Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

Conheci Eduardo Galeano na faculdade de História e li bastante sobre algumas de suas obras (ele tem muitas rsrsrs).

 

Vou comprar o livro e vai ser meu companheiro de viagem, obrigado pela dica!

 

Te add no face, me aceita lá pra vc ir vendo as fotos quando começar o meu mochilão.

 

abs!!

 

Te adicionei lá e que faça uma bela viagem. Muita paz pra ti.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

(...) Zezão é conhecimento puro e tácito, conhece o parque como ninguém, fauna e flora, história, além d'uma simpatia gigante. Diplomas não definem conhecimento, muito menos caráter. Ao refutar o Zezão a família me deu um dos melhores dias da minha vida. Azar deles e sorte a minha.

 

Que beleza!

 

Sigo viajando com vc.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Que beleza!

 

Sigo viajando com vc.

 

@mcm obrigado pela companhia nessa difícil viagem que é escrever esse relato. Muito obrigado de verdade. Muita luz para você.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 17: Sertão Nordestino

“O sertão é do tamanho do mundo.” Grande Sertão Veredas, Guimarães Rosa

"Sertão. Sabe o senhor: sertão é onde o pensamento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar." Grande Sertão Veredas, Guimarães Rosa

Todos as noites que em sonhos volto aos dias da viagem, sempre é o mesmo sonho. Alguém sem rosto vem me oferecer ajuda pelo sertão. Esses sonhos, na verdade, são o resumo dos meus dias no sertão nordestino. Todos os dias, eram dias de infinitas pessoas me ajudando por onde eu passava ou parava ou ficava. Nunca senti gratidão igual. Se eu tivesse que enterrar meu coração, seria ao lado de uma casa de pau-a-pique com a caatinga como cenário, pois ali, corações são grandes e cegos, do jeitinho que um coração deve ser. Amar sem ver quem ou precisar de um porque. Muita falta sinto daquele cenário de rara beleza e, principalmente, daquelas pessoas que na falta de tudo transbordam solidariedade.

"Olhou a catinga amarela, que o poente avermelhava. Se a seca chegasse, não ficaria planta verde. Arrepiou-se. Chegaria, naturalmente. Sempre tinha sido assim, desde que ele se entendera. E antes de se entender, antes de nascer, sucedera o mesmo - anos bons misturados com anos ruins. " Vidas Secas, Graciliano Ramos

Sai de São Raimundo Nonato em direção a Picos (tudo no Piauí) e no caminho a paisagem me dominava. Não olhava para nada ao não ser para a janela, com aquele cenário de filme. Chegando a Picos resolvi não perder nenhum detalhe do caminho. Viajaria, de agora em diante, somente de dia, enquanto estivesse no sertão. Dormi na rodoviária nesse dia. Na manhã seguinte eu fui para a estrada.

Me lembro que passei por diversas cidades, algumas grandes outras pequenas e que nunca saberei os nomes. De carona ou ônibus eu avançava em direção a Juazeiro do Norte. A vida nesse meio caminho era boa demais. Viajava, bem pouco, quando a luz queimava o dia. Não perdia nenhum detalhe, depois encostava em uma cidade ou vilarejo e ficava. Ficava junto com a cidade. Eu era sempre a novidade. Não era novidade ser recebido de braços abertos. Fugaz era meu tempo e convivência. De manhã sempre estava pronto para a próxima parada. Toda tarde era a mesma história, chegava e logo alguém oferecia um pedaço de chão pra eu dormir. Toda noite jantava com uma família diferente. Seguia de coração partido. A vida nesses dias era como um conto de cordel. Rápida e intensa.

598ddc5cd601b_Foto17.1-Acasa.jpg.d861e50b257d19fb5a07fdacca1019a8.jpg

598ddc5cda25a_Foto17.2-Caatinga.jpg.a7b43ed21bfe399521062bf9e1475960.jpg

"Na janela do ônibus eu via bodes. Na janela do ônibus eu via pessoas. De longe eu avistava juazeiros e mandacarus. A vida passava e passeava na velocidade do ônibus. Talvez o ritmo do tempo era cinquenta quilômetros por hora. Diferente da tela de cinema, a tela do ônibus, mostrava cenas sem roteiro. A vida continuava para todos os outros, menos para mim, eu era um telespectador. Apenas voltava para a realidade ao parar do ônibus. A cada nova cidade uma imagem de Padim Ciço lhe dava as boas-vindas. E com a benção de Cícero eu descia. E com a benção de Cícero eu conhecia. E com a benção de Cícero eu partia." Notas de Diário

Cheguei em Juazeiro do Norte, Ceará. Fiquei poucos dias. A cidade é bem maior que eu imaginava, tão grande que quase dá pra esquecer de se estar no meio do sertão. Fiquei hospedado num pensionato que mais parecia um labirinto de varais cheios de roupas. De resto fiz um turismo para conhecer um pouco mais a história e as histórias de Padre Cícero ou para os íntimos, Padim Ciço.

598ddc5cdf43b_Foto17.3-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.e0074a4a9c06bab94998538e8932c807.jpg

598ddc5ce4836_Foto17.4-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.8e81aba81d211b273cbd59eeeb0abe82.jpg

598ddc5cea5cc_Foto17.5-JuazeirodoNorte-PadimCio.jpg.bcb029070fbec974b0c848973f35ccfc.jpg

598ddc5cf03dc_Foto17.6-JuazeirodoNorte.jpg.471b2ad6ea7a2bb242f6f32547906e13.jpg

Depois continuei de ônibus em ônibus. De carona em carona. De janela em janela. De vilarejo em vilarejo. De abraços de encontros e abraços de despedidas. Fui vagueando. Pouco eu falava, mas muito observava. Olhava tudo. Não perdia nada. Às vezes, confundo o tempo, a intensidade dos dias fazem parecer que foram mais dias do que realmente foram. Quando eu começava a sentir saudades um novo encontro aparecia e que seria a saudades de amanhã. Assim, seguiam os dias, eu era acolhido como um filho todos os dias. Pouco falei de mim e pouco falavam sobre eles.

598ddc5d01949_Foto17.7-Ocampo.jpg.0dbc746bcd9eb3010e54e1e869ffe773.jpg

598ddc5d06a64_Foto17.8-Ocampo.jpg.c8894ddde9b7a78cfdc387970ff0d9d4.jpg

Cheguei em Cabaceiras (Paraíba) por muito ouvir sobre essa cidade. Estar em Cabaceiras é como viver dentro de um filme. O Auto da Compadecida e Cinema, Aspirinas e Urubus, entre outros foram gravados nessa cidade que é considerada a "Roliúde Nordestina". Tudo é belo aqui. As casas coloridas e a igrejinha onde João Grilo foi julgado por Deus são de uma lindeza sem tamanho. O lajedo de Pai Mateus é das coisas mais espetaculares que se pode achar no mundo. Desconhecido por quase todos. O lajedo tem aquelas pedras de tamanho gigante sortidas por todos os cantos e são de uma beleza sem tamanho, poderia listar quantas cenas de filmes ou novelas que foram feitas aqui, mas ocuparia muito espaço. Não é atoa que é considerada a capital do cinema nacional. A beleza da cidade e seu entorno são únicos. A noite da cidade é um charme. Vale demais a visita nesse pedaço de terra. Beleza rústica sem igual.

"Estava no mercado municipal (Cabaceiras), pedi um prato de comida. Sentei-me numa mesa cheia de pessoas. Antes a mesa era som de risadas e conversas. Ao me sentar eu trouxe o silêncio. Todos me olhavam. Eu olhava todos. O jogo de truco parou. Eu incomodava. Eu estava incomodado. Sentia-me o estrangeiro. O tempo só voltou a correr quando a comida chegou. Ao comer a mesma comida, alguma empatia foi formada. As primeiras conversas aconteceram. Perguntei se eu poderia jogar. Perdi todos os jogos, mas quando pensei em ir embora já era hora de jantar. Quando a janta chegou nenhum silêncio se fez. Já era mais um como qualquer outro." Notas de Diário

598ddc5d0aa82_Foto17.9-Cabaceiras-RolideNordestina.jpg.7c14b6856f546fcf833dc39056235c49.jpg

598ddc5d0e69c_Foto17.10-Cabaceiras.jpg.c0438bb77b542c5bff1663cea4bcf861.jpg

598ddc5d121ef_Foto17.11-Cabaceiras.jpg.e8f4d0ba8287f4c940e4419a622c392c.jpg

598ddc5d15f49_Foto17.12-Cabaceiras.jpg.d7a870d48a49e8e032bfe43889108ee6.jpg

598ddc5d19b32_Foto17.13-IgrejinhadojulgamentodeJooGrilo.jpg.0ea6d62e4b57b184f575f407a891e5d5.jpg

598ddc5d1e810_Foto17.14-Cabaceiras.jpg.793805fb0e4181a305eb21042d2119c6.jpg

598ddc5d236be_Foto17.15-Cabaceiras.jpg.5e67c5b2b377c9e819817082fe8b85ce.jpg

598ddc5d285b3_Foto17.16-Cabaceiras.jpg.a0f1250d4e076bbd66cdfd9873bfafd7.jpg

598ddc5d2d5b7_Foto17.17-Cabaceiras.jpg.be90d0ee50f792b9faf1fd4ddc7e34f6.jpg

598ddc5d32494_Foto17.18-LajedoPaiMateus.jpg.9e13f49d44f4b9c402af837f8eda96b7.jpg

598ddc5d369c3_Foto17.19-LajedoPaiMateus.jpg.6c74bf93bd896792c681c59e6f9a67f2.jpg

598ddc5d3a61a_Foto17.20-LajedoPaiMateus.jpg.e815f31e9072486603b42b5d4390e75d.jpg

598ddc5d3e1df_Foto17.21-LajedoPaiMateus.jpg.670e96dce59c955e15da2119eb366115.jpg

598ddc5d41e29_Foto17.22-LajedoPaiMateus.jpg.6485c59ed8be94c9b078ec5d1e4a6b3e.jpg

598ddc5d45b5d_Foto17.23-LajedoPaiMateus.jpg.824fae207571beb826108696d6e389ab.jpg

598ddc5d4a0c4_Foto17.24-LajedoPaiMateus.jpg.7634fa3738bd4fcd057de719afb9b197.jpg

598ddc5d4f281_Foto17.25-LajedoPaiMateus.jpg.f2507faca537e6b8da497aa9a421b3f3.jpg

598ddc5d54448_Foto17.26-LajedoPaiMateus.JPG.09ee24661e7db534dddb105d683fb6c1.JPG

"João Grilo (suspirando) - Tudo o que é vivo morre! Está aí uma coisa que eu não sabia! Bonito, Chicó, onde foi que você ouviu isso? De sua cabeça é que não saiu, que eu sei!

Chicó - Saiu mesmo não, João. Isso eu ouvi um padre dizer uma vez. Foi no dia que meu pirarucu morreu.

João Grilo - Seu pirarucu?

Chicó - Meu, é um modo de dizer, porque, pra falar a verdade, acho que eu é que era dele. Nunca lhe contei isso não?

João Grilo - Não, já ouvi falar de homem que tem peixe, mas de peixe que tem homem é a primeira vez.

Chicó - Foi quando eu estive no Amazonas. Eu tinha amarrado a corda do arpão em redor do corpo, de modo que estava com os braços sem movimento. Quando ferrei o bicho, ele deu um puxavante maior e eu caí no rio.

João Grilo - O bicho pescou você!...

Chicó - Exatamente, João, o bicho me pescou. Para encurtar a história, o pirarucu me arrastou rio acima três dias e três noites.

João Grilo - Três dias e três noites? E você não sentia fome não, Chicó?

Chicó - Fome não, mas era uma vontade de fumar danada. E o engraçado foi que ele deixou pra morrer bem na entrada de uma vila, de modo que eu pudesse escapar. O enterro foi no outro dia e nunca mais esqueci o que o padre disse, na beira da cova.

João Grilo - E como avistaram você, da vila?

Chicó - Ah, eu levantei um braço e acenei, acenei, até que uma lavadeira me avistou e vieram me soltar.

João Grilo - E você não estava com os braços amarrados, Chicó?

Chicó - João, na hora do aperto, dá-se um jeito a tudo!

João Grilo - Mas que jeito você deu?

Chicó - Não sei, só sei que foi assim! " O Auto da Compadecida, Ariano Suassuna

Depois segui para Ingá. A cidade é igual a todas outras. Pessoas circulam. Algumas praças. Algumas vendas. O que faz Ingá diferente de todas as outras é a Pedra de Ingá ou para os nativos a Pedra Encantada. Uma pedra escrita em baixo relevo que segue indecifrável até hoje. Algo diferente. Eu, ao menos, nunca tinha visto nada parecido. Coisa linda. Mais lindas são as histórias sobre a pedra. As teorias são muitas, desde de alienígenas até que a pedra esconde o segredo do universo. Prefiro as palavras da música de Zé Ramalho "Há uma pedra estranha que me diz | Que o vento se esconde num sopé | Que o fogo é escravo de um pajé | E que a água há de ser cristalizada | Nas paredes da pedra encantada | Os segredos talhados por sumé". Ingá é um tesouro de lugar. De Ingá voltei para ficar um pouco em Campina Grande e pouco tempo depois também me despedia de Campina Grande. Agora seguia rumo ao litoral e o sertão ficava pelo caminho.

598ddc5d59913_Foto17.27-PedradeIng.jpg.f229daf16d2a81b01bced6013c06e49f.jpg

598ddc5d5ee98_Foto17.28-PedradeIng.jpg.df1eee2d552bea348dbbda6c46c10198.jpg

598ddc5d64630_Foto17.29-PedradeIng.jpg.5c4370678ef34e989c36d09c8eac6765.jpg

598ddc5d68a29_Foto17.30-FssilIng.jpg.b2ed055e724bb7314520bcf13907763c.jpg

598ddc5d6cd70_Foto17.31-Ing.jpg.1b0c2a6b3ff7f5462b5709035f4b9195.jpg

598ddc5d713ab_Foto17.32-Ing.jpg.7016338f581b460c89b154ac839fff0e.jpg

"Hoje conheci a Pedra de Ingá. Lugar curioso demais. Depois da visita fiquei deitado numa sombra até criar coragem de caminhar novamente. Logo recebi companhias. Uma delas era o Vavá Azul, figura conhecida da cidade. A minha mochila atraiu a curiosidade. Logo, éramos em umas seis pessoas. Ficamos ali, contando e ouvindo histórias. As histórias de Vavá eram as melhores. Como bons amigos debaixo da sombra ficamos ali, conversando, até o sol baixar. Depois, como fossemos nos ver no dia seguinte, nos despedimos. " Notas de Diário

No sertão, com toda certeza, há muito sofrimento, fome e pobreza. Entretanto, o sertão não é apenas isso. O sertão é belo em sua natureza e cheio de gente disposta dividir o quase nada. Não tem como passar por aqui e não marejar os olhos diante de tanta solidariedade. A vida é dura nesse canto do planeta. Quase tudo endurece aqui: terreno, vegetação, músculos, pensamento, sonhos, pele, mas uma coisa segue palpitando numa velocidade maior dentro de todos, o coração. Se você não precisar de ajuda talvez nunca sentirá o que eu senti aqui. Num lugar onde a vida parece impossível somente há prosperidade se houver solidariedade. Assim, os dias passam. Sobrevivendo dia-a-dia. Estendendo uma mão hoje. Recebendo uma mão amanhã. Queria um dia poder voltar e de uma maneira mais justa poder lembrar de cada rosto e dar nomes às pessoas que antes, para mim, não tinham nomes. Talvez seria mais nomes que minha memória seja capaz de guardar, mas ao menos poderia agradecer cada pessoa individualmente e dar oportunidade aos meus sonhos ter novos sonhos. Substituir o "sem rosto" por centenas de pessoas com rostos conhecidos. Dos dias no sertão o que fica é a gratidão. O obrigado pelos inúmeros acolhimentos. O obrigado por mostrar-me coisas que só com os olhos eu nunca enxergaria. Obrigado! Espero reencontrá-lo em breve, Ser-tão. Até logo.

"Cantar, só, não fazia mal, não era pecado. As estradas cantavam. E ele achava muitas coisas bonitas, e tudo era mesmo bonito, como são todas as coisas, nos caminhos do sertão. " A hora e vez de Augusto Matraga, Sagarana, Guimarães Rosa

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 18: Jampa, Olinda e São Miguel dos Milagres

"Aqui nessa pedra, alguém sentou para olhar o mar

O mar não parou para ser olhado

Foi mar pra tudo que é lado." Melhores Poemas, Paulo Leminski

Cheguei em João Pessoa. A Mari me aguardava. Conheci a Mari no projeto Rondon, ela é alagoana, mas estava na cidade para prestar a prova do mestrado. Ela estava hospedada na casa de uns amigos e foi para lá que eu fui.

Nos dias em João Pessoa, em todo momento, tive a companhia da Mari, ficávamos o dia todo na praia. Caminhávamos, bebíamos e mergulhavamos. Pela primeira vez vi um mar com tantas cores. O que mais me lembro daqueles dias em Jampa foi de uma noite que ficamos na praia, quase deserta, sentados, conversando e bebendo. Depois ficamos no mar por muito tempo. Foi um dia bom. De resto, João Pessoa é uma cidade bem agradável e o que eu mais gostei é que é proibido prédios altos próximo da orla, o que deixa as noites nas praias mais bonitas. Depois de poucos dias a Mari teve que voltar para sua cidade e eu resolvi seguir viagem também.

598ddc5ea6745_Foto18.1-JooPessoa.jpg.ac765d7d91e4891997889e48de2af256.jpg

598ddc5eab877_Foto18.2-JooPessoa.jpg.dbc085e2cb620ebb0aec0d58bde07db4.jpg

598ddc5eb0dd1_Foto18.3-JooPessoa.jpg.39a634539cdd8ffad37ecfd13c509202.jpg

598ddc5eb601f_Foto18.4-JooPessoa.jpg.a7c8a523a035bee1b260182cb8f5372e.jpg

598ddc5ebb2eb_Foto18.5-JooPessoa.jpg.2d3ac609adf2522743a4f6b3473cf38d.jpg

Ainda em João Pessoa deu tempo de conseguir couchsurfing na noite em que eu planejava dormir na rodoviária. Assim, passei uma noite na casa da Cris. Ela é toda musical e tem um belo gosto para a música. Passamos a noite conversando e ouvindo música. No outro dia, me despedi da Cris e segui meu caminho.

Cheguei em Recife e parti para a Olinda. Peguei um metrô até alguma estação para poder pegar o ônibus para Olinda. O metrô de Recife é um tanto quanto curioso, acho que devia ter mais ambulantes vendendo suas mercadorias que propriamente passageiros e isso se repetiu toda vez que peguei o mesmo. Já em Olinda caminhei para procurar algum hostel. Fiquei no Albergue de Olinda, lugar muito bom e tranquilo.

Nos dias em Olinda, caminhei bastante pelo centro histórico e pela orla. O centro histórico é muito bonito, colorido e musical. Peguei o mapa turístico e caminhando fui conhecendo igreja por igreja, beco por beco e alguns artesanatos locais. De manhã acordava cedo e ia para a orla e pelas noites me juntava em algum lugar com música. Apesar de ser ressaca do carnaval, ainda havia maracatu pelas ruas e às vezes, ouvia-se o Galo da Madrugada e com isso a vontade de ter estado aqui algumas semanas antes.

598ddc5ec0a81_Foto18.6-Olinda.jpg.f3802caa6ceef26380ec2706ed499eef.jpg

598ddc5ec5faf_Foto18.7-Olinda.jpg.fd9b150cfa9f66add8352aaa99fe9518.jpg

598ddc5eca11e_Foto18.8-Olinda.jpg.bc35c2d0d58b5d21a7d12fb23666fd73.jpg

598ddc5ece902_Foto18.9-Olinda.jpg.a6b21e5c45c038eed3a3d9cb30ba6db4.jpg

598ddc5ed3070_Foto18.10-Olinda.jpg.0bdc78d024dcff707d0584a4107d3ee4.jpg

598ddc5ed7645_Foto18.11-Olinda.jpg.bfb76c6fd76b6694e446996e27d60543.jpg

598ddc5edbd50_Foto18.12-Olinda.jpg.2729a1bfbf1a3c23fd46c9b01f5edf85.jpg

Em, apenas, um dia resolvi conhecer Recife. Meu destino era o Recife Antigo, que é o centro histórico da cidade. Caminhei bastante, conheci o Marco Zero e fiz a travessia de barco até o Parque das Esculturas Francisco Brennand (valor de ida e volta é de cinco reais). Depois experimentei o famoso Leite Maltado em As Galerias, o maltado é uma bebida feita de sorvete de creme e malte de cacau. A bebida é incrivelmente boa, só não bebi mais de dois copos por não ter mais dinheiro. Depois fui conhecer o Paço do Frevo, um lugar único que mostra a história do frevo, além de ter diversas outras atividades. Nesse dia estava tendo uma apresentação artística do grupo local de maracatu com uma banda latinoamericana chamada (se minha memória estiver certa) Las Damas, foi das coisas mais incríveis que pude assistir, música de melhor qualidade, ninguém conseguia ficar parado, até eu que sou horrivelmente ruim dançando tentei alguns passos, mas na maior parte eu preferi bater palmas. De noite, junto com algumas pessoas que conheci no Paço do Frevo, fomos num bar. Sai correndo, atrasado, no fim da noite para conseguir pegar o último circular para Olinda.

598ddc5ee0fb3_Foto18.13-RecifeAntigo-MarcoZero.jpg.22eeee245c6b836808ee79d5c5275d18.jpg

598ddc5ee6122_Foto18.14-VistadaIlhadasEsculturas-RecifeAntigo.jpg.127b4fc5ca0f39b1d37a91c3f614f088.jpg

598ddc5eeb383_Foto18.15-RecifeAntigo.jpg.e8055284ae54ae50350791cd513f66b0.jpg

"O Sol da aurora raiou, na terra do Capibaribe,

Do frevo e do Maracatu, de baque virado, de touro encarnado, de todo o azul,

Nasceu da pedra salina, Luanda estrela divina,

Recife batendo tambor

Desaguando pela aurora, Recife senhora de toda magia que o mar derramou,

Dona santa feiticeira, rainha guerreira, cantiga negreira Recife Nagô." Recife Nagô, J. Michilles

A viagem seguiu. Agora eu chegava no Alagoas, mais precisamente em São Miguel dos Milagres. Primeiro fui procurar algum lugar para me hospedar, depois de consultar quase todos os lugares, estava assustado com os preços, o mais barato até então era 150 reais a diária. Achei um senhorzinho que alugava uns quartos no fundo de sua casa por quarenta reais, fiquei lá.

A primeira vez que eu vi o mar em São Miguel dos Milagres achei que estava sonhando. O mar azul e verde degradê queima os olhos com tanta beleza. Caminhei muito por aquele litoral. Fui para Porto de Pedras e Praia do Patacho caminhando e para muitas outras praias que não me recordo os nomes. Qualquer roda de futebol eu me enturmava e ficava. Conheci Laura quando fui buscar uma bola perdida. Logo me juntei em sua caminhada. O tempo passou muito rápido, tínhamos muitas coisas em comum, a conversa era fácil. A noite chegou e ainda caminhávamos. Voltar sozinho na escuridão, caminhando durante horas em companhia do céu estrelado foi bacana demais.

598ddc5ef046b_Foto18.16-SoMigueldosMilagres.jpg.5752c1035bf85ac01c6a3dfb9ca2ff69.jpg

598ddc5f01324_Foto18.17-SoMigueldosMilagres.jpg.34258a8f28f08b36bc4d68ef508d459d.jpg

598ddc5f050b5_Foto18.18-SoMigueldosMilagres.jpg.44fa6c2bb924bda225525554f5fc02f2.jpg

598ddc5f08c55_Foto18.19-SoMigueldosMilagres.jpg.5ea88f04c75abae721ce71752fefba43.jpg

Quando eu cheguei no nordeste, resolvi escolher uma praia, apenas uma, em que eu iria conhecer e viver sem pensar muito em dinheiro. A escolha foi São Miguel dos Milagres. Diferente da suas vizinhas Porto de Galinhas e Maragogi, aqui não existe turismo de massa e as praias são bem preservadas e quase desertas, mas tudo é bem caro. Apesar de eu ter achado uma estadia barata, quase todas as pousadas são muito caras (pois são bem poucas). Tirando os preços, São Miguel dos Milagres é um paraíso na Terra, vale muito a visita. Os coqueiros, os corais, o mar e a tranquilidade daquele lugar fazem qualquer pessoa aproveitar o momento e esquecer todo o resto.

Arrumei minha mochila numa madrugada e de madrugada peguei o ônibus que iria me levar para Maceió. Me despedia dos dias tranquilos em Jampa, Recife, Olinda e São Miguel dos Milagres.

"Não sou nada.

Nunca serei nada.

Não posso querer ser nada.

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo." Tabacaria, Fernando Pessoa

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Camarada, estou aqui ainda e curtindo muito o seu relato.

 

Peguei o livro "Espelhos" do Galeano, será o meu companheiro de viagem nessa trip que começa dia 24/12.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Camarada, estou aqui ainda e curtindo muito o seu relato.

 

Peguei o livro "Espelhos" do Galeano, será o meu companheiro de viagem nessa trip que começa dia 24/12.

 

Terá boa companhia na sua viagem então =]

 

Aproveita demais os dias em que estará de viagem. Abraços

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parte 19: Piranhas, Cânion do Xingó e uma viagem de carro

"O escafandro já não oprime tanto, e o espírito pode vaguear como borboleta. Há tanta coisa para fazer. Pode-se voar pelo espaço ou pelo tempo, partir para a Terra do Fogo ou para a corte do rei Midas.

Pode-se visitar a mulher amada, resvalar para junto dela e acariciar-lhe o rosto ainda adormecido. Construir castelos de vento, conquistar o Velocino de Ouro, descobrir a Atlântida, realizar os sonhos da infância e as fantasias da idade adulta.

Chega de dispersão. Preciso compor o início destes cadernos de viagem imóvel e estar pronto para quando o enviado de meu editor vier tomar o ditado, letra por letra. Na minha mente, remôo dez vezes cada frase, elimino uma palavra, junto um adjetivo e decoro meu texto, parágrafo após parágrafo.

Sete e meia. A enfermeira de plantão interrompe o curso de meus pensamentos. Segundo um ritual bem preciso, ela abre a cortina, verifica traqueotomia e gotejamento, e liga o televisor para que eu veja o noticiário. Por enquanto, um desenho animado conta a história do sapo mais veloz do Oeste. E se eu formulasse o desejo de ser transformado em sapo?" O escafandro e a borboleta, Jean-Dominique Bauby

Todo dia na estrada é um dia cheio de possibilidades. Por estarmos, frequentemente, diante do novo, o novo já não assusta. Ficamos mais propícios a dizer sim ou ao mesmo, seguir por caminhos que não eram nossos e num piscar de olhos, caminhos opostos formam pontes para um mesmo lugar. Todo dia na estrada é um dia cheio de encontros. Por estarmos longe dos nossos conhecidos, conversamos com qualquer pessoa que cruze o nosso destino e assim perdemos um pouco da arrogância do julgamento precipitado e damos a chance de conhecer o desconhecido. Todo dia na estrada é como qualquer outro dia, o que muda apenas é a nossa disposição de conhecer. Todo dia deveria ser como um dia na estrada.

Cheguei em Maceió. Caminhei, pouco, pela cidade, mas não queria estar na muvuca de uma capital. Queria dar continuidade aos dias tranquilos. Queria voltar para o interior. Queria voltar para a simplicidade. O cânion do Xingó surgiu em minha cabeça e para lá continuei o meu caminho.

No Alagoas o transporte dentro do estado é feito por vans. Os ônibus na rodoviária são, praticamente, interestaduais. Sem informação de horários, fiquei na rodoviária esperando a van para a cidade de Piranhas. Embarquei com mais umas dez pessoas. A viagem perdurou por algumas boas horas. O sono me dominou por quase toda a viagem.

Chegar em Piranhas (a cidade velha) é como chegar no paraíso. Me arrisco dizer que é a cidade mais bonita que eu já conheci. Suas casas coloridas à margem do rio São Francisco são de uma beleza sem tamanho. A harmonia que a cidade tem com a natureza, uma complementando a outra, fez eu não imaginar a natureza sem a cidade e a cidade sem a natureza. A calmaria se faz presente sempre naquele recanto de mundo.

Depois parti para o hostel Maestro Egildo Vieira. Egildo Vieira foi um maestro famoso, seu irmão Nei toma conta do hostel. Com orgulho o Nei sempre conta as histórias de seu falecido irmão famoso, principalmente as histórias que envolvem também o grande Ariano Suassuna. Nei é gentileza em pessoa. Nunca fui tão bem tratado num hostel como fui naqueles dias em Piranhas.

Deixei minhas coisas e fui caminhar pela lindeza da cidade. A cada cem metros parava para mergulhar no velho Chico. Joguei bola num campinho. Conversei com alguns pescadores e fui alertado de alguns lugares que era arriscado nadar. Retornei era quase noite. Fiquei na praça. Depois subi as escadarias para chegar no ponto mais alto da cidade para vê-la de cima e ser surpreendido com o belo céu daquele dia. Passei boa parte da noite ali, na companhia do céu estrelado.

598ddd63ef02a_Foto19.1-Piranhas.jpg.23e32c1e2cacd3a781ba208cf3223be8.jpg

598ddd63f31c3_Foto19.2-VelhoChico.jpg.fdcee223b686400bae8389acb0aed4a7.jpg

598ddd6402b22_Foto19.3-VelhoChico.jpg.5538aec51c4e2f0516a897f4b3d272cd.jpg

598ddd64068d2_Foto19.4-Igrejinha.jpg.b7382357774e0ee42ef173a01132f283.jpg

598ddd640a5da_Foto19.5-Piranhasdenoite.jpg.a080c11cfabcf79886e044506b4b6f27.jpg

598ddd640f508_Foto19.6-Aescadaria.jpg.331e63b5ada9c670d06f4be097708fd6.jpg

"Estava sozinho naquele hostel imenso. A arquitetura antiga de beleza rústica seria sucesso em qualquer grande cidade. Ali, o vazio tornava o eco mais sufocante. As pousadas familiares dominam a preferência de quem vem conhecer a cidade e a região. A arquitetura mais bonita é a do hostel, os melhores sucos e as melhores histórias e o melhor tratamento é feito pelo Nei. Se um dia tivesse que dar um conselho sobre Piranhas, o conselho seria: fique no hostel e conheça o grande Nei." Notas de Diário

No outro dia, acordei cedo e andei a beira rio novamente. Depois peguei um moto táxi até próximo a usina de Xingó, donde saem os barcos para o Cânion do Xingó.

Embarquei. O rio São Francisco naquele pedaço de mundo consegue ser mais bonito que o normal. A embarcação tinha muita gente e era todo animado, com música alta, comida cara e bebidas, algum desavisado poderia confundir com uma festa. Isso me incomodava um pouco, mas eu seguia na proa do barco admirando cada novo pedaço do rio que se anunciava. Ao chegar no cânion um misto de decepção e encantamento tomou conta de mim. A decepção por ver duas "piscinas" no rio ao lado do cânion do Xingó e o encantamento pelo próprio cânion. Para acessar o cânion é preciso pagar dez reais e tomar assento num barco a remo. O cânion é bem estreito. Poucos barcos vão ao mesmo tempo. Na espera todos ficam na "piscina" montada no meio do rio ou vendo o pouco artesanato que vendem na plataforma de desembarque. O trecho de barco a remo, vale muito a pena, é a cereja do bolo, é o porquê de ter encarado o barco maior. E saber que o cânion só é o cânion por causa de intervenção humana, pois ele só alagou depois da água ser represada para a construção da hidrelétrica de Xingó. De todo modo, os poucos minutos dentro do barquinho, onde o bater do remo é calmo, onde os paredòes quase se tocam, onde as cores da água alterna entre azul e verde de acordo com o esconder do sol, onde o silêncio toma conta e a beleza é a mais pura, daquelas de fazer esquecer qualquer outra coisa.

598ddd6414646_Foto19.7-RioSoFrancisco.jpg.dd0267dd47029cad9fb563ea9ed2fb1e.jpg

598ddd64199db_Foto19.8-RioSoFrancisco.jpg.24d1a6289df319c588799223a7cc2dcf.jpg

598ddd641ecab_Foto19.9-RioSoFrancisco.jpg.0b81e31540568b0eb4e53b64f1c817bd.jpg

598ddd6423f46_Foto19.10-Eunaproa.jpg.fef6590155b74802fc2be000b1aab984.jpg

598ddd6428a46_Foto19.11-CniondoXing.jpg.85fc29682a3754a170294ec0ec6260f0.jpg

598ddd642cb23_Foto19.12-CniondoXing.jpg.32d994e891cb903266f88c3d18d41be9.jpg

598ddd6430a84_Foto19.13-CniondoXing.jpg.800def809dc3dfdc701a0ef3a219fa52.jpg

598ddd6434c96_Foto19.14-CniondoXing.jpg.1075b96b6e4082faeef0aea8fa6b6260.jpg

598ddd6438d2d_Foto19.15-CniondoXing.jpg.b0f530ce6ee085958696b02abf7582a0.jpg

598ddd643d85a_Foto19.16-CniondoXing.jpg.d67bda3e7e6a4a9e81caec09e2ada378.jpg

598ddd6442f1d_Foto19.17-CniondoXing.jpg.09aa958db3a0f4a71f27835a4f4a1d94.jpg

598ddd6448955_Foto19.18-CniondoXing.jpg.7da5abce93100a189a7dec153d6ba11a.jpg

598ddd644e055_Foto19.19-CniondoXing.jpg.cafda0d8d942a3e5a24953f3568c1dd5.jpg

Na volta, o barco fez o mesmo caminho, como teria de ser. A animação era maior. Eu continuava da mesma forma, admirando a paisagem de pé na proa. Agora a proa estava cheia de pessoas. O motivo era a ducha ao lado, mas não para tomar banho. Quase todos queriam tirar uma foto fingindo tomar banho de ducha. Eu realmente não entendi, mas o que importa é que pareciam felizes com isso. Num desses instantes, comecei conversar com a Licka que estava viajando junto com a Anna de carro. Elas se conheceram pelo site do mochileiros e se encontraram em Salvador, alugaram um carro e seguiram para o Xingó e depois iriam aproveitar o litoral alagoano. Elas estavam do lado sergipano na cidade de Canindé do São Francisco. Convidei-as para conhecer a bela cidade de Piranhas, logo depois do passeio.

Licka é psicóloga e mochileira, já viajou por muitos lugares e estava prestes a fazer sua esperada volta ao mundo. Muita admiração por ela, por conseguir conciliar sua profissão com suas mochiladas.

Anna é radialista e mochileira de primeira viagem. Sua voz é igual da Fernanda Lima e seu sorriso é encantador. Sua ideia é o mais breve possível ir morar em Ilhabela.

Elas seguiram até Piranhas comigo. Conheceram o Nei e resolveram ficar. Depois saímos para comer e andar pela cidade. Mergulhamos no velho Chico. No fim da tarde, resolvemos subir as escadarias para ver o pôr-do-sol que se anunciava. Chegamos a parte alta e lá estava a Marina e o Rui, logo eles se juntaram a nós e no resto do dia éramos em cinco.

Rui é agrônomo, músico, dançarino e motoqueiro. Dono de uma felicidade contagiante e de uma humildade gigante. Não tem como não gostar dele.

Marina é búlgara e mochileira, tinha oito meses para viajar pela América do Sul. Sua ideia era percorrer o continente todo, mas de tanto gostar do Brasil gastou todo o seu tempo no litoral nordestino e na Chapada Diamantina.

Já era noite voltamos ao velho Chico para mergulhar. Depois passamos o resto da noite na pracinha em um dos bares. O tempo passava, algumas cervejas eram consumidas. Rui apresentava suas diversas teorias sobre os mais diversos temas, era fácil rir com suas histórias. Marina sempre sorrindo se esforçava no português. Anna apresentava sua ciência ao pedir a batida de morango. Licka me ofereceu carona para o outro dia cedo, a princípio iria ficar mais uns dias ali, mas no fim resolvi embarcar junto com elas. No resto da noite tentamos vencer o sono para ir ver o luar em cima das escadarias, mas o sono venceu. Despedimos do Rui e da Marina e seguimos para o hostel.

598ddd64532c2_Foto19.20-Piranhas.jpg.889e5ba53b5630c7d37bcded631a39ae.jpg

598ddd6458445_Foto19.21-Piranhas.jpg.03b952d4d97fe7901f486f810a5ac22e.jpg

598ddd645c38b_Foto19.22-Piranhas.jpg.0be8f7f33c45a3d8cebd6ac6b6f419bf.jpg

598ddd645fffd_Foto19.23-Piranhas.jpg.6fc7391903110ef619911a1df2c88d5b.jpg

598ddd6463cdd_Foto19.24-RuieEu.jpg.ebeaf65c3b6a4904ae8cc8022c91f5e5.jpg

598ddd6467c99_Foto19.25-EueaAnna.jpg.e171ba4d67953c2ded3c08c94d2d7f4b.jpg

598ddd646bd46_Foto19.26-MarinaAnnaRuiEueaLicka.jpg.f3eec157a91a0ba072357770f18ecbb9.jpg

" - Jack, nós temos que ir e nunca parar de seguir enquanto a gente não chega lá.

Para onde estamos indo, cara?

Eu não sei, mas temos que ir." On the road, Jack Kerouac

Saímos cedo de Piranhas. O Nei deixou preparado um super café da manhã para nós. Eu fiquei com todo o banco de trás. A Licka no volante deu início a viagem. Seguiríamos para a praia do Gunga. Entre cochiladas eu tentava acompanhar o caminho. Nos perdemos algumas vezes. Chegamos. Antes de entrar na praia, fomos num mirante onde avistávamos toda a praia pelo o alto. O mar de coqueiros e o mar de água divididos por uma faixa de areia é lindo demais. Estacionamos o carro e começamos a caminhar pela praia. Caminhamos até estarmos longe da multidão. Por vezes, mergulhei no mar colorido e agitado do Gunga, sozinho ou na companhia da Anna ou na companhia da Licka ou na companhia das duas. Passamos parte da manhã e toda a tarde ali.

598ddd6470d94_Foto19.27-PraiadoGungavistadomirante.jpg.76e0d6fd526c7198cb120a04fe3b695a.jpg

598ddd6476035_Foto19.28-LickaAnnaeEu.JPG.e29d576726eb864849bde6dc52cc7471.JPG

598ddd647b230_Foto19.29-PraiadoGunga.jpg.eee5a05038491abb34c537ad2a86d5e6.jpg

598ddd647ffa5_Foto19.30-PraiadoGunga.jpg.59af266f01c0ceb8de2b1e9cb594444c.jpg

598ddd6484e91_Foto19.31-PraiadoGunga.jpg.583daf2e5e296afcf0027c7545e435b3.jpg

Estávamos sentados num bar. Aproveitamos para carregar os celulares e tomar algumas cervejas. Tínhamos que definir nosso próximo destino. Depois de algumas propostas e conversas, chegamos a conclusão que iríamos para a praia do Carro Quebrado, ao norte de Maceió. A ideia era acampar na praia. Passamos num mercado e compramos alguma comida para cozinhar no acampamento. O fim da tarde chegava e assim, partimos. Por inexperiência pegamos a "Br", ao invés, da pista litorânea para chegar a Barra de Santo Antônio. Nesta noite, nos perdemos muitas vezes. Uma viagem de poucas horas se tornou uma grande viagem. Estávamos cansados. E por muitas vezes achei que desistiriamos em achar a tal praia. Ainda bem que não. Depois de muito escuro, pistas vazias e de muita música, chegamos a cidade destino. A praia era bem isolada e todos desencorajaram nós a seguir no fim de noite para lá. Um guia local arranjou um restaurante a beira mar para acamparmos.

598ddd648942a_Foto19.32-Chegandoaoacampamento.JPG.830e8fab03d0f545920afd4bdc13344d.JPG

Montamos a barraca. Nos ajeitamos. Fui ver o mar e o céu. Era a primeira vez da Anna acampando. Fizemos nossa janta. A fome era grande. O macarrão acabou rápido. Um vento agradável pairava pela noite. Um a um íamos dormindo.

598ddd648d3db_Foto19.33-Oacampamento.JPG.6433dca707d64e9838d715907d8343f2.JPG

598ddd6492482_Foto19.34-Oacampamento.JPG.1832f5c5da8897cf406e7397d4d7fd00.JPG

598ddd6496c5a_Foto19.35-Oacampamento.JPG.7e132e155388859c9ebbdb175d89a9eb.JPG

598ddd649b4d0_Foto19.36-Oacampamento.JPG.09258ff347492a71b2c98fe3c411beb5.JPG

Era madrugada ainda. Vi as gurias indo ver o nascer do sol a beira mar. Não consegui levantar. A ideia era ver o nascer do sol na praia do Carro Quebrado. Nos primeiros raios de sol, criei coragem e desfiz acampamento. Esperamos o guia que nos ajudaria com o labirinto até chegar a tal praia.

598ddd64a06b6_Foto19.37-Onascerdosol.JPG.654e0069ab319fe35f98d3220978e1ae.JPG

Chegamos em Carro Quebrado com o sol se levantando ainda. Que sorte a nossa não ter desistido. Ao ver pela primeira vez aquela praia, sabia que estava no lugar certo. Acho que já devo ter dito inúmeras vezes que essa ou aquela era a praia mais bonita que já tinha visto. Cronologicamente isso sempre é verdade. E agora estava de novo, de frente com a praia mais bonita e charmosa que já tinha visto. Ter ela só para nós foi um 'plus' que fez ela se tornar mais bonita ainda. O sol queimava demais. O mar tinha muitas cores. Pouco falamos. O esforço e a persistência em chegar naquele lugar, fazia cada um aproveitar do seu modo, aquele paraíso. Que calmaria gostosa. Que delícia de lugar. Que recompensa. No primeiro sinal de "intrusos", pegamos nossas coisas e seguimos viagem.

598ddd64a5a5b_Foto19.38-PraiadoCarroQuebrado.JPG.51cafa496eece5367f650cf949ee9039.JPG

598ddd64aad61_Foto19.39-PraiadoCarroQuebrado.JPG.5dafdd1885f0645580c865292ecf4686.JPG

598ddd64afe6a_Foto19.40-PraiadoCarroQuebrado.JPG.8dc588549a023b82c41f50a248f82a94.JPG

598ddd64b4ee0_Foto19.41-PraiadoCarroQuebrado.jpg.cb6cf48b92a9fde0e7457ea7d3f9598e.jpg

598ddd64b99dd_Foto19.42-PraiadoCarroQuebrado.JPG.610afa054ab31d7e12d7ffc073f5db31.JPG

598ddd64bd43a_Foto19.43-PraiadoCarroQuebrado.JPG.079ad684b8975f4df2c64b2ad4993994.JPG

598ddd64c0ea7_Foto19.44-PraiadoCarroQuebrado.JPG.065a5b9a7dded8c23903b98599e61567.JPG

598ddd65a7df1_Foto19.45-PraiadoCarroQuebrado.JPG.acafd43d488b42667e08adb4ea7c30cd.JPG

598ddd65ac315_Foto19.46-PraiadoCarroQuebrado.JPG.cb3ebf5e5a13a4acb255afaa21ce128f.JPG

598ddd65b13df_Foto19.47-PraiadoCarroQuebrado.JPG.ef6be38b8659415fa8df8281c06f1afe.JPG

Agora íamos recortando o lindo litoral do Alagoas em direção ao sul. Passamos pelas coloridas praias de Maceió. Cruzamos a praia do Gunga novamente. Toda praia que se anunciava era mais bonita que a anterior. Lembro de termos parado em uma praia de um azul intenso que era linda demais, dei apenas um mergulho e seguimos pela estrada. E assim, foi, praia e mais praia. Até chegarmos na divisa natural do estado do Alagoas com Sergipe, o rio São Francisco.

598ddd65b6af8_Foto19.48-Aestrada.JPG.d9896afb313d92b2851b78f37bebe9eb.JPG

598ddd65bb8ac_Foto19.49-Aestrada.JPG.32b475ec8de094ca38f085b4c9281ab8.JPG

598ddd65c0f1c_Foto19.50-Aestrada.JPG.73c6de2616ca4b6c3409051fd41b4b8e.JPG

A cidade era Piaçabuçu. Eu tinha muita vontade de conhecer a foz do velho Chico e a meninas embarcaram na mesma vontade. Conseguimos negociar um barco bem barato e com direito a um almojanta. Partimos pela lindeza do São Francisco. Quanta beleza tem aquele trajeto. Passamos por vilarejos, coqueiros, dunas, avistamos muitas aves e talvez um boto. No final o rio se rende a imensidão do mar e adoça um pouco as águas salgadas do Atlântico. Mergulhamos por muito tempo nas águas do rio que foi o responsável pelo nosso encontro. Quando o sol se punha, o barco retornava. E que pôr-do-sol maravilhoso foi aquele. Em silêncio admirávamos o sol caindo no horizonte. No momento que o último raio de sol era visto, atracamos no porto.

598ddd65c641a_Foto19.51-CaminhoFozVelhoChico.jpg.a07a35a3c8f033ea849b3930eb46d75a.jpg

598ddd65ca8ed_Foto19.52-CaminhoFozVelhoChico.jpg.3910b5540104c790df79e706205ed5fc.jpg

598ddd65ce8fa_Foto19.53-CaminhoFozVelhoChico.jpg.b9c923be78fb762894b733024d5906b4.jpg

598ddd65d26cf_Foto19.54-CaminhoFozVelhoChico.jpg.c6dcc0260be1aee0b48572dd49b6a2fd.jpg

598ddd65d69ab_Foto19.55-CaminhoFozVelhoChico.jpg.7f90562fbcc4c24b3c7e6d25d0888975.jpg

598ddd65dab36_Foto19.56-CaminhoFozVelhoChico.jpg.4a11be3702142dde236035aae3a1249e.jpg

598ddd65df859_Foto19.57-CaminhoFozVelhoChico.jpg.67e08085e6bd8522ec98c8ae434326cf.jpg

Seguimos viagem, nesse dia intenso. Fomos até Penedo. Chegamos era noite. O centro histórico é lindo demais. Fiquei com muita vontade de voltar com mais calma. Mesmo assim, podemos ver o quão preservado é o centro histórico da cidade. Depois fomos para o porto, pegamos a balsa e atravessamos o São Francisco. Agora em terras sergipanas nosso destino era Aracaju.

As luzes projetadas pelo farol do Uno avançavam pela escuridão das rodovias do Sergipe. O som alto fazia companhia. Música após música era tocada. Cantávamos para afastar o sono. A Licka no volante acertava todos os caminhos nas confusas pistas do menor estado brasileiro. As luzes só mudavam de direção quando o Uno passava por algum buraco escondido com a ajuda da noite. O caminho era só escuridão, interrompido por vezes por algum caminhão na direção contrária que iluminava o interior do nosso carro. Nesses momentos de luz eu mirava meus olhos para as duas, uma de cada vez. Às vezes, a Anna estava dormindo. A Licka, incansável, sempre com os olhos firmes no caminho. A Anna, de vez em quando, encostava o rosto no vidro do carro e parecia olhar para o teto, não sabia se era o sono ou se algum pensamento arrematava-a. A cantoria dentro do carro aumentava de tom quando o rádio começava a tocar: Um sonho, do Nação Zumbi. Nesses momentos, parecia ter uma energia diferente conosco. Ou melhor, parecia dar-nos mais energia para seguir pelas estradas naquela noite, que era mais escura que as outras noites. O Uno seguia enxergando por seus faróis e a viagem continuava.

Chegamos em Aracaju. Chegamos em frente a casa do Rui. Junto com a Marina o Rui abriu a porta de sua casa. Fomos recebidos de braços abertos. Tomamos algumas cervejas e logo o sono foi dominando.

Esse dia, foi intenso demais. Talvez dos melhores que já vivi. Acordamos ao relento numa praia qualquer. Depois seguimos para uma das praias mais bonitas do nosso Brasil. Atravessamos todo o Alagoas até conhecer o lindo fim do rio São Francisco. Passamos pela tão linda Penedo. Atravessamos o Chico para estar do lado sergipano. E fomos até Aracaju para rever o Rui e a Marina. Não quis ver quantos quilômetros percorremos, pois números sempre estragam toda a beleza do momento.

Acordamos tarde. O Rui e a Marina nos levaram para conhecer o centro histórico de Aracaju. Depois fomos numa praia. Almoçamos. E logo, a estrada iria nos fazer companhia novamente. A Anna pegaria o vôo no dia seguinte em Salvador. Ficamos mais um tempo na companhia do Rui e da Marina. No fim da tarde, nos despedimos e seguimos nosso último trecho juntos. De Aracaju a Salvador.

598ddd66e84db_Foto19.58-Aracaju.jpg.8f26f5956ce03df15ae6c2337fbfdd51.jpg

Chegamos ao Pelourinho. Agora eu seguiria sozinho. Peguei minha mochila e estava as duas na minha frente. Não lembro ao certo o que eu disse na despedida. De certo, foram palavras, vazias, do tipo: "Boa viagem", "Juízo", "Até a próxima". Depois do abraço final caminhei para dentro do Pelô. Passei por bares cheios e lugares que nunca tinha visitado antes, mas o ao redor não importava, apenas caminhava até algum hostel. Conforme eu caminhava uma nova música surgia de fundo. Encontrei o hostel que eu procurava. Hesitei ao entrar. Agora um turbilhão de sentimentos tomava conta de mim. Queria ter agradecido as meninas de forma mais honesta os dias que estivemos juntos. Hoje, depois de mais de oito meses desses dias, toda vez que eu escuto aquele sotaque pernambucano da Nação Zumbi iniciando a música dizendo: "Estão comendo o mundo pelas beiradas| Roendo tudo, quase não sobra nada | Respirei fundo, achando que ainda começava | Um grito no escuro, um encontro sem hora marcada | Ontem eu tive esse sonho … " eu, automaticamente, me teletransporto para aqueles dias dentro do Uno branco na companhia da Licka e da Anna. Onde a escuridão das pistas do Alagoas, Sergipe e Bahia nos fizeram companhia. Onde três pessoas, de três lugares diferentes se uniram por suas diferenças e principalmente, pela vontade de viajar. Me teletransporto e lembro da cara de curiosidade da Anna ao experimentar o macarrão no acampamento. Me teletransporto e lembro da Licka, ainda desconhecida, ao meu lado na proa. Me teletransporto e vejo a alegria do Rui e da Marina. Me teletransporto e lembro do sorriso de cada um e também lembro do rio São Francisco que por algum motivo nos uniu, naquela curta, mas intensa viagem. Quando a música acaba volto ao dia de hoje, mas cheio de lembranças e com muitas saudades. Saudades daqueles dias. Saudades de todos. E agora, de uma forma mais honesta, eu digo: Obrigado. Obrigado pela companhia. Obrigado pelo companheirismo. Obrigado pelos momentos. Anna, Licka, Marina, Nei e Rui um beijo na alma de cada um de vocês. Muita paz sempre. Mais uma vez, obrigado!

"De tudo, ficaram três coisas: a certeza de que ele estava sempre começando, a certeza de que era preciso continuar e a certeza de que seria interrompido antes de terminar. Fazer da interrupção um caminho novo. Fazer da queda um passo de dança, do medo uma escada, do sono uma ponte, da procura um encontro." O Encontro Marcado, Fernando Sabino

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sensacional, continuo acompanhando aqui.

 

Passei em alguns desses lugares que vc foi inclusive os Quenions do velho Chico...Piranhas, Praia do Gunga, Carro quebrado, Aracaju....demais meu amigo, linda viagem essa sua!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Ahhhhhhh... Que sorte a minha ter cruzado seu caminho nessa sua linda jornada!

 

Que sorte a nossa ter compartilhado desses dias intensos e vibrantes!

 

Realmente foram momentos memoráveis.

 

Viajar é isso... É contar com os improvisos da vida, com a magia dos encontros, com as surpresas dos caminhos.

 

Cada um, com nossas peculiaridades, nos tornamos um só destino pela vibração da aventura.

 

Obrigada pelas palavras. Estou acompanhando o relato e sei que ainda falta um bom pedaço.

 

Siga em frente amigo, estamos no aguardo!!!

 

Bjs.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por leticia&MV
      Meu marido e eu fomos para Gramado e Canela, no Estado do Rio Grande do Sul, na primeira quinzena de agosto de 2019, ficamos 9 dias no total (achei o suficiente, mas ficaria uns 15 dias para relaxar mais e repetir algumas coisas rotineiras da cidade, como por exemplo dar uma volta, sentar e apreciar o belíssimo Lago Negro).

      Muito Importante: Sempre terão pessoas oferecendo o serviço de transfer no aeroporto, paguei 120 reais ida + 120 reais volta (para nós dois). Foi bem confortável, melhor que o ônibus, o motorista parou no Pórtico para tirar foto, foi bem legal, dividimos o carro com umas mineiras super legais.
      Dia 1 (06 de ago 19 - terça): Chegamos por volta de 15h (fizemos tudo de UBER e 99) no Hotel Due Nobili (fica bem no centro de Gramado, dá para fazer tudo a pé - MEGA recomendo, principalmente para casais, não sei se acomoda bem famílias grandes).
      Fomos ao Lago Negro no fim da tarde, de UBER, curtimos o friozinho, demos uma volta tiramos fotos e curtimos o local no clima "o amor está no ar".
      A noite comemos carré de cordeiro no restaurante Boreal Rasen Gastropub https://pt-br.facebook.com/borealrasen/ a comida é espetacular, os drinks nem se fala, pedi o garçom para inventar um sem álcool com chá mate e frutas, ele desenvolveu um líquido que era uma explosão de sabor. Paguei o prato principal com uma promoção que adquiri no LAÇADOR DE OFERTAS (só indico esse site de ofertas, os outros não cobrem realmente o preço) Caso contrário minha conta teria dado facilmente uns 300 reais.

       
      Dia 2 (07 de ago 19 quarta): Pegamos o 99 e fomos para o Parque da Serra (bondinhos aéreos), foi bem legal, lá tem uma vista muito bonita e é tudo muito limpo, romântico, vale a pena ir com a família também, crianças adoram. Acho que foi 90 reais para cada um entrar e andar de bondinho. Bem carinho.
      ATENÇÃO: lá não tem transporte para voltar, então é melhor combinar com alguém para te buscar depois.
      Graças a Deus o Michael, que estava levando uma família a passeio, nos levou ao próximo ponto. Ele tem uma agencia de turismo e uns preços bem legais, conhece bem a cidade. Ele fechou para nós a churrascaria Garfo e Bombacha (que estava lotada por que era dia dos pais) conseguiu lugares ótimos para vermos o Show e um descontinho camarada, nós levou e buscou TELEFONE DELE (54) 3282-4292 / 99957-8808 / 98108-8170. Recomendo ele como guia de gramado.
      Fomos logo em seguida ao Terra Magica Floribal, Acho que pagamos 70 reais cada um. Super recomendado para famílias. Eu amo dinossauros, então foi bem legal.
      Lá já tem mais UBER!!!
      Fomos para Canela, almoçamos em um Subway. 
      Canela é bem parada durante o dia, mas demos uma volta, chegamos na catedral de pedra (muito mais bonita que de gramado) e tiramos umas fotos. Fomos ao restaurante Casa da Velha Bruxa, comemos o SORVETE DE FORNO, que é um verdadeiro paraíso na terra, não deixem de comer. Tiramos foto na locomotiva, conhecemos um pouco mais da história do lugar, pois as pessoas são muito receptivas e sentem muito orgulho de lá. No fim fizemos o excelente negócio de comprar biscoitos caseiros tipo cookies, por 7 reais, 1/2 kg, levei uns 4 pacotes, estavam na promoção, me arrependi de não ter trazido mais. (loja de biscoitos em frente a catedral de pedra, do outro lado na rua, tem um boneco de biscoito na frente).
      Na volta o UBER nos levou em uma loja da fábrica de Cerveja Gram Bier http://www.grambier.com.br/ , compramos alguns presente (kits de cervejas), essa fábrica é de gramado, muito boa.
      A noite fomos ao show do ELVIS no Hard Rock Café Gramado. Foi surpresa para meu marido, o mesmo amou.
      Comprei O Show pelo site Laçador de Ofertas (mas quem vende é a brocker turismo), paguei 100 reais por pessoa e cada um tem direito a entrada, prato principal, 1 drink, 1 cerveja ou refri, 1 sobremesa + SHOW do ELVIS (que fiquei sabendo ser o próprio dono do estabelecimento). SUUUUUPER valeu a pena!!!! É show mesmo, sem enrolação.
       
      Dia 3 (08 de ago 19 quinta) - Fizemos um passeio de Bike que durou todo o dia só deixamos as Bikes a noite. Locamos por 3 dias as Bikes da Loope https://www.voudeloop.com/ apesar de não usarmos os 3 dias, foi maravilhoso alugar e andar somente 1. em todo centro de gramado tem pontos para deixar as bikes. (PS peguei a com acelerador que ajuda nas subidas).
      Fomos em todos os pontos de gramado, fonte do amor, rua torta, praça das etnias, rua coberta, mirante, fabrica de chocolate da prawer. O céu é o limite, quase chegamos a canela de bike kkkkk. Super recomendo.
      Nesse dia almoçamos no restaurante da Lolo, comemos macarrão com molho de nata (garantia de barriga cheia e quero mais).
      Não lembro o que comemos a noite, acho que pizza no hotel.

       
      Dia 4 (09 de ago 19 Sexta) - Foi o dia do passeio de Maria Fumaça + Vinícola (PS NÃO FAÇA AOS DOMINGOS). (contratei pela Vento Sul Turismo - Paguei 250 reais para cada um, SUPER INDICO O PASSEIO, MAS NÃO INDICO ESSA EMPRESA, TIVEMOS MUUUUITOS PROBLEMAS COM ELA).
      Nos buscaram às 6h da manhã no hotel, fomos para Nova Petrópolis, fotos, compras etc... Não vale a pena comprinhas, cuidado. Depois passamos por Caxias do sul, e fomos direto para o Vale dos Vinhedos, Vinícola Casa Valduga, (pagamos mais 50 reais para cada - em troca do tour guiado + uma bela taça) o tour da vinícola vale super a pena, saimos bem tortos, tem degustação de vinhos brancos, tintos e espumante. Só não tem petisco, então cuidado para não ficar bebado. A vinícola é linda, chique, comprei alguns vinhos e espumantes na loja, vale a pena. Comprei também uns cosméticos de beleza da Vinotage (marca da vinícola) super recomendo. O sabonete de vinho é tudo.
      Depois almoçamos em um restaurante no alto de uma colina (ele é todo de vidro, tem uma vista de todo vale) no Vale dos Vinhedos (já incluso no preço do passeio) MARAVILHOSO, comida nota 10.
      Fomos logo após para a Epopeia Italiana, não gostei, achei chato. Mas muita gente curte.
      Depois o tão esperado passeio de Maria Fumaça em Bento Gonçalves. Que delícia de passeio, música ao vivo, degustações de suco, vinho, etc... Vinícola Garibaldi.
      Nos deixaram no hotel por volta de 19h.


       
      Dia 5 (10 de ago 19 Sabado) - Dormimos até tarde, só saímos para dar uma voltinha no centro de Gramado a pé por volta das 16h. Andamos, tomamos chocolate quente na Caracol, compramos chocolate etc.
      A noite (PS chege cedo, umas 18h)  fomos a PIZZARIA CARA DE MAU - NAVIO PIRATA, CARA (RODÍZIO 120 REAIS POR PESSOA) MAS VALE CADA CENTAVO, O LOCAL É ANIMADO, A EXPERIÊNCIA É ÚNICA, PIZZAS MUITO BOAS.
      Voltamos para o hotel passando mal de tanto comer kkkkkkk 
       
      Dia 6 (11 de ago Domingo dia dos pais) - Saímos do hotel umas 11:45h e fomos para a churrascaria Garfo e Bombacha, conhecemos a família que gere o lugar, um local extremamente agradável, FARTO, receptivo, para família e amigos baterem aquele bom papo. O Show Gaúcho é maravilhoso, VALE CADA CENTAVO. ( Tem um menino que participa do show, se chama Enzo, ele é um encanto). Depois demos mais voltinhas no centro de gramado (passeio romântico) e já lá pelas tantas, encontramos um bar com música ao vivo, no qual seguramos o artista por mais uma hora depois do seu horário de ir embora kkkk, a cerveja era Gram Bier, meu marido aproveitou.
       
      Dia 7 (12 de ago 19 Segunda) - Dormimos até tarde, chovia, então resolvemos só sair na parte da tarde.
      Fomos ao restaurante no Hotel Ritta Hoppner, compramos no Laçador de ofertas a Experiência Alemã (120 reais para nós dois), entrada, prato principal, degustação de varias comidas alemãs, sobremesa. Cerveja alemã paguei a parte. O CHEFE ESTÁ DE PARABÉNS, IMPECÁVEL OS PRATOS. RESTAURANTE MUITO CHIQUE, ESTILO TITANIC KKKK
      Como não parou de chover, fomos aos museus do carro antigo (hollywood dream cars) e da Harley Motor Show, Super Carros e Museu de Cera (NÃO VÁ AO MUSEU DE CERA, É MUITO RUIM) valeu a pena para um dia de chuva, caso não estivesse chovendo, preferiria fazer passeio ao ar livre.
      A noite fomos a uma hamburgueria chamada The Black Beef, uma delícia de hamburgue, a batatinha com molho de queijo é 10.
       
      Dia 8 (13 de ago 19 terça) -  Fomos a outro passeio pela Vento Sul Turismo (Mais uma vez, passeio maravilhoso, mas a empresa sempre gera problemas, que são resolvidos de ultima hora). Nos encontramos na Praça das Etnias às 8:30h para ir as fazendas (área rural) da região. TOUR LINHA ÁVILA (170 POE PESSOA).
      Tomamos café da manhã em um sítiozinho lindo, com vários tipos de plantações, milho, morango, tangerina etc... lugar simples, bem roça mesmo. Tem pinhão no fogo a lenha, café, geleias do sítio etc
      Depois fomos para outro sítio, esse com plantação de uvas, que lugar lindo, um lago, tudo bem caseiro e artesanal. Lá eles fabricam o próprio vinho e suco de uva, tem plantação de morango, fabricação de queijo, salame, geléias etc. TOMAMOS UM BAITA CAFÉ DA MANHÃ (TUDO INCLUÍDO NO PREÇO DO PASSEIO).
      Depois fomos a uma fazenda com uma cachoeira linda, muros de pedras super antigos e descampados a perde de vista. Local que transmite PAZ.
      Por ultimo fomos a uma Fazenda de grande porte, lá almoçamos um delicioso churrasco fogo de chão, com costelão na vala e tudo mais. Lá tem passeio a cavalo. (ALMOÇO INCLUSO NO PREÇO DO PASSEIO, MENOS BEBIDA). Muita sanfona e lareira a lenha para esquentar e espantar o frio. ESSE DIA PELA MADRUGADA FEZ -2.

      FIQUEI FEDENDO A FUMAÇA, MAS VALEU MUITO A PENA. PASSEIO BEM RAIZ, MUITO GOSTOSO. VOLTAMOS CANTANDO NO ÔNIBUS COM O SANFONEIRO.
      A noite fomos a uma choperia artesanal no centro de gramado, em frente ao hotel lageto stilo. 
      TABERNA MF - Eles realmente entendem o que estão fazendo. São mais de 100 torneira, com chop gelado de todas as escolas possíveis e com sabores que ressaltam a cada gole. Uma experiência única, creio que igual a essa no Brasil não exista kkkkk (TEM MÚSICA AO VIVO, LAREIRA E COMIDA BOA)
      NÃO DEIXE DE IR!!!!!!!
       
      Dia 9 (14 de ago 19) - Acordamos cedo para aproveitar bem o café maravilhoso do hotel, arrumamos as malas e fomos dar o último passeio pelo centro, comprei cuca em um mercadinho próximo ao hotel, compramos chocolates.
      Comemos trúdel, delícia. No fim voltamos a hamburgueria que amamos e comemos mais uma vez antes de ir embora.
      Saímos 14:20h.
       
      __________________________
      Deixamos de Fazer muitas coisas como: Parque da Ferradura, Cânions do Itambézinho, Vinícola Ravanello e Casa se Ganfredo (em gramado), Castelinho do Caracol, Bar Boteco do Bill e Cervejaria do Farol (canela).
      -------------------------------------------- 
      Fiz uma viagem para casal, passeio romântico, de fato foi. Caso vá em família, tem outras coisas para aproveitar.
      __________________________
      Chocolates e sorvetes, para quem é do Rio de Janeiro, não vai se impressionar.  O CHOCOLATE QUENTE VALE!
      _________________________
      Na volta cada um de nós trouxemos 4 garrafas de vinhos e espumantes, só que descobrimos no aeroporto que não pode passar produtos sem rótulo, então o vinho e suco de uva artesanal que compramos no sítio, tivemos que colocar na mala, bem como os salames kkkkkkk o restante foi tudo a bordo.
      ________________________
      Restaurantes extras (DICAS):
      Pizza: Il Piacere, Ristore Florence, Cantina Pastaciutta, Magnólia.
      PF: à la minuta, café da banca, simple.
      Rua São Pedro: Ita Brasil, vale quanto pesa, serra grill.
      Buffet: Alecrim Santo, Cantina Galeto Nona Tena.
      Café colonial: Bela vista (não vá ao Hamm - tradicional)
      Fondue: Le Swiss, St Gallen.
      Doces: Royal Trudel
      Rua Coberta: Rasen Platz
      _________________________
      Se precisar comprar alguma roupa na emergência: Mais barato nas lojas Paludo.
      ________________________
      Lá tem Mc Donalds - se seu dinheiro acabar.
      ________________________
      Sempre observe a programação dos bares e restaurantes, na Serra Gaúcha, caso você vá de carro, tem várias cidades com programações locais, vale pesquisar.
      _______________________
      SE VOCÊ QUER ROMANTISMO NÃO VÁ NO PERÍODO DE FÉRIAS ESCOLARES, OU NATAL LUZ. TODOS LÁ ME DISSERAM QUE A CIDADE FICA SUPER LOTADA, CHEGA A FICAR CHATO, POIS NÃO SE VIVE O LOCAL.
      _______________________
      PEGUEI VÁRIAS DICAS NO CANAL DA FELIZA3.
      _______________________
      PS A SERRA É BEM FÁCIL E TRANQUILA, DÁ PARA DIRIGIR NUMA BOA.
      _______________________
      LISTA DO QUE FAZER EM GRAMADO:
      - LAGO NEGRO
      - PRAÇA DAS ETINIAS
      - SNOWLAND
      - HOLLYWOD DREM CARS
      - RUA TORTA
      - HARLEY MOTO SHOW
      - LAGO JOAQUINA RITA BIER
      - IGREJA SÃO PEDRO + FONTE DO AMOR
      - RUA COBERTA (A NOITE)
      - LE JARDIM
      - MUSEU MEDIEVAL
      _______________________________
      O QUE FAZER EM CANELA:
      - PARQUE DO CARACOL
      - PARQUE DA FERRADURA
      - ALPEN PARK
      - IGREJA DE PEDRA
      - CASTELINHO CARACOL
      - TERRA MAGICA FLORYBAL
      - MUSEU DO TREM (SÓ PAREI P TIRAR FOTO)
       


    • Por dji_pedro
      PATI SELVAGEM: uma travessia de tirar o chapéu e deixar marcas
      Como toda banda de Rock a vida nos bastidores nem sempre é um mar de rosas.  É que a convivência em grupo por vezes desponta em desentendimentos que destoam do objetivo principal. É nesse contexto que o Projeto Rota das Travessias iniciado em 2016 com cinco integrantes perde alguns de seus talentos que, por hora, seguem “carreira solo” (rsrsr). Mas como o “show tem que continuar” aqui teremos uma aventura com participação de três integrantes da antiga “banda”: Eu (Djair), João e Wilson. 
      Assim como na experiência anterior em 2017, escalamos o experiente Marquinhos Soledade (@expedicao_chapada) para ser nosso guia. Dessa vez, iremos realizar a Travessia do Vale do Pati, lá no coração da Chapada Diamantina, na Bahia. Entretanto fugindo um pouco do convencional optamos por deixar esse trekking mais radical fazendo um trajeto mais selvagem.  A ideia é começá-lo em Andaraí subindo o curso do Rio Paraguaçu e seu Cânion.  É uma opção que cobra maiores cuidados tanto pelo terreno como pelo isolamento. É percurso pouco testado. Muitos evitam. É um trecho do Pati esquecido, uma rota praticada por garimpeiro. A trilha exige subir muitas pedras e paredões, bem como experimentar cruzar dezenas de vezes o lado do rio de modo a encontrar melhor caminho. Sem falar da possibilidade de ocorrência de fenômenos naturais como as temíveis cabeças d’água dentro do cânion. Os primeiros dois dias se passa numa região onde possivelmente não cruzaremos com outros caminhantes. 
      Partimos de Recife numa sexta-feira (28 de junho) num voo da Azul Linhas Aéreas com destino a Salvador. Às 23h30 já estávamos na rodoviária para pegar o confortável ônibus da empresa Rápido Federal com destino à belíssima Lençóis.  Rodamos a madrugada inteira.  Às 6h da manhã desembarcamos e seguimos para a Pousada Bons Lençóis, ali mesmo na parte central da cidade.  À tarde tomamos umas cervejas para celebrar aquele reencontro e também meu aniversario: 29 de junho, dia do santo São Pedro, estou ficando mais velho, presenteie-me com essa travessia: vamos brindar!!! 
      À noite entre outras coisas e fizemos a feira coletiva que irá nos alimentar durante os cinco dias do trekking. Compramos, pesamos e separamos os pacotes dos alimentos em quatro partes. Agora cada um pode enfim fechar suas cargueiras para a pesagem final: 23 Kg (Djair), 20 kg (Wilson) e 17 kg (João). Guardamos a fração de alimento que cabia a Marquinhos para entregá-lo em Andaraí (distante 100 quilômetros da cidade de Lençóis) na manhã seguinte onde começaremos nossa travessia.
      30 de Junho – 1º DIA (domingo)
      O domingo chega. Fretamos um taxi para nos levar à Andaraí.  Encontramos nosso guia no pátio da igreja católica naquela cidade e de lá seguimos no veículo até a estrada onde tem início nossa jornada. Donana é como os moradores conhecem aquela área, uma referência a uma antiga moradora da localidade: Dona Ana. Vamos seguir a velha trilha usada por garimpeiros. 
       

       
      Uma vegetação arbustiva é o que encontramos nos primeiros metros. Seguindo um pouco e ela vai mudando. Agora temos uma área mais preservada. Árvores maiores vão ocupando os espaços. Uma ponte de madeira marca o inicio dos limites do Parque Nacional da Chapada Diamantina. Daqui pra frente à aventura começa pra valer. A trilha segue paralela ao Rio Paraguaçu. O terreno é de subida, sentimos o peso nas costas.
      Enfileirados seguimos pela trilha dentro da mata. O lado esquerdo fica o leito pedregoso do rio Paraguaçu de onde se ouve o som forte de suas águas. A certeza de que estamos optando por um trecho selvagem nos obriga a muitos cuidados. Aliás, pela primeira vez iremos realizar uma expedição utilizando equipamentos de GPS: Eu com um relógio Garmin Fênix 3 HR, enquanto Wilson carregava o indispensável SPOT G3. Esse é o instrumento mais importante, pois é capaz de acionar socorro e enviar nossa localização precisa em caso de acidentes.
      Era apenas o início de nossa travessia. Mal tínhamos completados 2 km e tivemos um susto: Wilson acabou batendo a cabeça contra uma ponta de um galho ao passar por baixo dele e o resultado foi um corte na parte superior do couro cabeludo que causou um sangramento. O kit de primeiros socorros levado por Marquinhos foi logo usado e minutos depois pudemos continuar. Ufa!
      Descemos. Seguimos agora pela margem pedregosa do Rio Paraguaçu. Esse é o tipo de terreno que iríamos enfrentar nas próximas 48 horas. A visão das pedras que formam todo o conjunto é muito bonita. Nossa caminhada exige muito equilíbrio porque temos que pular pedras imensas e andar sobre elas e descer outras tantas. Executar um pulo entre pedras com 20 kg nas costas é algo que exige bastante. É preciso jeito e sorte! 

       

      No quarto quilômetro fizemos uma pequena pausa para um descanso. Nosso guia buscou se refrescar nas águas geladas do rio eu a fazer as primeiras filmagens pra não perder nada da aventura que estava apenas começando. 30 minutinhos nessa parada e já tomamos uma subida forte à direita pelo paredão do Cânion do Paraguaçu: uma trilha dura pela encosta recoberta de arbustos. Agora já estávamos a quase 400 metros de altura em relação ao ponto inicial do trekking.
      Já era quase 2h horas da tarde. Estávamos outra vez dentro do leito do Rio Paraguaçu. Havíamos cruzado apenas de 6,5 km e fizemos a parada para o almoço. Visual deslumbrante. Comentava com o João de como tudo aquilo era admirável e do privilegio de se estar ali. A imagem das paredes do Cânion recoberta de vegetação verde em contraste com a água avermelhada, com as pedras no leito, as nuvens e o céu azulado trazia mais beleza ao cenário. 
      Marquinhos assumiu a cozinha e sobre um enorme pedra fez uma mistura que seria nosso almoço: grão de bico e atum sólido. Foi bem breve nossa parada.  Seguimos a caminhada e agora já estávamos diante de uma bifurcação de cânions. Majestoso recorte de rochas que marca o encontro de dois rios: do lado esquerdo as águas do Rio Paraguaçu e do direito as do Rio Pati.  É um marco geológico de dois grandes cânions. Pela primeira vez avistamos a boca do Cânion Pati.
       

      Às três da tarde havíamos percorridos 7,7 quilômetros quando chegamos à prainha formada do lado das águas do rio Pati onde levantamos o acampamento. Aproveitamos a área de terra, sem vegetação, para fazer uma fogueira distante uns 3 metros das portas das barracas. Depois disso foi momento de aproveitando os raios do sol cair e naquelas águas de dupla identidade. O tempo passou rápido e a noite se aproximava.

      Marquinhos como de costume assumiu a cozinha preparando macarrão, linguiça defumada, tomates, cebola: o cheiro e o sabor estavam perfeitos! Depois da janta seguimos com nossas lanternas para o meio do rio. Aproveitamos uma das imensas pedras para sentar e experimentar a imagem contemplativa do céu estrelado e o som das águas naquele lugar inóspito. 

       
      Às nove da noite estávamos em nossas barracas. Marquinhos “homem bruto” resolveu lançar seu saco de dormir próximo à fogueira para passar a noite. Cabra de coragem (rsrsrs). A temperatura estava agradável. O termômetro marcava 21 graus. Foi fácil pegar no sono dessa vez.

      01 de Julho – 2º DIA (segunda-feira)
      Acordei por volta das seis e meia da manhã imaginando como seria nossa caminhada. Vamos preparar o café e começar mais um capítulo de nossa história. O dia era bonito, eu estava tranquilo e até mesmo meio lerdo (rsrsrs), por isso me atrasei um pouco retardando a partida. Somente às 9h30 iniciamos a trilha. Há uma estimativa de que o percurso possua 9 km e que os mesmos serão bem pesados.
      O Cânion do Paraguaçu ficou ali. Nosso movimento agora é à direita, dentro do Cânion do Rio Pati. Por ele iriamos saber a razão pelo qual muitos aventureiros evitam aquela rota. O nível de dificuldade do trekking aumentou bastante já nos primeiros metros. O pula-pedra passou a ser uma constante e tirar a bota para não encharcá-la logo se mostrou ilusão e perda de tempo.  Avançar sobre rochas escorregadias é uma maluquice, mas não ha outra maneira de seguir.  
       

      Os joelhos sofrem demais com o peso nas costas somados ao impacto dos saltos entre as pedras que tem que ser precisos. É força, equilíbrio e principalmente sorte: levamos 1h42 minutos para percorrer 2 km tamanha dificuldade que o terreno apresentava. Ora estávamos de um lado do leito, ora do outro. E quando nos aproximávamos do terceiro quilômetro executando umas dessas passagens entre pedras escorregadias o companheiro João tomou uma queda. Ele escorregou batendo com a canela em numa pedra dentro do rio.  Um hematoma imenso se formou no centro de sua canela. E isso nos deixou assustados uma vez que ele poderia ter fraturado a perna. Tirá-lo dali aquela altura seria impossível salvo por helicóptero.  Levamos alguns minutos cuidando do amigo e graças a Deus tudo ficou bem: uma atadura foi colocada em volta da lesão, e seguimos ainda mais cautelosos com a certeza de que não podemos errar! 
       

      O terreno continuou duro. Percorremos mais 2,5 km e de trilha. Dessa vez fizemos uma subida violenta a direita, uma trilha dentro da mata que margeia a parede do cânion Pati. Às 12h30 curta parada, dessa vez para recobrar o fôlego. O trajeto em ziguezague pelo rio, atravessando, pulando pedras é um exercício para o corpo e mente. A beleza do cânion em sua forma esbranquiçada emoldura o cenário. Outros 20 minutos de descanso. Passamos à margem esquerda desafiando pedras e vegetação da encosta. Agora temos um “tronco” fixado junto o paredão que serve como ponte evitando o caminho por uma parte escorregadia sob nossos pés. É preciso segurar na parede. 

      Saindo da parede do cânion entramos na mata outra vez.  Aqui é necessário muito empenho, forca, determinação. Tivemos que transpor um emaranhado de pedras e arvores: uma combinação que exige do corpo. O esforço ofusca a beleza daquele trecho. A única coisa que queremos é sair daquilo para um lugar amplo e sem obstáculo.  
       
      Às 13h30 paramos dentro do Cânion para almoçar: grão de bico, atum cebola e tomate foi nosso almoço. Até ali tínhamos percorridos 7 km em 5 horas de muito esforço. Não temos a certeza da distancia exata do ponto de acampamento. Os 9 km que mencionei é uma mera especulação! Retomamos a trilha e ela continuou da mesma forma: dura e técnica. Quando completamos os 10 km já estávamos bem cansados e frustrados: percebemos que nossa ideia de quilometragem tinha ido por agua a baixo.  1 km depois se fez outra parada, estava bem claro que nosso moral estava baixo: expectativa e realidade se conflitavam. 
      Somente após percorrer mais 3 km chegamos ao nosso destino: a Toca do Guariba. Já passava das 17h30 minutos. Foi preciso correr para montar as barracas sob a luz da tarde, afinal dentro do Cânion escurece mais rápido. Foram exatos 14 km percorridos naquele dia.  A Toca do Guariba é nossa morada! Aliás, esse nome é dado pelo fato de que há um corte no Cânion que forma uma cavidade onde em geral os aventureiros buscam abrigo. É uma área protegida. O nome Toca do Guariba deriva pelo fato de que é comum avistar o macaco Bugio naquela área, eles também são conhecidos pelos nomes de Macaco Barbado ou Macaco Guariba. Não avistamos nenhum, tampouco os seus sons. Aliás, nesses quase dois dias ainda não cruzamos com ninguém na trilha. De fato estamos em local isolado.

       
      A noite chegou muito depressa. Não deu pra estar no rio e tomar banho. Dessa vez a higiene foi com lenços umedecidos. Estávamos exaustos, quebrados! Jantamos às 19h: frango, macarrão, linguiça defumada e bolo de rolo! Depois disso alguns instantes de conversa e música e às 21h já estava recolhido. O dia foi pesado! 
      02 de Julho – 3º DIA (terça-feira)
      Não consegui uma boa noite de sono. Só com o amanhecer do dia foi possível apreciar a beleza do lugar. O Rio Guariba é afluente do Rio Pati. Estamos exatamente no encontro dos Cânions. Tomamos nosso café e levantamos acabamento. Às 8h30 Deixamos as cargueiras em um ponto e fomos fazer uma breve visita dentro ao Cânion do Guariba. É um cânion estreito e belo. Passamos não mais que 1 hora. E infelizmente não tivemos a sorte de ver nem ouvir nenhum Bugio na local. 
       
      Voltamos, pegamos as mochilas e fizemos uma subida pela mata. Uma acentuada inclinação nos lançava mata acima. As pernas sofridas pelos 14 km do dia anterior reclamavam a todo instante.  A ideia é chegar à casa de seu Eduardo onde vamos dormir. Agora nosso caminho é por uma linda mata. Ela reveste a encosta do cânion dando beleza única a nossa caminhada. Estamos no alto do cânion encoberto onde é possível ouvir o som das águas do Pati. 

      Seguimos firmes e confiantes por 1 hora onde fizemos breve parada para um rápido lanche. A nossa direita estava a majestosamente Serra do Império. Continuamos. Ainda estamos na mata. No quilômetro 3,5 nos desviamos erroneamente numa bifurcação à esquerda que nos levou a um curral, ops! Logo achamos a trilha certa e seguimos.
      Após 5 km de trilha, às 11h da manhã estávamos diante da primeira residência nesses três dias de trekking: a casa de seu Joia e dona Leu.  E pra celebrar aquele encontro nada mais épico do que uma cerveja gelada. Sim, é possível tomar cervejas geladas no Vale do Pati. Comemos pão caseiro feito por Dona Leu e tomamos cerveja. Pagamos 12 reais por uma long neck (eu pagaria ate 50 reais rsrsrs). Passamos alguns minutos naquela casa humilde e acolhedora. Lavamos os rostos, enchemos nossos depósitos de água e seguimos.  O terreno de seu Joia tem um visual incrível. Curiosidade daquele lugar são os avistamentos de felinos como as onças que causam receios a nativos e aventureiros que cruzam a região. Graças a Deus não tivemos nenhum susto. Mas há muita gente que já viu, ouviu seus sons ou seus rastros.


      Percorremos 8.20 e às 12h40 estávamos na residência de Seu Eduardo atualmente sob os cuidados do Domingos, seu neto.  A casa fica aos pés do Morro do Sobradinho, a beira da Boca do Cânion Cachoeirão. Ela fica exatos três quilômetros daquela de seu Joia. Compramos refrigerantes e cervejas geladas. Isso e resultado das geladeiras alimentadas a gás butano e da energia solar que abastece a casa. 

      O cansaço dos dois dias nos fez desistir do planejamento inicial que era visitar o Cachoeirão por Baixo.  Resolvemos conter o dia conversando, tomando refringentes e cervejas e uns petiscos vendidos naquela casa.  A decisão se deu pela perspectiva que tínhamos daquele trekking. Queríamos devolver o prazer da caminhada, buscar prazer efetivo. Na nossa visão acumular a visita ao Cachoeirão fazendo o bate-volta iria nos desgastar e o que precisávamos mesmo era de um tempo pra ficar à toa entre amigos.  Acertamos também em comprar a janta ali oferecida e manter o acampamento com as barracas nas dependências da propriedade. 

      Tivemos a oportunidade de conhecer um bom sujeito Catalão: Joan, ele estava de passagem em visita ao amigo Domingos. Ali contou sua vida e sua relação com o Pati. Joan mora no Capão junto com sua esposa, de nacionalidade brasileira.  Ele relatou suas experiências com a natureza e de suas habilidades como especialista em agricultura sustentável e de sua colaboração em algumas comunidades na Chapada Diamantina.
      No meio da tarde fomos tomar banho no rio Cachoeirão, ele passa nos limites da casa.  Uma pequena descida te leva às margens, grande poço e corredeiras te convidam a cair na água. Ao fundo temos uma visão incrível das paredes dos morros que formam o vale.
      A noite chegou e o jantar oferecido foi sensacional: carne de sol, estrogonofe de frango, arroz, feijão, macarrão, farofa de cenouras, abóbora, e suco. Perfeito! Comemos divinamente e continuamos até umas 21h conversando em grupo. A noite estava estrelada. Eu, Wilson e João fizemos uma pequena fogueira próxima à barraca e às 21h30 já estávamos recolhidos.

      03 de Julho – 4º DIA (quarta-feira)
      Às 6h despertamos. Dessa vez procurei me apressar pra não atrasar o grupo. O café da manha foi preparado ali bem próximo às barracas: cuscuz e ovos. 8h15 já estávamos de saída. Tomamos o caminho a esquerda no sentido da casa de Seu Tonho. Atravessamos o leito do rio Pati sobre as pedras para seguir à margem esquerda do rio. Do lado direito margeando todo o leito uma belíssima mata acompanha o curso do rio. Essa caminhada ainda cedo ganhava muita beleza. A quantidade de sons dos pássaros trazia um encantamento fenomenal. O lado esquerdo nos acompanha o Morro Sobradinho, tocado pelos raios do sol. Tudo é maravilhoso!
      Agora temos forte subida.  Logo estamos a 178 metros de altitude em relação à casa de Domingo. O visual belíssimo já nos revela ao longe o Morro do Castelo. 2 horas depois e 5.6 quilômetros fizemos a parada de descanso naquela área conhecida como “prefeitura” que na verdade é um antigo entreposto dos antigos comerciantes e produtores de café do Vale do Pati. A imagem que temos é perfeita, uma pintura que cabe em qualquer quadro.


      Nossa próxima parada será na casa de seu Aguinaldo. Deixamos a prefeitura, atravessamos o Rio Lapinha e seguimos a trilha tendo a nossa direita o imponente Morro do Castelo.  Seguimos a trilha dentro da mata. No caminho Marquinhos à dianteira nos indica com cuidado a presença de uma cobra Jararaca ali bem no meio da trilha... Imóvel e bem camuflada ela parecia buscar os raios do sol que atravessava os altos dos galhos e folhas daquele lugar. Olhar para o chão sempre, essa e a dica! 

      Um pouco adiante tivemos a oportunidade de cruzar na trilha com Seu Antônio, Seu Tonho. Havíamos passado em frente a sua casinha, logo que saímos da casa de Seu Eduardo, lembra? Seu Tonho surgiu vindo atrás da gente, dentro da mata, na trilha estreita. Montava um burro e puxava outro que levava uma cela de carga (cangalha), seguia vocalizando comandos ao animal. Uma imagem bonita. Retrato de uma historia vida. É um som bonito que ecoava por entre a mata.  De perto assistimos como são transportados todos os suprimentos dos nativos dali. O burro é o motor, o transporte. 

      Enfim, depois de três horas de relógio, 8.4 km de distância e 426 metros de ganho de elevação chegamos à casa verde onde mora o casal. Estamos agora no Pati de Cima a 932metros acima do nível do mar. Ali fomos recebidos por dona Patrícia que nos ofereceu seus deliciosos pães caseiros e latinhas de Coca-Cola geladíssimas. Podemos apreciar os sabores ofertados diante de um visual belíssimo: estamos aos pés do Morro do Castelo.  

      Alguns minutos de descanso e seguimos às 13h com nossas mochilas de ataque rumo ao alto. São 400 metros de subidas em meia a mata atlântica preservada, uma trilha íngreme que exige muito mesmo dos joelhos e muita atenção para evitar quedas.  Levamos 1h20 minutos para completar os mais de 3 km de trilhas subindo até chegar ate o Morro do Castelo no alto dos seus mais de 1.400 metros. Numa subida tão vertical, não adiantar negar: vai doer.
      O Morro do Castelo é colossalmente bonito.  O fato de existir uma gruta que atravessa todo maciço de quartzito no local faz o morro ganhar ares ainda mais mágicos. É espetacular o conjunto da obra. Adentrar na gruta mexe com a imaginação. Ela possui aproximadamente 800 metros de extensão e para cruza-la se faz necessário o uso de lanternas: a escuridão é total. Não esqueçam as lanternas e muito, muito cuidado ao caminhar, pois há Pedras soltas e pontiagudas por todo percurso.


      Ao cruzar a extensão da gruta temos do outro lado um visual incrível do Vale do Calixto, ele está no lado oposto ao Vale do Pati. É magico, é incrível! Estamos a mais de 1.400 metros do nível do mar e para onde se olha é um mar de beleza que agrada aos olhos e ouvidos. É o som dos ventos soprando forte que impressiona. 

      Diante de tanta beleza muitos e muitos clicks, mas já é hora de retornar para Casa de Seu Aguinaldo que está 400 metros abaixo. É hora de descer aproveitando a luz do sol. Temos uma trilha dentro da mata e é bom não vacilar. Levamos 1h pra refazer o caminho de volta. 
      Ao chegar corri, junto com o João, para armar nossas barracas na área de frente à residência. Wilson preferiu contratar um pernoite num dos quartos da casa.  Nesse momento a temperatura começava baixar um pouco. O sol estava refletindo sem força nas bordas das paredes do Vale. Já estava imaginando a temperatura da água que iriamos tomar banho. Apelei por um aperitivo.  Eu e João provamos umas doses de cachaça para ver se a coragem aparecia. Nem sei se isso ajuda. Fomos ao banho: água gelada da mísera!
      Contratamos o jantar e não nos arrependemos. Dona Patrícia caprichou: carne de sol, macarrão, arroz, salada crua e suco de maracujá. João que não come carne foi contemplado com uma omelete preparada com exclusividade. Todos felizes e de barriga cheia. Ao termino do jantar, enfim seu Aguinaldo apareceu e conversamos bastante. Ele falou de sua vida, da rotina naquele lugar e os desafios de se viver ali. O clima era úmido e a temperatura na casa dos 18 graus. Não tardamos buscar o aconchego de nossas barracas, Wilson se recolheu ao conforto do quarto. É nossa ultima noite dentro do Vale do Pati.
      04 de Julho – 5º DIA (quinta-feira)
      Último dia. Acordei às 6h30. O termômetro marcava 14 graus. O som das águas do Rio Lapinha correndo, dos pássaros cantando e voando pertinho da barraca e a imagem do Morro do Castelo diante de nós marcavam o inicio daquele nosso derradeiro dia no Vale do Pati. Eu já sentia saudades de cada momento. Por outro lado, nosso amigo e guia estava com dores estomacais e apresentava também quadro de diarreia. Ficamos preocupados com a condição física dele. Ninguém merece ficar doente na trilha. Retardamos um pouco a saída. Marquinhos sinalizava que já estava tudo ok, então tínhamos que partir.

      Às 9h010 saímos da casa de seu Aguinaldo. Subimos a trilha e seguimos pulando pedras no curso do Rio Lapinha e após caminhar 1.7 km a gente chegava à Cachoeira das Bananeiras.  Seguindo o curso daquele rio e 1h 15 depois de nossa partida (2,5 km) estávamos na Cachoeira do Funil que se apresenta belíssima. Cruzamos o leito para pegar a trilha que fica na parte de cima da encosta, próxima a queda d´água. Minutos depois chegamos a Cachoeira da Altina. Ali havia um pequeno grupo de turistas. É uma cachoeira um pouco menor que a do Funil. Deixamos a Cachoeira da Altinha (nome que faz referencia a uma antiga moradora que ali lavava as roupas da família) e tomamos o caminho novamente à esquerda, atravessando o rio e subimos uma trilha íngreme pela mata.

      Chegamos à igrejinha. Percorremos 4 km contados a partir da casa de Seu Aguinaldo.  Ali é a Casa de Seu João. Ela está próxima da Ladeira da Rampa que dá acesso ao Mirante do Pati e os Gerais do Rio Preto.  Ali é uma casa que também oferece serviços de recepção aos aventureiros com comida e hospedagem.  Lavamos os rostos e tomamos nossas ultimas latinhas de refrigerante dentro do Vale. O sol do meio dia castigava forte. São os testes finais de resistência depois de cinco dias de trekking. Doente, Marquinhos sentia bastante cada passo. Tive pena do nosso Leão da Montanha.

      Ao meio dia e meio estávamos no Mirante da Rampa. 6 km separam a casa de seu Aguinaldo do Mirante do Pati. E o visual a 1.337 metros é de tirar o fôlego. Ali enxergamos toda extensão do Vale do Pat: é o lugar perfeito para fazer aquelas fotos clássicas. Mas não podemos demorar. Temos horário marcado para nosso resgate lá no Beco, em Guine. O motorista Ari nos aguarda!
      As 13h10 seguimos nossa jornada pelo magnifica planície que forma as Gerais do Rio Preto. O terreno é um platô de campo rupestre, não há arvores naquele trecho, o lugar é belíssimo. A partir do Mirante, depois de 1,3 km cruzamos o riozinho que dá nome aquele local, o Rio Preto. Seguindo por mais 3.27 km estávamos enfim diante da descida de Aleixo. Eu diria que A Rampa e a Descida do Aleixo são tecnicamente iguais. A diferença e a ordem das coisas. Assim iniciamos nossa descida sob o calor das às 14h em direção ao ponto de encontro. Percorridos mais 2.1 km de trilhas chegamos ao final de um dos trekking mais bonitos desse pais.  Foi sensacional! Agora vamos voltar pra Lençóis!
       

       























































      Pati_Selvagem_-_Uma_Aventura__-_31_-08.docx


    • Por Nilão e Denise
      E ai galera beleza?
      Então, acabamos de retornar de nosso "mochilinho" pelo Rio Grande do sul e foi surpreendente.
      Quando minha esposa me disse que queria fazer um mochilão por Gramado e região confesso que torci o nariz, pois se tratar de uma região reconhecida pelo seu grau de 'careza', ainda mais por se tratar do natal luz. E como eu viajo a mais tempo que ela, sabia que seria um desafio e tanto fazer esta viajem sem estourar completamente o nosso orçamento.  Mas no fim deu tudo mais que certo e deu para mochilar legal pela serra.
      Pois bem, vamos a alguns detalhes que nos ajudaram muito durante a viajem e, deixo como dica para os próximos que irão:
      -A principal delas é sobre os sites de compra coletiva muito usados na serra gaucha (laçador de ofertas, tchê ofertas...); para que vc realmente tenha um desconto real em sua compra vc precisa 'deixar' que o site lhe mande ofertas... Pois estas sim valerão muito a pena.
      -Compre suas passagens e hospedagem com antecedência.
      -Fujam do bustour e dos tranfer.
      durante este relato explicarei os motivos destas recomendações.
      1° Dia- Porto Alegre (24/11/2018)
      Nós somos de uma cidadezinha no interior de São Paulo Chamada Tambaú, então no dia anterior tinhamos pegado um ônibus até a capital para ficarmos na casa de nossos padrinhos para no dia 24 seguirmos  viajem.
      Pegamos nosso voo para Poa em congonhas, fomos de Latam, pagamos $641,70 + $98 de bagagem (2 pessoas), saímos de CGH por volta das 07:30hs, e chegamos a POA as 09:00hs...
      Estava chovendo em Porto Alegre e, com o aeroporto em obras, tivemos dificuldades para encontrar a entrada do aeromóvel que nos levaria até o metro... Por fim encontramos e pegamos sentido a rodoviária ($3,30 p/p)...  Chegando na rodoviária já procuramos o guichê da empresa Unesul para comprar as passagens do dia seguinte para Bento Gonçalves.
      Estava chovendo muito, e foi um sacrifício para chegarmos a pé até o hostelRock, ($76 quaro duplo com banheiro compartilhado), ainda mais pq o GPS resolveu nos trollar nos mandando para o lado errado😵. O hostel é bem ok não tem nada de demais mas é bom para quem pretende passar poucos dias em Porto Alegre... E como nós só iriamos ficar 1 foi mais que suficiente.
      Como estava chovendo muito não pudemos sair de imediato então ficamos no hostel por um tempo e depois fomos para o shopping total ver um filme($12 p/p), pois ficar trancados dentro de um quarto não é muito nossa praia.
      Quando acabou o filme vimos que a chuva tinha dado uma trégua, resolvemos seguir a pé para explorar a cidade... Como já estava tarde as atrações já estavam fechadas mas mesmo assim fomos dar uma conferida😁... Depois disso fomos experimentar o famoso lanche de coração de frango de lá, (não é ruim, mas também não é a maravilha que falam, é bem normalzinho), e em seguida pegamos um uber($8,31), pois a região central de Poa a noite não inspira grande segurança, e fomos descansar pois acordaremos cedo no dia seguinte para viajar  para Bento.

      Shopping Total

      Poetas da praça

      casa de cultura Mario Quintana

      O tal lanche com coração de frango (preços na comanda👍)
      2° dia: Bento Gonçalves (25/11/2018).
      Antes de continuar vale deixar um comentario/ sugestão para se chegar a Bento, se vc é como eu que não pretende alugar carro, nem pagar um transfer caríssimo, o melhor jeito é ir de ônibus. E para que vc não perca muito tempo e dinheiro o melhor é deixar para fazer Bento antes, ou depois de Gramado. Por exemplo nós escolhemos ir antes então o nosso roteiro ficou: Poa- Bento-Gramado... Mas pode ser feito ao contrário. Pois ambas as rotas passarão por Caxias do Sul.
      Continuando...
      Acordamos por volta das 3:30hs para pegar nosso ônibus para Bento as 5hs. Foi recomendado para não ir a pé para rodoviária de madrugada então, pedimos um uber ($16,78) e pegamos nosso ônibus da UNESUL para Bento ($71,20 p/2)... Dois detalhes: O 1° é que sai apenas um bilhete para as duas passagens; e o 2° É que o ônibus é o que vai para Carazinho, então é bom se informar na plataforma.
      A viagem foi tranquila deu para dormir legal🤤😴, chegamos a Bento por volta das 8hs. Como estávamos de Mochila pedimos para guardar na rodoviária ($7 p/mochila)... Dica importante LEVEM DINHEIRO EM ESPÉCIE.
      Em seguida fomos a pé para a nossa 1° vinícola: Aurora. Como ela fica na área urbana da cidade pudemos ir aproveitando um pouco do que a cidade tinha para oferecer... Inclusive a famosa fonte de vinho.
       
       
       

      Fonte de vinho

      A cidade é extremamente limpa! Até nas lixeiras tem plantinhas.

      A cidade em si é uma graça.
      Chegamos a Vinícola Aurora, por volta das 9:45hs,  esperamos alguns minutos para o tour (grátis). É um passeio mais técnico, contando sobre a elaboração dos vinhos e no final é feita a degustação, que se divide em: secos, suaves, licoroso e azeite, e suco.


      Saindo da Aurora, fomos caminhando até o Pórtico Pipa, e da lá pegamos um Uber (R$10,71) até a Via Trento, onde visitamos outras Vinícolas: Casa Valduga e Dom Cândido.

      O tour na Casa Valduga é R$40 por pessoa e ganha uma taça, a degustação é feita de uma maneira diferente e bem descontraída durante o passeio🤩.

      Na Dom Cândido, resolvemos não fazer o tour completo, só a degustação (R$35 por pessoa), a essa altura já estávamos meio alterados😅🤪😵.

      Depois fomos almoçar em no Vinhas do Vale, também na Via Trento, onde comemos um Sanduíche Talian (R$18) e um Sanduíche Gourmet (R$28), super indicamos é fenomenal😋👍.

      Após o almoço fizemos uma caminhada até o a capela de N.S. das Neves... Onde pedimos um uber para voltar a rodoviária, porém ninguém aceitou o chamado🤬, então tivemos que chamar um táxi ($35)😱😡 pois já era tarde, estávamos cansados, e tínhamos que pegar o ônibus para Caxias do Sul. 
      Chegando na rodoviária fomos comprar as passagens e para nossa surpresa não aceitavam cartões. Então acabamos perdendo o ônibus que queríamos pegar e só pudemos ir no próximo das 17:16hs. A empresa que faz o trajeto Bento x Caxias é a OZELAME ($13).
      Chegamos em Caxias e pegamos um ônibus da CITRAL ($17,75) para Gramado as 19hs... e adivinha também não aceitavam cartões lá.
      Por fim chegamos a Gramado. Mas admitimos que devíamos ter deixado mais tempo para Bento pois a cidade tem MUITA coisa a oferecer.
      3°Dia: Gramado (26/11/2018)
      Chegamos em Gramado no dia anterior à noite como estávamos cansados resolvemos ir direto para a casa que alugamos pelo Airbnb (119,46 p/dia)... Foi fantástico só tenho elogios para a nossa host Yra e sua acomodação.🤩😍👍🏿
      Acordamos um pouco mais tarde e seguimos direto para o centro pois estávamos com fome e queríamos muito experimentar as famosas cucas e os pãezinhos da casa do colono... E vou te dizer falar que é uma delícia é POUCO!😋😋
      Depois fomos dar uma volta a pé pela Borges de Medeiros  para nos situar, aproveitamos para comer pela 1° vez o royal trudel 😋 ... Logo após demos uma passadinha rápida em casa e já voltamos para ver o show de acendimento, afinal era o NATAL LUZ!

      Loja crie seu amigo: é uma graça, mas se vc estiver com crianças e pouco dinheiro não entre.

      Rua coberta 

      Não voltem sem experimentar. É MUUUUITO gostoso!

      Voltamos para ver o show de acendimento... Simplesmente lindo!🤩🤩
      Em seguida fomos provar nossa primeira sequencia de fondue no Alpine la Table, que no geral acabou sendo o que mais gostamos.

      Palácio dos festivais a noite para o show de acendimento 

      Estava delicioso compramos pelo laçador de ofertas (89,90 p/2) e ainda ganhamos uma garrafa de vinho🍷😋😋
      4°dia: Gramado (27/11/2018)
      Levantamos dispostos neste dia com a intenção de ir a pé até o lago negro... Porém fomos novamente trolados pelo GPS😖 e acabamos indo parar na "periferia" de Gramado... e tenho que dizer também é um charme🤗. E acabamos sendo ' socorridos' pelo dono de um hostel (hostel doce amor), que foi super simpatico e nos deixou esperar por um uber lá, e ainda nos deu algumas dicas sobre a cidade.👍
      Por fim chegamos ao lago negro... Pensa em um lugar bonito, aconchegante, com uma vibe muito boa... ADORAMOS! Fizemos até um piquenique lá.🥪😋
      Saindo do parque do Lago Negro tem uma feirinha de artesanato demos uma boa olhada, e voltamos para o centro para conhecer o mini mundo.
      Chegando no mini mundo, demos muita sorte pois não pegamos as enormes filas que normalmente tem lá. Logo que entramos ficamos abismados com o tamanho do lugar, é bem maior do que pensamos, esperamos um pouco e fizemos o tour guiado pelo lugar... A riqueza nos detalhes nos encantou cheio de curiosidades e fatos históricos; (inclusive na parede tem replicas em alto relevo para que os deficientes visuais possam sentir,e eles ainda disseram que existem algumas obras em escala menor para que eles possam pegar na mão, super top👍), o lugar vale a pena a visita.
      Gramado é uma cidade encantadora, por isso, por querer ver cada detalhe nós ficamos muito tempo em cada lugar onde passamos.... E valeu muito a pena, pois queriamos curtir a cidade sem pressa.😎😊
      Fomos jantar mais cedo neste dia pq decidimos ver o show de acendimento novamente😅, (dica importante aqui: se vc tem a intenção de ver o acendimento e depois ir jantar É MELHOR CORRER, por que os restaurantes ficam lotados depois disso, o melhor jeito que encontramos foi: ou ir antes, ou pelo menos uma hora e meia depois... Se vc não for ver o acendimento pode ir no horário do show que o restaurante vai estar vazio).
      Jantamos uma sequencia de pastel no Chalé do Pastel ( ) MUITO BOM! A principio pelo tamanho achei que nunca iria encher🤣😂, mas por fim acabou sendo perfeito pq assim pudemos aproveitar todos os sabores. E o chopp que eles servem lá é divino.👍
      Logo após o acendimento fomos para a lugano experimentar o chocolate quente de lá e, o chopp também. Ambos são perfeitos e valem muito a pena conferir!🍺☕
      Depois disso fomos para casa descansar.

      Parque do lago negro

      Um pedaço do mini mundo

      Palácio dos festivais aceso e com neve no show de acendimento.

      Rua Coberta à noite após o show de acendimento

      Chocolate Lugano e suas cadeiras gigantes.
      5⁰ dia: Gramado e Canela (28/11/2018)
      Acordamos cedo e já fomos até o centro para pegar o famoso Bustur de Gramado, e tenho que confessar FOI UMA TREMENDA DECEÇÃO! 😞😖
      O ônibus não é ruim, mas se perde MUITO tempo no deslocamento entre um ponto e outro. E se vc for como nós, que gosta de maximizar seu tempo, eu realmente não aconselho este ônibus. VÁ DE TRANSPORTE PÚBLICO! É mais rápido, barato e vantajoso.
      Continuando... 
      Pegamos o Bustur no centro de Gramado e fomos em sentido Canela pois queríamos conhecer a cidade... Quando chegamos em Canela,  (depois de uma eternidade, pq esse ônibus para em tudo quanto é hotel, e quando chega em uma atração fica uns 10 minutos parado😠 ... vai calculando o tempo que perdemos), fomos direto para a catedral de Pedra, ela é linda! Vale muito a visita, adoramos.👍🏿

      Mas já estávamos em cima da hora para o almoço, pois queríamos almoçar "Na Mina" e depois de uma eternidade em cima do Bustur descobrimos que ele não parava onde queríamos almoçar😡... Por fim acabamos indo neste ônibus até o " Cristais Gramado" onde literalmente abandonamos ele. Detalhe importante já era por volta das 14 horas quando chegamos aos Cristais. Perdemos uma manhã inteira nesse busão 😥.
      Sobre o Cristais, vale a pena a visita. Eles mostram como são feitas as peças e tudo mais é bem legalzinho... 
      De lá da para ir andando até o pórtico normando de Gramado... Como começou a chover não deu para tirar fotos😥... E  o Le jardim também é bem perto da para ir de busão (coletivo).👍🏿
      Voltamos para o centro com a van da própria Cristais, (Já ia esquecendo de falar, eles fazem o tranfer do centro até lá DE GRAÇA, e a volta também é free👍🏿🤩), e fomos finalmente fomos almoçar.
      Depois fomos provar o famoso  chocolate na "velha bruxa" que é  MARAVILHOSO

      A noite fomos até a rodoviária para pegar o busão (coletivo) para Canela, pq queríamos jantar na pizzaria "toca da bruxa" ($50 p/p)... O lugar é incrível adoramos cada detalhe a pizza é muito boa e de quebra ainda da para ver o show de luzes na Catedral de Pedra... ADORAMOS!🤩🤩

      Por fim voltamos para Gramado para descansar.
      6° dia: Canela (29/11/2018)
      Acordamos cedo e dispostos a fazer o caminho até Canela a pé. Pq queriamos aproveitar tudo o que tinha pelo caminho.
      Então pegamos a avenida das Hortencias e fomos passeando de vagar para não perder nada do que queriamos... Foi super legal pois tem muitas coisas pelo caminh, não vou descrever uma a uma para não me estender demais mas para se ter uma noção nós passamos pelo mirante Belvedere (não é nada demais), pela fabrica da Prawer, Caracol, Florybal, mundo a vapor, e por ai vai. (Nota importante: nós não fizemos os três museus mais vendidos; o museu de cera, hollywood dream cars, e o super carros... Simplesmente pq não nos atraiu. mas para quem gosta tbm fica na Av. das Hortências... Passamos em frente mas não paramos.)

      Chegando em Canela paramos para almoçar e depois demos uma volta com calma pela cidade... Com direito a pausa para o sorvete.

      Depois disso voltamos para Gramado para tomar um banho e voltar a noite para canela para ver a chegada do papai noel na catedral de Pedra. 
      Voltamos a noite para ver o espetaculo e posso afirmar com toda a certeza.... É MARAVILHOSO!!!! 
      Nem vou tentar descrever pq não tem jeito... só indo! Muito bonito mesmo!
      Todo feito pelo próprio pessoal da cidade, desde as interpretações até a confecção das roupas, com as crianças das escolas no coral... Olha é EMOCIONANTE! 

       
      Depois voltamos a Gramado e fomos jantar no Armazém da Lolo, lemos muitos cometários positivos de lá mas infelizmente quando fomos não gostamos do que nos foi servido.
      Depois disso fomos descansar.

      7⁰ dia: Gramado (30/11/2018)
      Após ponderar um pouco na noite anterior, resolvemos não perder os voucher para almoçar na "a mina", e conhecer o parque tomasini.
      Já acordamos tarde por conta da MARAVILHOSA noite anterior...
      Como amanheceu chovendo ficamos novamente receosos mas, resolvemos ir mesmo assim... Então chamamos um uber e partimos...(detalhe importante: Não pega celular lá então tem que pedir o  Wifi caso vc queira voltar de uber). Vou confessar FOI MAIS UMA GRATA SURPRESA!😋🍷
      O restaurante na verdade se chama carazal, e é uma gracinha,  bem no estilo 'hotel fazenda', a comida é muito boa e farta, a vontade, tem música ao vivo (eles pedem uma contribuição, mas não é obrigado a pagar... nós pagamos 😉), refri ou suco a vontade, só é cobrado "por fora" bebidas alcoólicas.
      Depois de um almoço extremamente  agradável fomos conhecer a tal MINA..
      O passeio é bem legalzinho... É  uma réplica de uma mina muito bem feita onde vc pode apreciar, e conhecer sobre muitos tipos diferentes de pedras e cristais e no final tem uma lojinha (quem diria 😅), mas é bem interessante o passeio.
      Vale lembrar que dentro deste parque tem tirolesa, kart, e muitas outras atividades..
      Depois pedimos um uber para voltar ao centro de Gramado, o melhor uber da viagem😁👍, até se ofereceu para tirar foto para gente no pórtico da cidade e nos deu detalhes de como é de fato viver em Gramado.
       
       
    • Por Aprazzivel
      Oi, sou de Manaus.
      E recentemente criei um site falando sobre:
      o que fazer em Manaus,
      o que fazer em Roraima.
      Além de outras dicas. Confere lá.
      E se surgir alguma dúvida pode entrar em contato no instagram que respondo mais rápido (@aprazzivel)
    • Por Aprazzivel
      Oi, sou de Manaus.
      E criei um site recentemente falando sobre o que fazer em Manaus, e seus arredores. São várias dicas para incrementar nas suas viagens!
      Dicas sobre o Amazonas.
      E se surgir alguma dúvida pode entrar em contato no instagram que respondo mais rápido (@aprazzivel)


×
×
  • Criar Novo...