Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
casal100

Estrada Real a pé - Perguntas e Respostas - 2013 a 2015

Posts Recomendados

15º DIA 11/02/2013 - Segunda-feira

 

De Carrancas a Casa do Roberto próximo a fazenda Traituba - aprox. 28 kms em +- 06 horas.

 

Acordamos cedo, mas não podíamos sair, sem a resposta do Dutra, tivemos que esperar até 08 horas pra saber... as 08 em ponto, batemos na porta da pousada do Dutra, ele afirmou que tudo estava certo, que o Roberto estava nos esperando ...ufa...até que enfim resolvemos da melhor maneira possível...não vão sem antes confirmar se o Roberto pode recebê-los, pois ele costuma viajar, e a casa fica fechada, e não tem outra opção na redondeza....

 

Como ficamos esperando a resposta até as 08, saimos tarde, ai enfrentamos outro problema: O FORTÍSSIMO SOL.. quase dissolvemos novamente...calor para caramba... mas seguimos viagem bem devagar, como levamos mais de 4 litros d'água cada, não precisamos colher água no caminho....o Trecho não é muito forte, as subidas/descidas não são íngremes, mas são muitas.....alguns kms antes da casa do Roberto nossa água acabou, um motorista parou e nos ofereceu água geladinha, quebrou um grande galho.....no final deu tudo certo.

Assim que chegamos, caiu um dilúvio, com relâmpagos e raios, demos muita sorte!

 

HOSPEDAGEM: Casa do Roberto, fica defrente ao marco 1052 da estrada real(sobe uns 50 metros a esquerda do marco), km +-27,34 de Carrancas. A casa é bem simples, mas tem TV a cabo, banho quente, comida no fogão a lenha, pomar com muitaaas frutas(quase todo tipo), além da ótima prosa do Roberto, uma excelente pessoa e bom papo... passamos momentos fantásticos com ele... valeu cada segundo!

Pra terem idéia: a hospedagem foi negociada a R$80 o casal com almoço/café da manhã incluído......ele estava fazendo frango de granja + arroz + salada + canjiquinha + feijão + batata...completo.....

Minha esposa viu as galinhas comendo na porta da cozinha, e disse: "Roberto, que tal comermos um frango caipira agora"... ele, imediatamente pegou um monte de milho e jogou para elas, pegou um frango bem grande e matou na hora para atender a vontade de minha esposa....poxa quanta generosidade! É claro que pagamos mais caro, contra a vontade dele...gente finíssima!

 

O café da manhã teve: pão, café, leite, bolo e biscoito.

 

Obs.: a casa dele comporta no máximo 4 pessoas por dia, até dezembro o Roberto garatiu que vai melhorar as acomodações. por isso é importante ligar antes e reservar.

 

CONTATOS DO ROBERTO:

Pousada Carrancas, falar com o Dutra: fone (035)3327-1040

Fone do Roberto, direto com ele.....: fone (035)9974-8161 (ligar das 11 às 12 horas e depois da 17 horas, pois ele trabalha na chácara, e o celular não pega)

 

Segundo informação, tem um local perto da casa do roberto que vende pão e mais algumas coisas.....fico devendo essa, pois não me informei com ele.....

 

Obs.: Não façam esse trecho sem antes avisar ao Roberto que estão seguindo para lá....reservem antes...pois ele costuma viajar e a casa fica fechada.....

A casa fica ao lado da linha da estrada de ferro, a uns 30 metros fica a estação ferroviária.

 

Algumas fotos:

Subidas/descidas muitasss...lá no horizonte, do lado esquerdo da foto, serra de traituba, e lá que devemos chegar.

DSC04363_zps76a881a1.jpg

Fazenda centenária, com plantações de milho......descida e mais descida,....depois subidas e mais subidas

DSC04365_zpsddc86b3e.jpg

Olhem a chuva que estava para cair, sorte nossa que a casa do Roberto estava bem próxima, choveu muito...assim que chegamos.

DSC04370_zps155b1d12.jpg

Esse é o Roberto, gente finíssima.....e sua alquimia de sabores.....o cara cozinha muitooooo, comemos um frango caipirada, que vai ficar na nossa memória para o resto das nossas vidas.....deliciosssssoooo - show de bola....a melhor comida de toda viagem.

DSC04372_zps96cc2cff.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

16º DIA - 12/02/2013 - Terça-feira

Da CAsa do Roberto(marco 1052) a Cruzilia foram aprox. 40,50 kms - em aprox. 09 horas

Acordamos bem cedo, o Roberto preparou um café pra nós, batemos um papo até o dia clarear, saímos com o tempo frio, alguma neblina, chegamos na fazenda Traituba, tiramos algumas fotos, dali para frente o sol começou a pegar, não tinha sombra...algumas cachoeiras no caminho.....esse trecho tem muita reta, mas algumas subidas/descidas íngremes.

Muitas fazendas de gado de corte e de leite, plantações de milho/soja/café.....no final pegá-se um pequeno trecho em asfalto.....chegamos cansadíssimos e, era o último dia de carnaval, e não sabíamos se conseguiríamos hospedagem com facilidade, para nossa surpresa, os hotéis tinham vagas sobrando. O carnaval foi realizado na praça principal, por pouco íamos ficar num hotel bem próximo a bagunça...por sorte, ficamos em outro mais longe da muvuca!!

Comemos um self-service numa lanchonete próximo ao hotel(R$19,80 o kg)

Novamente, assim que chegamos a cidade, caiu outro dilúvio na cidade...credo!

HOSPEDAGEM: Hotel Real, rua paralela a praça principal, camas ótimas, banheiro limpissimo, tv a cabo, wi-fi, café da manhã +-, camas ótimas, ventilador, preço: R$140,00 o casal

CRUZÍLIA: cidade com boa estrutura hoteleira, tem opções de lanchonetes, restaurantes, farmácias..... a cidade é conhecida nacionalmente com a terra do cavalo mangalarga marcador

 

Algumas fotos:

Começando a caminha bem no amanhecer, próximo a fazenda Traituba:

DSC04376_zpsd306715a.jpg

Chegando a fazenda Traituba...

DSC04377_zps8a84a879.jpg

O gado nelore costuma a acompanhar quem passa no pasto.... foi assim, tinha esses num plano mais alto(a estrada ficava abaixo) do lado direito, do lado esquerdo tinha um cerca e outra fazenda, com mais bois nelores..... nós no meio dos dois gados...... quando passamos, eles vieram atrás...mas um monte de boi...uns 1.000, já pensou eles viessem pra cima de nós...foi tenso, mas ao mesmo tempo divertido, depois que acabou ..

DSC04387_zps570f7e9d.jpg

Mais uma subidinha para arrepiar os músculos....umas árvores floridas....esse trecho tinha pouca sombra

DSC04388_zps3ffe9ee7.jpg

Chegada em Cruzília, capital do cavalo mangalarga marchador

DSC04395_zps98b91c80.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

17º DIA - 13/02/2013 - Quarta-feira

 

De Cruzília a Caxambú - fizemos em +- 06 horas de caminhada

 

Trecho com algumas subidas/descidas íngremes, passamos dentro de várias fazendas de gado leiteiro, plantações de café..... em alguns lugares passamos por verdadeiros túneis(ver foto), como estava chovendo muito na região, esses trechos tinham muitas poças, barro o que dificultava caminhar com tranquilidade....No topo, linda vista geral de Baependi e Caxambú.... depois pega-se um descida forte, 3 kms, até chegar em baependi, atravessa toda a cidade(não entre na cidade, acompanhe a avenida que circula a cidade), depois trecho tranquilo.

 

HOSPEDAGEM: Pousada águas Caxambú, bem no centro, esquina, 2 quadras do parque das águas, tudo perto, camas boas, banheiro/acomodações limpas, tv a cabo, wi-fi, frigobar, ventilador, café da manhã bom... preço:R$100,00 o casal

 

CAXAMBÚ: Cidade turística, circuito das águas de minas gerais, o grande destaque é o parque das águas(R$10 por pessoa, chegando depois das 17 horas paga-se a metade), muito bem conservado e limpo, lugar tranquilo, com águas, que segundo o pessoal, cura várias doenças, lago grande e um bom parque para crianças....cidade com ótima estrutura hoteleira/restaurante/comércio...... bons doces e queijos.....muito artesanato próximo ao parque das águas... gostei muito da cidade.

 

Algumas fotos:

Atravessando o cafezal

DSC04404_zps7954b5d1.jpg

Túnel de árvores, lindo aquilo lá....

DSC04410_zps7f5f2e25.jpg

Baenpedi

DSC04412_zps53bbf052.jpg

Parque das águas de Caxambú-MG:

DSC04413_zpse14ff279.jpg

Parque das águas de Caxambú-MG:

DSC04418_zps980e4932.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

18º DIA - 14/02/2013 - Quinta-feira

 

De Caxambú a São Lourenço - fizemos em +- 06 horas caminhando

 

No ínicio trecho com muita sombra, e em reta(uns 15 kms), o que facilita muito a caminhada, depois subidas/descidas fortes, o sol é fortíssimo, e não tem sombra, por isso é importante levar boné/óculos escuros/protetor solar.... senão vai sofrer muito....

no caminho vimos muita criação de gado de leite, alguns haras, com belos cavalos.

Passamos em do lado de alguns hotéis fazendas, com ótimas estruturas...

O marco final, fica próximo a estação ferroviária...

Almoçamos num self service no centro a R$26,00 o kg; a noite comemos um lanche de pernil(R$10 cada) na rua do comércio.

 

HOSPEDAGEM: Pousada Casagrande, rua cel. ferraz nº 157, bem no centro, próximo a igreja matriz, fone(035) 3331-3178, quarto limpo com camas boas, banheiro compartilhado, mas limpo, tv, wi-fi, café da manhã simples, funciona como restaurante para o almoço...preço R$60,00 o casal...vale a pena - muito barato

 

SÃO LOURENÇO: cidade bem estruturada para o turismo, melhor que caxambu, vários hotéis grandes, restaurantes/comércio pujante. Mas o grande destaque da cidade, é o parque das águas, limpo, bem cuidado, tudo pintado e reformado, tem água que ajuda no tratamento de várias doenças....R$6,00 por pessoa, pode levar 5 litros de água.

Como toda cidade turística, tem várias lojas de artesanatos, doces e queijos....tudo muito bonito.

 

Algumas fotos:

Estrada com sombras...

photo DSC04421_zpsba6165e9.jpg

Descida para São Lourenço, descida forte..

DSC04425_zps6c009e78.jpg

Parque das águas de São Lourenço-MG

DSC04432_zpsdc11f0e7.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

19º DIA - 15/02/2013 - Sexta-feira

 

De São Lourenço a Pouso Alto aprox. 16 kms em aprox. 03:30 horas

 

No ínicio, o asfalto não tem acostamento e é estreito, por isso cuidado em caminhar(esse trecho de asfalto é bem curto), depois pegá-se uma estrada de terra sem grandes problemas.

Trecho curto e bem fácil, somente uma subida/descida forte, lá pelo km 11;

Ficar atento antes do marco 1140, na virada seguinte à esquerda, cuidado que tem vários cachorros numa casa, e vão querer lhe atacar, por sorte a dona apareceu uma acalmada nos ânimos deles, mas eu já estava preparado com umas pedras na mão....cuidado mesmo....

Comemos um self-service no restaurante do gaúcho, na rodovia, R$12 por pessoa, come a vontade....comi pra caramba - ótima comida.

 

HOSPEDAGEM: Pousada Estrada Real, na praça principal, em cima de um supermercado, mas não faz barulho, tv a cabo, wi-fi, camas boas, limpo e novo, café da manhã, preço: R$80,00 o casal

 

POUSO ALTO: cidade bem pequena, mas tem alguma estrutura turística, comércio diversificado......

Obs.: Nossa intenção inicial, era tocar mais uns kms, adiantar a viagem, mas o sol forte, a possibilidade de chuva forte mais a frente, aliado ao cansaço dos dias anteriores, decidimos dormir em pouso alto, até para repor as energias gastas anteriormente.

 

Algumas fotos:

No início, depois das curvas do asfalto,pegamos esse trecho em terra, com muita neblina

DSC04437_zps56baa255.jpg

Alguns trechos com sombra

DSC04439_zps73f00f56.jpg

Pouso alto, praça principal

DSC04441_zps368a8779.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

20º DIA - 16/02/2013 - Sábado

 

Pouso Alto a Itamonte aprox. 23 kms fizemos em +- 05 horas

 

No início subidas/descidas fortes, mas fortes mesmo;

Entre SS Rio Verde x capivari, grande fazenda de criação de gado leiteiro(1.000 vacas), segundo os peões, retiram mais de 10.000 litros de leito por dia;

Conhecemos uma grande granja de galinhas poedeiras, são 1.000.000 de cabeças, que produzem juntas mais de 800.000 ovos por dia.....mas a coisa é muito triste, ficam em cubículos comendo o dia inteiro....veja a foto abaixo;

Entre o 14º e 16º kms, subida forte e, após, descida idem;

No trecho próximo a granja, não tem marco, mas use o bom senso;

O trecho final, na chegada de Itamonte, é no asfalto, mas cuidado, não tem acostamento, e o mato é alto, o movimento de carros é grande, o que pode provocar acidentes.

 

HOSPEDAGEM: Hotel Tomaz, do lado direito da estrada(corta a cidade), próximo a igreja matriz, quartos bons, camas idem, banheiro bom, ventilador, tv a cabo, wi-fi, restaurante, frigobar(pode comprar produto na cidade e colar para gelar), preço: R$100,00 o casal.

 

ITAMONTE: Cidade pequena, mas tem boa estrutura hoteleira, supermercado, farmácias......

 

Algumas fotos:

Nascer do sol entre Pouso alto x Itamonte

DSC04444_zpsca91f771.jpg

Grande fazenda com criação de gado leiteiro, galpão para ordenha das vacas(tudo mecanizado)....

DSC04444_zpsca91f771.jpg

Uma cidade no caminho

DSC04449_zps8ba3ed32.jpg

Asfalto na chegada de Itamonte, sem acostamento, mato alto e muito movimento de veículos, lugar perigoso

DSC04455_zps396aa9ee.jpg

Apa Serra da Mantiqueira

DSC04456_zps889bdc21.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

21° DIA - 17/02/2013 - DOMINGO

 

Itamonte a Posto alto da Serra(depois de Passa quatro) aprox. 35 kms em +- 07:30 horas

 

1º trecho: Itamonte x Itanhandu - 12,68 kms em aprox. 02:05 horas;

Linda vista na subida da serra, antes de Itanhandu, trecho com somente uma subida/descida forte, mas com muita sombra. paramos na praça principal para comer algo, e descansar um pouco e seguimos viagem;

 

2º trecho: Itanhandu x Passa Quatro: 10,80 kms em aprox. 02:35 horas

Esse trecho é praticamente em reta, mas não tem sombra, e o sol é fortíssimo; chegamos cedo em PQ, almoçamos perto da rodoviária num self-service(até leitoa tinha, deliciosa), ficamos naquela, dormimos aqui, ou vamos pra frente.... resolvemos seguir viagem, nossa intenção era dormir num motel na descida da serra da mantiqueira;

 

3º trecho: Passa Quadro x Posto alto da serra(marco 1221): aprox. 11:53 kms em +- 02:45 horas

O trecho mais complicado, saimos do primeiro marco, perto da matriz de PQ, seguimos por uma avenida, até a saída da cidade, atravessamos os trilhos e pegamos estrada de terra, depois de uma subida fortíssima, chegamos na rodovia asfaltada mas estreita demais, outro problema pra nós, estrada com muitas curvas fechadas... fomos bem devagar...... entramos novamente numa estrada de terra, numa outra subida fortíssima, o tempo fechou, tudo preto, começou a ventar, até parecia o vento patagônico... relâmpagos e raios....ficamos molhados, sorte que estava bem próximo do posto alto da serra.... a chuva parou, mas já estava ficando tarde, e íamos passar numa trilha de 3 kms, que segundo informações, estava com mato alto....diante da situação, resolvemos voltar para Passa Quatro para dormir, e no outro dia, retornar de onde paramos.....mas adiantamos um bom pedaço......esperamos no ponto de ônibus em frente ao posto, o busão que no levaria até PQ, demorou 2 horas para passar,Viação cidade do aço, R$2 por pessoa...rapidamente chegamos a rodoviária, dali fomos atrás de hospedagem, como estávamos molhados e cansadíssimos, entramos no primeiro...azar nosso!!!

 

HOSPEDAGEM: Hotel Serra Azul Plaza, nome bonito né!! estão reformando, os quartos são novos, a cama é nova, o banheiro é novo...tudo novo.....mas não funciona nda.........fica defronte a estação ferroviária, é antigo, por isso estão reformando... a tv na pega, o chuveiro não esquenta direito, o pessoal da recepção não são prestativo, e não estão preocupados contigo....e, o pior, tinha um grilo dentro do quarto, não consegui dormir á noite,......tenso viu..... o pior foi o café....parece que tudo estava estragado......

Então fica a dica, se forem a PQ, procure certificar se resolveram os problemas, senão fique longe desse "hotel"....tem outras opções de hospedagem na cidade. Preço: R$100,00 o casal.

 

ITAMONTE, ITANHADU E PASSA QUATRO: Cidades com boa estrutura de apoio...

 

Algumas fotos:

Início bem cedo, estrada de terra com uma subida bem forte, no topo, linda vista do vale abaixo......

DSC04457_zpsced50dc9.jpg

Muita sombra até Itanhandu

DSC04461_zps06184b4e.jpg

Já pensaram, 1.000.000 de galinhas piando ao mesmo tempo....barulho forte.....uma pena de como são tratadas, comem o dia inteiro e ficam nuns cubículos

DSC04463_zpsdb7fffc3.jpg

Chegada a Itanhandu

DSC04466_zps32723760.jpg

Estrada Itanhadu x passa quatro, sem sombra e com o sol fortíssimo

DSC04467_zpscfe31bf4.jpg

Matriz de Passa Quatro

DSC04470_zps99c5edca.jpg

Um pouco antes, uma cobra quase atropelou minha esposa, literalmente trombaram, não sabia quem socorria primeiro..

DSC04473_zpsa07abfd2.jpg

No alto da serra, gado leiteiro pastando.

DSC04474_zps4ce20c04.jpg

Pegamos uma parte de chuva toda, muito vento, chuva forte e relâmpagos, foi tenso

DSC04475_zpsbb15abfa.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

22º DIA - 18/02/2013 - Segunda-feira

 

Passa Quatro ao Posto Alto da Serra de busão(R$2,00 p.p) de lá até Cachoeira Paulista a pé - em aprox. 08 horas de caminhada.

 

OUTRO DIA COMPLICADÍSSIMO!

Não consegui dormi, com aquele grilo dentro do quarto, faz parte!

Descemos para tomar café, qual....nem pão tinha...um bolo todo mofado....e café ralo....resolvemos não comer nada....na bica na porta do hotel enchemos nossas garrafas, paramos na padaria em frente da rodoviária e comemos os quitutes mineiros..que delícia...hoje segundona e nós aqui.....beleza...pegamos o ônibus as 07:05(R$2,00 até ao posto)...

Como terminamos o trecho no posto, começamos ali....no início até o mirante, em asfalto, depois pegamos estrada de terra, detrás da lanchonete....seguimos os marcos e chegamos numa chácara, o morador nos orientou sobre o caminho certo...até ali caminho largo e tranquilo, depois da boca do túnel da serra mantiqueira seguimos os trilhos mas com mato muito alto e perigoso, nosso temor era cobras, segundo os moradores, esssa região tem muitasss....mais a frente, tem um entrocamento, do lado esquerdo tem uma porteira, do lado direito é o caminho que desce até o planalto(não tem marco aqui), pode descer...não siga os trilhos depois da porteira.Essa trilha estava, também, como mato alto, muito escorregadio e com valas.

Depois das casas, pegamos uma estrada de terra larga, logo a seguir entramos novamente no asfalto.....mais a frente entramos em outra estrada de asfalto, essa estreita e sem acostamento, mas sem grande movimento....

Passamos em passa vinte.....no marco 1236 tem hospedagem, no rancho guilhermino(R$40 pp) e servem refeições(R$10 pp)....

 

OUTRO PROBLEMA: Na planilha constava que tinha uma ponte caída antes da vila do embaú(FINAL DO TRECHO), mas segundo ela, dava para atravessar... mas chegando lá, constatamos que o rio estava bem alto,devido as fortes chuvas dos dias anteriores....o sol derrentendo nossa cabeça, tivemos que voltar uns 5 kms e pegar um busão até Cachoeira Paulista e dormir lá.....

 

HOSPEDAGEM: Hotel Lido, rua central de cachoeira paulista, tivemos que vir dormir nessa cidade, pois em villa embaú, não tem. Hotel bem simples, camas ruins, roupas de cama sujas, sem ventilador, R$100 o casal, muito ruim, não recomendo...o pior da viagem.

 

CACHOEIRA PAULISTA: Cidade com boa estrutura hoteleira, somente nos finais de semanas, a maioria das pousadas que procuramos não abrem durante a semana..... tivemos dificuldade em jantar, tudo fechado..somente padaria....caótico!!

 

VILLA EMBAÚ - distrito de CP, sem estrutura alguma, tem somente um hotel fazenda entre ela e CP......mas tem ônibus urbano a todo momento!

 

Algumas fotos:

Descemos do busão e pegamos uma pequena parte em asfalto, depois do posto até o mirante.....

DSC04476_zps5625c07f.jpg

Vista do vale, aquela casinha branca logo abaixo, era o local onde deveríamos chegar....foi tenso

DSC04479_zps5fbe1c1c.jpg

Boca do túnel abaixo da serra da mantiqueira, até aqui a caminhada é tranquila, mas depois, pegamos mato alto ao lado dos trilhos..foi tenso!!!

DSC04482_zps08f54c04.jpg

Início da trilha, com mato, ainda, baixo

DSC04484_zpsc696caf9.jpg

Nesse trecho(linha do trem), não tem marco da estrada real, portando fiquem ligado nessa árvores, assim que visualizar ela, à sua esquerda, vc terá que virar à direita, início da trilha para baixo, terminando naquela casinha branca da foto anterior

DSC04485_zps6c41d0a6.jpg

Trilha com muitas valas, buracos, mas o mato não estava tão alto

DSC04487_zps09a728f5.jpg

Ponte antes da villa de embaú, rio estava cheio, mas o grande problema era a quantidade de ferros soltos no leito do rio

DSC04497_zps008a8e1a.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

23º DIA - 19/02/2013 - Terça-feira

 

Vila do Embaú a Guaratinguetá - aprox. 38,50 kms em +- 09:15 horas

 

Acordamos 05:30 horas, e tomamos café na padaria próxima a rodoviária, pegamos o busão(R$3,05) que no deixou na vila embaú. O primeiro marco fica no trevo, subimos até uma escola, pegamos uma pequena mas complicada trilha, pois choveu muito, e tinha barro e poças d'água.... chegamos novamente no asfalto, dali linda vista da serra da mantiqueira....ela nos acompanhou por muitas horas..... depois do marco 1250 tem uma pousada rural, para quem vem de PQ pode ser legal dormir ali....pois na vila não tem hospedagem.

pegamos novamente estrada de terra, com grande movimentação de caminhões.... mais a frente outra estrada asfaltada....mas estreita e sem acostamento....muito perigoso....

Ponte caída depois do marco 1267, mas tem pinguela para quem vai a pé...

Antes de Guará, região de grandes plantações, utilizando irrigação, são colonos italianos..

Tivemos que parar numa empresa,na estrada, para pedir água.....foi complicado achar água limpa nesse trecho.

A chegada a Guará é complicado, tem uma forte subida e depois uma forte descida....vc morto, pois andamos quase 40 kms, com um sol fortíssimo em cima....tenso!

Para não perder o costume, caiu um dilúvio à noite....

 

HOSPEDAGEM: Hostel Guaratingueta, na praça da prefeitura(1º marco do próximo trecho), camas boas, ventilador, banheiro privado, tv de plasma pequena, wi-fi, tanque, varal, cozinha, novo...preço: R$100,00 o casal com café da manhã bom.

 

GUARATINGUETA: cidade grande, com ótima estrutura.... tem tudo.... fica a 6 kms da cidade de Aparecida, se não conseguir hospedagem, Aparecida tem mais opções.....

 

Algumas fotos:

Início da trilha na villa embaú, primeiro marco fica no trevo

DSC04500_zps3189b0e0.jpg

Trilha pequena mas choveu muito nos dias anteriores e estava com muito barro e escorregadio, mas foi tranquilo

th_DSC04501_zps949d5c91.jpg

Vista da serra, assim que terminamos a trilha

DSC04503_zpsd18ffb8d.jpg

Uma casa rústica no meio do caminho

DSC04504_zpsff1588bf.jpg

Estrada de terra sem fim, mas com alguma sombra, grande transito de caminhões

DSC04505_zpsb832e5ac.jpg

Atravessando um pinguela, tenso viu!

DSC04507_zpsade3e19b.jpg

Área de plantação de arroz irrigado, feitas por imigrantes italianos

DSC04510_zps423e9a6a.jpg

Igreja matriz de Guaratinguetá-SP

DSC04514_zps07377653.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por otavio_aon
      Desde o ano passado, quando conheci a Estrada Real, soube que retornaria. Em partes pelas experiências, que transformaram meus gostos, meus paradigmas e minha vida; em partes pela curiosidade sobre o que o caminho ainda teria para me oferecer.
       
      Nesse espírito, com a experiência adquirida desde a minha primeira viagem a pé (que foi exatamente a viagem pela Estrada Real, em 2008) e o equipamento necessário, inovei na companhia. Convidei alguns amigos mas (novamente) apenas uma pessoa se dispôs a me acompanhar: o Rodrigo; amigo de faculdade com gosto por trilhas e fotografia.
       
      O plano era caminhar pelo Caminho do Sabarabuçu, de Acuruí (distrito de Itabirito/MG) até Caeté/MG, percorrendo menos de 100km. Como tínhamos pouco tempo disponível, optamos por pular o trecho próximo a São Bartolomeu, para haver tempo de conhecer o Santuário do Caraça.
       
      Um mês antes da data prevista para a viagem, já tínhamos todo o equipamento necessário e a passagem para Belo Horizonte/MG já estava comprada. Como sairíamos de lugares diferentes e nos encontraríamos em Belo Horizonte, eu fui de avião e o Rodrigo de ônibus.
       
      Eu cheguei em Belo Horizonte dois dias antes e aproveitei para fazer um pouco de "turismo convencional" (mas isso é assunto para outros relatos). Depois que o ônibus (da Viação Motta) caiu em um imenso buraco durante a noite, o Rodrigo chegou em Belo Horizonte, com algumas horas de atraso. Mas depois de alguns acertos de última hora e histórias sobre o acidente; seguimos de ônibus (Santa Fé Transportes) para Itabirito, nosso ponto de partida.
       
      Lá, nos hospedamos no Hotel Dallas e já arrumamos um táxi (R$40, somente ida) para nos levar até Acuruí (distrito de Itabirito) na manhã seguinte. Com tudo pronto para novamente colocar o pé na estrada, dormimos cedo, cheios de ansiedade.
       
      Dica: Não há ônibus, ou qualquer outro transporte público, para Acuruí aos domingos, e mesmo nos dias de semana os horários são poucos. Procure se informar com antecedencia.
       
      Informações locais:

      Hotel Dallas: R. Dr Eurico Rodrigues, 487, Centro - Tel: (31) 3561-2500
       
      [li=]Mais relatos e fotos em: http://sobreviagens.blogspot.com/[/li]
    • Por JeffSantos
      Em junho do ano passado fiz a pé a Estrada Real, de Diamantina a Paraty. Abaixo algumas considerações sobre a caminhada que escrevi logo quando terminei. O relato completo está no blog longadistancia.com .
       
      Foram 32 dias de Estrada Real, quase 1200 quilômetros percorridos a pé. Muita gente fica curiosa com alguns detalhes de uma viagem como essa. Me perguntam como a coisa funciona na prática, o que se leva, o que se come, quanto se anda por dia, quanto custa, que horas sai, que horas chega, coisas assim. Vou tentar responder a algumas dessas perguntas nesse texto.
       
      De modo geral, a Estrada Real é muito bem dotada de estrutura de hospedagem e alimentação. Minas Gerais é o estado brasileiro com o maior número de cidades, então dá pra se ter uma ideia. O que não quer dizer que as pousadas sejam boas, nem que você vai conseguir jantar todos os dias…
       
      Fiquei em lugares decadentes e sujos como a casa do Roberto, em Traituba, e paguei R$70, por uma cama de solteiro e um banheiro compartilhado (ok, ele fez uma janta e me deixou chupar quantas laranjas eu quisesse). Em Cruzília, gastei R$50 no quarto mais confortável da viagem, com cama king size, chuveiro privado excelente, TV a cabo, travesseiros à escolha. Por mais R$30 eu teria hidromassagem. Em Morro do Pilar o quarto era simples, mas o café da manhã era excelente. E custou R$35, o mais barato da viagem. O mais caro que paguei foi em Passa Quatro: R$135, mas o conforto do lugar vale o preço. Poderia ter ficado no albergue, mas tava lotado. Em média os quartos custavam entre R$50 e R$60 por noite.
       
      Alimentação em Passa Quatro também foi caro: duas cervejas e um Hamburger, R$68, sem 10%. A janta na Pousada Rural de Embaú, com arroz, feijão, carne, ovo, salada e purê de abóbora, saiu por R$12. Ficando no trivial, na janta, o preço era em torno de R$15.
       
      Eu não almocei nenhum dia. Minha rotina era acordar meia hora antes do horário do café na pousada (meu limite era as 7h. Se a pousada começasse a servir café só as 8h, meu plano era a) convencer a servir mais cedo, b) negociar de deixar um café já preparado, com o que tivesse, pra eu tomar quando acordar e cair fora e c) pedir um desconto na diária. Quase sempre a) funcionava), comer bem no desjejum e só parar pra comer quando chegasse ao meu destino. Na mochila eu levava barrinhas de cereais, frutas secas e frutas que tivesse na pousada – quase sempre bananas e maçãs. Com isso – e três litros de água, em média – me sustentava até a janta.
       
      Minha estratégia era começar a caminhar o mais cedo possível. Como clareava às 6:30 mas o sol só saía mesmo às 10h, esse horário era excelente. A partir das 10 já começava a ficar quente, depois das 11 já suava bicas. Parava lá pelas 3 ou 4 da tarde em um dia normal. Um dia extrapolei: quando fui do Serro a Tapera, quando poderia ter parado em Alvorada de Minas ou Itaponhacanga. Cheguei já noite. Outro dia saí ainda noite: no último, quando precisava andar os 60km de Cunha a Paraty. Em média andava o que me deixava satisfeito: entre 35 e 40km por dia (7 ou 8 horas, sem parar pra almoço). Meu objetivo era sair cedo e chegar cedo.
       
      Na minha mochila eu levava o básico do básico. Quatro sacos, que eu chamava de roupas, primeiros socorros, tecnologia e comida.
       
      O roupas é um saco estanque de 20 litros que ia com o seguinte:
       
      1 camiseta extra de caminha
      1 camiseta pra cidade
      1 calça de compressão extra
      1 par de meias extra de caminhada
      1 par de meias soquete
      1 calça de nylon pra cidade
      1 calça quente pra dormir
      1 segunda pele pra dormir
      1 manga longa pra cidade
      1 Mini toalha de alta absorção
      Tudo leve, nada de algodão, tudo de secagem rápida.
       
      O primeiro socorros era o mais pesado. Com os machucados no pé durante a caminhada foi ficando maior e no final tinha o seguinte:
       
      Kit óculos: porta-óculos, óculos, lente de contato, 100ml de soro pra lente
      Kit dental: escova, creme, fio
      Kit primeiros socorros: pomada anti-inflamatória, pomada pra alergia, pomada pra assadura, linha e agulha (pras bolhas), esparadrapo microporos, bandaid, gase, protetor labial (que nunca usei), Salompas
      Kit higiene: Mini sabonete, desodorante, papel higiênico, lenços umedecidos, protetor solar
      Kit comprimidos: ibuprofeno, Cataflan (só usei esses dois), tylenol, aspirina
      Kit unha inflamada (comprei quando a unha 5 caiu): algodão, água oxigenada, mertiolate
      Cada kit desse ia em saco plástico e todos eles em uma sacola de tecido.
       
      O tecnologia tinha:
       
      Dois adaptadores usb-tomada
      T
      Carregador extra celular
      Lanterna de cabeça
      Cabo iPhone
      Cabo mini-usb (carregador e lanterna)
      Mini tripé
      Fone de ouvido
       
       
      Na sacola comida ia o que eu tivesse de comida naquele dia. E um par de tênis de iatismo da Tribord (um achado, pesa menos que um par de havaianas) era meu sapato pra cidade e ia numa sacola de supermercado.
       
      Os três primeiros sacos iam dentro de um saco de lixo dentro da mochila, uma Quechua 40l. Assim, caso eu pegasse chuva, minhas coisas não molhariam. Na parte de cima da mochila ia o kit comida, o passaporte da estrada real (num saco plástico) e um capa de chuva barata (coisas que eu precisaria usar em emergência ou assim que chegasse na cidade, e que caso precisasse não teria que abrir a mochila toda). Num bolso na frente da mochila, na cintura, eu levava um canivete e duas ou três barrinhas de cereal. Dependurado na alça da mochila uma bandana multi-uso. Nas laterais, duas garrafas pet 1,5l de água. Só de água eram 3 quilos, mas a mochila toda, completa, não chegava a 9. O peso base, sem comida e água, era pouco menos de 5 quilos. Tudo muito enxuto. Andar leve é o segredo.
       
      Eu usava tênis (um Asics Fuji), meia, calça que vira bermuda, calça curta de compressão, camiseta, camisa manga longa, corta vento, boné. Óculos de sol eu perdi em Entre Rios. Levava também dois bastões de caminhada, essenciais tanto em subidas quanto descidas. No bolso esquerdo da calça o celular. Numa pochete, dinheiro, cartões de crédito e débito e um iPod Mini, que usava pra marcar a distância percorrida.
       
      Na chegada de cada cidade ia até o ponto final indicado na planilha, onde desligava a contagem da distância. A partir daí ia procurar local pra carimbar o passaporte e pousada (às vezes era no mesmo lugar). No local de estadia, um ritual: tirava tudo da mochila, conferia se estava tudo ok, tomava um banho quente e demorado, botava a roupa de cidade, descansava um pouco e ia procurar o que comer e conhecer a cidade. Voltava, atualizava o blog e normalmente já estava dormindo antes das nove.
       
      Como a maioria das cidades é bem pequena, não tinha muito o que ver. A igreja (que em muitas era o ponto de chegada) e muitas vezes só. Mas acontece que em muitas dessas cidades as atrações mesmo estão no entorno, como as cachoeiras em Carrancas ou Milho Verde. Aí não dava pra visitar, mas ia anotando mentalmente os lugares que quero voltar (Diamantina, Milho Verde, Serro, Morro do Pilar, Circuito das Águas).
       
      Dos 32 dias de Estrada Real, andei efetivamente 28. Tirei quatro dias “zero”, onde fiquei parado. Não andei os dias 12, 14, 19 e 20. Quando cheguei a Caeté, do lado de BH, passei a ir dormir em casa ao invés de procurar pousada. Era mais barato e mais confortável. Além de Caeté, fiz isso em Sabará e Rio Acima. Tirei um dia zero antes de voltar a Rio Acima e seguir a Glaura, onde Alê foi me encontrar e tirei o segundo zero. Depois voltei de São João Del Rei pra BH para um final de semana com a família. Nos 28 dias caminhados foram percorridos 1.172,45 quilômetros. O que dá uma média de uma maratona (quase 42km) por dia. Não conto aqui as caminhadas pra procurar pousada, restaurante, farmácia ou sinal no celular. Meu ritmo de caminhada é puxado e paro raramente. Nos dias que andei pouco, fiz quase 30 km (de Conceição do Mato Dentro a Morro do Pilar e de Capela do Saco a Carrancas). Vários foram os dias com mais de 50. O último, de Cunha a Paraty, bateu nos 60, doze horas de caminhada quase sem parar.
       
      Mas tenho que confessar: eu não fiz a Estrada Real completa. Além do Caminho Novo (Ouro Preto a Petrópolis), ficaram faltando trechos em todos os caminhos que fiz. O Caminho dos Diamantes, por exemplo, sai de Diamantina e vai a Ouro Preto. A partir de Cocais segue para Barão de Cocais, Santa Bárbara, Catas Altas, Santa Rita Durão, Camargos e Mariana. Por causa do acidente em Bento Rodrigues, que ficava entre Santa Rita e Camargos, a estrada está bloqueada a partir de Santa Rita, o te obriga você a pegar um asfalto com grande número de caminhões e sem acostamento. Por causa disso optei por pegar o Caminho do Sabarabuçu, que começa em Cocais. No caminho do Sabarabuçu não andei o trecho final, de Glaura a Ouro Preto. E no Caminho Velho, o trecho inicial, que sai de Ouro Preto, passa por Glaura e vai a Santo Antônio do Leite, também foi omitido (fiz de carro com a Ale). Sem contar que saltei Itamonte. Se tivesse feito todos esses trechos seriam pelo menos mais 150 quilômetros. Mas não acho que tenham comprometido a caminhada e seu objetivo.
    • Por luiz-gonzaga.barbosa-aragã
      Essa travessia envolveu um percurso de quase 170 km. Fui sozinho, entre 11 e 18 de julho de 2017.

      Começa no povoado "fantasma" de Cemitério do Peixe e termina em outro povoado, Serra dos Alves. Sempre de norte pra sul.

      Mochila cargueira (70 litros no mínimo) com material de cozinha + suprimentos para 10 dias é importante.

      Levei aquele aparelhinho, o Spot Satellite Messenger, comprado em 2013 (mais conhecido hoje como Spot Gen3) para o caso de um resgate emergencial (que pra mim seria uma picada de cobra, um osso quebrado ou uma cólica renal - quem já teve pedra nos rins, sabe do que tô falando…). Como eu disse, estava “solo”.

       
      Saí de Taubaté-SP de ônibus para BeloHorizonte-MG; de BH peguei outro busão para Conceição do Mato Dentro e de lá, outro pra Congonhas do Norte. Aí tem um problema de logística: não existe transporte oficial para o povoado de Cemitério do Peixe. Carona? Não tem tráfego constante pra lá… carro? Vc sozinho vai sair caro. Moto? Foi o que me sobrou: conversa daqui e dali, consegui a garupa de uma motoca por 50 reais. Detalhe: não vá com a mochila nas costas, peça pra colocar sobre o tanque ou coisa parecida. Serão 33km até Cemitério do Peixe e chegará com a lombar no bagaço (isso se não cair da moto, pois será uma briga constante com o seu centro de gravidade naquela garupa).

      No povoado do Cemitério do Peixe, comecei a caminhar perto do pôr do sol, pois os horários de ônibus vão te colocar nessa enrascada. Caminhei então apenas 1km para sair da área do Peixe (antes fiz um “turismo” pela vila “fantasma”) e acampei a primeira noite ali por perto mesmo.

       
      Nos dias seguintes, sempre comecei a caminhar no máximo às 0800h e parava sempre por volta das 1700h (lembrando que o pôr do sol era perto das 1730h). Depois do camping próximo ao Peixe, acampei mais 3 noites antes de chegar no povoado da Lapinha (a noite Nr 04 foi próxima ao Poço do Soberbo, antigo garimpo de diamantes). E a noite Nr 05 já foi na Lapinha da Serra.

      Ali abasteci a mochila com suco em pó, biscoito e pão sovado numa das 3 mercearias que lá existem. Detalhe: do Peixe até ali só cruzei com 2 cavalos soltos no cerrado. Ou seja, prepare-se pra ouvir apenas sua respiração/batidas do coração/passadas durante esses dias.



      Depois da Lapinha, parti na direção do Alto do Palácio, para entrar no PARNA CIPÓ (Parque Nacional da Serra do Cipó), emendando o Trekking com a famosa travessia daquele parque.

      Saindo da Lapinha é fácil perceber a saída nítida pra sudeste, logo depois da saída para leste na clássica travessia para Tabuleiro.



      Não é uma trilha muito usada. Depois que vc sobe a serra, lá no planalto, terá uma vista maravilhosa de uma campina bem extensa e verde até onde a vista alcança. E uma casinha vazia na direção SE. Segui direto pra ela. Lá eu encontrei a passagem para outro compartimento do terreno que, através de algumas estradas abandonadas e fechadas, e depois de pular uma porteira trancada com cadeado, me levaram até o asfalto da MG-10 de onde foi fácil encontrar a sede do Parque Nacional, chamada de Alto do Palácio e assim entrar no PARNA CIPÓ.



      Um detalhe: o planejamento inicial era chegar na estátua do Juquinha na MG-10, via Cachoeira da Capivara (que está fechada ao acesso de turistas). Essa cachoeira fica nas terras da CEDRO TEXTIL que mantém uns “vigilantes” moradores por ali, cuidando da pequena Usina Hidrelétrica que gera energia para a fábrica de tecelagem. Um grupo grande caminhando por ali pode chamar a atenção. Encontrei com um vigilante, o Toninho, “gente boa” que, ao me descobrir “sozinho” naquela aventura, não encheu o saco e até me ensinou o caminho para o asfalto. Mas optei seguir a rota que eu havia planejado em casa e estava no GPS (e que era mais a LESTE da cachoeira). Olhando o Google Earth agora, talvez subindo a cachoeira, eu chegasse mais rápido ao asfalto… acabei que não segui nem via Cachoeira, nem via Juquinha. Fui por umas estradas antigas que por lá existem.



      Não consegui chegar no asfalto naquele mesmo dia e dormi a noite Nr 06 acampado de novo longe de tudo. No dia seguinte, acabei batendo numa ponte “destruída”, o que me fez explorar as redondezas dela para cruzar o rio que não dava vau. Perdi tempo ali mas conseguir cruzar o rio.



      Depois, já dentro do Parque, acampei a noite Nr 07 na Casa de Tábuas e a noite Nr 08 na Casa de Curral - locais obrigatórios para pernoite - dentro dessa última casa, o pessoal do ICMBio/Brigadistas de Incêndio, ficam lá por 7 dias pernoitando e patrulhando o parque e revezando com uma outra turma de 5 brigadistas semanalmente. Ou seja, não conte com pernoite dentro da Casa de Curral. Fica cheio de funcionários. O chefe da equipe daquela semana era o Geraldinho, gente boa.



      A noite Nr 09 (se necessário caso esteja cansado) já pode ser no povoado de Serra dos Alves, que é bem menor que Lapinha ou um pouco antes de chegar no povoado, se não quiser pagar camping/pousada. Lá só existe a pousada Portal da Serra, do Sr. Francisco, que cobra 70 reais a diária pra uma pessoa. Eu apenas almocei ali (25 reais com WIFI), tomei um banho e paguei 60 reais para me levarem, desta vez de carro ) até Ipoema, cidade próxima, onde peguei um busão de volta pra BH (direto em 2 hs) e de lá, outro pra Taubaté-SP



      Total de km: 169.

      Total de noites: 8.

      Média de km diário: 20km

      Obs.:

      - Levei um GPS MAP64s da Garmin, com os tracklogs planejados em casa.

      - Levei um mosaico de 4 cartas topo na escala 1:100.000 (Baldim, Presidente Kubitscheck, Conc Mato Dentro e Itabira), recortei o que interessava e plastifiquei.

      - Água: 2 litros no CamelBak e 1,5 litros pra cozinhar num Dromedary da MSR.

      - Clorin em todas as águas que bebi.

      - Meu BIG THREE (Pack/Shelter/Sleeping) : mochila Deuter Air Contact Pro 70+15 (velha e pesada…3,3kg), Barraca Kelty Salida 2 pessoas (1,8kg fly+corpo) e o saco de dormir da Marmot Plasma -1C pena de ganso (0,650kg).

      - Temperaturas variaram entre 7 graus de noite e 36 graus durante o dia.

      - Kit S.O.S com antibiótico + remédio pra cólica renal + diversos: fundamental. Usei antiinflamatórios (gripado).

      - Não precisa de luva nem facão de mato (pro pessoal que tá acostumado com a Serra da Mantiqueira).

      - Não paguei nenhum tipo de taxa para passar/entrar/permanecer em lugar algum. Nem no PARNA CIPÓ.

      - Entrei em contato com o ICMBio para solicitar autorização para entrar no PARNA CIPÓ via e-mail.

      - Encontrei “seres humanos” apenas na Lapinha (noite Nr05); mais tarde o vigia Toninho da CEDRO (antes da noite Nr 06) e depois, dentro do PARNA CIPÓ nas duas noites apenas com um grupo de universitários fazendo a travessia do Parque, ou seja, é uma caminhada bem isolada e solitária: esteja preparado física e psicologicamente pro caso de dar pane no trajeto.





    • Por casal100
      A viagem foi concluída em fevereiro/2013, foram mais de 850 kms entre Ouro Preto x Paraty (+) 100 kms entre Paraty x Aparecida(sp) (+) 20 kms no PN Itatiaia(cachoeiras) (+) 20 kms Visconde Mauá até o PASSA UM.
       
      Vejam mais no relato: estrada-real-a-pe-caminho-velho-jan-fev-2013-t81301.html
    • Visitante
      Por Visitante
      Estrada Real – Caminho Velho / Paraty a Ouro Preto – 4x4
       
      Há algum tempo que eu planejava percorrer a estrada real, e depois de conseguir informações suficientes, grande parte no próprio site da estrada real http://www.estradareal.tur.br o que faltava definir era qual caminho e como percorrê-lo. Devido ao pouco tempo, decidi que o primeiro caminho seria o caminho velho e seria de 4x4, assim, teria uma base de como é o percurso e suas dificuldades.
       
      Desde o inicio que planejei a estrada real, queria fazer a pé, o que somente o caminho velho leva em torno de 48 dias caminhando. Infelizmente, não disponho desse tempo e agora que finalizei o percurso de 4x4, vi que embora caminhar leve suas vantagens, sobretudo visualizar e sentir a estrada real mais intensamente, a cada passo e cada gota de suor perdida no calor das Serras, quando o caminho nos leva as rodovias o perigo é eminente. Muitos trechos não há acostamento, e ficava ao todo tempo imaginando eu mesma passando por esses trechos. Bicicleta também não me arriscaria. Bom, acho que escolhi o melhor trajeto e meio de me locomover, ao menos, para as MINHAS necessidades.
       
      De São Paulo a Paraty
      Fiz o caminho ao contrário, subindo ao invés de começar por Ouro Preto. Achei que fazia mais sentido, e a volta eu poderia passar em alguns trechos ou fazer outro caminho.
      Deixei São Paulo no começo da tarde, e só nesse trecho já é uma aventura... A serra Taubaté – Ubatuba estava lindíssima, muitas árvores com flores roxas, alegrando todo o caminho, lindo de ver. O que não foi lindo de ver foram todos os acidentes que vi na viagem, só de SP a Paraty foram três carretas tombadas, e todas em curvas.
      Cheguei em Paraty à noite, e fui logo rever a cidade que já não visitava há dois anos. Caminhei pelas ruas de pedras de Paraty, o centro histórico é um deslumbre a parte... Muitos tropeções depois (andar naquelas ruas de pedras é complicadinho viu rs) Cervejas, papo furado e música ao vivo, voltei ao carro para um cochilo rápido, pois as 7:00hs eu precisava retirar meu passaporte da Estrada Real no Centro de informações ao turista, ali no centrinho mesmo, em frente à Pousada do Sandi. Esse passaporte pode ser retirado em Paraty, Ouro preto e Diamantina, assim como o certificado do final do trajeto percorrido.
      As 7:20hs estava em frente ao Centro de informações, e foi aí que soube que só abriria as 9:00hs. Tudo bem, tomei um ótimo Café e caminhei mais um pouco sem pressa no cais e centro histórico de Paraty.
       

      A atendente foi super atenciosa, me entregou o passaporte e ficou receosa sobre eu subir a serra de Paraty a Cunha. Isso por que ano passado as vésperas de Natal, houveram vários incidentes na serra de assaltos e até mesmo morte. E por eu estar sozinha, a recomendação era que eu voltasse por Taubaté e seguisse para Cunha. Bom, o caminho era esse e eu lembrava desse caminho, e sabia que era muito lindo de se ver, queria novamente percorrê-lo e segui em frente, não antes de visitar alguns pontos interessantes de Paraty.
       
      Segui para a Cachoeira da Pedra branca, e passei um bom tempo por lá aproveitando que não havia mais ninguém, e proseando com o senhor que toma conta do local, que também recomendou que eu não fosse pela serra, devido estar só. A cachoeira na parte de cima estava maravilhosa, a água estava em uma temperatura muito boa e aproveitei bastante. No caminho, ainda passei pela Cachoeira do Escorrega, onde várias pessoas estavam aproveitando o local, e subi mais um pouco para o poço do Tarzan, que fica subindo a cachoeira do escorrega, e tem uma pedra alta onde os mais corajosos pulam de lá, gritando... Daí, o nome do lugar. Ali sim, curti mais um pouco a água para refrescar pois o calor estava muito forte e ainda era cedo.

       
      Enfim, a Serra de Paraty Cunha. Trecho pavimentado 36km – Estrada de terra 20km.
      Foi muito tranqüilo e até alguns carros baixos estavam descendo. A não ser um Honda Fit que decidiu voltar no meio do caminho rs. No KM 38 a vista de Paraty é de tirar o fôlego, parei rapidinho e tirei algumas fotos mas, não fiquei muito com receio de ficar muito tempo por ali sozinha.

       
      Em Cunha, carimbei o passaporte no centro de informações e bati papo com os funcionários de lá, todos ávidos em saber sobre o caminho e ouvi com suspiros “ah seu eu pudesse”... Bom, tudo é possível, basta querer não é mesmo? O centro de Cunha achei uma correria, já conhecia a cidade, mas somente as cachoeiras do Desterro e Pimenta, o centro mesmo não conhecia ainda e parti dali logo quando pude rs. Para meu próximo destino escolhi Passa Quatro, que já tinha apenas passado por lá para iniciar e finalizar a travessia da Serra Fina, mas não tive tempo de conhecer a cidade, o que resolvi nessa minha estadia.
       
      Centro de Informações (Centro)
      Telefone: (24) 3371-1222
      Endereço: Rua Dr. Samuel Costa, 29 – Centro Histórico.
      Horário de funcionamento: 09h00min às 20h00min – Todos os dias
       
      Passa Quatro
      Cheguei em Passa Quatro no final da tarde, a cidade é muito aconchegante e o visual das montanhas ao redor é de sentir saudades da Travessia da Serra Fina. O centro de informações ao visitante já estava fechado, porém, a Pousada São Rafael carimba o passaporte e te dá todas as informações do que fazer na cidade e também um preço camarada para hospedagem. Não me hospedei nessa pousada, e sim, no hostel Harpia onde fui muito bem recebida pela Dona Doca. É um casarão enorme, que era uma fazenda antigamente na própria cidade. O lugar é bem limpo, chuveiro quente, cozinha, wi fi, e a vista para a montanha é revigorante.
       
      Foi muito bom bater papo com a Doca, que além de me deixar a chave do lugar, pois só voltava no dia seguinte para fazer o Café da manhã para mim, e como eu era a única hospede, o casarão foi todo meu hehe. Não bastasse a simpatia dela, ainda buscou limões do pé para eu fazer uma limonada a noite antes de ir dormir, e após voltar da cidade. Detalhe: A cidade de Passa Quatro dorme as 20:00hs kkkkk... Andei pela cidade e tudo já estava fechado, salvo a Choperia Napoleão, não podia finalizar a noite sem uma cervejinha. Ainda hoje, trago belas lembranças dessa cidade viu
      Voltei ao casarão flutuando rs, dormi um pouco e as 7:30hs o café estava pronto pela Dona Doca. Sai do quarto bem recebida pelos gatinhos do quintal que corriam para lá e para cá rs. Reorganizei a mala do carro, me despedi da Doca e fui até a estação de Passa Quatro, e comprei o bilhete para passear no trem conduzido por uma Maria Fumaça marca Baldwin de 1929.

      O roteiro começa na histórica estação de Passa Quatro, com uma parada para compras na Estação do Manacá, seguindo até à Estação Cel. Fulgêncio, na boca do túnel de mesmo nome, na divisa de MG/SP onde a memorável batalha entre os dois estados foi travada com presença de JK. Um percurso histórico de 12km inaugurado por D. Pedro II, no século XIX. O cenário é deslumbrante: uma floresta de Mata Atlântica e muitas montanhas, vales e riachos. Viagem embalada por um violeiro muito animado.

       

       
       
      O passeio dura cerca de 2 horas e possui duas saídas: Sábados as 10:00hs e 14:30hs, Domingo somente as 10:00hs.
       
      Por volta de 12:30hs estava de volta a Passa Quatro e segui viagem para Itanhandu.
       
       
      Pousada São Rafael - A diária estava R$ 130,00
      Telefone: (35) 3371-2211
      Endereço: Rua Ângelo D'Alessandro, 95 - Centro
      Horário de funcionamento: 08h00min às 23h00min – Todos os dias
       
      Hostel Harpia - Pernoite R$ 60,00
      Rua Ângelo D’Alessandro, 137 – Centro de Passa Quatro – MG
      (35) 3371-2616
      (35) 9149-0080
       
      Chopperia Napoleão
      Rua Tenente Viotti, Centro
       
      Trem da Serra (Maria Fumaça) - Valor passeio R$ 45,00
      - Maiores informações, reservas e viagens especiais:
      - Tel: (35) 3371 2167


×