Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Peru, Bolívia e Chile - 28 Dias, 15 Cidades, 7.600 kms percorridos e muitas histórias para contar


Posts Recomendados

  • Membros
Excelente postagem, Rodrigo! Minhas dúvidas eram exatamente essas em relação ao transporte Arequipa-Copa. Vi umas ofertas de ônibus turístico que faria o trajeto "direto" mas já descartei. Em relação aos horários de saída de ônibus de Arequipa a Puno você lembra se havia facilidade para horários noturnos? Pesquisei no site da Cruz Del Sur mas só tinha horário de manhã (8hs) ou tarde (14hs). Foi tranquilo chegar em Puno de madrugada, tinha guichês abertos para comprar os bilhetes para Copa? Valeu demais pelas dicas.

 

Oi, Marcela. Então. Eu lembro que os horários da Cruz del Sur eram esses mesmos. Não tinham muitas opções. Mas existem várias outras empresas no terminal que fazem o transporte. Desde as mais baratas até empresas mais conhecidas como a Civa, Flores, etc. Dá pra comprar horários noturnos com facilidade. Chegamos em Puno e o terminal estava lotado. Acho que sempre tem grande movimento por lá. E tinha várias pessoas oferecendo passagem. Até porque Puno-Copacabana é um trajeto muito comum. Então, também, tem muitas empresas fazendo o percurso. Pode ir tranquila pra Puno e comprar a passagem pra Copacabana lá mesmo. Espero ter ajudado ::otemo::

 

Abraços!

Ajudou demais! Um dos gargalos do meu roteiro acabou de ser solucionado [PERSON WITH FOLDED HANDS]... Você comentou também que em Copa tem lugares pra deixar o mochilão enquanto está em Isla Del Sol. Você se lembra de algum lugar especificamente? Seu relato segue ajudando geral. Vamos que vamos! [sMILING FACE WITH OPEN MOUTH AND -CLOSED EYES][/

 

 

Boa noite gente! Desculpa atravessar, na Av 06 de agosto (caminho pros piers), em frente a praça tem um hostel de fachada laranja (tenho o nome anotado em algum lugar, mas não tem erro, a recepção parece uma lan house e é cheia de lockers) paguei 10 bolivianos por um armário que coube uma cargueira de 60 e uma de 70l! ::cool:::'>

Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 182
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros
Excelente postagem, Rodrigo! Minhas dúvidas eram exatamente essas em relação ao transporte Arequipa-Copa. Vi umas ofertas de ônibus turístico que faria o trajeto "direto" mas já descartei. Em relação aos horários de saída de ônibus de Arequipa a Puno você lembra se havia facilidade para horários noturnos? Pesquisei no site da Cruz Del Sur mas só tinha horário de manhã (8hs) ou tarde (14hs). Foi tranquilo chegar em Puno de madrugada, tinha guichês abertos para comprar os bilhetes para Copa? Valeu demais pelas dicas.

 

Oi, Marcela. Então. Eu lembro que os horários da Cruz del Sur eram esses mesmos. Não tinham muitas opções. Mas existem várias outras empresas no terminal que fazem o transporte. Desde as mais baratas até empresas mais conhecidas como a Civa, Flores, etc. Dá pra comprar horários noturnos com facilidade. Chegamos em Puno e o terminal estava lotado. Acho que sempre tem grande movimento por lá. E tinha várias pessoas oferecendo passagem. Até porque Puno-Copacabana é um trajeto muito comum. Então, também, tem muitas empresas fazendo o percurso. Pode ir tranquila pra Puno e comprar a passagem pra Copacabana lá mesmo. Espero ter ajudado ::otemo::

 

Abraços!

Ajudou demais! Um dos gargalos do meu roteiro acabou de ser solucionado [PERSON WITH FOLDED HANDS]... Você comentou também que em Copa tem lugares pra deixar o mochilão enquanto está em Isla Del Sol. Você se lembra de algum lugar especificamente? Seu relato segue ajudando geral. Vamos que vamos! [sMILING FACE WITH OPEN MOUTH AND -CLOSED EYES][/

 

 

Boa noite gente! Desculpa atravessar, na Av 06 de agosto (caminho pros piers), em frente a praça tem um hostel de fachada laranja (tenho o nome anotado em algum lugar, mas não tem erro, a recepção parece uma lan house e é cheia de lockers) paguei 10 bolivianos por um armário que coube uma cargueira de 60 e uma de 70l! ::cool:::'>

Obrigada pela dica quel.teixeira! Toda informação é muito bem vinda [emoji6] .

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
Faaaaaaaala, Rodrigo!

 

Cadê teu relaaaaaato, man.

Estamos aguardando ansiosos, desiste da gente não haha

 

Isso isso isso. Todos aqui no aguardo! [sMILING FACE WITH OPEN MOUTH AND TIGHTLY-CLOSED EYES][sMILING FACE WITH OPEN MOUTH AND TIGHTLY-CLOSED EYES][sMILING FACE WITH OPEN MOUTH AND TIGHTLY-CLOSED EYES]

 

Prometo que essa semana sai! Tá puxada a vida ::xiu::

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Capítulo 9 - De Copacabana a La Paz: Se eu não morri aqui, não morro nunca mais! - 15/02/2016

 

Imaginem acordar e dar de cara com essa vista? Espetáculo da natureza!

 

28115403334_1280424410_k.jpgPela janela by rodrigopaulo, no Flickr

 

Acordamos cedinho, pois o desauyno era até 8h (que era no mesmo restaurante onde tínhamos jantado na noite interior, mas estava incluso na diária). A nossa ideia era dar uma voltinha pra conhecer os arredores mais próximos da ilha e pegarmos o barco para Copacabana só no fim da tarde. Pra quem está situado na parte Sul da ilha, há dois horários que os barcos saem: às 10h30 e às 16h. Sim, os barcos (comuns) só saem nesse horário. É claro que você tem a opção de pagar um barco particular pra sair a hora que você quiser, mas, levando em consideração que estamos num fórum de mochileiros, você iria preferir gastar esse dinheiro com outra coisa ::otemo::

 

Até então não sabíamos dessa informação. Se saíssemos às 16h, chegaríamos em Copacabana cerca de 17h, pegaríamos o ônibus às 18h30, que é o horário de saída do último ônibus, e chegaríamos em La Paz, provavelmente às 22h30. Então ficamos com um pouco de receio de chegar tão tarde em La Paz e decidimos que iríamos pegar o barco das 10h30. Infelizmente não teríamos tempo para conhecer um pouco mais da Isla do Sol, mesmo depois de tantos perrrengues para chegar até ali :cry: Por outro lado, felizmente essa foi a melhor decisão que tomamos, e vocês saberão o porque.

 

28115379324_466203f511_k.jpgLago Titicaca by rodrigopaulo, no Flickr

 

Então, arrumamos nossas mochilas e pegamos o caminho de volta para o cais da ilha. Já ouviram aquele ditado "Pra descer, todo santo ajuda"? Então, acho que fizeram pensando nesse trajeto ::lol4::

 

28655726191_ecc14c0d42_k.jpgIsla del Sol by rodrigopaulo, no Flickr

 

No caminho da descida, um dos chilenos que conhecemos no dia anterior decidiu ajudar a carregar a mala da minha namorada. Mas no meio do caminho, achamos um carregador e eu decidi pagar (10 Bs) pra ele levar a mala até lá embaixo. Não ia explorar o coitado do chileno né? Fomos trocando uma ideia. O cara falando que já morou um tempo em São Paulo trabalhando no ramo de costura mas que depois decidiu voltar porque não sabia viver longe da paz e tranquilidade da Isla. Ele disse que é uma prática comum, em toda a Bolívia, que muita gente vai tentar a vida em São Paulo e acaba trabalhando em regime de quase escravidão, produzindo roupas dessas grifes famosas. Infelizmente sabemos que é uma realidade. Mas enfim. Se aquele boliviano soubesse a inveja que eu tinha dele, que tinha essa vista todos os dias, ele saberia o quanto é sortudo :roll:

 

28115305934_31464a8e1c_k.jpgIsla del Sol by rodrigopaulo, no Flickr

 

28117487293_22f126d5db_k.jpgLago Titicaca by rodrigopaulo, no Flickr

 

Chegamos lá embaixo, nos despedimos. Eu, imaginando como seria a vida dele, além de imaginar a vida das outras dezenas de crianças da ilha, que provavelmente nunca sairão dali e terão a mesma vida dos seus pais e avós, mantendo esse ciclo. Talvez pra mim, que vivo numa grande metrópole, onde as pessoas sempre colocam expectativas de que você precisa ser bem sucedido, ganhar dinheiro, acumular bens, a vida daquelas pessoas poderia parecer um pouco infeliz, mas por outro lado, eu imagino que a vida que eles levam ali é algo tão comum que para eles nem faça tanta diferença assim viver naquela simplicidade. Enfim, esse é um daqueles momentos do mochilão que me fez refletir sobre algumas coisas da minha vida :D

 

Que Pachacuti, filho do sol, continue a me guiar nesse mochilão...

 

28627532872_b4e18979ab_k.jpgPachacuti by rodrigopaulo, no Flickr

 

Comprei nossos tickets do barco para Copacabana, por Bs 20 e ficamos por ali, esperando a hora de embarcar.

 

28448496800_fa24aac790_k.jpgYumani by rodrigopaulo, no Flickr

 

Dessa vez aproveitamos para ir na parte de cima do barco, aproveitando a vida e curtindo o sol que estava fazendo naquele dia. E foi assim que nos despedimos, a Isla del Sol ficando cada vez menor atrás da gente, até finalmente sumir do alcance dos nossos olhos. Ficou aquele desejo: um dia volto pra te conhecer melhor...

 

28627456642_50c12fea22_k.jpgIsla del Sol by rodrigopaulo, no Flickr

 

28448453170_cddd065ae0_k.jpgLago Titicaca by rodrigopaulo, no Flickr

 

Gostaram das fotos e do relato ? ÓTIMO! Porque a parte bonitinha do relato termina aqui e que comece a parte PERRENGUE!!! :oops::oops::oops::oops::oops:

 

Chegamos em Copacabana era umas 11h30. Como chegamos cedo, decidimos ir comer e depois procurar uma empresa de ônibus para comprarmos nossos bilhetes. Almoçamos uma hamburguesa com papa frita em um lugar sujíssimo (só notamos isso depois de termos comido, mas tava uma delícia ::lol4:: ) por Bs 25. Trocamos alguns bolivianos para pagar nossa passagem (R$ 1 = Bs 1,58).

 

Aí foi então que ficamos sabendo que o horário dos ônibus para La Paz são de 13h30 e às 18h30. SOMENTE! Sim. Eu não consegui entender como um trajeto tão comum, só possuei esses dois horários de saída. Acho que deve ser feito pra casar com o horário de chegada dos barcos da Isla del Sol, não sei... Acontece que a demanda é MUITO grande. Então, quando nós decidimos comprar nossas passagens, todas as empresas já estavam com passagens esgotadas para as 13h30. Corremos em várias agências e todas estavam lotadas. Até que paramos na frente de um dos ônibus que estava parado embarcando passageiros e perguntamos se havia vaga. O ônibus era relativamente novo, parecia confortável. A mulher disse que tinha duas vagas para nós, por Bs 30 por cada. Pronto, alívio ::mmm: Pagamos e a mulher disse que ia comprar nossos bilhetes. Já ficamos meio cabreiros. Ué, se o ônibus tava ali na frente, a mulher ia pra onde? Demorou 5, 10, 15 minutos e a mulher simplesmente não voltou. Pensei: Fudeu, fomos roubados. No meio daquela confusão toda eu jurava que tínhamos sido enganados por alguma larápia ::putz::

 

Começo a perguntar pela mulher, aí me dizem que ela tá ali próximo. Vou em direção a ela, pergunto cadê o nosso ônibus, aí ela, com a cara mais limpa do mundo, me aponta pra um ônibus que tava atrás dela. Detalhe... o ônibus era tipo esse aqui (sendo que muuuuuito mais acabado) :shock::shock::shock::shock::shock:

 

Bolivia-116.jpg

 

PQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQP!!!! ::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::::vapapu::

 

Nesse momento eu tive vontade de xingar até a última geração daquela mulher. Ela nos vendeu a passagem como se fosse o ônibus que tava na frente da agência, mas ia nos embarcar nesse troço velho, caindo aos pedaços. Esses ônibus saem pra La Paz de hora em hora e costuma levar a população mais pobre, porque é mais barato. Tanto que acho que éramos os únicos não nativos no meio do povo que ia embarcar naquele ônibus. Fiquei muito, mas muito puto, mas como estávamos sem opções, coloquei minha mala no bagageiro do carro.

 

Foi nessa hora que eu vi minha namorada dar o maior piti da história (ela vai me matar por contar isso ::lol4::::lol4::::lol4:: ). Ela começou a gritar dizendo que não ia viajar naquilo, me xingou até a última geração e bateu o pé que não ia. Hoje nós damos risada da situação, mas na hora ela ficou muito puta. Aí decidimos não embarcar, pegarmos nossas malas de volta e pedir o dinheiro de volta a mulher. Demos uns gritos, mas no fim ela devolveu todo o dinheiro.

 

Pegamos nosso dinheirinho e logo em seguida fomos numa empresa de ônibus chamada Titicaca (fica na esquina da rua principal junto a um hotel que esqueci o nome ::mmm: ), que é uma das melhores (ou seria menos pior?) que faz o trajeto. Nós havíamos visto o ônibus da empresa que saiu às 13h30 e tínhamos visto que era um ônibus decente. Então decidimos comprar as passagens para o ônibus das 18h30 por Bs 50. Como tínhamos 4h30 livres até a chegada do ônibus, deixamos nossas mochilas no depósito e decidimos dar uma volta pra conhecer a cidade. Tomamos um chocolate quente pra roubar o wifi de um café que tinha próximo, acabamos ficando mais de 1h no lugar, até que, penso eu, o dono encheu da gente e desligou o wifi ::lol4::

 

Tava rolando Carnaval na cidade, então fomos acompanhando a multidão, visitamos a igreja, a plaza principal. A realidade do povo que mora ali é de muita pobreza. Você consegue sentir isso só de olhar. É um povo muito humilde, vivendo numa cidade sem estrutura e suja, que depende quase unicamente do turismo local. Gastamos nosso tempo pelas ruas da cidade, comemos alguma coisa e fomos esperar o ônibus. Ah, uma dica, dobrando a esquina onde tem a agência da Titicaca tem uma espanhola das Ilhas Canárias que vende uns salgados muuuuito bons. Procurem (#vidadegordo).

 

Tava fazendo muito frio. Aí minha namorada chegou pra mulher da agência e perguntou (inocentemente): "Esse ônibus possui calefação?" A atendente, que não era nem um pouco educada, olhou pra cada dela como quem pensou "Bitch, please...". Aí depois perguntou (mais inocentemente ainda): "Tem wifi:?". E recebeu um curto e grosso "Não". Não satisfeita, perguntou: "E o que tem nesse ônibus?". A atendente com a maior cara de cu, olhou pra ela e disse: "Nada!" ::lol4::::lol4::::lol4::::lol4::

 

Eu jurava que era só má vontade da atendente mesmo, mas quando o ônibus chegou... ::ahhhh::

 

Acreditem. O ônibus era do mesmo naipe do que tínhamos deixado de embarcar mais cedo. Tão velho e tão sujo quanto. Olhamos um pra cara do outro, como quem não estava acreditando naquilo. Só podia ser o destino pregando peça. Mas já estávamos tão, mas tão cansados, que decidimos aceitar que doeria menos. Entramos, nos acomodamos e vimos que a mulher da agência estava certa. Não tinha calefação, nem wifi, nem banheiro, e muito menos cinto de segurança :?

 

O ônibus partiu, foi saindo da cidade, e começando a pegar uma estrada bem tensa, cheia de curvas, à beira de uns penhascos bem altos. Galera, vocês não tem noção do cagaço que a gente passou aqui. O motorista dirigia feito um louco! Ele ia fazer as curvas na beira do penhasco, ele PEGAVA A CONTRAMÃO!!! Cada curva que o fdp fazia minha namorada apertava minha mão que eu sentia as falanges quebrarem :roll: Foi uma viagem muito tensa, pelo menos nos primeiros 30 minutos. E depois, quando escureceu, pra piorar, eu percebi que o motorista estava com os faróis DESLIGADOS!!! Sim, acreditem! O louco estava dirigindo, rápido, na beira de penhascos, na contramão, com os faróis desligados. Eu senti a morte dando um cheiro no meu pescoço ::lol4::

 

Então, apelei pra única coisa que me restava: meu mantra da viagem: "Eu não vou morrer! Eles fazem isso todo dia, não tem perigo. Eles sabem o que estão fazendo. Tá tranquilo. Tá favorável! :roll::roll::roll:

 

Depois de alguns minutos, a estrada ficou menos perigosa e a viagem passou a ficar mais tranquila, dei uma relaxada. Quando acordo, o motorista mandando todo mundo descer. What? Descer pra quê, cidadão? É assalto? ::vapapu::

 

A gente tinha que descer pra cruzar o Titicaca numa balsa e pegar o ônibus do outro lado. É o Estreito de Tiquina, lugar que os ônibus precisam cruzar pra pegar a estrada rumo à La Paz. O ônibus passa sozinho numa balsa . Graças a Deus! Porque eu mesmo que não ia cruzar o lago numa balsa dentro daquele ônibus velho... A gente pega um barquinho que faz a travessia e fica esperando o ônibus do outro lado. Paga-se Bs 2 (se não me falhe a memória). Mas o barco também não é lá essas coisas todas e ainda vão umas 200 pessoas dentro. Dá impressão que vai dar merda. A todo momento eu imaginava: Mermão, se esse barco afundar, no meio desse lago, de noite, nesse frio... Pachamama me protege! :roll:

 

Mas ainda bem que deu tudo certo. Pegamos o ônibus do outro lado do lago e seguimos viagem. A partir daqui a estrada ficou mais tranquila (ou eu que fiquei mais cansado, dormi e não senti mais nada). Chegamos em La Paz por volta de 23h, pegamos um táxi na rodoviária e fomos até o nosso hostel, que ficava na Calle Sagarnaga, York B&B. No caminho, fomos passando pela cidade, suja, caótica, desorganizada e tivemos uma primeira impressão não muito legal. Fizemos nosso check-in e capotamos na cama depois do dia mais tenso de todo o mochilão.

 

Gastos do dia:

Carregador de mala - Bs 10

Passagem Copacabana - Bs 20

Almoço - Bs 25

Passagem Copacabana/La Paz - Bs 50

Lanches - Bs 17

Balsa - Bs 2

Táxi em La Paz - Bs 15

Total: Bs 139 = R$ 87

 

PRÓXIMO CAPÍTULO: La Paz: a grande favela do mundo.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Cara, trinquei de rir aqui.

Em 2012 eu fui de Puno a La Paz, nesse mesmo esquema. Bem provável que eu tenha pegado um trecho muito parecido com o seu (se não o mesmo). Me lembro do bus balançando na jangada e no barquinho no escuro. Sinistro.

 

"Enfim, esse é um daqueles momentos do mochilão que me fez refletir sobre algumas coisas da minha vida :D "

Isso é uma das coisas mais fascinantes das viagens.

 

"meu mantra da viagem: "Eu não vou morrer! Eles fazem isso todo dia, não tem perigo. Eles sabem o que estão fazendo. Tá tranquilo. Tá favorável! "

Quando a coisa desanda, eu penso assim também. kkkkkkkkkk

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×
×
  • Criar Novo...