Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

voluti

Ilha de Páscoa - 06/2013 (Fotos anexadas às postagens)

Posts Recomendados

Amigas e amigos mochileiros,

 

Como muitos outros brasileiros, viajei para a Ilha de Páscoa, realizando um sonho antigo. Sempre tive interesse em algo que poderíamos chamar de "turismo histórico-arqueológico", mas ir a Rapa Nui (nome do ramo linguístico falado originalmente na ilha) sempre foi um sonho mais distante, não estava nos planos mais próximos de viagem para o presente ano. No entanto, uma promoção da LAN/TAM em janeiro, anunciada pelo Melhores Destinos (http://www.melhoresdestinos.com.br/promocao-passagens-ilha-pascoa.html), mudou os meus planos. Nesta promoção, era possível sair do Rio em direção a Ilha de Páscoa por menos de R$ 600,00 + taxas. Imperdível! Os valores normais são mais que o dobro disso.

 

Passagem comprada para Junho! Não consegui convencer nenhum amigo a ir comigo. Viajei sozinho, o que não é nenhum problema para mim. ::hãã2:: No entanto, confesso ter refletido muito sobre as nossas escolhas para viajar. Um amigo, pessoa muito amada, chegou a insinuar que esta não seria uma "viagem de verdade". Volto nisso ao final.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Viagem de ida

 

Sai do Rio, aeroporto do Galeão, às 18:20 do dia 14/06. Voo pela LAN num Airbus A320. Voo tranquilo em direção a Santiago. Cheguei a Santiago às 22:25, horário local, um pouco mais de 5 horas de voo.

Como não pretendia passar algum tempo em Santiago na ida, permaneci no aeroporto. Um grupo de brasileiros que iniciou contato pelo Mochileiros e depois organizou um grupo no Facebook marcou de sair para beber durante a madrugada. Além de não ter mantido contato com eles, resolvi não sair. Passei a noite no aeroporto. A experiência foi péssima, especialmente estando sozinho. Fiquei no Gatsby do embarque internacional usando a rede Wi-Fi.

Não há como chegar à ilha sem ser pelos voos da LAN e, para nós, necessariamente teremos que ficar em Santiago uma noite. Os voos para Ilha de Páscoa saem pela manhã. Há a promessa de um segundo voo diário à tarde, segundo fui informado por moradores.

 

Embarquei para ilha às 08:15 e chegamos às 12:10 em Mataveri, o aeroporto internacional com uma pista gigante, quase indo de uma ponta a outra em um dos vértices da ilha. Como foi informado depois, a pista tão grande (3438 metros) remete aos usos feitos pela NASA até uma década atrás como pista de emergência para pouso de ônibus espaciais.

 

A pista gigante contrasta com a estrutura do próprio aeroporto. Pequeno, sem grandes estruturas ou serviços especiais.

 

Fica no desembarque a bilheteria para a compra dos ingressos para os parques da ilha. O valor do bilhete foi US$ 60,00. Toda a ilha é um parque nacional. No entanto, para entrar especificamente em Orongo e Rano Raraku é preciso apresentar este bilhete. Segundo a guia local, infelizmente, o recurso oriundo destes bilhetes não ficam na municipalidade, mas são remetidos ao governo central chileno.

 

No desembarque aquela fila de funcionários dos hostels e hotéis esperando os hóspedes. Não foi diferente comigo. Recebi (recebemos) lindos colares de flores e folhas.

 

*E aqui cabe outra observação: os ilhéus são majoritariamente polinésios. Os traços culturais mais tradicionais referem-se à cultura polinésia, muito acessível nas representações sobre a Polinésia Francesa e o Hawaii.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A hospedagem

 

A ilha é um local caro. Caro para tudo! Caro para se hospedar. Novamente, neste caso, viajar sozinho impõe o seu primeiro problema prático: hospedagem. Com todo respeito aos demais companheiros, já sei que não me agrada dividir quarto e banheiro com estranhos. Não fico feliz e nem à vontade com isso. Logo, em respeito aquilo que sou, opto, sempre que possível, mesmo em hospedagens de baixo custo, ficar em um quarto com banheiro privativo. E, neste sentido, viajar sozinho sempre pode acarretar um custo adicional. Isso tudo para justificar a minha escolha de hospedagem.

 

Fiquei no Apina Tupuna (http://www.hostalapinatupuna.com/hostal.htm). Escolhi este hostel porque era o que tinha o melhor custo x benefício (US$ 30 x diária sem café da manhã) para um quarto com banheiro privativo dentre todos os pesquisados. No entanto, as avaliações (http://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g316040-d1770424-Reviews-Hostal_Apina_Tupuna-Easter_Island.html) não eram as melhores. O local é uma casa de família muito bem localizado. No entanto, ainda é uma casa de família administrada pela senhora Blanca Hucke, uma moradora muito simpática da localidade. O quarto, assim como todas as demais estruturas, era simples, mas confortável e funcional. Um chuveiro com água quente e uma cama limpa já me deixam feliz quando eu viajo. E isso não faltou na semana em que estive lá.

 

Ainda sobre a hospedagem: a matriarca da família, mãe da senhora Hucke, é uma figura! Nada simpática, mas muito preocupada comigo. Sempre me achando um louco por sair debaixo de chuva para fotografar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

1º dia

 

Depois de uma cansativa espera no aeroporto de Santiago, voo atrasado, cheguei ao hostel e dormi.

Mais tarde sai pela beira-mar e encontrei um simpático local que viria, posteriormente, a definir como o melhor restaurante da ilha (e um dos mais caros também). O Restaurante Haka Honu (http://www.tripadvisor.es/Restaurant_Review-g1049073-d2075945-Reviews-Haka_Honu-Hanga_Roa_Easter_Island.html), ao lado do Banco Santander, na beira mar, é um espetáculo. O atendimento é excelente, o ambiente é simpático, apesar de rústico, e o cardápio é fantástico! Não é um local para comer todos os dias se está viajando com o orçamento apertado. Eu sempre gosto de reservar grana para comer em um restaurante local legal quando viajo, nem que para isso tenha que economizar em outras refeições. Além disso, sempre gosto de comer em locais diferentes, se for possível e orçamento deixar. E este foi a minha escolha de restaurante legal para me despedir da ilha. Não somente pelo cardápio, mas também pelo atendimento. Afinal de contas, acabei saindo para beber com o gerente e os funcionários em meu penúltimo dia na ilha. A melhor experiência de todas. Mas voltemos ao cardápio deste primeiro dia: porção de pastel sem recheio de entrada acompanhado de salsa (próximo ao nosso vinagrete); o prato principal foi Pescado Chutney de Papayas; e, de sobremesa, uma taça gigante de sorvete com frutas vermelhas. O valor final foi de CL$ 24000,00, aproximadamente US$ 50. Como disse acima, não é um local barato, mas valeu cada centavo.

 

Como já era tarde e a iluminação noturna na ilha é bem precária, resolvi voltar para o hostel. Caminhar pela beira-mar, numa noite linda, em um céu sem nuvem alguma e super estrelado. Esta foi a primeira impressão quanto a noite de Rapa Nui.

 

*Uma nota sobre a iluminação: a ilha é abastecida por geradores. Mas a iluminação pública só existe, de fato, em Hanga Roa, o pequeno vilarejo central. E, mesmo assim, é pouco eficiente. Logo, se pretende andar a noite e não estiver de carro, leve uma lanterna. Há oscilações no fornecimento de energia e alguns trechos não possuem iluminação, mesmo em Hanga Roa. Fica a dica!

 

 

DSC_0632.jpg.ec45a2930969825630b1f25fd5263565.jpg

DSC_0642.jpg.bb83490f0632c4942e6b8e5f8ec7d84e.jpg

DSC_1237.jpg.d295e4fca74d57f54de1d9dbc6a9db08.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

2º dia

 

A ilha tem variações climáticas bruscas. A linda noite anterior foi sucedida por uma chuva torrencial na manhã seguinte. Fiquei frustrado, confesso. Ainda assim sai do hostel para conhecer Hanga Roa. A ideia original era conhecer a cidade no dia da chegada, mas o cansaço não permitiu. Sai no momento em que a intensidade da chuva diminuiu. Sou péssimo em me localizar, sem senso de direção, e, por isso, adoro sair andando para fazer reconhecimento dos locais novos que visito. Fui caminhando do hostel até o centro, pelo caminho que havia feito no dia anterior com o taxi. A pior escolha de caminho, o que ficaria claro logo adiante. Chove demasiadamente na ilha e as ruas não centrais, mesmo em Hanga Roa, são esburacadas ou de barro batido. Logo, há poças gigantescas de lama em certos locais.

 

*Assim sendo, vá de bota impermeável, preferencialmente as que possuem cano médio e de fácil limpeza. Em dias de chuva pode ser útil ter um calçado prático para este tipo de clima e solo. Eu não tinha. Dois meses depois ainda não consegui retirar a lama do meu tênis.

 

Este primeiro passeio deu para notar a população, o comércio local, e mapear locais baratos para comer. Como sempre, fui verificando onde os moradores locais comem. Verificar onde os habitantes comem é sempre uma boa estratégia para achar os locais mais em conta.

 

Almocei empanadas (6 por CL$ 2000) e nuggets (7 por CL$ 1000) no Pini Moa, ao lado de um mercado local. Comprei água, pães, atum e maionese para fazer sanduíche à noite por CL$ 5000.

 

* Há vários pequenos mercados na ilha. É mais barato comprar as coisas neles. Não é difícil de achá-los em Hanga Roa. O vilarejo é pequeno e relativamente adensado.

 

Mesmo chuva, visitei Vinapu, nas proximidades do aeroporto, onde fica o Ahu Tahira. Nesta pequena enseada, próxima às estruturas militares chilenas, encontrei o meu primeiro Moai. Não era o mais bonito e nem o mais encantador, mas foi mágico me deparar com o Ahu (altar, base de pedra sobre as quais se erguem os moais), realização de um sonho de infância. Em Vinapu também me deparei uma constante na ilha: os cachorros. Há muitos cachorros soltos em toda Hanga Roa. E são grandes, simpáticos e companheiros. Fui escoltado por vários. Para quem estava viajando sozinho, eles foram uma excelente companhia. Foram devidamente fotografados como merece todo bom companheiro de viagem.

 

Sai de Vinapu e retornei ao centro. Segui em direção ao Complexo Tahai, o local que mais visitaria na ilha e de onde faria minhas melhores fotografias. Acho que não comentei isso anteriormente, mas a viagem tinha um intuito claro: queria aprimorar minha prática fotográfica. Gosto do campo, mas confesso não ter muito talento. Segui pela orla até Hanga Kio'e, onde fica o Ahu Akapu. O caminho é lindo. E comigo, mais um cachorro amarelo de escolta. Não havia ninguém por aquelas bandas naquela momento. A chuva intermitente dava uma sensação de solidão poética. Eu e um cachorro desconhecido andando por aquela paisagem vulcânica contemplando o Oceano Pacífico e vendo a chuva se desfazer sobre o mar. Poético! Não fui ao Ahu Tepeu por não saber de sua existência naquele momento. Ademais, a chuva se intensificava. Um percurso de 2 horas, com muita calma, tirando fotos, vendo coisas, sentando nas pedras para ver o mar e fugindo da chuva.

 

Já no final da tarde voltei ao hostel, tomei um delicioso banho e segui a caçar um lugar para jantar. Encontrei um "fast food" na rua em que fica a loja da LAN. Comi uma inusitada e deliciosa batata frita com molho de queijo, tirinhas de bacon e linguiça fritos, camarão ao vapor, cebolinha e pimenta branca. Acompanhado de um suco de goiaba. Valor total da refeição: CL$ 8000 pesos. Após o jantar, fui ver a cidade a noite. Como já dito acima, a cidade é muito escura. Com a chuva, as poças de lama são enormes em alguns locais. Nesse percurso comprei duas barra de chocolate por CL$ 800 cada e voltei para o hostel. Estava cansado e precisava me preparar para o dia seguinte.

DSC_0732.jpg.29c0e47f940c4f54749d710229c5cdff.jpg

DSC_0726.jpg.cbe674582f8e5d54dc8aa194f0d91a8d.jpg

DSC_0793.jpg.2430d78a0d93448c2290301568503b8d.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

3º dia

 

Como no dia anterior, chovia demasiadamente neste dia. Os planos eram fazer sanduíches e levá-los comigo para visitar o Rano Kau. O vulcão não fica tão distante de Hanga Roa e menos ainda distava muito do hostel no qual estava hospedado. Inicialmente queria fazer o caminho andando, mas não foi possível. A chuva e o vento não me permitiram. Mudados os planos, resolvi partir para plano B: visitar o museu da ilha. Segui andando até lá. Caminhada perdida, museu fechado. Era segunda-feira! Não havia atentado para isto. O museu da ilha fica mal localizado, nas bordas do centro, com um acesso ruim, mesmo de carro. Também não fui ao Ahu Tepeu como pretendia. Chovia demais! Sem poder realizar o plano A e o plano B, parti para o plano C. A esta altura do campeonato, a minha programação já tinha feito água.

 

Voltei ao centro com um dilema: o que fazer para salvar a minha programação se continuasse a chover daquela maneira? Para explicar: não deveria estar chovendo daquele jeito em junho. Segundo informações, a época de chuva terminaria em maio. No entanto, chovia demais. Eu estava sozinho e não podia alugar um carro para visitar os locais que desejava pelo simples fato de que não tenho carteira. Não há transporte público na ilha e os locais mais interessantes ficam distantes de Hanga Roa, com acesso por estradas pouco pavimentadas. A minha viagem chegava a um ponto crítico. E refaria todos os planos neste dia.

 

Voltei ao comércio e intentei comprar um tênis novo, impermeável. Não lembro os valores cobrados, mas foi por volta de R$ 600. Tudo na ilha é muito caro. Resolvi não comprá-lo. O mesmo calçado custa menos de R$ 200 no Brasil. Ainda no centro, fui ao escritório da SERNATUR, próximo ao Banco Santander, pedir informações sobre os grupos locais de dança típica e sobre as agências de turismo. Já cogitava contratar um serviço especializado para remediar os contratempos de deslocamento.

 

Almocei no Club Sandwich (http://www.tripadvisor.com.ar/Restaurant_Review-g316040-d4176389-Reviews-Club_Sandwich-Easter_Island.html), rua principal de Hanga Roa: chá de maça (CL$ 1000) e um "doble hamburguesa" maravilhoso (CL$ 8500). Este local foi um achado. Tudo era gostoso. E o melhor, um dos atendentes foi super simpático ao me dar várias dicas sobre a ilha, especialmente onde sair para dançar. Anotou o nome dos locais em um papel, horários e dias de funcionamento e até o número local de taxi. Além de orientar quanto ao público das casas noturnas. Infelizmente esqueci seu nome.

 

*Casas noturnas na ilha: não conheci nenhuma das três. A Topatangi funciona sextas e sábados, de 23:30 até 04:00. Já Toroko e a Piriti funcionam entre 0:00 e 05:00, nas quintas, sextas e sábados. Assim como esqueci o nome dele, esqueci também qual delas é um espaço em que rolariam muitas brigas dentre os frequentadores. Segundo ele, ademais, os homens locais não nutriam muita simpatia por uma eventual proximidade entre visitantes e as mulheres da comunidade.

 

Há três grupos de dança tradicional na ilha: o Kari-Kari (http://www.tripadvisor.es/Attraction_Review-g1049073-d1902070-Reviews-Ballet_Kari_Kari-Hanga_Roa_Easter_Island.html); o Vai Te Himi (https://www.facebook.com/pages/VAI-TE-MIHI-REO-O-TE-MATA-TOA/116789275022868?fref=ts); e o balé do restaurante Te Ra'ai (http://www.teraai.cl/old/index.php). Optei pelo Vai Te Himi. Comprei o ingresso (Cl$ 15000) e fui ao espetáculo. Lindo! Salvou o dia, a apresentação foi encantadora. Escolhi o Vai Te Himi porque ficava numa área que eu já conhecia (Tahai) e tinha apresentação naquela noite.

 

Retornei ao hostel novamente. Noite clara, ainda chovendo, mas pouco. Céu lindamente estrelado, ruas escuras... No caminho para o hostel, pensando na vida, é que me dei conta de que quase todos os visitantes eram brasileiros. Até o comércio local estava perplexo pela "invasão" de verde e amarelo.

DSC_0847.jpg.214f5f457de99e2c17f71eb34b09886c.jpg

DSC_0849.jpg.e4730e8c087ea1cc152606665153eecb.jpg

DSC_0860.jpg.22a6f13d9650b2f4bdad1519f71d45c6.jpg

DSC_0861.jpg.bfaa519229760cbc185b597a6a327759.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

4º dia

 

Fui para a cama, feliz com o show e cheio de esperanças de que amanhecesse com sol. Não aconteceu. Ainda chovia quando amanheceu. O dia começa tarde na ilha, às 8 da manhã está começando a amanhecer. No quarto, ainda na cama, ouvia as ondas arrebentando e a chuva intermitente. No auge da minha desolação resolvi contratar um serviço especializado. Não gosto de guia turístico, a ideia era fazer as atividades com a maior autonomia possível. Romantismo e amadorismo da minha parte. Não era viável visitar toda a ilha sem carro com chuva.

 

Contratei os serviços da Kia-Koe Tour (http://www.kiakoetour.cl/). Foi a melhor escolha que poderia ter feito. ::otemo::

Assim sendo, no dia seguinte, faríamos um percurso envolvendo toda a ilha, chamado de Full Day Anakena. O valor do serviço: CL$ 20000, sem o almoço no restaurante. Foi o melhor custo x benefício que encontrei.

 

Almocei no restaurante Aringa Ora: atum grelhado com purê de batata e uma Coca-Cola. Valor total CL$ 15000. Nada barato e o restaurante tem certo ar de decadência. O prato, apesar de gostoso, não era bem servido. Não foi a melhor escolha, deveria ter comido em outro local.

 

Após o almoço, fui para a região de Hanga Piko. O pequeno porto da ilha guarda um Ahu solitário com apenas um Moai em pé, os demais estão derribados. No entanto, foram as estruturas de pedra que mais me encantaram nessa tarde. Enquanto contemplava o mar, em meio ao gramado, acompanhado de cachorros que brincaram no gramado, avistei uma tartaruga marinha enorme descansando no cascalho. Confesso que achei que estivesse morta ou doente. Conversei com um pescador que avisou que ela apenas estava descansando. Eu e ela ficamos juntos por um bom tempo. Deixei-a sozinha e segui em direção às pedras. As formações rochosas da larva em encontro com o mar produzem um cenário que parece ficção científica. Na porção final da beira-mar, na direção de Rano Kau, há um local excelente para visitar, meditar, fotografar e contemplar. A tartaruga encontrou um excelente local para descansar. E eu fiquei muito feliz com as primeiras horas sem chuva desde que cheguei.

 

Voltei ao centro para comprar água (CL$ 1800), além de desodorante (CL$ 2400) para tentar salvas dignidade de algumas roupas que secaram a sombra. Enquanto comprava desodorante na farmácia Cruz Verde, a única da cidade, descobri que havia um clube das mulheres com uma apresentação exótica de um pugilista nigeriano. Confesso que fiquei tentado! Curiosidade pura.

 

Já tendo anoitecido, voltei ao Club Sandwich e comi o Luco, um cachorro quente com muito queijo, por CL$1800, além de dois refrigerantes de laranja (CL$ 1000 x 1) e uma empanada de ostiron com queijo por CL$ 2500. A empada estava maravilhosa! Nunca havia comido ostiron na vida, fiquei com receio de não me fazer bem. Mas adoro correr riscos culinários. E valeu a pena.

 

Voltei novamente ao hostel, precisava de um banho e cama.

DSC_0891.jpg.b8d7c4131e179b0e4385da53e2b98b27.jpg

DSC_0884.jpg.cd21d9222ec8e30c040462bd012e8c8b.jpg

DSC_0928.jpg.77cd6fe41259314331355d2a161a1b94.jpg

DSC_0918.jpg.67e237736244f0a62f73af8e41a93d55.jpg

DSC_0892.jpg.65c4a8e60f730b8deb5a7add22297ed8.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

5º dia

 

Finalmente amanhece um dia lindo. Um sol gostoso. Ele e eu estávamos radiantes. Acordei cedo para visitar Rano Raraku (o vulcão de onde se retirava o material para a fabricação dos Moais) e Akena, a mais famosa praia da ilha. Cabe frisar que a ilha não é um paraíso tropical com praias lindas e coqueiros por todos os lados. A ilha tem origem vulcânica, só há duas praias, dois bolsões de areia. O carro com a guia chega cedo. Vamos com ele até um posto de gasolina onde a empresa marcou o ponto de encontro. Vários viajantes, diferentes países, dentro do ônibus.

 

Este foi o melhor dia da viagem. A visita a Rano Raraku, ao Ahu Tangariki e ao Ahu Nau Nau, em Anakena, foi demais. Incrível pensar no modelo social, cultural e técnico que possibilitou a construção daquela civilização. Os antigos reis escolheram um local maravilhoso para viver, a região de Anakena. Fizemos, ademais, Aka Hanga, com um visual impar, contém as estruturas arqueológicas de uma vila cerimonial de outrora. O lugar é lindo, além de ser possível mapear a localização das antigas residências. Esta foi a primeira parada.

 

*Em Aka Hanga há artesãos e comerciantes vendendo peças de pedra, muito bonitas, e com preço bastante convidativo quando comparado aos praticados nos mercados de artesanato no Hanga Roa. Se for visitar este local, faça pesquisa de preço antes nos mercados no centro para ver onde o custo x benefício é melhor.

 

Logo em seguida, fomos para o Ahu Tangariki, a estrutura mais impressionante da ilha. O gigantismo surpreende. Os Moais restaurados são lindos. E, novamente, a paisagem envolta encanta. O mar atrás do Ahu e a sua frente à costa do Rano Raraku.

 

Seguidos de lá em direção ao Rano Raraku, a fábrica de Moais. Confesso que achei alguma semelhança entre o visual do vulcão e o cenário dos Teletubbies, uma eventual viagem, mas achei. Ver os Moais ainda em processo de fabricação é ótimo, especialmente se você tive lido um sem número de bobagens com relação à origem alienígena das estruturas, como se não tivessem sido feitas ali. Foram! E as centenas de peças ainda em processo demonstram isso.

Não conseguimos visitar a borda e o lago vulcânico, a administração do parque havia fechado o acesso por conta de um acidente ocorrido no dia anterior. Parece que um grupo desrespeitou as regras de segurança. ::toma::

 

Seguimos em direção ao Te Pito Kura, onde se localiza o maior Moai transportado do canteiro de fabricação até o Ahu. Peças maiores estavam em processo de fabricação ou se danificaram quando do transporte. Ademais, especula-se, que a guerra civil que pôs fim a era megalítica na sociedade Rapa Nui tenha se desenvolvido no momento em que a fabricação de peças de pedra chegava ao ápice. Ademais, nessa região se encontra o Te Pito o' TE Henua (O umbigo do mundo), uma pedra magnética gigante que, segundo a tradição, foi transportada desde a Polinésia pelos fundadores da sociedade Rapa Nui.

 

Chegamos à região de Anakena. Um lugar lindo! O coqueiros, transportados para lá no século XX, tentam dar um ar de Polinésia Francesa ao local. Não funcionou e ainda produziu um perigo: a ameaça quanto à queda de cocos sobre as pessoas que caminham em direção ao Ahu ou a praia. Esse risco é tão sério que há guardas municipais muito avisando sobre isso aos visitantes, além de pedir que não toquem nos Moais. Isso deveria ser uma obviedade, mas não é. O Ahu Nau Nau, localizado na praia, é lindo. Não surpreende pelo gigantismo de Ahu Tangariki, mas pela beleza dos traços, o cenário praiano... Enfim, ele é lindo! Este foi um daqueles momentos em que não desejei estar com um guia em grupo. Passaria muito tempo lá do que passamos. Ficamos um pouco mais de uma hora. Eu queria mais. Tanto dias de chuva, aquele sol, praia, moais lindos e gente bonita eram um convite para admirar mais o local. Não foi possível. Ainda assim, estava satisfeito.

 

*Em Anakena há quiosques com empanadas, saladas, peixes, carnes e massas. Uma opção mais barata que o restaurante na entrada do Rano Raraku. Logo, se você adquirir este serviço com uma empresa de turismo atente para isso. Elas vendem o pacote já com um adicional pelo almoço neste restaurante. No entanto, existe a opção de fazer um lanchinho e deixar para comer algo mais substancial quando chegar à praia.

 

Retornamos a Hanga Roa. No caminho decidi contratar mais dois tours com a mesma empresa. Confesso que, como demonstrarei mais adiante, um deles não valeu a pena. Deixado na porta do hostel, fui descansar para sair mais tarde.

 

Sai para ver o anoitecer no Tahai. Como foi o primeiro dia de sol intenso na semana, vários viajantes também queriam ver o mesmo. Sentados no gramado do que outrora foi uma praça cerimonial defronte aos Ahus, fiquei fotografando e vendo as lindas imagens que o pôr-do-sol pode produzir. O Pacífico estava mais lindo que nunca. O jantar foi no La Kalena, um restaurante a beira-mar, próximo ao Tahai. Atendimento excelente, como é comum nos restaurantes da ilha. Optei pelo Ceviche. Simplesmente fantástico! Terminei o dia deveras satisfeito, fazendo fotografia noturna.

DSC_0947.jpg.55a64c11cbaa72e4bcea2dd5d1363606.jpg

DSC_0949.jpg.a58232da641c1fe5ac64432980af5e9f.jpg

DSC_0970.jpg.dd9515baeec09fadccda697c4f6d94e8.jpg

DSC_0974.jpg.2f44e51eb337821a051803fc99f644db.jpg

DSC_0975.jpg.93f9832d21d435c27bcaa912c3bd08d8.jpg

DSC_0982.jpg.5107abb9bcddcda8efcd188cfbad8be8.jpg

DSC_1008.jpg.7faa3db126915d917d7b15c5198eedd1.jpg

DSC_1051.jpg.d96baacbbdfb2abe3132801f5256370d.jpg

DSC_1057.jpg.34ea7937a57d254593982a509e9dd2bb.jpg

DSC_1077.jpg.16bdf85964a6a87b508ef0eadc8e7a8f.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

6º dia

 

A minha semana já se aproximava do fim, iria embora no dia seguinte. Era preciso otimizar o meu tempo e ainda não havia visitado um dos locais que mais desejava conhecer quando planejei a viagem: Orongo e sua via cerimonial. Como já havia sacrificado à autonomia no dia anterior, contratei os serviços da mesma empresa de turismo no dia seguinte. Comprei dois produtos distintos. O primeiro faria o percurso Puna Pau, no interior da ilha, o local no qual se fabricavam os Pukões, os chapéus utilizados na cabeça dos Moais; seguido do Ahu Akivi, a única plataforma de Moais no interior da ilha, referente aos primeiros viajantes, localizados na direção da Polinésia; e, por fim, Ana Te Pahu, uma caverna utilizada como residência e também como área de plantio, uma estratégia bastante interessante. Desse percurso, o menos interessante foi a visita a Puna Pau. Além do dia não estar ensolarado como o anterior, não há muito que se ver por lá. O Ahu Akivi e o entorno de Ana Te Pahu são mais interessantes.

 

Voltamos a Hanga Roa. Segui direto para o museu da cidade. Simples. Numa ilha em que o patrimônio histórico está nas ruas, a céu aberto, ser um museu é uma tarefa impar. O museu se propõe a organizar as informações, montar uma narrativa histórica e geológica da formação da ilha e de sua cultura particular. Com pequenos objetos cerimoniais e da vida cotidiana, o museu talvez deva ser o primeiro local a ser visitado em um roteiro menos conturbado como foi o meu. Ele ajuda a entender melhor o que se verá a frente. Esse lacuna foi suprida nas minhas visitas com o auxílio de um livro que conta a história da ilha adquirido ainda em Santiago e devorado nas minhas noites no hostel.

 

*Uma prática recorrente dentre os visitantes da ilha é carimbar o passaporte em diversos locais. O museu tem o carimbo mais bonito, mas é possível carimbar o passaporte em Orongo, na biblioteca, nos Correios (o carimbo mais legal) e na entrada de Rano Raraku.

 

Retornei a Haka Honu, o meu restaurante favorito para tomar sorvete, voltaria adiante para jantar. Após o sorvete, recebi uma carona do simpático gerente do Haka Honu e fui aos mercados de artesanato. Era hora de fazer pesquisa de preço para comprar lembranças. Confesso que numa viagem de custo tão elevado, não tinha a pretensão de fazer compras. No entanto, como sempre faço quando viajo, era preciso comprar um presente para mim, algo que fizesse com que eu revivesse aqueles dias quando retornasse. Eu queria um Moai de pedra. Os preços variavam muito, a qualidade também. Vi preços, mas não comprei nada naquela tarde. Tinha que voltar ao hostel, a guia ia passar para me pegar e irmos visitar Orongo.

 

Como estava uma tarde quente, o grupo que iria para Orongo desistiu e resolveu seguir para Anakena. Cabe o registro positivo quanto ao fato da Kia Koe Tour não ter cancelado o serviço contratado por ausência de público. Na verdade, fomos apenas eu e Ana (a guia) para este tour. ::cool:::'> Ficaria mais feliz se estivesse com o grupo, mas tudo bem. Não é tão ruim ter uma guia particular. ::tchann::

 

A primeira parada foi em Ana Kai Tangata, uma caverna repleta de pinturas rupestres, a beira-mar, escondida do visitante mais distraído. Os motivos desenhados na caverna referem-se a Tangata Manu, ou homem pássaro, uma referência às competições clânicas pelo governo da ilha já no declínio do modelo monárquico tradicional.

Logo após a caverna, seguimos em direção a Rano Kau e Orongo. Assim como em Rano Raraku, para acessar Orongo é preciso do bilhete comprado no aeroporto. Leve o passaporte, o carimbo do parque é bem simpático.

 

A vila cerimonial de Orongo é uma preciosidade. Restaurada com um erro grosseiro no número de portas, as casas de pedra utilizadas nos cerimoniais de Tangata Manu são lindas. Perfeitamente inseridas na paisagem. Recobertas por grama verde, na borda de um vulcão e em frente ao oceano, Orongo é um espetáculo a parte. A cratera de Rano Kau, utilizada durante décadas ou séculos como fonte de água potável e terra fértil para a o plantio, é outra referência de beleza. Do alto da cratera, uma vista deslumbrante do Pacífico e, ao mesmo tempo, uma cratera recoberta de árvores frutíferas e um lago profundo com água doce.

 

Saímos de Rano Kau em direção ao Ahu Tahira. Este sítio arqueológico inspira as mais variadas especulações. As pedras da base do Ahu são polidas, a única estrutura deste tipo na ilha. Esta estrutura é semelhante a utilizadas pelos Incas nas suas edificações sagradas, o que gera a especulação de que o império cuzquenho tenha chegado ao meio do Pacífico e estabelecido contato com os Polinésios de Rapa Nui. Apesar de improvável que o império andino que não conseguiu avançar para além das proximidades da atual Santiago e que tinha dificuldades em manter controle sobre as tribos do litoral chileno, além de pouca expertise em navegação, tenha chegado à ilha distando mais de 4000 quilômetros em mar aberto. Torçamos para que a arqueologia nos surpreenda com mais este feito incano algum dia. Seja como for, as estruturas produzem uma série de hipóteses a respeito de um eventual contato dos polinésios com o Tawantinsuyu.

 

Retornamos ao hostel. Banho, descanso e rua novamente. Queria jantar no Haka Honu e depois sair para dançar em um dos locais da ilha. Era quinta-feira à noite, última noite em terras Rapa Nui. Não me recordo qual tenha sido o prato, não anotei no diário de viagem. Menos ainda os valores. Mas não preciso fazer referências adicionais ao restaurante é bom e caro! Após o jantar, já tarde da noite, fiquei conversando com o gerente e a garçonete. Na verdade, apenas com ele, que havia visitado o Rio de Janeiro (e odiado), já que não entendia nada do que ela falava. Fiquei conversando com eles e bebendo. Até os ajudei a fechar o restaurante. Saímos e fomos beber. Ficamos conversando por mais algumas horas, até que a noite nos dispersou. Fim do dia em Rapa Nui. Não rolou a planejada ida a boate, mas valeu a pena passar horas conversando com os moradores locais. Nutro um super carinho por estes dois.

DSC_1146.jpg.385100fdebe274a55a48d128c5e820e5.jpg

DSC_1154.jpg.927d6677b8d52693399e515ef21aeb04.jpg

DSC_1155.jpg.17407184b5c67e72d069cb9c3ac8ec27.jpg

DSC_1168.jpg.dcedd4532fe80970e4d54eaf2f47ae18.jpg

DSC_1192.jpg.e2665c75a18c4a4fbcd93edd3b1a0c1a.jpg

DSC_1219.jpg.b970cb49f55d02c2422b01e5770f8f32.jpg

DSC_1220.jpg.0e84832452181b8e5fc0270205b5f595.jpg

DSC_1222.jpg.0b03f173e0ea8e7191ab193ba33b9c9b.jpg

DSC_1229.jpg.917c7d16acbd82b4a581965af63014b8.jpg

DSC_1232.jpg.f659d86f6cd64a152aee22d6f0215b55.jpg

DSC_1238.jpg.91053067e4133659b76925e6a92f1fdf.jpg

DSC_1239.jpg.48fafb348162732f387bb602ade98f39.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

7º dia

 

Malas arrumadas. Hora de seguir para o mercado de artesanato e comprar coisas. É agora ou nunca. Como deixei para última hora (estratégia de sobrevivência, não queria gastar com presentes recursos que eu poderia precisar na ilha), fui muito pragmático nas minhas escolhas. Já sabia qual loja vendia o Moai de pedra que desejava, assim como os demais presentes. Comprei tudo em menos de uma hora. Retornei ao hostel, me despedi das proprietárias e segui em direção ao aeroporto de taxi.

 

*Não taxímetro na ilha e nem exclusividade no uso do taxi. Assim sendo, você pode ter que dividir involuntariamente o seu taxi com outro passageiro. Os valores também são sobrados segundo a sua cara. CL$ 1000 é o preço padrão para moradores. Já o preço padrão para o deslocamento de viajantes em Hanga Roa é o dobro, mas é negociável.

 

Centenas de pessoas embarcando em direção a Santiago. Foi a primeira vez que encontrei o grupo de brasileiros com os quais, inicialmente, faria a viagem. O voo foi super tranquilo. Embarcamos às 13:10 e chegamos ao destino às 20:00. Um frio cortante em Santiago. Peguei o serviço de deslocamento da Transvip (http://www.transvip.cl/), por US$ 12, e segui em direção ao Andes Hostel (http://www.hostelworld.com/hosteldetails.php/Andes-Hostel/Santiago/16290?source=googleadwordshostelsbynamebroadbff&KID=478648&AID=2&sub_keyword=andes%20%2Bhostel%20santiago&sub_ad=b&sub_publisher=ADW&gclid=CPKKltD1hrkCFVCf4Aod1CwA_Q). Hospedagem excelente, preço ótimo.

 

Devidamente alojado, fui ver um pouquinho de Santiago já que retornaria ao Brasil na manhã seguinte. Não me distanciei muito da região de Museu de Belas Artes, mas gostei do que vi. Jantei em um restaurante chinês e tomei sorvete numa noite seca de inverno andino, por volta de 8ºC. Estava achando tudo barato depois de uma semana na Ilha de Páscoa. Retornei ao hostel e fui dormir satisfeito pela jornada que chegava ao fim.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Aullyanna02
      Planejo fazer uma viagem com destino ao Chile em julho/2019, e desejo visitar os dois destinos que estão no título do post. Gostaria de saber se há possibilidade de comprar as passagens para a Ilha de Páscoa no aeroporto de Santiago, pois aqui no Brasil elas são absurdamente caras - leia-se R$5.000 em alguns sites - e não cabem no meu orçamento inicial. Por favor, me ajudem! Desde já, agradeço!!!
    • Por Jonas.Schwertner
      O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre a Ilha de Páscoa. Se você está com alguma dúvida em relação à ilha, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece a Ilha de Páscoa, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder!
       
      INFORMAÇÕES SOBRE A ILHA DE PÁSCOA
      Os Gigantes da Ilha de Páscoa

      Foto: Voluti
      No ano de 1722, domingo de páscoa, às 18 horas. A bordo do navio de Afrikaanske Galei, os marinheiros trabalham normalmente. Há quatro meses e meio tinham levado ferros da Holanda em viagem de exploração e comércio e afora o rápido combate com um grande galeão espanhol, que tinha deixado para trás graças a sua superior velocidade, tudo havia corrido ao gosto do comandante comodoro Jacob Roggeveen. Súbito o vigia , anuncia " terra à vista" . Aproximam-se de uma ilha não assinalada no mapa. Com a pouca luz do entardecer chegam em tempo de avistar no litoral, sobre longas muralhas de pedra, enormes gigantes que parecem dispostos a evitar desembarque. Roggeveen manda ancorar longe da costa e decide esperar pelo amanhecer para tomar uma decisão. Quando o dia clareia os europeus têm sua segunda surpresa. Os gigantes permaneciam parados e com óculos de alcance foi possível avistar gente de tamanho normal que se movia entre eles. Tinha-se assustado com estátuas. Resolvem então desembarcar, após batizar a ilha em honra a data de sua descoberta. (Texto retirado do livro "Grandes Enigmas da Humanidade" Luís Carlos Lisboa e Roberto Pereira de Andrade )
      Estátuas colossais, de mais ou menos 5 metros reinam em toda ilha do Pacifico desafiando a ciência. Como explicar o transporte das colossais estátuas, chamadas Moais, ninguém até hoje soube dizer. As estátuas olham para o norte e nordeste, sul, sudoeste e sudeste. A ilha toda tem 170 km2 de extensão, 3500 km da costa oeste da América do sul. Existem hieróglifos por toda parte da ilha e se fossem decifradas iriam revelar muito sobre a cultura daquela época. Fica a seguinte pergunta no ar: Quem e que ferramentas foram usadas na construção daquelas estátuas? Simplesmente esta pergunta está entre nós desde o descobrimento da Grande Pirâmide do Egito. Mas se pensarmos bem o Mundo está repleto de enigmas do qual só temos uma resposta, ou fomos auxiliados por seres inteligentes de outras galáxias, ou tivemos uma grande catástrofe da qual esquecemos tudo e recomeçamos da estaca zero... A ilhota é de formação vulcânica, tendo um relevo moderado, superfície de 118 km quadrados, com altitudes que variam de 200 à 500m. Faz parte da província de Val Paraíso no Chile, e constitui a Oceania Chilena. Sempre os mesmos traços de impossibilidade, nos canteiros do vulcão, sem terminar ficaram mais de 200 Moais, que não foram terminados nem distribuídos. Batizada como "Te pita, te henua" (umbigo do mundo ).
       
      *Existem três tipos de estátuas gigantes:
       
      -As primeiras estátuas estão situadas nas praias à borda do mar. Seu número é de mais ou menos 200 à 260 e algumas estão à uma distância de mais de 20 km do canteiro do vulcão onde foram modeladas. Estas estavam instalados em vários números, sobre monumentos funerários chamados "ahus"e davam as costas para o mar. Originariamente estiveram tocados por um tipo de chapéu cilíndrico chamado "Punkao", feito com uma rocha avermelhada, tirada do vulcão "Puna Pao".
       
      -O segundo grupo é o das erigidas ao pé do "Rano Raraku". São estátuas terminadas, porém diferentes das outras, pois seus corpos estão cobertos por símbolos. As órbitas dos olhos não estão desenhadas e precisam de um chapéu ou "punkao". No entanto estas são mais enigmáticas que as anteriores.
       
      -O terceiro grupo há anos a mais conhecida de todas elas "tukuturi", que possui a particularidade de ter pernas, foi comparada as estátuas da arte pré-incaica criando sérias dúvidas sobre a tese comum da origem dessas populações. A ilha porém foi abandonada por alguma razão... Os obreiros abandonaram suas ferramentas e oficinas. Como se suas causas desta paralisação tivessem sido provocadas por uma catástrofe de caráter natural, como maremoto, por alguma invasão ou epidemia.
       
       
      Pára-Raios?
       
      Porém alguns cientistas, no ano de 1989, caracterizaram os Moais como "PARA RAIOS", devido a constantes descargas elétricas naquela ilha. Mesmo assim à quem se atribui a inteligência de produzir "para raios" naquela época? Assim do meu ponto de vista, até acho que os moais tenham sido destruídos por raios naquela época, e seus criadores tenham feito os chapéus Punkao, para que as grandes estátuas não fossem danificadas pelo impacto dos raios... já que os chapéus não tem um formato muito criativo, sem ornamentos, digo, bem simples em vista que os monumentos têm muitos detalhes, são ricos de finos traços.
       
       
      Eis abaixo o texto retirado do Jornal O Globo - Mundo/Ciencia e vida - Ribamar Fonseca:
       
      "São Luís - As estátuas monolíticas de até dez metros de altura da ilha de Páscoa, no Oceano Pacífico, foram construídas pelos antigos nativos para funcionar como para-raios e, desse modo protegê-los das descargas elétricas freqüentes naquela região. Essa teoria, já comprovada científicamente através de pesquisas nos laboratórios da Universidade Federal do Maranhão, foi levantada pelo professor Francisco Soares, que passou seis meses na ilha estudando a função dos misteriosos Moai - nome dado às estátuas pelos nativos.
       
      Soares, de 31 anos, que é engenheiro eletrônico especializado em computação, descobriu que os antigos habitantes da ilha de Páscoa já conheciam na prática a Lei de Gauss, que aplicavam empiricamente, através das gigantescas estátuas para proteger-se das descargas elétricas. A Lei de Gauss determina o comportamento da distribuição de cargas elétricas espaciais sobre uma superfície dielétrica. O chapéu na cabeça das estátuas, de material vulcânico poroso, absorvia os raios e impedia que elas fossem destruídas. Até então imaginava-se que os moai tinham apenas funções religiosas ou estéticas.
       
      Dedicando-se, desde 1979, à pesquisa sobre equipamentos primitivos de computação, como o ábaco, uma tábua de cálculos criada pelos chineses, Francisco Soares chegou a civilização Inca, que possuía a mesma técnica com o quipu, feito de fios. E no rastro do quipu, Soares chegou a Rapa-nui, nome nativo da Ilha de Páscoa, descoberta em 1722, num domingo de páscoa, pelo holandês Jacob Roageveen. Ele conduziu suas pesquisas a partir de de quatro perguntas; Por que os moai foram construídos? Por que eram altos e tinham a forma alongada? Por que o chapéu? Por que só ocupavam a faixa costeira da ilha?
       
      Até então as gigantescas estátuas haviam sido estudadas apenas por antropólogos e etnólogos, que viam nelas um sentido místico; teriam poderes mágicos ( os nativos diziam que quem tocasse na sua cabeça morria ) e ao mesmo tempo, seriam uma homenagem aos seus ancestrais. Francisco Soares, no entanto concluiu que as estátuas, dispostas somente no redor da ilha, tinham a função de para-raios, atraindo as descargas elétricas. Ficava assim protegido o centro dessa ilha, de 179 km² e a cerca de quatro mil quilômetros da costa do Chile. Ali estavam as habitações e lavouras de subsistência.
       
      Com o auxílio do professor Antônio Oliveira, mestre em física e matéria condensada do Departamento de Física da Universidade Federal do Maranhão, Soares recriou em laboratório as condições necessárias para a simulação de descargas elétricas. Usou uma fonte de alta tensão, uma campânula para fazer vácuo, e miniaturas das estátuas, confeccionadas com o mesmo material dos Moai, dispostas numa maquete da ilha. Comprovou-se, desse modo, que as estátuas com chapéu atraiam todas as descargas elétricas, que eram absorvidas e distribuídas pelo corpo, sem danificá-las. E mais: no escuro, os chapéus, carregados de energia, ficavam iluminados, o que, segundo ele, explica os poderes mágicos atribuídos aos moai.
       
      Soares concluiu, diante disso, que os antigos nativos da ilha dominavam o conhecimento prático da Lei de Gauss, pois a função de pára-raios só se tornou possível por causa da forma dos chapéus das estátuas e do material vulcânico poroso com que foram confeccionadas, diferentes do material do corpo. Se fosse outro material utilizado, elas seriam destruídas pela primeira descarga elétrica. O jovem cientista maranhense, que deu ao seu trabalho o título de aplicação empírica da Lei de Gauss e difusão elétrica nos moai de Rapa-Nui, volta a ilha em julho para novas pesquisas."
       
      Maior estátua construída na ilha tem 10 metros e 90 toneladas. E ainda existe uma outra inacabada com 20 metros de altura.
       
    • Por tchebes
      VOCÊ ACABA DE ENCONTRAR UM RESUMO DE TODAS AS INFORMAÇÕES QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA NÃO CHEGAR PERDIDO À ILHA DE PÁSCOA.
       
      * VOCABULÁRIO:
      - Iorana: saudação que serve tanto como OI como TCHAU
      - Ahu - são os altares (ou templos) onde eram expostos os Moais
      - Moais - são representações dos ancestrais chefes das tribos Rapa Nui (da antiguidade) e de seus parentes próximos
      - Ana - caverna
      - Hanga - baía
      - Motu - Ilha
       
      * NOME DA ILHA:
      - Ilha de Páscoa: porque a chegada pelos ocidentais à Ilha se deu em um domingo de Páscoa de 1722, por um holandês.
      - Rapa Nui: não é o nome original dessa cultura. Rapa na verdade é uma outra ilha da polinésia de cultura muito parecida e Nui seria ''grande'', formando portanto Grande Rapa.
      - Umbigo do Mundo (Te Pito o Te Henua): dizem ser este o nome original da ilha, pela sua localização estratégica no centro do globo.
       
      * HISTÓRIA DA ILHA E DA CULTURA RAPA NUI (desculpem se houver falhas de informações):
      - A Ilha de Páscoa foi descoberta pelos navegadores da Polinésia, que chegaram ao local para estabelecer moradia aproximadamente nos anos 800 d.C. Havia abundância de árvores, vegetação em geral e animais, principalmente pássaros de muitas espécies.
      Estabeleceram a sua cultura tradicional e por aqui dividiram-se em inúmeras tribos pelo litoral da ilha. Cada tribo tinha seu próprio Ahu (altar). Assim, com a morte dos líderes tribais e familiares próximos, esculpiam-se o Moais, 'sempre' de frente para a vila e de costas para o mar, para simbolizar que este líder seguia espiritualmente vigiando e protegendo aquele povoado. Nesse período, os Rapa Nui tinham um poder centralizado pelo o líder/rei Hotu Matu'a e pelo que parece as tribos viviam em harmonia.
      Contudo, com a escassez de árvores/madeira e com a dificuldade de sobrevivência por outras questões de busca por elementos básicos (ex. água, comida), as tribos começaram a digladiar entre si. Período em que se perdeu a fé pela proteção ancestral dos Moais e TODOS eles foram derrubados pelos próprios Rapa Nui.
      Bom, após a crise do sistema concentrado de poder, as tribos passaram a estabelecer um sistema mais democrático de liderança, com alternância anual, quando cada chefe de tribo preparava seu guerreira combatente para participar da competição do Homem Pássaro (se jogavam ao mar, nadando até o Motu - ilha - onde os pássaros de primavera vindos de todos os cantos deixavam seus ovos para reprodução. Aquele que retornasse com o primeiro ovo posto na ilha, intacto, garantia o poder ao lider de sua tribo, naquele ano).
      Já a chegada dos ocidentais na ilha se deu aproximadamente na década de 1720, através de navegação holandesa, que aportou em um domingo de Páscoa, dando o nome à Ilha.
      Dizem que a presença dos padres e as missões da igreja foram ferindo a cultura original Rapa Nui.
      Ademais, na década de 1805, os peruanos chegaram à ilha e escravizaram grande parte da população para venda no continente, sendo o maior crime na história da cultura local.
      Por fim, a partir da década de 1950 passaram a restaurar as peças e na década de 1990, com auxílio do governo japonês, reergueram e retomaram os principais Moais aos seus respectivos Ahus.
       
      *CUSTOS - Maio 2013
      - Moto: 20 mil
      - Bike: 8 a 10 mil
      - Carro: 30 a 40 mil
      - Quadriciclo: 30 a 40 mil
       
      *CAMPING POUSADA MIHINOA
      - Valor: quartos compartilhados de 8 mil (4 camas) e 10 mil (3 camas)
      - Localização: de frente pro mar. 10 pontos neste quesito ! Pra mim foi o fator chave para escolher! E não é só. É de frente para o pôr do sol ! Contudo fica há 10 min de caminhada numa semi ladeira até o início do centro. O que pra mim não representa nenhum problema(já que adoro caminhar). Mas casais que não curtem andar, considerem esse fator.
      - Higiene: Ótimo. O cuidado da Dona Isabel é fantástico. Contudo, como por todos lado da ilha (creio!), tem bastante baratas pelos banheiros e área comum. Acredito que seja um mal por todos os hotéis. Verifiquem isso.
      - Atendimento: Bom. Sem café. Mas com transfer IN e OUT. Internet pagando a parte 5 mil por toda a estadia, contudo, MUITO lenta! A ponto de as vezes não dar para abrir a caixa de entrada do email. Atendentes de recepção atenciosos na medida do possível. Senti falta de um pouco mais de prestatividade.
      - Em geral: Recomendo para viajantes sozinhos ou casais que queiram economizar ou gostem de acampar ou lugares simples.
       
      *RESTAURANTES
      Em geral os pratos custam (maio 2013) o valor de 10.000 pesos, o que equivale a R$50,00. É possível procurar por MENUS a 5.000 pesos, que são pratos executivos. A maior parte dos restaurantes não divulgam a existência, mas consegui encontrar em dois lugares:
      - Rest. Tataku vave - altamente recomendado. Comida muito bem preparada (pouca quantidade) e visual de frente para o mar. Comi um atum fresco com purê delicioso. Deck de madeira praticamente sobre as pedras. Incrível. Melhor custo benefício da ilha. (no litoral de Hanga Roa, no caminho para a gruta Ana Kai Tangata);
      Rest. próximo ao cemitério, lado direito de quem vai. Não lembro o nome, lugar simples, bastante comida / comida mais caseira.
       
      *SHOWS
      - Te Ra’ai ( Kaituoe s/n (só seguir a Calle Tuki Haka Hevari depois do Hospital) Tel. 32-255-1460, 32-255-1460 e 9-9414-4972 - [email protected]
      -Vai Te Mihi (Calle Policarpo Toro, ao lado do cemitério) - [email protected] - Tel. 9-493-8990 - Funcionamento: Segundas, Quintas e Sábado, 21 horas.
      - Kari-Kari (Calle Principal Atamu Te Kena & Tuki Haka Hevari) - Tel. 32-210-0767, 7-532-5637 e 9-489-2780 - Funcionamento: Terças, Quintas e Sábado, 21 horas.
      Obs.: Informações obtidas no site andarilhospelomundo.com - e o valor em Maio 2013 só para ver o show (sem jantar) era 10 mil pesos no Kari Kari e Vai Te Mihi e 15 mil pesos no Te Ra'ai (onde fui).
       
      ROTEIRO
      * Considerando a chegada do vôo LAN às 12 / 13 hs.
      Comprar o seu ingresso de entrada no aeroporto mesmo, logo ao sair do avião, ao lado esquerdo, antes de entrar no setor de bagagem. Valor R$30.000.
       
      * 1o DIA - VINAPU . RANO KAO . ORONGO (considerando o vôo LAN chegando 12hs / 13hs)
      Método: BIKE
      - Vinapu (Após ver o Ahu, pegar a estrada de terra atrás do aeroporto, mais curta, sentido Vulcão Rano Kao)
      - Volcán Rano Kao (subir pela trilha de quem vai a pé, conduzindo a bicicleta até em cima)
      - Orongo (fica junto com o Vulcão, no topo deste)
      - Ver o pôr do sol lá de cima e descer de bike pela estrada dos carros (o que é rapidíssimo).
      - Passar rapidamente pela caverna Ana Kai Tangata, observando as pinturas dos pássaros amarelados no teto (onde residia uma família canibal e ponto importante para avistar o vencedor da competição do homem pássaro)
       
      * 2o DIA - LITORAL NORTE
      Método: CARRO ou QUADRICICLO ou MOTO
      - Tongariki: ver o nascer do sol e fazer um picnic lá como café da manhã (recolher todo o lixo, claro!)
      - Rano Raraku: visitar o cemiterio de Moai que fica logo atrás
      - Papa Vaka: ver os peroglifos
      - Te Pito Te Kura: cruzar para o lado norte e visitar a pedra do umbigo e o maior Moai (que está quebrado e caido no chão)
      - Praia de Perouse: Para fotos e quem sabe banho (não é recomendável, por não ter salva vidas e risco de desabamento de terra do litoral)
      - Praia de Anakena: passar o resto da tarde relaxando
      - Descansar a noite e dormir cedo
       
      *3o DIA - TREKKING A TEREVAKA
      Método: BIKE + TREKKING
      - Manhã: subir o Vulcão Terekava (ponto mais alto da ilha) - Ir pedalando pela estrada principal e deixar a bike presa em alguma árvore no início da trilha (a trilha inicia no Ahu Akivi) e seguir a pé
      - Tarde : Após Descer o Terevaka, conheça o Ahu Akivi + seguir para para a trilha do litoral (estrada amarela, no mapa), passando pela Gruta Tepahu + Gruta Ana Kakenga (2 ventanas) + ver o por do sol no Tahai e voltar pela costa apreciando os moais e as baías (hangas)
      Obs: Tb é possível assistir o por do sol de dentro da Caverna Ana Kakenga, o que é um espetáculo a parte ! O sol se põe diante da janela da gruta, fazendo entrar raios avermelhados no seu interior, ficando lindo para fotos.
      - Noite: jantar e descansar
       
      *4o dia: POIKE
      Método: Tour guiado +-20 a 35 mil por pessoa
      - MANHÃ e INÍCIO DA TARDE: Subir o caminho de Poike, conhecendo o moai de pedra, a gruta da virgem etc (o visual panorâmico mais incríveis da ilha)
      - FIM TARDE/NOITE: Explorar mais o centro a tarde (lojinhas, por estampa no passaporte no correio (se tiver aberto), jantar)
      - NOITE: ver show de musica tradicional
       
      *5o dia: Museu e ir viagem de volta
      - Museu que abre as 9h30. Ficar até 10h30 e seguir para o aeroporto.
       
      Obs.: Se você prefere fazer tudo com mais calma, almoçando e jantando bem, considere a possibilidade de ter pelo menos 01 dia a mais.
      Obs.: Se você curte mergulho Scuba de cilindro, é possível fazê-lo em meio período do dia. Procure informações on line. Existe um Moai (acredito que fake!) submerso para fotografias.
      Obs.: Esse roteiro é recomendado para quem já leu sobre a história da ilha ou tem facilidade em comunicar-se com nativos para ir adquirindo informação ao longo da viagem, já que não está incluído guia para os dias iniciais, mas tão somente para a trilha guiada obrigatória no 4o dia.
      Considere que rodar a ilha sem entender a história (descoberta pelo povo da Polinésia, a cultura Rapa Nui na época dos moais e mais tarde com a idolatração do Homem Pássaro) não tem graça alguma.
      Assim, se preferir, uma alterativa é, na tarde do dia de chegada, conhecer o centro da cidade, se ambientar e observar o Museu (que não abre segunda e fecha domingo às 12h30m), reajustando todo o esquema acima.


×
×
  • Criar Novo...