Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Uma volta na Bolívia em 22 dias: Santa Cruz - Sucre - Uyuni - La Paz - Isla del Sol - Huayna Potosí - Cochabamba


Posts Recomendados


  • Respostas 62
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

Mais Ativos no Tópico

Postagens Populares

E aí Mochileiros!   Hoje começo a escrever o relato do mochilão que fiz na Bolívia em Abril e Maio de 2015. Foram 22 dias de viagem durante as férias do meu trabalho, sozinho.   Já vinha planejand

PREPARAÇÃO   Fiquei um ano planejando esse mochilão, então tive bastante tempo pra pensar no que levar. Procurei me preparar bem para o frio. Além das roupas usuais levei:     A minha mochila ca

DIA 1 - SANTA CRUZ DE LA SIERRA | Adeus sombra, adeus água fresca...   Agora começa o relato propriamente dito!   Primeiro vamos falar sobre os planos iniciais: comprei a passagem da Gol POA-GRU-V

Posted Images

  • Membros
Ótimo relato!

Vou para Bolívia no final de junho e estou tentando decidir se compensa fazer um bate-volta em Copacabana ou passar em Sucre, já que a minha prioridade é o salar e La Paz.

Qual a sua opinião?

Aguardando o relato de Copacabana!

 

Oi, Elaine!

 

Particularmente eu iria pra Copacabana, gostei mais! Especialmente se for pra passar uma noite na Isla del Sol...

 

Boa viagem! Já já continuo, o próximo dia já está escrito!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...
  • Membros

DIA 9 - COPACABANA/ISLA DEL SOL | Na Ilha do Sol, quem ganhou foi a Lua

 

Às 6h meu relógio despertou. Incrivelmente eu estava me sentindo muito bem, nada parecido com a noite anterior! Levantei e fui arrumar minhas mochilas. Porque estava passando mal na noite anterior e com a perspectiva de nem viajar de manhã, tinha deixado tudo desarrumado. Arrastei todas as bugigangas e as mochilas pro corredor do hostel, já que todos no quarto estavam dormindo e eu não queria acordar ninguém com a arrumação (aliás, acho esse um importante hábito de etiqueta em hostels). Como a ideia era passar um noite na Isla del Sol e atravessá-la caminhando no dia seguinte, arrumei a mochila pequena com o básico pra dois dias e amontoei o resto no mochilão, pra deixar no storage do Loki. Desci, fiz check-out, deixei a mochila no storage e já fiz uma reserva pra noite seguinte, dessa vez em um quarto de 4 pessoas, que provavelmente seria mais organizado.

 

Basicamente o que eu levei na mochila:

- toalha de banho;

- roupas de baixo;

- duas bermudas;

- duas camisetas;

- um fleece;

- câmeras e carregadores;

- protetor solar;

- chocolates e água.

 

Saí do Loki e fui caminhando para o Terminal. Cheguei bem antes das 8h, então troquei o voucher do dia anterior pela passagem de fato e fui ao banheiro. Depois fiquei esperando onde o ônibus deveria sair. Aos poucos, mais pessoas foram se aglomerando no lugar, mas nada que lotasse um ônibus. Uma menina veio falar comigo. Ele me reconheceu do ônibus da Todo Turismo. Era a menina que estava sentada do meu lado e depois trocou de lugar pra sentar com uma amiga. Ela era do Canadá e estava morando em Arequipa, fazendo um curso de produção de chocolates (?!). Tirou uma semana de férias pra conhecer o Salar e agora estava a caminho de Arequipa, antes passando por Copa. Não sabia que as pessoas iam pra Arequipa pra aprender a fazer chocolate. Aparentemente a cidade é um polo dos doces no Peru. Se eu soubesse disso quando estive no Peru em 2013, teria aproveitado melhor a cidade...

O ônibus partiu atrasado, por volta das 8h15 (sem surpresas). Meu assento ficava bem na frente e eu tinha bastante espaço pra esticar as pernas. O ônibus segue por El Alto até sair da área urbana de La Paz e percorre uma estrada asfaltada e bem conservada por cerca de 3h, até chegar ao Lago Titicaca. Desse ponto, todos devem descer do ônibus e pegar uma balsa pra atravessar o Lago. Para a balsa é necessário comprar um bilhete de 2Bs. As pessoas atravessam em uma balsa e os ônibus em outra. São vários ônibus ao mesmo tempo, e as balsas que carregam as pessoas chegam bem mais rápido que as dos ônibus, de modo que tivemos que esperar uns 15 minutos do outro lado. Nesse tempo eu procurei ficar de olho no nosso ônibus e nas pessoas que estavam nele, pra não correr o risco de ser abandonado ali. O único controle que os motoristas têm é a contagem das pessoas na saída e na entrada do ônibus. Nesse ponto, dos dois lados do lago, há várias vendinhas e tendas pra comprar comida e água.

Embarcamos novamente, sem sobressaltos, e partimos para Copa. Em cerca de 1h chegamos na cidadezinha, que estava toda enfeitada, pois era 03 de Maio, dia da famosa Festa da Cruz em Copacabana. Eu pretendia ver alguma coisa da festa, que é um dos feriados religiosos mais comemorados na Bolívia, mas aparentemente já tinha acabado tudo, ou estava em “pausa” para almoço.

 

Desci do ônibus, que para em uma rua qualquer, e segui em direção às embarcações para comprar um bilhete para a Isla del Sol para as 13h30. São várias opções de barcos e os turistas são incansavelmente abordados, mas aparentemente todos cobram 20Bs pela viagem. Comprei o bilhete com um senhorzinho que apontou para o fundo do píer, onde estava o barco que deveria me levar. Eram uns 20 barcos enfileirados. Eu fingi que entendi qual era o meu e fui almoçar.

 

Subi por uma ladeira cheia de restaurantes, bares e pousadas dos dois lados. Entrei em um restaurante que parecia bem arrumadinho e estava cheio de turistas e pedi o prato que parecia mais confiável do menu, um frango à milanesa e uma Coca-Cola. Como já tinha ouvido falar, os preços dos restaurantes em Copacabana são bem salgados se comparados ao resto da Bolívia. Esse prato custava 50Bs.

E pensei que tivesse bastante tempo ainda, não eram nem 12h30, mas o prato demorou um pouco pra chegar e tive que comer bem rápido. Saí do restaurante e percebi que meu intestino não estava bem novamente, então entrei em uma farmácia pra ver se encontrava o remédio que o Newton tinha me indicado. Encontrei mas era caríssimo, 12Bs. por comprimido. Comprei só 4, porque se comprasse mais arriscaria ficar sem bolivianos. Por isso recomendo: LEVEM REMÉDIOS PARA A FLORA INTESTINAL DO BRASIL!

 

http://www.floratil.com.br/produto/

 

 

Fui para a margem do lago e encontrei o senhorzinho que me vendeu a passagem. Ele me explicou qual era o barco novamente e eu fui até ele. Embarquei com um casal de franceses e dois alemães. O barco saiu quase no horário combinado, e todos subimos para o teto para ter uma vista melhor. A Isla del Sol não fica muito distante de Copacabana, olhando pro horizonte ela parece bem próxima. Mas as embarcações são MUITO LENTAS. Tipo, IM-PRES-SIO-NAN-TE-MEN-TE lentas. Eu já tinha considerado lentos os barcos no lado peruano que levam até as Ilhas Amantaní e Taquile, mas esses definitivamente superavam na lentidão. Era um barco para 30 pessoas com dois motores que barquinho de pesca. Fui as quase 2h de viagem na parte de cima do barco e, iludido pelo friozinho que estava fazendo, passei protetor solar só no rosto. Resultado: fiquei com as pernas (estava de bermuda) e as mãos torradas.

 

O barco para no lado sul da ilha onde descemos. Eram já 15h passadas, e o Sol já estava escondido do outro lado da ilha. O sul é o lado mais povoado da ilha e tem muitas opções visíveis de hostels, pousadas e pequenos restaurantes.

Andei um pouco pela margem e decidi começar a subida pela ilha em busca de um lugar para passar a noite. A subida pode ser feita por uma escadaria de pedra bem íngreme, que é ladeada por um pequeno canal de água corrente e vários tipos de flores, tudo muito bem conservado. A subida é um pouco difícil, especialmente por se estar a mais de 3.500m de altitude. Quanto mais alto se sobe, mais bonita é a vista do Titicaca e da cordilheira ao fundo. Depois de subir por uns quinze minutos, tendo cruzado já com umas dez crianças carregando suas lhamas (pra tirar fotos, mediante gorjeta), cheguei até algumas casas com placas de “Pousada”. Entrei em uma delas e perguntei o preço. Eram 40Bs. por um quarto individual, com banho quente. A pousada era uma construção bem simples e aparentemente nova, sem pintura e com reboco à vista, tinha dois pisos com cerca de 10 quartos, todos de frente para o lago. Na frente dos quartos havia um terraço (ou laje, para brasileiros) com algumas mesas, onde se tinha uma vista ótima do lago. Decidi ficar ali mesmo e já paguei para o dono.

Deixei minha mochila no quarto e os eletrônicos carregando (sim, tem energia elétrica!) e saí para uma caminhada. A pousada em que eu fiquei ainda não estava no topo da ilha, e tive que subir bastante pela trilha. Dos dois lados da trilha eu ia passando por vários restaurantes e pizzarias e afins, o que foi me dando água na boca. Caminhei devagar por uma meia hora até um ponto em que cheguei à conclusão que já era a trilha para o lado norte da Isla. Sentei um pouco pra contemplar o outro lado do lago e depois voltei pelo mesmo caminho. Arrumei minhas coisas e fui tomar um banho, quente, conforme prometido. Quando escureceu, saí novamente pela trilha em busca de um restaurante. Todos aqueles que pareciam muito promissores já não pareciam mais, porque estavam todos completamente vazios. O único que tinha gente dentro parecia estar lotado por um grupo de pessoas que estavam viajando juntas, então não quis entrar. Chateado com perspectiva de ter que jantar Pringles com Twix de sobremesa, voltei para a pousada.

 

PORÉM, logo que eu cheguei na pousada, minha tristeza foi rapidamente substituída por encantamento. Era noite de Lua cheia, e naquela hora ela estava emergindo do Titicaca bem na frente do meu quarto. Esse foi um dos momentos mais mágicos da viagem, sem dúvidas! Nunca me considerei um hippie ou um bicho grilo, do tipo que aplaude pôr do sol, abraça árvore e coisa e tal, mas a Lua daquela noite foi um dos maiores espetáculos que eu vi na minha vida! Eu estava na Ilha do Sol, mas uma vez por mês a protagonista é a Lua. Arrastei uma cadeira e fiquei ali sentado no terraço por mais de uma hora, sozinho e pensando na vida, sem me importar muito com o frio que estava fazendo.

Não sou um exímio fotógrafo, e tirar foto da Lua exige alguma habilidade, mas eis uma foto que eu curti muito:

 

Studio_20150503_204347.jpg.b35ef0c47bcf113c2dbb84d796b01948.jpg:

 

Quando a Lua já estava bem no alto, voltei para o meu quarto para dormir. Não lembro que horas eram, mas ainda era cedo. No dia seguinte pretendia acordar cedo para ver o Sol nascer e começar logo a trilha, então coloquei meu relógio para despertar às 6h30. Com toda a atenção que eu dei para a Lua, acabei indo dormir sem comer nada.

 

 

Mais fotos:

DSC_0658.JPG.2157cfed0526ca60222541f152f5ace1.JPG

 

DSC_0674.jpg.9b525d9a852f993f403ad8b3e5b5e52d.jpg

 

DSC_0667.jpg.b3cbcbe9be88053480de4235487d4313.jpg

 

Studio_20150507_185759.jpg.a8f46ff95d4a6587719b9977d6dbb2d6.jpg

 

Studio_20150507_175041.jpg.1692b221950ec965a9a6f301e0369c9d.jpg

 

G0520866.jpg.247bdaadb314cd2d84f8e3b182dc8487.jpg

 

Studio_20150503_205214.jpg.d497003a4b1065bce08cc3ec58d2f0d2.jpg

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 meses depois...
  • 1 mês depois...
  • 1 mês depois...
  • 3 meses depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...