euro, baseado em flutuações do câmbio. Não tive ninguém para me orientar nesse caso, levamos dólar, pois ouvimos dizer que o Euro estava em baixa. Foi um erro. A boa é levar Euro. Por um simples motivo: a aceitação de cartão de crédito lá (tirando, é claro, na capital) não é das maiores. Muitos (eu arriscaria dizer, quase metade dos) restaurantes, pousadas e albergues só trabalham com dinheiro. As hospedagens todas tabelam seus preços em euro e podem receber em euro também. Se você tiver apenas Kunas (ou pior, dólares), eles calcularão o o valor baseado no preço em euro com uma taxa cambial nada amigável, sempre acima da que você trocou suas Kunas na casa de câmbio mais próxima.
    Carteira de motorista: não precisa da PID (Permissão Internacional). Basta sua CNH para alugar carro e dirigir por lá.
    As estradas são boas e bem sinalizadas, especialmente as highways. GPS você só vai precisar para dirigir nas cidades grandes.
    Para não se assustar com o pedágio (como nos assustamos), lá funciona assim. Ao entrar em uma highway, você passa por uma cabine, onde não tem ninguém, apenas aperta um botão e pega um ticket. Você paga ao sair da estrada, e o valor é calculado dependendo da distância percorrida.
    Quanto à língua, não se preocupe, todo mundo lá fala inglês, até os motoristas de ônibus e funcionários de um posto de gasolina no meio do nada. Claro que há exceções, mas são raríssimas.

 

Vamos ao relato...

 

Dubrovnik (3 noites)

 

[align=center]20120904210536.JPG

 

20120904210626.JPG[/align]

 

Chegada: de avião, a partir de Frankfurt. Aqui tivemos uma desagradável surpresa de boas-vindas. Como fazemos sempre, a primeira coisa que fizemos foi trocar 100 dólares no aeroporto para pegar um taxi direto para nosso hotel. Ao comunicar o destino ao motorista, este nos informou que o local era “fora” de Dubrovnik (ele se referia, naturalmente, à cidade velha), o que já me desanimou. Mas pior ainda foi ver quanto deu a corrida: 360 Kunas, mais de 60 dólares - um assalto! Pois é, preparem-se, taxi em Dubrovnik é o mais caro que já vi na vida.

 

Hospedagem: Paradis Apartments.

De fato era “fora” de Dubrovnik, ficava a cerca de 6km do centro. O que não seria um problema caso houvesse um sistema de transporte público bom e frequente, coisa que não havia. Lá só existem ônibus em horários específicos, e eram necessários dois ônibus, um até a rodoviária, e outro circular, para chegar ao centro. Ou seja, estávamos mal localizados. Uma pena, pois a pousada em si, é ótima. Quarto muito confortável e donos super simpáticos e solícitos. Mas não recomendo por ser longe (mesmo), não vale a pena.

 

Depois de nos acomodarmos e conhecer as redondezas da pousada (que tinha até uma praia própria - a primeira que conhecemos da Croácia), fomos ao centro (naquele esquema: dois ônibus). Belíssima surpresa ao chegar a cidade velha e adentrar o portão. Encontramos uma cidade medieval lindíssima, super bem preservada, lotada de turistas e recheada de lojas e restaurantes de todos os tipos. Perambulamos um pouco e já agendamos um passeio à Mljet, para dois dias depois, tida como uma das ilhas mais lindas do Adriático. Achamos o custo alto (540 Kunas), mas não pesquisamos e não queríamos correr o risco de perder este passeio, pois era limitado. O passeio mais famoso em Dubrovnik é o das “3 Ilhas”, é um barco grande que vai nas 3 principais ilhas, inclui almoço. Me pareceu ser meio bagunçado, num barco meio vagabundo, então preferimos esse de Mljet que era mais reservado.

 

No dia seguinte, optamos por conhecer melhor a cidade velha (fazer o passeio pela muralha) e depois, a tarde, conhecer uma ilha por conta própria. Compramos o ingresso ferry (coisa de 45 Kunas) e fomos para a ilha Lopud, que é uma das únicas a ter praia com areia fina. É bonita, mas não tem nada demais. Parece uma praia qualquer de Búzios. Talvez uma outra ilha (que faz parte do passeio “3 ilhas”) seja melhor.

 

Chegou o dia do passeio à Mljet. Nos buscaram no nosso hotel para nos levar ao Ferry. É o mesmo Ferry que todos pegam. Achei que era uma coisa privada, mas não. Tivemos que entrar na fila com todo mundo. Chegando lá, uma van nos esperava para nos levar ao outro lado da ilha, onde um barco nos esperava. A ilha tem dois lagos, e em um dos lagos, uma mini-ilha aonde tem um mosteiro do século XII. O barco nos levou a este mosteiro com o guia nos passando informações meio apressadamente. Toda visita ao mosteiro não levou mais de 20min - achei meio corrido. Depois pegamos o barco de volta e fomos ao lago menor, onde o guia nos informou que teríamos 3h livres. Há opções para aluguel de bicicleta, canoa e kayak. Ou pode-se apenas passear pelas trilhas bem preservadas e pavimentadas do local. Optamos pela canoa e depois ficamos relaxando. Passadas as 3h, caminhamos até o outro lado da ilha (cadê a van?) para almoçar. O almoço foi em um restaurante bem caseiro, com uma mesa enorme no subsolo de uma casa. Canja de entrada, peixe com batatas e cebola, fruta de sobremesa. Bebidas a parte. Almoço meia-boca para um passeio tão caro. A ilha é de uma beleza incrível, vale muito a visita, mas o passeio está bem caro para o que ofereceram. Se quiserem fazer, procurem um mais em conta. Na volta, pedimos para nos deixarem no centro, pois seriam nossos últimos momentos em Dubrovnik, queríamos jantar na cidade velha.

 

Split (1 noite)

 

[align=center]20120904210705.JPG

 

20120904210746.JPG[/align]

 

Chegada: de ônibus, a partir de Dubrovnik.

São apenas 209km que separam as duas cidades, mas a viagem durou quase 5h. São alguns os motivos para tamanha lerdeza:

1) a estrada é costeira, apenas uma pista para cada sentido

2) existem dois pontos de controle de passaporte, pois a estrada faz uma breve incursão na Bósnia-Herzegovina (logo, controles na entrada e na saída deste país)

3) o ônibus faz inúmeras paradas para pegar pessoas no caminho, pois passa por cidadezinhas abandonadas no meio do nada, onde nem posto de gasolina tem para servir de estação

 

A rodoviária de Split é horrível, lembra as da Bahia. Bastante desorganizada e tumultuada. Fica pertinho do centro histórico e do porto. Então se sua hospedagem for por ali, talvez você possa ir a pé. Informe-se antes para não pegar taxi a toa.

 

Hospedagem: Split Inn / Rusticana Apartments

Muito bom, pena que ficamos apenas uma noite. Tivemos um pouco de dificuldade pra achar, pois a rua é pequena e não tem nenhum letreiro na porta. Mas achamos, fomos super bem recebidos. O quarto é grande, confortável, conta com uma equipada cozinha e banheiro moderno e amplo. Fica a 5min a pé do centro histórico e 10min do porto/rodoviária. Único defeito é que faz porta com a tal rua, onde as vezes passam motos - ou seja, pode ser barulhento as vezes. A quem interessar possa, tem um restaurante vegetariano (Makrovega) pertíssimo e muito bom, informe-se por ali mesmo.

 

Split é a segunda maior cidade da Croácia (só perde para Zagreb), então depois de ter saído de Dubrovnik ficamos um pouco decepcionados com o centro histórico, que é mais detonado e menos impressionante. Porém, Split é mais central, com um porto muito maior, e de lá saem excursões para toda a parte. É possível ficar hospedado aqui e fazer passeios para várias cidades e ilhas da Croácia.

 

Como só tínhamos uma tarde aqui ficamos passeando pelo centro e pela rua principal, do porto, que é bem bonita e moderna, cheia de restaurantes, e que fica bem movimentada a noite.

 

Hvar (3 noites)

 

[align=center]20120904210853.JPG

 

20120904210913.JPG[/align]

 

Chegada: de Catamaran, a partir de Split (1h10 de viagem, aproximadamente). Só é possível comprar as passagens de Catamaran, partindo de Split, no mesmo dia da viagem, então recomenda-se ir bem cedo à bilheteria para comprar. Fizemos isso, chegamos lá as 8 da manhã (para viajar as 11h30) e não tivemos problema algum, zero fila. O Catamaran é confortável e vai direto para Hvar. Se não conseguir o Catamaran tem o Ferry (que leva também carros) com vários horários, mas vai para Stari-Grad, e de lá é necessário pegar um ônibus (ou taxi) para Hvar. Em Hvar, pode-se comprar a passagem de volta com 24h de antecedência o que dá um conforto a mais.

 

Hospedagem: House Iliscovic, muito legal porém um pouco afastado. É um apartamento como o de Split, porém menos moderno. Quarto, banheiro e cozinha separados, bastante espaçoso. O dono é super simpático e disse que nos buscaria no porto, bastaria que ligássemos. (Como íamos adivinhar?) Subimos ladeira carregando mala pesada procurando, não foi nada legal. A casa fica a 1,3km do porto/centro, mas é ladeira acima com uma bela escadaria. Normalmente, nada demais, mas as vezes, depois de um dia inteiro passeando, cansado, é perrengue - não recomendo. Tem um mercado a uns 100m e a cozinha do apartamento é bem equipada o suficiente para cozinhar o que se quiser (o que fizemos, inclusive, e foi bem legal).

 

No primeiro dia, depois da Via Crucis para achar o apartamento fomos passear. Pegamos uma praia e depois fomos conhecer a Hula-Hula, um dos bares mais badalados da cidade. Bateu uma ventania fortíssima e fomos expulsos. Fomos descansar pois a noite fomos à Carpe Diem, a boite mais famosa da Croácia. É realmente muito legal, no porto de Hvar ficar o Carpe Diem Bar, que é aberto, basta entrar e consumir o que quiser. Rola uma música pro povo ir se animando. A partir de 0h30, mais ou menos, começam os taxi-boats a circular que te levam para a ilha (Carpe Diem Beach) que é realmente onde fica a boite, onde a noite vai até o amanhecer. Os taxi-boats são gratuitos, paga-se apenas a entrada na Carpe Diem Beach. Pra quem tem pique, vale muito a pena.

 

No dia seguinte, como estávamos destruidos, saímos para passear sem muitas pretensões. Demos de cara com um passeio que vale muito a pena. Paga-se 40 Kunas (cerca de R$ 15) para um barco te levar para as Pakani Islands, uns 15min de Hvar. O preço é para ida e volta. A praia lá é muito bonita e tranquila. Na volta, no fim do dia, subimos ao Forte de Hvar para tirar fotos do pôr-do-sol, vale a pena também.

 

Planejamos fazer um passeio à Ilha Vis, onde se visitam duas cavernas (Green e Blue Cave) mais uma praia lindíssima. O passeio é de dia todo, inclui almoço e custava 400 Kunas. Infelizmente a previsão era de tempo forte e cancelaram este passeio no único dia que teríamos para fazer. Parece ser um dos melhores por lá, foi uma pena não podermos ir. Então, em nosso último dia alugamos bicicletas, conhecemos uma praia distante e terminamos nosso dia no Hula-Hula tomando umas cervejas e assistindo a mais um belíssimo pôr-do-sol. Nada mal. :)

 

Parque Nacional Plitvice / Plitvicka Jezera (2 noites)

 

[align=center]20120904210953.JPG

 

20120904211012.JPG[/align]

 

Chegada: de carro, a partir de Split (cerca de 3h de viagem). De Split para o parque de carro é simplesmente ridículo de chegar. A estrada é a mesma que vai pra Zagreb (A1) e é muito boa e super bem sinalizada. A saída para pegar a estrada que leva ao parque é sinalizada por uma placa enorme, impossível de errar. Usei GPS mas nem precisava.

 

Hospedagem: House Boro, simples porém bastante confortável. Dono bastante simpático, nos levou ao parque de carro sem custo algum.

Quando vai chegando perto do parque, começam a aparecer várias casas oferecendo quartos. As opções são muitas e pode-se até ficar hospedado dentro do parque. Essa nos pareceu boa, na média. Nada a reclamar. Ah, o café deles não é coado. Comer pó não é legal, hehehe.

 

Alguns podem estar se perguntando por que duas noites aqui, apenas para visitar o parque. Como saímos de Hvar as 13h, pegamos o carro em Split e fomos ao parque, “perdemos” esse dia na estrada. O parque fecha as 19h, não daria pra nada. A idéia era acordar cedo no dia seguinte e passar o dia no parque. Dito e feito.

 

Aqui foi um dos pontos altos da viagem, então vou detalhar bastante as dicas para quem estiver interessado.

1) Não precisa de um dia inteiro para conhecer o parque. Umas 6h são suficientes, ou seja, dá pra chegar e ir embora no mesmo dia. Até Zagreb são apenas 2h, por exemplo.

2) O parque conta com três (ou quatro?) restaurantes, um em cada extremo, então não precisa se preocupar em levar lanche e água. Leve apenas uma garrafa de 1L, pois pode enchê-la em alguns pontos.

3) Existem diversos percursos que você pode fazer para conhecer o parque, variando em intensidade e duração. Não fizemos nenhum percurso pronto e acabamos dando sorte, conhecendo tudo com o menor esforço, baseado em dicas do dono da pousada e um casal de portugueses que conhecemos lá. Se quiserem seguir minha dica de trajeto, ei-la: começem pela parte de cima, pegando o barco para atravessar o lago (P1 -> P2), na Entrada 1. Subam tudo, sempre pela esquerda. Lá em cima tem o primeiro restaurante e ponto de ônibus. Ao descer, atenção para algumas trilhas alternativas que dão acesso a visuais ótimos. Em algum momento você deve passar por um zigue-zague de pequenos lagos, se não passou por isso e já chegou ao ponto inicial (do barco), fez algo errado - volte e faça o zigue-zague que é o ponto alto da parte de cima.

 

Depois pegue o barco para o P3 (onde fica o segundo e maior restaurante de todos). Aqui você pode parar para comer algo, reabastecer a água, ir ao banheiro, etc. Depois siga a trilha a direita, em direção à grande cachoeira. Primeiro vá ao “Sightseeing” que é um visual amplo, depois pegue a pequena trilha, no meio do mato mesmo. Esse é o caminho inverso que a maioria das pessoas faz, então não se espante se parecer que você está na contra-mão. Logo você vai começar a ver as pessoas do outro lado do canyon fazendo o caminho inverso. Ao descer tudo e começar a caminhar pelas trilhas de madeira você vai ter algumas bifurcações, uma leva de volta ao P3 “por baixo” e outra atravessa o canyon para ir “por cima”. Dá para fazer as duas. Mas os visuais mais alucinantes são os de cima, naturalmente. O que fizemos foi ir por cima, depois dar meia-volta, ir ao P3, tomar umas cervejas lá e ficar relaxando e depois retornar (ao St1), para pegar o ônibus e ir embora do parque, lá pras 17h. Chegamos no parque as 8 da matina e estava vazio, uma delícia. A partir de umas 10h30 começa a ficar lotado e tem fila pra tudo. Não pegamos NENHUMA fila por conta desse trajeto maluco que inventamos. Sorte pura que agora repasso a vocês. :)

 

Zagreb (1 noite)

 

[align=center]20120904211029.JPG

 

20120904211045.JPG[/align]

 

Chegada: de carro, a partir de Plitvice (cerca de 2h). O caminho até Zagreb é muito simples, a própria estrada onde fica Plitvice desemboca na A1, ou seja, é só ir reto o tempo todo, nem precisava de GPS. Mas ao chegar na cidade, o trânsito começa a ficar caótico, se eu estivesse sem o GPS ia ficar mais perdido que cego em tiroteio.

 

Hospedagem: Hotel Residence. Excelente hotel, bastante luxuoso e confortável com ótimos e simpáticos funcionários. Fica um pouco afastado do centro, mas o bonde passa na porta e deixa na boca do centro histórico.

 

Tínhamos apenas uma tarde em Zagreb, pois só viemos aqui para pegar o vôo de volta ao Brasil. Recebemos algumas dicas de que não tinha nada pra fazer, mas até que achamos a cidade (parte histórica) bem legal. Na parte alta tem vários museus, visitamos o Museum of Broken Relationships, bastante inusitado e muito legal - recomendo! Visitamos também a catedral, bem bonita e perambulamos mais um pouco. Pra ir embora, não se preocupe em chegar muito cedo ao aeroporto, pois é bem pequeno, só tem um terminal.

 

Duas últimas informações:

1) A Croácia não é um destino barato, não espere achar muitos restaurantes, passeios e hospedagens baratas

2) O povo de lá é muito simpático, vai deixar saudades. Adoram brasileiros, e eu adorei eles. :)

 

É isso, espero que tenham gostado do relato e que seja útil para sua visita a esse maravilhoso país, que recomendo à todos que conheçam.

 

-- FIM --

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 28
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

CDE

 

Preciso de sua opiniao .

 

Vamos em Maio de 2013 depois de conhecer a Turquia vou para Roma , pegamos um trem para Bari . Passeamos uns 3 dias pela regiao e depois pegamos o ferry para Dubrovnik .

Chegamos as 7 da manha em Dubrovnik de carro . Ficamos 3 dias em Dubrovnik .

Um dia inteiro de carro reservado para Dubrovnik -Split - Zadar , dormimos em Zadar .

Saimos de manha para Plitvice , passeamos pelo parque e retornamos para dormir em Zadar .

Outro dia retornamos para Dubrovnik de Zadar e pegamos o ferry a noite para Bari .

Melhor jantar/passear/dormir em Zadar ou Split para conhecer Plitvice ???

 

att

Arapuca

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Cara, infelizmente não vou poder te ajudar. Não sei se você leu o relato, mas não fui a Zadar entao fica complicado opinar em relação a Split. Mas pelo que vi aqui no Google Maps, Zadar eh mais perto de Plitvice entao nesse caso seria uma decisão logística melhor, pois voce passaria menos tempo na estrada e mais tempo aproveitando o dia no parque. :)

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 4 semanas depois...
  • Membros

Ok !!! Thanks !!!

Vou sair de Bari na Italia , pegar o ferry para Dubrovnik , depois seguimos para Split , Zadar , Pltvice , Ljbjana, Bled , entrego o carro em Trieste .

O que nao me animou muito foi Hvar ...minha esposa insiste ... mas pelo que vi no google ..o lugar é bem fraquinho ..melhor seria ficar mais um dia em dubrovnik ...nao ???

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 7 meses depois...
  • Membros
Olá cedechery,

 

Obrigada pelo relato! Com certeza ajudou bastante. Mas faltou dizer em que período (mês) vc esteve lá. Deu pra subentender que era altíssima temporada, verdade?

Verdade, informação vital mesmo. Falha minha. :)

Foi na segunda quinzena de agosto. Sim, super alta temporada. Dubrovnik estava entupido de gente.

Mas na verdade esse período é considerado por lá como o "fim" da alta temporada, que começa em junho. Por exemplo, na boate Carpe Diem (em Hvar), que é a bam-bam-bam da Croácia, pegamos o último dia da temporada de verão.

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 1 mês depois...
  • Membros

Ola! seu relato sobre a Croacia esta otimo! compacto, super bem explicativo e direto! Li e ja me ajudou bastante em algumas duvidas que tinha, sobre o que fazer e a ordem de conhecer os lugares.

Estava muito na duvida sobre onde passar uma parte da minha lua de mel (junho 2014), se arrisco a Croacia ou se vou a Grecia que ja conheço.

acho que vou arriscar na Croacia mesmo, e esse e o tempo que eu pretendo ficar, 10 dias.

o que ainda tenho duvidas e sobre valores, quanto uma pessoa gastaria em 10 dias num local como esse?? Pois antes da Croacia vou rodar por outros lugares por 20 dias e la seria a parte de descanso, praia e etc.

Esse e um dos meus medos, de chegar no local e ser tudo muiiiiiiiiiiiiiiiito caro!

poderia me ajudar?

 

obrigada!

 

Mary

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...