Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Conheci Eduardo Galeano na faculdade de História e li bastante sobre algumas de suas obras (ele tem muitas rsrsrs).

 

Vou comprar o livro e vai ser meu companheiro de viagem, obrigado pela dica!

 

Te add no face, me aceita lá pra vc ir vendo as fotos quando começar o meu mochilão.

 

abs!!

 

Te adicionei lá e que faça uma bela viagem. Muita paz pra ti.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

(...) Zezão é conhecimento puro e tácito, conhece o parque como ninguém, fauna e flora, história, além d'uma simpatia gigante. Diplomas não definem conhecimento, muito menos caráter. Ao refutar o Zezão a família me deu um dos melhores dias da minha vida. Azar deles e sorte a minha.

 

Que beleza!

 

Sigo viajando com vc.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Que beleza!

 

Sigo viajando com vc.

 

@mcm obrigado pela companhia nessa difícil viagem que é escrever esse relato. Muito obrigado de verdade. Muita luz para você.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 17: Sertão Nordestino

“O sertão é do tamanho do mundo.” Grande Sertão Veredas, Guimarães Rosa

"Sertão. Sabe o senhor: sertão é onde o pensamento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar." Grande Sertão Veredas, Guimarães Rosa

Todos as noites que em sonhos volto aos dias da viagem, sempre é o mesmo sonho. Alguém sem rosto vem me oferecer ajuda pelo sertão. Esses sonhos, na verdade, são o resumo dos meus dias no sertão nordestino. Todos os dias, eram dias de infinitas pessoas me ajudando por onde eu passava ou parava ou ficava. Nunca senti gratidão igual. Se eu tivesse que enterrar meu coração, seria ao lado de uma casa de pau-a-pique com a caatinga como cenário, pois ali, corações são grandes e cegos, do jeitinho que um coração deve ser. Amar sem ver quem ou precisar de um porque. Muita falta sinto daquele cenário de rara beleza e, principalmente, daquelas pessoas que na falta de tudo transbordam solidariedade.

"Olhou a catinga amarela, que o poente avermelhava. Se a seca chegasse, não ficaria planta verde. Arrepiou-se. Chegaria, naturalmente. Sempre tinha sido assim, desde que ele se entendera. E antes de se entender, antes de nascer, sucedera o mesmo - anos bons misturados com anos ruins. " Vidas Secas, Graciliano Ramos

Sai de São Raimundo Nonato em direção a Picos (tudo no Piauí) e no caminho a paisagem me dominava. Não olhava para nada ao não ser para a janela, com aquele cenário de filme. Chegando a Picos resolvi não perder nenhum detalhe do caminho. Viajaria, de agora em diante, somente de dia, enquanto estivesse no sertão. Dormi na rodoviária nesse dia. Na manhã seguinte eu fui para a estrada.

Me lembro que passei por diversas cidades, algumas grandes outras pequenas e que nunca saberei os nomes. De carona ou ônibus eu avançava em direção a Juazeiro do Norte. A vida nesse meio caminho era boa demais. Viajava, bem pouco, quando a luz queimava o dia. Não perdia nenhum detalhe, depois encostava em uma cidade ou vilarejo e ficava. Ficava junto com a cidade. Eu era sempre a novidade. Não era novidade ser recebido de braços abertos. Fugaz era meu tempo e convivência. De manhã sempre estava pronto para a próxima parada. Toda tarde era a mesma história, chegava e logo alguém oferecia um pedaço de chão pra eu dormir. Toda noite jantava com uma família diferente. Seguia de coração partido. A vida nesses dias era como um conto de cordel. Rápida e intensa.

598ddc5cd601b_Foto17.1-Acasa.jpg.d861e50b257d19fb5a07fdacca1019a8.jpg

598ddc5cda25a_Foto17.2-Caatinga.jpg.a7b43ed21bfe399521062bf9e1475960.jpg

"Na janela do ônibus eu via bodes. Na janela do ônibus eu via pessoas. De longe eu avistava juazeiros e mandacarus. A vida passava e passeava na velocidade do ônibus. Talvez o ritmo do tempo era cinquenta quilômetros por hora. Diferente da tela de cinema, a tela do ônibus, mostrava cenas sem roteiro. A vida continuava para todos os outros, menos para mim, eu era um telespectador. Apenas voltava para a realidade ao parar do ônibus. A cada nova cidade uma imagem de Padim Ciço lhe dava as boas-vindas. E com a benção de Cícero eu descia. E com a benção de Cícero eu conhecia. E com a benção de Cícero eu partia." Notas de Diário

Cheguei em Juazeiro do Norte, Ceará. Fiquei poucos dias. A cidade é bem maior que eu imaginava, tão grande que quase dá pra esquecer de se estar no meio do sertão. Fiquei hospedado num pensionato que mais parecia um labirinto de varais cheios de roupas. De resto fiz um turismo para conhecer um pouco mais a história e as histórias de Padre Cícero ou para os íntimos, Padim Ciço.

598ddc5cdf43b_Foto17.3-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.e0074a4a9c06bab94998538e8932c807.jpg

598ddc5ce4836_Foto17.4-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.8e81aba81d211b273cbd59eeeb0abe82.jpg

598ddc5cea5cc_Foto17.5-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.bcb029070fbec974b0c848973f35ccfc.jpg

598ddc5cf03dc_Foto17.6-JuazeirodoNorte.jpg.471b2ad6ea7a2bb242f6f32547906e13.jpg

Depois continuei de ônibus em ônibus. De carona em carona. De janela em janela. De vilarejo em vilarejo. De abraços de encontros e abraços de despedidas. Fui vagueando. Pouco eu falava, mas muito observava. Olhava tudo. Não perdia nada. Às vezes, confundo o tempo, a intensidade dos dias fazem parecer que foram mais dias do que realmente foram. Quando eu começava a sentir saudades um novo encontro aparecia e que seria a saudades de amanhã. Assim, seguiam os dias, eu era acolhido como um filho todos os dias. Pouco falei de mim e pouco falavam sobre eles.

598ddc5d01949_Foto17.7-Ocampo.jpg.0dbc746bcd9eb3010e54e1e869ffe773.jpg

598ddc5d06a64_Foto17.8-Ocampo.jpg.c8894ddde9b7a78cfdc387970ff0d9d4.jpg

Cheguei em Cabaceiras (Paraíba) por muito ouvir sobre essa cidade. Estar em Cabaceiras é como viver dentro de um filme. O Auto da Compadecida e Cinema, Aspirinas e Urubus, entre outros foram gravados nessa cidade que é considerada a "Roliúde Nordestina". Tudo é belo aqui. As casas coloridas e a igrejinha onde João Grilo foi julgado por Deus são de uma lindeza sem tamanho. O lajedo de Pai Mateus é das coisas mais espetaculares que se pode achar no mundo. Desconhecido por quase todos. O lajedo tem aquelas pedras de tamanho gigante sortidas por todos os cantos e são de uma beleza sem tamanho, poderia listar quantas cenas de filmes ou novelas que foram feitas aqui, mas ocuparia muito espaço. Não é atoa que é considerada a capital do cinema nacional. A beleza da cidade e seu entorno são únicos. A noite da cidade é um charme. Vale demais a visita nesse pedaço de terra. Beleza rústica sem igual.

"Estava no mercado municipal (Cabaceiras), pedi um prato de comida. Sentei-me numa mesa cheia de pessoas. Antes a mesa era som de risadas e conversas. Ao me sentar eu trouxe o silêncio. Todos me olhavam. Eu olhava todos. O jogo de truco parou. Eu incomodava. Eu estava incomodado. Sentia-me o estrangeiro. O tempo só voltou a correr quando a comida chegou. Ao comer a mesma comida, alguma empatia foi formada. As primeiras conversas aconteceram. Perguntei se eu poderia jogar. Perdi todos os jogos, mas quando pensei em ir embora já era hora de jantar. Quando a janta chegou nenhum silêncio se fez. Já era mais um como qualquer outro." Notas de Diário

598ddc5d0aa82_Foto17.9-Cabaceiras-RolideNordestina.jpg.7c14b6856f546fcf833dc39056235c49.jpg

598ddc5d0e69c_Foto17.10-Cabaceiras.jpg.c0438bb77b542c5bff1663cea4bcf861.jpg

598ddc5d121ef_Foto17.11-Cabaceiras.jpg.e8f4d0ba8287f4c940e4419a622c392c.jpg

598ddc5d15f49_Foto17.12-Cabaceiras.jpg.d7a870d48a49e8e032bfe43889108ee6.jpg

598ddc5d19b32_Foto17.13-IgrejinhadojulgamentodeJooGrilo.jpg.0ea6d62e4b57b184f575f407a891e5d5.jpg

598ddc5d1e810_Foto17.14-Cabaceiras.jpg.793805fb0e4181a305eb21042d2119c6.jpg

598ddc5d236be_Foto17.15-Cabaceiras.jpg.5e67c5b2b377c9e819817082fe8b85ce.jpg

598ddc5d285b3_Foto17.16-Cabaceiras.jpg.a0f1250d4e076bbd66cdfd9873bfafd7.jpg

598ddc5d2d5b7_Foto17.17-Cabaceiras.jpg.be90d0ee50f792b9faf1fd4ddc7e34f6.jpg

598ddc5d32494_Foto17.18-LajedoPaiMateus.jpg.9e13f49d44f4b9c402af837f8eda96b7.jpg

598ddc5d369c3_Foto17.19-LajedoPaiMateus.jpg.6c74bf93bd896792c681c59e6f9a67f2.jpg

598ddc5d3a61a_Foto17.20-LajedoPaiMateus.jpg.e815f31e9072486603b42b5d4390e75d.jpg

598ddc5d3e1df_Foto17.21-LajedoPaiMateus.jpg.670e96dce59c955e15da2119eb366115.jpg

598ddc5d41e29_Foto17.22-LajedoPaiMateus.jpg.6485c59ed8be94c9b078ec5d1e4a6b3e.jpg

598ddc5d45b5d_Foto17.23-LajedoPaiMateus.jpg.824fae207571beb826108696d6e389ab.jpg

598ddc5d4a0c4_Foto17.24-LajedoPaiMateus.jpg.7634fa3738bd4fcd057de719afb9b197.jpg

598ddc5d4f281_Foto17.25-LajedoPaiMateus.jpg.f2507faca537e6b8da497aa9a421b3f3.jpg

598ddc5d54448_Foto17.26-LajedoPaiMateus.JPG.09ee24661e7db534dddb105d683fb6c1.JPG

"João Grilo (suspirando) - Tudo o que é vivo morre! Está aí uma coisa que eu não sabia! Bonito, Chicó, onde foi que você ouviu isso? De sua cabeça é que não saiu, que eu sei!

Chicó - Saiu mesmo não, João. Isso eu ouvi um padre dizer uma vez. Foi no dia que meu pirarucu morreu.

João Grilo - Seu pirarucu?

Chicó - Meu, é um modo de dizer, porque, pra falar a verdade, acho que eu é que era dele. Nunca lhe contei isso não?

João Grilo - Não, já ouvi falar de homem que tem peixe, mas de peixe que tem homem é a primeira vez.

Chicó - Foi quando eu estive no Amazonas. Eu tinha amarrado a corda do arpão em redor do corpo, de modo que estava com os braços sem movimento. Quando ferrei o bicho, ele deu um puxavante maior e eu caí no rio.

João Grilo - O bicho pescou você!...

Chicó - Exatamente, João, o bicho me pescou. Para encurtar a história, o pirarucu me arrastou rio acima três dias e três noites.

João Grilo - Três dias e três noites? E você não sentia fome não, Chicó?

Chicó - Fome não, mas era uma vontade de fumar danada. E o engraçado foi que ele deixou pra morrer bem na entrada de uma vila, de modo que eu pudesse escapar. O enterro foi no outro dia e nunca mais esqueci o que o padre disse, na beira da cova.

João Grilo - E como avistaram você, da vila?

Chicó - Ah, eu levantei um braço e acenei, acenei, até que uma lavadeira me avistou e vieram me soltar.

João Grilo - E você não estava com os braços amarrados, Chicó?

Chicó - João, na hora do aperto, dá-se um jeito a tudo!

João Grilo - Mas que jeito você deu?

Chicó - Não sei, só sei que foi assim! " O Auto da Compadecida, Ariano Suassuna

Depois segui para Ingá. A cidade é igual a todas outras. Pessoas circulam. Algumas praças. Algumas vendas. O que faz Ingá diferente de todas as outras é a Pedra de Ingá ou para os nativos a Pedra Encantada. Uma pedra escrita em baixo relevo que segue indecifrável até hoje. Algo diferente. Eu, ao menos, nunca tinha visto nada parecido. Coisa linda. Mais lindas são as histórias sobre a pedra. As teorias são muitas, desde de alienígenas até que a pedra esconde o segredo do universo. Prefiro as palavras da música de Zé Ramalho "Há uma pedra estranha que me diz | Que o vento se esconde num sopé | Que o fogo é escravo de um pajé | E que a água há de ser cristalizada | Nas paredes da pedra encantada | Os segredos talhados por sumé". Ingá é um tesouro de lugar. De Ingá voltei para ficar um pouco em Campina Grande e pouco tempo depois também me despedia de Campina Grande. Agora seguia rumo ao litoral e o sertão ficava pelo caminho.

598ddc5d59913_Foto17.27-PedradeIng.jpg.f229daf16d2a81b01bced6013c06e49f.jpg

598ddc5d5ee98_Foto17.28-PedradeIng.jpg.df1eee2d552bea348dbbda6c46c10198.jpg

598ddc5d64630_Foto17.29-PedradeIng.jpg.5c4370678ef34e989c36d09c8eac6765.jpg

598ddc5d68a29_Foto17.30-FssilIng.jpg.b2ed055e724bb7314520bcf13907763c.jpg

598ddc5d6cd70_Foto17.31-Ing.jpg.1b0c2a6b3ff7f5462b5709035f4b9195.jpg

598ddc5d713ab_Foto17.32-Ing.jpg.7016338f581b460c89b154ac839fff0e.jpg

"Hoje conheci a Pedra de Ingá. Lugar curioso demais. Depois da visita fiquei deitado numa sombra até criar coragem de caminhar novamente. Logo recebi companhias. Uma delas era o Vavá Azul, figura conhecida da cidade. A minha mochila atraiu a curiosidade. Logo, éramos em umas seis pessoas. Ficamos ali, contando e ouvindo histórias. As histórias de Vavá eram as melhores. Como bons amigos debaixo da sombra ficamos ali, conversando, até o sol baixar. Depois, como fossemos nos ver no dia seguinte, nos despedimos. " Notas de Diário

No sertão, com toda certeza, há muito sofrimento, fome e pobreza. Entretanto, o sertão não é apenas isso. O sertão é belo em sua natureza e cheio de gente disposta dividir o quase nada. Não tem como passar por aqui e não marejar os olhos diante de tanta solidariedade. A vida é dura nesse canto do planeta. Quase tudo endurece aqui: terreno, vegetação, músculos, pensamento, sonhos, pele, mas uma coisa segue palpitando numa velocidade maior dentro de todos, o coração. Se você não precisar de ajuda talvez nunca sentirá o que eu senti aqui. Num lugar onde a vida parece impossível somente há prosperidade se houver solidariedade. Assim, os dias passam. Sobrevivendo dia-a-dia. Estendendo uma mão hoje. Recebendo uma mão amanhã. Queria um dia poder voltar e de uma maneira mais justa poder lembrar de cada rosto e dar nomes às pessoas que antes, para mim, não tinham nomes. Talvez seria mais nomes que minha memória seja capaz de guardar, mas ao menos poderia agradecer cada pessoa individualmente e dar oportunidade aos meus sonhos ter novos sonhos. Substituir o "sem rosto" por centenas de pessoas com rostos conhecidos. Dos dias no sertão o que fica é a gratidão. O obrigado pelos inúmeros acolhimentos. O obrigado por mostrar-me coisas que só com os olhos eu nunca enxergaria. Obrigado! Espero reencontrá-lo em breve, Ser-tão. Até logo.

"Cantar, só, não fazia mal, não era pecado. As estradas cantavam. E ele achava muitas coisas bonitas, e tudo era mesmo bonito, como são todas as coisas, nos caminhos do sertão. " A hora e vez de Augusto Matraga, Sagarana, Guimarães Rosa

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres

"Aqui nessa pedra, alguém sentou para olhar o mar

O mar não parou para ser olhado

Foi mar pra tudo que é lado." Melhores Poemas, Paulo Leminski

Cheguei em João Pessoa. A Mari me aguardava. Conheci a Mari no projeto Rondon, ela é alagoana, mas estava na cidade para prestar a prova do mestrado. Ela estava hospedada na casa de uns amigos e foi para lá que eu fui.

Nos dias em João Pessoa, em todo momento, tive a companhia da Mari, ficávamos o dia todo na praia. Caminhávamos, bebíamos e mergulhavamos. Pela primeira vez vi um mar com tantas cores. O que mais me lembro daqueles dias em Jampa foi de uma noite que ficamos na praia, quase deserta, sentados, conversando e bebendo. Depois ficamos no mar por muito tempo. Foi um dia bom. De resto, João Pessoa é uma cidade bem agradável e o que eu mais gostei é que é proibido prédios altos próximo da orla, o que deixa as noites nas praias mais bonitas. Depois de poucos dias a Mari teve que voltar para sua cidade e eu resolvi seguir viagem também.

598ddc5ea6745_Foto18.1-JooPessoa.jpg.ac765d7d91e4891997889e48de2af256.jpg

598ddc5eab877_Foto18.2-JooPessoa.jpg.dbc085e2cb620ebb0aec0d58bde07db4.jpg

598ddc5eb0dd1_Foto18.3-JooPessoa.jpg.39a634539cdd8ffad37ecfd13c509202.jpg

598ddc5eb601f_Foto18.4-JooPessoa.jpg.a7c8a523a035bee1b260182cb8f5372e.jpg

598ddc5ebb2eb_Foto18.5-JooPessoa.jpg.2d3ac609adf2522743a4f6b3473cf38d.jpg

Ainda em João Pessoa deu tempo de conseguir couchsurfing na noite em que eu planejava dormir na rodoviária. Assim, passei uma noite na casa da Cris. Ela é toda musical e tem um belo gosto para a música. Passamos a noite conversando e ouvindo música. No outro dia, me despedi da Cris e segui meu caminho.

Cheguei em Recife e parti para a Olinda. Peguei um metrô até alguma estação para poder pegar o ônibus para Olinda. O metrô de Recife é um tanto quanto curioso, acho que devia ter mais ambulantes vendendo suas mercadorias que propriamente passageiros e isso se repetiu toda vez que peguei o mesmo. Já em Olinda caminhei para procurar algum hostel. Fiquei no Albergue de Olinda, lugar muito bom e tranquilo.

Nos dias em Olinda, caminhei bastante pelo centro histórico e pela orla. O centro histórico é muito bonito, colorido e musical. Peguei o mapa turístico e caminhando fui conhecendo igreja por igreja, beco por beco e alguns artesanatos locais. De manhã acordava cedo e ia para a orla e pelas noites me juntava em algum lugar com música. Apesar de ser ressaca do carnaval, ainda havia maracatu pelas ruas e às vezes, ouvia-se o Galo da Madrugada e com isso a vontade de ter estado aqui algumas semanas antes.

598ddc5ec0a81_Foto18.6-Olinda.jpg.f3802caa6ceef26380ec2706ed499eef.jpg

598ddc5ec5faf_Foto18.7-Olinda.jpg.fd9b150cfa9f66add8352aaa99fe9518.jpg

598ddc5eca11e_Foto18.8-Olinda.jpg.bc35c2d0d58b5d21a7d12fb23666fd73.jpg

598ddc5ece902_Foto18.9-Olinda.jpg.a6b21e5c45c038eed3a3d9cb30ba6db4.jpg

598ddc5ed3070_Foto18.10-Olinda.jpg.0bdc78d024dcff707d0584a4107d3ee4.jpg

598ddc5ed7645_Foto18.11-Olinda.jpg.bfb76c6fd76b6694e446996e27d60543.jpg

598ddc5edbd50_Foto18.12-Olinda.jpg.2729a1bfbf1a3c23fd46c9b01f5edf85.jpg

Em, apenas, um dia resolvi conhecer Recife. Meu destino era o Recife Antigo, que é o centro histórico da cidade. Caminhei bastante, conheci o Marco Zero e fiz a travessia de barco até o Parque das Esculturas Francisco Brennand (valor de ida e volta é de cinco reais). Depois experimentei o famoso Leite Maltado em As Galerias, o maltado é uma bebida feita de sorvete de creme e malte de cacau. A bebida é incrivelmente boa, só não bebi mais de dois copos por não ter mais dinheiro. Depois fui conhecer o Paço do Frevo, um lugar único que mostra a história do frevo, além de ter diversas outras atividades. Nesse dia estava tendo uma apresentação artística do grupo local de maracatu com uma banda latinoamericana chamada (se minha memória estiver certa) Las Damas, foi das coisas mais incríveis que pude assistir, música de melhor qualidade, ninguém conseguia ficar parado, até eu que sou horrivelmente ruim dançando tentei alguns passos, mas na maior parte eu preferi bater palmas. De noite, junto com algumas pessoas que conheci no Paço do Frevo, fomos num bar. Sai correndo, atrasado, no fim da noite para conseguir pegar o último circular para Olinda.

598ddc5ee0fb3_Foto18.13-RecifeAntigo-MarcoZero.jpg.22eeee245c6b836808ee79d5c5275d18.jpg

598ddc5ee6122_Foto18.14-VistadaIlhadasEsculturas-RecifeAntigo.jpg.127b4fc5ca0f39b1d37a91c3f614f088.jpg

598ddc5eeb383_Foto18.15-RecifeAntigo.jpg.e8055284ae54ae50350791cd513f66b0.jpg

"O Sol da aurora raiou, na terra do Capibaribe,

Do frevo e do Maracatu, de baque virado, de touro encarnado, de todo o azul,

Nasceu da pedra salina, Luanda estrela divina,

Recife batendo tambor

Desaguando pela aurora, Recife senhora de toda magia que o mar derramou,

Dona santa feiticeira, rainha guerreira, cantiga negreira Recife Nagô." Recife Nagô, J. Michilles

A viagem seguiu. Agora eu chegava no Alagoas, mais precisamente em São Miguel dos Milagres. Primeiro fui procurar algum lugar para me hospedar, depois de consultar quase todos os lugares, estava assustado com os preços, o mais barato até então era 150 reais a diária. Achei um senhorzinho que alugava uns quartos no fundo de sua casa por quarenta reais, fiquei lá.

A primeira vez que eu vi o mar em São Miguel dos Milagres achei que estava sonhando. O mar azul e verde degradê queima os olhos com tanta beleza. Caminhei muito por aquele litoral. Fui para Porto de Pedras e Praia do Patacho caminhando e para muitas outras praias que não me recordo os nomes. Qualquer roda de futebol eu me enturmava e ficava. Conheci Laura quando fui buscar uma bola perdida. Logo me juntei em sua caminhada. O tempo passou muito rápido, tínhamos muitas coisas em comum, a conversa era fácil. A noite chegou e ainda caminhávamos. Voltar sozinho na escuridão, caminhando durante horas em companhia do céu estrelado foi bacana demais.

598ddc5ef046b_Foto18.16-SoMigueldosMilagres.jpg.5752c1035bf85ac01c6a3dfb9ca2ff69.jpg

598ddc5f01324_Foto18.17-SoMigueldosMilagres.jpg.34258a8f28f08b36bc4d68ef508d459d.jpg

598ddc5f050b5_Foto18.18-SoMigueldosMilagres.jpg.44fa6c2bb924bda225525554f5fc02f2.jpg

598ddc5f08c55_Foto18.19-SoMigueldosMilagres.jpg.5ea88f04c75abae721ce71752fefba43.jpg

Quando eu cheguei no nordeste, resolvi escolher uma praia, apenas uma, em que eu iria conhecer e viver sem pensar muito em dinheiro. A escolha foi São Miguel dos Milagres. Diferente da suas vizinhas Porto de Galinhas e Maragogi, aqui não existe turismo de massa e as praias são bem preservadas e quase desertas, mas tudo é bem caro. Apesar de eu ter achado uma estadia barata, quase todas as pousadas são muito caras (pois são bem poucas). Tirando os preços, São Miguel dos Milagres é um paraíso na Terra, vale muito a visita. Os coqueiros, os corais, o mar e a tranquilidade daquele lugar fazem qualquer pessoa aproveitar o momento e esquecer todo o resto.

Arrumei minha mochila numa madrugada e de madrugada peguei o ônibus que iria me levar para Maceió. Me despedia dos dias tranquilos em Jampa, Recife, Olinda e São Miguel dos Milagres.

"Não sou nada.

Nunca serei nada.

Não posso querer ser nada.

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo." Tabacaria, Fernando Pessoa

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Camarada, estou aqui ainda e curtindo muito o seu relato.

 

Peguei o livro "Espelhos" do Galeano, será o meu companheiro de viagem nessa trip que começa dia 24/12.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Camarada, estou aqui ainda e curtindo muito o seu relato.

 

Peguei o livro "Espelhos" do Galeano, será o meu companheiro de viagem nessa trip que começa dia 24/12.

 

Terá boa companhia na sua viagem então =]

 

Aproveita demais os dias em que estará de viagem. Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro

"O escafandro já não oprime tanto, e o espírito pode vaguear como borboleta. Há tanta coisa para fazer. Pode-se voar pelo espaço ou pelo tempo, partir para a Terra do Fogo ou para a corte do rei Midas.

Pode-se visitar a mulher amada, resvalar para junto dela e acariciar-lhe o rosto ainda adormecido. Construir castelos de vento, conquistar o Velocino de Ouro, descobrir a Atlântida, realizar os sonhos da infância e as fantasias da idade adulta.

Chega de dispersão. Preciso compor o início destes cadernos de viagem imóvel e estar pronto para quando o enviado de meu editor vier tomar o ditado, letra por letra. Na minha mente, remôo dez vezes cada frase, elimino uma palavra, junto um adjetivo e decoro meu texto, parágrafo após parágrafo.

Sete e meia. A enfermeira de plantão interrompe o curso de meus pensamentos. Segundo um ritual bem preciso, ela abre a cortina, verifica traqueotomia e gotejamento, e liga o televisor para que eu veja o noticiário. Por enquanto, um desenho animado conta a história do sapo mais veloz do Oeste. E se eu formulasse o desejo de ser transformado em sapo?" O escafandro e a borboleta, Jean-Dominique Bauby

Todo dia na estrada é um dia cheio de possibilidades. Por estarmos, frequentemente, diante do novo, o novo já não assusta. Ficamos mais propícios a dizer sim ou ao mesmo, seguir por caminhos que não eram nossos e num piscar de olhos, caminhos opostos formam pontes para um mesmo lugar. Todo dia na estrada é um dia cheio de encontros. Por estarmos longe dos nossos conhecidos, conversamos com qualquer pessoa que cruze o nosso destino e assim perdemos um pouco da arrogância do julgamento precipitado e damos a chance de conhecer o desconhecido. Todo dia na estrada é como qualquer outro dia, o que muda apenas é a nossa disposição de conhecer. Todo dia deveria ser como um dia na estrada.

Cheguei em Maceió. Caminhei, pouco, pela cidade, mas não queria estar na muvuca de uma capital. Queria dar continuidade aos dias tranquilos. Queria voltar para o interior. Queria voltar para a simplicidade. O cânion do Xingó surgiu em minha cabeça e para lá continuei o meu caminho.

No Alagoas o transporte dentro do estado é feito por vans. Os ônibus na rodoviária são, praticamente, interestaduais. Sem informação de horários, fiquei na rodoviária esperando a van para a cidade de Piranhas. Embarquei com mais umas dez pessoas. A viagem perdurou por algumas boas horas. O sono me dominou por quase toda a viagem.

Chegar em Piranhas (a cidade velha) é como chegar no paraíso. Me arrisco dizer que é a cidade mais bonita que eu já conheci. Suas casas coloridas à margem do rio São Francisco são de uma beleza sem tamanho. A harmonia que a cidade tem com a natureza, uma complementando a outra, fez eu não imaginar a natureza sem a cidade e a cidade sem a natureza. A calmaria se faz presente sempre naquele recanto de mundo.

Depois parti para o hostel Maestro Egildo Vieira. Egildo Vieira foi um maestro famoso, seu irmão Nei toma conta do hostel. Com orgulho o Nei sempre conta as histórias de seu falecido irmão famoso, principalmente as histórias que envolvem também o grande Ariano Suassuna. Nei é gentileza em pessoa. Nunca fui tão bem tratado num hostel como fui naqueles dias em Piranhas.

Deixei minhas coisas e fui caminhar pela lindeza da cidade. A cada cem metros parava para mergulhar no velho Chico. Joguei bola num campinho. Conversei com alguns pescadores e fui alertado de alguns lugares que era arriscado nadar. Retornei era quase noite. Fiquei na praça. Depois subi as escadarias para chegar no ponto mais alto da cidade para vê-la de cima e ser surpreendido com o belo céu daquele dia. Passei boa parte da noite ali, na companhia do céu estrelado.

598ddd63ef02a_Foto19.1-Piranhas.jpg.23e32c1e2cacd3a781ba208cf3223be8.jpg

598ddd63f31c3_Foto19.2-VelhoChico.jpg.fdcee223b686400bae8389acb0aed4a7.jpg

598ddd6402b22_Foto19.3-VelhoChico.jpg.5538aec51c4e2f0516a897f4b3d272cd.jpg

598ddd64068d2_Foto19.4-Igrejinha.jpg.b7382357774e0ee42ef173a01132f283.jpg

598ddd640a5da_Foto19.5-Piranhasdenoite.jpg.a080c11cfabcf79886e044506b4b6f27.jpg

598ddd640f508_Foto19.6-Aescadaria.jpg.331e63b5ada9c670d06f4be097708fd6.jpg

"Estava sozinho naquele hostel imenso. A arquitetura antiga de beleza rústica seria sucesso em qualquer grande cidade. Ali, o vazio tornava o eco mais sufocante. As pousadas familiares dominam a preferência de quem vem conhecer a cidade e a região. A arquitetura mais bonita é a do hostel, os melhores sucos e as melhores histórias e o melhor tratamento é feito pelo Nei. Se um dia tivesse que dar um conselho sobre Piranhas, o conselho seria: fique no hostel e conheça o grande Nei." Notas de Diário

No outro dia, acordei cedo e andei a beira rio novamente. Depois peguei um moto táxi até próximo a usina de Xingó, donde saem os barcos para o Cânion do Xingó.

Embarquei. O rio São Francisco naquele pedaço de mundo consegue ser mais bonito que o normal. A embarcação tinha muita gente e era todo animado, com música alta, comida cara e bebidas, algum desavisado poderia confundir com uma festa. Isso me incomodava um pouco, mas eu seguia na proa do barco admirando cada novo pedaço do rio que se anunciava. Ao chegar no cânion um misto de decepção e encantamento tomou conta de mim. A decepção por ver duas "piscinas" no rio ao lado do cânion do Xingó e o encantamento pelo próprio cânion. Para acessar o cânion é preciso pagar dez reais e tomar assento num barco a remo. O cânion é bem estreito. Poucos barcos vão ao mesmo tempo. Na espera todos ficam na "piscina" montada no meio do rio ou vendo o pouco artesanato que vendem na plataforma de desembarque. O trecho de barco a remo, vale muito a pena, é a cereja do bolo, é o porquê de ter encarado o barco maior. E saber que o cânion só é o cânion por causa de intervenção humana, pois ele só alagou depois da água ser represada para a construção da hidrelétrica de Xingó. De todo modo, os poucos minutos dentro do barquinho, onde o bater do remo é calmo, onde os paredòes quase se tocam, onde as cores da água alterna entre azul e verde de acordo com o esconder do sol, onde o silêncio toma conta e a beleza é a mais pura, daquelas de fazer esquecer qualquer outra coisa.

598ddd6414646_Foto19.7-RioSoFrancisco.jpg.dd0267dd47029cad9fb563ea9ed2fb1e.jpg

598ddd64199db_Foto19.8-RioSoFrancisco.jpg.24d1a6289df319c588799223a7cc2dcf.jpg

598ddd641ecab_Foto19.9-RioSoFrancisco.jpg.0b81e31540568b0eb4e53b64f1c817bd.jpg

598ddd6423f46_Foto19.10-Eunaproa.jpg.fef6590155b74802fc2be000b1aab984.jpg

598ddd6428a46_Foto19.11-CniondoXing.jpg.85fc29682a3754a170294ec0ec6260f0.jpg

598ddd642cb23_Foto19.12-CniondoXing.jpg.32d994e891cb903266f88c3d18d41be9.jpg

598ddd6430a84_Foto19.13-CniondoXing.jpg.800def809dc3dfdc701a0ef3a219fa52.jpg

598ddd6434c96_Foto19.14-CniondoXing.jpg.1075b96b6e4082faeef0aea8fa6b6260.jpg

598ddd6438d2d_Foto19.15-CniondoXing.jpg.b0f530ce6ee085958696b02abf7582a0.jpg

598ddd643d85a_Foto19.16-CniondoXing.jpg.d67bda3e7e6a4a9e81caec09e2ada378.jpg

598ddd6442f1d_Foto19.17-CniondoXing.jpg.09aa958db3a0f4a71f27835a4f4a1d94.jpg

598ddd6448955_Foto19.18-CniondoXing.jpg.7da5abce93100a189a7dec153d6ba11a.jpg

598ddd644e055_Foto19.19-CniondoXing.jpg.cafda0d8d942a3e5a24953f3568c1dd5.jpg

Na volta, o barco fez o mesmo caminho, como teria de ser. A animação era maior. Eu continuava da mesma forma, admirando a paisagem de pé na proa. Agora a proa estava cheia de pessoas. O motivo era a ducha ao lado, mas não para tomar banho. Quase todos queriam tirar uma foto fingindo tomar banho de ducha. Eu realmente não entendi, mas o que importa é que pareciam felizes com isso. Num desses instantes, comecei conversar com a Licka que estava viajando junto com a Anna de carro. Elas se conheceram pelo site do mochileiros e se encontraram em Salvador, alugaram um carro e seguiram para o Xingó e depois iriam aproveitar o litoral alagoano. Elas estavam do lado sergipano na cidade de Canindé do São Francisco. Convidei-as para conhecer a bela cidade de Piranhas, logo depois do passeio.

Licka é psicóloga e mochileira, já viajou por muitos lugares e estava prestes a fazer sua esperada volta ao mundo. Muita admiração por ela, por conseguir conciliar sua profissão com suas mochiladas.

Anna é radialista e mochileira de primeira viagem. Sua voz é igual da Fernanda Lima e seu sorriso é encantador. Sua ideia é o mais breve possível ir morar em Ilhabela.

Elas seguiram até Piranhas comigo. Conheceram o Nei e resolveram ficar. Depois saímos para comer e andar pela cidade. Mergulhamos no velho Chico. No fim da tarde, resolvemos subir as escadarias para ver o pôr-do-sol que se anunciava. Chegamos a parte alta e lá estava a Marina e o Rui, logo eles se juntaram a nós e no resto do dia éramos em cinco.

Rui é agrônomo, músico, dançarino e motoqueiro. Dono de uma felicidade contagiante e de uma humildade gigante. Não tem como não gostar dele.

Marina é búlgara e mochileira, tinha oito meses para viajar pela América do Sul. Sua ideia era percorrer o continente todo, mas de tanto gostar do Brasil gastou todo o seu tempo no litoral nordestino e na Chapada Diamantina.

Já era noite voltamos ao velho Chico para mergulhar. Depois passamos o resto da noite na pracinha em um dos bares. O tempo passava, algumas cervejas eram consumidas. Rui apresentava suas diversas teorias sobre os mais diversos temas, era fácil rir com suas histórias. Marina sempre sorrindo se esforçava no português. Anna apresentava sua ciência ao pedir a batida de morango. Licka me ofereceu carona para o outro dia cedo, a princípio iria ficar mais uns dias ali, mas no fim resolvi embarcar junto com elas. No resto da noite tentamos vencer o sono para ir ver o luar em cima das escadarias, mas o sono venceu. Despedimos do Rui e da Marina e seguimos para o hostel.

598ddd64532c2_Foto19.20-Piranhas.jpg.889e5ba53b5630c7d37bcded631a39ae.jpg

598ddd6458445_Foto19.21-Piranhas.jpg.03b952d4d97fe7901f486f810a5ac22e.jpg

598ddd645c38b_Foto19.22-Piranhas.jpg.0be8f7f33c45a3d8cebd6ac6b6f419bf.jpg

598ddd645fffd_Foto19.23-Piranhas.jpg.6fc7391903110ef619911a1df2c88d5b.jpg

598ddd6463cdd_Foto19.24-RuieEu.jpg.ebeaf65c3b6a4904ae8cc8022c91f5e5.jpg

598ddd6467c99_Foto19.25-EueaAnna.jpg.e171ba4d67953c2ded3c08c94d2d7f4b.jpg

598ddd646bd46_Foto19.26-MarinaAnnaRuiEueaLicka.jpg.f3eec157a91a0ba072357770f18ecbb9.jpg

" - Jack, nós temos que ir e nunca parar de seguir enquanto a gente não chega lá.

Para onde estamos indo, cara?

Eu não sei, mas temos que ir." On the road, Jack Kerouac

Saímos cedo de Piranhas. O Nei deixou preparado um super café da manhã para nós. Eu fiquei com todo o banco de trás. A Licka no volante deu início a viagem. Seguiríamos para a praia do Gunga. Entre cochiladas eu tentava acompanhar o caminho. Nos perdemos algumas vezes. Chegamos. Antes de entrar na praia, fomos num mirante onde avistávamos toda a praia pelo o alto. O mar de coqueiros e o mar de água divididos por uma faixa de areia é lindo demais. Estacionamos o carro e começamos a caminhar pela praia. Caminhamos até estarmos longe da multidão. Por vezes, mergulhei no mar colorido e agitado do Gunga, sozinho ou na companhia da Anna ou na companhia da Licka ou na companhia das duas. Passamos parte da manhã e toda a tarde ali.

598ddd6470d94_Foto19.27-PraiadoGungavistadomirante.jpg.76e0d6fd526c7198cb120a04fe3b695a.jpg

598ddd6476035_Foto19.28-LickaAnnaeEu.JPG.e29d576726eb864849bde6dc52cc7471.JPG

598ddd647b230_Foto19.29-PraiadoGunga.jpg.eee5a05038491abb34c537ad2a86d5e6.jpg

598ddd647ffa5_Foto19.30-PraiadoGunga.jpg.59af266f01c0ceb8de2b1e9cb594444c.jpg

598ddd6484e91_Foto19.31-PraiadoGunga.jpg.583daf2e5e296afcf0027c7545e435b3.jpg

Estávamos sentados num bar. Aproveitamos para carregar os celulares e tomar algumas cervejas. Tínhamos que definir nosso próximo destino. Depois de algumas propostas e conversas, chegamos a conclusão que iríamos para a praia do Carro Quebrado, ao norte de Maceió. A ideia era acampar na praia. Passamos num mercado e compramos alguma comida para cozinhar no acampamento. O fim da tarde chegava e assim, partimos. Por inexperiência pegamos a "Br", ao invés, da pista litorânea para chegar a Barra de Santo Antônio. Nesta noite, nos perdemos muitas vezes. Uma viagem de poucas horas se tornou uma grande viagem. Estávamos cansados. E por muitas vezes achei que desistiriamos em achar a tal praia. Ainda bem que não. Depois de muito escuro, pistas vazias e de muita música, chegamos a cidade destino. A praia era bem isolada e todos desencorajaram nós a seguir no fim de noite para lá. Um guia local arranjou um restaurante a beira mar para acamparmos.

598ddd648942a_Foto19.32-Chegandoaoacampamento.JPG.830e8fab03d0f545920afd4bdc13344d.JPG

Montamos a barraca. Nos ajeitamos. Fui ver o mar e o céu. Era a primeira vez da Anna acampando. Fizemos nossa janta. A fome era grande. O macarrão acabou rápido. Um vento agradável pairava pela noite. Um a um íamos dormindo.

598ddd648d3db_Foto19.33-Oacampamento.JPG.6433dca707d64e9838d715907d8343f2.JPG

598ddd6492482_Foto19.34-Oacampamento.JPG.1832f5c5da8897cf406e7397d4d7fd00.JPG

598ddd6496c5a_Foto19.35-Oacampamento.JPG.7e132e155388859c9ebbdb175d89a9eb.JPG

598ddd649b4d0_Foto19.36-Oacampamento.JPG.09258ff347492a71b2c98fe3c411beb5.JPG

Era madrugada ainda. Vi as gurias indo ver o nascer do sol a beira mar. Não consegui levantar. A ideia era ver o nascer do sol na praia do Carro Quebrado. Nos primeiros raios de sol, criei coragem e desfiz acampamento. Esperamos o guia que nos ajudaria com o labirinto até chegar a tal praia.

598ddd64a06b6_Foto19.37-Onascerdosol.JPG.654e0069ab319fe35f98d3220978e1ae.JPG

Chegamos em Carro Quebrado com o sol se levantando ainda. Que sorte a nossa não ter desistido. Ao ver pela primeira vez aquela praia, sabia que estava no lugar certo. Acho que já devo ter dito inúmeras vezes que essa ou aquela era a praia mais bonita que já tinha visto. Cronologicamente isso sempre é verdade. E agora estava de novo, de frente com a praia mais bonita e charmosa que já tinha visto. Ter ela só para nós foi um 'plus' que fez ela se tornar mais bonita ainda. O sol queimava demais. O mar tinha muitas cores. Pouco falamos. O esforço e a persistência em chegar naquele lugar, fazia cada um aproveitar do seu modo, aquele paraíso. Que calmaria gostosa. Que delícia de lugar. Que recompensa. No primeiro sinal de "intrusos", pegamos nossas coisas e seguimos viagem.

598ddd64a5a5b_Foto19.38-PraiadoCarroQuebrado.JPG.51cafa496eece5367f650cf949ee9039.JPG

598ddd64aad61_Foto19.39-PraiadoCarroQuebrado.JPG.5dafdd1885f0645580c865292ecf4686.JPG

598ddd64afe6a_Foto19.40-PraiadoCarroQuebrado.JPG.8dc588549a023b82c41f50a248f82a94.JPG

598ddd64b4ee0_Foto19.41-PraiadoCarroQuebrado.jpg.cb6cf48b92a9fde0e7457ea7d3f9598e.jpg

598ddd64b99dd_Foto19.42-PraiadoCarroQuebrado.JPG.610afa054ab31d7e12d7ffc073f5db31.JPG

598ddd64bd43a_Foto19.43-PraiadoCarroQuebrado.JPG.079ad684b8975f4df2c64b2ad4993994.JPG

598ddd64c0ea7_Foto19.44-PraiadoCarroQuebrado.JPG.065a5b9a7dded8c23903b98599e61567.JPG

598ddd65a7df1_Foto19.45-PraiadoCarroQuebrado.JPG.acafd43d488b42667e08adb4ea7c30cd.JPG

598ddd65ac315_Foto19.46-PraiadoCarroQuebrado.JPG.cb3ebf5e5a13a4acb255afaa21ce128f.JPG

598ddd65b13df_Foto19.47-PraiadoCarroQuebrado.JPG.ef6be38b8659415fa8df8281c06f1afe.JPG

Agora íamos recortando o lindo litoral do Alagoas em direção ao sul. Passamos pelas coloridas praias de Maceió. Cruzamos a praia do Gunga novamente. Toda praia que se anunciava era mais bonita que a anterior. Lembro de termos parado em uma praia de um azul intenso que era linda demais, dei apenas um mergulho e seguimos pela estrada. E assim, foi, praia e mais praia. Até chegarmos na divisa natural do estado do Alagoas com Sergipe, o rio São Francisco.

598ddd65b6af8_Foto19.48-Aestrada.JPG.d9896afb313d92b2851b78f37bebe9eb.JPG

598ddd65bb8ac_Foto19.49-Aestrada.JPG.32b475ec8de094ca38f085b4c9281ab8.JPG

598ddd65c0f1c_Foto19.50-Aestrada.JPG.73c6de2616ca4b6c3409051fd41b4b8e.JPG

A cidade era Piaçabuçu. Eu tinha muita vontade de conhecer a foz do velho Chico e a meninas embarcaram na mesma vontade. Conseguimos negociar um barco bem barato e com direito a um almojanta. Partimos pela lindeza do São Francisco. Quanta beleza tem aquele trajeto. Passamos por vilarejos, coqueiros, dunas, avistamos muitas aves e talvez um boto. No final o rio se rende a imensidão do mar e adoça um pouco as águas salgadas do Atlântico. Mergulhamos por muito tempo nas águas do rio que foi o responsável pelo nosso encontro. Quando o sol se punha, o barco retornava. E que pôr-do-sol maravilhoso foi aquele. Em silêncio admirávamos o sol caindo no horizonte. No momento que o último raio de sol era visto, atracamos no porto.

598ddd65c641a_Foto19.51-CaminhoFozVelhoChico.jpg.a07a35a3c8f033ea849b3930eb46d75a.jpg

598ddd65ca8ed_Foto19.52-CaminhoFozVelhoChico.jpg.3910b5540104c790df79e706205ed5fc.jpg

598ddd65ce8fa_Foto19.53-CaminhoFozVelhoChico.jpg.b9c923be78fb762894b733024d5906b4.jpg

598ddd65d26cf_Foto19.54-CaminhoFozVelhoChico.jpg.c6dcc0260be1aee0b48572dd49b6a2fd.jpg

598ddd65d69ab_Foto19.55-CaminhoFozVelhoChico.jpg.7f90562fbcc4c24b3c7e6d25d0888975.jpg

598ddd65dab36_Foto19.56-CaminhoFozVelhoChico.jpg.4a11be3702142dde236035aae3a1249e.jpg

598ddd65df859_Foto19.57-CaminhoFozVelhoChico.jpg.67e08085e6bd8522ec98c8ae434326cf.jpg

Seguimos viagem, nesse dia intenso. Fomos até Penedo. Chegamos era noite. O centro histórico é lindo demais. Fiquei com muita vontade de voltar com mais calma. Mesmo assim, podemos ver o quão preservado é o centro histórico da cidade. Depois fomos para o porto, pegamos a balsa e atravessamos o São Francisco. Agora em terras sergipanas nosso destino era Aracaju.

As luzes projetadas pelo farol do Uno avançavam pela escuridão das rodovias do Sergipe. O som alto fazia companhia. Música após música era tocada. Cantávamos para afastar o sono. A Licka no volante acertava todos os caminhos nas confusas pistas do menor estado brasileiro. As luzes só mudavam de direção quando o Uno passava por algum buraco escondido com a ajuda da noite. O caminho era só escuridão, interrompido por vezes por algum caminhão na direção contrária que iluminava o interior do nosso carro. Nesses momentos de luz eu mirava meus olhos para as duas, uma de cada vez. Às vezes, a Anna estava dormindo. A Licka, incansável, sempre com os olhos firmes no caminho. A Anna, de vez em quando, encostava o rosto no vidro do carro e parecia olhar para o teto, não sabia se era o sono ou se algum pensamento arrematava-a. A cantoria dentro do carro aumentava de tom quando o rádio começava a tocar: Um sonho, do Nação Zumbi. Nesses momentos, parecia ter uma energia diferente conosco. Ou melhor, parecia dar-nos mais energia para seguir pelas estradas naquela noite, que era mais escura que as outras noites. O Uno seguia enxergando por seus faróis e a viagem continuava.

Chegamos em Aracaju. Chegamos em frente a casa do Rui. Junto com a Marina o Rui abriu a porta de sua casa. Fomos recebidos de braços abertos. Tomamos algumas cervejas e logo o sono foi dominando.

Esse dia, foi intenso demais. Talvez dos melhores que já vivi. Acordamos ao relento numa praia qualquer. Depois seguimos para uma das praias mais bonitas do nosso Brasil. Atravessamos todo o Alagoas até conhecer o lindo fim do rio São Francisco. Passamos pela tão linda Penedo. Atravessamos o Chico para estar do lado sergipano. E fomos até Aracaju para rever o Rui e a Marina. Não quis ver quantos quilômetros percorremos, pois números sempre estragam toda a beleza do momento.

Acordamos tarde. O Rui e a Marina nos levaram para conhecer o centro histórico de Aracaju. Depois fomos numa praia. Almoçamos. E logo, a estrada iria nos fazer companhia novamente. A Anna pegaria o vôo no dia seguinte em Salvador. Ficamos mais um tempo na companhia do Rui e da Marina. No fim da tarde, nos despedimos e seguimos nosso último trecho juntos. De Aracaju a Salvador.

598ddd66e84db_Foto19.58-Aracaju.jpg.8f26f5956ce03df15ae6c2337fbfdd51.jpg

Chegamos ao Pelourinho. Agora eu seguiria sozinho. Peguei minha mochila e estava as duas na minha frente. Não lembro ao certo o que eu disse na despedida. De certo, foram palavras, vazias, do tipo: "Boa viagem", "Juízo", "Até a próxima". Depois do abraço final caminhei para dentro do Pelô. Passei por bares cheios e lugares que nunca tinha visitado antes, mas o ao redor não importava, apenas caminhava até algum hostel. Conforme eu caminhava uma nova música surgia de fundo. Encontrei o hostel que eu procurava. Hesitei ao entrar. Agora um turbilhão de sentimentos tomava conta de mim. Queria ter agradecido as meninas de forma mais honesta os dias que estivemos juntos. Hoje, depois de mais de oito meses desses dias, toda vez que eu escuto aquele sotaque pernambucano da Nação Zumbi iniciando a música dizendo: "Estão comendo o mundo pelas beiradas| Roendo tudo, quase não sobra nada | Respirei fundo, achando que ainda começava | Um grito no escuro, um encontro sem hora marcada | Ontem eu tive esse sonho … " eu, automaticamente, me teletransporto para aqueles dias dentro do Uno branco na companhia da Licka e da Anna. Onde a escuridão das pistas do Alagoas, Sergipe e Bahia nos fizeram companhia. Onde três pessoas, de três lugares diferentes se uniram por suas diferenças e principalmente, pela vontade de viajar. Me teletransporto e lembro da cara de curiosidade da Anna ao experimentar o macarrão no acampamento. Me teletransporto e lembro da Licka, ainda desconhecida, ao meu lado na proa. Me teletransporto e vejo a alegria do Rui e da Marina. Me teletransporto e lembro do sorriso de cada um e também lembro do rio São Francisco que por algum motivo nos uniu, naquela curta, mas intensa viagem. Quando a música acaba volto ao dia de hoje, mas cheio de lembranças e com muitas saudades. Saudades daqueles dias. Saudades de todos. E agora, de uma forma mais honesta, eu digo: Obrigado. Obrigado pela companhia. Obrigado pelo companheirismo. Obrigado pelos momentos. Anna, Licka, Marina, Nei e Rui um beijo na alma de cada um de vocês. Muita paz sempre. Mais uma vez, obrigado!

"De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que ele estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro." O Encontro Marcado, Fernando Sabino

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sensacional, continuo acompanhando aqui.

 

Passei em alguns desses lugares que vc foi inclusive os Quenions do velho Chico...Piranhas, Praia do Gunga, Carro quebrado, Aracaju....demais meu amigo, linda viagem essa sua!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ahhhhhhh... Que sorte a minha ter cruzado seu caminho nessa sua linda jornada!

 

Que sorte a nossa ter compartilhado desses dias intensos e vibrantes!

 

Realmente foram momentos memoráveis.

 

Viajar é isso... É contar com os improvisos da vida, com a magia dos encontros, com as surpresas dos caminhos.

 

Cada um, com nossas peculiaridades, nos tornamos um só destino pela vibração da aventura.

 

Obrigada pelas palavras. Estou acompanhando o relato e sei que ainda falta um bom pedaço.

 

Siga em frente amigo, estamos no aguardo!!!

 

Bjs.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Thiago e Priscila Blumenau
      Olá amigos da comunidade Mochileiros.com.
      Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC.
      Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile.
      A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura.
      Já contamos a primeira parte do nosso passeio, onde você encontra informações como: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. Se você não leu a primeira parte, então clique aqui.
      Nesta segunda e última parte vamos falar sobre: formas de chegar em San Pedro Atacama, aclimatação, hospedagem, casas de câmbio, agências de turismo, passeios, alimentação e compras.
      Então vamos ao que interessa [=
      → Formas de chegar até San Pedro de Atacama:
       • De avião: sim é possível!
      Mas quem vai de avião desembarca na cidade chamada Calama, que fica a aproximadamente 100 km de San Pedro. De lá é possível pegar um ônibus direto para San Pedro ou alugar um carro. Em San Pedro existe uma pequena rodoviária, bem no centro e que funciona praticamente o dia todo.
      • De carro: ir de carro é uma aventura incrível.
      • De moto: também uma forma muito bacana de pegar a estrada. Porém é mais limitado do que o carro, pois você não tem tanto espaço disponível, vai precisar fazer mais paradas para abastecer, etc., mas nada que tire o prazer do passeio.
      A maneira de ir vai depender da sua vontade e do quanto você está disposto a gastar.
      Por que vontade?
      Porque ir de carro por exemplo, cruzando o Brasil, a Argentina e Chile não é para qualquer um. É uma viagem longa, cansativa, demorada, que vai te exigir planejamento, paciência e atenção a todo momento. Ou seja, tem que ter muita VONTADE mesmo!
       E quanto você está disposto a gastar?
      Pegar um avião, desembarcar e chegar é muito rápido e fácil. Porém tem o seu preço.
       Quando nós resolvemos fazer a nossa viagem, fizemos uma comparação entre ir de carro e ir de avião. Sem dúvida ir de carro era mais barato. E sem contar que ir de carro você aproveita o passeio, pode parar quando quiser, pode tirar fotos pelo caminho, conhece outras cidades pelo caminho. Então tudo isso pesou na hora da decisão.
      Por isso eu digo: VÁ DE CARRO, VALE MUITO A PENA.
       *Mas lembre-se de revisar o seu carro antes. Preparar tudo que precisa com antecedência.
       Segue abaixo um resumo para quem vai de avião:
       Você embarca no Brasil e desembarca na cidade de Santiago (Chile).
      De Santiago você pega outro avião até a cidade de Calama.
      De Calama você pode pegar um ônibus (turismo) que te leva até a rodoviária de San Pedro de Atacama ou pode alugar um carro e dirigir até lá.
       Todos os ônibus que chegam em San Pedro de Atacama desembarcam no Terminal de Buses, que é uma pequena rodoviária, que fica bem próxima da Rua Caracoles, que é a principal rua de lá (aprox. 5 min caminhando).
       Distâncias:
       Santiago x Calama: 1530 Km
      Tempo de voo: 2h
       Calama x San Pedro de Atacama: 100 Km
      Tempo na estrada: 1:30h
       
       → Aclimatação:
       Você vai perceber que o ar em San Pedro é diferente.
      É normal você ter certa dificuldade para respirar, devido à altitude.
      Pelo caminho você já começa a notar a diferença. Quanto mais alto, mais difícil a respiração.
      Esteja preparado, pois seu nariz e sua boca irão ficar bastante secos.
      Nós sentimos dificuldade ao dormir, pois de madrugada o nariz trancava e a boca ficava seca demais.
      Algumas vezes nós levantávamos para tomar água e umedecer o nariz.
      Conversamos com alguns brasileiros, que relataram terem sentido dor de cabeça e enjoo.
      Mas é uma condição suportável.
      Entenda que é um clima totalmente diferente do nosso.
       Durante o dia era quente e seco.
      A noite a temperatura era agradável.
      Para não dizer que nesse lugar não chove, o guia nos contou que chove uma semana por ano.
       Curiosidades:
      San Pedro de Atacama está a 2.300 metros acima do nível do mar. E tem alguns passeios que nos levam a 5 mil metros.
       Dica:
      Beba muito líquido, evite álcool e prefira comidas leves.
        
      → Hospedagem
       Em San Pedro existem muitos Hostels.
      Nós escolhemos um hostel chamado Casa Lascar, que ficava ao lado da rodoviária de San Pedro. Muito próximo ao centro. Esse hostel nos atendeu muito bem, pois tinha dois quartos, uma cozinha, uma sala e um banheiro só para nós. A reserva foi feita na plataforma booking.com. O preço não era absurdo e valeu muito a pena.
       Dica:
      Quando você for procurar a sua hospedagem, você pode escolher por exemplo: quarto compartilhado ou não, banheiro compartilhado ou não, que tenha garagem, local para lavar a roupa, cozinha, etc. Tudo depende da sua necessidade e do quanto você quer gastar. Sites para reservar hotéis é só digitar no Google.
       
       → Casas de câmbio
      Em San Pedro existem algumas casas de câmbio, onde você pode fazer a troca do seu dinheiro de forma muito simples e fácil. A maioria delas fica aberta até tarde da noite, então é bem tranquilo.
      Nós trocamos todo o nosso dinheiro em San Pedro e valeu muito a pena, pois se tivesse trocado no Brasil teríamos perdido muita grana. Nós trocamos o nosso dinheiro na casa de câmbio RENT A BIKE EMILY, pois foi a casa de câmbio que nos ofereceu a melhor cotação. E esta casa de câmbio também aparece em outros blogs de viagem, por isso nós optamos.
       Dica:
      Pesquise em pelo menos três casas de câmbio, antes de trocar o seu dinheiro.
      Nós falamos com duas casas de câmbio antes, para saber a cotação. E por último fomos até a RENT A BIKE EMILY. Chegando lá nós falamos sobre o preço dos concorrentes, então ali conseguimos a melhor cotação.
       
       → Agências de turismo
      Em San Pedro existem muitas agências de turismo, oferecendo pacotes dos mais diversos.
      Existem alguns passeios que não são todas as agências que fazem, por exemplo subir na boca do vulcão. Neste caso só uma e outra fazem o passeio, pois é mais arriscado, demora mais, requer alguns equipamentos específicos, etc.
       Nós reservamos os passeios antes da viagem.
      Fechamos os passeios com a agência Volcano Aventura, que fez um preço muito interessante.
      Na ocasião pagamos uma parte adiantado e o restante quando chegamos. Foi bem tranquilo, nos atenderam super bem, não tivemos qualquer problema. E a negociação toda foi pelo whats.
       Dica:
      Pesquise bastante, pois só assim você consegue um preço bacana.
      Consulte as páginas de cada agência, no Facebook, Instagram, etc. Veja os comentários, a data da última atualização, etc. Assim você tira uma ideia se a agência é boa ou não.
      Mais passeios ou mais pessoas, geram bons descontos. Seja esperto e negocie.
       
       → Passeios
       A maioria dos passeios começa muito cedo, por isso você precisa se programar com horários.
      As agências te pegam na “porta de casa”, ou melhor, na porta do seu hostel.
      Junto ao motorista sempre tem um guia que fala espanhol ou inglês.
      Ao chegar no destino, eles também servem uma mesa de café, com doces, frutas, água, suco, etc.
      É muito divertido, vale muito a pena.
      Geralmente as agências realizam um passeio por dia, para não cansar seus clientes.
      Há também passeios noturnos, basta você pesquisar na internet, para saber mais.
      Outra forma de passear em San Pedro é alugando uma bike. São várias lojas que tem bike para alugar por dia, por hora, etc.
      Dica:
      É possível realizar a maioria dos passeios com seu próprio carro, porém algumas estradas não são boas, pois tem pedras, buracos, lama, etc. Se o seu carro não for preparado, melhor ir com a agência de turismo, pois elas têm carros preparados para esses lugares.
      Nós fizemos todos os nossos passeios com a agência.
       
      → Alimentação
      Os restaurantes servem de tudo e um pouco mais.
      Mas vale lembrar que as comidas de restaurante não são iguais a que você come em casa.
      Por isso, se você prefere aquela comidinha caseira ou aquele feijão, saiba que não vai encontrar.
      Nós optamos em fazer a nossa janta todos os dias. Então passava no mercado, comprava os ingredientes e preparava tudo no hostel.
       
      →Compras
      Em San Pedro você encontra de tudo para comprar, inclusive tem algumas marcas famosas que tem lojas nesse lugar. Não pense que é tudo baratinho não. Se você fazer a conversão para sua moeda, cuide para não cair pra trás.... (kkk);
       Vale a pena comprar uma lembrancinha ou outra, mas não dá para se empolgar.
       
       Acho que é isso pessoal.
      Espero que vocês tenham gostado.
      E tomara que esse relato possa ajudar vocês a planejarem sua próxima viagem.
      Um grande abraço.
       Contatos:
      47 988417695
      Instagram: thiagomarianobnu
    • Por Caio Vinicius Aleixo
      Dia 01 - Viagem de guarulhos para salvador 
      Voo direto Azul, saída 16h10, Valor Pago: 191,44 (Comprado 27/08)
      Chegamos pegamos uber para um Shopping que fica a caminho da Rodoviaria de salvador (Comida no shopping de lá é mais barato que nos shoppings de Jundiai/São Paulo)
      Pegamos outro Uber para pegar o ônibus (as 23:00) sentido Lençois na Chapada Diamantina. 
      Empresa de onibus: Rapido Federal (https://passagemrapidofederal.com.br/ )
      Preço: 108,00 (compramos antecipado e pagamos alguma taxa de conveniência, tem que ir no guichê para pegar a passagem, se informe sobre o hr de funcionamento)

       
      Dia 02 - Lençois (Gruta da Lapa Doce, Pratinha e Morro do Pai Inácio)
      Chegamos de ônibus em lençóis por volta das 5:30 da manhã, os lugares para tomar café só abriram por volta das 6:30. Após o café fomos deixar as malas no hostel e pegar o carro que havíamos reservado.
       
      Estadia: Viela Hostel (30,00), bem hostelzão, bem localizado, comodidade média. Mas achei que o custoxbeneficio valeu MUITO a pena. Veja como a avaliação do hostel no booking  é boa
      http://bit.ly/vielahostel

       
      Aluguel de carro: Empresa Seabra 75 9901 7946 
      Retirada em lençóis e devolução em Capão (devolução em capão facilitou muito a logística, pra não pagarmos o carro enquanto estávamos no Pati) 
       
      Passeio: Gruta da Lapa Doce, Pratinha e Morro do Pai Inácio. Vá cedo para lapa doce, passe a maior parte de dia na pratinha (tem boa estrutura) e no max 15h30 vá para o por do sol no pai inácio (imperdível). 
      Morro do pai inácio tem hr limite para subir (por isso não pode sair tarde da pratinha. Para nós foi uma aventura chegar a tempo, pq saímos tarde, mas isso nos rendeu algumas amizades rsrs).. Pratinha tem uma flutuação de snorkel em águas cristalinas e dentro de uma gruta. Recomendo!
      *o Horario do por do sol (e hr que deve sair da pratinha) varia de acordo com a epoca do ano, o google mostra o horario do por do sol.

       
      Dia 3 - Ibicoara (Cachoeira do mosquito + Poço azul)
      Saímos de lençóis cedo com tudo no carro, a ideia era fazer os passeios durante o dia e dormir em Ibicoara (a viagem é cansativa).

      Passeio: Cachoeira do mosquito + Poço azul.
      Poço azul tem horários melhores de se fazer a flutuação, se informe e se planeje para chegar pelo menos 2h antes (é comum ter fila)
      Normalmente as pessoas fazem Poço azul+poço encantado, nós decidimos (no dia anterior) fazer cachoeira do mosquito, pqe poço azul é só contemplação.

      Estadia: Hostel Kosmos, 30,00 Reais, acomodação boa com vibe roots. Você encontra essa acomodação no Airbnb (Essa estadia não esta listada no booking). 
      Aproveito e deixo pra vocês um cupom de desconto no air bnb
      https://www.airbnb.com.br/c/caiov277?currency=BRL


       
      Dia 4 - Ibicoara (Cachoeira do Buracão)
      Passeio: Cachoeira do Buracão. Trilha de 3km cada trecho, nada muito pesado. 
      É obrigatório uso de guia

      Cachoeira do buracão é IMPRESSIONANTE, bastante alta e com um visual completamente diferente, tem paredões que cercam a cachoeira e o percurso que o rio faz depois dela. É uma vista imperdível.

      Guia: Nina (77 8111-5477 - @nina__guia são 2 underlines) ou o marido dela, Clayton (77 98153 5697 não fizemos com ele). Ambos São MUITO BONS. Nós fizemos o percurso com a Nina, ela é uma otima guia, sabe manter a cadencia da trilha e tem otimas conversas, explica bastante sobre a região. Em determinados pontos ela mostra exatamente como atravessar obstaculos. Recomendo MUITO.

      Comida: Jantamos TODOS os dias no restaurante “point dos amigos”, a comida é muito barata e gostosa. A comida é preparada de forma caseira pela dona do restaurante, com quem fizemos amizade e no fim parecia nossa tia kkkkk.

       
      Dia 5 - Ibicoara (Cachoeira da Fumacinha por baixo)
      Passeio: Cachoeira da Fumacinha por baixo. Trilha de 9KM cada trecho, caminho PESADO, principalmente por ter que ficar andando nas pedras (leito do rio). Segundo a guia quando o rio enche (que não era o caso) a trilha fica ainda mais difícil. Uso de guia não é obrigatório, mas acho MUITO recomendado, principalmente por que alguns trechos tem escalaminhadas. A trilha é bem bonita e a cachoeira da Fumacinha é um ABSURDO. Linda DE MAIS. a agua é bem gelada (já que quase não bate sol)

      Guia: Nina (77 8111-5477 - @nina__guia são 2 underlines)
       

      Dia 6 - Capão (cachoeira da fumaça por cima)
      Saímos cedo de Ibicoara para ir para o capão e fazer a trilha da cachoeira da fumaça por cima. Viagem é longa e feita em sua maioria por estrada de terra (se for por guiné, que é bem mais rápido).

      Chegando em Capão, fomos para a estadia Sempre viva, algum dos amigos que fizemos na viagem  nos indicou e depois nos encontramos com o nosso guia do Pati (Val - contato vou colocar mais pra baixo, quando for falar do pati). 
      A comunicação no vale do Capão é bastante dificil, já que não tem sinal de celular. Basicamente tem que achar um wifi para se comunicar.

      Passeio: Para chegar na cachoeira da fumaça é preciso fazer uma trilha (cerca de 1h30), antes de subir é necessário assinar um livro de controle (para saberem se todos que foram, realmente voltaram) e se quiser, pode contribuir com qualquer valor para a preservação do lugar.
      O inicio da trilha é bem Ingreme, mas depois a trilha é pana e tranquila. Tente ir pela manhã, para fugir do sol quente.
      Existe um horario limite para iniciar a trilha, 13h. O horário é para dar tempo de subir, apreciar e voltar antes de ecurecer.

      Estadia: Sempre viva (40,00) - Acomodação boa, custo beneficio OTIMO. 40 reais por pessoa por quarto privado. Caso for fazer o vale do pati, a acomodação cobra 10 reais para guardar a bagagem e permite banho na volta.
      Não encontrei a acomodação no booking


       
      Dia 7 - Pati (Cachoeirão por cima)
      Saímos cedo em direção a guiné, por onde dariamos inicio a travessia do Pati (entramos por Guiné, por uma subida chamada Aleixos e saímos por Capão). Passamos em palmeiras para o guia (Val, que recomendo MUITO (075) 99167-6817) fazer as compras dos lanches para os 4 dias, ele carrega tudo no mochilão, e nós só precisamos levar nossos proprios pertences na mochila pequna (usei uma de 30L). 
      Como você vai carregar o peso nos dias em que estiver fazendo o pati, economize no peso, evite coisas desnecessárias.
      Devolvemos o carro em guiné, na entrada da trilha. Isso ajuda DE MAIS na logística e na economia, fazendo desse jeito você não paga transfer para guiné e nem paga o carro durante os dias que estiver no pati. 
      Vai ter que pagar uma taxa de devolução extra por devolver em guiné, mas acaba compensando. 
      Foram 4 dias de trilha que o carro ficaria parado, a diária do carro é 140, ou seja, economizamos 560 reais. Para devolver o carro em guiné, pagamos 130,00 mas isso nos economizou o transfer, então um abateu o outro. (Essa foi uma baita dica p vc economizar uns dins hehe)

      Nosso roteiro esse dia foi: Guiné (aleixos), cachoeirão por cima, descida pela fenda e pernoite na casa do Sr Eduardo. Esse é um roteiro que poucas pessoas fazem, achei a fenda uma trilha perigosa devido aos buracos disfarçados com mato. Andamos cerca de 18Km, subida íngreme no aleixos e descida muito íngreme na fenda (não recomendo fazer o caminho inverso, subindo a fenda).
      A caso do Sr Eduardo é bem simples se comparada com a igrejinha. A comida é deliciosa.

       
      Dia 8 - Pati (Cachoeira dos funis)
      Saímos não tão cedo da casa do Sr Eduardo sentido igrejinha passando pelo poço da árvore e funis. cerca de 15 km percorridos, caminhada tranquila. Foi um dia para tomar banho de cachoeira e relaxar. Não achei as cachoeiras nada MUITO impressionante. Mas foi um dia gostoso pra curtir com calma.
      Neste dia o val (guia) cozinhou o jantar. 
      A igrejinha é uma das estadias mais conhecidas, por ter fácil acesso. E em consequência também é bastante cheia.
      Ali tem alguns banheiros com água quente (o guia só me avisou depois que eu já tinha tomado banho gelado kkk) 

       
      Dia 9 - Pati (Morro do castelo)
      Percurso esse dia foi Igrejinha - Sr Wilson (para deixar o que não iriamos usar. É caminho)  - Morro do castelo - Sr Wilson. Total de +- 14KM, porém subida forte na ida e descida forte na volta. Apesar do percurso íngreme, não foi um dia cansativo.
      Morro do castelo tem 3 mirantes, um deles está sendo estudado e talvez seja fechado (por risco de queda de placas de pedra). 
      Nesse dia é necessário lanterna, pois para acessar os mirantes se passa por dentro do “castelo” através de grutas, a lanterna do celular dá, mas uma de cabeça é o ideal. A caminhada nesse dia é bastante protegida do sol.
      O morro do castelo tem vistas IMPRESSIONANTES, com certeza é um dos lugares imperdíveis do pati.
      A casa do Sr. Wilson tem ótima recepção e tem o que julgamos a melhor comida do vale (não que as outras foram ruins, mas aqui a comida foi espetacular).
       
       
      Dia 10 - Pati (Gerais)
      Percurso: Casa do Sr wilson - capão (saindo pela bomba). Esse dia a caminhada é MUITO exposta ao sol, já saímos do vale e andamos vários KMs por cima. Caminhada total é de 22KM. Dia bastante cansativo. O visual por cima do pati é bastante bonito.
      Ao terminar a trilha na bomba, precisamos contratar um transporte para chegar ao vale do capão, caso contrário seriam mais 7 KM de caminhada. Logo que acaba a trilha tem um bar/lanchonete, o guia pediu para a atendente chamar o responsavel pelo transporte (que aparentemente mora ali perto).
      Chegando no vale, jantamos e fomos rapidamente para a estadia bem estar tomar banho e pegar o restante das malas. Dali pegamos um trasnporte para palmeiras (15,00)  e de palmeiras pegamos o ônibus para salvador.
      Empresa de onibus: Rapido Federal (https://passagemrapidofederal.com.br/ ) Preço: 94,00

       
      Dia 11 - Salvador (Turistando)
      Chegando em salvador, pegamos um uber e fomos para o hostel (que procuramos no onibus). Alguns amigos que fizemos na viagem nos indicaram ficar no bairro Rio Vermelho, um bairro bohemio de salvador (compararam com a vl Madalena em SP).
      Estadia: The Hostel (40,00), fica no bairro Rio vermelho, Hostel é bom, tem piscina e café da manhã. Não deu para avaliar tão bem, já que ficamos só 1 noite.Mas as acomodações no geral são MUITO boas.
      http://bit.ly/TheHostelSalvador

       
      Passeio: Fizemos um tour por conta própria, de uber.
      Saímos do Hostel - Basílica senhor do bonfim - Sorveteria ribeira (não achei que vale a pena, tem uns sabores diferentes mas nada de maaais) - Pelourinho, elevador lacerda, mercado modelo (almoçamos por la, tem 2 restaurantes com visual legal e preço “ok”) - Por do sol no farol da barra (imperdível)
      Durante o dia ficamos em dúvida se iríamos ou não para morro do SP no dia seguinte ou ficar um dia a mais em salvador. Por fim decidimos ir no dia seguinte e fechamos translado para Morro de SP (umas 21h) com a cassi turismo por 90,00 (negocie, pois as vezes cobram mais caro.)
      Comida: Acarajé da dinha, é um ótimo local para experimentar a comida típica. Tem um quiosque pertinho do hostel.

       
      Dia 12 - Morro de SP (Praia de Gamboa)
      A empresa Cassi turismo passou nos buscar cedinho no hostel (6h30, se não me engano. Perdemos o café) com uma van. Fomos levados para um local onde acertamos o valor do transfer e pegamos uma balsa para fazer uma travessia, depois da travessia pegamos um ônibus e então uma lancha rápida (esse percurso é fácil de achar detalhado na internet)
      Esse modo é chamado de semi-terrestre. Julgamos ser a melhor opção para chegar em morro de SP, devido principalmente aos horários. A empresa cassi turismo você encontra por TODO CANTO de salvador. 
      Chegando em morro de SP várias pessoas vão oferecer para levar a sua mala, a primeira subida é MUITO íngreme, depois é mais tranquilo. Vai de cada um julgar a necessidade de pagar ou não (nós não pagamos, até pqe nem sabíamos onde íamos ficar qnd chegamos).
      Depois de passar algum perrengue procurando estadia, fechamos com a pousada tranquila uma indicação de uma amiga que já tinha visitado morro de SP
       
      Estadia: Pousada tranquila 110 o quarto com 4 e 3 lugares (negociado na hora), tivemos que mudar de quarto no meio da estadia. Pousada com ótimo custo x beneficio, fica na frente do mar na terceira praia (da pra ver o nascer do sol do quarto, se ficar no quarto de 4 pessoas). Pousada conta com bom café da manhã (com vista para o mar). Recomendo muito a estadia!
      http://bit.ly/PousadaTranquila

       
      Passeio: Passado algum perrengue para fecharmos a estadia, deixamos as coisas na pousada e fomos para a praia de Gamboa (praia da argila), fomos de barco e voltamos andando (a caminhada não é longa, mas é necessário ficar atento a tábua das marés). Passamos o restante do dia relaxando na praia de gamboa em um dos quiosques.
      Jantar: Lá tabla. o Nhoque é otimo e bem grande. Vale a pena.
       
       
      Dia 13 - Morro de SP (Caminhada pelas praias)
      Passeio: Andar pelas praias - Fomos até a quarta-praia, a maré estava já bastante alta e mesmo assim a praia é bonita. A quarta praia não oferece tanta estrutura quanto a segunda e primeira. 
      As piscinas naturais ficam logo no comecinho (onde tem umas árvores que dividem a terceira da quarta praia), depois passamos o dia em um quiosque da segunda praia.
      Mais pro fim do dia subimos na tirolesa, o visual é incrível. Vale a subida mesmo para quem não for descer de tirolesa. Eu desci a tirolesa e por mais que digam que é a mais alta do BR, não achei nada de mais (não da muita adrenalina). Não achei que vale os 60,00.
      Próximo da tirolesa existe um mirante do por do sol, vale muito a pena! É de graça e tem o mesmo visual da toca do morcego (onde é pago para entrar).

       
      Dia 14 - Morro de SP (Piscinas naturais de Garapua)
      Passeio: Garapua. O passeio é feito de 4x4, passa também pela quinta praia (na ida ou na volta). O melhor do passeio é curtir as piscinas naturais (onde fica um bar flutuante), o ideal é evitar horário de pico, e ir na maré baixa. Quando tem muita gente, a água fica turva (devido as pessoas revirarem a areia do fundo do mar) e fica uma sensação de superlotação. 
      O acesso as piscinas naturais é feita com um barco bem simples e quando desejar retornar, tem uma ótima estrutura de quiosques para curtir o dia ainda na praia de garapuá.
      Custo do passeio foi de 80,00 Reais

       
      Dia 15 - Morro de SP
      Passeio - Volta a ilha, esse foi o que achei o melhor passeio. É um passeio feito de lancha, passa nas piscinas naturais de garapua (a msm que fomos no dia anterior), nas piscinas naturais de moreré, para por algum tempo na ilha de boipeba e para em um bar flutuante.
       
      *Dica que não encontrei em lugar nenhum: Esse passeio pode ser utilizado como meio de travessia de morro de SP para valença (foi o que fizemos), na última parada tem a possibilidade de tomar um banho e trocar de roupa. É necessário levar as malas para o passeio e o barqueiro guarda em um compartimento do barco. Negocie isso antes de fechar o passeio. O banho é completamente sem luxo, mas pra quem viaja no estilo “mochileiro” deve estar acostumado com isso. 
       
      Nesse dia pegamos um ônibus para porto seguro com duração de 09h de viagem (dormimos no onibus)
      Empresa: https://www.aguiabranca.com.br Custo: 109,36

       
      Dia 16 - Trancoso (Caminhada + Praia dos nativos)
      Chegando na Rodoviária de porto seguro pegamos um Uber para a travessia para Arraial d’ajuda, depois de atravessar pegamos um onibus para trancoso (acredito que a van seja mais rápida). Os horários e preços de van/ônibus é facilmente encontrado em uma pesquisa no google.
      Chegando em trancoso e passado algum perrengue (de novo) para decidirmos onde ficar, deixamos as coisas na pousada e fomos para a praia. 
      Andamos bastante para o sentido norte e depois voltamos para a praia dos nativos. Surpreendentemente os quiosques lá fecham cedo (começaram a fechar por volta das 15h30).
       
      Estadia: Pousada campestre (150,00) - Café da manha MUITO bom, o melhor da viagem toda. Boa localização (bem perto do quadrado, 5minutos andando). Preço negociado na hora, quarto para 3. O preço para reserva era mais alto. 
      http://bit.ly/pousadaCampestre



       
      Dia 17 - Trancoso
      Passeio: Neste dia fizemos uma caminhada para o lado sul, chegando até itaquena. São cerrca de 8 KM de caminhada cada trecho. Pelo caminho se passa por  itapororoca. Na maré baixa em Itaquena se formam corais MUITO bonitos. Importante falar que nesse trecho não tem quiosques ou ambulantes. Leve água e comida. 

       
      Dia 18 - Caraiva (praia do espelho)
      Passeio: Nesse dia o plano era ir para a praia do espelho, como o taxi custaria 350,00, decidimos alugar um carro (alugamos na Localiza).
      A praia do espelho esta entre as praias mais bonitas de toda a viagem, na maré baixa são formadas piscinas naturais lindas e as faléias dão um visual bem diferente. As águas são cristalinas e calmas. Com certeza é um lugar que não se pode deixar de conhecer se estiver na região. 
       Depois da praia do espelho, nosso destino foi Caraíva, onde não é permitido entrar de carro (até pqe as ruas são de areia). Mesmo assim, pelos nossos calculos acabaria compensando, já que economizaríamos o taxi + o transporte para caraiva.
      Nosso plano era ficar 2 dias em caraíva (1 noite), gostamos tanto que acabamos ficando 3 dias e 3 noites. Quanto mais tempo for ficar em caraíva, menos compensa alugar carro, pois o carro ficará parado. Os transportes de caraíva não tem horários muito bons, acaba perdendo metade do dia. Os horários são facilmente encontrados na internet. Transfers costumam ser bem caros (cerca de 300,00)
      Passamos MUITO perrengue para encontrar estadia em caraíva. Fomos pegos de surpresa, pois estava acontecendo um festival (novo mundo) e estava tudo cheio. No fim, deu td certo
       
      Estadia: Hostel Aruanda (40,00) - Se caraíva tem uma vibe FODA, o hostel aruanda tem ainda mais. Você vai ficar com saudades do hostel.
      É um estilo bem hostelzão mesmo, sem luxo. Fica próximo ao desembarque da travessia de barco. 
      http://bit.ly/Aruanda_Hostel

       
      A noite em Caraíva é um atrativo a parte. Sempre muito animado e pelo que nos falaram, cada dia tem um role, que não costuma acabar tarde. Porém depois que o role acaba, o pessoal faz tipo um luau com voz e violão. MUITO MASSA!
      Caraíva tem uma bebida “típica” chamada Netuno, é uma bebida feita com gengibre, muito famosa por la. A bebida lembra catuaba, porém, de gengibre. Custa 10,00 a garrafa. O que não é tão comum saber, é que existe o netuno preto e um outro branco/transparente, menos famoso. O mais claro tem o gosto de gengibre mais forte.
      A cidade tem o clima roots e jovem. 

       
      Dia 19 - Caraiva (Ponta do corumbau)
       Passeio: Ponta do corumbau. É um passeio feito de buggy (90,00 por pessoa), na maré baixa é formada uma ponta mar adentro. Antes de acessar essa praia você para em um lugar que vende vários artesanatos feitos por índios (colares, pulseiras etc), é muito mais barato aqui do que em trancoso ou Arraial d’ajuda. Nesse passeio você sai cedo e volta no fim da tarde. 
       
      Nós precisamos trocar de estadia, já que não havia vaga no hostel aruanda. Fomos procurar e surpreendentemente encontramos fácil uma pousada (bastante boa)
      Estadia: Pousada da Angélica (170,00) - Preço negociado na hora, boa instalação, bom wifi. Preço de quarto para 3. Praticamente de frente pro muro “sorria, voce esta em caraiva”
      Não encontrei nem no booking e nem no air bnb


       
      Dia 20 - Caraiva (Praia do Satu)
      Passeio: Caminhada praia do Satu. Caminhando para o lado norte da praia (é preciso atravessar o rio), você vai chegar na praia de satu (a caminhada não é tão longa, mas foi cansativa). Na maré baixa se formam piscinas naturais. Existem 2 rios, o primeiro de agua escura e o segundo de água verde. Esse de água verde tem argila que o pessoal passa no corpo como tratamento estético (essa info não achei em lugar nenhum quando pesquisei)

       
      Dia 21 - Arraial D’Ajuda (Praia de mucuge)
      Saímos cedo de Caraíva para devolver o carro em Trancoso e pegar a van para Arraial D’Ajuda.
      Chegando em Arraial d’ajuda fomos para o hostel que pesquisamos na van durante o trajeto Trancoso-Arraial. 
       
      Estadia: Pousada Mikaela. A dona é muito simpática e a pousada muito aconchegante. Fica bem localizada, a 7 minutos andando da rua “Brodway”. O café da manhã é muito bom, com tapiocas feitas na hora :9
      http://bit.ly/Pousada_Mikaela


       
      Passeio: Nesse dia ficamos na praia do mucugê (é a mais próxima). A praia é bem bonita e movimentada. Para ficar no guarda-sol e cadeira dos quiosques é cobrado uma consumação “da cozinha” ou seja, exigem que você almoce no local. Com muito custo conseguimos negociar uma consumação de 30,00 por pessoa independente se fosse um pedido de prato ou não.

       
      Dia 22 - Arraial D’Ajuda (Taipe)
      Passeio: Taipe. Tiramos o dia para relaxar, já que era o ultimo que poderíamos aproveitar da viagem.
      Decidimos não ir andando e pegar um transporte, nos foi falado que por ali era fácil de conseguir transporte, mas não foi assim. Foi bem difícil, pois não é caminho das Vans/onibus. Com algum tempo de espera conseguimos uma van que praticamente nos fez o favor de levar até la.
      A praia não é nada de mais. As falésias dão um visual diferente, mas eu preferi a praia de mucuge (que fica proxima ao centro)
      O retorno fizemos andando e percebemos que foi um erro ter desperdiçado tempo esperando transporte, já que a praia de taípe não é longe do centro.
      Jantar: De noite a ideia era jantar em um lugar legal para nos despedirmos da viagem e voltarmos a vida real de trabalho (fazer o que né). Fomos no restaurante Alecrim dourado e pedimos camarão no abacaxi. Foi uma das melhores refeições da minha vida. Dividimos em 3 e ficamos “ok” (não estávamos com muita fome).
       
      Depois do jantar ainda fomos para o bar “casa mangue neon” é um bar com ambiente despojado, com cadeiras de praia e drinks “diferentoes”, eles nos deram um drink cortesia de caipirinha de netuno (bebida bastante consumida na região), outra bebida curiosa foi caldo de cana com cachaça (bastante boa, por sinal)
      Depois do bar neon fomos para o beco das cores, como se fosse uma galeria onde tem vários bares, começou ficar agitado perto das 23h. Rolou uma banda ao vivo e estava bem animado, aparentemente vão muito locais para o beco das cores, já que a entrada é gratuita.
      Depois do beco das cores finalizamos a noite no   “morocha” é uma balada conhecida da cidade.

       
      Dia 23 - Volta Porto Seguro - São Paulo
      Voo:
      Porto seguro Guarulhos
      192,54 reais , LATAM 14h35, voo direto , Dia 3/11 comprado em 10/09 (Melhor preço que vi durante o tempo que acompanhei. É difícil achar essa tarifa)


      DICAS GERAIS POR LOCALIDADE
      Dicas Gerais Arraial d’ajuda
      Saindo um pouco da praia se compra 3 cocos por 5 reais, enquanto na praia normalmente custa 1 coco 5 reis. 
      Restaurante Alecrim dourado (não é considerado barato, mas é muito bom para quando quiser aproveitar um lugar com uma comida mais sofisticada)
      É muito dificil ter uber disponível
       
      Dicas Gerais Caraíva:
      Se for ficar varios dias, não alugue carro. O carro vai ficar parado
      Netuno: Bebida tipica de lá a base de gegibre
      Os roles noturnos são bons
      Vá de mochilão. As ruas são de areia, o que dificulta transporte da mala
      Sinal de celular, não tem.
      Wifi, tem. Mas a maioria que usamos não era mt bom.
      Achei Caraíva a cidade mais cara (hospedagem, comida, agua, etc)
      Por do sol a beira do rio é MUITO bonito, vale a pena curtir. Nos dias que fiquei la dava pra ver a lua ainda com o céu alaranjado. Um espetáculo
      Não é possível fazer o translado saindo de caraíva de uber 
       
      Dicas Gerais Trancoso:
      Os quiosques fecham muito cedo (cerca de 3h30)
      Os restaurantes no quadrado são MUITO caros. É possível se afastar um pouco e comer mais barato
      Não vi nenhum motorista de aplicativo disponível
       
      Dicas Gerais Morro de SP:
      Ficar na terceira praia é uma otima localização
      Na maré baixa TUDO fica mais bonito, de preferencia para fazer os passeios nesse horário, principalmente os que envolvem piscinas naturais.
      Ir na quarta praia na maré baixa. As piscinas naturais são MUITO bonitas
      Tirolesa não vale os 60,00
      Da para usar o passeio “volta a ilha” para atravessar de Morro de SP para valença

       
      Dicas Gerais chapada
      Vá de mochilão, andar na cidade de mala é ruim.
      Alugue Carro, transfers e passeios fechados são MUITO mais caros
      Use Google maps offline (se não baixar o mapa vai ficar na mão)
      melhor que o Google maps offline é o Maps.me (Usando os 2 vai conseguir chegar nos lugares)
      Ibicoara: Restaurante Point dos amigos
      Antes de entrar no Vale do Pati, deixe as coisas que não for usar em algum lugar (agencia, hostel, conhecido)


       
      RESUMO DE ESTADIAS INDICADAS:
      LENÇOIS, Chapada Diamantina
      Estadia: Viela Hostel (30,00), bem hostelzão, bem localizado, comodidade média. Mas achei que o custoxbeneficio valeu MUITO a pena. Veja como a avaliação do hostel no booking  é boa
      http://bit.ly/vielahostel


       
      IBICOARA, Chapada DiamantinaI
      Estadia: Hostel Kosmos, 30,00 Reais, acomodação boa com vibe roots. Você encontra essa acomodação no Airbnb (Essa estadia não esta listada no booking). 
                 Aproveito e deixo pra vocês um cupom de desconto no air bnb
      https://www.airbnb.com.br/c/caiov277?currency=BRL
       



       
      VALE DO CAPÃO, Chapada Diamantina
      Estadia: Sempre viva (40,00) - Acomodação boa, custo beneficio OTIMO. 40 reais por pessoa por quarto privado. Caso for fazer o vale do pati, a acomodação cobra 10 reais para guardar a bagagem e permite banho na volta.
                 Não encontrei a acomodação no booking


       
      SALVADOR
      Estadia: The Hostel (40,00), fica no bairro Rio vermelho, Hostel é bom, tem piscina e café da manhã. Não deu para avaliar tão bem, já que ficamos só 1 noite.Mas as acomodações no geral são MUITO boas.
      http://bit.ly/TheHostelSalvador


       
      MORRO DE SP
      Estadia: Pousada tranquila 110 o quarto com 4 e 3 lugares (negociado na hora), tivemos que mudar de quarto no meio da estadia. Pousada com ótimo custo x beneficio, fica na frente do mar na terceira praia (da pra ver o nascer do sol do quarto, se ficar no quarto de 4 pessoas). Pousada conta com bom café da manhã (com vista para o mar). Recomendo muito a estadia!
       
      http://bit.ly/PousadaTranquila


       
      TRANCOSO
      Estadia: Pousada campestre (150,00) - Café da manha MUITO bom, o melhor da viagem toda. Boa localização (bem perto do quadrado, 5minutos andando). Preço negociado na hora, quarto para 3. O preço para reserva era mais alto. 
      http://bit.ly/pousadaCampestre



       
      CARAÍVA
      Estadia: Hostel Aruanda (40,00) - Se caraíva tem uma vibe FODA, o hostel aruanda tem ainda mais. Você vai ficar com saudades do hostel.
      É um estilo bem hostelzão mesmo, sem luxo. Fica próximo ao desembarque da travessia de barco. 
      http://bit.ly/Aruanda_Hostel

      Estadia: Pousada da Angélica (170,00) - Preço negociado na hora, boa instalação, bom wifi. Preço de quarto para 3. Praticamente de frente pro muro “sorria, voce esta em caraiva”
      Não encontrei nem no booking e nem no air bnb


       
      ARRAIAL D’AJUDA
      Estadia: Pousada Mikaela. A dona é muito simpática e a pousada muito aconchegante. Fica bem localizada, a 7 minutos andando da rua “Brodway”. O café da manhã é muito bom, com tapiocas feitas na hora :9
      http://bit.ly/Pousada_Mikaela


       
      Quem quiser ver fotos ou tirar duvidas, me chama no instagram @caioviniciusaleixo (lá eu fico mais atento as mensagens)
    • Por Leandro Z
      Apesar de haver bons relatos no site, espero contribuir com o meu.
      Há 4 ônibus diários entre São Luís e Barreirinhas pela viação CISNE BRANCO, R$51, demora 5h (não procurei vans saindo do aeroporto direto pra Barreirinhas, mas existem). Dizem que é melhor fazer a travessia no sentido Barreirinhas - Santo Amaro, por causa da posição do sol e do vento. A estrada São Luís-Santo Amaro é relativamente nova, está boa e é mais perto que SLZ - Barreirinhas. Além disso, as lagoas de Santo Amaro são mais bonitas. ATENÇÃO com a volta de Santo Amaro para São Luís, acho que não tem ônibus (se tiver, são raros) e dependemos do guia em achar uma van que ia pra lá. Geralmente, o último dia termina 12:30h e o transporte até São Luís demora 4h30min. Grande parte da travessia é em areia firme e fria, então é melhor andar descalço ou com meia. Também tem inevitáveis passagens por lagoas menores, onde se molha, pelo menos, as pernas. Elas são boas para se refrescar (o tempo inteiro eu andei molhado ou úmido de propósito). Melhor época: junho e julho, alguns dizem agosto e até setembro, mas nestes muitas lagoas já estão secas. Preços: como junho e julho são os melhores meses, só diária do guia custa até R$250; hospedagem (café da manhã incluído), em redário, sai por R$35; jantar: R$30 a R$35; água de 2l: R$8. Converse com o guia para ver o que está incluído no preço dele (passeio pelo rio Preguiça, hospedagens e refeições, etc). Cansar vai, mas com certeza vale a pena. Acredito que uns treinos de caminhada de 8km sejam suficientes para preparação. Esta é a travessia mais tradicional do parque, mas tem outras de 6 até 10 dias! Levar: poucas roupas (inclusive com proteção UV), meias, chapéu (nessa época, não precisa levar nada para frio, nem tênis), chinelo, protetor solar, água (pode ser comprada em cada parada),  snacks (frutas desidratadas, amendoim e castanhas), dinheiro em espécie, lanterna (não é essencial, não precisa na caminhada, mas ajuda nas hospedagens), coisas de higiene pessoal (sabonete, escova, pasta, repelente). É recomendável levar aquelas baterias portáteis, power bank, mas dá pra usar a eletricidade em algumas hospedagens. Dia 28/jun - 1º dia: Pegamos um barco em Barreirinhas para fazer o passeio pelo rio Preguiça (R$80) por volta das 10h, o guia já nos acompanhava. O passeio é tranquilo, para em Mandacaru, onde tem um farol, também para em Caburé onde tem dunas e uma lagoa. Termina em Atins, banhamos em uma praia. Depois, final de tarde, caminhamos até Canto de Atins, cerca de 3,5h em ritmo tranquilo, sem paradas para banhos, o GPS marcou 12km de caminhada durante o dia todo (pareceu bem menos). Em Canto de Atins, tem dois restaurantes/pousada: do seu Antônio e da dona Luzia. A dona Luzia foi pioneira e é mais famosa, mas o guia disse que a fama subiu-lhe a cabeça, ficamos no seu Antônio. O camarão na chapa é o prato chefe de ambos, não é barato (com refri e água, saiu R$50 cada um o jantar), mas realmente estava muito gostoso. Dormimos em rede (R$35), local coberto com palha, com luz, mas sem paredes, até às 2:30h da manhã.
       
      Dia 29/jun - 2º dia: Prometia ser o mais pesado, cerca de 17km até Baixa Grande (o quarto dia que foi o mais cansativo). Começamos a travessia por volta das 3:15h, depois de um bom café da manhã, caminhamos sob a lua cheia iluminando tudo e temperatura amena. Andamos pela praia um bom tempo, cerca de 4h (com direito a cochilada no caminho) até chegar às dunas. Valeu a pena? Sempre, no entanto, tem gente que faz este trajeto de carro e isto economiza umas boas horas. Nas dunas, subida, descida, banho em algumas lagoas. Terminamos em Baixa Grande às 12:10h. Cansei muito! O GPS marcou, durante todo o dia, uns 27km. Eu digo "durante todo o dia", porque ainda caminhávamos pelos arredores do local da hospedagem para conhecer lagoas, rios, ver o pôr-do-sol. Baixa grande é um vilarejo no meio do deserto, mas com construção de alvenaria e vegetação por perto. Almoçamos galinha caipira por R$35 (preço padrão e não é você que escolhe o que comer). Descansamos e, à tarde, fomos para uma lagoa e ver o pôr-do-sol. Dormimos, como sempre, em rede (R$35 preço padrão), sem iluminação, mas coberto com palha e "paredes". O dia seguinte seria mais tranquilo.
       
      Dia 30/jun - 3º: Este terceiro dia foi tranquilo, acordamos por volta das 4:30h para sairmos às 5h, após café da manhã simples (tapioca e ovo). Caminhamos devagar, parando bastante em lagoas e terminamos antes do meio-dia em Queimada dos Britos, o GPS indicou 15km. Eu comecei a usar meia, pois vi que estava começando a formar bolha no meu pé. Almoço (R$35) era peixe (estava salgado), teve salada (artigo raro) e até sobremesa. Lagoas, pôr-do-sol, jantar e dormir cedo, porque não tem muito que fazer a noite.
       
      Dia 1º/jul - 4º: De novo, acordamos umas 2:15h, tomamos café e saímos para caminhar às 3h e alguma coisa. Só terminamos à 12:30h, exaustos, em Santo Amaro. Foi o dia mais longo e mais cansativo, cerca de 28km. Neste dia, mais uma vez, é possível pegar um transporte em Vassouras, economizando assim, uns 10km. Pergunta se pegamos? Não. Faltando uns 8km (talvez 6km), o guia novamente perguntou se queríamos pedir um carro e pagar R$50 cada um. Pegamos o carro? Claro que não, só faltavam 8km! kkk. As lagoas perto de Santo Amaro são bem mais bonitas que as de Barreirinhas e, acredito eu, o turismo em Santo Amaro irá aumentar com a boa estrada até são Luís (só falta transporte).
       

    • Por Jv21Games
      Olá, quero passar pela fronteira uruguaia, de carro alugado, porem vou apenas de visita, vou entrar pelo chui e pretendo sair pela barra del chuy, dando uma parada no parque aquático. Sabe se vou precisar do seguro carta verde? De que documentos eu preciso? Alguém sabe responder? Grato, João.
    • Por Carlosfuca
      Se o ancestral João Antão conseguiu ver a imagem de São Thomé, lá fui eu ver a São Thomé das Letras em Minas Gerais também. Cidade de beleza inigualável, de energias contundentes, de atmosfera reluzente, do turismo e das pedras.
      Dentre tantas belezas, guardei um dia da minha rápida estadia pra ir à Cachoeira Shangri-lá. Após uma conversa com o Delei, que é dono do camping onde fiquei, citei o meu interesse de ir a essa cachoeira e por coincidência ele tinha ido uma semana antes, porém ele não sabia passar as coordenadas exatas, pois ele fez vários rolês no dia e tava com um guia. Perguntei sobre o guia e ele indicou um. Eu tinha algumas informações e tava disposto a ir a pé, mas depois decidi contratar o guia, que cobrou R$110,00.
      Vou relatar aqui trechos dos caminhos que guardei, mas aviso que pra ir na caminhada é uma pernada boa. Então a melhor opção é chamar um guia. Mas também não é nada impossível, é em média 19km de caminhada só pra ir. Eu fui por um caminho e voltei por outro e pra quem tá sem condições e quer ir á pé ou já tá de carro dá pra ir sim.
      Uma dica é pegar uma carona sentido três corações e descer depois do 5km da estrada, onde tem uma placa indicando o caminho pra "Pousada Shangrila", https://goo.gl/maps/eaq1jWQSPh12 >>>lembre-se tá entre o km 5 e 6 indo sentido três corações.>>> O outro caminho para a cachoeira é depois do Km11, o primeiro trevo à direita depois da placa de 11km. https://goo.gl/maps/nAmMz3Ajk9n
      Tem a opção de pegar um ônibus de STL a Três Corações e descer na entrada, deve sair R$10,00.

      Link de uma mapa na net (não é meu): https://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=8866447
      A ida.
      Combinei com o guia as 07h30 na rodoviária de São Thomé e fomos de moto. Duas rodas na estrada e neblina. Ainda no topo dissemos, "vamos pra neblina", pois conforme perdemos altitude adentramos nas 'nuvens'. O caminho iniciado por ele foi o depois do km5, onde tem como referência a placa indicando "Pousada Shangri la". A partir daí foi estrada de terra, que estava precária, pois havia chovido dias antes, Foi coisa de 10 minutos e começou a ficar muito escorregadio e quase impossível de manter a moto em pé, Marcelo parou, olhou e disse, "puts, o pneu furou".
      Pensando no que fazer, ele voltou pra STL pra ver se conseguia arrumar a moto ou pegar uma emprestada. O tempo tava muito agradável, o lugar é de uma tranquilidade imensa, resolvi ir caminhando, SEMPRE PELA PRINCIPAL, e ele iria me resgatar tempos depois.
      Acabou que caminhei mais de uma hora achando que já tava perto, mas depois descobri que faltava muito ainda. A primeira bifurcação veio rápido, mas nessa lógica de seguir a principal, ficou fácil seguir pela esquerda. (Na foto 4 tem a vista de quem ta voltando e uma seta no canto inferior esquerdo da foto indicando a ida pra direita.)
      Segui por mais alguns minutos, sempre vislumbrando a natureza ao redor, aquele ar mágico, passando por fazendas e assim logo avistei uma placa dizendo "Boa Vista" (seta pra direita) e "Shangri lá" (seta subindo), então reafirmou que eu estava no caminho certo. Mais uns 15 minutos e veio uma bifurcação a direita. Na foto 6 se vê a placa indicando São Thome a 5km, essa placa tá na direção de quem volta, então só enxergará depois que fizer a curva pra direita, que é obvia também.
      Continuei seguindo e seguindo a pé até sair numa igrejinha cor (bege/rosa?), vista na foto 7. Nessa igreja é só seguir reto de novo. Depois dela, vieram duas bifurcações e fui reto à esquerda nas duas. Na primeira pode escolher os dois caminhos o da direita indica "Fazenda São Francisco", mas só se vê também pra quem volta, eu fui direto mesmo, e na outra esperei o guia, pois estava com duvidas.
      Veio outro moço de carro e seguimos, ainda tinha coisa pra caramba e a estrada sempre esburacada e cheia de barro. Ele seguiu por mais 20 minutos de carro e chegou uma hora que virou à direita obrigatório, e já saiu numa guarita do Exercito, paramos pra dar o nome e a partir de então a área era deles e a estrada estava bem melhor. Notei que todo esse tempo as placas pra Shangri-lá sumiram, aparece algumas pra "Fazenda São Francisco" e pode ser a mesma coisa, pois essa cachoeira se encontra dentro da fazenda.
      Demoramos mais 15 minutos da guarita do exército até a cachoeira
       
         
         
         
       

      Ao chegar na cachoeira, que é uma união de várias corredeiras formando poços, meu olhos brilharam ao presenciar tanta beleza, o formato das rochas me deixou bem espantado, parte delas dialogando com as arvores e matas e outra com as águas.
         
      Escolhi dois poços que considerei mais seguros e tomei meu banho e dei uns mergulhos, parei pra admirar a paisagem e fui ver as escritas rupestres que fica numa pedra já quase no topo da corredeira.
      Vale dizer sobre a preservação do local que deve partir de nós visitantes e visar o menor impacto possível. Apesar de eu ter ouvido relatos de que as pedreiras estão explorando de forma desenfreada, não devemos cair nessa da degradação do lugar.
      Outras coisa é com relação a segurança. As pedras são escorregadias muito cuidado, não confie totalmente e não tenha pressa pra se locomover por lá. Escolha bem os lugares pra nadar, principalmente se for em época de chuva!
          
         
         
         
      Pra voltar fizemos outro caminho que foi bem mais fácil, vamos se dizer que do ponto da guarita do exercito demorou 20 minutos até a estrada que vai pra STL e seguindo praticamente pela principal rodeada de plantação de milho e café. Saímos no trevo "Km11" e da estrada foi tocar o carro pra STL novamente. Totalmente satisfeito com o rolê e com a natureza de São Thomé das Letras!!!
      Péde Natureza, é nois!


×
×
  • Criar Novo...