Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Europa abaixo de zero > FRANKFURT, MALTA, LONDRES, BUDAPESTE, PRAGA, BERLIN, PARIS E LUXEMBURGO


Posts Recomendados


  • Respostas 21
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

Budapeste - onde a língua engana até o diabo...

 

Meu ultimo dia em Londres deixou um gosto de quero mais. Quatro dias deu para aproveitara bastante, mas com certeza tem MUITO mais coisa para se ver e se fazer. Num futuro pretendo voltar e passar um tempinho por lá.

 

Meu vôo pra Budapeste saia no meio da tarde, então, como relatei no post anterior consegui aproveitar bem o dia em Londres antes de me despedir da cidade. Peguei o metro em direção à Heathrow. Bem tranqüila a viagem. Durou uns 40 minutos o percurso. O vôo foi feito pela British Airways e ocorreu sem qualquer tipo de transtornos. Sai de lá por volta das 18:30 e cheguei em Budapeste duas horas depois (mais uma hora de fuso) as 21:30.

 

Antes de começar a falar da cidade em si, tenho que falar que todos os meus amigos que moram na Europa ou que já viajaram durante o inverno me falaram que eu era um louco de incluir Budapeste no meu roteiro em pleno alto inverno. Mas eu nao sei porque se pré tive uma certa curiosidade pela Hungria e achei um desperdício ir a praga e nao ir a Budapeste que é logo do "lado".

 

A temperatura para esses lados da Europa é extrema. O choque térmico na saída do avião é sentido muitas vezes de maneira violenta. Quando sai de Londres, a temperatura estava por volta dos 6 C e com um solzinho gostoso... Quando eu cheguei em Budapeste a temperatura era de - 10 C. Fui preparado, e junto da parca que me acompanhou nessa viagem resolvi fazer uma sobreposição. No banheiro do avião coloquei uma camisa de algodão, minha polo de material mais grosso, um casaco que havia comprado na Patagônia e a parca. Deu para nao sentir o choque... Ah, cachecol é importantíssimo. Comprei dois em Frankfurt que foram meus melhores amigos durante a viagem!

 

Imigração no aeroporto tranqüila também, sem fazerem qualquer pergunta (se bem que nesse caso acho que foi pelos agentes alfandegários nao falarem inglês rs) e minha mala chegou sem problemas. Peguei uma van no aeroporto que me deixou no meu hostel. Foi coisa de 12 euros. Serviço bom e honesto... Além de taxi nao conheço outra alternativa.

 

Fique num hostel chamado Unity. À época ele possuía uma boa qualificação no hostelworld. Foi relativamente barato. Peguei pelo quarto duplo (só pra mim) uma media de 40 euros. Detalhe, depois achei o site deles e vi que eles tem a opção de single mas nao disponibilizam no hostel world.

 

Esse hostel foi uma experiência que merece comentários porque realmente foi toda uma experiência diferenciada na cidade. Além dos funcionários serem extremamente prestativos com qualquer tipo de pergunta ou necessidade que você tenha, o que mais me destacou foi a experiência de estar hospedado em um prédio BEM estilo leste europeu. Esse hostel na verdade fica dentro de um apartamento em um prédio bem no estilo leste europeu. Elevador velho que depende que vc feche as portas para ele andar, corredores abertos e tudo mais. No inicio deu um pouco de receio mais a experiência lá foi a melhor possível.

 

Os preços em Budapeste são bem mais baratos que no resto da Europa. Foi um verdadeiro choque sair de Londres, onde uma coca e uma pizza nao saiam por menos de 5 libras e pagar menos de 1,50 euros pela mesma pizza e lata de coca. Os meus almoços saíram por volta de € 12,00.

 

O povo em Budapeste é extremamente amistoso. Pelo menos comigo sempre fui recebido com um sorriso e faziam o máximo para me entender. Outra coisa que percebi, era que a maioria das pessoas (até 40 anos) possuíam algum domínio da língua inglesas, facilitando bastante a comunicação. Outra coisa que notei, foi que os húngaros foram a população mais bonita que vi pela Europa. Conversando com uma húngara, ela atribuiu isso a miscigenação de raças decorrentes de tantas invasões sofridas pela Hungria... Turcos, croatas, sérvios, russos, alemães... Todos deixaram sua marca.

 

A língua deles é uma das mais complicadas que já ouvi na minha vida. Sério... Não parecia com nada que me fosse familiar. Fui pra lá só sabendo falar uma palavra, que era (a grafia vai estar errada) fetchka que significaria andorinha e voltei sabendo falar também Kutzi (grafia também errada) que significa obrigado! rs

 

Gostei MUITO Budapeste. Entra fácil no meu Top 3 de cidades visitadas. Tem muita coisa pra se fazer e muitos lugares para se visitar. Muitos parques, praças, museus... Dos passeios que mais gostei, fiz no meu ultimo dia na cidade, quando fui a um banho turco. Um resquício da época da ocupação turca, a cidade possui inúmeros banhos turcos que funcionam quase todos os dias da semana. O banho turco que eu fui custou no total 18 euros já com o aluguel de toalhas, mas é um sistema muito complicado, da época comunista que você paga tudo em separado. Mas vale a pena.

 

Vale muito a pena ir no museu do terror... É uma visita interessante (e muitas vezes perturbadora) que me deixou tão deprimido a ponto de eu ter que comer uma torta de chocolate pra compensar os ânimos depois! rs

 

Se você tiver um dia extra livre, no subúrbio existe uma praça que reúne as estatuas da era comunista. Eu nao fui, até porque é meio fora de mão, você tem que pegar metro e ônibus pra chegar lá, mas parece ser bem interessante.

 

Como já disse antes, meu passeio favorito é me perder pelas cidades que eu vou então dou preferencia a fazer tudo a pé. Andar pelas ruas, visitar as sinagogas, caminhar as margens do Danúbio, cruzar de Pest para Buda pela Chains Bridge, subir o Castle Hill de ascensor e descer a pé... São memórias que nao saíram da minha cabeça. Pelo fato da cidade ser plana, é muito tranquilo de fazer tudo a pé. Eu por exemplo, cheguei a andar de Buda até a Heros Square que fica do outro lado em Pest.

 

Sistema de transporte bem completo também. Tram, ônibus, metro e trolly unem a cidade, mas você só precisa mesmo do metro que é composto de quatro linhas. Os trens da linha um são super antigos que tocam um alarme muito alto ao fechar as portas. Meio que se sente transportado para os anos 70.

 

Nao aconselho a pegar taxi por lá... Só quando você pede para o hostel pedir pra você porque lá eles são meio desonestos... Adoram dar golpes em turistas... Nao tem a melhor reputação nao.

 

Dica para combater o frio... BEBA, E MUITO! Serio, é mais barato que comprar roupas e pelo menos você tem uma visão bem divertida da cidade. O frio em Budapeste pode castigar, então um vinhozinho para esquentar sempre vai bem.

 

Em Budapeste eu quase congelei o meu dedão tirando fotos com meu iPhone. Dois minutos com ele fora da luva, ele começou a formigar... Os dedões do pé eram a mesma coisa... Tinha que verificar se ainda tinha eles! rs

 

A vida noturna não posso comentar muito, já que cheguei lá numa Terça e fui pra praga na sexta, mas curti muito barzinho, pubs e afins. Como disse, o pessoal lá é bem amistoso, então para alguém como eu que viaja sozinho, isso é sempre bom.

 

A media da temperatura foi de 5 à - 15 C na ultima noite. O transporte escolhido para praga foi pegar um ônibus noturno da Orangeways. Originalmente pretendia ir de trem para praga, mas depois de ler alguns relatos quando a segurança do trem e ao conversar com o dono do hostel sobre ir de trem, mudei de ideia. Ele me falou que o grande problema de ir de trem nessa época do ano é que o trem vem de outros lugares mais frios ainda (Romênia), logo, se tiver uma nevasca por lá, o trem vai atrasar. Parece que acontece sempre naquela época do ano. Então resolvi ir de ônibus. A passagem custa € 20 + €1 para colocar a bagagem no bagageiro. Comprei duas passagens porque queria dormir a noite e como sou gordo nao queria ter que ficar me espremendo por 9 horas. ::lol4::

 

Esses ônibus saem de um "terminal" que na verdade fica no meio da rua, sem qualquer tipo de proteção... E para a minha sorte, ele atrasou por 20 minutos... 20 minutos em - 15 C! ::Cold::::Cold:: As maravilhas de se viajar no inverno. Outro detalhe importante, é que este ônibus nao tem banheiro e somente faz uma parada no meio da estrada. (observação: porque quanto mais frio está, mais a gente quer ir ao banheiro?! rs)

 

Ah, ainda em Budapeste comecei a sentir uma queimação nas minhas costas e articulações... Mas isso é papo para Praga. :P

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Praga bonitinha mas ordinária

 

Depois de nove horas de estrada, chegar em Praga por volta das 9 horas da manhã foi uma sensação de alivio. Acabei constatando uma informação que eu tive de um suíço que conheci em Santiago do Chile, quando este afirmou que o sistema de ônibus do chile e da Argentina é infinitamente melhor que qualquer companhia da Europa. Com toda sinceridade, fico impressionado com as pessoas que conseguem mochilar de ônibus na Europa.

 

Bem, sendo bem direto, Praga tava FRIA PRA CARALHO em todos os dias que estive lá. E a maior ironia de todas, é que estava um sol lindo porém gélido na minha cabeça. A temperatura média das manhãs eram de 0 C à 2 C (que quentinho!) e durante a tarde era uma media de - 3 C à 0 C e durante as noites... Bem, a mínima que peguei foi de - 21 C como comentei anteriormente, em uma madrugada de domingo para segunda (me lembro perfeitamente) mas normalmente ficava entre - 16 e - 18. De novo, a sobreposição foi o que me fez sobreviver por lá. Um bom casaco, cachecóis e luvas é importantíssimo.

 

Como relatei nas ultimas linhas do relato sobre Budapeste, comecei a sentir em minhas pernas e costas formigar... Quase que como uma queimadura mas nao entendi o porque. Em momento algum expus a minha pele ao clima local... Enfim, depois de muita pesquisa e umas ligações para minha medica no Brasil (Deus abençoe a tecnologia), descobri que tive uma alergia ao frio. Nao é muito comum mas mudanças fortes na temperatura podem ser causadoras dessa alergia que faz brotar manchas na sua pele. As minhas se concentravam na perna e articulações. Era uma sensação estranha, porque só sentia quando tomava banho ou passava algum creme para hidratar. Comecei a passar uma pomada recomendada para isso e nos locais que a situação estava mais critica, passei uma pomada a base de corticoide. Mas, o remédio principal é se agasalhar e ficar em um lugar aquecido... Nao preciso nem falar que nao segui essa orientação... Afinal de contas, estava de ferias na Europa!

 

Fiquei no hostel Czech Inn, que fica localizado em Praha 2. Com certeza, o melhor hostel daquela cidade. Só nao falo que é boutique porque é grande demais para levar essa classificação mas o hostel é ótimo. Fiquei num quarto single que me custou € 32,00 por noite. O quarto era suite com um chuveiro incrível! Me esqueci de mencionar nas cidades anteriores mas enfrentei serias dificuldades com os chuveiros na europa. A força da água é uma coisa que deixou a desejar em Londres (parecia tomar banho com um contador de gotas) e Budapeste ou a água era gelada ou quente... Não existia meio termo! Foi refrescante poder tomar uma ducha, com pressão em um banheiro gigante. Esse hostel, pelo menos nos quartos individuais era como se fossem quartos de hotéis. MUITO bom mesmo. Quanto ao atendimento, confesso que nao era constante... Logo que cheguei pela manha, peguei um atendente que foi a a pessoa mais educada e solicita... Mas em outros horários os atendestes mudam e entram uns que são super carrancudos e cheios de atitude.

 

Os preços em Praga são ok. Nao vou falar que é uma cidade barata, até porque ela é infestada de turistas durante o ano inteiro, então os preços tendem a ser mais altos, mas na verdade, o que influencia é aonde você está na cidade. Quanto mais ao centro mais caro tudo fica. Quando você se afasta um pouco os preços já entram em patamares melhores.

 

Bem, cheguei pelas 8 da manha na rodoviária e estava esperando a mesma temperatura de Budapeste, porém, nao sei o porque o frio estava muito mais intenso, a ponto de uma rajada de vento me fazer entrar na posição fetal. Peguei um taxi até o hostel e pedi para deixar minha mala no deposito enquanto nao dava o horário do check in, porém fui surpreendido com a possibilidade de ir direto pro quarto.

 

Minha impressão sobre Praga se resume ao título deste post... Eu, pelo menos,,achei uma cidade linda, porém ordinária. Se é a única cidade do leste europeu que você vai fazer, você vai adorar e se encantar... Mas depois de Budapeste, confesso que Praga deixou a desejar. Primeiro, porque ela é tão perfeitinha que me lembra um pouco a Disney (rs). Outro fator que me desagrada é o excesso de turistas de todas as partes do mundo em tudo quanto é lugar... Chegava a ser irritante. Em 3 dias visitando a cidade, se conheci 4 locais foi muito. Uma quantidade grande de expatriados morando por lá também. Um outro fato que me deixou com uma cara meh foi o quão indiferente a população local era. Minha teoria é que eles estão de tão saco cheio dos turistas que nao se dão ao trabalho de interagir! Então juntou os turistas + indiferença local + a minha alergia ao frio = três dias longos.

 

A cidade é bonita e tem bastante coisa pra se fazer. Continuei fazendo o mesmo esquema de GPS e bastante caminhada. Charles Brige, Praha Castle, relógio, centro cultural, cemitério judeu, dancing house... Tem muita coisa para ver.

 

Uma anedota engraçada é que pra variar, no primeiro dia, fiquei perdido no metro (deveria ter usado somente o tram que vai para todos os lugares) e saltei em um local que nao fazia ideia de onde era. Entrei num bar (que na verdade era um porão - como na maioria dos bares) de russos, que tinha música ao vivo, uma luz negra com lazer saindo iluminando o teto, uma garçonete que parecia que estava trabalhando ali em regime de escravidão... Uma vibe muito estranha. Só sei que pedi um vinhozinho, entrei no Wifi deles, agradeci em russo e fui embora dali. Confesso que fiquei com medo de acordar em uma banheira de gelo, sem meu passaporte e um rim. Rs

 

Só sei que o que salvou em Praga foram algumas pessoas que conheci em um barpor acaso. Um brasileiro (que jurava que era italiano), um russo (LOUCO DE PEDRA), um chinês que morava em Amesterdão e o bar man que era um plonês gente boa. Essa foi a recordação de praga.

 

Outra coisa, como já falei antes, onde tem turista sempre tem algum tipo de golpe, e como de costume, o taxi no caminho da estação de trem tentou me passar a perna. Pedi para o hostel um taxi pensando que assim estaria livre de golpes... Me aparece um carro preto sem qualquer insígnia de taxi. Ele levou minhas malas e me levou até a estação. O preço da estação de trem até o hostel nao deveria passar mais do que 8€... No final da viagem ele resolve me cobrar 16€. Cara, fique tão puto que comecei a falar (em inglês pra ele) que em 29 anos nenhum taxista me passou a perna no Rio e que eu nao iria sair daqui pra levar golpe lá. Nao é que ele aceito os oito euros pelos 4 minutos de corrida? Serio, em depois de inúmeras idas a Buenos Aires (onde os taxistas tem trilhões de golpes diferentes para aplicar aquelas notas falsas deles) e NUNCA ter levado um golpe... Nao ia ser agora que em Praga eu iria abrir o precedente.

 

Fazendo um balanço gera, acho que teria cortado Praga e ficaria a semana inteira em Budapeste... Achei a cidade mais autentica. Mas aconselho mesmo assim as pessoas irem e tomarem suas próprias conclusões.

 

Próximo relato... Nobody knows me... In Berlin.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...
  • 2 semanas depois...
  • Membros

Adorei todos os seus relatos das viagens, principalmente porque estou indo para a Europa agora em dez-jan. Vou para Dublin, Belfast, Edimburgo, Londres, Paris, Berlin, Praga e por fim Viena.

E a minha maior preocupação é realmente o frio. Resolvi ir nessa época do ano apresar do frio, porque todos os anos estudo essa viagem e sempre tenho algo que me impede. Esse ano, disse que iria mesmo que fosse no inverno intenso mesmo.

 

Então, se poder dar mais dicas para enfrentar o frio, seria ótimo!

 

Obrigada,

Lais

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Opa, tudo bem !

Estava acompanhando seu relato, e vi que voce foi fazer um intercambio de ingles juridico em Malta !

Eu também fiz um intercambio lá, mas foi de ingles mesmo, e, ultimamente tenho pensado em fazer um intercambio jurídico em algum lugar...tava entre pensando em Cambridge, mas Malta deve ser mais barato.

 

O que vc achou desse intercambio juridico ? Vale a pena, dá pra aprofundar mesmo? Pq, como vc disse, lá nao é o melhor lugar para estudar o "general english" heheehe.

 

Valeu !

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Olá,

 

Estou adorando o relato! Realmente, não há mtos posts de inverno. Ótimas dicas!

 

Ano que vem vou para Praga e Budapeste. Vc relatou os preços em euros. Dá para usar tranquilo os euros ou você trocou pelas moedas locais? Procurei a localização do hostel que vc ficou em Praga e me pareceu afastado das cidade velha e mala strana. É isso mesmo? Se for, dava para circular tranquilo até as atrações (as eventuais que vc foi, rs...)?

 

Obrigada desde já!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
Os aquecedores nos hostels funcionam bem? Vou em janeiro e estou bem tenso, mais estou levando roupas suficientes, jaqueta de pluma de ganso, etc..

 

Funcionam sim. Estive em paris, londres, berlim, e roma, em janeiro de 2011. Com excessão do hostel de Paris, todos tinham um excelente sistema de calefação (geralmente iguais aos dos hoteis/casas dos estados unidos.

Conforme o relato está demonstrando, a maior parte dos comentários sobre o inverno europeu são puro terrorismo :lol:

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...