Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
ThaísMacedo

Panamá - Costa Rica - Nicaragua - duas amigas rodando 22 dias pela América Central

Posts Recomendados

data de partida: 31/10/2015

 

Senta que lá vem história, muitas histórias.

 

Eu e minha grande amiga Carol fomos para o Panamá, Costa Rica e Nicarágua. Foram dois desafios: eu ter cia de viagem, pois gosto de viajar sozinha e era o primeiro mochilão da Carol. Mandamos muito bem nos dois e a viagem foi incrível. Nosso roteiro foi aberto, só sabíamos as cidades por onde queríamos ir. Do Brasil compramos o voo Rio – Panamá – Rio. Também compramos um voo David - Cidade do Panamá. Este comprei com data para dois dias antes do voo de volta para o Brasil, então só precisaríamos chegar em David (que é mais ao Norte do Panamá) no dia certo, era nossa referência de tempo. Fora isso, tudo foi decidido no calor da emoção e garanto que foi maravilhoso.

 

Roteiro final:

Cidade do Panamá

San Blás (Panamá)

Bocas del Toro (Panamá)

Puerto Viejo (Costa Rica)

La Fortuna – Arenal (Costa Rica)

Isla Ometepe (Nicaragua)

Tamarindo (Costa Rica)

Manuel Antônio (Costa Rica)

Cidade do Panamá

 

Pode rolar uma pequena confusão com os preços das coisas porque eu perdi os comprovantes e não é boa ideia depender da minha memória, mas dá pra ter uma noção.

 

PANAMÁ CITY

DIA 1

Pegamos o voo da Copa Airlines C600, Galeão –RJ até Tocumen –Panamá city. O voo custou suaves R$ 1098,00 porque conseguimos uma promoção em Julho. Pelo que acompanhei no site, tirando alguns dias de promoções, os preços não alteraram muito. Foram quase 7 horas num voo direto, com almoço e lanche.

A chegada foi bem tranquila. Passamos reto pelo free shop porque eu acabo deixando para comprar as coisas no fim da viagem, quando não tenho mais dinheiro e não consigo comprar mais nada (técnicas de economia). Depois pela imigração, com aquelas perguntas básicas (motivo da viagem, profissão, destino final, etc.). Para entrar no Panamá você SÓ precisa do passaporte brasileiro. Há uma discussão se é necessário levar a carteirinha internacional de vacina contra febre amarela ou não. Eu levei porque disseram ser imprescindível na Costa Rica (nem foi), mas acho que levaria de qualquer forma, para evitar surpresas. É super fácil tirar (aqui no Rio e acredito que nas capitais) e é grátis. Mas vale registrar que NÃO pediram a carteirinha. Depois pegamos nossas malas e fomos para a aduana. Na aduana o cara já começou a xavecar a Carol então nem olhou nossas mochilas no raio x hehe sorte dele que somos pessoas honestas e não tínhamos nada ilícito. :D

Na saída do aeroporto, eu tinha lido relatos para pegar um taxi “fora”, mas não entendi muito bem onde era esse “fora” (fora do aeroporto? Fora na área de embarque?). Então saímos pra área de estacionamento e ficamos ali com caras de bocó. Logo veio um cara e ofereceu transporte. Negociei muito e cheguei a virar as costas fingindo que não queria mais o transporte (que é meu truque preferido) até ele fazer por 25 usd pelas duas (12,5 usd cada). Achei o preço bom pela distância (era longe). Fomos com uma Van compartilhada que nos deixou na porta do hostel.

Sobre a moeda, no Panamá se chama Balboa, mas na verdade não existe cédula, só moeda, eles usam dólar como cédula (chamam de Balboa na hora de falar o preço, mas é dólar americano). E, ao contrário de alguns lugares na América do Sul, as notas antigas de dólar são aceitas numa boa.

O hostel escolhido foi o Luna´s Castle em Casco Viejo. Pagamos 18usd por quarto compartilhado com ar (por favor, COM AR) e café incluso. Recomendo o hostel, animado, quartos espaçosos (pegamos o de 10 camas), limpos dentro do possível, staff simpático, preço bom de cerveja e boa localização. Comemos num bar do lado do hostel, caro e nada de mais. Como era noite de Halloween, teve festa no hostel. Aliás, no primeiro andar do hostel fica o Relic Bar, bem famoso por lá e hóspede não paga para entrar. A galera estava bem animada e todos improvisaram fantasia. Nós estávamos meio cansadas, deslocadas e sem fantasia, então não aproveitamos tanto assim. O único detalhe ruim é que pegamos o quarto no 2° andar (tente sempre o 3° andar) então foi aquela barulheira a noite toda. Mas estávamos de férias então, sobrevivemos sem muito stress.

 

DIA 2

Tomamos café no hostel (incluso - panquecas, banana e café). Saímos para andar por Casco Viejo. Uma manhã é suficiente para passear por ali, mas nem por isso é menos interessante. As construções antigas, as igrejas e o contraste com a parte “nova” no Panamá são super bem legais. Estava bem quente e lá é MUITO úmido então haja garrafinha de água. Logo voltamos pro hostel para refrescar e tomar umas Balboas (cerveja Panamenha). Fechamos na agência do próprio hostel o passeio para San Blás. Já havíamos escolhido – por relatos –a Isla Franklin e optamos por não comprar o pacote completo (translado+estadia), então fechamos na agência somente o transporte pra Isla (85 usd por pessoa) e eles foram muito solícitos em nos ajudar a reservar a cabana na Isla por telefone. Não tinha lugar na Franklin, então nos indicaram a Senidup, que na verdade fica na outra metade da mesma ilha, topamos. Já estava tarde e fomos ao Mercado de peixes, que as pessoas não sabiam explicar muito bem onde era, mas fica na cinta costeira (ciclovia que vai da parte velha da cidade à nova), do hostel você consegue ver. Pedimos um “copinho” de ceviche (2usd) e um prato com peixe, arroz, patacones e salada (entre 8usd-10usd), estava ótimo! Experimentamos a cerveja Panameña, pois eram férias, mas preferimos a Balboa. Vale a pena comer lá, preço bom e comida boa. Saímos de lá para a rodoviária para comprar passagem a Bocas Del Toro onde iríamos três dias depois voltando de San Blás (o plano era voltar de San Blás e já direto pra Bocas e li aqui que é bom comprar passagem antes), mas ATENÇÃO, eles só vendem passagens a partir de 1 dia anterior à viagem e como só viajaríamos em três dias, fomos lá à toa. O lado bom é que aprendemos como ir de transporte público. De Casco Viejo dá pra caminhar pela Cinta e ir perguntando até chegar na Estação de Metrô 5 de Mayo, comprar o bilhete (2usd o cartão + o valor da viagem que custa 0,35usd o trecho). Carregamos um cartão com 1,40usd, ou seja 0,70 pra mim e 0,70 para Carol, ida e volta (total com cartão = 3,40usd). Foi uma estação até o Albrook Mall onde fica a rodoviária e o famoso shopping.

 

IMG_9985.JPG.426dad9197b615c447eaa39412acdcda.JPG

IMG_9968.JPG.3026a8eba4f7be58eed3aac8e9bafa35.JPG

598ddda36fb29_1-20151101_150326.jpg.d76c37e4a363d7a6ea9e5b8bfa45b1e8.jpg

598ddda38d740_1-IMG_9966.JPG.3ee737761cf3220e5b0901f3a375c92f.JPG

IMG_9997.JPG.dde52ccbe980c96e0c9a438a33652a05.JPG

IMG_9996.JPG.48c343f2dcac91ed0a139ab7d18aaa5c.JPG

 

Frustradas por não conseguir comprar a passagem e com raiva do atendimento lento que causava uma fila infernal, demos uma volta no shopping pra comer, retornamos de metrô para a cinta costeira e demos um rolê por lá. A cinta é bem bonita e dá pra ver que recuperou bem a região, um passeio por lá a pé ou de bike é imperdível. Já no hostel arrumamos nossas coisas e ficamos por lá bebendo uma Balboa barata (1usd), pois o dia seguinte começaria cedo. Nesta noite pegamos o quarto do 3° andar (fechamos o hostel dia por dia) então foi uma boa noite de sono.

 

 

PANAMÁ - SAN BLÁS

DIA 3

5h30 o motorista passou no hostel. Foram 6 pessoas na 4x4 e saímos em direção à San Blás. A mochilona ficou no hostel. Pra Isla levamos uma mochilinha menor. Primeiro paramos na rede de supermercados Super 99 onde pudemos comprar algumas coisas (água, banana, bolacha), tomar um café e pagar o restante da viagem (demos só um sinal pra agência na reserva e o restante na hora para o motorista).

Eu já tinha lido que a estrada é uma montanha russa e posso afirmar que não há exagero nenhum na frase. É curva, sobe, desce, curva e vira e afe... São três horas de teste de estômago. Eu normalmente passo mal, mas segurei firme, a Carol queria star morta ::dãã2::ãã2::'> . Paramos primeiro em um porto mais ajeitadinho, onde as pessoas que iam pra isla indicada pela agência tomariam o barco. Depois ele nos levou até o nosso porto, mais chechelento. Lá informamos a Isla que iríamos, colocamos a pulseira do nosso motorista que buscaria dois dias depois e embarcamos. Pagamos 10usd para o barqueiro e na volta pagaríamos mais 10usd. Na hora parece confuso, mas o esquema ali funciona. Confia no moço.

O “imprevisto” em ficarmos na outra Isla foi bom, porque eu super recomendo ficar no lado Senidup, que a comida é melhor, e frequentar o lado Franklin, que é mais animado. O acesso entre as duas é livre. Pagamos 26 usd por dia, incluindo café, almoço, janta e cabana compartilhada (mas só ficamos eu, a Carol e uma menina).

Devidamente acomodadas ficamos maravilhadas com a beleza do lugar e decidimos não fazer passeio nenhum, só curtir a ilha fazendo muito “nadismo”. Neste dia tivemos direito a almoço e janta. Normalmente tem arroz, salada e frango ou peixe. Mas vem em boa quantidade. Ah! Choveu no meio da tarde, parecendo que ia durar pra sempre, mas durou no máximo uma hora e abriu o tempo de novo.

 

IMG_0019.JPG.410ea31bf9d087f4520198c51a2c2ebe.JPG

IMG_0026.JPG.5340ebc83902920e121b01bd2e8e7d74.JPG

IMG_0040.JPG.9c2de00f79567cd8bc9e69c4f12f1d33.JPG

IMG_0058.JPG.15bd63586fce95991ee86fd269000ede.JPG

 

A estrutura é simples, mas é de se imaginar, já que a proposta é ficar com os índios Kuna. Sobre a história dos Kunas, li que eles foram reconhecidos como uma comunidade independente do Panamá (apesar de Panamenhos), então têm cultura própria e fazem as próprias leis, porém sempre em acordo com o Governo Panamenho, uma liberdade assistida, pelo que entendi (posso estar errada). Não me parece que há conflito, mas os kunas garantiram que primeiro são Kunas e depois Panamenhos. Você consegue ver muito da arte kuna pelo Panamá (muito bonita e colorida). E a vida lá é no estilo deles, água fria saindo de um cano na hora do banho, descarga era o famoso balde e energia só das 18h às 22h. Nada disso incomoda, nada disso tira a beleza e magia desta ilhota no meio do Caribe. Fiquei meio apreensiva que toda hora caíam uns côcos na areia, como não vi nenhum relato de morte por queda de côco, relaxei, mas nunca parava embaixo do coqueiro. A Ilha estava bem vazia, acho que as pessoas tinham saído para algum passeio, o que deixou o lugar melhor ainda. Na nossa cabana estávamos eu, a Carol e uma menina Kuna que pelo que entendi, fica passeando pelas Islas pra saber se os turistas estão sendo bem tratados e se a filosofia Kuna está sendo mantida, conhecendo ela, vi que o negócio dela era festejar mesmo haha quem julga?

Seguindo a dica da kuna -roomate, à noite fomos fuçar no lado Franklin e estava rolando uma “festa” com os kunas e os turistas, tinha alemã, espanhóis, chilenas e muitos kunas animados. Cantamos, tomamos cerveja (não muito gelada, pois não tinha geladeira na ilha rs) e rum a noite toda. Essa interação de culturas é o que mais me encanta nas viagens. E vimos que ali todo mundo estava muito relaxado, afim de curtir aquele paraíso dando muitas risadas. Aí você pensa que são 3h da manhã, mas ainda são 11h da noite, e isso é ótimo. Enfim, curtimos muito aquele céu estreladíssimo e os plânctons brilhando no mar. Incrível!

 

IMG_0153.JPG.099852ef9d20fec2fcb73ae5d22d95d9.JPG

 

DIA 4

Acordamos ao som de uma concha avisando que era hora do café. Ah! IMPORTANTE! Na noite anterior comentaram com a maior calma do mundo que na Ilha tem baratas!!!!!! ::ahhhh:: O bicho que tenho mais medo no mundo. Me fala que tem crocodilo, mas não me fala de barata. Fiquei em pânico, tirei toda comida da cabana, dormi enrolada no lençol dos pés à cabeça, feito uma múmia, só com os olhos pra fora e acordei ensopada de suor. Essa foi a bad da ilha. Eu nunca imaginaria barata em uma ilha no meio do Caribe, mas esse bicho não é terráqueo, então dá pra entender. Fora que não li nenhum relato amigo me alertando sobre essa peste. Dica: sempre informe sobre baratas. A Carol tb dormiu mal porque ela viu/sonhou que tinha um índio de pé do lado dela na cama. Não sei se era um espírito Kuna ou um índio mesmo apesar do quarto estar trancado, enfim, acho que foi o rum mesmo. Haha! ::lol4::

Bom, café era um pãozinho caseiro com manteiga e banana, além de café, leite e chá. Depois resolvemos fechar o passeio até Isla Perro com o pessoal da Franklin que era mais barato e iríamos com nossos amigos da noite anterior. Pagamos (20 usd) e fomos curtir o nadismo na parte da manhã. Podia fazer nadismo pra sempre ali (tirando os côcos e as baratas, ambos assassinos).

Almoçamos na nossa ilha e saímos para o passeio no lado Franklin. Primeiro paramos para mergulhar em uma parte do mar com muitas estrelas e aquela cor de água maravilhosa. Eles nos dão o snorkel e ficamos por ali uns 30 minutos. Depois fomos para a Isla Perro. Como era um feriado importante no Panamá, a Isla estava bem cheia, então não tivemos uma boa impressão, a nossa Isla era melhor. Mas acredito que em dias “comuns” ela encantaria mais. Tem um barco naufragado onde se pode ficar hoooras observando a imensa variedade de peixes e corais. Muito bom! De lá fomos até a Isla XX (tentei resgatar o nome, mas não lembro, desculpa) que não tem nada de mais, parece que está em construção e logo terá uma estrutura bem turística e sem muita identidade com o estilo de vida Kuna. Eu achei que o passeio valeu muito a pena por ter a oportunidade de conhecer as Islas, navegar por aquele mar incrível e pelos mergulhos. Voltamos pra Isla, e ficamos mais um pouco na praia. Depois tomamos banho e já fomos jantar. De noite, mais festa no lado Franklin. Os Kunas são animadíssimos!!! Tanto que nossa amiga de perícia Kuna nem voltou pro quarto hehe :twisted: . Eu novamente terminei a noite enrolada como uma múmia e a Carol rezando pra não ver o Indião de novo. :lol:

 

IMG_0070.JPG.6d0047c7afac991a28e7a4b086c9e437.JPG

IMG_0037.JPG.d7568202f30b4baf4985803b1fd295d5.JPG

IMG_0041.JPG.3ac57972dece7a6882a9d52d1fb2508a.JPG

 

SAN BLÁS – PANAMÁ

DIA 5

Acordamos com o chamado da concha e fomos tomar café. Já bateu uma tristezinha de ir embora daquele paraíso, mas acho que o tempo foi suficiente. Arrumamos nossas coisas e fomos nos despedir do pessoal do lado Franklin. Depois acertamos as contas com o Kuna responsável pela Isla Senidup e embarcamos para o continente. Como eu disse, as coisas são organizadas e quando chegamos nosso motorista já estava lá nos esperando. Depois fomos no outro porto buscar o restante dos passageiros que no final era a mesma galera que estava na Isla com a gente. Na volta tomamos dramin e dormimos todo o trajeto. Chegamos no Luna´s meio dia e entramos fazendo a egípcia pois não éramos mais hóspedes. Ok, não é legal, mas precisávamos de um banho, então pegamos nossa mochila e tomamos banho camufladas no hostel. Depois fomos direto de metrô pro Allbrok. Era um grande feriado no Panamá, então a cidade estava repleta de gente nas ruas, com desfiles especiais e muita festa. Foi bacana ver! Já no terminal, depois de horas novamente na fila de 3 pessoas devido ao atendimento panamenho à la Barichello, compramos a passagem pra mesma noite para Bocas Del Toro (30usd). Neste momento estávamos sendo observadas haha mais tarde eu conto. Depois ficamos zanzando no shopping, comemos por lá e abusamos do wifi. Nosso ônibus saiu às 20 horas. Ônibus convencional. A viagem durou 10h e foi dentro dos conformes. PS: faz muito frio no ônibus, vá agasalhado. ::Cold::

 

IMG_0942.JPG.ebec9e7377424bde0de8a1776b7d38b6.JPG

598ddda4c5a3a_2-IMG_0338.JPG.9f623c3b9f328f154eb80408eb238562.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

BOCAS DEL TORO

DIA 6

 

Chegamos bem cedo, umas 6h, em Bocas foi um transtorno porque as pessoas ficam te dizendo o que fazer, onde ir e você só obedece porque está com muito sono para pensar. De qualquer forma, fechamos um taxi compartilhado até o porto (1usd cada). Dizem que dá pra ir a pé, mas o tempo estava fechado, eu não conseguia raciocinar então preferimos pagar. Chegando no porto pagamos 5 usd para ir até a Isla principal em uma lancha. Vale lembrar que quem for ficar no Aqua´s Lounge deve avisar, pois o desembarque é em outro lugar.

Desembarcamos na ilha “central” e um rapaz de bike já se ofereceu para nos levar até o hostel Heike. Confiamos e realmente valeu a pena. O hostel Heike era ótimo. Pegamos um quarto com 6 camas, misto, com ar (COM AR). Incluía também café da manhã (panquecas e café preto). Ajeitamos as coisas e fomos na frente do hostel onde passava o ônibus para a Playa Estrella. Como uma Van passou antes oferecendo o trajeto por um bom preço (5 usd ida e volta), fomos com eles. Chegando no desembarque, ofereceram barcos para ir até a Playa Estrella, mas decidimos ir pela trilha que é bem demarcada, tranquila e bem curta. Em um determinado momento você precisa passar pelo mar, mas é fácil. Confesso que não vi nada de mais na playa estella, inclusive só vimos uma estrela (e muitas águas vivas). Por uma coincidência absurda encontramos duas amigas do Brasil por lá. Uma delas mora em David no Panamá e a outra foi visitar, elas foram aproveitar o feriado (era um mês de vários feriados lá). Passamos o dia em um quiosque por ali, todos com preço ok e serviço +ou- ok. Não me impressionei com nada por lá. Voltamos no fim do dia pela trilha e a Van nos buscou no mesmo ponto do desembarque. No nosso quarto conhecemos um Argentino chamado Marcos, que nos acompanhou por um bom pedaço da viagem, ele disse que já havia nos visto comprando passagem lá no Panamá hehe o “observador” :shock: . De noite fomos no La Iguana, antes comemos uma boa pizza no restaurante que fica na entrada do bar, valeu pelo preço, pela comida e pelo lugar. Depois ficamos no La Iguana, que toca músicas locais e tem um aquário no meio, mas confesso que não estava muito animado neste dia. Então, fomos terminar a noite bebendo na frente do hostel.

 

IMG_0173.PNG.a9724dcd481dd4827b101d8979ff202d.PNG

IMG_0189.JPG.c10ca04088823fe310ae93f6d87127c3.JPG

 

DIA 7

Acordamos e já agendamos com o cara da bike que nos indicou o hostel (esqueci o nome dele... memória gente, memória) um passeio para aquele dia. Iríamos ver os golfinhos, depois na Isla Zapatillas e fazer snorkel. Neste dia conhecemos junto com o Marcos, o Fabrizio (Italiano, portanto MUSO ::love:: ) que também nos encontraria mais pra frente na viagem. O passeio é bem organizado. De cara fomos para a área onde ficam os golfinhos. Eu sou contra passeios que envolvem animais, mas li bastante sobre este achei que era correto. Existe uma época certa para levar os turistas pra lá (para não atrapalhar reprodução etc.), há uma distância que os barcos devem manter da área onde eles ficam e os motores devem ser desligados quando estamos por lá. Fiquei maravilhada porque os golfinhos se aproximam, por vontade própria, e ficam pulando perto de nós. Nenhuma interação direta com eles é feita, nada de atrair com alimentos, eles fazem o que têm vontade e neste dia eles estavam exibidos. ::otemo::

Depois fomos para a Isla Zapatilla. Lá é linda e bem vazia então dá pra curtir mesmo a natureza e a paisagem. A bad é que tinha água viva por todos os lados, então não ficamos muito na água. De qualquer forma, a praia é bem bonita, visual bacana. Duas horas depois fomos para um restaurante que fica em uma ilhota, achei bem caro e só tomei uma cerveja por lá. Nós levamos uns salgadinhos no passeio para aguentar bronca (valeu a pena). Saímos e fomos para outro pedaço no alto mar e ficamos mergulhando. Eu, uma golfinha nata, fui a primeira a pular e sair nadando feliz, mas foi só olhar ao redor e ver milhões de águas vivas para voltar pro barco gritando desesperada para risos da galera do barco ::lol3:: . Depois voltamos para Bocas. Eu gostei do passeio, recomendo. Não lembro o preço, mas era padrão das agências de lá.

Já em Bocas nos encontramos com a turma que conhecemos em San Blás, eles chegaram naquele dia. Fomos comer a pizza de novo e voltamos pro La Iguana. Esta noite foi super divertida, estávamos em uma turma grande e muito álcool rolando. Dançamos muito reggaeton até altas horas.

Entramos no dilema em ficar mais um dia com a galera e conhecer o famoso Aqua´s ou seguir viagem. Como a cidade não nos encantou de dia, achamos bobagem ficar só pela balada. Resolvemos partir no dia seguinte.

 

IMG_0213.JPG.cf948e04f0f13cdc914e2db7192a8e59.JPG

IMG_0212.JPG.c87c70918aef82e4cb491d29cbef72b6.JPG

IMG_0226.JPG.d5fcbf92e84360a0cdb6fc69611c1560.JPG

 

PUERTO VIEJO (COSTA RICA)

DIA 8

Acordamos bem cedo e saímos com o cara-da-bike que por 25usd cada esquematizou todo o trajeto pra gente até Puerto Viejo. Seguimos até o porto para pegarmos o barco para o continente. Lá tinha uma Van nos esperando para levar até Puerto Viejo. A viagem até a fronteira dura 1h30. Na fronteira não tinha fila e ninguém encheu muito o saco. Foi o procedimento normal, pagamos 1usd para sair de Panamá, carimbamos a saída, atravessamos a fronteira a pé, carimbamos a entrada na Costa Rica (só nos pediram o passaporte) e lá pegamos a outra Van (que já estava paga). A viagem durou mais 1h30 e chegamos em Puerto Viejo. O ônibus nos deixou no hostel The Lion Fish, indicação do Fabrizio. Eu já tinha ouvido falar do hostel Rocking J´s e queria ficar lá. Então, na indecisão, fomos checar o Rocking. Fomos a pé porque a cidade se compõe de uma rua. Quando chegamos lá, vimos que era bem roots, eu gostei e estava tendenciosa a ficar lá. Mas a Carol gostou mais do Lion Fish, certamente influenciada pela beleza do Fabrizio, então como era o primeiro mochilão dela e eu tava pegando pesado no perrengue, resolvi ceder (também influenciada pela beleza do Fabrizio). Voltamos tomando uma Imperial (cerveja costa riquenha) e paramos pra perguntar pro rastafári quanto era pra fazer as tranças no cabelo (eu estava desesperada com a umidade e meu cabelo estava igual a Monica Geller em Barbados), o rasta ofereceu o penteado e a maconha haha mas era muito cedo para decidir se queríamos os dois itens. Isso já mostrou bem o clima do lugar. Já no hostel descobrimos que nosso quarto era horrível e o beliche certamente ia quebrar, então eu consegui ir para o quarto maior (com mais pessoas) e a Carol ficou lá sozinha – na parte de baixo do beliche - até vagar no grande. O Marcos, que estava com a gente, ficou em outro quarto. O hostel era bem ruim e só a beleza do Fabrizio para nos atrair mesmo. Banheiro sujo, cozinha nojenta, quartos imundos enfim, não ficaria de novo e nem recomendo. Só a localização é boa, mas lá é pequeno então, qualquer um seria bom nisso. Fomos comer no restaurante em cima do hostel e já fiquei feliz em comer arroz com feijão, que também é muito típico na Costa Rica. Trocamos um pouco de dinheiro e descobrimos que a Costa Rica é riquíssima. Surpreendentemente as coisas lá são caras e a cotação não muito favorável, ficamos um tanto tensas com o resto da viagem naquela Suíça Caribenha.

Depois enrolamos um pouco e fomos, eu, Carol e Marcos, procurar a famosa night de Puerto Viejo. Como ainda era cedo para ir no the Lazy Moon paramos no Hot Rocks para tomar uma cerveja. Caiu uma chuva absurda que durou a noite toda e nos impediu de ir até o outro bar. Tomamos algumas cervejas por ali mesmo ouvindo reggaeton.

 

IMG_0235.JPG.921ad3a47cfaea2d8cb13593fd61230d.JPG

IMG_0255.JPG.4102427e37d95db245264178201c5ef5.JPG

 

DIA 9

Acordamos e comemos algo parecido com café da manhã (um pão doce e café) em algo parecido com uma padaria na frente do hostel. Fomos na agência logo na esquina agendar o rafting com o transporte para Arenal para o dia seguinte. O passeio incluía rafting no Rio Pacuare e depois transporte até Arenal, café e almoço, tudo por 100 USD, pela Exploradores Outdoor (a mais conhecida). Preço bem salgado, mas eu tinha lido muitos relatos bacanas e queria muito fazer, além disso, a agência aceitava cartão, então nada como o bom e velho dinheiro imaginário. De volta ao hostel, conhecemos a Brigitte da Bélgica e a convidamos para fazer o rolê de bike conosco. Alugamos as bikes em um lugar aleatório (lá tem vários) e me pareceu que os preços são os mesmos na maioria. Para alugar é preciso deixar uma grana ou o número do cartão como garantia. O Marcos deixou o dele e saímos felizes nas nossas bikes.

Fomos até Manzanillo, uns 12km de Puerto. A estrada é bacana, asfaltada, muita gente de bike e natureza fechada ao redor. Chegamos em Manzanillo em meio a um ataque de risos porque a bike do Marcos tinha quebrado. Ele pediu ajuda em um hotel para telefonar e os caras da bike foram de carro lá trocar a dele, nada de stress. Manzanillo é feia! A praia tem muitos galhos e folhas o que dá um aspecto sujo, além disso, é próxima de um centrinho então rolava uma farofagem por lá. Sentamos e ficamos batendo papo, mas nada que atraísse naquele lugar. Fomos fazendo o caminho de volta e paramos em Punta Uva. Esta eu amei. Bem reservada, com a mata invadindo a areia, enfim, o que esperávamos. O mais engraçado é que na água encontramos duas brasileiras que estavam mochilando/trabalhando por lá. Depois apareceu uma argentina que ficou conversando com o Marcos. E por fim, uma belga que se juntou à Briggite então, ficamos empolgados falando nossas línguas nativas. Pegamos algumas dicas com as brasileiras e a mais preciosa foi de ouvir Romeo Santos. Saímos de lá quase no fim do dia, porque ainda iríamos parar em Playa Uvita. Para chegar nesta praia é preciso entrar em uma trilhinha, sem muita dificuldade, mas é no meio do mato. A praia compensa com visual muito bacana, praia quase deserta, o que se imagina da Costa Rica. Ficamos lá um tempinho e voltamos para Puerto Viejo. Chegamos na cidade e estava escuro, devolvemos as bikes e a Brigitte nos deu a melhor dica da viagem: as Sodas. Soda é o famoso pé sujo. Um lugar mais simples, que vende refeições prontas (PF) para os locais, com preço reduzido (em torno de 5-6 usd). Ou seja, descobrimos a fonte de sobrevivência naquela Dinamarca latina. Desde então, só comemos em Sodas, a de Puerto Viejo inclusive foi a melhor. Fomos trocar dinheiro em um lugar que o cara do hostel deu a dica, não lembro direito, mas ficava na frente do posto policial (acredite, essa referência basta). No hostel acertamos as contas porque sairíamos cedo no dia seguinte, depois encontramos rapidamente o Fabrizio que acabou interessado no roteiro meu e da Carol. Nós, obviamente muito solicitas, convidamos ele pra se juntar, mas ele disse que ia pensar. Precisei ser o gatilho mais rápido do Oeste para trocar Facebook e telefone com aquele Italiano marrento ::otemo:: . Depois fomos para o bar Hot Rocks de novo tomar umas brejas. Neste dia não teve chuva, mas a baladinha The Lazy Moon tava super caída então ficamos por lá mesmo. Não demos sorte com a night de Puerto Viejo. Minha dica lá é: se hospede no Rocking J´s.

 

IMG_0269.JPG.fb018aacc37422bb4c667c64f16f539a.JPG

IMG_0273.JPG.62c55041f313b193bac50b38f7185b67.JPG

 

PUERTO VIEJO – RAFTING – ARENAL (La Fortuna)

DIA 10

Madrugamos e ficamos no lobby esperando a Van da agência nos buscar. Esperamos. Esperamos. Quando deu uma hora de atraso, nos desesperamos. Sorte que eu tinha uns centavos no Skype e com o wifi do hostel ligamos para a agência. Descobrimos que nos esqueceram (!!!), mas que iam voltar para nos buscar. Lição: sempre tenha algum crédito no Skype! ::sos::

Alguns sacolejos depois chegamos no ponto inicial do rafting. Tomamos café meio que pela orelha, pois todos já tinham tomado e fomos para a beira do Rio. Colete, capacete e algumas instruções depois, caímos na água. O passeio dura no total 4h e dizem que aquele é um dos 5 melhores circuitos de rafting do mundo, resolvi acreditar. Foram 5 botes para a água, mas depois descobrimos que sempre tem um bote “escolhido” para fazer as rotas mais aventureiras e que o nosso foi o da vez. No nosso bote estávamos eu, a Carol o Marcos, uma americana, dois americanos bem mais velhos (os mais empolgados e destemidos) e nosso guia. Bom, eu quando fico com medo tenho ataque de riso então eu e a Carol rimos 100% do trajeto, para estranhamento de todo mundo, afinal de onde vinham aquelas duas hienas brasileiras? ::lol3:: Como nosso bote era o abençoado, fizemos algumas rotas com maiores dificuldades e era muito animado, várias vezes achei que o bote ia virar. Os botes são seguidos por dois caiaques de segurança e apesar do medo, não achei perigoso e sim muito divertido. Um momento hilário foi quando nos jogamos na água, o Marcos foi parar em uma corrente e não conseguia voltar para o bote. Ficamos passando mal de rir e ele se afogando hahaha pobre Marquito que precisou do resgate de caiaque. Umas três horas de passeio e risos depois paramos para comer. Os guias preparam o rango. Na verdade te dão massinhas de burrito e você recheia com alface, sour cream, chilli, tomate etc. Achei bem servido e no final ainda dão pedaços de abacaxi, acho que pra ninguém ter uma congestão na água. Na descida para voltar para a água, o Marcos tomou um capote no barranco, definitivamente não era o dia dele, mas era o nosso dia do riso. Nesta etapa final, nosso guia disse que poderíamos passar uma queda dentro d´agua, sem o bote, porque naquela queda não tinha pedra. Eu, rainha das águas, já me joguei logo e todos foram atrás. Nos instruíram a ir com o corpo reto, os pés para frente e lá fomos. Tudo lindo, maravilhoso até chegar na queda. Eu peguei muita velocidade e fui na direção do bote, bateu um pânico de ficar embaixo do bote e comecei a me descontrolar toda, o guia que estava no bote não se esforçou um milímetro pra tirar o bote de cima de mim, se divertindo da minha miséria. Ainda ia piorar. A queda foi uma experiência de quase morte, eu simplesmente me afoguei real, de todas as maneiras. Tentei me controlar, deixar o corpo ir e quando desse puxaria ar, mas esse momento não chegava e nos poucos momentos em que estava com a cabeça fora da água eu tomava “onda” na cara, então respirar seria só quando aquele pesadelo acabasse, o que demorou tempo suficiente para minha vida passar diante dos olhos. Quando a queda acabou e as águas acalmaram eu fiquei uns segundos catatônica, respirando de novo e meio envergonhada de ter me afogado ::dãã2::ãã2::'> . Nem deu tempo de ficar constrangida quando vi a Carol emergindo do fundo feito um peixe desesperado. Ela com cara de pânico já me deu a dica que também se afogou e aquilo foi um alívio e, claro, mais um motivo pra ataque de risos. Entre afogamentos e risos, salvaram-se todos. No fim, ainda teve o “surfe” que é quando eles param o bote no meio de um redemoinho de água e a gente fica lá remando pro bote não virar. Foram 4hs maravilhosas e pagaria tudo de novo. Vale a pena demais!!!!! Voltamos para onde estava a Van, tomamos um banho e comemos por ali. Depois entramos na Van, todos já exaustos, e fomos até Arenal.

Chegamos em Arenal bem tarde, já sentindo o clima frio do lugar. Eu já tinha pesquisado hostel e ficamos no Gringo´s Pete II, por 8usd, quarto misto, mas só ficamos eu, a Carol e o Marcos no quarto. Ainda comemos numa soda ali perto e fomos tomar cerveja com um dos guias do rafting que tinha colado na Carol. :twisted:

 

IMG_0324.JPG.2d4c5a7f1e7ab7f533422a7eb2ee19ae.JPG

IMG_0326.JPG.cb4869240106cdd5b4b6eb83959bd2a1.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 11

 

O dia começou belíssimo com uma mensagem do Fabrizio querendo se juntar à turma. Eu claro fazendo a agenciadora, organizei tudo para que ele viesse. O combinado é que ele chegaria naquele mesmo dia, à noite. Iupiii!

Fechamos no hostel o passeio até o Vulcão Arenal. Os preços são praticamente os mesmos nas agências da cidade (25usd por pessoa). Fomos eu, o Marcos a Carol e um casal de australianos muito simpático que conhecemos no hostel (mas não fechamos nenhum passeio no hostel, estava caro). Eu li que é difícil ter uma boa visão do vulcão porque ele está sempre encoberto e naquele dia o tempo não estava com uma cara boa, porém quem acredita sempre alcança e fomos mesmo assim. A ida dura uns 30 minutos. A entrada no parque custa 13usd, mas a nossa estava inclusa no passeio. Estava armando chuva então não tinha quase ninguém no parque. A van nos deixou em determinado ponto e dali caminhamos por uma trilha o mais próximo possível do Vulcão. Vale lembrar que este passeio que fizemos não permite chegar muito próximo do vulcão, se não me engano nenhum passeio te leva muito próximo ao Arenal. Se quiser chegar na boca de um vulcão tem que ir pro vulcão Cerro Chato e caminhar umas 5 horas. Não foi nossa vibe. Queria ver aquele vulcão gracinha com formato de vulcão. Para voltar, escolhemos fazer uma trilha mais longa pra conhecer o restante do parque. No caminho estávamos eu e a Carol na frente tagarelando quando a gringa atrás de nós deu um grito, vimos que tínhamos passado por uma cobra. O que fizemos? Voltamos pra tentar tirar uma foto da bichinha.

IMG_0425.JPG.8a7f59526c183ed895f4d9a85c331591.JPG

O passeio é dentro de uma mata fechada e os macacos fazem um barulho um pouco assustador, como se fossem gorilas. Depois o guarda do parque nos disse que estes macacos são barulhentos, mas pequenos. Não vimos nenhum. O máximo que vimos foi outra cobra (sem foto) e uma aranha no banheiro do parque. Antes de terminar a trilha caiu uma puta chuva. Sorte que bem na parte onde estávamos tinha uma pontezinha coberta. Ficamos lá até parar a chuva. Encontramos o motorista e voltamos para o hostel. No trajeto de volta o motorista nos contou sobre as atrações da cidade, os famosos canopis (tirolesas) e as águas vulcânicas termais. Não fechamos nada com ele, só tiramos informações. Jantamos na soda e fomos pro hostel dar uma descansada. A Carol que estava em contato com o guia do rafting combinou de irmos todos nas águas vulcânicas à noite, que é quando os locais aproveitam o lugar. Como o Fabrizio só chegaria mais tarde, fomos. O guia e o amigo dele foram nos buscar de carro. Paramos pra comprar cerveja e eu ficava olhando bem pra câmera do supermercado pra deixar um rastro, caso sumisse, sou dessas. Chegamos na entrada das águas. Vale lembrar que vários hotéis e resorts oferecem pra passar o dia –cobrando a diária - nas águas. Se quiser ir de graça, tem uma entradinha perdida que todos lá conhecem, é só perguntar. Mas tem que deixar tudo, absolutamente tudo no carro e ir de biquíni, porque lá não tem nenhum cantinho pra deixar nada. Nem que tivesse, chegamos no mais absoluto breu, guiadas pelos meninos, eu já visualizando que era ali que morreria e os comentários seriam “óbvio, quem vai com estranhos num lugar desses?” ::putz:: Bom, não tentem isso em casa. Graças às orações da minha mãe e da mãe da Carol, deu tudo certo. Ficamos algumas horas naquela água quentinha (apesar do frio que fazia lá fora) e tomando uma cerveja. Valeu o passeio. Chegamos quase meia noite no hostel e eu achando que encontraria um muso italiano me esperando, mas só vi a mensagem dele dizendo que o cara no hostel não deixou ele ir pro nosso quarto porque era tarde e ele achou que já estivéssemos dormindo. Enfim, desencontros. Ele tinha ido pro outro hostel e nos encontraríamos na manhã seguinte.

 

IMG_0375.JPG.918ca57c9c8e5a5d7114f2c656400674.JPG

598ddddb2d865_5-IMG_0442.JPG.c34c2e6901230a838ca066c55e29c40e.JPG

IMG_0374.JPG.abc9e1657357ffc115ae1cb230b611ea.JPG

598ddddaa3a3a_5-GOPR1839.JPG.91ee34b37ab61d464f89eb06dfe5c178.JPG

598ddddaa976f_5-IMG_0440.JPG.25082761e9d01ad593b0c9895914a283.JPG

 

DIA 12

Acordamos bem cedo com a bela chegada do italiano cheio de marra, porém lindo ::love:: . Já havíamos comprado umas coisas para o café da manhã e a cozinha do hostel era bacana.,Eetão comemos lá. Fomos pesquisar sobre o passeio para o Rio Celeste. Fizemos algumas contas e vimos que, como estávamos em quatro pessoas, valia a pena alugar um carro. Havia uma locadora ali perto (dessas famosas, mas não lembro qual rsrs) e fechamos uma diária com seguro completo (vai que...) de um Jimmy. Novamente o cartão do Marcos foi salvador. Quem mandou ser o rico da turma ::otemo:: . Compramos uns snacks no supermercado e partimos para Alajuela, onde fica o Rio. Foram 3 hs de viagem, por uma estrada sem muito transito, mas com o asfalto bem prejudicado. Era bem sinalizada, então não tivemos dificuldades. Marcos no volante perigo constante, mas chegamos bem. Perto do parque, paramos para pedir informação e nos ofereceram um guia por um preço bacana, aceitamos (depois percebemos que não precisávamos de guia, mas enfim, aprendizado). A entrada do parque custa 12 USD, até tentamos dar um balão fingindo que o Marcos era local (sempre ele), mas nosso argentino não era bom ator.

O parque é bacana, mas a paisagem é bem semelhante a qualquer parque do Brasil. Não cheguei a ver nada de surpreendente na vegetação. Já o rio é realmente muito lindo. Pegamos o tempo aberto então a água não estava turva e a visibilidade estava boa. O guia nos explicou que a água é transparente (se a gente pegar um pouco dela percebemos que é água normal), mas que devido a algumas reações químicas, podemos ver aquele azul celeste maravilhoso. Antigamente podia nadar no rio, mas depois de alguns turistas se afogarem, foi proibido. Uma pena! Achei que a ida até o Rio valeu bastante a pena, nunca tinha visto um rio daquela cor. Voltamos para Arenal e já paramos no supermercado para comprar coisas para a janta. Aliás, esta foi a grande contribuição do Fabrizio para a nossa viagem (além da “vista” maravilhosa que ele nos garantia): ele cozinhava. Isso provavelmente salvou nossa vida naquela Noruega da América Central porque como tudo era caro, nem as Sodas seriam capazes de nos salvar. Ele acabou cozinhando quase todos os dias.

Jantamos no hostel, acertamos as contas do aluguel do carro com o Marcos, pois no dia seguinte sairíamos cedo para Nicaragua e nos despedimos daquele argentino querido que nos garantiu muitas risadas. O comentário do Marcos para o Fabrizio, que seguiria viagem conosco, foi "são malucas e riem de tudo" hahaha. Na hora de deitar tive um siricutico porque vi uma barata no quarto ::ahhhh:: . Percebi que este é um problema recorrente nestes países e ninguém foi capaz de me alertar em nenhum site. De novo a dica: avise sobre animais monstruosos. Bom, só entrei no quarto quando o animal foi morto. Ainda assim, dormi toda enrolada no lençol como uma múmia novamente.

 

598ddddaaed09_6-IMG_0456.JPG.fb77b8c2e4364609573f9b31bed1c65b.JPG

598ddddb4b909_6-IMG_0516.JPG.cb8a94d7c0e4c396d1250d4db52cd9b4.JPG

598ddddc63902_6-IMG_0462.JPG.7b62f7b0c52b5fe3ef8224e0bcaf0b11.JPG

598ddddc88518_6-IMG_0536.JPG.162fbf8045b5da142ec8c719f47350a0.JPG

 

ARENAL – ISLA OMETEPE (Nicarágua)

DIA 13

 

O relato deste dia é muito importante para quem pretende cruzar a fronteira da Costa Rica com a Nicaragua, porque eu digo que não foi fácil. E digo mais: não desista!

Madrugamos para pegar o ônibus das 6h que ia até El Tanque. Avisamos o motorista que queríamos pegar o ônibus que seguia para Nicarágua e depois de 20 minutos de viagem, ele parou no meio da estrada, em um ponto de ônibus de rua, para pegarmos o ônibus até Peñas Blancas, na fronteira. O ponto é bem pequeno, quase informal, mas como tinha alguns turistas ali eu acreditei no poder do fluxo. Eis que chega o ônibus. Custei a acreditar porque era um ônibus estilo circular, desses de cidade pequena, com catraca e aqueles bancos duros e tinha lido que a viagem durava 6h. Entramos e ficamos eu, ítalo-muso e Carol nos últimos bancos, pra poder encaixar a mochila do nosso lado. Depois de 30 minutos o ônibus parou em um tipo de rodoviária e eu pensei “agora vamos pra um busão de viagem”. Ledo engano, era para pegar mais passageiros que, pasmem, lotaram o ônibus. Sim, lotado com gente em pé e tudo, me senti no 606 indo pro Méier (alô Rio). Eu desci com a Carol pra buscar algo pra comer e só achamos aquele projeto de pão que vem com açúcar dentro. Eu detesto coisa doce de manhã, mas naquela situação amigo, nada podia piorar.

598ddddcbdf49_65-IMG_0554.JPG.95078e23cf15aa559a76edb254e6f1e4.JPG

598ddddcdacb6_65-IMG_0557.JPG.61fc6892450ba433ebbeb52b5797a6e5.JPG

Podia sim, foram 6 horas de viagem ::hein: . Isso porque o ônibus parava de 5-5minutos para deixar os passageiros. A estrada era de terra e pedras, então nem eu que sou capaz de dormir com a bateria da Mangueira do meu lado consegui fechar o olho. Olha, sofrido é pouco. Fora que a insistência pra ir pra Nicaragua foi minha, então senti a energia julgadora vinda da Carol e do Fabrizio, mas fiz a pêssega e fingi que não era comigo. Podia piorar? Sim. A chegada na fronteira é total Walking dead. No momento que o ônibus para você não imagina que é a fronteira tamanha bagunça. Na escadinha do ônibus você é recepcionado por milhões de pessoas gritando na sua cabeça que você tem que pagar isso, tem que pagar aquilo, pessoas segurando Nicas pra trocar por dólar. Uma confusão que se neste momento alguém falasse “vamos voltar” eu voltaria. Bom, pagamos 8 usd num papel que tem que carimbar pra sair da Costa Rica (descobri que 1usd foi pro zumbi que nos “orientou” e na verdade a taxa era 7usd). Saímos apavorados e conseguimos encontrar o local pra carimbar a saída da Costa Riquíssima. Ali tinha ar condicionado e silencio e foi quando nos orientamos melhor sobre a estratégia de guerra que adotaríamos ali fora. Cruzamos a fronteira e mais surpresa, tinha uma barraquinha (dessas de praia) com um serumaninho dormindo com um ventilador na cara (hahaha sério) onde precisamos pegar um papel de imigração, porém sem pagar. Depois fomos na alfândega pra finalmente entrar na Nicaragua. 13 usd!!!!!!! Eu fiquei muito brava comigo e com todos os mochileiros que indicaram a Nicaragua, que pesadelo era aquilo. Porém, pagamos. Saindo começamos outra guerra para transporte até San Jorge onde iríamos pegar a barca para Isla Ometepe. Eu li que o ônibus que ia até parte da estrada era 1 usd e de lá o taxi para a fronteira era 2-5usd, mas os taxistas estavam oferecendo todo trajeto por 25 usd CADA pessoa RISOS. Eu usei minha maravilhosa tática de falar ‘jamás’ virar as costas e sair andando. Funcionou porque conseguimos por 15usd pelo carro todo (considerando que no estilo busão, nós três gastaríamos juntos uns 10 usd, valeu o conforto). O taxi tinha ar condicionado o que começou a melhorar o nosso humor. Fora que a paisagem Nica é linda, então as coisas foram acalmando. Em San Jorge (Salve Jorge!) tem um deck belezinha onde compramos o bilhete pra Ometepe por 1,50 usd. A balsa, como diz o Fabrizio, foi a “mais lenta do mundo”, mas depois de tudo isso foi tranquilo.

A chegada na Ilha foi calma. De cara você vê o Vulcão Concepción ENORME e já se encanta com a vista. Ali já dava pra sentir a tranquilidade Nica, nada de gritaria nem muito estardalhaço.

 

598ddddd03742_7-IMG_0572.JPG.095d76e84d1f057e94b1e06d6eada36e.JPG

IMG_0591.JPG.84536d08f543e366494ed7627d6f3f08.JPG

 

Passamos por uns três hostels para dar uma olhada e no fim, o preço era padrão (8usd), estão escolhemos o Nahuatl. Foi uma boa escolha. Quarto compartilhado (o maior), banheiro dentro, ar condicionado, cozinha grande e boa localização. Indico. Fomos no mercado comprar coisas para a janta e a alegria foi dando as caras. Nicaragua baratérrima. Cerveja boa, gelada e barata: 1usd. Comidas também super baratas. Comemos no hostel.

Algo muito engraçado aconteceu. Fabrizio estava tomando banho e eu e a Carol no quarto quando eu vi um treco voando e pensei em pânico “barata”. De repente quando o bicho voou de novo vimos que era um morcego!!!! Hahahaha saímos correndo do quarto gritando. Na recepção ficamos afobadas tentando explicar o que tinha no nosso quarto pro jovenzinho mirrado que tava ali. Ele não entendia “morcego” de jeito nenhum e eu, não fazendo ideia de como era morcego em espanhol, no pleno desespero gritei: “HAY UN BATMAN EN NUESTRA HABITACION” haha espanhol Tabajarérrimo. Neste momento a Carol parou seu escândalo, me olhou espantada e perguntou: “você falou ‘batman’, mesmo?” ::lol4:: . Caímos na gargalhada, mas o meninote entendeu o que era. Ele foi com uma lanterna e uma vassoura e com muita dificuldade espantou o bicho hahaha. Nisso o Fabrizio totalmente aleatório aos eventos tomando banho. Foi divertido. Bom, o Fabrizio foi tirar o sono da beleza. Eu e Carol que viemos ao mundo a passeio fomos caçar um agito. Na verdade o Nica life style é diurno porque estava tudo meio vazio. Foi bom dar uma andada por lá, pois a cidade é bem fofinha, estilo cidade do interior. Achamos um bar e lá ficamos ricas tomando várias cervejas a 1usd.

 

DIA 14

Acordamos cedo, tomamos café, deixamos umas roupas para lavar no hostel e fomos pra rua. Eu queria ir nos Ojos d´agua então fomos no píer e lá pegamos um busão muito fofo, daqueles amarelos de escola americana, para Ojos d´agua. O busão deixa você na estrada e de lá tem que caminhar uns 20 minutos até o parque-clube. Caminhada agradável, tranquila e todo o sofrimento do dia anterior foi esquecido. Chegando em Ojos tem que pagar (claro) 3 usd. Pagamos, deixamos as coisas no locker e entramos. O lugar parece uma piscina de pedras com as águas vulcânicas e criaram uma estrutura em volta para passar o dia. Leve repelente pra enfrentar os borrachudos. Eu adorei passar o dia lá, descansando, curtindo aquela água, relaxando. O último ônibus passaria na estrada às 17h então nos preparamos para caminhar tudo de volta e não perdê-lo. Neste dia era feriado na Nica então o ônibus não apareceu, mas uma Kombi no caminho nos ofereceu transporte por 12usd pelos três, achamos ok pois era uns 30 minutos de “viagem” e fomos. Descemos no píer e fomos admirar o pôr do sol ali. Lindo! Lindo! O dia calmo, a tranquilidade dos Nicas, os preços, aquelas paisagens naturais maravilhosas, o pôr-do-sol e a cerveja garantiram meu amor pela Nicaragua por toda vida.

 

Nesta noite decidimos comer fora, já que Nica permitia extravagâncias. Jantamos no mesmo lugar que fui com a Carol na noite anterior. Cerveja, bom papo e a noite foi sucesso 8)

 

IMG_0612.JPG.c75491044e8524381c2aa0e58db4f516.JPG

IMG_0617.JPG.bcd72916e9dbbd1e272201da1e0e28d6.JPG

IMG_0623.JPG.7c798947f35f31fb216919e4c6809bd2.JPG

IMG_0626.JPG.3b9ef7304256bbe8d4d9d548e926a947.JPG

IMG_0628.JPG.42adc518767a7db8bf8b2e9d52b2b972.JPG

IMG_0636.JPG.a140e7bab825ad06cf8cee9e03e45861.JPG

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Oi Thais, parabéns pela viagem. Realmente tudo muito lindo.

Acompanhando.

 

Também pretendo viajar ano que vem, mas quero incluir Guatemala e México no roteiro. =)

Quando terminar o relato, por favor, nos informe quando gastou no total para termos uma ideia... Obrigada

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns pela viagem e relato, Thais! Acompanhando tudo aqui, e morrendo de rir dos perrengues de vocês... Já pensando em programar uma viagem dessa!

 

Estou aguardando o restante do relato!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Oi Thais, parabéns pela viagem. Realmente tudo muito lindo.

Acompanhando.

 

Também pretendo viajar ano que vem, mas quero incluir Guatemala e México no roteiro. =)

Quando terminar o relato, por favor, nos informe quando gastou no total para termos uma ideia... Obrigada

 

Oi Carol. Obrigada :)

Me planejei para ir ano passado pra Guatemala e México mas rolou uns perrengues de saúde e mudei os planos. Se for, deixa um relato aqui que definitivamente são lugares que quero conhecer. Pode deixar que depois dou uma ideia de valores (que obviamente esqueci, mas a minha amiga sabe haha). bjs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Parabéns pela viagem e relato, Thais! Acompanhando tudo aqui, e morrendo de rir dos perrengues de vocês... Já pensando em programar uma viagem dessa!

 

Estou aguardando o restante do relato!

 

haha oi Jusenos, valeu!!! Os perrengues se tornaram as melhores histórias hahah faça essa viagem sim, tudo é muito lindo. bjs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ISLA OMETEPE (Nicaragua) – TAMARINDO (Costa Rica)

DIA 15

 

Era dia de abandonar a Nicaragua. Depois de todo sofrimento da ida até lá e só passar um dia e meio, digo que valeu muito a pena. Queria ter explorado outros lugares na Nicarágua. Achei o povo simples, simpático, amável e muito tranquilo. Recomendo muito!

Nossa balsa saia super cedo (acho que 6h30). Compramos um mega café reforçado e entramos na barca. Não tinha lugar para sentar então fomos no chão haha mas estávamos tão apaixonados pela Nicarágua que nem ligamos. Em San Jorge pegamos um taxi para a fronteira macabra. O taxista quando soube que éramos brasileiras colocou Michel Teló e depois Ivete pra tocar e nós fomos cantando alto no caminho todo, foi divertido. Fabrizio certamente já estava arrependido de viajar com aquelas duas loucas.

IMG_0666.JPG.0ddb3a1fca202a9aa6a4ee85f18fa85d.JPG

IMG_0674.JPG.04269fe44cd1d7eabde78ae4641d0908.JPG

 

Na fronteira passamos para carimbar a saída da Nicaragua, pagamos 2 usd. Cruzamos a fronteira e carimbamos a entrada na CR, não pagava nada. Ficamos tensas porque muitos relatos informam que eles pedem comprovante de saída da Costa Rica e nós não tínhamos porque iríamos de ônibus até o Panamá e voo sairia de lá. Jogamos charme para o moço e ele aceitou nosso comprovante de voo do Panamá. Pegamos um ônibus (bem confortável) até Liberia (3 horas) e de lá pegamos outro até Tamarindo (1h30).

Tamagringo.

Sim, a cidade é a Costa Rica dos gringos (americanos). Uma cidade bonita, com bastante estrutura, um “pura vida” de grife. Rodamos até achar um hostel, ficamos no Vaca Loka. Achei muito bom o hostel, recomendo. Quartos novos, limpos. Banheiro compartilhado bacana, também limpo. Lá fora tinha uma área bem legal para festas e pra tomar uma cerveja. O staff era simpático, com exceção de uma argentina mala, mas né, argentina... E a localização era perfeita. Deixamos as coisas, comemos algo na rua o que já doeu a alma porque vindo da baratice da Nicaragua caímos na zona turística da Finlandia, então voltaríamos a comer a comida do Fabrizio, e fomos na praia. A praia Tamarindo é a principal, bem bonita, longa, com um visual lindo e passamos o resto da tarde ali curtindo. Ainda de brinde o pôr-do-sol do Pacífico que é um espetáculo. ::otemo::

IMG_0681.JPG.8b4b1c318be6f3a63320bb855a735c46.JPG

 

À noite voltamos pro hostel e conhecemos nossas roomates, uma portuguesa malérrima que já chegou falando mal do Brasil ::grr:: e só não respondi com uma piadinha de português porque a Carol emanou uma energia tensa do tipo "não discuta" (sou ótima em ler as energias da Carol haha ) e outra portuguesa simpaticíssima. Teve festinha no hostel então ficamos por lá. Até demos um rolê pela cidade, mas nos lugares estava tocando música eletrônica e o público era uma vibe americano-rico então, voltamos pra nossa festinha do hostel. Neste dia também conhecemos o Alejandro, um espanhol (muso tb) que encantou a Carol. Fechou o bonde.

IMG_0688.JPG.a67ea085973d54303d1fd750efcf70cd.JPG

 

DIA 16

Fui acordada pela beleza de Fabrizio (estava ficando mal acostumada com aquele muso), tomamos café no hostel (compramos coisas, não era incluso) e fomos procurar um jeito de ir para Playa Conchal. No caminho achamos um lugar que vendia Açaí e queríamos que o Fabrizio experimentasse, mas estava absurdos 7 dólares ::ahhhh:: então desencanamos. Os passeios que encontramos estavam caros, então fechamos com uma Van na rua (sim, na rua) de nos levar e buscar até a praia (25usd para 6 pessoas)). Juntamos nosso trio com a dupla portuguesa e o Alejandro. Foram mais ou menos 40 minutos até a praia, estrada tranquila. Na chegada o cara da Van marcou horário para nos buscar e saiu. Ficamos a tarde toda por ali. A praia estava vazia e tranquila. Era bonita, bem agradável e valeu a visita. Depois de algumas boas horas, bateu um tédio e fomos todos caminhar pela praia, ao passarmos uma trilha descobrimos outra praia cheia de conchas e rapidamente associamos com “conchal”, aquela então era a praia famosa ::lol4:: haha. Mas estava muito cheia então resolvemos voltar. Neste momento começou uma chuva absurda. Conseguimos carona com uma galera lá e voltamos pra praia inicial. Lá ficamos conversando e tomando uma cerveja. Não demorou muito e o sol abriu de novo. Voltamos pra água e lá ficamos. O por do sol lá também foi lindo, a ida até a praia valeu a pena.

 

12241744_908484379186887_1877272830076527373_n.jpg.a3fbc886a15615fbed0004caf19a664f.jpg

IMG_0694.JPG.c6b138c0e3ec0232cc2411e55b450366.JPG

IMG_0940.JPG.5ee7365f5f02153ffe13171d5b7d93dc.JPG

 

Voltando para o hostel, eu, Carol e Fabrizio fomos comprar algo pra cozinhar no hostel. Depois ficamos socializando no barzinho. Mais tarde chegaram as chilenas que conhecemos lá em San Blás. Adoro isso de encontrar e reencontrar pessoas na viagem. Enfim, formamos um grupo grande nesta noite e foi ótimo! Foi a despedida das portuguesas, então elas acabaram indo dormir mais cedo.

IMG_0722.JPG.4c372f06d9bc367dee8204eaa7b6ceb3.JPG

 

DIA 17

Último dia de despertar ao lado daquela beleza italiana ahahaha. Mantivemos a rotina de tomar café no hostel e procurar praias. Antes fomos no ponto de ônibus perguntar como faríamos pra sair de Tamagringo. O Fabrizio ia para San Jose de onde sairia o voo dele e eu e Carol iríamos para Manuel Antonio. Para o Fabrizio havia um ônibus que saia às 3h da manhã direto para San Jose. Já eu e Carol deveríamos pegar o ônibus dia seguinte das 10h para Liberia, de lá deveríamos pegar um ônibus para Quepos de onde tomaríamos para Manuel Antônio. Tudo acertado, fomos caminhando pela orla até a Playa Langosta. Esta praia é quase uma continuação da praia Tamarindo, mas fica mais no fundo dos hotéis. A caminhada é tranquila e a paisagem muito bonita. Ficamos um tempo na praia, mas o mar estava super forte então decidimos voltar até a praia Tamarindo mesmo. Chegando lá rolou uma chuva leve o que fez surgir um arco íris bem bonito.

 

IMG_0723.JPG.071d7fcd1bb704331f31502a81f3139b.JPG

IMG_0713.JPG.dcbe6ec8ca1cc80b0edfba5d18a27454.JPG

IMG_0721.JPG.72e4c4f6406f0aae4a85ce774eb7aa09.JPG

 

Depois fomos para o hostel. O Fabrizio já tinha feito check out, então ele tinha que entrar escondido lá. Como tava uma chuva péssima, compramos várias cervejas e ficamos no quarto bebendo com a galera toda. Já era bem tarde quando resolvemos ir numa baladinha local. Estava bem caída, pra falar a verdade, não sei se foi a época ou a chuva. Voltamos para o hostel umas 2h e ficamos fazendo hora até o ônibus do Fabrizio sair era hora da despedida... haha Ciao Muso!!!! ::love::

 

IMG_0739.JPG.e940bfdf444df2b503d77fa6cee7c2c0.JPG

IMG_0742.JPG.54cf1ec41b551b7d879a585531cd5f39.JPG

 

TAMARINDO – MANUEL ANTONIO

DIA 18

Acordei e já vi a feia da Carol (haha mentira, minha amiga é linda) e ajeitamos as coisas para pegar nosso ônibus, as chilenas seguiriam com a gente. Foram duas horas de viagem. Chegamos em Libéria, num ponto de ônibus no meio do nada (isso é muito comum lá), e pegamos o ônibus para Puntarenas, mais três horas. Em Puntarenas, compramos passagem para Quepos e fomos comer, nisso quase perdemos nosso ônibus, porque o tempo de troca foi bem curto. Ficamos mais umas quatro horas de viagem e chegamos em Quepos já noite e exaustas. Estávamos na rodoviária tentando entender qual ônibus deveríamos tomar até Manuel Antônio e uma canadense veio nos perguntar sobre o mesmo ônibus, nos informamos e aproveitamos a dica da gringa para um hostel (Backpackers Manuel Antonio). Fomos todas juntas. Chegamos esgotadas em Manuel Antônio, o hostel ficava bem na entrada da cidadezinha. Dava pra caminhar até o centro, mas para voltar era preciso um ônibus. Ainda assim, recomendo este hostel. Organizado, com café, limpo, bons espaços e piscina. Tinha um supermercado na frente, então comemos, compramos breja e ficamos tomando no hostel. Tinha uma galera animada lá que fez nossa noite.

 

IMG_0750.JPG.8ded5eef6e4de338774140a408e91cd8.JPG

IMG_0751.JPG.e8ca96099f9da089b86193580fdc95f8.JPG

12273780_10156269953550525_5074076640719256277_o.jpg.a18eb7286b51b05afb831022e19e1f61.jpg

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

DIA 19

Acordamos um pouco mais tarde porque já estávamos bem cansadas. Tomamos o café do hostel (pão, manteiga e café) e fomos a pé para a entrada do Parque Manuel Antônio. A cidade é pequena e é só seguir a estradinha e os turistas que se chega na entrada do parque. O ingresso custou 20 usd. Definimos quais praias iríamos porque o parque é enorme. O caminho é bem demarcado, não precisa de guia. Fomos ouvindo o barulho dos monos, invejando as preguiças e observando tudo. Chegamos na praia Manuel Antonio e de cara vários macaquinhos nos recepcionaram. Tem vários e eles ficam de bobeira na praia. Fomos orientados a não dar comida e até evitar comer perto deles. A praia era muito bonita, bem fechada, com uma água revolta, mas dava pra entrar. Vimos alguns lagartos também e vimos o nosso mais novo inimigo, o guaxinim. Depois conto. Depois de algumas fotos, fomos pra trilha novamente. Esta trilha não levava a outra praia, mas dava pra ver o visual do alto e a incrível cor da água. Valeu a pena. Voltamos pra praia Manuel Antonio e ficamos deitadas tomando um sol e descansando. Foi nesse momento que ouvi um barulho e quando olhei os pequenos guaxinins meliantes haviam pegado a sacolinha onde estava nosso lixo (casca de frutas, embalagens de bolacha, etc.) e saiu correndo ::ahhhh:: Eu ameacei ir atrás dele quando outro estava prestes a pegar minha bolsa, voltei praticamente dando um carrinho no bicho e salvei minha bolsa. FDP! Daí, com a bolsa a salvo, fui atrás para ver se recuperava a sacola do lixo porque tudo que eu não queria era deixar lixo em um parque na Costa Rica. Quando vi os guaxinins estavam com a sacola e logo o macaco se juntou à turma. To falando sério, aquilo é uma gangue. E toda hora ouvíamos gritos na praia porque eles tinham roubado algo de alguém. As praias do Rio são seguras perto daqueles trombadinhas.

Saímos no fim da tarde do parque, na saída ainda fizemos umas comprinhas leves e tomamos uma cerveja. Depois pegamos um ônibus para o hostel. Neste dia jantamos pizza do lado do hostel, foi ótima e com um bom preço. E depois ficamos bebendo no hostel mesmo. Eu e a Carol organizamos nossas coisas, pois no dia seguinte iríamos embora tentar chegar em David, no Panamá.

 

IMG_0776.JPG.9b854d8efe9936830c0a9eec816c9de6.JPG

IMG_0795.JPG.36d6472f13e2e927ad00ed7f201d1072.JPG

IMG_0854.JPG.55fabfe22ca3bc9fdd9becaed82cd55e.JPG

IMG_0835.JPG.29abef0a98f3dcc41287a14ed69841ce.JPG

IMG_0815.JPG.7933c117b9b3fb04210f33d1a2c4bf01.JPG

IMG_0892.JPG.984ef31cddee77a687b5ae29295d5df4.JPG

 

MANUEL ANTONIO – DAVID (Panamá) – CIDADE DO PANAMÁ

DIA 20

Este dia foi desafiador porque eu não tinha encontrado nenhuma informação de como ir de Manuel Antônio para o Panamá sem ter que voltar até San Jose. Foi tudo com dicas do hostel, do motorista do ônibus e na sorte, mas tudo deu certo. Resumindo: Manuel Antonio – Quepos – Uvita – Ciudad Neily – Paso Canoas (fronteira). Pegamos o ônibus para Quepos às 6h da manhã, ele passava na frente do hostel (uns 15 minutos de viagem). Em Quepos tomamos o ônibus para Uvita que saía as 6h30 (parece que só tinha esse e mais um as 8h30 – não arriscamos). Foram mais ou menos 2h-3h até Uvita, nesta hora tem que ter sorte porque era preciso descer no ponto que passa o ônibus para Ciudad Neily. Sorte porque o motorista deixou a gente em um ponto aleatório, mas perguntamos no restaurante da frente do ponto e disseram que não era ali. Ainda bem que o mesmo ônibus passou de volta (ele ia até o fim da rua e retornava) e entramos nele de novo. Então descemos num ponto no meio da estrada sem ter certeza de nada. Eis que passa um ônibus para Ciudad Neily e entramos. Descemos em Ciudad Neily e tinha a opção de pegar um ônibus até Paso Canoas (fronteira), mas o taxista fez por 10 usd (20 minutos o trajeto) e aceitamos. Chegamos na fronteira com chuva e como já era fim de viagem, o cansaço já mudava o humor. Paramos para comer em uma soda muita boa na fronteira (Sodas ::love:: ) e fomos ver a saída da Costa Rica. A fronteira estava lotada porque estava rolando algo na Nicaragua e tinha um povo “preso” lá (não entendi, pois estávamos na fronteira com o Panamá), mas a nossa fila até que foi rápida. O problema era uma taxa de saída (7 ou 8 usd dependendo do humor) que nos mandaram pagar numa Van estacionada ali na frente. Mega suspeito, mas foi tudo certo. Saímos da Pura Vida Costa Riquenha. Os procedimentos de entrada no Panamá foram tranquilos e logo na frente tinham várias Vans para David (5usd). Tomamos a primeira e lá foi mais 1h30. Descemos no meio da cidade (ponto escolhido aleatoriamente) e pegamos um taxi até o aeroporto (uns 10 usd). Total da viagem com parada pra comer, fronteira etc. foram mais ou menos 8 horas. No aeroporto, comemos algo e ficamos esperando nosso voo para o Panamá. Eu comprei voo porque sabia que iríamos rodar muito entre os três países e nossa meta era chegar na Cidade do Panamá dois dias antes do voo para o Brasil e David era o aeroporto mais ao norte. Com isso ganhamos tempo e foi super barato. Eu comprei o voo da Copa com milhas da United Airlines e paguei 3usd (Sim, isso, três dólares!!! ::otemo:: ) a Carol comprou pelo site e pagou algo como R$ 120. Chegamos no aeroporto de Panamá já a noite e fomos de Van até o hostel Mostros, indicado pelas nossas amigas chilenas. Hostel novo, fica na parte moderna do Panamá, com acesso para vários lugares. Gostei de me hospedar nos dois lados (velho e novo), assim conheci bem cada um. Ganhamos desconto no restaurante do lado. Não era dos mais baratos, mas a comida era boa, cerveja também, era perto, então ficou tudo certo.

 

IMG_0894.JPG.7042385a952a423c77bd0b7a61b80ce4.JPG

 

DIA 21

Acordamos mais tarde, afinal estávamos exaustas. Tomamos café no hostel (incluso, mas era fraco, já não tinha quase nada) e saímos para pegar o ônibus para o Canal. Não sei se não entendemos direito as instruções no hostel, mas pegar o ônibus estava muito confuso, o sol estava torrando meus miolos e a umidade quase me fazendo desmaiar. Passou um taxi com o ar bombando oferecendo corrida até o canal, nem pensamos duas vezes. O taxista ainda propôs comprar nosso ticket para o canal, pois moradores pagam mais barato. Com a propina que daríamos a ele, pagaríamos algo como uma inteira e uma meia. Nada garantia que ia funcionar ou que poderíamos confiar nele, mas a Santa Protetora dos Mochileiros Falidos ajudou e deu tudo certo.

O canal estava cheio, mas o ar condicionado faz milagres no nosso humor. Começamos o tour assistindo um filminho sobre a construção. Na verdade achei o filme super político e pouco se falou mesmo sobre a história do canal. Depois andamos pelo Museu e aí foi interessante. No final tinha tipo um mini zoo com algumas espécies da região. Não curto muito essa coisa de envolver animais, então passamos rápido. Depois fomos na sacada que tinha lá e ficamos observando o canal. Demos azar, pois não ia passar nenhum navio nas próximas três horas então só ficamos lá observando e tentando entender como funciona a coisa. Acho que a visita ao Canal vale a pena sim. É realmente surpreendente como eles conseguiram ligar os dois oceanos e muito simbólico para a história do Panamá. Eu já havia assistido um outro filme sobre a construção e achei bacana ver algo que deu tanto errado, trouxe muitos problemas, teve primeiro o apoio da França, que desistiu, e depois foi finalizado e usufruído pelos Estados Unidos durante tanto tempo, pode colocar o Panamá no mapa. De lá fomos de taxi para o Albrook Mall que era super perto (5 usd). Almoçamos e ficamos lá andando. Como eu disse, as coisas lá são sim mais baratas, mas como o dólar não estava favorável, não valia a pena comprar nada. Comprei um perfume pra não dizer que não falei das flores.

Depois voltamos para o hostel de metrô e, claro, nos perdemos um pouco no caminho. Ficamos lá tomando uma cerveja, descansando. Ah vale dizer que o banheiro do hostel valeu a estadia lá porque era enorrrrme, limpo e com uma ducha maravilhosa. No fim da viagem era o que precisávamos. À noite fomos no bar do lado porque já não tínhamos saco nem dinheiro para ficar zanzando pela cidade. Tinha uns argentinos cantando então foi divertido.

 

IMG_0916.JPG.ad1e4a3eee91f80201e1f7aa388d33e1.JPG

IMG_0917.JPG.c9a86c866df56790235b193310b05ba3.JPG

 

DIA 22 – último dia

Acordamos cedo e ajeitamos os últimos detalhes. Tomamos café em um lugar qualquer na frente do hostel, porque só iríamos almoçar no voo, então precisava ser um bom café. Comemos até morrer e ficamos no wifi um pouco. Ali na frente pegamos um taxi para o aeroporto. Foram 24usd combinados com o taxista o que foi ótimo porque pegamos um trânsito horrível até lá. No aeroporto demos umas voltas, compramos os últimos souvenirs e embarcamos no nosso voo amado para o Brasil.

 

IMG_0941.JPG.6c493780d2fc6f005d463581d512f67e.JPG

 

Sobre a viagem, achei o roteiro incrível, paisagens muito diferentes, pessoas simpáticas por todos os lugares, povo receptivo e ritmo bem paulera. É preciso viajar com alguém que curta ecoturismo, perrengue, não tenha medo de se perder e leve tudo no bom humor. Sorte que eu e a Carol temos este perfil e nos divertimos muito, mesmo quando as coisas davam errado. O Panamá é intrigante, tem uma capital bem americanizada e sem personalidade, mas tem cidades incríveis ao redor e cultura Kuna vale a visita. A Costa Rica é o que se espera da CR, povo simpático, tranquilo, muita natureza e isso me fez pensar que quase tudo que eles têm lá, nós também temos aqui, então entrei numa crise de conhecer mais meu País, já que estava gastando uma grana pra ver a mesma coisa em outros. Já a Nicaragua em dois dias conquistou meu coração, quero muito voltar e explorar mais aquele País lindo, com paisagens lindas, povo tranquilo, preços camaradas e lindas praias.

Enfim, foi cansativo, movimentado, com trilhas, bike, rafting, caminhadas e um pouco de nadismo, mas nos colocou em contato com a natureza, com o chão, a terra, as pessoas mais simples.

“Pura Vida mae”

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fala, Thaís! Excelente (e engraçado) o seu relato. Ri sozinho diversas vezes.

Nem sei se você vai ler meu comentário porque a gente escreve as coisas aqui no Mochileiros e depois esquece da vida...

Vou fazer um trajeto muito parecido com o seu. Retirei dos planos as praias do Pacífico e Nicarágua-Boladona.

O seu relato me deu maior segurança na hora de atravessar a fronteira Panamá-Costa Rica.

Valeu, mesmo.

Não deixe de ir à Jericoacoara/Ceará e Lençois/Maranhão. Qualquer outra praia do mundo fica no chinelo.

Bjs,

Cadu

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por rubens.manoel
      Bom, vou colaborar com nosso relato de viagem por dois países da América Central realizado entre fev e mar/19. Ressalto que a melhor época para visitar a região é de janeiro a abril para fugir das chuvas.
      O custo total da viagem foi R$6000,00, sendo:
      R$1500 (passagem São Paulo – San José) pela Avianca
      R$ 500 (passagem San José – Cidade da Guatemala) pela Copa
      R$ 600 (hospedagens em hostel)
      R$ 500 (ônibus/shuttles na Guatemala)
      R$ 400 (aluguel do carro) + R$150 combustível na Costa Rica (valor por pessoa em carro 4 pessoas)
      + demais custos com alimentação e passeios
       
      Os roteiros foram os seguintes
      Costa Rica 9 dias: todo o roteiro realizado com carro alugado (aprox. 50usd/dia)
      Chegada em San José – Pq. Manuel Antonio – Cartago (vulcão Irazú) – Vulcão Poás – La Fortuna (Arenal + Rio Celeste) – Tamarindo (Playa Conchal e Hermosa)
       
      Guatemala 9 dias: todos os deslocamentos realizados por ônibus/shuttle (possível comprar pelo site GuateGO), mas recomendo fechar com as agências locais que fica bem mais barato.
      Chegada na Cidade da Guatemala – Antígua (vulcões Pacaya e Acatenango) – Panajachel (Lago Atitlán) – Lanquin (Semuc Champey) – Flores (Tikal)
    • Por Guiherme Zaia
      [RELATO - TRILHAS NO PANAMA]
      Fiz essa viagem durante os dias 6/02 ao 14/02.
      No instagram @onetrekking tem mais coisas sobre minha viagem no Panama. Segue o relato...
      Dia 1
      Foram 3 voos para chegar no Panama 🇵🇦, com isso consegui economizar mais de 800, assim deu pra estender a viagem e conhecer mais lugares.
      Dia 2
      Indo para o Kalu Yala
      Para chegar lá saindo do Aeroporto Tocumen você precisa pegar um táxi para o Terminal La Doña, de lá pegar um “Diablo Rojo” para San Miguel e de San Miguel fazer a trilha “Suicide Hill” até o Kalu Yala
      .
      Diablo rojo são esses ônibus da foto e pra quem quiser fazer a trilha, ela está na minha conta do WikiLoc, é só fazer a trilha ao contrario, acabei gravando só a volta
      Dia 3 - Trilha 1
      Honey Creeper foi a primeira trilha que fiz no Kalu Yala. Ela é muito bonita, pois você tem uma maior proximidade da fauna local pelo trajeto ser em mata fechada. Com apenas 1,6 kms, duração de 1 hora e ganho de 200m, ela tem dificuldade moderada por causa da falta de sinalização e ter horas que a trilha se desfaz no meio da mata
      Dia 3 - trilha 2
      Ramon’s Pool, uma trilha bem bonita que vai para uma piscina natural, apesar de que o pessoal do kalu yala fale que ela precisa de guia não vejo a necessidade para isso. Sua distância é de 2,79 kms, dificuldade fácil e não apresenta mudança de altitude considerável (60m).
      Dia 3 - trilha 3
      Mermaid’s Hole, trilha bem fácil que acaba numa linda piscina natural. São apenas 1k e nenhuma variação de atitude, apenas uma parte aonde você tem que atravessar o rio.
      Dia 4 
      Nesse dia me despedi do Kalu Yala, e iria chegar em El Valle Anton no fim do dia.
      Pra quem não conhece: Kalu Yala é uma comunidade sustentável no meio da floresta do Panama, o forte deles é o intercâmbio que dura 10 semanas e tem varias temas que são bem únicos e voltados a uma vida sustentável. O instagram deles é @kaluyala
      Dia 5
      Acordei as 3:30 da manhã para fazer a trilha sentido Loma Grande, saimos do @bodhihostel e o @jerryfit foi o guia, nessa trilha eu vi a real necessidade de ter equipamentos para fazer trilha. Nunca tinha andando mais que 10k numa trilha, e essa foram 24k.
      Saimos do hostel as 4:45, e o tempo clareou aproximadamente as 7:30 porem como estava em El Valle que fica no meio da montanhas, o sol só foi aparecer e ficar forte umas 10:30, com isso ele só atrapalhou a nossa volta e não ajudou a esquentar a água que parecia gelo.
      Foram 24k de trilhas feitas em 9 horas, sendo que o trajeto é cheio de subidas e descidas muito íngremes, então não é recomendável ir sozinho e para quem não tem um certo preparo, pois você vai usar muito joelho.
      Dia 6
      “Cerro Cara Iguana”, essa foi a minha sexta trilha da viagem. Esta montanha é uma reserva hídrica, a maior parte da trilha é formada por uma estrada de terra, somente no fim que você entra na mata para chegar no topo das montanhas. Estava fazendo muito vento no topo e como estava sozinho, acabei não indo no topo da última montanha. Foram 9 km de trilha, sendo que a elevação ganha foi de 368 metros e o topo chega a 923 metros.
      Dia 7
      “La India Dormida”, essa foi a última trilha da viagem. Ela fica dentro de um reserva particular, a entrada custa 3 dólares e não recomendam fazer a trilha sozinho.
      Por sorte encontrei um casal de franceses que foram comigo até o topo da montanha. A trilha é um caminho de terra com parte bem íngrimes, aonde algumas pessoas escalam.
      Foi 8,5 km de trilha com 400 metros de altitude ganha e o topo não chega a 900 metros.
      Dia 8
      Logo de manhã, antes do café, arrumei minhas coisa na cargueira para voltar para a Cidade do Panama. Meu destino era o Bodhi Hostel Panama City no Cerro Ancon, paguei 4,25 dólares no ônibus (mesmo valor que na ida) para o Albrook Mall e da lá peguei um metro bus para uma parada perto do hostel e fui andando até o hostel, cheguei as 14:30 no hostel, sendo que parei para almoçar no Allbrook Mall. Depois disso fui para o Multiplaza Panama, andei metade do caminho de uber e metade a pé para ter uma ideia de como é a cidade. Com isso acabo meu oitavo dia no país.
      Dia 9
      Meu voo era as 14 horas, com isso tinha que chegar no aeroporto as 11 horas. Deu tempo para ir conhecer as ruinas da antiga cidade do Panamá, elas formam um Patrimônio Mundial da Unesco. A cidade recebeu título de Cidade em 1521 por Carlos V da Espanha, e começou a ser o ponto de partida para a exploração do Peru e ponto de trânsito para carregamentos de ouro que iam para a Espanha. E assim encerro a minha viajem pelo Panamá.












    • Por Ítalo Melo
      Olá pessoal!
      Trip na Costa Rica do dia 04/02 a 12/02 ainda sem roteiro definido. Alguém se anima? Alguém pra me dar umas dicas?
    • Por faccioni
      Não sou muito de escrever, sou de falar...mas vamos tentar
      Vou passar um resumo rápido sobre como foi a Surf trip do ano passado, já vou dar alguns valores pra o pessoal ter uma noção...
      Esse ano estou indo novamente em junho, caso alguém for nesse mesmo período chama aiii..
      Informações
      Tempo: 10 dias
      24/07 a 04/08/2017
      Pessoas 5 (Surfistas 3 - Bodyboarders 2)
      Carro
      Reservamos um carro grande na Alamo, uma Toyota Fortune para 7 pessoas + bagagens. Valor: 1.100U$ Aluguel + seguro + taxas
      Rodamos quase 1700 km – gastamos 1 tanque e meio de diesel (120 litros) computado do carro deu media de 15 km/l
      Perrengue da chegada: não tinham nosso carro reservado, depois de muita conversa nos ofereceram uma Van 12 lugares 4x4 da Hyundai com a promessa de trocarem pelo carro reservado a noite em nosso Hostel. Conforme prometido a noite estavam la no Hostel com a caminhonete. Como pedido de desculpas não precisaríamos entregar o carro com o tanque cheio...
      Estradas
      As estradas principais são boas, boa pavimentação, são estreitas e tem muitos caminhões.....muita atenção ao dirigir, regras de transito são ignoradas, para ter ideia, se você estiver em uma estrada e o carro da frente resolve entrar a esquerda, ele não vai pro acostamento e aguarda para converter, ele simplesmente para no meio da pista...outra, mantenha distância do carro da frente, eles param por nada, mas também param para animais selvagens.....
      Estradas secundarias algumas são asfaltadas e outras são de chão....tranquilas para um carro comum....mas as estradas terciarias, aquelas que dão acesso a muitos picos de surf são uma buraqueira só, o 4x4 e essencial, principalmente se tiver chovido na noite anterior...muita lama e buracos que cabem uma roda inteira dentro....
      Sobre a chuva, o período que ficamos choveu apenas 1x uma pancada no final da tarde e outra na noite, chuvas rápidas mas fortes, muito fortes mesmo....nos demais dias era muito sol e ceu limpo de manhã e sol e algumas nuvens a tarde.....
       
      Celular:
      Chip local da kolbi com 10U$ de carga para internet..durou até o 8º dia depois coloquei mais 5U$ - só fiquei sem sinal em Ollies Point, nosso guia tinha um modem da claro que levávamos no carro e usamos muito também; comprei o meu no aeroporto com um agente autorizado ele fez tudo na hora e deu certo, meu amigo que comprou em uma banca de jornal teve de ligar para a kolbi para fazer o cadastro via telefone, demorou pra caramba. Então, compre o seu com o agente autorizado e não perca tempo com isso depois...
      Surf Guia
      Para o Surf na região de tamarindo foi essencial, contratamos o Augusto, instagram @gu_paty, um brasileiro muito gente boa, ele é guia e faz as fotos da trip também.
      Por que o guia foi essencial na trip? Com o guia conseguíamos surfar em uma praia durante a maré vazia e em outra com a maré cheia, a maré é muito importante para o surf, o guia nos levou em secrets incríveis com ondas de capa de revista que, com certeza, não acharíamos por conta. Surfávamos de manha em um pico incrível, a maré mudava, e íamos para outra praia mais incrível ainda..para ter uma ideia, existem praias extensas onde com a mare vazia quebra em um canto e com a mare cheia em outro....sem o guia teríamos passado reto por muitos acessos a praias que estavam rolando as ondas....que no GPS e waze não pareciam.
      Sobre GPS, no nosso caso o Waze funcionou perfeitamente na costa rica, não precisa alugar GPS na locadora de veículos eles tentam empurrar mas é só negar..quem quer pagar 10U$ por dia em um GPS??? Kkkkk
       
      Bagagem – apetrechos(acessórios)
      Leve: Protetor solar, repelente isso é obrigatório, lá é muito caro.
      O que levei: Repelente, protetor solar, um canivete suíço, uma lanterna pequena, fita tape, remédio para dor de cabeça e dor no corpo, Sorine (quem precisa sabe da importância dele..), kit primeiro socorros para suturas...surf em coral sempre corremos o risco de ter de fazer alguns pontos....
      Bagagem – Roupas
                      A única calça e moletom que levei foi porque sai do RS e aqui era frio pra caramba, 3 bermudas, 3 sungas, 5 cuecas, 6 camisetas, chinelos, toalha. Minha roupa eu acomodei naqueles sacos a vácuo e coloquei na capa da prancha...que foi uma das minhas bagagens despachadas, a outra foi uma mochila normal que coloquei alguns acessórios de surf e  na bagagem de mão foi o equipamento fotográfico;
       Obs1. Para a nova ida a CR (jun/18) vou levar menos roupas...
      Obs2. A roupa molhada seca em menos de 2 hs se estender na rua durante o dia, na noite ela custa a secar devido a umidade da estação verde;
      Equipamento de surf:
                      Levei capa sarcófago, capa toalha, uma prancha de bboard, pe de pato, lycra, parafina e leash
      Dica:      Acessórios de surf, leashs, parafina, chave de quilhas com catraca, lycra....da pra comprar la. Para terem ideia um leash da FCS premium custa 28u$, chave de quilha FCS com catraca 20U$, lycra 20U$, parafinas de 2 a 3U$, não se jogue na primeira surfshop e nem nas grandes..
      Detalhe: quando fui a primeira vez pude despachar duas malas (prancha e mochilão) e ainda levar uma bagagem de mão (mochila equipamentos fotográficos); Bodyboard, viajando AVIANCA, não paga taxa de prancha desde que ela suja uma das bagagens a ser despachadas....esse ano mudou, poderei despachar, sem custo, somente uma mala de até 23kg ou seja, levarei o sarcófago do bodyboard usando-o também como mala, dentro levarei as roupas e a mochila dobrada...a bagagem de mão continua sendo a dos equipamentos fotográficos...
      RESUMINDO: prancha de bodyboard não paga taxa desde que seja a única bagagem a ser despachada até 23kg
      Lembranças/souvenirs
      As lembranças são muito caras na costa rica, isso pq pagamos em dólares e temos a mania de converter para reais, sempre esquecendo que a realidade é sempre 1x1..mas vamos lá.. para ter ideia um imã de geladeira sai 5U$, uma placa sai 15U$, um crocodilo, raia manta ou perereca  de madeira sai 10U$ cada e são do tamanho da palma da mão.
      Alguém deu a dica de separar uns 50U$ para lembranças, é muito valido é o suficiente...
      Bebida:
                      Agua em garrafa é cara, as pets de 5 litros chegam a custar 15 dolares, o guia disse que esse preço é por causa dos americanos que não tomam água da torneira...também fui informado que a água da torneira pode ser tomada desde que não venha de cisternas, comprei uma garrafa pet de 1 litro e usei ela a viagem toda, enchendo em troneiras...não tive problemas....resumindo, não frequentei muito o banheiro...kkk
      Cervejas, la tem muita cerveja artesanal em quase todo local, cervejas são baratas, na faixa de 4 a 5 U$ a lata de 500ml de cervejas top...as mais comuns na faixa de 2 a 4 U$...consegue-se comprar pack de heineken por 5 dólares com u unidades;
      O café é um caso a parte, tu toma um ótimo café em qualquer soda, cafeteiras estilo americanas, aquelas que aparecem nos filmes nos restaurantes de beira de estrada, o valor é muito variável, uns não cobram, outros cobram míseros 250 colones(0.50 cents de dólar..) ahh..550, colones = 1 dolar, outros cobram 1 dólar e tu enche a caneca quantas vezes for necessário ( no meu caso é sempre necessário...kkk)
      O melhor café que tomei foi no Down Patrol em tamarindo....não tem explicação, quem toma café sem açúcar entenderá o que irei escrever, dependendo do sistema utilizado para moer o sabor, o cheiro e a textura mudam....sensacional
      Surf...ahhh o surf..
      Surfando na CR você se sentira em um filme de surf, ondas perfeitas, com pressão e muitos tubos....das praias que fui, as que peguei as melhores ondas foram Rivermouth, LitlleHawaii e Ollies poit.
      Avellanas river mouth e na saída de um rio, onda abre para os dois lados e indo até a beira...dependendo da maré é um tubo lindo...
      Avellanas Litlle hawaii  é uma direita forte  com tubo e parede, quebra em cima de uma bancada de corais...a direita tbm é surfavel para mais experientes pois quebra ceca em cima da bancada, se errar o drop é acidente certo...
      Ollies point é o sonho de qualquer surfista e bodyboarder, principalmente para aqueles que assistiram Endlles summer, é uma direita linda, lenta, que quebra na saída de um rio, quebrando sempre no mesmo lugar...tu dropa ela e vê aquela muralha de agua se formando, mas ela não vai fechar inteira...ela vai abrir..pedindo manobras, implorando para que tu atrase e pegue aquele tubo dos sonhos..a onda te espera...a onda é tua....se não errar vai até a ultima sessão que é um tubo seco na beira da praia.....sai da onda, rema por de tras do barco e vai pra fila no pico..
      Também surfamos Marbella (pequeno menos de meio metro), Hermosa (pequeno), Esterillos(pequeno).
      IMPORTANTE: respeite a fila, não rabeie ninguém.....se sair no meio da onda não atrapalhe quem vem na onda seguinte....não reme na linha da onda.....não tive estresse no surf, em alguns picos quando tu entra o pessoal já deixava tu pegar a primeira onda de boas-vindas (ollies e Avellanas)
      Lugares que tentarei surfar esse ano:
      boca Barranca, dona ana, Caldeira, el hoyo, roca bruja (vou de carro kkkkkk), Labirints; Playa Grande; Edys Point;
      Lugares a explorar que não fui na primeira vez
      La fortuna- vulcão arenal-Rio Celeste-parque Manuel Antonio-dominical-Roca Bruja
      Estadias.
      Fiquei a primeira e última noite no Room2board em Jacó, reservei pelo www.hostelworld.com (tem app) o que facilita para as reservas entre uma cidade e outra, muito conforto, segurança, higiene, estrutura de hotel...vale muito...sendo que essas são as noites de mais cansaço da viagem...
      Na playa negra montamos nosso QG no Almendro Surf Lounge, quarto simples mas com banheiro(agua fria), área externa com piscina e jacuzzi, 100 metros da beira da praia....
       
      Dia 1
      ·         Porto Alegre - San Jose -  Jaco
      Aluguel carro: Toyota Fortune 4x4 7 lugares + Seguro total 1.100U$
      o   Pernoite em Jacó – Room2board 18U$ p/ pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
      Jacó é Surf City, muitas Surfshops, restaurantes (Soda), bares e bem movimentada.
      AGUARDANDO CARRO NA ALAMO
      https://goo.gl/maps/ygVbQrds6J52
      Na ida pra Jaco vale a parada na ponte do rio Tarcoles para ver os Crocks
      https://goo.gl/maps/w33RRbuMck52
      https://goo.gl/maps/ujCG6omiex82
      HOSTEL ROOM2BOARD
      https://goo.gl/maps/4MBjyF62AkQ2
      https://goo.gl/maps/XjGYFLrKvAN2
      Dia 2
      ·         Jaco - Esterillos Este, Centro e Oeste - Playa Hermosa
      o   Pernoite em Jacó – Room2board 18U$ p/ pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
      FOTO ESTERILLOS
      https://goo.gl/maps/9zQrcQhiePL2
      FOTOS HERMOSA
      https://goo.gl/maps/zXJegM5setR2
      https://goo.gl/maps/tfTcmed47Q52
       
       
      Dia 3
      ·         Playa Hermosa – Estrada ate Playa Negra – Playa Negra e Lagartillos
      o   Pernoite na Negra – Almendro Louge 10U$ p/pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
      Na ida passamos por Boca barranca estava minúscula mas suas linhas eram lindas. Esquerdas longas....
      Nosso QG foi na Negra, de lá íamos a qualquer praia da região de tamarindo, tiros rápidos de 1 hora, salvo a ida a Playa de Coco dois dias seguidos para surfarmos Ollies...
      ALMENDRO LOUNGE
       https://goo.gl/maps/ZQWHgSGRV7t
      https://goo.gl/maps/XFvWCg16sw42
      PLAYA LAGARTILLOS
      https://goo.gl/maps/KxdLaEsSpU92
      https://goo.gl/maps/yuvGd3hvaNK2
       
      Dia 4
      Marbella – Bahia de los Piratas – Avellanas
      o   Pernoite na Negra – Almendro Louge 10U$ p/pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
       AVELLANAS
      https://goo.gl/maps/dbUAcGoHcnF2
      https://goo.gl/maps/Ssa6ueFHAVB2
      https://goo.gl/maps/keFCpbN97P62
      https://goo.gl/maps/yNKfVSNM6582
      RIVER MOUTH
      https://goo.gl/maps/PUt4XChyJdo
       
      FOTO BAHIA DE LOS PIRATAS
      https://goo.gl/maps/mVuA6qfieyG2
      https://goo.gl/maps/frKVfTbKxKk
      https://goo.gl/maps/deikPw98Bom
      MARBELLA
      https://goo.gl/maps/vfnRFtFt9F32
      https://goo.gl/maps/dGbNu1YWYf72
      https://goo.gl/maps/hoAA6Edhv2R2
       
      Dia 5
      Avellanas River Mouth – Litlle Hawaii
      o   Pernoite na Negra – Almendro Louge 10U$ p/pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
      FOTOS LITLLE HAWAII
      https://goo.gl/maps/JT3k195UhJF2
      https://goo.gl/maps/mwu2kZxpAZU2
       
      Dia 06 e 07
      ·         Ollies point – Gasto Barco + taxa + lanche 75U$ p/ pessoa p/ dia
      o   Pernoite na Negra – Almendro Louge 10U$ p/pessoa p/ dia
      o   Alimentação: +/- 10U$ p/ pessoa p/dia
       
      Esses dois dias foram corridos mas totalmente alucinantes ou auge da Trip
      No primero saímos da Negra as 5 horas da manhã ruma a Playa del Coco para pegarmos o barco com destino a ollies, muita adrenalina para conhecer e surfar essa onda, swell marcando 1.5m e intervalo de 13 segundos...na ida passamos ao longe por Rocca, da pra ver no horizonte a pedra gigante e a nevoa do lip das ondas quebrado..só nesse visual já percebemos que as ondas estava entrando e o terral soprando.....chegamos em ollies e tinham 2 barcos, um catamarã que pernoitou ali e outro com um grupo de paulistas....mal o barco tinha ancorado nós já nos jogamos na agua...altas ondas....a ond quebra no mesmo local....vem com força, abre aquela muralha a tua frente e o tubo....emoção, adrenalina e sorriso no rosto....tu surfa até cansar..volta pro barco, come algo e volta pra agua...ficamos umas 8 horas surfando...estava bom demais para ir pra Roca....mas prometemos voltar no dia seguinte...
      No segundo dia saímos ainda mais cedo, swell prometendo e queríamos ser os primeiros a chegar no pico..saímos da Negra umas 4hs da manhã..chegamos na playa del Coco e o barco já nos esperava, desta vez um barco um pouco maior com 2 motores. Muito mais rápido e nosso capitão era o Wilber..local gente boa e no mar nos mostrou ser baita surfer...
      Chegamos em ollies e só tinham 2 na agua, era o pessoal do catamarã que estava passando o final de semana na região...imagine a cena..chegar no paraiso, ondas clássicas quebrando, 2 na agua?? É de chorar...caímos e fomos pro pico, ao chegarmos os surfistas que já estavam la, desde as 5 hs da manhã segundo eles, falaram que pegariam mais duas ondas e iriam embora....como prometido, foram para o bote e depois rumo ao catamarã...surfamos sozinhos até o meio dia..quando chegaram dois barcos um com uma equipe americana e outro com uma família do RJ...mais tarde chegou um barco com uma família japonesa com dois guris que entraram e quebraram no surf....
      Mais uma vez, estava tão bom e clássico que nem pensamos em arriscar ir pra Roca..surfamos ollies até não aguentar mais, não ter  mais braço para a remada...
      Na volta ao continente passamos em Roca para curtir aquele visual, energizante, emocionante. Sem explicação....
      Ao chegarmos no continente descobrimos pq ollies estava vazia, naquele mesmo dia entrou swell em Pavones e a costa rica toda desceu....hehehe
      Quem nos atendeu na Boat trip foi a equipe Go South Adventures CR insta @gosuuthadventurescr solicite o capitão Wilber
      Fotos Ollies
      https://goo.gl/maps/P8YF8rMkEy12
      https://goo.gl/maps/M4VzFUHuyk52
      https://goo.gl/maps/igBwhf39QeP2
      https://goo.gl/maps/8DTtSfoP5hu

      FOTOS Roca BRUJA

      Dia 8
      Avellanas – Bahia de los Piratas
      o   Pernoite na Negra – Almendro Louge 10U$ p/pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa




      Dia 9
      Playa Negra – Estrada para Jacó – Playa Hermosa
      o   Pernoite em Jacó – Room2board 18U$ p/ pessoa
      o   Alimentação: +/- 15U$ p/ pessoa
       
      Dia 10
      Jacó -  San Jose – Porto Alegre
       
    • Por gstabelin
      Pessoal, segue meu primeiro relato escrito aqui, sempre estou de olho mas nunca havia postado um relato ou mesmo participado ativamente, mas agora acredito que possa contribuir mais vezes, segue o meu último mochilão, fiz sozinho em julho-2014 Cuba, Costa e Panamá.
       
      CUBA: HAVANA- SANTA CLARA – REMEDIOS- TRINIDAD(8 dias)
      COSTA RICA: ALAJUELA – LA FORTUNA – PUERTO VIEJO(6 dias)
      PANAMÁ: CIDADE DO PANAMÁ – SAN BLAS ( 5 dias)
       
      O objetivo dessa viagem era originalmente conhecer Cuba e o Panamá em duas semanas, era o tempo que eu tinha disponível, deixei o Panamá por último, pois pretendia trazer um PS4 e mais algumas muambas.
       
      A viagem para Cuba não teve motivo ideológico, estava muito a fim de ver os carros antigos, construções e praias. Cuba é um grande museu automobilístico a céu aberto e em movimento, havia tb a curiosidade de ver como funciona um país socialista, apesar de que aos poucos o país está se abrindo e evoluindo muito rápido.
       
      Durante as pesquisas para a compra das passagens não consegui achar um bom preço mesmo com antecedência, numa dessas pesquisas incansáveis, vi que o trecho Havana – Alajuela( San Jose, CR) estava cerca de R$500,00 mais barato do que para a cidade do Panamá, sempre tive a curiosidade de conhecer a CR, daí pensei, pq não agora.... A partir disso consegui mais uns dias e fechei a viagem toda com 19 dias. Consegui casar a passagem de Ida e volta com a Avianca, ida para Havana e volta pela Cidade do Panamá, sempre com conexão em Bogotá, comprei o trecho de Havana para Alajuela a parte ,pois não consegui comprar junto, esse voo com escala em San Salvador.
      Passagem ida e volta com taxas R$2100,00
      Passagem Havana- Costa rica com taxas R$600,00
       

       
      Visto e exigências:
      Somente Cuba exige o visto, vi alguns relatos que a COPA e a AVIANCA forneceriam o visto, a informação sobre a COPA estava mais clara, mas sobre a Avianca não confiei muito nos relatos que já eram um pouco antigos, entrei em contato com eles e me informaram de modo curto e grosso que não passam informações consulares. Enfim acabei indo no consulado de Cuba em São Paulo, paguei a taxa(R$45,00) e o visto foi impresso com os meus dados.
      Em Bogotá, a Avianca estava vendendo o visto no balcão de embarque .... então não posso confirmar se eles sempre fornecem o visto durante o embarque , não sei se vale o risco.
      Na Costa Rica é exigido o comprovante internacional da vacina de febre amarela, me pediram no check in em Havana e na Imigração em Alajuela.
      No Panamá e Costa Rica eles podem solicitar o comprovante de saída do país, imprimi todos os meus trechos mas só me pediram isso no Check in em Havana.
       
       
      CUBA-
       
      Em Cuba circulam duas moedas, o peso convertível chamado CUC destinado aos turistas e o peso normal para os Cubanos, o CUP, o CUC vale mais ou menos U$$1 dólar, mas para realizar o cambio a melhor opção é levar EUROS e foi o que eu fiz, pois o dólar tem uma taxa extra.
      Vale muito a pena conseguir uns CUPs, não havia trocado de início mas no meio da viagem troquei e poupei algumas moedas na hora de comer.
       

       
      1° Dia Havana
       
      Comecei mal, o voo de GRU para BOG foi num A319 e meu assento era na última fila, o assento não reclinava, talvez foi o pior trecho que já voei haha, principalmente por ser noturno e não ter uma posição boa para dormir... , ao menos havia sistema multimídia para distrair, foram 5 horas longas.... O Segundo voo saiu atrasado de Bogotá em cerca de 2 horas, quando chegamos em Havaná já era 16 h , um calor infernal como há muito não havia sentido no Brasil, como meu voo estava atrasado ele encavalou com mais uns 4 voo internacionais , a imigração ficou lotada , fiquei uma hora na fila. Já estava ficando preocupado, pois tinha feito a reserva numa casa e combinado de um táxi me pegar no aeroporto, como já havia acumulado umas 3 horas de atraso pensei que não estariam me aguardando, mas assim que saí do aeroporto lá estava o Carlos, o motorista gente boa com uma placa com meu nome. A imigração foi tranquila , nada diferente de outros países. Fiz um pouco câmbio no próprio aeroporto. Táxi já acertado anteriormente 25 CUC.
      Do Aeroporto até o centro de Havana é uma distância razoável, havia pesquisado e dificilmente conseguiria chegar lá sem ser táxi.
      Em Cuba os hotéis são muito caros e não vi muita info sobre hostels, então temos a opção de se hospedar nas casas de algumas famílias, antes da viagem havia imaginado que seria um ambiente familiar, mas tive a impressão de que são pousadas, talvez com a experiência o pessoal meio que caminhou para profissionalizar o esquema, algumas casas contam até com funcionário.
      Fiquei na Casa Pablo(http://www.casaparticular.org/viewproperty.asp?code=HAV107&Lang=0), 30 CUC , tentei negociar o preço sem sucesso , mas consegui um café simples incluído, o café seria mais 5 CUC.
      Casa muito boa, bem localizada, fica próximo do museu da revolução e do malecon, o quarto tinha AC Split e TV, a cama e chuveiro eram bons.
      Assim que cheguei na casa perguntei como poderia ligar para o Brasil , precisava avisar que havia chegado e estava vivo, o Pablo disse que seria quase impossível fazer uma ligação internacional, até é possível mas seria complicado, ele me indicou ir no Hotel Parque central e comprar um cartão de internet, 8 CUC para 1 hora.
      Coloquei uma bermuda e um chinelo e saí para usar a internet, a essa altura já estava morrendo de fome. Saí e fui andando no Passeo del prado que era próximo da casa, ali é pior lugar para caminhar , te abordam por todos os lados te oferecendo de tudo, charutos, chicas, almoço, café e tudo mais. Conheci os famosos Jineteiros, como já havia lido muito sobre isso, já estava esperto, mesmo assim é difícil não dar atenção, são muito insistentes e bons de papo chegam a ser chatos, perguntam da onde a gente é, depois já vai emendando conversa até pedir algo, querer te vender aquele charuto COHIBA mais barato que nas lojas, e aqui vai um ALERTA, NÃO COMPREM CHARUTO NAS RUAS, no primeiro dia já encontrei uma família brasileira que caiu nesse golpe ,deixe para comprar nas lojas oficiais, geralmente nos hotéis mais top tem.
      Cheguei no hotel parque central, comprei o cartão e avisei pra minha família que estava vivo, usei esse cartão até o final da viagem, usei poucos minutos por dia, nem tentem usar Skype pois é bloqueado, wathsapp e facebook são tranquilos. Saí em direção ao Capitólio em busca de algo para comer e já tirar umas fotos dos belos carros antigos que ainda circulam em Cuba.
      Assim que saí na praça um rapaz me abordou e me ofereceu para dar uma volta nos carros antigos pela cidade, já estava meio cabreiro com tanta gente me abordando e tb aquele clima de cidade nova, tudo estranho, papo vai papo vem, confiei , o carro passaria nos principais pontos, seria bom para ter uma referência da Cidade. Negociei com ele uns 20 minutos, tinha me pedido 30 CUC, depois abaixou para 25 CUC e chegamos no 18 , escolhi um chevy belair conversível azul e branco , o tour leva cerca de 1 hora, o motorista explica bem os locais e tudo mais, achei que valeu a pena, faria de novo.

      Já estava escurecendo e voltei para a casa tomei um banho e fui deitar um pouco, depois saí para jantar, achei um restaurante simples perto, comi e fui dormir.
       
      2° Dia Havana
       
      Nesse dia havia combinado com o Carlos para me levar no terminal da VIAZUL , é a única empresa rodoviária para turista, existe uma outra para cubanos, mas não arrisquei , parece que os ônibus são bons tb mas fiquei com medo de ser barrado ou algo do tipo, acredito que as passagens são bem mais baratas . Passagens compradas para o dia seguinte 18 CUC, depois pedi para ele me deixar no Hotel Nacional. Tudo por 6 CUC.
       
      Cheguei no hotel nacional, ambiente fino, estava tendo uma conferência com uns chinenes, dei uma volta tirei umas fotos e fui ate o barranco em direção ao malecon, ali tem uma trincheira , é tipo um museu que explica sobre o período da guerra fria, um senhorzinho simpático toma conta do local e me explicou tudo detalhadamente, demos a volta em toda a trincheira, show de bola, no final dei 1 CUC de gorjeta.
       

       
      O sol já estava ficando alto e o calor insuportável, para economizar umas moedas resolvi voltar caminhando pelo malecon , passei na casa antes de ir para o museu da revolução, o próximo destino.
      Quase uma hora andando, cheguei na casa, tomei 2 litros d agua e fui para o museu, muito grande, tem muito informação, fotos e vários monitores a disposição, ao lado tem uma praça com uns aviões, tanque e carros muito legal.
       

       
      Próximo ao Museu tem o edifício Bacardi, é possível subir no topo dele, tem uma bela vista 360 de Havana, paga-se 1 cuc.
       

       
      Parti em direção a Calle obispo, a principal rua de comércio, ali tem as Cadecas(casa de câmbio oficial) , comi num restaurante um franguinho muito bom, gastei 6 cuc com a cerveja.
      Fui até o Castillo da Fuerza Real que fica na Bahía de Havana e depois fui andando pelo centro em busca do museu do automóvel que estava no guia Lonely planet mas não achei.
       


       
      Tem uns museus interessantes da região, como uma antiga armaria e um museu de bombeiros.
       

       
      Caminhei pela Bahia de Havana em direção a Estação Central , somente para conhecer pois me passaram a informação de que os trens não são muitos pontuais, mas parece que tem ligação por toda a ilha com serviço regular, quem sabe numa próxima viagem com mais tempo. Já estava morto de tanto andar, combinei com um taxista para levar para a casa por 2 CUC.
       

       
      Cheguei tomei outro banho e descansei um pouco peguei um táxi até o Castillo de los três Reyes Malgos del Morro, , conhecido popularmente como Castillo del Morro no outro lado da Bahia, 5 CUC sem choro, tinha intenção de subir no farol mas ele fecha as 6pm e o Castillo as 7 pm, então quem quiser subir tem que chegar antes.
      Do Lado do Castillo tem a Fortaleza de San Carlos de La Cabanã, local que acontece o famoso canhonzaço as 9 pm, lá dentro tem um restaurante bacana, comi algo e fui ver o pôr do sol e depois ver o espetáculo do canhonzaço.
       

       
      Na volta para a casa fui ver um táxi e tinha centenas na saída da fortaleza, um rapaz me abordou e pediu 8 CUC , negociei e iria pagar 6 CUC, iria pois assim que o taxi chegou na casa dei 6 contado e o táxi falou que era 8, discuti com ele, e o bixo ficou exaltado para arrumar treta, acabei pagando 8...
      Depois dessa eu aprendi que toda vez que fosse negociar um táxi já pagaria no começo para não ter dor de cabeça depois.
       
       
      3° Dia Havana – Santa Clara- Remédios
       
      Acordei cedo e fui para o terminal da Viazul.
      O ônibus saiu pontualmente as 8:40 e a viagem foi tranquila, ônibus novo com AC, cerca de 4 horas até Santa Clara com uma parada para comer, um fato curioso foi que no meio da viagem os motoristas trocaram de posição com o busão em movimento, tinha uns gringos que ficaram assustados , ouvi “oh my god” repetidas vezes hahaha .
      Chegando em Santa Clara o terminal estava uma zona, assim que o pessoal descia do ônibus já tinham 3 , 4 pessoas oferecendo de tudo, fiquei até meio perdido com um senhor me oferecendo um tour com seu taxi de forma agressiva, como que se eu fosse obrigado a fechar com ele, estava buscando info de como deixar a mala ali e depois de como ir para Remédios, já estava ficando puto, nesse dia saí com a camisa do Corinthians e em meio a muvuca, alguém me cutuca e pergunta se eu era Brasileiro, eu disse opa, daí conheci o Victor, que estava fazendo quase o mesmo roteiro que eu. Ele já tinha deixado a bagagem guardada e já sabia dos esquemas do tour em Santa Clara, deixei minha bagagem e o senhor continuava atrás da gente, enfim negociamos com ele para guiar pelos principais pontos de Santa Clara e depois voltaríamos ao para tentar chegar em Remedios no mesmo dia.
      Fomos no Memorial do Che, no Monumento do trem Blindado e no local que tem a estátua do Che com o ninho.
       

       
      Ele tinha um Chevy , estava novinho, fechamos o tour por 6 cuc, sem pressa, no nosso tempo, só de andar no carro dele já valeu a pena.
       

       
      Depois ele levou num lugar para almoçar, um lugar muito bacana mas não peguei o nome. Acredito que foi a melhor refeição que fiz em Cuba. Cerca de 10 CUC
      O senhor disse que o filho dele também trabalha com táxi e poderia nos levar a Remedios, fechamos com ele por 20 CUC, e tinha ar condicionado \o/\o/\o/.
      Após uma hora de viagem, chegamos em Remédios, cidadezinha que parou no tempo, muito tranquila, o Victor tinha indicação de uma casa e foi a melhor hospedagem que tive em cuba , o quarto para nos dois saiu por 15 CUC , tinha AC, cama e chuveiro bom. Casa da Yunai(http://cubacasas.net/cities/remedios/lalucia/) , super gente boa e atenciosa, preparou uma lagosta por 10 CUC que foi a melhor da viagem.
       

       
      4° Dia REMEDIOS - CAYOS
       
      No dia anterior combinamos com a YUNAI de um táxi nos levar até o Cayo Santa Maria e Las Brujas por 30 cuc o dia todo no nosso tempo. O caminho é fantástico, chamado de El pedraplén
       

       
      Fomos Primeiro no Cayo Santa Maria numa praia que parecia ser a única aberta sem estar cercada por um resort , se tornou uma reserva a pouco tempo, o motorista deixou a gente lá, tem que atravessar a mata por uns 500 metros e depois chega na praia, tem um monitor que toma conta e tem que pagar 3 cuc para ele, praia fantástica, uma piscina, nunca tinha visto algo como aquilo.
       

       
      Ficamos umas horas por lá e partimos para o Cayo Las Brujas, entre esses Cayos tem uma vila que atende os resorts, com restaurantes, boliche, etc. Paramos ali e comemos um lanche .
       

       
      Depois partimos para uma praia que é mais acessível para Cubanos e estava lotada, fomos andando pela praia até uma parte mais tranquila onde tinha um resort, “ tomamos conta’’ das cadeiras até a hora de ir embora.
       

       
       
      5° Dia REMEDIOS-TRINIDAD
       
      Não existe uma ligação direta da Viazul entre Remedios e Trinidad, teríamos que voltar até Santa Clara, provavelmente de táxi e pegar o ônibus que sairia a tarde para Trinidad, ou seja perderíamos o dia,
      A Yunai então deu a dica para fazer o trajeto de táxi coletivo, mas um direto ia ficar muito caro, então ela traçou um roteiro para nós , o único receio foi por conta de ser um domingo e talvez não teriam muitos táxis disponíveis.
      Então o primeiro táxi pegou a gente na casa as 7 am.
      Remedios - Placetas 10 CUC
      Placetas – Camayguan 6 CUC
      Camayguan – Sanct Spirits 4 CUC
      Sanc Spiritis – Trinidad 6 CUC (esse por pessoa)
       

       
      O esquema desses táxis é que eles são coletivos , normalmente eles esperam o carro encher e partem, como era um domingo e não queríamos perde tanto tempo, já íamos fechando logo com o motorista, a exceção foi o ultimo que a viagem é mais longa e ficaria mais caro, e aconteceu algo irado.
      Assim que chegamos em Sanct Spiritis no terminal de ônibus o nosso motorista perguntou para um outro taxista do outro lado da rua se ele estava saindo para Trinidad e ele confirmou. Então pegamos nossas coisas e caminhamos até o táxi, mas assim que chegamos ele viu que éramos gringos e meio que desconversou e disse que não estava saindo, então pensamos fudeu... Entramos no terminal para ver se tinha algum ônibus e ele já tinha saído.... Voltamos para a rua e fomos insistir mesmo sem entendo o que passava, nesse meio tempo tinha chegada uma van trazendo uns turistas e esse motorista ofereceu para nos levar por 20 cuc, achamos caro e fomos insistir com o taxista. Ele disse para aguardar um pouco que ia sair, ele ia cobrar 6 por cabeça, então fechamos com ele, ainda estávamos no lucro e pela distancia o valor era razoável, entramos no carro e começou a entrar mais gente, fomos em 8 num carro americano tipo perua, no final da viagem o pessoal pagou cerca de 2 a 3 cuc e os gringos trouxas aqui pagaram 6, daí questionamos ele pq de cobrar o dobro da gente e tal e começamos a bater boca com ele, no final deixamos quieto e pagamos os 6 combinados, mas ficamos puto.
       

       
      Chegamos em Trindad antes do meio dia.
      Buscamos a casa que o Victor tinha pego referência, Casa da Nairobi ,no nosso quarto o AC estava muito fraco e a cama não era das melhores, mas indico como uma segunda opção. 15 CUC por quarto, ela preparou uma lagosta excelente por 10 CUC.
      Pegamos informação e fomos atrás do ônibus que levam para a Praia na Península Ancon, mas ele só sairia as 2 pm por 2 CUC ida e volta , para não perder tempo perguntamos para alguns taxistas e ficaria de 5 a 6 cuc, no fim achamos 3 argentinas e rachamos um táxi maior que ficou 8 no total. Praia é legal, mas nada diferente que temos no litoral norte de sp, por ex, talvez por eu ter ido nos cayos no dia anterior não achei a Peninsula Ancon tão bela.
       

       
      Na volta fomos pegar o ônibus pensando que íamos pagar 1 cuc por pessoa, mas não, o bilhete é único. 2 cuc para ida e volta, então pagamos, as argentinas ficaram bravas e foram atrás de táxi... Pegamos o último ônibus as 6 pm, ficou lotadaço, como pegamos ele no ponto inicial fomos sentados, mas o trajeto é curto, então suave.
      Toda noite rola numa escadaria próximo a Igreja um tipo de show, conhecido como Casa de lá musica, começa cerca de 9 pm, muito bacana.
       

       
      6- Dia TRINIDAD
       
      Acordamos cedo e fomos numa cachoeira no vale dos engenhos de cavalo, custou 15 cuc por cabeça e um guia nos acompanhou, valeu muito a pena, a região é belíssima, fizemos no nosso tempo sem correria, e o cavalo dava umas galopadas legais, fantástico, a cachoeira estava com pouca água, reflexo da falta de chuva dos dias anteriores, mas só pelo passeio com cavalo valeu a pena.
       

       
      Na volta Tinha a opção de almoçar num rancho , mas achamos caro e partimos para Trinidad, deixamos o cavalo, pagamos uma caixinha para o guia , no caminho para casa achamos um restaurante que tinha os preços em CUP expostos na janela, achamos muito barato, entramos com desconfiança mas acabamos comendo lá, tinha uns 3, 4 sucos naturais muito gostoso, foi o lugar mais barato que comi, valores irrisórios, ficou 1-2 CUC contando com uns 6 copos de suco , ganhei o dia hahaha.
       
      No meio da tarde demos uma volta com calma na cidade e subimos o morro da antena para tirar uma foto do pôr do sol e da península ancon. Na antena tem um vigilante, chamado carlos, uma pessoa muito legal, ele nós chamou para subir numa lage para ter uma vista melhor, me liguei que ele ia pedir uma propina como normalmente aconteceria..., mas fomos, ele gosta de conversar, foi o melhor papo que tive sobre o sistema,foi uma troca de experiência legal, nos explicou de forma clara como tudo funcionava em Cuba, tiramos muitas dúvidas com ele, ficamos umas 3 horas batendo papo, no final demos uma propina como forma de agradecimento.
       


       
      Na volta já estava de noite e fomos novamente para casa de La musica e nesse dia estavam cobrando 4 ou 5 cuc para entrar, até isolaram a escadaria com uma corda, não entendemos mas pagamos, ficamos um pouco lá e o Victor encontrou um casal de Brasileiros que veio no voo junto com ele, tomamos uma gelada e fomos para uma balada dentro de uma caverna que por coincidência ficava no caminho do morro da antena, o ambiente é muito louco,uma caverna mesmo haha nunca vi nada como aquilo, mas a balada em si é bem fraca, tocando músicas de 10 , 15 anos atrás , tipo Britney spears, me lembrou as festas de debutantes kkkk. Ficamos pouco e vazamos
       

       
      7- Dia TRINIDAD - HAVANA
       
      No dia anterior combinamos com a Nairobi de pegar um táxi coletivo para Havana no mesmo preço da Viazul, com a comodidade de sair mais cedo e ser mais rápido. Blz, combinamos as 7 am e o táxi chegou as 7.30, era um Peugeot 207 novo , alugado, o motorista ainda foi abastecer, engraçado que ele parou o carro numa casa ao lado do posto e completou o tanque com uns galões, ai me veio em mente a conversa do dia anterior , o jeitinho cubano de sobreviver, em cuba existem dois sistemas, o que o governo cubano acho que existe e o que realmente existe.... ele abasteceu e ficou enrolando um tempo , perguntamos se ia demorar muito e blefamos dizendo que a gente ia perder o voo em Havana, daí partimos quase 8 am.
      Viagem de quase 4 horas, chegamos em havana e fomos na casa onde o Victor havia se hospedado assim que chegou em Havana, lugar muito bacana, mas não tinha mais quarto, então ela nos levou numa vizinha, 25 cuc, local bom tb, mas não anotei a referência . Dei umas dicas de Havana para o Victor e ele me passou algumas, então nós separamos e combinamos de se encontrar no parque central no fim da tarde para racharmos um tour de carro antigo novamente , foi tão massa que iria repetir, hahaha, só que choveu e não deu certo, a chuva parou logo depois e como o Victor não tinha ido no Castillo de los três Reyes, fechamos um táxi até lá, eu estava doido para entrar no farol, massss chegando lá estava fechado por causa da chuva, até argumentei que já tinha parado de chover há 1 hora, mas não teve jeito, vai ficar para uma terceira visita...
      Dia estava acabando e o Victor tinha visto um restaurante que tinha uma lagosta por um preço bom , 12 cuc, para havana estava barato, comemos lá, rolou uma briga numa mesa ao lado de uns mexicanos haviam cobrado a mais deles, blz, na nossa vez ficamos espertos e aconteceu a mesma coisa, cobraram além de 10% uma taxa de serviço absurda, no total ia ficar quase 40 cuc para nos dois, batemos o pé é só pagamos os 10%, detalhe que em nenhum lugar tinham me cobrado isso em cuba e o garçom avisou antes que cobraria os 10%, mas somente essa taxa... e não a outra, blz, problema resolvido, fomos na Bodeguita del Médio tomar o famoso mojito, mas nem tomamos, muito caro, hahaha.
       

       
       
      8 –Dia HAVANA
       
      O voo do Victor era bem cedo, então nos despedimos ele foi rumo ao aeroporto. Eu ainda tinha a manhã livre antes do meu voo que era no meio da tarde. Nesse dia aproveitei para tirar fotos dos carros e dos principais pontos de havana com calma, peguei o ônibus turístico que circula praticamente na cidade toda com o esquema hop on hop off , 5 cuc , ele sai do parque central.
       


       
      Voltei para a casa antes do meio dia, arrumei minhas coisas e peguei um táxi para o Aeroporto. Negociei por 20 cuc.
      No Aeroporto tem que pagar uma taxa de 25 cuc antes de embarcar após o check in, detalhe , como cheguei muito cedo no aeroporto, antes de fazer o check in dei uma volta para comprar umas lembranças e vi que tinha uma fila gigante num guichê para pegar tal taxa, mas no outro lado do tinha outro guichê e não tinha ninguém, não tive dúvida depois que fiz o check in fui no outro e nem peguei fila, ganhei uns 30 minutos haha. Fica a dica, principalmente pra quem chegar em cima da hora.
      Tudo ocorreu normal e peguei meu voo para Costa Rica com conexão em San Salvador , numa das filas conheci um Costarriquenho e ficamos batendo papo, por coincidência quando cheguei em Alajuela as nossas malas foram as últimas a sair, então para não ser enganado pelos taxistas perguntei para ele quanto sairia um táxi até o meu hostel, o maluco fez questão de ir comigo negociar o preço com o taxista, acertou tudo pra mim. Hahaha, peguei o táxi até o Hostel Alajuela backpackers, pertinho do aeroporto, paguei 4 dólares.
       
       
      Enfim, Cuba é um país fantástico, voltaria lá tranquilamente, o que mais me surpreendeu foi a segurança, em nenhum momento me senti ameaçado, seja em Havana ou em outras cidades menores.
       
      Continua....




























×
×
  • Criar Novo...