Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Peça ajuda, compartilhe informações, ajude outros viajantes e encontre companheiros de viagem!
    Faça parte da nossa comunidade! 

Liza_sp

Relato 17 dias no Equador sozinha: Quito e arredores, Banõs, Cuenca e Guayaquil... novembro de 2015 com fotos

Posts Recomendados

Nunca fiz relatos, mas como todas as informações que me ajudaram tirei daqui talvez meu relato ajude alguém ou não porque eu não planejo viagens, compro a passagem, reservo a primeira hospedagem e vou. Não incluí a Galápagos por motivos de $.

 

Tentei resumir ao máximo, quase sempre sem sucesso :)

 

1º dia - 31/10/2015 - Ida

Sábado embarquei às 6:50h, por algum motivo assim que cheguei ao aeroporto de Guarulhos senti um enjoo muito forte e também muita dor de cabeça, pode ser porque não dormi ou algo que comi, mas a viagem não foi boa. O voo linha escala em Lima. No voo de Lima a Quito continuei muito mal mas sobrevivi.

 

Chegando no aeroporto de Quito o ônibus que leva ao aeroporto Velho de Quito que é mais próximo de centro fica logo à direita, não tem erro, mas como a viagem de ônibus seria longa preferi ir de táxi o que custou U$27.17. Li que fora do terminal é mais barato mas tenho minhas dúvidas, são 42km de distância e não usam taxímetro a menos que a gente insista muito, nem quis tentar porque eu estava muito mal. Estava chovendo e foi quase 1h de táxi até o hotel. Descansei por umas 2h e saí para andar um pouco e comer. Eram umas 17:30 e me espantei com o frio, bem maior do que eu esperava, 8ºC e nem era noite ainda.

 

Em Quito fiquei hospedada no Hotel Real Providência, muito bem localizado, ao lado da Praça Santo Domingo e a umas duas quadras da Plaza Grande, eu não planejei quase nada da viagem, o hotel era bom, mas não valia o preço, valeria muito mais ficar numa pousada ou hostel mas não sabia o que me esperava, de longe o maior gasto da viagem foi este hotel.

 

Na Plaza Grande e me espantei com a escuridão mas dei umas voltas e quando voltei as luzes já estavam acesas e rolava um show ao vivo bem animado, música local muito boa, pessoas dançando, bem divertido, todos os dias passei por lá sempre tinha alguma coisa acontecendo.

 

Jantei em uma lanchonete próxima a Praça Grande por R$4,50.

 

Passei em um mercado para comprar itens básicos que nunca trago e imediatamente me arrependi tudo muito caro... creme dental por U$4 o hidratante mais barato por U$6... Mas o problema sabemos que é a desvalorização do Real, um ano atrás eu teria achado tudo bem barato.

 

Como estava muito frio e ainda estava mal fiquei mais uns 15 vendo o show na Praça e fui dormir.

 

Dia 2 - Mitad Del Mundo, Templo do Sol e Vulcão Pululahua

 

Acordei com dor de cabeça e enjoos novamente então decidi ir à Mitad del Mundo que imaginei ser algo mais leve. Meu senso de direção se provou pior do que nunca pois peguei 4 ônibus errados quando enfim consegui uma informação correta peguei o certo e cheguei ao terminal La Ofelia onde peguei mais um ônibus para a Mitad del Mundo. Os trólebus custam U$0.25 para entrar nos terminais espalhados pela cidade, nos demais ônibus o cobrador passa e te fala o valor paguei de U$0.10 a U$0.40.

 

Chegar lá é ridiculamente fácil, pegar trólebus sentido norte, descer na Parada La Y, pegar ônibus na mesma parada La Y para La Ofelia, isso custa U$0.25. No terminal La Ofelia pegar um dos vários ônibus para a Mitad, na volta é só fazer o inverso, nesse último trecho me cobraram U$0.20 na ida e U$0.40 no retorno. O primeiro erro foi ir sentido sul e quando finalmente fui para o norte eu desci no terminal La Y e não na parada La Y, o lado bom é que rodei a cidade inteira de ônibus e já fiquei sabendo onde ficava tudo.

 

Na Mitad del Mundo o ingresso básico que não dá direito a algumas atrações custa U$3 e o completo custa U$7.50 comprei o completo. Na bilheteria da falam para começar pelo planetário, fiquei 15m na fila e fui fazer outras coisas porque a fila estava enorme e não andava.

 

O primeiro Pavilhão que fui foi o Guayasamin e já fiquei encantada por esse artista que nunca tinha ouvido falar (pensava eu), tem poucas obras mas é um estilo obscuro que eu amo, mesmo não sendo chegada a artes e museus.

No Pavilhão Equador tem umas fotos legais, no dos Ninos obviamente só brinquedos para crianças, no Pavilhão da França tem um exposição sobre a missão geodésica, no Pavilhão do Sol fotos e informações sobre Cuenca e Guayaquil.

 

Só me pediram o comprovante de entrada no Monumento que é tem legal, vários experimentos, mas lotado de crianças correndo para todos os lados, gritando, empurrando, era domingo, num dia tranquilo teria ficado um bom tempo lá dentro, mas nessa situação saí rapidinho.

 

Resolvi almoçar lá dentro da Mitad, mesmo certa de que seria caro, esperando que a comida fosse boa, minha certeza se concretizou, foram U$11 no almoço, já a esperança não se concretizou, uma sola se sapato estaria mais macia que a carne... mas eu precisava comer. Em frente à Mitad del Mundo, do lado de fora, tem um complexo de lanchonetes bem simpático, com Subway inclusive, mas preferi comer comida mesmo (arroz, carne).

 

Dentro do complexo tem vans a cada 15 minutos que levam para o vulcão Pululahua por U$2.99 mas tem cartazes informando que é melhor de manhã por causa nos nevoeiros. Mesmo já sendo tarde fiquei com vontade mas ainda tinha que ir ao Planetário... chegando lá um segundo de felicidade por não ter fila, durou 1s porque eu percebi que fila estava dando a volta, esperei mais uns 10m, dei uma espiada pela porta de saída e resolvi ir embora, pelo que vi pela porta da saída não tinha nada demais e pelo que li na internet não perdi nada.

 

Quando fui lá não sabia que a verdadeira Mitad del Mundo fica a 200m dali, ainda bem que não sabia, depois me falaram que é bem legal mas já eram 15h e peguei um táxi por U$5 e fui para o Templo del Sol.

 

Chegando lá surpresa! É próxima a cratera do vulcão Pululahua, fazia um frio de doer, quem quiser ver o vulcão tem mesmo que ir de manhã, não dá para ver quase nada... achei bem surreal, nunca tinha ido num vulcão, fica a 4km na Mitad del Mundo e a medida que o táxi sobe dá a impressão de que o tempo virou, mais pro fim do dia eu achava que em Quito deveria estar super frio mas quando estava voltando a medida que descíamos para Quito o tempo se abria a sensação é de poder tocar na névoa, muito legal. Como o Templo fica ao lado poderia ter ido de van e pago U$2.99.

 

No Templo Del Sol a primeira impressão não foi boa, o ingresso foram U$3 e só tinha um menino correndo pra lá e pra cá como uma galinha sem cabeça e falando que estava cheio para esperarmos. Cansada de esperar no frio de doer entrei e já me encantei, muito especial o lugar... revirei o lugar sozinha e no terceiro andar tem várias obras do artista Ortega Maila, dono do Templo, lindas... de sentar e ficar admirando.

 

Vi tudo e uma hora depois que cheguei finalmente começaria o tour e era o mesmo menino faz tudo que estava no comando. A má impressão passou na hora, ele explicou sobre o Templo, fez experimentos com o ovo e outros sobre o equilíbrio... de repente entra uma moça chamando que o artista começaria sua demonstração e que tínhamos que subir...

 

Bem, no restaurante na Mitad del Mundo um artista fez uma dessas demonstrações de pintura e eu subindo só pensava estou com dor de cabeça, a névoa e o frio estão ficando mais intensos, ninguém tem tempo pra isso, mas não tinha opção.

 

Pois o cara foi um show a parte, praticamente um animador de auditório, fiz uma pintura linda com as mãos em 5m, uma das coisas mais lindas que já vi... se eu tivesse ido ali só para aquilo já valeria. Serviu chá de coca e empanadas... distribuiu para todos um gota de essência de coca e umas gotas de óleo de coca e maconha... pelo que disse era a cura para todos os males, pois eu passei o óleo na nuca, pescoço e ombros e fiquei vendo o cara interagir com as pessoas. De repente eu percebi que não estava sentindo mais nenhuma dor... ou o óleo era mesmo milagroso ou foi o poder da sugestão no nível 1000.

 

Continuamos o tour o menino fez mais um ritual que achei demais... ficaria ali dias se pudesse lugar mágico.

Quando ele acabou o ritual eu perguntei pelo óleo e só era vendido no outro prédio. Era perto mas já eram 18h e já não dava para ver um metro a frente e não fazia ideia de como descer para Quito sem ônibus. Mas eu amei o Templo, muito mais legal que a Mitad Del Mundo.

 

Próximo a entrada do vulcão tinha uma van cobrava um dólar até a Mitad del Mundo. Apesar de tomar cuidados de segurança, sendo mulher e viajando sozinha às vezes me encontro em situações em que eu penso, dessa eu não escapo... O motorista me mandou sentar na frente com ele e em certo ponto um passageiro fala: - Você vai me deixar na porta de casa! ; o motorista olha bem para a minha cara e fala rindo: - Você eu vou levar até a cama... Eu não sabia se ele respondeu para o homem, se falou pra mim, só sei que a cada passageiro que descia eu gelava mais um pouco rs em retrospecto eu morro de rir, porque o cara fui super simpático, me deixou do lado da rua que voltava para Quito, parou o ônibus pra mim, mas foram momentos de tensão rs ::lol4::::lol4::::lol4:: .

 

Da Mitad peguei um ônibus para Lá Ofélia e desci antes, num Shopping chamado El Condado, comprei um chip pré pago por U$4.48 na CNT Ecuador, vendedor nada simpático, não entendi nada, atendimento monossilábico, mas saí dela com internet. Passei no Radio Shack e comprei um adaptador, jantei e fui pegar o Ônibus para La Ofélia, achei o shopping bem bonito e bem servido de lojas, mas em dólar mal olhei para os lados.

 

Chegando no terminal La Ofelia uma fila enorme para pegar o ônibus sentido sul. Uns 10m depois um segurança grita que não teria mais ônibus naquele dia... não entendi nada mas todo mundo saiu do terminal e eu fui atrás. La fora um taxista me explicou que o último ônibus sentido sul sai às 20h, fui de táxi e a corrida do terminal la Ofélia ao Centro Histórico custou U$10.

 

Continua...

 

Mitad.JPG.7ed08827ccbe417fffb908842614c7e8.JPG

 

Mitad1.JPG.a8b530a6627268182eb120e4e0325c5f.JPG

 

Guayasamin.JPG.25786d1e11840c10a175e8c7bdf6e01e.JPG

 

598dd1efa90a9_MonumentoMitadDelMundo.JPG.92bcd2c2878e2fb6b9ab90770c49ced7.JPG

 

598dd1efb479a_VistadoMonumento.JPG.1d18a83c376a13ee7ee565c55a31bf9a.JPG

 

598dd1efbd286_VistadoMonumento1.JPG.1e42ace32fe5ddd530e4ebefad2d9000.JPG

 

Templo1.JPG.dcdd5f8b04540cf060cbed0261b2317c.JPG

 

Templo.JPG.11c61adabfed5753b8f24a09ff4f67b3.JPG

 

598dd1efd114c_TempoDelSol.JPG.e3d54876eba0e437f2ae96d97b7c1921.JPG

 

598dd1efd7418_TemploDelSol1.JPG.4cfe752725e4c3052186d4737bd0aefd.JPG

 

598dd1efe1352_Ortegapintura.JPG.8c88d8568d323619e638a63fe4740786.JPG

 

598dd1efe8cc7_OrtegaMaila.JPG.74114c2df6a9acfd4c926b96eb260f49.JPG

 

598dd1f10fc3b_ObrasOrtegaMaila.JPG.b5580d98b431172417168ef87e5433e9.JPG

 

Experimentos.JPG.523fe8f7caba831ac80a0d7bd38b76a5.JPG

 

DSC00279.JPG.d9846c224dc19c1d9dcf6d7f3e2f3280.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Também aguardando cena dos próximos capítulos ::otemo::::otemo::

Liza, você poderia informar o custo total da viagem, tirando as passagens de avião?

 

saudações

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

***O teclado do meu notebook parou de funcionar então estou só copiando e colando o que digitei no celular e no tablet durante a viagem para completar o relato, peço desculpas pela falta de acentos, os textos do tablet estão sem e seria muito trabalhoso corrigir todos os textos na tela do celular.

Dia 3 - Nesse dia fiz o Free Walking Tour com o Obi as 10:30h, super recomendado no Tripadvisor, merecidamente! Melhor tour que já fiz. Ele é muito carismático e assessivel, da várias dicas que se um insider poderia dar. O tour é pelo principais pontos do Centro histórico e como era segunda, dia de troca da Guarda presidencial as 11h, pudemos ver essa cerimônia em ao Palácio do Governo.

O tour durou 3h, no fim ele para em um museu que tem um café e banheiros e fica uns 25/30m conversando com as pessoas. A gorjeta sugerida por ele é de U$5. Super recomendo fazer esse tour, ele dá várias dicas e faz um relato bem legal sobre a história geral da cidade bem como responde dúvidas do que vale a pena fazer e como fazer também.

 

Depois fiquei caminhando um pouco pelo Centro e decidi ir à pe ao Parque ir Itchimbia, pois eram só 2.2km de onde eu estava. Chegando próximo ao Parque não tinha ninguém nas ruas, mesmo sendo feriado e no fim para chegar ao Parque tem uma escadaria que quase me mata, mas valeu a pena, é só um parque com vista panorâmica mas muito tranquilo e bonito.

 

Voltei para o centro e comi um lanche no El Cafeto, bem recomendado no Tripadvisor, pedi um sanduíche de pernil, que na verdade era um sanduíche de presunto com 5 chips industrializadas, por U$6 eu esperava que pelo menos fritassem a batata.

 

De la foi para a Praça fazer o tour no mosteiro de São Francisco, preço U$2 dólares com tour de 1:30h, não pode tirar fotos, achei bem explicado, as obras são lindas é barato mas estava cansada demais, só queria que acabasse logo.

 

Saindo de la foi para a famosa calle la Ronda, passei em uma fábrica de chocolate artesanal e comprei alguns doces. Eu não sei o quanto eu andei, mas andei o dia todo quase sem parar, estou acostumada a andar mas a altitude se faz sentir, estava muito cansada. Preferi dormir a jantar.

 

DSC00348.JPG.d8c079281dc892d791839d28bef34344.JPG

DSC00392.JPG.0874178533c8a12955dca6d40d0104ea.JPG

DSC00385.JPG.32c038f3fbfce8dcb7427e4a3ed846b3.JPG

DSC00378.JPG.8106acb66cc2cd501f8d80a989d588b9.JPG

DSC00379.JPG.bad9d19a8b370af9470334f2b5cf8435.JPG

DSC00444.JPG.b222276613d26a1fea280f711ba2e107.JPG

DSC00443.JPG.8bbb0c7fec2b91fd73d45b7da94ad733.JPG

DSC00413.JPG.49c50efc3af4185ae5e9644aa109b298.JPG

DSC00416.JPG.517bc60fb61de31be1613fe44674373b.JPG

DSC00430.JPG.b7c2040670a2eef66ea718222e1dd51b.JPG

DSC00372.JPG.2f3badade8d6fe76cd6552cdb0bdb1ae.JPG

DSC00455.JPG.f653c0275b2311c6dc7d3cef622258f9.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 4 - Nesse dia acordei cedo e fui para a estação Chimbacalle, chegar lá é fácil, peguei o trolebus sentido sul e desci na parada Chimbacalle, da Praça Santo Domingo são 5 paradas. Queria fazer um passeio de trem pelo Equador mas queria comprar pessoalmente, chegando lá depois de dar várias voltas e de pessoas me falando que a entrada era do lado oposto desisti, muito frustrante, mas em vez de dar o dia como perdido decidi ir para o Teleférico e tentar subir o vulcão, passei no hotel para trocar de roupa e fui..

Peguei um táxi para o Teleférico na Praça Grande por U$5, foram 12m.

Chegando lá a fila estava Grande, preço U$8, sinceramente se fosse só para subir não acho que valeria a pena. Tem banheiros grátis embaixo, em cima custam U$0.50. Tudo lá em cima é caro, um Trident por U$1.

A caminhada até o vulcão é difícil, achei que as subidas no caminho de terra e pelas pedras eram o que tinham mas difícil, imagine minha surpresa quase no fim onde o terreno é arenoso e são 2 passos para frente e um para trás. Após esse pedaço foi quando mas pensei em desistir pois tive que escalar e caiam algumas pedras, eu estava sozinha e deu medo de me machucar no meio do nada e sozinha, mas continuei e cheguei ao cume.

Durante todo trajeto a paisagem é linda e embora no cume não se veja a cratera a vista é maravilhosa e rola um momento de contemplação, 4700m não é muito mas foi a primeira vez que fiz algo que exigiu tanto fisicamente. Já tentei várias vezes mas foi a primeira que acabei. Fiquei uns 15m la em cima e desci.

O problema da descida é que exige muito do joelho e a minha água acabou na subida. O único jeito de voltar é a pé então iria ser sem água e sem comida mesmo.

Levei 3:10 para subir e 2:20 para descer. Quando cheguei no teleférico já nem pensava direito e estava com dor de cabeça mas comi uma empanada e tomei água descansei um pouco e fui encarar a fila as de 40m para descer.

Durante a subida senti muito calor e muito frio, mas nada insuportável pois fui bem vestida mas as 18h o frio lá em cima era congelante. Em baixo peguei uma van sentido Mariscal por U$1 e parei na Basílica para pegar um ônibus para o hotel. Cheguei morta, nem jantei e dormi 10h seguidas. Achei que meus músculos estariam gritando no dia seguinte mas não estava sentindo dores.

Subir o vulcão foi uma das coisas mais incríveis da viagem, pelo caminho tem gente de todas as idades, é longo, demorado, como escrevi fez muito frio, fez muito calor, mas é lindo demais, é você e a natureza, ninguém pode fazer por você... Sua mente grita com você para desistir ao mesmo tempo te fala, tenta mais 10m e de 10m em 10m eu desafiei meu corpo como nunca e vou me orgulhar desse dia pra sempre porque comecei o dia 100% frustrada e transformei num dos dias mais incríveis da minha vida.

 

DSC00460.JPG.6b8a0d7666d271631e69924b55328751.JPG

DSC00463.JPG.afbfea1bf723c9c02a3f72719d347999.JPG

DSC00472.JPG.031c5fbb3f89712182da11670eb959de.JPG

DSC00473.JPG.550caf141b2e66ec8d40a28892ac4b6f.JPG

DSC00491.JPG.62d5ef6bfdc8214143b753e41a142c67.JPG

DSC00498.JPG.43fe546ce56b4047cdc618528ed0f552.JPG

DSC00499.JPG.4203bd42a5576fbf301f8a9abff9db33.JPG

DSC00502.JPG.4743acac317198f5f41e12b359680d69.JPG

DSC00516.JPG.378c84aff4c8afc0cb4bd0cf652d906d.JPG

DSC00570.JPG.d2edd8b376bcd03f5ceed22f8f6f854c.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 5 - Dia de ir à Mindo, queria pegar a Tarabita e fazer as 15 cascatas.

Peguei o trolebus sentido La Y, ia pegar um ônibus para La Ofélia e de lá para Mindo parece que saem ônibus as 8h, 9h e 15h... como o Ônibus para o terminal Carceren passou primeiro foi para lá e de lá peguei um ônibus para São Miguel de Los Bancos e pedi para o cobrador me avisar quando passasse por Mindo. Para entrar no terminal paguei U$0.20 e até Mindo mais U$2.50. Foram 2h de viagem e na estrada tem taxistas que te levam a cidade por U$3 é uma descida e são 6.5km da para ir a pé numa boa mas eram 11h e não queria perder tempo.

Já na descida tem opção de aventura, ele me perguntou se queria ficar em alguma e eu falei que primeiro iria para a Tarabita ao que ele me disse que estava fechada a um ano. Ele me deixou em uma agência que me explicou os passeios disponíveis, não fechei nada e fui comprar a passagem de volta para Quito numa loja da avenida principal, bem sinalizada, paguei U$3.10 e reservei o horário das 17h, último horário, as saídas são de hora em hora, de uma rua transversal da rua principal. Fui comprar logo por medo de não ter lugar mas o onibus estava vazio, me falaram que por causa do feriado de finados nos dias anteriores estavam super lotados.

Na avenida principal uma agência tinha o sinal mágico ''we speak english'' lá a moça me explicou as opções de passeios, quase todos de aventura, não era possível fazer a trilha das cachoeiras mas eu poderia visitar algumas dentro de fazendas particulares ou contratar um táxi para me levar a 2 ou 3.

Acabei optando no pelo Mariposario e o Jardim de Colibris por U$6 e U$3 respectivamente. O Mariposario fica a 4.5km da cidade, fui a pé, a estrada é ao lado de um rio e foi uma caminhada bem relaxante e o mariposario foi legal também. Por toda cidade tem placas de aluguel de motos por U$18 nem passou pela cabeça que alugassem bicicletas também porque teria feito isso, cruzei com vários turistas de bike.

De la fui para o Jardim de Colibris é bem coisa de turista mesmo mas são criaturas lindas e fiquei lá no silêncio uns 50m.

Eram 14:15h quando sai de lá e resolvi sair da cidade e ir caminhar nas margens do rio, poderia ficar o resto do dia indo em direção à floresta, mas quando deu 1h de caminhada voltei para a cidade e fui almoçar no The Beehive. Do lado de fora tem uma placa de fine dining. Tem que ter muita imaginação para falar que era fine dining mas por U$11 uma entrada de sopa, um prato principal enorme de arroz, feijão, chuleta, batatas e bananas fritas mais salada, suco natural e sobremesa eu achei nota 10.

De la corri para o Ônibus que saiu pontualmente as 17h e levou 2:30h para chegar a Quito.

O ônibus para Mindo é que que passa na Mitad del Mundo, o ponto final em Quito era no terminal la Ofélia de onde fiz o agora ridiculamente fácil caminho para o centro histórico. Trole até a parada La Y e novo trolebus para Centro por U$0.25.

Não fiz o que queria em Mindo mas o dia não foi perdido porque amo caminhar e o lugar é bem bonito, a floresta começa a ficar nublada depois do meio dia e é meio mágico andar em direção à floresta e ela ficando mais e mais nublada, eu teria ido se soubesse que não poderia fazer as 15 cascatas? Provavelmente não.

 

DSC00587.JPG.08eeedb27c3dc4822f3b94b97edfe909.JPG

DSC00598.JPG.114d9a6922c3591f2b08c14cc755b9c2.JPG

DSC00609.JPG.a980419ca22dad0420751a7b40afd50f.JPG

DSC00634.JPG.c7732fce8fa1ffaa549f08ad7e1a0397.JPG

DSC00669.JPG.c408bcdae7ed3a0fbb4b5c6df2f37136.JPG

DSC00678.JPG.9e5e914e8189e62375efc3afc7606950.JPG

DSC00687.JPG.8ace0c8ff17ef941ccb547af64668acf.JPG

DSC00700.JPG.465aa90e0fb47b85f235c2bbea0f111a.JPG

DSC00701.JPG.0db5458481a7fbc045ead0d5e5b80dee.JPG

DSC00703.JPG.4e34b603e03b5ffc48e545518272673a.JPG

DSC00704.JPG.c35d0c0d200bac357a2a14dcb02e4784.JPG

DSC00711.JPG.2b917b906ba60d9b89643af378164ab1.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 6 reservado para Quito - Sai cedo e peguei o trolebus, desci na parada Chimbacalle e fui à estação que desta vez estava aberta. Ainda queria um passeio de trem no Equador, la moça me explicou que o único trem que sai de Quito é o trem Ruta del Chagra, antigo trem de los volcanos que só faz metade do percurso até Aloasí, não vai até o Cotopaxi por causa do risco de erupção. Por U$50.40 o passeio de 8h de leva a uma Fazenda de animais, um show folclórico, almoço e outras coisinhas, ainda bem que não comprei pela internet, porque não acho que valha a pena.

Ainda hoje o site continua desatualizado, então recomento que quem queira fazer vá comprar pessoalmente. No geral achei que todos os outros passeios te levam de nada a lugar nenhum. Nem o Tren Crucero que vai até Guayaquil, não acho que valha à pena pagar U$1.393 por 4 dias de tempo imprevisível com muitas nuvens. Então nada de viagem de trem.

Na volta desci na Praça Santo Domingo e entrei na igreja, uma das poucas que não cobra entrada, não está muito conservada, mas é lindíssima.

De la fui a Basílica onde por U$2 se pode subir até o topo da Torre. Valeu pena, no tour o Obi tinha dado a dica de que pela entrada da frente é que se vai à Torre mais alta. Os vitrais dessa igreja são lindos e a vista também.

De la fui para o Parque La Carolina, enorme e muito limpo, li que é o Central Parque de Quito e faz jus ao apelido, da pra passar um dia flanando ali sem perceber o tempo passar.

Por U$3.50 entrei no Jardim botânico dentro do parque, tão lindo, tão perfeito...

De la fui para o que achei que seria a joia do dia, o Museu Guaysamin e La Capilla del Hombre, como eram só 2.3km resolvi ir à pé, porque em 5 dias eu ainda não tinha aprendido que 2.3km em Quito não é o mesmo que 2.3km em SP. Se arrependimento matasse eu teria morrido porque eram 2.3km morro acima, levei 35m.

A entrada para a casa Museu e La Capilla del Hombre foram U$8 e foi um dos pontos altos da viagem, eu não sou viajante de ir em museu mas a história, a obra, a filosofia desse artista me tocaram. Não se podem tirar fotos, as visitas são guiadas, na casa dele eu descobri o que é riqueza, um lugar daquele não tem preço. A vista de Quito é muito perfeita, embora hoje tenham sido construídos alguns prédios. Hoje ele está enterrado no Jardim, também com vista para Quito. La Capilla del Hombre é igualmente perfeita, até o cheiro do lugar. Acho que foi o momento mais emocionante da viagem, é inexplicável, realmente nunca me emocionei num museu ou ao ver um quadro, mas tudo ali foi especial e muito emocionante.

De la peguei um táxi para o centro histórico por U$7 e por ainda não estava cansada de ver coisas belas feitas pelo homem foi na Igreja Companhia de Jesus, a entrada custa U$4 e também não pode tirar fotos mas ao colocar o pé na igreja pensei que mesmo se pudesse não teria tirado pois nenhuma foto vai mostrar a beleza daquela igreja, eu sou uma viajante que vai em todas as igrejas possíveis mas nunca vi nada como ela, de acordo com o guia Obi ela é revestida por 53k de Ouro. É a sala da morte da um frio na espinha, ela toda de negro, com sua foice, capa balançando... medinho.

Fui jantar na La Ronda e encerrei os trabalhos do dia.

DSC00724.JPG.6a331ab269aeb9f209167fedcc0d6d41.JPG

DSC00726.JPG.45bee45e1e8c2b1c4f354a4ec109a96d.JPG

DSC00732.JPG.802a6c0ea1988e78bfa55011f20bf399.JPG

DSC00764.JPG.c80d45651fbb7614caa339537199768e.JPG

vista2.JPG.3f3ab7d23674ca5c529cda2abcfdf89c.JPG

vista3.JPG.a68b4198bacca285439c6f0d3a61952d.JPG

Pq.JPG.069183af90677a87fc24b050c5f353c6.JPG

bt.JPG.460ce86b92d2898b892a02810a030c53.JPG

bt1.JPG.59a6653c5dee884eccd43a0dfb004531.JPG

DSC00917.JPG.83347673860f63201a1bca4e6f30d929.JPG

DSC00925.JPG.596f7c0327119f5a62b828167a25b678.JPG

DSC00928.JPG.d1ea6fdead2e7cddade28de4b0cecb00.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Dia 7 - Peguei o trolebus para o terminal Quitumbe, da parada Sto Domingo até o terminal são 30m.

O ônibus deixa na porta do Terminal, não tem como errar. O Terminal é muito moderno, limpo, tem um balcão de informação turística mas nem precisei porque é bem sinalizado. As bilheterias ficam no primeiro andar e o embarque a direita da bilheteria.

Saímos as 9h pedi para o cobrador me avisar quando chegássemos ao Parque, foi exatamente 1h de viagem. Ele te deixa ao lado de uma ponte, cruzei a ponte e nada dos guias que teoricamente estariam ao lado da Ponte. Fui andando em direção ao parque e uma senhora me avisou que estava fechado e que eu teria que falar com um guia, falei pra ela que não tinha nenhum e falou para eu esperar que eles apareceriam.

Um minuto depois parou um cara, falou que estava mesmo fechado, perguntei como as agências e taxistas estavam cobrando de U$90 a U$125 pelo passeio e ele falou que é só para circundar o parque ::ahhhh:: . No fim o cara tinha morado em Campinas e falava até bem o português, me ofereceu carona até próximo a Quito insistentemente mas o meu juízo falou não.

Estava cruzando a ponte e uma moça local me parou, explicou que estava fechado desde agosto, no carro dela eu entrei, a família dela mora logo na entrada e ela me falou que poucas pessoas aparecem agora porque as informações são confusas, ela fazia um tour pela comunidade local por U$20 decidi pagar pela conversa. Não vi nada de espetacular, se soubesse que estava fechado não teria ido, mas conversar com um guia local, que mora ali a vida toda valeu a pena. Ela contou que dá comunidade dela, de 350 pessoas ficaram 150 o resto evacuou para lugares mais seguros, e que eles saíram por dois dias mas voltaram porque a mãe dela falou que melhor morrer todos juntos que estarem cada um em um canto. Hoje o pai e os irmãos fazem tour para Quilotoa mas ela não pode ir por ter uma filha pequena. Definitivamente voltarei ao Cotopaxi e farei um tour pelo vulcão com a Paulina.

Sobre as informações desencontradas, se está aberto ou fechado, ela explicou que a única fonte confiável é o site http://www.igepn.edu.ec/red-de-observatorios-vulcanologicos-rovig enquanto estiver em erupção, vermelho, continua fechado.

Fiquei com ela por umas duas horas e meia, nunca vou me esquecer da manhã, é uma vida completamente diferente, foi muito bom ouvir sua história e eu espero realmente que o parque reabra logo porque aquilo é a vida daquelas comunidades.

Chegando em Quito fui à Catedral, entrada de U$3, fui por ser teoricamente a mais antiga das Américas e ser onde está enterrado o Marechal Sucre. Nada demais lá, depois da visita à Companhia de Jesus as outras igrejas perdem o brilho, e olha que amo visitar igreja.

De la fui ao Museu da Casa Sucre a entrada é franca e por ser o herói nacional esperava bem mais, a casa foi praticamente toda reformada, quase nada é original.

Fui jantar na Calle La Ronda, todos os dias fui lá para entender o porque da fama, entendi não... Jantei no La Primera Casa comida ok, apenas ok, por U$13.

DSC00944.JPG.9ef6f09fac4dcf0fc3654a204c81a195.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Também aguardando cena dos próximos capítulos ::otemo::::otemo::

Liza, você poderia informar o custo total da viagem, tirando as passagens de avião?

 

saudações

 

Júdice, eu tenho tudo anotado mas estou sem teclado para digitar e no celular é impossível... se sobrar um tempo faço no trabalho durante a semana e posto.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Marcos A
      O nosso principal objetivo em visitar o Equador era subir o Cotopaxi. Para isso, planejamos um programa de aclimatação que é extremamente recomendado para aumentar o sucesso e diminuir as chances de ter o famoso mal de altitude. Quito foi escolhida como a nossa cidade base. Ponto de partida de todos os nossos hikings e subidas. Durante o tempo livre tentamos conhecer o que Quito tem de melhor. Dá uma olhada como foi.
      Quito
      Como chegamos
      Chegamos em Quito vindos do Canadá pela AeroMéxico. Gostamos bastante do serviço e a conexão na Cidade do México foi muito mais comoda do que se tivesse sido no Panamá. O voo de Toronto à Cidade do México e de lá até Quito tiveram duração de 4h e alguns quebrados cada um. Nada mal, não?
      Onde nos hospedamos
      Em todas as noites que passamos em Quito, ficamos hospedados no Centro Histórico. Exite uma corrente que diz para se hospedar no bairro La Mariscal. Eu entendo. Um bairro mais jovem, novo, mais vibrante durante a noite. Mas o Centro Histórico me agradou bastante. O hostel que ficamos foi o Masaya Hostel. Sem dúvida, o melhor hostel que ficamos até aqui, de longe! Limpo, organizado, repleto de serviços e conveniências e sua localização era perfeita. Pertinho das principais atrações do centro histórico e da calle La Ronda, conhecida pela sua noite agitada.
      O que fizemos
      CONHECEMOS O CENTRO HISTÓRICO DE QUITO
      Passear pelo centro histórico de Quito é uma experiência a parte. É considerado um dos mais bem preservados de toda a América Latina e de quebra é tombado pela Unesco, como o primeiro patrimônio cultural da humanidade em 1978. Quer mais?
      Os prédios históricos estão em excelente estado de preservação e o interior das igrejas é de impressionar, principalmente na Iglesia de la Compañía de Jesús e na Basílica del Voto Nacional.
      Tire um dia inteiro para conhecer tudo, é mais do que o suficiente. As principais atrações (no nosso ponto de vista), com destaque, são:
      Plaza de la Independencia: sente no banco da praça e veja a vida acontecer no centro da capital equatoriana. Palácio de Carondelet (residência oficial do presidente do Equador): se você tiver sorte, poderá ver a troca da guarda presidencial e quem sabe o próprio presidente do Equador, que costuma acompanhar a cerimônia. Catedral Metropolitana de Quito. Calle de las 7 cruces (Calle Garcia Moreno): 7 igrejas construídas umas perto das outra, elas fazem parte de uma das ruas mais charmosas de Quito. Visite uma por uma e termine o trajeto na Plaza de la Independencia. Iglesia de la Compañía de Jesús: a mais impressionante de todas as igrejas de Quito. Seu interior é totalmente folheado a ouro. Fotos não são permitidas e o acesso é pago (USD 10). Aqui também foi enterrado o corpo do presidente Gabriel García Moreno, um dos presidentes mais venerados do Equador. Plaza e Iglesia San Francisco: praça e igreja de mesmo nome, ambos valem a visita. O interior da igreja é também revestido em ouro, mas não como a Iglesia de la Compañía de Jesús. Plaza e Iglesia de Santo Domingo. Basílica del Voto Nacional: possui uma arquitetura gótica totalmente diferente das demais igrejas da cidade. Chega a lembrar a Catedral de Notre-Dame de Paris de tão imponente que é. O detalhe interessante é que você pode visitar os terraços da igreja que são acessíveis ao público. Dá pra ver a cidade de Quito de lá de cima. O único problema é conseguir subir, pois as escadas são bem estreitas e não é todo mundo que tem coragem de se arriscar por ali. USAMOS O TELEFÉRIQO
      Mesma regra vale para Bogotá. Se for a Quito, não deixe de ir ao TelefériQo. A forma mais simples de ir até a estação base do teleférico é de táxi. Do centro histórico até lá, uma corrida vai te custar no máximo 4 dólares. A viagem ida e volta custa USD 8.50 para estrangeiros.

      Entrada do teleférico de Quito.
      Além da vista incrível de Quito e dos arredores (se tiver sorte, vai poder ver quase todos os principais vulcões da redondeza), você pode lanchar ou fazer uma pequena caminhada até um dos mirantes. Entretanto, uma das coisas mais legais pra se fazer quando se usa o TelefériQo é subir até o cume do Rucu Pichincha (confere aí embaixo).
      SUBIMOS AO CUME DO VULCÃO RUCU PICHINCHA

      Se você curte uma boa caminhada com um pouco de adrenalina, sugiro fortemente você tentar subir o vulcão (inativo) Rucu Pichincha. A trilha é bem sinalizada na maior parte do tempo e o vulcão, com ponto mais alto à 4698 metros de altura, é uma das principais atividades de aclimatação se você almeja subir montanhas maiores no Equador. Foi o que fizemos e recomendamos bastante.
      Otaválo
      Otaválo vale a visita pois é uma cidade atípica. Além do mercado de artesanato, o que a maioria dos turistas vao ver, Otavalo e os seus arredores oferecem muito mais. Uma das coisas é a Laguna Cuicocha e os vulcões ao seu redor.
      Como chegamos
      Chegamos de ônibus, vindos de Quito (Terminal Carcelén). A passagem de Quito até Otavalo custou em torno de USD 2.5 por pessoa e durou 2h30 mais ou menos. A viagem foi tranquila e boa parte da estrada é duplicada.
      Onde nos hospedamos
      Ficamos no Hostel El Andariego, que ficava à algumas quadras da Plaza de los Ponchos, ponto principal da cidade de Otaválo. O hostel era simples, mas super limpo e confortável. Pagamos USD 23 por noite para um quarto privado sem café da manhã. Recomendo se você quer passar uma noite em Otaválo.
      O que fizemos
      MERCADO DE ARTESANATOS
      Principal atração da cidade de Otaválo. É considerado o maior mercado de artesanatos indígena do mundo. Funciona durante o ano todo e durante todos os dias da semana, mas se você quiser vê-lo em seu tamanho máximo, vá no sábado. Também nos sábados, acontece o mercado de animais. Não fomos nesse, só visitamos o de artesanatos mesmo e foi suficiente. 

      O que muita gente não sabe é que durante a noite o mercado continua em funcionamento só que com barracas de comidas típicas de todos os tipos. Se puder dormir um dia por lá, vale a pena visitar o mercado noturno. Foi lá que encontrei pamonha, que os equatorianos chamam de Humita.
      LAGUNA CUICOCHA
      A Laguna Cuicocha é uma destinação completa. Além das belas vistas da lagoa (que é a cratera de um vulcão inativo), você pode fazer o hiking ao seu redor em uma trilha chamada Sandero de las Orquídeas (sim, lá existem mais de 10 espécies diferentes de orquídeas, por isso o nome). São 14 km de trilha bem sinalizada que são feitos normalmente entre 4-5 horas. A trilha é linda e fica linda durante todo o percurso, principalmente pela presença dos vulcões ao redor da lagoa.

      Para acessar a Laguna Cuicocha, você tem que pegar um ônibus de Otaválo à Cotacachi e parar em Quiroga. Lá, você vai pegar um táxi rumo à lago. Tudo por menos de USD 6.
      Iliniza Norte

      Os Ilinizas, um conjunto de duas montanhas que eram antigamente um só vulcão é um ponto turístico muito conhecido pelos amantes da altitude. Não é muito comum vir conhecer uma das duas montanhas sem ter um plano maior pela frente, como por exemplo subir o Cotopaxi ou qualquer outro vulcão/montanha da redondeza. Foi o que fizemos. Subimos o Iliniza Norte, a menor das duas montanhas com 5126 metros de altura. Vale a pena! Assim como o Cotopaxi, o acesso ao Iliniza é feito normalmente com uma agência.
      Cotopaxi
      O vulcão Cotopaxi é um dos principais destinos no Equador, pois oferece de tudo. É o vulcão mais ativo do Equador com 5897 metros. Para ter acesso ao Cotopaxi, normalmente você terá que contratar os serviços de uma agência.
      Para os curiosos, você pode subir até o refúgio e tomar um chá com bolo quentinho. Pros que querem descanso, você pode se hospedar em umas das várias haciendas e ficar admirando o silêncio e a vista. Você pode andar a cavalo ou de bicicleta pelo Parque Nacional Cotopaxi com o vulcão de plano de fundo. E para os aventureiros e corajosos, você também pode tentar descer parte do vulcão de bicicleta ou subir ao cume do vulcão.

      Subir ao cume do Cotopaxi não foi fácil, mas a experiência foi incrível e posso afirmar sem nenhuma dúvida que se você for ao Equador e não conhecer o Cotopaxi, você vai se arrepender muito! Vai por mim.
      Conclusão
      Essa primeira parte da nossa visita ao Equador foi muito intensa. A cidade de Quito, além de ser nossa base durante quase 10 dias, foi também a nossa casa. Foi uma bela surpresa e gostamos bastante de cada rua e atração. Não tenho nem palavras para descrever os arredores, as coisas que fizemos a partir de Quito. A mais marcante vai ser sem dúvida, ter subido ao cume do Cotopaxi. Só de lembrar, já dá saudade...
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
    • Por Marcos A
      Veja primeira parte (Iliniza Norte – A subida ao refúgio Nuevos Horizontes).
       
      Era hora do ataque ao cume do Iliniza Norte. 4h da manhã e começamos os preparativos. Colocamos as roupas, camada por camada, capacetes, lanternas e tudo que era necessário e nos sentamos na mesa para tomar café da manhã. O café foi básico mas bem potente. Aveia com iogurte, pão e café bem forte. Saímos bem alimentados e prontos para as próximas 6 horas de subida até o cume, à 5126 metros de altitude!
      Saímos e ainda era noite. Fazia menos frio do que o dia anterior, mas ainda sim, o frio incomodava. Ligamos a lanternas pregadas aos capacetes e iniciamos a trilha. Começamos a subida por uma parte arenosa na lateral da montanha, repleta de rochas soltas. Passamos o grupo que saiu minutos antes da gente e continuamos em frente.


      Em determinado momento, o sol começou a aparecer. Minha expectativa era que pudéssemos ver o nascer do sol la de cima, com vista privilegiada aos vulcões acima das nuvens, principalmente o Cotopaxi. Tinha visto vários vídeos incríveis e mentalizei aquele momento. Entretanto, a neblina tinha estragado meus planos. Não dava pra ver quase nada, somente um pequeno pedaço do caminho que devíamos percorrer. O vento e o frio foram aumentando e as pedras que antes estavam negras e um pouco úmidas, agora estavam cobertas por gelo e neve.
      Isso tornaria a subida mais cuidadosa e consequentemente mais perigosa. Pra completar, ventava forte, muito forte, cada vez mais forte. O nosso guia estava focado e tudo que mandava fazer, executávamos sem hesitar.
      Horas de subida e de pequenas escaladas, havíamos chegado ao famoso Paso de la Muerte, um paredão de rochas que para ser transposto, deveríamos descer um pouco e passar por um desfiladeiro e depois subir novamente. O cume ficava algumas centenas de metros dali. Hesitamos um pouco, mas o guia manteve o foco e nos encorajou. Fui o primeiro a descer. O guia se posicionou mais acima, segurando a corda, me ajudando a descer lentamente, pedra por pedra. Em alguns momentos eu não tinha nada além do meu corpo pra usar como apoio. Tinha que usar as mãos, descer o máximo possível e confiar que haveria outra pedra ali embaixo pra me acudir. Funcionou…

      Dá pra ver a cruz do Iliniza Norte atrás do guia.


      Passamos a parte mais complicada e depois de alguns minutos, em uma última escalada, chegamos ao cume. Diferente do Rucu Pichincha, a emoção não veio como esperado. Nenhuma lágrima, nenhum grito, nada. Um sorriso foi a única coisa que veio. De alívio eu acho. Tinha sido uma subida complicada. O vento batia forte e não perdoava. Minhas mãos já estavam quase sem movimento devido ao frio. Dava pra ver a cruz congelada atrás do guia, mas devido as condições climáticas, ele não deixou ir mais adiante para tocá-la. O terreno estava instável e o vento estava forte. Tiramos fotos com o celular, já que a maquina congelou de tanto frio. Essas são as únicas fotos que temos. Depois de alguns rápidos minutos, começamos a descida.
      A rota de descida seria outra. Não voltamos pelo refúgio, mas sim por uma rota alternativa, mais rápida pela lateral da montanha. Era um desfiladeiro de rochas e terra. Tínhamos somente que descer, descer e descer. A inclinação era tanta que mal dava pra estabilizar o corpo e a velocidade de descida. Caímos várias vezes pra resumir. Durante uma boa parte decidimos somente descer como um tobogã. Ajudou um pouco, mas não por muito tempo. Tínhamos que sair rápido dali, pois, o grupo que vinha logo atrás poderia jogar pedras sobre nós.
      Passado o sufoco, a trilha foi se nivelado novamente e alguns minutos depois já estávamos novamente na trilha principal, indo em direção ao estacionamento. Estava com a garganta bem ruim e ficando cada vez mais resfriado. Não pensava muito sobre isso. A cabeça só pensava em chegar logo e descansar. Teria que me cuidar e descansar bastante se quisesse ter chance de subir o Cotopaxi. Esse sim seria difícil, exigiria de nós mais esforço e preparo. Tiramos os próximos dias para descansar e torcer para que o corpo suportasse o último grande desafio.
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
    • Por Marcos A
      O dia começou bem cedo para nós. O motorista nos buscou as 8h da manhã e o nosso primeiro destino seria Machachi, uma cidadezinha a alguns quilômetros de Quito. Lá, nos encontraríamos com o nosso guia e acertaríamos os últimos detalhes para o Iliniza Norte. Não esperava nenhum grande esforço no primeiro dia. Seria um hiking de umas 4h até o refúgio Nuevos Horizontes (4700 metros de altura). Seria muito parecido ao do Rucu Pichincha que havíamos feito no dia anterior. De lá, no dia seguinte, faríamos o ataque ao cume do Iliniza Norte, com seus 5126 metros de altitude.
      Chegamos na entrada da reserva ecológica por volta das 10h30 e lá pelas 11h, começamos a subida até o refúgio. Estávamos um pouco cansados do dia anterior. Deu pra sentir o desgaste. Pra piorar, tivemos que levar muito mais peso do que o esperado, o que dificultou ainda mais a subida.

      O começo lembrava muito a trilha do Rucu Pichincha. Era praticamente a mesma paisagem. Vegetação rasteira, cor verde musgo e muita poeira. Alguns quilômetros depois, a neblina veio com força e a inclinação da trilha aumentou consideravelmente. Tínhamos que fazer ziguezagues constantes. Não via a hora de chegar, mas parecia que era interminável.

      A parte final seria uma grande montanha de areia cinza e pedras soltas. 1h de subida desgastante. Após vencer o último obstáculo, vimos uma casinha amarela bem distante. Era o refúgio Nuevos Horizontes, o primeiro refugio construído no Equador. Estava envolto em neblina. Também deu pra sentir que a temperatura havia caído drasticamente naquele ponto.
      Enfim estávamos no refúgio. Fomos os primeiros a chegar por incrível que pareça. O refugio era bem pequeno. Tinha uma pequena mesa e dois banquinhos de madeira bem na entrada. Vários beliches encostados uns nos outros, bem apertado e uma pequena cozinha, onde o administrador do lugar, "Gato", fazia a coisa funcionar. Não deu tempo nem de colocar as mochilas na cama e já tinha uma sopinha e um chá quentinhos nos esperando. O guia aproveitou o momento e disse que o refúgio aceitaria mais pessoas do que o normal e teríamos que dormir nós 3 juntos em uma cama para 2. "Sem problemas", pensei sem refletir muito.



      Terminamos a sopa e logo fomos tirar uma soneca. Isso era por volta das 14h da tarde. O silêncio estava maravilhoso. Dava pra ouvir o coração batendo tentando levar oxigênio pra todo o corpo a mais de 4700 metros de altitude. Isso tem seu preço. O corpo usa muito mais rápido o líquido que entra e por conta disso, a vontade de fazer xixi é quase instantânea. E não é qualquer xixi, é muitooo xixi.

      Bom, uma hora depois, outros grupos foram chegando. O silêncio deu espaço ao barulho. Conversa pra lá e pra cá, e nós ali deitados, tentando descansar ao máximo para o dia seguinte. Foi então que a vontade de ir ao banheiro veio. O banheiro ficava no lado de fora. Eram duas cabines bem rústicas, sem luz e bem sujas. O que esperar além disso? Vamo que vamo. A aventura de usar o banheiro nessas condições poderia render um post separado, mas vou deixar a sua imaginação fazer o resto.
      Voltando ao refúgio, era hora do jantar. Nos sentamos na mesa com um grupo de mexicanos e começamos a comilança. Uma das meninas virou pra mim e disse "ça va?". Fiquei meio confuso. Sei falar francês mas esperava um "¿Como estás?". Olhei com cara de bunda pra ela e logo veio a pergunta "De onde vocês são?". Prontamente disse que era brasileiro e todos os mexicanos falaram "HA! eu disse, ou eram brasileiros ou franceses!". Foi a deixa para muita conversa e troca de experiências.
      Voltando ao jantar, uma sopa veio como entrada. Era uma sopa de legumes neutra. Tinha pedido um cardápio sem lactose. Gato virou para mim e perguntou, pode ter um pouquinho de leite? Ou aceitava ou não comeria nada naquela noite, então disse que não tinha problema. O prato principal foi frango cozido, arroz quentinho e abacate maduro. Uma delícia! Pra finalizar, pêssegos em calda. Tudo acompanhado com chazinho quentinho. O jantar elevou a nossa moral em todos os sentidos.
      Voltamos para a cama e tentamos descansar até as 4h do dia seguinte. Não deu nem 1h depois do jantar e já estava com vontade de ir no banheiro de novo. E lá vamos nós novamente. Sair do saco de dormir, vestir a bota e encarar o frio do lado de fora pela vontade de fazer xixi que era interminável. Era quase 1 minuto de xixi, coisa que nunca tinha visto na vida. O corpo parecia está em seu modo de sobrevivência, produzindo xixi em uma taxa acelerada para se manter em funcionamento.
      Essa teria sido a última ida ao banheiro antes do ataque ao cume. De volta a cama, coloquei novamente o saco de dormir e dessa vez o guia se juntou a nós. Lembra que dormiríamos 3 em um lugar de 2? Pois eu tive que ficar no meio, entre o guia e a Gabriela, por motivos óbvios. Só não contava que seria espremido durante horas noite a dentro. Resolvi dormir do lado contrário e foi assim que consegui recarregar minhas energias até as 4h da manhã, quando acordamos para atacar o cume do Iliniza Norte.
       
      Veja a segunda parte (Iliniza Norte – O ataque ao cume)
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com
    • Por Marcos A
      Acordamos bem cedinho, preparamos o café e pedimos o táxi até o teleférico de Quito na recepção do hostel. Tentaríamos subir ao cume do vulcão Rucu Pichincha. Deixamos tudo preparado no dia anterior para não perder tempo. Queríamos chegar no máximo às 9h da manhã, hora que o teleférico de Quito (chamado TelefériQo) abriria naquela terça feira, 1 de janeiro.

      Saímos do teleférico rapidamente e logo começamos a trilha. Ela começa indo para a esquerda, subindo umas escadarias por trás de um prédio. Dali pra frente, não tem muito erro. Foram quilômetros e quilômetros de subidas intermináveis, mas como estávamos dosando os passos, não foi nada complicado.

      Eu diria que a trilha ao cume do vulcão Rucu Pichincha é dividida em três partes. A primeira parte, a mais longa, é composta de um hiking moderado em uma trilha bem sinalizada. É a parte mais tranquila de toda a trilha. A vista que tínhamos de Quito e das montanhas ao redor era incrível. Dava pra ver todos os principais vulcões do Equador no horizonte, principalmente o Cotopaxi, imponente, majestoso, surgindo ao fundo da cidade. Além disso, a vegetação era muito característica. Era praticamente rasteira com algumas árvores e flores que nunca tínhamos visto. Parecia um cenário dos senhor dos anéis.

      Dá pra ver bem no meio da foto onde começava a parte das rochas.

      A segunda parte da trilha começou lá pelo 3.5 quilômetro. Estávamos mais perto do cume do vulcão Rucu Pichincha, e lá, as coisas começaram a ficar mais complicadas. A trilha foi deixando de ser fácil para ser tornar somente um filetinho de terra na encosta do vulcão, composto principalmente de pedras soltas, alguns pequenos rochedos (que tivemos que escalar) e areia escorregadia. Um paredão de pedras negras surgiu mais a frente e o vento aumentou consideravelmente, assim como a temperatura ficou um pouco mais baixa. Até esse ponto, nada que nos assustou o bastante para nos desmotivar de continuar e alcançar o cume.


      E finalmente, a terceira parte e mais complicada de todas. Até ali, não sentimos em nenhum momento o efeito da altitude (estávamos a mais de 4000 metros de altura) e o corpo respondia a todos os comandos. Foi na terceira parte que tivemos a ideia de esforço. Depois de contornar o paredão de rochas negras, um enorme desfiladeiro de areia e pedras apareceu. Muito grande. Começava justamente bem perto ao cume e descia praticamente por todo o vulcão. A trilha ali já não tinha mais sinalizações que faziam sentido e cada um tentava subir da maneira que dava. Isso incluiu a gente.
      Começamos a subir e vimos que ninguém tinha ido atrás de nós. A pergunta ficou no ar: "Só a gente está certo?". Demos meia volta, descendo quase que esquiando sobre a areia para acompanhar o grupo de pessoas que subiam com a gente. Depois de alguns minutos de trilha incompreensível, chegamos de fato ao paredão de rochas negras. Não tínhamos escolha, era subir ou subir. A inclinação passava dos 50 graus na maioria dos trechos.

      Começamos a subida, pedra por pedra, com o maior cuidado possível, pois qualquer deslize poderia ser fatal. Em um dado momento, não sabíamos mais como subir. Lá do alto, um equatoriano gritou, desceu alguns metros e nos ajudou a encontrar o melhor lugar para escalar. Foi muito gentil e nos ajudou bastante! Antes disso, estávamos quase pensando em desistir, com medo da inclinação e da dificuldade da subida. Além disso, algumas pedras que se desprenderam quase nos acertaram. Mas essa ajuda nos trouxe mais ânimo e alguns minutos depois, chegamos ao cume, a incríveis 4698 metros de altitude, nosso recorde até então.


      A emoção era tanta, eu e Gabriela nos abraçamos e começamos a lacrimejar. O abraço foi demorado, quase de alívio por ter chegado vivo ali em cima. Não conseguíamos acreditar que tínhamos chegado ao cume do Rucu Pichincha. A sensação foi intensa, uma alegria imensa de mais um passo cumprido rumo ao objetivo final.

      Vulcão Guagua Pichincha, um dos mais ativos do Equador.
      Nos sentamos, comemos e descansamos um pouco. Percorremos toda a extensão do cume e tiramos várias fotos. Lá no alto, encontramos um guia que levava um grupo de americanos ao cume. Era do Equador (se chamava Alejo) e parecia super doido. Conversando com a gente, ele disse que já percorreu todo o Rio Amazonas saindo do Equador de barco e em suas próprias palavras: "foi uma coisa de louco!". Só ouvindo pra acreditar. Ele também nos ajudou nos informando a melhor rota pra descer o vulcão.
      Ficamos por mais alguns minutos no cume e resolvemos descer. A descida foi mais tranquila do que a subida, mas devido ao cansaço um pouco mais perigosa. Em um determinado momento, quase despenquei de um rochedo por não ter ponto de apoio para os pés. Mas não passou de um susto, se não não estaria aqui para contar a história.

      Vulcão Cotopaxi ao fundo com os seus 5897 metros.
      A trilha de volta dava uma visão limpa e direta do Cotopaxi. Foi praticamente nosso companheiro durante toda a descida. Algumas horas depois, estávamos novamente no teleférico, prontos para descer e descansar. Teríamos mais um grande desafio no outro dia: o Iliniza Norte.
       
      Mais sobre o Rucu Pichincha
      Rucu Pichincha, que significa "velho vulcão" em Quéchua, é um vulcão inativo localizado nos arredores de Quito. Seu cume está a 4698 metros de altitude em relação ao nível do mar. Sua última erupção foi em 1859 causando destruição à cidade de Quito na época. A trilha (ida e volta) ao cume é em torno de 10 km e pode demorar de 4-5 horas para ser percorrida. O Rucu Pichincha é também um dos melhores pontos de partida para aclimatação se você pretende fazer outras montanhas no Equador 👍.
       
      Mais sobre o TelefériQo
      O teleférico da cidade de Quito é um feito que traz orgulho para a população local. Ele é o meio de transporte mais acessível para quem quer subir ao cume do Rucu Pichincha. A entrada para estrangeiros (em 2018) custava USD 8.50. Para saber mais sobre horários de funcionamento ou como chegar a estação do teleférico da forma mais simples, você pode acessar o site teleferico.com.ec.
       
      Subir o Rucu Pichincha é seguro?
      Um tópico muito recorrente relacionado ao Rucu Pichincha é a questão da segurança. Anos atrás, turistas eram desaconselhados a fazer o hiking ao cume do vulcão devido a falta de segurança na trilha. Vários relatos de assaltos e violações graves foram reportados em fóruns, principalmente por volta do ano de 2010. Entretanto, o governo local tomou várias providências e agora a trilha é completamente segura e altamente frequentada por turistas e locais. Ainda se recomenda fazê-la em grupo (mais de uma pessoa).
      Já com relação à segurança ou dificuldade da trilha, eu diria que é de moderado a difícil. Não são exigidos nenhum equipamento técnico de escalada, mas a precaução é sempre bem-vinda, principalmente na parte final da subida ao cume. Como a trilha não é bem sinalizada nessa parte, a subida fica complicada. Além disso, existe o perigo constante de pedras caírem do alto e atingirem as pessoas que vem abaixo. Eu recomendaria a utilização de um capacete de escalada no mínimo ☝.
       
       
      Quer ler mais sobre as nossas viagens? É só acessar o nosso site: www.feriascontadas.com

    • Por Victor Prates
      A cidade de Quito, capital do Equador, está situada no planalto andino, em um vale rodeado por montanhas e vulcões. A 2.850 metros sobre o nível do mar, é a segunda capital mais alta do mundo (na verdade, é a primeira considerando que La Paz não é a capital da Bolívia, apenas a sede do governo).
      Quando fiquei sabendo que havia um vulcão na capital que apresentava um lindo panorama da cidade e de muitos vulcões do Equador, eu quis subi-lo imediatamente.
      Este vulcão é o Pichincha, o qual é dividido em dois cumes principais: o Guagua e o Rucu. O Guagua Pichincha é a cratera principal, porém coloquei o Rucu Pichincha como meu objetivo. Isto porque, o Rucu pode ser alcançado em apenas 1 dia e eu não tinha os dois que são necessários para fazer o Guagua. Segue abaixo mapa mostrando ambos os cumes e as trilhas para chegar neles, bem como o Teleférico e a cidade de Quito.
       
      Este relato apresentará os detalhes para você atingir o cume do Rucu Pichincha (trilha amarela do mapa acima), mas se você quiser se aventurar ao Guagua, há duas opções:
      ·         Realizar a Integral Pichinha, uma trilha bem extensa para alcançar ambos os cumes e aí o recomendado é acampar no refúgio que está na beira da cratera do Guagua. Total: 11 km e 1500 metros de ascensão por trilha (trilhas verde e amarela do mapa).
      ·         Subir de carro a estrada que sai do povoado de Lloa, bem próximo de Quito. Total: 16 km e 1900 metros de ascensão por estrada de terra (trilha azul do mapa acima).
      O meu tracklog do Rucu Pichincha foi postado na página do Wikiloc e pode ser encontrado neste link aqui. Se você quiser realizar a Integral Pichincha, recomendo que siga a descrição do Santiago González, a qual se encontra neste link.
       
      PROGRAMAÇÃO
      Como Chegar
      Antes de iniciar a trilha para o topo do Rucu, é preciso ir ao Teleférico de Quito, que fica no Bairro La Mariscal.
      Fui de taxi e paguei 4 dólares até o teleférico. Os táxis no Equador, no geral, são baratos e compensam muito se você estiver viajando em grupo. Além disso, a Uber também funciona muito bem nas ruas de Quito.
      O horário de funcionamento do teleférico é de segunda a quinta das 09:00 às 20:00 e de sexta a domingo das 8:00 às 20:00. O trajeto até o Mirador Los Volcanes dura 20 minutos. Este mirante, além de apresentar uma maravilhosa vista de Quito e seus arredores, também coincide com o ponto de início do trekking.
      Neste link você poderá ver informações detalhadas sobre o Telefériqo de Quito.
      Para retornar ao meu hostel após descer do pico, paguei 1 dólar de van até a Calle Mariscal Sucre, que é a avenida que atravessa a cidade de norte a sul. Daqui procurei táxis que me cobrassem os mesmos 4 dólares da ida, porém estavam me pedindo 10 dólares ☹. Me disseram que era por causa do trânsito, mas provavelmente foi por minha cara de gringão mesmo. Lembrando que a distância até minha hospedagem era de apenas 3 km.
      Pra minha sorte havia um ônibus que passava a 100 metros dali e que ia até a Avenida Cristóbal Cólon, a qual estava próxima da minha hospedagem. Tomei o bus de número 67 e paguei somente 25 centavos de dólar. Bem melhor que os 10 dólares do amigo taxista.
       
      Quando Ir
      A época de seca nos Andes equatorianos vai de junho a novembro. Fiz a trilha para o Rucu Pichincha em setembro e o tempo estava excelente.
      É recomendável fazer a trilha bem cedo, já que pela tarde é comum que as montanhas ao redor de Quito sejam encobertas por nuvens.
       
      O Que Levar
      ·         Calça de trekking
      ·         Camiseta
      ·         Bota ou tênis de trilha
      ·         Jaqueta corta vento
      ·         Leve segunda pele e blusa de fleece para o caso de fazer frio
      ·         Mochila pequena (< 30L)
      ·         Boné/chapéu
      ·         3 L de água
      ·         Snacks para trilha
      ·         Protetor solar
      ·         Câmera fotográfica
       
      RESUMO DE GASTOS (2017)
      ·         Água e comidas para a trilha = US$ 7,00
      ·         Táxi ao teleférico = US$ 4,00
      ·         Valor de subida e descida do teleférico = US$ 8,50
      ·         Van do teleférico até a Avenida Calle Mariscal Sucre = US$ 1,00
      ·         Ônibus até Cristóbal Cólon com Amazonas = US$ 0,25
       
      GASTOS TOTAIS = US$ 20,75
       
      O RELATO
      Numa quarta-feira de setembro, acordei às 7:00, tomei café e peguei um táxi do Bairro La Mariscal até o Telefériqo de Quito. Ele é o meio de acesso para o Mirador Los Volcanes, ponto inicial do trekking para o cume do Rucu Pichincha.
      Cheguei no Teleférico às 8:40 e, pra minha surpresa, ainda não estava funcionando. Como já disse, de segunda a quinta funciona das 09:00 às 20:00 e de sexta a domingo das 8:00 às 20:00 e só descobri isso ao chegar lá.
      Mas foi bom porque nessa espera conheci o Gal, um israelense extremamente simpático que queria fazer a mesma trilha. Pensei em perguntar da Mulher Maravilha, mas não tive coragem. Ele só me disse que é um nome comum no país (a atriz que interpreta a personagem no universo da DC é uma israelense chamada Gal Gadot. Nunca pensei que fosse falar da Mulher Maravilha num relato de viagens).
      Voltando pro que interessa... Ele me disse que não estava seguro em como seria seu desempenho em altitude, já que como o Brasil, Israel não possui altas montanhas. Então ele resolveu aproveitar o meu embalo e disposição para me acompanhar nesta empreitada.
      Compramos os bilhetes do teleférico por 8,50 dólares, que servem para subida e descida da montanha. Não perca o bilhete que você receberá, pois o mesmo também serve como comprovante de descida. Caso perca, terá que pagar mais 8,50 para descer.
      O trecho dura cerca de 20 minutos até o Mirador Los Volcanes, um mirante na cota 3.950 m que apresenta lindas vistas de Quito e dos principais vulcões do Equador. O céu estava completamente azul e a visibilidade era tremenda. De lá se podia ver lindamente os vulcões Cotopaxi, Cayambe, Antisana, Rumiñahui e Illinizas. Inclusive, é possível enxergar o topo do Chimborazo, a montanha mais alta do país, com 6.268 m de altura, e que está a 140 km de Quito!!
      Para que você possa contemplar este visual, recomendo que comece a trilha o mais cedo que puder. Explicarei o porquê mais adiante.
      Gal e eu tiramos algumas fotos do cenário e partimos para iniciar a trilha.
      Em poucos minutos de caminhada, pode-se contemplar o belo cume proeminente do Rucu Pichincha.
      Os primeiros 3,7 km são de aproximação à montanha e possuem um grau menor de dificuldade, já que a inclinação da subida não é tão acentuada.
      Porém, enquanto caminhávamos nos questionávamos por onde subiríamos até o topo, já que não era possível visualizar uma possível rota de subida. Isto porque a face que se vê do começo da trilha é de pura rocha.
      Assim que nos aproximamos da montanha, notamos que a trilha a contorna pela sua direita, por trás daquela face rochosa que vimos de longe.
      A partir deste ponto, a trilha está menos marcada, mas não há como se perder. Seguimos caminhando por detrás do pico por um terreno com uma inclinação um pouco mais elevada.
      Após cerca de 500 metros de distância, há um ponto que parece que a trilha acaba, mas é um lance em que é preciso subir uns 2 metros pela rocha mesmo. É um trecho um pouco delicado, mas não se preocupe, pois não é escalada.
      Mas a parte tensa do trekking só ia começar 500 metros mais pra frente. Neste ponto, a altitude já é um fator determinante (4.500 msnm) e é bem quando o terreno fica bem inclinado e bem arenoso, dificultando o rendimento da caminhada.
      Aqui, Gal e eu fizemos várias paradas para controlar os batimentos cardíacos e o ritmo respiratório.
      O visual era ainda mais espetacular, com a cidade de Quito lá embaixo e aquele cenário vulcânico bem característico por todos os lados.
      Deste ponto em diante, tem que tomar mais cuidado com a orientação, já que por vezes ela não é tão óbvia.
      E iniciamos a investida final para o cume. Caminhamos por meia hora por trilha bem inclinada até chegar numa placa. Daqui é preciso tornar para a esquerda para a investida final.
      Agora, percorre-se a última meia hora para o cume num terreno rochoso um pouco exposto e não muito marcado. É preciso tomar cuidado.
      Finalmente, após mais de 800 metros de desnível acumulado e 5,7 km percorridos em 3 horas, atingimos o cume do famigerado Rucu Pichincha.
      O cume do Rucu está na cota 4.784 msnm e é bem pequeno, o que proporciona um lindo visual 360º do panorama da região.
      A vista era deslumbrante. Pode-se ver todo o visual da cidade de Quito e do vale em que a cidade está situada. Também se vê todos aqueles famosos vulcões equatorianos acima citados, só que daquela perspectiva que só topos de morros podem proporcionar.
      Do cume, também se pode ver o imenso vulcão Guagua Pichincha, que fica a 4 km do Rucu. Como explicado na INTRO, o Guagua é a cratera principal e o Rucu é a cratera velha do mesmo vulcão, o Pichincha.
      Aqui no topo podem aparecer carcarás sociáveis. Acredito que os turistas devem alimentá-los. Eles são selvagens, porém é impressionante ver o quão perto eles podem chegar.
      Ficamos por uma hora contemplando o incrível cenário e iniciamos a descida.
      Se para subir foram 3 horas, a descida se deu em apenas 1h30min.
      Chegamos de volta ao teleférico próximo das 14h. Neste momento o dia já tinha mudado completamente. Se de manhã o céu estava completamente limpo, agora havia muitas nuvens no Rucu Pichincha e nem era possível ver a montanha. Ao longe também havia uma névoa que impossibilitava contemplar os vulcões dos arredores de Quito.
      E, claro, bem nesta hora tinham mais turistas, porque não são todos que preferem acordar de manhãzinha. Mas garanto que recompensa muito mais levantar cedo, mesmo se você não for subir o vulcão. Este é um padrão que se repete frequentemente em Quito: manhã de céu azul e tarde com muitas nuvens.
      Aqui, Gal se despediu de mim e desceu de teleférico primeiro, enquanto fui tirar mais algumas fotos.
      Peguei uma filinha de uns 20 minutos para tomar o teleférico da volta. Imagino que aos finais de semana deva ser bem caótico.
      E foi isso. Foi um dia delicioso, muito recompensador e bem barato.
      Espero que tenham desfrutado.
      Seguem abaixo algumas fotos deste dia.

      Rucu Pichincha visto da trilha

      Lindo vale a a cidade de Quito lá embaixo

      Vista do Vulcão Cotopaxi do Mirados Los Volcanes

      Próximo ao cume do Rucu

      Vulcão Guagua Pichincha visto do cume do Rucu

      Vista de Quito do topo do Rucu
      Postei este relato no meu blog. Você pode acompanhá-lo no link http://trekmundi.com/rucu-pichincha/
      Beijos e abraços!             
       
       
       
       


×
×
  • Criar Novo...