Ir para conteúdo

Primeiro Mochilão: 29 dias sozinha na Bolívia e Peru


Posts Recomendados

  • Respostas 196
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros
Show de bola as fotos das estrelas. Que câmera vc levou?

 

Levei uma Nikon D7000 com a lente 18-105mm do kit.

 

Aquela que le o relato em partes e esquece do início.. Vc tinha colocado lá, quando citou sobre o seguro. Desculpa!

Vc levou flash ou só corpo e lente?

 

 

Levei só o corpo e a lente, o flash seria um peso a mais, e nem senti muita falta dele.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

DIA 24 - Potosí e Sucre

Acordei às 7h, arrumei minhas coisas, deixei o mochilão na recepção do hotel e saí pra comprar uma passagem até Potosí, consegui uma com saída às 10h, por B$ 30 (não lembro a empresa, mas não tem muita diferença entre elas). Usei a internet em uma lojinha que tem ali na Plaza Arce (B$ 5). Depois, fui buscar um lugar pra tomar café da manhã e acabei no Restaurante 16 de Julio, ali perto. Pedi o desayuno de la casa (B$ 28), que era omelete, pão torradinho, manteiga, geléias, suco e chá, porque né, ninguém aguenta 20 dias comendo só pão seco com geléia e chá no café da manhã todos os dias hehehehe. O pão, tanto na Bolívia quanto no Peru, é ruim, fino e duro.

 

Assim que terminei, voltei até o hotel pra buscar minhas coisas e ir esperar o ônibus, que não era dos melhores. Pra ajudar, sentou um boliviano muito fedido do meu lado e eu tive que ficar sentada meio de lado a viagem toda hehehe. Lá pelo meio-dia o ônibus estragou e ficamos parados um tempo até eles conseguirem consertar. Quando eu cheguei em Potosí, um pouco depois das 14h, resolvi que não ia ficar na cidade por motivos de: eu estar mal quase morrendo, garganta inflamada, tosse interminável, febre, vias aéreas em estado de calamidade pública.

 

Enfim, eu queria fazer o passeio das minas, mas não estava em condições físicas e, muito menos, psicológicas. Sei lá, além de estar doente e de as minas serem um lugar fechado, quente e claustrofóbico eu enfrentei certos conflitos internos quanto a esse passeio. Não sei se eu pagaria pra ver o sofrimento alheio, mas por outro lado talvez parte desse dinheiro seja usado em benefício deles.

 

OBS: Depois, em Sucre, eu assisti um documentário sobre as minas de Potosí e cheguei à conclusão de que tomei a decisão certa, eu não estava psicologimente pronta pra esse passeio. Se eu já chorei um rio de lágrimas assistindo o documentário, imagina ver a situação real. Recomendo que vocês assistam, o nome é “La Mina del Diablo” (The Devil’s Miner) e tem completo no youtube (http://www.youtube.com/watch?v=evvB_rBnSRo).

 

Decidi nem ficar na cidade e ir direto pra Sucre. Os ônibus que vem de Uyuni te deixam na rodoviária antiga, e os que partem pra Sucre saem da rodoviária mais nova (bem mais e bem mais bonita). Peguei um táxi até lá, não lembro bem o valor, mas deve ter sido algo como 15 bolivianos. A rodoviária é quase um aeroporto de grande hehehehe. Eu mal consegui descer do táxi e duas mulheres, de empresas diferentes, vieram me oferecer passagens pra Sucre. Gente, juro, achei que as duas iam sair na porrada ali mesmo pra me vender a passagem hehehe. Uma dizia: “Não vai com o dela, o ônibus é velho e ruim, o meu é mais novo” e a outra: “Mas o meu tá mais cheio e vai sair primeiro, o dela não vai sair no horário e bla bla bla”.

 

598dabfb1483d_Panoram_Potos2.jpg.b950a84982b9119e98042791c6f04592.jpg

Antes que elas se matassem na minha frente, acertei com a do ônibus mais novo (B$ 20), ela não tinha troco pra minha nota de 50. Ok, ela saiu e eu fiquei esperando, lá dentro da estação. E esperei. Quando tava chegando perto do horário do ônibus sair, eu me levantei e fui indo até lá, pretendia ficar esperando ali até ela voltar com o meu dinheiro. Acontece que, quando eu tava indo O ÔNIBUS RESOLVEI SAIR SEM MIM!!!! Ele tava saindo pelo portão da rodoviária e eu comecei a correr e a gritar, desesperada, com o mochilão nas costas, a mochila de ataque na frente, a mala extra pendurada de um lado e a bolsa da câmera do outro (se eu caísse, não levantava nunca mais hahahaha). Agora imagina um pessoa carregando tudo isso, correndo pela rodoviária e gritando pro guarda do portão avisar o motorista, tudo isso a quase 4 mil metros de altitude. CAAAARA, quamorri hahahahahaha

 

O motorista parou, eu embarquei e expliquei pra ele que estava esperando a menina que me vendeu a passagem voltar com o meu troco. Ele disse que ia parar na frente da rodoviária pra esperar ela conseguir o meu troco. Quase 20 minutos depois, me volta ela com o dinheiro ¬¬ (porra, amiga, já to em final de viagem e a grana tá curta hehehehe). Pouco tempo depois, mandaram a gente mudar de ônibus porque aquele ali tava vazio. Fomos pra um, maior, mais cheio e pior. Enfim, aquela viagem pareceu durar uma vida, mas às 19h eu estava desembarcando em Sucre.

 

Até esse momento eu não sabia onde ficar, eu tinha mandado uma mensagem pra um cara do CouchSurfing, mas avisei que não sabia ao certo que dia eu chegaria. Como eu não tinha o telefone dele, precisava escolher uma hospedagem pra essa noite. Peguei meu xerox do Guia do Viajante Independente e vi que o Hostal Cruz de Popayan (Calle Loa) parecia um bom negócio. E aí nesse momento eu tive uma diarréia mental e achei que ir caminhando seria uma boa ideia, até porque eu já estava com pouco dinheiro e precisava economizar. Pra ajudar, o meu mapa tava incompleto, então eu não sabia bem onde ficava a tal rua e tive que sair perguntando. Sem mentira, acho que caminhei por quase uma hora até chegar no endereço. Cara, não sejam pão-duros como eu e paguem por um táxi, porque o centro de Sucre é longe pacas da rodoviária.

 

598dabfa51f93_Potos_Sucre_30072013-DSC_5936.jpg.e1b4b07a5063d1832dbbcff1085817fb.jpg

Bom, cheguei quase morta no hostal, suada e botando os bofes pra fora, mas cheguei. Achei o lugar muito fofo, todo bonitinho, aqueles casarões antigos com pátio interno. Peguei um dormitório de 6 camas, por B$ 40, mas só tinha eu lá (o que era ótimo, porque assim eu não incomodaria ninguém com a minha tosse durante a noite). Eu tava tão cansada que deitei com a roupa que eu tava e capotei, só acordei no dia seguinte..

 

598dabfa9b54b_Potos_Sucre_30072013-DSC_5938.jpg.56518e4a9bae50d4ac0603579a735db9.jpg

- Gastos e endereços:

Café da manhã: B$ 28, Restaurante 16 de Julio

Passagem Uyuni-Potosí: B$ 30

Táxi da rodoviária velha até a nova, em Potosí: + ou - B$ 15

Passagem Potosí-Sucre: B$ 20

Hostal Cruz de Popayan: B$ 40 por uma noite em dormitório 6 camas

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

DIA 25 - Sucre

Acordei às 7h, tomei banho, e fui buscar meu ticket de café da manhã na recepção. Quando cheguei no pátio onde servem o café, vi uma galera com pratos de ovos mexidos, cereais e leite e fiquei muito feliz. Tem que apresentar o ticket na cozinha e eles trazem as coisas na tua mesa, e aí quando eu apresentei o ticket a mulher disse que eu não tinha direito aos ovos, leite e cereais porque eu eu não estava em quarto privado (poxa, que discriminação hehehe). Fiz o check-out e fui dar uma volta. Parei em uma lan house (B$ 5,00) pra procurar outros hostels, encontrei um bem perto da Plaza 25 de Mayo, o Kultur Berlin, onde também funciona uma escola de espanhol e alemão. Eu resolvi procurar outro hostel porque queria uma coisa um pouco mais animada que o Cruz de Popayan.

 

Dei uma paradinha em uma das várias lojas de chocolates artesanais, gastei BS 14 em chocolates e voltei pra pegar minhas coisas no hostel, peguei um táxi até o Kultur Berlin (BS 5) e fiz check in em um dormitório de 16 camas (B$ 50). Na verdade, não era bem 16, o dormitório era dividido em dois lados e cada lado tinha um mesanino com 4 camas, mais 4 camas embaixo. Deixei as minhas coisas lá e voltei pra rua a bater perna hehehehe. Fiquei andando pela Plaza 25 de Mayo e depois fui em busca de uma lavanderia, precisei parar no posto de informações turísticas e eles me indicaram uma ao lado do SAS (supermercado amor ::love:: ). Graças à minha vontade de lavar roupa eu descobri o SAS. Deixei minhas roupas na lavanderia (B$ 10 o Kg) e entrei no mercado, comprei caixinhas de chá de coca (pra trazer pra casa hehehe), e coisas pra comer, botei tudo no cartão de crédito.

 

598dac8c7ef5a_Potos_Sucre_31072013-DSC_5952.jpg.fe0c1a306999410c9a23871633b985f4.jpg

598dac8cd1b79_Potos_Sucre_31072013-DSC_5955.jpg.d835c14e8c67b2089bdaa07747beb6bf.jpg

598dac8d52554_Potos_Sucre_31072013-DSC_6000.jpg.70673b1a8c0a451b193f1ee25534228b.jpg

No caminho de volta até a Plaza 25 de Mayo, resolvi visitar o Museo Catedralício (B$ 20), as visitas guiadas tem horário, mas eu não lembro quais eram. Sinceramente, a catedral é mais bonita por fora que por dentro, mas valeu a visita mesmo assim. Perto da Plaza 25 de Mayo, na Calle Audiencia quase esquina com a Nicolas Ortiz, tem um escritório da Boa, onde comprei minha passagem pra Santa Cruz (B$ 338 com taxas). Depois fui até o Mercado Central, comprei alguns artesanatos e presentes, mas era tudo mais caro que em La Paz. Passei em uma farmácia, comprei um xarope pra tosse (B$ 48) e voltei pro hostel. Peguei uma mesinha no pátio e pedi uma batata rellena (batata recheada) e uma limonada (B$ 10), enquanto eu estava ali, conheci alguns dos meus colegas de quarto, a Sarah (Bristol, UK) e mais um outro britânico que eu não lembro o nome. Eles me comentaram sobre um Café que tem no Mirador Recoleta, subindo a Calle España toda a vida.

 

598dac8c073cf_Potos_Sucre_31072013-DSC_5963.jpg.84dba3683854c66aa5b6ad474408af07.jpg

598dac8c510bf_Potos_Sucre_31072013-DSC_5986.jpg.94e97e4cdaeaf730315c2ba6438aef55.jpg

598dac8d1b2ac_Potos_Sucre_31072013-DSC_5968.jpg.649bfc5ecc485b1126551e20fc6397c5.jpg

598dac8e77e28_Potos_Sucre_31072013-DSC_6009.jpg.931e1f5120d1b1891842fe9038d17709.jpg

 

Essa noite tinha aula de salsa e dose dupla de mojitos no hostel. Resolvi tentar a salsa; GENTE, meus amigos e família jamais imaginariam isso, eu dançando salsa. Bom, o que aconteceu em Sucre, fica em Sucre hehehehe. Mas foi muito divertido, ainda mais regado a dose dupla de mojitos ::dãã2::ãã2::'> hahahahahahaha. Mas só foi divertido até chegar o meu par, ele perdeu metade da aula, fazia tudo errado, e era mais duro que pedra, ah sim, e as mãos dele suavam. Como já era perto das 20h, usei a desculpa de que precisava buscar minhas roupas na lavanderia e fugi dessa criatura que tava me dando nos nervos hehehe. Depois de pegar as roupas, voltei pro hostel e fiquei mais um tempo no pátio, conversando com o pessoal e depois fui ~tentar~ dormir. Foi uma noite difícil, tosse frenética durante a noite, tanto que a menina que tava na cama de cima levantou no meio da noite pra me dar uma pastilha pra garganta, tadinha :(

 

598dac8eb258c_Potos_Sucre_31072013-DSC_6017.jpg.e26602a4f7f822c46a88231768bbb0d9.jpg

598dac8f1bf91_Potos_Sucre_31072013-DSC_6038.jpg.a61a562cc9fff2fdc00fe5acbea7baf5.jpg

 

- Gastos e endereços:

Lan House: B$ 5

Chocolates: B$ 14

Táxi: B$ 5

Dormitório "16 camas" no Kultur Berlin: B$ 50 (Calle Avaroa, 326)

Lavanderia: B$ 10 (Calle Nicolás Ortiz, mas o mapa tb diz Juan José Perez, como se a rua tivesse 2 nomes), ao lado do SAS (que também tem um cinema)

Museo Catedralício: B$ 20

Passagem de avião Sucre-Santa Cruz: B$ 338 pela BoA (Calle Audiencia quase esquina com a Nicolas Ortiz)

Xarope pra tosse: B$ 48

Janta (batata recheada e limonada): B$ 10 (no bar do hostel)

Editado por Visitante
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros

Maritortorella, parabéns! ::hahaha:: Talvez seja o melhor relato que eu já li aqui no Mochileiros. Tanto em informação quanto em envolvimento com sua história você é fantástica! Rindo litros cada vez que leio um update do seu relato ::lol3:: . Dá até vontade de viajar contigo! ::lol4::

 

DIA 25 - Sucre ...quando eu apresentei o ticket a mulher disse que eu não tinha direito aos ovos, leite e cereais porque eu eu não estava em quarto privado (poxa, que discriminação hehehe)

 

Segregação Social!!! Hahahaha ::quilpish::

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Membros
Oi Rafael! Então, é por isso que me assustei. Olhei o trecho SP / Santa Cruz pela Gol e está R$ 1.070 só a IDA!!!

 

E olha q olhei pra agosto / 2014 ou seja, com bastante antecedência. Já consultei vários trechos e as passagens estão nessa faixa.. Tem mais de mes q to olhando.. por isso cogitei ir pro Rio Branco, q pelo menos já vou direto para Cusco.

 

Oi! Eu também vou pro Peru em agosto/2014. No dia 5.

As passagens estão mesmo nesses preços. Altíssimos! ::ahhhh:: - ou a gente que tá pobre mesmo. rsrs.

Bom, vai minha mana e eu. E nós estamos procurando companhia porque em grupos algumas coisas saem mais baratas. Você vai com uma galera? Tem como a gente se encontrar lá? :D

 

 

contato: [email protected]

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


×
×
  • Criar Novo...