Ir para conteúdo
.Thiago.

Pico dos Marins - Perguntas e Respostas

Posts Recomendados

Pessoal,

 

Estive novamente nos Marins e queria deixar aqui um alerta para o pessoal que vai encarar essa "escalaminhada".

 

Infelizmente um cidadão passou pelo Marins algumas semanas atrás e teve a idéia de marcar a trilha com "totens" de tinta florescente amarela... Deixando aquelas pixações na montanha. E para piorar mais ainda a situação, existem marcações erradas levando quem não tem experiência na trilha a se perder.

 

Marcações:

otf_pic.php?pic_cat=users_pics&pic_id=user_61065_OgAAALx_biRyzyqUTlUytzVsZqzSKWkWW0cPE4aSj1YDgfHSY8yM3RBlerQ15EzCtSxc2c3Pim4VHJJaovfqn_Y9kKoAm1T1UH1x__cYIz3e2TSVeaAADKY3g1x__1_.jpg

Foto por: Bruno SJC

 

Encontramos tanto na subida como na descida muita gente perdida, mais muita mesmo, então fica aqui o alerta. Quem não conhece bem a trilha, contrate um guia e evite o esforço desnecessário e perigo de se perder.

 

É isso ai pessoal, para quer for ao Marins muito cuidado e curta a aventura! ::otemo::

 

Grande Abraço,

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

parabens ai por criar esse topico!!

a subida nos marins tem que ficar atento mesmo!!!!

ta facil de se perder , cruzei um grupo com 4 pessoas que não chegaram ao cume pois tinham se perdido e tavam voltando!!todo cuidado é necessario!!!

falow

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

isso só acontece no brasil mesmo... deve ser coisa de guia pra fazer uma reserva de mercado, como foi relatado aqui no forum no topico sobre a travessia Petro-Tere

 

Valeu pelas infos Thiago e Bruno!

 

Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

[info]O objetivo deste tópico é trocar informações e reunir depoimentos e dicas sobre o Pico dos Marins. Se você está com alguma dúvida em relação ao pico, coloque-a aqui que sempre um mochileiro de plantão irá ajudar. Se já conhece o Pico dos Marins, conte para nós como foi sua experiência, seja ela negativa ou positiva, deixando dicas e demais informações para mochileiros perdidos. Para isso basta clicar no Botão Responder![/info]

 

 

[t1]Pico dos Marins[/t1]


Montanha mais alta do estado de São Paulo, com 2.420m, o Pico dos Marins atrai os amantes do montanhismo pela beleza da região que o cerca, proporcionando uma vista maravilhosa do Vale do Paraíba (SP) e do Sul de Minas Gerais!

 

A dificuldade para se chegar ao cume do Pico dos Marins também é outro atrativo para os montanhistas. Embora não seja necessária a utilização de equipamentos de alpinismo, tampouco o uso de bússolas, GPS ou mapas, o trajeto até o cume é longo, demorado e exige bastante esforço muscular e articular das pernas.

 

 

[t3]História[/t3]


No dia 8 de junho de 1985, o escoteiro paulistano Marco Aurélio Bezerra Bosaja Simon desapareceu misteriosamente no Pico dos Marins. Tinha 15 anos de idade e participava, pela primeira vez, de uma excursão ao local, organizada pelo Grupo Escoteiro Olivetano, de São Paulo, e chefiada por Juan Bernabeu Céspedes, na época com 30 anos de idade. Outros três escoteiros participavam da excursão, todos da cidade de São Paulo e com idades entre 14 e 16 anos: Osvaldo Lobeiro, Ricardo Salvioni e Ramatis Rohm.

 

Durante a ascensão ao cume do Pico dos Marins, o escoteiro Osvaldo Lobeiro machucou o joelho numa pedra, o que obrigou o grupo a desistir da subida e retornar ao acampamento-base, estabelecido num sítio a 1.600 metros de altitude.

 

Marco Aurélio havia sido nomeado monitor da equipe e segundo os escoteiros, foi incumbido pelo chefe Juan Bernabeu Céspedes de descer na frente em busca de socorro. Orientado a escrever o número 240 (número do Grupo Escoteiro Olivetano) com giz nas rochas, como sinalização durante a descida, o rapaz partiu para cumprir a determinação do chefe e nunca mais foi visto: desapareceu misteriosamente, sem deixar vestígios.

 

O desaparecimento de Marco Aurélio comoveu o país, que acompanhou pela imprensa escrita e televisiva a operação de busca pelo escoteiro, realizada incessantemente durante os trinta dias seguintes ao fato, contando com mais de 300 pessoas, entre soldados e oficiais da Polícia Militar, Batalhão de Infantaria do Exército sediado em Lorena, bombeiros, alpinistas, mateiros, guias, voluntários e equipes especializadas em salvamento e busca na selva; parapsicólogos, sensitivos, videntes e rabdomantes chegaram a participar dos esforços. A região foi completamente vasculhada e sobrevoada por helicópteros e aviões, sem sucesso.

 

As teorias sobre o desaparecimento de Marco Aurélio são as mais variadas possíveis: homicídio, morte acidental, seqüestro, fuga voluntária, amnésia, trapaça, abdução, etc.

 

[t3]Localização[/t3]


[picturethis=http://img.photobucket.com/albums/v280/thiagodesigner/Mapa.gif 138 250 ]Partindo de São Paulo ou Rio de Janeiro

Pela Rodovia Presidente Dutra (BR 116) pegue a Saída 51, siga pela BR 459 até passar por Piquete. Logo em seguida (800 metros) virar à direita para a Estrada Viscinal José Rodrigues Ferreira que dá acesso à Vila dos Marins. Quando chegar ao fim do asfalto, que é na saída da Vila dos Marins, suba à esquerda (Sentido Marmelópolis) até o final da serra, passe o portal do município de Marmelópolis na divisa SP-MG, entre à direita e logo em seguida você chegará ao Acampamento Base Marins.

Distâncias: São Paulo: 220Km | Campinas: 270 Km[/picturethis]

 

[t3]Quando ir?[/t3]


A melhor época para visitar o Pico dos Marins é entre a segunda metade do outono e o início da primavera, ou seja, entre os meses de maio e setembro onde as noites são muito estreladas! Fora deste período não é seguro aventurar-se por lá devido às fortes tempestades com raios e ao tempo fechado que reduz fortemente a visibilidade, prejudicando a navegação.

 

[t3]A Trilha[/t3]


Se você deixou o carro no Acampamento Base dos Marins, a caminhada inicia-se desse ponto mesmo. Passando por uma trilha pela mata de cerca de 20 mim, depois subindo por uma estrada de terra, chega-se ao inicio da trilha. Nesse ponto se encontra uma placa informando o todo o trajeto até o Marins, mostrando os mirantes, etc.. Seguindo a trilha chega-se um local chamado Morro do Careca, e a partir dele até o cume do Pico dos Marins leva-se aproximadamente quatro horas carregando-se apenas alimentação e bebida e o retorno em aproximadamente três horas. Com barraca, provisões e alimentos para acampar no cume, o percurso de subida pode ser feito em cerca de seis horas e a descida em cerca de quatro horas . Esses tempos são apenas uma estimativa, podendo variar dependendo do seu preparo físico. Corredores de aventura que às vezes aparecem por lá para treinar, fazem a subida ao pico em menos de 2hs!!

 

Mais uma vez muitos cuidados devem ser tomados, calcule o horário de partida, se pretende voltar no mesmo dia, saia bem cedo imprevistos podem acontecer, e descer a trilha no escuro não é nada fácil. Não confie nos "totens" da trilha, se não conhece muito bem o caminho contrate um guia, você incentiva um dos únicos meios de trabalhos na cidade e ainda garante sua segurança.

 

[t3]Dicas e Cuidados[/t3]


Se você pretende visitar o Pico dos Marins pela primeira vez, será útil para sua segurança e satisfação considerar algumas orientações:

 

» Existem muitos "Totens" feitos por aventureiros informando o caminho errado até o pico. Muito Cuidado!

» Existem apenas dois pontos de coleta de água:

O primeiro fica no inicio da trilha, antes de chegar ao morro do careca.

O segundo fica próximo ao cume. Muito cuidado com esse, no período de seca onde a água é menos abundante pode ocorrer contaminações, devido ao pessoal que defeca e urina próximo ao córrego. Muito Cuidado!

» Durante o inverno a temperatura pode atingir valores inferiores a -4ºC. Leve isolante térmico, gorro, luvas e roupas adequadas para baixas temperaturas.

» Leve sempre um agasalho adequado, seja para subir ou descer, devido sua altitude e exposição venta muito na trilha.

» Mesmo durante o inverno utilize protetor solar, pois a exposição ao sol é intensa e com pouquíssimos locais para se proteger à sombra.

» Evite carregar objetos nas mãos, utilize a mochila e uma pochete para guardar todo o necessário!

» Mesmo que você pretenda apenas subir e descer no mesmo dia, leve uma lanterna!

» Antes de partir para o Pico dos Marins consulte a Previsão do Tempo!

 

[t3]Guias[/t3]


» Milton - Acampamento Base dos Marins (11) 9770-1991 / [email protected]

 

[t3]Onde Ficar[/t3]


» Pousada Fazenda Mundo Novo (12) 3156-8068 / 3156-1562 Dona Sonia (*****) Excelente!

» Hotel Pousada Rio Douro (12) 3156-5007 (**)

» Pousada Fazenda Paluana (12) 3156-1349 (*)

 

[t3]Literatura[/t3]


[picturethis=http://www.editora-opcao.com.br/imagens/CapaOperMarins.JPG 135 167 ]Operação Marins - O Sumiço Do Escoteiro Marco Aurélio

Rodrigo Nunes

Editora Opção, 2006

 

Neste livro, o jornalista Rodrigo Nunes conta os fatos de sua pesquisa sobre o estranho sumiço do escoteiro Marco Aurélio, na região do pico dos Marins, em Piquete, SP, no dia 8 de junho de 1985.

O livro de 119 páginas, 15 x 21 cm, R$ 20,00 + frete, apresenta os seguintes Capítulos:

 

Capítulos: Fatos: O sumiço; O apito, o grito e a luz; A segunda-feira; A misteriosa Terça-feira; A nação se mobiliza; Caquéio; O interrogatório; A Operação Marins chega ao fim; Versões e previsões. Passos da Investigação: Arquivou-se o processo, mas a história não acabou; Com a palavra: as fontes; "Não quero morrer sem saber o que aconteceu"; Contradições; "Eu não matei Marco Aurélio"; A cobertura da imprensa; Sumiu mais um. Terminar é preciso, concluir não: Desmistificando, Bibliografia.[/picturethis]

 

[picturethis=http://www.editora-opcao.com.br/imagens/LivroOperMarins2.jpg 135 167 ]Operação Marins 2 - Novas Descobertas

Rodrigo Nunes

Editora Opção, 2008

 

Depois da publicação do livro Operação Marins..., novas informações começaram a surgir. pessoas que participaram diretamente do caso, após a leitura da obra perderam a timidez de falar sobre o que, inicialmente, ocultaram.

Novas versões e possibilidades foram reveladas. Em meio a tantas contradições sobre o paradeiro do escoteiro desaparecido, pequenos raios de luz entram pelas frestas da então escura e misteriosa história que envolve o garoto paulistano.

A história que se conhece do escoteiro que desapareceu na Serra da Mantiqueira, no dia 8 de junho de 1985, e que nunca foi encontrado, jamais será a mesma após a leitura deste livro.

 

Capítulos: O segredo da machadinha; O dedo do silêncio; Outras vidas em perigo; Juan no corredor do linchamento; União dos Escoteiros em pânico; Suspeita de seqüestro; Extorsões; O sumiço do rapaz pobre; Investigando; Batendo o martelo...; Depoimentos.[/picturethis]

 

[t3]Links[/t3]


[linkbox]Pico dos Marins - Alerta sobre a trilha!

Travessia Marins-Itaguaré, Serra Fina e Serra Negra juntas

Acampamento Base dos Marins[/linkbox]


Isso ai pessoal, espero que as informações desse tópico sejam úteis a vocês!

 

Grande Abraço,

Thiago

Obs: Editando as fotos e os mapas para ilustrar o tópico.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá povo, vou deixar um relato aqui para que outras pessoas não encontre surpresas pela frente, como foi o caso do meu grupo para o trekking no Marins....

Pesquisei em myitos lugares e todos falavam o seguinte: Da ranchonete do Milton vc andara uns 50 minutos até o Morro do Careca por uma trilha e depois por uma estrada (OK essa parte bate) gastamos 55 minutos.

Em todos todos os lugares que pesquisei falava que dai para frente começaria uma caminhada punck entre vales rochosos e capin elefante e subidas fortes. Segundo as pesquisas esse terreno nos encontrariamos até o base do Pico dos Marins, onde dali para a frente começariamos uma escalaminhada (ai nós nos lascamos). Logo após mais ou menos 1 hora (com mochilas cargueiras cheias) depois do morro do Careca nios deparamos com uma grande subida que sua maior parte tivemos que escalaminhar, e como em nosso grupo tinha pessoas (meninas) inesperientes em escalaminhada, a coisa começaram a ficar complicadas, pois as mesmas iriam somente até a base do Marins onde armariamos acampamento para o ataque final ao cume aionda pela madrugada. desse ponto até o fim da montanha, dai resolvemos dividir o grupo, pois como a montanha estava parecendo a 25 de Março aos sabados. 3 rapazes do nosso grupo foram na frente para guardar lugar no plato para montarmos acampamento, eu e o Vinicius ficamos com as Menias para darmos suporte. Quando chegamos em um ponto que é uma parede de ins 3 ou metros e tem que fazer uma pequena escada as meninas disseram que não teria como subir para o proximo lance da escalaminhada, mais eu e o Vinicius falamos que dava, eu subi pela esquerda e desci até uma parte do outro lado da parede (direita) o Vinicius ficou mais ou menos na metade desse intervalo entre eu e as meninas, onde demos suporte para as mesmas subirem até o proximo lance, so ai perdemos aprox 40 minutos, pois depois que elas subiram, nos tivemos que descer e pegar as mochilas das duas, dali continuamos a escalaminhada. Chegamos ao cume da primeira montanha, onde aida que teriamos que atravessar um vale de capim elefante para chegar até a base do outro pico, onde começaria o maciço do cume do Marins, as meninas estavam exaustas e os razes que foram na frente, subiram até o meio da outra montanha, onde levaria ao cume. Devido ao desgaste das meninas, resolvemos armar acampamento e ficar lego depois do vale de capim elefante, onde logo depois da nossa chegada foi armado mais 4 acampamentos nas imediações. Armamos acampamento pos ja erá 16:00 horas e o frio começava a chegar. Eu e o Vinicius resolvemos atacar o cume logo que o sol aparecesse, pois amanheceu com muito neblina e ninguem que ficou ali pode atacar o cume, pois a neblina só sumiu por volta das 11:00.

Então deixo meu recado aqui, tem dois lances de escalaminhada, e quem não estivem em forma e acostumadop a fazer trekking, não comece pelo Marins, pois ira se arrepender..."devido ao desgaste", pois o lugar é mágico... ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pessoal, blz?

 

Estou querendo aproveitar o natal (dias 24, 25 e 26) para pegar umas montanhas... A idéia é a travessia marins - itaguaré, que eu já realizei faz muito tempo e que portanto não me lembro de praticamente nada.

 

Como sempre, várias perguntas:

 

- Clima: Dezembro, verão, chuvas, raios e muita imprevisibilidade. Não é época mais adequada para montanhismo, mas vocês acham que dá para encarar ou é furada mesmo?

 

- A idéia: Vou preparado para 2 pernoites. A trilha até o Marins é bem batida, certo? Se o tempo estiver muito fechado/ruim eu faço bate volta no marins e cancelo a travessia.

 

- Transporte. A idéia é ir de transporte público. Eu conseguiria chegar em Piquete no dia 23 pouco antes da meia-noite, ou no dia 24 por volta das 11:00. Pelo que vi do Augusto são uns 15km até a ranchonete, é isso? Pô, 15km de estradinha a pé desanima hein... Alguma sugestão? Taxi? Carona? Vou sozinho, não pretendo fechar resgate...

 

- Cronograma:

Da lanchonete até o careca vão de 45minutos.

Do careca até o riacho base do Marins vão em média 4 horas.

Do base do marins até a pedra redonda vão 5 horas.

Da pedra redonda até a base do itaguaré vão 4 horas.

Base do itaguaré até a estrada vão 2 horas.

O que acham desses horários aí? Tendo em vista que da ranchonete até a base do marins vão quase 5 horas, o limite para eu estar na ranchonete é 13:00. Será que dá para chegar aqui desembarcando em Piquete às 11:00 e caronando até lá??

 

- A trilha: Estando com tempo aberto, dá para tocar a travessia apenas com croquis? Tenho experiência em trilhas, mas não manjo de leituras de cartas e não tenho GPS. Sobre a tal pousada do Maeda, pelo que entendi as marcações de trilha dele (são as amarelas?) são confiáveis até certo ponto, depois passam a levar para a pousada do cara... COmo é isso?

 

- Água: época de chuvas, imagino que possa pegar água em todo lugar, só usando hidrosteril certo? Quanto a quantidade, quando fiz essa trilha passei o mairo perrengue... VOu com uns 4 litros...

 

- Itaguaré: Camelei que nem doido e cheguei na base do Itaguaré. Quanto tempo para ir ao cume? Da outra vez acabei não subindo lá e me lamento até hoje...

 

- Resgates: Anotei o fone do cara com a brasilia precária do relato do 'sem limites'. Mais alguns fones ?? Eu pretendo pegar carona, mas é melhor ter alguns fones para emergência...

 

Por enquanto é só!!! hehehehe

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Edu...

 

Furada na certa.

 

Não brinca com sua vida se arriscando em montanha no verão.

 

O Marins tem um historico enorme de desistência por chuvas..inclusive no inverno. Não se arrisca não.

 

Aqui no Brasil temos o privlégio de ter trilhas apropriadas para inverno e verão. Curta a Mata Atlantica nessa época.....

 

Desculpe ser franco e direto..mas é fundamental avernturar preservando a vida.

 

Grande abraço colega.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

hehehe não achei que alguém fosse desencentivar, hehehe

 

Então, com tempo ruim eu não prossigo, isso é fato...

Mas o principal fator de risco que você aponta é a dificuldade na navegação ou o risco com as tempestades?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Edu.

 

Risco com tempestades mesmo. Tanto com relação à descarcas elétricas..e issoé muito sério como os outros decorrentes de chuva (piso escorregadio, etc).

 

O grande problema é você estar no meio da travessia e aí chove...volta pra onde? :mrgreen:

 

abração

 

Abração

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Concordo com o Paulo, regiões com alta incidencia de raios no verão é um risco desnecessário, curta trilhas na região da mata atlantica agora.

 

A montanha vai estar la no inverno e vc poderá curtir bem mais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Edu.

Já cheguei a fazer região de montanha no verão. Vai depender do como vai estar o tempo.

Se vc pegar uma janela boa dá p/ fazer um treking de uns 2 a 3 dias, principalmente na Mantiqueira.

 

Normalmente quando uma frente fria tá passando lá pela Argentina, ela demora uns dias p/ chegar por aqui (principalmente região sudeste) e é nesse intervalo de tempo bom que dá p/ se fazer uma caminhada.

O problema é que nesse verão o clima tá muito instável. Não dá p/ confiar.

 

Qto aos 15 km da Rodovia até a Ranchonete João Galo não tem jeito.

Ou é na caminhada ou vc pode tentar chegar em Delfim Moreira (essa cidade fica uns 6 Km depois da bifurcação da rodovia).

Nessa cidade vc pode tentar um taxi ou algum transporte.

Carona eu nunca consegui. Aquela estrada da rodovia até a Fazenda Saiqui pouca gente passa por ela, então nem conte com isso.

 

Qto a questão da agua, o ideal mesmo é pegar uns 4 litros no Morro do Careca (lembre-se que a agua da base do Marins é desaconselhavel).

Se vc chegar cedo no Careca, até dá p/ acampar no primeiro dia no topo do Marinzinho ou até na Pedra Redonda, se vc estiver com fôlego. E depois no dia seguinte terminar no Itaguaré.

 

 

Abcs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Entendo... Vide a chuva que caiu hoje em são paulo. 50mm dos 200mm previstos para dezembro. Numa tempestade desse nível na montanha é tentar se enfiar numa toca e rezar para acabar logo.

 

É que nesse exato momento tava na pegada de uma caminhada em crista de montanha...

 

vou monitorar a previsão... e arrumar um roteiro alternativo... Sugestões? Me mandem MP's para não desvirtuar o tópico!

 

 

Prudência é uma boa palavra para um bom montanhista.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sugestão boa: litoral.

 

Lá chovendo ou fazendo sol vc caminha sem problemas e se diverte.

Tem a Bocaina, Complexo Lagamar, Camburi-Trindade, Ubatuba (varias trilhas), Joatinga e as ilhas: Ilha Grande e Ilhabela.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bom dia Galera!

 

Pretendo subir no final de Fevereiro! Como disse o amigo aí atrás, é furada ainda?!

Melhor esperar até Abril ou Maio?!

Sabemos que os dias ensolarados de Verão podem se tornar bem tempestuosos derepente..

A inteção é ir no esquema bate-volta.

Saída do estacionamento por volta das 6 ou 7 da matina, pra começar a descida lá pelas 4 da tarde. Com guia, é claro!

 

Bom, eu não possuo equipamentos suficientes para acampar, o que seria ideal. Tipo, barraca, blusão, essas roupas. Tudo o que tenho é uma mochila da Quechua recém adiquirida de 40Lts, e muita, mas muuuiiiiiitaa disposição e vontade! Preparo físico razoável! ::lol3::

 

Ainda pretendo acampar lá em cima! Pra ver o sol se por e nascer! Meu sonho!! ::tchann::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Speedy

 

Maio já é uma boa época. Fevereiro não. Quando for. Pede para o Milton do acampamento base te mostrar o livro de assinaturas. Você vai ver muito comentário de gente que tentou e não conseguiu por conta da chuva. Isso em épocas de seca. Imagine agora.

 

A montanha está bem molhada esses dias.

 

Abração

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Edubisan,

 

caso eu consiga fazer Pedra do Sino em Terê agora na Páscoa, é provável que farei Marins em julho, no feriado do dia 09...

 

só que fiquei receoso com a escalaminhada, alguél sabe dizer se é muito difícil fazê-la com mochilas cargueira para acampar lá? Requer muita técnica???

 

abraços,

André Taka

---------------------

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×