Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

_Paulera_

Sul da África - 30 dias

Posts Recomendados

Depois de passar 1 ano e meio sem viagens internacionais finalmente consegui tirar meu período de férias e viajar pelo Sul da África.

Para essa viagem poder dar certo eu juntei o feriado da Semana Santa com o mês de férias e no final consegui 35 dias de folga.

 

Essa viagem não teve um planejamento detalhado, mas foi um sucesso. Isso foi legal por que o roteiro era flexível e muita coisa eu realmente só decidi na hora, quando já estava lá. Em tão pouco tempo não posso dizer que conheço todos estes países, para mim o importante é que visitei os locais que queria, que considero highlights do Sul da África, e interagi com o povo.

 

Segue o mapa da rota realizada:

 

Africa.png.1f8ed71e83cee44625b20861e630ef62.png

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

598da65357926_SouthAfrica.png.fe8f3c282c6ab47834d256d3daa0cf5d.pngÁfrica do Sul - Johannesburgo

 

A aventura em solo africano teve início em Johannesburgo, para chegar até lá peguei um voo da South África Airways(SAA) saindo de São Paulo. Foram aproximadamente 9 horas de voo, a diferença de fuso horário é de +5 horas em relação a Brasília. As aeronaves da SAA são confortáveis, tem sistema de entretenimento, bom serviço e bons preços (R$1665 / GRU – JNB com taxas).

 

A imigração na África do Sul não tem burocracia, o agente pergunta se a viagem é a trabalho ou turismo e pronto! Carimba 3 meses de permanência no passaporte, simples assim. (Brasileiros não precisam de visto para a África do Sul)

 

O aeroporto (OR Tambo) é enorme e recebe voos do mundo inteiro, realmente investiram muita grana para receber os turistas durante a copa de 2010. O meu voo chegou lá às 7h da manhã, e isso foi ótimo, pois tive o dia inteiro para conhecer a cidade e ter as minhas primeiras impressões da África do Sul.

 

Fiquei hospedado no Shoestrings Airport Lodge, em Rhodesfield, pertinho do aeroporto e da estação de trem (ZAR 150). De lá é super fácil se locomover para Sandton, Park Station e Pretória dentre outros. Nessa passagem por Johanesburgo conheci o Museu do Apartheid, o parque de diversões (Gold Reef City), a Nelson Mandela Square, em Sandton, e fiz um bate volta a Pretoria para visitar o Voortrekker Monument. Tudo isso em um final de semana, antes de voar para Victoria Falls.

 

A primeira impressão de Johannesburgo não foi muito boa, clima frio, muitos carros, muitos prédios e grande vai e vem de pessoas. Depois dos passeios tudo foi ficando mais interessante, jantei uma noite em um hotel que tinha próximo ao meu hostel, fora do orçamento mochileiro, mas a comida era ótima e tinha carnes exóticas (ZAR 160).

 

P1010932.JPG.b78a51d57aeb65c11861d4eab1123dde.JPG

Voortrekker Monument

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Zimbabwe.png.4f3704a70b393bdac15628d152e08757.png Zimbáue - Victoria Falls

 

Depois de 2 dias na África do Sul peguei um voo para Victoria Falls no Zimbábue. Fiz esse trecho de avião porque eu tinha milhas a vencer no programa da United Airlines, o voo foi operado pela SAA e foi tudo tranquilo.

 

Em Vic. Falls tudo é muito simples, chegamos por volta do meio dia e pela primeira vez senti o calor da África. O aeroporto é bem pequeno e o desembarque foi feito na própria pista. Ao ver meu passaporte brasileiro o agente sorriu e me saudou, em português, com um bom dia bem alegre.

 

P1010959.JPG.1ea84dae0b403fa71474577d55bf67bc.JPG

Aeroporto de Vic. Falls

 

A fila da imigração é um pouco lenta, esperei uns 45 min para fazer todo o procedimento. Solicitei o visto com múltiplas entradas e fiz o pagamento (US$45). No Zimbábue eles utilizam o dólar americano como moeda local.

 

Do aeroporto para a cidade a única opção é pegar um táxi. Fiquei novamente no Shoestrings Lodge, não sei se é do mesmo dono, mas o nome é o mesmo. Esse é, sem dúvida, o hostel mais animado de Victoria Falls. Lá eles têm boa estrutura, boa comida, tenda de massagem, bar, piscina e rolam festinhas todos os dias.

 

P1020002.JPG.c40d80d44a76c566a7595f36c597d5b9.JPG

Shoestrings Lodge

 

P1010995.JPG.99545dc7bdf514d192023a8358c0a6be.JPG

Cataratas

 

No mesmo dia que cheguei à cidade visitei as cachoeiras durante a tarde. Assim como em Foz do Iguaçu, há diferentes pontos de observação das cataratas. Na entrada do parque as pessoas vedem artesanato e oferecem capas de chuva, eu pensava que não era necessário, mas não há como não se molhar. A queda d’água é muito forte e o vapor que sobe cai logo em seguida como uma forte chuva.

 

Achei totalmente seguro andar na rua, a cidade é bem pequena e não tem como se perder. Tem restaurantes, LAN house, supermercados, feirinhas e muitas agências que oferecem passeios. As grandes atrações da cidade são as cataratas e a ponte. Durante os dias que estive lá comprei o pacote de aventura que inclui salto de Bungee Jump, Bridge Slide e Bridge Swing (US$165). Essas 3 atividades são feitas na ponte que liga a Zâmbia e o Zimbábue.

 

P1020117.JPG.5bd56983b0947468245b47265ca8526d.JPG

Victoria Falls Bridge

 

IMG_2561.JPG.9017df016b59ebb30a3b694452163641.JPG

Salto de Bungee

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Botswana.png.923cc611a0134fd1dc739b11bd91c0eb.png Botsuana - Chobe

 

No dia seguinte eu fiz um Safári no Chobe National Park, localizado na Botsuana, e foi um dos passeios que mais gostei de fazer. O passeio durou o dia todo, eles me pegaram no hostel pela manhã e seguimos rumo a fronteira. O procedimento entrada/saída é bem rápido, como eu tinha o visto de múltiplas entrada no Zimbábue não tive nenhum problema em fazer esse passeio. Já na Botsuana, assim que chegamos à agência que organiza o passeio, foi servido o café da manhã com pães, bolo, café, chá e biscoitos.

 

A primeira parte do passeio foi feita no rio Zambeze, pegamos um barco e fizemos uma espécie de cruzeiro para observar as belezas do rio e tudo que estava às suas margens. Foi possível ver manadas de elefantes, hipopótamos, empalas e crocodilos dentre outros...No barco eles oferecem água, e refrigerantes. O almoço também foi bem farto e com direito a sobremesas.

 

P1020006.JPG.c434ce4123f59e6671dc04e257b0abec.JPG

Rio Zambeze

 

P1020035.JPG.a3f4ddacf683d1bad00fc8bde4fdff1c.JPG

Elefantes

 

A segunda parte foi feita após o almoço, é o que chamamos de game drive, a parte terrestre do passeio. Nos enfiamos no caminhãozinho e saímos em busca dos animais pela savana. Não consegui ver os Big five, mas fiquei super contente em ver 3 deles, dentre outros animais que ali habitam. Os três foram leão, elefante e búfalo (faltaram o rinoceronte e o leopardo). Leopardos são muito difíceis de serem vistos, em dias quentes como aquele, eles fogem para as regiões mais fechadas onde tem mais sombra e podem ficar no topo das árvores.

 

P1020074.JPG.d7678b8ec72ffa969a4032f24494fffc.JPG

Girafas

 

A experiência do safári foi bem interessante. Os motoristas, que também são guias, conhecem bem o parque, fazem paradas para fotos e dão muitas explicações sobre a fauna e vida dos animais. No final do dia voltamos para o Zimbábue para aproveitar o restinho do dia com a galera mochileira. :D

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Zambia.png.97141e3494657510f2237eb6a5ae3af0.png Zâmbia - Livingstone

 

Para entrar na Zâmbia o visto é um pouco mais caro (US$50, única entrada), peguei minha mochila numa manhã e fui caminhando do Zimbábue até a Zâmbia. Na fronteira há muita gente que trabalha com câmbio de moedas. Eles trocam, Dólares, Euro, Rands e dólares da namibianos. A moeda oficial da Zâmbia é o Kwacha.

 

Em Livingstone fiquei hospedado no Jollyboys backpackers, quem faz reserva de hospedagem tem transporte gratuito até fronteira, eles mandam um carro para lá 2 ou 3 vezes por dia para pegar e deixar pessoas. A entrada para visitar as cachoeiras fica nesse mesmo local. No meu caso, não tinha reserva de nada, nem sabia dessa opção, peguei um táxi e paguei US$2. O Jollyboys tem boa estrutura e fica bem de frente ao Memorial do David Livingstone, primeiro inglês a explorar a região, que acabou dando nome à cidade.

 

P1020131.JPG.5e7d40dc82bc3183d98f88357219a6f7.JPG

Jollyboys Backpackers

 

Durante a noite é possível encontrar barzinhos pela cidade onde rola música ao vivo, African Jazz, Blues, e música local. Durante minha estadia em Livingstone dei também uma passadinha rápida num mercado local conhecido como Maramba Market, é o maior da cidade.

 

P1020140.JPG.40fa627532e3c811183031b53104cf87.JPG

Museu Livingstone

 

P1020141.JPG.e7ca45fe3280ab238eaec3e64487e90c.JPG

Avião em frente ao museu

 

P1020146.JPG.b1495653b186c96e63ce5dce4a2dd957.JPG

Maramba Market

 

P1020145.JPG.1f80aa16ca5405f447bd58d7bd528ad4.JPG

Tenda de cereais

 

 

Até então eu não tinha entendido como é que funcionava o sistema de transporte para a população local, porque não existem linhas regulares de ônibus entre as cidades e não há hora certa para sair, a regra é sair quando estiver cheio. Eu ficava imaginando se eles realmente esperavam dias e dias para poder viajar e como é que eles faziam para viajar quando a grana não dava. Foi ai que iniciei minha maratona de caronas pela África. Foram várias e várias saindo da Zâmbia, e cruzando toda a Namíbia, até chegar a Cape Town.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Namibia.png.22d46ec341e895b72ab8113680e69b6d.png Namíbia - Windhoek

 

Na Namíbia os brasileiros têm entrada livre, não precisa pagar para obter um visto, mas eles são bem exigentes no preenchimento do folheto da imigração. Você deve colocar o número exato de dias que pretende ficar no país, o endereço do local de hospedagem, e a quantia que pretende gastar nesse período. No meu caso, eu disse que ficaria 10 dias e o agente carimbou exatamente 10 dias.

 

A primeira cidade da Namíbia é Katima Mulilo, não tem absolutamente nada de interessante, não quis me hospedar lá. Parei em um posto de gasolina, fiz uma pausa para lanche, e comecei a conversar com as pessoas que estavam ali para saber como deixar a cidade. Juntamente comigo, havia mais 4 pessoas que queriam ir para Windhoek, mas não havia transporte para levar nos. Nesse dia esperei muito, muito mesmo, e tive que fazer uma combinação de trechos para chegar a capital.

 

Peguei um carro até a cidade de Rundu, cheguei de madrugada, esperei o dia amanhecer e lá consegui uma carona com Angolanos até Windhoek. Essa foi uma das melhores caronas que peguei, o carro era novinho e fomos ouvindo muito Afro house e Semba com Puto Português (Cantor angolano que particularmente gosto muito).

 

A chegada a Windhoek foi surpreendente, eu já tinha visto algumas fotos da cidade, mas ela é realmente muito mais desenvolvida do que eu pensava. As ruas são limpas, arborizadas, o trânsito flui, os prédios são bonitos, e as pessoas são elegantes. Foi eleita a cidade mais limpa da África.

 

P1020167.JPG.0ab037ade0af7a1d272b961edc36c36b.JPG

Avenida da Independência

 

P1020168.JPG.6bd7ad7d48fea7470b83711e9e215d3b.JPG

Metropolitan Namíbia

 

Fiquei hospedado no Cardboard Box, o quarto era confortável e pela manhã rolava umas panquecas muito boas. A capital é muito boa para compras, muita gente da Zâmbia e da Angola vai lá para fazer compras. Os Angolanos são facilmente reconhecidos pelo seu sotaque mwangolê. Um dia eu estava no shopping e assisti a um desfile de cabelos africanos, modelos belíssimas esbanjando muito charme, e elegância, com suas roupas e penteados.

 

P1020166.JPG.a7cc444272d79942bdf47da30d058863.JPG

Zoo Park

 

Em um giro pelo centro pude apreciar os jardins do Zôo Park na avenida da independência, a galeria nacional, o parlamento da Namíbia e a igreja de Cristo.

 

P1020161.JPG.82c0f026401ad38039246f41805712c9.JPG

Christians Church

 

P1020155.JPG.8e7f89d15fbe847705bedab1ccffc60f.JPG

Parlamento da Namíbia

 

Swakopmund

 

Swakopmund foi outra grande surpresa na Namíbia, esta é uma cidade costeira muito aconchegante e com grande influência alemã. Foi lá que tive o meu primeiro contato com o Atlântico durante essa viagem.

 

P1020186.JPG.c1f6ba9b0ed1c1a2d038e4cb07ee5008.JPG

Hotel Legacy

 

A cidade de Swakopmund é como se fosse um Oásis no meio do deserto. Depois de horas dirigindo em uma rodovia com paisagens desérticas chegamos à entrada da cidade. O caminho da entrada é repleto de palmeiras e todas as casas são de arquitetura alemã.

 

Em Swakop é possível fazer sandboarding, andar de quadriciclo, e de camelo no deserto. Caminhar pela orla é muito relaxante, lá, do outro lado do Atlântico, o sol se põe no meio do oceano. Outras atividades bastante populares são salto de paraquedas, voo de balão pelo deserto e cruzeiro para ver golfinhos e leões marinhos.

 

P1020185.JPG.978a6bc6024290968dd5e8ce87e92c14.JPG

Antonius Residence

 

P1020201.JPG.dfc7ba6362a02844dd89f714c0aa5a48.JPG

 

Sossusvlei

 

De volta a Windhoek eu queria ir até Sossusvlei, mas o tour oferecido pelas agências era muito caro, o meu orçamento mochileiro não alcançava. O passeio de dois dias custa o equivalente a R$800 e a saídas geralmente são na Sexta e no Sábado. Durante a semana só rola se tiver gente suficiente e o preço é diferenciado.

 

A solução foi correr atrás de uma boa e velha carona, foram 3 até chegar ao Sossusvlei Lodge. Fiz paradas em Mariental, e Maltahohe. A famosa placa do Trópico de Capricórnio é vista no caminho entre Windhoek e Rehoboth.

 

Em Maltahohe consegui uma carona com um grupo de italianos que estava indo para Sossusvlei, o motorista era um Sul Africano filho de Portuguesa com Italiano. Logo, falava português, inglês e italiano fluentemente. Um cara muito gente boa!

 

P1020300.JPG.be72d59a737ab1d664ee5ea6fbea1ee0.JPG

Sossusvlei Lodge

 

No Sossusvlei Lodge eu aluguei uma barraca (ZAR 120) e acampei por duas noites no deserto. O céu a noite era espetacular, bons momentos de reflexão com direito a chuva de estrelas cadentes. Lá mesmo no Hotel eu contratei o passeio para visitar os vales e as dunas, me custou ZAR 600. No caminho passamos pela famosa duna 45, Big Mama, Big Daddy e visitamos Deadvlei (vale de árvores mortas). Utilizando a mesma permissão de entrada no parque eu fui até o Sesriem Canyon por conta própria no período da tarde.

 

P1020292.JPG.1f811c7c9c3e5f257297d97a0010796b.JPG

Deadvlei

 

P1020304.JPG.d9ce735332e6a559791eb1c839df332c.JPG

Sesriem Canyon

 

Para voltar para Mariental, peguei carona com um casal de velhinhos que fez o passeio comigo, eles são de Cape Town e estavam viajando pela Namíbia. Saindo de Mariental a próxima parada foi em Keetmanshoop, após uma refeição rápida segui adiante, o objetivo era chegar a Luderitz.

 

Luderitz

 

Luderitz é uma cidade pequena, mas com muita história. No passado já foi liderada pelos Alemães e pelos Sul Africanos. A cidade lembra um pouco Swakopmund, mas tem um charme diferente. Próximo a Luderitz está localizada a cidade fantasma de Kolmanskop, a região foi abandonada após a primeira guerra mundial, quando foram encerradas as atividades nas minas de diamantes. As casas abandonadas servem hoje como atração turística e cenário para filmes.

 

P1020336.JPG.075796e3322d842ae41021afda755a1d.JPG

Casas em Kolmanskop

 

P1020326.JPG.f8b34368198150c25bf129a5419c76d7.JPG

Casa Abandonada

 

Anualmente é realizada uma competição onde um diamante é enterrado em uma das casas, depois de dada a largada quem encontrar o pote com o diamante é o dono da pedra.

 

Foi ótimo viajar pela Namíbia, 10 dias bem aproveitados.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

598da6551ab7e_SouthAfrica.png.a3e326adcd4f88283a20e5662278b1c8.pngÁfrica do Sul - Cidade do Cabo

 

Na fronteira Namíbia/África do Sul peguei carona com um caminhoneiro, 14hs de viagem até chegar a Cape Town. Na Namíbia as estradas são retas gigantescas e a paisagem é quase sempre árida, desértica. Já na África do Sul tudo é muito bonito, as estradas rodeiam as montanhas, passam por fazendas, plantações de uva, é possível ver criações de gado, pequenos lagos e muito verde. ::otemo::

 

A Cidade do Cabo é maravilhosa, fiquei hospedado em Long Street, no Blue Mountain Backpackers. As melhores guesthouses de Cape Town ficam em Long Street, pois este é um ponto central. Está de frente à Table Mountain, próximo ao Waterfront, Camps Bay e Green point.

 

No mesmo dia em que cheguei a Cape Town fui conhecer o Waterfront a noite. Jantei em um restaurante português chamado Tasca de Belem, estava passando em frente, procurando local para comer, e fui atraído pela música, estava tocando Nelson Freitas. O restaurante tem ótima comida e preços razoáveis.

 

P1020359.JPG.7c1722acc9e7c292cd881c371fe56d8f.JPG

Waterfront a noite

 

Na manhã seguinte o clima estava ótimo para subir a Table Mountain, acordei de manhãzinha o dia estava ensolarado e dava pra ver toda a montanha. Em Cape Town o clima muda muito rápido, às vezes faz frio pela manhã, e calor durante a tarde. No dia seguinte, por exemplo, a montanha amanheceu coberta de nuvens e estava muito frio para subir até lá.

De cima da Table Mountain da para apreciar toda a Cidade do Cabo. Dá pra ver a orla, o estádio, os picos vizinhos (Lion’s Head e Signal hill) e bem ao fundo Robben Island, ilha onde Nelson Mandela ficou preso durante 27 anos.

 

P1020381.JPG.4bd3dd519d1401c35402c154817d88d9.JPG

Lion's Head

 

P1020427.JPG.f953fffd8306d5ab17bf5b6553753849.JPG

Boneco da Coca-Cola

 

Gostaria muito de ter visitado Robben Island, até comprei o bilhete, mas no dia o passeio foi cancelado devido às condições climáticas. Começou a chover, então cancelaram o passeio e devolveram o dinheiro. Eu tinha a opção de reagendar o passeio, mas teria que esperar 3 dias.

 

O passeio pela Península do Cabo também foi sensacional, reservei no próprio hostel e eles fizeram o contato com o pessoal da BazBus. Pegaram-me pontualmente às 8h no hostel, e após pegar todos os passageiros, começamos o tour passando por Camps Bay rumo a Hout Bay. Em Hout Bay tem uma feirinha, e é possível fazer um passeio de barco para ver leões marinhos. Ninguém do grupo teve interesse em fazer esse passeio, fizemos uma pausa para pic nic e seguimos para Boulders Beach, em Simon’s Town, para visitar a colônia de pingüins.

 

P1020489.JPG.de6ba502fa46face8c2b64a1a18e6d4c.JPG

Hout Bay

 

Já na reserva do Cabo da Boa Esperança fizemos um trecho de bike, paramos para o almoço, e em seguida subimos em uma caminhada de aproximadamente 30 min para apreciar o visual. Terminamos a visita tirando fotos no local onde fica a famosa placa “Cape of Good Hop”.

 

Em Cape Town fiz amizade com a galera de um estúdio de dança, lá eles organizam festinhas muito boas. A melhor de todas foi um baile Afro-Latino, no German’s Club, eram dois salões, um rolando Salsa e outro só de Kizomba. Sucesso demais, todos ficaram impressionados em ver um brasileiro fã de ritmos Afro-latinos.

 

A visita ao aquário também é imperdível, a garotada enlouquece ao ver o aquário de "Nemos" (peixe-palhaço).

 

P1020430.JPG.42cddf5e5b36a80ba90e6571a8309e21.JPG

Aquário em Cape Town

 

P1020576.JPG.75bc463f2633cbfbdb4036f98a2d76d9.JPG

Cabo da boa esperança

 

Encerradas as minhas atividades em Cape Town o plano inicial era seguir pela Garden Route rumo a Port Elizabeth, e Durban, para finalizar a viagem. A idéia me parecia ótima até chegar lá, mas no dia de deixar o hostel levantei da cama, senti o clima e mudei de idéia. Tomei um banho quente e fui para rodoviária, comprei passagens para Maputo (Moçambique, hahahah). Ainda me restavam 8 dias de viagem.

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Mozambique.png.ec224812dde7cb2dfb12ab5df48d8e30.png Moçambique - Maputo

 

Moçambique e África do Sul são países vizinhos, mas com realidades totalmente diferentes. O Moçambique é bem mais pobre, bastou cruzar a fronteira para a paisagem mudar totalmente e aparecer muito lixo nas ruas, carros velhos e chapas lotadas. Apesar de todas as dificuldades enfrentadas pelo país gostei da vibe moçambicana, clima tropical, boa receptividade, boa música, boa comida e praias belíssimas. Isso era o que me esperava na última semana de viagem.

 

Moçambique, assim como o Brasil, foi colônia portuguesa mas tem muitos traços da cultura Árabe. Nas ruas de Maputo é possível ver muitas obras deixadas pelos portugueses, assim como, mesquitas islâmicas e prédios da comunidade muçulmana. O próprio nome do país deriva do nome de um comerciante Árabe, Mossa Al Bique, o idioma oficial é o Português.

 

P1020630.JPG.353a3784da9e078d424e1a6e6b6eb97b.JPG

Estátua Samora Machel

 

P1020621.JPG.25284a773aebf88b0c53fccf408a55b0.JPG

Fortaleza em Maputo

 

Em Maputo fiquei no Fatima’s backpackers, na avenida Mao Tse Tung. Em um dia deu para conhecer muita coisa da capital.

No próprio Fátimas eu fiz a reserva do traslado (700 meticais) para a praia Tofo em Inhambane. São 9h de viagem, o carro sai por volta das 5h da manhã e vai até o Fatima's Backpackers de Tofo.

 

Tofo

 

A praia do Tofo é muito tranquila, é um ótimo local para mergulhar e relaxar. A praia é deserta, areia branquinha e poucas ondas.

Mergulhei com a galera da Tofo Scuba e foi sensacional!!! Mergulho com direito a ver tubarão baleia e tartarugas, isso fez valer a pena toda a distância percorrida.

 

P1020601.JPG.5245e5e7c49682422ddba53a0100373d.JPG

Praia do Tofo

 

P1020604.JPG.5eb5ea00e69db0f06197965a6ddb8c45.JPG

Botes na praia

 

P1020613.JPG.92ac1d6cb1196f3c4d9bbd176ffd5d11.JPG

Pôr do sol

 

De volta a Maputo fiquei sabendo de um grande festival de Zouk que ocorre anualmente na cidade.Festival Tropical Zouk, um evento organizado pela MCEL, companhia telemóvel de Maputo, que traz cantores famosos de Zouk de Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, França e Caribe. Uma excelente forma de encerrar a passagem por Moçambique, quem curte música luso-africana sabe a alegria que é participar de um evento como este.

 

Enfim... hora de voltar pra casa. Peguei o Intercape com destino a Johannesburgo e lá embarquei de volta para o Brasil já cheio de saudades daquela terra. Grande aventura em terras africanas, ótimas recordações de Moçambique, Zimbábue, Zâmbia, Namíbia, Botsuana e África do Sul.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

 

África do Sul

Idioma: Inglês

Moeda: Rand (ZAR)

Fuso: UTC +2

Capital: Cidade do Cabo – Legislativa / Pretória – Executiva / Bloemfontein - judiciária

Visto: Brasileiros não precisam de visto

 

Voos Domésticos:

Airlink - http://www.flyairlink.com

Kulula - http://www.kulula.com

Mango - http://flymango.com

SAA - http://www.flysaa.com

 

Transporte terrestre

Intercape - http://www.intercape.co.za

Translux - https://www.translux.co.za

Greyhound - https://www.greyhound.co.za

Baz Bus - http://www.bazbus.com

 

Obs: Para fazer a conversão de Rands para Real basta dividir o valor por 4(Por exemplo 100 ZAR = R$25)

 

Zimbábue

Idioma: Inglês

Moeda: Dólar Americano (US$)

Fuso: UTC +2

Capital: Harare

Visto: Single – US$35 / Double entry – US$45

Voos Domésticos:Air Zimbabwe - http://www.airzimbabwe.com

 

Zâmbia

Idioma: Inglês

Moeda: Kwacha (ZMW)

Fuso: UTC +2

Capital: Lusaka

Visto: Single – US$50 / Double entry – US$80

Voos domésticos: Proflight: http://www.flyzambia.com/

 

Botsuana

Idioma: Inglês

Moeda: Pula (BWP)

Fuso: UTC +2

Capital: Gaborone

Visto: Brasileiros não precisam de visto

Voos domésticos: Air Botswana – http://www.airbotswana.co.bw

 

Namíbia

Idioma: Inglês

Moeda: Dólar Namibiano (NAD)

Fuso: UTC +1

Capital: Windhoek

Visto: Brasileiros não precisam de visto

Vôos domésticos: Air Namíbia - http://www.airnamibia.co.na

Obs: O Rand Sul Africano e o Dólar Namibiano tem mesmo valor, a conversão é 1:1 (1 ZAR = 1 NAD)

 

Moçambique

Idioma: Português

Moeda: Metical (MZN)

Fuso: UTC +2

Capital: Maputo

Visto: Single US$80, válido por 30 dias.

Voos domésticos:

LAM Mozambique – http://www.lam.co.mz

Kaya Airlines

Obs: Para fazer a conversão de Meticais para Real basta dividir o valor por 15. (Por exemplo 150 MZN = R$10)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por ederfortunato
      Em dezembro de 2017, passei 3 dias no Zimbábue (relato aqui) e 15 dias na África do Sul, e devo agradecer a galera daqui do fórum que me ajudou muito através dos relatos, por isso, resolvi fazer um também!
      Eu vou focar nas dicas de passeios e trajetos para chegar nos lugares, e menos nos detalhes do que eu fiz no dia-a-dia(até porque tenho péssima memória).
      Pra quem gostou das fotos, eu posto muito mais no meu instagran, segue lá: http://instagram.com/ederfortunato
      África do sul
      Roteiro: Foram 8 dias na Cidade do cabo, 2 dias em Joanesburgo e 4 dias no Kruger.
      Ficou boa essa quantidade de dias para cada lugar, não mudaria, mas caso dispusesse de mais tempo, ficaria uns 14 dias na Cidade do Cabo(queria morar lá pra falar a verdade rs).
      Uma coisa que compensou fazer, foi passar 4 dias no bairro de WaterFront e 4 dias na Long Street, fiz isso pra conhecer bem cada canto da Cidade do Cabo.
      E porque não conseguia me decidir onde ficar rs.
      Depois passei 2 dias em Joanesburgo, e acredito que foram suficientes(me lembrou muito São Paulo, e como sou daqui, não curtir rs).
      Finalmente, fui para o kruger, de van, caso você também vá via terrestre, reserve 3 dias no mínimo, pois de Joanesburgo pra lá, são umas 6 horas na estrada, por isso os dias de ida/volta acabam sendo quase perdidos. Tem um aeroporto mais
      próximo do parque, o Nelspruit, mas a passagem estava cara.
      Tirei a Garden Route do roteiro, pelo que vi precisa no mínimo uns 5 dias pra aproveitar bem.
       
      Passagens: Voei com a South African Airways, que é muito boa. Já que a ideia era conhecer mais um lugar além da África do Sul, escolhi ir para o Zimbábue.
      Pesquisando, percebi que se comprasse 3 trechos de uma fez, 1º São Paulo > Victoria Fall, 2º Victoria Fall > Cape Town e 3º Joanesburgo > São Paulo,
      acabou ficando mais barato do que se comprasse a ida/volta da África do Sul para o Zimbábue, recomendo usar a ferramenta do google para fazer essas pesquisa de preço por várias cidades.
      O trecho Cape Town > Joanesburgo, comprei pela FlySafair, só $250 Reais a passagem, tem muitas outras companhias de low-cost por lá, valeu a pena.
       
      Gastos: Com hospedagem, passeios, comida e transporte gastei $1.350 dólares pelos 15 dias(fora a passagem ida/volta do Brasil).
      Vou separar por cidade, assim ajuda a ter uma ideia melhor:
      8 dias na Cidade do Cabo: $600 dólares.
      2 dias em Joanesburgo: $100 dólares.
      4 dias no Kruger: $650 dólares.
      O lugar onde gastei mais do que deveria, foi o safári no Kruger, como eu estava sozinho, acabei tendo que apelar para uma agência, que cobrou $600 dólares o pacote de 4 dias, o valor compensou, pois estava tudo incluso, mas tenho certeza que se fizesse por conta, ou se estivesse com mais pessoas, gastaria bem menos.    
      No geral, o custo lá não é alto, é possível encontrar hospedagem a menos de R$50 Reais(em hostel) e refeições de R$15 a R$50 Reais, mas os passeios acabam sendo bem caros. Fiz vários day-tour que custavam em média R$200 Reais.
      Um dica que posso dar é fazer os passeios por conta própria, alugando carro e tentar ir em mais pessoas.
       
      Dinheiro: A moeda usada na África do sul, é o Rand, ele vale mais ou menos ¼ de 1 real, então 4 Rand = 1 Real, fiz esse calculo na hora de fazer as contas.
       
      Dólar/Rand/Real, o que levar? O melhor é comprar dólar aqui e trocar lá por Rand, talvez você tenha lido que não vale a pena, pois vai fazer o cambio duas vezes, e perde nas duas, bem... a verdade é que depende. Depende o quanto você perde, é possível perder mais fazendo apenas um câmbio, o que determina isso é se a moeda trocada é forte ou fraca.
      Nesse caso, você vai perder bem mais trocando diretamente Reais por Rand, do que se fizer Real > Dólar > Rand.
      Isso porque o Real é considerado uma moeda fraca por lá, quer dizer que ninguém, na áfrica, quer comprar Reais, isso faz com que o cambio dele seja baixo, diferente do dólar, que é uma moeda forte, e faz com que as casas de câmbio queiram comprá-la(mais do que real).
      Além disso, tenha em mente que levando dólares, você consegue um cambio melhor, mas tem o inconveniente de ter que andar com muito dinheiro, então leve uma doleira pra carregar a grana embaixo da roupa, e não ande com tudo, deixe uma quantia no cofre do hostel/hotel.
       
      Câmbio: Use sites como Melhor Câmbio para achar a melhor cotação, um outro que recomendo pra quem é de SP, é o Câmbio Store(é onde geralmente compro).
      Chegando na África do Sul, troque uma pequena quantia no aeroporto, que normalmente têm taxas ruins, e deixe pra trocar o resto do dinheiro num lugar que faça "câmbio alternativo"(casas de câmbio clandestinas, onde pagam melhor e não cobram taxas), tem um que achei por indicação, que fica na 39 Strand Street, o lugar parece meio "suspeito",
      tem portões com grade, o pessoal parece mafioso, mas vai sossegado que é de boas lá rs.
       
      Cartão de crédito: Você pode optar por usar apenas cartão, é aceito na maioria dos lugares em Cape Town e Johannesburg, de várias bandeiras, seja cartão de credito ou debito, inclusive você pode sacar Rand no caixa automático, e é bem fácil achar um caixa 24.
      Além desse ser o modo mais seguro, já que não precisará andar com muito dinheiro, mas é o pior pelas taxas do banco, como IOF por transação, além da cotação de dólar que o banco usa ser bem desfavorável.
       
      Idioma: A África do Sul tem 11 línguas oficiais. Quase todo mundo fala inglês, alguns com um sotaque que eu achei bem difícil no começo(sério, no primeiro dia eu fiquei perdidão, não entendia nada).
       
      Insetos: Era uma preocupação minha antes de viajar, acho que de muita gente também, até pesquisei um repelente bem forte, mas quando cheguei lá, não usei.
      Durante o safári, que foi o lugar onde mais estive em áreas selvagens, dormi num chalé que tinha aquelas mosquiteira na cama, então não foi problema, e durante as saídas, fiquei o tempo todo dentro do carro, e em momento algum vi mosquitos nele.
      Sobre o medo de malária, o perigo existem em algumas regiões do país, mas nenhuma das que eu passei, então não me preocupei em correr atrás de vacina, mas o que pesquisei é que é bem cara é não tão eficaz.
       
      Segurança: Na Cidade do Cabo, era bem tranquilo andar durante o dia, mas a noite a recomendação era de sempre pegar táxi e não caminhar, embora eu tenha achado que não parecia tão perigoso(e olha que eu sou de São Paulo).
      Já em Joanesburgo, até de dia é complicado andar por lá, e era recomendado nunca andar sozinho.
       
      Transporte: Vale muito a pena alugar um carro, pelo que pesquisei é bem barato. Porém não tão barato que compensasse pra mim que estava sozinho, o que fez a viagem ficar um pouco mais cara, já que para chegar em muitos lugares, tive que recorrer às agências turísticas.
      Outra coisa a se levar em conta, é que muitos lugares, como Cape Point, são bem melhor aproveitados de carro próprio do que passeios de agências.
       
      Uber: boa alternativa caso não alugue um carro, em alguns casos, deve compensar bem mais. O custo é realmente muito baixo(pude perceber que a maioria dos motoristas de Uber, são de outros países vizinhos, mais pobres que a África do Sul, e que foram pra lá conseguir um trabalho melhor).
      Recomendo que compre um CHIP de celular quando chegar, para poder chamá-los de qualquer lugar, eu não comprei pois sempre conseguia Wi-FI free, mas nem sempre era garantido, e as vezes tive que apelar para o táxi.
       
      Cidade do cabo
      Ponto importante para quem pretende ir esse ano, a Cidade do Cabo está com um problema sério de falta de água, existem avisos em todos os lugares para economizar, nos hostel que fiquei, pedia para tomar banho de menos de 2 minutos!  
      o problema só deve se agravar pelo resto do ano.
      Do aeroporto para o centro da cidade, teve ter uns 25 km de distância, eu usei o My City Bus, é o sistema de transporte público da cidade, funciona como o bilhete único aqui de SP, você precisa comprar um cartão e colocar credito nele, os ônibus são ótimos.
      No aeroporto me deram um mapa com todos os pontos de parada, por isso foi fácil chegar ao meu destino, o ônibus foi direto até um terminal no centro da cidade, e de lá eu peguei outro para o meu hostel, custou $100 Rand. Caso fosse de Uber ficaria uns $300 Rand, então preferi ir de ônibus, pra já ir sentindo a vibe da cidade.
       
      Hospedagem
      Fiquei em 2 hostel nessa cidade, no Atlantic Point Backpackers, ele é muito topzera, tem ótima estrutura, quarto espaçoso(coisa rara em hostel), um banheiro por quarto, ar-condicionado, locker grande no quarto, o café da manhã é bem completo, e eles organizam muitas atividades entre os hospedes, todo dia havia algo pra fazer, além de estar bem localizado, uns 10 minutos á pé do WaterFront, preço um pouco acima da média, mas vale totalmente.
      O outro hostel foi o Cape Town Backpackers(cuidado pra não confundir com outro bem próximo chamado The Backpackers), a equipe é bem solícita e me ajudaram muito. O hostel é OK, tem um estrutura bem mais simples, como um banheiro para vários quartos, apesar de ser mais barato que o outro, acabou ficando caro, por ele não oferece café da manhã. A localização, até que é boa, mas fica distante demais da Long Street,  tipo uns 15 minutos de caminhada. Os quartos não eram limpos todos os dias. O ponto positivo era o bar dentro dele, bom lugar pra socializar, mas acho que não voltaria lá, tem outras opções melhores.
       
      O ônibus vermelho
      Você vai vê-los em todos lugar em Cape Town, são os ônibus turísticos de dois andares, que tem a parte de cima aberta, o site oficial é o City Sightseeing.
      Vale a pena dar uma olhada no site, seja para planejar e comprar o ingresso, ou para ver os pontos turísticos mais famosos e ir para lá por conta própria. Eu usei esse ônibus por uns 4 dias seguidos, e me quebrou muito o galho, pra ir de um canto para o outro da cidade, recomendo bastante.
      Um bom roteiro de um dia, nesse ônibus, é pegar o ingresso de $400 Rand, que inclui a entrada pra Montanha da Mesa. Então passar pela Long Street, depois a Montanha da Mesa, almoçar na Camps Bay e final do dia no WaterFront.
      Outra dica, eu fui comprar o ingresso no ponto 5, que fica na Long Street, um vendedor de lá me fez uma promoção muito boa, eu paguei $1120 Rand, pelo day-tour em Cape Point + o pacote Deluxe(3 dias pra andar no ônibus) + 
      O Attractions City Pass(que dá uma entrada gratuita na maioria das atrações de Cape Town, veja aqui no site o preço de cada uma delas, e calcule se vale a pena pra você comprar).
      No final, compensou bastante, se eu somar as entradas das atrações que fui, davam bem mais do que paguei, mas só por causa do pacote que o vendedor me fez, então vá lá, e se não tiver cara de pobre sem grana igual eu, tente dar uma chorada no preço rs.
       
      Lions Head
      O melhor horário para ir é no final do dia, para ver o pôr-do-sol lá de cima, pois é muito bonito. Para chegar, chamei um Uber, que me deixou no portão, não precisa pagar nada para entrar.
      A subida leva apenas 1 hora, não chega a ser difícil, apenas algumas partes mais complicadas, onde existem umas escadas e correntes pra te ajudar a subir,tirando isso é bem tranquilo. Se for mesmo no final da tarde, lembre-se de descer logo, ou pelo menos tenha uma lanterna(do celular mesmo), o caminho fica bem escuro na volta. Também vale a pena procurar pela Wally's Cave, é um caminho alternativo e um pouco mais difícil, onde se tem uma vista pra Montanha da Mesa, recomendo buscar algum vídeo no YouTube mostrando como chegar lá, não vou explicar aqui porque fica complicado(e também porque eu não lembro rs).

      Montanha da Mesa
      Uma dica importante sobre lá: É possível vê-la de várias partes da cidade, e se você perceber que o tempo está aberto, suba! 
      O clima lá é muito imprevisível e muda muito rápido, tem este site que você pode ver a condição do tempo, e se o teleférico está aberto ou fechado por causa do vento(me fudi 2 vezes indo lá a toa até descobri o site).
       
      Signal Hill
      Passeio padrão e muito bom, o ideal é ir para ver o pôr-do-sol, vale muito a pena, tem a opção de ir com ônibus vermelho, táxi, ou Uber.
      E não esqueça uma blusa pois faz bastante frio lá em cima, e leve vinho e um pouco de comida para um piquenique (ou muita pra uma farofada mesmo, ninguém vai te julgar por isso rs)
       
      Cape Point
      Ou Península do Cabo, passeio quase que obrigatório, fica a 70km da Cidade do Cabo, recomendo ir de carro para poder parar onde quiser, principalmente se fizer a rota pela costa oeste, tem muitos pontos cuja paisagem é muito bonita. Caso esteja sem carro, a maioria das agências/hostel/hotel e até o ônibus vermelho vendem esse passeio, a média de preço é a mesma, $800 Rand, incluindo uma parada em Boulders Beach, onde você pode conhecer a praia de pinguins(eu não esperava ver pinguins! na África, foi surreal), por $80 Rand a entrada. Já em Cape Point, é possível subir/descer pelo bondinho($50 Rand), ou a pé, só 20 minutos no máximo. A vista lá de cima é bem legal, além de ter uma trilha que circula por baixo pra chegar mais perto do final da rocha.
      Depois disso, é possível ir andando até o Cape of Good Hope(Cabo da Boa Esperança), deve levar uns 40 minutos numa trilha bem tranquila (caso esteja de carro, talvez seja melhor ir até lá pela estrada), para chegar lá, vá andando até uma praia que você com certeza viu lá de cima, que está à esquerda, ela se chama Dias Beach, e não é própria para banho, pois as ondas ali são bem fortes, mas dá pra andar pelo rochedo por cima dela.
      O final da trilha, no Cabo da Boa Esperança, é outro lugar obrigatório para visitar.
       
      Vinícolas
      Outro tour bem famoso, é o da rota de vinhos, é possível conseguir em qualquer agência/hostel e também no ônibus vermelho, não sei se todas fazem as paradas nas mesmas vinícolas, mas não deve ser muito diferente.
      O passeio é um bate e volta no mesmo dia, passando por várias vinícolas, e fazendo degustação de vinho em todas, além disso, a paisagem é muito bonita. Também é possível fazer por conta própria, indo diretamente nas cidades.
      A melhor e mais conhecida é Stellenbosch.
       
      Free walking tour
      Eu fiz o free walking tour deste site, eu gosto de fazer esses passeios, sempre que visito uma cidade nova, já procuro se tem algum, é a melhor forma pra conhecer a história da cidade e ainda ter algumas dicas de lugares pra visitar.
      Nesse em específico, as caminhas eram mais curtas, umas 2 horas, e havia 3 diferentes para escolher. Fiz o do centro histórico, e um outro chamado Apartheid to Freedom, valeu muito a pena esse segundo, é uma aula de história, mostrando sobre como era a vida das pessoas em Cape Town no período do Apartheid, e ver alguns objetos daquela época que ainda estão na cidade, mantidos como registro histórico(como um banco de praça escrito "apenas para brancos", é impactante).
      Não fiz o tour para o Bo-Kaap, que é o antigo bairro apenas para muçulmanos, onde as casas são coloridas, eu apenas dei uma passada por lá num outro dia, mas acredito que vale a pena conhecer mais detalhes históricos dali.
       
      Outros passeios e lugares que gostei:
       
      Two Oceans Aquarium: Fica do WaterFront, o melhor é ir às 14h00, que é quando eles alimentam os peixes, e tem um pequena palestra. Às 14h30 vá para parte de cima, para ver a alimentação dos pinguins.

      Museo do Rugby (The Springbok Experience Rugby Museum): Fica no WaterFront, ali dá pra ter uma ideia do porque o rugby é tão importante para os sul africanos, e como ele foi usado para unir a nação, fiquei com vontade de ir num jogo, mas não achei nenhum que iria acontecer enquanto estivesse lá.

      Mama Africa: Restaurante muito bom, voltado para turistas, fica na 178 Long Street, tem banda ao vivo, que toca músicas típicas.
      Se você quiser experimentar carnes exóticas, tem um prato chamado Wild Game, nele vem carne de Kudu (a melhor que comi), avestruz, javali, crocodilo e outros, custa $320 Rand, um pouco caro mas valeu muito a pena.

      Galbi Restaurant: Fica numa galeria na 210 Long Street, outro lugar com carnes exóticas, só que mais barato, o legal aqui é que você pode escolher a carne e cozinhar você mesmo! tem uma grelha em cada mesa, achei bem legal esse esquema.

      African Tradin Port: Fica no WaterFront, é uma loja gigante, uns 3 andares, vale a visita só pra ver os itens a venda, o preço é um pouco salgado, se gostar de algo, procure o mesmo item em outra lojinha, como as várias da Long Street, onde você pode negociar o preço.
       





       

       





      Hout bay
      Uma cidade costeira, próxima de Cape Town, com vários passeios interessantes,  é tranquilo ir de carro ou ir com o ônibus vermelho(a rota Mini Peninsula):

      Parque Kirstenbosch Botanical Garden, é um parque bem grande e bonito, caso você tenha vários dias disponíveis, vale fazer a visita e ficar um pouco por ali, talvez fazer um piquenique, pois é bem tranquilo e seguro pelo que percebi, no mais, é só um parque.
       
      World of Birds/Monkey Park, é um zoológico, que possui muitas aves, muitas mesmo! é quase um labirinto, e você vai passando de uma jaula pra outra, podendo chegar bem perto deles, é um ótimo lugar pra fotografar por causa disso. O único ponto ruim, é que dá uma certa dó de vê-los presos, eu li que as aves ali são resgatadas, e não poderiam ser re-inseridas na natureza, porque não sobreviveriam, mas ainda assim, dá uma dó deles.
      Existe também uma parte dedicada aos macaquinho, e é bem legal pois é possível chegar perto deles.
       
      Imizamo Yethu, é um tipo de povoado, bem pobre, e oferece visitas guiadas para conhecer aquela comunidade, a história dela, e ajudar com as instituições de caridade dali.
       
      Mariner's Wharf, é um cais, ótimo lugar para almoçar, muitos pratos de frutos do mar, e depois dá pra fazer o passeio de barco para a Seal Island, uma ilha cheia de lobos marinhos.







      Joanesburgo e Soweto

      Fiz o tour do Soweto, com uma agência chamada MoAfrika, mas acho que não foi tão bom, pelo que ouvi de outras pessoas, que fizeram outros tours, eles visitaram algumas instituições/ONG de ajuda aos moradores da região, no tour que eu fiz, não passamos por uma, e eu gostaria muito de ter conhecido.
      O passeio foi por algumas vielas de uma parte do Soweto, e entramos em uma das casas, no final teve uma apresentação de uma dança típica local, com alguns jovens, muito legal. Fizemos outras paradas, uma no museu do Hector Pieterson, que conta a história de uma revolta da população contra o governo, e da importância dos movimentos que nasceram do Soweto na luta contra o Apartheid, e a última parada foi no museu do Apartheid/museu do Nelson Mandela, os dois ficam juntos, e vale muito a visita, o tanto de informação que tem ali, é impossível ver apenas em uma dia, a maioria do material são vídeos, jornais e fotos da época, algumas partes são bem impactantes, mas sem duvida vale a visita.
       
      Minha opinião sobre esses tours do Soweto.(sinta-se livre pra pular essa parte se quiser rs). Sobre o tour em si, acho que ele é mais impactante pra quem mora em países desenvolvidos(europeus, americanos), pra quem mora aqui na América Latina, e mesmo em grandes cidades do Brasil, é possível achar pessoas em situações bem parecidas(ok, provavelmente não tão precárias como lá, devo dizer), não que deixe de ser uma boa experiência, conheço muitas pessoas que precisam de um "choque de realidade" daqueles, principalmente para lembrar que aquela é a realidade de boa parte do mundo, incluindo talvez o bairro onde elas moram. Ao mesmo tempo, me incomodou um pouco fazer esse tipo de "tour de miséria", perguntei para o guia, que era morador dali, o que os outros moradores achavam de ver vários turistas visitando o lugar, e tirando fotos deles.
      Ele explicou que, desde que as coisas por ali melhorarem, os moradores não se importariam, desde que aquela movimentação de turistas, também trouxesse uma melhora na vida deles, mesmo que pequena, eles aceitariam.
      Por isso, achei que faltou a visita em alguma instituição beneficente, no tour que fiz. E caso você vá visitar o lugar, não deixe de ajudar, da forma que conseguir, você vai sair levando algo dali, seja uma alegria pelas crianças que correm e pulam pra te abraçar, seja uma inquietação pela situação que aquelas pessoas vivem. E por levar essa lembrança, nada mais justo que deixar alguma ajuda em troca para eles.
       




      Safári
      Essa parte me deixou bem confuso antes da viagem, vários nomes e termos, vários parques, onde ir, como ir.
      Vou colocar aqui o que eu aprendi pra te ajudar a decidir.
      Existem muitas opções de safári para fazer em vários lugares da África do Sul, a maioria dos parques você pode chegar por conta, e dirigir por eles, ou contratando agência para te levar.
      Se você estiver em Cape Town, tem poucas opções, o mais perto o é Aquila Private Game Reserve, que mais parece um zoológico aberto.
      Entre os parques que merecem destaque, pelo tamanho e quantidade de animais, estão o Addo Elephant National Park, bem próximo de Port Elizabeth. O outro, e pode-se dizer o maior e melhor, é o Kruger National Park, fica a 6 horas decarro de Joanesburgo, ou pegando um voo para a cidade Nelspruit.
       
      Game drive: Você deve ter lido isso se já pesquisou, esse é o nome que as agências dão aos passeios de carro 4X4 para ver os animais dentro do parque. Esses game drive duram umas 4 horas, e são feitas ou bem no inicio ou no final do dia, num carro alto e aberto, para que os passageiros possam ver os animais e fotografar.
       
      Walk game: é uma caminhada dentro da área selvagem, juntos com dois guias armados para te acompanhar, um deles vai mostrando o lugar, ensinando sobre algumas plantas, animais que passagem por ali, muitas pegadas ou cocôs(no que eu fiz aprendi muito sobre isso rs).
      É possível ver alguns bichos, mas sempre mantendo distância, gostei mais desse passeio do que o de carro, isso porque eu gosto de andar na natureza, é mais empolgante do que andar de carro.
       
      Hospedagem: Existem várias opções, camping, tendas grandes, chalés e até casas.
      Caso você resolva ficar numa Private Reserve, algumas delas tem acomodações bem luxuosa-topzera(como a   Sabi Sand Game Reserve que eu queria ter ido, mas não deu por motivos de:$$$) e outras mais humildes que oferecem tendas em áreas mais afastadas, com banheiro compartilhado, uma espécie de camping, para quem quer uma experiência mais root's.
       
      Private Reserve ou Game Reserve: Em volta do Kruger, existem algumas áreas que são privadas, porém não possuem cercas de separação, então os animais acabam transitando para lá, e é possível ver nelas, a maioria dos animais que estão no Kruger. A vantagem aqui, é que os carros podem entrar em áreas mais difíceis, além de ter menos veículos circulando.
      Dentro dessas reservas, existem os Lodge, que são os lugares que oferecem pacotes com hospedagem/game drive/refeições.
      Da mesma forma que o Kruger, existem pra todos os bolsos.
       
      Dica de fotografia: Esqueça Go-Pro ou similares, com celular até que dá pra tirar dos animais que estejam mais próximos.
      O ideal é ter uma câmera com um bom zoom, prefira uma lente Teleobjetivas com no mínimo 200mm, pois muitos animais ficam distantes da estradas.







      Safári no Kruger
      Se o objetivo é economizar, o melhor é alugar um carro e ir por conta, reservando sua hospedagem pela internet (esse é o site oficial para escolher).
      A outra opção é fechar com uma agência, que vende pacotes all-inclusive, podendo escolher o tipo de acomodação (chalé, tenda, cabana), e o preço varia pra cada tipo.
      Eu escolhi a Viva Safaris, na ocasião ficou em $600 dólares o pacote de 4 dias, o que inclui: Transporte ida/volta de Johannesburgo para o Kruger; uma parada para os cânions Blyde River na volta; 3 noites num tipo de chalé bem confortável(eu escolhi tenda, mas deu "overbooking" e acabei ficando em chalé!); 3 jantares, 3 cafés da manhã; e um almoço(os outros almoços foram na estrada ou dentro do Kruger, mas que não ficaram caros); além dos passeios: 
      e 1 Walk Game, 3 Game Drive de 4 horas na reserva privada, e mais 1 de dia inteiro dentro do Kruger.
      Até que compensou pois foi tudo organizados por eles, recomendo pra quem não quiser pesquisar muito pra fechar cada coisa em separado, dentre as agências que pesquisei, acho que foi a de melhor custo/benefício.

      Hospedagem: Quando reservar acomodação no Kruger, jogue no google o lugar, e veja no mapa, pois algumas dizer ser dentro do Kruger, mas não são. Não que isso seja ruim, muitas dessas reservas são ótimas, eu fiquei numa delas, mas só pra você ter certeza do que tá comprando.
      Game drive: Um conselho importante: tenha paciência quando fizer os safáris! pois é possível que você fique até uma hora inteira sem ver muitos animais, o parque é muito grande mesmo. Caso você esteja dirigindo por si, se vir muitos carros parados, chegue perto pois teve ter algum animal interessante alia

      Rota: Caso resolva dirigir por conta própria, no caminho para lá, faça uma parada no cânions Blyde River, tem uma vista belíssima.







       
       
    • Por Karen M.
      Olá galera mochileira,
      Volto aqui para tentar retribuir de alguma forma toda a informação que aqui consegui. Este foi meu 1º mochilão e graças a esta plataforma me senti segura para montar todo o meu roteiro e ir de forma (quase) completamente independente. Vocês fazem parecer tão fácil!!! E foi! E foi uma delícia também!
      *já faz um tempo que comecei a escrever esse relato e tinha abandonado por causa de correrias da vida, mas quero terminar antes que o facebook pare de me lembrar que eu fiz essa viagem foda há 1 ano!
      PARTE 0 - Planejamento e preparativos
      Viajar ao continente africano sempre foi um de meus maiores sonhos e ele começou a se tornar verdade há 4 anos, quando ouvindo uma discussão sobre quanto se gastaria para assistir a 1ª fase da copa do mundo na Rússia eu pensei “com esse dinheiro vou conhecer a África”. E eu tinha a companhia perfeita: minha grande amiga (e na época roommate) Camila estava disposta a encarar a aventura comigo, se eu provasse a ela que viajaríamos por 1 mês com relativo conforto e não gastaríamos mais de R$10mil... E eu provei!
      *imprevisto: a viagem ficou mais cara (não dá pra comparar dólar de 2014 com de 2018!), durou 39 dias e incluiu aventuras que até agora não acreditamos que vivenciamos!
      (Parênteses: certeza que é possível fazer este roteiro gastando menos, mas tínhamos algumas premissas que não queríamos abrir mão. Estas seriam as primeiras férias em algum tempo para nós 2 e já estávamos em ritmo de corta-tudo-e-tira-leite-de-pedra para economizarmos para A viagem, então queríamos ter algum conforto e, muito importante: queríamos tomar cerveja todo final de tarde! :D)
      Logo no início das pesquisas a África do Sul se mostrou o país que melhor se encaixava nos nossos planos, seja pelo custo benefício ou mesmo pela facilidade de encontrar informações. Nem sempre nossa ideia foi de planejar tudo e ir sozinhas, até mesmo pelo fato de que nenhuma de nós 2 dirige, e lendo (milhares de) blogs, cheguei ao site Pangea Trails, de um cara que tem um roteiro de van por todo o país que dura 21 dias. Esse era o plano inicial. Chegada a época que íamos realmente afinar tudo e colocar o plano em prática, os custo deste pacote já estava tomando quase todo o nosso orçamento e começamos a pesquisar a coisa toda independentemente, mas ainda assim com o roteiro dele como base, pois já sonhávamos com muitos locais por onde a Pangea Trails passava.
      Tínhamos então os locais que queríamos passar e mais ou menos definidos quantos dias ficar em cada um, quando a história começou a tomar outro rumo: um perfil de turismo da África do Sul que eu seguia no instagram, publicou por 5 dias seguidos fotos da Otter Trail, uma travessia de 5 dias e 4 noites que acompanha a costa selvagem do Tsitsikamma National Park através de paisagens cênicas e eu fiquei completamente obcecada. Pronto! A paisagem era tão espetacular que eu tinha que presenciar aquilo!
      E eu devo ser muito mais persuasiva do que imagino, pois eu, que de travessia tinha apenas feito a Salcantay para Macchu Picchu, mas que contava com uma equipe que levava a bagagem mais pesada e provia comida e acampamento (foi um esquema meio princesa mesmo), queria levar comigo nesta trilha totalmente independente a minha amiga Camila, que nunca tinha feito trilha na vida. Bom, nem sei bem como, mas a convenci!
      Foi a primeira reserva que fizemos. E quase choramos de emoção quando recebemos a confirmação!
      A questão é que esta é uma trilha bem exclusiva e as reservas se esgotam com cerca de 1 ano de antecedência, pois apenas 12 pessoas por dia podem percorrê-la. Comecei a monitorar o site do parque e checar todas as condições de tempo e maré (o caminho inclui algumas travessias de rio que podem ser bem perigosas a depender da maré do dia) para conseguir a data ideal para as nossas férias.
      Feito isso, o resto da viagem começou a se desenhar melhor em torno da trilha. Alguns destinos que queríamos tiveram que ser cortados, pois a logística para a Otter Trail precisava de 6 dias da nossa viagem. Numa destas decisões, cortamos Drakensberg, pois esta parada era principalmente para fazermos algumas trilhas e este assunto já estaria muito bem garantido!
      Na sequência compramos as passagens, fechamos o overland tour para o trecho que passaria pelo Kruger Park e a Suazilândia e compramos nosso ticket de ônibus Baz Bus.
      A Baz Bus oferece um serviço de vans que funcionam no estilo hop-on hop-off com foco em mochileiros que atravessam o país, recolhendo os passageiros na porta do hostel e deixando no seu próximo destino. A logística é bem bacana e a rota vai desde Joanesburgo até Cape Town, com paradas obrigatórias em Durban e Port Elizabeth, pois as vans só circulam de dia. Eles têm uma lista de hostels que são atendidos pelo roteiro e diversas opções de tickets, a depender da quantidade de dias que se quer viajar, se viaja apenas em uma direção, etc... O valor dos tickets não é muito barato, mas pela comodidade e segurança achamos que valeu a pena. Quando já estávamos lá ficamos sabendo de outra empresa que presta o mesmo tipo de serviço, tem uma rota semelhante e parece ser um pouco mais barata, a Mzansi.
      O roteiro então ficou mais ou menos assim:
      10.03 a 15.03.18 Chegada por Joanesburgo e estadia em Maboneng; 16.03 a 22.03.18 Overland pela região do Kruger Park, Rota Panorâmica, Suazilândia, Greater St Lucia, chegando a Durban; 23.03 a 01.04.18 Seguimos de Baz Buz pela costa passando por Coffee Bay, Chintsa, Port Elizabeth e Jeffreys Bay até Storms River; 02.04 a 06.04.18 Estabelecemos base em Storms River para percorrer a Otter Trail; 07.04 a 10.04.18 Seguimos novamente de Baz Buz pela Garden Route passando por Wilderness e Mossel Bay; 11.04 a 16.04.18 Exploramos Cape Town, de onde voltamos para São Paulo.
      mapinha das nossas andanças....
      MEDICINA DO VIAJANTE
      Já tinha lido algumas vezes sobre este serviço público (e totalmente gratuito) de avaliação e orientação de acordo com o local de destino e áreas de risco para doenças, mas nunca tinha utilizado. Resolvi testar e não me arrependi!
      O atendimento em São Paulo é no Instituto de Infectologia Emílio Ribas e o agendamento é feito por e-mail.
      No dia da consulta é necessário levar documento com foto e carteira de vacinação. Então começa uma entrevista na qual você conta qual o destino e as características da viagem, com a maior quantidade de detalhes possível. Daí eles te dão todas as orientações em relação à sua saúde durante a viagem e atualização de vacinas.
      Aproveite para tirar todas as dúvidas! Saindo da consulta já te encaminham para as vacinas e pronto. Quem precisa do Certificado Internacional de Vacinação da Febre Amarela (CIVP) deverá antecipadamente acessar o site da Anvisa para realizar seu pré-cadastro, necessário para a emissão da CIVP.
      A preocupação principal da maioria das pessoas que viaja à África do Sul, em especial à região do Kruger, é em relação à malária. Não existe vacina e a melhor profilaxia é evitar o contato com o mosquito através de barreiras físicas (roupas protegendo a maior parte do corpo, tela mosquiteira sobre a cama, etc..). Existe também um repelente (exposis) que foi recomendado e também os comprimidos, embora não tenham garantia total.
      A orientação que recebi foi: usar o repelente para a pele e para a roupa (existe um spray específico para passar na roupa e dura algumas lavagens) e tomar os comprimidos (aqui vale uma observação que o médico só indicou os comprimidos pois passaríamos pelas regiões de incidência no início da viagem e depois ainda teríamos um período longo antes de retornar ao Brasil, passando por áreas remotas e o receio era termos qualquer sintoma e não conseguirmos atendimento imediato.. se fossemos apenas ao Kruger e voltássemos em seguida, o médico não indicaria o remédio porque em qualquer emergência conseguiríamos atendimento fácil em SP).
      O que de fato aconteceu: levamos o exposis, mas não comprei o spray para roupa e tomamos os comprimidos que compramos em uma farmácia em Joanesburgo (parece que o melhor é comprar no próprio aeroporto, mas esquecemos e enfrentamos uma pequena burocracia para conseguirmos o remédio, que é controlado e não é barato). No início do overland, o guia fez um terrorismo de que nenhum repelente trazido de países que não tem malária é eficaz e sugeriu comprar outro, o peaceful sleep, que acabamos comprando também. Não sei se foi o remédio ou a mistura disso tudo com sol e suor, mas tive uma alergia forte na pele (rosto, pescoço e costas) que só foi sumir mesmo em Cape Town. Camila ficou enjoada nos primeiros dias do overland, o que logo relacionamos com o remédio também.
      Para mais informações sobre a Medicina do Viajante: http://www.emilioribas.sp.gov.br/pacientes-e-acompanhantes/medicina-do-viajante/
      MOCHILA, O DRAMA...
      A principal dificuldade neste tema foi: precisaríamos de uma mochila que aguentasse o tranco e boa o suficiente para utilizar na trilha (tenho problema na cervical e essa era minha maior preocupação) e isso costuma ser bem caro! No final das contas: uma amiga que estava de mudança para a Austrália tinha uma mochila usada Trilhas & Rumos Crampon 72L e deu pra gente. Camila acabou ficando com esta, pois eu não queria uma mochila tão grande. Outra amiga ofereceu a mochila dela emprestada, uma Deuter Futura Vario 45 + 10, que eu me neguei a pegar até quase a véspera da viagem. Mas de tanto ela insistir e de tanto faltar dinheiro, aceitei..
      Resultado: olha, quando estava pesquisando pra comprar uma cargueira pra esta viagem, li muita coisa positiva sobre a T&R, então simplesmente não sei dizer o que aconteceu, mas a mochila praticamente se desfez durante a viagem. Na arrumação ela já rasgou um teco (o que levou Camila ao desespero antes mesmo da gente ir pro aeroporto) e no restante da viagem ela se rasgou inteira! Tentamos remendar com um bocado de fita e nada adiantou... enfim, outro ponto fraco que percebi é que ela ficava visivelmente desestruturada nas costas. Quanto à que eu levei, ela foi perfeita. Nas 1ªs horas da trilha precisei fazer alguns ajustes, mas ela segurou bem!
      O que levei:

      Confesso que não sou nem de longe aquelas pessoas bem compactas para viajar e foi bem difícil ficar nisso aí... mas era tudo que cabia na mochila, então... (na verdade cabia mais mas jurei pra mim mesma que não queria partir com a mochila no limite pra conseguir trazer umas coisinhas depois)
      Ainda, como tínhamos a trilha no meio da viagem e eu já tinha pensado mais ou menos em um cardápio, levei daqui coisas que por algum motivo tinha receio de não encontrar pra comprar ou que precisava de apenas uma quantidade pequena, etc..
      7 calcinhas 2 pares de meia para trilha 3 pares de meia de algodão 2 sutiãs 2 tops 2 biquinis 2 calças legging 1 calça-bermuda 1 calça jeans 2 camisetas dryfit 7 camisetas 1 blusa térmica (fleece) 1 jaqueta impermeável 2 blusinhas manga longa 1 shorts de corrida 2 shorts 1 saia jeans 2 vestidos 1 pijama 1 canga de praia 2 lenços 1 toalha microfibra 1 capa de chuva 1 chinelo 1 sandália kit de higiene / cuidados pessoais maquiagem básica kit primeiros socorros (com umas coisas bem específicas pra trilha, mas que não precisamos usar.. ufa!) saco de dormir lanterna de cabeça + pilhas 2 cantil + tabletes para purificação da água 1 canivete 1 bastão de trilha 1 capa protetora mochilão (comprei uma Arienti www.territorioonline.com.br/bolsa-para-transporte-arienti-m para despachar a cargueira, que até por ser emprestada merecia um cuidado mais especial e também porque precisávamos de uma bolsa pra deixar nossas coisas no hostel durante a trilha) 1 binóculo Confesso que não sou nem de longe aquelas pessoas bem compactas para viajar e foi bem difícil ficar nisso aí... mas era tudo que cabia na mochila, então... (na verdade cabia mais mas jurei pra mim mesma que não queria partir com a mochila no limite pra conseguir trazer umas coisinhas depois)
      Ainda, como tínhamos a trilha no meio da viagem e eu já tinha pensado mais ou menos em um cardápio, levei daqui coisas que por algum motivo tinha receio de não encontrar pra comprar ou que precisava de apenas uma quantidade pequena, etc..
      leite em pó (levei em saquinho zip lock apenas o necessário pra preparar 5 canecas de manhã) *confesso que quando estava separando o leite em pó no saquinho pra levar na mochila me bateu uma sensação mega ruim de que aquilo podia dar muito errado no aeroporto, mas deu em nada não... toddy (2 colheres de sopa / dia - levei em saquinho zip lock) geléia (aquelas individuais de cestas de café da manhã) castanhas semente de girassol cuscuz marroquino (em zip lock) quinoa (em zip lock) arroz + lentilha (em zip lock) temperos: sal (aqueles saquinhos de restaurante), pimenta do reino (não vivo sem!), azeite barras de cereais e proteínas 2 pratos plásticos rígidos, 1 caneca alumínio + kit talher de plástico Esta lista era basicamente para o meu café da manhã (com alguns itens complementares que compraria fresco na véspera da trilha) e jantar para nós 2! A Camila levou com ela o que iria precisar para o café da manhã dela e levaria o kit de panela.
      Além disso levei uma pequena mochila de ataque (aquelas dobráveis da decathlon, que viram uma bolinha compacta) com pasta completa de documentos e comprovantes de reservas impressas, bloco de anotação, travesseiro de viagem (meio dispensável pra mim, mas até que garantiu um conforto quando acampamos), carregador de celular, 2 power banks, câmera (uma véia digital que tenho, levei mais como garantia se a memória do celular faltasse).
      Acho que foi isso. A maioria das coisas que não tiveram utilidade durante a viagem foi levada por alguma indicação específica para a trilha e não acho que deixaríamos de levar (mesmo sabendo agora que não usamos), pois poderiam ter sido necessárias.. mas confesso que daria pra ter cortado umas peças de roupa e a sandália.... No final deu isso aí..

      mochila pronta...
      O relato diário irei postando em partes para não ficar tãããão comprido... Até!
    • Por deiselourenco
      Apresentando...
      Quando a gente começa a viajar, seu corpo e sua mente vão querendo cada vez mais, é como uma droga viciante mesmo. No começo, a maioria das pessoas, eu acho, vai realizando aquele sonho que geralmente tem a ver com lugares do nosso cotidiano, que a gente vê muito na TV, nos filmes, nas músicas etc. tipo Estados Unidos e Europa. Comigo não foi diferente. Conheci esses lugares, mas aí eu fiquei com vontade de mais e mais, eaí a África começou a invadir meus pensamentos e eu só conseguia pensar em ir pra lá.
      Entretanto, por vários motivos, entre eles (principalmente) o acovardamento em ir sozinha, eu fui adiando. Já viajei sozinha várias vezes, mas na África eu não queria ir somente no roteiro tradicional: Cape Town, Joanesburgo, Safari… queria mais, e quantos países vizinhos por ali eu conseguisse ir. Por isso, viajar sozinha estava sendo um grande entrave, pois teria que alugar carro e fazer muitos trajetos sozinha, fiquei com medo do perrengue.
      Então… como a vida dá voltas, apareceu uma amiga que também queria pra ir África. Mas pro roteiro tradicional. Aos poucos fui introduzindo a beleza da Namíbia e logo ela já estava convencida a conhecer o deserto. E pra fechar o grupo (ou não), meu primo também resolveu ir. Todo mundo conseguiu conciliar as férias, a vontade de ir pra África por um ou outro motivo e resolvemos. Compramos as passagens pela Latam, ida e volta por Joanesburgo por R$ 2.027,47 com taxas, saindo de Brasília. Pausa para dizer o básico, assim que você comprar a sua passagem desligue todos os alertas de decolar.com, googleflights, viajanet ou outro que você tiver feito. Eu esqueci, e uma semana depois a mesma passagem, na mesma data, no mesmo trajeto estava R$ 300 mais barata. Enfim, bateu aquele remorso básico que poderia ter sido evitado pela simples ignorância de não ter nem ficado sabendo que a passagem estava R$ 1.700. Como dizia o sábio: santa ignorância!
      Mas beleza, passagem comprada, todo mundo me olhando um pouco torto, porque eu queria coisa demais na viagem, começaram os planejamentos e as conversas. Geralmente a gente deixa pra falar como as pessoas eram maravilhosas ou não no final, mas já vou falar logo aqui que o grupo foi sensacional, muita cumplicidade, foi muito fácil resolver tudo já que todo mundo abria mão de alguma coisa pela vontade do outro, abrir mão de algo que eu queria ver não foi tão difícil, na verdade nem me lembro mais do que abri mão, pq a viagem e a cias foram maravilhosas. Então resumindo, quem somos nós: Deise (essa que humildemente vos relata essa viagem), Gabi (minha amiga), FH (meu primo), LC (namorado da Gabi, mas só resolveu ir depois).
      Fiquei meio que encarregada de fazer o roteiro, acho que me beneficiei nessa parte, pois ia colocando o que eu queria, mas ao mesmo tempo, ia tentando encaixar o que os outros queria também, sendo bem democrática. Tipo, não faço questão de vinícola, mas um deles queria abrir mão do tubarão pela vinícola, como não colocar. Então ficamos sem tubarão, mas com vinícola e foi ótimo, todo mundo satisfeito (eu acho rsrs).
      Quanto mais eu pesquisava e procurava roteiros, via que a maioria (90%) só fazia o chamado roteiro tradicional, que é aquele do começo do texto: Cape Town, Joanesburgo, Safari. Estava difícil achar informações sobre a Namíbia, Zimbábue, Zâmbia, Botsuana, não que a gente fosse nesses países, mas eu queria ver os relatos pra ver as possibilidades. Principalmente o deslocamento entre esses países, parecia ser bem complicado fazer por terra se você não fosse fazer algum safari de no mínimo 7 dias. E não tínhamos tempo pra fazer safári de 7 dias. Daí também que surgiu a ideia de fazer esse relato, a princípio eu não faria o relato, mas acho que pode ser útil pra quem busca informações e principalmente opiniões sobre lugares fora do roteiro tradicional.
      Então continuei a busca por relatos e catando algumas informações picadas aqui e ali, montei um roteiro, que pelo visto não foi o melhor, pois toda vez que conversávamos com alguém na viagem sobre o nosso trajeto a pessoa ria. Várias vezes eles comentavam tipo: - nossa, não faz muito sentido, ou: - uau vocês fizeram um belo zigue-zague aí ein. Bom, eu prefiro culpar a falta de informações do que a minha falta de habilidade em fazer planejamento, mesmo que muito provavelmente tenha sido o segundo motivo.
      Antes de finalizar o roteiro, ainda incluímos Victoria Falls pelo lado do Zimbábue.
      Pra vocês terem uma idéia, o roteiro final foi esse, quase não tem vai e volta, SQN.
       
      roteiro.mp4
      Como chegamos nesse primor de deslocamento: simplesmente não tem como ou eu não achei outra maneira de chegar no deserto da Namíbia saindo da África do Sul que não seja de Safári, é claro que você pode alugar carro e rodar até lá, mas pensa na perda de tempo. E os tours são todos bem caros e de 6 dias no mínimo. Então, achamos (eu) melhor ir de avião até a capital da Namíbia: Windhoek, já que de lá saem vários tours para o deserto. E o deserto era a nossa principal razão de ter escolhido a Namíbia. Existem outros passeios bem famosos por lá, como o Parque Etosha, Walvis Bay etc. Mas o nosso foco era o deserto. Então fomos pra Windhoek e já saímos do Brasil com o passeio comprado pela agência Detour Africa, mas quem realmente fez o passeio foi a Wild Dogs (ótima por sinal), a Detour parece ser apenas uma intermediadora, tipo uma agência de turismo. Ops, peraí, já estou entrando realmente no relato, deixa essa parte pra depois.
      Então beleza, chegaríamos pela África do Sul, porque não teve jeito, a passagem do Brasil chegava e saía por ela, mas já teríamos o primeiro trecho de avião por fora, para a Namíbia. Aí depois, numa reunião com o grupo da viagem, já que o Zimbábue foi escolhido de última hora, deixamos ele para os últimos dias, então a África do Sul ficou no meio da viagem. Ou seja:
      07/03 Brasília -- São Paulo -- Joanesburgo
      08/03 São Paulo -- Joanesburgo
      09/03 Joanesburgo
      10/03 Joanesburgo
      11/03 Joanesburgo -- Windhoek
      12/03 Windhoek - Sossusvlei
      13/03 Sossusvlei
      14/03 Sossusvlei -- Windhoek
      15/03 Windhoek -- Cape Town
      16/03 Cape Town
      17/03 Cape Town
      18/03 Cape Town
      19/03 Cape Town
      20/03 Cape Town
      21/03 Cape Town -- Joanesburgo -- Victoria Falls
      22/03 Victoria Falls
      23/03 Victoria Falls -- Joanesburgo
      24/03 Joanesburgo -- São Paulo -- Brasília
      Aí sim, roteiro fechado, vamos para o relato. Durante o relato não vou me ater aos valores mas vou colocar um orçamento detalhado ao final, com valor das passagens, hospedagem, passeios etc. Foram 17 dias no total. Nota dramática: 17 dias inesquecíveis.
      Relato dia-a-dia
      Já faz alguns dias que voltei, e quase um mês do começo da viagem. Foram dias bem intensos e corridos então não vou lembrar com muitos detalhes de tudo que fizemos, mas vou fazer o melhor possível aqui.
      A seguir...
       
    • Por thais.caldeirinha
      A minha viagem por alguns países do Sul da África iniciou por Johannesburgo, de lá fomos com carro alugado até Lesoto. Voltamos a Johanesburgo e pegamos um voo para Maun – na região do Delta Okavango- no Botswana.
      Após passarmos pelo Delta do Okavango, fomos ao Parque Chobe no norte do país. De lá cruzamos por terra para o Zimbabwe, na região da Victoria Falls.
      Após isso, cruzamos a Zambia, desde Livingstone, Lusaka até o Malaui. Chegando no Malaui ficamos na capital chamada Lilongwe e seguimos viagem com carro alugado até Cape Maclear (Monkey Bay)- região sul do Lake Malawi.
      Voltamos a Lilongwe para pegar um voo a Maputo no Moçambique.
      Depois cruzamos para a Suazilândia e finalmente voltamos para Johanesburgo finalizando a viagem.
      -----
      Quando comecei a planejar minha viagem à África, pensei imediatamente em alugar um carro. Na minha última viagem à África, visitei a Namíbia e foi muito fácil dirigir por lá.
      1) Se você está planejando viajar da África do Sul para o Botswana, eu recomendo fazer um vôo de 1:30 hrs com Botswana Air (de Joanesburgo para Maun) ao invés de dirigir 18 hrs. Você vai economizar muito tempo e o preco da passagem é praticamente igual ao aluguel do carro para 2 pessoas porém são praticamente 2 dias perdidos dirigindo.
      2) Um aluguel de carro 4x4 custa aproximadamente US $ 1.300 por semana (incluso 2 taxas de fronteira (Lesoto e Botswana) + entrega do carro em um país diferente)
      3)Tenha cuidado para não se confundir com os preços on-line (quando você fizer a pesquisa, ele mostrará somente o preço do aluguel do carro mas você precisa adicionar outros custos a ele). Você precisará pagar pelo aluguel do carro + taxa de devolução em local diferente da retirada + taxas de travessia de fronteira + taxa de contrato. O valor da taxa de devolução do carro em outro país é geralmente o dobro do preço da locação do carro 😖.
      4) O melhor GPS para usar na Africa é o Here WeGo: muito simples, é necessario apenas baixar os mapas off-line e pronto, funciona muito bem. De backup baixei os mapas no Google mas não funcionou em alguns países.
      5) Nem sempre as empresas sul-africanas têm os melhores preços, entao pesquise. 6) não é aconselhável andar à noite após as 18 hrs e dirigir carros também. A maioria não pára nos semáforos vermelhos. Na África do Sul é por causa de roubo, mas em Botsuana, por exemplo, é por causa dos animais na estrada.  
      Johannesburg - Africa do Sul

      Chegamos em Johannesburgo e o staff do nosso hotel literalmente começou com o terror sobre a falta de segurança na cidade, que não era recomendado sair sozinho e muito menos após as 18 horas. Ir até o Soweto então sozinhos, nem pensar.
      Ficamos em um bairro considerado seguro, em Sandtown, bem na Mandela Square (Do aeroporto até Sandtown são 30 km). Não é recomendado ficar na região do centro.
      Tudo é muito espalhado pela cidade, e como seguiríamos viagem até o Lesoto, fazia sentido alugar um carro.
      Na verdade, o staff do hotel tinha razão quando falavam sobre a segurança, mas não é uma situação tão alarmante nos pontos turísticos. Acho que eles queriam mesmo é descolar uns $100 dólares de tour guiado. Como não temos esse perfil, fui a procura de um tour daqueles hop on hop off, que pelo menos iria nos levar a todos os pontos principais, e do ônibus teríamos uma ideia se podíamos descer ou não.
      Resumindo: pagamos 18 dólares (240 Rands) cada ticket e fomos em todos os pontos turísticos exceto Soweto. Há também a opção de ir ao Soweto e o ticket custa o dobro.
      Apesar de Johannesburgo ser a maior cidade da África do Sul e ser considerada uma cidade de "oportunidades" e expansão nos dias atuais, a grande maioria do comércio fecha entre 16:30 e 18:30 hrs (incluindo lojas e restaurantes dentro de grandes shoppings). Ou seja, precisa se organizar para poder jantar.

      No dia seguinte decidimos ir com o carro alugado até o Soweto e foi totalmente tranquilo. A rua da Casa do Nelson Mandela é bem turística, tem vários camelôs vendendo souvenirs e alguns cafés. Para estacionar também foi bem tranquilo e sempre aparece gente se oferecendo para cuidar do carro.

      Soweto é uma área que foi delimitada aos negros durante o Apartheid, portanto o bairro fica no subúrbio de Johannesburgo e é plano. Isso diferencia bastante das favelas que conhecemos no Brasil - as construções se misturam entre casas simples e barracos de metal.
      Lesoto

      Você sabia que dentro da África do Sul há 2 países? Um se chama Lesoto e o outro Suazilândia ou Essuatíne (o Rei mudou o nome do país recentemente). 

      "Lesoto, uma país independente mas totalmente dependente da África do Sul" – essa foi a minha conclusão sobre o Lesoto. O solo é muito árido e pobre, além das altas temperaturas e falta de chuvas por longos períodos. A maior parte dos alimentos e outros bens são importados da África do Sul.

      O reino de Lesoto (ex Basutolândia) se auto-denomina como: "Lesotho, kingdom in the sky" e em Portugues, "Lesoto, O reino no céu". É o único país no mundo em que toda a sua superfície está a mais de 1.000 metros do nível do mar.
      Algumas nacionalidades possuem isenção de taxa de visto mas os brasileiros devem pagar 150 dolares por um single entry. É bem fácil solicitar o e-visa (http://evisalesotho.com/)
      Lesoto é relativamente pequeno, possui extensão de um pouco mais de 30.000 km2 e uma populacao de 2,1 milhões. Se você olhar o mapa do país verá que há aglomerações bem espalhadas, tornando difícil a locomoção de uma cidade a outra por transporte público.
      O comércio no geral fecha muito cedo (entre 17 e 18 hrs) então precisa se planejar.
      A noite as vias não possuem iluminação! Tem muitos barracos por toda a cidade e a população é muito pobre. 

      Como chegar:

      1) De Johannesburgo aluguei um carro. De ônibus é necessário ir até Bloemfontein e de lá pegar outro ônibus até Maseru (capital do Lesoto). Ou também há voos até a capital Maseru.
      2) Pagamos 50 dólares x dia em um Toyota Yaris - é necessario pedir um documento que a locadora autoriza o carro entrar em Lesoto.
      3) De Johannesburgo são 379 km - aprox 5 hrs.
      4) Gasolina custa aprox 1 dolar por litro.
      5) Não é necessário um 4x4 pois as estradas são até que OK, mesmo sendo secundárias.  Muitas partes com buraco então é recomendável dirigir durante o dia. Algumas estradas de terra com muitas pedras, caso você opte por fazer um mini rally dentro do Lesoto (optamos por alguns quilômetros de rally pois gostamos de aventura 😂)
      Já imaginou sair de cobertor na rua ??? 😃

      O traje tradicional no Lesoto é a manta Basotho, ou seja, um cobertor de lã. Os cobertores estão sempre presentes durante todas as estações, e é usado por homens e mulheres.
      O país vive da agricultura e criação de ovelhas, então é comum encontrar pessoas vestidas com um cobertor pelas ruas conduzindo ovelhas por exemplo.
       
      Delta Okavango - Botswana

      O Delta Okavango é acessível por via terrestre ou de aérea (você deve voar para Maun em Botswana).
       Maun é uma cidade bem pequena e há poucas opções de hotéis. Sua infraestrutura é completamente diferente de outros países africanos pois são muito limitados. Por exemplo: você precisa escolher suas refeições com antecedência para que eles possam prepará-las, incluindo café da manhã que na maioria dos hotéis não está incluso na diária. Não espere muito com relação culinária local pois as opções são limitadas.
      Para passeios você pode escolher entre:
      1)      Lancha
      2)      Voos panorâmicos de avião ou helicóptero (helicóptero parece ser a melhor opção porque eles abrem a porta e voam muito mais baixo, possibilitando tirar boas fotos e com a melhor vista)
      3)      Mokoro (pequenas canoas para 2 pessoas no máximo que cruza pelo rio Okavango).
      DICA : O passeio de Mokoro é vendido pelos hotéis por US $ 80 por pessoa, no entanto, há uma maneira muito mais barata e fácil de fazê-lo pela metade do preço, além do que, você vai dar o seu dinheiro para os locais em vez dos proprietários do hotel.
      Primeiro você precisa encontrar o Okavango Kopano Makoro Community Trust (OKMCT) que fica no mesmo pátio da Horizon Helicopters (você pode encontrar no Google Maps). A caminhada é aproximadamente 8 minutos do aeroporto - na mesma estrada! Então lá você vai pagar 68 pulas (usd 6,80) por pessoa para entrar no Boro Gate (há varias entradas para o Rio Okavango e esta é a mais próxima do centro da cidade de Maun). O Boro Gate é 1 h de distância do OKMCT, e é impossível ir sozinho pois você não vai encontrar o seu caminho até lá e não tem nos mapas / gps.
      Importante: OKMCT não tem transporte para o Boro Gate, mas você pode pedir para eles ajudarem a contratar um carro – no nosso caso, a pessoa que nos atendeu ligou para o marido fazer o transfer – não é necessário 4x4. Primeiramente ela nos passou o preco de um 4x4 de uma agencia de turismo local e era o dobro do preco.  Eu disse que era muito caro e nós pagamos 50 dólares para ir e voltar, em carro normal, mas eu acho que você pode negociar mais e chegar nos 40 dólares.
      Uma vez que você chegar na comunidade do Rio Okavango, você vai pagar 200 pulas (usd 20) para o passeio de Mokoro e mais 25 pulas (usd 2,50) para cada assento (é um assento de plástico para colocar dentro do barco para que seja mais confortável) . Uma vez que o passeio começa você vai passar 1:30 h pelos canais do rio até chegar um local para o  safari a pé, que leva tambem aprox 1 hora de caminhada e mais 1:30 h para voltar. Certifique-se de chegar cedo para que você tenha mais chances de ver os animais, traga protetor solar, repelente, muita água, comida e um chapéu (as canoas são abertas e é muito sol)
       
      Chobe Park - Botswana

      De Maun nós pegamos uma van na rodoviária para a cidade de Nata. São 295 km - 4:30 hrs, custa 80 pulas (usd por pessoa e partiu às 9 am / chegou às 1:30 pm.
      De Nata você precisa pegar outra van para Kasane, são mais 307 km, custa 84 pulas (usd 8,40) e são mais 3:30 h de carro. Partiu às 1:30 pm / chegou às 5 da tarde.
      De alguma forma eles foram organizados e assim que chegamos em Nata, havia outra van esperando para Kasane.
      No Botswana você não encontrará informações fáceis, parece que as pessoas não estão interessadas em ajudar ou elas simplesmente não se importam. Também é difícil encontrar informações on-line. Horários de ônibus também são impossíveis de encontrar, mesmo na "rodoviária", porque é apenas um posto de ônibus /van.
      Indo para Chobe Park você tem 3 opções:
      1)      Reserve um hotel na área de Savuti, onde os preços são muito altos - min Usd 400 por dia e você precisará pagar um vôo para chegar lá. A maioria das tarifas dos hotéis desta área inclui o voo. Savuti está localizada na área leste de Chobe, é savana, área alagada e não recomenda-se ir por conta e nem mesmo em 4x4.
      2)      Se não quiser voar e tiver tempo, é possível fazer um safari móvel. Você pode chegar em Maun e com o safari móvel seguir em direção ao Savuti fazendo safaris pelo caminho.
      3)       Opção mais em conta: Reserve um hotel perto de Kasane e visite a parte norte do Parque Chobe. Os preços dos hotéis variam e você pode escolher aquele que atenda às suas expectativas. Descobrimos o melhor hotel até agora com comida de qualidade, quartos incríveis e o nome é The Old House – fica em Kasane.
      Zimbabwe  
       
      Do nosso hotel em Kasane (Botswana) usamos a companhia Wild Horizons para nos levar para a fronteira com o Zimbabwe (15 min de carro) para podermos emitir o visto Kaza Univisa (custo de 50 pp para ambos os países - Zimbábue e Zâmbia, e é válido por 1 mês). Depois disso, pegamos outra van já do lado do Zimbábue para ir a Victoria Falls. (Mais 60 km).
      O ticket para entrar na Victoria Falls do lado do Zimbabwe custa USD 30 pp.
      Uma das 7 maravilhas naturais do mundo, a Victoria Falls fica entre o Zimbabwe e a Zambia e ganhou este nome de David Livingstone, que foi o primeiro europeu a ve-las em 1855 e homenageou a rainha da época com o seu nome, Victoria.
      Victoria Falls é a maior queda d'agua do mundo com 1,7 km de extensão no cânion do Rio Zambezi. O volume de agua é de 1 milhao de litros x segundo e as quedas chegam a 128 metros.
      Zâmbia  - Livingstone

      De Victoria Falls no Zimbábue você deve apenas caminhar até a fronteira para obter o seu carimbo de saída do país. Caminhar mais 1,5 km até à fronteira com a Zâmbia e obter o seu carimbo de entrada.
      A melhor taxa de câmbio é na fronteira, por isso não perca.
      Você pode pegar um táxi por 60 kwacha zambiano ou cerca de 6 dólares para o centro de Livingstone, que é cerca de 11 km da fronteira. A cidade em si não tem muito a oferecer, mas é muito mais barata que Vic Falls. Você pode visitar o mercado local para comprar souvenirs.
      A maior parte dos turistas visitam a Zâmbia para conhecer a Devils Pool ou a Angels Pool (dependendo da época, a Devils pool esta fechada devido ao volume de agua, então eles oferecem outra piscina natural que é a Angels Pool). Na Devils pool os turistas tiram a famosa foto bem na borda da catarata, em uma piscina natural que se forma antes da queda.
      A entrada para o parque é USD 105 pp 😮  !!!! E você precisa ter um guia. O passeio de Livingstone, ida e volta, fica por USD 125 pp.
      Outra opção de passeio é o The Elephant Café, que custa usd 185 pp para tomar um café da manhã ou almoço e interagir com os elefantes. Precisa reservar com antecedência pois servem um numero limitado de pessoas.
      Zâmbia - Lusaka De Livingstone para Lusaka de ônibus (melhor opção disponível) é cerca de 8 horas e custou usd 20 pp. O ônibus sai às 9 horas e chegar às 17:30 aprox. Tivemos a sorte de ter a/c no ônibus, mas eles param muitas vezes no caminho para deixar as pessoas em pequenas cidades ou na estrada. Lusaka tambem nao tem muito a oferecer. A Zambia em si é um pais com poucos atrativos e recentemente se conscientizaram com relacao a caça de animais. Portanto estao introduzindo novamente alguns animais aos parques nacionais.  
      Malawi - Lilongwe
      Em 2005 foi considerado o país mais pobre do mundo e hoje está em 4o lugar no ranking com a ajuda do FMI, Banco Mundial e a melhora da economia local que é basicamente agricultura (apesar do clima seco e árido - pelo caminho muitas áreas de plantação de milho e tabaco). O Malawi foi devastado pelo virus da AIDS e tem mais de 1 milhão de crianças órfãs pela doença. Mais de 40% da população vive com menos de USD 1,20 por dia.
      Lilongwe é a capital do Malawi, eu fiquei extremamente assustada com a pobreza daqui. 
       
      De Lusaka a Lilongwe (Malawi) são 12 horas de viagem de ônibus (parte às 6h - chega às 18h), custa usd 39 pp com o Kobs Bus Service. No caminho, eles oferecem um pacote de biscoitos e um 7up. O ônibus para em torno de 10 vezes no caminho. Os brasileiros pagam usd 75 pp pelo visto de turista - tentei obter o vistoa de trânsito que custa usd 50, mas não permitiram. Recomendacao de Hotel: Hotel Kiboko – naohá muitas opções e pelo o que pesquisei era o melhor custo beneficio.
      Malawi - Cape Maclear De Lilongwe para Cape Maclear foram 4 horas por causa do engarrafamento em Lilongwe além da rota do GPS, que nos levou por caminhos secundários, estradas esburacadas, areas rurais e cheias de buracos. Portanto evite a rota mais rapida no Malaui, prefira a mais longa que é por estradas mais conservadas. Cape Maclear está localizado na Baía dos Macacos, no sul do Lago Malawi. Uma boa dica é sempre ter água e algum lanche em seu carro, porque no caminho você raramente encontrará um lugar decente para comer.   Não espere encontrar comida elaborada nessa regiao. Todos os alimentos sao frescos e preparados do zero, então em todo lugar que você for, sua refeição levará cerca de 45 minutos para ficar pronta. Opcoes bem simples, basicamente arroz, feijão, salada, macarrão, peixe, frango ou carne (vaca ou cabra – normalmente pedacos de musculo, nao encontramos nenhum que servisse filé, bife etc).  
      Baobás
      No caminho encontramos muitos Baobás.
      O tronco dos baobás adota uma forma de garrafa durante a fase de maturidade, que em geral é estimada pelos 200 anos. Em boas condições estas árvores podem viver até aos 800 ou 1000 anos.
      A capacidade de armazenamento de água nos tecidos do tronco pode alcançar os 100.000 litros e esta reserva permite a árvore sobreviver às duras condições de seca.
       
      Moçambique
      Nós pegamos um vôo do Malawi - Lilongwe para Maputo. Porém não há vôos diretos e tivemos que fazer escala na África do Sul (Johannesburg) . Maputo é uma cidade grande, o país passou por guerra civil até pouco tempo atras e também nao é tão segura. Como todos os outros países, a recomendação é evitar algumas áreas e não andar depois das 6 da tarde. É possível visitar Maputo em 1 dia completo. Fizemos tudo a pé, fomos em todos os pontos turisticos, e pegamos um tuc tuc até o Marcado de Peixe, onde escolhemos camaroes, polvo e almeijas (vongole) por aprox 20 euros. La mesmo voce contrata um pessoa para cozinhar os frutos do mar. Fique atento ao negociar os precos pois eles querem extorquir o turista. No nosso caso negociamos por 500 miticais tudo e na hora da conta a pessoa veio com os valores totalmente fora !!! Nao pagamos e batemos o pé no preco que haviamos combinado. Apos almoco pegamos uma van local por 12 miticals e nos deixou em frente ao mercado de artesanato.   Náo tivemos tempo de fazer a costa , mas vale a pena fazer o litoral. Tem uma barca para a Ilha da Ilhaca que sai proximo ao Forte. É apenas 1 horario na parte da manha e retorno no final da tarde.  
       
      Suazilândia ou Essuatine
      De Maputo a Suazilândia (Manzini) tivemos que esperar 5 horas (das 8 da manhã até à 1 da tarde) só para ter a van cheia de passageiros. As vans só saem se tiverem cheias, caso contrario nao vale a pena para eles fazer esse percurso, que é longo.   Pagamos 600 meticais por pessoa e a viagem durou uma eternidade, saímos às 13:00 e chegamos às 6 da tarde - fomos parados duas vezes para controle de bagagem. Tem muita gente da Suazilandia que vai a Maputo fazer compras de roupas para vender.   Uma vez que estávamos em Manzini, no dia seguinte alugamos um carro na Avis Rent a Car no aeroporto King e nos dirigimos para a Festa da Amarula - oferecida pelo rei para a população. Na festa as mulheres se vestem com roupa tipica, dancam e a noite é oferecido uma bebida feita de amarula (eles chamam de Marula). Há outras festas realizadas pela familia real e é o modo de juntar a populacao local.   Ps. De Manzini para o aeroporto, pegamos uma carona com alguns moradores, na caçamba da  caminhonete por 55 km :)   Dados interessantes sobre o país:
      1.      O atual rei da Suazilândia possui 15 mulheres e 60 filhos
      2.      O seu antecessor tinha 60 esposas e 200 filhos
      3.      A cada uma das mulheres ele deve garantir o sustento da casa e dar "presentes" a família. Normalmente o presente é entre 15 e 20 vacas.
      4.      A fruta não tem nada a ver com o creme de Amarula
      5.      26% da população adulta tem HIV
      6.      Menor pais do hemisfério sul
      7.      É a 12ª menor expectativa de vida mundial, 58 anos


×
×
  • Criar Novo...