Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Prainhas do São Francisco

 

O dia começou com um café da manhã daqueles! Tudo bem mineiro como o visitante espera encontrar. Nem dá pra descrever tudo que a família de dona Idelzuita, de 83 anos, tinha preparado para os hóspedes da Pousada. Mas logo me vem à memória e ao paladar o pão-de-queijo feito com ovo caipira e o tradicional queijo Canastra.

Esse vale a pena trazer um. Você encontra tanto nas Pousadas, quanto nas fazendas e nos mercadinhos das cidades que ficam ao pé da Serra. Os preços que encontramos ficavam entre R$ 15 e R$ 25 o quilo de queijo. Comprei um por R$ 15 num mercadinho no centro do município de Vargem Bonita.

Nosso café da manhã – estávamos em 5 pessoas – foi ainda mais especial porque da varanda era possível avistar o paredão de rocha da Canastra. Refeição observada por duas Siriemas que todos os dias aparecem no gramado perto do refeitório. Ali, uma coisa já ficou clara. A gente era a visita. Elas os primeiros moradores da Serra que iríamos conhecer. E naqueles três dias viriam outros animais, alguns ameaçados de extinção.

Siriemas.jpg

Olho nas Siriemas e ouvidos atentos às histórias de dona Idelzuita, que cresceu ao pé da Serra. Ali ela soltou a primeira frase que fiz questão de anotar no bloquinho que eu carregava no bolso: “O garimpo não deixou ninguém rico. Valeu a ilusão”. A região da Serra da Canastra é uma das mais recentes zonas produtoras de diamantes de Minas Gerais. Foi descoberta na década de 1930.

A Pousada de dona Idelzuita fica numa fazenda. São vários chalés. O nosso ficava bem perto de uma das curvas do São Francisco. Dali partimos para o primeiro encontro com o Velho Chico que – na parte baixa da Serra da Canastra - ainda parece ser uma criança perto do que ele se transformará adiante. O rio São Francisco nasce na Serra da Canastra e percorre 2.700 quilômetros em 5 estados brasileiros – Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas – até desembocar no Oceano Atlântico.

Fomos a pé até uma prainha de água doce, claro. São várias espalhadas por todo o percurso do rio. Basta se aproximar de algum ponto da margem do São Francisco para você encontrar cenários como este:

IMG_4340.JPG

Como é comum com os mais antigos no interior de Minas pedimos a benção do Velho Chico tocando o leito do rio. Dali partimos de carro para a grande aventura do dia: conhecer a cachoeira Casca D’Anta.

 

 

Cachoeira Casca D'Anta

 

 

A explicação para o nome da cachoeira estaria numa árvore comum na região: a Casca D’Anta. A árvore ganhou esse nome porque tem propriedades medicinais cicatrizantes. Diz a lenda que quando a Anta está ferida ela vai até a árvore e se esfrega no tronco para curar ferimentos superficiais.

Do município de Vargem Bonita até os pés da cachoeira Casca D’Anta são 23,5 quilômetros (22 Km de carro em estrada de terra + 1,5 Km de trilha a pé dentro da mata). Ainda no trecho de carro vale a pena ficar atento. De longe já é possível avistar a Casca D’Anta tamanha é a grandiosidade da queda d’água. Ela se forma 14 Km depois da nascente do São Francisco.

IMG_4413.JPG

Há placas indicando o caminho até a cachoeira, uma das principais atrações da Serra. Como é grande o trânsito de veículos 4x4 vale a pena fechar a janela do carro pra não ficar literalmente comendo poeira. Entre uma foto e outra vacilei e senti o gosto da terra na boca durante o percurso.

A estrada termina numa casa de pedra. Está é uma das portarias do Parque Nacional da Serra da Canastra. É a Portaria 4. O visitante deixa o carro no estacionamento – um terreiro de terra bem em frente a casa. A partir deste ponto é preciso seguir a pé. Antes o visitante paga uma taxa de R$ 8 para ter acesso a trilha que leva até a Casca D’Anta.

O pagamento é apenas em dinheiro. Estrangeiro paga R$ 16. A entrada é de graça para quem tem menos de 12 anos ou mais de 60 anos. Na portaria o visitante pode retirar um folheto com informações. O horário de entrada é das 8h às 16h horas. O visitante deve voltar e deixar o Parque até às 18h. No horário de verão, a entrada é estendida até às 17h e a saída até às 19h por conta da luz solar. É proibido entrar com bebida alcoólica e também com animais domésticos.

O percurso da portaria até a cachoeira é de 1,5 quilômetros. A maior parte dele em estrada de terra. É bem tranquilo de fazer. Tanto que ao longo do caminho cruzamos com crianças e também idosos. Existe inclusive estrutura turística ao longo da estrada como área de camping, banheiro masculino e feminino e quiosques com mesas para o visitante descansar e fazer um piquenique.

IMG_4421.jpg

Mais próximo da cachoeira, a estrada dá lugar a uma trilha estreita em trecho de mata fechada. Vale a pena ficar atento porque alguns pontos são bastante altos. Esse percurso é às margens do rio São Francisco. Lá embaixo, as pedras formam piscinas naturais. Vimos grupos de pessoas se refrescando nas águas. Para chegar lá basta seguir por trilhas menores que levam até o leito do rio.

Quem segue em frente pela trilha principal chega até um mirante com uma visão privilegiada da Casca D’Anta. O ponto é excelente para tirar umas fotos.

IMG_4449.JPG

Ali também construíram uma pequena arquibancada para o visitante descansar e já admirar a imensa queda d’água que vai encarar em instantes. E ela surge do nada em poucos minutos de caminhada.

Casca%2BDanta.jpg

Interessante reparar na reação das pessoas nesta hora. Elas ficam mesmo de boca aberta e com a cabeça inclinada para o alto. A cachoeira impressiona. A Casca D’Anta é a primeira grande queda do São Francisco. O paredão de água tem 186 metros de altura. Cai com tanta força que o impacto no lago provoca uma chuva que é lançada em direção aos visitantes. Impossível não se molhar.

Vale muito a pena levar uma capa de chuva para não ficar ensopado como eu fiquei. É tanta água que você tem a sensação de ter entrado na água com roupa e tudo. Vez ou outra é bom enxugar a lente da câmera. A água que acumula fica visível nas fotos...rs.

Chegar até o lago lá embaixo é bem arriscado. A chuva que se forma deixa as pedras escorregadias. O risco de acidente é grande. Antes de chegar na cachoeira tem inclusive uma placa alertando para os riscos, entre eles o de afogamento. O folheto que entregam na portaria não recomenda o banho na parte baixa da Casca D’Anta. Eu até me arrisquei nas pedras mas não entrei na água.

Importante usar uma calça comprida leve para não arranhar as pernas e um calçado com solado antiderrapante. Um repelente também é fundamental porque se você voltar no fim da tarde os mosquitos atacam mesmo. E funciona. Basta passar para eles se afastarem e dar sossêgo.

Arco-i%CC%81ris.jpg

As gotas d’água lançadas no ar formaram um belo arco-íris naquele fim de tarde. E pra quem acha que o espetáculo do dia termina ali vale a pena parar o carro na estrada durante o caminho de volta e observar o sol repousar atrás da Serra. É outra imagem que você não vai esquecer. O céu muda de cor. Fica laranja. Com o flash da câmera ativado, o céu fica avermelhado. Mas a maior surpresa da viagem aconteceria mesmo no dia seguinte, na parte alta da Serra da Canastra.

IMG_4575.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Subida da Serra

 

O sábado amanheceu nublado, frio e chuvoso. Três combinações que ninguém merece justamente no dia que reservamos para conhecer a parte mais preservada do Parque Nacional da Serra da Canastra. Aproximadamente 70 mil hectares de cerrado. Um berçário de animais ameaçados de extinção. O topo da Serra. Mesmo com tempo fechado partimos para a aventura do dia. E ainda bem que não desistimos.

Chegamos em São Roque de Minas às 9 horas da manhã. De Vargem Bonita a São Roque de Minas são pouco mais de 50 quilômetros de distância. Fomos direto para a agência de turismo de aventura que iria nos levar para o passeio pela parte alta da Serra da Canastra. O serviço nós contratamos no dia anterior por telefone. Fica a dica! É importante reservar o passeio com antecedência, principalmente se você for pra lá em época de feriadão como foi nosso caso.

Como éramos um grupo ganhamos desconto e pagamos R$ 90 cada um. Preço Normal: R$ 100. Nosso carro era uma antiga caminhonete D20. A carroceria foi adaptada para acomodar os turistas no passeio. Havia dois bancos grandes, uma cobertura com uma espécie de lona e grades nas laterais onde a gente se segurava ao longo do percurso que foi com emoção...hehe. Além de nós cinco havia mais seis pessoas. Ou seja, eram 11 pessoas mais o guia que dirigia o veículo. Duas pessoas do grupo se revezavam na cabine junto com o guia.

4x4.jpg

Se você planejava subir a Serra com carro de passeio ainda bem que chegou até este ponto do texto. Não faça isso! A estrada é para carros 4x4 ou com suspensão mais alta. São trechos cheio de lama, trechos alagados, trechos em que o carro anda em cima só de pedras e bem irregulares. Não vimos nenhum carro pequeno lá em cima. Além das máquinas mais potentes, apenas motoqueiros e ciclistas se aventuravam pelo chapadão naquele dia.

Boa parte da subida é ao lado de penhascos. Em trechos com muita lama, o carro patina de um lado para o outro e exige habilidade e experiência do motorista. A neblina é forte e o campo de visão é pequeno. Imagina agora tudo isso e você lá atrás na carroceria. Tá explicado agora porque o passeio foi com emoção né...

Neblina.jpg

Toda essa aventura é no percurso até a Portaria 1 do Parque Nacional da Serra da Canastra. É por esta portaria que o visitante chega até a nascente do Rio São Francisco. Do município de São Roque até a Portaria 1 são aproximadamente 7 Km. Neste ponto os visitantes precisam descer e pagar R$ 7 cada um para ter acesso ao Parque.

Cerrado.jpg

A partir deste ponto a viagem ficou um pouco mais tranquila. A neblina foi embora. O sol brilhava mais forte e era possível avistar longe pelos imensos campos de cerrado. Pra quem não está acostumado a esse tipo de vegetação – como foi o meu caso – chama a atenção a ausência de árvores. A impressão que dá é que aqueles campos foram alvo de desmatamento. Mas não. É assim mesmo o cerrado. Capim pra todo lado, arbustos, árvores pequenas e com troncos retorcidos. Árvores mais altas mesmo só onde tem água, como na nascente do rio São Francisco.

Nascente do Rio São Francisco

 

Da Portaria até a Nascente do São Francisco são 5 Km. Se você chegar lá querendo ver um olho d’água brotando da terra vai se frustrar. O que se vê é um pequeno córrego já formado. É até compreensível isso se pensarmos no impacto ambiental que seria se todo visitante fosse até o exato local onde o São Francisco nasce.

Nascente.jpg

Lá em cima você conhece a primeira ponte erguida sobre o rio. É de madeira e bem pequena. Daquelas que passam um carro por vez. Tocar na água daquele pequeno córrego é algo precioso. Um tesouro protegido pela estátua de São Francisco de Assis com a famosa oração embaixo. O monumento foi erguido próximo à nascente do Velho Chico. Confesso que não sou muito fã dessas intervenções humanas num lugar como este.

Neste ponto da viagem, nosso grupo diminuiu para 9 pessoas. Duas moças que estavam na cabine com o guia já planejavam andar a pé pela Serra. Sinceramente senti vontade de fazer o mesmo que elas. Ouvir o silêncio daquela imensidão, a chance maior de observar animais. Ainda volto lá um dia para essa aventura.

Por outro lado sobrou mais espaço na caminhonete e a viagem ficou um pouco mais confortável. Um pouco, porque não vou mentir. Depois de horas sentado senti um pouco de dor na lombar e por duas vezes bati a cabeça no teto da carroceria. Além disso pegamos um trecho de chuva. A água acumulou sobre a lona e começou a pingar em cima da gente já que o tecido não era impermeável. Mesmo assim faria o passeio de novo. As cenas que iríamos registrar valiam qualquer esforço.

 

Parte Alta da Cachoeira Casca D’Anta

 

Cerca de 30 Km depois de deixar a nascente chegamos à parte alta da cachoeira Casca D’Anta, a mesma cachoeira que conhecemos no primeiro dia de viagem. Os carros ficam estacionados num terreiro em frente a uma construção com banheiros para os visitantes. Ali começa a trilha para a parte alta da cachoeira. É neste ponto que o São Francisco literalmente desce a Serra. Ao longo dos anos, a força da água lavou a terra e formou imensos cânions.

Ca%CC%82nions.jpg

Antes de despencar lá de cima, há uma sequência de cachoeiras e piscinas naturais.

Cachu.jpg

Naquela manhã não havia ninguém dentro d’água. Também o tempo não ajudou muito. Estava frio, a neblina era forte e choveu em alguns momentos. Além disso, comentários de que um turista chegou a morrer por causa de um choque térmico numa das piscinas, meses atrás, assustou nosso grupo. Decidimos chegar ao topo da montanha na tentativa de ver a cachoeira do alto.

Penhasco.jpg

A trilha é estreita e ao lado do desfiladeiro. Alguns trechos são de pedra e, às vezes, é preciso se apoiar com as mãos para vencer os obstáculos. O percurso é relativamente pequeno. Não demora e o visitante alcança o topo. Você chega a um Mirante – a uma altura de 300 metros - onde é possível observar os vales ao redor da Serra da Canastra. Infelizmente, não tivemos sorte naquele sábado. As nuvens avançaram sobre a Serra e não era possível ver nada lá em baixo. Decidimos voltar e seguir o passeio por cima da Serra. Viriam as cenas mais marcantes da viagem...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cachoeira Rasga Canga

 

Quem tá na Serra é pra se sujar. Dito e feito. No caminho para a cachoeira Rasga Canga nosso carro atolou. O guia tentou passar por cima de moitas de capim, ao lado de um alagamento na estrada. Mas o terreno estava encharcado e um dos pneus traseiros agarrou. Não saía por nada. Resultado: a ala masculina da expedição teve que descer pra empurrar e fazer peso sobre a roda. Ficávamos pulando e fazendo peso sobre a roda atolada enquanto o guia acelerava. No fim deu certo! Depois fiquei me perguntando se isso já estava no roteiro do guia pra aumentar a adrenalina lá em cima da Serra...

Cerca de 17 quilômetros depois de deixar a parte alta da Casca D’Anta chegamos perto da cachoeira Rasga Canga. Você deve estar se perguntando o por quê desse nome né! Lá não souberam me explicar e ainda não encontrei uma explicação. Descemos do carro e seguimos por uma trilha de aproximadamente 10 minutos. As águas que ali despencam são do córrego do Rolinho. Neste ponto, o córrego se divide e forma duas cachoeiras com piscinas naturais, uma bem ao lado da outra. Depois elas se juntam e o córrego segue seu caminho.

Rasga%2BCanga.jpg

A essa altura do dia, o sol brilhava mais forte. Pedaços de céu azul apareciam entre as nuvens. O corpo estava mais quente por causa das caminhadas. Combinação que favorecia um mergulho. E foi o que muitos fizeram. Caímos na água. A piscina natural na primeira queda d’água é mais rasa e mais indicada para crianças.

Se você é daqueles que quer chegar perto da espuma que a cachoeira forma na água é bom ficar atento porque lá a correnteza é forte. Nós chegamos lá, mas um ajudando o outro. A força da água é tanta que se você ficar em pé e jogar o corpo para trás – contra a correnteza – você demora a cair porque a força da água no sentido contrário é muito grande.

Atravessando uns blocos de pedra você chega a outra queda d’água, bem ao lado, com uma piscina natural ainda maior. Gostei mais desta segunda. Com o devido cuidado para não escorregar é possível subir pelas pedras e ficar em pé, debaixo da cachoeira. É outro momento de massagem natural nas costas, de água fria. Nadar na piscina que se forma lá embaixo é mais incrível ainda. Mas esta é bem funda. Só pra quem sabe nadar mesmo. Bem no meio da piscina há uma grande pedra. Ali dá pra ficar em pé e quem está de fora tem a impressão que você está caminhando sobre as águas sem afundar. E exatamente neste local aconteceu algo que não vou esquecer.

Peixes.jpg

Eram muitos peixes pequenos nadando bem ao nosso lado, sobre a pedra. O primeiro pensamento que vem é de querer pegar algum deles. Depois pensei: “Se eles não fogem é porque quem vem até aqui não tenta fazer isso”. Resolvi sentar na pedra – num trecho mais baixo – e fiquei imóvel com a água na cintura. Os peixes se aproximaram um a um. Não demorou muito eu estava cercado. Eles começaram a morder de leve minhas costas, pernas e braços. Nada que assustasse, afinal eram muito pequenos. Um contato com a natureza que jamais vou esquecer.

Pegamos a trilha de volta ao nosso carro. Na subida, um susto. Uma mulher de outro grupo se desequilibrou numa das pedras enquanto descia em direção à Rasga Canga. Ela sofreu escoriações e, aparentemente, a pressão dela ainda caiu. A mulher acabou desistindo e voltou para o carro. Fica aí outro alerta! Além de estar bem equipado com calça comprida leve, calçado com solado antiderrapante, entre outras coisas é importante cuidado ao fazer as trilhas para não antecipar a volta pra casa. De novo, não esqueça o repelente. O dia vai avançando e os mosquitos também.

 

A maior surpresa da viagem

 

O fim de tarde já ia ficando mais próximo quando voltamos pra estrada. A expectativa de ver animais silvestres era grande já que, segundo nosso guia, depois das 16h é mais comum avistar os animais. Quando nosso carro parava na estrada todos já sabiam. "Tem bicho por perto". Hora de ligar as câmeras e observar a fauna do nosso cerrado.

O primeiro bicho a cruzar nosso caminho media 56cm de comprimento com envergadura de até 123cm. Tinha cara de mau, até pelos seus hábitos. São carniceiros. Se alimentam de peixes, cobras, lagartos, filhotes de aves, entre outros animais. Mas o que ele tinha de sério tinha também de bonito. Corpo nas cores preta e marrom, pescoço na cor branca e cor laranja acima do bico. Era o gavião-carcará.

Envergadura.jpg

Gaviões na verdade, já que vimos vários lá em cima e bem de perto. A melhor foto conseguimos de dois que pousaram em cima de um amontoado de pedras. Não se intimidaram com nossa presença. Para nossa sorte.

IMG_4803.JPG

Seguimos viagem, mas a expectativa de avistar outros animais da Serra seguia com a gente. Vale ficar de olho nos campos na tentativa de ver algum movimento. Mas nada como ser um morador da região para desenvolver essa habilidade. Nosso guia deu uma prova disso. Mesmo no volante, ele avistou algo no vale à esquerda da estrada. Parou o carro e todos logo já desceram do carro perguntando: “Que bicho é agora?”. Ele não sabia ainda ao certo mas acreditava ter visto algo nos arbustos.

Lá fomos nós descer a montanha. De longe o guia reconheceu o animal. Um mamífero que pode chegar a 2.20 metros e 45 Kg. Tem uma cauda grande, com pelos grossos e focinho comprido. Era um tamanduá-bandeira.

Tamandua%CC%811_Fotor.jpg

Como tem olfato aguçado logo percebeu nossa presença e ficou imóvel atrás de uns arbustos. Mas como continuamos caminhando pela montanha, o tamanduá fugiu pela montanha oposta.

Tamandua%CC%812_Fotor.jpg

Logo paramos para admirar a beleza do bicho e também para não assustá-lo ainda mais. Não acreditávamos no que acontecia diante dos nossos olhos. Um animal ameaçado de extinção que a maioria de nós nunca tinha visto antes.

Tamandua%CC%813_Fotor.jpg

Antigamente o bicho podia ser visto em todos os estados brasileiros. Hoje, segundo a Ong WWF Brasil, já está extinto no Espírito Santo e no Rio de Janeiro. Infelizmente está na lista de espécies ameaçadas de extinção. Vale fazer essa reflexão lá em cima da Serra. Como não sentir remorso sabendo que nossa espécie está exterminando pra sempre outros animais da terra? Daquelas coisas que não dá pra entender.

De volta ao carro seguimos pela estrada. A esta altura eu estava na cabine junto com o guia. Aproveitei para ouvir as histórias. Ele contava do dia em que viu um lobo-guará a poucos metros de distância. Outra espécie ameaçada de extinção que vive na área do Parque Nacional da Serra da Canastra. Onde ele tinha visto o lobo? No Curral de Pedra. E era pra lá que estávamos indo. Nosso último destino na parte alta da Serra.

 

Curral de Pedra

 

Pouco antes do pôr-do-sol chegamos ao Curral de Pedra. Muros de pedras colocadas uma sobre a outra– sem o uso de argamassa – formam o antigo curral. No passado, o lugar servia de abrigo para rebanhos de gado que eram levados para pastar no alto da Serra. Hoje, o local está tomado pela vegetação. Ficamos atentos, mas naquele fim de tarde o curral de pedras não foi o destino de nenhum lobo-guará.

curral.jpg

Bem ao lado do curral tem um Mirante de pedras. É bem fácil de subir. Já a vista lá do alto difícil de esquecer. Campos e mais campos de cerrado a perder de vista. Vale a pena fechar os olhos e ouvir o silêncio da Serra. O silêncio de uma Serra aliás é algo que me motiva a enfrentar trilhas e longas caminhadas. É a oportunidade de ouvir a natureza e se sentir parte dela. E é com essa sensação que você desce a Serra da Canastra e volta para a cidade.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Informações úteis

 

A Serra da Canastra fica no sudoeste de Minas Gerais, perto da divisa com o estado de São Paulo. Tá quase no “nariz” de Minas. Seis municípios estão situados nos arredores da Serra: Capitólio, Delfinópolis, Sacramento, São Roque de Minas, São João Batista do Glória e Vargem Bonita.

Escolhemos essa última para ficar. O município de Vargem Bonita tem 2.214 habitantes (População estimada em 2014/IBGE). É a primeira cidade a ser banhada pelas águas do São Francisco. É bem pequena mesmo. Daquelas que você atravessa de carro rapidinho! Se você se perder lá fique tranquilo porque vai descobrir a hospitalidade mineira. Aconteceu com a gente!

O caminho mais curto para Vargem Bonita – partindo de São Paulo – tem 524 Km. O tempo de viagem é de aproximadamente 6 horas e 30 minutos.

O primeiro percurso é de São Paulo a Campinas. Neste trecho você pode seguir tanto pela Rodovia Anhanguera quanto pela Bandeirantes. O segundo trecho vai de Campinas a Mococa (última cidade do estado de São Paulo) passando pelas rodovias Dr. Gov. Ademar Pereira de Barros e Prof. Boanerges Nogueira.

Já em solo mineiro, o visitante segue pela Rodovia Domingo Ribeiro Resende até Passos. Depois de Passos você vai passar por uma imensa ponte sobre o Rio Grande (um cenário bonito de ver) e seguir até Vargem Bonita (no sentido de São Roque de Minas).

 

A sequência das principais cidades é a seguinte:

 

SãoPaulo/Cajamar/Jundiaí/Vinhedo/Campinas/Jaguariúna/MogiMirim/Aguaí/CasaBranca/Mococa/MonteSantodeMinas/SãoSebastiãodoParaíso/ItaúdeMinas/Passos/Capitólio/Piumhi/VargemBonita.

 

A medida em que o visitante se aproxima de Vargem Bonita ou São Roque de Minas, já é possível sentir a altitude. Nesse trecho final vale a pena reduzir a velocidade já pra apreciar a paisagem e – o mais importante – poupar os animais. Infelizmente vimos vários atropelados na pista. Uma cena triste de ver depois de observar tanta vida silvestre lá em cima da Serra.

 

Gastos da viagem

 

Viajamos no feriadão de 1º de maio. Chegamos lá na sexta-feira (01/05) e voltamos no domingo (03/05). Pagamos por 3 diárias na Pousada. O preço no feriadão era de R$ 200 por pessoa incluindo café da manhã e jantar. Como estávamos em 5 pessoas pechinchamos e a diária caiu pra R$ 150. Você encontra Pousadas mais baratas. Mas a ideia de avistar o paredão de rocha da Canastra da janela do Chalé foi o que nos seduziu.

Como na hora do almoço o visitante vai estar em algum canto da Serra é importante levar lanches para consumir. Você anda bastante, nada, sobe e desce trilha. A fome aperta mesmo! Como avistar um tamanduá-bandeira marcou essa viagem, não resisti e trouxe um artesanato que reproduz o animal em madeira. Tá aqui na sala de casa - que não demora - vai parecer uma selva de tanto bicho que tô juntando nessas andanças!

tamandua%CC%81.jpg

Seguem os gastos:

 

Hospedagem –- 3 diárias ----------------------------- R$ 450,00

Pedágios –------ 8 na ida + 8 na volta ------------- R$ 102,30

Combustível ---------------------------------------------- R$ 310,00

Alimentação ---------------------------------------------- R$ 61,62

Passeio Parte Alta da Serra -------------------------- R$ 90,00

Entradas Parque Nacional -------2 ingressos----- R$ 15,00

Queijo Canastra ------------------------------------------R$ 15,00

Artesanato (Tamanduá-bandeira de madeira) --- R$ 29,00

 

* O valor de combustível + pedágio dividimos entre as 5 pessoas do grupo.

 

Aventureiros.jpg

Por falar nisso, agradeço ao João, Ailson, Tânia e Guilherme por esses 3 dias compartilhados na Serra da Canastra! Obrigado também a você que fez essa viagem junto com a gente acompanhando os relatos. Espero ter colaborado caso esteja planejando conhecer esse pedaço importante de Minas. E quando voltar de lá passe aqui pra comentar a viagem! Nem que seja pra dizer: SUBI A SERRA!

 

Abração!

 

Blog: http://subiaserra.blogspot.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/pages/Subi-a-Serra/859043820870952?ref=tn_tnmn

  • Obrigad@! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites


Obrigado pelo comentário Li Rodrigues.

Vou dar uma olhada nos seus relatos também.

Ainda quero conhecer os nossos países vizinhos.

Grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Marthon Luiz Garcia Livram
      INFORMAÇÕES DE: Fevereiro de 2017.
       
      HOSPEDAGEM: Airbnb – Aplicativo para hospedagem.
       
      ROTEIRO
       
      Planejamento
       

       
      Um feriado de Carnaval é preciso programar com pelo menos 2 ou 3 meses de antecedência devido a demanda e também para tentar correr dos preços exorbitantes que aparecem na época.
       
      Capitólio, como é turístico e anda na moda, não é diferente, e para reduzir o orçamento de uma viagem assim, uma das melhores alternativas que encontrei foi ficar em outra cidade nos arredores do lago de Furnas.
       
      Os hotéis e pousadas esta época do ano estavam com preços além do imaginável, por isso nesta viagem usei pela primeira vez o AirBnb, o aplicativo de alugueis de casas para férias e feriados, foi um teste, e agora virei cliente e recomendo.
       
      Eu e a turma pegamos um apartamento no centro de Piumhi para 5 noites e 4 dias por R$ 1.045 (com taxa de limpeza). Um imóvel de 3 quartos para até 8 pessoas, ou seja, o carnaval todo por R$ 130,63 / pessoa, bem em conta, não??
       
      O POST completo recheado de foto, contatos e demais informações esta no blog http://www.queromochilar.com.br.'>http://www.queromochilar.com.br.
       
      Sobre a hospedagem com AirBnb
       
      Foi a primeira experiência de muitas, após reservado o imóvel, entramos em contato com a proprietária, quem nos instruiu sobre passeios, recebeu os primeiros que chegaram no imóvel, apresentou o bairro e teve o cuidado de deixar um lanchinho para quando chegássemos. Não tivemos nenhum tipo de problema. Só tenho Elogios a Francisca.
       
      Sobre a escolha de Piumhi.
       
      A cidade fica a 20 km de Capitólio, é uma cidade bem estruturada e bem menos movimentada. Como os atrativos ficam afastados de Capitólio, você acabará andando 30 km a mais (ida e volta) para fazer os passeios, isso dará em torno de 10 reais a mais (R$ 2,50 por pessoa se dividir por todos do carro), e ira economizar até um terço do valor da hospedagem que pagaria na disputada Capitólio.
       
      Ah, outra coisa, tem um pedágio de R$ 5,50 de Piumhi à Capitólio, ida e volta, mas mesmo assim acaba compensando.
       
      Planejando os passeios
       
      Como saímos na sexta as 15h30 de Montes Claros e chegamos ás 00h40 – nove horas de viagem por causa do trânsito pesado – e acordamos no sábado cedo, tivemos o dia todo pela frente para curtir as atrações deste lugar.
       
      Como todos ainda estávamos cansados, fomos nos passeios mais “próximos” e planejamos Morro do Chapéu na parte da manhã e Cascata Ecopark na parte da tarde.
       
      Morro do Chapéu.
       
      Entrada: Gratuito.
       
      Horário: Sem horário de funcionamento.
       
      Duração do passeio: Umas 3 horas – Contando deslocamento e caminhada.
       


       
      O Morro do Chapéu é um mirante natural a 1.293 metros de altitude de onde podemos aproveitar um belo visual do”Mar de Minas”. A vista do lago de Furnas daqui é incrível.
       
      Como chegar:
       
      Para chegar ao Morro do Chapéu, peguei a MG-050, sentido Canyons e andei até a estrada do Dique. Você vai seguir as placas do Hotel Engenho da Serra.
       
      Após andar 24 km (de Piumhi), ou 12 km se sua referência for de Capitólio, você vai cruzar a pista e entrar sentido o hotel Engenho da Serra, esta entrada é em uma curva e péssima de visão, achei perigosa. Após entrar começa a estrada de terra de 10,1 km até o topo, você vai passar pela estrada do Dique, e vai seguindo. Há Placas, logo vai ver uma indicando a entrada para o Morro do Chapéu.
       
      Havia trechos muito ruins para o carro ainda mais por que havia chovido, não eram atoleiros, mas trechos com buracos e pedras, muito ruim mesmo. Achamos carros voltando, desistindo e nos alertando, mas teimosos que somos resolvemos seguir, fui de Uno, mas não indico carro baixo se não for habilidoso em estrada de terra.
       
      Uma hora de carro e chegamos a um ponto quase no mirante que preferimos não passar com o carro e seguimos a pé devido as mas condições da estrada.
       
      Mapas: Estão disponíveis no Blog: http://www.queromochilar.com.br
       
      Sobre o Trekking:
       
      Impossibilitados de subir o morro até o final com carro, resolvemos terminar a pé, pois estávamos bem próximos.
       
      Fomos cortar caminho, pois era mais curto que seguir a estrada e fomos por uma trilha bem íngreme no meio dos morros, andamos menos de 1 km, mas foi um pouco puxado devido a subida.
       
      Quando chegamos no topo o visual compensa tudo. Lá de cima temos uma visão privilegiada do lago de furnas com seu verde esmeralda incrível que rende excelentes foto.
       
      Cascata Ecopark.
       
      Entrada: R$ 35,00 – Preço do Carnaval; Preço normal R$ 30,00.
       
      Horário: 9h00 as 18h00.
       
      Duração do passeio: Recomendo 4 horas – Mas pode-se ficar lá o dia todo.
       
      Como Chegar:
       
      Após o Morro do Chapéu, voltamos para MG-050 sentido Passos andamos por mais 24 km (22 min) e chegamos na entrada do Ecopark. Aqui também temos que cruzar a pista, mas é mais tranquilo e a estrada de terra é bem curta, praticamente insignificante.
       
      Sobre a Cascata Ecopark
       
      No lugar há um restaurante que serve somente porções pequena a preços bem salgados (Ex: R$ 35,00 de filé de carne e R$25,00 de mandioca) e uma trilha curta de 1,2 km (ida e volta) com acesso ao mirante, cachoeiras e piscinas naturais.
       
      No Ecopark há uma trilha curta e de fácil acesso, onde começamos passando pela parte de cima das cachoeiras e chegamos a um mirante para os Canyons e depois vamos a duas quedas d´água onde é possível banho de cachoeira, o lado ruim é que não há poços com boa quantidade de água para banho.
       
      O começo da trilha é bem sinalizado, mas depois vamos seguindo a trilha rumo ao mirante e ficamos sem saber onde termina, então seguimos até ver que se andássemos mais não mudaria a paisagem.
       
      Depois dos Mirantes fomos rumo as cachoeiras, para chegar até lá temos algumas pedras escorregadias como obstáculos, mas nada perigoso, só ter cuidado. Em alguns trechos temos que passar por água, o que pode molhar o tênis. Como esta trilha é fácil, curta e com mais de três paradas, recomendo ir de chinelo.
       
      A primeira cachoeira é a melhor para banho, com uma queda d´água que termina no lago dos Canyons de furnas e é possível ver várias lanchas que fazem os tours chegando para apreciar a paisagem.
       
      Para finalizar a trilha temos uma pequena escaladas em pedras para passar por outro poço de banho e outra cachoeira, a da entrada do Ecopark, na primeira foto.
       
      Acabou que ficamos das 12h30min até as 17h curtindo este belo lugar até retornarmos para Piumhí.
       
      Acordamos cedo e às 9h00 fomos direto para o Paraíso Perdido.
       
      Paraíso Perdido.
       
      Entrada: R$ 40,00 (carnaval) – Normalmente R$ 35,00.
       
      Horário: 8h00 as 18h00.
       
      Duração do passeio: Um período (Manha ou tarde) é o recomendado.
       
      Como chegar:
       
      Para chegar no Paraíso Perdido, pegamos novamente a MG-O50 sentido Passos, e andamos por 53 km (vindo de Piumhi) até chegarmos a estrada de terra que está em boas condições e são somente mais 4,6 km até a portaria da propriedade.
       
      O acesso é fácil, não se preocupe, pois é bem sinalizado e daqui podemos ver a hidrelétrica de furnas.
       
      Quando chegamos a fila de carros para entrar estava enorme, e esperamos em torno de uns 30 min para conseguir chegar a portaria.
       
      Na portaria, recebemos as instruções de funcionamento do lugar e segurança e seguimos rumo as cachoeiras.
       
      Sobre o Paraíso Perdido
       
      O Paraíso perdido tem uma excelente estrutura, com um ótimo restaurante e instrutores para todo lado para alertarmos de perigo, só que juro, esperava mais.
       
      Havia lido que aqui havia 18 piscinas naturais e 8 quedas, eu paguei 40 reais e vi 3 quedas (eu considerei, não sei como contam 8 ). Pelo que eu vi, as quedas estão todas no mesmo percurso e não são grandes, é uma quase grudada na outra e também considerei só dois poços naturais, confesso que fiquei decepcionado com este lugar e pelo que lia achava que seria o melhor de todos, mas não foi.
       
      Nossa sorte foi ter chegado cedo e curtido a cachoeira e o poço, pois próximo ao meio dia os instrutores começaram a retirar todo mundo por risco de tromba d´água, e para sair foi bem chato, pois só tem um caminho e estava lotado.
       
      Sobre a trilha:
       
      Para fazer a trilha não é permitido levar comida, nem garrafas descartáveis, mas como não revistam a mochila todo mundo acaba levando. Só não deixar lá, né pessoal?? Acho que vocês não fariam isso…
       
      A trilha é bem curta, mas quase 100% sobre as pedras, o que pode deixá-la um pouco perigosa, principalmente em dias de chuvas. Há três quedas pelo caminho, onde podemos tomar banho, e também há travessia na água. Eu recomendo ir de chinelo nesta trilha ou sapatilha aquática.
       
      A trilha é bem sinalizada e por ser um caminho único de ida e volta se for temporada fica lotada e um caos para subir e descer, mesmo com a equipe do lugar orientando o povo.
       
      Acabamos almoçando por aqui, pois há um restaurante ótimo com comida a quilo (R$ 38,00 / kg).
       
      Saindo daqui fomos curtir a cachoeira do Filó que estava próxima e no caminho de volta para Capitólio.

       
      Cachoeira do Filó
       
      Entrada: Gratuita.
       
      Horário: Sem horário de funcionamento.
       
      Duração do passeio: Um período (Manha ou tarde) é o recomendado.
       
      Como chegar:
       
      A Cachoeira do Filó fica nas margens da MG-050, vindo de Capitólio está do lado direito, mas como estávamos voltando do paraíso perdido ela está ao lado esquerdo há 1,1 km.
       
      Não tem placa sinalizando o local, mas não tem erro, é cheio de carros parados no acostamento, ônibus, assim viu a muvuca fique sabendo que é lá.
       
      Sobre a Cachoeira do Filó
       
      A cachoeira do Filó é top!
       
      Uma bela queda d´água com um poço enorme excelente para banho. Como é gratuita e bonita está sempre lotada.
       
      Parando na rodovia é só andar 100 m. Há a possibilidade de subir até o mirante, só ir contornando a queda dá água e subir pela mata, mais uns 100 m e você estará no topo da cachu, além de ter acesso ao poço atrás da mesma.
       
      O lado ruim é que ninguém cuida deste lugar, uma pena. E por estar assim ao Deus dará o pessoal MAL EDUCADO deixa lixo, e ouvi dizer até que estava tendo assaltos lá, por isso, cuidado.
       
      Trilha do Sol.
       
      Entrada: R$ 40,00 (Carnaval) – Normalmente R$ 35,00.
       
      Horário: 8h00 as 18h00.
       
      Duração do passeio: Um período (Manha ou tarde) é o recomendado.
       
      Como chegar:
       
      Como quase todos passeios, a trilha do sol também fica na MG-050, no Km 304, há 38,1 km de Piumhi. Há sinalizações na estrada indicando a entrada da estrada de terra onde temos que entrar. A estrada de terra é ótima e somente 1 km.
       

      Sobre a Trilha do Sol
       
      Recomendo ir no primeiro horário, principalmente em véspera de feriado, pois a portaria estava lotada e uma bagunça no inicio da manhã.
       
      Neste dia fiquei feliz, pois realmente fiz uma trilha. E achei o melhor dos passeios pagos, sério, é imperdível este lugar.
       
      Há três atrativos principais na trilha do sol:
       
      1- Cachoeira no Limite.
       
      2- Cachoeira do Grito.
       
      3- Poço Dourado.
       
      Ah, e a parte naturista se não tiver acanhado…rs.
       
      Sobre a Trilha – Passando pelos 3 atrativos.
       
      Primeiro fomos em direção a Cachoeira no Limite e penso que é por onde devemos começar a trilha. Uma caminhada de apenas uns 25 minutos e estamos no lugar.
       
      A trilha é show, pelo cerrado florido e rodeado de paisagens incríveis, poucas subidas e descidas e a mais fácil das 3.
       
      Depois da cachoeira e do banho de chuva, voltamos o caminho até a bifurcação inicial com as placas e agora vamos rumo a cachoeira do Grito.
       
      A trilha para o grito também é bem tranquila, com subidas pouco íngremes e paisagens incríveis. Somente para descer até a cachoeira que os mais sedentários sofrem um pouco, pois tem uma escada com 69 degraus que na volta cansa um pouco as pernas rsrs….
       
      Após subir a escada para o retorno vamos seguindo as placas rumo ao poço dourado, que é o mais top de todos os atrativos na minha opinião. Como eu não tinha lido nada sobre este lugar, esse poço foi uma bela surpresa.
       
      Para chegar até lá temos uma descida íngreme, e chegamos em um poço, na hora não achei nada demais, mas então descobri que as pessoas estavam entrando em uma abertura na mata seguindo o córrego e descobrimos que o poço na verdade era lá dentro.
       
      Entrei no córrego e fui seguindo, tem horas que a água chega quase na cintura (minha cintura de uma pessoa de 1,67 m…rs), mas a maior parte do trajeto a água fica no joelho.
       
      O caminho dentro do córrego no meio da mata é espetacular, ainda mais que durante a trilha temos paredes com muitas pedrinhas empilhadas que deixam o lugar ainda mais interessante.
       
      No final da trilha temos uma cachu que é impossível resistir, ainda mais você estando todo suado da caminhada.
       
      Mesmo com travessia em água, recomendo na trilha do sol ir de tênis, pois são 4 km. O lugar tem estrutura com restaurante, que apesar de não ter comido por lá, parece ser bom.
       
      Daqui fomos direto para o lugar onde saem os passeios de lancha que já estava agendado. No local ficam dois restaurantes, entre eles, o do Turvo que estava saindo pessoas para fora. Então resolvemos almoçar no Águas Minas (R$ 40,00 / kg), fila menor e comida ótima.
       
      Passeio de Lancha nos Canyons.
       
      Entrada: R$ 100,00 (Carnaval) – Normalmente R$ 80,00.
       
      Horário: Agendado – das 8h00 as 16h00.
       
      Duração do passeio: 2 horas.
       
      Após o almoço fomos procurar o Furnas Aventura, a empresa que nos levaria para fazer o Canyon de lancha, o passeio foi incrível, mas a empresa uma decepção. Umas duas semanas antes do passeio liguei e reservei o mesmo para 6 pessoas, na data que liguei me informaram o preço de R$ 80,00 por pessoa, informei todos meus amigos e na hora que chegamos lá estavam cobrando R$ 100,00, ok, entendo que aumentam o preço do carnaval, mas deviam informar seus clientes, pois combinar uma coisa e fazer outra para mim é falta de respeito.
       
      Questionamos a situação e a única alternativa que nos deram foi desistir do passeio, disseram claramente que não precisavam da gente e que a fila de espera era grande, se quiséssemos desistir podíamos ficar à vontade. Sem outra opção e sem vontade de ficar sem fazer o principal de Capitólio, acabamos indo e curtindo muito, mas nunca mais uso esta empresa e nem recomendo.
       
      Nosso passeio de lancha saiu as 14h00 de frente ao restaurante do Turvo e teve duração de 2 horas. Pedem para não levar garrafas de vidros, destilados e caixas térmicas grandes, pois o espaço é pequeno.
       
      Mapa do passeio de lancha no Aplicativo Wikiloc.
      Fomos direto nos Canyons com as duas cachoeiras, cuada e de cuadinha, quando vamos chegando a paisagem é fantástica e ver aquelas duas quedas de água no meio daquele Canyon com águas verde esmeralda com certeza é uma cena para se gravar na mente para vida toda. Este lugar é o cartão postal de Capitólio e Lago de Furnas.
       
      O lugar estava lotado demais e não atrapalhou o bom banho no rio e as fotos.
       
      Depois daqui fomos conhecer o Vale dos Tucanos, onde nosso motorista explicou sobre a história do lago de furnas e esclareceu várias dúvidas. Este vale tem pontos de 80 até 190 metros de profundidade. Não paramos para nadar, pois o tráfego de lanchas e jets estava grande, sendo nadar perigoso.
       
      Fomos então na cachoeira do Ecopark pelo Canyon – onde fomos no nosso primeiro dia – e a vista deste angulo foi demais.
       
      Depois fomos para frente da Lagoa Azul, que estava bem cheia e ruim descer para nadar, penso que nem azul estaria….rs.
       
      Tinha que pagar R$ 20,00 para acessar e como é possível fazer por terra este passeio, o nosso piloto nos levou para finalizar o passeio em um lugar desconhecido, o Vale das esmeraldas, lá estava bem tranqüilo e finalizamos nosso passeio com um banho delicioso aqui.
       
      Mais paisagens incríveis na volta e ao som do Bob Marley tocando na lancha retornamos, foi um passeio incrível, com certeza imperdível.
       
      Aproveitando que ainda era 16h00 fomos conhecer outro lugar muito procurado – o Mirante do Canyon.
       
      Sobre o Mirante do Canyon
       
      Entrada: Gratuita.
       
      Horário: Aberto.
       
      Duração do passeio: Em torno de 40 min.
       
      Como Chegar:
       
      Após o restaurante do Turvo, andei sentido Passos mais 5,4 km e cheguei a entrada do mirante. Você irá ver muitos carros estacionados no acostamento. Neste dia, paramos um pouco mais afastado, uns 100 m, em uma entrada de estrada de terra, pois tínhamos escutado que a polícia estava multando os carros estacionados irregularmente no acostamento.
       
      O acesso ao mirante é supertranquilo, apenas 300 metros da rodovia e plano, lá temos uma visão incrível das duas cachoeiras que desaguam no Canyon. Por ser gratuito e de fácil acesso nem preciso dizer que lá está sempre lotado, né?
       
      Em frente ao mirante há uma outra cachoeira gratuita e bem bonita, a Diquadinha.
       
      E DAÍ, QUANTO FICOU A BRINCADEIRA??
       
      1- Orçamento minha viagem: R$ 249,75 / dia / pessoa.
       
      Considerado: Gastos com carro (14 km /l) e pedágio dividido por 4 passageiros + Passeios + Compras + Alimentação fora Hospedagem Airbnb + Viagem de Montes Claros a Piumhi.
       
      2- Orçamento sem hospedagem e combustível do deslocamento MOC – Piumhi: R$ 122,98/ dia / pessoa.
       
      Muito mais dicas e informações no http://www.queromochilar.com.br

    • Por casal100
      Resolvemos, dessa vez, fazer alguns roteiros distintos: beira-Mar, trilhas em montanhas e travessia.
      Começamos por Ubatuba, foram 10 dias de caminhada, por algumas das principais praias; depois pegamos nosso veículo e fomos fazer alguns roteiros em Extrema-MG e, por último,  a grata surpresa: TRAVESSIA DA SERRA DA CANASTRA-MG, que lugar maravilhoso: belas cachoeiras, trilhas fortes, flora e fauna exuberante, povo amigável, queijos deliciosos(alguns entre os melhores do mundo na sua categoria) sem contar a culinária mineira. Tudo de bom.
    • Por Guiherme Zaia
      Estou planejando uma viagem para a Serra da Canastra em Junho. Vocês acham que o saco de dormir Trek500 da Forclaz (marca da decathlon) de 5º da para aguentar o frio? Ou seria necessário o de 0º?
    • Por Karen M.
      Olá pessoal,
      Estou planejando uma viagem em grupo (10-12 pessoas) a Serra da Canastra no final de novembro/ início de dezembro.
      A ideia é sair de van de SP na sexta a noite e aproveitar o sábado e domingo inteiros lá.
      Sei que esta época é chuvosa, mas alguém que já foi sabe dizer se chega a prejudicar demais os passeios ou dá para aproveitar?
      Preciso de dicas de hospedagem e empresas que façam os passeios de 4x4 também!
      Se tiverem dicas de vans que fazem o transporte até lá, também fico agradecida!
      Valeu!
    • Por Robinson Venturin
      Sou novato no site.
      Porém sou apaixonado por caminhadas longas, já fiz várias travessias e vários caminhos a pé.
       
      Conheço muito o vale da Babilônia e a Serra da Canastra, sempre fui de carro ou de moto, porém agora estou
      querendo atravessá-los a pé, eu e minha esposa com mochila nas costas.
      Quem interessar segue a jornada, já aviso que são muitos Km andados por dia, e o nível de subidas é médio alto, porém
      a estrada é ótima para caminhar e a paisagem e principalmente a hospitalidade do lugar vale a pena!!!!
       
      1º dia. Saída de São João Batista do Glória dormindo em cima do Morro das Cruzes ( lugar magnífico de díficil acesso) 23 Km
      2º dia. Morro das Cruzes até o alto da Serra Branca neste ponto atravessamos a Babilônia ( pense num lugar deserto, pensou?? é muito mais.......) 18 km.
      3º dia. Serra Branca fazer uma visita na parte Baixa da Cachoeira Casca Danta, a maior cahoeira de MG e uma das maiores do Brasil, e chegar até
      São José do Barreiro, uma pequenina cidade de aproximadamente 3 mil hab. onde tem um artesão mui talentoso em animais de madeira, comida ótima!! 22 Km
      4º dia. São José do Barreiro passando por Vargem Bonita e chegar até São Roque de Minas, uma longa caminhada 39 Km
      5º dia. São Roque de Minas, entrando no parque nacional indo até a nascente do Rio São Francisco, visitando currais de Pedra e iniciando a travessia inteira do parque Da Serra da Canastra na parte alta onde iremos dormir em um distrito chamado São João. 50 a 55 Km, porém é muito plano, sem dificuldades.
      6º dia. São João até a saída da portaria de Sacramento, onde cocluiremos a travessia da parte alta do parque. 35 a 40 Km. de lá para frente é de carro né!!!
       
      A data é em novembro, ainda não definimos os dias, não vale a pena ir em feriados o movimento de motos e trilheiros é intenso o que dificulta a caminhada devido a poeira.
      Quem interessar, é bom tirar uns dias a mais para a empreitada, como todo caminheiro sabe....haver imprevistos ( chuvas, bolhas,etc..) e demorar mais que os 6/ 7 dias.
       
      Abraços.
      Robinson


×
×
  • Criar Novo...