Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

psy4fun,

 

eu tinha uma idéia errada. Achava que o tenis era melhor para trilha, em termos de peso e conforto. Achei que a única vantagem da bota fosse a resistência para andar no meio do mato. Não sabia que a bota era mais aconselhável quando se carrega uma mochila cargueira. Preciso comprar um tenis ou uma bota pra trilhas e como estes equipamentos são caros, quero comprar uma vez só.

 

Pensei que as botas não fossem confortáveis, mas pelo que tenho lido existem botas muito boas..Parece que aquela Nomade é mto boa..to pesquisando várias coisas, pois minha próxima trilha será na Chapada das Diamantinas.

 

Valeu!!

 

[]'s

Link para o post
Compartilhar em outros sites

  • Respostas 189
  • Criado
  • Última resposta

Mais Ativos no Tópico

  • Membros de Honra

Laura

 

Coturno....NEM PENSAR!!nem os soldados gostam .Eu usei uma bota da Timberland cano alto ,daquelas amarelas a prova d´agua, durante 5 dias de trilha.A bota já tinha 3 anos de uso,super amaciada mas os meus pes e a parte que fica em contato com o cano alto da bota ficaram com bolhas e feridas em carne viva....eca !!

É para isso que existem as botas de trilha,cano alto,medio,baixo,de cordura,misto,só couro,waterproof,water resistent,tipo tenis,etc,leves com muita tecnologia,solados especiais(Vibram).

 

abraço

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Valeu, Nilton,

 

É que tenho um colega que gosta bastante do coturno dele. Mas creio que ele nunca fez trilha com ele.

E como disse o diego aqui, esses materiais são caros e a gente tem que pesquisar todas as possibilidades, pra comprar uma vez só :wink:

 

Obrigada,

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Veja diego, não creio que exista uma idéia certa ou errada. Quando pensamos em termos de peso e conforto, um tênis para caminhadas em trilhas realmente é melhor que qualquer bota. E isso a gente sente com facilidade. Basta caminhar um dia inteiro com bota e outro com tênis para sentir a diferença.

 

O que individualmente tentamos atingir ao escolher um calçado é, entre outros critérios, uma boa combinação entre agilidade, conforto e segurança. E isso é algo razoavelmente pessoal.

 

Algúns preferirão maior agilidade. Tenho um amigo que faz trilhas usando uma chuteira de futebol de campo. E quando vemos uma chuteira rapidamente lembramos da agilidade e rapidez dos jogadores de futebol que, mesmo debaixo de chuva, se mantém firmes e fortes. Ora, os grampos da chuteira aderem extremamente bem ao mato molhado, ao barro das trilhas, etc. Ganha-se em segurança (aderência) para se conseguir agilidade e rapidez. Mas a base oferecida por uma chuteira é um tanto quanto instável (se comparado a outros tipos de calçados) e não oferece proteção alguma no tornozelo, expondo você a uma eventual torção. E torção é um acontecimento capaz de estragar até mesmo a mais bela das trilhas. Imagina essa base instável sustentando seu peso corporal, acrescido daquele peso extra da mochila e temos um prato cheio para um acidente.

 

Jogadores de basquete, por outro lado, requerem tanta agilidade e rapidez quanto o jogador de futebol. Mas seu "modus operandi" é diferente, sendo caracterizado por rotações constantes que envolvem o corpo inteiro, dos pés a cabeça, por disparos curtos e rápidos, por saltos constantes que requerem calçados com maior base de sustentação. Notamos imediamente que utilizam calçados de cano alto, pois estes oferecem uma proteção mais adequada a estas rotações e impactos constantes.

 

Falando sobre impacto, absorção é outra palavra do vocabulário de calçados. E temos uma infinidade de modelos de tênis, geralmente desenvolvidos para corrida, que tem em comum seus sistemas de amortecimento e absorção de impactos, oferecendo ainda bastante conforto. Mas grande parte deles são desenvolvidos para piso seco e se prestam muito pouco para uma trilha.

 

Ora, a gente quando parte para uma trilha não vai nem como jogador de futebol, nem como jogador de basquete, nem como corredor. Vai como trilheiro mesmo, caminhante, aventureiro, ou seja lá como queira se chamar. E vai passar por terreno seco, liso, frio, molhado, acidentado, tortuoso, e por aí afora. Nem uma chuteira, nem um tênis de cano alto e nem o tênis de corrida estão adaptados a tudo isso. E até onde sei, nem mesmo os tênis e botas para trilhas estão plenamente adaptados a todas estas situações!

 

Privilegiando-se ora esta ou aquela característica do terreno, do clima e... do caminhante! E é este último quem dá a palavra final e sabe dizer, melhor que ninguém, que aspectos possuem maior ou menor peso na escolha do calçado.

 

Assim, aquele conhecido que faz trilha com chuteira de futebol, não o faz gratuitamente, pode ter certeza. Ele apresenta características particulares tais como grande agilidade muscular, grande resistência aeróbica, boas reservas de energia geral, tendões mais desenvolvidos e flexíveis, maior experiência com trilhas, maior atenção ao que acontece a sua volta e aonde pisa, anda de bike regularmente, faz maratona, não fuma, não bebe, não met... ou seja, apresenta condições bastante adequadas para se expor desta maneira com sua chuteira. E todavia, não se expõe além de certo limíte: não sai de chuteira e uma mochila cargueira nas costas!

 

Eu, de outro lado, sou um cara magrelo, que chegou aos 33 do primeiro tempo com uma vida relativamente sedentária, apresentando no lugar de músculos apenas uns poucos "gambitos" e que tem tendões bem pouco flexíveis. Fumo, bebo e quando faço trilha, levo uma caixa d'água nas costas pois transpiro absurdamente mais que meus colegas. Sou, portanto um esqueleto que carrega mais peso do que o considerado normal ou aceitável, que tem um histórico físico insuficiente e que pode facilmente se machucar e estragar não apenas o meu passeio mas também daqueles que me acompanham. Por isso tudo, ainda que não seja uma consequência totalmente lógica, nunca sairei pra trilha de chuteira :)

 

O ideal é você fazer uma auto-avaliação e escolher não um calçado que meramente atenda a regras teóricas e recomendações genéricas, mas um calçado que procure atender a estas regras e recomendações levando em conta também aquilo que o seu corpo tem a oferecer e aquilo que seu corpo é deficiente.

 

Alex

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 2 semanas depois...
  • Membros

Tenho uma Timberland de 2 anos e depois de amaciada é mais confortavel que nike, reebok e derivados

Comprei uma Snake agora pra mim, no começo deu uns calos basicos mas agora parece que já embalo.

Bom da Snake que é impermeavel e a timberland que tenho não.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

Tenho uma Snake Super Track com solado Rochedo da própria Snake há cerca de 5 anos e estou satisfeito. O único porém é quanto a adequação ao clima. Moro no Rio Grande do Norte e aqui é quente. O acolchoamento da bota esquenta e ao final do dia estou com o pé molhado de suor. Mas a bota é confortável, possui boa flexibilidade e aderência.

 

Tenho também uma Timberland com solado Vibram. Leve, bonita, boa flexibilidade, impermeável. Mas meu pé "dança" dentro da bota apesar de ser exatamente o meu número: 39.

 

Recentemente adquiri uma Trilogia II. Estou amaciando. Mas sinto uma certa frustração porque, devido ao tipo de fabricação, forma uma canaleta entre os ilhoses quando aperto o cadarço. E isso pressiona o peito do pé de forma localizada (abaixo da canaleta). Consultei o pessoal da AS Divers que me vendeu e ele falou que é normal e que a canaleta desaparece. O pessoal da Snake já falou que a canaleta não desaparece. Enfim, posso estar sendo precoce ao concluir isso mas se a tal da canaleta não sumir ou continuar pressionando o peito do pé como está hoje, não terei coragem de usar a bota em trilha.

 

Alguém tem alguma experiência em relação a isso?

icon_paperclip.gifDownload Attachment: trilogia.jpg

28.07 KB

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 11 meses depois...
  • Membros
Gente vocês conhecem as botas da West Coast...

Encontrei essas e são uma peça bem em conta.

 

Preciso comprar um par para fazer ir amaciando e fazer a trilha inca no fim do ano. O que vocês recomendam?

O que fica em conta, considerando que não pretendo usar com tanta frequência?

 

Valeu!

 

Buendía,

Eu fiz a trilha com uma West Coast. Achei a bota super confortável e não tenho nada do que reclamar. Li na internet que o ideal era comprar um número maior, então tinha que usar com duas meias. O pessoal que foi comigo comprou o número certo e não reclamaram. Meu namorado comprou uma Bull Terrier e também achou muito boa.

Abs,

Paula

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

olha, gente,

com cargueiras nas costas, 15 ou mais kg a mais, o centro de gravidade muda. a possibilidade de torções com passos em falso multiplica-se, com certeza.

 

eu já torci o pé com cargueiras nas costas, pesadas, e calçados inadequados, em situações ridículas, nem trilha era! afinal, ninguém sai pra fazer uma simples viagem usando uma snake zodiac. uma vez, de papete, o pé escorregou e eu torci o pé direito. a segunda vez, há algumas semanas, com o tênis sem estar devidamente amarrado (sambando no pé). e mesmo com tênis, em tese, para barro, eu já torci.

 

se é pra ir fazer trilha com cargueira, é bota. nem penso em outra possibilidade. pq uma coisa é dar uma torcida no pé na calçada de casa. outra é torcer o pé no meio de uma travessia tipo petrô-terê, tendo que andar trocentos kms depois pra conseguir socorro médico.

 

é melhor carregar um pouco mais de peso no pé do que correr um risco desnecessário. e esse peso, gerará cansaço. é melhor quando o limitador é o cansaço: antes cansar do que forçar demais e se machucar.

 

[]s

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Rapaz,

 

Esse trem de calçado é muito pessoal.

Eu por exemplo acompanhei a evolução dos calçados de trilha nos ultimos 20 anos. partindo da botina zebu, bota de borracha "sete leguas", e o melhor FOI o Cuturno militar todo de couro, que evoluiu para o cuturno de selva com o cano de lona, passou para bota "comander" que parecia um tennis bamba só que de cano alto depois a bota da west coast, snake, hi-tec, salomon, merrel, boreal, etc. vibran, gore-tex, kevlar... e cheguei a obvia conclusão: calçado em trilha não é acessório de moda, é ferramenta! e como tal tem uma utlidade específica, não existe um coringa nesse meio. talves exista um, o Pé, mas eu garanto que é para poucos encarar uma trilha descalço como eu já ví (tive um guia índio lá na amazonia, que o pé dele dava para apagar cigarro!)...

 

então Vamos Lá:

-Trilha pesada: Bota, de preferencia impermeavel(tipo gore-tex) e estruturada com entresola de eva para absorver as irregularidades do terreno(como ponta de pedra);

-trilha leve, sem mochila cargueira, TENNIS de trilha, mas nada de tryon ou bull terrier, vai de salomon XA series ou snake.

-Trilha com muita água, Papete.

-na Praia, descalço mesmo.

-Muchilão na Europa, uma bota confotavel e bonitinha tipo Bull Terrier ou Timberland.

-Neve, Bote de neve( comprada lá, aqui não tem nada parecido)

-Para o Buteco da esquina! uma havaiana...

 

inté...

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

fio, concordo contigo. realmente, há mais de 20 anos o lance era mesmo coturno. eu usava. num riacho na serra do mar as solas do meu ficaram.... saí da água com... polainas! heheehe

por sorte um outro moleque tinha levado uma comander velha (só doido pra levar calçado reserva em trilha de um dia!) e me emprestou. mas foi-se o tempo de utilizar-se coturnos...

inté.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.

×
×
  • Criar Novo...