Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Marthon Luiz Garcia Livram

Egito - 20 dias por este país incrível!

Posts Recomendados

Luxor – Egito

 

INFORMAÇÕES DE: Setembro 2016.

 

ROTEIRO PARA:2 dias.

 

TIPO DE VIAGEM: Tour guiado pelo Egito – 20 dias – Parte I.

 

HOSPEDAGEM: Cruzeiro no Nilo – Radamis II.

 

SOBRE LUXOR.

 

Luxor é uma cidade no sul do Egito, cujo nome significa “campo fortificado”. Luxor é também uma das principais cidades do pais, com uma população de aproximadamente 500 mil habitantes, e esta situada a 670 km de Cairo. Esta importante cidade cresceu a partir das ruínas de Tebas, capital do Império Novo (1550-1069 A.C). A sua riqueza arquitetônica e cultural, fazem desta cidade a mais monumental das que abrigam vestígios da antiga civilização egípcia, por isso, é conhecida como o maior museu ao ar livre do mundo.

 

O Nilo separa Luxor em duas partes: na margem oriental encontramos os vestígios dos mais importantes templos consagrados aos deuses da mitologia egípcia, e a margem ocidental, dedicada aos mortos, localiza-se algumas das mais importantes necrópoles do antigo Egito, e onde foram feitos alguns dos achados arqueológicos mais significativos da antiga civilização, como o túmulo de Tutancâmon, descoberto em 1922 .

 

 

 

Planejamento da viagem e Chegada ao Egito.

 

Egito sempre foi o meu maior sonho de viagem, e eu vivia adiando por ouvir que não era a hora, que era perigoso, até que no começo do ano, por acaso eu vi uma postagem no facebook de um guia de viagens que falava português fluente. Lembrando dos perrengues que passei quando fui para Rússia, resolvi consultar este agente de viagens, e pedir ajuda para fazer o trajeto que queria, e ele com conhecimento, me apresentou um trajeto melhor do que eu esperava, e por não ser excursão (que odeio), pensei vou arriscar.

 

Dei uma pesquisada sobre ele em sua página, vi que havia pessoas que o conhecia, que ele já havia atendido até o grupo sepultura, e fechei minha viagem dos sonhos com o Moisés. Loucura, né? Achei ele no face, depositei 35% do valor com antecedência e rezei para ele ser de verdade, e ele era, graças a Deus..rs.

 

Planejei toda minha viagem com ele, que sempre foi muito solicito em tudo, atencioso e gentil, e pessoalmente ele como pessoa e seu trabalho não deixaram a desejar.

 

Moisés faz todo tipo de viagem, no meu caso fiz um tour privado, só eu e uma amiga, mas ele faz excursões em grupos também, e seu tour é bem mais em conta que comprar em uma agencia aqui no Brasil.

 

8.jpg.071c35496ad98eb4464cf1723b9a3b81.jpg

 

Comecei minha viagem dos sonhos saindo de Montes Claros as 6:00h com destino a São Paulo, de onde eu partiria para o Egito 1:00 am. Felizmente não tive que esperar este tempo todo a conexão, passei a tarde em São Paulo com amigos e parentes, e depois fui direto para o Aeroporto de Guarulhos.

 

Voei pela Ethiopian Airlines, e foi a primeira vez por esta empresa. Foi um voo não muito tranqüilo, tinha muita criança e foi um choreiro só, mas a empresa em si é boa, e teve alimentações bem gostosa (Na ida). Eles também tiveram o cuidado de na compra da passagem identificar restrições alimentares, o que pra mim, que tenho um pouco de intolerância a lactose foi um grande diferencial.

 

O voo faz uma parada depois de 7 horas de voo em Lomé (Capital de Togo, já na África), onde abastece e pega mais passageiros, depois voa por mais 5 horas até Addis Ababa, capital da Ethiopia, onde trocamos de aeronave e são mais 3 horas até Cairo. Foram umas 17 – 18 horas de viagem até chegar em Cairo, cheguei em torno de 1h30min am, o fuso horário em Cairo nesta época do ano são de 5 horas a mais em relação ao Brasil.

 

Quando cheguei no aeroporto de Cairo, corri para o banheiro, e adivinha a primeira coisa que me aconteceu, me pediram gorjeta. Na hora mesmo já percebi que tudo que li na internet sobre as “propinas” era a mais pura verdade, e ao longo dos relatos vou descrevendo as várias situações que encontrei.

 

Chegando na saída já fui recebido pelo agente enviado pelo Moisés, meu guia, que foi me ajudar a tirar o visto, encontrei também minha grande parceira de viagens Luana.

 

Quando damos entrada no país, não passamos por guichês, e no próprio corredor preenchemos o papel de entrada e somos abordados pelos agentes que nos fazem as perguntas de sempre: Onde vamos? De onde somos? Onde vamos ficar? O que estamos fazendo aqui? etc…

 

Este agente enviado por Moisés me ajudou nesta entrevista, e depois foi comprar meu visto. Paguei $ 35 Dólares no visto. Não há necessidade nenhuma de tirar visto com antecedência para ir para o Egito, mas como as coisas sempre mudam é sempre bom pesquisar.

 

Como iríamos de Cairo diretamente para Luxor, tivemos que esperar até as 6h00min am para pegar nosso voo, e este agente enviado acabou que foi útil para ganharmos tempo procurando a EgyptAir, e também acabamos trocando com ele $100 dólares a um câmbio de $1 -> 9 Libras Egípcias (L.E), um pouco melhor que o oficial, que era 8.8, e descobrimos isso só depois, na hora que trocamos ficamos apreensivos, e por isso mesmo trocamos só $100.

 

ROTEIROS

 

Dia 01: Luxor.

 

O voo partindo de Cairo tem duração de 55 min, e as 7:00 h chegamos em Luxor, onde fomos recebido por outro Mohamed, de apelido Samura (Quase todo mundo no Egito chama-se Mohamed…rs), um guia excelente, simpático e que entende muito de história do Egito.

 

Foto: Chegando em Luxor é possível observar o contraste do deserto do Saara e a vida surgindo próximo as águas do Nilo.

 

Ainda bem cansados da viagem e “fedidos”…rs, fomos direto conhecer o Templo de Karnak, o maior do mundo, com construções pertencentes a 13 reis diferentes desde o século 19 A.C.

 

Sobre o Templo de Karnak (Valor da Entrada: $ 80 L.E).

 

Karnak, é o principal templo destinado ao Deus Amon-Rá, sendo um enorme complexo de santuários, resultado de mais de 2 mil anos de construções, onde cada rei que assumia construía mais uma parte. Este templo também foi por séculos o principal local de culto aos deuses de Tebas (antiga Luxor).

 

O Templo é balizado por uma série de pátios e pilares, a sala hipostila possui uma verdadeira floresta de 134 colossais colunas em forma de enormes papiros com 21 m de altura e 4 m de diâmetro. Numerosos edifícios secundários completam o grande templo de Amon-Ra, como: capelas de Osíris, templo de Ptah, templo de Opeth etc…

 

Na minha cabeça, para ir a um templo deste eu ia sair da cidade, mas para a surpresa não, ele estava praticamente no meio dela. O acesso de carros a estas áreas são restritos e já de cara, observamos que o nosso guia nos identificou como turistas brasileiros, e isso aconteceu na maioria dos templos, e é bom ver que estão cuidando da segurança destes lugares tão especiais.

 

Quando chegamos ao templo, a primeira coisa que fomos entender foi a sua estrutura através de uma maquete, e depois de uma incrível aula do Samura fomos , conhecê-lo.

 

Na entrada do Templo, com as várias estátuas de cabeça de carneiro eu já estava feliz e tirando várias fotos, até que entrei na sala com colunas gigantes em formatos de papiro e não conseguia parar de pensar, como aquilo devia ser lindo na época, e entendi o por que lá era o maior templo do Egito. Tudo simplesmente fantástico.

 

Sobre o Tempo de Luxor (Valor da Entrada: $ 60 L.E).

 

Ainda encantados com a grandiosidade de tudo que vimos, fomos direto para o Templo de Luxor, bem próximo ao de Karnak, a aproximadamente uns 3 km.

 

O Templo de Luxor foi iniciado na época de Amenófis III e aumentado mais tarde por Ramsés II. Este templo é o único monumento do mundo que contém em si mesmo documentos das épocas faraônica, greco-romana, copta e islâmica, com nichos e frescos coptas e até uma Mesquita (Abu al-Haggag). Assim como Karnak, este templo era dedicado Amón e sua esposa. No século II, o templo foi ocupado pelos romanos, e depois foi sendo abandonado gradualmente.

 

O templo foi coberto pelas areias do deserto, até que em 1881 o arqueólogo Gaston Masperore o descobriu . Para iniciar a escavação a vila que entretanto tinha crescido perto do templo teve de ser retirada, apenas permanecendo uma mesquita, construída pelos árabes.

 

Após esta manhã incrível de muita história fomos para o nosso barco fazer o check in. Recebemos um suco de Karkade (Hibisco), muito bom, que é a bebida de boas vindas no Egito, e até que enfim pude tomar um banho e me esbaldar no excelente almoço do barco, além de dormir até o horário da janta, e nos preparar para madrugar no próximo dia.

 

Dia 03: Luxor.

 

Acordamos as 3:00 a.m para o ver o sol nascer em um balão. Quando fechei minha viagem este voo estava incluso, mas para quem for sozinho este voo custa $ 110 dólares.

 

Saímos do barco com nosso café da manhã pronto (preparam um lanche para levarmos se solicitar), e fomos para o ponto de encontro. Para chegar até lá vamos de carro até um barco, de onde atravessamos o Nilo para outra margem. Na outra margem, mesmo a esta hora já tinha algumas crianças pedindo gorjeta, acabei dando parte do meu café para elas.

 

Como chegamos bem cedo vemos toda a preparação dos balões, e para mim era novidade, tirei muita foto e filmei muito.

 

Tudo pronto subimos, e vamos sobrevoando o vale dos reis, o templo da rainha Hatshepsut e colossos de Memmón, até surgir como uma bola de fogo o Sol, e proporcionar um nascer muito especial para ser lembrado para sempre.

 

O voo de balão dura em torno de 50 min, e é muito quente, fiquei até meio “pururucado”…rs, este é o único desconforto, ainda mais por estar no Egito, mas vale o calorzão.

 

Terminado o passeio fomos direto para os Colossos de Mêmnon, um passeio rápido com mais explicações de história .

39.jpg.715f6d7fe5a6b82f0211219333fbd004.jpg

 

Os colosssos são duas estátuas gigantescas do faraó Amenófis III. Estas duas estátuas eram entendidas como guardiãs do templo funerário do faráo. O templo tinha cerca de 385 000 metros, sendo um dos maiores da Antiguidade, mas foi completamente destruído devido às inundações do Nilo e à extração de materiais.

 

Logo depois seguimos para o vale dos reis, o lugar onde eram sepultados os faraós.

 

Sobre o vale dos Reis: ( Valor de $ 100 L.E)

 

No vale do rei estão 62 tumbas descobertas, sendo que o ingresso da direito a entrada em três tumbas, e a mais famosa a de Tutancâmon temos que pagar a parte mais $100 L.E ( aprox. R$ 40 reais). Não ficam abertas as 62 tumbas para visitação, elas se revezam no intuito de preservá-las. Quando entramos no vale dos reis, vemos uma maquete interessante que nos explica, como é o complexo, e depois deste ponto, nada mais de fotos.

 

As três tumbas que visitei foram: Horemseb, Merenptah e Ramsés IV. Estas tumbas tem amplo corredores, com as paredes todas pintadas contando a história dos faraós, até chegar ao local onde ficavam os sarcófagos, em nenhuma delas há tesouros ou múmias, somente as pinturas bem preservadas.

 

Antigamente os faraós eram enterrados com toda sua riqueza e com tudo o que pudessem utilizar na sua vida após a morte, por isso muita destas tumbas foram saqueadas.

 

Os guias são proibidos de entrar junto nas tumbas, e na entrada de todas elas, ainda mais que estavam vazias quando fui, somos perseguidos pelos guardiões, que não param de nos seguir querendo gorjetas. Tentamos até não dar muita atenção a suas explicações para não ter que pagar, mas não tem jeito, na hora de sair te abordam e querem um “dinheirinho”, e reclamam se der coisa pouca.

 

Eu optei por entrar na tumba de Tutamkamon e não me arrependi, pois foi muito interessante vê-lo ainda bem preservado, seus pés com dedos compridos, suas mãos, dentes, dá pra observar cada detalhe, e no dia que fui estava só eu e ele. Pena que não tirei fotos.

 

Após a visita, passamos por uma loja de suvenir feitos com pedras, na tentativa de que gastássemos nosso dinheiro, mas começo de viagem ninguém quer carregar peso na mala, tudo muito lindo, mas foi só pra ver mesmo e Logo depois fomos já para o belo Templo de Hatshepsut, a única mulher faraó que governou o país.

 

Sobre o Tempo de Hatshepsut: (Valor da Entrada: $ 50 L.E).

 

O Templo de Hatshepsut, é um dos mais belos do antigo Egito. Foi construído por ordem da rainha-faraó Hatshepsut para ser seu templo funerário. Hatshepsut foi uma das mulheres mais poderosas da antiguidade, mais poderosa do que Cleópatra e Nefertiti.

 

Voltamos para o barco para descansar e partir com destino a Edfu, onde continuo o relato.

 

Roteiro da viagem:

 

Próxima parada: Edfu.

 

NOTAS:

 

1- Luxor é uma cidade que vive muito do turismo, e assim como todo o Egito, hoje esta com o turismo em baixo, com ótimos preços.

 

2- No Egito te pedem gorjeta para tudo. Fujam das pessoas que te seguem, e ande sempre com trocado.

 

3- Luxor não parece ser uma cidade com muitos atrativos, penso que a melhor maneira de conhecê-la é desde mesmo modo, fazendo o Cruzeiro no Nilo.

 

Post e demais histórias: http://queromochilar.com.br/egito/luxor-egito/

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa noite, Marthon.

 

Fico feliz em saber que você, assim como eu, adorou o Egito. Volto lá assim que tiver oportunidade.

 

Quando fui, também utilizei um guia que falava português.

 

Abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Sonia Artur
      Decidimos viajar ao Egito, fizemos uma extensa pesquisa sobre os melhores guias que pudessem nos dar segurança e credibilidade nas informações, pois viajamos com crianças. 
       
      Através de indicações  De amigos, encontramos o guia Ibrahim. 
       
      Excelente guia, responsável, cuidadoso desde nosso primeiro contato. Nos orientou sobre todos os procedimentos desde o Brasil até chegarmos ao Egito. Acompanhou nossa família, cuidando de tudo. Sentimos realmente que temos um profissional responsável e cuidadoso. 
       
      Recomendo fortemente o guia Ibrahim (WhatsApp +20 1111161407). Certamente voltaremos com o guia Ibrahim.



    • Por Vitor Monaco
      Salve galera, é um prazer sentar para abrir meu primeiro tópico no site, é o começo de uma longa jornada! Será um prazer regar esta jornada com trocas das mais variadas.
       
      Estou começando a elaborar um roteiro para uma viajem de aproximadamente 1 ano e meio a 2 anos. A ideia é pegar um voo de SP para Portugal - onde tenho uma base para ficar sem custo, de Portugal cair pro Marrocos, e dali em diante a proposta seria fazer toda a viajem por terra. 
       
      Digamos que a "ida" tem como objetivo o percurso Marrocos > Vietnam, com foco no Marrocos, Egito, Israel, Índia, Tailândia e Vietnam, e a "volta" tem como objetivo pegar a ferrovia transiberiana e chegar em Portugal, com foco na China e Russia, depois passando por Berlin, Paris, Espanha e Portugal - lugares onde eu tenho bases de apoio.
       
      Entre as pesquisas que iniciei sobre este longo percurso, sobre os países, condições e possibilidades, abro esse tópico para uma primeira e grande dúvida, e com certeza não será a última.
       
      Aí vai: alguém já fez, ouviu, pesquisou, tentou ou sabe de informações reais e atuais em relação a fazer o percurso Marrocos > Egito por terra passando pela Argélia e Líbia? Sugestões de outras rotas possíveis são bem vindas.
       
      Espero poder desenvolver um ambiente de troca e enriquecimento de informações, reitero o prazer de abrir este tópico e desde já agradeço a todos pela parceria!
       
      Grande Abraço!
       
      Vitor
    • Por Guimg12
      Vamos lá, mais um relato, perdi minha outra conta então vamos lá
      Bom, essa viagem foi decidida meio que na sorte, eu tinha alguns pontos no programa da LATAM, e como para mim é melhor viajar final do ano por conta do recesso forense.
      Comecei a pesquisar possíveis destinos, como eu gosto de praia e sol me restringia um pouco.
      No final do ano poderia ir para a região da américa central, que até então era minha primeira opção, mas estava com receio de ir sozinho por conta da “má fama” da região por ser um pouco violenta.
      Com isso decidi ir para a África do Sul, achei a passagem de ida por apenas 28k milhas e dei a loca de ir. Como meu inglês é bem ruim, resolvi incluir um pequeno intercâmbio na África do sul.
      Fechei pelo site Intercambio direto, foi a melhor cotação que achei, era o mesmo preço da escola se eu pagasse por lá. Entrei em contato com a escola para saber se realmente eles faziam parceria com o site, pois iria pagar todo curso no brasil, então não poderia correr o risco de ser falso. Tudo certo, paguei o valor de 2.600 reais para 3 semanas de aula.
      Se tem intenção de fazer um intercâmbio faça por mais tempo, e não sei se na África do sul é uma boa, minha sala só tinha árabes então era muito difícil entende-los, havia alguns brasileiros também por lá.
      qualquer coisa só chamar no insta uaiguilhermee
    • Por eliseursouza
      Oi gente, tudo bem? 
      Dia 23/12 estarei indo de Guarulhos pra Cairo com conexão de quase 24h em Casablanca pela Royal Air Maroc, e ficarei um dia/noite em um hotel fornecido pela companhia. Gostaria de saber se vocês já ficaram esse tempo todo por lá, se precisaram trocar dinheiro (se sim, quanto?) porque quanto ao Egito, já estou instruído, mas me sinto 0 preparado pra essa conexão no Marrocos. Não sei nem se vou pegar minha mala ou se ela vai direto pro Cairo!! Se puderem me ajudar com respostas, ficarei muito grato. 
    • Por rafa_con
      Olá viajantes!
      Esse vai ser meu primeiro relato oficial aqui no fórum. Eu costumava ter (ou tenho?) um blog de viagens pra escrever minhas experiências, mas sinto que será mais útil se eu escrever aqui. Acabei escrevendo algumas várias páginas e já peço desculpas de antemão.
      Mas vamos aqui ao que interessa! Egito. Li muitas coisas (até um pouco assustadoras) aqui no fórum sobre o Egito e deixo aqui um agradecimento especial para a usuária deborah.wakin que tem um relato completíssimo sobre o país e foi por indicação dela que fique no Dahab Hostel e comprei todos os passeios com eles!
      INTRODUÇÃO
      Antes de qualquer coisa, quero falar que essa foi a viagem mais difícil que eu já fiz. Assim, eu não sou uma viajante tãããão leiga, já tinha visitados alguns países, inclusive mulçumanos, como a Turquia e os Emirados Árabes. Além disso, eu costumava viajar sozinha, mas casei o ano passado e essa foi a primeira viagem que fiz acompanhada, no caso, com o meu marido. Aliás, foi a primeira vez que ele saiu do Brasil (eu não peguei nem um pouco leve, né?) Massss... Foi o maior choque cultural que tive na vida e lidar com o povo egípcio não foi NADA FÁCIL PARA MIM. Eu acho que não tava preparada psicologicamente e principalmente, devido as inúmeras coisas ruins que li sobre, eu fui já com um preconceito estabelecido e isso prejudicou bastante a experiência.
      CUSTOS
      De forma geral foi o seguinte, a passagem aérea para duas pessoas ficou em R$ 7.957,52 pela Emirates.
      Levei US$ 1.450,00 e paguei tudo por lá. Não usei cartão de crédito e ainda teria sobrado umas 100 doletas. Se você entrar no site do Dahab Hostel (http://www.dahabhostel.com/) lá já tem o preço para todos os passeios (que já devem ter sido atualizados por que já faz um ano) no mais, o que eu for lembrando de valor, vou colocando aqui. Por exemplo, me lembro que a cotação estava 1 dólar para 18 liras egípcias (LE). E também me lembro que a cotação era a mesma em todos os lugares, só dentro do navio do Nilo que era um pouco mais cara.
      ROTEIRO
      11/Out/18 – Chegada no Cairo, check-in.
      12/Out/18 – Pirâmides, Saqarah, Dashur
      13/Out/18 – Khan El Kalili, Trem para Aswan
      14/Out/18 – Templo de Isis, represa de Aswan
      15/Out/18 – Abu Simbel, embarque no Cruzeiro do Nilo
      16/Out/18 – Kom Ombo, Edfu
      17/Out/18 – Luxor, vôo de balão, Vale dos Reis, Templo Hatshepsut
      18/Out/18 –  Templo de Karnak e Templo de Luxor, ônibus para Dahab
      19/Out/18 – Chegada em Dahab, descanso, de madrugada partida para o Monte Sinai
      20/Out/18 – Subida ao Monte Sinai, assistir ao nascer do sol. Volta para o hotel e descanso.
      21/Out/18 – Blue Hole, ônibus para o Cairo
      22/Out/18 – Chegada no Cairo pela manhã, Khan El Kalili e Voo de retorno na madrugada para o dia 23
      TEMPERATURA
      Eu fui em Outubro. Estava bem quente (mas poderia ser mais quente). Pegamos aí temperaturas entre 25 (a noite) a 38 graus (de dia). Então busque roupas leves, mas que cubram bastante o corpo pra não atrair muitos olhares. Aquelas calças de malha bem larguinhas são uma boa pedida.
      COMIDA E BEBIDA
      Eu tenho um paladar extremamente infantil, mas vou descrever mais ou menos o que se come em cada refeição:
      - Café da manhã: café com leite, pão daquele tipo árabe, feijão (beeeeem temperado), uma espécie de cream cheese e salada.
      - Almoço: arroz, katfa, frango assado, o mesmo pão árabe, salada, homus.
      - Jantar: a mesma coisa do almoço, ou fast food, ou coisas tipo shawarma, kebab, etc.
      Achei bem curioso eles comerem feijão no café da manhã e arroz como item de almoço ou jantar. Perguntei pra Selvia, uma moça que trabalhava no Hostel, “vocês já pensaram em comer feijão com arroz?” e isso foi seguido de uma cara de nojinho da parte dela HAHAHAHA que coisa não?
      Desnecessário falar que você precisa ter água com você o tempo todo né? É, então tenha água com você O TEMPO TODO. Mas ao mesmo tempo, se for fazer algum percurso de ônibus, lembre-se que não tem banheiro.
      CHIP DE CELULAR
      Não compramos. Talvez teria sido necessário sim, mas achamos algumas boas pessoas no nosso caminho que nos ajudaram. No mais, usamos apenas o wi-fi dos hotéis ou restaurantes.
      ASSÉDIO, NEGOCIAÇÕES E BARGANHAS
      O Egito é um país pobre. Quando o cara vê um turista ele vê ali também uma chance de ganhar dinheiro. É triste o desespero deles, mas ao mesmo tempo uma importunação para nós. Em cidades pequenas e turísticas, como Luxor, é quase impossível andar na rua em paz sem que muitas pessoas tentem te vender alguma coisa.
      Além disso, quando for comprar qualquer coisa é preciso suspeitar de primeira se aquele preço é justo. Muitas vezes eles triplicam o preço para turista, mesmo numa garrafa de água. Tem que ter muita, MAS MUITA paciência para lidar com essas situações. Outra coisa bem chata é que em nenhum lugar, nem em loja, nem em mercado, eles colocam os preços das coisas. Isso que ferra porque a pessoa pode por o preço que quiser quando você for pagar.
      TRANSPORTES
      No Cairo usamos apenas Uber (o pessoal do Hostel que chamou pra gente) e táxi (antes de entrar o táxi já mando o preço que quero pagar pra não ter surpresa e repito mais umas 5 vezes o preço pro cara entender bem o quanto vou pagar). Entre as cidades usamos trem e ônibus. Ônibus pode ser uma ótima ou uma péssima ideia (veja o relato do percurso entre Luxor e Dahab). Além disso, os ônibus não têm banheiro, você precisa usar nas paradas que ele fizer.
      GORJETAS?
      É... Então. Eu tinha lido muitos relatos aqui sobre essa ‘cultura’ e isso era o que mais me atormentava. Eu já cheguei no país com uma barreira com qualquer um que chegasse perto de mim achando que ia pedir dinheiro por qualquer mínima coisa. Eu fiquei com um preconceito tão grande que passava mais tempo preocupada se alguém ia querer me extorquir de alguma forma do que curtindo a viagem em si.
      Sim, tivemos algumas situações chatinhas, mas elas foram bem menos do que eu esperava. Eu podia ter ido mais tranquila. Devia ter me preparado mais mentalmente, devia ter feito muitas coisas, mas não fiz. E isso definitivamente prejudicou a minha experiência como um todo. Meu conselho é... Não seja como eu 🤦‍♀️
      ENTRADA NO EGITO (VISTO)
      Uma preocupação sobre a viagem foi o visto. Se você entra em contato com a embaixada eles dizem que você deve mandar o passaporte POR CORREIO COM DINHEIRO DENTRO DO ENVELOPE PARA PAGAR O VISTO E OS CUSTOS DE SEDEX. Isso pra mim foi absurdo num nível que nem sei explicar. Mas aqui no fórum e em outros lugares, muita gente falava que dava pra comprar o visto lá no aeroporto, na chegada. Pra confirmar essa info, um tempo antes da viagem fui até o aeroporto de GRU (moro perto) perguntar no check-in da Emirates o que precisava para embarcar pro Egito. Eles falaram que só o passaporte mesmo e tirava o visto lá. Então fiquei mais tranquila e foi isso que aconteceu.
      Chegando lá no Cairo é o seguinte, antes de passar pela imigração tem uns guichês de bancos. Qualquer um deles vende o visto, na época, custava 25 dólares pagos em espécie. É bem simples essa transação. Passamos pelos guichês da imigração também até que tranquilo, mas na saída deles tinha um cara que parou a gente. Daí lá vamos nós... Sim, eles encanam com a galera sul americana. Encontrei outros brasileiros e colombianos por lá que passaram pela mesma coisa. Primeiro um chá de cadeira básico. Daí vieram algumas perguntas clássicas e o fato de sermos casados no papel deixou eles bem surpresos. Depois, levam a gente prum espaço aberto por ali mesmo no aeroporto e abriram as nossas malas, fuçaram em absolutamente todos os bolsos e roupas e necessaires, depois levaram a gente pra uma salinha (mulher vai com mulher e homem com homem) faz a gente ficar semi-nu e ainda a moça pediu pra eu agachar pra ver se não tinha nada no fiofó. Na boa, nunca tinha passado por isso e fiquei indignada. Achei bem humilhante. Mas no geral estávamos bem calmos e não tínhamos nada a esconder. Duas horas depois, fomos liberados.


×
×
  • Criar Novo...