Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

nnaomi

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 3: Resumão das trilhas

Posts Recomendados

Fiz um apanhado de dicas e descrições das trilhas de Ilha Grande. Em 2008, percorri as trilhas que partem da Vila de Abraão, onde fiquei hospedada. Em 2015, voltei à ilha e percorri as trilhas que partem de Araçatiba e Bananal, ficando hospedadas nessas duas localidades. Todas as trilhas foram feitas no esquema bate e volta no mesmo dia.

Há 16 trilhas mapeadas pela TurisANGRA com diferentes graus de dificuldade, mas geralmente dispensam o uso de equipamentos mais específicos e cada trilha tem duração de caminhada inferior a 1 dia. A maioria das trilhas está demarcada e passa por limpeza e manutenção, mas o mesmo não ocorre com a sinalização que é antiga e está apagada/avariada ou ausente em vários trechos. Algumas trilhas possuem bifurcações e/ou não estão demarcadas pela falta de uso, dificultando o seu percorrimento. Também há outras trilhas, não mapeadas pela TurisANGRA, que são usadas pelos moradores. Caso queira percorrer uma delas, informe-se nas vilas se as trilhas estão abertas e demarcadas.

É bastante comum o Roteiro Volta da Ilha que faz o contorno completo da ilha, emendando uma trilha na outra e pernoitando em pousadas ou campings. Salienta-se que é necessário pegar um barco de Aventureiro a Parnaioca, pois é proibido entrar na Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul que é fiscalizada pelo INEA. Porém há relatos de quem passou por esse trecho.

Basicamente, a área da ilha está inserida em três Unidades de Conservação (UC) administradas pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA) que regulamenta as normas de visitação a essas UC.

O Parque Estadual da Ilha Grande (PEIG) integra a Área de Proteção Ambiental de Tamoios e foi reconhecida pela UNESCO como Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

Sede: Av. Nacib Monteiro de Queiroz, s/n, Vila do Abraão, 3361-5540. Administrativo: seg-sex de 8-17h. Visitação: ter-dom de 8-17h

Fonte: site do INEA

A Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul é uma UC de Proteção Integral com sede na Vila do Aventureiro e são permitidas apenas visitas de cunho educacional e para a realização de pesquisas científicas, mediante prévia autorização.

Fonte: site do INEA

A Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Aventureiro (RDS) é uma UC de Uso Sustentável. Fazia parte da Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul, que é uma UC de Proteção Integral, mas foi desmembrada e recategorizada. A nova classificação da área foi feita para conciliar a preservação dos ecossistemas locais com a cultura caiçara, valorizando os modos de vida tradicionais, assim como as práticas em bases sustentáveis desenvolvidas pela população tradicional beneficiária da unidade, incluindo a pesca de caráter artesanal, sob controle e gestão compartilhados entre o INEA e moradores da RDS do Aventureiro.

Dicas:

• Para as trilhas, é recomendado o acompanhamento de um guia ou alguém que conheça bem a região

• Antes de iniciar uma trilha pegue informações no Centro de Informações Turísticas e/ou com algum morador que conheça o local e que, de preferência, tenha passado pela trilha recentemente. Condições da trilha podem mudar de um dia para outro

• Há algumas dicas para fazer as trilhas no site http://ilhagrande.org/trilhas-da-ilha-grande

• Informe-se previamente sobre as condições da trilha. Na maioria dos trechos, as trilhas não são caminhadas à beira da praia, e sim seguem dentro de mata fechada cortando morros, por isso costuma ter subidas e descidas, algumas bastante acentuadas. Outra consideração importante é que, embora as trilhas estejam, geralmente, limpas e bem demarcadas, a sinalização está deteriorada em vários pontos, onde sobrou apenas a placa, mas os dizeres estão apagados. Também há bifurcações não sinalizadas, embora sejam mais comuns nas proximidades das vilas

• Consultando as anotações que peguei na internet e seguindo a intuição, procurei transitar pela trilha principal, a mais aberta e mais limpa, evitando os caminhos que pareciam levar às residências. Algumas bifurcações (do tipo Y de ponta cabeça) passam despercebidas na ida e nos confundem na volta, mas com um pouco de bom senso, sentido de orientação e ajuda dos moradores, que são muito prestativos, descobrimos o caminho certo. No meio da trilha a orientação geral é seguir a trilha mais aberta e acompanhar os postes de fiação de energia elétrica, pois estes vão dar sempre em algum local povoado

• O inverno é uma ótima época para caminhar, pois a probabilidade de chuva é menor e as temperaturas são mais amenas, mas pode ser frio para entrar na água que fica bem gelada nessa época

• Não faça trilha descalço, nem de chinelo; um calçado apropriado é essencial, pois não é caminhada na areia da praia na maioria dos trechos. Algumas partes da trilha têm inclinação acentuada e terreno acidentado com raízes, pedras e/ou terra batida, que devem ser escorregadias na época de chuva. Acredito que depois de uma chuva, deve demorar para secar, pois há várias partes de mata fechada, onde não bate sol.

• Comece a trilha cedo, para ter tempo de folga para um imprevisto. Nesse ponto, ajuda quando a pousada começa a servir o café da manhã cedo. Em julho, lá pelas 5h já está escuro nas trilhas, pois a maior parte segue dentro de mata fechada. Complica por causa das raízes, pedras e obstáculos do meio do caminho. É bom se programar para voltar antes disso, mas de qualquer forma previna-se com uma lanterna

• Leve água e lanche, mesmo que tenha fontes de água e comércio no destino, pois as fontes podem estar secas ou contaminadas e o comércio pode estar fechado ou desabastecido

• Para não ficar repetitivo, registro aqui uma informação mais "técnica" da trilha. Descrições mais detalhadas do percurso encontram-se nos respectivos relatos

• Lado direito ou lado esquerdo da praia? A indicação dada, considera que você está olhando o mar

• Mapas, fotos e informações detalhadas de algumas trilhas: br.ilhagrande.com

• Mapas e algumas informações da trilha: ilhagrande.com.br

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Trilhas de Ilha Grande - Informações gerais

Localização: Parque Estadual da Ilha Grande (PEIG), Angra dos Reis

Infraestrutura: Sede do PEIG: Av. Nacib Monteiro de Queiroz, s/n, Vila do Abraão, 3361-5540. Administrativo: seg-sex de 8-17h. Visitação: ter-dom de 8-17h

Como chegar: De carro/ônibus a Angra dos Reis e de barca/escuna/lancha/barco a Ilha Grande. Mais detalhes no Relato de Ilha Grande

Quando ir: Veja Relato de Ilha Grande

Atenção: À seguir, informações mais específicas de cada trilha. Dados de percurso e tempo foram consultados no mapa oficial da TurisANGRA distribuído pelos CITs (mapa obtido em jul/2015). Algumas delas foram percorridas em jul/2008, portanto as informações podem estar desatualizadas e três não foram percorridas. Sempre é recomendado o acompanhamento de um guia ou alguém que conheça bem a região, principalmente para aqueles que não estão acostumados a fazer trilhas

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T1 Circuito do Abraão

Ponto inicial: Praia de Abraão, no lado esquerdo da praia

Ponto final: Aqueduto

Percurso: 1.800m

Tempo: 1h

Nível de dificuldade: Leve/plana

Atrativos:

  • Praia de Abraão: Pedra do Corisco
  • Praia Preta
  • Ruínas do Lazareto
  • Praia do Galego
  • Mirante da Praia Preta
  • Mirante do Aqueduto
  • Poção (Cachoeira dos Escravos)
  • Aqueduto

Descrição: Siga até o final da Praia de Abraão (lado esquerdo). Passe pelas casas dos funcionários do antigo presídio e algumas casas de madeira que resistem ao tempo. Aproveite para ver a Pedra do Corisco, que dizem ter sido cortada por um raio em uma tempestade. Ao chegar a uma ponte, a bifurcação da esquerda leva ao Mirante da Praia Preta, ao Mirante do Aqueduto e ao Poção; a estrada da direita conduz à Praia Preta, às Ruínas do Lazareto e à Praia do Galego. A estrada segue ladeada de eucaliptos e o mar à direita. Na maré baixa, surgem faixas de areia entre as pedras formando pequenas praias temporárias. Em uma curva à esquerda, uma trilha desce à direita para a Praia Preta (de areia monazítica). Seguindo pela estrada, após uma ponte, estarão as Ruínas do Lazareto, mas também é possível alcançá-las pela praia. Ao sair das ruínas, siga a estrada e suba a trilha à esquerda. Ao avistar um rio descendo à esquerda, siga a bifurcação que desce em direção ao rio.

Atenção: Percorrida em jul/2008. Infraestrutura: não há restaurantes/quiosques nesse trecho.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T2 Aqueduto - Saco do Céu

Ponto inicial: Aqueduto

Ponto final: Saco do Céu

Percurso: 5.800m

Tempo: 3h

Nível de dificuldade: Médio/íngreme

Atrativos:

  • Aqueduto
  • Cachoeira da Feiticeira: tobogã e poço no topo da cachoeira, com acesso por uma trilha à direita
  • Praia do Iguaçu
  • Praia da Feiticeira
  • Praia da Camiranga
  • Praia do Perequê
  • Praia de Fora
  • Praia do Galo
  • Praia do Conrado
  • Saco do Céu: Igreja de Cosme e Damião

Descrição: Sob o Aqueduto, localize a placa de sinalização da T2. Uma subida suave passa por um trecho de capoeira alta virando mata, depois por um bambuzal à direita à margem de um riacho, o qual é cruzado, mais à frente, por uma ponte de manilha de ferro de fundição. Aos poucos a trilha torna-se mais íngreme e o terreno irregular com pedras e raízes. À esquerda um vale vai ficando cada vez mais fundo e à direita está o Morro do Abraão, o qual se está subindo. No topo, uma pedra serve de banco. Inicia-se a descida íngreme em ziguezague. Depois de um bambuzal à direita, a inclinação do terreno diminui até passar por outro bambuzal e ficar quase plana. Neste trecho, a trilha passa sobre umas pedras por onde corre um riacho que, conforme a época, poderá estar seco. Uma pedra com uma seta pintada de branco (localizada à direita da trilha) sinaliza a bifurcação à esquerda que leva à Cachoeira da Feiticeira em um tempo estimado de 15min. Seguindo por essa trilha, a subida bem íngreme oferece uma vista panorâmica da Enseada das Estrelas. Inicia-se a descida primeiro suave e depois íngreme na direção de um rio. Cuidado com as palmeiras de troncos espinhosos à margem da trilha. Ao chegar ao rio, siga à esquerda pelas pedras do leito até encontrar a cachoeira. Voltando à trilha principal, siga descendo. Depois de cruzar o Rio da Feiticeira, a trilha desce acompanhando o vale à direita. Na curva em "U" à direita, a bifurcação à esquerda sobe em direção ao Saco do Céu; a trilha que segue em frente, fazendo a curva, conduz às praias do Iguaçu e da Feiticeira. Seguindo para essas praias, quando a trilha fizer uma curva fechada para a esquerda, entre na bifurcação à direita, descendo em direção de uma praia com muitos coqueiros. A bifurcação da esquerda leva a uma pousada. Depois da Praia do Iguaçu e de contornar o terreno de uma casa onde tem um cais e um heliporto, continue costeando até a Praia da Feiticeira. Para seguir ao Saco do Céu, retorne à curva em "U". Ao começar a descer, uma escadaria conduz à Praia do Camiranga. Siga pelas areias da praia, cruze o Rio Camiranga e contorne uns blocos de pedra passando por um breve trecho de mata para chegar à Praia de Fora. Depois de passar por um cais que emenda com a calçada de uma casa, surgem casas à esquerda na Praia do Perequê. Siga o caminho à esquerda passando por trás dessas casas e por uma ponte que cruza o Rio Perequê. A trilha larga passa pelas ruínas de uma antiga fazenda e por um barzinho. Perto do Saco do Céu surgem várias pontes que cruzam riachos e mangue.

Atenção: Percorrida em jul/2008. O acesso à cachoeira da Feiticeira não era bem sinalizado e havia bifurcações que confundiam. Existe táxi boat entre a Vila de Abraão e a Praia da Feiticeira, que é uma opção interessante na volta. Infraestrutura: na Praia da Camiranga há um bar/quiosque; no Saco do Céu tem a pousada/restaurante Coqueiro Verde e outras opções mais simples, incluindo um camping.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T3 Saco do Céu - Freguesia de Santana

Ponto inicial: Saco do Céu

Ponto final: Praia de Freguesia de Santana do Leste

Percurso: 4.000m

Tempo: 2h

Nível de dificuldade: Leve/íngreme

Atrativos:

  • Saco do Céu
  • Praia da Guaxuma
  • Praia do Funil
  • Praia de Japariz
  • Praia de Freguesia de Santana do Leste: Igreja da Freguesia de Santana
  • Praia da Baleia

Descrição: Após a Igreja de São Cosme e São Damião, procure a placa de sinalização (T3) Saco do Céu – Freguesia de Santana e siga à esquerda. Há uma vilinha com casas e algumas bifurcações que confundem. O meu guia de 2008 dizia que a mata não era muito densa e haveria uma vista panorâmica da enseada e da costeira. Entretanto, não vi nada, ou peguei o caminho errado ou a mata fechou. Durante a subida, uma trilha à direita, desce para a Praia da Guaxuma (5min de caminhada). A bifurcação parece ser pouco utilizada, pois não está bem demarcada. De qualquer forma, fomos desaconselhado a ir para lá por um morador do Saco do Ceu que disse que nessa praia reside um homem com problemas mentais. Continue subindo e logo que iniciar a descida ignore o entroncamento à direita. Continue descendo a trilha principal, mais larga. Ao chegar ao campo de futebol, verá a Praia do Funil à direita. Depois de uma breve subida e uma curva à direita, surgem as ruínas de uma antiga fazenda e a Praia de Japariz, movimentada com os passeios de barco. Próximo da costeira, bóias azuis marcam o local de cultivo de mexilhão. Uma trilha desce à direita na direção de uma casa junto ao mar. Continue em frente pela trilha principal passando por um trecho de mato e sapê. Mais à frente surge um entroncamento vindo dessa casa. Ao contornar umas pedras, por onde passa um riacho, a trilha fica um pouco erodida e corta um breve trecho de mata. Ao ficar reta e descendo suavemente, surge uma fonte à esquerda (um pequeno cano jorrando água), segundo o meu guia de 2008. Porém, não vimos nada, talvez por conta da época de seca, uma vez que o riacho também estava com um volume d'água bastante reduzido. A trilha termina no lado direito da Praia de Freguesia de Santana do Leste. Querendo visitar a Praia da Baleia, atravesse as areias da praia até a extremidade esquerda da praia, onde inicia uma trilha curta costeando o mar. Querendo visitar a Igreja da Freguesia de Santana, retorne ao lado direito da praia e suba os degraus até alcançar uma bela palmeira imperial e a igreja.

Atenção: Percorrida em jul/2015. Leve água; entre a Praia de Japariz e a Praia de Freguesia de Santana do Leste há um ou outro curso d'água, mas bastante minguado na época de seca; não encontrei a fonte d'água que o guia dizia existir, talvez estivesse seco; água em Japariz é muito cara, uma exploração, com tanto movimento poderia ter um valor mais honesto; a Praia do Aventureiro que é muito mais isolada, remota e de difícil acesso vendia água a um preço melhor. Para quem faz a trilha T3 + T4, existe uma trilha que corta caminho entre o Saco do Céu e Bananal, mas ela não passa pelas praias. Informe-se com os moradores se a trilha encontra-se aberta e demarcada. Infraestrutura: na Praia de Japariz tem pousada, mercadinho e vários restaurantes, pois é ponto de parada de passeios.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T4 Freguesia de Santana - Bananal

Ponto inicial: Praia de Freguesia de Santana do Leste, do lado direito da igreja (olhando para a frente da igreja)

Ponto final: Praia do Bananal

Percurso: 3.000m

Tempo: 1h30min

Nível de dificuldade: Leve/íngreme

Atrativos:

  • Praia de Freguesia de Santana do Leste
  • Lagoa Azul
  • Praia da Grumixama
  • Praia de Baixo (ou Freguesia de Santana do Sul)
  • Praia do Bananal Pequeno
  • Praia do Bananal: Mirante do Bananal, Igreja do Divino Espírito Santo

Descrição: A trilha inicia do lado direito da igreja (olhando para a frente da igreja). O meu guia de 2008 dizia haver algumas bifurcações nesse trecho, mas não vi. Depois de contornar a igreja, a trilha passa por uma escola abandonada e, segundo o guia, por um cemitério centenário. Pouco depois, tem uma bifurcação, pegue a da direita. Nesse sentido, a bifurcação não confunde, ela pode até passar despercebida, pois o caminho continua naturalmente à direita. No sentido contrário, do Bananal à Freguesia de Santana, a bifurcação (em formato de Y) pode gerar dúvidas, pois ambas as trilhas são igualmente demarcadas e limpas; disseram que ambas desembocam em Freguesia de Santana (nesse sentido, o da esquerda é o que passa ao lado da escola). Antes de chegar às areias da Praia de Baixo, surge uma bifurcação. A trilha principal que segue à frente é a trilha para Bananal. A bifurcação à direita leva a Praia de Baixo. Querendo conhecer a Praia da Grumixama e avistar a Lagoa Azul do alto, atravesse as areias da praia até a extremidade direita da praia e siga pela trilha que beira a costeira. Retornando à trilha principal, siga adiante. Na bifurcação, siga a trilha que acompanha o mar passando por um bambuzal. Depois de cruzar um riacho, a trilha se aproxima de umas casas simples e começa a subir íngreme com o piso muito acidentado. O meu guia de 2008 dizia que quase no final da subida, ao avistar uma casa no alto à esquerda, descortinava-se uma vista panorâmica da Lagoa Azul e suas ilhas, mas acho que a mata fechou e eu não vi nada. Ao chegar em uma imensa figueira, a trilha começa a descer bastante acentuada. Depois de alguns sobes e desces, curvas à esquerda e à direita, a trilha volta a descer acentuada, passando em seguida por cima das raízes de uma gigantesca figueira. Depois de passar por trás de um abrigo de gerador, logo surge uma placa de sinalização da T4, em frente à Praia do Bananal Pequeno. Desça à praia, atravesse suas areias e continue pela trilha no final da praia, passando à esquerda de uma casa branca junto ao mar. Mais alguns metros, a trilha passa ao lado de uma imensa árvore cujas raízes parecem engolir uma pedra. Ao chegar a um bar redondo próximo à praia, desça pelas escadas passando por debaixo dele para desembocar na Praia do Bananal.

Atenção: Percorrida em jul/2015. Não vi o cemitério centenário, não sei se está encoberto pelo mato, vi apenas alguns túmulos ao lado da igreja. É bom levar água. Lembro de ter visto um curso d'água perto da Praia de Baixo, minguado na época de seca. Infraestrutura: na Praia de Baixo um bar improvisado opera na alta temporada; na Praia do Bananal tem algumas pousadas com pensão completa, alguns bares bem pequenos, mas não vi nenhum restaurante, nem qualquer outro tipo de comércio.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T5 Bananal - Sítio Forte

Ponto inicial: Praia do Bananal, no lado esquerdo da praia

Ponto final: Praia do Sítio Forte

Percurso: 5.000m

Tempo: 3h

Nível de dificuldade: Leve/íngreme

Atrativos:

  • Praia do Bananal
  • Praia de Matariz: Igreja de N. Sra de Santana
  • Praia da Jaconema
  • Figueira Branca
  • Praia de Passaterra
  • Praia de Maguariqueçaba
  • Praia do Marinheiro
  • Praia do Sítio Forte

Descrição: Ao final da praia, no lado esquerdo, siga pela trilha, que beira a costeira. Segundo o meu guia de 2008, em meio à descida e logo após uma placa indicando o acesso por terra ao Eco & Dive Resort, haveria uma bifurcação e ambos os caminhos estariam corretos. O guia indicava o da esquerda por ser mais rápido. Em primeiro lugar, acho que o Eco & Dive Resort não existe mais e a trilha da esquerda ainda está transitável, mas tudo indica que não passa mais por manutenção, pois está bastante fechada. Depois de atravessar uma ponte chega-se à Praia de Matariz. Atravesse as areias da praia, continue pela calçada da abandonada indústria de pescado, cruze a ponte e suba pela trilha que segue entre casas com escadas escavadas na terra. À direita, uma placa sinaliza a entrada para a Praia de Jaconema junto a um bambuzal (trilha curta, porém bem íngreme). Continuando pela trilha, surge a Figueira Branca, do lado esquerdo da trilha. Bem alta, ao nível dos olhos estão apenas as raízes de grande porte sobre uma grande pedra e, erguendo os olhos, vemos a árvore alta "plantada" sobre a pedra. Durante a caminhada podem ser vistos os galões de plástico (criadouros de mexilhões) flutuando no mar. Uma descida com direito a ziguezagues/cotovelos leva à Praia de Passaterra. Depois de atravessar as areias dessa praia, suba a escadaria de cimento até a igreja. Na bifurcação, seguimos por cima, pois o caminho de baixo parecia levar a propriedades particulares à beira-mar. Depois que as trilhas se encontram e logo após passar por uma pedra à direita, surge uma bifurcação à esquerda. Siga a trilha da direita, acompanhando o mar até chegar às areias da Praia de Maguariqueçaba. Depois de atravessar as areias dessa praia, suba as escadas de cimento. O meu guia falava sobre a vista panorâmica, mas acho que a vegetação cresceu, permitindo apenas ter vislumbres da paisagem. À beira da trilha, uma placa T5 informa sobre o cultivo de mexilhões. No bambuzal, uma bifurcação à direita (não sinalizada) conduz a pequena Praia do Marinheiro. Não há placa, mas sobrou o poste que acabou servindo de indicação. A trilha volta a subir, passando por algumas casas. Surgem bifurcações, mas a orientação na trilha não é dificil, pois, na maioria das vezes, são acessos às casas. Mantenha-se na trilha principal acompanhando os postes da rede elétrica. Depois de uma curva à direita, contornando o terreno de uma casa no alto, a trilha começa a descer. Há uma ponte de madeira, sobre um rio. Desemboca-se em um corredor gramado cercado de ambos os lados por coqueiros bem altos que terminam na Praia de Sítio Forte.

Atenção: Percorrida em jul/2015. Entre Bananal e Matariz há algumas bifurcações da trilha. Ao que tudo indica, apenas uma delas continua passando pela limpeza e manutenção. Eu consegui ir por um caminho, voltar por outro e depois descobri que os dois caminhos nao eram o "certo" (o que passa pela manutenção). O meu guia de 2008 dizia para, na bifurcação, seguir por qualquer um dos dois caminhos, pois eles se encontravam à frente. Ainda segundo o guia, o caminho da esquerda era mais rápido. Fomos por ele. A trilha estava bem fechada. Troncos e galhos caídos dificultavam a passagem. A trilha estava bem estreita com mato roçando de ambos os lados, muito diferente das outras trilhas pelas quais já tínhamos passado que estavam em excelente estado de manutenção, o que me fez desconfiar que estava no caminho errado. Porém ainda era possível ver a demarcação da trilha no terreno e fitinhas vermelhas amarradas na vegetação, de tempos em tempos, sinalizavam a trilha. Finalmente desembocamos na Praia de Matariz. Na volta, vimos uma bifurcação, onde ambos os caminhos eram estreitos, mas igualmente demarcados. Ficamos com impressão de termos vindo pela direita, mas arriscamos o caminho da esquerda, para variar o trajeto. Só que a gente foi dar dentro do terreno de uma casa amarela. Saímos por um portãozinho de madeira e voltamos à trilha bem larga e logo à frente, uma placa de sinalização da trilha mostrava que estávamos no caminho certo. Descobrimos que cortamos aquele trecho de trilha fechada, com mato invadindo a trilha, que tínhamos percorrido na ida. Porém, ao conversar com uma turista que tinha ido para Matariz, descobrimos que existe outra alternativa. Ela disse que ficou na dúvida quando encontrou a bifurcação, mas por sorte, o funcionario da prefeitura que faz a manutenção da trilha passava por ali e indicou o caminho correto. Na Praia do Marinheiro, jorra água de um cano do lado direito da praia, mas não sei se é potável. Infraestrutura: na Praia de Matariz e na Praia da Jaconema tem uma pousada com pensão completa; na Praia de Passaterra tem uma pousada; na Praia de Maguariqueçaba tem uma pousada com pensão completa e dois restaurantes; na Praia de Sítio Forte tem um barzinho precário.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T6 Sítio Forte - Praia Grande de Araçatiba

Ponto inicial: Praia do Sítio Forte, no lado esquerdo da praia

Ponto final: Praia Grande de Araçatiba

Percurso: 6.000m

Tempo: 3h30min

Nível de dificuldade: Médio/íngreme

Atrativos:

  • Praia do Sítio Forte: Nascente
  • Praia da Tapera
  • Praia de Ubatubinha
  • Praia da Longa: Cachoeira da Longa, Igreja de São Pedro
  • Lagoa Verde
  • Praia da Cachoeira
  • Praia Grande de Araçatiba: Igreja de Nossa Sra da Lapa

Descrição: No lado esquerdo da Praia de Sitio Forte, sobrou apenas a estrutura de uma provável placa de sinalização da T6. A trilha segue à beira-mar e a vegetação é mais baixa; olhando para trás, aproveite o visual Praia do Sítio Forte. A trilha segue margeando uma cerca/alambrado com o visual da Praia da Tapera à frente. Após a descida, atravesse a passarela/ponte de madeira sobre o riacho que desemboca no início da Praia da Tapera. Atravesse as areias da praia e suba por uma escada na direção de uma touceira de bambu alto. Depois da subida, a trilha fica plana. Na frente tem-se o visual da Enseada do Sítio Forte. A descida suave desemboca na Praia de Ubatubinha, em uma placa de sinalização da T6. O meu guia de 2008 dizia que havia um cais e um casarão da antiga fábrica de sardinhas em conserva que, reformado, tinha virado um restaurante. O cais ainda está lá, mas o casarão não existe mais. Agora tem uma propriedade particular com uma cerca por praticamente toda a extensão da praia. Atravesse as areias da praia e siga até a extremidade esquerda, onde a trilha é facilmente localizada. Surge a primeira bifurcação que é sinalizada: à esquerda segue a trilha, à direita conduz a uma propriedade particular. Subindo, depois de alguns bambuzais, alcançamos a placa de propriedade particular. A trilha continua à direita. Existe uma bifurcação nesse ponto, mas que passa despercebida no sentido Sítio Forte - Praia Grande de Araçatiba (no sentido contrário, pela posição da placa e dos postes de luz, que estávamos seguindo, resolvemos ir pela direita e acabamos dentro da propriedade; o caminho correto seria o da esquerda). Após alguns minutos, a trilha fica mais ou menos plana e a mata torna-se mais fechada. Mais à frente a trilha começa a descer passando por bananeiras e pés de café. Logo após o córrego, a trilha sobe um pouco passando por uma fileira de bambus à direita. Descortina-se uma vista panorâmica parcial da Praia da Longa. Na bifurcação junto a uma touceira de bambu à direita, siga pela esquerda (acho que há uma placa de sinalização, porém deteriorada). Com mais alguns minutos de caminhada, a trilha passa por uma vala poluída. Depois do bambuzal gigante à esquerda, siga a trilha da esquerda, contornando o bambuzal. A trilha segue quase plana e você verá uma casa à esquerda no alto. Após esta casa a trilha começa a descer com muitas pedras. Aos poucos as casas vão surgindo à esquerda. Mais à frente, a trilha passa praticamente por cima do telhado de uma casa à direita. Em seguida, você avistará uma igreja cor-de-rosa à esquerda. Siga descendo por vários trechos de escada de terra até chegar a uma bifurcação. Continue descendo as escadas, agora de cimento, até a Praia da Longa. Desse lado, fica a Cachoeira da Longa. Depois de atravessar as areias da praia e passar em frente a Igreja de São Pedro, siga pelo caminho à direita da escola. Tem uma placa de sinalização da T6, esta não deteriorada, mas estava caída à beira da trilha. Em uma curva à esquerda, junto a um bambuzal, surge uma bifurcação à esquerda, em direção a um campo de futebol. Siga pela direita e, logo após uma curva à esquerda, a estrada passa a ser calçada por pedras. É uma longa subida. Surgem algumas bifurcações não sinalizadas e/ou com placas deterioradas. Adiante, a estrada fica bloqueada pelo mato. Siga pela trilha subindo um barranco à direita, na direção de um morro descampado. Com mais alguns minutos, junto a uma pedra, surge um entroncamento vindo da esquerda. Siga pela direita subindo. Ao entrar num trecho de mata, a descida torna-se acentuada. Há pedras e escadas escavadas na terra. Uma grande pedra do lado esquerdo da trilha com a indicação "Lagoa Verde" e uma seta pintadas de branco indicam para adentrar o bambuzal (bambu gigante) que fica do lado direito da trilha. Querendo visitar a Lagoa Verde, desça por essa trilha. Retornando à trilha principal, a próxima bifurcação à direita (há uma placa de sinalização da T6 deteriorada) conduz à Praia da Cachoeira. A trilha a essa praia é bastante curta. Voltando à trilha principal, você passará por outra touceira de bambu à direita. Logo após os bambus, surgem 2 entroncamentos. Siga acompanhando os postes da rede elétrica. Após estes entroncamentos, a trilha passa por várias casas à esquerda. Em seguida sobe um pouco e começa descer avistando a Enseada de Araçatiba. Depois da ponte de madeira, siga até a placa de sinalização da T6 e, finalmente, a Praia Grande de Araçatiba.

Atenção: Percorrida em jul/2015. Existe um atalho entre a Praia da Longa e a Lagoa Verde que é bem interessante. No final da Praia da Longa, no lado esquerdo, inicia a trilha praticamente plana que segue beirando o mar e vai dar na Lagoa Verde. Da Lagoa Verde, você sobe e retorna para a trilha oficial já bem perto da Praia Grande Araçatiba. (A trilha oficial T6 vai pelo morro, não tem nada de particular interesse no meio caminho e é uma longa subida pela estrada calçada por pedras). Infraestrutura: na Praia da Tapera tem o quiosque Recanto dos Maias, na Praia de Ubatubinha acho que tinha um quiosque no canto esquerdo da praia, mas não tenho certeza; na Praia da Longa tem um camping, um mercadinho e Dona Nélia serve refeições, mas é necessário avisar com antecedência; na Lagoa Verde tem um restaurante, na Praia Grande de Araçatiba tem várias pousadas, restaurantes, mercadinhos e um camping.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T7 Praia Grande de Araçatiba - Gruta do Acaiá

Ponto inicial: Praia Grande de Araçatiba, no lado esquerdo da praia

Ponto final: Gruta do Acaiá

Percurso: 5.300m

Tempo: 3h30min

Nível de dificuldade: Médio/íngreme

Atrativos:

  • Praia Grande de Araçatiba
  • Praia de Araçatiba
  • Praia de Itaguaçu: Piscina Natural
  • Praia Vermelha
  • Gruta do Acaiá

Descrição: No lado esquerdo da Praia Grande de Araçatiba, inicia-se a trilha T7 (e também a T8), passando entre algumas casas e pousadas. Olhando para trás, tem-se o visual da Praia Grande de Araçatiba. Adiante, chega-se a uma ponte que atravessa um riacho no inicio da Praia de Araçatiba. Atravesse as areias da praia e siga a trilha que começa plana em direção ao bambuzal. Na bifurcação sinalizada (divisão da T7 e da T8), siga a trilha da direita. Há mais touceiras de bambu. Desça pela escada escavada na terra com degraus firmados por pedaços de madeira, antes de um córrego. Depois de algumas subidas e descidas contornando um morro, uma bifurcação à direita, sinalizada com uma placa bastante deteriorada, conduz à Praia de Itaguaçu, também conhecida como Praia do Gaúcho. Retornando para a trilha principal, pouco à frente surge a entrada da Pousada Lagamar à esquerda. A descida à direita, leva à Piscina Natural de Itaguaçu, também conhecida como Lagoa Lagamar. À frente, continuando pela trilha, passamos por algumas casas e desembocamos na Praia Vermelha. Atravesse as areias da praia e no final da praia (no lado esquerdo) suba as escadas e rampas de cimento. Depois a trilha volta a ser de terra batida. Começam a surgir várias bifurcações e há apenas uma ou outra placa improvisada sinalizando o caminho para a Gruta do Acaiá. Siga pela trilha principal, pois normalmente as bifurcações à direita e à esquerda conduzem a casas. A trilha é normalmente mais larga e está bem batida, mas algumas bifurcações podem gerar dúvidas. A subida pelo morro íngreme é feita sob sol, pois a vegetação é mais rasteira. À esquerda da trilha, uma fileira de árvores foi plantada há pouco tempo. Aproveite para olhar para baixo e admirar a vista panorâmica das praias Vermelha e de Itaguaçu. Surgem mais casas, algumas pareciam abandonadas. Depois de uma descida pelo meio da mata fechada e sombreada, finalmente aparece um tronquinho de árvore onde está pintada em branco uma seta indicando Gruta do Acaiá. Depois de um bambuzal, surge um trecho mais aberto, com visual do mar. Continuando a descer dentro de mata fechada, aparece mais um bambuzal e algumas casas que pareciam ser de pescadores, mas todas vazias. Passando pelo meio das casas, encontramos uma placa informativa da T7 com o tempo de decomposição de cada tipo de lixo. Atravessamos uma pequena porteira de madeira, viramos à direita e demos na costeira, de onde avistamos alguns barcos pequenos de madeira de pescadores. Voltamos e seguimos pela trilha, tem uma placa deteriorada, mas nos orientamos por ela, seguindo em frente. Chegamos a mais uma placa de sinalização da T7 Gruta do Acaiá - Praia Grande de Araçatiba, esta é a primeira placa no sentido inverso, ou seja, de volta à Araçatiba. Pouco a frente tem a placa informativa da trilha T7 com um desenho e uma breve descrição da Gruta do Acaiá. Um banco de madeira, convenientemente posicionado nesse local, convida alguns a sentarem e aguardar, pois não são todos que se animam a descer. Primeiro, entra-se pelo buraco por uma escada de madeira a 90 graus. Depois há uma rampa inclinada entre a pedra de cima e a de baixo, bastante larga, porém o vão é estreito, não dá para descer de pé. É completamente escuro no início, mas depois dá para ver a água verde fluorescente no fundo. Obs.: o Grilo cobra uma taxa para visitação da Gruta e parece que ele opera um bar em sua casa na alta temporada.

Atenção: Percorrida em jul/2015. Há várias bifurcações entre a Praia Vermelha e a gruta. Prestando bastante atenção e com um pouco de sorte, conseguimos pegar as bifurcações corretas. Tentamos bater em algumas das casas para confirmar se estávamos no caminho certo, mas não encontramos ninguém. No retorno, encontramos com uma senhora que nos perguntou se tínhamos ido à gruta e nos informou sobre a taxa cobrada. Ela disse que o Grilo estava fazendo farinha, mas quando ele está lá, ele acompanha até o fundo da gruta, auxiliando e levando uma lanterna, o que é uma boa pedida. A taxa é de 15,00, mas ela disse que cobraria 10,00 por ter ido sozinha. Paguei, pois eles mantêm o local arrumado, com as escadas, mas acho que poderia ter mais sinalização no meio do caminho e valeria muito mais ter pago 15,00 com guia. Sinistro, descer no escuro completo, com aquele vento forte e o barulho das ondas batendo, achei que eu ia ser engolida pelo mar ou encontrar o Gollum... O mar estava de ressaca, muito agitado, as ondas batiam com bastante força e como estava sozinha e não conhecia o lugar, não desci até o fundo. Entretanto, me disseram depois que há um salão lá embaixo e é até possível entrar na água. Se tiver claustrofobia e/ou tiver medo de locais fechados, apertados e escuros, é melhor não descer pela gruta. Na volta, já bastante próximo à Praia Vermelha, seguimos pela trilha da direita, pois a trilha da esquerda parecia ir em direção contrária a da praia. Porém, se tivéssemos descido pela esquerda, sairíamos na escada de cimento, o mesmo caminho da ida. Descemos pela trilha de terra batida e desembocamos na praia, no meio de algumas casas, encontrando uma placa de sinalização da trilha. Então provavelmente esse seja o caminho correto. Infraestrutura: na Praia de Araçatiba tem um bar, mas parece que opera apenas na alta temporada; na Praia de Itaguaçu tem a Pousada Lagamar, na Praia Vermelha tem uma ou duas pousadas e alguns restaurantes, que podem estar fechados na baixa temporada, no caminho para a Gruta do Acaiá tem o Bar do Grilo que funciona na alta temporada.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

T8 Praia Grande de Araçatiba - Provetá

Ponto inicial: Praia Grande de Araçatiba, no lado esquerdo da praia

Ponto final: Provetá

Percurso: 4.500m

Tempo: 2h30min

Nível de dificuldade: Médio/íngreme

Atrativos:

  • Praia Grande de Araçatiba
  • Praia de Araçatiba
  • Praia de Provetá

Descrição: A trilha tem o mesmo início da T7. Depois da Praia de Araçatiba, na bifurcação sinalizada (divisão da T7 e da T8), siga a trilha da esquerda. É uma subida acentuada. O meu guia de 2008 falava da vista panorâmica que se tinha ao olhar para trás, mas a mata estava fechada e dava apenas para ter vislumbres o mar entre a vegetação. A trilha apresenta uma breve descida passando por um riacho e continua subindo e descendo até cruzar com outro riacho. Ambos estavam com pouca água, na época de seca. A primeira metade da trilha alterna algumas subidas e descidas, mas no geral é uma subida íngreme com alguns "cotovelos". Na segunda metada de trilha, prevalece a descida íngreme com mais alguns "cotovelos". Dois troncos servem de ponte para cruzar um riacho. Não reparei nas bifurcações que o meu guia de 2008 dizia existir, pois a trilha principal é bem larga e demarcada. A trilha segue dentro de mata fechada praticamente o tempo todo, mas no trecho final, a vegetação fica mais aberta. Aproximando-se da praia, tem-se uma vista panorâmica da Praia de Provetá pontilhada de barcos e da vila de tamanho razoável. A trilha vai dar no meio da vila, passando pelas casas e pela Igreja Assembléia de Deus, já bem próximo à praia.

Atenção: Percorrida em jul/2015. A trilha é bem íngreme, basicamente atravessa-se um morro, uma boa subida e depois uma descida igualmente forte. Basicamente, não há atrativos no meio do caminho. Tem vários riachos no caminho. Infraestrutura: na Praia de Provetá tem farmácia, mercadinho, padaria, bar, lanchonete e algumas lojas, mas tem poucas opções de hospedagem.

****************************************
Nanci Naomi
http://nancinaomi.000webhostapp.com/

Trilhas:
Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté

Relatos:
15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha

Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas

3 dias em Monte Verde - dez/2014
21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro

11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi

21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est

25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina

Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010

Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal

10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008

Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes

9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Rafaela-Almeida
      Ola vim relatar um pouco da viagem que fiz sozinha pra Paraty. Esse é meu primeiro relato, então caso leia alguma coisa que não concorde, desconsidere.
      Estive em Paraty do dia 20/01/2020 a 26/01/2020
       
      Transporte:
      Ônibus São Paulo - Paraty - R$105,24
      Ônibus Paraty - São Paulo R$105,01
      Tempo de viagem: a ida durou 7hs e teve 2 paradas de 30min cada de lanche. A volta durou 9hs, por causa do transito, teve 2 paradas também. A empresa que faz o trajeto é a Reunidas.
       
      Hospedagem:
      Fiquei hospedada no Carpe Diem Hostel, que alias recomendo muito, o gerente Leonardo é muito atencioso, todos os funcionários alias são  simpáticos, prestativos, a localização é ótima, próximo à rodoviária, supermercado, farmácia, restaurantes, centro histórico, café da manha ótimo, cozinha bem equipada e o hostel tem a área comum bem gostosa e uma piscina maravilhosa! Foi minha primeira vez em hostel, e eu gostei bastante, fiz muuuuitas amizades.
      Fiquei no quarto compartilhado misto com 6 camas, banheiro dentro do quarto, total deu R$244,65, 6 dias.
       
      Passeios:
      Dia 20/01- Como cheguei tarde, fui dar uma volta ao centro histórico, fiquei apaixonada pela arquitetura de lá, as igrejas que são lindas.
      Dia 21/01 - Realizei o passeio de Jeep Tour + Alambiques, e eu amei. Fiz com a Paraty Experience, super recomendo. O guia te busca na hospedagem, leva pra visitar o Alambique Pedra Branca, no qual você pode experimentar e comprar as cachaças, logo após leva na cachoeira Pedra Branca, no qual você paga R$5 para entrar caso esteja com guia e R$8 sem guia. Tem um ótimo poço para banho. Depois o guia leva pro Alambique Paratiana, no qual você degusta a cachaça também e lá você conhece o processo de fabricação da cachaça, que é bem interessante, lá também tem o museu da cachaça, com mais de 3 mil cachaças expostas. Logo após eles levam para conhecer o poço do Tarzan e Cachoeira Tobogã que é bem legal, lá tem um restaurante para almoçar também. O passeio vai das 11hs até 16hs.
       
      Dia 22/01- Realizei o passeio de Escuna que pra mim foi o melhor que fiz, realizei também com a Paraty Experience, e a escuna que fomos foi a Ilha Rasa 1 que possui um diferencial. As escunas saem todas no mesmo horário de Paraty para o passeio, porem a Ilha Rasa 1 faz a primeira parada na Ilha do dono da escuna, que leva o mesmo nome, lá tem redes, lugares de descanso e um lugar bem tranquilo para nadar, fica 1hs parada lá, quando a escuna segue viagem, as outras escunas estão indo embora, o que torna os outros lugares bem vazio pra quem não gosta de muvuca é uma ótima opção. Logo depois a escuna seguiu viagem pra Praia Vermelha que é bem gostosa, mar bem tranquilo, seguiu viagem para Lagoa Azul, aonde eles servem almoço (pagos a parte) e  ultima parada é em Ilha comprida, onde dá pra nadar com os peixinhos (recomendo snorkel), e pra quem não sabe nadar, eles disponibilizam Macarrãos e coletes. O passeio dura das 11hs até 16hs.
       
      Dia 23/01 e 24/01- Trindade. Pensa numa cidade com a vibe muito boa. Não cheguei a ir à Pedra que engole, nas piscinas naturais, pois estava chuviscando nos dois dias e as trilhas estavam bem escorregadias. Dividi o tempo entre Praia do Rancho para almoço e Praia do Meio. Fui à praia do Cachadaço também, que para acessa-la tem uma trilha bem curtinha, de nível médio. Infelizmente nos dois dias o mar estava bem agitado, mesmo assim recomendo quando estiver com o sol, deve ser muito calma as águas.
       
      Dia 25/01- Praia do Sono.  Quando sai da minha cidade, essa praia era meu principal objetivo, porem deu tudo errado. Pra chegar à praia do sono tem duas opções, por trilha ou por barco. Para ir eu optei pela trilha, que eu achei de dificuldade média por causa das subidas bem íngremes, e ela estava um pouco escorregadia por causa das chuvas nos dias anteriores. A trilha em si é linda, natureza total, é muito bom escutar o barulho dos riachos, pássaros e até o barulho do mar.  Realizei a trilha em 1h e 20min. A praia do sono em si é linda, porem no dia que eu fui o mar estava bem agitado, porem dava pra entrar na água tomando bastante cuidado. Não tive sorte, pretendo voltar ainda pra essa praia pra ter outra impressão dela. A volta foi realizada por barco, que foi horrível, o mar estava muito agitado, a todo o momento pensei que o barco não ia aguentar e ia virar porem deu tudo certo. O barqueiro te deixa no cais do Condomínio das Laranjeiras (que por sinal é muito top) e logo após vem uma van do próprio condomínio pra te levar até a portaria (você não paga nada por isso)
       
      Dia 26/01- Foi o dia de ir embora, infelizmente.
       
      Impressões que tive: Eu particularmente amei a cidade, achei bem segura, tranquila, o centro histórico é um encanto, pretendo voltar pra ir a Praia do Sono novamente e realizar os passeios pra Ilha dos cocos e Ilha do pelado. 
       
      Alimentação: 
      Achei as coisas bem caras em Paraty, até mesmo no próprio supermercado. O pacote de macarrão é R$4,50 de 500g e o molho de tomate é R$2,05. A coca 2l é R$8,00. Bolacha R$3,00. A garrafinha de água eu achei barata, R$0,99, porem comprei uma só, pois no Hostel tinha filtro.
      - Em Paraty eu comi no Candeeiro Musica e Gastronomia, o prato pra uma pessoa é aproximadamente R$50 (penne com camarão) e o drink Jorge Amado (vocês não podem deixar de tomar, é uma delicia) é R$17,00. Foi o lugar mais barato do centro histórico que achei. Comemos lá para comemorar o aniversario da Poliana, que alias conheci aqui no Mochileiros.
      - Em Paraty também tem um restaurante chamado Bom Apetite, fica em frente a uma pracinha, ao lado da Caiçara Tours, 1 quadra do centro histórico, aonde o PF é R$15 á R$18, comida deliciosa, bem servido.
      - Em Trindade eu comi no Ardentia, fica na Praia do Rancho, o PF lá é salgado, R$40, suco R$10, refri R$8. O atendimento é excelente e a comida também.
      - Em Trindade, na rua principal também tem restaurantes que o PF é entre R$20 e R$25. Infelizmente eu só vi na hora de ir embora.
      - No passeio de Jeep Tour, comi no restaurante do Poço do Tarzan, comida com preço salgado R$49,00 o prato feito.
      - Na escuna, eles vendem o próprio almoço, R$45,00 no PF de strognoff de frango, não lembro o preço exatamente, mas as outras opções de PF e as porções eram bem caras. Refri R$8,00. Eu gostei do almoço, estava bem delicioso.
      - Em Paraty tomei sorvete na Miracolo Gellateria, R$16,00 duas bolas de sorvete, porem não me arrependo, foi um dos melhores sorvetes que tomei até hoje.
      - Na praia do sono eu não almocei, comi bolacha, salgadinho que comprei no mercado, pois fiquei na duvida se lá tinha restaurantes.
       
      Dicas
      - Para realizar a trilha da Praia do Sono, usem tênis, levem repelentes e no mínimo 1L de água.
      - Saem ônibus de hora em hora da rodoviária de Paraty para Trindade, custa R$5,00 a passagem e dura 1h em media. Porem ao lado da rodoviária saem vans que custam R$5,00 também e levam 40min e é bem mais confortável, mas as vagas esgotam muito rápido, tem que ser ligeiro kkk.
      - A agência que realizei os passeios foi a Paraty Experience (http://paratyexperience.com.br/), o atendimento deles é ótimo, tiraram todas minhas duvidas pelo whats.
      - Caso forem no passeio dos Alambiques, deixem pra comprar cachaça no Alambique Pedra Branca, que é mais barato que o Alambique Paratiana e Centro histórico. Porem eu achei a cachaça da Paratiana mais gostosa.
      - Não deixem de experimentar a cachaça Gabriela (contem cachaça, cravo e canela, melaço de cana), é uma delicia.
      - Não deixem de experimentar o drink Jorge Amado (contem cachaça Gabriela, limão, gelo e maracujá) é uma delicia também.
      - O preço do barco na Praia do Sono é alto, R$40 a ida ou à volta.
      - O passeio de escuna é R$80,00.
      - O passeio de Jeep tour + Alambiques é R$80,00
      - Os preços das agências é tabelado, porem se você negociar sai por R$70,00.
      - A Praça da Matriz no Centro Histórico é o point à noite, bem agitado, porem acaba cedo, às 23h30min o pessoal começa a ir embora.
      - Os preços das cervejas eu vou ficar devendo, pois não bebo kkkk, mas nas praias de Trindade a lata é R$8,00, long neck R$10 e o litrão de Brahma é R$20.
      Eu acho que é isso, qualquer coisa é só perguntar
       
      insta:@rafaeladealmeiida
       
       
    • Por Caio Vinicius Aleixo
      Pra chegar em Ilha grande
      Fomos de Jundiaí pra SP (Rodoviaria do Tiete) 16,00
       Depois de SP para Angra 112,00 (sem taxa de conveniência pq comprei na rodoviária)
      Da rodoviária pegamos uber (7,00) pro cais. (da pra ir andando, uns 20 min)
      No cais compramos a travessia de barco rápido (90,00 ida e volta ou 50 cada trecho se comprar separado). Tem a opção de balsa que é 17 reais por trecho mas os horários são mais limitados (Angra-Ilha as 15h e Ilha angra as 10:30 se não me engano). O barco rápido faz o trajeto em 30 min mais ou menos, a balsa faz em mais ou menos 1h. Na volta acho que não compensa (se bater os horários) pegar o barco rápido, pqe ele fez uma parada em outra praia pra depois ir pra Angra, então deu o msm tempo da balsa. Se comprar o Barco rápido antecipado vc precisa deixar agendado o trecho de volta mas da pra re-agendar facilmente com o número do bilhete ligando no numero descrito tb no bilhete.
       
      Hospedagem
      Ficamos no Hostel Beach House, café da manhã ok, tinha café, leite, um suco que acho que é natural (diluído), pão, presunto e queijo (teve um dia que não teve), melancia e bolo.
      Os quartos são limpos, tem onde trancar a mala, fiquei num quarto pra 9 com um banheiro dentro do quarto (no final ficamos só em 3 pessoas no quarto pqe era baixa temporada na ilha). Custo é de 30,00 reais em dias da semana e 35,00 em fds. Hostel fica bem localizado, perto de mercado, farmácia, restaurantes (se bem que a vila é pequena nada é mt longe). Embaixo do hostel tem uma agencia de turismo
      http://bit.ly/Hostel_Beach_House

       
      Passeios
      Dia 1 - Lopes Mendes
      Fomos andando e voltamos de barco (20,00 barco rápido 15,00 barco mais lento)
      Tem a opção de ir e voltar de barco ou ir e voltar de trilha.
      A trilha é cansativa pqe sobe mt, e é relativamente longa (umas 2h30). A trilha é de mata fechada e tem 1 mirante basicamente (logo depois que terminar de subir tem uma parte de barro a direita, é ali que tem que subir). A trilha é longa então é bom ir de tênis.
       
      Dia 2 - Abraãozinho (lado norte da ilha)
      Fomos andando até a praia do abraãzinho (passa por varias praias até la, que são mais bonitas que a abraãozinho inclusive). Essa caminhada é de boa, vai beirando as praias.
       
      Dia 3 -  Passeio Praias paradisíacas 80,00
      Melhor Passeio na minha opinião, é um passeio que passa em várias ilhas de Angra (botinas cataguases, praia do dentista, lagoa azul (acho que é isso e tem mais uma que não lembro). Passeio é bom para snorkel, o passeio inclui snorkel, agua e macarrão (boia). as praias e ilhas são mto bonitas msm. o passeio foi feito de lancha com capacidade para umas 12 pessoas. (o passeio foi mt animado pqe tinha um carioca engraçadíssimo e uma galera animada na frente. Na frente o barco bate mais se o mar estiver agitado e o visual é melhor. Atrás molha mais caso o mar esteja agitado. Faz frio na volta desse passeio)
       
      Dia 4 - Cachoeira da feiticeira e tentativa de praia da feiticeira (lado sul da ilha)
      A trilha passa pela praia preta, antigo hospital (hospital p pessoas com lepra se não me engano, parece um presídio, mas não confunda com o antigo presídio que existia em 2 rios)
      a trilha não é tãão fácil mas é mais tranquilo que a trilha pra lopes mendes. No meio do caminho tem um lugar que a sinalização é estranha, acabamos pegando o caminho errado e não saímos na praia da feiticeira, saímos em uma praia do lado. Voltamos de barco (20,00) 
       
      Dia 5 - Passeio meia volta 100,00
      Passeio para em algumas praias mas os principais são Lagoa verde e lagoa azul, tem também a praia do amor (que fica de frente p onde gravaram alguma coisa do filme crepúsculo) gostei bastante do passeio mas preferi o “praias paradisíacas”. Passeio é bom para snorkel, o passeio inclui snorkel, água e macarrão (bóia) assim como o “praias paradisíacas”
       
      DICAS: 
      Leve tenis, muita coisa é feita de trilha e tênis vai tornar muito mais confortável as caminhadas
      Para os passeios de barco, de preferencia para os dias de sol, deixa o passeio/praias mt mais bonitos e a prática de snorkel ainda melhor.
      Lagoa azul e lagoa verde tem muita vida marinha, não deixe de praticar snorkel.
      Se sentir mt frio, leve blusa p os passeios de barco qnd estiver nublado (na volta pega mt vento)
      Existem diversos passeios, alguns feitos de escuna, que são mais baratos mas perde-se mt tempo navegando e passa em menos lugares. 
      O Hostel “Aquário” (http://bit.ly/2ueaRPF) da uma festa td noite, é de graça e só paga o que consumir.
      Alimentação vc acha de td, comi pf por 23 reais e moqueca (no restaurante lua e mar) que ficou 90,00 por pessoa (a comida é deliciosa e o ambiente bem massa, pegamos um prato que teoricamente é pra 2 e comemos em 3. Estávamos famintos e deu de boa)
      Comer no “Coruja” é um lugar que vende uma empanada SENSACIONAL, 8,00 e tem opções vegetarianas. lá tb tem promoção de 3 caipirinhas por 25 reais (varios restaurantes do lado tb tem)
      La tem mto estrangeiro, fui em setembro e tinha mt frances e argentino.
      Me disseram que em alta temporada os preços sobem MUITO, tanto passeios qnt restaurantes, hostel TUDO.
      O clima da ilha é meio Roots, não tem carro, é mt bom pra relaxar e fazer amizade. Achei a galera mt gente boa no geral.
       
      Contatos 
      Hostel beach house: http://bit.ly/Hostel_Beach_House
      Nativos turismo (onde fechei os passeios, fica logo em baixo do beach house)                                      24 99997 6382
       
      Quem quiser ver fotos ou tirar duvidas, me chama no instagram @caioviniciusaleixo (lá eu fico mais atento as mensagens)
       
    • Por isaribeiro
      Olá Mochileiros!
      Hoje vim relatar um pouco sobre minha viagem para Ilha Grande, que fica na cidade de Angra dos Reis, no Rio! Angra pra mim sempre foi sinônimo de luxo e riqueza e depois de trabalhar o ano todo, decidi separar um pouco mais de dinheiro e conhecer essa ilha. Como essa viagem aconteceu em agosto e minha memória não está tão fresca para preços exatos, vou tentar ao máximo resumir a experiência e dar dicas de como economizar e aproveitar esse paraíso.

                     
      RESUMÃO
      A ILHA – impressões, como chegar, onde ficar, onde comer, o que fazer e passeios.
       • Impressões e como chegar
      Bem, como o nome diz, Ilha Grande é uma ilha e nela só se chega por barco. Há diversas opções, mas decidimos contratar um serviço de transfer ida e volta que nos pegaria no Aeroporto do Galeão e nos deixaria em nosso hotel no Rio na volta. O valor do serviço incluindo transfer terrestre e marítimo com lancha rápida ida e volta custou R$210 reais por pessoa, com a empresa Transfer Ilha Grande que recomendo demais, o serviço foi muito bem prestado.
      Opções mais baratas para chegar na Ilha vindo do Rio é pegar carona/um ônibus na rodoviária até a cidade de Conceição de Jacareí e de lá comprar o ticket de barca para Abraão por 35,00.
      Em ilha grande existem 3 cidades para hospedagem: Abraão, Palmas, Araçatiba e Aventureiro (sendo que esse ultimo só se chega de barco saindo de Angra dos reis). Nossa escolha foi Abraão por ser a maior e principal. Logo no desembarque já sabíamos que a viagem valeria a pena, o lugar é paradisíaco. Não tenho palavras para descrever a beleza do lugar, uma vila simples, pequena, onde o comércio fecha de 13:00 – 17:00, rodeado por uma mata atlântica viva. O dress code é chinelo ou pé no chão, mas não esqueça de incluir um casaco e tênis na sua mochila.
       
      • Onde ficar
      Sobre as hospedagens em Abrãao... Precisa ser levado em consideração que a Ilha é um lugar bem simples, originalmente era uma vila de pescadores e tudo precisa chegar de barco. É uma logística meio complicada que também influencia na inflação dos preços. Estivemos na Ilha em agosto, baixa temporada para o Brasil, mas férias na Europa e consequentemente os valores não estavam tão baratos, pois a Ilha lota de Europeus nesse mês, fomos descobrir isso por lá. Estávamos em casal, não queríamos ficar em camping, nem quarto compartilhado, o ideal era uma pousada com cama confortável e chuveiro quente. As diárias variam muito, escolhemos a pousada Horizonte dos Borbas pelo custo benefício e ótima localização. Foram 6 diárias e o valor total ficou em R$ 877,50 com café da manhã incluso. Recomendo esse lugar, foi um bom achado. Opção mais barata para Ilha Grande é camping e hostel. Recomendo bastante o Che Lagarto. DICA MOCHILEIRA: acampar em Ilha Grande é um prato cheio. Caso decida por essa opção, não deixe de acampar em Parnaioca ou Aventureiro.  
       
      • Onde comer
      Comer em Ilha Grande é absurdamente caro. Não tem meio termo, ou você cozinha no hostel/camping ou gasta, no mínimo, 40 reais em um prato. Até no mercado as coisas são muito caras, e olha que sou de Brasília onde preços altos normalmente não assustam, o que me deixou meio indignada. Uma água de 5 litros custa 10,00. Se você for ficar hospedado em pousada/hotel, recomendo separar pelo menos 100 reais por dia para alimentação entre almoço e janta, contando que sua hospedagem tem café da manhã. Sim, não é exagero.
      O preço é caro, mas a comida é boa. Recomendo os seguintes lugares:
      - Café do Mar Bar e Restaurante
      - Lonier Garoupas
      - Pizzaria Fornilha
      - Ateliê Cafeteria
      - Creperia Tropicana
       
      • Passeios e o que fazer
      A Ilha é dividida entre trilhas que levam até algumas praias e passeios que você faz apenas com barco. As trilhas são perfeitamente demarcadas, não sendo necessário guia apenas disposição. Contratamos todos os passeios com a empresa LIG – Lanchas Ilha Grande. Os passeios saem diariamente de Abraão, não compramos nada com antecedência, porém alguns passeios são determinados pela maré, então recomendo ir atrás dos passeios logo na chegada para garantir. Fizemos os seguintes passeios em nossa estadia por lá:
      - Ilhas Paradisíacas (R$ 90,00)
      - Volta a Ilha (R$110,00)
      - Meia Volta (R$80,00)
      - Lopes Mendes (independente)
      - Trilha até praia de Abraãozinho (independente)
       
      Vou detalhar cada passeio a seguir:
       
    • Por nnaomi
      Período: 14 a 23/07/2008 e 06 a 15/07/2015
      Cidades: Ilha Grande
      Ilha Grande, o paraíso dos turistas estrangeiros. Nunca vi tanto turista estrangeiro junto! O local é bem rústico, simples, sem carros e considero como principais atrações, as trilhas e passeios de barco. Bom para quem gosta de caminhar (muito!) e não tem enjôo de mar, mas a recompensa são praias lindas, de água muito clara, cercadas por mata. Acredito que não seja um destino bom para quem tem crianças pequenas, devido às características do local, como o acesso difícil às principais belezas da ilha. Também não é indicado para quem espera luxo, conforto e não vive sem as facilidades de uma cidade grande.
      Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Fiquei hospedada na Vila do Abraão, que é a maior vila da ilha e com mais infra-estrutura. Na segunda viagem para a ilha, dividi a estadia entre Araçatiba e Bananal.
      Obs.: "Outras opções" referem-se às indicações que recebi de colegas, mas que não experimentei por não ter tido tempo ou por ter tomado conhecimento delas tarde demais. ATENÇÃO: não possuo nenhum vínculo com pousada, hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. Alguns dos pontos turísticos, bem como alguns estabelecimentos, não foram visitados por mim e as informações foram pesquisadas em guias. Portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade, se os dados são atualizados e/ou verossímeis.
      O texto na cor preta se refere ao primeiro relato de 2008 e o texto na cor verde, às informações atualizadas ou ao novo relato de 2015.
      A cidade
      É uma das inúmeras ilhas de Angra dos Reis, a qual possui, em sua totalidade, cerca de 148mil habitantes (dados IBGE 2007) e área de 800 Km². Faz limite com as cidades de Bananal (SP), Cunha (SP), Mangaratiba, Paraty, Rio Claro e São José do Barreiro (SP). Apresenta clima tropical úmido com temperatura média de 27ºC.
      ****************************************
      Nanci Naomi
      http://nancinaomi.000webhostapp.com/
      Trilhas:
      Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté
      Relatos:
      15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha
      Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas
      3 dias em Monte Verde - dez/2014
      21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro
      11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
      21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi
      21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
      8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est
      25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina
      Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010
      Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
      Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
      19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal
      10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
      De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008
      Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
      Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes
      9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
    • Por nnaomi
      Período: 24 a 27/10/2008 , 05 a 06/07/2015 e 15/07/2015
      Cidades: Paraty - Centro Histórico
      Paraty é uma cidade charmosa, que lembra uma Tiradentes a beira-mar. O centro histórico bonito e preservado revela casarões, sobrados e igrejas interligados por ruas, onde o calçamento original, a iluminação de época e a proibição de trânsito de carros confere um charme adicional. A maioria das construções foi covertida em pousadas, retaurantes ou lojas, mas conservando a arquitetura original.
      Confira abaixo as dicas e informações gerais sobre a cidade.
      Obs.: "Outras opções" referem-se às indicações que não foram testadas. ATENÇÃO: não possuo nenhum vínculo com pousada, hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. Alguns dos pontos turísticos, bem como alguns estabelecimentos, não foram visitados por mim e as informações foram pesquisadas em guias. Portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade, se os dados são atualizados e/ou verossímeis.
      O texto na cor preta se refere ao primeiro relato de 2008 e o texto na cor verde, às informações atualizadas ou ao novo relato de 2015. Na verdade, o novo relato se refere apenas a uma passagem rápida pela cidade na ida e na volta da viagem a Ilha Grande.
      ****************************************
      Nanci Naomi
      http://nancinaomi.000webhostapp.com/
      Trilhas:
      Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté
      Relatos:
      15 dias em SC: - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha
      Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas
      3 dias em Monte Verde - dez/2014
      21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro
      11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo
      21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi
      21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú
      8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est
      25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina
      Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010
      Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009
      Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009
      19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal
      10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008
      De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008
      Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007
      Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes
      9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
       


×
×
  • Criar Novo...