Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Jorge Soto

De Porto Seguro até Prado... a pé!

Posts Recomendados

DESCOBRINDO AS PRAIAS DE CABRAL

Qdo aportaram no pais, no dia 22 de abril de 1500, os portugueses da esquadra de Cabral acreditavam ter encontrado o paraíso terrestre, e o escrivão da empreitada, Pero Vaz de Caminha, não poupou adjetivos à exuberancia de nosso litoral ao rei Dom Manuel. Praias belíssimas, mata atlântica rica, água cristalina, nativos hospitaleiros, enfim, um paraíso mesmo. E agora? Após todo esse tempo, e com os naturais avanços da civilização e das cdades rente a orla, sera q td continua na mesma? A idéia era caminhar pelas praias da Costa do Descobrimento, saindo de Porto Seguro e chegar até Prado - num percurso de mais de 100km - e constatar se de fato este pedaço do litoral sul bahiano realmente ainda preserva e mantém as maravilhosas paisagens (algumas intocadas) de rios, nativos e cultura, q encantaram nossos irmãos lusitanos a 500 anos atrás.

 

CHEGANDO NA "CHIQUE-SELVAGEM" ARRAIAL D'ÁJUDA

O dia amanhece chuviscando muito com razoaveis rajadas de vento. O céu cinza matutino daquela terca-feira me irrita pois acordara cedo (5:30) exatamente pra deixar o camping com tranqüilidade e sem maiores preocupações. Estou em Porto Seguro, um dos locais onde o Astro Rei impera quase todo o ano, mas parece q é justamente comigo q as leis climáticas não se aplicam. Fico enrolando mais uma hora ate a chuva diminuir um pouco. Mas ela não diminui e o jeito é sair dali assim mesmo, com a barraca molhada pra pesar mais na minha bagagem. Q beleza...

A noitada anterior havia sido bem animada, regada a muito agito nos camelôdromos de batidas na Passarela do Alcool, axé de rua, e umas doses moderadas de "capeta", q ainda rebimbavam na minha cabeça. Mesmo assim estava animado em dar inicio a mais uma caminhada q me propusera, e queria estar de acordo meu cronograma de verão, com chuva ou sem.

Arrumo td as pressas, protegido da chuva parcialmente por uma enorme arvore do lado, e imediatamente sigo em direção ao cais, bem no centro da animada cidade, não muito longe. Desço uma ladeira, passo o Trevo do Cabral e já me encontro no centro comercial, mas prefiro seguir pela orla, na rua do Cais, com a chuva fustigando meu rosto. A agitada Passarela do Álcool esta vazia e apenas poucas pessoas se arriscam a andar pela rua naquela manha atípica. Do outro lado, o largo Rio Buranhém se encontra com o mar, ligeiramente agitado. Olho alem dos limites do rio e vejo onde devo chegar, la do outro lado, onde coqueiros numa pequena faixa de areia tremulam ao vento na Ponta do Apagafogo.

Num piscar de olhos já me encontro na Praça dos Tapajós, onde, mediante a módica taxa tomo condução de barco pra cruzar o rio, onde me ajeito num dos inúmeros bancos molhados pela chuva, q agora dava uma tregua. São sete e meia da matina. O trajeto de balsa é rápido e desinteressante, apenas aproveito o curto espco de tempo pra beliscar alguma coisa da mochila.

Já do outro lado, desembarco ao lado dos poucos passageiros e veiculos, onde procuro me orientar q direção seguir. Busoes e vans aguardam pra levar pra Arraial D'ajuda, distante 5km dali, mas é claro q a idéia é faze-lo a pé, pela praia. Atravesso algumas casas e já me encontro nas areias da praia do Apagafogo.

A maré está ligeiramente alta mas ainda permite caminhar ora pela areia dura próxima da água, ora pela areia fofa e molhada pela chuva. Claro q prefiro andar pela areia firme e dura rente ao balanço das ondas, onde a pegada é firme ,sem desgaste físico maior. Nos próximos dias descobriria a importância do horario das marés em minha trip.

Com a manha insossa e tremendamente feia, não me estranha q a praia esteja igualmente vazia. Apenas alguns eletricos quero-queros procurando alimento me dão as boas vindas. Não dá pra apreciar as praias num tempo desses, com certeza, mas são praias enormes q se perdem na próxima ponta ou enseada, ainda com bastantes quiosques e pousadas rente a areia. Enfim, civilização, q por ora esta totalmetne apagada.

Após uma hora caminhando calmamente, e passar as praias de Araçaípe e Do Delegado, é q avisto a pequena Arraial D'ajuda, ou "Esquina do Mundo", como tb é conhecida. Pequenina, situada no alto de um morro coberto de vegetação, já no final daquela praia. Sigo adiante com o tempo já dando sinais de melhora.

No final dela, já na Bahia dos Pescadores, coleto informações com locais num quiosque e prossigo adiante, pela extensa Praia do Mucugé, onde na orla vejo um enorme parque temático aquático, o Water Park Paradise, q termina juntamente com a praia. São exatamente nove e meia quando oficialmente chego em Arraial D'ajuda, subindo pela íngreme Estrada do Mucugé (ou Rua da Praia, para os locais) pra chegar na vila central. Nesta rua de paralelepipedos se concentra boa parte de todas as lojas, pousadas, bares, artesanias, bazares e vários mini-shoppings! O estilo é tropical mesmo e a impressão q se tem é q se esta num shopping com motivos ecológicos em todo canto, já q boa parte dos bares e restaurantes não tem paredes, e as cadeiras e mesas estão sob a sombra frondosa de gdes arvores.

Em tempo, Arraial D'ajuda foi um povoado jesuíta fundado em 1549 como pto de partida pra catequização indígena, e agora é mais uma versão menos massificada da vizinha Pto Seguro. Td no melhor estilo rústico-chique, claro!

Para meu azar, as infos de camping q eu tinha tavam meio defasadas, ou seja, não havia mais campings. Sou obrigado a perguntar alternativas, onde acabo seguindo as dicas de um cara. Começa a chover novalemente, pra minha infelicidade. As pressas, peguei uma ruazinha, o Beco dos Jegues, onde chama-me a atenção um bar chiquerrimo anunciando pra experimentar um tal de "Mac Jegue"!? Enfim, termino encontrando local pra ficar, no final da rua, no quintal de uma casa/pousada bem meia-boca e repleta de bicho grilo recém-levantando. Uma placa no portao "cuidado com o cão" chama a atenção, pois nem cachorro la havia! Dose foi achar local pra estender a barraca, o chão tava todo detonado com lama, mal cuidado, etc..Tinha q ficar esperto pois tava cheio de pé de jaca, e o chão estava repleto do tal fruto espatifado..

São onze horas e, após descansar e tomar café dividamente na barraca, é hora de sair um pouco, pois já estava farto de escutar os quebra-pau da família de dentro da casa. "Porra, vc lavou seu tênis na banheira do bebê!?", ouvi de fora, já dando a entender q a estadia ali seria tediante caso não saísse pra dar uma volta logo. Pra ajudar a chuva pára definitivamente e um solão lindo surge nos céus. E juntamente com o sol, surge parece q todo mundo tb.

Da Rua da Praia sigo em direção ao centro historico da vila, na Pca São Braz, repleta de barracas de artesanias e quiosques de comida e bebida. Aqui tb há uma rua q remete à fama,"Broduei", cheia de comercio onde no final chega-se ao principal monumento histórico dali, a bonita e charmosa Igreja Nossa Senhora d'Ajuda, marco zero do povoado e q atrai muitos devotos. Ao redor há uma pracinha e um quadrilátero com um casario colonial, agora adaptado ao comercio.

Atrás da igrejinha há uma espécie de pequeno mirante, onde pude observar em panorâmica toda a costa dali e, ao longe, o q andara desde Pto Seguro. Uma vista bonita, onde as tonalidades de azul do mar são realçadas pela presença de corais e pelas marés!

Com o sol a pino, as praias já estavam literalmetne lotadas. Dali, desci ao pé do morro por uma escadaria ate onde existe uma Fonte Sagrada (ou Banho da Santa), q segundo dizem originou o povoado e proveu os colonos de seu precioso liquido.

Ao pé do morro, resolvi ir agora passear pelas lindas e largas praias de Arraial - agora com a maré visivelmente baixa - a começar pela praia de Mucugé, de águas calmas e tranqüilas devido aos recifes q bloqueiam as ondas, e q agora formavam piscinas naturais. Mais adiante fica a Praia do Parracho, q devido a sua proximidade da vila, fica tremendamente farofada, repleta de megaquiosques e bares com som (de preferência axé ou reggae) altíssimo, cadeiras de praia na areia, muita muvuca e pouco espaço ate pra passar por ela e muito ambulante. Não gostei desta q deve ser o point das praias.

Andando uns 5km mais pro sul fica a praia de Pitinga, bem mais calma q a anterior, tanto nas águas como no movimento, sendo aqui o lugar perfeito de quem ta afim de sossego mesmo. Areia branca e fofa com coqueirais providenciando sombra na medida certa. Bares? Um e outro somente. Foi no final desta praia onde descansei um bom tempo, apreciando o vai-vem dos poucos turistas q se arriscam a andar um pouco mais de Arraial. Daqui já tive tb uma visão do q me aguardava o dia seguinte, a enorme praia do Taipe, q se perdia no horizonte!

São quase tres da tarde e o sol tava pegando forte. Resolvi voltar, apreciando as águas verdes de vários tons formadas nas piscinas naturais q os recifes formavam. Um vento forte começa e espalha areia pra td qto é canto. Novamente na muvuca do Parracho, atravesso os quiosques dos bacanas, turistas gringos e endinheirados. Aqui há muitos ambulantes te assediando, desde vendedores de espetos de camarão, de queijo frito (e sua inseparável latinha com carvão acessa), de artesanias, até tatuadores de henna..um inferno!

Logo me encontro no comecinho da Rua da Praia, ao pé da pirambeira. Aqui é o local chamado Beco da Alegria, repleto de quiosques populares e botequinhos/biroscas quase q freqüentados pelos locais, q tem mais a minha cara e onde mato minha sede com uma bem vinda cervejinha!

A seguir faço minhas compras de provisões, pão, leite, etc..e noto q o tempo começa a nublar, porem mantem-se incrivelmente quente. Volto pra barraca pra lavar algumas roupas e descansar.

Mais tarde, dou mais uma voltinha pela vila, apinhada de turistas gringos nas pequenas e estreitas ruas, repletas de lojas de roupa de griffe, principalmente perto do Beco das Cores. Já começa a escurecer e boa parte das lojinhas começa a abrir. Na pracinha central ta cheio de ambulantes e hippies vendendo artesanias, alem das tradicionais barraquinhas de "capeta". So ai q reparo q o pequeno e discreto cemitério da cidade fica bem no meio da mesma praça!? Fico enrolando nesse centrinho, dando voltas e voltas, ate q estaciono num boteco próximo, tomando uma cervejinha e já estudando o percurso pro dia seguinte.

Ouço barulho de musica vindo de td qto é canto, de barzinho, pousadas, dos veículos, etc. Por incrível q pareça em sua maior parte não é axé, e sim o bate-estaca de musica eletronica, entremeado de rock, forró e mpb. Bem, já começo a sentir cansaço. Pra não dizer q não comi nada, mando ver um acarajé de uma ambulante trajada a caráter. "Pimenta?", me pergunta a moça. E eu, desconhecendo q o negocio já vem ardido, deixo ela colocar mais um pouco. Quase cuspindo fogo, acabo comendo ele mesmo assim, pois apesar disso tava mto gostoso...depois de mandar vários copos d'agua!

A Rua da Praia agora esta quase lotada de gente indo e vindo, assim como as pequenas transversais. De noite é o "foooting" da galera, principalmente de argentinos e italianos. Não era de se estranhar q quase todos os cardápios de restaurantes anunciava seus cardápios tb em inglês e hebraico. Dou minha ultima voltinha antes de me recolher la pelas dez..onze horas, com cada vez mais movimento e mais animação pelas ruas, mas o cansaço me chama com mais força. Volto pra barraca já imaginando a dura caminhada do dia seguinte, enquanto o barulho de musica ta cada vez mais intenso. Mas eu não to nem ai. Pelo jeito a noite aqui tava apenas começando, pois no fundo não importa a balada. Estar na "Esquina do Mundo" de bem consigo mesmo ou em boa companhia já garante a diversão de qualquer um.

 

CIRCULANDO PELO QUADRADO DE TRANCOSO

Levanto - ao som de um galo vizinho - bem disposto antes das seis da matina, arrumo as coisas e já coloco pé no chão, deixando pra trás as dependências do moquifo onde pernoitara. A noite fora sossegada, mesmo ouvindo o barulho dos bares próximos, q se estendera ate altas horas da noite. Mas o cansaço falava mais alto e nessas horas vc dorme em qq canto.

Subo a estreita Rua do Jegue, tomo a principal, q ta totalmente vazia, e me dirijo à praia. No Beco da Alegria, uma única barraquinha tá aberta e la compro um salgado q me providencia um café da manha duvidoso.. A maré desta manha ta bem alta, deixando apenas uma estreita faixa de areia, completamente fofa e difícil de andar. Não sigo pela praia e sim por uma estradinha de terra paralela, em meio a muita restinga e mata atlântica, q leva ate a Praia do Pitinga, me poupando de desgastes desnecessários.

Já na Praia do Pitinga, o jeito é ir mesmo pela praia e seguir em frente. Pé no chão, ou melhor, pé na areia! O dia esta parcialmente nublado com um sol q fica nesse sai-não-sai. A idéia é começar a caminhar cedo justamente pra evitar o abrasante sol bahiano. E assim ando pela mesma praia, agora quase deserta e sem a visão dos recifes e piscinas naturais, chegando, após a ponta, ate o ponto onde descansara o dia anterior. Atraveso o Rio Pitinga com água ate as canelas, felizmente bem baixinho.

Daqui em diante a paisagem muda radicalmente. Do lado da estreita praia, enormes morros de mais de 20m, de diversos tons avermelhados e lilases, refletem os primeiros raios matutinos num espetáculo grandioso. São as chamadas falésias, e estas se perdem no horizonte. Alem disso, a impressão q eu tive delas não era diferente da q Pero Vaz de Caminha teve ao descreve-las em sua famosa carta. Vejo algumas poucas pessoas caminhando pela praia, entre elas um senhor bem gordinho, bem na minha frente.

A partir daqui a caminhada começa a se tornar ligeiramente pesada, mesmo descalço. A maré alta deixou apenas a areia alta e fofa para pisar, inclinada, e o exercício de caminhar é redobrado, mas felizmente estou bem disposto e descansado. Meu paso é moderado, tranquilo, porem constante, e num piscar de olhos me encontro na enorme e extensa Praia do Taipe, onde as falésias se perdem no horizonte e não se vê sinal de quiosque algum. Apenas areia, uma matinha rasteira ao pé das falésias e mais nada. A caminhada prossegue dura, mas ao mesmo bem interessante, pois aqui a praia se alarga mais um pouco e caminha-se pelo menos plano. Passo do lado de um buggie abandonado na praia, coberto ate a metade de areia, provavelmente atolou e não saiu mais.

Mais adiante começo a ouvir um barulho de musica eletrônico, q vai aumentando na minha aproximação. No meio daquela praia deserta havia um quiosque onde tava acabando uma dessas festas eletrônicas, as "raves", e muitos jovens ainda chacoalhavam o esqueleto enquanto muitos outros estavam espalhados na areia. Atrás do quiosque, numa enorme falha entre as falésias, estaria a Lagoa Azul, q secara misteriosamente e se limitava agora a uma poça dagua. Dizem q a culpa foi dos turistas, q removeram muita argila de seu leito, pois diziam q esta tinha poderes terapêuticos.

Ao passar, uma das jovens badaleiras - achando q sou peregrino - passa a me acompanhar e bato um papo rápido com ela, me dizendo q Arraial foi pioneira nesses tipos de festas eletronicas q varam a madrugada. Essa daí so ia terminar naquela tarde, e ela não comera nada o dia anterior e tava procurando um quiosque pra beliscar algo, q por sorte encontra mais adiante.

A partir daqui a praia fica quase bem deserta, porem sou sempre acompanhado pelas enormes e majestosas falésias - agora de cores lilases e cinzas - ate q finalmente me deparo com o segundo rio - q deságua no mar - a transpor. Este era o Rio Taipe e já não era tão rasinho assim, era bem mais volumoso e fundo. O senhor gordinho q caminhava a minha frente o atravessara com certa dificuldade, com água acima da cintura. Aqui tenho q retirar a mochila e colocar na cabeça, segurando-a firmemente com as mãos. Atravesso bem devagar, pisando com cautela pois não quero pisar em falso num buraco qq. E assim atravesso os quase cinco metros de largura deste q seria o primeiro dos muitos rios punks q atravessaria.

Pé na areia novamente, acabo chegando no final da praia e das falésias, onde encontro o senhor gordinho descansando. Seu rosto não me é estranho e, pra minha surpresa, o reconheço como o Miguel, um colega do colegial q não via há quase vinte anos!? Ele tb fazia sua caminhada matinal de 14km rumo Trancoso e seguimos o resto da manha juntos, colocando a fofoca em dia e relembrando velhos causos.

Aqui a falésia invade a areia e encontra o mar, e pra chegar a próxima praia é necessário passar pelas pedras de argila, ora escalando-as ora pulando de pedra em pedra. Estas pedras de argila são bem escorregadias e tem fama de terapêuticas, mas o formato de algumas pedras era bem interesante, lembrando castelos ou templos no deserto.

Deixadas as rochas pra trás, deixa-se as falésias tb. Agora a praia é acompanhada um bom tempo por alguma mata atlântica, mas principalmente o q tem mesmo é um enorme e vasto manguezal do lado. Mais um rio a transpor com água ate a cintura e mochila na cabeça, o Rio da Barra. E seguimos agora pela praia do mesmo nome, agora cada vez mais com mais e mais movimento, sinal q estamos próximos de nosso destino.

Por volta das dez da manha já chegamos nas proximidades de Trancoso, na Praia dos Nativos, uma praia mto bonita com coqueiros perfilados em toda sua extensão. O Miguel estaciona num enorme quiosque enquanto eu vou procurar camping pra ficar. Assim como Arraial, a vila de Trancoso fica em cima de uma falésia coberta de vegetação, uns 50m acima do nível do mar, mas pra chegar ao pe do morro antes deve-se passar por passarelinhas ou pontes de madeira q atravessam o enorme manguezal entre a praia e o morro. E carangueijo por td qto é lado..

Muitos turistas recém chegando de busao e muito carangueijinho circulando tb pelas ruas de terra batida da vila. Subo por um atalho ingreme rumo o centro da vila e me deparo já de cara com a Igreja São João Batista, bem no meio do Quadrado, q é um lugar rústico e encantador, um amplo e enorme gramadao cercado de casinhas coloniais coloridas. Na verdade, é uma praçona retangular. Tudo isso rodeado por arvores de cacau, tamarindo, jambo e jaca. Não é a toa q é o cartão postal da vila. Do lado da igrejinha há um camping e é lá mesmo q eu fico, pois to sem saco de ficar procurando lugar. Me ajeito, armo barraca, livro do peso, tomo um banho rápido e vou de encontro com o Miguel.

Antes disso, porem, dou uma rápida olhada na igreja, q esta de costas pro mar. Do lado dela há um mirante com vista panorâmica fabulosa de todos os elementos q a compoem: do mar, q vai mudando das tonalidades azul e verde conforme a incidência de luz; o Rio Trancoso, antes de chegar ao mar, serpenteando a areia varias vezes, formando pequenas ilhas e irriga o mangue de arvores robustas; e a praia propriamente dita, com sua areia branca contrastando com os inúmeros coqueiros verdes perfilados. A brisa suave ameniza o calor escaldante desse horario. No meio do extenso mirante, uma placa de madeira já avisa pra relaxar e simplesmente curtir o local: "Calma, o sábio não se aborrece", escrito tb em inglês. Ops, já ia me esquecendo do Miguel.

Ao retornar pra praia - quase uma hora depois - encontro o Miguel num megaquiosque, e ficamos ali descansando da caminhada, tomando cerveja e comendo uma bela porção de peixe frito, q tava uma delicia! Ao mesmo tempo apreciamos o movimento do meio dia na praia, intenso, repleto de turistas e famílias passando apenas o dia ali, vindas de Pto Seguro. Criancas assediam aos montes vendendo de tudo, queijo qualho frito, redes, cocada, biju e artesanias, etc. Tal qual Arraial, as praias próximas da vila são as mais farofadas, repletas de bares tocando axé, espreguiçadeiras espalhadas na areia, etc. Chama-me a atenção uma fila, na praia, diante uma cabine tal de Jet Bronze, um sistema curioso de bronzeamento por esguicho (!?)

Pra sair dessa farofa total, resolvemos andar um pouco alem do Rio Trancoso, q é bem rasinho. A partir dali começa a extensa e bonita Praia dos Coqueiros, já quase deserta, com muitos coqueiros a beira-mar pra apaziguar o sol forte, mas andamos apenas um pouco. Bem mais adiante estaria a Praia dos Pelados, mas eu so confirmaria se de fato o pessoal fica "mais a vontade" ou não apenas o dia seguinte. São quase tres da tarde, começa a nublar e ventar com força e o Miguel ainda tem q retornar pra Arraial, onde estava hospedado. Me despeço dele e prometemos manter contato.

Estaciono novamente num quioscao e mando mais uma breja, pois apesar de nublado ta quente pacas..Resolvo voltar pra conehcer o centro da vila propriamente dito. Me chama mesmo a atenção a rede de pontes e caminhos de madeira q atravessam os manguezais, algo bem interessante, principalmente pelos montes de carangueijos q circulam livremente sob seus pés no meio do barro e do emaranhado de raízes das arvores semi-alagadas. Ao pé do morro, algumas vielinhas com birosquinhas simples com nomes sugestivos tais como "Passarela do Álcool", "Beco da Perdição", são tentadoras pra mais uma estacionada, mas resolvo mesmo é seguir pra vila mesmo, desta vez subindo o morro não pelo atalho íngreme e sim pelo caminho de terra oficial, ladeado de muita mata atlântica e muito pé de jaca! Outras ruas paralelas levavam para gdes empreendimentos turísticos q atrai gente famosa, e ate tem um Club Méd perto dali!?

Trancoso foi uma aldeia jesuítica fundada em no séc 16, um projeto utópico de catequização dos pataxós. Depois de todo esse tempo, vila ainda guarda seu charme pois foi redescoberta pelos hippies e nudistas na década de 70.

Volto pro camping pra descansar e tomar um belo banho. O camping tem boa infra estrutura, o gramadao é continuação do Quadrado e esta apinhado de jovens e algumas famílias. Por estar acima do morro venta bastante. São quase cinco da tarde e começa a nublar, de praxe.

Novamente no Quadrado (nome dado à antiga vila de índios e q na verdade é um retângulo), dou uma voltinha geral pelas charmosas casas coloridas e a impressão é q o tempo congelou ali, pois turistas, hippies e nativos se misturam. No centro do enorme gramadao crianças batem bola e os bicho grilo começam a se estabelecer no entorno pra vender suas artesanias. O casario colonial dali, pintado com fortes cores vivas, chama bastante a atenção, agora convertidas em bares, lojas ou pousadinhas. Principalmente lojinhas de artesanato chique, com galinhas d'angola decorativas aos montes.

Passeando alem do Quadrado, vila adentro, nota-se q as ruazinhas - agora asfaltadas - se entrelaçam revelando pousadas e mais pousadas escondidas na sombra de enormes arvores, alem de pequenos estabelecimentos comerciais, onde evidentemente compro minhas provisões diárias. Alem disso, há muitos ateliês chiques e lojas bonitas! O ironico é q boa parte das lojas de artesanato vende produtos de arte/design chiques e pouquíssimas vendem artesanato local, isto é, dos índios pataxós!

Começa a chuviscar e me protejo numa lojinha, degustando um bom e velho dogão de ambulante, nada com pimenta desta vez!

As luzes começam a acender, a night de Trancoso tem inicio. Não há muito movimento já q o tempo não ajuda muito, mesmo assim vê-se um vai-vem típico, porem menor q Arraial. Os bares e danceterias começam a inundar as ruas com diversos ritmos. Tem uma, a ParaRaio, q tem uma proprietária famosa, a Elba Ramalho! Longe de maiores baladinhas e já cansado e sonolento, preciso me recolher pois o dia seguinte sera bem desgastante! Antes disso, dou minha ultima volta pela vila, apenas apreciando o bonita q ela fica ao ser iluminada artificialmente. As casinhas do Quadrado ganham um tom especial com a iluminação noturna, tons italianados, balineses, enfim, a vila ganha nova aura, não menos encantadora. São quase onze horas da noite.

O sono demora a chegar, principalmente com a família acampada do meu lado fazendo aquele baita churrasquinho beeem cheiroso impregnando minha barraca, mas a obrigação de estar inteiraço por dia seguinte é incrivelmente maior. Enfim, o sono vem naturalmente. Bem, se no principio eram os índios e depois os jesuítas, agora são os turistas, hippies e mochileiros q resolveram descobrir este pedacinho de terra do Brasil. E embora já tenha gdes empreendimentos turísticos, é ótimo ainda constatar q Trancoso mantem a aura rústica, charmosa e romantica q lhe deu fama.

 

30KM DE AREIA ATE CURUIPE E ESPELHO

Levanto pontualmente as seis e meia, e o camping ta um silencio só. Apenas alguns jovens retornando das noitadas vira e mexe aparecem, meio bêbados. Arrumo minhas tralhas e me dirijo rumo a praia, lançando um ultimo olhar por Quadrado. Ao invés de seguir pelas areias fofas da praia, pego a estradinha de terra batida paralela a esta, afugentando os carangueijos q transitam por ela rumo seus buraquinhos no mangue de ambos lados.

Aqui entro diretamente na Praia dos Coqueiros, quase no seu final, e já estou na Praia dos Pelados (ou de Pedra Grande), repleta de coqueiros perfilados. Claro q neste horario não há ninguém como veio ao mundo, mas a praia não deixa de ser bonita, mesmo nas primeiraas horas do dia, felizmente com as nuvens encobrindo o sol subindo la no horizonte. Passada a primeira ponta da enseada, a caminhada torna-se mais difícil: a maré esta cheia sobrando uma faixa razoável de areia fofa e inclinada pra andar, mas ao menos serve de massagem para os pés.

A paisagem é bonita, pois não se vê alma viva aqui, deserta mesmo. No inicio algumas falésias terra adentro, com coqueiros no topo, vão diminuindo ate a visão ser a de uma extensa planície de restinga q se alterna com mata atlântica arbustiva. Uma visão q se perde no horizonte. Esta vegetação é muito bonita, com destaque as enormes bromélias com suas flores e frutos coloridos, q por sua vez chamam borboletas q juntam suas cores as da praia.

Chegando a duras penas na Ponta de Itaquena, paro por informações de minha localização às duas primeiras almas vivas do dia - dois pescadores sentados no inicio da restinga, protegidos do sol por um mini-toldo feito de folhas secas de palmeira . Estou agora a andar na enorme enseada da Praia de Itaquena, onde, devido a maré alta, não posso ver as piscinas naturais formadas pelas barreiras de corais.

A praia é deserta, mas sou acompanhado por cercas intermináveis, ora escrito "propriedade particular"ora escrito "reserva ecológica", planície dentro. São fazendas enormes, mas não há casas visíveis, apenas quilômetros de cercas.

O tempo passa e a maré baixa consideravelmente - deixando algas po td qto é lado - permitindo em algumas praias caminhar com mais firmeza. A paisagem mantem-se inalterada na extensa praia seguinte, a Barra do Rio do Frade. Planícies de restinga, bromélias e cercas.

Nove da manha chego no meu primeiro e obstáculo real, o Rio do Frade. Diferentemente dos riozinhos anteriores, este aqui era um riozao, de uns 20m de largura, de respeito q desaguava sinuosamente no mar. Apesar da maré quase baixa, julgo ser insufciente pra atravessa-lo numa boa. Será? Deixo a mochila na areia e procuro testar a profundidade dele. Já de cara afundo devido ao banco de areia quase ate a cintura, mesmo assim continuo devagar pelas águas correntosas ora mornas ora frias, em direção a parte mais estreita dele, cada vez afundando mais. De fato, chegava num trecho onde a água chegava adois metros de profundidade, o q inviabilizava atravessar segurando a mochila acima da cabeça. Tentei e tentei outras margens mais proximas, mas não tinha jeito mesmo. E agora? O jeito foi sentar na areia e esperar abendita maré baixar mais um pouco. Ao menos já tomei meu refrescante banho do dia.

"Q saco!", pensei, " Saio cedo pra ficar plantado aqui". Essa foz era aparentemente deserta, via-se apenas uma ou outra casinha planície dentro, nada mais. Uma hora se passou e nada de variação do nível das águas. Foi qdo vejo ao longe no mar um barqueiro - de porte ate razoável - se aproximando pra entrar no rio. Sem q o chamassse, encosta na margem de areia, me diz pra entrar e que me leva na outra margem mediante qq "agrado". Ótimo, ainda mais qdo o "agrado"são módicos 1 real, q encantam os olhos do jovem barqueiro. A viagem não dura nemdois minutos.

Me despeço do jovem, observando-o desaparecer rio adentro. Descansado, coloco pé na areia novamente e mochila nas costas. A partir daqui a praia é estreita e repleta de coqueiros, q se perdem e abundancia terra adentro. Estou num ponto de referencia de toda região, a Fazenda Jacumã, q é uma enorme propriedad particular, de onde posso ver algum movimento de funcionários.

Após um certo tempo, as falésias passam novamente a tomar conta da paisagem, com seus tons avermelhado e claros. Seguindo em frente, elas tornam-se cinzas, repleta de densa vegetação em sua base. Chego na deserta praia de Setiquara, ornada com belas formações de rochas em sua praia estreita. Na próxima, de Curuipe, por sua vez, recifes represam piscinas esverdeadas na agora maré semi-baixa. Algumas crianças brincam nas suas águas mornas.

A presença cada vez maior de banhistas e pequeno barcos indica q me aproximo da famosa Praia do Espelho, uma extensão da Praia de Curuipe (nome oficial), e tem este nome pq o mar reflete o céu de maneira espetacular. No entanto, não pude constatar isto pois qdo passsei estava meio nublado, mas mesmo assim, justifica-se pq é considerada uma das mais bonitas dali: "Espelho da Maravilha", como tb é chamada, é uma praia localizada ao pé de gdes falésias cobertas de vegetação, orlas de coqueirais, o mar calmo com piscinas naturais e areia fofa. Antigamente foi habitada por um clã de pescadores, q venderam suas casas e foram reformadas com bom gosto. A impressão q dá é q se está numa aldeia caiçara onde todos assinam revistas de decoração!

Pelo fato de ser famosa e bonita, estava bem farofada , repleta de quiosques. Alguns bares rentes a praia trocam suas cadeiras e mesas de praia por almofadas e esteiras para os fregueses. Nota-se o movimento sobe-e-desce na falésia por uma escadinha. Na base, uma placa "propriedade particular" indica q em cima há chiquerrimo condomínio fechado. Bem caro, por sinal. Enfim, uma praia bonita q lembra muito estar numa ilha deserta, ilhada pelas falésias.

Na seqüência, e sempre acompanhado pelas muralhas das falésias à minha direita, continuo minha marcha já mais devagar, devido ao cansaço. Teimoso do jeito q sou, ignoro uma placa "Caraíva" q indica um desvio pra subir a falésia. Sigo em frente, onde a falésia vai se aproximando mais do mar e a areia cede lugar a rocha dura. Enfim, chego numa curva onde a falésia entra no mar e paredoes rochosos sendo furiosamente castigados pelas ondas são obstáculos naturais impossíveis de transpor. Fico ali, avaliando a possibilidade de atravessar (com mochila?) como uma lagartixa o paredao. Mas ao ver as enormes ondas batendo na rocha desisto desta idéia estúpida. Minha teimosia custou-me um belo tempo.

Aproveito para descansar sentando numa rocha e comer um miojao cru, bem crocante, por sinal. Andar por cima dessas rochas dói razoavelmente os pés, pois os grãos de areia remanescentes terminam causando atrito com as pequenas bolhas q começam a se formar em meus pés descalços. São exatamente quase meio-dia.

Descansado e com novo fôlego, dou inicio aos quase dez km q tenho pela frente, mas q são um pouco mais dvido a minha teimosia. Retorno ate a placa q ignorara anteriormente, e pego o caminho de argila e terra batida q sobe por trás da falésia. Subida ligeiramente inclinada, mas beleza. Em cima da falésia, vegetação rasteira de restinga e muitos arbustos dominam a paisagem e algumas casas bem simples consigo ver ao longe. De cima, a vista das praias já percorridas é muito bonita. Esta região aqui é chamada de Ponta do Toque Toque. Não me pergunte o motivo.

A caminhada aqui é sossegada, plana, ora por terra ora por areia branca. Apenas atento as inúmeras bifurcações e alguns sobes e desces q a trilha tem. A sola do pé começa a doer e calço meu chinelo. Um chuvisco ameaça cair mas logo some. Sem querer, tomo uma trilha nada a ver e vou me afastando da praia, sem perceber, onde acabo chegando num local onde a trilha some, apenas matão e restinga pura na minha frente. Volto td ate o ponto onde julgo q me perdi, novamente contabilizando um belo tempo perdido. Novamente os sobes e desces de praxe, desta vez com muito barro escarlate das falésias, q literalmente grudam meu chinelo na lama. Andar neste barro é como andar com peso extra no pé inteiro. Claro q levo vários escorregões tb.

Novamente na trilha correta, com os pés literalmente vermellhos, vou margeando a quase beirada da falésia ate chegar num canto onde a trilha desce definitivamente. Este trecho esta bem escorregadio devido ao chuvisco e redobro cuidados. Embaixo, atravesso uma porteira e novamente estou na praia, q acredito seja a de Juacema. Dali olho pra trás e constato q realmente não dava pra ir pela praia, pois na curva da falésia e dos paredões o mar não dava passagem mesmo ate ali.

Agora ando pela aguinha morna rasa da praia, afim de limpar meus "pé-verméio", para depois seguir definitivamente pela areia. Esta praia é enorme, interminavel, deserta e repleta de falésias vermelhas, q me acompanham durante quase todo o resto do trajeto, atravessando alguns pequnos riachinhos.

Após um tempo q parece não ter fim - com um pouco de dor no trapézio e no pescoço - agora sou eu q esta cansado mesmo, sempre perguntando pras poucas pessoas passeiam pela praia: "Falta muito pra Caraivas?", recebendo respostas bem dispares. O primeiro casal me disse q faltava meia hora, o segundo me disse q faltavam duas..e agora?

Numa enorme falha entre as falésias, noto um enorme manguezal q adentra, formando algumas piscinas naturais, um belo lago, afinal, onde varias crianças e jovens se divertem. Um trecho de água razoável sai dali e vai dar no mar. Deve ser o Rio Coruipe, q felizmente esta raso, mas q em épocas de cheia fica com 8m de largura. Vontade de me refrescar no laguinho não falta, mas minha ânsia por chegar em Caraivas e tomar minha cervejinha é bem maior.

Mais em frente as falésias somem completamente dando lugar a uma enorme planície de restinga, q lentamente torna-se maguezal. Esta outra praia, Praia da Barra, é igualmente deserta e interminável. Meu paso é de tartaruga manca mesmo, e paro pra descansar num morrinho de areia, aliviando uma dor num nervo do pescoço q me incomoda. Pra minha surpresa reparo na areia muita sujeirinha de cavalo(!?) Bem, devo estar próximo sim de Caraivas.

O cansaço realmente agora ta pegando mais forte, minha vontade é de acampar ali mesmo e me jogar dentro da barraca, mas sigo em frente, queimando minhas ultimas reservas de energia e fôlego. Já são duas e meia da tarde.

Ao ver mais movimento já me animo muito, passando batido por uma isolada barraquinha q vende água-de-coco no melhor estilo natureba, sem canudo ou copo. No gargalo mesmo! Piscinas naturais vão se formando entre as pedras, completando esta paisagem q pra mim é mais q uma miragem. Nunca estive tão contente por ver muvuca. E assim chego no encontro do gde Rio Caraivas com o mar, onde sua água cristalina, gelada e fresca é convite irrecusável pra banho, ainda mais para meu corpo quente e cansado. Minha garrafa ta cheia de água, no entanto meu desejo é outra água, de preferência loira, q molhe a minha goela. Eu mereço.

No rio, de uns 10m de largura, um menino numa canoa já encosta do lado avisando q não dá pra atravessar sem seu auxilio. Pelo visto, tem sempre um barqueiro de plantão, pois sem mochila umas boas braçadas resolveriam a questão. Eu, teimosamente, nego sua ajuda e fico avaliando as possibilidades de atravessa-lo com mochila na cabeça, já notando uma platéia de crianças se formando pra ver minha proeza do outro lado do rio. Bem, pelo jeito devem estar esperando q um espetáculo no mínimo divertido. Engolindo mais um pingo de orgulho, chamo o barqueiro e subo na canoa, pra decepção da platéia mirim.

O guri maneja com destreza a canoa, conduzindo-a de lado com um enorme toco apoiado no fundo do rio, e onde avalio a profundidade afinal, q não é muita. Aproveito pra lhe perguntar de camping e td mais, mas num piscar de olhos já estamos na outra margem, para me despedir dele após dar o "agrado" de um real. Enfim, Caraivas.

Aqui eu já sigo rio adentro, sempre pela margem, onde um caminho de areia mistura-se ao mangue e logo me encontro no começo da vila propriamente dito. Ao perceber um pequeno barzinho, o "Mangue Bar", vazio e sem movimento algum, mando as favas minha busca de camping e de preços, pois é ali mesmo q vou estacionar! Chegar aqui foi fácil, sair q certamente sera difícil! Exatas três da tarde! Estou suado, exausto, costas doendo e com pé dolorido "mezzo-verméio-mezzo-branquelo", andando há mais de sete horas quase inipterruptas. Caminhada tão bonita qto árdua, estava eu ali desfrutando do meu premio gelado nesta parada mais q sedutora. Sol, sombra e cerveja fresca. Simples como a vida deve ser.

 

UM "CARA-PÁLIDA" NA SELVAGEM CARAÍVAS

Recém-chegado no vilarejo de Caraivas, de quase 500 habitantes, e me espreguiçando confortavelmente na cadeira de plástico do botequinho, observo o movimento manso e o vai-vem desta vila, nascida de um agrupamento de índios e escravos um século atrás. Apesar de calma, Caraivas já foi outrora bem agitada, pois era o centro de extração e escoamento de madeira, a piaçaba - tipo de palmeira usada pra fazer vassouras - e pequi - pra fazer canoas - hj bem raras na região.

No calmo e sinuoso Rio Caraivas, bem na minha frente, crianças brincam, mulheres lavam roupa e canoeiros vão estacionando seus "veículos" na margem, bem ao lado de um pequeno manguezal. Este rio e o mar ditam a vida aqui, pois a pesca é o único meio de sobrevivência. Do outro lado do rio, um pequeno morro repleto de coqueiros enormes e algumas casas espalhadas.

Nunca me senti tão bem sentado numa cadeira de plástico, onde terminei tomando duas garrafas de Skol quase q instantaneamente! A sensação é q o tempo parou ali, uma vz q a palavra pressa não existe e sem dar-me conta, acabo ficando um tempão no bar. Caraivas merecia um dia a mais pra ser apreciada calmamente, onde eu recuperaria as energias pra dar continuidade à minha caminhada. Nesse meio-termo, converso rapidamente com dois mamelucos do estabelecimento. Tal como os antigos portugueses, pequenas crianças indígenas me recebem oferecendo estatuas e pratos de madeira, colares de sementes, pulseiras, etc, a tiracolo. Oriundas de uma aldeia pataxó próxima elas vem vender artesanias da aldeia, ganhando assim o "caiãmbá" de cada dia.

É hora de buscar alojamento! Sigo as indicações do pessoal do bar e entro numa das ruas de areia fofa da rústica vila. Misturados aos nativos, muitos jovens igualmente vem e vão, com cangas, pranchas, etc. Algumas crianças insistem em me ofercer pousada mas recuso a oferta. Sigo por uma rua mais ampla, paralela ao rio, onde encontro o camping indicado. Lugar bem simples, mas com boa infra. Um pátio enorme de areia batida, sob a sombra de frondosas arvores, onde há muitas barracas mas não vejo sinais de movimento. Tb pudera, com um local lindo e torno..

Compro mantimentos numa pequena mercearia, bem simples -de nome "Carrefour" - bem próxima do camping. Andar pelas ruas, q não tem numeração nem nomes, de Caraivas é um pouco trabalhoso. A areia é fofa demais e há trechos onde o pé realmente afunda bem. Como não há carros ou veículos motorizados, existem os "táxis" dali, são as pequenas "carroças pataxó", charretes à disposição dos menos adeptos de caminhar. A rua é bem ampla, repleta de transversais q levam q levam ou pro rio ou a praia. As casas são muito simples - de taipa, ou seja, armação de galhos e paredes de barro - e boa parte delas tem um quintal enorme, repleta de arvores. Vjo algumas casas mais modernas, geralmente as q esta escrito "pousada", porem são escassas e gde parte delas esta ainda em cosntrucao.

Seguindo marcas deixadas pelas carroças e pedestres num caminho mal traçado, termino chegando no q seria o centro comercial dali. Td muito simples e rustico. Pequenas casinhas lado a lado, uma igrejinha, um pequeno cais, alguns forrós, etc. Começa a escurecer e os turistas retornam de seus passeios diários. Cansado, volto por camping pra tirar um cochilo.

Acordo por volta das duas da madrugada com o som animado de um forró próximo misturado com o "tuc-tuc-tuc" do gerador do camping, uma vez q não há eletricidade na vila. As ruas estão vazias e so não estão totalmente escuras devido a iluminação proveniente de alguns lampiões dispersos pro algumas casas, já q luz das poucas pousadas acaba ate dez da noite. Mesmo assim não dá pra competir com o brilho do céu, totalmente estrelado, tal como nos tempos de Cabral. Embora as ruas estejem vazias, nos arredores de um dos forrós - são três , Ouriços, Ximo e Pelé, q funcionam no sistema de rodízio - dali está um burburinho só, com muitos jovens misturando-se naturalmente a nativos tentando entrar (ou recém-saindo) na agitada "casa noturna", tb movida a gerador.

Aqui ta meio muvucado e retorno pro camping pelo lado do rio, com cautela pra não tropeçar na corda q prende os botes, pois a medida q me afasto do forró entro novamente na escuridão total da vila.

Ao chegar no camping, termino conversando com uma galerinha recém-chegando das baladas noturnas dali, q naos e resumem somente ao forró, há tb os barzinhos de reggae e mpb da orla da praia. Esta galera era oriunda de td qto é canto: Brasília, Goiás, Minas, Floripa, etc e tal. Tinha uns q tavam ali há mais de um mês!! Uma jovem se queixava q não conseguia falar com a familia pois o único orelhão da vila - movido a energia solar - não funcionava pq estava nublado. E é com esta galerinha q acabo pegando belas dicas do q fazer no dia seguinte, isto e, hoje ainda. Um cesto com água, pendurado sobre a mesa me desperta a atenção no local onde conversamos, q seria área reservada à cozinha do camping, com redes, bancos e almofadoes disponíveis. "É pra espantar penilongos!", me diz a brasiliense. Como não podia deixar de ser, a maconha rolava solta, e um dos goianos - valendo-se do principio da pressão atmosférica, uma caixa de isopor cheia dágua e de uma garrafa pet cortada na metade - fumava de uma maneira tão curiosa qto trabalhosa.

Assim ficamos conversando ate altas horas da maddrugada, quase ate ver os primeiros raios do sol despontarem no horizonte. Lentamente, todos forma se recolhendo pra suas barracas, inclusive eu, claro! Não precisou muiito pra cair no sono.

Levanto horas depois com o barulho de jovens tomando seu "café da manha", q, entre outras coisas, consistia de maconha e pinga. O meu café é mais tradicional, afinal hj queria curtir a vila. São quase nove da matina dessa sexta feira tranqüila e nublada. Começa a chuviscar levemente e fico boa parte do tempo descansando na barraca, entre arrumações e leituras afins. Em seguida, lavo minhas piores pecas de roupa nos inúmeros tanques disponíveis. Tb dou uma mexida na barraca, pois estava sobre um formigueiro. E assim a manha transcorre sossegadamente.

Por volta das onze da manha o sol aparece com força total, num céu espetacularmente limpo e claro! Hora de passear pela vila, q começa sim a dar sinais de movimentação. Ao andar pelas ruas de areia descalço lembrei de um conselho do pessoal do camping: usar chinelos, apesar da tentação de caminhar massageando os pés. Isto pq muitos haviam contraído "bicho-do-pé" nessas cirscunstancias. Embora eu sentisse uma leve dor na planta do pé, fiquei com receio de ter pego o dito cujo, ainda mais ao me lembrar dos meios medievais utilizados ali na vila pra extrair o danado. Calcei chinelos imediatamente.

Dou uma geral pela vila e me dirijo pra praia, quase bem na foz do Rio Caraivas, por onde chegara. Crianças pataxos começam a chegar com seus produtos, e as poucas barraquinhas de palha bem simples começam a abrir pelas proximidades. Eis meu "programa-de-índio" do dia: ir pra aldeia pataxó de Barra Velha, localizada a 6km dali! Estava curioso, já q os pataxós são descendentes dos tupiniquins, os índios q receberam os primeiros portugueses.

Sigo pela praia, com muitos jovens chegando, já estacionando suas esteiras ou cangas na areia clara. Neste trecho pode-se ver algumas pousadinhas e bares bem rústicos rente a areia, mas a medida q se anda pro sul, a praia fica incrivelmente deserta, sem nada e ninguém a vista! Os tons de verde e azul do mar contrastam belamente com a claridade da areia e com os coqueiros baixos q pro ventura aparecem no caminho, embora a paisagem em geral seje de planície de restinga de mato bem rasteiro. Eventualmente, há alguém se protegendo do sol escaldante sob algum toldo bem baixo, feito de palha mesmo. Apesar da maré estar alta, pode-se ver uma barreira de recifes ameaçando timidamente aparecer nas águas calmas.

No caminho, faço amizade com duas jovens paulistanas q apenas caminham na praia. Não sabiam da aldeia e as convido pra me acompanharem, convite q elas topam na hora. Apesar do papo agradável, a caminhada pela praia parece interminável, pois a partir de um determinado trecho a areia torna-se bem mais fofa e há uma certa dificuldade em andar.

Enfim, chegamos no meio de uma enorme enseada onde vemos algumas crianças brincando na água, uns tocos perfilados na água no q deve ter sido outrora um cais, alguns índios descansando na sombra de gdes amendoeiras na orla. Uma placa da Funai, ao lado de uma velha casa, proibindo a entrada é indica q pra aldeia basta seguir uma trilha de terra batida restinga adentro. É quase um da tarde, o sol ta a pino e estamos sem nenhuma garrafa dagua. A sede pega, nesta q foi uma das burradas desta caminhada pelo dia q julguei curta e não houvesse necessidade de trazer mochila a tiracolo.

Da praia seguimos por um caminho entre arbustos e nenhum coqueiro pra nos agraciar com sua bendita sombra. Um tempo depois chegamos no q seria a "porta" de entrada da aldeia, um conjunto educacional pouco preservado e bastante simples, onde coletamos infos, alem de beber algo nos sanitários de lá. Andando mais um pouco, e as meninas visivelmente cansadas, segue-se uma estradinha meio sinuosa e inclinada, ate q enfim chegamos na aldeia propriamente dita. Ufaaa!

Aldeia? Bem, é verdade q o contato com o homem branco já descaracterizou muita coisa por lá, mas como o turismo e venda de artesanato tornou-se meio de sobrevivência alternativa deles, sempre tem um grupo vestido "a caráter" pra mostrar um pouco de sua tradição e cultura. Primeiro uma ruazinha de terra, onde de ambos lados há casas simples de taipa perfiladas, nas quais muitas crianças indígenas já saem ou assomam a cabeça pela janela. Uma crianca bem faladora, a Joana, junta-se a nos, perguntando se queremos falar com o pajé ela nos leva ate ele. Toda pessoa q vem de fora tem q falar com o pajé.

Chegamos num enorme descampado onde um marco talhado em madeira indica q estamos na "Aldeia Mãe Barra Velha, Reserva do Mte Pascoal, Primeira a ter contato com civilização em 1500", a jovem Joana - agora com mais dois indiozinhos conosco - nos conduz por uma trilha em meio aos arbustos ate chegarmos numa pequena clareira com muitas arvores de copas altas. Espalhados em torno essa clareira, casas de taipa se alternam com ocas de palha. Mais rústico, impossível.

Mal chegamos e aproxima-se o pajé Arakuri, um jovem índio vestido de uma saia trançada de palha, cocar e bem pintado no rosto. Nos já deixamos bem claro q estamos somente de passagem e, portanto, duro$, uma vez q toda essa prestatividade por parte de todos decerto mereceria um belo "agrado" no final. Mesmo assim, e parece q o movimento tava meio fraco assim naquele dia, Arakuri (cujo nome de "branco", Humberto, é apelido) nos explicou de boa vontade algumas coisa sobre sua aldeia, enquanto um monte de outros jovens adolescentes devidamente caracterizados formava-se atrás. Nos contou, com orgulho, q são os jovens - como ele - q estão dando vida nova a aldeia com o turismo, resgatando a cultura da aldeia sem perder de vista a modernidade. Na cara-de-pau ele nos diz q se fossemos extrangeiros eles ate dançariam e cantariam números pataxos pra nos. Pois e, o valor do din-din eles conehcem bem. Mesmo meio q modernizados, percebe-se um ar meio de ingenuidade no sorriso imaculado deles.

Na porta de uma das casas, o cacique Tururim, um senhor muito velho fica pilando um pó vermelho, chamdo urucum, com o qual pintam o rosto. Dentro dela, fabricam farinha de mandioca, mostrando o processo de prensagem ate a confecção da tapioca e do beiju. Alem de fermentarem o cauim, um vinho de mandioca. Bem interessante. Muitas crianças acompanham td olhando pela janela, e uma delas me oferece um graveto pra cheire ma gosma na ponta dele, origem de um creme "anti-catarro" conhecido. Alem disso, nos contou da origem do nome pataxó ("agua q bate nas pedras"). E apesar de viverem em um tipo de aldeia, os demais índios se vestem com bermuda e camiseta.

Lamentei não estar com mais grana nessa hora, aquilo era uma aula de antropologia ao vivo q não poderia deixar ficar registrada em foto. Ainda na melhor tradição indígena,"escambo", poderia ter trazido bugigangas pra moeda de troca. As paulistanas trocaram bijouterias por belos colares e pulseiras artesanais com as índias, q exibiam os novos adornos com orgulho e um sorriso ingênuo no rosto. Eu tinha míseros 5 pilas e o Arakuri me fez um "pacote-de-indio" por eles. Juntou 5 índios pra bater uma foto. Pra minha felicidade, juntaram-se mais algumas índias q falaram: "Ah, só to entrando na foto pq gosto de aparecer!"

As meninas já estão cansadas, com fome e sede e é hora de partir. Se tivéssemos mais grana, era capaz dos índios nos receberem com moqueca de peixe feita na folha, da maneira deles. Não era o caso. Nos despedimos do Arakuri e voltanmos pelo mesmo caminho, sempre seguidos da Joana, q pega uma "mangaba" direto do pé e come com gosto. Parece q ela tb espera um "agrado" de nossa parte, mas fica feliz ao receber algumas poucas balas q as paulistanas levavam, q divide com os seus dois irmãozinhos.

No caminho, muitas arvores frutíferas e plantações de mandioca e feijão. Mais a frente, comercio. Se eles enviam as crianças pra Caraivas venderem objetos de pequeno porte, aqui eles já tem uma espécie de mini feirinha onde expõem td e mais um pouco. Os artesãos se valem de td disponível e típico da regiao, desde folhas, sementes e penas de galinha pintada, para vender pratos e talheres de madeira, fruteiras, arcos, saias, cocares e ate suportes para luminárias, feitos com talo de dendê e côco.

Novamente no caminho de terra, com o sol escaldante, optamos por retornar pela praia mesmo, embora ouvesse a possibilidade de voltar por uma estradinha paralela e quiçá conseguir carona de volta. Novamente na praia, e sob uma bem vinda e refrescante sombra de amendoeira, descansamos, bebemos água de côco enquanto contemplávamos a paisagem daquela praia linda, quase deserta onde o mar agora exibia uma coloração verde muito bonita!

Nosso retorno pela areia foi passo de lesma com preguiça. As meninas estavam muito cansadas e ate ofereço minha camisa a uma delas - bem clarinha - pra evitar q se queimasse mais. A maré baixou bem e deixou varias piscinas naturais entre os recifes e corais de vários e belos tons. Claro q foi aqui q as meninas se refrescaram varias vezes durante o trajeto.

Chegamos em Caraivas por volta das quatro e pouco da tarde, me despedi das gurias e combinamos nos encontrar de noite. A primeira coisa q fiz foi encontrar um botequinho na rua do meu camping e estacionar lá, descansar, relaxar e esticar as pernas bebericando uma gelada e belisco alguma coisa. O bar ta cheio de argentinos fumando maconha do meu lado, numa boa, o q me incomoda um pouco. Observo alguns velhos índios - com blusa eleitoral do ACM - revirando o lixo perto dali, e me lembro dos momentos na aldeia, torcendo pra q os jovens pataxos consigam levar a aldeia adiante com a nova leva de turismo sutentavel q a vila parece começar a conhecer. Mais uma volta pela vila e vejo um grupo de alemães recém-chegados.

Volto pro camping, tomo uma boa ducha e janto miojao, já quase escurecendo. Mais tarde, começa a chover bastante o q faz com q quase todo mundo do camping permaneça na área de convivencia da cozinha, onde providenciamos um animado "luau" q se estende pela noite adentro. Acabo nem indo encontrar as jovens, pois to bastante exausto, e preguiça de sair na chuva, embora já comece a ouvir os forrós de longe. Me despido da galera cantando e vou me recolher na barraca, enquanto a chuva parece diminuir um pouco. O dia seguinte a caminhada continua. Não são nem onze horas.

Rústica e selvagem. Quiçá o Brasil mais próximo de como o Brasil foi no passado. Assim é Caraivas. Não é chique-hippie como Trancoso, nem tem as megalojas do Arraial e muito menos as megabarracas de Pto Seguro. Na verdade, o q atrasa a invasão de muvucas é a dificuldade de acesso. Isolada pelo rio, mar e falesias, quem vem de carro enfrenta pontes duvidosas e uma péssima estrada q termina antes do rio, daí tem q atravessar - tal como eu - de canoa com sua bagagem! Entretanto, o turismo parece estar chegando lentamente neste ermo lugar, mas, felizmente, os moradores estão se organizando para q o progresso desordenado não roube o sossego dali e principalmente o q a vila tem de mais fascinante, a simplicidade.

 

"CORUMBAU E CAHY À VISTA!"

Acordo cinco e meia, ao som de gente retornando das baladas forrozeiras de Caraivas, mas somente parto uma hora depois daquela manha de sábado. Hj é aniversario de minha irmã, mas infelizmente amanhece encoberto, isto é, sem orelhão solar. Espero encontrar algum no final do dia, seje onde for. O dia parece promissor e igualmente quente. A noite fora tremendamente tranqüila, quiçá devido ao cansaço acumulado dos últimos dias.

Deixo as ruas desertas da vila, tomando uma transversal q rapidamente me deixa na praia. Pé na areia novamente. A maré esta bem favorável neste horario, deixando a praia bem larga, areia dura e firme. Daqui consigo ver a ponta na qual devo chegar, a Ponta de Corumbau, uma estreita faixa de terra q se perde no horizonte. Refaço o caminho de 6km ate a "porta" de entrada da aldeia pataxó, porem desta vez eu paso batido, praia abaixo, pois tenho 13 km pra caminhar.

Me encontro na enorme praia de Barra Velha, sempre dando uma olhadinha sobre o ombro, avaliando o rendimento da caminhada. Este trecho, após a aldeia, contem muitos corais e recifes planos q invadem a praia, nos quais procuro sempre pisar na parte esponjosa e não na parte rochosa, pra não correr risco de cortes ou ferimentos. Um ou outro pescador singram o mar daquela manha.

Após uma hora de caminhada nesta interminável praia é q começa o pior e mais difícil trecho da caminhada. A praia começa lentamente a se estreitar, inclinando-se mais e mais. A areia é meio grossa, seca e fofa; o pé afunda a cada passo dado, forçando as articulacoes dos calcanhares. Não dá pra andar rente a água pois aqui o chão não é duro, afundando o pé ate o tornozelo. Nem pela mata de restinga dá pra caminhar, já q o matinho rasteiro se enrosca facilmente nos pés, alem do medo de pisar em espinhos é enorme. O jeito era mesmo andar na areia fofa, a muita custa, uma vez q avançar nessas condições era muito desgastante pras pernas e o rendimento não era lá essas coisas.

Inúmeros pit-stops na junção da areia com a restinga foram feitos, onde aproveitava pra beliscar alguma coisa q reforçase meu café-da-manha. Neste trecho a mata rasteira de restinga se unia com mata atlântica, ao fundo, revelando uma vegetação bastante variada e curiosa, tal como o cardo, um tipo de cacto cujo fruto vermelho me disseram era bom de comer. No entanto, mais difícil q andar era encontrar um desses frutos q não estivesse bicado pelos pássaros.

E assim, após muito esforço e com a praia - larga - já mais generosa pra ser caminhada, quase nove da matina estou chegando na foz do sinuoso Rio Corumbau, bem do lado da vila homônima, onde não há tanto movimento qto o Rio Caraivas. Avisto uma casinha ou outra - de taipa e palha - aqui ou acolá, alguns barquinhos atracados nas margens rio adentro. Um placa no meio da restinga avisa q seguindo mata adentro já é reserva indígena (de Barra Velha) ainda.

Aqui não foi necessário nem esperar. Um jovem índio no outro lado da margem veio imediatamente me oferecer transporte pra vencer o rio, q era largo e fundo. O preço dos "agrados" deve ser tabelado, uma vez q tentei reduzir o preço do mesmo.

Mais um pouco e me encontrava na Ponta do Corumbau, onde efetivamente estava a vila. Bem na ponta há um simpatico farol, mediano, de propriedade da marinha. Atras havia o q eu julguei ser uma praça, onde sentei num dos banquinhos pra descansar e comer mais um pouco. Perto dali havia um terreninho com arvores onde algumas pessoas improvisaram armar suas barracas, e algo q julguei ser um chuveiro improvisado, td muito tosco. Sera q era pago? Conversei com um senhor q se aproximou, e me ofereceu carona pra Cumuruxatiba. Recusei pois esse não era meu destino, mas peguei varias dicas dele. Corumbau, em tupi, significa "longe de tudo"/"fim do mundo" e não era para menos, uma vez q a praia, durante a maré baixa, adentra no mar quase 1km e os recifes formam piscinas naturais de água transparente. Chega a se ver as ondas quebrando no meio do mar e tem-se a ilusão q não existe mais nada na ponta de areia. Somente o céu azul.

Esta vila de pescadores é a menor de todo trajeto, porem mais moderna q Caraivas, uma vez q há estrada de fácil acesso ate aqui. Umas casas aqui e acolá, algumas transformadas em pousadas simples, uma pequena igreja, quiosquinhos e barracas pequenas, e, por incrível q pareça, quase ninguém na praia! O mar é farto e generoso, o q se vê nos cardápios a preços baratos de sururu e toda variedade de peixes.

Descansado, atravesso o pontal, parte da vila e me embrenho novamente na areia, desta vez a enorme Praia de Corumbau. Apesar da maré alta naquele horario, 11hrs, a ampla praia de areia fina e fofa permitia caminhar perfeitamente descalço na parte úmida, plana e dura. O sol aparece e some, não resolvendo de permanece definitivamente ou não. Isso era ate bom, pois não me desgastava fisicamente, mas tb não era uma vez q não podia apreciar o local iluminado de acordo.

Esta praia é interminável, ornada de coqueiros próxima da areia e uma estrada de terra q segue paralela, mas em seguida adentra no continente. De longe consigo divisar elas bem pequeninas, minhas amigas falésias a me esperar.

Se eu estivesse em alto-mar provavelmente teria a mesma visão q Cabral teve naquela tarde 22 de abril de 1500, após 44 dias no mar, e gritaria: "Terra a vista!!", isto é, "Corumbau a vista!!" Afinal, o primeiro contato visual com terras tupiniquins foi de um morro q se destaca em toda a planície daqui, o Monte Pascoal (532m), q só é visível do mar e q continua orientando os pescadores da vila. Em torno do Mte Pascoal foi criado um parque homônimo, q preserva mata atlântica, sua fauna e flora originais.

A caminhada prosegue tranqüila, eventualmente cruzo com alguma criança, pescador ou algum turista solitario andando pela enorme praia. Uma hora depois de deixar Corumbau o cansaço pega e tiro um momento de relax numa esteira de madeira, q deve pertencer a uma propriedade particular - alias, a única - q vira por ali.

A medida q me aproximo da barreira de falésias, noto o surgimento de quiosques e barracas novamente. E a praia deixa de ter areia fofa e esta repleta de rochedos pequenos espalhados q são facilmente contornados. Vejo, de longe, q mais a frente as enormes falésias adentram ao mar, e agora? Pergunto pra uns senhores q caminhavam por ali e me dizem q não há caminho por cima, q é pela praia mesmo e q dá pra caminhar pelas pedras na base da falésia. Será? Bem, se els estavam retornando de lá, entao vamos lá, embora eu estivesse meio desonfiado.

Um tempo depois, após desviar de vários rochedinhos no meio da praia e muitas pedrinhas tb, chego basicamente no fim da Praia de Corumbau, onde uma enorme falésia serve de barreira natural, entrando no mar. Não havia visivelmente nenhum caminho subisse. Bem, se os caras disseram q podia ir por baixo pra seguir pra próxima praia é pq não deve ser mto fundo. E assim, pulando de pedra em pedra, recifes e corais, vou lentamente entrando no mar, ao pé da falésia.

Antes de chegar na ponta da mesma, percebo a importância de checar a maré antes de caminhar. A maré estava alta e provavelmente na baixa se pudesse transpor aquele trecho numa boa, pela areia, sem ir de pedra em pedra. Naquele caso, as ondas batiam meio q fortemente na ponta da falésia, e a água chegava quase na cintura. Ai tive meio q cronometrar minha passagem pelas pedras - calculando o momento em q o mar repuxasse e viesse mandar uma nova onda - pra não sair inteiramente molhado a passar por outro lado.

Coloquei meu chinelo e mandei ver. Meio q rápido fui pisando de pedra em pedra, me firmando nas laterais da falésia. A caminhada é cautelosa, uma vez q vc não vê a pedra coberta pela água. Logo a canela é coberta pela água. O temor de pisar em falso e cair no mar atrasa meu ritmo e ultrapasso o limite de tempo. A água vem. Tchibuuum!!!! Uma enorme onda castiga forte por trás, me jogando quase q de cara na parede rocosa da falésia, onde me agarro bem. "Merda! Merda!", pensei. Com a mochila encharcada (e mais pesada) a preocupação dobrou. A onda me desequilibrara e por sorte não caira de costas no mar! Escalar a falésia com mochila? Sem chance. Pensei em retornar, mas já q estava ali segui adiante. Dane-se. Quem ta na falésia é pra se molhar!

Angustiado c/ a situação, vi q o repuxo do mar deixava a mostra as rochas a serem pisadas, mas não por muito tempo. Tchibuuum!!!! Novamente me agarro nas saliências da falésia, totalmente encharcado, amaldiçoando a bendita onda. Com mais agilidade, meio q no desespero, já dá pra ver o outro lado da falésia e o qto falta pra sair desse sufoco. Tchibuuum!!!! Agora já estou deixando as ultimas rochas pra pisar novamente em areia firme, completamente molhado. Foi a única vez q entrei em águas da costa bahiana.

Sentei numa pedra e minha primeira providencia foi checar os estragos. Felizmente meu habito de ensacar td com plástico poupara boa parte de meus pertences, principalmente roupas e maquina fotográfica. O q não saiu ileso foram boa parrte de anotações, a barraca, algumas guloseimas e papeladas soltas pelos bolsos da mochila, q tb ficara pesada. Paciência.

Molhado, porem refrescado com água do mar, dou prosseguimento a minha caminhada. Agora a caminhada é por uma praia deserta estreitissima com falésias enormes do lado. Era com se estivesse andando pela calçada da Paulista, onde a rua é o mar e os edifícios as falésias. Fiquei preocupado com o tempo ainda q tinha a caminhar, somente informações desencontradas. Se a maré subisse mais estava ferrado pois não teria como subir as falésias, e se a noite chegasse não haveria espaço hábil pra estender a barraca. O jeito era seguir adiante, agora com o sol mandando ver.

A caminhada se mantem inalterada por muito tempo, e o cansaço já pegando, pra variar. Pra não dizer q a paisagem mudava, eventualmene havia alguma brecha nas falésias e levava provavelmente a alguma fazenda, visto q de cima havia muitos coqueiros e algumas cercas. Entretanto, nunca me senti tão desolado e isolado por algo tão bonito e majestuoso como as falésias. Nenhuma pegada na areia. Num trecho, minha atenção é desviada por urubus - q voam diante minha aproximação - beliscando uma enorme tartaruga marinha morta na praia.

Devem ser quase uma e meia qdo noto primeiros sinais de vultos, ao longe, no fim de uma enseada. Ate q enfim! Mais adiante, as falésias cedem lugar a mangue, o q é sinal de rio nas proximidades.

O sol das duas da tarde esquenta as areias brancas da Barra do Cahy, finalmente!! Estou na praia Nicolau Coelho onde, antes do rio, há uma enorme e bem trabalhada cruz, junto de uma placa comemorativa q relembra a importância histórica do local. Foi aqui q houve o primeiro contato com os índios. Explico: após ver o Mte.Pascoal, Cabral aproximou-se e ancorou a 30km da costa. Daí, mandou um tal de Nicolau Coelho e mais uma galera num bote mas q não conseguiu desembarcar devido ao mau tempo. Apesar disso, conseguiram fazer contato visual com tupiniquins exatamente

Compartilhar este post


Link para o post

Valeu, Dete... relatos eu tenho zilhoes, escolho a dedo o q postar aqui. Alias, duvido q alguem tenha saco e paciencia de lê-los ate o fim; ser breve e suscinto não é uma das minhas virtudes..

Compartilhar este post


Link para o post

Como sempre seus relatos são exelentes. A riqueza de detalhes faz com a gente sinta cd momento do seu trajeto, inclusive imaginando todas as paisagens. Parabéns

 

Até +

Compartilhar este post


Link para o post

Muito legal o seu relato, Jorge. Fiz essa mesma caminhada em 1993 (só não fui a Prado, já que finalizei em Cumuruxatiba). Lendo o seu relato lembrei-me de forma cristalina de várias passagens dessa trilha antológica. Pelo visto, as coisas não mudaram muito. Graças a Deus!!

Um abraço!

Compartilhar este post


Link para o post

Putz Jorge...

Tb li seu relato TODO!!!

Me apaixonei por Caraívas soh pelo o q vc falou....

Ahh... vc tinha q ter dado mais ênfase ao encontro com seu amigo... Pq foi MUITA coincidencia Kra.......

E se naum for muita ousadia....

Ficou mais ou menos por quanto a trip.... tirando a parte das passagens???

Abrçaum aew véi!!!

Positividade na Vida sempre!!!

Compartilhar este post


Link para o post

Aê Jorge!!!

 

Este relato merece! Vou guardá-lo no meu computador, para futuras consultas. Espero que n tenha de pagar direitos de autor... [:P] A ideia é fazer esta mesma caminhada, um dia... Mas uma coisa é certa... vou ver um mapa da minha regiao e vou fazer o mesmo que tu mas em Portugal! [:)] fikei com uma vontade enorme de conhecer a regiao onde vivo, de uma perspectiva diferente!

 

 

Já agora... tiraste fotos? Estão disponiveis da internet?

 

Valeu! [8D]

Compartilhar este post


Link para o post

Jorge,

 

Eu que quase na mesma época estava viajando por aqueles lados me emocionei muito com a caminhada da balsa até Arraila d'ajuda, também a fiz, é muito bonito.

 

Gostei do Relato e das formas como voçe descreveu os lugares.

 

Meu relato tá neste fórum, de uma olhada.

 

Valeu,

 

Rog.

Compartilhar este post


Link para o post

Oi, Jorge!

Não li seu relato ainda (é bem grandinho). Eu já fiz essa viagem também, só que no sentido contrário - indo para o norte. Ele está na minha fila para publicar no blog.

Depois de ler o seu, vou ver o que fizemos de semelhante e de diferente.

Pra quem está procurando uma aventura muito legal e sem grande desgaste, essa é ideal. Você anda o tempo todo na praia quase sempre deserta, pode acampar onde quiser e tem lugares lindos.

Dêem uma olhada nas outras viagens no meu blog.

 

Abraços,

Compartilhar este post


Link para o post

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.



×
×
  • Criar Novo...