Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Analândia, Brotas e Itirapina


carolramiro

Posts Recomendados

  • Membros de Honra

E aí romochi.

 

O Canyon do Feijão está a cerca de 10 quilômetros do centro.

 

Para se chegar nessa Cachoeira percorre-se o canyon junto as paredes rochosas do lado direito, para então entrar em uma trilha na mata e chegar à cachoeira. Sua queda tem cerca de 30m e a água cai sem tocar a rocha, formando um gigantesco chuveiro. A trilha também pode ser feita de "mountain bike".

 

As cachoeiras do Canyon do Feijão, da Bocâina e da Pedra Vermelha são ideais para esportes de aventura e contemplação da natureza. Pertinho da cachoeira, está a Garganta do Canyon do Feijão, um precipício de mais de 80 metros que é formado por um paredão de arenito vermelho e negro com 12 Km de extensão.

 

Espere q ajude.

 

 

Abcs.

 

Originally posted by romochi

ALguem conhece o canyon do feijão?

Link para o post
  • 1 mês depois...

  • Respostas 135
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros de Honra

Costuma ter muita procura no camping do Saltão em fins de semana "normais", que não seja feriado?

 

Qual seria o melhor roteiro para uma trip de fim de semana? O q não pode faltar na visita pra Itirapina? E o que é bobagem conhecer por lá, que não valeria a pena???

Link para o post
  • Membros de Honra

E aí Samuel, achei umas dicas de pontos turísticos da cidade

 

 

ITIRAPINA

 

Itirapina é uma cidade típica do interior paulista ,onde seus 14.000 habitantes aproximadamente conseguem viver numa calma e tranqüilidade que as grandes capitais já não tem esse privilégio. Com seu jeito acolhedor e sua população super receptiva ,Itirapina acolhe os visitantes e novos moradores com muito carinho e realmente a grande maioria dos visitantes se apaixona pelo lugar e acaba voltando várias vezes ,muitas vezes como um novo morador ; Itirapina conta ainda com uma benção da Natureza ,e dispõe de lugares lindos como a Cachoeira do Saltão , Cachoeira do Passa Cinco , Represa do Lobo (Broa), Caverna da toca , Fazenda Do Estado entre outros. Tem ainda o Distrito de Itaqueri da Serra ,local onde nasceu o grande Ulisses Guimarães ,lugar de incrível simplicidade e beleza ,onde predominam construções do final do século XIX e inicio do século XX , e que nos dá uma sensação de nostalgia ao visitarmos.

 

 

CACHOEIRA DO SALTÃO

 

A Cachoeira do Saltão é o lugar ideal para quem gosta de emoções fortes , como a descida através de cordas, ou também para uma descida mais "light " , existe um caminho que é uma picada aberta na mata local , e em certos trechos ,tem até degraus feitos para facilitar a descida e subida dos visitantes.

A cachoeira fica dentro de uma fazenda particular , mas é aberta ao público mediante o pagamento de uma pequena taxa que serve manter a preservação e a conservação do local.

No local existe ainda uma infra estrutura para atender ao público visitante com lanchonete , banheiros , seguranças e monitores , área para estacionamento , local para fazer assar churrasquinho que só você sabe fazer e o melhor de tudo : AINDA HÁ NO LOCAL MAIS DUAS OUTRAS CACHOEIRAS , que você pode visitar tomar banho e se deliciar com a beleza local, não pagando nada a mais por isso.

 

Localização: Rodovia Ulysses Guimarães, km 23

 

 

 

CACHOEIRA DE ITAQUERI

Cachoeira com aproximadamente 20 metros de altura.

 

ITIRAPINA

 

 

CACHOEIRA DO MONJOLINHO

 

Esta cachoeira também está localizada na mesma propriedade que a Cachoeira do Saltão.

 

Com 12 metros de altura e de fácil acesso, é um irresistível convite para um delicioso e relaxante banho de ducha natural.

 

Localização: Rodovia Ulysses Guimarães, km 23

 

 

 

CACHOEIRA DO PASSA CINCO

 

É uma das cachoeiras mais bonitas da região e ideal para a pratica do canyoning (exploração de um rio dentro de um canyon utilizando varias técnicas inclusive o rappel em cachoeiras) o local passa atualmente por uma recuperação da mata nativa, visando a sustentabilidade da atividade turística no local.

 

 

 

CACHOEIRA SÃO JOSÉ

 

na cidade

 

 

CACHOEIRA DA LAPA

 

Contato: Divisão Municipal de Turismo (19) 3575 1104 ou guias locais de aventura, Eduardo (19) 9759 3358 e Stelio (19) 3575 2478.

 

 

 

 

CACHOEIRA DA FERRADURA

 

Está localizada na mesma propriedade da Cachoeira do Saltão.

 

Vale a pena seguir pelas águas que caem do Saltão e conhecer a Cachoeira Ferradura, com 47 metros de altura. Apesar do seu pequeno volume d´água seu acesso é uma deliciosa aventura.

 

Localização: Rodovia Ulysses Guimarães, km 23

 

 

e mais...

 

 

GRUTA BOCA DO SAPO

 

CAVERNA DA TOCA

 

ITAQUERI DA SERRA

 

Também é recomendável uma visita a Itaquerí da Serra, um pequeno vilarejo do século retrasado com uma capela da mesma época, toda em azulejo português e a Santa Padroeira (Nossa Senhora da Conceição) entalhada em carvalho, trazida pelos colonizadores portugueses vindos da Ilha da Madeira.

Contato: Divisão Municipal de Turismo (19) 3575 1104 ou guias locais de aventura, Eduardo (19) 9759 3358 e Stelio (19) 3575 2478.

Link para o post
  • Membros

id="Comic Sans MS">id="blue">Pode Crer que Brotas é bem loko, sempre fui pra lá fazer rafting e é bem legal.. Claro que o melhor é fazer entre novembro e fevereiro, quando o rio está mais cheio e fica mais radical.. Falando em hospedagem.. já fiquei no Camping Jacaré, tem umas cabanas de madeira lá por R$15,00 a diária, com piscina.. cabem até quatro pessoas na cabana é básica, mas dá pra encarar legal!

Lá mesmo já tem uma agência, o pessoal é bem bacana...

Também já fiquei em uma pousada que fica em um sítio, mas aí é bem mais caro...

Link para o post
  • Membros de Honra

Aí, to pensando em ir pra essas bandas no feriado de 15 de novembro, jah ki naum vou poder ir pra Puruba.

Alguém topa?

Sou de São José do Rio Preto e se eu naum conseguir ninguém pra dividir as despesas pra ir de carro (o q eh mto provável) vou de motoca mesmo!!!

Conheço Analândia e a Serra do Canta Galo em Ipeúna, Charqueada ...

 

Eh isso aí

Link para o post
  • 5 semanas depois...
  • Membros

Aí galera, tô pensando em ir pra Itirapina no ano-novo e gostaria de umas dicas.

 

Pelo que vi, as principais cachoeiras (inclusive Saltão) ficam dentro da mesma propriedade. Lá tem um camping a R$15,00 a diária e se estiver fora e quiser visitas as cachús tem que pagar R$5,00.

 

Entrei no site e o camping (esse onde fica o Saltão) me pareceu muito "família", se é que vocês me entendem... Alguém que já foi sabe me dizer se lá tem frescura ou é como campings normais onde se bebe, faz bagunça e etc. Uma vez que acampei (em outro local) num camping familiar tinham famílias caretas com crianças que levaram vidioquê e até cachorro poodle, eu não quero passar por isso denovo.

 

Outra coisa: Fora desse camping, tem outras opções? Fora dessa propriedade tem outras cachús bacanas?

 

Valeu!!!

Link para o post
  • Membros de Honra

Estive no Camping Saltão - Mirante das Águas no último fim de semana, o que é o suficiente para conhecer os atrativos na propriedade, mas muito pouco tempo para conhecer melhor a região, demais cachoeiras, picos e grutas...

 

Considerações negativas

 

Cerca de 6, 7 grupos de pessoas acamparam neste período, sendo que 2 deles fizeram uma verdadeira festa no local.... horrível.

 

Apesar do aviso logo na entrada da área de camping que não é permitido som alto em qualquer hora do dia.... Um grupo levou amplificadores e montou uma rádio das 17h às 23h30... outro grupo chegou com um carro com som potente e um único cd com uma única música de uns 30 minutos que "animou a rave" das 18h até às 15h do seguinte, com uma pequena parada das 4h00 às 8h00 da manhã...

 

também não gosto de videokê e poddle... mas seriam bem melhores do que esse povo que apareceu...

 

no domingo de manhã saímos para conhecer as cachoeiras e caminhar pela região... e.... nossas barracas foram assaltadas, levando ao todo 70 reais....... prefiro nem comentar minha indignação referente a isto...

 

a linda cachoeira do Monjolinho que no site é descrita como convidativa para um banho, tem ao seu lado uma placa enorme "PROIBIDO MERGULHO"...

 

considerações positivas

 

ficar debaixo de uma queda d'água de 75 metros é algo indescritível... já vale a viagem toda e compensa os momentos ruins...

 

seguir o riacho após o Saltão também é algo muito bom... é possível encontrar algumas pequenas quedas e se enfiar debaixo de uma delas... o curso da água e a mata ao redor são bonitos por demais da conta =)

 

para quem gosta de aves, entre tantas que foi possível observar, há seriemas na região... e pelo menos uma delas visita o camping, caminha entre as barracas e corre atrás de pequenos tatus...

Link para o post
  • 3 semanas depois...
  • Membros

Oi gente,

 

Para quem já conhece Brotas, acham que para uma mulher ir sozinha é perigoso? Os caminhos para visitar as cachoeiras e atrações do lugar são desertos? Não tenho medo de viajar sozinha mas tb acho que andar em lugares desertos é me expôr demais nos dias de hoje. [:)]

 

Vcs acham que três dias dá para aproveitar ou é melhor ir com mais tempo?

Link para o post
  • Membros

Fui pra Itirapina no dia 27/12 e voltei ontem (dia 1º). Acampamos no camping do Saltão mesmo, eu nunca tinha visto um camping com estrutura similar. Realmente faz valer os 15 contos. Além do camping ter várias tomadas, vários quiosques com churrasqueira, iluminação, banheiros decentes, tem também piscina e um bar/conveniência que vende de tudo e é muito útil quando se está acampado e se dá conta que esqueceu algo como detergente, fósforo, ou coisas do tipo.

A Cachoeira do Saltão é maravilhosa, e a massagem proporcionada pela pressão da água é realmente revigorante, uma bela ducha! A cachoeira do Monjolinho também é ótima, é a mais agradável para nadar e brincar na água e nessa época tinham vários peixes pulando contra a correnteza mesmo com a gente lá, é a tal da piracema. A cachoeira da Ferradura é mais "sem-graça", por ter pouco volume de água.

Fomos até a represa do Brôa, mas não achei muito legal, estava muito lotado, vários carros com o porta-malas aberto e som no talo disputando quem colocava a Tati Quebra Barraco ou o Bruno e Marrone no volume mais alto. A represa é mais legal pra quem tem barco, lancha ou jet-ski. Ah, detalhe, entramos na área do Brôa sem o carro pois eles cobram por veículo, como estávamos de Kombi era mais caro ainda (R$35,00 para vans e kombis, R$15,00 para automóveis).

Valeu a pena também a visita a Itaqueri, pena que não encontramos pinga artesanal que o cara do bar de lá vende normalmente, tinha acabado.

É uma região com belas paisagens e muita plantação de cana e eucaliptos.

Próximo ao camping não tem onde comer (a não ser lanches e salgados com preços altos) o jeito é fazer o rango mesmo. Já em Itirapina é fácil comer muito bem na faixa dos R$5 por pessoa e beber cerveja na faixa dos R$2,30 Skol garrafa (no camping a Skol custa o mesmo preço, mas a lata!). Mas é legal deixar claro que a cidade fica a cerca de 20km do camping do Saltão.

Na região toda, além das siriemas que o Marcel mencionou, também tem muitas maritacas que alegram o dia.

O pôr-do-sol visto da piscina é realmente deslumbrante.

Não viaje para lá sem máquina fotográfica.

 

Recomendo essa trip!

Link para o post
  • Silnei changed the title to Analândia, Brotas e Itirapina

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Birovisky
      Confiram o vídeo ou o relato completo em texto e fotos abaixo do vídeo:
      Camping na cachoeira Saltão: https://rezenhando.wordpress.com/2016/05/06/camping-na-cachoeira-saltao/
      Um BIS no Camping da cachoeira Saltão: https://rezenhando.wordpress.com/2017/03/08/um-bis-no-camping-da-cachoeira-saltao/
      Confiram outros relatos de acampadas em: https://rezenhando.wordpress.com/category/camping/
      Se inscreva no nosso canal: https://www.youtube.com/c/Rezenhando
    • Por [email protected]
      Fim de semana estávamos livres e Decidimos na sexta  ir pra brotas-sp no sabado fazer um bate volta e se achar um lugar pra dormir ficaríamos até domingo ou segunda feira
      chegamos umas 10 da manhã e conhecemos o parque dos saltos, um dos poucos lugares gratuitos de brotas
      a tarde decidimos ir pra cachoeira das 3 quedas
      a entrada e taxa de visitação era 70 reais, mas se fossemos fazer rappel pagaríamos apenas o valor do rapel que foi de 195 reais em 2 cachoeiras, uma de 20m e a outra de 47 metros de altura
      e na minha opinião valeu muito a pena a experiencia
       
      não encontramos pousadas disponíveis, a maioria custava 300 reais e nao encontramos pousada em sao pedro
      liguei no motel luha e tinha vaga
      decidimos dormir la por 100 reais e café da manhã, mas não Usufruímos  do café da manha
      no dia o motel estava sem energia, mas não atrapalhou nossa viagem 
      domingo cedo após tomar café fomos atras de uma agencia de rafting e custou 120,00 Por pessoa Tinha dois horários disponíveis
      das 10 e das 14h.. optamos pelo das 10 e o passeio durou cerca de 1h30m
      a tarde fomos pra cachoeira do martelo, onde almoçamos
      o uso da piscina custava 25 e a entrada da cachoeira era 25
      uma cachoeira mais simples e rápida de ir
      recomendo irem fora de temporada, pois a cidade estava fervendo de gente!!
      um abraço
      @dr.renandanilomota
       
       
       
       
       
       
       
       







    • Por Birovisky
      Além das pousadas, campings e esportes radicais que também vos "rezenharei" neste post, o que Brotas tem mais a oferecer? O famoso Lado B que tanto amo explanar em minhas "rezenhas" está aqui, passeamos pelo Parque dos Saltos (um lindo lugar, todo verde com cachoeiras e uma natureza exuberante, e sabe o que é o melhor? Tudo gratuito!!!), pelo centro de Brotas com escala na Casa da Cachaça (não se engane pelo nome, lá tem de tudo o que você ama ou poderá amar!) e um merecido descanso, unido de uma supimpa diversão no Hotel Fazenda Areia que Canta, com direito a conhecer as tais areias, praticar tirolesa, comer uma abençoada e estupenda refeição e apreciar o que Deus nos concedeu de melhor, a natureza!
       
       
    • Por Fmatsusaki
      Aê Galera!
      Vou deixar aqui registrado o relato de minha viagem SUPER-ECONÔMICA, de 4 dias que fiz de carro com uma amiga para Brotas. Fomos no dia 26.dez.2011 e voltamos no dia 29.dez.2011. Tudo começou com um mês de antecedência de planejamento, tinhamos 2 principais inimigos: dinheiro e clima. Tudo o que fariamos lá dependeria se o clima ajudasse e se o dinheiro permitisse. O primeiro passo foi então pesquisar, pesquisar, pesquisar e rezar. Pesquisando pudemos encontrar opções viáveis de passeio e um bom local para acampar, e rezando, com sorte, teriamos tempo bom (a previsão do tempo indicava MUITA CHUVA todos os dias ).
      Foram 2 os principais resultados da pesquisa:
      -Uma planilha com as principais informações dos principais campings da região
      camping.brotas.xls
      -Uma lista dos principais passeios que podem ser feitos em Brotas
      DESCRITIVO ATIVIDADES.pdf
       
      Pagamos adiantado uma parte do passeio para garantir a reserva (o que foi indispensável, pois ao chegarmos lá ficamos sabendo que muitos dos passeios estavam lotados). Pegamos um pacote onde pagamos 190R$ cada um para fazer rafting+boia cross+ cachoeirismo na agencia EcoAção. Há outras agências que fazem o passeio: Águas Radicais, Alaya, H2Omem, Território Selvagem e Vaca Nautica.
       
      26.dez- 1ºdia
      Partimos de São Paulo 7h da manhã, estava garoando, a estrada estava em condições muito boas e tranquila. A medida que nos afastávamos de Sampa a chuva ia ficando para trás. Chegamos lá em aproximadamente 3 horas. Fomos direto para a fazenda Areia que Canta, onde o principal atrativo é... a areia que canta!! Sim, isso mesmo, essa areia, quando esfregada, emite um som parecido com o de uma cuica, no youtube tem vídeos mostrando.
      A entrada do hotel-fazenda fica próxima a um posto de gasolina abandonado, SSP-225, km 124,5 sentido Itirapina (quem está vindo de São Paulo deve viajar na direção de Brotas e fazer o primeiro retorno depois do km 124,5). É ainda necessário encarar mais uns 3km de descida em estrada de terra (em boas condições) que passa ao lado de um extenso pomar de laranjeiras.
      Para entrar na fazenda, com direito a visita monitorada para nascente da areia que canta o preço é 30R$. A fazendo possui uma infra-estrutura muito boa, com direito a banheiro com chuveiro, restaurante, piscinas, quadras etc. O uso da piscina, da quadra e de muitas outras coisas, porém, só é liberado para visitantes em épocas de baixa temporada, quando o hotel-fazenda está vazio.
      Que sorte!! Estava fazendo o maior solzão!!
      A primeira visita monitorada do dia acontece as 10h. Resolvemos esperar até a próxima, que seria 12h (depois disso, tem visita monitorada de hora em hora). Enquanto isso brincamos na mini-tirolesa e demos uma volta ao redor do lago, onde é possível encontrar árvores de todos os tipos de frutas possíveis. Existe também uma diversidade muito grande de pássaros na região.
      Chegado meio dia, haviam 3 grupos que fariam a visita. Para ir até a nascente, o monitor pega carona com algum dos visitantes (o monitor pediu carona para mim, pude então sondar mais algumas informações sobre Brotas) e então encaramos um trecho de estrada de terra bem ruinzinho. Chegando perto, estacionamos o carro e fizemos uma trilha bem curta que leva até a areia que canta. O lugar é simplesmente DEMAIS por 2 motivos: a areia, por incrível que pareça, faz MESMO um som quando esfregada. O outro é que você pode experimentar a sensação de areia movediça. Colocando o colete salva-vidas (proibido entrar sem) é necessário flutuar até a parte onde tem areia branca sem pisar no chão. Lá tem uma série de vertedouros de água percolando e ao "colocar o pé no chão" temos a sensação de que ele vai sendo engolido pela areia.
      Em seguida visitamos um trecho de um rio onde é possível pular de uma pedra bem no trecho onde tem uma queda d'água e ser levado pela correnteza. Tem também uma hidromassagem natural formada nas rochas. Vale MUITO a pena.
      Toda essa visita leva em torno de 3horas. Quando voltamos já era 15h e estavamos morrendo de fome.
      Apesar do preço SALGADÍSSIMO, pagamos os 35R$/pessoa para comer a vontade no restaurante (o tutu de feijão, a carne assada e a berinjela à milanesa estavam deliciosas) porque estávamos morrendo de fome. E outra, nos dias seguintes encarariamos somente os alimentos que trouxemos para economizar na viagem: 12 bandeijinhas de Fungini Prato Pronto.

       
      Fiquei impressionado com a versatilidade deste produto, tem vários tipos de massa que já vem prontas, não é preciso guardar em geladeira nem nada, é abrir e comer!! (nem esquentar precisa, se não fizer questão de comida quente). A lasanha e o capeleti de frango são até que gostosos, já o ravioli de carne foi difícil de encarar.
      Pelo resto da tarde, ficamos deitados nas redes que tem na beira do lago, tirei um cochilo e acabei acordando as 17h.
      Acertamos as contas e fomos para o camping.
       
      A princípio iriamos ficar no camping cachoeira escorregador, pois a previsão era de chuva e neste camping eles oferecem quiosques para quem vai acampar. Desta maneira ficariamos mais bem protegidos da chuva.
      Como não choveu (fez muito calor e poucas nuvens) entramos no primeiro camping que encontramos no Patrimonio: o camping Raio de Sol. Desde a fase de planejamento da viagem eu já estava tentado a ficar neste camping. Quando telefonei fiquei com uma impressão muito boa. Para quem não sabe, Patrimônio de São Sebastião da Serra é a estrada que leva para as cachoeiras da região. O Raio de Sol não só fica perto do centro (uns 15 minutos de carro) como também conta com uma ótima infraestrutura. Para cada barraca existe um poste de luz próximo bem como tomada, os banheiros são LIMPÍSSIMOS e os donos são uma família muito atenciosa. Vivem lá ainda 2 cachorros, o Kuma e o Bóris. O Kuma é bem sossegadão, já o Bóris ADORA brincar com os visitantes, eventualmente roubando chinelos fazendo com que pessoas saiam correndo desesperadamente atrás dele (falo isso por experiência própria rs). Ele também entra na piscina para brincar com as pessoas que lá estão.

      Armamos as barracas, jantamos o fungini, jogamos baralho e dormimos.
       
      27.dez - 2ºdia
      Dia de muita agitação!! A programação era rafting 10h e Boia Cross 15h. Saimos cedo para garantir que chegássemos uma hora antes à pedido da agência (acabou sendo bobagem chegar muito cedo, ficamos sem nada para fazer). Comemos um pão de queijo (MUUUUITO BOM) e uma empada de frango (MUUUUITO BOA) numa padaria que ficava ali perto.
      Antes de ir pro rafting, recebemos umas aulinhas básicas (que é mais para rir do que para aprender). Chegando lá fizemos aquecimento e um jogo bem legal com os remos, todos formavam um grande círculo, o instrutor ficava no meio e dava instrução e tinhamos que correr para pegar o remo da pessoa da direita ou da esquerda, dar rodopios etc. Só estando lá para ter noção do quanto é engraçado.
      Fizemos então o rafting no rio Jacaré . Vale a pena!!! Valeu mais ainda porque minha amiga foi a única, dentre os 12 botes, a cair no rio RS.
      Chegando lá 13h, pegamos o carro e fomos para a praça comer nosso almoço (Fungini prato pronto rs), demos uma volta pelo centro e 15h estavamos dnovo lá na agência para fazermos o boia cross, que foi legal, mas as águas do rio são muito mansas.
      Nesses dois passeios é importante levar um calçado que fique preso ao pé e possa molhar.
      Quando voltamos, lá pelas 17h, ficamos na piscina do camping. Neste dia também fez um tempo muito bom, muito sol.
       
      28.dez - 3ºdia
      Dia de Cachoeirismo!! Fomos até o parque Aventurah, que é onde fica a cachoeira, onde nossos instrutores, os irmãos Gian e Giovani nos deram uma aula básica de como deveriamos proceder na cachoeira. Entramos então na velha perua que nos levou até próximo da cachoeira. Descemos uma cachoeira de 45m amarrados por uma corda em pedras escorregadias, nunca havia feito nada do tipo, no começo, que tinha que se jogar de costas na beira da plataforma, deu um leve cagaço mas é bem tranquilo. Na volta encaramos uma trilha de uns 40 minutos no meio da mata para chegar até a perua.
      Pelo resto da tarde aproveitamos o parque, que tinha piscina, um lago bem grande, onde um menino de 6 anos me ensinou como eu deveria escorregar no tobolago (um tobogã que termina num lago). Ganhamos uma tirolesa aquática para fazer nesse parque, você pula de uma plataforma e no fim termina dentro do lago (muito legal). Tinha também lá uma prancha que era puxada por sistema mecânico para meio que vc surfar em alta velocidade no lago, mas que acabamos não indo. Na saída comemos o sanduba de linguiça com rucula no Tavolaro, que fica grudada no parque.
      Fomos direto para o centro, dar uma olhada na casa da Cachaça. O lugar é muito legal, vende além de cachaça licores de vários sabores, além de vender o melhor queijo que já comi na vida: um requeijão. Comi uma amostra, e na maior cara de pau pedi para repetir de tão bom que estava. Comprei um licor de leite de onça e um doce de nata.
      Lá pelo fim da tarde, exaustos e cansados, voltamos para o camping. O que vinhamos esperando há 2 dias finalmente aconteceu: choveu, com direito a muito vento e raio.
       
      29.dez - 4º dia
      Pela manhã já havia parado de chover e as barracas estavam secas. Guardamos, arrumamos as malas, fechamos as contas e fomos para a nossa última visita em Brotas: escutando uma conversa, ouvimos dizer que a melhor cachoeira para se visitar era a Cassorova. É para lá que fomos.
      Já estávamos no Patrimônio e fomos entrando cada vez mais adentro. Fomos, fomos e fomos, parecia que o lugar não chegava nunca... já estavamos achando estranho, até que vimos uma placa, direcionada para uma estrada de terra que indicava "cachoeira do cassorova". A estrada está em condições muito ruins. Tem muitas subidas e descidas, que impedem o motorista de enxergar se tem algum carro vindo na direção oposta. Detalhe: é nessa estrada que fica o camping que a princípios iriamos, por sorte desistimos dele. Chegando lá na fazenda pagamos 25 conto cada um pra entrar (um roubo, mas fazer o quê). Lá ficam 2 trilhas, uma de 15 minutos em terreno íngreme com escadaria que leva até a cassorova e outra mais plana, porém 10 vezes mais comprida, que leva 40 min para ser percorrida (dos Quatis).
      Descemos primeiro na Cassorova sossegado (para minha amiga nem tanto). No pé da cachoeira tem um poço com 6m de profundidade, onde quem sabe nadar pode tomar banho. a única coisa que estraga a paisagem é uma grande corda laranja usada para fazer cachoeirismo que se extende por toda a cachoeira.
      Voltamos, minha amiga já muito cansada não quis fazer a do Quati, acabei nem indo também. Fomos embora para São Paulo, chegamos em 3h mais ou menos.
       
      Talvez tenha esquecido alguma coisa ou outra nesse relato, mas aí vai um super resumo:
       
      Gastos:
      Pedágios: 74R$ (total ida+volta). Confesso que isso foi burrada minha. Segui o GPS e fui pela Anhanguera. Se tivesse ido pela Bandeirantes o gasto com pedágio previsto era 55R$.
      Gasolina: Não sei exatamente dizer o quanto, mas foi aproximadamente 1 tanque inteiro
      Camping: 75R$/pessoa ( 25R$ por noite, 3 noites)
      Comida: Cada refeição daquela fungini custa 7,30R$
      Pacote de Passeio: 190R$
      Visita na Areia que canta: 30R$
       
       
       
      NÃO DEIXE DE LEVAR:
      -Calçado que fique preso ao pé que possa molhar. No caso do rio do primeiro dia, do rafting e do boia cross era possível usar papete e sandália. No cachoeirismo era obrigatório o uso de calçado fechado, portanto leve um par de tênis para molhar e outro par para usar no dia a dia.
      -Repelente, ou próximo aos rios e cachoeiras você vai levar muitas picadas de lembrança.
      -Carro. Sem ele fica difícil se movimentar pela região, pois não existem ônibus que vão do centro até o bairro do patrimônio e até outros locais onde são realizados passeios (que ficam um pouco distantes).
       
      NÃO DEIXE DE VISITAR:
      -Fazenda Areia que canta - A nascente é FANTÁSTICA, e na fazenda dá para tirar um bom cochilo nas redes às margens dos lagos.
      -Casa da Cachaça - Além de cachaça vende licores caseiros de todos os sabores. Vende ainda doces caseiros e queijos ( o requeijão é FANTÁSTICO). Lá também tem um pequeno museu da cachaça, uma salinha com diferentes garrafas de bebidas alcoolicas. a loja em si é muito legal. O endereço é Pça Benedito Calixto, 221 (centro)
      - Sorveteria - Infelizmente não sei o nome, mas era uma sorveteria que ficava numa esquina e vende um sorvete de laranja (massa) muito bom por 3R$ a bola.
      -Tavolaro - Fica grudado no parque Aventurah (SP-225 direçao Jaú, km 142), tem vários tipos de doce caseiro, queijos e na lanchonete deles vende um sanduba de linguiça com queijo e rúcula bastante pedido. Muito bom.
       
      NÃO DEIXE DE COMER:
      - O requeijão que vende na Casa da Cachaça
      - Pão de queijo na padoca que fica perto das agências
      - Sorvete de Laranja na rua que é paralela à rua das agências
      - Sanduiche de Linguiça com Rucula e queijo na Tavolaro.
       
      Grande Abraço!!
       
      Felipe Matsusaki
    • Por Jaqueline Volpe
      Resolvi fazer esse passeio para comemorar o aniversário do meu namorado, e chamei mais duas amigas, fomos em 4.
      Compramos o fds pelo Hotel Urbano na Pousada Sabiá, com café da manhã incluso por R$ 240,00. A Pousada é simples, os donos são simpáticos, o café da manhã é bom e a cabana é limpa, nada de luxo, mas totalmente decente para um fds.
      Não sei se é porque fomos em Agosto e estava um pouco frio ainda, mas a cidade é super parada, apesar da grande movimentação de turistas para os passeios, quando você dá uma volta por lá depois do almoço ou de noite, achei ela bem parada.
      Chegamos na sexta a noite e ficamos na pousada mesmo pq no Sábado iamos fazer Rafting logo cedo. e acreditem qnd digo que estava frio, mas logo veio aquele sol fraco que iluminou o dia, mas não esquentou a água! rsrs
      Fizemos Rafting com a agência Ecoação que eu super recomendo, nos custou R$ 98 por pessoa e como meu namorado era aniversariante, ele não pagou! Fomos super bem atendidos, mas lá não aceita cartão de crédito American Express nem o ELO (fica a dica), mas eles aceitam cheque!! (#qisso?).
      Tem uma instrução que o monitor dar antes de sairmos, útil e engraçado. Fomos em ônibus escolar amarelo estilo americano até o local do Rafting onde as turmas foram separadas por monitores e o nosso monitor é muito engraçado. Nosso monitor foi o Mormaço que eu super recomendo também! gente boa! Ele fez uma bricadeira antes lá com o grupo que é legal.
      São quase uma hora e meia de Rafting e te ocupa a manhã toda. Chegamos na cidade por volta do meio dia congelando, pois o Rafting molha, e molha tudoooo. Fomos para a pousada tomar um banho e nos trocar e voltamos para a cidade para almoçar. A moça da pousada tinha nos indicado o restaurante Santa Gula e lá fomos. O restaurante é bonito e comemos bem, a comida era boa tb. você tem a opção de comer por kg ou a vontade, como eu não como muito, meu prato deu uns 20 reais.
      No domingo fizemos Arvorismo na Fazenda sete quedas, o arvorismo fizemos com a agência H2Omem. É legal, tirolesa e rapel na cachoeira estava incluso e é outro passei que ocupa a manhã inteira.
      Almoçamos no restaurante são Camilo que eu achei mais gostoso que o Santa Gula, mas o preço estava parecido. e claro, fizemos algumas comprinhas na Casa da Cachaça (o que não é barato) mas o atendimento do senhorzinho lá é super 10. ele é muito simpático e te dá tudo para experimentar!
      E de volta a São Paulo! são quase 3 horas de viagem, a estrada é ótima, fomos pela Bandeirantes e tem pedágio para Cara#$%¨&.
      Não visitamos a Areia que canta pois nem a moça da pousada, nem o nosso intrutor Mormaço indicou. Está R$ 45 pra visitar, ela já perdeu um "olho" e só poderia ficar 5 min lá dentro, enfim, foi desanimador e não fomos. Eu já fui há uns 10 anos atrás com a minha mãe e achei lindo e muito legal a areia fazer barulho, então vai de cada um querer ir ou não. O que não falta em Brotas é esportes para fazer, só que tudo é pago, então prepara os bolsos!

×
×
  • Criar Novo...