Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

1° dia – Chegando em BH, uai! (14/7)

 

Meu vôo estava marcado para ás 13h. Cheguei ao aeroporto o volta das 11h50, sob a chuva típica desse mês de Setembro atípico. Trânsito intenso, mas cheguei a tempo de fazer o check in.

O vôo foi um tanto turbulento no começo; segundo o comandante, era “uma linha de instabilidade sobre São Paulo” que fazia o avião sacudir bastante. Uma gordinha simpática e de rosto lindo na poltrona ao lado se abanava freneticamente. Botei meus óculos escuros e tratei de relaxar.

Chegamos em BH pontualmente ás 14h. Sol e calor. O aeroporto de Confins é afastado da cidade, assim como Cumbica em Sampa. Me dirigi até a CIT local, onde fui bem atendido. Pessoal dinâmico e atencioso. Munido de mapas e infos, saí de lá já com uma certeza: quatro dias serão poucos. BH tem muita coisa pra se ver.

Peguei o ônibus “convencional” para a rodoviária, ao preço de R$7,80. Em uma hora exata chegamos ao centro. Foi aí que começou um mini-martírio.

Infos desencontradas me fizeram rodar á toa, atrás de uma pousada. Quando encontrei, travei um diálogo surreal com a atendente:

- Olá, boa tarde!Vc tem um quarto?

- Tem sim. Preenche essa fichinha...

- Moça, onde tem um restaurante aqui?Tô cheio de fome!

- Aqui não tem restaurante não...

- Não?!Mas eu vi um aberto na outra esquina!

- Mas fica aberto só até as 18h...

- Tá certo...outra pergunta: vou dar uma volta mais tarde. Fica alguem na portaria, né?

- Olha, moço, aqui não tem porteiro não...se você sair e voltar depois da meia-noite, a chance de entrar é mínima...

- Espera...mas eu quero conhecer a cidade!

- Olha moço, aqui é uma pousada que recebe atletas, gente que dorme cedo...

- E eu vim tomar uma cerveja!

Peguei minha mochila e fui embora. Parecia que a recepcionista queria mais que eu fosse do que ficasse mesmo. No way ficar ali. Pesquisei um pouco e achei um hostel HI no bairro de Sta. Efigênia. E lá fui eu!Táxi-lotação, infos com um pipoqueiro falante a beça, e finalmente uma informação correta com o sr. Raul, um simpático aposentado que me acompanhou até o Chalé Mineiro (R. Santa Luzia, 288. tel.:31 3467 1576). Entrei e fui recepcionado por Wender, um gay bem afetado. R$23 pelo quarto coletivo, e fiquei um tempo enrolando numa mesa do lado de fora, junto á piscina. Engatei um papo com Maria, uma advogada baiana que mora em Palma de Mallorca (ESP). Conheci também duas crianças negras, mal educadas pra caramba, acompanhadas de um americano que queria adotá-las. Meio non sense a situação.

Depois de um banho, fui comer. Lasanha num botecão simples, a R$6,50, na Av. Brasil. Voltei ao hostel, onde terminei de escrever este relato, e saí para um forró que me foi recomendado lá no aeroporto, um lugar chamado A Casa.

 

2° dia – Belô

 

Acordei meio de resseca. O forró foi muito bom, animado e gente bonita. Decidi, meio de ultima hora, para onde eu iria: Lagoa da Pampulha. Banho, escolha de uma roupa leve (o calor hoje bate na casa dos 30°C) e segui para o Centro. Peguei o ônibus 9801 até a Pça. Sete, e depois o 2004 para a Pampulha. O sistema de ônibus aqui em BH funciona bem, apesar de algumas reclamações por parte de alguns. Em 30min cheguei ao estádio do Mineirão, já na entrada da Lagoa. Resolvi fazer uma visita. Paguei R$6 por uma visita de 10min. Burocrático. Pelo menos a guia, Ellen, era simpática. Cheguei até o gramado, fiz fotos; o estádio é bonito e passa uma baita energia.

Saí do estádio e caminhei até a Lagoa. É impressionante a beleza cênica deste lugar. Segui em frente até me deparar com a Igreja de São Francisco, obra de Oscar Niemeyer, assim como todo o complexo da Pampulha.

O mural, a parte interna me pareceu ser de Portinari. É um lugar lindo, realmente. Ao lado havia um carrinho que vendia coco verde gelado. Com o calor que estava fazendo, nada melhor...acabei agarrando numa conversa animada com o dono do carrinho, um belorizontino engraçado chamado Márcio. Foi ele quem me deu a dica de um ônibus turístico que circunda a Lagoa. Esperei ali com o cara bem humorado até o danado do ônibus aparecer. Quando veio, subi e paguei R$1,60. E fui até o Museu de Arte da Pampulha. O museu estava fechado: reforma. Mas o entorno do museu é muito bonito, tranquilo. Aproveitei para fotografar.

De volta á Lagoa, a dúvida: voltar até a Igreja de São Francisco e ver a Casa do Baile, ou ir para o Centro, e ver o Mercado Central?Optei pela segunda opção.

O Mercado Central fica bem no centro de BH, e comparando com o Mercadão paulistano. E tem de tudo um pouco: comida, bebibda, bichos, doces e salgados. Panela, palha, madeira, brinquedo, faca, tecido. Tudo! E alguma coisa mais.

Tomei uns chopps no Bar do Pelé, onde fui agraciado com uma porção de peixe frito pelo próprio dono. Comi, ouvi umas histórias engraçadas de tabela, e segui caminhando pelas alamedas do mercado. Fui maltratado numa loja de cachaças (cujo nome não e lembro), e acabei comprando minhas “marditas” em outos dois lugares. Nem sei quanto tempo passei ali, perdido por aqueles corredores. Lugar muito bom.

Decidi ir embora, por hoje estava bom. Além do mais, estava meio “baleado” pela noite de forró anterior...

No hostel, depois de um banho, foi á procura de uma outra casa de forró que haviam me indicado ontem: Casemiro Hot Pub. Noite de terça em BH é light, como eles mesmo dizem aqui. Pouca gente na porta, a beleza da mulher mineira sempre presente. Tomei umas brejas no carrinho de hot dog do Marquinhos, um figuraça bem conhecido da noite belorizontina, e fui embora ter um merecido descanso.

 

3° dia – Caminhando na Pena

 

Acordei com um propósito: andar a Av. Afonso Pena, a avenida mais famosa da cidade, de cabo a rabo. No dia anterior havia visto vários prédios interessantes, queria fotografá-los.

Saí do hostel por volta das 9h30. Peguei a Av. Brasil até o fim, pois queria passar na Pça. da Liberdade, um símbolo da capital mineira. Acabei conhecendo um dos lugares mais bonitos de BH.

A praça é centenária, e desde sempre foi o centro administrativo da cidade. Hoje passa por uma transformação: todos os prédios históricos do entorno da praça se tornarão centros culturais, teatros e afins.

Destaque para o futuro CCBB, um prédio simplesmente espetacular.

BH vai se tornar uma referencia na área cultural, não tenho dúvidas disso. Fiquei empolgado e emocionado.

Passei um tempão lá, andando e curtindo o coreto, os chafarizes (água limpa, e sem ninguem tomando banho dentro!) e o principal, as pessoas que passam ali. Dizem que nos fins de semana rola uma feirinha animada lá. Fica para a próxima.

Voltando pela Av. Brasil, resolvi almoçar. quarta-feira é dia de prato tropeiro. Bela pedida. Paguei barato e comi bem. Satisfeito, fui em direção á Av. Afonso Pena, pegar um taxi-lotação até o mirante, e então voltar descendo a pé.

Uma nota sobre os taxis-lotação: é um serviço que funciona muito bem. Fazem detereminada linha, no caso, toda a extensão da Av. Afonso Pena, por módicos R$2,40. Barbada!

O taxi-lotação me deixou na Pça. do Papa, e dali caminhei até o mirante. Avista ali é muito interessante, e me surpreendeu: BH é bastante grande. E funciona muito bem como cidade. “Milagre” do planejamento.

Iniciei a descida da Afonso Pena já meio cansado pelo calor. Neste trajeto vê-se muitas casas enormes, opulentas. Gente rica. O bairro é nobre.

Descia num bom ritmo, mas meu pé sem meia começou a reclamar: o atrito dos dedos no All Star já fazia estrago. Parei numa farmácia e fiz um pit stop de emergência, onde comprei um rolo de micropore e praticamente enfaixei o pé. A dor sumiu.

A caminhada já estava ficando enfadonha. Foi quando cheguei á parte baixa da avenida. Entrei no Palácio das Artes, dentro do Parque Municipal. É um centro cultural moderno, com cinema, teatro, livraria. Acabei vendo uma exposição sobre os 300 anos da Guerra dos Emboabas. E depois fui tomar um capuccino no Café do Palácio, que fica dentro do centro cultural. Muito agradável.

Já quase de noite, ainda deu tempo de visitar a Igreja São José. Tinha uma missa, eram umas 18h. O centro estava lotado, afinal BH ferve ao cair da noite. Ainda mais com esse calor.

Já no hostel, um banho rápido, e fui até um boteco ver o jogo do Atlético- MG. Torcida sanguinea; mulheres bonitas. E o Galo perdeu. Tudo normal, mineiramente normal.

 

4° dia – Adeus

 

A quinta-feira amanheceu linda, ensolarada e quente. Um dia ideal para passear. Mas eu já estava de partida.

Paguei o hostel, e saí junto com o Carlão, meu companheiro de quarto. Fomos pegar o metrô, que na verdade é um trem metropolitano. Desembarquei na rodoviária, guardei minha mochila no locker da rodô e fui dar uma volta. Antes comprei o ticket do ônibus para o aeroporto. Visitei o Parque Municipal, andei bastante por suas alamedas. É um parque lindo, realmente.

BH é uma cidade que me surpreendeu imensamente. Não só pelas belas paisagens, mas também pela sua gente.

 

Fotos: http://mgibson31.multiply.com/photos/album/65/Belo_Horizonte_Set09

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 meses depois...

  • Respostas 23
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros

Oi Marcelo!

fico feliz que tenha gostado da minha cidade!!!

Sou belorizontina e particurlamente o roteiro que vc fez foi muito bem escolhido.

O conjunto arquitetonico da Lagoa da Pampulha com as referencias modernistas de Niemeyer relamente são um espetáculo imóvel que não e canso de voltar e ver todas as vezes que posso.

 

A escolha das duas casa também me surpreendeu pois poucas pessoas até mesmo daqui conhecem o forró da Casa que é muito bacana, remete ao verdadeiro forró pé de serra e toca musicas de raiz!

O Casemiro não estou conseguindo me situar a data da sua vinda pois não lembro de forró lá... teve um projeto de Samaba organizado por três amigos meus que rolava lá dia de sábado a tarde... muito bacana pois naquela praça rola aos sabado a "Feira das Flores" tem todo um clima naquela região...

 

Estudei ali perto muitos anos.

 

Realmente a praça da Liberdade é um dos pontos mais bonitos da cidade, além do estádio do Mineirão, e a Igreja...

Faltou só visitar a Igreja de Lourdes e da Boa Viagem que são duas maravilhas da cidade também...

aliás tem outras maravilhas que qd vc quiser voltar para visitar terá sempre opções!

 

abraço!

Naiii

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 meses depois...
  • Membros

concordo com o amigo Helmasa....ver a massa chorando é um grande espetáculo realmente. rsrs

Desculpe amigo, mas comentar isso no dia do classico da brecha pra dar uma cutucada né :-)

 

Mas agora serio, o cara deve ser do RJ (pelo "to cheio de fome"...) ou de SP e se é pra ver massa a do Framengo e Curintia ja resolvem.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

marcelobaptista,

belo relato da cidade, unico ponto negativo é saber que voce escolheu o Atletico Mineiro para ver um jogo.

Mas, como vc disse, o normal aconteceu, elas perderam...hahahaha.

Brincadeira a parte!

Bacana ler um relato de alguem por nossa BH.

Abs

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • 8 meses depois...
  • Membros

Fico feliz com seu relato, pois também sou de BH. Revivi cada lugar que você visitou e me deu vontade de fazer tudo como você. Matar serviço amanhã mesmo e ir conhecer melhor a cidade me fingindo de turista. Às vezes só queremos ir pra longe e esquecemos que temos belezas onde moramos também.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 meses depois...
  • Membros

Deu pra matar a saudade de BH, já fui também em alguns desses lugares e achei um ótimo passeio.

 

A Feira da Afonso Pena é muito famosa, e gigantesca. Dá pra passar horas lá, facinho, facinho. Se não me engano, é todo domingo.

 

Uma coisa interessante em BH é o profissionalismo dos taxistas: são educados, não te enrolam, são muito bons.

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...