Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

gvogetta

Quiriri 3 - Pedra da Tartaruga e Vale Encantado

Posts Recomendados

PEDRA DA TARTARUGA E VALE ENCANTADO

 

Relato de um fim de semana na Serra do Quiriri

 

 

Segue um relatinho antigo, de pernada realizada no ano passado (10 e 11/03/2012), mas ainda válido para compartilhar algumas de nossas experiências na região. Assim elimino as “pendências” da minha gaveta...

 

 

 

O INÍCIO - PLANEJAMENTO

 

Dando sequência às nossas explorações na belíssima região da Serra do Quiriri, localizada na divisa sudeste entre os estados do Paraná e Santa Catarina, passo a relatar a trip realizada no fim de semana dos dias 10 e 11 de março de 2012 por um grupo da AMC – Associação Montanhistas de Cristo...

 

 

Tudo começou em nossa investida anterior naquela região, em out/2011 (veja o relato AQUI). Voltamos para casa naquela ocasião com uma pontinha de frustração por não termos cumprido com todos os objetivos traçados, resultado em parte da brusca deterioração das condições climáticas que prejudicaram a visibilidade e nos impediram de explorar em profundidade as imediações da Pedra da Tartaruga e do Vale Encantado, além de nos fazer abortar a pernada até a área da Pedra da Divisa. Assim, decidimos ainda na estrada de retorno da fazenda que retornaríamos no verão para excursionar pela região de modo a explorar e conhecer o tal vale em condições mais favoráveis.

 

Três meses se passaram e, no início do mês de fevereiro de 2012, após relembrar nossa agenda de programas para o verão comecei a colocar pilha nos companheiros da AMC para retornarmos ao Quiriri e efetivamente realizarmos a investida que tinha ficado no ar.

 

A ideia do roteiro a seguir era bem próxima do que já havíamos tentado empreender em outubro/2011: em linhas gerais, partir da Fazenda Alto Quiriri rumando para o Norte passando pelo Monte Bradador (antenas) para depois derivar ao Leste em direção à Pedra da Tartaruga no primeiro dia (sem o erro que cometemos da outra vez), montar acampamento em suas proximidades e aproveitar as últimas luzes do dia na exploração de pelo menos um dos dois vales que ladeiam a sua crista para confirmar a localização correta do tal Vale Encantado. No segundo dia, desmontar acampamento e rumar cedo em direção à Pedra da Divisa e se possível ao Marco da Divisa, adiante, cortando os vales e a linha de cristas montanhosas que a antecedem (isso para quem partiria da Pedra da Tartaruga, onde estaríamos acampados).

 

 

A TRIP - PRIMEIRO DIA

 

Preparativos realizados, grupo formado, autorização requerida e concedida junto à Administração da Fazenda Alto Quiriri, a pequena expedição tomou forma para os dias 10 e 11 de março de 2012 e lá fomos nós.

 

Nossa saída madrugueira, programada originalmente para ocorrer às 6h da matina da casa de um companheiro onde nos encontraríamos para distribuir as caronas e as mochilas nas viaturas acabou atrasando por obra de um celular que ficou programado para despertar apenas de segunda à sexta-feira. Com isso foi necessário realocar emergencialmente as caronas e remarcar, por telefone, nosso ponto de encontro, que passou a ser na BR-376 depois do contorno rodoviário sul, já fora de Curitiba, para otimizar o horário da nossa partida.

 

Rapidamente atravessamos as cidades de Curitiba e S. J. Dos Pinhais em direção ao ponto de encontro e encontramos a porção atrasada do grupo. Redistribuímos as cargueiras e o pessoal nos veículos e tocamos no rumo de Tijucas do Sul, onde logo depois sairíamos do asfalto para galgar rapidamente as curvas poeirentas da sinuosa estradinha de terra (ou de “chão”, como se diz por aqui) que leva à Fazenda Alto Quiriri, margeada ora pelas incontáveis áreas de reflorestamento de pinus, ora pela vista das montanhas das Serras da Papanduva e Araçatuba, já que com o tempo limpo a visibilidade era quase total.

 

Empolgados com o tempo bom, fizemos pequena parada na divisa dos estados, delimitada por um remanso formado pelas águas do Rio Negro. Ali encontramos, logo após a ponte metálica, uma placa bem recente (posterior à nossa última passagem por ali) com indicações sobre os campos do Quiriri. Esticadas as pernas, moitas devidamente regadas e várias fotos, seguimos viagem estrada acima. Dali para frente o trajeto é em sua maior parte subida, com paisagens cada vez mais belas, já que do alto nosso horizonte visual com o céu azul e a baixa nebulosidade era cada vez mais amplo. Com isso atrasamos um pouco mais pois foram inevitáveis as paradas para fotos e contemplação, visto que na trip anterior, com a nebulosidade na ida e o tempo chuvoso na volta, havíamos perdido todo aquele material.

 

100_4987.JPG.6e8fb35b08e9d1d21c9e1c7b12a4b226.JPG

 

DSC00565.JPG.acf51bf7328ed4ae2249ce307a839cd0.JPG

 

Lá pelas 10h da manhã, já bem atrasados em relação ao nosso plano inicial, adentramos os limites da Fazenda Alto Quiriri e somos recepcionados na porteira pelo Sr. João, um dos caseiros. Depois de nos identificar e ter a passagem liberada e antes de estacionar as viaturas, combinamos com ele de ir até a sede da fazenda para deixar a cargueira do nosso companheiro Wilson, que viria de moto algumas horas mais tarde com a namorada por força de um compromisso e iria seguir depois os nossos rastros, se possível nos encontrando no acampamento à noite.

 

Estacionadas as viaturas e após breves preparativos e ajustes nas mochilas partimos rapidamente rumo ao alto do Monte Bradador pela estradinha que sobe da fazenda, num trecho chato que mistura saibro, erosões e pedras soltas. Antes da metade do percurso somos interceptados por um grupo de motocross que vinha da fazenda e lá estavam passando o final de semana, já que as instalações da fazenda podem ser alugadas para eventos. Ficamos sabendo antes, pelo caseiro, que se tratava de um grupo de amigos de um funcionário que trabalha no grupo empresarial ao qual pertence a fazenda e que passavam o final de semana ali. Continuamos a nossa subida ao topo do Monte Bradador, referência visual das mais importantes da área com suas grandes antenas repetidoras de rádio, ponto de passagem quase que obrigatório para quem sai da parte baixa da fazenda e sobe a serra em direção aos campos e montanhas do norte, no Alto Quiriri, como fazíamos.

 

100_5035.JPG.3aa009a949079e9ce2441d5404f62579.JPG

 

DSC00569.JPG.b8e63fd943b1c68c316373de31445678.JPG

 

Ainda que o ponto de partida na fazenda já seja uma grande vantagem por estar a uma altitude considerável (cerca de 1269m), a relativamente pequena altimetria do desnível de cerca de 234 m entre o estacionamento e o cume do Bradador cobra seu preço, especialmente sob o sol forte de uma manhã de verão sem nuvens e com pesadas mochilas nas costas. O grupo nessa altura já estava dividido em blocos menores de 3 ou 4 caminhantes cada, cujas afinidades eram o ritmo próprio da caminhada e o teor da prosa durante a subida. Como eu estava no pelotão fecha-trilha, lá por 1h de caminhada já avistava o grupo da vanguarda atingindo o alto do Bradador. Uns 20 min depois e o grupo todo já estava novamente reunido e almoçando sob a pequena mas providencial sombra da casinha de cimento que abriga os painéis solares e as baterias da repetidora de rádio no cume do Monte Bradador, pois já passava das 12h. Neste trecho já havíamos percorrido pouco mais de 2 km.

 

DSC00581.JPG.56630ffe043381b08c567d00b06cc96c.JPG

 

Revigorados com a hidratação, alimento e descanso na breve parada, tocamos morro abaixo, agora pela sua face norte, descendo a encosta coberta de capim que esconde vários pequenos buracos, vislumbrando todo o esplendor dos famosos Campos do Quiriri. Nosso guia visual a partir dali seria por um tempo o rochoso Monte Pe. Raulino, uma das elevações dominantes nas imediações e por isso visível de muito longe.

 

DSC00592.JPG.48ab597b26eaf1afb229c00342a239c7.JPG

 

DSC00599.JPG.b6cd6bc1ef5aafa27f7f6ccbb1b3b885.JPG

 

DSC00610.JPG.65c0fd25675c5155cf3f26c7853be35e.JPG

 

DSC00619.JPG.a1b25a505b77c364feb9460f509dae11.JPG

 

Rapidamente cruzamos o sobe e desce das porções de campos que separam a encosta norte do Bradador e a “praça verde” por assim dizer, formada por uma sucessão de pequenos e suaves vales entre os Montes Bradador, Quiriri (o mais alto daquela área, com seus 1538 m), a Oeste, e Pe. Raulino. O último destes pequenos vales antes do Mt. Pe. Raulino, que na primavera anterior estava todo florido e por isso foi por nós apelidado de “vale das flores”, desta vez não estava tão exuberante mas continuava indicando a necessidade de, dali, derivarmos para a direita pela vereda de capim batido que preguiçosamente se estendia rumo Leste acompanhando suavemente as curvas de nível, ora subindo, ora descendo para vencer desníveis nos “campos do Windows”, brincadeira que fizemos em alusão à similitude daquela paisagem àquele papel de parede padrão que acompanha o famoso sistema operacional e que retrata um verdejante campo ondulado emoldurado por um vívido céu azul e nuvens branquinhas... Justamente a paisagem que vislumbrávamos naquele trecho da pernada!

 

DSC00631.JPG.c2372c677e967b9998e383ab7aff56c8.JPG

 

DSC00638.JPG.4211292cab3593f83cead2ef8d9e9151.JPG

 

100_5111.JPG.3555ea48a9835f8796bee8d0102cf705.JPG

 

Novamente nosso grupo se estendia no horizonte, desdobrando-se em destacamentos menores que se seguiam, cada um no seu ritmo de caminhada. Bradador – vale das flores – campos do Windows e mais alguns morrotes intermediários. Na retaguarda, após cerca de 1,5h de caminhada depois do Bradador e algumas breves paradas para hidratação sob o forte calor do sol que derretia nossas cacholas, retomada do fôlego (com a desculpa dos cliques e da contemplação da exuberância daqueles campos), já avistávamos a formação característica da Pedra da Tartaruga no horizonte e os elementos mais avançados do grupo, ao longe, já se aproximavam dela. Cerca de mais 45min de caminhada e várias paradinhas para molhar a garganta, fotografar e contemplar agora os campos salpicados de pedras e o grupo de retaguarda também alcança uma bela e providencial sombra formada nas costas da Pedra da Tartaruga. Mesmo àquela hora do dia (cerca de 16h) os raios solares ainda nos castigavam com um calor terrível. A sombrinha ainda espantou outro inimigo terrível desta caminhada: as butucas do Quiriri, que mais tarde descobrimos se tratar de versões minúsculas de pequenos vampiros sedentos de sangue, mas que ao contrário de sua versão maior odiavam a escuridão, preferindo carne “de sol” (Rsrsrs) pois só nos atacavam sob a iluminação e calor do astro rei.

 

DSC00646.JPG.cc5eccd89d8522507228dfba48d6189b.JPG

 

DSC00652.JPG.a42adc142a5606ec998f2324838f4dac.JPG

 

DSC00676.JPG.105c2bcc1cdbbd1cbd3e6c74596366d0.JPG

 

Após nos refazermos sob alguns minutos na já referida sombra, confabulamos sobre o local de acampamento e, dadas as condições de alguns integrantes do grupo (2 com pé machucado - bolhas e torção em recuperação de outra trip e 2 outros bastante desgastados pelo calor e noite mal dormida), decidimos em conjunto que seria melhor montar acampamento no mesmo lugar em que o fizemos em nossa última visita, ou seja, no platô a nordeste da pedra, local plano e favorável eis que relativamente protegido do vento, ainda que bem no alto. Tratamos então de contornar a enorme formação rochosa enquanto alguns subiam a pedra para acessar uma caixa de cume que se revelaria vazia.

 

Acampamento montado, feridos e cansados descansando (eu entre eles) e lá se foi o pelotão principal descendo o vale que desce por S-N, à esquerda da pedra e do acampamento(para quem olha o mapa com o Norte no topo), sob o pretexto de buscar água e desbravar o curso do rio que corre por ele.

 

DSC00685.JPG.6418e024840a51e90b7ed25b4ce28abb.JPG

 

Nisso os acampados tiram um cochilo, remendam seus ferimentos e se refazem da extenuante pernada sob o sol escaldante. Cerca de 1h30min depois, já passando das 18h retorna o grupo que descera o vale, maravilhados com o visual do rio (alguns até banharam-se nas águas, gélidas mesmo com o calor e sol forte), apesar do visual das redondezas ter ficado prejudicado por um nevoeiro que começou a se formar no fundo do vale e impediu maior alcance visual.

 

100_5138.JPG.c83060c2100004305b9e7bd77e2bc220.JPG

 

100_5140.JPG.fb841ca5c5faf8915acb10a549ead082.JPG

 

DSC03531.JPG.860bc010d52ca888fba9f2d22c674038.JPG

 

100_5150.JPG.da526ef291c2feb31f41f90e5402bdce.JPG

 

Com o retorno de nossos companheiros expedicionários somos surpreendidos com o belíssimo visual do mar de nuvens que se forma no final de tarde à nossa frente, encobrindo totalmente a vista do mar e da planície litorânea à frente do acampamento. Sem dúvida que aproveitamos para registrar os momentos e muitos cliques foram dados...

 

DSC00679.JPG.61a8601292a3e33df1bf6864d6a65f79.JPG

 

Começa então a faina da janta. Mexe daqui, remexe dali e vão surgindo as panelas e fogareiros, café, salame, e as panças alvoroçadas e roncantes vão sendo abastecidas com alguns quitutes antes do jantar propriamente dito, já que foi anunciado e combinado que teríamos a tal polenta campeira, que o pessoal concordou em preparar mais tarde. Rola o tradicional escambo de alimentos entre os companheiros, assim como a troca de experiências e aquela boa conversa que surge ao pé dos fogareiros, especialmente nas noites mais enluaradas como a que passaríamos a apreciar (seria lua cheia mas ela ainda não havia surgido no céu). Sensação na roda de conversa foi a pequena cafeteira italiana levada pelo Papael, que rapidamente passou de mão em mão, com as devidas orientações de uso fornecidas pelo proprietário, que logo também ficou sem o precioso pó de café, cuja carga não tinha sido tão abundante quanto o interesse pelo artefato...

 

Fotos daqui e dali, aproveitando os últimos resquícios de luz do sol refletidas na atmosfera e as primeiras luzes das cidades e estrelas que surgiam no horizonte. Serginho e o seu novo tripé fotográfico foi um caso à parte, tendo capturado muitas imagens com ótima qualidade com a ajuda do novo brinquedo. Inclusive a qualidade das fotos da lua e do acampamento à noite se devem a ele, que gentilmente emprestou o acessório a vários fotógrafos diferentes.

 

Lá pelas 20h00min a fome começou a bater na galera e vamos que vamos preparar a refeição quente da noite, que apesar de ainda ser verão, revelou-se bem amena. Juntamos algumas panelas (que como eram pequenas tiveram que ser usadas em conjunto) para o preparo da famigerada polenta campeira, iguaria que já encontra-se descrita nos mais diletos livros de receitas culinárias 'outdoor'. Enquanto dois refogavam na chapa-forma a calabresa, bacon e lombinho defumado, previamente cortados e misturados com cebola e alho, outros dois preparavam a massa da polenta em duas panelas maiores, juntando tudo assim que cozida a massa, faina que não dura mais do que 10 minutos. Concluído o preparo, eis que rapidamente surge uma fila de pratos, apressados, ávidos por garantir a sua porção do alimento. Natural que nestas horas reine o silêncio e, logo depois o rápido ruído de pratos sendo raspados, sinal de que as porções servidas foram rapidamente devoradas. Nessa hora o rádio Talk About, até então quieto, começa a chamar: “Wilson AMC chamando Zeca, na escuta? Câmbio!” ... “Wilson AMC chamando Zeca, na escuta? Câmbio!”. Era o nosso companheiro Wilson, que há pouco chegara no cume do Bradador, após algumas horas de atraso ao sair de moto de Curitiba e pegar a trilha, iniciada já no final de tarde. Relatava logo em seguida que tudo correra bem, mas dado o avanço da hora não quis percorrer a trilha à noite com a namorada e resolveram montar seu acampamento no alto do Monte Bradador, onde relatava ter encontrado um escorpião preto na área de acampamento.

 

Encerrado o contato de rádio as conversas voltam ao ar, agora em grupos menores de 2 ou 3 pessoas, primeiro na “cozinha” no centro do acampamento e depois nesta ou naquela barraca. O pessoal começa a se arrumar para dormir. Alguns, mais inquietos, buscam uma posição nas pedras para admirar o horizonte, cujo luar abundante revela ao longe num céu praticamente isento de nuvens em várias direções. Mas e a Lua? Nada da Lua?! Procuramos no céu e, apesar de ser lua cheia, o satélite não aparece... Logo percebemos que a Lua nascera por trás do vulto da Pedra da Tartaruga, em razão principalmente da sombra que se forma sobre nosso acampamento. Lá pelas 21h45min ela vence a elevação do rochedo e se projeta diretamente sobre nós, passando a ficar visível. Grande espetáculo. As fotos que o digam.

 

Nestes momentos que antecedem o sono dos justos e merecedores trekkers, fazemos algumas brincadeiras com as câmeras, aproveitando o tripé do Serginho. Pintura com luzes, fotos das estrelas, do próprio acampamento iluminado pelas lanternas das barracas e dos vultos das montanhas são alguns dos afazeres noturnos antes de nos recolhermos aos nossos sacos de dormir. Logo reinaria o silêncio quase absoluto, entrecortado apenas pelo ruído, ao longe, de um ou outro caminhão passando na distante BR-376, no vale mais profundo à nossa frente (dessa vez o Luis não foi conosco, rsrsrs).

 

DSC03614.JPG.53295676376d72d32da1f2c08b7fde75.JPG

 

DSC03597.JPG.72b9a9ca0ea8336087a44764defeb6c8.JPG

 

...

 

CONTINUA...

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

... CONTINUAÇÃO (PARTE 2 - FINAL)

 

 

SEGUNDO DIA

 

Cedo, pouco antes do nascer do sol acordei com o grito de “bom dia Vietnã!!!” Era o Serginho despertando o acampamento. Uns meio sonolentos botam a cara para fora da barraca e voltam a dormir, outros, ávidos pelas belas imagens do amanhecer já saltam empunhando suas máquinas fotográficas. Nascer do sol nas montanhas e com tempo bom é sempre um espetáculo à parte. Com o horizonte aberto e um tapete de nuvens à nossa frente que encobria as terras baixas, apenas os cumes da Torre da Prata, ao longe, e da Pedra Branca de Araraquara, sobressaíam no manto branco. Mais alguns momentos e o sol despontaria no horizonte, e agora a maior parte dos companheiros já estava de pé. Vários cliques depois, com o sol já elevado no firmamento, tão azul quanto no dia anterior, tomamos nosso farto desjejum e começamos a desmontar acampamento, para aproveitar o dia na exploração do outro vale, agora do lado sudeste da Pedra da Tartaruga. Como uma parte do pessoal não estava muito disposto, alguns ainda sentindo pés machucados e outros problemas, combinamos que um grupo desceria o vale de ataque, deixando as cargueiras no campo alto, próximo de algumas pedras, enquanto o restante do pessoal começaria o retorno para a fazenda, num ritmo mais lento.

 

DSC00762.JPG.34f6e43d61ca894a8d077f37ea53f872.JPG

 

598da25f0b01e_Quriri211.JPG.7df8554f2ba8a6a28f34e91a0eadd27c.JPG

 

DSC00767.JPG.00f864e898c92e24c228de2e360d82fb.JPG

 

Assim sendo, eu, Serginho, Zeca e Papael, que já havíamos desmontado as barracas e montado as mochilas partimos para o dito vale a sudeste, contornando a Pedra da Tartaruga pelo seu lado sul, perto de onde largamos as cargueiras, levando apenas as máquinas fotográficas e alguma água para a caminhada. Já se passava das 8h30min.

 

A descida deste vale começa suave e vai alternando trechos de capim, ora mais alto ora ralo enquanto a declividade do terreno também varia. Procuramos seguir as curvas de nível do terreno e, depois de uns 30 min de caminhada forte para baixo nos deparamos com uma ravina coberta por estreita faixa de vegetação que acobertava um filete d’água que mais adiante deslizava sobre um pequeno lajeado de pedras, formando um remanso bem agradável e fresco, em meio aquele calor que reinava. Neste ponto o Thomas, que descia a encosta oposta do vale quase que em linha reta, nos alcançou. Óbvio que paramos para nos refrescar, abastecer os cantis e fazer algumas fotos e decidimos seguir o curso do pequeno riacho, pois adiante escutávamos barulho mais forte de água. Bingo! Pouco adiante encontramos um grande degrau de pedra onde o filete d’água se precipitava numa pequena cascata. Nova pausa, desta vez para um breve mas merecido banho refrescante. Logo depois, o Thomas decide voltar e nós 4, em continuação à nossa caminhada exploratória azimutamos em direção à borda da encosta da serra, não muito longe, onde o rio novamente se precipitaria, desta vez para a planície litorânea abaixo de nós por uma larga encosta, recoberta de vegetação.

 

DSC00775.JPG.2bd84dc37d0df9fa8f22884e904fbee9.JPG

 

DSC00794.JPG.750dbe70fa93dc7df75869741af80573.JPG

 

DSC00800.JPG.eb451084e8dc855a1d075d12115fcc88.JPG

 

IMG_2548.JPG.215826900ff55bacfc48240721a7bf71.JPG

 

Ali, na borda, é que se tem a visão de como aquele planalto montanhoso é elevado e ficamos admirando por vários minutos, em um pequeno mirante de pedras, a vista dos penhascos formados pelas rochas da Pedra da Divisa e seus arredores, que formam uma extensa e recortada borda escarpada. À nossa frente, a Pedra Branca do Araraquara formava outro cenário digno de admiração e sobre o qual disparamos várias vezes as nossas máquinas fotográficas. A vontade era de ficar ali por horas a fio, deslumbrados com o visual daqueles paredões, montanhas e vales, mas precisávamos seguir. Nisso resolvemos derivar mais ao sul, seguindo a borda da escarpa e, para nossa surpresa, o morro que antes nos acompanhava pela direita, na descida do vale, mostrava uma face mais rochosa e escarpada a leste, que antes não conseguíamos ver. Resolvemos continuar tocar a exploração em direção ao seu cume, distante algumas centenas de metros em uma forte subida a partir de onde estávamos. Com o calor que nos cozinhava vivos, eu decido ir pelas curvas de nível, contornando por sudeste o morro, enquanto o Zeca, Serginho e Papael tocam reto pra cima. Logo eles estariam perto do cume rochoso, enquanto eu, nessa volta que faço, mais próximo à borda da escarpa, descubro que pelo lado sudeste o acesso ao cume é pior e resolvo abortar aquela subida em prol de uma recompensa, que é a visão dos enormes paredões rochosos que emolduram o lado sul da elevação conquistada pelos companheiros. Com esta visão, e em busca de novos ângulos para fotos, me dirijo a um pequeno morrote de pedras destacado no campo, mais ao leste e, de lá, além da vista privilegiada dos paredões escarpados, ganho de brinde a vista para a garganta de um grande vale que se estende de sudoeste a nordeste e cuja borda norte termina bem próximo do promontório em que me encontro. Ali, inclusive, é o ponto mais a leste onde que se pode chegar naquela área, pois além dele é uma pirambeira interminável seguida de densa vegetação de encosta que vai terminar bem mais abaixo em outro morrote e depois despenca de vez até a margem da rodovia lá embaixo. Daquele ponto privilegiado também avisto, do outro lado do extenso vale citado, em segundo plano, os cumes dos Montes Jurema e Garuva, mais ao sul, bem como a extensa crista que sobre em direção a eles e que percorremos naquele longínquo feriado de Corpus Christi de 2011 (vide relato). Destaque também para a vista privilegiada da rodovia e da cidade de Garuva, bem próxima.

 

DSC03751.JPG.24ea922546dd40cb15d36ddd95f7497f.JPG

 

DSC00797.JPG.aff59938bdbb9a534a3cc80eb9b0c9e2.JPG

 

DSC00840.JPG.2006fa636475184cdcf98bd387ad9a94.JPG

 

DSC00861.JPG.c8179ee3d40f92ec84cfd4835d956df5.JPG

 

DSC00867.JPG.2888da1e828b00288f63c84ea696459d.JPG

 

DSC02939.JPG.eb7121de951021dc3e2eaead2e250df5.JPG

 

DSC00888.JPG.ab87243089cabcef24a2cc0f5cb567e5.JPG

 

DSC00884.JPG.aeaccd694f841e555aa1ccc1a4ce59f0.JPG

 

DSC00881.JPG.78f8f15de983c3c8b2f100e42974f8d3.JPG

 

DSC03793.JPG.11c6ef921c59855c77fea09c3bad646e.JPG

 

598da25f0044b_Quriri403.JPG.9ec0adab8775cbfae65be12e60ed2d34.JPG

 

DSC00875.JPG.b3184d357fcbd911f253342e0d21d7a9.JPG

 

Após alguns minutos absorto com aquelas vistas esplêndidas, sou chamado novamente à realidade pelos gritos dos companheiros do alto do cume em frente, que me chamam de volta pois querem partir ao encontro dos demais (pelo menos é isso que entendo pelos seus gestos, uma vez que não é possível distinguir o que gritam em razão da distância). São 11h da manhã e precisamos iniciar o retorno. Traço imediatamente uma rota de volta ao vale por onde descemos da Pedra da Tartaruga, seguindo novamente pelas curvas de nível e lá vou eu, não sem documentar fotograficamente algumas passagens pelo caminho.

 

A caminhada no sobe e desce dos campos é árdua em função do calor e, com o cantil quase no zero, faço um pequeno desvio na minha rota para me abastecer de água no mesmo riozinho da ida, só que num ponto mais elevado. Dali já consigo ver os companheiros, que desceram o morro pela sua crista sudeste e já estão praticamente junto às mochilas que abandonamos no campo. Com o calor, tomo um verdadeiro banho no rio, encho a cara de água e parto em ritmo acelerado para encontrá-los algumas centenas de metros adiante, me esperando já com as mochilas. Somente neste trecho de retorno gastei 1h de caminhada.

 

598da25f066d1_Quriri425.JPG.278856d09f164f290a9ecbd04cb25fb6.JPG

 

598da25fbf7a3_GrupodosDesbravadores.JPG.52d02ffe376d90270306fdb3670d11aa.JPG

 

Dali seguimos forte no encalço do grupo principal, que já estavam bem adiantados e já haviam feito contato com o Wilson, que aguardava no cume do Bradador (soube pelo rádio). Durante a caminhada discutíamos qual dos 3 vales que conhecemos naquelas imediações seria o tal “Vale Encantado”, dúvida esta que já perdurava da nossa outra visita à mesma região, e a conclusão foi de que, sob o aspecto beleza, todos os 3 mereciam o nome. Como o ritmo dos 3 colegas que estavam comigo estava mais forte do que o meu fui ficando para trás, para não me desgastar e segui no meu próprio ritmo. Consegui interceptá-los quase 40min depois, pouco antes da rampa que sobe o Monte Bradador (antenas) pelo norte, onde eles e parte do outro grupo fizeram uma pausa. Nesta altura do dia o tempo já estava nitidamente virando para chuva (várias nuvens escuras passavam, vindas de oeste) e tratamos de acelerar ainda mais a caminhada. Tome subida forte e nova pausa foi necessária nas antenas para ganhar fôlego e, claro, fazer as últimas fotos do dia aproveitando o que ainda restava de visual. Dali, boa parte do povo já descia pela estradinha acidentada. Às 14h45min eu e o Papael, no pelotão fecha trilha, iniciamos a descida final pela estradinha, atingindo o estacionamento por volta das 15h30min.

 

598da25fc691e_GrupoTodo.JPG.d1162cdc64c6dea7916d9c8ecbc3e8fa.JPG

 

598da25fd0ff9_PanoramicaQuiriri.JPG.c57f86983b7b4294d2a7545c2793c7f2.JPG

 

Dali, após rebater a poeira, a sede e o calor, ajeitamos as viaturas e iniciamos o retorno a Curitiba, sacolejando pela estradinha de terra às 16h10min. Algumas pausas foram feitas para aproveitar o visual ainda ensolarado, ocasião em que mostrei pro Serginho e pro Matias, que seguiam comigo no jipe, uma bela crista que partia próximo de uma mangueira na beira da estrada, pouco antes da porteira da fazenda Alto Quiriri. Pelas minhas noções de espaço, baseado nas lembranças dos mapas da região (não estava com um ali naquele momento) e nas observações que fizera durante a subida do Bradador, sozinho, horas antes, concluí que aquele seria um bom caminho para próximas investidas à região da Pedra da Tartaruga e à Pedra da Divisa, esta última novamente abortada desta vez devido ao tempo disponível e à indisposição de parte do grupo para empreender uma caminhada forte de onde estávamos (longe) até ela. Marquei aquele ponto no GPS para estudos posteriores em casa (que confirmaram minhas teorias) e ficamos de voltar para explorar melhor aquela crista, mas isso já são cenas dos próximos capítulos... Hehe! :mrgreen:

 

Seguimos viagem em comboio e, após 1h30min de sacolejo e muita poeira na descida pela estrada até o asfalto, pelo rádio, decidimos fazer uma parada no primeiro posto de gasolina, que fica logo no trevo de Tijucas do Sul, após o retorno na rodovia BR-376, sentido Curitiba. Ali, no restaurante do posto, tiramos a poeira da goela com algumas cocas-colas e brejas e atacamos um buffet acompanhando uma bela chuleta, que apesar de não ser das melhores, com a fome da turma se transformou numa iguaria. Seguimos finalmente para Curitiba, onde chegamos por volta das 19h30min. Um belo fim de dia na companhia dos amigos e uma bela caminhada para um fim de semana de verão no Quiriri.

 

Fique registrado meu agradecimento a todos os companheiros de pernada pelas ótimas companhias e pelo companheirismo de sempre.

Valeu turma! Grande abraço a todos!

 

Integrantes da trip: Getulio – Serginho – Matias – Zeca - Rafael (Papael) – Thomas – Ingrid – Cover – Soraia – Wilson – Hadassa

 

Serra do Quiriri, 10 e 11 de Março de 2012.

 

 

[linkbox]Relatos relacionados à região:

 

quiriri-de-novo-pedra-da-tartaruga-e-vale-encantado-t61672-15.html#p646971

travessia-monte-garuva-monte-crista-amc-jun-2011-t58492-15.html

pedra-da-divisa-a-pe-t45913-15.html#p488929

travessia-na-serra-do-quiriri-pr-sc-t37755-15.html#p411700

desafiante-travessia-solo-monte-crista-sc-morro-aracatuba-pr-t53375-15.html#p563113

imperdivel-travessia-monte-crista-morro-garuva-serra-do-quiriri-sc-t47163-15.html#p502145[/linkbox]

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Para complementar o relato, seguem algumas informações:

 

Distância percorrida no primeiro dia - até a Pedra da Tartaruga: 6,2 Km (sem as explorações do vale ao Norte)

 

Distância percorrida no segundo dia - somente nas explorações do vale ao Sul: 4,17 Km

 

Distância total percorrida no segundo dia: 10,42 Km

 

Mapinha.jpg.aa4a7e334daeae1c29221ff4d06ecb57.jpg

 

Perfil1.jpg.72a2391df4790ee9a46ff34ab79cb9e7.jpg

 

Perfil2.jpg.1d57198c3cbcb46c4a6ccdbdf10ac598.jpg

 

A tracklog para o acesso rodoviário à Fazenda Alto Quiriri pode ser obtida em: http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=2650104

Lembro que a Fazenda é área particular e os proprietários exigem a prévia solicitação de autorização para permitir o acesso. Respeite e proteja. Trata-se de uma área de importantes mananciais.

 

Saudações!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Show de bola!!!!

Região abençoada, o Quiriri merece várias investidas...

A questão do Vale Encantado vai longe, eu ainda acho que aquele que fomos na primeira vez é o "original", mas como sabemos, todos os vales do quiriri são encantados.

Vamos ver se este ano rola quiriri parte 4, pois como diria Zeca, aquilo é o paraíso!!!! :mrgreen:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites


Show de bola!!!!

Região abençoada, o Quiriri merece várias investidas...

A questão do Vale Encantado vai longe, eu ainda acho que aquele que fomos na primeira vez é o "original", mas como sabemos, todos os vales do quiriri são encantados.

Vamos ver se este ano rola quiriri parte 4, pois como diria Zeca, aquilo é o paraíso!!!! :mrgreen:

 

Sem dúvida Otávio!

 

A região merece quantas investidas uma vida puder alcançar... Que venham o 4, o 5, o 6 ...

E quanto ao Vale Encantado, compartilho a mesma máxima: todos os vales são encantados por lá!

 

Incrivel o lugar. Que visual.

Show de relato!

 

Abraço

 

E tu companheiro? Quando vai prá lá com a gente? Tá faltando este carimbo no seu "passaporte"...

 

 

Sensacional ! Excelente relato ::otemo::

 

 

Muito bom o relato.

 

Parabéns!

 

Maurilio e M. Hoffman, agradeço seus comentários!

 

Abraço a todos!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E tu companheiro? Quando vai prá lá com a gente? Tá faltando este carimbo no seu "passaporte"...

 

Na verdade, faltam muitos ainda...rs

 

Mas espero estar na próxima.

 

Grande abraço

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.




×
×
  • Criar Novo...