Ir para conteúdo
thaissilvap

Bolívia via trem da morte sozinha- 15 dias !

Posts Recomendados

Boa tarde [email protected]! Esse é o meu primeiro relato aqui, espero que possa ajudar muitas pessoas assim como ajudou muito os que eu li. Apesar dos muitos relatos de viagem pela América do Sul, acho interessante passar um pouco da minha viagem para vocês, pois fui sozinha e acredito que minhas dicas vão colaborar bastante para quem ainda tiver dúvida, tirar logo a mochila e partir para a Bolívia!

 

Fui para o Peru, via Acre, há 2 anos atrás e na época não passei na Bolívia por falta de tempo($) então fiquei com o gostinho pra conhecer esse país tão próximo e tão rico em diversidade que prometi que nas primeiras férias do trabalho (que eu ainda iria arrumar,,rs) iria embarcar pra lá! Via trem da morte é claro! Aqui segue um pouco da viagem, qualquer dúvida é só entrar em contato que ajudo no que for possível ! Ficou longo mesmo, então se preparem!

 

Minhas férias estavam programadas desde o ano passado para agosto/2015 e tinha 20 dias de férias. Como queria entrar na Bolívia pela fronteira para viajar com o trem da morte, pensei em voltar de avião de La Paz ou Sta Cruz pro Brasil, mas as passagens estavam muito caras mesmo só a volta, coisa de 1mil reais! Aí, desencanei e resolvi comprar ida e volta por Campo Grande mesmo, é cansativo, mas dá pra aguentar de boa sim e você economiza muito.

Comprei as passagens pela GOL com ida 05/08 e volta 20/08 por 230$ ! Achei boa a promoção. Também comprei as passagens de ida e volta de Campo Grande - Corumbá por garantia também.

 

Aqui segue meus gastos pré - viagem!

 

• Passagem de avião GOL ida + volta SP – Campo Grande/MS: 230 $

• Passagem ônibus Empresa Andorinha ida + volta Campo Grande – Corumbá: 207$;

• Roupas de frio Decathlon: Camisa longa e legging térmica + Jaqueta impermeável Quechua + Fleece Quechua = 340 $

Ps: A jaqueta estava em liquidação de 350$ por 150 $ !!

• Bota Timberland Trail Valley Marrom: 175 $

Ps: Encontrei com promoção de 40% de desconto no site da Dafiti! Chegou em 4 dias úteis, recomendo o site (y)

• Câmera digital SONY CYBER SHOT 16.1mp: 340$

Ps: Só tinha na Casas Bahia um modelo no mostruário, logo pedi desconto, de 480$, saiu por 340$. Já tinha esse modelo e recomendo muito, as fotos ficam incríveis, sem nem precisar colocar filtro depois hehe.

• Remédios diversos: Dorflex, Polaramine (antialérgico), dipirona (antitérmico), Neosaldina (dor de cabeça): ~ 50 $

Ps: Não curto tomar remédios, mas são bem necessários em viagens, pois uma simples dor de cabeça pode prejudicar seu rolê e passa rápido com um simples comprimido. Em Sta Cruz comprei 4 comprimidos para Soroche (4bol cada) e um outro remédio para enjoos (8 bol cartela);

 

Preparação da mochila:

Um dos melhores presentes que minha mãe já me deu, além da vida..rs, foi uma mochila da Quechua Forclaz 50 L ! É perfeita para viagens e tem uma abertura lateral ótima, ganhei há 3 anos e ela já me acompanhou em viagens longas e está inteirona ainda.

A cada viagem que faço tento diminuir a quantidade de coisas que levo, com o tempo a gente vai aprendendo e vai se acostumando. Nessa, procurei levar poucas roupas, pois já sabia que estaria fazendo muito frio e não adiantaria levar várias opções de jaquetas pra usar..rs não é?

Levei o básico e consegui sobreviver muito bem, mas acho que poderia ter incluído algumas coisas, como:

• 01 camisa longa térmica a mais: praticamente dormia e acordava com ela a maioria dos dias, não ficou com “cheirinho” ainda bem, mas poderia ter incluído mais uma na mala;

• 01 blusa de moleton ou 01 jaquetinha simples: quando fazia “só mais um pouco” de frio, já precisava colocar minha jaqueta gigante, se tivesse levado alguma dessas opções não precisaria;

• 02 cadeados para mochila e loocker bons! Comprei 02 bem porcarias e um deles quebrou logo no primeiro dia, sorte que não me furtaram nada!

 

ITENS MOCHILA:

 

• 01 jaqueta impermeável;

• 01 blusa fleece;

• 01 calça legging térmica;

• 01 camisa longa térmica;

• 01 calça legging;

• 05 blusinhas de manga curta;

• 04 blusas de manga longa;

• 01 short jeans ( nem preciso dizer que não usei né? Rs);

• 07 meias grossas altas;

• Calcinhas, 02 sutiãs e 01 biquíni (o biquíni era pra entrar nas águas termais, mas, não consegui entrar porque tava com muito frio);

• 01 meia calça de lã e 01 par de polainas;

• 01 par de havaianas e 01 alpargata;

• Mochila de ataque ( uma simples de 15 L da Quechua também e que é impermeável, descobri lá) : 01 luva, 01 gorro e alguns itens de higiene pessoal.

• 01 doleira, item fundamental em viagens assim! Me sentia muito mais segura com os documentos e dinheiro, só tirava pra tomar banho mesmo rs.

• 01 mantinha de frio, grande companheira de viagem! Fui muito útil nas viagens de ônibus;

• 01 rolo de papel higiênico, se puderem levem mais, nunca será demais!

 

Fui viajar com: 01 calça jeans, 01 blusa de manga longa, 01 casaquinho leve e um tênis.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

05/08 (quarta-feira):

 

Meu vôo estava marcado para as 20h30, como conheço bem minha cidade e sabendo que pegaria o horário de pico para chegar no Aeroporto de Congonhas, saí de casa ás 17h. Fiz um caminho mais longo, porém onde eu teria que andar menos e conseguiria pegar os ônibus sentada, o que deu certo, cheguei em Congonhas + ou – 19h. Pra prestigiar minha ida estava por lá também o ator Caio Blat pra se despedir de mim.. rs.

Infelizmente esqueci de passar pra comprar algo pra comer antes e acabei comendo por lá, #nuncamaiscomoemaeroporto. Tudo caro demais e não valendo o preço que custa, na próxima levarei umas quentinhas pra comer por lá.

O vôo atrasou 1h, logo saímos por volta das 21h30 de SP. Cheguei em Campo Grande e para minha alegria, lá o fuso horário é diferente e eram 21h! A amiga de uma amiga minha estava me esperando de carro com o namorado e eles me levaram até a rodoviária. A ideia era eu conhecer a cidade, mas os dois trabalhavam cedo no dia seguinte e não rolou. Fiquei aguardando na rodoviária pois o ônibus para Campo Grande só sairia as 23h59 (horário cabalístico). O ônibus saiu no horário previsto e a viagem foi bem tranquila, boa qualidade e estrada boa, tivemos uma parada no caminho.

 

Gastos:

• Ônibus pro aeroporto: 3,5 $

• Lanche no Pão-de-queijo: chá mate + pão de queijo por absurdos 15$

• Ajuda na gasosa pra carona pra rodoviária: 10$

 

 

06/08 (quinta-feira):

 

Cheguei em Corumbá por volta das 6h e no amanhecer vi o nascer do Sol mais lindo da vida direto do ônibus, era uma mistura incrível de cores quentes! Viva o Pantanal, preciso voltar pra conhecer direito esse bioma.

Da série ‘ quem tem amigos tem tudo’, lá em Corumbá tenho um amigo da faculdade, logo que soube que iria passar por lá entrei em contato com ele e combinamos de nos vermos lá. Ele me buscou na rodoviária umas 8h, fomos comer algo num restaurante árabe de lá muito gostoso (não me lembro infelizmente), ele deu uma volta na beira do rio comigo e fomos rumo à fronteira!

 

Primeiro fui dar a saída do Brasil na polícia federal, lá estava uma fila pequena, mas o calor era realmente forte já as 9h! Complicado ficar longe da sombra. Quando faltavam 3 pessoas para eu ser atendida, ouço o atendente gritando lá perguntando se havia brasileiros na fila. Disse que eu era e ele me questinou porque tinha deixado bolivianos passarem na minha frente (?), eu disse que não sabia que havia filas separadas. Depois de ser extremamente grosso com uma boliviana na minha frente, porque ela não havia dado entrada no Brasil anteriormente e estava dando a saída, ele ainda quis brincar comigo e com meu sobrenome (Pinto). Confesso que fiquei bem decepcionada com os profissionais de lá (na volta ao Brasil mais ainda) e pensei que seria tratada como os bolivianos são tratados pela polícia federal brasileira na polícia boliviana. Mas tive uma grata surpresa e lá fui muito bem atendida! Dica pro lado brasileiro ser mais humilde (y).

 

Em Puerto Quijarro era feriado, cheguei na Bolívia no dia da independência do país. Lá fui cambiar um pouco de dinheiro, encontrei por 1$ - 2 bol, pensei que encontraria um câmbio melhor depois e troquei 500 $ - 1.000 bol (depois me arrependi porque não encontrei cambio melhor, dica!)

Fui comprar a tao esperada passagem no trem da morte! Cheguei por lá por volta do meio dia e o trem saía ás 13h, a passagem foi 70 bol.

Me despedi do meu amigo e fiquei esperando a saída do trem.

 

Durante a espera vi uma típica mochileira, a Akvile. Uma moça da Lituânia (sim, eu conheci alguém da Lituânia) que já morou em Moçambique e falava bem português, ela veio viajar pela América do Sul, passou pelo Brasil e estava entrando na Bolívia pela fronteira também. A intenção dela era chegar em Santa Cruz e ir direto para La Paz, mas de tanto ouvir eu falar bem do tal Deserto de Sal se animou e resolveu ir comigo também.

 

A viagem de trem e suas 17 horas, foi muito tranquila. Como saímos no começo da tarde, vi as variações de vegetação e do céu, incrível! A estrutura do trem está bem diferente, li várias histórias, mas não tenho nada do que reclamar. Super confortável! Começou passando um show do Henrique Iglesias e ás 22h começou um filme de terror (essa foi a pior parte da viagem, pois o filme era bem tenso com gritaria e o som era bem alto). Ao longo do caminho, o trem tem algumas paradas rápidas onde vão entrando pessoas para viajar. Quando voltei do jantar, quase não encontrei minha poltrona pois nosso vagão estava cheio de gente já. Por volta das 20h fomos comer algo num restaurante que tem em um dos vagões. Lá comi um arroz com frango e batata frita e tomei um refrigerante. Depois dormi e só acordei na última parada em Santa Cruz.

 

Gastos:

• Lanche em Corumbá: 5$

• Frutas e água: 15 bol

• Passagem trem: 70 bol

• Pastel + café: 4 bol

• Jantar + refri: 27 bol

• Cambio 500$ - 1.000 bolDSC00021.JPG.f05b5c64cabf1330871650ad28693f13.JPG

 

07/08 (sexta-feira):

 

Chegamos em Santa Cruz de la Sierra ás 5h30, tivemos que esperar até as 6h para abrir a rodoviária.

A minha intenção inicial, depois de ouvir relatos da estrada ruim para Sucre, era fazer o trajeto para Sucre de avião. Mas, a Akvile sugeriu irmos de ônibus e infelizmente eu topei.

 

O horário para Sucre era somente ás 17h (lá todas as empresas saem nos mesmos horários para as cidades, não há muita concorrência de horário) e compramos da empresa Tupiza um ônibus direto para Potosí. A passagem foi bem barata e disseram que o ônibus era semi-cama. Deixamos nossas mochilas na loja e fomos dar uma volta pela cidade. Era um dia bem atípico por lá, porque os ventos eram muito fortes! Não conseguimos aproveitar muito por lá. Conhecemos a Catedral, a Plaza de Armas e dois museus próximos, e fomos para o Mercado Central almoçar. Lá comi arroz com frango e umas batatas diferentes muito boas e tomei um suco delicia de morango. Vale a pena a visita pra quem passar por lá, eu adoro conhecer e comer os Mercadões das cidades, dá pra conversar com os locais e comer barato.

Demos algumas voltas e encontramos um café com wi-fi, chama Café La Rooca, ao lado da Plaza de Armas. Lugar mais caro, mas bem gostoso de conhecer.

Voltamos para a rodoviária e fomos tomar uma ducha lá mesmo. Eu estava com receio no início, mas me surpreendi. O local estava limpo e a água era fria, mas o calor era grande por lá.

Comprei algumas coisas para comer durante a viagem e embarcamos no ônibus ás 17h. O ônibus realmente era bem ruim, eu já imaginava pelo preço que pagamos. Aqui vai outra dica valiosa.

 

NÃO ECONOMIZE AO VIAJAR DE ÔNIBUS NA BOLIVIA!

 

A estrada para Sucre era realmente horrível, superou minhas expectativas da pior maneira. A poltrona era muito ruim e o ônibus não tinha banheiro. Foi a pior noite da viagem, não consegui dormi e o barulho dentro do ônibus era muito insuportável, foi difícil.

 

Gastos:

• Banheiro: 4 bol (os valores gastos com banheiros podem ter variado)

• Café: 7 bol

• Passagem para Potosí – Empresa Tupiza: 60 bol

• Água: 10 bol

• Almoço: 11 bol

• Remédios: 18 bol

• Banho: 5 bol

• Pacote de pão de queijo: 10 bol

• Empanada: 3 bol

 

08/08: sábado

 

Chegamos em Sucre as 8h, lá o ônibus teve uma parada rápida para desembarque de alguns passageiros e seguimos direto para Potosí. Vale ressaltar que a última parada da viagem para usar o banheiro tinha sido as 4h no meio da estrada (a minha vontade de fazer xixi foi menor e não precisei usar).

Ás 11h finalmente chegamos em Potosí! Lá pudemos conhecer a Bolívia mais na essência, pois as habitações eram muito simples pela estrada e na cidade. Finalmente fui ao banheiro (o/) e comprei algumas besteiras para levar pra Uyuni. Fomos de táxi para a outra rodoviária de onde saiam os ônibus pra Uyuni. Compramos as passagens e aguardamos uns 30 min pro embarque, nem preciso dizer que estávamos acabadas né? Tudo que eu desejava era um banho quente e um cobertor quentinho para dormir. Não me lembro o nome da empresa, mas era uma van um pouco maior e bem confortável.

 

Chegamos em Uyuni ás 16h30 e ainda não estava muito frio por lá. Lá devido ao grande turismo, já é bem caótico. Muitas pessoas nas ruas e oferecendo pacotes de viagem o tempo inteiro. Logo que chegamos enquanto procurávamos um quarto para dormir, uma senhora muito simpática veio me oferecer um pacote pro Salar. O pacote iria incluir um pernoite naquele dia, café da manhã e o passeio de 3 dias pelo Deserto num carro com 6 pessoas. O preço era o mesmo que já havia lido nos relatos e aceitamos, 700 bol. O nome da agência é Thiago tours!

A Rosemari nos levou para o Hotel que era muito bom, quartos quentinhos e com cobertas e banheiro fora compartilhado. E dois itens importantíssimos em viagens e na Bolívia: água quente e wi-fi.

A Akvile estava mal pela viagem e ficou descansando no quarto enquanto eu fui dar uma volta e cambiar bolivianos. O câmbio foi o pior que encontrei 1,6$ - 1 bol, então só troquei um pouco que seria necessário até chegar em La Paz.

Mais a noite fomos em um restaurante lá próximo jantar algo. A cidade é bem turística e muito gostosa, com várias opções boas para comer e beber a noite. Umas 21h fomos dormir porque no dia seguinte começaria o grande momento da viagem: a ida para o Deserto!

 

Gastos:

• Banheiro: 3 bol

• Táxi + comidinhas: 30 bol

• Passagem para Uyuni: 30 bol

• Passeio Salar + pernoite Hotel La Cabaña: 700 bol

• Jantar: sopa + suco 39 bol

• Passagem La Paz: 100 bol

DSC00081.JPG.78ea365afcca31bbb9ccd453938e6b8a.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

09/08 (domingo):

 

O passeio estava programado para começar as 10h. Acordamos umas 8h e fomos tomar café da manhã lá no Hotel mesmo, compramos algumas coisinhas e frutas para levar e fomos para a agencia. Lá nosso motorista estava atrasado e só estávamos nós lá, não sabia do restante do grupo. Nessa hora fiquei um pouco tensa, mas, logo se resolveu. Chegaram um casal, a moça de Barcelona e o cara de Montevidéu que moravam juntos na Espanha, no caminho pegamos dois amigos, um americano e uma francesa. Todos falavam espanhol, menos a francesa, mas ela entendia bem quando conversamos. Para mim foi ótimo, porque não falo inglês e estava com receio de ficar em um grupo com outro idioma. Nosso motorista parecia ser bem tranquilo também. E assim partimos pro Deserto.

Agora não vou ficar falando muito sobre as paisagens, porque acredito que só estando lá para ver mesmo e vocês já devem ter lido muito sobre elas também. Vou falar mais da estrutura do passeio que contratamos.

Uma das paradas do dia que mais gostei foi a Ilha de Cactus, com pagamento a parte. Para mim valeu muito a pena, só o tempo que não estava colaborando muito. Ventava muito! Foi bem difícil chegar no topo para admirar todos os milhares de cactos por lá, mas, valeu a pena (y).

Chegamos no Hotel de Sal onde dormiríamos as 17h com o Pôr do Sol do Deserto incrível! A estrutura do hotel era boa e o banho quente era pago à parte (fiquei nos lenços umedecidos esse dia), tivemos um cházinho da tarde com bolachas quando chegamos e mais a noite um jantar bem servido.

 

Gastos:

• Água: 11 bol

• Mexericas: 10 bol

• Entrada Ilha de Cactos: 30 bol

• Banheiro 4 bol

 

PS: Fui em uma época muito fria pra Bolívia! De dia a temperatura média era de - 10 º C a sensação térmica e a noite chegava a - 20 º C ! Então, vá preparado! Além do frio, os ventos são muito fortes!

598dce0bd8fd6_Uruguay2015(2)833.JPG.0f8ad78f6a0cf7d6b6c11359067197f4.JPG

DSC00167.JPG.09585ed07884b6a708d53cf66334e249.JPG

DSC00216e.jpg.b8d569f119731c4c0bc080bf680c1dc5.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DSC00246.JPG.a8447d1288ce1656c91bd3d1bb7e3fce.JPG

 

10/08 (segunda-feira):

 

O dia começou as 7h, tomamos um café e saímos pro passeio. Nesse dia visitamos as várias Lagunas, encontramos flamingos e estivemos na sonhada Laguna Colorada. A tarde o vento estava muito forte, não sei a velocidade, mas era muito forte! Tive muita dor de cabeça nesse dia.

Chegamos no hotel onde dormiríamos umas 17h e ficamos descansando e conversando muito. A noite rolou uma macarronada muito gostosa com vinho boliviano! Tentei iniciar os gringos no mundo do truco, mas foi complicado explicar pra eles a malicia da jogatina brasileira hehe.

 

Gastos:

• Banheiro: 7 bol

• Papel higiênico: 3 bol

• Entrada Parque Laguna Colorada: 150 bol

* a entrada no Parque é parte separada do passeio, eles informam isso durante a compra.

DSC00265.JPG.1d9467908c2df71ae572651e1f487010.JPG

DSC00299.JPG.f014f50ab0cba537c57090e0e5d1c243.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DSC00301.JPG.83e75c6ffac3c0923f1155da62482081.JPG

 

11/08 (terça-feira):

 

No último dia do passeio saímos do hotel bem cedinho, por volta das 5h. O dia prometia ser de muito cansaço. Visitamos os Geisers e a Laguna Verde, incrível! E as águas termais. Do meu grupo só o americano teve coragem de entrar, mas lá várias pessoas entraram também. Eu queria muito, mas a preguiça de tirar toda a quantidade de roupa foi maior! Isso porque já tinha até separado meu biquíni.. hehe.

 

Chegamos em Uyuni as 17h e nosso ônibus para La Paz, “sairia” as 19h30. Lá fui com a Akvile procurar um lugar para tomar banho quente e combinamos de encontrar o restante do grupo do passeio para nos despedirmos e comermos uma pizza ás 18h. Tomamos um banho delicioso, depois de 3 dias né? Por 15 bol num Hotel ao lado da agência do passeio.

Fomos encontrar o pessoal no restaurante e foi uma delícia, é incrível como pessoas tão diferentes, com criações e países diversos conseguem se sentir tão próximos depois de 3 dias de intensa convivência. Tive muita sorte em ter eles no meu grupo do passeio, nos demos muito bem durante todo o percurso.

Aí começamos a saga ida para La Paz. Saímos rápido da pizzaria por causa do horário do ônibus, chegando lá informaram que nosso ônibus só sairia as 20h. Ok, iriamos com mais calma. Subimos no ônibus e ele era ótimo, poltrona semi-leito, com banheiro e aconchegante. Mas, começamos a ouvir um burburinho, o ônibus que estávamos iria passar em Potosí no caminho, algumas pessoas se revoltaram e desceram, até ai eu tava meio puta, mas só queria chegar tranquila em La Paz. De repente, mandaram a gente descer e nos informaram que aquele não iria mais sair pra viagem, depois descobrimos que o motorista tinha sido preso por estar bêbado. Nos colocaram nas ultimas poltronas de um ônibus péssimo que só iria até Oruro e de lá teríamos que pegar outro para La Paz, logo elas não abaixavam e saímos de Uyuni só as 21h. A estrada era até boa, estava bem tensa quanto a isso, mas dormir naquelas poltronas era impensável.

Chegando em Ururo vi uma das cenas mais incríveis na vida de qualquer pessoa, e vi neve pela primeira vez! Nevava muito, era madrugada. Em Oruro, não sabia se ficava feliz por estar vendo neve pela primeira vez ou se morria de frio. Nos colocaram em um outro ônibus para La Paz e que graças aos céus era muito bom, com banheiro e poltronas semi-leito, pudemos dormir finalmente.

 

Gastos:

• Banheiros: 8 bol

• Ducha: 15 bol

• Pizza + vinho para cada: 40 bol

DSC00304.JPG.3df3904654a5614b33ce1c817f7ae216.JPG

DSC00313.JPG.cf58737ed03e97f0655ffdd65549b0e7.JPG

DSC00320.JPG.9b3faf0f70b21465f99114cf03c314c3.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

12/08 (quarta-feira):

 

Chegamos no buraco do mundo, digo, La Paz, ás 7h. Transito caótico e neve. Ainda tinha neve espalhada e foi muito bonito ver como as pessoas estavam felizes com aquilo. Comemos algo na rodoviária mesmo, bem estruturada e fomos comprar passagem para Copacabana. O ônibus sairia ás 10h30.

Comprei mais algumas comidinhas para levar e fomos pro ônibus. Era simples, mas a viagem seria tranquila e de cerca de 4 horas.

Durante a viagem, muita neve espalhada e o tempo que não melhorava, muito chuvoso ainda. Mas, quando chegamos em Copacabana o clima mudou completamente, que cidade deliciosa, estava com sol e céu azul, apesar do frio que havia! O “mar” do Titicaca é realmente incrível, que sensação boa tive quando cheguei por lá.

Minha intenção era ir direto para a Isla del Sol e pernoitar por lá na parte norte já nesse dia. Mas, na Bolívia os horários não colaboram muito. A última barca para a Isla del Sol parte Norte, saia as 13h.

 

Eu já tinha me despedido da Akvile, pois ela já tinha a ideia de dormir em Copacabana aquele dia, mas, a reencontrei e fui para o Hotel onde ela estava. Chama “06 de agosto” e peguei um quarto simples com banheiro compartilhado por 30 bol. No final da tarde fui dar uma volta e vi o Pôr do Sol do porto, incrível e de uma paz tremenda.

Fomos jantar lá próximo do hotel e combinamos de pegar a barca pra Isla del Sol as 8h30, o primeiro horário de saída.

Aproveite o wi-fi do Hotel e reservei uma cama no Hostel Wild Rover, que já havia falado bem. Quando viajo e principalmente sozinha, dou preferência para os Hostels pela facilidade em conhecer novas pessoas. Um dos relatos que li indicava esse Hostel principalmente pelas festas que ocorriam no local, era perfeito para mim, porque até aqui minha viagem estava quase franciscana.. rs

 

 

Gastos:

• Banheiro: 1 bol

• Café da manhã: 5 bol

• Passagem para Copacabana: 25 bol

• Lanche rodoviária: 15 bol

• Burrito em Copacabana: 36 bol

• Hotel: 30 bol

• Jantar: 35 bol

• Anel: 15 bol

 

13/08 (quinta-feira):

 

Acordei as 7h e o tempo estava bem ruim, frio misturado com uma garoa constante, quis desistir de tudo. Mas não podia..rs

A Akvile preferiu esperar e pegar a barca mais tarde, mas eu fui ás 8h30. A partir nos desencontramos e não nos encontramos mais.

Comprei a passagem para a barca ali próximo do Hotel e já comprei a passagem para La Paz no dia seguinte ás 13h.

Peguei a barca e cheguei na Isla del Sol parte Norte por volta das 11h. Lá fui procurar um lugar simples e barato para passar a noite e encontrei um Hotel próximo de uma quadra de futebol que tem lá, não me lembro o nome. Mas, o senhor apesar de um pouco estranho, me ofereceu um quarto bom com banheiro compartilhado por 20 bol.

Deixei minhas coisas lá, fui ao Museu e comprei um mapa da Isla que incluía um passeio com um guia pela Isla. Estava muito frio e o vento era forte, mas demos uma volta por lá e mesmo com o tempo ruim, a beleza do lugar é incomparável. Desde quando fiquei sabendo que existia um tal Lago Titicaca sempre esperei pelo momento de conhece-lo. Fiquei chateada com o clima, mas tentei resisti. O passeio com o guia acabou e pensei em ir por trilha até o lado Sul, como várias pessoas fazem também, eu teria ainda que retornar a parte da Norte para pernoitar. Infelizmente a chuva, o frio e o vento aumentaram e eu voltei para o quarto, mesmo embaixo das cobertas sentia muito frio, pensei que estivesse com febre e tomei um antitérmico e dormi. Só ás 17h acordei, saí para comer um lanche ali próximo e voltei logo porque o frio continuava! Fui logo dormir quentinha.

 

Gastos:

• Barca para Isla del Sol lado Norte: 25 bol

• Ônibus para La Paz: 30 bol

• Café: 8 bol

• Mapa e guia: 20 bol

• Bolachas + chocolate: 23 bol

• Quarto no hotel: 20 bol

 

14/08 (sexta-feira):

 

Depois de uma noite fria, acordei as 7h com um céu azul na Isla que eu nem acreditei. Principalmente pelo fato de que eu iria embora de lá em uma hora. Pensei em ficar mais um dia, mas, acho que o frio do dia anterior me deixou traumatizada que eu não via a hora de sair da Isla del Sol 

Fui para o porto de onde saiam as barcas e comprei para o primeiro horário. Comi um pão e tomei um suco por lá e esperei o horário da barca, admirando aquele lugar e sentindo uma energia única que só quem esteve por lá ou em Machu Picchu pode ter sentido.

Chegamos em Copacabana umas 11h30, deixei minha mochila na loja que comprei as passagens e fui dar uma volta pela cidade. Não sei se era um dia atípico, mas haviam muitos carros no local para pedir a benção a santa da igreja de Copacabana que é protetora dos motoristas. Eu não sou católica, mas, nas viagens adoro conhecer as igrejas e catedrais dos lugares. A de Copacabana é simples na estrutura, mas o teto é todo banhado a ouro, muito bonita.

Fui comer um burrito numa lanchonete que já tinha ido e aproveitar para usar o wi-fi antes de partir para La Paz. Aproveitei para cambiar moeda, encontrei por 1,8 $ - 1bol e troquei o que me restava de dinheiro vivo, rs.

O ônibus saiu “pontual” e tinha até wi-fi, confesso que acho engraçado esse tipo de tecnologia haha.

 

Chegamos em La Paz por volta das 18h e pegamos bastante transito até chegarmos na rodoviária. Lá comprei a passagem de volta para Santa Cruz de la Sierra, o que foi uma grande dúvida! Cogitei ir de avião, pois já estava bem cansada de viajar de ônibus e encarar mais 15h até Santa Cruz poderia ser complicado. Mas, a passagem de avião era quase 600 bol e de ônibus leito 220bol! Apesar do cansaço para encarar outra viagem longa de ônibus (lembrando que de Santa Cruz ainda iria até Puerto Quijarro e de lá para Campo Grande), preferi ir de ônibus, pois economizaria em La Paz porque não iria dormir em hostel além do táxi para o aeroporto ser bem maior. Na verdade, escolhi comprar mais presentes por lá e voltar de ônibus.. rs. Comprei a passagem de ônibus leito na Empresa Trans Copacabana por 220 bol, recomendo essa empresa.

 

Peguei um táxi e fui para o hostel, um taxista muito simpático que foi conversando sobre os pontos turísticos e sobre a economia do país.

Chegando no hostel descobri que confirmei a reserva no dia errado e eles não haviam confirmado. Para minha sorte/azar, havia uma cama livre num quarto de 10 pessoas misto, lá a estrutura é muito boa, vale a pena. Lá funciona uma agência de passeios também, fui ver os preços pois iria fazer o Downhill, o fato mais aguardado em La Paz!! Fechei a bike intermediária por 490 bol e marquei de fazer o passeio para dois dias depois, pois tinha a intenção de aproveitar a cidade no dia seguinte e também estava cansada das viagens e de acordar cedo. Lá conheci um brasileiro que iria fazer a descida de bike no dia seguinte, fomos pro bar do hostel e ficamos lá bebendo um pouco. Muito bom poder falar com brasileiros depois de tanto tempo.

 

Gastos:

• Barca Copacabana: 25 bol

• Café da manhã: 10 bol

• Passagem para Santa Cruz: 220 bol

• Táxi para o hostel: 20 bol (a corrida era 15bol mas dei 5 bol pela simpatia)

• Bar hostel: 68 bol (02 cervejas e 01 burrito muito gostoso)

• Downhill: 490 bol

11215870_1165107330171384_7616565701760536785_n.jpg.c92ea918c998b65461f24d073d300b8f.jpg

DSC00354.JPG.40a4aa26def8235c6c5ae0f93cb52dbd.JPG

DSC00391.JPG.71e3c9134276f19ad373efea42b4adda.JPG

DSC00418.JPG.87b36cea53f6a75c092b5d425f54179d.JPG

DSC00435.JPG.ef08d4c6b3f63d44cbc0c23ea2b62504.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

598dce0c853b6_P1280155(Copiar).JPG.6e03b8f50ff3cc81e92c2e508fc78ece.JPG

 

15/08 (sábado):

 

Depois de poder dormir numa cama delicia e bem quentinha, acordei umas 10h e fui tomar o café que era servido no bar do hostel. Lá conheci uma francesa, que falava bem espanhol, e fomos dar uma volta pela cidade. Por indicação dela fomos no Museo Nacional de Etnografia e Folclore, que é incrível! Estava rolando uma exposição sobre a indústria têxtil no país, muito legal e com vários gorrinhos feitos antes de Cristo. Além de uma exposição com máscaras de festividades de carnaval e sobre a história dos povos andinos.

De lá pegamos um táxi e fomos pegar o teleférico para ver a cidade, um passeio que vale a pena! Chegamos no alto e voltamos por 6 bol, é um transporte público para os bolivianos, uma ideia muito boa principalmente naquela cidade cheia de subidas. Pelo caminho encontramos um restaurante vegetariano para almoçar e fomos em busca da casa do Evo Morales. A casa do presidente fica em uma avenida onde há muitas embaixadas, inclusive a do Brasil está lá, e é mais simples que muitas das embaixadas também, principalmente a dos EUA que é a maior e cheia de apetrechos. Andamos mais um pouco por lá e voltamos de táxi para o centro, o táxi lá sai bem barato e sempre rola pechinchar mais. Fomos para a região da Catedral e lá compramos alguns presentinhos e eu pirei na barraca de uma senhora que vendia anéis e brincos de prata! Eu não sabia, mas na Bolívia é bem mais barato comprar prata, vale a pena comprar por lá!

Voltamos pro hostel e eu estava bem enjoada e com dores de cabeça, acredito que por ter andado tanto o dia todo e La Paz realmente não é brincadeira, tem que tomar cuidado mesmo com a saúde lá. Clima seco e altitude acima do normal, não se pode querer fazer tudo corrido, como fiz aquele dia. Fui pro bar do hostel para comer algo e consegui comer um macarrão, comecei a beber umas cervejas e os enjoos passaram.. rs

 

Fui dormir cedo porque no dia seguinte acordaria as 7h para o Downhill e para o meu azar, no meu quarto estavam 7 amigos ingleses, que já tinham feito o passeio no dia anterior e aproveitaram aquela noite para curtir a balada. Chegaram no quarto as 4h30 (sim, este horário) e ficaram conversando com a luz acesa como se não estivesse mais ninguém no quarto, só que havia eu e mais duas pessoas. Achei muita falta de respeito e apesar dos meus “xiu”, ninguém parava de conversar. Acabei levando e pedindo para eles pararem e respeitarem quem estava dormindo em espanhol mesmo, eles pararam um tempo, mas ainda se ouvia umas conversas. Sei que dormindo em hostel ficamos sujeitos a dormir com barulho, mas acredito que respeito é o mais importante, pareciam adolescentes mimados que se achavam sempre certos. Nesse momento quis muito saber falar inglês pra poder falar umas verdades pra eles, realmente foi uma noite daquelas.

 

Gastos:

• Entrada Museu: 20 bol

• Táxi: 10 bol

• Teleférico: 6 bol

• Sorvete: 16 bol

• Almoço: 32 bol

• Presentes: 115 bol

• Bar hostel: 49 bol

 

16/08 (domingo):

Apesar de uma noite daquelas começou um dos momentos mais aguardados da viagem, a descida de bike pela estrada da morte da Bolívia! Acordei as 7h junto com um australiano que tava no meu quarto e também iria pro passeio. Na van, das 7 pessoas que haviam, só tinha eu de mulher (y).

Mais uma vez, não vou ficar falando do passeio em si, porque cada um sentirá algo quando fizer este passeio. Só digo uma coisa: FAÇA! Apesar do grande medo que dá, foi um dos pontos altos da viagem. Na cidade de La Paz é o único passeio que vale a pena de fazer, então FAÇA!! Fiz a descida em um domingo e no começo da estrada da morte, tivemos que aguardar uma Maratona que estava acontecendo por lá acabar. Sim, eu estava achando que erámos loucos por descer de bike a estrada, mas, tem gente pior, pessoas que sobem correndo a estrada da morte! Realmente só na Bolívia mesmo! Haha

 

Após a espera, iniciamos de vez a descida! E a paisagem é incrível, então repito FAÇA O DONWHILL NA ESTRADA DA MORTE DA BOLÍVIA! Caso não saiba andar de bike, aprenda um pouco antes de ir viajar.

 

Voltamos do passeio as 19h pro hostel. Lá fui comer algo no bar e beber, e saciar o que estava sentindo, porque parecia estar em transe ainda. Bebi um pouco com uns gringos por lá e fui dormir, porque estava acabada também. Não entendia como as pessoas conseguiam beber tanto e ainda ir pra balada lá depois de um dia cansativo desses! Rs

 

Gastos:

• Entrada Estrada da Morte: 25 bol

• Banheiro: 2 bol

• Bar hostel: 65 bol

• Refrigerante: 8 bol

 

17/08 (segunda-feira):

 

Último dia em La Paz e o que eu mais queria era gastar meus bolivianos em muitos presentes! Fiz o check-out do hostel e fui dar uma volta pelo Centro, fui na Catedral e na Plaza de Armas. No almoço, mais arroz com frango, realmente as pessoas comem muito frango por lá, não aguentava mais.

Meu ônibus para Santa Cruz saia ás 20h e as 19h peguei um táxi na frente do hostel para a rodoviária. Lá comprei algumas besteiras para comer no caminho e fui pegar o ônibus, que para minha sorte realmente era leito e muito confortável. A noite seria longa, mas de muito conforto pelo menos..rs

 

Gastos:

• Hostel: 186 bol (62 bol/noite)

• Suco: 8 bol

• Almoço: 17 bol

• Farmácia: 8 bol

• Presentes: 400 bol

• Táxi: 15 bol

• Lanche: 21 bol

 

18/08 (terça-feira):

 

A viagem foi tranquila e a estrada boa, não sei se é devido ser uma rodovia que liga à capital do país, mas no caminho o ônibus foi parado várias vezes pela polícia para checagem dos passageiros, documentos e das bagagens. Nessa hora até pensei que os policias fossem querer alguma propina, como li muito sobre os bolivianos, mas foi super de boa e me trataram muito bem.

Chegamos em Santa Cruz as 13h. Comprei passagem para Puerto Quijarro na empresa Id Suárez com poltrona leito por 80 bol e o ônibus sairia as 20h30.

Deixei minha mochila lá na loja e fui dar uma volta pela cidade. Dessa vez me arrisquei e como tinha tempo, peguei um ônibus para andar por lá, foi fácil até e muito barato, são 2 bol. Um taxista tinha me proposto 15 bol para me levar pro Centro!

Dei uma volta na Plaza de Armas, passei de novo no Mercado Central para comprar umas frutas e fui almoçar/jantar no Café La Rocca, que eu já tinha passado na ida por lá. Vale a pena conhecer. Voltei pra rodoviária e estava bem frio por lá, imagina ficar 4h sentada num banco gelado lá, aguentei um pouco e dei uma volta para “conhecer” lá dentro. Encontrei uma lan-house, sim uma lan-house, e fiquei por lá gastando meus bolivianos e esperando o tempo do ônibus sair.

 

O ônibus saiu no horário previsto, mas, várias pessoas estavam reclamando que a empresa havia oferecido viagens ás 19h e 20h, e com falta de passageiros colocou todos no ônibus das 20h30. Logo minha poltrona foi trocado, mas, era outra individual e leito! Recomendo essa empresa, a viagem foi tranquila e confortável.

 

Esqueci de um grande detalhe que só agora lembrei! Rs Na Bolívia quando se viaja de ônibus precisa um bilhete de uso terminal, variam de 1 a 3 bol, lembre-se sempre de comprar antes de embarcar, pois em um ônibus que estava um homem atrasou a viagem pois teve que sair para comprar.

 

Gastos:

• Banheiro: 3bol

• Passagem para Puerto Quijarro: 80 bol

• Almoço: 42 bol

• Ônibus Sta Cruz: 4 bol

• Chocolates: 4 bol

• Internet: 9 bol (2h30)

• Lanche: 10 bol

 

19/08 (quarta-feira):

 

E enfim chegou meu último dia de viagem. A ida para Puerto Quijarro foi bem tranquila, chegamos lá por volta das 5h30! Estava tudo escuro, vários taxistas oferecendo para levar para a fronteira, mas muito caro. Tomei coragem e perguntei se um casal topava dividir uma corrida e eles já haviam se juntado a um senhor, logo a corrida saiu para mim por 5 bol (a corrida toda era 20 bol). Lá a polícia da fronteira só abriria as 8h, então seria de muita espera, tomei um café e troquei por reais meus últimos bolivianos, até então achava que estava rica, mas perdi quando virou reais.. haha. A fila do lado boliviano foi tranquila, apesar de bem caótica no final sempre dá certo, fiquem tranquilos. Do lado brasileiro que foi o momento de stress, era uma fila só para entrada e saída no país, bolivianos e brasileiros juntos. Depois de umas 2h de espera uma policial bem folgada, dei uns xingos por lá nos bolivianos e deixou os brasileiros passarem na frente. Foi a minha sorte, mas achei a atitude dela de desprezo foi difícil de engolir.

 

Fui atrás de um táxi para me levar para a rodoviária de Corumbá, meu amigo não estava na cidade, e estavam me cobrando 50$. Eu só tinha esse dinheiro em reais e não queria depender de encontrar um banco, pechinchei e o cara me levou por 35$! Daí ele foi tentar ser honesto e ligou o taxímetro para provar que dava 50$ a corrida, mas não é que eu estava certa? Apesar da bandeira 2 que só existe nas ruas de Corumbá, a corrida da fronteira até a rodoviária deu exatos 34$! Fiquem de olho!

Consegui adiantar minha passagem para as 13h, estava marcada ás 15h, almocei na frente do rodoviária um PF muito bom por 10$, mas acreditem, tinha frango!! Haha e embarquei rumo à Campo Grande.

 

O ônibus iria passar no aeroporto, então fui direto pra lá! Cheguei as 19h e minha espera seria bem longa, pois meu vôo era as 3h30. Fiquei fazendo palavras-cruzadas antes do vôo, usando do wi-fi do aeroporto e no meu avião ainda estava a dupla sertaneja do "camaro amarelo " lembram? Rs Foi uma volta engraçada para São Paulo!

 

Gastos:

• Táxi: 5 bol

• Banheiro: 1 bol

• Café: 1 bol

• Táxi Brasil: 35 $

• Almoço: 12$

• Lanches: 17$

• Lanche aeroporto: 15$

 

20/08 (quinta-feira):

 

Chegamos em Congonhas por volta das 6h30 e fiz o mesmo trajeto para voltar pra casa, foi tranquilo e apesar do horário não peguei muito transito e consegui voltar sentada para casa. Acho que a minha cara de cansaço era mais do que visível para todos.

 

Enfim em casa, ás 8h! Não sabia se tomava um banho quente, se comia algo, se via as fotos da viagem ou se ia dormir na minha cama finalmente.

DSC00473.JPG.faeb0800b286e17f07c5e89a35db978b.JPG

598dce0c7621a_Semttulo.jpg.e70c6465efa2be06f4b6348c98c4a8bf.jpg

598dce0c7f0dc_P1280328(Copiar).JPG.eeb925631ec1d73342dd2000ebd44e89.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E assim chegou ao fim, uma viagem incrível com 15 dias extremamente bem aproveitados, com um alívio em voltar pra casa mas continuar com todas as lembranças boas que essa viagem me trouxe dentro de mim.

 

Gastos: Eu calculei que gastei com TUDO cerca de 2.400 $ pelos 15 dias, contando presentes e passagens de ida e volta pro Brasil!

 

Pra quem tem medo de viajar sozinha (o), só digo uma coisa, VÁ! O único problema é que vicia. Espero que meu relato ajude novos mochileiros e os veios de mochila também!

 

Abraços, Thaís.

 

 

Ps: Desculpem o relato gigante e as fotos confusas no meio do relato! rs

 

::otemo::::otemo::::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Olá Thais, muito legal sua viagem, por acaso voce chegou a fazer um somatório total do gasto da mochilada? Deu vontade de ir rsrsrsrs

 

 

Que bom que gostou Rafa!! Vá sim! Vale a pena!

 

As pessoas ainda têm muito preconceito com a Bolívia, espero que consiga acabar um pouco com isso.

 

Separei meus gastos certinho agora:

 

Gastos pré: tênis +máquina+roupas +remédios = 905$

Passagens Brasil: 437$ (avião SP - Campo Grande e ônibus Campo Grande - Corumbá ida e volta)

Viagem e presentes: 2135$ ! em reais!!

 

Abs!! ::otemo::

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Adorei o relato!! mesmo com o dólar alto, a sua viagem não foi cara!!! Pergunta: vc levou seu dinheiro só em reais mesmo? e tudo em espécie ou fez uso de cartão de crédito?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Adorei esse diário de viagem! Me sentir no cenário de um livro! Isso encoraja-me a investir mais em minhas futuras experiências, vlw! Tb fiquei na dúvida, quando você cita $, Reais ou Dólar? Abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Quem já foi para Bolívia, pode me tirar um duvida?

 

É preciso o passport ou alguma altorização para entrar?

 

Já vi relatos q se for sem pode ter problemas, alguém me informa??

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×