Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
casal100

Estrada Real a pé - Perguntas e Respostas - 2013 a 2015

Posts Recomendados

Para aquelas pessoas que, porventura estejam planejando fazer a estrada real caminho velho, um aviso :

 

O Roberto que recebe caminhantes em sua chacara, entre Carrancas e Cruzilia, estava com um problema de saúde.

Então, confirme com ele se pode atender no período que forem fazer.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Casal100, acabo de fazer a Estrada Real (Diamantes, Sabarabuçu e Caminho Antigo) e os relatos e dicas de vocês ajudaram tremendamente no meu planejamento. Deixo aqui os meus agradecimentos. Vou preparar um relato breve aqui pro Mochileiros, mas por enquanto minha experiência está no blog, www.longadistancia.com.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

JEFFSANTOS:

 

Li o seu relato de viagem, uma coisa me chamou atenção : as duras críticas que um ciclista fez com relação a hospedagem na casa do Roberto próximo a Traituba.

Um deles,  inclusive relatou que passou mal com a comida.

 

Concordo que o lugar é bem simples, inclusive enfatizei isso nos meu relatos(pois já dormimos lá 3 noites, em datas diferentes).

 

SOBRE A CASA DELE:

É o único lugar que temos para dormir entre Carrancas e Cruzilia.

Quanto fiz a primeira vez não tínhamos nenhuma informação sobre como era a hospedagem. Fizemos a reserva na casa do irmão dele.

Quando chegamos sentimos que o lugar era bem simples,  mas consideramos que ali não é uma pousada mas uma casa de UM TRABALHADOR RURAL, que acorda 4 horas da manhã para ordenhar as vacas, dar ração,  cuidar dos porcos, galinhas, das cercas. ..fazer a comida dele, lavar as roupas. .....TUDO SOZINHO!

E considere que esse senhor já tem quase 70 anos de idade e vive só.

 

Quando eu tive o bom senso de considerar tudo isso, fiquei é muito agradecido dele ter me recebido na casa dele e me tratado super  bem.

 

SOBRE O CICLISTA PASSAR MAL COM A COMIDA DELE:

Minha esposa e eu comemos muito  (da última vez comi 3 pratadas de galinhada duma vez e ela também ), das outras vezes também,  e  pode acreditar não sentimos nada.

 

Acho o seguinte: o Senhor está ali para dar um teto para quem não tem um lugar para dormir, se esforça para agradar. A realidade do campo é dura!

Considere, também,  que ele não recebe nem 10 pessoas por ANO!

Ele não está ali para ganhar dinheiro e sim para nós atender.

 

Sobre a diária de $70 que criticaram também, uma observação:

 

Fomos nós que sugerimos esse valor para ele cobrar dos futuros hóspedes(pois na primeira vez queria cobrar 50 por pessoa de nós, claro que não pagamos esse valor, mas muito mais, pois TEMOS QUE VALORIZAR ESSAS PESSOAS), sabe como calculei esse valor:

.considerei um dia de trabalho de um assalariado  (em torno de $900 Por mês dividi por 30)..sugeri a ele cobrar 40 reais por pessoa por dia.

Mais $30 do café  (simples mas eh muito longe da cidade) + a refeição  (essa pra falar a verdade tá é muito barata).

Aí no XAPURI em BH quanto deve tá valendo uma galinha caipira legítima,  creio mais de 100 pratas.

Abs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Caramba vcs bateram pesado!

 

"Quando o Paulo e o Adilson passaram por mim eu já tinha andado 15 km. Fizemos fotos (na verdade eles fizeram), gravamos vídeos, batemos um pouco mais de papo e o Paulo descreveu bem a experiência na casa do Roberto. “É o lugar mais sujo que eu já fiquei na vida”. E olha que os dois são aventureiros experientes, com anos de viagens, passeios, corridas, ultramaratonas, escaladas a dois dos sete cumes, e já ficaram em todo tipo de lugar. “Cara, você o teto? Aquele tanto de roupa suja dependurada, parece que nunca lava… A panela que ele fez o frango ele disse que deve ter 100 anos. Adilson disse que só que ele não a lava tem 50”. Adilson completa: “fui lavar um copo pra tomar a cachaça e quando passei a bucha ele ficou mais sujo que antes”. Mas foi Paulo quem teve o insight: “esse cara teve alguma grande decepção na vida. Profissional ou amorosa. Ele é estudado, culto, é simplesmente deixou tudo pra lá”. "

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Jeff,

 

Acabei de ler o seu ótimo relato de viagem!

 

Nele vc aborta sobre a travessia de rios, segundo seu relato, são meros regos d'água.

É verdade mesmo, desde que vc faça em períodos secos e sem chuvas.

 

Pra vc ter uma ideia, aquela pinguela depois de Lagoa Dourada foi levada pela forte correnteza, um dia antes de nossa passagem por lá. No outro dia tivemos que atravessar o rio com a água na cintura.

No dia anterior, baseado pela altura da pinguela, creio que a água subiu uns 2 metros, o que tornava impossível a travessia com tanta água.

fica o registro!

 

Se forem fazer o Caminho Real em períodos chuvosos, certifiquem se os riachos estão cheios, se tiverem procurem desviar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Opa. Só vi as respostas agora. Então, relatos são muito pessoais. A experiência minha ou dos ciclistas em Traituba foi bem diferente da de vocês. Nossas críticas pode ser duras, sim. Mas eu gostei da experiência, acredite. Só não voltaria a ficar lá. O objetivo é que fazer com que o serviço oferecido por ele melhore.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Jeff,

 

Entendo seu descontentamento!

 

A questão é que não temos outro lugar para pernoite naquela localidade, e caminhar 70 kms entre Carrancas e Cruzilia é inviável.

Quando fui da primeira vez, me condicionei a dormir até naquela igreja que tem naquele povoado.

 

O problema que ele não tem apoio de ninguém, é um trabalhador rural que faz a caridade de receber quem não tem onde dormir.

Eu sou eternamente grato a ele por ter me dado a oportunidade de passar 3 ótimos dias na companhia dele. ISSO NÃO TEM PREÇO.

 

Já dormi em rodoviária, aeroporto, em barraca na neve, em rede na cidade perdida, quase morri no monte Roraima, então nós não servimos de comparação.

 

Sobre o preço, foi eu que sugeri a ele cobrar um valor um pouco maior, até para pagar o dia dele, e ajudá lo a amenizar o sofrimento.

Abs

 

Vc tem todo o direito de não dormir lá, claro!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Respondendo uma MP:

 

"irei fazer o trecho Ouro Preto --> Sto Antônio do Leite em 05/06/17 para uma experiência e irei solo, qual a opinião sobre fazer esse trecho solo? irei andar no máximo uns 20 km dia dentro das paradas para descanso (pouso, alimentação e afins)."

 

Resposta: você tem duas opções :

Uma pela estrada real, que tem uma grande parte em trilhas entre trevo de Ouro Preto e Glaura. Não são trilhas tão complicadas, mas precisa se informar se o mato não está tão alto. Fizemos essas trilhas 3 vezes e não tivemos problemas.

Vi alguns ciclistas e conheço alguns caminhantes que fizeram a estrada real sozinhos e não tiveram problemas.

 

Outro caminho é o CRER (tenho relato publicado aqui). É praticamente o mesmo caminho, mas seu trajeto não passa em trilha, somente em estrada de terra e asfalto.

 

Vá que é muito belo esse trecho.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estivemos ontem em Mariana e fomos até a região de Bento Rodrigues, distrito destruído pela lama do rompimento de uma represa em 2015.

Para aquelas pessoas que vão fazer a Estrada Real, precisa pedir autorização na defesa civil em Mariana para passar pelo trecho de Bento Rodrigues. O acesso está proibido e tem guarita com guardas para vigiar e cumprir as determinações. 

Obs.; o restaurante e a pousada de Camargo estão funcionando normalmente, tem que ligar antes para reservar hospedagem. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por otavio_aon
      Desde o ano passado, quando conheci a Estrada Real, soube que retornaria. Em partes pelas experiências, que transformaram meus gostos, meus paradigmas e minha vida; em partes pela curiosidade sobre o que o caminho ainda teria para me oferecer.
       
      Nesse espírito, com a experiência adquirida desde a minha primeira viagem a pé (que foi exatamente a viagem pela Estrada Real, em 2008) e o equipamento necessário, inovei na companhia. Convidei alguns amigos mas (novamente) apenas uma pessoa se dispôs a me acompanhar: o Rodrigo; amigo de faculdade com gosto por trilhas e fotografia.
       
      O plano era caminhar pelo Caminho do Sabarabuçu, de Acuruí (distrito de Itabirito/MG) até Caeté/MG, percorrendo menos de 100km. Como tínhamos pouco tempo disponível, optamos por pular o trecho próximo a São Bartolomeu, para haver tempo de conhecer o Santuário do Caraça.
       
      Um mês antes da data prevista para a viagem, já tínhamos todo o equipamento necessário e a passagem para Belo Horizonte/MG já estava comprada. Como sairíamos de lugares diferentes e nos encontraríamos em Belo Horizonte, eu fui de avião e o Rodrigo de ônibus.
       
      Eu cheguei em Belo Horizonte dois dias antes e aproveitei para fazer um pouco de "turismo convencional" (mas isso é assunto para outros relatos). Depois que o ônibus (da Viação Motta) caiu em um imenso buraco durante a noite, o Rodrigo chegou em Belo Horizonte, com algumas horas de atraso. Mas depois de alguns acertos de última hora e histórias sobre o acidente; seguimos de ônibus (Santa Fé Transportes) para Itabirito, nosso ponto de partida.
       
      Lá, nos hospedamos no Hotel Dallas e já arrumamos um táxi (R$40, somente ida) para nos levar até Acuruí (distrito de Itabirito) na manhã seguinte. Com tudo pronto para novamente colocar o pé na estrada, dormimos cedo, cheios de ansiedade.
       
      Dica: Não há ônibus, ou qualquer outro transporte público, para Acuruí aos domingos, e mesmo nos dias de semana os horários são poucos. Procure se informar com antecedencia.
       
      Informações locais:

      Hotel Dallas: R. Dr Eurico Rodrigues, 487, Centro - Tel: (31) 3561-2500
       
      [li=]Mais relatos e fotos em: http://sobreviagens.blogspot.com/[/li]
    • Por JeffSantos
      Em junho do ano passado fiz a pé a Estrada Real, de Diamantina a Paraty. Abaixo algumas considerações sobre a caminhada que escrevi logo quando terminei. O relato completo está no blog longadistancia.com .
       
      Foram 32 dias de Estrada Real, quase 1200 quilômetros percorridos a pé. Muita gente fica curiosa com alguns detalhes de uma viagem como essa. Me perguntam como a coisa funciona na prática, o que se leva, o que se come, quanto se anda por dia, quanto custa, que horas sai, que horas chega, coisas assim. Vou tentar responder a algumas dessas perguntas nesse texto.
       
      De modo geral, a Estrada Real é muito bem dotada de estrutura de hospedagem e alimentação. Minas Gerais é o estado brasileiro com o maior número de cidades, então dá pra se ter uma ideia. O que não quer dizer que as pousadas sejam boas, nem que você vai conseguir jantar todos os dias…
       
      Fiquei em lugares decadentes e sujos como a casa do Roberto, em Traituba, e paguei R$70, por uma cama de solteiro e um banheiro compartilhado (ok, ele fez uma janta e me deixou chupar quantas laranjas eu quisesse). Em Cruzília, gastei R$50 no quarto mais confortável da viagem, com cama king size, chuveiro privado excelente, TV a cabo, travesseiros à escolha. Por mais R$30 eu teria hidromassagem. Em Morro do Pilar o quarto era simples, mas o café da manhã era excelente. E custou R$35, o mais barato da viagem. O mais caro que paguei foi em Passa Quatro: R$135, mas o conforto do lugar vale o preço. Poderia ter ficado no albergue, mas tava lotado. Em média os quartos custavam entre R$50 e R$60 por noite.
       
      Alimentação em Passa Quatro também foi caro: duas cervejas e um Hamburger, R$68, sem 10%. A janta na Pousada Rural de Embaú, com arroz, feijão, carne, ovo, salada e purê de abóbora, saiu por R$12. Ficando no trivial, na janta, o preço era em torno de R$15.
       
      Eu não almocei nenhum dia. Minha rotina era acordar meia hora antes do horário do café na pousada (meu limite era as 7h. Se a pousada começasse a servir café só as 8h, meu plano era a) convencer a servir mais cedo, b) negociar de deixar um café já preparado, com o que tivesse, pra eu tomar quando acordar e cair fora e c) pedir um desconto na diária. Quase sempre a) funcionava), comer bem no desjejum e só parar pra comer quando chegasse ao meu destino. Na mochila eu levava barrinhas de cereais, frutas secas e frutas que tivesse na pousada – quase sempre bananas e maçãs. Com isso – e três litros de água, em média – me sustentava até a janta.
       
      Minha estratégia era começar a caminhar o mais cedo possível. Como clareava às 6:30 mas o sol só saía mesmo às 10h, esse horário era excelente. A partir das 10 já começava a ficar quente, depois das 11 já suava bicas. Parava lá pelas 3 ou 4 da tarde em um dia normal. Um dia extrapolei: quando fui do Serro a Tapera, quando poderia ter parado em Alvorada de Minas ou Itaponhacanga. Cheguei já noite. Outro dia saí ainda noite: no último, quando precisava andar os 60km de Cunha a Paraty. Em média andava o que me deixava satisfeito: entre 35 e 40km por dia (7 ou 8 horas, sem parar pra almoço). Meu objetivo era sair cedo e chegar cedo.
       
      Na minha mochila eu levava o básico do básico. Quatro sacos, que eu chamava de roupas, primeiros socorros, tecnologia e comida.
       
      O roupas é um saco estanque de 20 litros que ia com o seguinte:
       
      1 camiseta extra de caminha
      1 camiseta pra cidade
      1 calça de compressão extra
      1 par de meias extra de caminhada
      1 par de meias soquete
      1 calça de nylon pra cidade
      1 calça quente pra dormir
      1 segunda pele pra dormir
      1 manga longa pra cidade
      1 Mini toalha de alta absorção
      Tudo leve, nada de algodão, tudo de secagem rápida.
       
      O primeiro socorros era o mais pesado. Com os machucados no pé durante a caminhada foi ficando maior e no final tinha o seguinte:
       
      Kit óculos: porta-óculos, óculos, lente de contato, 100ml de soro pra lente
      Kit dental: escova, creme, fio
      Kit primeiros socorros: pomada anti-inflamatória, pomada pra alergia, pomada pra assadura, linha e agulha (pras bolhas), esparadrapo microporos, bandaid, gase, protetor labial (que nunca usei), Salompas
      Kit higiene: Mini sabonete, desodorante, papel higiênico, lenços umedecidos, protetor solar
      Kit comprimidos: ibuprofeno, Cataflan (só usei esses dois), tylenol, aspirina
      Kit unha inflamada (comprei quando a unha 5 caiu): algodão, água oxigenada, mertiolate
      Cada kit desse ia em saco plástico e todos eles em uma sacola de tecido.
       
      O tecnologia tinha:
       
      Dois adaptadores usb-tomada
      T
      Carregador extra celular
      Lanterna de cabeça
      Cabo iPhone
      Cabo mini-usb (carregador e lanterna)
      Mini tripé
      Fone de ouvido
       
       
      Na sacola comida ia o que eu tivesse de comida naquele dia. E um par de tênis de iatismo da Tribord (um achado, pesa menos que um par de havaianas) era meu sapato pra cidade e ia numa sacola de supermercado.
       
      Os três primeiros sacos iam dentro de um saco de lixo dentro da mochila, uma Quechua 40l. Assim, caso eu pegasse chuva, minhas coisas não molhariam. Na parte de cima da mochila ia o kit comida, o passaporte da estrada real (num saco plástico) e um capa de chuva barata (coisas que eu precisaria usar em emergência ou assim que chegasse na cidade, e que caso precisasse não teria que abrir a mochila toda). Num bolso na frente da mochila, na cintura, eu levava um canivete e duas ou três barrinhas de cereal. Dependurado na alça da mochila uma bandana multi-uso. Nas laterais, duas garrafas pet 1,5l de água. Só de água eram 3 quilos, mas a mochila toda, completa, não chegava a 9. O peso base, sem comida e água, era pouco menos de 5 quilos. Tudo muito enxuto. Andar leve é o segredo.
       
      Eu usava tênis (um Asics Fuji), meia, calça que vira bermuda, calça curta de compressão, camiseta, camisa manga longa, corta vento, boné. Óculos de sol eu perdi em Entre Rios. Levava também dois bastões de caminhada, essenciais tanto em subidas quanto descidas. No bolso esquerdo da calça o celular. Numa pochete, dinheiro, cartões de crédito e débito e um iPod Mini, que usava pra marcar a distância percorrida.
       
      Na chegada de cada cidade ia até o ponto final indicado na planilha, onde desligava a contagem da distância. A partir daí ia procurar local pra carimbar o passaporte e pousada (às vezes era no mesmo lugar). No local de estadia, um ritual: tirava tudo da mochila, conferia se estava tudo ok, tomava um banho quente e demorado, botava a roupa de cidade, descansava um pouco e ia procurar o que comer e conhecer a cidade. Voltava, atualizava o blog e normalmente já estava dormindo antes das nove.
       
      Como a maioria das cidades é bem pequena, não tinha muito o que ver. A igreja (que em muitas era o ponto de chegada) e muitas vezes só. Mas acontece que em muitas dessas cidades as atrações mesmo estão no entorno, como as cachoeiras em Carrancas ou Milho Verde. Aí não dava pra visitar, mas ia anotando mentalmente os lugares que quero voltar (Diamantina, Milho Verde, Serro, Morro do Pilar, Circuito das Águas).
       
      Dos 32 dias de Estrada Real, andei efetivamente 28. Tirei quatro dias “zero”, onde fiquei parado. Não andei os dias 12, 14, 19 e 20. Quando cheguei a Caeté, do lado de BH, passei a ir dormir em casa ao invés de procurar pousada. Era mais barato e mais confortável. Além de Caeté, fiz isso em Sabará e Rio Acima. Tirei um dia zero antes de voltar a Rio Acima e seguir a Glaura, onde Alê foi me encontrar e tirei o segundo zero. Depois voltei de São João Del Rei pra BH para um final de semana com a família. Nos 28 dias caminhados foram percorridos 1.172,45 quilômetros. O que dá uma média de uma maratona (quase 42km) por dia. Não conto aqui as caminhadas pra procurar pousada, restaurante, farmácia ou sinal no celular. Meu ritmo de caminhada é puxado e paro raramente. Nos dias que andei pouco, fiz quase 30 km (de Conceição do Mato Dentro a Morro do Pilar e de Capela do Saco a Carrancas). Vários foram os dias com mais de 50. O último, de Cunha a Paraty, bateu nos 60, doze horas de caminhada quase sem parar.
       
      Mas tenho que confessar: eu não fiz a Estrada Real completa. Além do Caminho Novo (Ouro Preto a Petrópolis), ficaram faltando trechos em todos os caminhos que fiz. O Caminho dos Diamantes, por exemplo, sai de Diamantina e vai a Ouro Preto. A partir de Cocais segue para Barão de Cocais, Santa Bárbara, Catas Altas, Santa Rita Durão, Camargos e Mariana. Por causa do acidente em Bento Rodrigues, que ficava entre Santa Rita e Camargos, a estrada está bloqueada a partir de Santa Rita, o te obriga você a pegar um asfalto com grande número de caminhões e sem acostamento. Por causa disso optei por pegar o Caminho do Sabarabuçu, que começa em Cocais. No caminho do Sabarabuçu não andei o trecho final, de Glaura a Ouro Preto. E no Caminho Velho, o trecho inicial, que sai de Ouro Preto, passa por Glaura e vai a Santo Antônio do Leite, também foi omitido (fiz de carro com a Ale). Sem contar que saltei Itamonte. Se tivesse feito todos esses trechos seriam pelo menos mais 150 quilômetros. Mas não acho que tenham comprometido a caminhada e seu objetivo.
    • Por luiz-gonzaga.barbosa-aragã
      Essa travessia envolveu um percurso de quase 170 km. Fui sozinho, entre 11 e 18 de julho de 2017.

      Começa no povoado "fantasma" de Cemitério do Peixe e termina em outro povoado, Serra dos Alves. Sempre de norte pra sul.

      Mochila cargueira (70 litros no mínimo) com material de cozinha + suprimentos para 10 dias é importante.

      Levei aquele aparelhinho, o Spot Satellite Messenger, comprado em 2013 (mais conhecido hoje como Spot Gen3) para o caso de um resgate emergencial (que pra mim seria uma picada de cobra, um osso quebrado ou uma cólica renal - quem já teve pedra nos rins, sabe do que tô falando…). Como eu disse, estava “solo”.

       
      Saí de Taubaté-SP de ônibus para BeloHorizonte-MG; de BH peguei outro busão para Conceição do Mato Dentro e de lá, outro pra Congonhas do Norte. Aí tem um problema de logística: não existe transporte oficial para o povoado de Cemitério do Peixe. Carona? Não tem tráfego constante pra lá… carro? Vc sozinho vai sair caro. Moto? Foi o que me sobrou: conversa daqui e dali, consegui a garupa de uma motoca por 50 reais. Detalhe: não vá com a mochila nas costas, peça pra colocar sobre o tanque ou coisa parecida. Serão 33km até Cemitério do Peixe e chegará com a lombar no bagaço (isso se não cair da moto, pois será uma briga constante com o seu centro de gravidade naquela garupa).

      No povoado do Cemitério do Peixe, comecei a caminhar perto do pôr do sol, pois os horários de ônibus vão te colocar nessa enrascada. Caminhei então apenas 1km para sair da área do Peixe (antes fiz um “turismo” pela vila “fantasma”) e acampei a primeira noite ali por perto mesmo.

       
      Nos dias seguintes, sempre comecei a caminhar no máximo às 0800h e parava sempre por volta das 1700h (lembrando que o pôr do sol era perto das 1730h). Depois do camping próximo ao Peixe, acampei mais 3 noites antes de chegar no povoado da Lapinha (a noite Nr 04 foi próxima ao Poço do Soberbo, antigo garimpo de diamantes). E a noite Nr 05 já foi na Lapinha da Serra.

      Ali abasteci a mochila com suco em pó, biscoito e pão sovado numa das 3 mercearias que lá existem. Detalhe: do Peixe até ali só cruzei com 2 cavalos soltos no cerrado. Ou seja, prepare-se pra ouvir apenas sua respiração/batidas do coração/passadas durante esses dias.



      Depois da Lapinha, parti na direção do Alto do Palácio, para entrar no PARNA CIPÓ (Parque Nacional da Serra do Cipó), emendando o Trekking com a famosa travessia daquele parque.

      Saindo da Lapinha é fácil perceber a saída nítida pra sudeste, logo depois da saída para leste na clássica travessia para Tabuleiro.



      Não é uma trilha muito usada. Depois que vc sobe a serra, lá no planalto, terá uma vista maravilhosa de uma campina bem extensa e verde até onde a vista alcança. E uma casinha vazia na direção SE. Segui direto pra ela. Lá eu encontrei a passagem para outro compartimento do terreno que, através de algumas estradas abandonadas e fechadas, e depois de pular uma porteira trancada com cadeado, me levaram até o asfalto da MG-10 de onde foi fácil encontrar a sede do Parque Nacional, chamada de Alto do Palácio e assim entrar no PARNA CIPÓ.



      Um detalhe: o planejamento inicial era chegar na estátua do Juquinha na MG-10, via Cachoeira da Capivara (que está fechada ao acesso de turistas). Essa cachoeira fica nas terras da CEDRO TEXTIL que mantém uns “vigilantes” moradores por ali, cuidando da pequena Usina Hidrelétrica que gera energia para a fábrica de tecelagem. Um grupo grande caminhando por ali pode chamar a atenção. Encontrei com um vigilante, o Toninho, “gente boa” que, ao me descobrir “sozinho” naquela aventura, não encheu o saco e até me ensinou o caminho para o asfalto. Mas optei seguir a rota que eu havia planejado em casa e estava no GPS (e que era mais a LESTE da cachoeira). Olhando o Google Earth agora, talvez subindo a cachoeira, eu chegasse mais rápido ao asfalto… acabei que não segui nem via Cachoeira, nem via Juquinha. Fui por umas estradas antigas que por lá existem.



      Não consegui chegar no asfalto naquele mesmo dia e dormi a noite Nr 06 acampado de novo longe de tudo. No dia seguinte, acabei batendo numa ponte “destruída”, o que me fez explorar as redondezas dela para cruzar o rio que não dava vau. Perdi tempo ali mas conseguir cruzar o rio.



      Depois, já dentro do Parque, acampei a noite Nr 07 na Casa de Tábuas e a noite Nr 08 na Casa de Curral - locais obrigatórios para pernoite - dentro dessa última casa, o pessoal do ICMBio/Brigadistas de Incêndio, ficam lá por 7 dias pernoitando e patrulhando o parque e revezando com uma outra turma de 5 brigadistas semanalmente. Ou seja, não conte com pernoite dentro da Casa de Curral. Fica cheio de funcionários. O chefe da equipe daquela semana era o Geraldinho, gente boa.



      A noite Nr 09 (se necessário caso esteja cansado) já pode ser no povoado de Serra dos Alves, que é bem menor que Lapinha ou um pouco antes de chegar no povoado, se não quiser pagar camping/pousada. Lá só existe a pousada Portal da Serra, do Sr. Francisco, que cobra 70 reais a diária pra uma pessoa. Eu apenas almocei ali (25 reais com WIFI), tomei um banho e paguei 60 reais para me levarem, desta vez de carro ) até Ipoema, cidade próxima, onde peguei um busão de volta pra BH (direto em 2 hs) e de lá, outro pra Taubaté-SP



      Total de km: 169.

      Total de noites: 8.

      Média de km diário: 20km

      Obs.:

      - Levei um GPS MAP64s da Garmin, com os tracklogs planejados em casa.

      - Levei um mosaico de 4 cartas topo na escala 1:100.000 (Baldim, Presidente Kubitscheck, Conc Mato Dentro e Itabira), recortei o que interessava e plastifiquei.

      - Água: 2 litros no CamelBak e 1,5 litros pra cozinhar num Dromedary da MSR.

      - Clorin em todas as águas que bebi.

      - Meu BIG THREE (Pack/Shelter/Sleeping) : mochila Deuter Air Contact Pro 70+15 (velha e pesada…3,3kg), Barraca Kelty Salida 2 pessoas (1,8kg fly+corpo) e o saco de dormir da Marmot Plasma -1C pena de ganso (0,650kg).

      - Temperaturas variaram entre 7 graus de noite e 36 graus durante o dia.

      - Kit S.O.S com antibiótico + remédio pra cólica renal + diversos: fundamental. Usei antiinflamatórios (gripado).

      - Não precisa de luva nem facão de mato (pro pessoal que tá acostumado com a Serra da Mantiqueira).

      - Não paguei nenhum tipo de taxa para passar/entrar/permanecer em lugar algum. Nem no PARNA CIPÓ.

      - Entrei em contato com o ICMBio para solicitar autorização para entrar no PARNA CIPÓ via e-mail.

      - Encontrei “seres humanos” apenas na Lapinha (noite Nr05); mais tarde o vigia Toninho da CEDRO (antes da noite Nr 06) e depois, dentro do PARNA CIPÓ nas duas noites apenas com um grupo de universitários fazendo a travessia do Parque, ou seja, é uma caminhada bem isolada e solitária: esteja preparado física e psicologicamente pro caso de dar pane no trajeto.





    • Por casal100
      A viagem foi concluída em fevereiro/2013, foram mais de 850 kms entre Ouro Preto x Paraty (+) 100 kms entre Paraty x Aparecida(sp) (+) 20 kms no PN Itatiaia(cachoeiras) (+) 20 kms Visconde Mauá até o PASSA UM.
       
      Vejam mais no relato: estrada-real-a-pe-caminho-velho-jan-fev-2013-t81301.html
    • Visitante
      Por Visitante
      Estrada Real – Caminho Velho / Paraty a Ouro Preto – 4x4
       
      Há algum tempo que eu planejava percorrer a estrada real, e depois de conseguir informações suficientes, grande parte no próprio site da estrada real http://www.estradareal.tur.br o que faltava definir era qual caminho e como percorrê-lo. Devido ao pouco tempo, decidi que o primeiro caminho seria o caminho velho e seria de 4x4, assim, teria uma base de como é o percurso e suas dificuldades.
       
      Desde o inicio que planejei a estrada real, queria fazer a pé, o que somente o caminho velho leva em torno de 48 dias caminhando. Infelizmente, não disponho desse tempo e agora que finalizei o percurso de 4x4, vi que embora caminhar leve suas vantagens, sobretudo visualizar e sentir a estrada real mais intensamente, a cada passo e cada gota de suor perdida no calor das Serras, quando o caminho nos leva as rodovias o perigo é eminente. Muitos trechos não há acostamento, e ficava ao todo tempo imaginando eu mesma passando por esses trechos. Bicicleta também não me arriscaria. Bom, acho que escolhi o melhor trajeto e meio de me locomover, ao menos, para as MINHAS necessidades.
       
      De São Paulo a Paraty
      Fiz o caminho ao contrário, subindo ao invés de começar por Ouro Preto. Achei que fazia mais sentido, e a volta eu poderia passar em alguns trechos ou fazer outro caminho.
      Deixei São Paulo no começo da tarde, e só nesse trecho já é uma aventura... A serra Taubaté – Ubatuba estava lindíssima, muitas árvores com flores roxas, alegrando todo o caminho, lindo de ver. O que não foi lindo de ver foram todos os acidentes que vi na viagem, só de SP a Paraty foram três carretas tombadas, e todas em curvas.
      Cheguei em Paraty à noite, e fui logo rever a cidade que já não visitava há dois anos. Caminhei pelas ruas de pedras de Paraty, o centro histórico é um deslumbre a parte... Muitos tropeções depois (andar naquelas ruas de pedras é complicadinho viu rs) Cervejas, papo furado e música ao vivo, voltei ao carro para um cochilo rápido, pois as 7:00hs eu precisava retirar meu passaporte da Estrada Real no Centro de informações ao turista, ali no centrinho mesmo, em frente à Pousada do Sandi. Esse passaporte pode ser retirado em Paraty, Ouro preto e Diamantina, assim como o certificado do final do trajeto percorrido.
      As 7:20hs estava em frente ao Centro de informações, e foi aí que soube que só abriria as 9:00hs. Tudo bem, tomei um ótimo Café e caminhei mais um pouco sem pressa no cais e centro histórico de Paraty.
       

      A atendente foi super atenciosa, me entregou o passaporte e ficou receosa sobre eu subir a serra de Paraty a Cunha. Isso por que ano passado as vésperas de Natal, houveram vários incidentes na serra de assaltos e até mesmo morte. E por eu estar sozinha, a recomendação era que eu voltasse por Taubaté e seguisse para Cunha. Bom, o caminho era esse e eu lembrava desse caminho, e sabia que era muito lindo de se ver, queria novamente percorrê-lo e segui em frente, não antes de visitar alguns pontos interessantes de Paraty.
       
      Segui para a Cachoeira da Pedra branca, e passei um bom tempo por lá aproveitando que não havia mais ninguém, e proseando com o senhor que toma conta do local, que também recomendou que eu não fosse pela serra, devido estar só. A cachoeira na parte de cima estava maravilhosa, a água estava em uma temperatura muito boa e aproveitei bastante. No caminho, ainda passei pela Cachoeira do Escorrega, onde várias pessoas estavam aproveitando o local, e subi mais um pouco para o poço do Tarzan, que fica subindo a cachoeira do escorrega, e tem uma pedra alta onde os mais corajosos pulam de lá, gritando... Daí, o nome do lugar. Ali sim, curti mais um pouco a água para refrescar pois o calor estava muito forte e ainda era cedo.

       
      Enfim, a Serra de Paraty Cunha. Trecho pavimentado 36km – Estrada de terra 20km.
      Foi muito tranqüilo e até alguns carros baixos estavam descendo. A não ser um Honda Fit que decidiu voltar no meio do caminho rs. No KM 38 a vista de Paraty é de tirar o fôlego, parei rapidinho e tirei algumas fotos mas, não fiquei muito com receio de ficar muito tempo por ali sozinha.

       
      Em Cunha, carimbei o passaporte no centro de informações e bati papo com os funcionários de lá, todos ávidos em saber sobre o caminho e ouvi com suspiros “ah seu eu pudesse”... Bom, tudo é possível, basta querer não é mesmo? O centro de Cunha achei uma correria, já conhecia a cidade, mas somente as cachoeiras do Desterro e Pimenta, o centro mesmo não conhecia ainda e parti dali logo quando pude rs. Para meu próximo destino escolhi Passa Quatro, que já tinha apenas passado por lá para iniciar e finalizar a travessia da Serra Fina, mas não tive tempo de conhecer a cidade, o que resolvi nessa minha estadia.
       
      Centro de Informações (Centro)
      Telefone: (24) 3371-1222
      Endereço: Rua Dr. Samuel Costa, 29 – Centro Histórico.
      Horário de funcionamento: 09h00min às 20h00min – Todos os dias
       
      Passa Quatro
      Cheguei em Passa Quatro no final da tarde, a cidade é muito aconchegante e o visual das montanhas ao redor é de sentir saudades da Travessia da Serra Fina. O centro de informações ao visitante já estava fechado, porém, a Pousada São Rafael carimba o passaporte e te dá todas as informações do que fazer na cidade e também um preço camarada para hospedagem. Não me hospedei nessa pousada, e sim, no hostel Harpia onde fui muito bem recebida pela Dona Doca. É um casarão enorme, que era uma fazenda antigamente na própria cidade. O lugar é bem limpo, chuveiro quente, cozinha, wi fi, e a vista para a montanha é revigorante.
       
      Foi muito bom bater papo com a Doca, que além de me deixar a chave do lugar, pois só voltava no dia seguinte para fazer o Café da manhã para mim, e como eu era a única hospede, o casarão foi todo meu hehe. Não bastasse a simpatia dela, ainda buscou limões do pé para eu fazer uma limonada a noite antes de ir dormir, e após voltar da cidade. Detalhe: A cidade de Passa Quatro dorme as 20:00hs kkkkk... Andei pela cidade e tudo já estava fechado, salvo a Choperia Napoleão, não podia finalizar a noite sem uma cervejinha. Ainda hoje, trago belas lembranças dessa cidade viu
      Voltei ao casarão flutuando rs, dormi um pouco e as 7:30hs o café estava pronto pela Dona Doca. Sai do quarto bem recebida pelos gatinhos do quintal que corriam para lá e para cá rs. Reorganizei a mala do carro, me despedi da Doca e fui até a estação de Passa Quatro, e comprei o bilhete para passear no trem conduzido por uma Maria Fumaça marca Baldwin de 1929.

      O roteiro começa na histórica estação de Passa Quatro, com uma parada para compras na Estação do Manacá, seguindo até à Estação Cel. Fulgêncio, na boca do túnel de mesmo nome, na divisa de MG/SP onde a memorável batalha entre os dois estados foi travada com presença de JK. Um percurso histórico de 12km inaugurado por D. Pedro II, no século XIX. O cenário é deslumbrante: uma floresta de Mata Atlântica e muitas montanhas, vales e riachos. Viagem embalada por um violeiro muito animado.

       

       
       
      O passeio dura cerca de 2 horas e possui duas saídas: Sábados as 10:00hs e 14:30hs, Domingo somente as 10:00hs.
       
      Por volta de 12:30hs estava de volta a Passa Quatro e segui viagem para Itanhandu.
       
       
      Pousada São Rafael - A diária estava R$ 130,00
      Telefone: (35) 3371-2211
      Endereço: Rua Ângelo D'Alessandro, 95 - Centro
      Horário de funcionamento: 08h00min às 23h00min – Todos os dias
       
      Hostel Harpia - Pernoite R$ 60,00
      Rua Ângelo D’Alessandro, 137 – Centro de Passa Quatro – MG
      (35) 3371-2616
      (35) 9149-0080
       
      Chopperia Napoleão
      Rua Tenente Viotti, Centro
       
      Trem da Serra (Maria Fumaça) - Valor passeio R$ 45,00
      - Maiores informações, reservas e viagens especiais:
      - Tel: (35) 3371 2167


×
×
  • Criar Novo...