Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Transiberiana - de Vladivostok a São Petersburgo


Posts Recomendados

  • Colaboradores

Considerações Gerais:

 

Não pretendo aqui fazer um relato detalhado, mas apenas descrever a viagem com as informações que considerar mais relevantes para quem pretende fazer um roteiro semelhante, principalmente preços, hotéis, meios de transporte e informações adicionais que eu achar relevantes.

 

Sobre os locais a visitar, só vou citar os de que mais gostei ou que estiverem fora dos roteiros tradicionais. Os outros pode-se ver facilmente nos roteiros disponíveis. Os meus itens preferidos geralmente relacionam-se à Natureza e à espiritualidade.

 

Informações Gerais:

 

Por todo o trajeto há muitos monumentos, construções históricas, palácios, museus, memoriais, armamentos militares em exposição pública, jardins (na primavera), parques, florestas, rios, pontes e igrejas russas ortodoxas. Vi poucos animais.

 

Pude ver vários espetáculos nas ruas, igrejas, ginásios e estádios, sendo todos gratuitos.

 

De uma maneira geral gostei muito da viagem. Em especial da Natureza (principalmente no Lago Baikal e no Parque em Krasnoyarsk), da arquitetura, dos monumentos, dos templos e das exposições militares. O único ponto de que eu senti falta foram os rituais xamânicos. E um ponto que me surpreendeu foi o tamanho das cidades da Sibéria (esperava cidades bem menores). De um lado isso propiciou maior infraestrutura e maior quantidade de itens urbanos e artísticos a visitar, mas de outro lado privou-me de um contato por mais tempo e mais profundo com a realidade das vilas siberianas.

 

Minha viagem foi de Vladivostok a São Petesburgo, com estada de 7 dias em Moscou antes e de algumas horas depois (antes passei 4 dias em Roma, mas isso está fora do escopo daqui). Optei por começar por Vladivostok porque a passagem de avião de Moscou para Vladivostok era muito mais barata do que a passagem de Vladivostok para Moscou nesta época do ano.

 

Cheguei em Moscou em 3/5/2013 e voltei de Moscou em 9/6/2013. A viagem de Vladivostok a Nizhny Novogorod (última cidade da Sibéria) durou 23 dias. Foram mais 7,5 dias em Moscou e 7 dias em São Petersburgo.

 

Gastei na viagem pela Rússia R$ 3597,06 (cerca de US$ 1650). Somando a passagem aérea, o custo total fica em R$ 5834,46 (cerca de US$ 2780). Mas considere que eu sou bem econômico.

 

Só peguei temperaturas baixas (baixas para nós brasileiros) em Moscou, em dois dias em que choveu, e de Vladivostok a Krasnoyarsk. No lago Baikal e em Krasnoyarsk elas chegaram provavelmente a cerca de -5 C, com sensação térmica de -15 C. Próximo a Krasnoyarsk foi o único local em que peguei neve, mesmo assim muito fina. Depois daí, a temperatura raramente caiu a menos de 15 C e muitas vezes chegou aos 30 C. O número de horas de claridade por dia era de 16 a 21.

 

Percebi que era um pouco difícil encontrar hostels e guest-houses na Rússia, principalmente nas cidades maiores, devido às distâncias entre eles e à dificuldade do idioma. Uma alternativa para este problema foi utilizar os sites de busca e reserva online pela Internet, como:

- http://www.booking.com

- http://www.lonelyplanet.com

- http://www.hostelbookers.com

- http://www.hostelworld.com

- http://www.hostels.com

- http://www.tripadvisor.com

 

Para planejar a viagem, o site https://www.realrussia.co.uk/trains/transsib/index.php?ts&jType=ts&refp=0 ajudou bastante. Se for em rotas alternativas pela Mongólia ou China, veja o item de planejamento do link https://www.realrussia.co.uk/trains/tickets.

 

Tanto o site das companhias aéreas como a da companhia ferroviária não aceitaram o meu cartão de crédito. As máquinas de venda automática de passagens nas estações ferroviárias também não aceitaram. Vi relatos no próprio mochileiros.com de outros que tiveram o mesmo problema na Rússia. Isso complica um pouco as coisas, posto que é necessário comprar as passagens no escritório da cia aérea ou nos guichês das estações de trem, o que além de fazer você pegar fila e só poder comprar nas estações, gera o problema do idioma, posto que na Sibéria muito poucos falam inglês. Minha sugestão é escrever em inglês num papel o que se deseja (saída, destino, horário, classe de viagem, etc) e dar para a atendente.

 

Para obter as informações de horários e preços de trem, pode-se acessar o site da própria Cia Ferroviária http://eng.rzd.ru. Um site alternativo é http://www.realrussia.co.uk, porém tem menos informações. Se você não tiver acesso a Internet, pode-se usar as máquinas das próprias estações (algumas tem versão em inglês), porém neste caso você precisará inserir seu cartão de crédito nelas como se fosse comprar, mesmo que só queira ver as informações. Os horários da Cia Ferroviária são geralmente os de Moscou, independentemente de onde você esteja.

 

Com exceção de duas vezes, em todas as outras eu viajei de 3.a classe (platzkart) com direito a leito. Em uma das exceções eu viajei apenas com direito a assento e na outra viajei de 2.a classe (coupe). Eu tenho 1,73 m de altura. As camas nos trens não são grandes. davam o meu tamanho exato. Pessoas mais altas precisavam dormir com as pernas dobradas ou então corriam o risco de bater os pés em quem passava no corredor (o que às vezes gerava alguma confusão). Em alguns trens, nas camas baixas de corredor, há um encosto para quando se está sentado, porém que toma espaço da cabeça e dos pés quando se está deitado. Se desejar ver a paisagem durante quase todo o tempo como eu, é interessante conseguir uma cama baixa, pois as janelas não vão até o alto e se o passageiro da cama baixa desejar deitar, você terá que procurar uma janela livre no trem para continuar a ver a paisagem. Os trens não têm chuveiro (pelo menos a 2.a e 3.a classe não têm). Eles fornecem água quente (quase fervendo), que pode ser usada para colocar em comida instantânea (macarrão, por exemplo). Eu a usei para beber também.

 

Sempre que possível é interessante tentar comprar a passagem com a maior antecedência que seu planejamento permitir, pois senão aumenta o risco de se esgotarem os lugares mais baratos e ter que se pagar mais caro (às vezes mais do que o dobro) pela passagem. Isso vale principalmente quando se estiver perto de Moscou (entre São Petersburgo e Krasnoyarsk).

 

Ligar para o Brasil a partir de telefones públicos é bastante complicado. Em Moscou eu não consegui. Só consegui numa central telefônica em Vladivostok.

 

Na média achei os preços um pouco menores do que os do Brasil, exceção feita a verduras e frutas (o da carne eu não sei). O pão é muito mais barato (e achei também melhor). ::otemo::

 

De uma maneira geral achei as cidades russas bastante seguras (muito mais do que São Paulo e muito mais do que eu esperava). O único inconveniente neste sentido que enfrentei foram algumas pessoas alcoolizadas, que às vezes querem confusão. Mas nada mais sério. Alguns símbolos nazistas deixaram-me um pouco apreensivo quando estava em áreas isoladas de parques urbanos em Moscou, mas nada de concreto ocorreu.

 

Além da língua, o alfabeto russo é diferente do nosso. Há letras adicionais, sons adicionais e uma letra que possui um som para nós possui um som diferente para eles. É interessante aprender algumas palavras em russo para facilitar a comunicação.

 

Na média o povo russo é muito cordial. Porém, muitas vezes ao pedir informação nas ruas fui tratado de maneira rude, principalmente ao falar inglês.

 

Assim sendo, quando for pedir informações na rua, sugiro começar com a palavra "Por Favor" em russo. "Por favor" em russo pronuncia-se como Pajausca.

 

Os russos são bastante brancos, então mesmo a minha pele sendo branca, é bem mais escura do que a deles. Eles consideraram-me como negro.

 

Várias mulheres russas possuem o padrão físico da Maria Sharapova (loira, alta e magra).

 

Os policiais russos nem sempre sabem que brasileiros não precisam de visto (pois quase todos os outros precisam, incluindo americanos e europeus). Comigo, numa abordagem no trem, perguntaram-me porque eu não tinha o visto no passaporte e, como não falavam inglês, criou-se uma situação um pouco desagradável. Depois de uma abordagem um tanto ríspida e de me chamarem para uma sala isolada, pegaram meus dados, disseram que iriam verificar e não me abordaram mais.

 

Somente encontrei 3 casais de brasileiros ao longo de toda a viagem, 1 em Moscou e 2 em Irkutsk, sendo um deles a família de mochila (Luiz, Emili e Pedro, http://www.familiademochila.com.br), que tem seu relato também neste fórum.

 

A Viagem:

 

Fui de avião de São Paulo a Moscou pela Alitália, no dia 28/4, com parada de 4 dias em Roma, o que aumentou o preço da passagem em cerca de R$ 5,00. A passagem de ida e volta custou R$ 2237,40 (cerca de US$ 1120,00), incluindo todas as taxas. O voo até Roma durou cerca de 11 horas. Cerca de 1 mês depois de eu comprar a passagem (comprei em 13/2), a Iberia abaixou os preços e tinha uma passagem cerca de 50 dólares mais barata indo pela Espanha.

 

Brasileiros não precisavam de visto para entrar na Rússia por turismo, se o período de permanência fosse de até 90 dias. A entrada foi tranquila. A atendente da Imigração apenas pediu meu passaporte, verificou que eu não precisava de visto e desejou-me "Bem Vindo à Rússia" com um sorriso.

 

Moscou está 7 horas à frente de São Paulo quando é outono/inverno em São Paulo.

 

Cheguei em Moscou no dia 3/5. No aeroporto de Moscou há um guichê de informações gerais em que os atendentes falam inglês. Sugiro aproveitar se tiver alguma dúvida, pois até chegar ao hotel não vai ser muito fácil encontrar pessoas falando inglês.

 

Para ir do aeroporto de Moscou ao Metrô (e daí para onde desejar), o meio mais barato foi um ônibus regular (nro 851), que custava 50 Rublos (U$S 1,5). O ponto final dele era a última estação de metrô da linha verde (RECHNOY VOKZAL) e ele levava cerca de 30 minutos. Alternativamente podia-se pegar o AeroExpress, que é um trem que vai até a estação BELORUSSKAYA, mais próxima do Centro. Ele custava US$ 10 e levava 35 minutos. Se estiver voltando para embarcar no aeroporto em horário de pico, cuidado ao pegar o ônibus, pois o trânsito de Moscou pode ser caótico e você pode perder o voo. É mais garantido o trem.

 

Em Moscou, fiquei no Hostel ABC, bem próximo do Centro (Praça Vermelha e Kremlin) num quarto dormitório com 12 camas, pagando 499 Rublos (cerca de US$ 17,00), em que algumas pessoas falam inglês (principalmente Mikhail (Mike) e Olga). Veja http://www.hostelabc.com.

 

Antes de ir ao ABC fui ao All The World Hostel, mas não gostei da política de preços, pois eles tinham pacotes (se você ficava um dia custava 600 Rublos, 3 custavam 500 por dia, mas 4 custavam 500 pelos 3 primeiros e mais 600 pelo quarto). Os pacotes eram para o exato número de dias. 7 dias custavam 400 Rublos por dia. Além disso, não ficava no centro.

 

Pude obter várias informações turísticas gratuitas no Centro de Informações Turísticas na Praça Vermelha, incluindo mapas, guias da cidade e guia do Metrô. Veja http://wikitravel.org/en/Moscow e http://www.lonelyplanet.com/russia/moscow.

 

Pode-se ir a praticamente todos os lugares de metrô, que tem uma ampla rede de cobertura. Veja o mapa em http://engl.mosmetro.ru/flash/scheme01.html.

 

Moscou possui muitos pontos para se conhecer, simplesmente andando pelas ruas. Eu gostei bastante. Vou dar 2 sugestões adicionais às das informações turísticas tradicionais:

- Para quem gosta de parques, há um local com 3 parques agregados, sendo um parque de cidade (Tsaritsyno park), com lago, museu, trilha, etc, sendo um outro parque de uma reserva florestal (Biryulevskiy dendropark) e um outro com muitas árvores para piquenique. Eles ficam na Estação OREKHOVO do Metrô (19 Km do Centro). São gratuitos.

- Da frente da Universidade de Moscou, há um ponto para observação da cidade, que permite uma ampla vista. Tanto de dia, quanto ao entardecer ou à noite. Achei a vista muito bela da cidade. É gratuito.

 

Por sugestão das pessoas do Hostel fiquei em Moscou no dia 9 de maio, que é a data nacional da Rússia, em que se comemora o Dia da Vitória na Segunda Guerra Mundial. É feriado nacional, há desfiles militares e uma enorme multidão nas ruas, com veteranos de guerra, pessoas cantando, concertos ao ar livre, músicas tradicionais russas e muitas outras atrações.

 

A temperatura oscilou de 3 C a 26 C.

 

De Moscou peguei um voo para Vladivostok, no dia 9/5 à noite, que durou 6 horas e meia e custou 7400 Rublos (cerca de US$ 250).

 

Vladivostok está 14 horas à frente de São Paulo quando é outono/inverno em São Paulo.

 

Cheguei em Vladivostok no dia 10/5 de manhã. Fiquei no Optimum Hostel, no centro e bem próximo da estação de trem (endereço: Rua Aleutskaya 17, fone +7 423 2729111). Custou 700 Rublos (US$ 23). Os atendentes falam muito pouco inglês. Não aceita cartão. Havia outro mais barato, chamado So You Hostel, mas era um pouco distante. Do aeroporto para o centro, peguei um ônibus.

 

Não encontrei centro de informações turísticas em Vladivostok, mas no centro da cidade há uma espécie de centro comercial, do lado da estação de trem, em que há um mapa com os principais pontos turísticos a visitar. Meu ponto preferido foi Eagle's Nest (há também um submarino real em uma praça cujo interior pode ser visitado mediante pagamento; há um oceanário). Veja http://wikitravel.org/en/Vladivostok e http://www.lonelyplanet.com/russia/russian-far-east/vladivostok.

 

Nesta época estava úmida (choveu medianamente no primeiro dia) e com temperatura entre 5 e 20 C.

 

Saí de Vladivostok dia 11/5 à noite rumo a Khabarovsk. Foram 14 horas de viagem de trem em 3.a classe sentado (sem direito a cama). Porém, como o trem estava vazio, pude usar uma cama para dormir. O preço foi de 677,48 Rublos (US$ 22,51).

 

Nesta viagem houve um problema, que ocorreu apenas uma vez dentro do trem, mas algumas outras vezes nas ruas, que foi encontrar pessoas alcoolizadas que estavam dispostas a algum tipo de confusão. Um deles chegou a puxar a minha mala de cima do bagageiro e jogá-la no chão enquanto eu dormia, creio que não para roubar, mas simplesmente para chamar a atenção, pois havia-me visto falar inglês com 2 russas que estavam tentando ajudar-me e ficaram nas camas em frente às em que eu dormi. Mas eu estava meio acordado e logo peguei a mala de volta, sem maiores problemas.

 

Cheguei no dia 12/5 de manhã. Fiquei no Corona Hostel (endereço: Rua Volochaevskaya, 87). Paguei 600 Rublos (US$ 20). Este hostel não é muito perto da estação (30 minutos a pé). A dona fala muito pouco inglês, mas é muito cordial. Não aceita cartão.

 

Eu esperava ver algo relacionado a tigres siberianos em Khabarovsk, mas nada encontrei neste sentido. Não encontrei informações turísticas também. Porém, há uma ampla área de lazer ao lado do Rio e também há o centro e os parques urbanos para se conhecer. O que mais me agradou foi a vista do rio e o seu parque lateral. Veja http://wikitravel.org/en/Khabarovsk e http://www.lonelyplanet.com/russia/russian-far-east/khabarovsk

 

Também estava úmida e com temperatura de cerca entre 5 C e 20 C. No segundo dia choveu fraco.

 

Saí de Khabarovsk no dia 13/5 à tarde rumo a Ulan Ude. Foram 2 dias e 2 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 3570,70 Rublos (US$ 118,52).

 

Cheguei no dia 15/5 de tarde. Fiquei no Ulan Ude Traveler's House Hostel (endereço: Rua Lenina, 63, apto 18 - perto do correio). Paguei 600 Rublos (US$ 20). É bem no centro e fica a 15 minutos da estação a pé. A gerente fala inglês sem problemas, a atendente fala pouco. Não aceita cartão.

 

Fui antes ao Baikal Hostel by Nina, que era mais barato, mas as moradoras disseram-me que não estavam recebendo pessoas.

 

No Hostel há muitas informações turísticas sobre Ulan Ude e região, inclusive com sugestões de programas para 1 dia, 2 dias e 3 dias. Não consegui entrar nos templos budistas, pois já estavam fechados. O que mais me agradou foi a "floresta" urbana que há atrás do museu etnográfico. Pude andar por lá e pareceu-me bastante preservada. Veja http://wikitravel.org/en/Ulan_Ude e http://www.lonelyplanet.com/russia/siberia/ulan-ude

 

Os preços nos supermercados aqui são menores. É um bom local para se abastecer.

 

Não choveu e a temperatura oscilou de 5 C a 20 C.

 

Saí de Ulan Ude no dia 17/5 pela manhã rumo a Irkutsk. Foram 7 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 830,10 Rublos (US$ 27,49). Há uma passagem mais barata no trem noturno, mas para quem gosta de paisagens, é interessante viajar neste trecho durante o dia. Achei-o com a paisagem mais bela da viagem, pois misturou o lago Baikal (semi líquido, semi congelado), montanhas (algumas com topo nevado) e a floresta típica. ::otemo::

 

Cheguei no dia 17/5 de tarde. Foi difícil obter um Hostel aqui, pois um estava desativado e outros estavam lotados. Fiquei no primeiro dia no Irkutsk Hostel (endereço: Jelyabova 23a/1). Paguei 650 Rublos (US$ 21,5). No segundo dia fiquei no BaikalerHostel (endereço: Rua Lenina, prédio 9, apto 11). Paguei 500 Rublos (US$ 17). Ambos são no centro. As atendentes falam inglês sem problemas. O primeiro aceita cartão, o segundo não.

 

No Hostel há muitas informações turísticas sobre Irkutsk e região. O que mais me agradou aqui foi o Rio e sua área lateral. Veja http://wikitravel.org/en/Irkutsk e http://www.lonelyplanet.com/russia/siberia/irkutsk

 

Não choveu e a temperatura oscilou de 5 C a 20 C.

 

No dia 19/5 fui a Ilha Olkhon (http://en.wikipedia.org/wiki/Olkhon_Island) no Lago Baikal e fiquei lá até o dia 22/5 (3 noites). Fiz a reserva no Hostel de Irkutsk. A viagem foi de van (com uma travessia por uma balsa), durou cerca de 6 horas e custou 1400 Rublos (US$ 47) incluindo ida e volta. As paisagens próximas ao lago também são muito belas nesta viagem.

 

Sobre a ilha veja http://wikitravel.org/en/Olkhon e http://www.lonelyplanet.com/russia/siberia/olkhon-island.

 

Na ilha fiquei no Hotel da Olga, que custa 900 Rublos (US$ 30) por dia servindo todas as refeições (3). Havia um outro Hotel maior e com mais recursos chamado Nikita, que talvez possua uma infraestrutura melhor. Porém a Olga e sua família atendem tão bem que eu creio que escolheria o hotel dela novamente. O único inconveniente, principalmente no frio, é que o banheiro é externo e padrão local (uma fossa no chão), mas é limpo.

 

No Hotel Nikita há um fotógrafo francês, creio que a pronúncia do nome é algo como Nicolá, que leva as pessoas para explorar a ilha, além de existir também uma agência de turismo tradicional. Inclusive há a possibilidade de se alugar bicicletas para desbravar a ilha, acampar e ver o nascer do sol (cuidado com o frio!). ::Cold::

 

Fiz uma excursão de 1 dia para a parte norte da Ilha, ao custo de 760 Rublos (US$ 25), incluindo o almoço. As paisagens são muito belas e diferentes das a que estamos acostumados no Brasil. Na ponta da parte Norte há uma pedra que me lembrou a Pedra Furada de Jericoacoara, porém é muito menor. Embora perto do verão, provavelmente devido ao gelo na superfície do lago, quando o vento batia a sensação térmica era bem baixa. Queimou meu nariz de frio.

 

Para quem gosta de espiritualidade, sugiro uma visita à pequena igreja russa ortodoxa da vila. É bem simples e típica de uma vila. Serguei, que cuida dela, é bastante aberto a conversar sobre às mais diversas religiões e fala inglês bem. Há também várias construções xamânicas com pedras, semelhantes as que se pode encontrar no Tibet. E há uma pequena montanha litorânea, chamada Pedra do Xamã (Shaman's Rock), que é considerada sagrada, além de ser muito bela.

 

Ainda na linha espiritual, aqui é um bom lugar para meditar. Eu fiquei meditando por bastante tempo em cima de uma montanha com vista para o lago.

 

O céu noturno estrelado é muito bonito. Porém, como anoitece tarde (23:30 ainda havia um pouco de luz), só consegui vê-lo por acaso, uma noite em que precisei ir ao banheiro.

 

Não choveu e a temperatura oscilou de -5 C a 15 C, porém a sensação térmica creio que chegou em - 15 C. Foi um dos únicos locais em que eu precisei usar, além da roupa térmica (fleece) e da jaqueta (anorak), mais uma blusa de lã.

 

Este foi o local de que eu mais gostei na viagem. ::otemo::::otemo::

 

Voltei da ilha em 22/5 de manhã e neste mesmo dia à tarde embarquei para Krasnoyarsk. Foram 18 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 1648,40 Rublos (US$ 54,94).

 

Cheguei no dia 23/5 perto do meio-dia. Fiquei no Titmouse House Hostel, endereço: Avenida Mira, 120 - 35A, telefone +7 913 5139434, http://tithouse.ru/en/home. Paguei 500 Rublos (US$ 17). É no centro e fica a 15 minutos da estação a pé. Uma das atendentes fala inglês sem problemas. Não aceita cartão.

 

Eu fui há um outro hostel também, chamado Sib Tour Guide. Em ambos os casos, não havia atendentes de plantão e foi necessário telefonar para pedir para virem atender.

 

Há mapas turísticos na ruas, com os principais pontos a visitar. Veja http://wikitravel.org/en/Krasnoyarsk e http://www.lonelyplanet.com/russia/siberia/krasnoyarsk.

 

O ponto de que mais gostei foi o parque nacional, que fica nos arredores da cidade. Para chegar lá peguei o ônibus nro 80 (16 Rublos - US$ 0,50), que demora meia hora. Depois há uma subida a pé de cerca de 6 Km, com uma paisagem de floresta no entorno. O parque fica numa área preservada de floresta e possui vários picos e montanhas. A entrada é gratuita. No final, eu peguei uma trilha de 7 Km para um pico que permitia uma vista completa da cidade. No caminho para este pico há vários outros, com vista para a floresta e para a cidade. Sozinho no meio da floresta eu fiquei com um pouco de receio de ursos, mas posteriormente perguntando a russos, eles me disseram que os ursos não costumam atacar mesmo quando chegam perto das trilhas. Para descer de lá há um teleférico, cuja descida é livre (gratuita). De lá de baixo pode-se pegar um ônibus de volta para a cidade.

 

Na cidade, o ponto de que eu mais gostei foram o parque, após o cruzamento da ponte de pedestres e a pequena igreja no alto da montanha, que permite uma vista ampla da cidade e dos arredores.

 

Choveu um pouco. No parque pequei neve bem fina por pouco tempo e a temperatura oscilou de -3 C a 20 C.

 

Eu pretendia ir a Kyzyl, capital de Tuva, para ver rituais xamânicos, mas conversando com russos e estrangeiros acabei desistindo, pois disseram-me que era difícil ter acesso a xamãs autênticos, pois não gostam muito de contato. O que eu poderia conseguir eram apresentações de xamãs para turistas, o que não me interessou.

 

Saí de Krasnoyarsk no dia 26/5 à tarde rumo a Omsk. Foram 21 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 1819,20 Rublos (US$ 60,40).

 

Cheguei no dia 27/5 de manhã. Não pernoitei aqui. Apenas passei o dia na cidade e depois peguei o trem novamente à noite.

 

A estação de trem fica a cerca de 1 hora a pé do centro, mas foi um caminho de que eu gostei, pois o fiz pela calçada na beira do rio, que achei muito belo.

 

O que mais me agradou foi o Rio (e seu parque lateral após o centro) e o espelho do céu refletido na cúpula da catedral (foi o melhor que vi em toda a viagem). Veja http://wikitravel.org/en/Omsk e http://www.lonelyplanet.com/russia/siberia/omsk.

 

Aqui a temperatura aumentou. Conheci a "Sibéria Tropical". ::hãã2:: Não choveu e a temperatura oscilou de 18 C a 30 C.

 

Saí de Omsk no dia 28/5 de madrugada rumo a Yekaterinburg. Foram 14 horas de viagem de trem em 2.a classe (compartimento fechado para 4 pessoas). O preço foi de 2496,70 Rublos (US$ 82,81).

 

Cheguei no dia 28/5 à tarde. Fiquei no Arriva Hostel, endereço: Rua Lenina, 101/2, Paguei 500 Rublos (US$ 17). É no centro e fica a 45 minutos da estação a pé. Os atendentes falam pouco inglês. Não aceita cartão.

 

Possui mapas turísticos pelas ruas. O que mais me agradou foi o lago central e seu entorno e a catedral Alexander Nevsky. Veja http://wikitravel.org/en/Yekaterinburg e http://www.lonelyplanet.com/russia/the-urals/yekaterinburg.

 

Não choveu e a temperatura oscilou de 15 C a 28 C.

 

Saí de Yekaterinburg no dia 30/5 de tarde rumo a Nizhny Novogorod. Foram 20 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 2910,60 Rublos (US$ 96,40).

 

Cheguei no dia 31/5 de manhã. Fiquei no Gorkiy Hostel (endereço: Rua Lenina, 101/2). Paguei 490 Rublos (US$ 17). É no centro e fica a 45 minutos da estação a pé. Os atendentes falam pouco inglês. Aceita cartão.

 

O que mais me agradou foi a vista do Rio Volga. ::otemo:: Veja http://wikitravel.org/en/Nizhny_Novgorod e http://www.tripadvisor.com/Tourism-g298515-Nizhny_Novgorod_Nizhny_Novgorod_Oblast_Volga_District-Vacations.html

 

Não choveu e a temperatura oscilou de 13 C a 30 C.

 

Saí de Nizhny Novogorod no dia 1/6 à tarde rumo a São Petersburgo. Foram 14 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi de 2581,10 Rublos (US$ 84,83).

 

Cheguei no dia 2/6 de manhã. Fiquei no Old Flat Hostel, endereço: Rua 1st Sovietskaya, 12, app 1. Paguei 350 Rublos (US$ 12). É do lado da estação. Alguns atendentes falam inglês sem problemas. Aceita cartão.

 

O que mais me agradou foi Petergof ::otemo:: (40 Km de distância - para chegar lá, tomei metrô (28 Rublos - US$ 0,95) e van (70 Rublos - US$ 2,30)). A entrada para o Jardim inferior de fontes custou 450 Rublos (US$ 15). Na cidade, o que mais me agradou foi o Jardim de Verão (Summer Garden) e a exposição no pátio do Museu Histórico Militar, sendo que em ambos a entrada foi gratuita. Esta foi a cidade que achei que tem mais e melhores atrações para se conhecer, simplesmente andando pelas ruas. Veja http://wikitravel.org/en/Saint_Petersburg e http://www.tripadvisor.com/Tourism-g298507-St_Petersburg_Northwestern_District-Vacations.html.

 

Quase não choveu e a temperatura oscilou de 13 C a 30 C.

 

Saí de São Petersburgo no dia 9/6 de madrugada rumo a Moscou. Foram 9 horas de viagem de trem em 3.a classe (com direito a cama). O preço foi aproximadamente 1370 Rublos (US$ 44,58). Nesta viagem aconteceu um pequeno mal entendido, que foi o meu bilhete não dar direito às roupas de cama. Inadivertidamente eu as abri e tive que pagá-las à parte (120 Rublos - US$ 4).

 

Em Moscou ainda visitei o interior da Catedral de São Basílio (que de certa forma decepcionou-me, depois de ter visto tantas outras igrejas espetaculares). Não pude entrar com a mochila e mais 2 bolsas na mão, sendo que as deixei com uma vendedora de sorvetes a 2 ruas de distância. O ingresso custou 250 Rublos (US$ 8,30).

 

Depois dei minha última volta dela Praça Vermelha e arredores e me dirigi ao aeroporto pelo trem AeroExpress. Havia sobrado um pouco de Rublos, mas menos do que o valor da passagem. Eu pedi para a atendente para pagar com o dinheiro e o restante com o cartão, mas ela não aceitou e tive que pagar tudo com o cartão de crédito.

 

De Moscou a Roma foram 4 horas de voo, 2 horas e meia de espera em Roma e mais 12 horas de voo até São Paulo.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Colaboradores

William,

 

A minha máquina fotográfica são meus olhos e meu local de armazenamento são minha mente e meu coração. Assim, não tenho fotos para colocar aqui. Foi por isso que eu procurei colocar links para tópicos com fotos em cada ponto que julguei relevante do relato acima. Se tiver interesse em algum lugar especificamente eu posso procurar na Internet algumas fotos dele para indicar.

 

Vi que você pretende ir à Bolívia. Eu estive na Bolívia em 1998 (de La Paz a Lima, passando pelo Lago Titicaca e por Machu Picchu). Eu pretendo escrever meus relatos de viagem neste site, porém como a Bolívia (e o Peru) foi uma das minhas primeiras viagens, creio que ainda vou demorar (estou escrevendo da mais atual para a mais antiga). Se você quiser alguma informação e achar que mesmo depois de tanto tempo ainda pode ser útil, estou à disposição.

 

Boa viagem!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

Fernandobalm,

parabéns pela sua viagem!

Estive em Irkutsk em junho/2012 (fui e voltei de Moscou pela Ural Airlines). Fiz a viagem de trem Circumbaikal http://www.krugobaikalka.ru/weekend/express.php#prices (é um dia inteiro na função!)

quando cheguei lá fiquei bastante interessado na Ilha Olkhon, porém vi que necessita de um tempo razoável. Vibrei que você esteve lá!

Dúvidas/curiosidades:

o trecho é todo de estrada de chão?

Passa por Listvyanka ou pega outra estrada?

Como você ficou 3 dias: todo dia chega e saí excursão?

Um abraço!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores

migpih,

 

O trecho é cerca de 80% em estrada de asfalto. Somente cerca de 20% finais são em estrada de terra. A Ilha é numa direção diferente de Listvyanka. Não se passa por lá. Creio que as estradas são outras. No Hotel maior (Nikita) pode ser que chegue excursão todos os dias. No hotel da Olga, se bem me lembro, chegava a cada dois dias. Porém, na alta temporada é possível que existam outros hotéis e mais excursões chegando.

 

Esta viagem pelo Circumbaikal deve ter tido paisagens muito belas. :)

 

[ ]s

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 meses depois...
  • Membros

Excelentes informações!

 

Planejo fazer essa viagem mas no caminho oposto e em direção a Beijing.

 

De toda forma foi excelente ter detalhes sobre St Petersburg, Moscow e Irkutsk. Ainda estou pensando sobre Yekaterinburg. Você acha que vale à pena?

 

Quanto a Olkhom Island, você acha fazê-la em dois dias?

 

Abraços!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Colaboradores

Mike,

 

Desejo-lhe muito boa viagem.

 

Eu gostei de Yekaterinburg. É um local turístico, com um centro bem cuidado em torno do lago/rio. Mas gosto é uma questão pessoal. Sugiro a você ver os links sobre ela que eu pus no relato para você ver se as atrações te agradam.

 

Quanto à Ilha Olkhon, tudo depende de quanto você queira conhecê-la. Se ficar duas noites, provavelmente na tarde da chegada poderá fazer um breve passeio nos arredores do hotel ou pousada e no outro dia poderá explorá-la através de uma excursão ou por conta própria. Eu planejava ficar somente 2 noites, mas gostei tanto do lugar, que é tão diferente do Brasil e único no mundo (é o maior lago de água doce do mundo, com 20% de toda a água doce líquida do mundo), que acabei ficando 3 noites e um outro viajante decidiu ficar mais ainda. Há também a opção de Listvyanka, que é às margens do Lago e que está a apenas cerca de 1 hora de Irkutsk.

 

Vi pelo seu perfil, que apesar de ser bastante jovem, você já possui larga experiência com viagens. Mesmo assim eu te recomendo certa cautela na Rússia, Mongólia e China. Os costumes são bem diferentes dos nossos e na Rússia pode haver algum tipo de xenofobia (veja o ataque recente ao imigrante do Daguestão no Metrô). Mas creio que você vai apreciar muito este "outro mundo".

 

[ ]s e Boa Viagem!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 mês depois...
  • Membros
Excelentes informações!

 

Planejo fazer essa viagem mas no caminho oposto e em direção a Beijing.

 

De toda forma foi excelente ter detalhes sobre St Petersburg, Moscow e Irkutsk. Ainda estou pensando sobre Yekaterinburg. Você acha que vale à pena?

 

Quanto a Olkhom Island, você acha fazê-la em dois dias?

 

Abraços!

 

Olá Mike,

 

Assim como o Fernando, eu visitei recentemente a Rússia. Porém, no sentido que você planeja: Moscou - Pequim

Não fui até a China devido a uns problemas com as datas do visto, mas fui até a Mongólia.

Fiquei na Rússia por um mês e continuei mais uns dias na Mongólia.

 

Bom, eu não sei quanto tempo você vai viajar no total, mas eu acho que uma das melhores coisas a se fazer é viajar com a possibilidade de mudar o itinerário.

Ter a liberdade de permanecer mais tempo em um local que você goste.

 

Por exemplo: Eu fui à ilha Olkhon (ольхон - fala-se mais ou menos Al-rrón) com uma reserva de alberque de dois dias, mas já pensando que poderia ficar mais. Pois é, nas primeiras horas lá eu percebi que adoraria passar um mês ali. =)

É verdade que não pude fazer isso, pois tinha data para voltar ao Brasil, mas fiquei 7 ou 8 dias lá.

Então, a estadia na ilha, especificamente em Khuzhir (хужир - fala-se mais ou menos Rugir) foi uma das melhores coisas dessa viagem. Claro que depende do que você procura.

É um lugar bem tranquilo, e eu recomendo bastante o "Nikita Guesthouse". Lá, existe até a possibilidade de você trabalhar por uns dias, pois o lugar é tipo uma vila e muitas pessoas moram lá. É uma vila dentro de outra. Hehehe.

 

Então, dependendo do que você procura, 2 dias nunca será suficiente para ser feliz em qualquer lugar. As vezes é melhor passar 6 dias em um lugar do que 2 dias em 3 lugares. =)

Mas claro que cada um viaja do jeito que prefere.

 

Segue abaixo o meu trajeto completo e qualquer dúvida pode perguntar que tentarei ajudar.

 

Moscou - Suzdal - Kazan - Irkutsk - Listvyanka - Olkhon - Ulan-Ude - Ulaanbaatar - Moscou

москва - суздал - казань - иркутск - Листвянка - ольхон - Улан-Удэ - Улаанбаатар - москва

 

Todas as viagens foram de trem, exceto Ulan-Ude - Ulaanbaatar que fui de ônibus, Irkutsk - Listvyanka e Irkutsk - Olkhon que fui de van.

 

De forma geral, a minha viagem foi bem tranquila e não tive nenhum problema com o povo... ao contrário, tive ótimas experiências com as pessoas locais, apesar da minha aparência árabe. =)

Mas claro, a minha maior preocupação em viagens é sofrer com a Xenofobia. No entanto, isso pode ser em qualquer lugar. Inclusive nos países mais "seguros" como a Alemanha.

 

Vá na paz, pensamento positivo e aproveite.

 

Abraço, e boa viagem

 

Ugo

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 5 meses depois...
  • Membros

Fernandobalm e Palermo! Apesar da minha demora em responder, muito obrigado pelas dicas :)

 

Vou realizar a viagem daqui a 15 dias e decidi Moscou - St Petersburgo - Ecaterinburgo - Novosibirsk - Irkutsk - Ulaanbataar e Beijing. Vai ser um pouco corrido porque só terei 24 dias, mas acho que vai dar para aproveitar bastante.

 

De toda forma assim que voltar relato aqui no fórum!

 

Um grande abraço

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...