Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Posts Recomendados

  • Membros

Olá pessoal minha primeira contribuição para esse site que já me ajudou bastante. Acabei de voltar dessa viagem e aqui vão as dicas com erros que cometi, aliás só tenho dicas porque errei muito rsrsrsrs.

 

Primeiro queria falar sobre a passagem. Sempre que se procura voos para a América Central eles são bem caros, comparados a voos para a Ásia. No meu caso comprei pela Avianca para El Salvador porque lá é um hub da companhia e se vc pesquisar vai ver que os voos para El Salvador são mais baratos que para toda América Central e México, mas isso foi quando pesquisei, claro que muda muito, mas considere El Salvador como opção para voo mais barato. No meu caso paguei 2.300 mais 180 para o decolar.com de comissão em dezembro, que é alta temporada, e comprando com 3 dias de antecedência se fosse outra época e bem programado poderia ser mais barato. Só mais uma coisa comprei ida e volta por El Salvador e achei que isso foi um erro, deveria ter comprado multiplos destinos com chegada em El Salvador e volta por Cancún ou vice e versa já que iria até o México e não teria que voltar tudo de novo. De qualquer forma dei meu jeito e voltei conhecendo outros lugares.

 

Superada essa parte da passagem, vamos à viagem que é o que importa:

 

Cheguei em El Salvador e tive que pagar 12 USD para entrar no país, o aeroporto é longe da cidade, mas se chegar de dia há ônibus público que te leva até o centro da cidade, ah a moeda local é USD, no centro da cidade fui procurar como chegar noHostal Cumbres del Volcan Flor Blanca. Deu um certo trabalho pergunta aqui e ali e nos trancos e barrancos cheguei de transporte público, mas aconselho pegar um taxi não é longe do centro e por isso não deve sair caro. Passei a primeira noite lá e como minha viagem era bem corrida com muita coisa para conhecer já queria sair no outro dia para a Guatemala, MAS estava cansado e dormi até tarde o que não deu para concluir o plano, sendo assim, fui em um balneário na cidade e depois para a praia de Tucum que fica 40 min da cidade e se pode ir de transporte público. Agora foi engraçado, quando voltei conversei com uma amiga e ela me falou de um vulcão na Nicarágua que se pode ver as larvas, além de ter me falado bem da Nica. Sendo assim, mudei meus planos, viagem totalmente aberta permite isso, inves de ir para Guate, fui primeiro para a Nica ::otemo:: e melhor peguei algumas info de como ir de chicken bus ou transporte público. É simples não ter que pagar shuttle ou ônibus turístico até a Nica. Basta seguir os conselhos deste blog: http://www.alongdustyroads.com/posts/2014/9/25/crossing-borders-el-salvador-to-nicaragua-via-honduras

basicamente é ir para a fronteira até Honduras, pegar um shuttle de uma fronteira de Honduras para a outra 2,5h de van e pegar um outro ônibus da fronteira para Leon.

WP_20161203_066.jpg.28adf1aa3a6f511638280c0011d1edc3.jpg

 

 

Ah só mais uma coisa: Eu fiquei a primeira noite na cidade de Salvador, mas vc também pode passar a primeira noite na praia de Tucum, embora não espere uma praia brasileira. A praia é um pouco feia de areia negra por causa da atividade vulcânica, porém é otima para surf, por isso é um reduto de surfistas, mas não sei como chegar lá do aeroporto, talvez só por taxi que pode custar 30 USD.

 

Leon

continuo ...

Parte 2

WP_20161204_021.jpg.2b16f0c386cbdc530d93584777e62001.jpg

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

Parte 1 da viagem

Continuando a parte I ...

Enfim, cheguei em Leon e agora veio a parte boa. Leon é uma cidade legal, estilo colonial, esperava apenas passar uma noite lá e depois ir para o parque do vulcão Masaya, mas acabei ficando mais tempo por lá graças a uma festa de La Imaculada Concepcion que iria acontecer e que era uma das mais importantes para eles, pois se não me engano é a padroeira do país e pessoas de todos os lugares da Guatemala estariam lá para celebrar, tanto que no hostel só consegui uma rede exposta ao luar e mais nada rsrsrsrs. Foi ótimo, sai nas ruas, parecendo noite de halloween, todas as casas ficam abertas com altares, festas, música e distribuindo doces para quem pedir, bastava usar uma palavra mágica que esqueci agora, mas ao falar eles respondiam como uma contrasenha e lhe dão doces, muito legal, me senti criança correndo pelas ruas, fantástico tudo muito simples, mas adoro esse negócio de cultura popular, principalmente pulsando na vida das pessoas mais simples.

Tenho algumas fotos de Leon no instagram e irei colocar algumas aqui também. 

instagram: raimundo_junior__

Ah e ainda teve o desfile das Gingantonas que são como os bonecos de Olinda para simbolizar as estrangeiras que erão mais altas que o povo local rsrsrsrs. Feito isso fui para o objetivo da viagem na Nicarágua que era conhecer o Vulcão Masaya e suas larvas, como disse, sou louco em vulcões. AAAAhhhhhhhhhh, mas já estava esquecendo, antes do Masaya tive a grata surpresa de conhecer outro vulcão perto de Leon e esse foi uma aventura para chegar lá porque fui só com Deus acampar do lado dele, ninguém mais. O Masaya é legal, é possível ver larva, mas é um parque nacional, se chega lá de carro e só pode permanecer 15 minutos na cratera, mas em viagens o mais bacana para mim é o inesperado, e nessa viagem tudo estava em aberto e NUNCA tive uma viagem em que todo o roteiro foi construído só viajando, pois não sou como muitos viajantes por aí que tem 6 meses, anos para irem descobrindo o mundo, no meu caso é apenas a viagem de 30 dias das minhas férias e aí tem que ser bem aproveitado, mas na América Central, tudo foi construído na hora e assim veio uma gratíssima surpresa da viagem. Descobri  que tinha um vulcão próximo da cidade e que podia se acampar lá, me deu um certo medo em ir sozinho, mas não pensei duas vezes em procurar um lugar para alugar uma barraca e me mandar para o vulcão. Posso dizer que foi incrível. Sou meio lerdo, mas por um milagre em um dia consegui alugar um equipamento de camping que parecia impossível em Leon, o cara que me alugou era bem legal me deu algumas dicas e no dia seguinte fui embora.

Peguei um ônibus no terminal da cidade, um chicken bus lotadíssimo para variar, mas bem legal ao lado de uma senhora simpática que me contou histórias do vulcão que ainda está ativo e que já destruiu a cidade de uma forma bem catastrófica, segundo ela, e assim cheguei no meio do nada onde tinha pedido para o motorista me deixar. Saltei do ônibus procurei a ponte que tinham me falado e consegui ver o vulcão sem acreditar, rsrsrsrsrs, Era longe pra car*******, teria uma longuíssima jornada pela frente, mas já tava lá né. Peguei a trilha morrendo de medo de me perder, porque eu sempre me perco nas trilhas, caminhei, caminhei, encontrei apenas gado e uns poucos moradores, mas vc só sobe e tem uma hora que não tem mais propriedades, só mata, pois já é parte da área protegida do vulcão. Ah o nome do vulcão é Telica, mas tem um outro nome que eles chamam lá, bem parecido, mas esqueci agora. Tah, então, quando chegando perto do vulcão começa a cair a noite e assim segui pela trilha na mata, no meio da noite, rezando para minha lanterna que tinha alugado, com as pilhas que ela já tinha, para não acabar e ficar no escuro. Passei por algumas placas bem legais do tipo: agora você está entrando em uma zona vulcânica perigosa, que o vulcão está ativo, que dali para frente é por sua conta e risco e etc..., mas era o que eu queria acampar perto do vulcão. Por um milagre, já que sou o maior perdido do mundo em trilhas, dessa vez não me perdi, no outro dia com a luz do dia para voltar peguei vários caminhos errados, foi Deus que me levou certinho para o ponto onde se acampa. Achei o local a noite, montei minha barraca, joguei a mochila para dentro e aí vem aquela sensação: Sem ninguém só vc e Deus, naquele lugar com a sua barraca e uma cratera enorme ali do seu lado soltando fumaça, com placas alertando do risco do vulcão jogar pedras e o céu estrelado, foi massa. 

Segui do ponto onde deixei a barraca numa caminhada que levava de fato para a boca da cratera. Tem que se caminhar por uma trilha de pedras vulcânicas e aí vc sobe mais uns 50 ou cem metros onde está a boca do vulcão, incrível a sensação, quando se aproxima o barulho é de um jato de avião ligado, exatamente igual por causa dos gases, e o melhor dá para ver a larva lá no fundo quando a fumaça não encobre. Fiquei abobado lá.

Sei que muita gente não é religiosa ou me achariam irresponsável, mas naquele momento, sozinho, só com o barulho do vulcão, com toda aquela força da natureza ali bem perto e as luzes das cidades bem longe com o céu estrelado, tive uma experiência muito boa com Deus, uma mistura de medo e agradecimento por estar ali, posso dizer seguramente que foi uma conexão única, uma experiência fantástica. Depois de uma hora ou mais lá em cima resolvi descer e na descida a lua que era cheia e me ajudou na subida foi embora e tudo ficou um breu, não via mais o vulcão e a única coisa que conseguia ver era o que a lanterna iluminava na minha frente, mas era muito pouco, não consegui encontrar a trilha que usei para subir e não consegui mais localizar minha barraca, peguei várias trilhas erradas e mais uma vez rezei bastante pedindo a Deus que me ajudasse a achar a barraca e assim caminhei, caminhei até que encontrei o caminho e minha barraca, sem luz da lua ficava realmente bem difícil, escuridão total, o interessante é que tinha pedido para Deus me ajudar a encontrar a barraca e quando entrei na barraca e tudo já estava tranquilo a luz da lanterna apagou sozinha, a bateria não tinha acabado, mas começou a ter muito maus contatos, graças a Deus já estava na barraca. 

No outro dia vi novamente a cratera durante o dia e desci, errei o caminho, encontrei um senhor local que me perguntou se tinha visto alguma cobra e para minha surpresa ele disse que no local onde acampei tem várias cascáveis, se soubesse nunca teria ido, rsrsrrsrsrsrs. Exausto cheguei a Leon pronto para as festas que mencionei acima, a cronologia ficou invertida nesse post. rsrsrrsrsrrs

Continuo em um próximo post sobre Masaya e o resto das coisas que fiz na Nicarágua, antes de ir para Guatemala e México. 

 

  • Gostei! 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Silnei changed the title to El Salvador, Nicaragua, Guatemala e México

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por PriPri Nunes
      Olá mochileiros ❤️
      Esse relato é a continuidade do mochilão que fiz esse ano em Fevereiro no México e na Guatemala.
      Se quiserem conhecer um pouquinho desse país incrível que é a Guatemala é só conferir a Parte 1 - Mochilão Maya - Guatemala 😍
       
      🗺️ Nosso roteito no México foi o seguinte:
      14/02 - Transfer para Palenque (vindo de Flores - Tikal)
      15/02 - Palenque
      16/02 - San Cristóbal de Las Casas
      17/02 - San Cristóbal de Las Casas
      18/02 - Oaxaca
      19/02 - Oaxaca
      20/02 - Cidade do México (conexão) - Cancún
      21/02 - Cancun / Isla Mujeres
      22/02 - Tulum
      23/02 - Tulum
      24/02 a 27/02 - Resort
      28/02 - Valladolid
      29/02 - Chichen Itzá - CDM01/03 - Retorno
       
      Antes de iniciar o relato, aquele combo de informações básicas para quem ainda não conhece muito do México
      🇲🇽 Capital: Cidade do México
      💰 Moeda: Peso Mexicano. Para facilitar a conversão R$ 1,00 =  MEX 4,00 / USD 1,00 = MEX 21,00 MEX  * Valores nesse relato sempre arredondados. Pense num país com a moeda tao desvalorizada frente ao dólar quanto o real, é o peso mexicano. É uma excelente opção pra dólar alto, e sim, existe cancun e caribe para pobres.
      🕐 Fuso: - 2h
      👨‍👩‍👧‍👦 Visto: Brasileiros não precisam de visto para turismo – permanência até 180 dias (porém, pela via terrestre houve cobrança de taxa, entrarei em detalhes no próximo post)
       
      ⛔ No início do ano de 2020 o Itamaraty lançou um aviso informando sobre as constantes recusas de ingresso de brasileiros no México. Não deixe de levar impresso todos os seus comprovantes de voos, deslocamentos terrestres, comprovantes de hospedagem, bancário e etc. O endurecimento dos EUA com a imigração ilegal de pessoas vindo do México, e as constantes ameaças de embargos, fez com que o México endurecesse sua imigração. Nós não tivemos problemas na imigração em El Ceibo, contudo, EM TODAS AS VIAGENS de ônibus houve revista de policiais, às vezes, até 3 vezes na mesma viagem. E todas as vezes eles me acordaram para apresentar passaporte, cartão de entrada, e um inclusive me fez uma série de questionamentos. Então, viaje como se precisasse provar tudo. 
       
      📅 Quando ir?
      Na Cidade do México no verão (junho-agosto), os termômetros ficam entre os 12ºC e os 25ºC, em média. No  inverno (dezembro-fevereiro), entre 7ºC e 23ºC. Os meses mais chuvosos são junho, julho e agosto. Os mais secos, dezembro, janeiro e fevereiro. Já na região do Mar do Caribe, que abrange toda a Península de Yucatán, o tempo é quente e úmido quase o ano todo. Nas praias A temperatura fica entre 19°C e 35°C em média, seja inverno ou verão. Os meses mais secos são fevereiro, março e abril. Os mais chuvosos, setembro, outubro e novembro. Essa região do México costuma ser bastante atingido pela temporada de furacões do Caribe, que vai de junho a novembro, sendo que a maioria dos fenômenos ocorre entre agosto e outubro. Essa é a época do ano em que você deve evitar viajar para o Caribe mexicano.
       
      ✈️ Como chegar?
      Os viajantes brasileiros costumam chegar à Cidade do México pelo Aeroporto Internacional Benito Juarez, localizado na parte leste, a cerca de 6km do centro da cidade. O aeroporto tem dois terminais, interligados por serviço de ônibus e aerotrem, um para voos domésticos e outro para os voos internacionais. Do terminal ao centro da cidade há varias opções de transporte: táxi, uber, ônibus executivo e metrô. A Aeroméxico possui voos diários direto de GRU para CDM, a viagem dura quase 10hr.
      Para voos internos, as principais companhias aéreas que operam no país são Viva Aerobus, Volaris, Interjet (low costs) e a Aeroméxico.
       
      🚗 Como se locomover?
      No México opera apenas uma empresa de ônibus que se chama ADO. A ADO oferece várias classes de coletivos para quem quer fazer suas viagens com mais ou menos conforto. Há desde carros de primeira classe – com poltronas totalmente leito e fileiras individuais – até os carros comuns, que são os usados pelos mexicanos em geral, e por mim 😇. A passagem intermediária - ADO GL,  tem telas individuais, e a cadeira deita o suficiente para você descansar, é o melhor custo benefício, mas péssimos horários.
       
      🥘 Culinária
      Restaurantes são lugares tão imperdíveis quanto pirâmides astecas; a comida de rua é tão maravilhosa quanto as praias do Caribe. Por isso, não tenha dúvidas – reserve lugar no orçamento para comer bem. Pimenta no México é assunto sério 😛 Mesmo que você fale "no pica" vai ter pica 😅, principalmente em lugares mais populares, afinal a pimenta não vem só como acompanhamento, tudo é feito com pimenta, eu amo, mas quem não gosta sofre um cadinho rs. Pra vocês terem ideia vi até algodão doce com pimenta 😜
      Qualquer prato mexicano leva milho, seja em grãos, como molho ou, até mesmo, no formato de massa – as amadas tortillas! Duas coisas que eu amei foram o "elote" um milho cheio de molho, queijo, maionese, pimenta, limão, tudo rs e o "mole poblano", uma espécie de ensopado feito com frango ou peru. No molho vão pimentas diversas, mas também tomate, banana frita, amendoim, coentro, canela e mais alguns ingredientes, conforme, claro, a receita de cada um. Mas o ponto marcante do mole poblano é o chocolate. Uma coisa que eu sinto muitassss saudades do México era comer feijão todo dia no café da manhã. 😋
      O mezcal é uma versão mais rústica da tequila. Se você é fã de bebidas destiladas, vai adorar. Em Oaxaca não deixe de visitar uma Mezcaloteca e aprender um pouco mais sobre a bebida. Mas cuidado que o bicho é forte rs.
       
      📌 DICA: A maior rede de lojas de conveniência no México é a Oxxo. Pensa num paraíso para mochileiros. Lanches bons e baratos. Café da manhã, almoço, jantar, sobremesa, sempre dá pra ir no Oxxo. Pegava muito coisas de café da manhã gastando na faixa de 30 MEX - 1,50 USD e hot dog - 2 por 16 MEX - 0,75 USD. Fora as promoções de biscoito e chocolates. Há também 7 eleven e Circle K, mas a Oxxo tem bem mais promoções.
    • Por PriPri Nunes
      Olá mochileiros 💓
      Na falta de novas viagens, resolvi iniciar o relato do meu último mochilão que realizei com uma amiga em fevereiro de 2020 e apelidei carinhosamente de Mochilão Maya – Guatemala & México.
      Como a intenção é fazer tudo detalhadinho, vou dividir as postagens em etapas.
       
      🗺️ Nosso roteiro foi o seguinte :
      01/02 - Chegada em Cidade Guatemala - direto para Antígua
      02/02 - Chichicastenango - Lago Atitlán (Panajachel)
      03/02 - Lago Atitlán (Santa Cruz de La Laguna, Santa Catalina de Palopó e San Pedro)
      04/02 - Lago Atitlán (San Marcos e San Pedro)
      05/02 - Lago Atitlán (San Juan - Indian Nose) - Xela (Quetzaltenango)
      06/02 - Xela (Vulcão Santiaguito)
      07/02 - Xela (Lago Chicabal) - Antígua
      08/02 - Antígua & Acatenango
      09/02 - Antígua (Vulcão Pacaya)
      10/02 - Shuttle para Lanquín
      11/02 - Semuc Champey
      12/02 - Transfer para Flores
      13/02 - Tikal
      14/02 - Transfer para Palenque
      15/02 - Palenque
      16/02 - San Cristóbal de Las Casas
      17/02 - San Cristóbal de Las Casas
      18/02 - Oaxaca
      19/02 - Oaxaca
      20/02 - Cidade do México - Cancún
      21/02 - Cancun / Isla Mujeres
      22/02 - Tulum
      23/02 - Tulum
      24/02 a 27/02 - Resort
      28/02 - Valladolid
      29/02 - Chichen Itzá - CDM
      01/03 - Retorno
       
      Informações Básicas:
      Antes de começar vou deixar algumas informações básicas da Guatemala, pois é um país pouquíssimo visitado por brasileiros (não encontrei nenhum nas duas semanas que estivemos por lá, nem mesmo em Antígua), e com pouca informação em Português.
       
      🏙️ Capital: Cidade da Guatemala
      💵 Moeda: Quetzal. Para facilitar a conversão R$ 1,00 = GTQ 1,50 / USD 1,00 = GTQ 7,70 * Valores nesse relato sempre arredondados.
      🕒 Fuso: - 3
      👭 Visto: Brasileiros não precisam de visto para turismo – permanência até 90 dias.
       
      ·        Além de estar inserida entre dois oceanos, a Guatemala é rica em ecossistema. O território possui 37 vulcões, sendo 3 deles ativos (conheci todos), diversos lagos e rios, florestas tropicais, uma cadeia de montanhas e um deserto. Não bastasse a diversidade de atrações, a Guatemala ainda é um destino barato, especialmente em termos de alimentação e de hospedagem. Turismo e transporte, nem tanto, mas nada que encareça o destino. 😉
      ·        Embora a língua oficial seja o espanhol, ela não é universalmente compreendida entre a população indígena; ainda são faladas várias línguas maias, em especial em áreas rurais.
       
      📅 Quando ir?
      Embora o clima mude muito de um lugar para o outro em função da altitude, as temperaturas na Guatemala, de modo geral, se mantêm entre amenas e quentes ao longo de todo ano. O período de seca, entre dezembro e abril é considerado alta temporada, já o período de chuvas ocorre entre setembro e outubro. Em fevereiro, só peguei dias lindos de sol ☀️, um ou dois momentos nublados, mas zero chuva. 🤗
       
      ✈️ Como chegar?
      Não há vôos diretos entre o Brasil e a Guatemala. As opções são via Panamá com a Copa Airlines, Via Avianca com conexão em Bogotá (🙏 para que a Avianca Colômbia consiga sobreviver a crise), ou com a Aeroméxico via Cidade do México.
      Minha opção foi pela Aeroméxico, múltiplos destinos (ida Guatemala / volta cidade do México), o voo foi comprado em meados de agosto e custou R$ 2.520,00.  Embora, constantemente, haja promoções para o México, quando você inclui a Guatemala, a coisa muda de figura. 😒 Todas as vezes que simulei comprar separadamente os trechos não compensava.
      Devido a baixa oferta, os voos na América Central são caros, e ocorrem basicamente entre as capitais. A Guatemala só possui dois aeroportos, o da capital e o de Flores (ruínas de Tikal). A rota entre as duas cidades é operada pela Aero Guatemalteco, e o voo, quando comprado com antecedência  é por volta de 150 USD. (não voamos, percorri tudo de shuttle)
       
      🚗 Como se locomover?
      Muito popular nas viagens pela América Central, shuttles nada mais são do que transporte privado oferecidos por agências de turismo e às vezes hostel. Esse serviço é feito em uma van na maioria das vezes, ou microônibus. Algumas horrorosas, e que você só vai saber na hora 😆😆, mas demos sorte e só pegamos uma que foi péssima.
      As rotas são basicamente entre as principais cidades turísticas, e algumas entre países. Nesses casos você terá apenas que descer nas fronteiras para fazer os tramites de entrada e saída de um país e seguirá viagem em outro veículo.
      Algumas empresas shuttle:
      •            Marvelusbookings (Foi a única que fechei pelo site com antecedência, depois explico o motivo, o restante tudo fechado no dia anterior em agências aleatórias)
      •            Atitlan
      •            Adrenalina Tours
      •            Guatego
       OBS: Os preços na internet são um pouco mais caros, principalmente, os maiores deslocamentos. Adrenalina é caríssima, dizem ter um ótimo serviço, mas não usei.
      Existem poucas empresas de ônibus de turismo, e elas normalmente fazem apenas percursos entre grandes cidades, ou alguns poucos lugares turísticos. A empresa mais tradicional é a Ticabus. Ela percorre todos os países centro americanos indo basicamente de uma capital a outra.  Não usei nenhuma vez.
      Os chicken bus são o jeito mais barato para se viajar pela América Central, por outro lado, parece ser o menos confortável - tanto pelas condições dos ônibus, como também pelas longas horas de viagem e inúmeras “conexões”. Muitas vezes para percorrer poucos quilômetros você terá que utilizar dois ou três ônibus. Mas pra quem tem tempo para mochilar, acho super válido!
       
      🏘️ Hospedagem
      Na Guatemala as hospedagens em sua grande maioria são simples, tipo pensões. E também poucas oferecem café da manhã. Apesar de simples, todas que ficamos eram limpas, bem localizadas, e com um staff sempre fofo. Recomendo todas, e depois em cada uma, falarei um pouquinho mais. Há também boas variedades de hostels e alguns hotéis de "luxo".
       
      🥘 Culinária
      O milho é um dos alimentos preferidos dos guatemaltecos, sendo utilizado para a produção de chuchitos, tacos e outros pratos típicos daquela cultura. Eles chamam o milho de "el maíz", na tradução, grão Maia. Entre as bebidas, o rum é um das principais, com tradição vindo desde o século XVI, servindo ainda para a produção do ti punch, junto com suco de lima e um concentrado de cana de açúcar.
    • Por brunahd
      Olá pessoal! Alguém está na Nicarágua ou indo para lá? Estou viajando sozinha na Guatemala e querendo ir pra Nicarágua, mas com receio da travessia de ônibus pra chegar até lá. Penso em fazer via Tica Bus, passando por El Salvador e Honduras. Alguém já fez isso ou está indo pra lá tb? Obrigada!
    • Por raquelmorgado
      Europe/Lisbon Abril 17Europe/Lisbon 2018 MANÁGUA, A MARCA DO QUE SE DESMORONA QUANDO O CHÃO TREME (NICARÁGUA)
      Nicarágua não estava no nosso roteiro inicial, em que o plano era seguir da Costa Rica para o México. Depois de conhecermos viajantes que tinham passado três meses no México, percebemos que ficar só uns dias, e numa época de chuvas, nos ia saber a pouco, então desistimos, ou melhor, adiámos. A escolha de incluir Manágua nestes cinco meses teve a ver com a ligação mais barata a Miami, cidade de onde regressaríamos a Portugal. Quando decidimos ir sabíamos que havia zonas muitos mais interessantes, como Granada, San Juan del Sur (tínhamos visto um hostel ótimo), a ilha de Ometepe, as Ilhas del Maíz, Léon, entre outras, mas Manágua era a cidade de onde partiríamos e nesta altura não queríamos arriscar grandes aventuras.
      Chegámos a Manágua cedo, cansados, e sem muita vontade de aturar taxistas. O terminal era a 800m do hostel, mas os taxistas começaram a dizer que o bairro é perigoso e não recomendam a caminhada. O que se faz? Arrisca-se? Epá, não chegámos até à última semana de viagem pela América para algo correr mal agora. Negociou-se com o taxista (1 USD cada um de nós) e ele lá nos deixou à porta do hostel.
      A viagem foi curta e a paisagem é a de uma pequena cidade, com prédios baixos, muito comércio de rua, não a típica capital que estamos habituados.
      Depois de descansarmos (já não temos vida para aguentar palmilhar uma cidade quando não descansamos convenientemente), vamos então passear pela cidade. Caminhámos, de dia é seguro, de noite deve-se regressar de táxi. Temos de confessar que a cidade não nos impressionou, não como capital do país. A cidade até tem potencial, fica junto a um lago gigante, onde encontramos alguma vida, mas muito cara para o que oferece. Parece estranho, não é? É cara, estávamos à espera de outros preços.
      Manágua fica na margem sul do lago Manágua e dizem que é a capital por ficar entre León e Granada. Foi criada por indígenas como vila de pescadores e o seu nome deriva de mana-ahuac, ou seja, cercado de água. Durante todo o período colonial foi tratada pelos espanhóis com desinteresse. Após a independência do país, em 1821, houve intenções de a tornar capital, mas, só em 1846 é que se tornou cidade e em 1852 finamente foi nomeada capital.
      O que fazer?

      Para ter uma vista panorâmica da cidade tem que se entrar no Parque Histórico Nacional “Loma de Tiscapa”. Para estrangeiros custa 1 USD, pode-se entrar de carro/autocarro, mas cada opção tem um preço diferente. Sobe-se a encosta e vai-se até à zona onde era o Palácio Presidencial, inaugurado em janeiro de 1931. Onde era e já não é, porque após o primeiro terramoto (1931) ficou parcialmente destruído, mas foi reconstruído. Após o segundo terramoto (1972) decidiu-se deixar assim e não voltar a reconstruir. Este palácio faz parte da história do país, não só por ter sido usado como palácio, mas porque a sua cave foi utilizada para torturar pessoas. No edifício conhecido como “La Curva” morava o chefe da Guarda Nacional. Também ficava na mesma zona, junto à cratera do vulcão, o lago de Tiscapa.

      Os calabouços onde eram torturados e mantidos os presos eram chamados de “El Chipote”. Em julho de 2017 estavam duas exposições nos calabouços, um pouco confusas para quem não conhece a historia do país. Uma sobre as noites de tortura, outra sobre a história da cidade, principalmente a destruição causada pelo último terramoto.


      O Puerto Salvador Allende é uma zona moderna, junto ao lago, onde cobram 2 USD de entrada, dando acesso a uma zona de restauração, espaço de eventos e pista de karts. É das zonas mais caras para jantar.

      O Tiago pediu uma mechilada em vez de só cerveja e sentiu que tinha estragado a cerveja. Se não sabem o que é, um dia explicamos.

      Passear pela cidade de noite de táxi, passar nas principais ruas para ver as iluminações. Na praça Hugo Chavez há um busto desta personagem, iluminado, e umas árvores gigantes coloridas, também iluminadas, que vão até à margem do lago, dando um efeito engraçado à cidade.

      A Catedral de Santiago, em ruínas desde o terramoto de 1972.

      O Palacio Nacional tem agora no primeiro andar um museu onde exibe a cultura nahuatl. A biblioteca é grátis e o museu custa 5 USD. Fica na mesma praça que a Catedral, a Plaza de La Revolución.

      Junto ao Palácio está La Glorieta (Templo de la Musica) e a estátua homenagem a Ruben Dario, poeta.

      O Museo Sítio Huellas de Acahualinca exibe as marcas deixadas por povos ancestrais na região do lago preservadas por uma erupção (4 USD).
      A Catedral Metropolitana de la Puríssima Concepción foi concluída em setembro de 1993 e a visita é gratuita. Agrada a alguns pela diferença.
      O Parque La Paz e o Parque Luis Alfonso Velasquez, onde procurámos sombra e descansámos.
      Junto aos parques encontra-se o Centro de Convenciones Olof Palme.
      Como circular:
       Os táxis não têm taxímetro. Até ao aeroporto são 120 NIO (3,1€) e para sair do centro até ao hostel custou-nos 60 NIO.
      De dia percorremos a cidade a pé, ao anoitecer sempre de táxi, os privados. Os collectivos são tipo autocarros, param para apanhar clientes até não haver mais lugares, ou melhor, até não caber mais uma alma lá dentro.
      Onde comer:
      Comemos a maioria das refeições no Centro Comercial Managua, mesmo o pequeno-almoço. Também fomos ao porto, mas achámos caro, como já referimos. Não temos nenhum sítio que se tenha evidenciado.
      Onde dormir:
      Casa Liz, era um hostel limpinho, simpático, barato, com quarto particular. Tem um terraço com umas hamacas que dão belas sestas.

      Vale a pena?
      É uma cidade nostálgica, onde é evidente a destruição dos terramotos de 1931 e 1972, porque muita coisa não foi reconstruída. Não é das cidades mais seguras onde estivemos, sendo recomendado não abrir os vidros dos táxis, mas não temos razão de queixa, tomando todas as medidas necessárias.
       
      365 dias no mundo estiveram 3 dias em Manágua, de 2 a 4 de julho de 2017
      Classificação: ♥ ♥
      Preços: médio
      Categorias: cidade, cultura
      Essencial: Catedral, Loma de Tiscapa, Puerto Salvador Allende
      Estadia Recomendada: 2 dias

       
    • Por Tânia Matos
      Bom dia a todos.
      Estamos a ponderar ir até às Guatemala em Novembro durante duas semanas. Como vamos viajar com o nosso filho que na altura terá 20 meses. E alguns trajectos de van demoram muitas ...estávamos a pensar alugar um carro. Qual a vossa opinião? Obrigada .
×
×
  • Criar Novo...