Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Ilhabela-SP (seis dias sozinho) relato com dicas


Posts Recomendados


  • Respostas 44
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

Eu cheguei a ser inocente quando pensei que todo o meu roteiro seria cumprido a risca do jeitinho que eu o planejei. Muito pelo contrário, foi desde o início uma surpresa. "Eu consegui" recrutar

Posted Images

  • Colaboradores

Oi Camila, tudo bem sim mininah!!! rs

 

O lugar que eu fiquei (pousada/Camping), na verdade é uma casa que a dona aluga como se fosse uma espécie de Hostel. Lá ela tem quartos pra alugar e tem também o quintal dela com uma grande área gramada que serve para acampar.

 

Mas bem do lado dela tem um Hostel que conheci depois que cobra $60 a diária nos fins de semana e $50 durante a semana. Noooooosssa, pra quem busca conforto a estrutura de lá é coisa de 5estrelas.

 

Site do Hostel: http://www.bonnsventoshostel.com.br

 

Eu fico contente que gostou do meu relato, obrigado.

Beijos.

Link para o post
  • 3 meses depois...
  • 3 semanas depois...
  • Colaboradores

Olá Luciana...

 

Ó... eu já fui três vezes à Ilhabela, e sempre à ví com bons olhos quando o assunto era se sentir seguro e ter segurança estando sozinho. Os únicos lugares que não aconselho ir sozinha (sem guia), são: Praia do Bonete e Praia dos Castellanos, ambas tem trilhas de 5 horas pra ir e 5 horas pra voltar, e isso é muito pra perigoso pra uma mulher que esteja sozinha. Mas há também a opção de ir até Castellanos de Jeep 4x4 (média de R$70 p/pessoa), e Bonete dá pra ir de barco (média de R$50 p/pessoa). Te levam e te trazem por esse valor. Fora isso, pode se aventurar sim...sem crise. ::otemo::

 

Os outros lugares são tranquilos pra trilhar. Vai na fé, e depois me diga o quê vc achou de lá.

 

Que bom que gostou do relato.

 

::kiss::

Link para o post
  • 3 meses depois...
  • 1 mês depois...
  • 1 mês depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Dérik Martins
      Olá, pessoal! 
      Passei dois meses em Ilhabela fazendo voluntariado e as piscinas naturais se tornaram meu cantinho preferido na ilha! Eu amo o contraste da água verde na piscina e azul no mar! Sem contar que a energia lá é incrível! 
      Passo 1: Para chegar lá, basta colocar Piscinas Naturais Ilhabela no google! A entrada fica ao lado desse caminho que aparece (marquei com a seta)! Há estacionamento ao lado por R$10,00 e o ônibus que sai do terminal com destino à Borrifos passa por esse caminho! 

       
      Passo 2: Essa é a entrada da trilha, não tem sinalização! Mas é só abrir o portão e entrar. A trilha é bem fácil, dura uns 5 minutos e o caminho é reto. Você vai sair em um condomínio, continue descendo reto e verá o início de mais uma trilha ao final do caminho... Essa trilha também é bem curta e reta! 

       
      Passo 3: A trilha te levará para essas pedras... Fique atento à esse ponto, pois terá que seguir o caminho por cima das pedras e é um pouco alto. De qualquer forma, o caminho é bem curto, menos de 10 min e você chegará! 

       
      Finalmente você vai chegar e aproveitar esse paraíso! Se você conseguir ir durante a semana é ótimo, pois é mais vazio! Às vezes, a maré está alta, assim, o nível da água está maior e não tem pé!OneDrive-2019-07-06.zip


       
      Faço o passo a passo de todas as trilhas no insta: https://www.instagram.com/derikdemochila

       
       
    • Por Dérik Martins
      Olá, pessoal! 
      Passei dois meses em Ilhabela fazendo voluntariado e as piscinas naturais se tornaram meu cantinho preferido na ilha! Eu amo o contraste da água verde na piscina e azul no mar! Sem contar que a energia lá é incrível! 
      Passo 1: Para chegar lá, basta colocar Piscinas Naturais Ilhabela no google! A entrada fica ao lado desse caminho que aparece (marquei com a seta)! Há estacionamento ao lado por R$10,00 e o ônibus que sai do terminal com destino à Borrifos passa por esse caminho! 

       
      Passo 2: Essa é a entrada da trilha, não tem sinalização! Mas é só abrir o portão e entrar. A trilha é bem fácil, dura uns 5 minutos e o caminho é reto. Você vai sair em um condomínio, continue descendo reto e verá o início de mais uma trilha ao final do caminho... Essa trilha também é bem curta e reta! 

       
      Passo 3: A trilha te levará para essas pedras... Fique atento à esse ponto, pois terá que seguir o caminho por cima das pedras e é um pouco alto. De qualquer forma, o caminho é bem curto, menos de 10 min e você chegará! 

       
      Finalmente você vai chegar e aproveitar esse paraíso! Se você conseguir ir durante a semana é ótimo, pois é mais vazio! Às vezes, a maré está alta, assim, o nível da água está maior e não tem pé!OneDrive-2019-07-06.zip


       
      Faço o passo a passo de todas as trilhas no insta: https://www.instagram.com/derikdemochila

       
       
      OneDrive-2019-07-06.zip
    • Por Gabs Palhares
      Olá mochileiros!
      Essa é a primeira vez que eu escrevo aqui, ainda não entendi muito bem como funciona, mas achei muito legal a ideia do site e acho que deveria compartilhar com vocês a minha experiência desse último fim de semana (28/07/18) em Ilhabela.
      Eu e o Lucas resolvemos fazer a trilha que eu sempre sonhei até a praia de Bonete em Ilhabela, considerada uma das praias mais bonitas do Brasil. Pelo que eu tinha lido na internet não era uma trilha muito fácil de ser feita, então combinamos que teríamos um mês para nos preparar para andar com nossos mochilões com os utensílios necessários para acamparmos em um camping na praia. Ou seja, teríamos que aguentar 15km com bastante coisa nas costas. Foi a melhor decisão que tomamos, porque realmente seria difícil fazê-la totalmente sedentária.
      Enfim, vamos ao que realmente importa!
      Partimos de São José dos Campos às 4h30 da manhã com destino a balsa pela Tamoios. Estava bem vazia, então foi tranquilo chegar em São Sebastião. Demoramos algo em torno de 2h20 para chegar e mais 30 min para realmente iniciar a travessia da balsa. O preço para fazer a travessia é um pouco salgado, R$28,00, mas vale muito a pena. Chegamos em Ilhabela 7h30 e seguimos rumo extremo sul da ilha, onde lemos na internet ter um estacionamento do Zé da Sepituba. Para chegar la tivemos que andar alguns metros em uma estrada de terra bem tranquila e lá pelas 8h estávamos estacionados. O pernoite custou R$30,00. Fizemos um último xixi, comemos uns pãezinhos que preparamos para o fim de semana (foram ao todo 8 sanduíches com requeijão e presunto, 10 ovos cozidos e algumas tapiocas e sardinha, que acabamos não comendo) e iniciamos a trilha 8h30.
      A trilha é muito bem demarcada e não tem dificuldade nenhuma para seguir. Seguimos em um ritmo bem tranquilo, por mais ou menos 1h, quando alcançamos a primeira cachoeira. Nesse primeiro momento o cansaço ainda é pequeno, tem algumas subidas e descidas, mas não foi suficiente para nos deixar muito cansados. Porém, foi muito gostoso parar o esforço físico para entrar nas águas gelaaaadas da primeira cachoeira: cachoeira da Laje. Tem uma ponte bem bonitinha para atravessar, que é igual nas três cachoeiras seguintes.



      Primeira cachoeira (cachoeira da Laje).
      Depois de nos refrescarmos bastante seguimos nosso caminho, chegando na segunda cachoeira (cachoeira Areado) depois de mais ou menos umas 2h. Nesse ponto já havíamos subido e descido bastante então estávamos mais cansados. Tentamos entrar nela, mas os borrachudos que até então não tinham nos atormentado tornaram impossível ficar sem calça e blusa, o pouco de tempo que fiquei de biquini para entrar na água tomei algumas picadas no tornozelo. Resolvemos ficar com a roupa mesmo e apenas molhar os pés. Seguem fotos dela.


      Segunda cachoeira (cachoeira Areado).
      Depois dessa cachoeira, andamos por mais um tempo, não sei ao certo quanto, e vimos pela primeira vez a praia ao longe. Nesse momento, tente procurar por uma trilha secundária que dá em um mirante muito bonito da praia, como na foto abaixo. Já dava para ouvir o barulho da queda da última cachoeira o que significava que realmente estávamos chegando. Tiramos algumas fotos nesse mirante (até subimos em uma das pedras!) e depois seguimos para os últimos km até a maravilhosa praia do Bonete.

      Primeira vista da praia durante a trilha.

      Mirante incrível um pouco antes da última cachoeira.
      Por fim, chegamos na última cachoeira, cachoeira Saquinho, mas estávamos tão ansiosos para chegar a praia que tiramos algumas fotos rápidas e seguimos até o destino final.

      Última cachoeira (cachoeira Saquinho).
      Chegamos na praia por volta das 14h30, totalizando 6h de trilha. Assim que chegamos já fomos direto procurar por um camping. Tinha um logo no início da praia, bem próximo da areia que a princípio gostamos muito, mas tínhamos lido bastante sobre o camping do Eugênio e resolvemos procurá-lo para decidir qual era o melhor. O camping do Eugênio era muito mais longe da praia e não encontramos ninguém para nos informar quanto ao preço , banheiro, etc, então decidimos voltar para o primeiro que tinha banho quente e um espaço bom para colocar nossa barraca, por R$30,00 cada um.
      Montamos tudo e fomos para a praia. Nesse momento tivemos o primeiro vislumbre do que são os borrachudos e o poder que eles tem para incomodar. Passe muito repelente quando for e de preferência tente comprar o da ilha que na minha opinião é o único que funciona. Fui tão picada nessa viagem que minha perna está inchada até agora e estou tendo que tomar antialérgico de 8 em 8 horas.
      Depois de nos banharmos um pouco nas águas cristalinas do mar do Bonete (um mar bastante bravo), tomamos um banho e resolvemos descansar. Dormimos até 20h30 quando sentimos muita fome e fomos no restaurante ao lado do camping. Pedimos um prato comercial de 30 reais cada um, com filé de frango, farofa, arroz, feijão e salada. Muito bem servido, geralmente não aguento comer muito, mas nesse dia a fome tava gigante e comi até o último grão de arroz que tinha no prato.
      Depois dessa refeição maravilhosa fomos passear na praia a noite, sob uma lua cheia incrivelmente bonita. A praia era praticamente nossa, foi uma sensação gostosa passear por ela. Sentamos um pouco e depois quando sentimos sono voltamos para a barraca para dormir.
      No dia seguinte tínhamos combinado de acordar cedo para ver o nascer do sol, mas como ele não nasce no mar ficamos com preguiça e fomos acordar somente 8h30. Colocamos uma roupa para fazer trilha, pegamos uma mochilinha menor com apenas água, câmera e uns pãezinhos e partimos rumo ao mirante do outro lado da praia. a trilha é um pouco difícil de achar, mas é só perguntar para os moradores que indicam para você. Tem bastante subida, depois de andar até o Bonete pode ser bastante cansativo, mas vale muito a pena. Depois de alguns km, acredito que no máximo 2, você chega ao mirante. Tem várias pedras que você pode tirar fotos, é só continuar andando. 

      Mirante da praia do Bonete.

      Vista do outro lado do mirante.
      Depois de tirarmos bastante foto resolvemos seguir a trilha que daria até a praia das Enxovas que, de acordo com a placa, ficava a 3,3km dali. Para chegar é bem fácil, apenas descida, mas para voltar pode ser bastante cansativa. A praia das Enxovas é maravilhosa também, mas sofremos um grande ataque de borrachudos quando chegamos lá. O mar possui bastante pedra, então tem que tomar cuidado para não machucar os pés.


      Praia das Enxovas.
      Depois de voltarmos para o Bonete, agendamos às 16h com um dos locais para voltarmos de barco, porque, confesso, minhas pernas já estavam muito cansadas para fazer a trilha de volta. Tomamos banho, arrumamos nossas coisas e fomos para o barco. Nesse momento foi quando mais tomei picadas em toda a viagem, por estar de shorts e não calça. Não façam isso!

      Essa última parte da viagem foi um pouco conturbada. O moço que nos levou de barco nos deixou em um lugar cheio de pedras muito escorregadias e nos pediu para seguir por uma trilha de uns 10 minutos até o estacionamento do Zé. Para mim foi muito ruim, porque escorregava muito e a minha mochila pesada me atrapalhava mais ainda, me deixando um pouco irritada. Lucas teve que me ajudar levando não só a mochila dele, mas a minha também, porque eu não conseguia subir sem escorregar. A trilha toda até o estacionamento foi assim, o que foi um pouco irritante. 17h estávamos no carro pronto para irmos comer em Ilhabela.
      Aproveitamos o fim de tarde para passear na praia do Julião e depois seguimos para a vila tomar um sorvete do Rochinha. Para completar a gordisse, passamos no restaurante "O caminho da pizza" para comer uma pizza deliciosa de massa fina na pedra.
      É isso! Foi um passeio incrível, com certeza farei de novo. Um dos lugares mais bonitos que já estive. Apenas os borrachudos poderiam ficar de fora.
      Até mais!
    • Por xxcharles
      Eaee Mochileirosss
       
      Eu não me canso de fazer relatos ruins ... ;D
       
      Já tinha feito esta trilha para o bonete, mas não com uma cargueira, alias, foi a primeira trip com cargueira q fiz ... como td marinheiro de primeira viagem, c coloca coisa demais, ela fik bem pesada, e isso te atrapalha bastante ;D
      Não organizamos muito bem o horario de partida, e academos pegando o final da trilha no escuro ;D (experiencia nova .. ate q legal ;D)
      O Bonete é uma vila de pescadores q fica atrás da ilha, para se ter acesso, somente por trilha com a sola do pé mermo, ao chegar em são sebastião, pega-se a balsa para ilhabela, e um ônibus que vai ate a entrada da trilha para o bonete, o nome do ônibus é "BORRIFOS", a trilha não tem segredo, ta mais pra uma estrada, é bem aberta e sem bifurcações, mas é uma caminhada boa, cerca de 12 a 15 km, após 01:30 de caminha (com cargueira), encontra-se a "CACHOEIRA DA LAGE"
       

      Cachoeira da Lage - Ilhabela (parte debaixo onde se escorrega)
       

      Cachoeira da Lage - Ilhabela (parte de cima pocinho legal ;] )
       
      Após passar a cachoeira da lage, avista-se facilmente a continuação da trilha, então começa uma loooongggaaaaaa caminhada ate o areiado, outro ponto de referencia que da para se refrescar, e tirar umas fotos, pois é uma belacachoeira com sua agua limpida e suas pedras claras.
       

      Cachoeira do Areiado - Ilhabela
       
      e Continua a caminhadaaaa, so q agora é pior, pois tem muitas subidas, para ter acesso ao mirante que avista-se o bonete, cerca de 1:30 de caminhada novamente.
       

      Mirante Bonete -Ilhabela
       
      Quando vc ve o mirante é uam visão surpreendente, e vc pensa UHULLL CHEGO ... mais ow menos ainda tem uma descidinha boa ;D
      existem mais uam cachoeirinha no caminho so que não tirei foto =/ ...
      iniciamos a trilha por volta das 3:00, e chegamos por volta de 8:00, foi um tempo razoavel já que paramos para tomar alguns banhos nas cachoeiras.
      procuramos o camping guapuruvu, pois ja me haviam dito que é um dos melhores de instalação , tem ate uma lanchonetizinha, mor barato as coisas, R$ 15,00 uma pizza, R$ 3,00 um hamburguer ;D ... mas nos fizemos nossa comida mesmo já que levamos muiiiiita coisa...
       

      Camping Guapuruvu - Ilhabela
       
      Dormimos pois estamos podre de cançasso, e no dia seguinte estava mor chuva =/ perdemos praticamente a manhã intera, mas eu como sou pilhado agitei par airmos fazre a trilha ate enchovas na chuva mermo ... não consigo ficar sem fazer nd ;D, praia linda cheia de borrachudos ;D
      ,
      a trilha para a praia do lado enchovas, começa logo ao lado do poço formoso q fica atrás da vila, para ter acesso a ele, pega-se a rua do lado da igreja, e vai seguindo a direção q da pra andar, ate o Mcbonete, então começa do lado uma estradinha de terra que dá ao poço formoso, atravessando este poço encontra-se a trilha para enchovas. existe um mirante lindo no caminho.
       

      Mirante sentido Bonete - Ilhabela
       

      Praia Enchovas - Ilhabela (com chuva =[ )
       
      A praia de enchovas é bem distinta, pois possui muitas pedras na sua orla (é assim que chama a parte de areia ?), mas muioto bela também, com um rio ao centro, nesta praia moram apenas 2 familias de pescadores, outra coisa boa é q tem coqueiros, ou seja tem cocos verdes , achem uma faca enferrujada no chão como nós e abra os cocos e se delicie ...
       

      Praia Enchovas - Ilhabela
       

      Praia Enchovas - Ilhabela
       
      o
      Como estavamos sendo comidos vivos pelos borrachudos, voltamos para o bonete, e aproveitamos para ficar no poço formoso (breve coloco a foto).
      voltamos para o camping, tomamos um banho, que de nada adiantou, pois fomos dar uns mergulhos na praia do bonete, e no Rio do bonete, ao lado da praia.
       

      Rio Bonete - Ilhabela
       
      Estava entardecendo, então voltamos para o camping, durmimos e decidimos ir de barco embora, pois a betinah e o jaiminho estavam muito cançados e destruidos, hora chata =[, saber que tem q ir embora =/.
       

      Hora de ir embora =[
       

      Barquinho enjuativo... (canoa)
       
      ;]
      Depois foi so alegria, de volta pra balsa, pro onibus, e tralala lalal lala ...
       
      ;]
      !! fiquem com Deus !!
       

    • Por Bruna Gramolelli
      Vou para Ilhabela desde 1982 e já fazia um bom tempo que pretendia fazer esta travessia.
       
      Chegamos em Ilhabela na madrugada do dia 20 para 21 de Dezembro de 2013 e pernoitamos na casa da minha família.
       
      Estávamos num grupo de 7 pessoas: Biro (marido), Carlos (irmão), Luciana e Andrea (amigas), Massa (amigo do meu irmão), Álvaro (amigo caiçara artista) e eu.
       
      Por volta das 8 h da manhã do dia 21/12 (sábado) levei meu irmão e o Massa até o mirante da Estrada dos Castelhanos e de lá eles iam continuar a pé. A estrada estava parecendo um tapete, melhor que muitos asfaltos de São Paulo. Agora há limite de carros, jipes e motos para ir à Praia dos Castelhanos e pode subir até às 14 h.
      Não pude ir com o meu Gurgel X-12 levando a galera, pois não tinha quem o trouxesse de volta dos Castelhanos, então decidimos alugar um jipe para nos levar.
       

       
      Por volta das 11 h da manhã o jipe da Ilha Adventure passou para pegar o restante do pessoal. Eles cobraram R$ 50 por pessoa, pois só faríamos o caminho de ida. Chegamos no Castelhanos meio-dia. Meu irmão e o Massa já tinham armado as barracas e estavam cansados de nos esperar. Os sortudos conseguiram uma carona!
      O melhor camping do Castelhanos, para mim, é o Camping do Léo. É bem limpo, banheiro grande com água quente e papel higiênico. Coberturas de lona para acampar em baixo, pias espalhadas pelo camping, churrasqueiras, tomadas e energia elétrica até às 22 h. Só não tem água tratada, vem direto da cachoeira. Mas é potável, porque não morremos, nem ficamos doente, kkkkkk! A diária por pessoa foi R$ 10.
       

       
      Nos acomodamos e almoçamos no restaurante próximo ao camping (R$ 17 PF com peixe e salada), pra quem conhece, o bar/restaurante era do Canindé, figura incrível, usava óculos fundo de garrafa e contava estórias de ET.
       
      Depois fomos fazer a trilha da Cachoeira do Gato ou Véu de Noiva, como preferirem. Olhando a praia de frente, deve-se caminhar para a esquerda e ir até o final da praia, próximo ao bar do Fernando. De lá tem uma placa indicando a trilha, que passa através da vila dos moradores e em aproximadamente meia hora de caminhada chegamos para ver a obra da natureza com 80 metros de queda! Tem um poço que pode ser alcançado andando por cima da laje de pedra (muito cuidado, pois é escorregadio).
       

       

       
      Na volta resolvemos passar no mirante, que eu esqueci o nome, mas é uma pedra com uma escada de alumínio chumbada. Pegar a “trilha” que sai do lado esquerdo do bar do Fernando, subir a esquerda na escada (cimento), passar pelo portão e entrar na vila dos moradores, à direita tem uma placa indicando o mirante. Basta subir por um gramado, onde tem o alicerce de uma casa e seguir em frente, a trilha estava fechadinha, vegetação de sapezal. Logo avistará a enorme pedra! São só 10 minutos, mas que valem muito a pena!
       

       
      Depois voltamos para o Camping e ficamos curtindo a praia e os borrachudos e como tinha desta vez! Ou você ficava na água ou colocava calça e meia.
      Nossa janta foi pão com salame, mas o restaurante serve comida até às 19 h. Ficamos jogando conversa fora e olhando o céu estrelado, maravilhoso por sinal! Por volta das 23:30 h surpreendentemente a lua cheia começa nascer, mais parecia o sol!!! Nunca tinha visto tal espetáculo!!! Sem palavras, foi sensacional! Os créditos da foto vão para o Massa!
       

       
      Começamos a caminhada às 8:30 h. A trilha sai do lado direito (olhando para praia) e já começa numa subida leve, barro vermelho e é bem aberta. Depois de meia hora, passamos pela Praia Mansa, pequena, com uma escola e muitos barcos de pescadores. Continuamos e cruzamos um riozinho, que é normal, pois Ilhabela possui mais de 300 nascentes de água.
       

       
      Em 45 minutos alcançamos a Praia Vermelha e descansamos por uns 15 minutos no gramado de uma humilde residência, kkkk
       

       
      Passando esta casa e um local onde se guarda barcos (armação de vigas de madeira e telhado), pegar uma pequena ponte de madeira à direita, que passa por um manguezal.
       

       
      Neste ponto um caiçara nos alertou sobre uma casa que tinha um cachorro bravo e falou para gente levar uns pedaços de “pau”, mas ele acabou indo junto e realmente passamos pela casa com o cachorro chamado “Barulho”, onde sua dona ficava gritando: Não Barulho, eles são amigos!
       
      Passamos por mais um riozinho e começamos realmente a travessia! Sentimos o peso do sol e da íngreme subida em meio a um sapezal.
       
      Dica: não olhe para frente, senão desanima. Olhe o chão e quando parar para descansar nas raras sombras olhe para trás! A vista é maravilhosa!
       

       
      Depois que a subida acabou, entramos na trilha em meio a Mata Atlântica, o sol não chegava mais ao solo, o que nos deu um novo ânimo.
       
      A trilha estava bem aberta devido ao evento X-Terra que aconteceu no meio do ano passado. Além disto é bem demarcada, com cortes nos troncos no decorrer de toda a trilha.
       

       
      A trilha passa entre 2 pedras, é uma vista diferente, pois tudo que você vê são árvores .
       
      Chegamos num terreno mais plano e em alguns lugares tinha atoleiro. Já li relatos sobre este local como charco, mas estava bem mais seco do que eu pensei... Os nativos chamam de Charco das 7 Voltas, onde muitas pessoas costumam se perder.
       
      Vimos várias demarcações nas raízes das árvores, expostas bem no meio da trilha. Depois de passar pelo mesmo riacho que dá 7 voltas, chegamos numa região de bambuzal, onde o dono da Fazenda Indaiauba faz a captação de água. Esse cara é zica, ele é o rei da soja no Brasil e seu filho era dono da Sagatiba, que foi vendida para Campari. Paramos para descansar neste ponto, onde tem uma placa indicando a trilha dos Castelhanos (se fizer a trilha sentido Bonete x Castelhanos). Continuamos seguindo as tubulações de água e saímos no portal de pedras. Descendo a "rua", sai na praia.
       

       
      Seguindo o calçamento de pedras, à direita, há uma cachoeirinha. Continuar em frente e na bifurcação manter a direita. O calçamento acaba e começa a trilha novamente, sentido Praia das Enxovas.
       
      Chegamos novamente em outro rio, este mais largo um pouco, mas a água não chegava nem na cintura. Seguimos o rio numa trilha paralela, que nos levou à praia, com um quebra-mar feito de pedras empilhadas de fora a fora. Acredito que tenha sido obra dos moradores.
      Não sabíamos muito bem em que direção seguir, então o Álvaro perguntou na vila dos caiçaras. Atravessamos o rio, passamos por um bananal e continuamos na trilha que saía do final da praia. No caminho, havia uma árvore caída e tivemos que pisar em seu tronco (que já estava na direção da pirambeira).
       
      Começamos avistar o Bonete e eu falava: agora está chegando, mas ninguém acreditava em mim... Acho que nem eu mesma acreditava, mas não podia desanimar!
       

       
      Ao chegarmos na região plana, vimos uma placa indicando: Praia à 600 m, mas mais pareciam 6 km. Enfim, chegamos na praia, depois de 9 h de percurso. Conheço pessoas que já fizeram em 6 h e os caiçaras fazem em 3:30 h e se duvidar ainda descalços! Kkk
       
      Arranquei meu tênis, ufa! Que alívio! Caminhei até o ribeirão no canto esquerdo da praia e sentei na água do jeito que estava. Fiquei relaxando e um caiçara estava mexendo em seu barco. Perguntei o preço para nos levar até a Praia do Perequê, pois neste momento não queríamos nem pensar em andar mais. O valor foi R$ 60 por pessoa.
       
      Para dormir nos dividimos: 4 foram para a Pousada da Dona Rosa, a mais barata do Bonete: R$ 45 a diária com café-da-manhã. Meu marido, meu brother e eu ficamos no Camping da Vargem, com chuveiro aquecido a gás (R$ 20 a diária). No Bonete toda a água é tratada pela prefeitura, tem Posto de Saúde, orelhão via satélite, luz durante toda noite e na pousada tinha até Wi Fi!
       
      Tomamos banho e fomos comer um marmitex de R$ 10 com peixe. Ficamos um pouco na praia, tinha um pessoal fazendo lual e depois fomos descansar.
       
      Na manhã seguinte o cara do barco, de apelido Feijão passou no Camping e combinamos sair às 10 h. O barco tinha 4 lugares e nos dividimos novamente: Alvaro, Biro e a Luciana foram pela trilha (que eu já conhecia) e o restante foi de barco. O que foi muito bom, pois nunca tinha andado de barco! Levamos toda a bagagem e em 50 minutos estávamos na Praia do Perequê. O pessoal que foi pela trilha, fez em 3:30h até o ponto final do ônibus em Borrifos. E assim acabou esta aventura!
       

       
      Para ver mais fotos e outros relatos acessar [linkbox]http://trilhegal.blogspot.com.br/[/linkbox]

×
×
  • Criar Novo...