Ir para conteúdo

Conheci a Amazônia dos meus sonhos! :)


rgoliveira

Posts Recomendados

  • Membros

E aí galera!

 

Sou moradora de Tefé há quase 2 anos e estou preparando um post sobre a cidade, mas como vai demorar ainda um pouco pra sair, queria só comentar uma coisinhas.

 

A primeira é que a Pousada Multicultura não está funcionando mais. Existem outras opções de hotéis pela cidade, mas não sei o quanto eles estão preparados para dar orientações turísticas. Sei que alguns amigos estão querendo oferecer quartos pelo AirBnB, o que pode ser uma opção interessante, pois podem dar dicas de passeios e guias.

 

Quanto ao preço da hospedagem, é difícil mesmo aqui na região, porque o deslocamento em voadeira (lancha) pode ser bastante custoso, ainda mais com a gasolina em torno de R$4,50. Então imagina a grana que se gasta pra levar a pessoa da cidade de Tefé até a Reserva Mamirauá e ainda os passeios por lá... Sem falar na eletricidade à noite, que também precisa de combustível, já que são comunidades isoladas e sem acesso à rede elétrica convencional.

 

Mas eu também entendo as pessoas se chocarem com o preço. Fui com minha família na Pousada do Choca ano passado e, mesmo tendo sido lindo, não é um passeio que eu possa sugerir pros meus amigos, já que não cabe no orçamento de ninguém. Por isso que to montando esse post com alguns atrativos aqui na cidade, coisas que você pode fazer em um dia - como uma volta de voadeira no Lago Tefé, ou até chegar até a Reserva mas voltar no mesmo dia.

Link para o comentário
  • 1 mês depois...
  • Membros

Vi esse post quando estava em Manaus e fiquei doida para ir à reserva, mas, como envolvia avião e tudo mais, acabei desistindo e ficando em Novo Airão. Minha primeira experiência na Amazônia foi bastante marcante, me encantei não só por essa natureza linda de se ver e se viver, mas pela população super simples que mora por lá.

 

Fiquei tão chocada com os contrastes e com a situação da população ribeirinha amazônica, que decidi organizar uma viagem de voluntariado pela Braziliando, minha iniciativa aqui no Rio. O objetivo era que as pessoas pudessem viver a Amazônia de uma forma autêntica: dormindo em um barco regional e conhecendo a população local, e mais do que isso, que pudéssemos impactar as comunidades de uma forma positiva, promovendo seu desenvolvimento. Assim, passamos 4 noites por lá conhecendo essa região estonteante e desenvolvendo projetos nas comunidades que visitamos. Foi uma experiência que levamos em nossos corações! Quem quiser ir na próxima, já estou organizando um novo Amazoniando para o segundo semestre :) Estamos levantando as preferências dos interessados através desse questionário: https://goo.gl/forms/0RnHdBeh6QcZXz7w2

 

Realizando esse projeto voluntário, conheci uma família de ribeirinhos que queria muito mudar a realidade da comunidade. Eles viam no turismo a possibilidade de geração de renda para os comunitários e, embora estivessem preparados para receberem os turistas, não sabiam como chegar até eles. Por isso, decidi ajudá-los promovendo o turismo em São Thomé através da Braziliando. A ideia é justamente que as pessoas possam vivenciar a Amazônia como ela realmente é: dormindo na casa deles, comendo a comida regional preparada pela família, fazendo os passeios com os nativos. O lugar é simplesmente incrível e esse é o tipo de experiência que eu tanto busquei quando fui para a Amazônia. Se tiverem interesse em conhecer mais da população local e dessa região especial, me avisem :) São Thomé espera por vocês!

  • Obrigad@! 1
Link para o comentário
  • 1 ano depois...
  • Membros

@Ana Taranto 

Ana, é exatamente essa experiência que estou procurando.

Vou para Manaus/Amazonia agora em abril e estou montando o roteiro e reservando (um pouco em cima da hr eu sei)
Podes me passar informações, o que vale a pena fazer.
Como entro em contato para reservas? 
Onde você ficou?

Infelizmente não consigo participar da sua viagem.
Não encontrei muita informação sobre São Thomé, é cidade? Povoado? 
Posso escolher ir para lá em vez de Mamiraua

 

Obrigada antecipadamente pela ajuda

Link para o comentário
  • Membros
44 minutos atrás, Damine Zanitti disse:

@Jaumz
Podes relatar um como foi sua viagem?

Estou tentando montar meu roteiro. Passeios e onde ficar pagando o menor preço possível. Porém aproveitando bem a região.
Não consigo encontrar muitas informação de quem foi "independente" e no esquema de mochileiro.

Somente quem fecha pacote com agência ou já fecha tudo com a pousada na reserva.
 

Damine,

Tudo bem? Fiz essa viagem em 2011, acho. Foi em outubro. Era uma trip de Manaus a São Luiz. Foi incrível. O povo do Norte é extremamente gentil. Aí na região de Manaus, aluguei um carro e fui a Novo Airão. Lá é possível ver mtos botos e fazer passeios a P N Jaú (não fiz), Airão velho (tb não fiz, acho que pelo preço) e P N Anavilhanas (esse eu fiz, mas achei só mais ou menos pois não é possível ter uma visão de mihares de ilhas - um sobrevoo seria mais interessante). A ponte que liga Manaus a Iranduba havia acabado de ser inaugurada e balsas eram dispensadas. Fiquei alguns dias na capital também. A região de Ponta Negra vale mto a pena. Não fiz o passeio do encontro das águas pq pegaria o barco para Santarém e nesse percurso é possível ver o encontro - mto legal. Neste ano voltarei para conhecer as belezas naturais de Presidente Figueiredo.

Lembro que abril é época das cheias. Os rios estarão com volume máximo.

inté,

jaumz

Link para o comentário
  • 3 meses depois...
  • Membros

Boa noite, amigos

Estou pensando em conhecer a Amazonia em outubro, tenho 15 dias mas queria gastar no maximo uns 8 viajando.

 

Mas estou tendo dificuldade em achar informações. Nao queria nada de City Tour com exploração de bicho preguiça nem nada disso.

 

Gostaria de conhecer mais a selva, ver animais, paisagens e etc. Voces acham que pra isso é melhor ficar em Manaus ou ir pra Novo Airão? Pelo que li, em Novo Airão se consegue ver mais natureza, e dependendo do preço da pra ir até Anavilhanas.

 

Enfim, Novo Airao tem hospedagem ok? Uma semana é muito pra ficar la?

Link para o comentário
  • 1 mês depois...
  • Membros

Reserva de Mamirauá. Cinco dias de sonho na Casa do Caboclo.

Faz tempo, descobri quase por coincidência na net uma foto dum macaco extraordinário, quase charmoso, de longo pelo branco e rosto dum vermelho intenso; nunca o tinha visto antes, e imediatamente cogitei que devia ir visita-lo na sua “residência”. O tal macaco é o Uacari, e a sua única “residência” é a reserva sustentável de Mamirauà; isto é, o único lugar do Mundo onde ele existe. Finalmente a oportunidade aparece, Agosto de 2018: após uma longa viagem intercontinental que me traz da Africa ao Brasil, e vários voos internos no Brasil cheguei finalmente a Tefé, continuando de barco, pouco menos que duas horas, para a Casa do Caboclo, na Boca do Mamirauà.

 

O pessoal da Casa do Caboclo recebe-me no aeroporto de Tefé e partimos para a pousada. Sendo a minha primeira vez no Amazonas, que sempre imaginara (erroneamente) como selva intricadíssima, fico surpreendido em encontrar um mundo aquático. A agua e a selva se abraçam em todo o lado; aprendo nestes dias maravilhosos que é a várzea, a floresta inundada por vários meses do ano. A Casa do Caboclo é o retiro ideal para explorar à Reserva; situada no seio da comunidade da Boca do Mamirauá, é um ambiente simples e muito relaxado, quase familial; os donos Waldenilson (chamado normalmente de Choca) e sua esposa Ruth, e todo o pessoal da pousada são extremamente atenciosos e carinhosos. A comida excelente (especialmente os peixes, fritos ou assados, as tapioquinhas, a banana frita, sem falar das sobremesas e dos sucos) e os guias muito preparados e atentes às preferências de cada visitante.

 

Passei quatro dias andando pela várzea de canoa, de barquinho em alumínio a motor, e também marchando bastante, a pé pelas trilhas nas zonas da selva não inundadas. Acompanhou-me o Agewan, guia espetacular, jovem nos anos mais com conhecimento profundo da zona, da sua selva, das suas aguas e seus animais. Passamos horas navegando entre as arvores, caminhando (as vezes na lama, pois as aguas ainda se estão retirando), em busca dos habitantes da selva, em primeiro lugar o nosso macaco branco de rosto escarlate. A floresta e seus canais e lagoas são, de facto, maravilhosos; mas oferecem aos seus animais amplíssimas oportunidades para se esconderem….. somente a experiência e a persistência do Agewan me permitem de ver de perto (ou quase-perto 😊) o mundo dos animais da várzea. Pássaros, infinitos. Jacarés, omnipresentes nas aguas. E preguiça e macacos do cheiro, guaribas (chamado também de bugio em outras partes do Brasil: um macacão muito barulhento, você poderá escuta-los diariamente de grandes distancias) e pegadas da onça pintada na lama das trilhas, botos cor de rosa e tucuxi cinzento (os golfinhos do Rio) e muitos outros. E, pacientemente, naturalmente, finalmente, felizmente: o dono de casa, o Uacari, ao qual se deve a constituição da reserva de Mamirauá.

 

No fim das tardes, relaxando nos arredores da pousada, tomando um café e olhando para os jogos sempre animadíssimos das crianças da comunidade, ou visitando o centro de artesanato local, ou conversando com os pescadores, dá para recuperar das marchas na selva e preparar o dia seguinte. A Casa do Caboclo é o lugar ideal para visitar uma floresta encantadora, para relaxar, para ganhar o passo da vida normal esquecendo por poucos dias as conexões internéticas e redes sociais e a agitação das cidades hipercongestionadas. Um lugar de maravilha, que todo o pessoal da Casa do Caboclo ajuda a conhecer de forma amigável e muito experiente. Voltarei, um dia 😉  www.casadocaboclo.com

Link para o comentário
  • 2 meses depois...
  • 1 mês depois...
  • 4 meses depois...
  • Membros
Em 12/07/2018 em 21:39, filiperocha disse:

Boa noite, amigos

Estou pensando em conhecer a Amazonia em outubro, tenho 15 dias mas queria gastar no maximo uns 8 viajando.

 

Mas estou tendo dificuldade em achar informações. Nao queria nada de City Tour com exploração de bicho preguiça nem nada disso.

 

Gostaria de conhecer mais a selva, ver animais, paisagens e etc. Voces acham que pra isso é melhor ficar em Manaus ou ir pra Novo Airão? Pelo que li, em Novo Airão se consegue ver mais natureza, e dependendo do preço da pra ir até Anavilhanas.

 

Enfim, Novo Airao tem hospedagem ok? Uma semana é muito pra ficar la?

@filiperocha Você foi? E conseguiu um passeio mais selva, lado B?

Estou a procura. 

Link para o comentário

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

  • Conteúdo Similar

    • Por Raiany
      Olá pessoal. 
      Como foi muito válido os relatos aqui do blog para a minha viagem, decidi compartilhar a minha experiência com vocês também. 
      Siga nosso Instagram @iraaventuras
      Importante: 
      * Contratamos o pacote sobrevivência com a IGUANA TOUR 
      * Use o @prefiro viajar para ganhar 5% de desconto na iguana tour
      * Em Manaus o horário é uma 1 hora a menos do horário de Brasília.
      * Leve muito repelente.
      *O Day Tour com os botos você pode chegar no Porto e pagar mais barato do que paguei indo a uma agência.
      Custos
      Passeio Floresta ( Sobrevivência)= 1440
      Passeio com Botos =180
      Passeio Presidente F. =270
      Vôo RJ x Manaus=930 (pagamos bem caro)
      Hotel primeiro dia = 205
      Casa Airbnb = 478
       
      1°dia- Chegada em Manaus
      Saímos de Volta Redonda de ônibus com destino ao Rio de Janeiro. R$45,00.
      Quando chegamos na rodoviária pegamos um Uber para o Aeroporto Santos Dumont. Pagamos uns 12,00.
      Chegamos em Manaus por volta das 13:30 e a agência que contratamos os passeios IGUANA TOUR realizou o transfer até o hotel. Ficamos no Tropical Executive Hotel, onde paguei R$ 205,00  em uma diária. O hotel é muito bom e fica super perto da praia da Ponta Negra. Almoçamos e aproveitamos a piscina.

      https://www.tropicalexecutive.com.br/
      2°dia- Chegada na Floresta 
      As 06:00 hrs fomos tomar o café da manhã maravilhoso do hotel. E as 07 horas o responsável da Iguana Tour nos levou até o escritório deles no centro de Manaus. 
      Saímos do escritório as 08:00 e fomos levados até o Porto do Ceasa. Pegamos um barco onde vimos o encontro das águas, uma Kombi e mais um barco até chegar na pousada Juma Lake in.  
      A tarde fomos passear de barco onde foi possível dar um mergulho, pescamos piranha e avistamos alguns animais na natureza. 
      Depois do jantar fomos fazer a focagem de Jacaré 

       3°dia-  Nascer do Sol + Caminhada na Floresta

      Saímos antes do café para contemplar o nascer do Sol. Depois voltamos para tomar café e saímos para caminhar na floresta. O nosso guia explicou sobrr as plantas medicinais e nos mostrou algumas árvores . 
      Comemos a larva do cocô de babaçu. Não deixem de comer rs.
      Saímos a tarde para acampar na floresta.  Montamos nossa rede e o guia fez o nosso jantar na fogueira. Após o jantar fomos ver as estrelas.

       4° dia- Canoagem 
      Após o café fomos passear de barco e nadar no Rio. 

      A tarde fomos fazer canoagem e avistamos algumas iguanas entre a floresta inundada.

      A noite poderíamos dormir na selva mas decidimos ficar no conforto da pousada mesmo rs😂
      5° dia - Processo da Borracha
      Saímos após o café em direção a uma Seringueira. Nosso guia extraiu o látex e nos mostrou o processo de obtenção da Borracha. 

       
       6°dia -Árvore Sumaúma/ Retorno para Manaus.
      Após o café saímos de barco para conhecer uma árvore enorme.

       Retornamos a Manaus e fizemos Check in numa hospedagem do Airbnb. 
      https://www.airbnb.com.br/rooms/41067966?_set_bev_on_new_domain=1627585358_NGE1NGM2NzczNTY3&source_impression_id=p3_1627585383_nlbsiIWVdfFJOaz9&guests=1&adults=1
       
      7° dia - Teatro Amazonas
      Chegamos antes do nosso horário agendado para tirar fotos fora do teatro e no Largo de São Sebastião. A visita dura uns 30 minutos e por dentro do teatro é proibido usar o flash de câmera e celular. Custou R$ 20,00 a meia entrada.

      Almoçamos no restaurante Caxiri a famosa costela de tambaqui com suco de cupuaçu e dadinho de tapioca. Custou R$ 200,00.
      8° dia - Presidente Figueiredo
      Contratamos o pacote Galo da Serra com a IGUANA TOUR R$ 270,00. O almoço é a água é incluso.
      Buscaram a gente na casa de manhã e seguimos estrada a presidente Figueiredo que é um pouco longe. 
      Conhecemos a gruta maroagra e a gruta da Judéia. Essas grutas são belíssimas.

      Após o almoço seguimos para a cachoeira Iracema. 

      As 16 horas retornamos a Manaus e chegamos por volta das 18:30.
      9° dia - Mergulho com Botos/ Parque Januari/ Visita ao Viveiro de Pirarucu/Visita a tribo Indígena 
      O transfer da Iguana nos levou até o responsável pelo barco no Porto. Sairia mais barato se fossemos direto ao porto mas não sabíamos. Pagamos R$180,00 na agência.
      Fomos ao lugar onde é possível mergulhar com os botos. Um guia da peixes para ele comer e ele vem interagir. Essa atividade é super rápida se possível vá no início da semana pois ao aproximar do final muitos turistas aparecem e fica difícil tirar uma foto sozinho.

      Após esse evento fomos em direção ao Viveiro de Pirarucu. Lá vende iscas onde você pode tentar pescar. 
      Fomos em direção ao parque Januari. Como estava em época de cheia não encontramos vitória-régia mas em outras épocas é possível encontrar. Lá possui muitos macacos. 
      Após o almoço fomos visitar uma tribo indígena. Eles explicam sobre seus costumes,oferecem a pintura no rosto e você pode tirar fotos com os animais que eles criam. 

      Pintura no Rosto R$ 5,00 e para tirar fotos com os animais R$10,00.
      9° dia - MUSA 
      Saímos cedo para provar o x-caboquinho em uma padaria ( Lindopan) no centro. Após o café chamamos um Uber para nós levar até o MUSA que é um pouco distante do centro da cidade. Foi o mais caro que pagamos de Uber R$ 20,00.
      A meia entrada custa R$ 10,00 sem guia. Você pode fazer uma visita no nascer ou no por do Sol com agendamento de no mínimo 2 dias. Lá dentro tem uma lanchonete mas não tem muitas opções. 
      Não deixe de subir a torre para ver a copa das árvores é uma bela paisagem.

      Para voltar foi difícil conseguir uber então pegamos um ônibus( n°448) pertinho da entrada do MUSA para o Centro. Custou R$ 3,80.
      10° dia - CIGS zoológico / Shopping Manauara. 
      Pegamos uma super fila para entrar no zoo era Sábado. A meia entrada custa R$ 10,00 e você tem 30 minutos para a visita. Na minha opinião não é tão legal , caso tenha outra coisa para fazer não perca o seu tempo.
      Pedimos nosso almoço no restaurante tambaqui de banda pelo ifood. Não saímos muito a noite para economizar, como ficamos em uma casa demos o nosso jeito com a comida. 
      A tarde fomos ao shopping manauara tomar um café mais chique. Recomendo o Molen Cafés.
      11° dia - Day Use Novotel Manaus/ Retorno ao Rio
      Depois de gastamos um dinheiro com almoço descobrimos que o Novotel tem uma opção de almoço+ piscina por R$ 150,00.


      Eles servem um tambaqui com acompanhamentos que serve até 3 pessoas muito bem. Fornecem toalha também. 
      Foi o lugar perfeito para se despedir.
      Pegamos o nosso vôo de madrugada e chegamos ao RJ de manhã . 
      Fizemos o trajeto de Volta para casa Rio x Volta Redonda. R$ 55,00.







    • Por Felipao86
      Ola a todos,
      Que ano difícil foi esse 2020, heim pessoal?  Tomara que 2021 seja melhor a todos. Um feliz ano novo.
      Aproveitando esse período de quarentena para redigir alguns relatos de viagens entre 2018 e 2020 que havia feito e não tinha tempo para relatar.
      Em marco de 2019 ficamos uma semana agradável em Manaus, e foi uma viagem muito especial porque foi a primeira viagem de avião da nossa filha mais velha, à época com 1 ano de idade. Então tínhamos uma expectativa/preocupação durante o voo, mas foi absolutamente tranquilo.
      Passagens aéreas: compradas na Gol, em torno de 600 reais por pessoa (BH-Manaus)
      Hospedagem: EcoSuites Hotel Manaus: em torno de 100 reais a diária, hotel simples, bem no centro da cidade, ótimo café da manhã.
      Deslocamentos internos: dentro da cidade Uber (funciona bem e preços normais); Algumas atrações é preciso ir de barco.
      Contratempo: infelizmente, devido ao calor excessivo na cidade, todos os lugares tem ar condicionado. Mas por que isso é ruim? A oscilação de temperatura quente/frio fez com que minha filha acabasse contraindo uma sinusite no terceiro dia de viagem. Teve febre, tosse e isso acabou impactando um pouco nosso roteiro. Conseguimos medica-la com sintomáticos até retornamos a BH e leva-la ao pediatra.
      Obs: Como a vigem aconteceu já há quase 2 anos, eu não lembro mais o preço das atrações, rs. Por favor, me perdoem.
      Bem, vamos ao roteiro do dia.
       
      Dia 1 – Centro Histórico
       
      Chegamos em Manaus na noite anterior, já bem a noite, somente a tempo de dormimos no hotel. No dia seguinte após o café da manhã saímos para explorar um pouco o centro histórico. Comecamos pelo cartão portal da cidade, o Teatro Amazonas: tem uma visita guiada super interessante, que conta um pouco sobre a história da construção do lugar e dos simbolismos utilizados na decoração interna. É belíssimo por dentro e por fora. É o principal ponto turístico da cidade, ao redor da praça tem vários restaurantes bacanas. Acabamos voltando lá praticamente todos os dias a noite. O teatro tinha programação de shows a noite, mas acabamos não conseguindo visitar.
      Do teatro fomos ao Museu Casa Eduardo Ribeiro, bem ao lado do teatro. Fala um pouco sobre o prefeito que urbanizou Manaus no final do século XIX e esteve diretamente envolvido na construção do teatro. É uma visita guiada muito bacana que  complementa o passeio ao teatro.
      Seguimps (uber) ao Palácio do Rio Branco, que era sede da Assembléia Legislativa do estado e hoje é um museu muito bacana com belos jardins ao fundo.
      E terminamos no mercado Adolpho Lisboa, que é muito charmoso, porém pequeno. Lá se encontram artesanatos e souvenirs. Aproveitei para garantir o chaveiro da minha coleção. De lá tem-se uma bela vista do Rio Negro.
      A noite voltamos a praça do Teatro para comermos um delicioso tambaqui no “Tambaqui de banda”.


      Dia 2 - Passeio de barco pelo Rio Negro
      Contratamos um passeio pelo rio negro de um dia com a Iguana Turismo, que foram muito atenciosos na contratação mas o guia meio carrancudo, sei lá, mal humorado.
      O embarque é no porto bem atrás do Mercado Adoplho Lisboa.
      Nesse passeio primeiro vamos seguindo de barco até o famoso encontro das águas, que é bonito de se ver, mas precisa subir no topo do barco para melhor visualização. De lá seguimos até o Parque January, onde tem as famosas vitorias regias gigantes e também paramos para almoçar. Depois uma parada numa comunidade ribeirinha onde tem “pesca de pirarucu”, na verdade são alguns tanques onde eles deixam os turistas alimentarem os pirarucus gigantes com peixes. Após, mais 2 horas de barco, chegamos ao local onde há a famosa interação com os botos, que na minha opinião foi a melhor parte do passeio: você olha para todos os lados e só vê arvóres e agua, uma pequena casinha flutuante e os botos ao seu redor. Mais imersão amazônica que isso só mesmo num hotel de selva. Tive uma deliciosa sensação de paz por conhecer esse cantinho do nosso país.
      Esse é um passeio de um dia inteiro, chegamos de volta ao porto já a noite.  Nem saímos pra jantar, pedimos um delivery mesmo, um lanche chamado x-caboquinho, que é um sanduínhe típico de Manaus: pão francês recheado com lascas de tucumã, banana frita, queijo coalho e manteiga.


      Dia 3- Museu do Segingal Vila Paraíso
      Nesse dia visitamos o Museu do Seringal Vila Paraíso. O trajeto para chegar lá já é um passeio em si: uber até a Marina do Davi e de lá pega-se uma lancha de passageiros até o museu, mas que no caminho vai parando em varias comunidades e com belíssima paisagem.
      O museu é lindíssimo, na realidade era o cenário de uma minissérie da globo, se não me engano. A visita é guiada e retrata bem como funcionava um seringal no ciclo da borracha. O lugar é muito cenográfico e absolutamente paradisíaco, rodeado por floresta e agua de todos os cantos. A amazonia é um lugar grandioso demais.
      Na volta paramos na praia da ponta negra, que é exatamente uma praia, porém com agua doce. Quando iriamos sentar numa das barracas para passar o restante do dia, caiu uma chuva inacreditável, então tivemos que pegar um uber de volta ao hotel. Até imaginei que fosse uma daquelas chuvas vespertinas, mas na realidade praticamente o restante do dia.

      Dia 4 - Museu da Amazonia
      Dia inteiro reservado a conhecer o Musa, Museu da Amazonia, que é uma reserva florestal dentro da cidade. Dentro tem diversas trilhas, exposições relacionadas a amazonia, orquidário, borboletário, aquário e a principal atração: uma torre de observação  de 42 metros de altura que lhe permite observar a floresta acima da copa das árvores. É um passeio super interessante. Tem muita coisa para se ver. Tem restaurante lá dentro com preços bacanas.

       
      Dia 5 - Mercado novamente e Museu do Indio
      A ideia desse dia a princípio seria alugar um carro e conhecer as cachoeiras de Presidente Figueiredo. Mas já era um dia que minha filha estava com febre/tosse e também ficou um dia muito nublado, então acabamos ficando por Manaus mesmo.
      Voltamos ao Mercado Adolpho Lisboa para almoçar e comprar mais algumas lembrancinhas. De lá pegamos um uber e fomos conhecer o Museu do Índio, que náo é um museu muito falado em relatos de viagens que havia lido sobre Manaus. É um museu simples, porém bem bacana em falar um pouco sobre a vida dos indígenas, seus hábitos e artefatos utilizados. Achei bem completo.
      Finalizamos o dia no Tambaqui de Banda, que foi nosso restaurante preferido de Manaus.

       
       
      Dia 6 - Palacete Provincial e retorno para casa
      Dia de retornar, mas como o voo era somente a tarde, deu tempo de explorar ainda o Palacete Provincial, casarão no centro histórico, próximo ao hotel, que na realidade abriga vários museus em si: um museu de arte contemporânea, com exposições de artistas locais, um museu numismático, de medalhas e moedas e um museu de fotografia. Belo lugar e belas obras de artes.

      Pessoal, espero que perdoem esse relato pouco detalhado. Infelizmente não consegui faze-lo logo após retonar da viagem, então perdi muitas informações uteis. Mais basicamente tudo que pesquisei para montar o roteiro usei como base do guia de Manaus do Viajenaviagem.
       
      Um grande abraço a todos e até a próxima.

    • Por Duda Klaus
      Ano passado fui para Manaus, passei 3 dias na selva amazônica e depois aluguei um carro e fui até Presidente Figueiredo. Foi uma das melhores viagens que fiz na vida!
      Foi no início de julho, ou seja, período de cheia.
      Fiquei hospedada no Local Hostel e gostei bastante. A localização é excelente e eu acho que aquela área do largo de São Sebastião (onde fica o Teatro Amazonas) é a melhor para se hospedar. No primeiro dia em Manaus fui conhecer o famoso Tambaqui de Banda, no restaurante de mesmo nome, que fica no Largo de São Sebastião. No dia seguinte fui com a Iguana Tour fazer o passeio na selva, que durou 3 dias e duas noites. Ficamos hospedados no Juma Lake Inn na primeira noite e, na segunda noite, montamos um acampamento no meio da mata. Os passeios durante esses 3 dias incluiam: focagem de jacarés, acordar cedo para ver o nascer do sol, passeio pela mata, visita à casa de caboclos...tudo isso acompanhados de um guia que explicava tudo. Foi perfeito! Ah, e detalhe: lá não pega internet. Ótima opção para se desligar do mundo. Fiquei em um quarto compartilhado, mas há a opção de ficar em quartos privativos com banheiro. O passeio todo com todas as refeições ficou por R$600.
      Chegando em Manaus, dei uma volta pelo centro e conheci o Mercado Adolpho Lisboa e o porto. Fui até o MUSA e achei bem legal, o interessante é que muita coisa do que eu vi ali, vi enquanto estava na mata, mas valeu a pena.
      Fiz essa viagem com uma amiga e conhecemos mais duas mulheres massa e nós 4 alugamos um carro para irmos à Presidente Figueiredo. Ficamos no Local Hostel Figueiredo. Nos programamos para ficar uma noite e dis dias completos, mas se arrependimento matasse...era para termos ficado pelo menos uns 4 dias! Fomos na Gruta da Judeia e Caverna Refúgio do Maroaga (obrigatório contratar um guia, na entrada do local, pelo valor de R$100 para até 4 pessoas)- imperdível!. Na Lagoa Azul (foi legal), cachoeira Asframa (muito cheia de gente por ser de fácil acesso, então há uma grande concentração de famílias com crianças, então passamos pouco tempo). Fomos na cachoeira de Iracema (muito legal e com áreas profundas para mergulho) e seguimos por uma trilha até a cachoeira das Araras (linda também!). Fomos também no que chegou a ser a minha cachoeira preferida...a do Santuário (surreal a energia do lugar!). Adicionaria mais um dia para a Cachoeira da Neblina (que fiquei triste por não ter dado tempo de ir. São horas de trilhas e, segundo os locais, é a mais bonita da região. Fica para a próxima!) e mais outro para conhecer outras 2. Opções não faltam!

      Voltando para Manaus, fiz a visita guiada no Teatro Amazonas e achei muito interessante. Na primeira noite já tinha entrado nele, pois fui assistir à uma peça (a maioria das atrações são gratuitas. Consulte a programação antes!) .
      Fui até o porto de Manaus e consegui um Day Tour, só eu e minha amiga, por R$150 cada (R$300 total). As agências de turismo cobram R$200-R$250 por pessoa. O barqueiro recebeu R$150 e o cara que fechamos ficou com a outra metade. Ou seja, dá pra entrar no porto, pagar a taxa de entrada, de R$5, e negociar diretamente com o barqueiro lá. Obviamente, você não vai ter uma agência de turismo por trás, então é por sua conta e risco. Tivemos a vantagem de irmos para onde queríamos ir. Achei a ida à tribo indígena uma coisa meio que "feita para turista". Achei interessante o fato de muitos indígenas não falarem português e utilizarem idiomas próprios. Nadei com os botos, mas atenção: existem dois lugares que fazem esse mergulho com os botos. Um fica mais distante do porto  e é certo que os botos aparecerão. O outro lugar fica perto do porto e nem sempre aparecem. Fomos para esse segundo e demos sorte! Fomos também em uma casa de uma família que tem um bicho preguiça e sempre foi meu sonho segurar um. Achei estranho quando perguntei onde ele ficava e a mulher disse que ele ficava solto, aí quando eu perguntei mais informações ela mudou de assunto e fez como se não entendesse...fiquei pensando depois que ele deve ficar preso. Triste demais isso e fiquei com peso na consciência de ter, de certa forma, colaborado com isso. 
      No último dia em Manaus fui com a galera do Hostel para Ponta Negra. Fomos até a Marina do Davi e pegamos um barco para um flutuante muito legal. Foi uma bela de uma despedida ver o por do sol no rio, tomando umas cervejas com uma galera massa!

      No final, ficou assim:
      dia 01 - chegada em Manaus
      dia 02 - Passeio na Selva 
      dia 03 - Passeio na Selva 
      dia 04 - Passeio na Selva  e retorno à Manaus 
      dia 05 - Dia em Manaus 
      dia 06 - Presidente Figueiredo 
      dia 07 - Presidente Figueiredo e volta para Manaus 
      dia 08 - Manaus 
      dia 09 - Manaus 
      dia 10 - volta pra casa
       
      Bom, é isso! A viagem foi feita em Julho de 2019 e gastei algo em torno de R$1500, para passar 10 dias, com hospedagem, alimentação, transporte e passeios. 
      Se quiserem ver fotos e vídeos, mostrando detalhadamente cada coisa, vejam lá o destaque "Amazonas" no meu instagram: @dudaklaus
    • Por João Paulo Reis
      Olá! faço parte de uma STARTUP da cidade de Manaus. Estamos desenvolvendo um projeto que tem como objetivo auxiliar turistas na chegada à nossa cidade, trazendo a eles uma experiência melhor em relação ao turismo local. Essa pesquisa nos ajudará a entender as problemáticas encontradas nas visitações e trabalhar em cima delas . vocês que passaram pela cidade de manaus poderia responder um pequeno questionário para nos ajudar?
      https://forms.gle/CFffNZWe6FD3Vcrz7
       
    • Por Tayná Venturini
      Boa tarde Pessoal!
      Estou indo para Boa vista, mas queria passar uns 5 dias em Manaus, alguém já conseguiu fazer Stopover com as companhias aqui do Brasil?
      Minha ideia era sair de SP, ficar uns 3 dias em manaus, ir para Boa vista, passar 10 dias, na volta passar mais uns 5 dias em manaus e ai vir para SP, 
      Tayná,
×
×
  • Criar Novo...