Ir para conteúdo

21 dias passando por Lima, Cusco, Machupicchu, Arequipa, Arica, Atacama, Salar de Uyuni e Salta


Posts Recomendados

  • Membros

Em novembro/11 fiz um mochilao de 3 semanas, passando por: Peru/Chile/Bolivia/Argentina. Resumindo um pouco dessa viagem, em que aproveitei muitas dicas daqui...

Antes de começar, pra fins de conversão:

R$1 = s./1,2 = CLP250 = BOL 3,5 = ARS 2,5

 

Dia 1: Lima

Peguei a passagem de ida com milha da Avianca. Volta e meia eles tem promoçao de 2x1 para comprar milha e o trecho RioxLima direto estava por 9mil e custou 150USD (menos de 300R$). Foram 5h de viagem e chegando no aero saquei um pouco de Soles. O hostel escolhido foi o Loki (s./40 diária, quarto quadruplo feminino com banheiro) e reservei o taxi com eles mesmo. Chegando lá, morta de fome, almocei no El Bigote, um restaurante de ceviche que me indicaram no albergue. Bem tradicional e aprovei, mas entra na categoria caro (s./45 ceviche misto com Cusqueña 600ml). De lá, começou a andança. Fui a Huaca Pullana (s./12) de lá pra orla, no Parque do Amor, shopping Larcomar, bairro de Barranco, Puente de los Suspiros... Jantei na La Lucha Sangucheria e gostei bastante! (s./23 sanduíche, suco natural e batata-frita, muito bem servido!). De noite, encontrei minhas amigas peruana que conheci na Colombia e me levaram no bar Ayahuasca, em Barranco. Ambiente bem legal, lotado, um milhao de tipos de pisco sour, mas cada um a uns s./20, mas vale a pena provar.

 

Dia 2: Lima

Dia de conhecer o centro. Vale a pena pegar um taxi, sempre acertando o preço da corrida antes de entrar! Visitei a Plaza de Armas, Catedral, convento de St. Domingo e almocei no Tanta, do chef Gastón Acurio. Gostei bastante da comida e para o nivel do restaurante, nao achei caro, principalmente comparando com o RJ. De lá fui ao Barrio Chino (Chinatown) e encerrei o dia no Parque de la Reserva, no show das águas (s./4), que achei bem legal, principalmente chegando no entardecer.

 

Dia 3: Lima-Cusco

Sai cedinho pra pegar o voo Lima-Cusco (tambem Avianca, com milhas = USD60). Chegando em Cusco, pegue o taxi fora do aeroporto! Os taxistas vem querendo cobrar s./40 e fora consegue por s./10! Reservei o Wild Rover (s./35 quarto de 8, feminino com banheiro). Gostei bastante do hostel, tem um pub bem animado todos os dias! Esse dia peguei leve, porque subia 2 degraus e já ficava sem ar (e olha que tenho bom condicionamento físico!). Só dei uma volta pela cidade e fui até San Blas. Bem legal o visual de lá! Aproveitei pra comprar o ticket de Machupicchu com Wayna Picchu (s./159) e reservar o city tour pro dia seguinte, junto com o Valle Sagrado.

 

Dia 4: Cusco – city tour

De manhã aproveitei pra ir na rodoviaria comprar o bilhete pra Arequipa (s./40 com a Cial) Voltando pra cidade descobri que existia o Free Walking Tour (igual aos da Europa), mas infelizmente não dava mais pra fazer porque sai as 11h (da praça em frente ao Choco Museo). Me pareceu ser bem legal! ;) Como ia fazer o city tour, só fui no Choco Museo, almocei no El Cuate Mex (calle Procuradores) e fui a Plaza de Armas. Até aí tudo bem, até a hora que eu vi todas as agências saindo e nada da minha..... Fui entao conversar com uma guia que tinha rádio e quetentou contato com a agencia, eles até atenderam, mas ficaram só dando desculpas... E eu já tinha pago! Enfim, me juntei a tal agencia que se chama Raices e fiz o city tour com eles (s./20). Visitamos a Catedral (s./10) e descobri que era um tour lotado de brasileiros! (mais velhos, mas todos uns amores!!!). Como eles iriam a pé pra próxima parada, o Qoricancha (s./25), resolvi correr na agência, que fica na calle San Blas e consegui pegar o $$ de volta e o cara, na cara de pau, falando que eu que não tinha ido no local combinado... Enfim! No final não tive prejuizo e consegui encontrar todo mundo na parada seguinte. De lá, depois do tour, pegamos a vanzinha pra ir a Sacsayhuaman, Q’enko e Tambomachay. Pra esses lugares o pro Valle Sagrado no dia seguinte, precisa do bilhete turístico (completo s./130). Visuais bem legais, mas leve casaco porque é um descampado e o vento maltrata! Na volta, aproveitei o bilhete turístico e fui no show de dança típica. Nada imperdível, mas passa o tempo....

 

Dia 5: Cusco – Valle Sagrado

Achei esse tour muuuito legal! (s./40). Buscam as 8h no hostel e te leva a Pisaq, Urubamba e Ollantaytambo (vai a Chinchero também, mas como fui direto pra Aguas Calientes, dispensei essa etapa). O visual é lindo e vale a pena ouvir as histórias dos locais, a arquitetura... Vale bem a pena! No mercadao de Pisaq dá pra comprar as lembrancinhas pra todos e tem bastante prata boa. Ollantaytambo é show tb, as montanhas ao redor, com um milhão de imagens, sao demais! Em Ollanta, dei uma voltinha pela cidade, me abasteci de lanchinhos pra Machupicchu e peguei o trem (s./135) pra Aguas Calientes. Atrasou 1h e chegamos lá 21h. Reservei o hotel Sol de Oro pelo booking.com (s./78 quarto individual), achei justo o preço mas esperava alguma sustância no café da manha, o que decepcionou, só com pão seco e manteiga mesmo...

 

Dia 6: Machupicchu

Acordei 4h30 pra aproveitar o máximo do dia. As 5am começa a subir o ônibus, mas até comprar o bilhete (s./46 ida e volta) e enfrentar a fila, devo ter pego o 8º e ainda tinha uma filinha pra entrar em MP. Na chegada, tudo nublado!!! Que triste!!! Fiz o caminho até Wayna Picchu porque a minha entrada era de 7h as 8h. Entrei logo no início e depois de pouco mais de 1h de subida pesadinha, chegamos no topo e.... AINDA TUDO NUBLADO!!! Nao é possível!!!! Quase na hora que estavamos sendo expulsos pelo cara do parque, já que o 2º grupo ia começar a subir, por um milagre, o ceu abriu e o visual ficou incrível!!! Pra descer, é mais fácil, 1h também, com parada pras fotos. Fiquei muito satisfeita por ter escolhido o primeiro horário pra subir, pq MP nao é frio, e as 10h o sol já tava começando a dar uma castigada. Com o esforço da subida é muito mais cansativo e muito mais lotado tb. Depois, ficamos aproveitando a cidade por mais umas 4h o que é dá e sobra pra ver tudo e mais um pouco! Voltei pra cidade pra pegar o trem de volta a Ollanta (s./135) e, assim que entrei no trem desabou um temporal.... Que sorte! De Ollanta, peguei uma van, estilo lotaçao (s./10), que me levou a Cusco. Jantar no veggie El Encuentro (s./7) e fui pegar o bus pra Arequipa as 21h.

 

Dia 7: Arequipa

Umas 10h de viagem e chegamos a Arequipa. Já deixei comprado o bilhete pra Tacna, pra cruzar pro Chile. (s./20 com a Cromotex). Reservei o Wild Rover de novo (s./25 feminino com 4 camas e sem banheiro) e, pela 2ª estadia eles dão uma cerveja gratis! =)) Dei uma volta pela cidade e fui no Monasterio St. Catalina (s./35), como vi que não teria muito mais o que fazer por ali, comprei o trekking pro Canon de Colca (s./120 com a Andes Expediciones).

 

Dia 8: Canon de Colca

Esse tour busca as 4am no hotel porque é um chao até chegar a Colca e tem que comprar um boleto turístico pra la tb (s./40). Paramos as 7h pra tomar um café da manha (esse sim reforçado!), enquanto a galera que vai só fazer um bate-volta fica esperando na van. A primeira parada é pra ver os Condores (tímidos no dia, só um deu o ar da graça) e depois a van nos deixa um pouco mais a frente, onde começa o trekking. Fomos num grupo de 10 pessoas (franceses, alemaes e coreanos), mais 2 guias. São 2h30 de descida, parada pra almoço no meio de nada com comidinha gostosa e mais 3h até chegar no nosso refúgio também no meio do nada, sem luz eletrica, mas com uma piscininha, agua fervente pra tomar banho e quarto simplerrimo, mas bem quentinho. La servem um jantar gostoso tb, com o céu mais estrelado que já vi na vida!

 

Dia 9: Canon de Colca

Acordamos as 5h30 pra começar a subida e o café da manha é só lá em cima! #desespero! Heheheh A media de subida sao 3h, mas o grupo era frenetico e conseguimos chegar em 2h (o guia foi o ultimo, por sinal...). Café da manha gostoso em Cabanaconde e depois visitamos a cidade de Chivay, basicamente pra comer, ver uma feirinha e partir. De volta a Arequipa, foi só tomar banho, encontrar a galera do trekking pra tomar uns piscos e partir rumo a Tacna as 10pm.

 

Dia 10: Tacna-Arica

Essa viagem foi o inferno! Foram só 5h, mas o onibus parava de 30 em 30 minutos, entrava um povo vendendo comida e gritando, música alta... E lá se foi minha noite de sono.... Chegamos as 4h e já tinha uns carros (o tal do colectivo) pra levar até a fronteira com o Chile, pra cidade de Arica (s./20). Depois da migraçao o motorista deixa na rodoviária de Arica, onde já comprei o bilhete pra San Pedro de Atacama (CLP 22.000 pela TurBus), que saia as 21h30. E agora, o que fazer o dia inteiro em Arica? Resolvi tentar ir até o Parque Lauca, que me falaram que era bem legal. Encontrei um busao com destino a Bolivia (CLP 7.000), que passa por uma tal de Chungara e que me deixaria no Parque, depois de 4h de viagem e resolvi encarar. O visual estava bem interessante, vulcoes gigantes com picos nevados, flamingos pelos lagos, llamas e vicuñas espalhadas e eu tentando achar alguma entrada de parque. Ao falar com o motorista, numa paradinha que ele deu, ele me disse que a entrada já tinha passado e eu teria que voltar... Era tipo uma fronteira e tinha um onibus parado, vindo da Bolivia, sendo revistado e eu aproveitei pra voltar com eles (CLP 5.000)... Muita sorte! Podia ter ido parar no meio do nada ou ficar largada na estrada!! Na volta, prestei muita atençao e nao vi nenhuma entrada pro parque! Ou seja: Parque Lauca, se quiser encarar, alugue um carro ou pegue um tour, é mais seguro! De volta a Arica, fui pro centro e encontrei um calcadao legalzinho, com bastante movimento e lojinhas e gastei o resto do meu tempo por la, antes de voltar pra rodoviaria e encarar o proximo busao, até SPA.

 

Dia 11 – Atacama: Valle de la Luna

Cheguei em Atacama as 9h e essa viagem foi bem tranquila, mesmo sendo semi-cama com uma parada no meio do nada pra revista do onibus. A cidade é micro e fui a pé pro Hostel Campo Base, que também reservei pelo booking. (CLP 48.000 quarto quadruplo feminino com banheiro). Equipe super simpatica e prestativa, ainda me deixaram aproveitar o café da manha. O albergue é otimo e lotado de brasileiros, formamos uma mega gangue por la!! =) Reservei com eles o passeio pro Valle de la Luna (CLP 8.000 + 2.000 de entrada), mas antes fomos almoçar no Adobe Café: melhor refeiçao da viagem! (CLP 9.000 pelo menu do dia + cerva). Aproveitamos pra fazer enquete nas outras agencias e acabamos achando a Andes Travel, que fez uma proposta de preços muito melhor que a do albergue e que as demais da cidade e resolvemos fechar com eles o passeio das Laguna Altiplanicas e Cejar com eles, pro dia seguinte (CLP20.000 + 5.000 de entrada). O Valle é bem legal, mas tava um forno as 14h, quando ele sai... De noite, de volta a cidade, jantamos no Tierra todo Natural (CLP8.000), que também recomendo.

 

Dia 12 – Atacama: Lagunas Altiplanicas

Esse passeio passa as 7h pra buscar no albergue. O café da manha é na primeira laguna, com os flamingos, bem servido! E o guia, igualzinho a um indio, era uma figuraça, contando várias histórias! Depois fomos a mais umas 3 lagunas e fizemos mais umas paradinhas pra ouvir aos causos do guia. Achei o passeio legal, mas quem já foi a Bariloche talvez nao se surpreenda muito. Almoçamos uma chuleta de cerdo no Baltinache (indicacao do guia! CLP9.000 com cerva) e fomos a Andes Travel comprar os outros passeios. No jantar, empanadas do Delicias del Carmen (CLP2.500) com cervejas, mesmo com a indicacao de nao beber antes do passeio do Geiser del Tatio, pra nao passar mal pela altitude...Ops! ;)

 

Dia 13 – Atacama: Geiser del Tatio + Lagunas Cejar e Ojos de Salar

A van passou as 4am pra chegarmos cedinho e vermos o Geiser (CLP 15.000 + 5.000 de entrada), enquanto ainda está frio, antes que sumam. Apesar de chegarmos com -4C na entrada, o visual é tao incrivel que o frio passa rapido! E olha que um mes antes estava -20C... Mesmo esquema cafezao com sustancia e depois fomos pras termas. Achei que nao conseguisse mas dá pra aguentar o frio externo numa boa! Depois nao dá vontade de sair! Na volta, almoçamos no Inti Sol (CLP7.000 com cerva, bom mas o mais fraquinho de SPA) e fomos pro passeio da Laguna Cejar (CLP10.000 + 2.000 de entrada). Esse passeio me surpreendeu! Nao levava muita fé, mas achei divertiderrimo! Primeiro é uma laguna com altissimo teor de sal e que o povo flutua. A agua é gelada, mas é legalzinho... Minha amiga teve alergia e ficou toda coçando pelo sal! De la, fomos aos Ojos del Salar, tipo um piscinao no meio do nada. O negócio la é tomar coragem e sair correndo pra pular. Muito legal, mas é a agua mais gelada que ja vi na vida, achei que meu corpo ia congelar antes de conseguir sair da agua... heheheh E por último, vamos ver o por do sol, bebendo pisco, na lagoa mais linda que já vi!

 

Dia 14: Atacama – Salar de Tara e Tour Astronomico

A van passa as 8h pra levar pro Salar de Tara (CLP 35.000) e tem que se programar direitinho pra esse passeio, pq ele nao sai todo dia e fomos numa van só de 6 pessoas. Esse dia foi um fos poucos em que conseguimos tomar o café gostoso do hostel Esse tour tb é incrível, vale bem a pena pelas paisagens super legais. O almoço é numa casinha no meio do nada e na volta, apesar da emoçao de atolarmos no deserto, chegamos sãos e salvos as 15h. Tarde de descanso porque a noite teriamos o tour astronomico (CLP18.000), mas nao sem antes reunir a brasileirada pra cerveja no unico barzinho animado da cidade. O tour em espanhol saiu as 10h e também vale super a pena, diferente de qualquer outra coisa que eu já tenha feito!

 

Dia 15 – Salar de Uyuni

Comprei o tour do Salar na véspera, pela Cordillera Travel, que havia sido indicada por todos os que conheci em SPA (CLP 78.000). Foi um pouco mais cara que as demais, mas tava disposta a pagar um pouco mais e ter o mínimo de conforto, afinal ja tinha ouvido cada depoimento bizarro... A saída do Chile é tumultuada, mas a entrada na Bolivia é bem tranquila, e é quando saimos da van e pegamos a 4x4, alem de pagar pela entrada no parque (BOL 150) . Nesse dia vimos mais aguas termales, lagunas de cores variadas e geisers, paisagens maravilhosas e fotos que nao conseguem retratar a beleza! Chegamos no nosso hotel e aí veio a surpresa: era ótimo! Todos falaram do perrengue da primeira noite, mas a nossa foi otima! Comida boa, banheiro com água e camas quentissimas pra enfrentar a noite gelada do deserto.

 

Dia 16 – Salar de Uyuni

Nesse dia, chega-se no máximo da altitude e a cabeça doeu bastante, apesar de estar há mais de 10 dias acimas dos 3.000m. Uma dinamarquesa do tour desmaiou e ficou um lixo pelo dia inteiro! Passamos por um milhao de flamingos, a arvore de pedra e mais lagunas, mas a maior emoçao veio quando estavamos saindo do parque. Cancela abaixada e uns 30 bolivianos mal encarados pediram pro nosso motorista (que era um fofo!!) descer. Depois de uns 10 min deles falando e o nosso guia com uma cara feia, eles levantaram a cancela e deixaram a gente sair... Aí o guia explicou que a partir de 0h ninguem mais entraria ou sairia do parque, porque haveria uma greve pra protestar contra o governo boliviano que nao investe no local. Todo mundo tenso no carro até que o guia explicou que haviamos acabado de sair.... Ufa!!!!!! Nas vezes que paravamos, conversavamos com outras excursoes e todas elas voltariam a Bolivia porque falaram que esse esquema de greve é realmente sério e tenso!!! No fim da tarde, chegamos no nosso hotel de pedra, super confortavel, com agua quente e jantar com direito a vinho.

 

Dia 17 – Salar de Uyuni

Último dia, acordamos as 4h30 para pegar o por do sol no Salar. Um espetáculo! Vale muito a pena esse sacrifício!! Depois parada na ilha dos Cactos, numa feirinha e no cemitério de trens, além de sermos parados pela polícia que tentou subornar o nosso guia pela sua habilitaçao que estava com micro riscos, chegamos a Uyuni. Ahhhh!!! Amei o passeio e acho que ter sido surpreendida pela boa estrutura da agencia, somou mtsss pontos!!! Em Uyuni, achamos um hotel por BOL30 (menos de R$10!!!) para tomar um banho e esperar o dia passar, até a hora de pegar o trem até Villazon, fronteira com Argentina. Esse trem comprei pelo site fca.com.bo por USD24 e também valei muito a pena, porque é bem confortavel e serve até café da manha! Era pra sair as 22h mas atrasou 1h....

 

Dia 18 – Salta

Chegando em Villazon, pegamos um taxi até a fronteira (BOL 4) e de lá caminhamos até o terminal de bus. Pegamos o primeiro que estava saindo e depois descobrimos que parava em Jujuy (ARS 110). No final das contas, demorou umas 8h até chegar a Salta e fiquei no hostel Prisamata (ARS 60 quarto feminino de 6, banheiro compartilhado). Esse albergue tava vazio, tanto que fiquei no quarto sozinha, mas o povo que tava la ficou mega unido e fizemos churrasco (o tal asado) e fomos pra night juntos, numas festinhas de locais.

 

Dia 19 – Salta

Dia pra perambular sem rumo por Salta. Tava sentindo falta de uma cidade grande, com buzina, poluicao.... Ver só llama, alpaca, vicunas, flamingos e lagunas já tava me cansando!! Hahahah Fiz o passeio do teleférico e fui no mercadinho de artesanatos. Como era domingo, foi um parto achar um lugar pra comer, até que cheguei num shopping grande, cheio de sala de cinemas e encarei o Mostaza (fast food argentino, mas preferi o La Lucha peruano) Como era domingo, tava tudo meio paradao na cidade....

 

Dia 20 – Salta/Buenos Aires

Ultimo dia em Salta..... Mais uma voltinha pela cidade e ida pro aeroporto. Peguei a passagem de volta Salta/BsAs/Rio pela Tam, de milhas (15mil) com direito a uma pernoite na capital argentina. Fiquei no hostel Reina Madre, na Recoleta (ARS 90, quarto quadruplo feminino), que mais parece uma república, onde as pessoas que ficam lá sao estudantes, maioria latino, e eles moram la. Tanto que fiquei num quarto que parecia que eu estava dormindo na casa de alguma amiga, cheio de roupas, cremes e livros espalhados por todos os cantos.

 

Dia 21 – Buenos Aires/Rio

Último dia, passeio por Palermo e pela Recoleta, que eu já conhecia, só mesmo pra comprar umas lembrancinhas.... Esse dia foi o tal da greve geral argentina e todo mundo me colocou um terror absurdo, que eu nao conseguiria chegar no aeroporto e etc.... Super tranquilo! Fui de onibus mesmo, Manuel Tienda Leon, que recomendo! BsAs já nao é mais tao barato! Fui la em 2009 e os preços aumentaram consideravelmente! O taxi que era ARS 90 pra Ezeiza hoje em dia está mais de ARS 200!!!!

 

Resumo da viagem: 21 dias divertidíssimos!! Fui sozinha e conheci muita gente legal, nao me senti insegura em momento nenhum, so me arrependo de ter feito algumas coisas de forma meio corrida ou ter emendado 2 noites pernoitando em onibus.... Qualquer dica, fico a disposicao!

 

Bjs,

Lu.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 semanas depois...
  • 2 meses depois...
  • Membros

oi Lu!

Muito legal seu relato, pra eu que estou montando meu roteiro ajudou bastante!

Tenho algo pra lhe perguntar, é sobre os Geisers:

O Geiser Del Tatio e os Geisers do Salar de Uyuni são semelhantes? Vc acha que eu estaria perdendo muito se deixasse de visitar o Geiser Del Tatio, e visitasse somente os do Salar de Uyuni?

É pq pesquisando eu vi que é possível fazer o passeio das Lagunas del Cejar de bicicleta! E super me animei! Só que nesse caso eu deixaria de visitar os Ojos e o Geiser Del Tatio. Será que vale a pena?

Outra coisa, depois do Ojos vc disse que foi ver o por-do-sol eu uma lagoa. Vcs voltam pra Laguna Cejar, ou é uma outra lagoa nesse dia do passeio?

Muito obrigada!

Bjs

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...