Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Mari D'Angelo

Lagos de Plitvice, um dos melhores motivos para ir a Croácia

Posts Recomendados

IMG_3039.jpg.ceca0bac26f3c8210da9c49e4e11eb9f.jpg

📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.

Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles!

Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30.

Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas.

Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá.

 

Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas.

 

Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar.

 

Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs

É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas.

 

 

Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não?

 

Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra!

Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa!

 

 

Algumas informações úteis:

 

Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr

Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK

Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado.

Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários)

 

Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃

 

📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi, Mari. Muito legal o relato, não sabia que existia esse museu a céu aberto. O Plitvice é mesmo lindo e a Croácia é um lugar que quero muito conhecer. Aguardo o restante do relato.

 

Abs.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Mari !

 

Não fui :o hahahaha A entrada no parque é 80 kunas normalmente, em Maio vira 120 e em Junho já tava 180, afffff Mas o fator limitante mesmo foi o tempo de ida e volta, acabaríamos perdendo o jogo da Copa :P

 

Desistimos de fazer o roteiro original, descendo de lá pra Split e Dubrovnik, verão demais, caro e cheio. No lugar, invertemos tudo, subimos ! Fomos pra Budapeste, encontramos uma das cidades mais legais que já fomos na vida e passamos 8 dias lá, hahahaha

 

Agora estamos em Belgrado e vamo q vamo ! :D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá pessoal! Tenho uma duvida sobre os lagos Plitvice. Pelo meu roteiro consigo chegar lá de ônibus as 16:45 e sair no outro dia as 16:45

Qual seria a melhor opção? Ja chegar e conhecer parte do parque e continuar no outro dia ou ir só no dia seguinte mesmo? Porque não entendi como funciona os ingressos para lá.. se funciona o dia ou por hora.

Além disso vcs me recomendam um hotel ou hostel barato?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá pessoal! Tenho uma duvida sobre os lagos Plitvice. Pelo meu roteiro consigo chegar lá de ônibus as 16:45 e sair no outro dia as 16:45

Qual seria a melhor opção? Ja chegar e conhecer parte do parque e continuar no outro dia ou ir só no dia seguinte mesmo? Porque não entendi como funciona os ingressos para lá.. se funciona o dia ou por hora.

Além disso vcs me recomendam um hotel ou hostel barato?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Clara! Então, acho que chegando lá quase as 17h nem vale a pena pq o parque fecha as 19h, sugiro você começar no outro dia cedinho mesmo.

Eu quando fui comprei o ingresso por dia, pq não dormimos lá, mas vi no site oficial que tem um combo pra 2 dias, dá uma olhadinha aqui que tem sobre os valores e horários: http://www.np-plitvicka-jezera.hr/en/plan-your-visit/operating-hours-and-prices/

Como não ficamos por lá, não sei te indicar uma hospedagem, nós ficamos em Zagreb, pegamos um hotel por pontos então nem vou te indicar pq não deve ser tão barato rs. Lá nós conhecemos a Marília do blog http://marilia-umabrasileiranacroacia.blogspot.com.br/ ela e o marido tem uma agência de turismo lá, e pelo blog ela responde as dúvidas de muita gente que está planejando, talvez ela saiba te indicar um lugar pra ficar ;)

Espero que tenha ajudado! Beijos!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá!!

Estou planejando um mochilão com o marido e vamos passar pela Croácia exatamente em meados de Abril, daí como não temos tanto tempo assim disponível bateu a dúvida: Vale a pena ir a Hvar nessa época ou apostar mais tempo em Zadar ou Dubrovnik ??

Tenho receio de separar tempo pra Hvar(por conta da travessia de Split) e acabar me frustando por não ter sol nessa época...

Abraços e obrigada!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Lucas Marcatti
      Pessoal que quer saber mais sobre como pedalar pela Europa, eu escrevi um livro sobre minha jornada pelos cantos deste velho conitnente.
      E lá se foram 3 longos anos desde que retornei de Atenas após minha soberana aventura pelos cantos de um velho e mitológico continente, provavelmente foi o ano mais incrível e inesperado da minha vida até agora.
      .
      E depois de muito trabalho, o livro está terminado, sim, eu tenho um livro!! Eu mesmo o fiz, nem acredito, escrevi 444 páginas de um livro! E é com uma imensa alegria que venho compartilhar com vocês esse trabalho que fui cultivando durante esses anos.
      .
      O livro está prontinho e só esperando para entrar em produção, mas para tornar esse sonho em realidade e poder compartilhar essa minha aventura com vocês, eu precisarei da sua ajuda, apoiando e compartilhando essa campanha no Catarse com amigos e familiares.
      .
      Clicando no link você saberá mais sobre o livro e as recompensas que acompanham esta campanha. Acesse e entenda melhor como funciona, é hiper simples! O site é melhor vizualizado pelo computador.
      .
      Eu realmente espero que juntos possamos fazer esse sonho se realizar!
      Link com informações completas sobre olivro e a campanha: 
      https://www.catarse.me/peloscantosdaeuropa

       
       






       





       
    • Por Lucas Marcatti
      CICLO-AVENTUREIROS E CICLO-AVENTUREIRAS! ESTÁ NO AR!!
      .
      E lá se foram 3 longos anos desde que retornei de Atenas após minha soberana aventura pelos cantos de um velho e mitológico continente, onde passei por 14 países da Europa percorrendo mais de 10MIL KM de bicicleta, provavelmente foi o ano mais incrível e inesperado da minha vida até agora.
      .
      E depois de muito trabalho, o livro está terminado, sim, eu tenho um livro!! Eu mesmo o fiz, nem acredito, escrevi 444 páginas de um livro! E é com uma imensa alegria que venho compartilhar com vocês esse trabalho que fui cultivando durante esses anos.
      .
      O livro está prontinho e só esperando para entrar em produção, mas para tornar esse sonho em realidade e poder compartilhar essa minha aventura com vocês, eu precisarei da sua ajuda, apoiando e compartilhando essa campanha no Catarse com amigos e familiares.
      .
      Clicando no link você saberá mais sobre o livro e as recompensas que acompanham esta campanha. Acesse e entenda melhor como funciona, é hiper simples! O site é melhor vizualizado pelo computador.
      .
      Eu realmente espero que juntos possamos fazer esse sonho se realizar!
      .
      De coração ❤️   https://www.catarse.me/peloscantosdaeuropa   ❤️




















    • Por Robbie Ferreira
      Pulei da cama ainda era 04h da manhã, depois de lavar o rosto cambaleando de sono fui preparar o café sem açúcar nosso de todos os dias. Às 04h 45min estava na estação da CPTM Prefeito Saladino em Santo André (Linha Turquesa) e dali a toada foi até a estação Brás, e uma vez lá, uma transferência para a (Linha Coral) com destino a estação terminal "Estudantes" em Mogi das Cruzes.
      Chegando na Estudantes, saímos da estação e fomos até o terminal de ônibus para embarcar na linha E392 Manoel Ferreira com destino ao seu ponto final. Era feriado de Finados (02/11/2019) e no dia anterior aconteceram algumas festinhas de Halloween na região, a estação estava dominada de gente fantasiada e os famosos zé droguinhas de juliete e havainas (leia-se: nóias). Tome cuidado na estação!
      Devido o feriado a Mogi - Bertioga (SP - 098) estava lotada o que atrasou nossos planos e acabamos iniciando a trilha às 9h 20min da manhã. Assim que o ônibus chegou no km 77 (ponto final) descemos e iniciamos uma caminhada puxada até o km 81 onde fica a entrada da trilha.
      Fizemos uso de um Tracklog até a travessia do Rio Itapanhaú. Essa foi uma trilha que eu nem imaginava existir assim tão perto de um centro de cidade relativamente grande. O lugar é de fauna e flora ricas e os afluentes que vão de encontro ao Itapanhaú então são fenomenais. Por diversas vezes tomei água direto das pedras dos afluentes, até agora estou de boa... LOL
      Iniciando a trilha foi tudo perfeito! Sol acima da cabeça e muita água fresca, além de também não encontrarmos praticamente ninguém no trajeto. Acho que porquê essa é uma trilha difícil de transpor devido os terrenos distintos do trajeto (rodovia, depois trilha em meio a mata atlântica, depois trilha em rio, depois trilha na mata novamente e depois rodovia novamente). Não é pra qualquer pé de breque, são 20 km no total com desníveis consideráveis que pedem o uso de joelhos joviais e sadios.
      Essa trilha dá acesso também a Cachoeira do Itapanhaú (Cachoeira do Elefante) é possível passar lá para contemplação e seguir adiante depois (deixei o tracklog no Wikiloc).
      Fora as incontáveis vezes que irá transpor os afluentes do Itapanhaú, com sorte, também poderá ver alguns espécimes da fauna local. Nesse dia vi Jararaca, Saracura e ouvimos sons de porcos do mato, poderia ser Caititu ou sei lá até Javaporco. 
      É preciso tomar cuidado ao trilhar as regiões da Serra do Mar pois infelizmente ainda existem caçadores na região atrás de porcos do mato, felinos ou outro animal qualquer. Além de palmiteiros que podem estar por ali também na sua maioria bêbados e podem querer atrasar seu lado.
      CUIDADO: No dia dessa pequena expedição ouvimos alguns estampidos de espingarda e o som de apitos, se um caçador atira a esmo na mata ele pode nem estar te vendo no meio do mato e te acertar.
      Essa é uma trilha que vou repetir com certeza, é umas das mais bonitas devido a grandiosidade do Rio Itapanhaú e também de sua mata bem preservada. No final do trajeto solicitamos um motorista via UBER no posto da Rodoviária Federal, dali fomos para um camping, dormimos, e no outro dia: praia. Vale a pena o rolê.
      Segue no Intagram @robsonferreiraofficial
      Facebook https://www.facebook.com/robsonferreiraofficial







      Mais fotos no Facebook e Instagram.
    • Por panda
      Meu primeiro mochilão pela Europa foi no longínquo ano de 2004 (mesma época em que entrei aqui no fórum).
      Acredito que a frase acima já lhe permita imaginar como minha viagem foi bastante diferente, levando em conta o quanto o mundo evoluiu em 15 anos.
      Sem mais delongas, vou citar abaixo 10 itens/coisas que levei em meu primeiro mochilão e que hoje poderia dispensar.
      As imagens são meramente ilustrativas.
       
      1. Câmera Fotográfica
       

      Eu sei exatamente o que você está pensando: em 2004 câmeras digitais já eram (quase) populares.
      Sim, já eram. Inclusive levei uma delas comigo (daquelas fininhas point and shoot).
      O problema é que minha câmera digital usava pilhas palitos que se desgastavam rapidamente.
      Além disso, meu irmão tinha uma câmera analógica semiprofissional da Canon e eu a levei acreditando que as fotos ficariam muito melhores do que na outra.
      A Canon era pesada, com uma lente grande...e não era fácil de guardar em uma mochila.
       
      2. Carregador de pilhas

      Mais barato do que comprar pilhas todos os dias para a minha câmera, eu comprei um carregador com 4 pilhas recarregáveis.
       
      3. MP3 Player

      Nada como ouvir uma boa música enquanto você espera o trem chegar...ou antes de dormir, depois de andar quase uma maratona para conhecer o maior número de pontos turísticos na cidade que se visita.
      Aliás, cabe salientar que meu mp3 player também usava pilhas palito.
       
      4. Despertador/relógio

      Levei dois relógios de pulso (um com o fuso do Brasil e o outro com o fuso local), mas descobri alguns dias antes da viagem que ambos tinham o som do alarme muito baixo (e eu o sono muito pesado).
      Diante deste problema, corri para uma loja de 1,99 e comprei um despertador (só pra garantir...sabe como é...).
       
      5. Lanterna

      Quando você dorme em um quarto com 8 ou 10 pessoas que você não conhece, é sempre bom ter uma lanterna pra encontrar o caminho do banheiro ou algum item perdido na sua mochila bagunçada.
       
      6. Dicionário

      Como já tinha certo conhecimento da língua inglesa, levei comigo um dicionário português/francês, pois passaria por 3 países francófonos.
       
      7. Diário de viagem

      Para guardar boas lembranças, além de registrar informações importantes (que depois compartilhei aqui no fórum), levei um caderno ou diário de viagem. Tenho ele guardado até hoje.
       
      8. Guia de viagem / mapas em papel /outros tantos papéis

      Levei um livro/guia de Amsterdã que emprestei de um amigo, além de várias páginas impressas com dicas que encontrei na rede (como ir da estação de trem/aeroporto até o hostel, principais pontos turísticos, onde comer gastando pouco, etc).
      Lembrando que o mochileiros.com tinha apenas 2 anos na época e a internet ainda não dipunha de tantas informações compartilhadas entre viajantes.
      Além disso, me utilizei de vários mapas em papel que ganhei ou comprei pelo caminho.
      Sem falar, é claro, nos tickets de trem/ônibus/avião que eu precisava guardar em minha mochila.
      Enfim...muitos papéis.
       
      9. Roupas em excesso / Peso em excesso

      Ainda que o mochilão tenha ocorrido no inverno, calculo que levei quase o dobro de roupas que eu efetivamente usei. Lavei algumas peças nos hostels e outras nem cheguei a usar.
      Isso impactou principalmente no peso de minha mochila (e em dores nas costas).
       
      10. Kit de costura

      Pensei muito se incluía ou não este item na lista, pois ele efetivamente salvou a minha vida (metaforicamente, é claro).
      Em razão do citado excesso de peso em minha mochila, somado ao fato desta não ser de uma qualidade muito boa, sofri um acidente quando aguardava meu trem na estação de Bonn, na Alemanha.
      Minha mochila simplesmente rasgou o fundo, despejando minhas coisas diante de uma plateia de alemães incrédulos com a cena.
      Embora inicialmente desesperado, vi o kit de costura no chão e o usei para costurar minha mochila.
      Entretanto, não foi tão fácil assim.
      As linhas do meu kit eram de má qualidade e quebravam quando eu tentava costurar um material tão duro quanto a mochila. Diante de tal infortúnio, não tive dúvidas: costurei com algo muito mais resistente, fio dental.
      A mochila ficou feia, mas aguentou o resto da viagem sem problemas.
      Pensando melhor...talvez seja bom manter o kit de costuras...
       
      Enfim, esta é a minha lista.
      É fácil perceber que o smartphone substituiu a maioria destes itens que citei, dentre outros que acabei não citando aqui (talvez em uma parte 2).
      E você? O que não levaria no seu próximo mochilão?
       
    • Por Alex Todeschini
      Seguindo minha filosofia de viagem, essa não poderia ser diferente, ou seja, busque um bom preço das passagens, encontre uma data que combine com sua disponibilidade e orçamento (lembrando que o cartão de crédito sempre pode dar uma ajudinha aqui) e partiu viagem.
       
      Esta foi uma viagem curta, porém cheia de expectativas alimentadas por mais de dois anos. Ao total, foram 8 dias em que eu e minha filha tivemos de fazer escolhas para tirar o máximo de proveito de um pedacinho desse país cheio de contrastes.
       

      Dia 1 (Segunda - 8/5): Chegada no aeroporto salgado filho em Porto Alegre aproximadamente às 8:15 para confirmar que a autorização de menor e tudo mais estavam de acordo, descobrimos que o juizado abriria somente as 9, tudo bem, assim temos mais tempo para fazer nada. O primeiro sinal que o universo estava a nosso favor, veio do check in, onde a gentil atendente nos deu a opção de não trocar de aeroporto em São Paulo de Congonhas para Guarulhos, local de onde partíamos para Joanesburgo. Seria um longo dia já que nosso vôo sairia de São Paulo somente às 17:30.
       
      Dia 2 (Terça - 9/5): Chegada em Joanesburgo aproximadamente às 7:45am, nosso fuso horário está 5 horas a frente. Neste momento inicia a parte tensa na imigração, pois seguindo as exigências da embaixada temos certidão de nascimento, autorização de viagem para menor, certidão de vacinação internacional e tradução juramentada já que eles não sabem ler português .Estava com o espírito pronto para rebater todas as perguntas vinda de qualquer agente federal, porém uma surpresa, a única pergunta foi se tínhamos uma caneta pois a dele parou de escrever (acredite ). Passando todos os trâmites de imigração, bagagem e câmbio, chegamos de táxi (550 ZAR) até o hostel “The Birchwood Backpacker Lodge” (75 USD para duas noites), o qual entendi o motivo da altíssima recomendação no booking.com, iniciando pelo check in programado para às 15h da tarde foi feito às 11h. Aproveitando o embalo e esquecendo qualquer sensação de cansaço da viagem, iniciamos a busca através do citysightseing.com.za para um dia nas ruas de Joanesburgo (19 USD). Chegada até o local de partida com o Uber (5 USD).
       

      Saindo do Rosebank, passamos por 2 zoológicos e vários museus, porém o foco ficou para o Museu do Apartheid (12 USD) o qual passamos quase 3 horas sem assistir todos os documentários e ler todas as descrições.
      Retornamos através de dois ônibus (a linha vermelha e a verde) sentido os efeitos da viagem.
       

      Paramos no shopping para uma refeição deliciosa porém um tanto cara (26 USD). Carregado o SIM card recebido no aeroporto (7 USD), que a propósito não foi mencionado anteriormente, mantivemos uma ótima percepção de gentileza e cordialidade do povo sul africano, exemplo foi do atendente que sem nenhuma obrigação já com a loja fechando (a propósito o comércio fecha cedo aqui) fez questão de auxiliar até que eu tivesse a Internet propriamente configurada. Agora com internet estamos prontos para retornar ao quartel general através de Uber (5 USD).
       
      Dia 3 (Quarta - 10/5): Nesta manhã apesar do relógio despertar às 7:30 não saímos da cama antes das 9am. Após um saboroso café da manhã, retomamos a programação do dia o qual tivemos a confirmação de saída de carro às 13 horas em direção ao Kruger Park com o Pieter Strydom do Big Six Tour Safaris, sendo 3 dias com 2 noites incluindo transporte, entrada nos parques e café da manhã (1007 USD). Iniciamos uma longa jornada com duas paradas para lanche (95 e 97 ZAR) e às 19:30 cruzamos as porteiras do Park que fecham às 18h, porém estávamos em comunicação com o pessoal do parque durante o trajeto evitando qualquer mal entendido diante do Rangers fortemente armados. Após acomodados no luxuoso Lodge (Já que não havia mais vagas para barracas), aproveitei o banho de banheira para relaxar e renovar as energias para o próximo dia que inicia bem cedo.
       
      Dia 4 (Quinta - 11/4): O relógio desperta pela primeira vez às 4:15 e já estava acordado (na verdade acho que nem dormi direito ansioso para sair), levamos cobertores para nossa primeira aventura em busca dos incríveis Big 5 (leão, elefante Africano, Búfalo, leopardo e o rinoceronte negro ou o branco). Ante das 5 da manhã já estávamos com as lanternas em busca de qualquer coisa que brilhasse para assim identificar o que seria.
       

      Após 3 horas de passeio por uma das estradas do Kruger Park estávamos de volta para um rápido café e assim partir do acampamento "Arpen" para o "Satara" onde tomamos um delicioso café da manhã. Em direção ao acampamento “Skukuza”, passamos por uma quantidade significativa de mamíferos e pássaros. Chegando no acampamento, compramos entre bebidas, comidas e souvenir (306 ZAR). A quantidades de animais vistos e as curiosidades da vida animal na sua mais pura realidade continuam a impressionar, sendo a última no final do dia, a observação de um crocodilo demostrantando sua exímia paciência e estratégia em busca de sua janta :'> .
       

      Seguimos em direção ao próximo e último acampamento "Pretoriuskop". Chegamos já era noite, compramos nossa janta (204 ZAR) e aproveitamos o restante do dia desfrutando uma ótima conversa em frente a cabana.
       
      Dia 5 (Sexta - 12/5): Acordamos mais tarde, às 6am para preparar nossa bagagem em direção ao Panorama Route, sendo que 6:30 já estávamos na estrada, ainda dentro do Park com esperança de ver os felinos, porém continuamos com a mesma amostragem. A próxima parada foi no hotel “Hippo Hollow Country Estate” para um fantástico e delicioso café da manhã em frente ao Rio dentro de uma área reservada onde já estávamos esperando ver outros animais (isso vicia) .
       

      Seguimos nossa rota e agora com parada na fantástica “Blyde River Canyon” (pensa em algo incrível).
       

      O próximo ponto foi a "God's Window" que estava fechada, pois com a altitude ao nível das nuvens, não temos garantia de apreciar esse cenário, porém fomos compensados na próxima parada (Lembra do outro incrível? Pois é, esse é ainda melhor) .
       

      Seguimos a descida até próxima cidade, onde a parada foi para um Waffle belga e um café delicioso (13 USD), mas waffle não vou esquecer, ainda fizemos outra parada até o fim da nossa jornada às 19:30, mas não tive coragem de tirar o gosto do waffle da boca. Durante a noite, sem muito tempo para pausa, tínhamos que preparar a programação do final de semana, com o desafio de não ter luz no hostel, coisas de África do Sul (lembrei do nosso país neste momento).
       
      Dia 6 (Sábado - 13/5): Acordamos as 7 horas para preparar e ajustar a bagagem (tivemos que fazer uma de duas bagagens para economizar 300 ZAR, já que os vôos domésticos dão direito somente a uma bagagem de mão de 7kg) para o vôo em direção a Port Elizabeth com a FlySafair (290 USD), fomos de Uber (25 USD). Chegando no aeroporto, fomos retirar o carro na “Europcar” (43 USD) alugado online pela “www.rentcar.com/pt-br”. Pegamos o mais barato, talvez tenha sido sorte mas pegamos um Kia Picanto LX com 7.000km, porém câmbio manual o que dificultou ainda mais a condução do lado inglês, talvez seja fácil para alguns, mas eu estava o tempo todo pensando que estava na contramão, além de tentar trocar a marcha com a mão direita.
       

      Após uma parada em Jeffreys Bay para comer (29 USD), continuamos a jornada até “Plettenberg”, onde apesar de uma passagem rápida, foi uma ótima opção no hostel “Nothando Backpackers Lodge” (378 ZAR) com direito a boa cerveja e ótima troca de experiência com pessoas do Canadá, Austrália, Suíça, Coréia e África do Sul.
       
      Dia 7 (Domingo 14/5): Relógio tocou às 7:30, mas como tínhamos que sair somente às 9, aproveitamos uns minutos a mais de preguiça. Fomos até o mercado comprar o café da manhã (97 ZAR) e desfrutá-lo na beira da praia.

      Chegamos meio dia no “Bungy Jump Bridge, Bloukrans” conforme agendado em “www.faceadrenalin.com” e assim sentir a euforia e adrenalina causada por um salto de ponte a 216 metros de altura , o mais alto do mundo! (1900 ZAR, sendo 233 de impostos).
       

      Depois de ver o vídeo ficou difícil não comprá-lo apesar do preço (600 ZAR com pen drive). Missão cumprida é hora de retornar a Port Elizabeth com parada em “Storms River” para um lanche (113 ZAR). Tudo conforme esperado, entregamos o carro no final do dia com tanque cheio (47 USD) e embarcamos de volta a Johannesburgo às 20:50 e tomamos um Uber (45 ZAR) até o “Terrilyn Guesthouse and Backpackers Hostel” (500 ZAR) o qual fomos muito bem recebidos por uma senhora de forte sotaque inglês. Agora é dormir e se preparar psicologicamente para a volta.
       
      Dia 8 (Segunda 15/5): Acordamos cedo porém saímos da cama somente as 8 e apesar de não estar incluído o café, essa simpática senhora compartilhou seus cookies e um bom café. Uber até o aeroporto (110 ZAR) e após o motorista desistir do GPS, chegamos ao portão de embarque "errado" e ficamos aguardando quase até perder o vôo e se dar conta de mudar. Chegando em São Paulo às 17, descobrimos que teríamos que trocar de aeroporto ou aguardar mais um hora. A escolha foi: "daqui ninguém me tira" . Era hora da última extravagância na janta (R$ 119) e chegada em Porto Alegre às 23:50.
       
      A parte boa de viagens curtas, é que aproveitamos ao máximo cada minuto de nosso tempo e a outra parte boa é que já saímos com uma lista pronta do próximo roteiro a ser realizado.
       

      Tabela com os valores gastos em cada um dos dias convertidos para reais com a cotação do dia da publicação (29-Mai-2017).

      Total gasto durante a viagem foi de R$ 6686 ou R$ 836 por dia para duas pessoas.
       
      1 ZAR = 0,25 BRL
      1 USD = 3,27 BRL



×
×
  • Criar Novo...