Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Posts Recomendados

Olá Frida, seu post foi de muita utilidade, irei um pouco antes do JBWalli, irei dia 14 e volto dia 26, minha dúvida, a trilha do Vale do Pati é bem batida ? e do lençois x Capão também? caso tenha algum amigo mochileiro indo nesta data seria um prazer caminhar com os amigos!!

 

Não é que a trilha do Vale do Pati seja batida, há que se ter um bom mapa da região, ter noção e senso de nevegação e direção... Mas para quem tem algum conhecimento ou noção de navegação dá pra ir sem guia, já que o cartel de guias engessou o valor da diária em R$ 150,00 por pessoa. (acho q vou largar o emprego e virar guia ...rsrsr)

 

Já esta trilha Lençois X Capão ou trilha das mulas é mais simples, porém é necessário um bom mapa tb, já que ela tem bifurcações. Sempre aconselho a pernoitarem em águas claras que é lindo demais!

 

Olha, tem um amigo que pretende ir nesta época, vou mandar uma MP pra vc com o contato dele, daí vcs conversam. ::otemo::

 

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gente, Não sei o que fazer!!!

 

Vou pra chapada dia 13 de novembro e volto dia 19.

 

Fiz um orçamento com a chapada adventure e ta muito caro!!

 

Não quero pagar por coisas que dá pra fazer sozinha ou com os guias.

 

Me dêem uma luz!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tem um tópico aqui no forum que fala sobre muitas trilhas que eh possivel se fazer sozinho sem a ajuda de guias... mas pra que lugar da chapada voce tá indo ?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Saudações!

 

Estou indo para Lençois dia 11/8 e ficarei 6 dias por lá. Vou sozinho e pretendo acampar. Por enquanto estou cheio de dúvidas e gostaria de dicas do pessoal que já foi. Sei que com bastante leitura minhas dúvidas terminarão. ;)

 

Bom,

 

A primeira é se é possível fazer um bom número de passeios sem guia, e caso sim, quais seriam os mais recomendados? Imagino que o valor dos guias seja elevado para bancar sozinho.

 

A segunda é se alguém já fez essa viagem sozinho e mesmo assim foi uma experiência bacana. ;)

 

A terceira e final é se alguém vai para lá no mesmo periodo e pretende acampar. Podemos combinar uma trilha ou, no mínimo, uma cervejinha!

 

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ola Daniel!

 

Fui sozinho pra lá cara, pro Vale do Capão e depois Lençois. No onibus mesmo ja fiz amizades, chegando lá amigos não faltaram.. eu estava super empolgado, falando com todo mundo que aparecia.. então isso ajudou bem! Acabei ficando la no Seu Dai, acho que um camping é um lugar ideal pra quem viaja sozinho, pois é muito facil conhecer pessoas! Conheci uma turma legal (ninguem se conhecia também) e fizemos vários passeios pelo parque, inclusive uma viagem inesquecivel de 7 dias pelo Vale do Pati e uma travessia Capão-Lençois de 2 dias. Agente foi sem guia, eu recomendo a brincadeira se "voce possuir algum espírito aventureiro, bom humor para os perrengues e alguma noção de localização"... é bem mais interessante hehehe. Curtimos visuais e momentos mágicos na caminhada, mas tambem passamos por alguns problemas, um casal desistiu pois a caminhada ficou dificil pra menina em alguns pontos que agente foi e não sabia da dificuldade, no ultimo dia tivemos que levar a mala de um amigo que passou mal...por isso eu lhe digo pra colher bastante informações com a galera do camping antes de ir, perguntar aonde voces provavelmente vão se perder, aonde é legal de ir...muita gente ja fez esses passeios! Posso lhe dizer que foram dias iluminados em meu caminho, aprendi muito sobre a vida andando por lá e vi como tem lugar bonito nesse mundo aí. Acabei descobrindo uma paixão que não conhecia, Camping e Trekking. Então eu digo, mesmo que não vá fazer as trilhas sem guia (realmente voce pode se dar mal, aprenda bem aonde vai pisar antes de ir...não é brincadeira, o parque é gigantesco!), vá mesmo meu chapa, voce vai curtir muito lá!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Grande, Julio.

 

Muito obrigado pela sua resposta. Além de animadora, foi um grande incentivo. Espero ter uma experiência tão rica quanto a que você teve.

 

Abraços,

Daniel

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá Julio,

Sobre o camping, ele é no Vale do Capão? Outra coisa a trilha do Vale do Pati e bem pisada melhor bem marcada? tem alguma sinalização? Muitas bifurcações que podem gerar dúvidas? A última, está em torno de quanto os preços de passeios, por exemplo cachoeira da buracão e poço azul, e preço dos guias? Desde já agradeço!! Forte abraço!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi, gente!

Estou indo para Lençóis no final desta semana e ficarei acampada lá. Minha ideia é dormir só em Lençóis mesmo, não quero fazer trilhas longas.

Penso apenas em dormir uma noite em Mucugê se eu arrumar um grupo por lá para visitar os poços azul e encantado, Igatu e Buracão.

 

Bom, minha pergunta é: quais as trilhas curtas que eu consigo fazer sem guia lá em Lençóis?

Por exemplo: ir para Serrano e Ribeirão do Meio. Dá pra ir sem guia, à pé?

E para a pratinha? Tem algum transporte pra á que seja mais em conta?

 

Obrigada! Beijos!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E ai pessoal. Seguinte, estou querendo ir para a Chapada com um só objetivo, fazer a trilha da Cachoeira da Fumaça por baixo.

 

Meu pensamento é chegar a Lençois por volta de 13 hrs, me hospedar em uma pousada para no dia seguinte partir para a trilha.

 

Pois bem, gostaria que alguém me desse uma noção de quanto custaria um guia para 4 ou 5 pessoas. Alimentação para a trilha, quanto mais ou menos eu gastaria.

 

 

Grato

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por Jeniviana
      Mapinha do Vale
      Este é um relato basicão com dicas e a minha percepção do local, ou seja, algo muito pessoal.
       
      DIA 1- Partimos de Salvador rumo a Palmeiras, município sede da região, no ônibus da noite, chegando lá pela manhã logo cedo. Quando cheguei já tinha alguns carros fazendo o trecho Palmeiras-Vila do Capão, mas como tinha que encontrar uma amiga e a outra precisava sacar dinheiro (só vi banco Bradesco), pois tinha ido despreparada, fomos a procura do tal banco e encontrar a Ruth. Meia hora depois voltamos para a rodoviária e a primeira má notícia do dia é q só teria transporte pela tarde, um senhor queria nos cobrar R$ 100,00 para nos deixar na vila, claro q fomos catar outra pessoa, depois de muito barganhar fechamos por R$ 75,00 e seguimos para o Vale.

      Riachinho
      Decidimos parar no Riachinho, q fica alguns km antes da Vila, uns 3-5km, descemos, comi o cuscuz q havia levado e as meninas foram fotografar o lugar, ficamos um pouco mas n entramos na água e decidimos ir rumo à Cachoeira da Fumaça, não imaginamos q era tão longe e com mochila nas costas foi muito sofrido. Só conseguimos chegar a entrada da trilha umas 11h, o rapaz q estava na recepção da Associação de Condutores q fica na entrada da trilha da cachoeira nos fez a gentileza de nos orientar a não subir com as mochilas (na minha absurda imaginação eu conseguiria subir até a 2° mais alta cachoeira do Brasil com uma mochila razoavelmente pesada nas costas). Deixamos nossas coisas numa lanchonete próxima a trilha com um senhor pra lá de simpático e seguimos a trilha, muito íngreme, com a ajuda do App Wikilok (q foi muito útil). A trilha foi pra lá de sofrida, tanto na subida quanto na descida, devido ao cansaço acumulado, mas valeu a pena... Não recomendo a pessoas com dificuldade de mobilidade fazer a mesma, pois apesar de não ser difícil de se guiar lá, a subida/descida cansa bastante.
      Nota a parte: Foi na trilha da Fumaça q superei um pouco meu medo de altura, foi lá q descobri q mesmo cansada eu mantenho a calma e a fé. Foi naquela descida que vi o quanto Deus é lindo e nos dá força quando pensamos estar no limite. Nessa hora a gente entende q ter fé faz muita diferença!

      Cachoeira da Fumaça
      Voltando...
      Depois da cansativa trilha ainda fomos a pé até a Vila, mais 2km e descobrimos q ainda tínhamos muito pra andar pois o Hostel q havíamos reservado ficava a 1,5km da vila. Conseguimos com a orientação de uma senhora e as várias placas do hostel espalhadas pela estrada chegar ao hostel umas 18/19h, exaustas! Só pedi pra ver o quarto e o banheiro, tomei banho bem gelado pra adormecer as pernas doloridas e deitei pra descansar, mas acabei dormindo e só acordei no outro dia.
      DIA 2- Acordamos, tomamos café e nos preparamos para sair, nos orientamos com o pessoal do hostel e seguimos rumo ao Rio Preto, q nem estava no roteiro, mas já havíamos entendido q nosso roteiro era péssimo pra fazer todo a pé e em tão pouco tempo(3dias). Seguimos até a trilha e nela com ajuda do Wikilok, depois de andar uns 1,5km a trilha ficou esquisita e as meninas preferiram voltar, no caminho encontramos uma família indo pro mesmo lugar por outra trilha e acompanhamos, trilha fácil, porém no fim tem uma descida íngreme e escorregadia. Finalmente chegamos ao rio, maravilhoso, poço legal, cachoeira pequena mas agradável, só tinha a gente e a família, passamos a manhã e parte da tarde por lá, depois seguimos para a Vila para aventurar transporte para a Cachoeira da Purificação q fica na Vila do Bomba, nos cobraram 80 reais de carro e 20 reais de moto, decidimos fazer no outro dia a pé e voltamos para o hostel, chegamos por lá umas 16h e só saímos a noite para a vila. A noite comemos uma pizza maravilhosa atrás da praça e voltamos para dormir.


      Rio Preto
      DIA 3- Tomamos café, preparamos nossas mochilas, pois não iríamos voltar mais ao hostel e partimos rumo a vila para nossa última trilha. Chegando lá comprei a passagem de volta para Palmeiras e Kelly, q havia ido comigo de SSA, decidiu antecipar a passagem dela, nos despedimos e fomos, eu e Ruth, rumo ao Bomba, seguimos a pé os 7km da Vila ao Bomba e lá começamos a trilha, uns 30 min depois encontramos a Cachoeira Angélicas, bonitinha, mas nosso foco era a Purificação, então n tomamos banho, nessa hora meu celular bugou e foi um tanto complicado rever a trilha a partir de onde estava com o Wikilok, mas ainda assim conseguimos e seguimos para a Purificação, quando chegamos ao leito do rio não consegui encontrar mais a trilha (era para atravessar o rio e eu tentei seguir em frente) então decidimos voltar, no caminho encontramos um casal q tbm estava à procura da cachu e fomos juntos ao início da trilha, pois um rapaz havia nos informado q se pegássemos o outro caminho seria mais fácil, ledo engano, a partir daí não tínhamos mais o App, mas conseguimos chegar de novo ao rio onde eu havia desistido. Chegando lá decidimos atravessar o rio e encontramos outra trilha, fizemos isso mais umas 4 ou 5 vezes (o casal, Raissa e Lucas, tinha se informado com locais e sabiam q deveríamos atravessar o rio algumas vezes). Em uma parte do caminho quase desistimos, já eram 14:30h e não havíamos encontrado a tal cachu, mas Lucas foi aventurar o caminho enquanto a gente descansava e achou a bendita. Seguimos caminho, achamos a cachu, tomamos banho na água geladíssima e saímos de lá umas 16h num caminho já conhecido e tranquilo. Chegamos no Bomba e nos despedimos, pois eu e Ruth seguiríamos a pé e eles de moto.

      Angélicas

      Purificação❄️
      Voltamos o caminho todo e chegamos na Vila as 18:30h, comemos e Ruth foi embora, esperei a Topic até as 20:30h e me despedi do Capão.
      DICAS E PERCEPÇÃO DO LOCAL:
      Só vá ao Vale se vc estiver de carro, muita vontade de andar ou dinheiro para pagar pelos trechos. Por lá é fácil encontrar um guia, mas não há ‘assédio’ como em Lençois, q basta virar a esquina para alguém te perguntar se vc quer um guia. Também não há ninguém te amedrontando em relação as trilhas.
      A cidade é bastante rústica, mas há restaurantes, mercadinhos e lojas o suficiente, com preços razoáveis. Por lá a sensação de segurança é muito grande, sendo muito tranquilo andar a noite distancias razoáveis.
      Tudo o q comemos nas trilhas a gente levou de casa, o café da manhã foi servido pelo hostel, só pagamos pela janta e algumas besteiras.
      As pessoas são muito educadas, porém pode haver um choque cultural muito grande. Grande parte dos habitantes são hippies, pelo menos no jeito de se vestir, há um grande misticismo pela cidade e é comum as pessoas fumarem, leve tudo isso com tolerância e amor ao próximo.
      Quando organizar seu roteiro esteja bastante atento as distâncias entre uma atração e outra, observe com cautela e discernimento os níveis de cada trilha a se fazer, não se superestime, isso pode te deixar decepcionado como eu fiquei ao não conseguir cumprir com meu roteiro. Esteja aberto a sugestões e mesmo com GPS ou App se informe antes de fazer as trilhas. Lembre-se, o roteiro é vc q faz, mude sem quebrar muito a cabeça quando tiver dúvidas demais.
      No mais direi como alguns nativos: Ouça seu coração!!!
      Saiba a hora de parar e de começar, nos momentos difíceis lembre q só uma pessoa pode resolver aquilo, VC, relaxe e peça ajuda a Deus q tudo dará certo. Aprenda a superar seus limites, mas se respeitando, a linha entre uma coisa e outra é muito tênue, mas ela existe.
    • Por Frida_ssa
      Olá Mochileiros!
       
      Bom, vou fazer alguns relatos/descrições/dicas, além de algumas experiências vividas nas trilhas localizadas em Caeté Açu, distrito de Palmeiras- Bahia, mais conhecido como Vale do Capão, local que frequento há mais de 10 anos.
       
       
      Serra do Candombá e Poço do Gavião
       
      Sempre quis ir para esta trilha, as pessoas falavam num “nascer do sol” maravilhoso e tal.... Eu não sabia o caminho, então tinha esta dificuldade de contratar um guia, a dificuldade era mesmo a grana curta, pois guia é o que não falta!! tem um a cada metro quadrado!!! rsrsrs Já me perdi uma vez tentando achar o Poço do Gavião, inclusive este relato começa com este fato, uma imprudência de minha parte, na verdade, eu acreditei num amigo que dizia conhecer a trilha.... e me ferrei!! Depois de subir Serra do Candombá, não conseguíamos encontrar a entrada para o mirante da pedra, o erro consistiu em seguir direto, quando avistei bem de perto o Morro Branco, fiquei desesperada porque já estava quase próximo à Vila do Bomba!!! andamos mais de 10 km!!! perdidos na Serra do Candombá, depois de toda a água e lanches ter acabado, tivemos que voltar debaixo de um sol escaldante, sem água, sem comida, cansados.... meu rosto estava doendo e ardendo das queimaduras do sol. Bom, eu bebi uma água que minava em uma parte de charco, estava morta de sede e só fiz tirar alguns girinos e beber a água (eca!!!!! q nojo!!!) mas como dizia meu querido pai: “pior é na guerra”. Este fato me fez excluir a trilha até o Poço do Gavião, das idas e vindas ao Vale do Capão. Mas depois alguns anos o trauma passou... Lá no Capão, há uma lenda contada pelos moradores mais antigos de que existem “encantamentos” nesta trilha que costumam desorientar o andarilho (seriam duendes e fadas?).
       
      Bom, todos os guias que consultei me indicaram fazer esta trilha e dormir lá, segundo eles não valia a pena o “bate e volta”. De fato, eles tinham razão... mas não havia possibilidades então foi “bate e volta” mesmo. Arrumei as tralhas na mochila, saí cedo do camping para tomar café e encontrar o guia. Saímos por volta de 08:30 da manhã em direção ao Poço do Gavião. A trilha começa passando pela entrada da Cachoeira de Rodas, segue-se direto, logo em frente há uma cancela e este é o ponto de referência, entramos na subida da Serra do Candombá. Chegamos até o mirante da pedra, de onde se tem uma vista fantástica de todo a Vale do Capão, do Morro do Pai Inácio, Morrão e dá para ver também a Serra da Larguinha (onde fica a Cachoeira da Fumaça), inclusive vê-se ao longe a cidade de Palmeiras.
       
      Descansamos um pouco para continuar a caminhada. Seguimos adiante por mais uns 30 minutos por uma parte mais plana, com vegetação exuberante, com muitas flores, muitas espécies de bromélias, orquídeas e cactos, algumas eu nunca tinha visto na região. As formações rochosas desta trilha são uma atração à parte, pois elas tem formas diversas, eu consegui identificar algumas e foi muito interessante: a cabeça de um camelo e o rosto de Michel Focault (eu estava no meu estado normal de consciência!!! rsrsrs)
       
      Bom, depois de quase torcer o pé e trombar num pé de sempre viva, seguimos... Aliás se eu não pisasse na plantinha com certeza meu tornozelo iria ficar mal, o guia não gostou, ficou lá com aquele discurso de ambientalista chato, até tentou uma grosseria comigo mas meu amigo Adson deu logo uma “queimada” nele (as flores sempre viva quase foram extintas, por isso o cuidado do guia) mas ou era meu tornozelo ou era a plantinha, poxa!!! Bom, depois deste “momento show” do guia seguimos, agora por uma parte de descida, com algumas pedras grandes que necessitava uma descida mais técnica, como eu não tenho técnica, sento na pedra e pulo lá embaixo (seria esta a técnica?) isso me rendeu uma calça rasgada. Desta parte de descida, já dá para avistar as águas do Poço do Gavião, tirei várias fotos!!! continuamos andando por mais alguns 10 minutos até chegar no Poço do Gavião. Realmente é um dos lugares mais lindos que já vi, talvez seja o meu preferido... o poço é enorme, a visão é fantástica do lugar, aquela lagoa enorme (mais de 100 metros) no meio das montanhas... é algo incrível!!!! a água é gelada, mais gelada que o normal. Fiquei com medo de entrar pois a água é muito escura, porque eu não conhecia.. mas o guia se jogou na água, depois que ele foi eu me joguei também hehehe, só depois que ele me disse que é cheio de cágados (tartarugas)... Inclusive tinha uma delas que sempre aparecia ao meio dia. Quando estava próximo do meio dia, o guia nos chamou para ficar no local onde a tartaruga aparece, eu achei meio doido isso mas fiquei lá parada, olhando, olhando..... pois não é que a danada aparece mesmo!!! rsrsrs que fantástico!!! e ainda faz pose para foto!!!
       
      No percurso das águas há alguns poços mais rasos e pequenas quedas d'água. Fiquei nadando nas águas geladas, desci o percurso do rio, a vegetação é muito exuberante, várias espécies de insetos, fiquei observando umas formigas listradas, as borboletas são multi coloridas e lindas!! Depois quando retornei “o povo” estava tirando fotos de uma cobra verde. Ficamos lá por mais algum tempo e às 15:00 horas retornamos, me deu o maior arrependimento de não ter ficado para dormir, mas como falei antes a grana estava curta e não dava para pagar duas diárias para o guia. A volta me pareceu mais rápida, na descida todo santo ajuda! Como chegamos relativamente cedo, resolvi tomar um banho e curtir o pôr do sol na Cachoeira de Rodas que é bem pertinho, segui com os amigos por uns 10 minutos e para nossa surpresa quando chegamos tinha várias pessoas peladas!!! Homens, mulheres, crianças, idosos... Era o encontro de uma comunidade alternativa. Eu fiquei um pouco assustada no início, depois acostumei... rs! Após o banho naturista, seguimos para o Bar de Medinho pra tomar uma gelada!
       
      PS: Esta trilha é super necessário que se use calça.
       
       
      Rodas e Rio Preto
       
      Logo no início da trilha a pessoa é presenteada com a vista da Serra do Candombá, segue-se pela encosta acompanhando um muro de pedras construído por escravos nos tempos do garimpo. Acho legal nesta trilha inverter a ordem, primeiro ir ao Rio Preto e depois, no final da tarde, ir para Rodas. O pôr do sol em Rodas é muito lindo!! Dos pequenos poços de água gelada da Corredeira de Rodas (legal para crianças pois são rasos) se tem vista panorâmica de todo o local, além de servir de “camarote” para apreciar um pôr do sol fantástico!!!! Isso porque os raios de sol (amarelados) cobrem os paredões de rocha que cercam a Corredeira de Rodas, e formam um espetáculo de cores. A encosta fica toda alaranjada, um espetáculo!!! lembra a música “trem das cores” de Caetano Veloso. Rodas começa com alguns poços bons para banho, porém com muitas pedras, em um determinado trecho forma-se uma corredeira, por isso que eu sempre me refiro ao local como “Corredeira de Rodas”. Legal é descer cuidadosamente, corredeira abaixo para apreciar o poço que tem lá no final, uma pedra enorme separa a corredeira desse poço maior.
       
      Rio Preto – O rio Preto percorre toda a encosta da Serra do Candombá, a trilha é bem fácil, antigamente existia uma espécie de batismo para os iniciantes que era “se perder no Rio Preto”, mas hoje em dia, dá para chegar até de olho fechado!!! rsrsr, pois a trilha é bem fácil e demarcada. Após 30 minutos de caminhada, a descida é bem íngreme e escorregadia mas dá para se agarrar nas pedras e nos troncos das árvores, e ser uma descida super segura. Há um poço com a água escura e também algumas quedas d'águas, uma delas é mais baixa e menor e forma um pocinho bem legal para crianças, pois é raso e a queda d'água por ser mais baixa não é forte. Subindo nas pedras dá para ficar na parte de cima da Cachoeira do Rio Preto, lá é mais vazio, porque em feriados (em especial o carnaval e reveillon) uma pequena multidão vai ao Rio Preto, levam farofa, cães, bebidas alcoólicas etc. Mas há que se desconsiderar este detalhe, pois quase todos os lugares são assim em feriados.
       
       
      Morrão e Águas Claras
       
       
      Esta trilha começa próximo à entrada para a Cachoeira da Fumaça, segue-se direto pelos Campos Gerais do Morrão, uma fantástica caminhada!! são 3 horas de contato direto com paisagens das mais belas !!! as formações geológicas são bem diversificadas, assim como as constituições de florestas pois, ora pensa-se estar no cerrado, ora na caatinga, ora mata atlântica... muitas bromélias, cactos e orquídeas... a fauna também é bem diversificada há várias espécies de lagartos, borboletas, insetos em geral, cobras... toda hora tem uma cobra, aliás esta trilha, deveria se chamar trilha das cobras!! , eu vi umas 6 cobras, uma delas era bem grande e estava no alto de uma árvore, tem muita cobra verde, as cobras coral (coral falsa) e caninana também tem muitas delas por lá. Bom, enfim.... muitas espécies de animais exóticos e até mamíferos. Por sinal, nesta trilha pude vivenciar uma experiência fantástica: eu vi um tatu fêmea amamentando um monte de tatuzinhos!!!! fiquei muito emocionada, nunca vou esquecer esta imagem... Inclusive, no interior as pessoas costumam matar animais silvestres para alimentação, e eu como morei a vida toda na Chapada Diamantina, já comi muito ensopado de tatu, hoje em dia não consigo mais, fico com dó do bichinho, me vem a imagem daqueles pequeninos sendo amamentados!
       
      Na encosta do Morrão o visual é fantástico!! para subir é necessário um esforço maior mas a compensação depois vale à pena!! as paisagens das serras e dos campos rupestres são encantadoras! Há muitos jardins de bromélias, são várias espécies, eu gosto de ficar observando aquela parte interna onde geralmente se esconde algum bicho, fico sempre esperando pular uma rã colorida, ou um grilo.... Ufa! Depois de uma caminhada de 3 horas, atrás do Morrão está o caminho para se banhar em Águas Claras!! um delicioso banho, uma piscina natural no meio do mato. A água é uma delícia, um pequeno lago, se comparado a outros em relação a sua extensão.
       

       
       
      Angélicas e Purificação
       
       
      A trilha segue até uma localidade chamada de Bomba, segue-se direto atravessando três rios com muitas pedras, dá para passar sem tirar o tênis (para quem usa) caminhando por cima das pedras. Após o terceiro rio, de imediato se vê uma placa do IBAMA, então é só virar a DIREITA e seguir a trilha que é demarcada. Angélicas é uma delícia, o poço é bem fundo e no final tem a cachoeira que é só pequena no tamanho mas no volume de água é um espetáculo!!! eu costumo nadar até a parte mais rasa do outro lado e seguir até a Cachoeira de Angélicas e ficar lá abstraída com a cabeça embaixo da queda d'água. Acima dessa cachoeira tem vários poços que é legal para quem quer privacidade, é legal também para fazer pequenas escaladas nas rochas, se cair tem água em abundância para amortecer. Uma curiosidade é a quantidade de pedrinhas que tem no fundo de cada poço, as pedrinhas são delineadas pelas aguas em anos de formação geológica e tem as mais variadas cores, os mais variadas formas, é muito interessante. A trilha da Purificação é logo acima do Poço em Angélicas, basta seguir trilha sempre pelo leito do rio, há muitas pedras pelo caminho, o que faz com que a caminhada seja um pouco difícil, há algumas quedas d'águas pequenas no percurso até chegar ao poço da Purificação, são pequenas cachoeiras lindíssimas, um espetáculo á parte. Aliás, o grande barato de ir à Purificação é o trajeto. O poço da Purificação tem este nome porque a água é tão gelada que a pessoa sai de lá purificada!!! zerada em pecados!! rsrsr (é verdade!! os moradores antigos que contam). Eu acho a água muito gelada, o corpo fica dormente.... e tem uns paredões recobertos por uma vegetação exuberante que fecham a entrada do sol, por esta razão a água é tão gelada. No final há a cachoeira, cuja água é mais gelada ainda! É uma boa trilha, gosto muito das formações rochosas e das pedras (tem pedras de todos os tipos) sempre volto dessa trilha com muitas fotos de pedras e seus formatos, tem formato de tudo que é coisa, já fotografei pedra em forma de cavalo, estrela, lua, cavalo marinho etc..
       
      Cachoeira das Fadas
       
      Esta cachoeira na verdade é uma continuação da trilha para chegar à Cachoeira das Angélicas e da Purificação. Em frente a cachoeira da Purificação tem uma entrada esquerdo, às vezes a mata está muito fechada e pode parecer que há passagem, é preciso observar com atenção, pegando esta trilha basta contornar a Cachoeira da Purificação por cima, e andar por uma trilha de mata fechada uns 10 minutos e chega-se ao Poço que alguns chamam de Poço dos Duendes, que é pequeno em extensão mas é super aconchegante. A Cachoeira das Fadas é linda!!! os raios do sol batem na queda d'água que fica brilhante! Uma maravilha!! Há um outro caminho para chegar, algumas pessoas seguem ali mesmo pela Purificação, escalando os paredões, porém é muito arriscado, pois tem muito limo, e em determinados momentos o espaço para colocar os pés não cabe um pé tamanho 37 por completo. É muito perigoso, inclusive já houve acidentes. Soube por ouvir dizer, que a trilha está interditada por conta de um deslizamento que ocorreu em junho/2010, com as chuvas, restando tão somente a opção de ir escalando pelos paredões cheios de limo, se estiver em época de pouca chuva a coisa melhora.
       
       
      Cachoeira da Fumaça (por cima)
       
      Esta trilha dispensa maiores informações, pois trata-se da trilha para chegar à maior, oopss! segunda maior cachoeira deste país, 380 metros de queda livre, além de ter bons relatos sobre ela aqui no site. A trilha começa na entrada da Associação dos Condutores do Vale do Capão, antigamente a trilha só podia ser realizada com o acompanhamento dos condutores, hoje em dia não é obrigatório, é preciso assinar uma lista que fica na sede da Associação, e se possível o “turista” deve colaborar com doação em dinheiro, coisa pouca R$ 5,00 ou R$ 10,00, eu que sou uma “dura” e não sou turista (lá no Capão) deixo uma nora de R$ 2,00 pra colaborar com os voluntários.
       
      Eu costumo dividir esta trilha em 3 etapas:
       
      1ª etapa – subir, subir, subir até chegar à segunda etapa que é o Curral. A trilha começa com com uma subida bem íngreme, praticamente 2km só de subida, tudo compensado pelo visual panorâmico no primeiro e no segundo mirante, paradas ótimas para descansar, beber água ou água de coco, chupar geladinho ( tem uma garota que vende geladinho, sempre tirava fotos dela, em março deste ano fiz um apanhado de todas as fotos, desde quando ela era pequena até a atualidade e lhe dei de presente, ela ficou encantada!!! hoje ela é uma jovem de 16 anos! E continua vendendo geladinho com sua mãe.) Por falar em foto, esta primeira etapa pode-se tirar fotos panorâmicas fantásticas, o visual é incrível!!
       
      2º Etapa – A partir do Curral (um muro de pedras é o ponto de referência) é só alegria!!!, uma trilha plana, e por ser uma parte de maior umidade, tem uma área de inundação que em determinadas épocas é necessário passar com a água na altura da cintura cintura. O espetáculo fica por conta da natureza, muitas flores, flores de todos os tipos, de todas as cores, algumas plantas carnívoras, e mais as multicitadas bromélias, orquídeas e cactos. Ainda nesta parte plana da trilha tem um trecho, logo após a área de inundação, que é todo cercado por campos rupestres, muito lindo e impressionante!!!! quando tem cerração ele fica mais lindo!!
       
       
      3ª Etapa – Esta etapa começa com a chegada ás águas vermelhas do rio que forma a cachoeira, um banho para refrescar é sempre bom, e antes de se debruçar no abismo de 380 metros, eu gosto sempre de fazer dois “rituais” (eu passei a fazer estes “rituais” pelo convívio com os nativos, porque antes só me debruçava na pedra pra ver o abismo e depois voltava...). O primeiro deles (depois de um banho no rio) é retornar à trilha e seguir até o caminho que leva até a “garganta” da Cachoeira da Fumaça, confesso que todas as vezes sinto emoção e muito medo!!! Mas é este frio na barriga, esta sede de aventura que me faz viva!!! O segundo “ritual” é seguir à esquerda pelo leito do rio e chegar até à Toca da Maternidade, tomar banhar nas corredeiras que se formam e curtir o silêncio, o canto dos pássaros, o som das águas (isso se não for feriado, carnaval ou revellion, q a farofa rola solta!). Bom, e agora o principal: se debruçar na pedra e curtir o visual do grande canyon na sua imensidão!!! não tem preço!!! comer um pastel de palmito de jaca e um suco de maracujá do mato!! Depois curtir a volta de toda a trilha observando o que porventura não foi possível pela ansiedade em chegar. No final da trilha deve-se assinar a lista na ACVC, fazendo constar o retorno. Mais adiante tomar uma gelada ou um caldo de cana no buteco que fica na entrada da trilha, depois aproveitar o resto do dia se banhando no Riachinho.
       
       
      Riachinho
       
      O Riachinho fica há 6 km da Vila de Caeté Açu (Vale do Capão), é uma trilha bem fácil pois a caminhada é pela estrada vicinal que dá acesso à Vila, por esta razão muitas pessoas vão de carro (ou de moto taxi, custa R$ 5,00 ou R$ 7,00, se cobrarem mais que isso não pague! É exploração!) e param na entrada e é só descer uma pequeno trecho de pouca dificuldade e pronto! Eu não gosto desse nome “Riachinho” parece que é um pequeno córrego ou sei lá!! acho esse nome injusto com a grandiosa beleza do lugar. o lugar é lindo!! O Riachinho é um rio com corredeiras na sua parte mais alta, depois um paredão forma cachoeiras e cascatas lindíssimas, em seguida um poço de cerca de 30 metros, depois corredeiras novamente e em seu final um poço, com uma formação rochosa nas bordas bastante curiosa. Tem anos que eu não vou lá, a farofa rola solta em feriados: muito cheio de pessoas, farofa, cachorro nadando no meio das pessoas, bebidas alcoólicas, a água manchada de óleo oriundo, possivelmente, de bronzeadores affff.... Infelizmente eu não posso viajar em datas que não sejam feriados, nas minhas férias passar o dia no Riachinho é quase uma obrigação! O lugar é fantástico!!! Descer as corredeiras que dão acesso ao poço no final é uma experiência fantástica! Nadar, nadar, nadar …. deixar a cabeça embaixo da queda d'água e esquecer de tudo... curtir os sons da natureza... ah! Muito bom! Há alguns guias ou agências que fazem rappel no canyon do Riachinho. Ah! Já ia esquecendo, tem uma parte do poço que é bem legal para crianças pois é raso e dá para brincar e nadar bastante.
       
      Conceição dos Gatos e Poço das Cobras
       
      Esta trilha é muito legal para quem vai com crianças, o acesso para quem sai de Caeté Açu é feito pela estrada vicinal em direção a Palmeiras, após 12 km há a entrada da pequena Vila da Conceição dos Gatos, o curioso é que tem um cemitério logo na entrada, segue-se então por mais uns 2km e chega-se a entrada da Cachoeira da Bela Vista (este é o nome verdadeiro, Conceição dos Gatos é o nome da Vila e não da Cachoeira). O acesso é feito por uma descida bastante íngreme em forma de escadaria, depois atravessa-se o rio, passa-se por um campo de futebol, e segue-se a trilha numa subida, no percurso da subida já dá para avistar a Cachoeira, que é enorme e suas águas seguem rio abaixo, em propriedade particular. Há um poço maior, com uma cachoeira pequena e volumosa, acima há 3 poços menores, um deles é bem legal para crianças porque é raso e tem areia no chão, além de algumas árvores com bastante sombra no seu entorno.
       
       
      Poço das Cobras – (relato da minha 1ª vez na trilha, com direito a um quase afogamento) Após os 3 poços menores da Conceição dos Seguimos pelo pelo leito do rio a trilha começou a ficar com um grau maior de dificuldade, pois foi preciso caminhar pelas pedras, muitas das quais pontiagudas e a vegetação era inóspita (tenho várias cicatrizes de lembrança... rs). É uma trilha selvagem, muita picada de inseto, de formiga, muitas aranhas, muitas cobras, a mata é fechada... Após uns 10 minutos de caminhada duas amigas desistiram e foram para o bar (afff...), então seguimos adiante e 30 minutos de sofrimento, chegamos a até então inédito Poço das Cobras, alguns moradores da Vila estavam voltando de lá e parei para conversar com eles e pedi informações sobre um monte de coisa! Rsrrs Afinal era minha primeira vez … Bom, de posse das informações fui nadar naquela imensidão de águas, uns 80 metros de poço!! o lugar é muito lindo, tem uma árvore gigante tombada no lado esquerdo do poço e ao fundo mata fechada. Do lado direito um imenso paredão recoberto por alguns arbustos, muitos pássaros, fiquei fascinada pelo canto de cada um deles e que as vezes se misturava, tinha muitos gaviões de grande porte. Ficamos lá maravilhados com a descoberta de uma nova trilha, se banhando nas águas. O poço começa raso e vai afundando aos poucos, o solo é com areia e algumas pedras maiores (trombei numa delas). Resolvemos nadar até a cachoeira, nadei por toda a extensão do poço, chegando a uma espécie de corredor, estreitado pelos imensos paredões de rocha, esta parte tem umas pedras e fica raso, fui me segurando nas pedras escorregadias quando aconteceu a merda: não consegui me segurar e a correnteza me empurrou pra um buraco ao lado direito da cachoeira, que eu não tinha visto, eu entalei com a água nadei com todas as minhas forças mas a correnteza era muito forte, e me empurrava pra o buraco negro … comecei a me afogar...poxa, logo eu??? exímia nadadora??? fiquei lá agonizando, sem respirar mas de súbito, para me salvar, apoiei meu pé numa pedra e empurrei com toda força, fui levada pela correnteza das águas até a parte que é rasa e ali respirei fundo e agradeci por ficar mais algum tempo na terra. Ufa!
       
      As águas que descem da cachoeira formam duas correntezas, uma delas jorra pra o corredor (que tem uma parte rasa) e a outra jorra até o tal buraco. Eu escorreguei e fui parar nesta correnteza que jorra para o buraco.
       
      Voltei nadando e fiquei lá toda quieta, os amigos não entenderam nada...
       
      Ficamos lá curtindo o visual por mais 1 hora e voltamos para almoçar. A volta foi mais tranquila... tem um restaurante bem legal e o lance é você encomendar a galinha caipira antes de subir para a cachoeira, ela estará pronta na volta, comemos a galinácea, com um delicioso pirão, arroz e saladas. Depois seguimos pra o Bar para encontrar os amigos desertores, estavam todos lá tocando violão e tomando todas!!! por conta do “quase afogamento” fiquei quieta, nem tomei uma gelada... estava introspectiva...
       
      Continua (...)
    • Por Marco Sobral
      Importante: Esse trekking apesar de parecer fácil (só andar pela praia) exige uma alta compreensão sobre marés e condições climáticas (todos os dias olhávamos o tábua de marés de noite e de manhã), pois qualquer mudança de tempo pode acarretar na abordagem do trekking.
      É recomendável fazê-lo na lua nova*
       
      Iolanda me chamou para realizar esse trekking por volta de Setembro/2017 com previsão de realizarmos em Março/2018, como eu já estava no mochilão pelo Brasil eu não dei certeza, mas me programava para realizá-lo, pois depois de pesquisar sobre o trekking me encantei com a história.
      Em fevereiro consegui a passagem para Itamaraju para o dia 09/03 e estávamos marcando para iniciar o trekking no dia 12/03. Embarquei no dia 09/03 para Itamaraju para encontrar a Iolanda na casa da avó dela. Após 27hrs de viagem cheguei em Itamaraju na madrugada do dia 11/03.
      Ficamos o dia 11/03 inteiro atrás de mercado e lugares para comprar o que faltava, mas esquecemos que era domingo e cidade do interior não funciona igual Sampa rsrs
      1° Dia - Itamaraju a Barra do Cahy
      Percorridos: 11km.
      Tempo estimado: 4hrs (com parada para fotos, banhos de mar e descansos)
       
      (Ônibus Itamaraju x Prado: R$14
      Táxi Prado x Cumuruxatiba: R$15)
      Acordamos por volta das 6hrs da matina e fomos tomar café, nos despedimos de todos e corremos para rodoviária, chegando na rodoviária vimos o ônibus para Cumuruxatiba saindo e o próximo seria só às 14h30. Optamos pela opção de ir até Prado e de Prado tentar um táxi ou pegar o ônibus às 12hrs para Cumuruxatiba.
      Chegando em Prado nos deparamos com os primeiros oportunistas que encontraríamos no caminho dessas cidades que estão virando turísticas, o senhor queria cobrar R$200 (exatamente duzentos reais) para deixar a gente no trevo de Cumuruxatiba e assim tentarmos carona, nem fodendo que íamos pagar tudo isso em um táxi sendo que o ônibus não era nem R$15.
      Aproveitamos o intervalo para irmos no mercado para comprar o restante das coisas que comeríamos nos próximos dias. Voltando do mercado um senhor ofereceu para levar a gente por R$15 até Cumuruxatiba e nos deixaria onde quiséssemos, por esse preço não dá para recusar né...logo aceitamos!
      Chegamos em Cumuruxatiba por volta das 10h30 e junto conosco chegou uma puta de uma chuva! Como estava chovendo muito resolvemos parar em um restaurante para “encher a pança” antes de começar a caminhada.
      Encontramos PF há R$15 no Restaurante da EMA que fica atrás da igreja de Cumuruxatiba.
      Após comermos iniciamos o trajeto até Barra do Cahy era por volta das 12hrs.
      No começo da caminhada estava uma maravilha, tinha parado de chover, o sol estava entre nuvens, estava um vento agradável, a vista da praia era muito foda. Mas como nem tudo são flores o céu começou a fechar e logo começou a chover muito. Começou a ficar ruim para andar na areia com chuva e maré alta corremos para andar perto das vegetações.
      E foi desta forma que achamos o camping da Glória, onde decidimos entrar e ficar para esperar a chuva passar
      Pagamos R$ 30 pp, o camping é bem estruturado e tem uma “puta de uma vista”.

       
       
      2° dia - Barra do Cahy x Corumbau
      Percorrido: 16km
      Tempo estimado: 5hrs (com parada para fotos, banhos de mar e descansos)
      Acordamos por volta das 5h para ver o Sol Nascer, mas o tempo não colaborou para um belo nascer do sol.
      Fizemos nosso café e enquanto comíamos olhavamos o site Tábua de Maré para saber o horário exato da maré morta, assim não teríamos surpresas ao chegar no Rio Cahy. Nesse dia a maré morta seria por volta das 9h portanto saímos do camping por volta das 9h já que estamos há uns 30min do Rio.
      Passamos pela tão famosa “placa do desembarque e pela Cruz do Marco do Descobrimento” (que cada um diz que foi em um lugar). Chegamos no Rio e ele estava realmente muito baixo e como diz os locais “a água berava o jueio”.
      A vista é espetacular, mas a maré estava subindo e isso dificultou a nossa passagem por um dos “cotovelos de falésias” onde atravessamos com a água “berando o jueio”, mas depois desse “cotovelo” já avistávamos a ponta de Corumbau que dizem que chega a 200m a dentro do mar (eu não tinha uma fita para medir, mas ia longe…).
      Após algumas horas de caminhada (até que tranquila já que o clima ajudou bastante), chegamos em Corumbau e fomos direto olhar o Rio para ter uma noção da maré no pico mais alto e ver se dava para atravessar na maré morta.
      Chegando perto do rio já fomos surpreendidos por um índio muito louco de cachaça que queria de todo jeito levar a gente para o outro lado, mas decidimos pernoitar em Corumbau e sair no dia seguinte.
      Encontramos o camping Ilha do Sossêgo do Seu Zé que nos cobrou R$10 pp.
      O camping não era tão estruturado, tinha banheiro e se quisesse usar a cozinha poderia usar a da casa do Seu Zé.
      Por volta das 18hrs a maré estaria quase morta então resolvemos ir no Rio Corumbau para ver a possibilidade de atravessar no dia seguinte. Mesmo a maré não estando morta dava para atravessar com a água na cintura, ou seja, na maré morta a gente passa com a água “berando o jueio”.



       
      3° dia - Corumbau x Caraíva
      Percorrido: 12km
      Tempo estimado: 3hrs (com parada para fotos, banhos de mar e descansos)
      Acordamos por volta das 5hrs, mas novamente o tempo nublado não quis colaborar para vermos um belo nascer do sol.
      Enquanto preparavamos nosso café da manhã Seu Zé veio “trocar um dedinho de prosa” com a gente e tomar um cafezinho de mochileiro.
      Contou diversas histórias de quando era mais jovem e fazia esses caminhos a pé pois não tinha outra opção. Contou sobre como a vila e a aldeia vem crescendo nos últimos tempos e
      melhorando o acesso às cidades vizinhas. Contou mais um monte de histórias, típico de senhor do interior que já vivenciou muita coisa e  sempre tem bons "causos" pra contar.
      Depois de boa conversa com Seu Zé saímos para mais uma caminhada e já beirava as 9hrs onde passávamos tranquilamente pelo rio “berando o jueio”.
      Agora sim estávamos trilhando na Bahia o sol batia os 35° logo pela manhã e andar na areia fofa de Corumbau para Caraíva não estava sendo nada fácil. Pouco tempo andando na areia corremos para a estrada que liga Caraíva a Aldeia de Corumbau (onde passa muitos bugs), o chão ficou melhor para caminhar mas o sol e a ausência de vento continuava o mesmo. Cada sombra que encontrávamos tínhamos que parar para um descanso e em uma delas encontramos uma entrada de carro que dava para uma estupenda vista do mar esverdeado. Entramos e logo avistamos diversos coqueiros e o mar mais bonito visto até agora (Praia do Negro).
      Conversamos com dois senhores que estavam parados lá pegando coco e aproveitamos para pegar coco também pelo menos a água de coco para matar um pouco desse calor bahiano.
      Dali em diante seguimos pela areia até começarmos a avistar as aldeias de Caraíva e o calor nada de diminuir.
      Entramos no primeiro camping que vimos e negociamos um valor para ficarmos 2 noites já que estávamos com tempo e não tínhamos pressa de chegar em lugar algum.
      No camping do xando cobram R$15 pp e não é tão estruturado, os banheiros são compartilhado com a aldeia toda e a cozinha se quiser usar pode usar de uma das casas.
      Após fecharmos os dias no camping fomos conhecer a vila e realmente Caraíva é muito aconchegante, diversas casas coloridas e um povoado bem hospitaleiro, andamos bastante na vila e fomos para a barra para analisar o Rio e o nível da maré no seu pico máximo, aproveitando que estávamos lá ficamos para curtir o restante do dia.
      De noite fomos até a vila para conhecer o comércio e tudo é muito limpo e organizado, mas os preços são absurdos! Tudo é superfaturado (mesmo para um local de difícil acesso). Aproveitamos o horário para ver a maré morta para estudarmos uma forma de passar.
      Voltamos para a vila e curtir um pouco mais da noite e os poucos lugares abertos (talvez porque era uma quarta pós temporada).


       
      4° dia - Caraíva
      Percorrido: 0km
      Tempo estimado: dia de descanso
       
      Novamente acordamos as 5hrs e a neblina não ajudou no nascer do sol, mas também não dava para ficar muito tempo na barraca afinal estamos na Bahia.
      Após o café da manhã fomos na barra ver o nível na maré morta e se realmente dava para passar.
      Depois ficamos o dia todo curtindo a praia, a vila e o rio.
      A noite fomos em um MPB que estava rolando em um dos bares e a maioria dos comércios estavam abertos (creio que porque era quinta) diferente do dia anterior que estavam todos fechados.

       
      5° dia - Caraíva x Curuipe (um pouco mais pra frente)
      Percorrido: 12km
      Tempo estimado: 3hrs (com parada para fotos, banhos de mar e descansos)
       
      Novamente acordamos as 5hrs para ver o sol nascer e o tempo nublado não ajudou, mas aproveitamos para tomar café e arrumar as coisas para sairmos.
      Após 10min de caminhada chegamos no Rio Caraíva no momento exato da maré morta e conseguimos passar com a água “berando o jueio”.
      Andamos aproximadamente 3km e chegamos na praia do Satu (homenagem ao antigo morador da praia) e, na minha opinião, o local é muito mais bonito que Caraíva e tem opção de camping agora.
      Seguindo pela praia de Satu passamos pela primeira lagoa que sabíamos que encontraríamos pelo caminho, mesmo estando vazia preferimos seguir pois sabíamos que havia outra logo a frente e que era ainda mais bonita. chegamos na segunda e paramos para admirar a paisagem e tomar um “banhão” naquela bela Lagoa esverdeada e de água morna.
      Para nossa surpresa pouco tempo depois da segunda lagoa encontramos uma terceira é essa terceira é bem agitada, mesmo na maré morta a água estava com um nível elevado e a correnteza forte pra caramba.
      Seguimos para a falésia onde subiríamos para chegar no espelho (e para bom um observador a trilha da falésia é vista de Caraíva). Subimos por uma escada que ajudou bastante, mesmo em construção, e logo avistamos a placa indicando a praia do espelho para esquerda, mas também tinha uma trilha para a direita que, aparentemente, iria para a ponta da falésia, claro que pegamos para a direita!
      E que bom que pegamos para a direita passamos por diversos mirantes com vistas de tirar o fôlego e conseguíamos avistar até Corumbau.
      Seguimos a trilha e encontramos as placas do espelho novamente, ou seja, devemos ter andado 1km a mais do que a trilha indicava.
      Descendo a falésia avistamos um mar surpreendente e a movimentação de turistas, deduzimos que estávamos bem perto da praia do espelho.
      Chegando na praia do espelho tava lotado de turistas, não tinha nem lugar para sentar mais portanto seguimos e Curuipe também não foi diferente. Lembramos que era sexta-feira e que a parte “tranquila” de praia tinha acabado.
      Andamos um pouco mais e decidimos parar para dormir do jeito que a gente gosta (no bivaque).

       
      6° dia - Curuipe x Trancoso
      Percorrido: 18km
      Tempo estimado: 4hrs
       
      Novamente acordamos as 5hrs e hoje sim valeu ter acordado cedo, que nascer do sol foda! Na nossa cara, saindo de dentro do mar.
      Tomamos café e saímos por volta das 7h30 para chegar no Rio dos Frades na maré morta.
      Após 1h de caminhada chegamos no Rio dos Frades e ele realmente é como falaram, largo e com muita correnteza. Mas como estávamos sempre atentos na tábua de maré sabíamos que estaria chegando a hora da maré morta e daria para passar, dessa vez a água chegou na cintura e foi um pouco mais trabalhoso a correnteza, mas passamos! Estamos firmes seguindo o plano de não pagar canoa proposto no início da trilha.
      Como estava bem cedo tinha muito pescador de polvo e de siri.
      Seguimos firmemente por todas as praias aproveitando o tapetão de areia firme formado pela maré morta e o sol entre nuvens também estava ajudando, tudo propício para andar mais de 15km.
      Após passar várias praias sem ninguém, começamos avistar muito, mas muito guarda sol e logo tivemos certeza que estávamos chegando em Trancoso pelas abordagens. Foram umas 5 abordagens de turistas perguntando onde estávamos, quantos km, se dormíamos (?) e essas coisas (até pediram para tirar foto com nossas cargueiras).
      Enfim, Trancoso e a muvuca de turistas e muita gente e sem paz nem Sossêgo. Fomos então para o famoso quadrado de trancoso, entramos na placa da associação, passamos por uma ponte de madeira que corta o mangue e já começamos avistar muitos carros principalmente subindo a estrada para o quadrado.
      Andamos pelo quadrado e lembra bastante Caraíva (só que 3x maior e mais cheio de gente), paramos no mercado pra comprar uma breja e brindar a caminhada.
      Enquanto conversávamos sobre como Trancoso estava cheio e como a cidade estava grande (tem de tudo por aqui mas para alta sociedade) uma senhora abordou a gente e perguntou se não queríamos ficar no camping dela que era R$15 pp e ficava bem próximo da praia.
      Aceitamos e fomos para a Casa Harmonia. O lugar está começando agora, mas a recepção foi bem boa e decidimos pernoitar nele mesmo.

      (Como estava tudo muito cheio, praticamente não tiramos fotos)
      7° dia - Trancoso x Porto Seguro
      Percorrido: 21km
      Tempo estimado: 5hrs (com parada para fotos, banhos de mar e descansos)
       
      Como estávamos em um camping tranquilo, não tinha vista pro mar e era praticamente o último dia de trekking resolvemos aproveitar mais para dormir. Acordamos por volta das 7hrs, tomamos aquele café da manhã que acaba com tudo o que tem pra ficar mais leve e seguimos.
      A praia dos nativos é bem bonita e ainda não tinha muitos turistas, pois era bem cedo. O tempo, novamente, ajudou para mais esse dia de caminhada. Sol entre nuvens, areia firme, maré baixa e pé na areia!
      Pouco tempo de caminhada passamos pelo rio da barra que estava com a água “berando o jueio” e assim finalizamos nosso acordo de não pagar canoa para atravessar nenhum rio!
      A vista de Trancoso para Arraial é igual todas que estávamos vendo até hoje, mar azul, mar verde, falésia, areia grossa, areia fina e céu azul tudo muito foda como foram esses 7 dias.
      Após algumas horas de caminhada começamos ver a movimentação dos turistas andando pela praia e assim foi até chegar na Praia do Mucugê (uma das praias de Arraial d'ajuda). Entramos em uma ruazinha para conhecer a vila e me apaixonei por ela. De todos os lugares que passamos Arraial d'ajuda foi o que eu mais gostei. Casinhas coloridas, bares e restaurantes temáticos, ruas de pedras, nativos bem receptivos, preços não era tão abusivos...era praticamente uma cidade grande com cara de interior na praia (ótima denominação).
      Andamos bastante por arraial d'ajuda e seguimos pela praia até a balsa para passar para Porto Seguro e finalizarmos nosso trekking.
      A praia dos pescadores e Araçaipe nem se comparam com as praias que passamos tanto pela cor do mar como pela vista e a movimentação dos turistas.
      Chegamos na balsa e para atravessar para Porto Seguro não paga, mas para voltar para Arraial d'ajuda tem uma taxa de R$5.
      Descemos da balsa e fomos andando pela passarela do descobrimento para dar uma olhada na orla de Porto Seguro (e uma analisada nos preços das coisas) fomos até a ponta onde começa a praia e voltamos para finalizar nosso trekking com chave de ouro.
      Paramos em um bar para beber uma breja e comer porque ninguém é de ferro!


      Foram 7 dias de trekking, mais de 100km andados e 90km gravados, valeu cada esforço! Dava para ter feito em menos dias, mas não tínhamos pressa de nada e fomos aproveitando cada minuto desse pedacinho do Brasil de tirar o fôlego.
      O litoral Bahiano não deixa de ser uma bela atração para todos os gostos e nunca desanima.
      Quem sabe um dia a gente não segue subindo até onde der 😁
      Link do trekking no wikiloc: https://pt.wikiloc.com/trilhas-trekking/trekking-do-descobrimento-23334805
      Para mais fotos e dúvidas (@sobralsemfreio):
      https://www.instagram.com/sobralsemfreio/
    • Por Romeu Bart
      Trekking 8 dias Vale do Patí e Vale do Capão - CHAPADA DIAMANTINA - AGOSTO 2016
       
      VÍDEO DO TREKKING COMPLETO: ( CLIQUEM EM HD )

       
      Informações úteis sobre gastos, e sobre economizar no seu trekking ( coisa q eu não consegui fazer por falta de informação )
       
      Período da viagem toda 01/08/16 á 15/08/16
      Período do Trekking 06/08/16 á 13/08/16
       
      Saída de: São Paulo/SP á Salvador/BA
       
      Gasto total da viagem: R$ 2.800,00
      Gasto total somente do Trekking: R$1.600,00 ( Gasto do guia, com alimentação inclusa os 8 dias e hospedagem )
       
      Roteiro da viagem:
       
      Saída de: São Paulo x Salvador ( vôo de 2 horas )
      Salvador x Lençóis ( ônibus 7 horas )
      Estadia em Lençóis de 02/08 á 05/08 ( para pesquisa de guias e agencias )
      Trekking de 06/08 á 13/08 saindo de Lençóis para Guiné e iniciando o trekking por lá.
      Final do trekking no vale do Capão dia 13/08
      Dia 14/08 sai do Capão destino Palmeiras para pegar o ônibus para Salvador
      Dia 15/08 vôo Salvador x São Paulo
       
      Roteiro do trekking:
       
      Dia 1 - saindo de Guiné até a Igrejinha ( Vale do Patí )
      Dia 2 - saindo da Igrejinha para Morro do Castelo ( Vale do Patí )
      Dia 3 - saindo da Igrejinha para Cachoeirão ( Vale do Patí )
      Dia 4 - saindo da Igrejinho para Vale do Capão ( seguindo pelo Gerais do Vieira )
      Dia 5 - saindo do Vale do Capão para Cachoeira da Fumaça
      Dia 6 - saindo da toca do macaco e seguindo para cachoeira do Palmital e finaliza em Lençóis
      Dia 7 - saindo de Lençóis para a caverna do Lapão ( travessia de 1km no subterrâneo )
      Dia 8 - saindo do Vale do Capão para subir o Morrão, finaliza no Vale do Capão.
       
      Valores separados:
       
      Passagens aéreas : R$ 410,00 ( ida e volta ) pela GOL
      Ônibus de Salvador x Lençóis: R$ 75,00
      Van do vale do Capão para Palmeiras: 15,00
      Hospedagem em Lençóis: 35,00 diária ( 4 diárias )
      Hospedagem no Capão: 25,00 diária ( 2 diárias )
      Alimentação fóra do trekking: 235,00
      Passeio de 1 dia: 200,00 ( fóra do trekking, passeio contratado em Lençóis com agencia para Grutas, pratinha e Pai Inacio )
      Trekking de 8 dias : R$ 1.600,00 ( valor do guia, incluso alimentação e hospedagem nos 8 dias )
       
      RELATOS:
       
      Iae galera, vamos lá. Antes de fazer essa viagem, pesquisei aqui no mochileiros.com e em outros sites, buscando informações uteis de como fazer um trekking econômico e sem gastar muito ( não consegui fazer isso, pois as informações sempre eram antigas de pelo menos 2 anos anteriores, ou seja, os valores mudam, tudo sobe de valor. Ou em alguns relatos as informações sobre valores são limitadas, dificilmente encontramos relatos que falam valores totais e separados, coisa q realmente é muito útil para quem quer fazer a mesma trip e não tem noção de quanto irá gastar ). Então, por falta desses valores totais, resolvi juntar uma grana e ir na cara e na coragem e pesquisar lá. A cidade principal de entrada na Chapada é Lençóis ( cometi um grave erro em iniciar tudo por lá, pois em Lençóis tudo é focado no turismo "gringo" e tudo é muito caro, desde agencias de turismo á guias avulsos). Cheguei dia 02/08 e fiz 4 dias de pesquisas em Lençóis, indo em agencias, indo na associação de guias da cidade e até encontrar um guia avulso que não faz parte nem de agencia e nem da associação ( Zé de Maninha, um nativo de 40 anos e já é guia a pelo menos uns 20 anos ), dei sorte de encontrar um grupo de franceses que tbm queriam economizar e fechamos com esse guia. Inicialmente o grupo era de 6 pessoas, e de 250,00 conseguimos negociar para 200,00 a diária por pessoa ( se vc esta achando caro, faça o trekking de 8 dias e depois vc verá que valerá a pena ter gasto isso, pois vc não se preocupará com nada, o guia fará todas as alimentações para o grupo e as hospedagens nas casas de nativos já estão inclusas ). Chegamos ao valor de 200,00 por pessoa a muito custo, pois o valor normal cobrado nas agencias em Lençóis é de 350,00 por pessoa a diária... e na associação o valor chega á 300,00 a diária por pessoa ... já no nosso caso, como era guia avulso conseguimos negociar após um dia inteiro de conversa, pois devido ao grupo ter 6 pessoas o guia resolveu sair do valor inicial de 250,00 por pessoa para 200,00 por pessoa ( dessa forma ficou agradável para todos, e com a ressalva de que não poderíamos falar sobre isso com ninguém rsrsrsrsrs, pois todos os guias tem uma tabela fixa a seguir ) Ou seja, entendendo os valores: Agencias 350,00 a diária por pessoa / Associação 300,00 a diária por pessoa / Guia avulso nativo 250,00 a diária por pessoa ( choramos muito e fechamos a 200,00 pq o grupo era grande ) .
       
      Por que optei por guia?
       
      Porque me senti mais seguro, afinal eu não conhecia nada na chapada e há muitos relatos de pessoas que fazem as trilhas sem guia e se perdem e passam por muitos problemas. Há um desaparecido desde dezembro 2015, um gringo espanhol q fez o trekking vale do pati sozinho, ainda está desaparecido, com cartazes com a foto dele colados em postes nas cidadezinhas das redondezas. Durante o trekking encontrei poucos aventureiros solitários fazendo as trilhas sozinhos, alguns já conheciam bem o local, pois já era a segunda ou terceira vez que faziam... ja outro que encontrei sozinho, era sua primeira vez lá, estava sozinho com o auxilio de um aplicativo de trilhas, porém ele já é bem experiente em trilhas, estava bem equipado, com vestimentas corretas, nesse caso ele estava seguro de sí. No meu caso, eu não estava seguro de mim rsrsrs para arriscar fazer um trekking de 8 dias sozinho em trilhas q não conhecia ( apesar de estar bem equipado e com vestimentas corretas )
       
      Sobre guias:
       
      Dependendo do seu bolso, vc pode optar em fechar direto com uma agência, valores mais caros, porém vc não terá trabalho para ficar pexinxando valores ou caçando guias mais baratos. Ou pode ir direto na associação em Lençóis que tbm tem seu preço fixo. Porém, se vc não esta com tanta grana assim, o ideal é sair pesquisando, existe muitos guias avulsos pela cidade, oferecendo passeios curtos, basta perguntar se fazem o trekking do vale do pati e do vale do capão, lembrando que, quanto maior for grupo mais fácil de negociar os valores. O guia avulso mais barato que encontrei foi de 140,00 a diária por pessoa, mas não senti confiança, pois o mesmo estava com um bafo de cachaça terrível rsrsrsrsr ... após 4 dias de pesquisas, encontrei o guia Zé de Maninha que já estava com um grupo de franceses e inicialmente eramos em 6 pessoas e negociamos um bom valor por pessoa. fechamos com ele. Existe muitos guias avulsos em Lençóis, muito cuidado, alguns são novatos e não tem nem noção de nada, estão alí somente pela grana, afinal 250,00 por pessoa a diária é uma baita grana. Cuidado!!! Abaixo vou indicar uma excelente guia.
       
      Sobre em qual cidade é melhor para iniciar seu trekking:
       
      A cidade maior e principal entrada na chapada é Lençóis ( mas não recomendo pois é muito cara ), Lençóis é bem estruturada com uma pequena rodoviária, no centrinho tem 2 mercadinhos, 2 farmácias, 1 agencia do banco do Brasil e 1 Lotérica e muitos restaurantes, 1 loja grande de roupas de trekking e vários utensílios, 1 agencia dos correios, 1 batalhão da PM, muitas agências de turismo e varios hostels e pousadas de valores q variam de 40,00 a diária há 400,00, além de ter super-megas hotéis de luxo de alto padrão. O que mais complica nessa cidade é o valor fixo tabelado dos guias para fazer trekking . Existem outras cidadezinhas menores, mais baratas, porém, menos estruturadas, que tbm fazem parte da chapada e são focadas no turismo, como: Andaraí, Guiné, Mucugê, Igatú e Vila do Capão ( todas elas tem agencias de turismo, hostels, pousadinhas, guias avulsos ) ... de todas essas conheci apenas a vila do Capão que faz parte do vale do Capão, é uma pequena vila, não existe bancos, apenas 1 mercadinho, varias pousadas e hostels e campings. Tem algumas pequenas agencias de turismo lá com valores fixos de diárias para trekking á 250,00 por pessoa , porém há guias avulsos tbm que de primeira lhe oferecem o mesmo valor de diária para trekking, porém se vc estiver com um um grupo razoável, esse valor pode cair bem... uma vez já estando na vila do Capão fica muito mais fácil de se iniciar a trilha para o vale do Patí por lá, sem a necessidade do guia ter q alugar um carro... o custo de um aluguel de um carro para fazer transporte até o inicio de alguma trilha sai muito caro. Por isso aconselho quem quiser economizar em guia, melhor é ir direto para a vila do capão e já vá com dinheiro sacado, pois lá não existe nenhum tipo de caixa eletrônico. Como chegar na vila do Capão indo direto de Salvador? Pegando o ônibus na rodoviária de Salvador com destino a Lençóis, na hora da compra da passagem, ao invés de vc informar q irá descer em Lençóis, vc avisa que vai descer uma cidade depois q é a cidade de Palmeiras, terá um acréscimo de uns 10,00 na passagem por isso... Descendo em Palmeiras já terá carros ou Van q vão para a vila do Capão á espera dos passageiros do ônibus, eles já abordam os turistas informando que tem carro ou van para o Capão, o valor é fixo e custa 15,00 por pessoa, e pronto, basta pegar esse carro ou van e descer no Capão. Lá é só procurar hostel ou camping que vc encontrará com facilidade. Tenho boas indicações do Capão: Hostel do Marivaldo ou Mariva ( Hostel trekking Bahia ) valores de diária a 30,00 por pessoa ... ou a pousada Sempre Viva com quartinhos separados com banheiro individuais, custo de 35,00 por pessoa e no mesmo lugar tem camping que custa 15,00 por pessoa. No Capão indico a guia Luana 75 992897498 Instagram @luanaharf ... excelente guia, conhece todas as trilhas do vale do patí e do vale do capão, seu valor médio é 250,00 a diária por pessoa, mas caso esteja com grupo grande pode ser negociável. vale muito a pena, pessoa de energia muito boa, 100% conectada com a natureza, centrada, educada e muito bem informada.
       
      Sobre o aplicativo de trilhas:
       
      existem vários aplicativos de trilhas, algumas pessoas já fazem uso, mas existe um pequeno problema nisso: o parque nacional da chapada diamantina é uma reserva florestal, e de tempos em tempos, algumas trilhas são fechadas para que possam se reestruturar de forma natural, pois devido ao grande fluxo de trilheiros, vegetações vão sendo degradadas e é preciso reestruturar isso. E com o aplicativo as vezes lhe mostrará uma trilha e na hora vc irá perceber que a trilha não existe mais, pelo simples fato dela estar em processo de reestruturação, a vegetação cresceu e cobriu a trilha. Nesse caso é muito fácil se perder. O próprio cara q estava sozinho com aplicativo, havia se perdido numas trilhas da cachoeira da fumaça por baixo, devido a vegetação já ter coberto toda a trilha. Sem contar q após o grande incêndio que teve na chapada no ano de 2015, muitas trilhas foram perdidas e muitas áreas estão em processo de reestruturação ambiental, com restrições de acesso. Nesse caso, melhor mesmo é fechar o trekking com um guia experiente, pois o mesmo tem o conhecimento e sabe por onde ir sem afetar as áreas protegidas. E com guia tudo é muito mais seguro.
       
      Sobre o cuidado com a natureza:
       
      existe aquela velha frase "leve seu lixo de volta com vc" , e essa frase é levada ao pé da letra mesmo pelos frequentadores da chapada diamantina, os próprios guias tem total conscientização disso e sempre alertam para não deixarmos nada durante o caminho, caso durante a trilha for encontrado algum lixo ou objeto o próprio guia recolhe para jogar no lixo na próxima cidade ( aliás, lixo quase não se vê nas trilhas da chapada, todos estão de parabéns pela conscientização e que continuem preservando aquele paraíso )
       
      Sobre fazer suas necessidades "xixi e coco":
       
      Assunto muito importante a ser tratado, durante as trilhas é inevitável não fazer "xixi ou coco" afinal, as vezes, dependendo da urgência, não conseguimos segurar. Então a melhor dica é fazer fóra das trilhas, numa moita qualquer, para não ter cheiros desagradáveis... já o seu "coco" é aconselhável cavar um pequeno buraco na terra fóra da trilha e depositar lá suas fezes junto com o papel higiênico, após o término, cubra com a terra. O papel higiênico se degrada muito rápido e não afetará gravemente a natureza.
       
      Sobre o grande incêndio que devastou boa parte da chapada em 2015:
       
      Segundo informações dos guias, o motivo do grande incêndio foi de uma turista carioca que fez "coco" e ao invés de enterrar o papel higiênico junto com as suas fezes, ela decidiu queimar o papel, com isso o fogo pegou na baixa vegetação seca da região e com a ajuda do vento se espalhou por boa parte da chapada e durou cerca de 32 dias de devastação. varias espécies animais morreram, a degradação ambiental ainda é visível nas áreas afetadas. E durante muito meses a população local ficou sem seu ganha pão, q é focado no turismo. Então é realmente importante não fazer nenhum tipo de fogo, nem fogueiras, sem jogar bitucas de cigarro, nem ter a brilhante ideia de colocar fogo em papel higiênico usado. ( VAMOS TER CONSCIÊNCIA )
       
      Vale a pena fazer o trekking Vale do Patí?
       
      Com certeza! rsrsr... se vc for uma pessoa que gosta da natureza, curte essa conexão, gosta de admirar paisagens, montanhas, vales, cachoeiras, bixos e aprecia o silencio e paz da natureza, então o trekking do Vale do Patí é ideal pra vc. Sempre houvi falar que o Vale do Patí era a trilha mais bonita do Brasil, e realmente é. Vale muito apena para quem curte trekking. Mas se vc não é adepto a longas caminhadas, oriento a não fazer, pq vale do Pati exige um bom esforço físico.
       
      O que levar num trekking desse e como se preparar?
       
      Foram 8 dia de trekking, caminhando durante 7h ou 8h por dia com a mochila cargueira contendo 10kg nas costas e a noite apenas descanso ( dormir ) para o dia seguinte fazer tudo dinovo. Então leve apenas o necessário levar... esqueça shampoos e condicionadores, perfumes e coisas q não serão uteis. Sobre se preparar fisicamente para um trekking longo desses, é fundamental. Eu já estou acostumado a trilhas e longas caminhadas, mas nunca havia feito um trekking de 8 dias seguidos, eu sofrí um pouquinho rsrsrs. Mas mesmo com todo o cansaço, joelho doendo e pés; Viver tudo aquilo valeu muito a pena. Conexão com a natureza, respeito mútuo, e as experiencias trocadas com outros pessoas. Não tem preço!
       
      O que levei foi:
       
      1 mochila cargueira de 60 litros da Quechua
      1 mochila de ataque de 8 litros da Quechua
      1 peça de roupa para fazer as trilhas durante o dia ( a mesma para todos os dias, só q todo final de tarde, eu lavava essa roupa e de manhã já estava seca, tecido correto para caminhada e trilha, secagem rápida e absorvição de suor )
      1 peça de roupa para dormir ( calça leg específica dry-fit, bermuda dágua, camiseta manga longa dry-fit, e uma camiseta manga curta dry-fit .. esse tipo de tecido é muito bom pois mantém a temperatura do corpo, absorve suor e vc não sente frio, para a chapada q no mês de agosto chega a registrar 12º a noite dentro do vale do patí , passei muito bem somente com essas roupas... peças leves e que não fazem volumes e de secagem rápida )
      1 bota para trilha
      1 chinelo havaianas para tomar banho ou descançar os pés a noite
      1 bolsinha necessaire, pequena, apenas pra guardar pasta de dente, escova de dente,sabonete, remédios, desodorante e pomadas
      1 capada de chuva fina, e leve
      3 pares de meia dry-fit
      4 cuecas dry-fit
      1 oculos de sol
      1 bastão para trilha ( isso foi fundamental para mim, algumas pessoas não usam )
      1 garrafa de alumínio 1 litro de água
      Comprimidos de purificação de água Clorin 1
      1 toalha de banho
      1 protetor solar
      1 repelente
      1 lanterna pequena de led com pilhas extras ( recomendo aquelas para fixar na cabeça, assim vc fica com as mãos livres )
       
      Outros itens somente no meu caso ( câmera fotográfica e GoPro com baterias extras ) e ( 500g de frutas secas, desidratadas e castanhas, para aquele lanchinho fóra de hora )
       
      Acredite, somente esses itens lotou minha mochila e chegou a 10kg... e 10kg em 8 horas de caminhada diárias, vc sentirá com certeza rsrsrs
       
      Por que é importante a vestimenta correta?
       
      Existe roupas e tecidos específicos para cada atividade física. Algumas pessoas podem achar frescura ter que comprar alguma peça de roupa especifica para trekking. Eu não achei frescura, para mim foi muito útil. Mêses antes, fui comprando aos poucos essas peças de roupas, claro que pesquisando antes, lendo em fóruns na internet e até mesmo na própria loja. Aqui em São Paulo tem a loja Decathlon, especializada em todo tipo de esportes, inclusive trekking... lá comprei quase tudo que levei: Mochila cargueira Quechua 60litros, muito boa com suporte para as costas e lombar, não senti nenhum incomodo nas costas durante todo o trekking. Roupas dry-fit para caminhada e trilhas, calça balyhoo ( aquela que tem zipper na altura do joelho e vira bermuda, muito boa, tecido de secagem rápida ) Investi bem em tecido dry-fit, por absorver o suor e mantém a temperatura do corpo, seja no calor ou no frio razoável, peguei noite de 12º no vale do pati e não passei frio, não levei nenhum agasalho pesado, somente a calça leg adidas dry-fit para caminhada e corrida, a camiseta manga longa adidas dry-fit para caminhada e corrida, e uma camiseta manga curta tbm dry-fit da adidas ( todas para o calor e para usar no sol, com proteção UV50, devido as longas caminhadas no sol e a absorvição de suor, mesmo sendo para calor, elas protegeram bem no friozinho da noite. Caso vc for fazer algum trekking para regiões muito frias, existe outros tipos de roupas dry-fit específicas para o frio) ... Claro q essa loja é muito cara, mas vale a pena o investimento, afinal o que vale é o conforto e leveza na hora de carregar tudo dentro da mochila. E algumas dessas peças dry-fit estou fazendo uso na academia, ou seja, acabei não só comprando peças de roupa para uso somente do trekking, esta servindo para meus treinos diários de musculação e croosfit. Mas se vc é daqueles trilheiros que não se importam com essas "frescuras", somente aconselho a não ir de calça jeans, nem de bermuda jeans e nem de tênis que não seja apropriado para longas caminhadas... recomendo uma boa e velha bota de trilha, pois depois de tando andar, a bota correta segura bem e amortece corretamente o peso do seu corpo e da mochila.
       
      Curiosidades da Chapada:
       
      Dependendo do mês que vc for a chapada, vc se sentira em outro país, pois o numero de turistas gringos é surpreendente. No mês de agosto, ví muito franceses por lá, vários grupos, tinha até guia francês ... além dos franceses, tinha muitos holandeses, alemãs, belgas, Britânicos, Espanhóis, Irlandeses, Árabes.. ou seja, é um prato cheio para fazer novas amizades e conhecer um pouco da cultura de outros países. Na primeira noite do trekking, fizemos uma fogueira no local correto orientado pelos guias, e em volta da fogueira juntaram-se todos os grupos, umas 30 pessoas +ou- ... sendo que desses 30 turistas apenas Eu e meu amigo eram brasileiros rsrsrsrs
       
      Outra curiosidade é sobre Ufologia. Existe muitos relatos de avistamentos de Ovinis na chapada e região. Mucugê é a cidade onde mais há avistamos. O Morrão é um ponto forte de avistamentos no vale do Capão. Existe muitas expedições de ufólogos do mundo inteiro para essa região, devido ao grande numeros de relatos. Infelizmente eu não ví nada rsrsrs... ( Há quem acredite e há quem não acredite... mas se existe E.T ou não, somente o mistério que ronda a chapada já vale a pena ). Sem contar no céu mega-estrelado nas noites sem nuvens do vale do Patí... vc vê claramente a via láctea inteira... é fantástico... quem gosta de ver estrelas e planetas, pode baixar o aplicativo Carta Celetes e viajar apontando o celular na direção do céu, o aplicativo mostra cada estrela com seu nome e cada planeta, vale a pena!
       
      É isso galera, espero ter ajudado alguém com essas informações. Qualquer duvida é só perguntar que na medida do possível vou respondendo!!!
    • Por Hélio Jr1502432675
      Este post não é um relato de viagem, trata-se um roteiro de trekking fruto das minhas experiências no interior do vale. Como nem todos tem tempo e/ou dinheiro pra passar vários dias no interior do Pati, segue a sugestão de um roteiro "completo" - com todos os principais atrativos - que pode ser feito em 3 noites - um feriadão qualquer!
      Este trekking pode ser feito com a presença de um guia local ou de forma autônoma. Não há OBRIGATORIEDADE de contratar guia, tampouco não é obrigatório ficar nos pontos de apoio.
      QUEM PODE FAZER? Qualquer pessoa com um mínimo de condicionamento físico. Embora não seja uma trilha altamente exigente, é necessária alguma condição física para percorrer distâncias razoáveis (+10km) por trilhas em dias consecutivos.
      QUANDO FAZER? Qualquer época do ano, na Chapada não é comum chover por vários dias seguidos sem parar. Pesquise a previsão do tempo antes. Se puder, faça este trekking após um período de chuvas na região, assim contemplará o Cachoeirão a todo vapor.
      ONDE INICIAR? Como a ideia é encurtar as distâncias para aproveitar o máximo, a sugestão é começar nas entradas mais próximas ao Vale do Pati, que são: Trilha dos Aleixos e Beco do Guiné. Ambas entradas estão nas proximidades do povoado de Guiné, pertencente ao município de Mucugê. O caminho pela Trilha dos Aleixos é 1km mais curto que o do Beco do Guiné (distância do início até o Mirante do Pati). Se a opção do primeiro dia for o Cachoeirão, a trilha dos Aleixos é cerca de 2.5km mais curta.
      Para reduzir as distâncias de carro, sugiro da seguinte maneira: quem vem de Lençois ou Palmeiras, comece pelo Beco do Guiné; quem sai de Ibicoara, Andaraí ou Mucugê, comece pela Trilha dos Aleixos.
      1º DIA: GUINÉ X IGREJINHA: 8km
      Dia de entrada no Vale, seja pela Trilha dos Aleixos ou pelo Beco do Guiné. Quem sobe pelos Aleixos tem a opção de banho no Rio3h Preto após 4km de caminhada. Quem vem pelo Beco também passa pelo Rio Preto, mas em um local diferente. Adiante terá o Mirante do Pati, com visual clásssico do Vale. Descida pela Rampa do Pati e chegada à Igrejinha (casa de João Calixto).
      Tempo de movimento: cerca de 3h, descontando as paradas.
      Pernoite: Igrejinha como apoio (pensão ou camping) ou seguir a trilha em direção ao Rio Pati (Cachoeira dos Funis) até um descampado próximo ao rio.
      2º DIA: IGREJINHA X PREFEITURA: 11km (Funis e Castelo/Morro Branco)
      Saída da Igrejinha para o Rio Pati, pelo Cemitério. Na chegada ao leito do rio, a trilha segue pelas margens e, em alguns trechos, pelo leito. Neste ponto o Rio Pati possui diversas quedas, formando alguns poços interessantes para banho. A queda principal, que também forma um bom poço para banho, é conhecida como Cachoeira dos Funis, está a cerca de 40 minutos da Igrejinha (1.8km).
      Depois de aproveitar o rio, seguir descendo até encontrar a trilha de saída para casa de Sr. Wilson, onde finaliza a caminhada pelo leito. Após a casa de Sr. Wilson tomar um atalho à esquerda, para interceptar a trilha do Castelo. Caso esteja com cargueira, pode optar por escondê-la em algum canto, antes de iniciar a subida, ou deixá-la na casa de Sr. Wilson ou de Agnaldo. A subida é bem acentuada e pode ser escorregadia, caso tenha chovido recentemente, possui cerca de 2km.
      Entre Funis e topo do Castelo são aproximadamente 2h de caminhada. Castelo x Prefeitura também são cerca de 2h.
      Tempo de movimento: cerca de 5h, descontando as paradas.
      Pernoite: sugiro na Prefeitura (Casa de Jailson), para adiantar o dia seguinte. Porém são muitas as opções no caminho: Agnaldo, Dona Leia, Dona Raquel, João e André. Para camping natural sugiro uma área do outro lado do Rio Pati, próximo a Prefeitura.
      3º PREFEITURA X SR EDUARDO (CASA DO CACHOEIRÃO): 15km (Cachoeira do Calixto e Poço da Árvore)
      Saída da Prefeitura para a Mata do Calixto, atravessando o Rio Pati. São aproximadamente 4.5km (2h) até a Cachoeira do Calixto. Fazer o trajeto sem as cargueiras, deixando guardada na Prefeitura. Se a pernoite anterior for na casa de Agnaldo, pode seguir pela trilha da margem esquerda do Rio Pati (não passa na Prefeitura), deixando as mochilas escondidas no acesso à mata do Calixto.
      No retorno da Cachoeira do Calixto, passagem pela Prefeitura. Cerca de 1km após a Prefeitura está o Poço da Árvore, que é um opcional no trajeto.
      Tempo de movimento: cerca de 6h30, descontando as paradas.
      Pernoite: sugiro na casa de Sr. Eduardo, onde o filho Domingos toma conta. Para camping natural, sugiro uma área após a Casa de Seu Eduardo, próxima ao ao Rio Cachoeirão.
      4º SR EDUARDO X GUINÉ: 20km (Cachoeirão por baixo e por cima)
      Saída da casa de Sr. Eduardo sentido os poços do Cachoeirão, trilha com duração aproximada de 1h. Se estiver com cargueira, deixe ela no entroncamento com a trilha da fenda do Cachoeirão. O acesso aos poços é bem irregular e será mais difícil transportando uma cargueira. Sol no poço até o início da tarde, porém sugiro a saída do local até, no máximo, 12:00. No retorno do poço, subir pela trilha da fenda, que, apesar do nome, não possui tanta dificuldade técnica.
      São 2 a 3 horas de subida até o topo do Cachoeirão, onde será possível contemplar a vista da 4ª cachoeira mais alta do Brasil e nadar em um pocinho em meio a mata. Deixando o Cachoeirão, a trilha segue pelos gerais até iniciar a descida da Serra do Esbarrancado. São 10km até o final dos Aleixos e 12km até o fim do Beco do Guiné. Sugiro sair do topo até às 15h, para não trlhar no escuro.
      Tempo de movimento: aproximadamente 7h, descontando as paradas.
      Último dia de trekking, caso queira optar por mais uma pernoite, a opção é o topo do Cachoeirão ou em algum ponto viável do gerais.
      CONSIDERAÇÕES:
      Desta forma, o trekking proposto tem aproximadamente 55km. Sugiro fazer neste sentido pois, na maior parte do tempo, a caminhada terá o relevo favorável.
      Dos atrativos conhecidos do Vale do Pati, o único não contemplado neste roteiro é o cânion do Guariba, que fica próximo a Casa de Joia, na saída para Andaraí.Alguns locais possuem mercadinho (Igrejinha e Prefeitura), onde é possível comprar alguns produtos básicos. Preços bem superiores ao de mercado, cabe frisar.
      Se possível, utilize calçados impermeáveis, de preferência botas. Leve o mínimo de peso possível nas cargueiras.
       
×