Ir para conteúdo

Preconceito / Discriminação no Japão


Posts Recomendados

  • Membros

acho complicado julgar a coisa de um modo tao amplo assim...estou aqui no japao..e muito estrangeiro fez a imagem de ruaceiro bagunceiro e ladrao aqui.. nao quero julgar a grosso modo.. mas eh foda as pessoas sairem de seus paises de origem com uma cultura totalmente diferente q a oriental e querer viver aqui como se vive no ocidente, como se o japao inteiro tenha de se adaptar ao modo de vida dele.. eh uma minoria, mas q nao respeitam nada.etc... antes q saiam me interpretando etcc.. nao digo q japones eh melhor ou estrangeiro eh pior ou melhor, soh digo oq acontece, quem esta aqui ou ja viveu aqui como trabalhor estrangeiro sabe do digo..abraçao a todos

Editado por Visitante
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 7 meses depois...
  • Membros

eae Taka, desculpe a demora,, vale a pena sempre vale, dependo como vc encara a coisa..juntar grana eh dificil,e o trampo pior ainda.rsrsrs mas como experiencia etalss..vc aprende muito, sobre a vida e sobre si mesmo tbb.. sem contar oportunidade de viajar,conhecer,,,abraçs

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 anos depois...
  • Membros

Vivi por dois anos e meio lá, em Kanazawa, e sou da opinião de que os japas são um povinho nojento sob o aspecto da discriminação.

 

Em parte, como disseram, o preconceito do povo japones é cultural: pelo fato de estar em ilhas relativamente isoladas, historicamente teve contato com poucos povos, e estrangeiro era sinonimo de inimigo invasor. Além disso, ao contrário de nós, o padrão de beleza é ter a bele branca, branquela mesmo; como as brasileiras se bronzeiam em máquinas artificiais, as japas usam sombrinhas, chapeus e mangas longas, existindo maquiagem branqueadora também.

 

Mas é contraditório; como disseram, em Tokyo e Osaka, as grandes cidades, existem muitos estrangeiros vivendo e parece que é "moda" entre as japas, namorar com estrangeiro (com cara de estrangeiro, claro). Fora das grandes cidades, é mais tradicional, onde basicamente a regra é : esteja na média, não seja nem mais, nem menos; o diferente incomoda, nessa sociedade mediocre. Pra vc ter idéia, quando fui doar sangue, recusaram apesar de terem consultado o cartilha médica de regiões restritas e terem verificado que sobre Sao Paulo nada constava. Isso pq eu sou descendente (não que eu dê importância, mas pra eles é extremamente importante). É mole?! Fiquei imaginando se eu estivesse precisando de sangue, como seria eu tratado?!

 

O que eu pude perceber é que eles, desde pequenos crescem com um problema de "bulling" (judiamento), em que ficam se torturando psicologicamente, e acabam levando esse tipo de comportamento pro resto da vida. Isso gera uma sociedade sob muita pressão, e o estrangeiro surge como uma válvula de escape, é o diferente, e se torna a bola da vez. É fácil de ignorar num primeiro momento, pois esse tipo de insulto beira a infantilidade, mas com o tempo se tornam um rúido incômodo. E imagine esse ruido durante o dia inteiro... por semanas seguidas... No fim acabei apertando o botão do f*da-se e pedi as contas, já não valia a pena; mas tou pagando uma depressao por conta dessa situação no escritório onde trabalhei.

 

Eu não aconselho a ir, a não ser pra turismo. Mas isso foi experiência pessoal, talvez vc encontre outra realidade, ainda mais se for pra cidades maiores. Boa sorte!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 8 meses depois...
  • Membros

Justamente quando nada se espera é que se consegue tudo. Vou iniciar o meu post com esta frase

que é para abrir a cabeça das pessoas. sou negro e morei no japão por 2 anos e posso afirmar

que o maior preconceito é aquele que está na sua própria cabeça.

 

o racismo e o preconceito não é previlégio de uma nação ou povo.

e fui muito mais discriminado no Brasil do que no japão. afinal foi onde eu nasci

que a polícia já me parou umas 3 vezes. também foi aqui no país onde nasci

que várias pessoas já mudaram de calçada assim que me viam. e que estatística

que fala que negros cometem mais crimes que brancos? pelo menos nos noticiários

posso afirmar que a proporção é de igual para igual.

 

já no japão nunca me preocupei com isso. sempre fui recebido de forma

calorosa, educada e por que não dizer...inesperada.

descobri que 90% do que eles querem de um estrangeiro é que ao menos

ele nós os cumprimentemos da forma tradicional deles. o resto vem naturalmente.

 

precisamos aprender que cada povo possui uma ótica diferenciada de ver o mundo.

da mesma maneira que é muito grosseiro aqui no brasil nós não estendermos

as mãos quando encontramos alguém....eles também encontram seríssimas falhas

na maneira como nós somos grosseiros a não tentarmos nos adaptar as regras locais.

 

adptar-se não significa auto anular-se, esquecer quem vocé. eu disse "adaptar-se"

 

quanto a ser negro ou não, posso afirmar que para a maioria, tudo que não é "japonês local", será considerado estrangeiro.

 

seja você mesmo e terá sucesso em qualquer lugar do mundo. amo o japão e aliás, é um país

aonde pretendo retornar inúmeras vezes...justamente porque sou...negro!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 meses depois...
  • Membros

Ed40 Esse seu relato é incrível. Sou também um negro brasileiro e tenho vontade de conhecer o japão, mas não necessariamente viver/morar no japão. Somente conhecer. Acho que você deveria colocar um post sobre DICAS PARA VISITA NO JAPÃO para estrangeiros não descendentes de japoneses. Pense no seguinte, os não descendentes não tem nenhuma referência do que seria a cultura japonesa, e, normalmente não tem idéia de como se comportar neste país. Valew... obrigado pelo post.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 1 ano depois...
  • Membros de Honra

Meu irmão esteve no Japão há cerca de 15 anos e relatou uma "experiência" muito chata quando trabalhava numa empresa japonesa de telecomunicações e foi pra lá fazer alguns cursos pagos por eles.

Conta ele que estava com alguns japoneses dessa empresa e foram jantar num certo restaurante. Após pouco tempo no local, começaram a tocar bossa nova como música ambiente.

Meu irmão comentou com um dos chefes de lá que havia gostado de ouvir música brasileira no restaurante, etc... Nisso, o chefe dele comentou que esse fato era para "alertar" os demais que havia brasileiros no local!!! Como se dissessem que tem ladrão por perto!!! Meu irmão ficou absolutamente indignado com isso, querendo tomar explicações do dono do restaurante, mas foi contido.

Japonês é assim: se você vai pra lá por conta deles e é considerado de confiança, fazem tudo por você. Se não, eles discriminam mesmo.

 

Fica a dica.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 4 anos depois...
  • Membros

Eu sou negra e passei 3 semanas no Japão, voltei faz exatos 2 meses.

 

Eu senti menos olhares que quando eu vou em países do leste europeu por exemplo, não que o pessoal do Leste europeu seja preconceituoso, mas olham porquê é diferente mesmo...

 

Em Tóquio eu não senti ninguém me olhar, ninguém me encarar diferente, até porquê japoneses são super reservados e olhar nos olhos de uma pessoa desconhecida é considerada uma super falta de educação. Em 3 semanas lá eu quase passei despercebida ::otemo::::otemo::

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa

Você pode postar agora e se cadastrar mais tarde. Se você tem uma conta, faça o login para postar com sua conta.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emojis são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.

×
×
  • Criar Novo...