Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Colaboradores

Chegando em Viena, segui as recomendações das meninas brasileiras que conheci em Budapeste e fui me hospedar no Wombats City Hostel, um albergue bacana, onde a galera costuma ser bem animada. Como eu tinha pouco tempo por lá, organizei o meu roteiro rapidamente e caí na cidade.

 

A primeira parada foi no Parlamento, uma elegante construção neoclássica resguardada por uma bela fonte com a deusa grega Atena em destaque. Também na fachada, podem ser vistas as inscrições: “Alle Menschen sind frei und gleich an würde und rechten geboren. Sie sind mit Vernunft und Gewissen begabt und sollen einander im Geiste der Brüderlichkeit begegnen”. Em tradução livre: “Todos os seres humanos nascem livres e iguais. Eles são dotados de razão e consciência e devem reunir-se em espírito de fraternidade”.

 

Caminhando até o Hofburg Palace percebi que Viena é pequena e que aquela região pode ser explorada, tranquilamente, a pé. O antigo palácio imperial foi a principal residência de inverno dos Habsburgos e hoje é endereço da biblioteca municipal e dos museus Silberkrammer (prataria, porcelanas e joias), Kaiserappartments (aposentos reais) e Sissi (que exibe os pertences da imperatriz).

 

Segui para a Maria Theresien Platz, onde encontrei o Museumsquartier, um conglomerado de atrações culturais que inclui o Leopold Museum, renomado museu de arte austríaca, e o MUMOK, o Museu de Arte Moderna que ocupa um dos prédios mais curiosos, e não realmente bonitos, de Viena.

 

Uma checada do relógio me fez perceber que já passara da hora de almoçar. Saí em busca de alguma coisa pra comer e topei com uma barraquinha, próxima aos trilhos dos bondes, que vendia lanches rápidos. Pedi um Schnitzelsemmel (onde Schnitzel é escalope e Semmel é pãozinho), prato típico de Viena. Assim como muitos austríacos, caminhei com meu lanche até o gramado em frente ao Hofburg e armei meu piquenique.

 

Mais adiante, próximo ao Parlamento, encontrei a Rathaus (prefeitura) isolada por alambrados, pois estava sendo preparada para uma festa relacionada a Euro 2008 – a Copa da UEFA, sediada pela Áustria e Polônia naquele ano. Construída em estilo gótico, entre 1872 e 1883, o prédio da prefeitura pode ser identificado de longe por suas torres pontiagudas. Perto dali fica o Burg Theater, inaugurado em 1741. O célebre teatro foi palco de estreias de Mozart, além de ter sido vítima de bombardeios e incêndio durante sua história.

 

Caminhando e observando os belos prédio da capital, cheguei até o Sigmund Freud Museum que ocupa a casa onde o pai da psicanálise morou e trabalhou por 47 anos (de 1891 a 1938). O museu exibe vários pertences do doutor: mala, chapéus, bengala, inúmeros diplomas e a mobília utilizada por ele. Freud, que era judeu, deixou sua residência para fugir do nazismo e viver na Inglaterra – onde faleceu no ano seguinte. Antes de Freud, quem habitou essa casa foi Viktor Adler, cofundador do Partido Social-Democrata da Áustria.

 

Depois da visita a Freud, peguei o metrô até a Stephansdom, a catedral gótica com telhados que formam mosaicos coloridos – e é um dos cartões-postais da capital. Seu interior impressiona pelas enormes colunas de sustentação. Ao redor da catedral, milhares de pessoas cruzam os calçadões ocupados por artistas de rua e lojas para todos os gostos – inclusive para os chocólatras; lá é fácil encontrar as Mozartkugeln, bolinhas de chocolate de amêndoas, com marzipã e pistache (hummm… deu água na boca?), cuja marca leva o rosto do compositor.

 

Ainda tive tempo (e disposição) para visitar o Schloss Belvedere que é constituído por dois palácios separados por um belo jardim. O Belvedere Superior exibe obras de Gustav Klimt, famoso artista austríaco, além de Monet e Renoir. No Belvedere Inferior o destaque vai para a Sala de Mármore e o Gabinete de Ouro – este palácio foi residência de Franz Ferdinand cujo assassinato, em Sarajevo, resultou na Primeira Guerra Mundial.

 

Cansado, voltei para o albergue para me preparar psicologicamente, pois no outro dia conheceria a “temida” (assistiu “O Albergue”?) Bratislava, capital da Eslováquia.

 

Leia o post original com fotos: http://viajanteinveterado.com.br/um-dia-em-viena-austria/

 

Este é o 43º post da série Mochilão na Europa I (28 países). Leia os outros posts da série: http://www.viajanteinveterado.com.br/category/grandes-viagens/mochilao-na-europa-i-28-paises/

  • Gostei! 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 anos depois...

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
×
×
  • Criar Novo...