Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Colaboradores

Chegando em Viena, segui as recomendações das meninas brasileiras que conheci em Budapeste e fui me hospedar no Wombats City Hostel, um albergue bacana, onde a galera costuma ser bem animada. Como eu tinha pouco tempo por lá, organizei o meu roteiro rapidamente e caí na cidade.

 

A primeira parada foi no Parlamento, uma elegante construção neoclássica resguardada por uma bela fonte com a deusa grega Atena em destaque. Também na fachada, podem ser vistas as inscrições: “Alle Menschen sind frei und gleich an würde und rechten geboren. Sie sind mit Vernunft und Gewissen begabt und sollen einander im Geiste der Brüderlichkeit begegnen”. Em tradução livre: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais. Eles são dotados de razão e consciência e devem reunir-se em espírito de fraternidade”.

 

Caminhando até o Hofburg Palace percebi que Viena é pequena e que aquela região pode ser explorada, tranquilamente, a pé. O antigo palácio imperial foi a principal residência de inverno dos Habsburgos e hoje é endereço da biblioteca municipal e dos museus Silberkrammer (prataria, porcelanas e joias), Kaiserappartments (aposentos reais) e Sissi (que exibe os pertences da imperatriz).

 

Segui para a Maria Theresien Platz, onde encontrei o Museumsquartier, um conglomerado de atrações culturais que inclui o Leopold Museum, renomado museu de arte austríaca, e o MUMOK, o Museu de Arte Moderna que ocupa um dos prédios mais curiosos, e não realmente bonitos, de Viena.

 

Uma checada do relógio me fez perceber que já passara da hora de almoçar. Saí em busca de alguma coisa pra comer e topei com uma barraquinha, próxima aos trilhos dos bondes, que vendia lanches rápidos. Pedi um Schnitzelsemmel (onde Schnitzel é escalope e Semmel é pãozinho), prato típico de Viena. Assim como muitos austríacos, caminhei com meu lanche até o gramado em frente ao Hofburg e armei meu piquenique.

 

Mais adiante, próximo ao Parlamento, encontrei a Rathaus (prefeitura) isolada por alambrados, pois estava sendo preparada para uma festa relacionada a Euro 2008 – a Copa da UEFA, sediada pela Áustria e Polônia naquele ano. Construída em estilo gótico, entre 1872 e 1883, o prédio da prefeitura pode ser identificado de longe por suas torres pontiagudas. Perto dali fica o Burg Theater, inaugurado em 1741. O célebre teatro foi palco de estreias de Mozart, além de ter sido vítima de bombardeios e incêndio durante sua história.

 

Caminhando e observando os belos prédio da capital, cheguei até o Sigmund Freud Museum que ocupa a casa onde o pai da psicanálise morou e trabalhou por 47 anos (de 1891 a 1938). O museu exibe vários pertences do doutor: mala, chapéus, bengala, inúmeros diplomas e a mobília utilizada por ele. Freud, que era judeu, deixou sua residência para fugir do nazismo e viver na Inglaterra – onde faleceu no ano seguinte. Antes de Freud, quem habitou essa casa foi Viktor Adler, cofundador do Partido Social-Democrata da Áustria.

 

Depois da visita a Freud, peguei o metrô até a Stephansdom, a catedral gótica com telhados que formam mosaicos coloridos – e é um dos cartões-postais da capital. Seu interior impressiona pelas enormes colunas de sustentação. Ao redor da catedral, milhares de pessoas cruzam os calçadões ocupados por artistas de rua e lojas para todos os gostos – inclusive para os chocólatras; lá é fácil encontrar as Mozartkugeln, bolinhas de chocolate de amêndoas, com marzipã e pistache (hummm… deu água na boca?), cuja marca leva o rosto do compositor.

 

Ainda tive tempo (e disposição) para visitar o Schloss Belvedere que é constituído por dois palácios separados por um belo jardim. O Belvedere Superior exibe obras de Gustav Klimt, famoso artista austríaco, além de Monet e Renoir. No Belvedere Inferior o destaque vai para a Sala de Mármore e o Gabinete de Ouro – este palácio foi residência de Franz Ferdinand cujo assassinato, em Sarajevo, resultou na Primeira Guerra Mundial.

 

Cansado, voltei para o albergue para me preparar psicologicamente, pois no outro dia conheceria a “temida” (assistiu “O Albergue”?) Bratislava, capital da Eslováquia.

 

Leia o post original com fotos: http://viajanteinveterado.com.br/um-dia-em-viena-austria/

 

Este é o 43º post da série Mochilão na Europa I (28 países). Leia os outros posts da série: http://www.viajanteinveterado.com.br/category/grandes-viagens/mochilao-na-europa-i-28-paises/

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...