Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Nepal-Guia de Informações


Posts Recomendados

  • Membros de Honra

História

 

Das palavras sânscritas nipa ("ao pé da montanha") e alaya ("país") deriva-se o nome do Nepal, país localizado na cordilheira do Himalaia. Como resultado de anos de isolamento, devido à geografia e à vontade política de seus governantes, o país é um dos menos desenvolvidos do mundo.

O Nepal é um país independente da Ásia, com uma superfície de 147.181km2 ao longo das encostas meridionais do Himalaia. Limita-se a leste, sul e oeste com a Índia, e ao norte com a região chinesa autônoma do Tibet. O Nepal tem grande importância geopolítica por sua localização entre o vale do Ganges e o grande planalto tibetano. A capital é Katmandu.

O Nepal é um dos países de relevo mais acidentado no mundo, com três quartos de sua superfície cobertos de montanhas. Ao longo da fronteira meridional encontra-se o Terai, planície baixa e fértil que constitui a única área plana do país. Na região do Terai interior erguem-se as contrafortes da cordilheira de Siwalik (Churia), que se elevam em direção à cordilheira de Mahabharat. Na região norte erguem-se os altos picos do Himalaia, com altitudes que vão de 4.250 a mais de 8.000m. Nessa região encontram-se muitos dos mais altos picos do mundo: o Kanchenjunga (8.586m), o Makalu I (8.470m), o Dhaulagiri I (8.166m) e o Cho Oyu (8.153m), entre outros. O monte Everest é o ponto culminante do planeta, com 8.848m.

Todo o país está sujeito ao regime de monções mas, devido à altitude, as temperaturas oscilam muito. A região do Terai apresenta clima subtropical, com verões quentes, invernos suaves e precipitações elevadas. Na região montanhosa central e na região de flora alpina, os verões são frescos e os invernos frios, com neve nas altitudes superiores a 2.500m. A vegetação também varia com a altitude: floresta subtropical na região do Terai e floresta decídua temperada e de coníferas na zona montanhosa central e flora alpina nos vales e cumes do alto Himalaia. Os principais rios são o Kosi, o Narayani (Gandak) e o Karnali.

No século 6 aC, o príncipe Sidarta Gautama nasceu na família real Sakya de Kapilavastu, próximo a Lumbini, que depois de embarcar em um caminho de meditação o levou para a iluminação como Buda. A religião que cresceu em torno dele continuou a moldar a face da Ásia.

No fim do século XX, os nepaleses de origem indo-ariana formavam a maioria da população, originalmente constituída de povos indo-arianos e mongólicos. O nepalês, derivado do sânscrito, é a língua oficial do país, mas outras línguas do grupo tibetano-birmanês também são faladas. A grande maioria da população pratica o hinduísmo, e uma pequena minoria é budista.

Quase todos os nepaleses vivem nas áreas rurais, enquanto a população urbana se concentra em Katmandu. Nas últimas décadas do século XX, o governo procurava reduzir a grande densidade populacional na região do Terai com a promoção de melhorias nos transportes e redes de comunicação, projetos regionais de desenvolvimento e instalação de pequenas indústrias nas áreas rurais a fim de incentivar o crescimento de pequenos centros urbanos. Algumas cidades importantes no Terai são Biratnagar e Birganj.

A grande maioria da população nepalesa se dedica à agricultura, que, apesar da baixa produtividade, contribui com alta porcentagem do produto interno bruto do país e emprega a maior parte da população. Os principais produtos são arroz, milho e trigo. O Nepal é um importante produtor de ervas medicinais, colhidas nas encostas da cordilheira do Himalaia. A exploração florestal também tem importância econômica, e a madeira é o principal combustível utilizado no país. Como consequência, o desmatamento e a erosão são problemas graves.

Na segunda metade do século XX, o setor turístico experimentou um rápido crescimento, sobretudo no vale de Katmandu, única região equipada para a atividade. O comércio exterior realiza-se principalmente com a Índia.

A história mais remota do Nepal se conhece apenas por versões budistas e hinduístas das tradições lendárias dos newares, povos mongólicos que chegaram ao país no século IX. Encontram-se referências ao vale do Nepal nas fontes clássicas da Índia, cujo imperador Asoka teria visitado o local no século III antes da era cristã.

Durante a dinastia Licchavi, no século IV ou V da era cristã, o comércio feito através dos caminhos do Himalaia transformou o isolado vale do Nepal em centro intelectual e cultural. Em meados do século VII, iniciou-se o contato com a China. Entre os séculos X e XVIII o Nepal esteve dominado pela dinastia Malla. Yaksa Malla, no século XV, dividiu o reino em três principados que, no século XVI, passaram a ser governados por dinastias independentes. Em 1769, os gurcas conquistaram o vale do Nepal e transferiram a capital, de Patan para Katmandu, com o que se assentaram as bases do moderno estado nepalês. Entre 1775 e 1951 a monarquia enfrentou várias famílias nobres em sua tentativa de conseguir a centralização do país. Durante esse período, e como consequência da guerra anglo-nepalesa de 1814-1816, o Nepal tornou-se um protetorado do Reino Unido. A dinastia gurca Shah foi substituída em 1846 pela dinastia Rana.

Em 1923, o governo britânico reconheceu a plena independência do Nepal, mas só após o fim da segunda guerra mundial ocorreriam alterações revolucionárias na estrutura obsoleta do estado. Em 1950, nepaleses residentes na Índia se aliaram aos membros da família real para derrubar o regime da família Rana. Com o apoio do governo da Índia, a soberania real nepalesa foi restaurada, e as forças revolucionárias assumiram cargos na administração.

Aprovou-se uma nova constituição em 1959, quando se realizaram eleições parlamentares. No ano seguinte, divergências entre a coroa e o gabinete provocaram a dissolução do Parlamento pelo rei Mahendra Bir Bikram, que instaurou um regime de poder pessoal. Vinte anos depois, o eleitorado rechaçou num plebiscito a democracia parlamentar e concedeu ao rei Birendra, herdeiro de Mahendra, poderes quase ilimitados. Entretanto, a percentagem de partidários da democracia foi elevada.

Em 1990, manifestações e protestos populares contra o regime autocrático do rei derrubaram a proibição do pluripartidarismo e forçaram-no a aceitar um novo gabinete, composto de muitas figuras de oposição. Aprovou-se ainda uma nova constituição.

Em 1996, os maoístas (do Partido Comunista do Nepal), fartos da corrupção no governo, o fracasso da democracia para proporcionar melhorias para o povo, e da dissolução do governo comunista, declarou uma "guerra do povo". A rebelião começou nas regiões pobres do extremo oeste, mas foi em geral ignorada pelos políticos. As repercussões desta indiferença finalmente vieram à tona em novembro de 2001, quando os maoístas quebraram o cessar-fogo e um quartel do Exército foi atacado ao oeste de Katmandu. Após uma década de democracia, aparecia um número crescente de pessoas, particularmente os jovens nepaleses e aqueles que vivem no campo, que se sentiam completamente desiludidos.

Em 1 de Junho de 2001, a psique Nepali tomou um golpe enorme quando o príncipe herdeiro Dipendra matou a tiros quase todos os membros da família real, durante uma reunião em Katmandu. Quando o choque dessa perda diminuiu, a incerteza do que estava por vir bateu na consciência de todos.

Tudo mudou em abril de 2006, quando a democracia parlamentar foi ,a contragosto, restaurado pelo rei, após dias de manifestações em massa, toques de recolher e a morte de 16 manifestantes. No mês seguinte, o parlamento recém-restaurado reduziu o rei para uma figura sem poderes, acabando com os poderes da linhagem real que tinha se beneficiado por mais de 200 anos.

A remoção do rei era o preço necessário para que os maoístas fossem à mesa de negociações e um acordo de paz fosse assinado no final daquele ano, acabando com a década sangrenta. O ritmo da mudança política no Nepal foi notável. Os maoístas conseguiram uma maioria nas eleições de 10 de Abril de 2008 e um mês depois, o Parlamento aboliu a monarquia por uma margem de 560 votos a quatro, encerrando 240 anos de domínio real. Os ex-maoístas tornaram-se ministros e membros do exército de Libertação do Povo se juntou ao exército nacional e uma Constituição provisória foi elaborada para ajudar a vincular os ex-guerrilheiros na corrente política. Um otimismo renovado no processo político era palpável em todo o Nepal.

Porém, depois de 40 anos e mais de US$ 4 bilhões em ajuda (60% do seu orçamento para o desenvolvimento) o Nepal permanece um dos países mais pobres do mundo, com sete milhões de nepaleses com falta de alimentação adequada e cuidados básicos de saúde e educação. O Nepal tem um dos mais baixos níveis de gastos com a saúde e a terceira maior taxa de mortalidade infantil no mundo. As maiorias dos nepaleses continuam com suas vidas rurais, mas até que o governo ofereça a verdadeira mudança social e desenvolvimento econômico no campo, as frustrações que alimentaram a violência recente no Nepal continuarão a existir.

 

Fonte: http://www.emdiv.com.br e Lonely Planet

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

Informações Gerais

 

Capital: Katmandu

Moeda: Rupia nepalesa

ATM: em Katmandu

Língua: Nepalês e outros idiomas étnicos.

Religião: maioria hindu, com minoria budista e mulçumana

Custos: média de 20 a 30 dólares/dia

 

Mulheres viajantes: é um pais conservador, por isto as mulheres devem tomar cuidado na vestimenta e também ao cruzar olhares com os homens. Assim como na Índia, a maioria dos casamentos são arranjados e aos homens não é permitido ter contato com mulheres antes do casamento, por isto eles vêm as turistas como alvo mais liberal e assim mais fáceis. Há casos reportados de mulheres viajantes desaparecidas, por isto evitem ir com estranhos ou alguém que acabou de conhecer a lugares desconhecidos ou andar de noite sozinhas.

 

Perigos e cuidados: a instabilidade política ainda existe no país, apesar das ultimas mudanças no governo. Antes de viajar por alguns lugares é melhor checar o nível de segurança. Batedores de carteira e furtos de bagagem também são freqüentes, bom ficar de olho.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros de Honra

Principais atrações

 

Pokhara- base para muitos que vão fazer o trekking pela trilha do Annapurnas. Ou para quem não pretende caminhar o lugar também é ideal para relaxar devido ao cenário junto aos lagos.

 

Annapurna Circuit- Uma das mais populares trilhas de trekking.

 

Tansen – cidade onde se pode visitar templos antigos, vilas tradicionais e fazer caminhadas com vista para os Himalaia.

 

Lumbini- local de nascimento de Budha e com muitos monastérios para quem procura a meditação e quem sabe a iluminação.

 

Bandipur – com atmosfera ainda medieval e arquitetura newari.

 

Royal Chitwan National Park- reserva onde se pode fazer safari em elefantes a procura de rinocerontes e tigres.

 

Langtang National Park- um dos lugares mais pertos de Kathmandu para se fazer trekking.

 

Kathmandu- a capital do Nepal e uma das mais fascinantes para o turista com suas cores, movimento e história.

nepal.jpg.67a521306ed13afdcfd80a7b16b04b61.jpg

 

boudhana.jpeg.b9beaad9318855c754e7ba3cc972b65f.jpeg

 

Everest – trilha classica para o campo base do Everest e para o Vale de Gokyo.

 

Patan – perto de Kathmandu ainda possui a arquitetura newari e um clima mais relaxado que a capital.

 

Bhaktapur- assim como Patan, ainda preserva muito de sua arquitetura tradicional e a vida diária dos newari, que vc pode sentir andando em suas ruas estreitas.

 

Janakpur- centro hindu e lugar do famoso epico Ramayana.

 

Koshi Tappu Wildlife Reserve- reserva onde é possível observar pássaros e os números impressionam: são 400 aves para cada turista.

 

Fonte: Lonely Planet

Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.
×
×
  • Criar Novo...