Ir para conteúdo
rpn

EUROTRIP! VIAJANDO PELA EUROPA GASTANDO POUCO! 60 dias 12 países e cerca de 20 cidades!

Posts Recomendados

Vou fazer intercâmbio de um mês em Malta e depois pretendo fazer um um grande mochilão pela Europa em maio e junho de 2017 (Barcelona, Paris, Londres, Bruxelas, Amsterdã, Praga e ou Budapeste, Veneza, Roma, Croácia e Grécia). Pensei em ficar 5 dias em cada cidade maior, Praga e ou Budapeste entre 2 ou 3 dias e Veneza 1 dia, ou seja, seria algo em torno de 60 dias de viagem incluindo os deslocamentos. O que acham? Qual seria a melhor ordem para visitar todos esses pontos de maneira mais econômica?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como alugar uma bicicleta em Londres

 

Algo muito legal para se fazer em Londres é alugar uma bicicleta e sair pedalando pelas ciclovias e ruas da cidade. Nesse post explicamos passo a passo como alugar uma bicicleta em Londres.

 

bicicletas-centro-Londres.jpg?resize=600%2C338

 

Em Londres você verá uma estação de aluguel de bicicletas praticamente a cada esquina. Um passeio de bike às margens do Rio Tâmisa é algo que recomendo que faça. Dessa forma, não deixe de incluir em seu roteiro ao menos uma tarde para passear de bike por Londres.

 

A prefeitura da cidade disponibiliza centenas de bikes para aluguel através de um sistema que funciona 24 horas por dia. Funciona basicamente assim: você chega até uma das centenas de estações de aluguel de bicicletas, paga uma taxa de acesso com cartão de crédito e retira uma bike. Você poderá rodar com aquela bicicleta por até 30 minutos, quando terá que devolvê-la em qualquer estação, não sendo necessário devolver na estação de origem. Após 15 minutos já poderá retirar outra bicicleta. E dessa forma poderá rodar por toda a cidade o tempo que quiser, sempre devolvendo a bike a cada 30 minutos e após 15 minutos retirando outra e assim por diante. Mas atenção: caso não devolva em 30 minutos pagará uma multa.

 

4-1.jpg?resize=600%2C338

 

Para alugar uma bicicleta em Londres existe a cobrança de uma taxa de acesso de 2 libras a diária. Lembrando que cada jornada deve ter no máximo 30 minutos e somente após 15 minutos você poderá retirar outra bike.

 

Passo a passo para alugar uma bicicleta em Londres

 

1. Vá até um terminal e siga as instruções na tela (pagamento com cartão de crédito)

 

santander-hire.gif?resize=700%2C438

 

2. Retire um papelzinho com código para cada bicicleta

 

3. Vá até uma das bicicletas e digite esse código no sistema

 

4. Espere a luz verde, retire a bike e pedale.

 

santander.ride-2.gif?resize=700%2C438

 

5. Para devolver vá até qualquer estação e encaixe a bicicleta em um terminal vago. Caso não haja nenhum vago, siga as instruções do monitor para ganhar mais 15 minutos para que possa encontrar outra estação.

 

santander-return-3.gif?resize=700%2C438

 

Aplicativo para celular

 

Uma ótima dica é baixar o aplicativo Santander Cycles disponível para celulares iOS e Android. Com ele, é possível:

 

– Obter informações atualizadas das estações mais próximas, sua ocupação e disponibilidade de bikes;

– Compra do serviço para uso de 24 horas e plano anual;

– Notificações com o custo ao fim do período contratado;

– Visualização das últimas jornadas e cobranças;

– Planejamento de rota para sua viagem de bicicleta.

 

5.jpg?resize=600%2C338

 

Aproveite mais essa dica e economize com transporte em Londres alugando uma bicicleta. Te garanto que será uma experiência muito agradável. Além da cidade ser linda, ela é toda plana, então pedalar por lá vai ser moleza!

 

Não deixe de acompanhar o relato dessa incrível viagem de 60 dias pela Europa!

 

Um grande abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

País de Gales – Inclua em sua Eurotrip

 

O País de Gales ainda não é muito visitado pelos brasileiros. Nesse post vamos te dar muitos motivos para incluí-lo em sua Eurotrip! Durante a minha permanência em Londres, reservei um fim de semana para conhecer o País de Gales. Foram apenas três dias por lá, passando pela capital Cardiff e pela cidade de Swansea. Mas se possível reserve um tempo maior para Wales, pois há muito a ser visto por lá! E o melhor de tudo: você pode fazer isso gastando pouco!

 

castelo-de-caernarfon.jpeg?resize=600%2C398

 

Os castelos do País de Gales

 

O País de Gales ou Wales em gales, possui 641 castelos medievais em seu território (cerca de 200 estão em ruínas), sendo certamente um dos principais destinos do mundo para ver castelos. Os castelos serviam para abrigar exércitos e como quartel general que controlava determinado território. A maioria era parte de cidades fortificadas e protegiam os vilarejos ao redor em épocas de guerra e ataques. Depois foram transformados em residências para lordes e reis e com a chegada da Idade Moderna, eles perderam suas funções militares e passaram a funcionar como residências para a nobreza ou foram abandonados.

 

O país nunca foi invadido pelos anglo-saxões, devido a seu povo, que tinha enorme desejo de proteger suas terras, e devido ao terreno montanhoso, que impedia a passagem. O País de Gales permaneceu céltico e o seu povo continuou a falar a língua galesa mesmo depois de os elementos célticos das vizinhas Inglaterra e Escócia terem desaparecido gradualmente. O nome Wales é prova disso, uma vez que provém de uma palavra de raiz germânica que significa estrangeiro e está, assim, relacionada com os nomes de várias outras regiões europeias onde os povos germânicos tomaram contacto com culturas não-germânicas.

 

gales_bandeira_brasao.jpg?resize=400%2C202

 

O País de Gales situa-se numa península da Grã-Bretanha. Faz fronteira com a Inglaterra a leste, com o canal de Bristol a sul, e com o mar da Irlanda a norte e Oeste. Fazem parte do País de Gales diversas ilhas no norte e ao longo da costa ocidental. Anglesey é a maior.

 

É um principado desde o século XIII, hoje anexado ao Reino Unido. O Decreto de União de 1536, aplicou a Lei Inglesa tanto à Inglaterra como a Gales, fazendo do inglês a língua a ser usada para fins oficiais.

 

castelo-de-caernarfon.jpg?resize=600%2C398

 

Como chegar no País de Gales

 

Cardiff, a capital do País de Gales, fica a cerca de 250 quilômetros de Londres. Essa distância pode ser percorrida em pouco mais de duas horas de trem ou cerca de 4 horas de ônibus.

 

A forma mais econômica de chegar a Cardiff a partir de Londres é viajando de ônibus com a empresa Mega Bus. Para quem não conhece, essa é uma companhia de ônibus low cost que opera em toda a Europa, Estados Unidos e Canadá. Os ônibus são excelentes, em sua maioria com ar condicionado ou aquecedor, wi-fi, descanso para as pernas, etc. E as passagens custam a partir de incríveis £3 por trecho.

 

Aqui vai a dica: compre suas passagens com antecedência! Normalmente a partir de 15 dias de antecedência é possível encontrar poltronas por apenas £3. A empresa normalmente disponibiliza duas poltronas por horário com esse valor simbólico. Então para viajar gastando apenas £3 por trecho você precisará comprar as passagens com alguma antecedência através do site da Mega Bus.

 

Há trens ligando Londres ao País de Gales, porém os preços são bem mais altos. É possível comprar passagens através da Internet ou nas máquinas existentes em qualquer estação de trem ou metrô de Londres.

 

O que fazer em Cardiff

 

Bem no centro da cidade está o Cardiff Castle, cujo forte foi erguido em 50 a.C., segundo indicam achados arqueológicos. A entrada custa 12 libras. A sala de banquetes ainda é utilizada raras vezes para almoços e jantares formais, como o oferecido a Nelson Mandela, em 1998, ou pela família real britânica.

 

castelo-de-cardiff.jpg?resize=600%2C338

 

Dentro do espaço do Castelo estão as ruínas do velho castelo e sua reconstrução, o Palácio Vitoriano (uma espécie de reconstrução do velho castelo), a Torre do Relógio, a Torre de Menagem e o Museu do Regimento.

 

DSCF0093-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

Abaixo as ruínas das muralhas do castelo. Em seu interior ficavam os calabouços para prisoneiros e os alojamentos para os guardas. O acesso a algumas partes do interior da muralha é permitido e está incluso no ingresso.

 

DSCF0116-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

Cardiff Bay é um enorme lago de água doce, com um grande calçadão, onde as pessoas vão para se exercitar ou para passar o tempo. O contraste entre construções antigas e modernas é visível. O Wales Millennium Centre, aberto em 2004, é ponto de encontro das artes e cultura. Próximo fica o Parlamento do País de Gales, todo em vidro e aço, com telhado em ondas se projetando para o céu e paredes que refletem as águas da baía.

 

Wales.Millennium.Centre.jpg?resize=600%2C450

 

O Millennium Stadium é um dos maiores estádios do mundo, com capacidade para 74.500 pessoas. Você poderá se juntar a uma excursão guiada e entrar na sala de conferência, nos vestiários, passar pelo túnel que os jogadores utilizam e até entrar na sala do Presidente e conferir a coleção de troféus.

 

DSCF0134-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

Você ainda pode circular pelas ruas e jardins vitorianos e eduardianos. Há um mercado coberto do século 19 e charmosas galerias com teto de ferro.

 

castelo-cardiff.jpg?resize=600%2C338

Como chegar em Swansea

 

A outra cidade que visitei no País de Gales se chama Swansea. É a segunda maior cidade do país e está localizado a uma hora de viagem de Cardiff. Para quem curte roteiros de viagem alternativos, longe dos grandes centros turísticos, Swansea pode ser uma agradável surpresa, com direito a uma linda vista para o mar. É fácil ir, tem ônibus e trem do centro de Cardiff.

 

DSCF0063-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

O que fazer em Swansea

 

Swansea está na península de Gower, o qual foi o primeiro lugar no Reino Unido a ser reconhecido como uma Área de Excepcional Beleza Natural, com suas falésias e lindas praias, incluindo a Rhossili Bay, considerada a praia mais bonita do Reino Unido, a terceira da Europa e a nona no mundo.

 

Rhossili-Bay-1.jpg?resize=600%2C400

 

Chegando em Swansea procure pelo guiché de informações turísticas e pegue um mapa e pergunte sobre o ônibus que vai até a ponta Rhossili. Avise ao motorista que você quer descer nas praias e depois ir até Rhossili. Rhossili fica a aproximadamente 30 quilômetros do centro da cidade.

 

Dica: Compre o Passe diário de ônibus. Assim fica mais fácil chegar aos pontos de interesse e conhecer o maior número possível de locais em um só dia.

 

Outra praia famosa é a Caswell Bay que fica bem mais próxima que Rhossili Bay, cerca de 14 quilômetros do centro de Swansea.

 

Swansea-praia.jpg?resize=600%2C338

 

O Swansea Castle foi construído no século XII e está localizado bem no centro da cidade, sendo fácil chegar lá caminhando.

 

Swansea-Castle.jpg?resize=600%2C351

 

Outro castelo é o Oystermouth Castle, que fica na praia de Mumbles, a 7 quilômetros do centro. Você pode pegar um ônibus, um táxi ou ir caminhando. Esse Castelo é aberto a visitação.

 

DSCF0071-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

No Mercado de Swansea você vai encontrar mais de 100 barracas que vendem uma variedade de diferentes alimentos de Gales. O mais famoso mercado do País de Gales é conhecido por vender “laverbread” (pão de algas fervidas em uma pasta picante), berbigão de Penclawdd, bolos galeses na chapa,carne e legumes da região de Gower e Pembrokeshire. Além disso é um ótimo local para comprar artesanato.

 

Como dissemos no início do post, há muita coisa para ser vista no País de Gales. Existem muitos outros locais e cidades interessantes para visitar. Não deixe de incluir o País de Gales no seu roteiro pela Europa! Com certeza você não vai ser arrepender!

 

DSCF0092-Copy.jpg?resize=600%2C450

 

Não deixe de acompanhar o relato dessa incrível viagem de 60 dias pela Europa!

 

Assine nosso blog e receba por email um aviso a cada nova postagem!

 

Nos siga também em nossas redes sociais!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Passagens baratas Eurostar de Londres a Paris

 

Quer saber como encontrar as passagens mais baratas para o trem da Eurostar de Londres para Paris? É possível economizar bastante com as passagens desse trem de alta velocidade .

 

eurostar.jpg?resize=600%2C337

 

Vantagens em ir de trem de Londres para Paris

 

Infelizmente viajar de trem não é algo muito comum aqui no Brasil. Já na Europa isso é cotidiano. Algumas das vantagens de viajar de Londres a Paris ou vice-versa de trem são:

 

O trem parte de uma estação localizada no centro de Londres, a St. Pancras e chega na Gare du Nord, no centro de Paris. Dessa forma não são necessários grandes deslocamentos como quando se viaja de avião, já que os aeroportos normalmente estão localizados em uma região afastada do centro das cidades. Além disso, as estações do trem possuem conexão com transporte público, tornando o traslado mais barato.

O check-in para viagem de trem é feito com 30 minutos de antecedência e a viagem leva apenas 2 horas e 15 minutos. Assim ganhasse tempo, não sendo necessário chegar com 2 horas de antecedência, como ocorre nos voos internacionais.

A imigração para entrar na França ou no Reino Unido é feita no país de origem e o procedimento é bem rápido. Chegando em Paris ou em Londres, é só desembarcar e sair da estação, sem burocracias.

Maior tolerância com a quantidade de bagagem transportada do que as companhias aéreas. A mala acompanha o passageiro o tempo todo.

Os trens são pontuais. Raramente ocorrem atrasos.

 

trens.jpg?resize=600%2C399

 

Imigração nas viagens do Eurostar

 

Como o Reino Unido não faz parte do tratado de Schengen, que garante a livre circulação na União Europeia, você deve ter em mãos todos os documentos necessários para imigração, mesmo que você tenha ido passar só um dia em Paris.

 

408889_364687583545142_520904698_n.jpg?resize=600%2C450

 

Como é viajar no Eurostar

 

Chegue na estação com pelo menos 30 minutos de antecedência por causa da imigração. Imprima sua passagem e na estação basta passar o código de barras no leitor da catraca e o acesso a estação será liberado.

 

Em seguida você passará pelo raio x das malas, que ficarão o tempo todo com você. Não há despacho de bagagem. Depois do raio x vem a imigração e então a sala de espera.

 

Aproximadamente 15 minutos antes da hora da partida é feito o anúncio do embarque. A sala de embarque fica embaixo das plataformas e você sobe por meio de esteiras rolantes para a plataforma em que o trem está estacionado.

 

As malas te acompanham no trem. Nas extremidades dos vagões há lugares especiais para malas grandes e a bagagem de mão pode ser acomodada no guarda-volumes em cima das poltronas.

 

Os trens são bastante confortáveis e existe um vagão restaurante. Alcançam até 300 quilômetros por hora. A viagem dura 2 horas e 15 minutos, e quando você chega já está no centro da cidade, o que é muito mais prático do que desembarcar nos aeroportos internacionais.

 

408935_364687660211801_887527562_n.jpg?resize=600%2C450

 

Como comprar passagens baratas do Eurostar

 

Compre as passagens diretamente no site da Eurostar e com antecedência de pelo menos 60 dias, assim você conseguirá comprar as passagens com a menor tarifa ofertada. Os preços das passagens de trem entre Paris e Londres variam bastante, mas comprando online com antecedência você vai encontrar as passagens mais baratas por 39,50 libras. Esse é o menor preço que a companhia disponibiliza.

A tarifação das passagens funciona de forma parecida com a das passagens de aéreas. Se comprar com antecedência irá pagar menos, se deixar para a última hora irá pagar bem mais. Então a dica para encontrar passagens baratas no Eurostar de Londres para Paris, ou vice-versa, é comprar com antecedência. É possível comprar as passagens com até quatro meses de antecedência, dessa forma não há deixe para comprar na véspera e acabar pagando muito mais caro.

 

Evite comprar através do site da RailEurope. Sua única vantagem é ser um site de fácil navegação e totalmente em português. Entretanto nem sempre ele mostra todos os horários e na maioria das vezes cobra uma sobretaxa pelo serviço prestado. Só compre por lá caso tenha certeza que o preço é o mesmo ofertado no site da Eurostar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá viajante!

 

Vai para Paris mas a grana está curta? Nesse post damos muitas dicas de como economizar na cidade luz. Paris já foi declarada a segunda cidade mais cara do mundo pelo jornal britânico The Economist e pelo ranking do Tripadvisor, ficando atrás somente de Londres. Nos posts sobre Londres já mostramos como é possível economizar por lá e agora vamos mostrar que é possível conhecer a capital Francesa gastando pouco.

 

Torre-Eiffel.jpg?resize=600%2C450

 

Descontos e gratuidades em Paris

 

Muitos pontos turísticos da cidade dão um bom desconto para menores de 25 anos. Sempre pergunte se há desconto para jovens.

Os museus e monumentos da França são gratuitos para todos os menores de 18 anos e para jovens de 18 a 25 anos residentes em algum país da União Europa, independente da nacionalidade ou se é ou não estudante.

A maioria dos museus parisienses são gratuitos no primeiro domingo de cada mês, incluindo o do Louvre.

Se você é professor ou jornalista leve sua carteira profissional, pois os museus da cidade concedem entradas para esses profissionais.

Não se enquadra em nenhum destes casos? Pois saiba que há lugares que oferecem preços especiais, mais baixos, em determinados horários. O Louvre, por exemplo, oferece a visita noturna (18h às 21h45) por 6 euros, 3,50 a menos que a visita normal.

 

Louvre.jpg?resize=600%2C450]

 

Economizando nas demais atrações

 

Se você subir ao topo da Torre Eiffel, que é o ponto mais alto de Paris, não precisar gastar para subir em nenhuma outra atração. Da torre se tem a vista mais ampla da cidade.

Se quiser economizar alguns euros, pode optar por subir até a parte baixa da torre de escadas e só pegar o elevador de lá para o topo.

Visite apenas o interior da Catedral de Notre Dame, assim como apenas a parte exterior do Arco do Triunfo.

Caminhe de uma atração para a outra. Andar pela cidade é muito agradável e é possível percorrer praticamente todo o circuito turístico a pé.

 

Rio-Sena-8.jpg?resize=600%2C450

 

Economizando com Alimentação

 

Encontrar um restaurante barato em Paris é uma missão quase que impossível. A dica é procurar restaurantes a duas ou três quadras dos pontos turísticos. Após caminhar um pouco com certeza você irá encontrar opções mais econômicas e não menos saborosas.

Como em quase toda cidade europeia, os restaurantes árabes e orientais são uma boa pedida para quem quer economizar.

Crepes e sanduíches que você compra para levar são as opções mais econômicas em Paris.

Não teve jeito, não achou nada que combine com o seu bolso ou com o seu paladar? Há um McDonald`s sempre perto de você!

Peça água da torneira ao invés de água mineral. Isso é super comum na Europa e você vai economizar muito com isso.

Use e abuse dos supermercados. Em todos você irá encontrar muitas opções de comida para levar para lanche ou refeição. Saladas, sanduíches naturais, comida de microondas são opções para baratear seus custos com alimentação em Paris.

 

Use o transporte Público

 

O metrô de Paris possui 16 linhas identificadas por cores e mais de 300 estações. Anote a cor e o nome de todas as estações mais próximas das atrações que você vai visitar. A maioria das estações de Paris tem os mesmos nomes das atrações próximas.

Se você não se incomoda em caminhar, trace um roteiro na véspera para o seu percurso e no fim do dia retorne de metrô. Além de realmente conhecer e ver tudo que a cidade tem para oferecer, você só irá gastar um bilhete por dia.

Se você não gosta ou não pode andar tanto, compre o passe de dez viagens. Assim você economiza e não perde tempo nas filas da bilheteria.

A estação Gare du Nord é uma das maiores e principais de Paris. Dela você pode chegar ao aeroporto Charles de Gaulle em torno de 40 minutos, pegando os trens RER. Não gaste com táxi ou transfers, vá de trem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estava ansioso pela chegada em Paris isso muito me interessa vou continuar acompanhando as dicas! :-)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

R3nato,

muito obrigado pelo comentário! Fico muito feliz de saber que estou te ajudando!

Um abraço!

 

Estava ansioso pela chegada em Paris isso muito me interessa vou continuar acompanhando as dicas! :-)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Roteiro para 4 dias em Paris

 

Eu reservei 3 dias cheios para conhecer Paris e um dia para conhecer Versalhes. Cheguei de trem de Londres e de Paris segui de ônibus para Bruxelas.

 

Após 29 dias em Londres eu desembarquei em Paris no trem da Eurostar na estação Gare du Nord, no centro de Paris. Como a imigração é feita na origem nas viagens da Eurostar entre Londres e Paris e vice-versa, desembarquei do trem e segui as placas em direção ao metrô de Paris, pois utilizei o transporte público para chegar ao hostel em que me hospedei.

 

Rio-Sena-8.jpg?resize=600%2C450

 

Hospedagem barata em Paris

 

Paris já foi declarada a segunda cidade mais cara do mundo pelo jornal britânico The Economist e pelo ranking do Tripadvisor, ficando atrás somente de Londres. Encontrar uma hospedagem boa, barata e bem localizada em Paris é muito complicado. Como viajei com orçamento apertado, após muita pesquisa acabei chegando ao site de um albergue com preços bem acessíveis e essa é a minha dica de hospedagem barata em Paris. O Aubergue Internacional des Jeunes é um dos Albergues mais barato e bem localizado de Paris. Com tarifas a partir de 13 euros fica localizado no bairro da Bastilha, com estação de metrô praticamente na porta. O café da manhã é bem simples e não é a vontade, um funcionário te serve e não é permitido repetir. O banheiro é compartilhado e unissex. Além da falta de privacidade, o banheiro é bem apertado e escuro. Atenção: o albergue tem uma política de só alojar jovens de até 30 anos, porém quando estive por lá eu estava com 32 anos e enviei um email e me disseram que eu poderia me hospedar normalmente. De toda forma, se você tem mais de 30 anos, envie um e-mail a eles antes de realizar sua reserva. Se você procura hospedagem barata eu indico esse albergue, mas tenha em vista os problemas que citei. Pelo preço e localização eu me hospedaria lá novamente.

 

Bastilha-3.jpg?resize=600%2C450

 

Meu roteiro para 4 dias em Paris

 

Eu reservei 3 dias cheios para conhecer Paris e um dia para conhecer Versalhes. Cheguei na cidade muito empolgado e ansioso para conhecer todos os monumentos e paisagens que durante toda vida eu vi em filmes e fotos. Assim que fiz o check in no albergue já sai para bater perna e conhecer a cidade.

 

DICA: Se você gosta de caminhar, faça todos (ou quase todos) os deslocamentos por Paris a pé. A volta completa do primeiro dia não terá em torno de dez quilômetros. Já no segundo e terceiro dias a distância será ainda menor, em torno de três a quatro quilômetros.

 

Rio-Sena-6.jpg?resize=600%2C450

 

Primeiro dia: Programe-se para sair bem cedo do hostel e só voltar no fim da noite. No primeiro dia caminhe muito e veja a maioria das atrações apenas pelo lado de fora.

 

O percurso que eu fiz nesse dia foi: Jardins du Trocadéro – Torre Eiffel – Champ de Mars – Arco do Triunfo – Champs Élysées – Place de la Concorde – Jardin des Tuileries e Museu do Louvre.

 

Pegue o metrô e desça na estação próxima a Torre Eiffel. A região é encantadora e além da torre existem alguns parques e jardins. Se o tempo estiver bom aproveite para subir ao topo da torre. Entretanto se o tempo estiver fechado deixe para subir em um outro dia em que o tempo estiver melhor.

 

Torre-Eiffel.jpg?resize=600%2C450

 

Os jardins du Trocadéro compõe uma bela praça localizada de frente ao Rio Sena e com uma vista privilegiada da Torre Eiffel. Da Torre Eiffel, após a sua subida ou não, vá para a Champ de Mars ou Campo de Marte, que é uma das maiores áreas verdes de Paris.

 

De lá siga para o Arco do Triunfo, passando pela Avenue Kléber, uma das mais belas da região, onde estão localizadas as embaixadas de diversos países. Caminhando em linha reta pela Avenue Kléber você chegará ao Arco do Triunfo.

 

arco-do-triunfo.jpg?w=650

 

Do Arco do Triunfo pegue a Champs Élysées em direção a Praça da Concórdia e finalmente o Museu do Louvre.

 

A Champs ÉlyséesMas é um dos pontos turísticos mais visitados de Paris. Considerada a avenida mais elegante do mundo, é chamada de “la plus belle avenue du monde” pelos franceses.

 

O roteiro do primeiro dia termina no Museu do Louvre. Aproveite para tirar fotos no lado externo e deixe para voltar e conhecer o interior do Museu no seu segundo dia em Paris.

 

399540_364684303545470_434396496_n.jpg?resize=600%2C450

 

Segundo dia: Dedique, pelo menos, a manhã inteira desse dia para visitar o Museu do Louvre.

 

Ele é sem dúvidas um dos mais completos do mundo, repleto de obras de arte, arqueologia e pinturas. O Museu está instalado no que antigamente foi o Palácio Real e possui coleções reunidas durante séculos pela monarquia francesa e compra de itens a partir do século XIX.

 

As Principais obras do Louvre são a Mona Lisa de Leonardo da Vinci, A Virgem e o Menino com Santa Anna de Leonardo da Vinci, as Múmias do Egito e os Sarcófagos.

 

Depois do Louvre vá para a Cathédrale Notre-Dame, onde você pode chegar caminhando através de uma caminhada gostosa, às margens do Sena com bastante arquitetura.

 

402360_364675263546374_195693341_n.jpg?resize=600%2C450

 

399805_364685923545308_1670269508_n.jpg?resize=338%2C450

 

A Catedral de Notre-Dame possui um estilo gótico e é uma das mais antigas da França, foi construída a partir do ano 1163 até o ano 1245. Foi dedicada à Maria, mãe de Jesus, de aí vem seu nome “Nossa Senhora”

 

Por último, visite a Praça do Município (Hôtel de Ville em francês). É neste edifício que funcionam as instituições do governo municipal de Paris, ele está localizado na praça de mesmo nome. Como curiosidade, desde 1357 que esse edifício hospeda os escritórios públicos, é de lá que o prefeito cuida da administração da cidade desde 1977.

 

DSCF0371.jpg?resize=600%2C450

 

Terceiro dia: Visite o Sacré Coeur, a Basílica do Sagrado Coração. A vista lá de cima é espetacular. Depois vá ao Moulin Rouge, que fica na mesma região, a qual está lotada de cafés e os melhores restaurantes de Paris. Para finalizar, delicie-se com as Galeries Lafayette, que tem muita acessibilidade por quase todas as linhas do metrô. É um dos shoppings mais famosos do mundo, um lugar elegante e a decoração é linda.

 

398497_364687033545197_1075767508_n.jpg?resize=600%2C450

 

Quarto dia: Depois de três dias passeando por Paris, reservei um dia para fazer um bate e volta a Versalhes, para conhecer o Palácio de Versalhes e seus magníficos jardins.

 

O incrível e vasto Palácio de Versalhes foi construído como um mundo de luxo privado para os reis da França, isolando-os de todas as mazelas e agitação de Paris. Foi a residência dos reis Louis XIV, Luís XV e Luís XVI, desde 1682 até 1789, quando a família real foi forçada a se mudar para Paris.

 

A parte mais famosa do palácio são os seus jardins, que se mantém praticamente como nos tempos de Luís XIV, com canteiros, estátuas espalhadas, enormes vasos com flores e fontes ricamente trabalhados.

 

Como chegar ao Palácio de Versalhes

Para chegar do centro de Paris a Versalhes, pegue o trem RER da linha C para a estação Versailles-Rive Gauche. Observe que nem todos os trens da linha C vão para a estação Versailles-Rive Gauche.

Da estação ao Palácio, basta sair pela porta frontal, atravessar a rua e seguir para direita.

 

Jardins-Pal%C3%A1cio-Versalhes-12.jpg?resize=600%2C450

 

Jardins-Pal%C3%A1cio-Versalhes-2.jpg?resize=600%2C450

Gratuidade

 

O Acesso ao Palácio de Versalhes e aos seus jardins é gratuito para todos nos primeiros domingos dos meses de novembro, dezembro, janeiro, fevereiro e março. Já para menores de 18 anos, menores de 26 anos residentes na União Européia e para pessoas com deficiência física e seus acompanhantes a entrada sempre é gratuita.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O que fazer em Bruxelas na Bélgica

 

Eu reservei dois dias para conhecer a cidade que possui pouco mais de um milhão de habitantes, é a capital da União Européia e uma das mais bonitas da Europa. Cheguei de ônibus de Paris e de lá segui de ônibus para Amsterdam.

 

Grand-Place.jpg?resize=768%2C576

 

Como chegar em Bruxelas

 

Eu optei por ir de Paris para Bruxelas de ônibus. É com certeza o meio de transporte mais barato entre as duas cidades. Pela Megabus é possível encontrar passagens a partir de 13 euros entre as duas cidades.

 

Outra opção são os trens da Eurostar (via Londres ou Paris) ou Thalys (via Paris ou Amsterdam). Viajar de trem na Europa costuma ser mais caro que viajar de ônibus, entretanto os trens costumam ser mais confortáveis e mais rápidos. Se você encontrar passagens de trem com pouca diferença de preço em relação as de ônibus, eu te recomendo que opte por ir de trem.

 

Bruxelas-2.jpg?resize=768%2C576

 

Hospedagem em Bruxelas

 

Fiquei hospedado no ]]MEININGER Hotel Brussels City Center. O MEININGER é uma mistura de hotel com hostel, já que possui infraestrutura de hotel porém disponibiliza também quartos compartilhados. Limpo, quartos amplos com excelente banheiro interno, boa localização, apesar de um pouco afastada do centro, com ônibus, tram e metrô bem perto, sendo possível conhecer a maioria dos atrativos caminhando.

 

Porque visitar Bruxelas

 

Bruxelas foi uma das cidades que eu mais gostei na Europa. Talvez tenha sido a atmosfera de cidade pequena ou o bom acolhimento por parte dos belgas, o fato é que adorei Bruxelas e sai de lá com a certeza de que poderia ter reservado um tempo maior para a cidade. Os principais pontos turísticos podem ser conhecidos em apenas um dia, mas os bares, as cervejas artesanais, os waffles, as batatas fritas e os chocolates belgas merecem muito mais tempo. Mas tudo bem, são motivos para eu voltar a cidade.

 

Principal cidade da Bélgica, é a capital do país e da União Européia. Possui lindas construções no estilos gótico, barroco, neogótico e clássico, sendo que algumas possuem mais de 300 anos. Lá estão os maiores museus de miniaturas e carros antigos da Europa. É considerada a capital mundial da cerveja, chocolate e do waffle.

 

waffles.jpg?resize=600%2C400[img][/img]

 

O país adota o euro como moeda e possui três línguas oficiais: francês, flamengo (parecido com o holandês) e o alemão. Em Bruxelas a maioria das pessoas fala francês, porém o inglês é falado por boa parte da população.

 

O que fazer em Bruxelas

 

Uma das principais atrações de Bruxelas é a Grand Place, uma praça retangular repleta de lindas construções como o Hotel de Ville (prefeitura da cidade) e um prédio branco decorado com 137 pequenas estátuas que representam reis, santos e outras figuras alegóricas. A praça é Patrimônio Mundial da Unesco desde 1998.

 

Hotel-de-Ville.jpg?resize=768%2C1024

 

 

Outra atração muito procurada pelos turistas é a Manneken Pis, uma fonte com uma pequena estátua de bronze de um menino fazendo xixi. É um dos grandes cartões postais da cidade. O monumento original, construído em 1388, foi roubado e destruído em 1619, sendo reconstruído e mantido no local até hoje.

 

Manneken-Pis.jpg?resize=768%2C576

 

O Palácio Real , onde são realizadas reuniões do Rei, Chefe de Estado Belga, é outra atração da cidade. Construído no século XVIII, é um dos mais bonitos prédios da cidade e simboliza o sistema de governo, que é a monarquia constitucional. O palácio recebe visitas somente durante o verão.

 

O famoso Atomium é uma construção em forma de átomo que foi construída para uma exposição temporária (assim como a Torre Eiffel) em 1958. O sucesso foi tanto que ela não foi desmontada e é hoje uma das principais atrações de Bruxelas. Dentro da estrutura de 102 metros de altura, os visitantes podem passear pelas esferas e ver as exposições sobre a história do edifício e outros temas ligados à ciência, além de apreciar uma bela vista panorâmica de Bruxelas. Fica aberto todos os dias das 10:00 às 18:00h.

 

Atomium.jpg?resize=600%2C450

 

Cerveja Belga

 

São deliciosas. Consideras por muitos as melhores cervejas do mundo, disputam com as cervejas alemãs esse título. Se você gosta de uma boa cerveja, Bruxelas é uma cidade que não pode faltar no seu roteiro pela Europa.

 

O melhor de tudo é poder pagar bem menos do que pagaria aqui no Brasil por uma cerveja importada de lá. Ainda pode provar as diversas cervejas artesanais. Muitos bares produzem suas próprias cervejas. Uma dica legal para quem viaja pela Europa é sempre perguntar pela cerveja local, principalmente se estiver na Bélgica ou Alemanha.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O que fazer em Amsterdam

 

Amsterdam é uma das cidades mais caras da Europa. Mas mesmo lá é possível economizar. Se você quer viajar barato para Amsterdam, não deixe de de ler esse post! Eu reservei três dias completos para conhecer a cidade. Cheguei de ônibus de Bruxelas e de lá segui de ônibus para Berlim.

 

A linda Holanda, com seus belos canais e bela arquitetura, é um país evoluído social e culturalmente. Possui transporte público, saúde e educação de alta qualidade e tabus que ainda existem em boa parte do resto do mundo já foram superados por lá.

 

canais-amsterdam.jpg?resize=600%2C450

 

Como chegar em Amsterdam

 

Eu optei por ir de Bruxelas para Amsterdam de ônibus. É com certeza o meio de transporte mais barato entre as duas cidades. Pela Megabus é possível encontrar passagens a partir de 11 euros e o tempo de viagem é de apenas 2:45 h.

 

Outra opção são os trens da Eurostar (via Londres ou Paris) ou Thalys (via Paris ou Bruxelas). Viajar de trem na Europa costuma ser mais caro que viajar de ônibus, entretanto os trens costumam ser mais rápidos e confortáveis.

 

Hospedagem em Amsterdam

 

Hospedagem em Amsterdam é extremamente cara, estando os preços no mesmo nível de Londres e Paris. Após muita pesquisa eu decidi ficar noHans Brinker Budget Hotel. É dos hostels mais baratos da cidade. Eles oferecem quartos coletivos e individuais. É uma opção boa, tendo em vista o custo benefício. Os quartos coletivos possuem armários e banheiro interno. Existe um restaurante/bar dentro do hostel com ótimos preços tanto das refeições quanto das bebidas. Todos os dias acontece a Happy Hour, onde você compra um Chopp e leva dois, além dos alguns pratos serem vendidos com preços promocionais. A localização é excelente, sendo possível ir a todos os pontos de interesse da cidade caminhando.

Pr%C3%A9dios-tortos-Amsterdam.jpg?resize=600%2C450

 

Porque visitar Amsterdam

 

Amsterdam é uma cidade diferenciada de qualquer outra que você já visitou. Seus meios de transporte não são poluentes, sendo a bicicleta o mais popular. Vistas espetaculares e arquitetura diversificada, podem ser apreciadas a partir dos canais. É uma cidade aberta, multicultural e cosmopolita. Amsterdam é conhecida por seu caráter multirracial, inclusiva e acolhedor. Em sua história, sempre estreitamente ligada ao comércio, são acostumados a receber pessoas de todo o mundo.

 

É verdade que muita gente, principalmente jovens europeus, vão a Amsterdam interessados nas liberdades que o país garante, como permissão de uso de algumas drogas e a prostituição. Uma das coisas que mais atraem alguns turistas são os coffee shops onde a maconha pode ser consumida sem o menor problema. Entretanto, para a imensa maioria dos visitantes o binômio sexo-drogas é quase irrelevante, rendendo no máximo um passeio rápido ao bairro da Luz Vermelha e fotos do lado de fora de algum dos coffe shops.

 

Amsterdam-coffee-shop-1.jpg?resize=600%2C450

 

O que fazer em Amsterdam

 

Uma das principais atrações da cidade é o Vondelpark. É o mais conhecido parque de Amsterdam e fica bem no centro da cidade. Os moradores utilizam o parque para passear com seus lindos cachorros, caminhar, correr, andar de bicicleta e praticar esportes em geral. Alguns também vão para lá para fumar maconha, o que normalmente acontece em áreas mais isoladas.

 

DSCF0437.jpg?resize=600%2C450

 

Visitar a Museumplein, a praça dos museus, onde estão os três principais museus de Amsterdam: Rijksmuseum, Van Gogh e o Stedelijkmuseum, o museu de arte moderna. Eu achei muito alto os preços dos museus em Amsterdam. Como eu já havia visitado muitos museus gratuitos em Londres e o Louvre em Paris, acabei não entrando em nenhum museu de Amsterdam.

 

735009_583182141695684_561218594_n.jpg?resize=600%2C450

 

É nessa praça que está localizado o famoso letreiro IAMSTERDAM, ponto de parada obrigatória para fotos. Com letras de mais de 2 metros de altura, o slogan mede pouco mais de 23 metros de largura. Situa-se na parte de trás do Rijksmuseum, na Museumplein.

 

Iamsterdam.jpg?resize=600%2C450

 

Se perder nas centenas de canais e pontes de Amsterdam é algo fascinantes. Você pode alugar uma bicicleta ou caminhar e apreciar a arquitetura e a natureza. É interessante que existem muitas casas nos canais e também muitos barcos que são usados como moradia. Atualmente eles abrigam mais de 600 casas-barcos. Esse é com certeza um dos programas mais agradáveis para se fazer na cidade, e o melhor tudo, não custa nada.

 

Fazer um passeio de barco pelos canais é quase que obrigatório. Ver a cidade de dentro dos canais é espetacular. Eu adoro fazer passeios de barcos nas cidades por onde eu passo e o de Amsterdam foi um dos que eu mais gostei na Europa. Várias empresas fazem diferentes tipos de passeios, sendo que o mais básico custa €15 e tem duração de aproximadamente uma hora e meia.

 

Barco-Amsterdam.jpg?resize=600%2C450

 

A Damsquare, ou Praça Dam é o coração da cidade, a maioria dos visitantes que passam por Amsterdam acabam conhecendo a praça, mesmo que sem querer. Lá estão o Palácio Real, construção do século XVII de onde o irmão de Napoleão governou os Países Baixos durante a ocupação francesa, além do Obelisco e muita movimentação de locais e turistas.

 

Já ouviu falar do livro “O diário de Anne Frank”? Annelies Marie Frank (12 de junho de 1929 – fevereiro de 1945) foi uma adolescente alemã de origem judaica, vítima do Holocausto. Nascida na cidade de Frankfurt, ela viveu grande parte de sua vida em Amsterdã, onde perdeu sua cidadania alemã. Sua fama póstuma deu-se graças aos documentos em que relata suas experiências enquanto vivia escondida num quarto oculto, ao longo da ocupação alemã nos Países Baixos, durante a Segunda Guerra Mundial.

 

A casa em que ela se escondeu é aberta a visitação e só não recebe mais turistas devido a sua limitação diária de visitantes. Eu não consegui realizar a visita, a fila estava enorme e o frio era tanto que acabei desistindo. Recomendo que comprem as entradas antecipadamente online. Desde o dia 1 de maio de 2016 a Casa de Anne Frank possui um novo sistema de entrada. Das 9:00 – 15:30 h o museu só estará aberto aos visitantes com um ingressos comprados online, e com horário específico para a visita. A partir de 15:30 h até o horário de fechamento, as pessoas sem ingressos poderão visitar a casa de Anne Frank, no entanto, certamente, terão que enfrentar as filas longas da bilheteria.

 

O famoso distrito da Luz Vermelha é um dos locais mais visitados pelos turistas, sendo que a maioria só quer mesmo matar a curiosidade. A prostituição é legalizada na Holanda e as prostitutas pagam tributos pelos seus ganhos. Nesse bairro há uma grande concentração de bares, cafés e é claro, casas de prostituição. As profissionais do sexo ficam se exibindo através de uma “vitrine”. Quando um homem passa pela rua, elas mesmo batem no vidro e os chamam pra uma negociação e quando um cliente entra elas fecham a cortina e realizam o atendimento.

 

redlight.jpg?w=600

 

DICAS PARA ECONOMIZAR EM AMSTERDAM

 

Você vai se assustar com os preços em Amsterdam. O custo para o viajante lá se compara com o de Londres e de Paris. A principal forma de economizar por lá é evitar os passeios pagos. Excluindo o que só pode ser visto em Amsterdam, como a casa de Anne Frank, você pode deixar para fazer em outra cidade. Por exemplo, Londres está cheia de museus gratuitos, então deixe para visitar museus quando estiver em Londres ou mesmo o Louvre em Paris que tem ingressos acessíveis, já que os museus de Amsterdam tem preços altíssimos.

Os passeios de barco pelos canais são feito por diversas empresas, então compare bem os preços pois tem opções mais caras e mais baratas.

Se alimentar na cidade é algo muito caro. A dica é comprar lanches, sanduíches e saladas nos supermercados e em último caso recorrer as redes de Fast-food.

 

I-amsterdam.jpg?resize=600%2C450

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O que fazer em Berlim

 

Quer saber o que fazer em Berlim? Berlim talvez tenha sido a cidade que mais me surpreendeu na Europa. Ela teve um papel fundamental para a história do século passado, sendo o centro de importantes momentos como as guerras mundiais, a guerra fria e o holocausto e por isso respira história, entretanto, também é moderna, multicultural e aberta ao alternativo. Se você quer viajar barato para Berlim, não deixe de de ler esse post! Eu reservei três dias completos para conhecer a cidade. Cheguei de ônibus de Amsterdam e de lá segui de trem para para Praga.

 

Berlim-2.jpg?resize=600%2C450

 

Como chegar em Berlim

 

Eu optei por ir de Amsterdam para Berlim de ônibus. É com certeza o meio de transporte mais barato entre as duas cidades. Pela Flixbus é possível encontrar passagens a partir de 29 euros e o tempo de viagem é de 09:45 h. O ideal é escolher o horário das 23:15 h que chega em Berlim às 09 da manhã do outro dia. Assim você aproveita para economizar uma noite de hospedagem.

 

Outra opção são os trens da DB Bahn, a companhia de trens alemã. As viagens duram em média 6 horas e as passagens são encontradas a partir de 39 euros. Viajar de trem na Europa costuma ser mais caro que viajar de ônibus, entretanto os trens são mais rápidos e confortáveis. Hoje eu optaria por ir de trem, pois a diferença é de apenas 10 euros e o tempos de viagem bem menor.

 

Catedral-de-Berlim-3.jpg?resize=600%2C450

 

Hospedagem em Berlim

 

Escolhi me hospedar no MEININGER Hotel Berlin Alexanderplatz. Os hotéis da rede MEININGER estão presentes em boa parte da Europa e são na verdade um misto entre hotel e hostel, já que além dos quartos privativos, também disponibilizam quartos compartilhados. A localização é excelente, ao lado da estação central com trem e metrô pra toda Berlim e cidades próximas.

 

Porque visitar Berlim

 

O principal motivo que me levou a Berlim foi a história das duas Grandes Guerras Mundiais e, em especial, o tema do nazismo e do holocausto. Além disso o fato da cidade ter sido divida por um muro que separava a parte ocidental, que viveu sobre influência americana, da oriental, que sofria influência Soviética nos anos da Guerra Fria. Além dos monumentos e construções ao ar livre, lá existem mais de 175 museus. Visitar alguns deles vai te ajudar a conhecer mais sobre a história do século passado.

 

Quem procura um destino barato na Europa nesses tempos de real desvalorizado vai encontrar em Berlim preços bem inferiores aos dos país mais centrais, como Inglaterra, França e Holanda. Lá se come e bebe bem e barato. No país que disputa com a Bélgica o título de país da cerveja, a bebida de qualidade custa cerca de 3 euros. Para comer, o visitante pode escolher entre provar as deliciosas comidas de rua, como salsicha (Wurst), falafel e schawarma ou optar por um jantar em um dos restaurantes das mais variadas tendências existente na cidade, em especial comida vietnamita, coreana, italiana e alemã contemporânea. Se come por menos de 10 euros em bons restaurantes.

 

Para quem vai a Europa em busca de festas esse é o lugar! A cidade, onde surgiu o tecno, é a capital das festas na Europa. No verão há festivais e open-airs todos os fins de semana. As boates da cidade atraem jovens de toda a Europa. Muitos vão passar o fim de semana e entram em uma boate na sexta e só saem de lá no domingo.

 

O que fazer em Berlim

 

Alexanderplatz

 

É uma das principais praças de Berlim e um bom ponto de partida para conhecer a cidade. Lá está o Urania-Weltzeituhr, um relógio que mostra o horário mundial e a Torre de TV, uma das construções mais altas da Europa (368 metros).

 

Alexanderplatz.jpg?resize=600%2C450

 

Catedral de Berlim

 

É um templo evangélico e a maior igreja de Berlim e foi construída entre 1895 e 1905.

 

Catedral-de-Berlim-4.jpg?resize=600%2C450

 

Ilha dos Museus

 

Concentra cinco museus: Museu Pergamon, Museu Altes, Museu Neues, Alte National Galerie e Museu Bode. Em 1999, a Ilha dos Museus foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

 

Ilha-dos-Museus.jpg?resize=600%2C450

 

Reichstag

 

É o palácio do Parlamento Alemão. Começou a ser construído em 1884 e foi destruído durante a segunda guerra. Foi reconstruído entre 1961 e 1971 e entre 1994 e 1999 foi redesenhado e ampliado como um edifício do Parlamento moderno, mantendo suas extensas dimensões históricas.

 

Para visitar a cúpula o visitante precisa se registrar com no mínimo de 2 dias de antecedência através desse site e a entrada é gratuita.

 

Memorial Muro de Berlim

 

Estende-se por 1,4 quilômetros sobre antiga faixa de fronteira. É o último pedaço do Muro de Berlim preservado.

 

East Side Gallery

 

É a parte mais famosa do Muro de Berlim já que foi pintado com diversos painéis artísticos. É a maior galeria a céu aberto do mundo. São 101 imagens que foram pintadas para comemorar a queda do muro.

 

Muro-de-Berlim.jpg?resize=600%2C450

 

Brandenburg Tor

 

É o símbolo mais famoso de Berlim e foi construído entre 1788 e 1791. Era o símbolo da divisão da cidade enquanto existiu o muro de Berlim.

 

Port%C3%A3o-de-Brandeburgo.jpg?resize=600%2C450

 

Memorial dos Judeus Mortos na Europa (Memorial do Holocausto)

 

Também conhecido como Memorial do Holocausto é um dos lugares mais marcantes de Berlim. Uma área de 19 mil metros quadrados aberta com 2.711 blocos de concreto, de 2,38 metros de comprimento por 0,95 metros de largura e altura variada desde 0,2 metros até 4,8 metros, que representam os judeus mortos durante a segunda guerra.

 

Potsdamer-Platz.jpg?resize=600%2C450

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Campo de Concentração Sachsenhausen

 

Se você tem interesse pelo tema do Holocausto, estando em Berlim não deixe de visitar o antigo Campo de Concentração Sachsenhausen que fica a uma hora de trem da cidade e tem entrada gratuita. A visita me rendeu uma tarde triste mas me ajudou a me tornar um ser humano melhor.

 

Campo-de-Concentra%C3%A7%C3%A3o-Sachsenhausen.jpg?resize=768%2C576

 

Eu sempre me emocionei com livros e filmes sobre o holocausto judeu que ocorreu na Europa durante a Segunda Guerra Mundial. Desde o início do planejamento do meu mochilão pela Europa visitar um dos antigos Campos de Concentração estava nos meus planos. Eu precisava ver de perto aquilo que já havia lido em livros e visto em filmes e que tanto me emocionava. Foi então que eu descobri que pertinho de Berlim está as instalações de um antigo Campo de Concentração utilizado pelos nazistas e que é muito fácil chegar até lá.

 

O HOLOCAUSTO E OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO

 

O Holocausto foi a perseguição e o extermínio sistemático, burocraticamente organizado e patrocinado pelo governo nazista, de aproximadamente seis milhões de judeus pela Alemanha e seus então colaboradores. “Holocausto” é uma palavra de origem grega que significa “sacrifício pelo fogo”. Os nazistas, que chegaram ao poder na Alemanha em janeiro de 1933, acreditavam que os alemães eram “racialmente superiores” aos judeus, por eles considerados como uma ameaça externa à chamada comunidade racial alemã. As autoridades alemãs também perseguiram outros grupos por sua dita “inferioridade racial”: ciganos, deficientes físicos e mentais, e alguns povos eslavos (poloneses e russos, entre outros). Outros grupos eram perseguidos sob pretextos políticos, ideológicos e comportamentais, entre eles os comunistas, os socialistas, as Testemunhas de Jeová e os homossexuais. No início do regime nazista, o governo nacional-socialista [nazista] criou campos de concentração para deter seus oponentes políticos e ideológicos, fossem eles reais ou imaginários. Após a invasão da União Soviética pela Alemanha, em junho de 1941, as Einsatzgruppen (Unidades Móveis de Extermínio), seguindo o exército nazista, ficavam atrás das linhas de fogo para realizar operações de assassinato em massa de judeus, ciganos, autoridades do estado soviético, e do Partido Comunista. Juntas, as SS, a polícia e as unidades militares alemãs assassinaram mais de um milhão de homens, mulheres e crianças judias e centenas de milhares de pessoas de outros grupos étnicos e ideológicos. Entre 1941 e 1944, as autoridades nazistas alemãs deportaram milhões de judeus da Alemanha, dos territórios ocupados e dos países a elas aliados [o Eixo] para guetos e centros de extermínio, muitas vezes chamados de campos de extermínio, onde eram mortos nas instalações de gás especialmente criadas para aquele fim. Em 1933, a população judaica europeia era composta por mais de nove milhões de pessoas. Em 1945, nove anos após, os alemães e seus colaboradores haviam assassinado aproximadamente dois entre cada três judeus europeus através da operação denominada “solução final”, a política nazista cujo objetivo era matar todos os judeus da Europa.

(Fonte: Enciclopédia do Holocausto)

 

 

O CAMPO DE CONCENTRAÇÃO SACHSENHAUSEN

 

O Campo de Sachsenhausen entrou em funcionamento em 1936, três anos depois da chegada de Hitler ao poder e funcionou até 1945 sob o regime nazista. Com o fim da Segunda Guerra, a antiga União das Soviética assumiu o domínio do território onde ele está localizado e passou a usar o Campo de Concentração para abrigar os prisioneiros políticos, tais como ex-oficiais nazistas e pessoas que eram contra o comunismo. Sachsenhausen só foi definitivamente fechado em 1950.

 

O Campo de Sachsenhausen não foi um campo de extermínio como era Auschwitz, entretanto muitos prisioneiros acabaram executados. Além disso, a taxa de mortalidade dos presos por doenças, desnutrição e maus tratos era enorme. Atualmente suas instalações estão abertas a visitação e há um um museu que conta a história do lugar e como era a vida dos prisioneiros, além de exibir um filme com imagens reais da época.

 

Dificilmente você não irá se emocionar durante a visita a Sachsenhausen. As instalações estão muito preservadas, desde os alojamentos, os locais de trabalho forçado e até a fábrica da morte. Já na entrada está a chocante frase “ARBEIT MACH FREI“, que significa “O trabalho liberta”, ou seja, os nazistas tentavam encobrir as atrocidades que aconteciam ali com a desculpa de que era um lugar de “libertação” através do trabalho. Não tenho como negar que em diversos momentos da visita a emoção foi tão grande que não segurei as lágrimas. Em respeito a todos que sofreram lá eu achei por bem não fotografar. A parte mais triste foi entrar no que era chamado de fábrica da morte, o local onde os prisioneiros eram executados nos paredões de fuzilamento e também nas câmaras de gás.

 

COMO CHEGAR AO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO SACHSENHAUSEN

 

É muito fácil chegar lá partindo de Berlim. Você deve tomar o trem S1 em direção a Oranienburg, que é a última parada, na estação de S+U (metrô) Brandenburger Tor, Potsdamer Platz ou Friedrichstrasse. Da estação de Oranienburg até o Campo você pode ir caminhando ou pegar um ônibus que param na estação e levam até a entrada do Campo.

A visitação é gratuita.

 

Campo-de-concentra%C3%A7%C3%A3o.jpg?resize=768%2C576

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Muito bom! Acompanhando! Pretendo ir em Setembro/outubro e ficar 40 dias!! Vai me ajudar muito seu relato!

 

Obrigado! Boa viagem!

Dá uma conferida lá no blog!

Abraço!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Como sempre um relato perfeito. Acompanhando e amando.

Maria Emília

 

:P Obrigado Maria Emília!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora


×