Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
loremattos

Itacaré

Posts Recomendados

Oi Pessoal, descobri esse site por acaso e parece que vai me ajudar muito!!

Sou de Brasilia e To querendo ir pra Itacaré no dia 29/23, e mais ou menos no dia 05 ou 06, ir pra morro de SP!

Mas nao to nadandoooo no dinheiro e to indo mais na aventura mesmo, pois de repente tive essa vontade de viajar sozinha, colocar a mochila e ir pra Bahia claro!!

Ja fui em Itacaré em 2006, e acampei na praia mesmo, a cidade era bem diferente do que é hoje, pois era muito ROOTS! Como ja vi que as coisas mudaram por la, gostaria que me ajudassem com algumas dicas:

 

Quanto é o ONIBUS de Ilheus a Itacaré????

 

Quanto custa a média de Campings e Albergues hoje em dia???

 

Quanto é pra ir de Itacaré a Morro de São Paulo????

 

Espero que me ajudem, obrigada!!

Compartilhar este post


Link para o post

Tayla, a passagem de onibus de Itacaré ate a cidadizinha (q eu nao lembro o nome agora) que vc pega a lancha pra ir para o Morro é uns 36,00 e a lancha varia entre 10,00 a 15,00 (esses preços são so pra vc ter uma base, pode variar 2 ou 3 reai pra menos ou pra mais - acho q pra menos.. hehe) ..os albergues dependendo da epoca q vc vá, vc encontra ate de 30,00 ...estou indo na alta temporada (natal/ reveillon) e estou pagando uma media de 50,00 a diaria..

Compartilhar este post


Link para o post

as outras duvidas não sei te respondeu ..mas posso te dizer que acampar é sempre mais barato.. vc deve encontrar de 15,00 e no maximo de 25,00 (na baixa temporada).. na alta temporada acho q nao passa dos 30,00 ... e a passagem de ilheus a itacare nao sei te dizer.. mas sei q é perto..entao deve ser bem menos q os 36,00 reais q vc vai pagar pra ir pro Morro! ;)

Compartilhar este post


Link para o post

Bel, Pérola.. obrigada pelas dicas! ;) ..qnd voltar eu vou postar aqui meus relatos e vou ter o cuidado de anotar tudo durante a viagem!.. sempre prometo e nunca faço.. mas dessa vez vou cumprir a promessa.. rsrsr!

Compartilhar este post


Link para o post

Reveillon, alguém já passou em Itacaré? Me falaram que Barra Grande na virada é melhor, tem umas festas na praia etc. (*) Estou chegando em Salvador dia 25, depois irei a Itacaré e vou subir até Barra Grande, volto a SP dia 09.

Compartilhar este post


Link para o post
Reveillon, alguém já passou em Itacaré? Me falaram que Barra Grande na virada é melhor, tem umas festas na praia etc. (*) Estou chegando em Salvador dia 25, depois irei a Itacaré e vou subir até Barra Grande, volto a SP dia 09.

 

 

Já passei a virada nos dois lugares, e são vibes distintas... Barra Grande tem sim festas na praia e quase todas são fechadas e o ingresso não é nada barato, mas mesmo assim foi muito bom e consegui até entrar em alguns lugares sem pagar rs.

 

Já Itacaré faz muito tempo que não fico por lá na virada do ano, mas na minha época sempre tinha show de alguma banda de reggae

Compartilhar este post


Link para o post
Pessoal, rola um bate volta pra Marau e Barra Grande saindo de Itacaré? Dá pra fazer de carro ou combinar uma 4x4 fica melhor? Vou ficar 7 dias.

 

Lucas nao sei se ja havia te respondido, mas andei pesquisando e custa uma média de 70,00 pra peninsula com Taipus de fora. Varias agencias oferecem esse serviço!

Acho que vou fazer esse passeio tambem pois as fotos da peninsula sao extremamente atraentes, boa viagem!

Compartilhar este post


Link para o post

TaylaBsb e deiafranzoi, obrigado pelas respostas! Vou ter que fazer esse passeio, o lugar parece ser animal.

 

Galera, quanto ao reveillon, vai rolar uma festa na Cabana Corais (http://reveillonitacarecabanacorais.blogspot.com.br/). Parece que vai ser a festa da virada, na praia e com bandas boas pra escutar durante a noite. Compramos os ingressos online por 70 reais. Melhor adiantar agora do que pagar mais de 100 reais no dia/semana do evento. Quem estiver na vibe de curtir junto comigo, estou aberto a novas amizades! hahahhaa. Valeu mlkada!!

Compartilhar este post


Link para o post
TaylaBsb e deiafranzoi, obrigado pelas respostas! Vou ter que fazer esse passeio, o lugar parece ser animal.

 

Galera, quanto ao reveillon, vai rolar uma festa na Cabana Corais (http://reveillonitacarecabanacorais.blogspot.com.br/). Parece que vai ser a festa da virada, na praia e com bandas boas pra escutar durante a noite. Compramos os ingressos online por 70 reais. Melhor adiantar agora do que pagar mais de 100 reais no dia/semana do evento. Quem estiver na vibe de curtir junto comigo, estou aberto a novas amizades! hahahhaa. Valeu mlkada!!

 

Nossa, eu pensei que ia ta bem mais barato... Vai rolar Adao negro nessa festa ne, andei pesquisando... que pena.

Quando passei o reveillon la, curti nas ruas mesmo, tinha uma galera tocando percussao nas ruas e altos gringos indo atras, nunca vou esquecer disso! hahaha e no final um forrozinho... Eu tambem nao quero perder o passeio da peninsula, e vai ser em epoca de lua cheia, a galera diz que so da pra curtir as piscinas naturais nessa epoca ;)

Compartilhar este post


Link para o post

Itacaré é uma cidade praiana não tão pequeninha. Quando você chega, não dá nada por ela, parece um lugar feio, especialmente quem vem de Morro de São Paulo pela Rodoviária, que é o nosso caso. Depois, você só se surpreende. Chegando na orla, há a praia das conchas, praia bem feinha, com areia misturada com muitas conchinhas que torna difícil de caminhar. Ali, é a praia mais perto do centro, tem lugares onde as vezes rolam um shows (ia rolar mano chão por exemplo). É uma praia praticamente sem ondas, onde é legal curtir o por do sol. Caminhando mais a frente, há umas praias mais bonitas, bem pequenas, com ondas para surf. A primeira é Resende, que vale a pena só passar. Depois, vem a Tiririca, bem do lado, só andar um pouquinho, praia bem de surfista e tem uma barraca lá pra cima. Subindo umas pedras vem a praia da cosa e depois a Ribeira, outras praias bem pequenas, coladas uma na outra. Seguindo por uma trilha a partir da Ribeira, há a Prainha, que é considerada uma das praias mais bonitas do Brasil. Talvez seja um pouco de exagero, mas é uma praia bem bonita. No nosso caso, pagamos um guia (R$ 20 por pessoa) para nos levar. Há muitos relatos de que Itacaré não é seguro e tal, não sei até que ponto isso é verdade ou é feito para os turistas usarem os guias. Afinal, eles vivem disso. Há muita pressão para contrata-los, se quiser ir sozinho vá preparado para dizer não. A trilha para a prainha não é muiiiito difícil, é complicadinha só. Tem dois pontos onde há dois caminhos e pode haver erro, retornando ao início da trilha, que aliás é bem cansativa, com subidas, dá em torno de 1h30min de caminhada, tem que ter um pouco de preparo. A praia não tem infraestrutura, então o bom é ir cedo e sair para almoçar em algum lugar, perto da Ribeira tem vários. O caminho não tem nenhuma sinalização, acho que tudo lá é de propósito, obrigando você a contratar um guia. No outro dia, fizemos o passeio das 4 praias, Engenhoca, Havaizinho, Itacarezinho e Canoinha. Passeio bem legal, dá pra fazer tudo no mesmo dia bem tranquilo Itacarezinho é uma baita duma praia, mas só tem uma barraca e ela é bem cara! Então levem comida para o passeio. Além desses passeios, há o para Jeribucaçu que dizem ser bem bonito e o para Maraú, onde há piscinas naturais, o qual não fizemos devido à época de maré morta (a maré não fica boa para ver devido à fase da lua). De noite, Itacaré ferve! A noite de Itacaré é surpreendente, de dia parece um lugar deserto, de noite, borbulha! Há uma rua que tem toda a movimentação, a pituaçu. Lá você caminha caminha e caminha e há restaurantes e lojinhas para tudo que é lado. Não passa carro na rua. Vale muito a pena, lugar muito legal para ir de noite, cheio de comida boa e a um preço acessível. Ainda tem vários lugares para tomar drinks!

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por Larissa Eira
      Olá, mochileiros! Hoje vou compartilhar sobre minha viagem à Bahia. Passei 10 dias em Feira de Santana, município brasileiro do Estado da Bahia situado a 108 quilômetros de sua capital, Salvador.  Fui até lá para realizar um curso de comunicação comunitária promovido pelo MCP (Movimento das Comunidades Populares) e pude conhecer o local por outro olhar.  Apesar da Bahia ser uma cidade turística , repleta de atrações naturais e muito famosa por possuir uma grande variedade de ritos religiosos, existe um lado esquecido por nós, turistas, que são os problemas sociais e econômicos encontrados em cada lugar que vamos. Com esse curso comunitário que realizei, tive a oportunidade de ficar alojada no bairro Sítio Matias em uma casa comunitária. O Movimento das Comunidades Populares atua em diferentes estados e possui seu próprio jornal chamado ''Voz das comunidades'', que está a serviço das comunidades indígenas, quilombolas, camponesas e operárias. Nesse tempo que fiquei por lá, tive a chance de conhecer uma Bahia que nunca tinha ouvido falar, que não é mostrada na televisão e nas revistas. Conheci a Bahia através dos próprios moradores, e isso foi uma experiência de vida incrível! 
                A base do movimento, que foi onde nós ficamos alojados, conta com a casa, uma horta, uma creche, uma lojinha com produtos que os próprios moradores produzem e um bazar. Tudo construído, realizado e vendido de forma coletiva. Diante de tanta injustiça social, essa foi a maneira que eles encontraram de buscar autonomia: vivendo de forma coletiva. Também tive a oportunidade de conhecer Artemares (Associação Regional de Trabalhadores em Materiais Recicláveis), onde pude entrevistar alguns dos trabalhadores e perceber o quanto eu e você precisamos agir de forma diferente para mudar o que consideramos errado nesse mundo. Um grande problema em Artemares e em muitos lugares, é a falta de consciência das pessoas na hora de separar seu próprio lixo. Daniele, uma das moças que entrevistei, disse que é um trabalho que requer atenção e cuidado, pois além do risco de contaminação com o lixo hospitalar, por exemplo, muita das vezes eles não possuem nem os equipamentos adequados para separar o lixo, como luvas e botas. Trabalham em condições precárias e com salários baixos. Eu realmente fiquei muito impactada com a realidade deles, moradores de uma cidade turística e reconhecida,  que talvez nunca tenham ido aos pontos turísticos para conhecer e tirar fotos, assim como eu faço em minhas viagens. Duas realidades tão perto e tão longe uma da outra...
            Mas, não só de problemas se vive. Também tive a grande oportunidade de visitar a feira e me encantar com a imensa variedade de frutas, pessoas e cores. Pude fotografar e tomar caldo de cana, pude experimentar o tão famoso acarajé e conhecer um dos postais da cidade, a caixa d'água do Tomba. Pude ouvir histórias locais e cordéis recitados na noite de confraternização do curso. Pude aprender mais sobre medicina alternativa e acupuntura, pude tomar uma diversidade enorme de chás cultivados na horta comunitária. Pude experimentar o famoso Cuscuz de milho, típico nos cafés da manhã na Bahia. Pude assistir o futebol dos meninos no campinho de terra todas as tardes com o sol se pondo. Pude tomar banho gelado todos os 10 dias e me acostumar com isso. Pude tomar sorvete de tapioca. Pude conhecer pessoas de diversos estados, pessoas das comunidades quilombolas e de palmares. Pude aprender com a riqueza da diversidade. Pude voltar pra casa com muita saudade e com a certeza de que para mudar o mundo é preciso começar mudando a nós mesmos! Obrigada Bahia, por me mostrar o seu melhor lado, o lado real! Até a próxima estrada. 



















       


    • Por Fabiula Fernades
      Como chegar em Morro?
      Partimos do Rio de Janeiro e apesar de inumeras buscas em como chegar a Morro de São Paulo, não tínhamos noção de como chegaríamos. Mas como nosso espírito é aventureiro partimos levando na mala coragem e disposição para curtir.
      1º dia - Chegamos em Salvador por volta de 10:40h e ficaríamos hospedados no Farol da Barra pelo Airbnb, que dependendo do local tem hospedagem mais barata, a anfitriã nos deu o passo a passo de como chegar até o local.
      Guardamos nossas malas e partimos para um rápido reconhecimento e pegamos informações de como chegar em Morro. Passeamos pela orla da praia e fomos até o farol.
      Existem 3 formas de chegar a Morro:
      1ª - Semi terrestre: Paga-se o ferry boat que sai do terminal São Joaquim com saídas de hora em hora (o valor ao certo não sei pq não escolhemos este meio, mas acho que é algo em torno de R$7,00) e tem duração de 1 hora . Quando desembarcar terá uma mini rodoviária onde sai o ônibus para Valença (R$40,00) e de Valença para Morro pegara um barco rápido (dependendo das condições climáticas) até Morro (não sei o valor).
      2ª - Aéreo (não faço ideia do valor)
      3ª - Catamarã: R$96,86 (cada pessoa) duas horas de travessia por alto mar. A principio parece caro mas só o fato de não ter que ficar trocando de condução é excelente (Melhor custo benefício, escolhemos este e foi certeiro). A empresa é a BIOTUR saída no terminal próximo ao mercado modelo
      2º Dia Acordamos cedo e não deu tempo de tomar café pois descobrimos que o catamarã sairia as 09:00 e ainda colocamos o terminal errado no trajeto do Uber.
      Já acomodados partimos rumo ao paraíso, chegamos em Morro de São Paulo por volta das 11h na entrada da ilha paga-se a taxa de visitação R$15,00 por pessoa (aceita cartão). Ao desembarcar do catamarã logo vem uns rapazes te oferecendo "Uber", agradecemos e seguimos arrastando nossa mala (vale a pena somente para quem vai ficar longe do centro e está com bagagem bem pesada).
      Logo na chegada ao centro demos de cara com um carinha bem alegre super gente fina e nos indicou onde ficava a pousada e também nos informou sobre os passeios, seu nome é João da Descubra Morro de São Paulo, agencia de turismo. Super indico a Descubra Morro de São Paulo.
      Fomos até a pousada dos Nativos onde havíamos feito a reserva (pousada bem legal, com café da manhã incluso que é servido na porta do seu quarto - R$108,00 a diária,quarto duplo básico com ar condicionado) deixamos nossa mala e partimos para desbravar o paraíso.
      Passeamos um pouco e fomos almoçar no Restaurante Espelho Dágua
      Pratos executivos entre 20 e 25 reais. Vem arrumadinho e a opção escolhida(carne ou peixe ) vem separado, economia que vale a pena para curtir os passeios Sem falar no típico suco de cupuaçu jarra 750 ml R$13,00. Nota 10 Lugar simples e aconchegante e olha que sou chata para comer. Na sequencia Suco de Cupuaçu, MOqueca de Peixe e Moqueca de Sururu. Ao entardecer subimos até o mirante para ver o por do sol, tem uma subidinha considerável (10 minutinhos) mas vale muito a pena. O tempo não estava dos melhores mesmo assim tivemos um belo por do sol.

       
       
      Para fechar a noite fomos para a praça onde tudo acontece, vários bares e restaurantes que os funcionários ficam na porta te mostrando o cardápio.
      3º Dia:
      Decidimos fazer o passeio Volta a Ilha com a Descubra Morro de São Paulo, o tempo não ajudou muito e a maré estava alta, mas deu parra curtir. Para quem Gosta de aventuras fortes rsrs vale a pena fazer o passeio e ir as piscinas naturais de Moreré e Boipeba (esta não conseguimos ver pois a maré estava alta e deveríamos fazer o passeio ao contrário mas como trocamos de piloto ja na saída da ilha o mesmo não soube que era para fazer ao contrario). Também não fomos na barraca do GUido pois ninguém do grupo se interessou em ir.
      4º Dia:
      Decidimos ficar mais 1 dia em Morro já que nos encantamos com a 4ª praia a maré estava baixa e fazia varias piscinas naturais. Passamos uma boa parta deste dia nesta praia. A tarde partimos para a Toca do Morcego para ver o por do sol, lugar muito, mas muito legal. Tem que chegar por volta de 16:30h para poder pegar um lugar bem bom com DJ, ficamos nos Puffs bem despojados. O valor da entrada é R$15,00, rola uns drinks maneiro o valor da Coca lata R$6,00, a long neck R$12,00 Heinneken. Não dá vontade de sair de lá.
      5º Dia:
      Novamente passamos o dia na 4ª praia e ficamos no bar e restaurante da piscina (não aceita credito). Lugar legal e no cardápio tem a história da dona do bar. A Noite passeamos pela segunda praia e tomamos uns drinks feito de cacau no Cacau (rsrs). Durante nossa estadia não houve lual, que pena. Jantamos no Mediterrâneo comemos Camarão no abacaxi que vem servido no proprio abacaxi, serve duas pessoas, valor R$80,00.
       

      6º Dia:
      Com a dica do João da Descubra Morro de São Paulo fomos para praia de Gamboa e praia Linda. Se a maré estiver baixa da para ir andando porém a maré estaria baixa a tarde então fomos até a entrada da ilha e pegamos um barquinho de "luxo" até a praia de Gamboa, levamos uns 15 minutos para chegar e o valor foi de R$5,00 por pessoa. Passamos o dia de boa em Gamboa e almoçamos na praia Linda, comemos uma moqueca de sururu que foi R$60,00 e nessa praia tinha musica ao vivo e muito boa. O cantor passa um envelope pedindo uma ajuda de custo de R$10,00, valeu a pena na verdade a única música boa ao vivo em Morro foi na praia Linda. Na volta como tínhamos interesse em conhecer o trajeto a pé, não pegamos o barquinho e retornamos caminhando levamos em torno de 40 minutos com direito a banho de argila, ainda vimos um belo por  do sol do alto de umas pedras próximo a pousada Portaló

      7º Dia
      Acordamos arrumamos a mala pois era dia de partir, tomamos café e fomo para a tirolesa, só subir alguns degraus, rsrs. Com  70 m outros dizem 53m de altura e 340m de extensão ela vai direto para a primeira praia. O valor está R$50,00.
       
      Voltamos para a pousada, pegamos nossas coisas e partimos para pegar o catamarã, já havíamos comprado as nossas passagens no dia anterior na Biotur. Ás 11:30h pegamos o catamarã de volta a Salvador.

       
       
      Ficamos hospedados no Pelourinho onde passamos a tarde de sabado, passeamos bastante com direito a pintura do Olodum.
      NO 8º dia Voltamos para o Rio de Janeiro às 4:00h da matina, pegamos um Uber as 2h da manhã até o aeroporto que custou R$45,11.
       
       
       
    • Por nani.etc
      Na primeira semana de outubro, fui com um amigo conhecer Arraial d'Ajuda e cidadezinhas próximas: Trancoso e Caraíva. Fomos do Rio de Janeiro de GOL (vôo com escala em Brasília), chegamos em Porto Seguro às 11:20h. Não alugamos carro, fizemos tudo por conta própria. Vou detalhar tudo para vocês.
      Fiquei hospedada em 2 hotéis da Rede Porto Firme: Saint Tropez e Arraial Bangalô. Do dia 02 a 04 no primeiro, e do dia 04 a 07 no segundo. Ambos são MARAVILHOSOS! 
      O Saint Tropez tem um ar de sofisticação e o atendimento foi perfeito, a praia do Parracho, que fica em frente, é tranquila e muito bonita. Andando 800m para a direita, praia da Pitinga, e 800m para a esquerda, praia do Mucugê. Fiz ambos os trajetos andando pela areia. Tranquilo! A localização é um pouco afastada do centro, mas taxis levam e trazem por R$20 o trecho. Fui em dupla, então, R$10 pra cada (as vans custam R$3,50). OBS.: Para ir ao centro, o hotel oferece uma van às 18h para os hóspedes. Super recomendo para quem gosta de glamour, sofisticação, sossego e pé na areia!
         
       
      O Arraial Bangalô é todo cercado de árvores e pé na areia mesmo (cadeiras de sol na areia dentro do hotel). A praia em frente é a Apaga Fogo, que possui em algumas épocas do ano, desova de tartarugas bem em frente ao hotel. Quando a maré está baixa se formam algumas piscinas naturais em frente ao hotel. E por possuir muitos recifes de corais e pedras em frente (com ouriços e peixinhos), basta andar 30 metros para direita ou esquerda, para conseguir entrar no mar. A praia é deserta, muito tranquila! Ponto positivo: O hotel fica muito perto da balsa que leva a Porto Seguro e mais perto do centro. Vans passam a todo instante e rodam a noite toda. R$3,50 é o preço.
          
       
      PRIMEIRO DIA (02/10 - terça-feira): 
      Chegamos em Porto Seguro pela GOL às 11:20h. Do aeroporto pegamos um táxi até a balsa de Porto - Arraial d"Ajuda (R$30 reais). Atravessamos de balsa (R$4,50) e do outro lado pegamos uma van que fica parada logo ao lado da balsa (R$6,00). Encheu, saiu. A van nos deixou em frente ao nosso hotel (Saint Tropez).
      Fizemos nosso check in e fomos almoçar na Cabana Uikí, que fica ao lado do hotel (melhor acesso pela areia). Tinha uma banda ao vivo, muito animada. Pedimos uma moqueca de frutos do mar para dois (R$119), que servia três. Muito saborosa.
      Aproveitamos o resto do dia no hotel, tomando nosso drink de boas vindas e tirando fotos da paisagem e atrativos. A Praia do Parracho é bem tranquila e bonita.
      À noite, pegamos a van do hotel (exatamente às 18h eles disponibilizam para os hóspedes uma van para levar ao centro) e fomos conhecer a Rua Mucugê e o Beco das Cores.
      Depois, fomos à Pizzaria Paolo, localizada próximo à Rua Mucugê, no coração de Arraial D'Ajuda. O restaurante é muito aconchegante e acolhedor, com mesas em volta de uma gigantesca árvore. As opções de pizza são inúmeras. Pizza de massa feita NA HORA e bem fina, assada em forno à lenha, muito saborosa. Você vê sendo feita, um charme a parte! Uma pizza grande serve tranquilamente 4 pessoas e tem preço justo! No sabor, há opções para todos os gostos, inclusive combinações de ingredientes, com toque especial do Chef Paolo, uma figura muito simpática e acolhedora. Escolhemos metade Portuguesa Especial e metade Caprese (com mussarela de búfala, rúcula e tomate cereja), uma delícia. Pedimos cerveja para acompanhar. Uma das melhores pizzas que já comi! Super recomendo o restaurante pelo ambiente (que é uma graça), pela comida e pelo excelente atendimento.
         
       
      SEGUNDO DIA (03/10 - quarta-feira):
      Tentamos fechar um passeio para Trancoso + Praia de Taípe, mas não haveria saída na quarta. Então, resolvemos conhecer Trancoso por conta própria.
      Pegamos um táxi para o centro (R$20), e esperamos a van para Trancoso (R$12). Uma hora depois, chegamos à Praia dos Coqueiros. Lá, ficamos na Cabana Enseada Beach Trancoso. Tomamos uma Original 600ml (R$20) e só. Achamos os valores bem altos. O espaço tem chuveirão e banheiro. Além de rede para descanso junto ao restaurante.
      Andamos um pouco até a Praia dos Nativos (tem que atravessar o rio) e voltamos para conhecer o Quadrado. O vilarejo é muito tranquilo e traduz a paz. Lá tomamos um açaí de 500ml na Açaiteria Trancoso. Delicioso! 
       
      Pegamos a van de volta à Arraial d"Ajuda às 14:30h (R$12), visitamos o Centro Histórico (igreja, mirante das fitas e lojinhas para comprar lembrancinhas) e depois paramos na Rua Mucugê para um "almojanta" PF de respeito (no Varanda Mucugê) e depois aproveitamos o finzinho de tarde no hotel.

       
      TERCEIRO DIA (04/10 - quinta-feira):
      Este dia foi um pouco corrido, já que precisaríamos fazer check out e check in no hotel novo. 
      Acordamos cedo e fomos conhecer a Praia da Pitinga. Praia linda com falésias e mar calmo. Voltamos umas 10h, arrumamos nossas coisas e fizemos check out no Saint Tropez. Deixamos a mala na recepção e fomos almoçar na Cabana La Plage, na Praia de Mucugê (800m do hotel pela areia). 
      O ambiente é lindo e acolhedor, tem espreguiçadeiras, redes e lounges para uso dos clientes, um excelente lugar para passar o dia e tirar muitas fotos lindas. 
      Pedi uma cerveja assim que cheguei, e já agendei meu almoço. Fiquei relaxando no lounge, curtindo a música e olhando o mar. O almoço é servido em mesas dentro do ambiente. Sem problemas deixar os pertences longe. Mesmo para uma Carioca acostumada com a violência, confiei e me surpreendi. Almocei uma moqueca de camarão para dois (que serviu duas pessoas duas vezes, rs), bem temperada e muito saborosa, e, para acompanhar, uma cerveja, que estava super gelada. O preço é abaixo de outras cabanas que conheci. Voltaria, com certeza e indiquei para todos os amigos!

      Destaque para o DJ pelas ótimas escolhas musicais, tocou de rock à eletrônico. Dancei e cantei junto. Parabéns ao dono, Laurent, pela administração do local, e aos seus funcionários pela simpatia e cordialidade! Quando vier, não deixe de passar por aqui.
           
      Voltamos para pegar nossas malas e pedimos um táxi até o Arraial Bangalô (R$35). Fizemos check in e passamos o resto da tarde aproveitando a piscina do hotel tomando um drink de morango delicioso.
      À noite, novamente, fomos à Rua Mucugê e comemos um hambúrguer artesanal na Hamburgueria Mucugê. Super recomendo! O pão se assemelha com o do Madero e paguei apenas R$18 num hambúrguer artesanal e muito gostoso. Pedimos meia porção de fritas e um refrigerante para acompanhar.
      Neste dia, queríamos ir à Quintaneja do Morocha Club, mas começava as 23h e tínhamos passeio no dia seguinte. Voltamos!
       
      QUARTO DIA (05/10 - sexta-feira):
      Fechamos o passeio para a Praia do Espelho com a Portal Turismo (R$60 no dinheiro) e eles passaram pra pegar a gente às 8:10h. O guia Fernando e o motorista baiano que me fugiu o nome agora, são muito atenciosos e divertidos. Nota 10 para o serviço! 
      No caminho passamos por uma aldeia indígena, a Aldeia de Imbiriba. Descemos para tirar fotos e comprar utensílios. Dica: as crianças deixam você tirar foto com as aves, dois reais e elas ficam felizes da vida. Entre para ver os preços das peças e se surpreenda positivamente. 

      Chegamos na Praia do Espelho às 10:30h e lá ficamos no Bar e Restaurante Aconchego do Espelho. Não nos cobraram consumação mínima porque eles são parceiros da Agência, mas consumimos uma carne de sol com mandioca (R$60) e uma Brahma 600ml (R$12).
        
      Voltamos no horário combinado (15:30h) e passamos para dar outra volta em Trancoso (40min). Tomamos um sorvete na Sorveteria Mucugê, no Quadrado. A loja tem uma árvore imensa dentro, saindo pelo seu telhado. Incrível!

      Chegamos às 18h no hotel. Cansados! rs Pedimos um hamburguer do hotel e dormimos cedo, amanhã tem mais passeio!
       
      QUINTO DIA (06/10 - sábado):
      Queríamos conhecer Caraíva, mas ficamos com receio de ir por conta própria, mas depois vimos que seria tranquilo, porém mais demorado. Então fechamos um passeio com a Cacau Tour (já que a Portal não tinha fechado grupo) - (R$70 no dinheiro). Passaram pra buscar a gente também às 8:10h. O motorista Nando é um amor! 
      Às 10h chegamos para atravessar o rio. Ao chegar em Caraíva há estacionamento "do lado de cá" do rio (não sei o valor). Dali é só cruzar de canoa (R$5) e em menos de cinco minutos você já estará na vila, onde não circulam carros. A Vila é toda de areia fofa. 
      Fomos direto para a praia e nos largamos no bar da Casa da Praia, que possui puffs da Corona muito confortáveis e colchões com almofadas coloridas. É pra relaxar MESMO! Conhecemos a praia e tomamos banho no rio ao lado esquerdo no final e depois voltamos para petiscar uma batata-frita (R$29). O atendente Junior é super atencioso. 
        
      Infelizmente (ou não), em Caraíva não tem fácil acesso a internet. Fiquei o dia inteiro sem redes sociais! rs
      Às 16:30h atravessamos de volta (R$5) e esperamos o Nando para voltar para Arraial d'Ajuda. Chegamos no hotel ainda com sol e degustamos um espumante para já ir nos despedindo do paraíso! 

      À noite fomos jantar no Cantinho Mineiro (na Brodway). Comi um contra-filé acebolado (R$24) e uma Brahma 600ml. Muito gostoso!
       
      SEXTO DIA (07/10 - domingo):
      Nosso vôo era cedo, infelizmente. Tomamos café da manhã e fomos para a balsa de van (R$3,50), atravessamos o rio (a volta é de graça) e pegamos um táxi até o aeroporto (R$30).
      Escala em Confins. Chegamos no RJ às 14:50h.
       
      DICAS:
      • Se tiverem mais tempo, conheçam Taípe e Araçaípe.
      • Sempre perguntem se as cabanas e bares das praias possuem consumação mínima.
      • Não tenham medo de andar de transporte púbico.
    • Por HermesRicardo
      Sempre tive o sonho de subir na moto e sair por aí sem destino. Conhecendo novos lugares, paisagens, sensações e pessoas. Vou completar 40 anos bem vividos no próximo mês e decidi que precisava me preparar de maneira extraordinária a minha entrada nos “enta”. No meu trabalho, um amigo falou que iria de São Paulo ao Chuí (RS) acompanhado por sua esposa. Ele iria em uma Citycom 300i. Neste momento veio à tona o meu antigo sonho. Não tive dúvida, agendei uns dias de férias do meu trabalho e comecei a pensar no roteiro. Em paralelo, fui equipando com alguns acessórios básicos a minha XRE300 2015, que estava na época, com 18 mil km rodados. Alforje lateral, almofadas de agua no banco, pastilhas de freio e pneus novos, troca de óleo e verifiquei a tensão da corrente...até pensei em trocar a corrente mas resolvi economizar neste item. Para me acompanhar nesta jornada, convidei o meu filho Jonatan, que tem 23 anos e mora em Cambuí, sul de Minas Gerais. Ele topou na hora e isso me deu ainda mais motivação!
      Faltando uma semana para iniciar a minha sonhada aventura, começou a greve de caminhoneiros em todo o Brasil e não tinha gasolina nos postos.  Nem se pagasse uma fortuna por ela! Simplesmente eu estava com tudo pronto, mas com o tanque seco. Anunciaram o fim da greve em uma segunda (28/05) e meus planos de partida era para a próxima quinta (31/05). A greve acabou (graças a Deus), mas até que a vida voltasse ao normal era outra história. Começaram a fazer filas quilométricas nos postos para conseguir um pouco de combustível. Respirei fundo e esperei as coisas se acalmarem. Até que na quarta-feira (30/05) consegui encher o tanque da moto e as filas aqui do Rio de Janeiro já diminuíam. Me enchi de ânimo, coragem e espirito de aventura para o início da minha sabática preparação para o novo ciclo de vida.
      Para não deixar este diário muito grande e cansativo, relatei sem muitos detalhes o dia a dia deste roteiro. Espero que gostem e que inspire outros “seres inquietos” a buscar uma grande aventura. Divirtam-se!
      1° Dia, 31/05/2018 – Rio de Janeiro – Saí de casa por volta das 11:30h, passei no posto para calibrar os pneus e segui para Cambuí, sul de Minas Gerais onde eu iria visitar os meus pais e também encontrar com o meu filho, que bravamente enfrentou este desafio comigo. Ainda na via Dutra, percebi que tinha feito um ótimo investimento nas almofadas de agua, o banco estava superconfortável. Não tive problemas para abastecer neste trajeto apesar de ver que ainda faltava combustível em alguns postos. Aí foram 450Km até a casa dos meus pais. Curti a noite com eles, jantamos e vi na televisão que ainda havia muita confusão nos postos no Norte de Minas. Mesmo sabendo que lá fazia parte do meu trajeto, resolvi não desistir da missão. Fui dormir cheio de energia para ver o que tinha pela frente!
      2° Dia, 01/06/2018 – Cambuí, MG – Acordei cedo, calibrei os pneus da moto (29 traseiro, 22 dianteiro), encontrei com o Jonatan, equipamos a moto com toda a bagagem e saímos por volta das 11h. Seguimos pela Rodovia Fernão Dias com destino a Belo Horizonte (BH). No caminho comecei a ver que a situação da falta de combustível ainda afetava bastante Minas Gerais. Próximo a 3 Corações, vi que precisava abastecer. No posto à beira da estrada tinha uma fila enorme e ainda havia previsão do combustível acabar sem atender a todos que ali estavam. Resolvi seguir em frente com o combustível que eu tinha no tanque... até que alguns quilômetros adiante vi um posto com apenas 5 carros na minha frente...que alegria! Enchi o tanque e a frentista (muito simpática) se surpreendeu ao saber que estávamos seguindo para a CHAPADA DIAMANTINA, de moto, durante a crise de falta de combustível. Ela sem nenhuma resistência encheu uma garrafa pet (2 litros) com gasolina para qualquer emergência. Vibramos por ter vencido o primeiro desafio e ainda havíamos conseguido gasolina extra para caso ficássemos sem combustível no meio da estrada. Seguimos em frente, sempre procurando abastecer nos postos que não tinha muita fila, geralmente os que não tinham bandeira ou que estavam distantes das cidades. Passamos por BH e seguimos para Sete Lagoas. À frente, um pôr do sol que deixava o horizonte avermelhado. Por volta das 19h, chegamos a SETE LAGOAS e nos hospedamos em um hotel onde fomos recepcionados por um Mineiro muito engraçado. Demos umas boas risadas com ele. Depois do banho, demos uma volta na cidade para jantar e descobrir o que tinha por lá. Comemos um sanduiche de pernil com bacon em uma feira próximo à uma das Lagoas da cidade. Estava sensacional! Depois fomos dormir sob ameaça da greve dos caminhoneiros ser retomada. Não deixamos que isso nos abalasse. Será? (rs)
      3° DIA, 02/06/2018 – Sete Lagoas, MG – Saímos por volta das 08h, com destino ao Norte de Minas Gerais. A paisagem mudou muito do que estávamos acostumados e a distância entre as cidades eram enormes. Aqui a preocupação em ficar sem combustível era eminente e nos deixou bastante apreensivos ao perceber que a moto havia entrado na reserva e não tinha nenhum sinal de cidade, posto ou pessoas. Apenas um intenso trafego de caminhões gigantescos. Até que, enfim, encontramos um posto e tinha gasolina. Aleluia! Abastecemos e seguimos! Chegando em Montes Claros percebemos o tamanho do nosso desafio! Sem gasolina na cidade! Apenas um posto com centenas de pessoas com galões, dezenas de motos e muitos carros! Como queríamos chegar em Janaúba e estava com meio tanque, resolvemos enfrentar aquela fila que além de desorganizada, sempre surgia algumas calorosas discussões. Fiquei bastante nervoso porque já estávamos a 2 horas na fila e tínhamos andando poucos metros. Não teve jeito, para sair de lá, precisei comprar no mercado negro daquele posto IPIRANGA, 2 galões de 5 litros para seguir em frente. Não sou favorável a este comportamento, mas não encontrei outra saída naquele momento. Só assim conseguimos chegar em Janaúba no início da noite. Logo que chegamos já vi que teríamos que ter paciência para abastecer novamente. Decidimos não nos preocupar naquela noite e fomos procurar um hotel. Fomos dormir cedo para acordar mais cedo ainda e ir para as intermináveis filas dos postos da cidade.
      4° Dia, 03/06/2018 – Janaúba, MG – Acordamos às 05:30h fizemos o check-out no hotel e fomos para o posto! O que era aquilo?! Não acreditei ao ver aquela fila de moto. Aproximadamente 300 motos já estavam lá pra esperar o posto abrir às 8 horas. Por sorte, um outro motociclista nos levou a um outro posto que abriria às 10h. Viram o nosso esforço e com o apoio de outras pessoas que estavam na fila, conseguimos abastecer e seguir viagem. Partimos com destino à Bahia, que alegria! Quando finalmente passamos da divisa de MG com a BA o sufoco do combustível acabou. Tinha gasolina sem fila em todos os postos. Seguimos viagem vendo a paisagem mudar para o que eu imaginava como sertão da Bahia. Uma geografia muito bonita, mas no fundo eu imaginava o quanto deveria ser difícil viver em um local tão seco. Passamos por enormes parques geradores de energia eólica, vimos uma mistura de caatinga com serrado e muita estrada pela frente. Até que enfim fomos chegando no parque da chapada diamantina embaixo de uma chuva fina e gelada. Já era noite quando avistamos uma montanha iluminada e em seguida uma placa dizia “MUCUGÊ a 1KM”. Fomos para a pousada felizes da vida pelo feito que havíamos tido até ali. Estávamos muito cansados, mas saímos para comemorar com pizza e vinho!
      5° Dia, 04/06/2018 – Mucugê, BA – A recepcionista da pousada e a dona da pizzaria haviam nos falado que não poderíamos deixar de ir na cachoeira do Buracão. Esta cachoeira estava a uns 80km voltando pela estrada que havíamos chegado. Acordamos cedo e partimos em baixo de chuva para ver a tal cachoeira. Ao chegar no centro de guias turísticos do local fomos informados que a cachoeira estava interditada devido à chuva que já estava castigando a região a 5 dias. Ficamos decepcionados e voltamos para Mucugê com a sensação de ter rodado 160km em vão. Decidimos naquele momento que iríamos para Lençóis a procura do sol e das belas cachoeiras. Seguimos para Lençóis, mas antes passamos no MUSEU DO GARIMPO para aprender um pouco sobre a cultura local. Valeu a pena porque fomos muito bem recebidos com uma aula sobre a fase do garimpo na região. Dalí continuamos a viagem até que vimos uma estrada de terra com destino a IGATU. Resolvemos ir conhecer. Caramba... uma estradinha de terra com muitas ladeiras e com um visual “inacreditável”. Fomos chegando na cidade onde tudo era de pedras, ruas, muros, casas, bares, bancos. Parecia que estávamos voltando no tempo. Perguntei a um guia local um lugar bacana para almoçar. Ele nos indicou um restaurante de comida caseira. A comida estava ótima. Depois do almoço e de uma cerveja gelada, deixamos a moto e caminhamos até uma cachoeira apreciando as casas e as paisagens. Claro, tirando muitas fotos. Chegamos na cachoeira e o sol deu o ar de sua graça. SHOW!!! Tiramos a roupa e deixamos secando, já que tínhamos tomado muita chuva na parte da manhã. Depois do banho de cachoeira e da roupa seca, pegamos a moto e seguimos para Lençóis por mais uns 100km. Quando chegamos, já estava escuro e pegamos a primeira pousada que paramos pra perguntar o preço da diária. Em seguida foi o padrão, banho e sair para jantar! Fomos surpreendidos pela bela cidadezinha com ruas de pedras. Jantamos em um restaurante chamado “Quilombolas”. Tudo perfeito! Depois das caipirinhas de umbu, fomos descansar.
      6° Dia, 05/06/2018 – Lençois, BA – Depois do café da manhã, procuramos um guia que nos levou pra conhecer algumas cachoeiras da região. Cachoeira da Primavera e a Cachoeirinha são demais e foi ótimo pra massagear as costas nas quedas d’agua. Na parte da tarde, pegamos a moto e fomos até a cachoeira do Poço do diabo. Ficamos lá apreciando por um tempo aquela imensidão de agua e pedras. Já eram 16h quando saímos da cachoeira com destino ao morro do Pai Inácio. Chegamos na encosta do morro, deixamos a moto, pagamos 6 reais por pessoa e começamos a subir as escadas e pedras até o topo. Paisagem dos cânions de tirar o fôlego. Mas o ponto alto foi o pôr do sol acompanhado de um arco íris quase que pintado à mão! Emocionante!! Ficamos ali, eu e meu filho, vendo o sol ir embora, deixando um vermelho cor de fogo em cima das montanhas. Descemos porque já estava ficando frio e estávamos de camiseta e bermuda a uns 30km da Pousada. Foi mais um dia extraordinário.
      7° Dia, 06/06/2018 – Lençóis, BA – Hora de sair da Chapada, mas com vontade de voltar em outro momento. Percebi que a corrente da moto já estava desgastada (aquela mesma que ignorei na revisão) e decidi que precisava de um mecânico. Seguimos para Itaberaba e paramos na oficina do Tony. Ele trocou a corrente e o kit de relação + a troca de óleo e filtro. A moto ficou novinha. Dalí continuamos firmes na estrada com destino a Itabuna, no sul da Bahia. Chegamos muito cansados à Itabuna. Aqui eu não imaginava que a cidade era tão grande. Demorou um pouco para encontrar um Hotel, mas conseguimos.
      8° Dia, 07/06/2018 – Itabuna, BA – Próximo destino Arraial d’Ajuda. Seguimos pela BR101, até que vi no mapa uma opção por estrada de terra até Cabrália e resolvemos encarar. Que doideira, entramos na plantação de eucalipto que não acabava nunnnca....andamos muito nesta estrada de terra. Já eram 12h quando chegamos em Cabrália. Ver o mar foi umas das sensações mais plenas que tivemos neste roteiro. Paramos na praia de Coroa Vermelha, pé na areia, peixe frito, cerveja gelada e praia de agua quente. Tudo que queríamos! Depois de algumas horas, partimos para Arraial através da balsa de Porto Seguro. Lá, curtimos um pouco da noite fora de temporada antes de ir pra pousada descansar para o dia seguinte. Foi bem legal.
      9° Dia, 08/06/2018 – Arraial d’ajuda, BA – O objetivo do dia era ir à TRANCOSO e chegamos lá por volta das 10:30h. Fomos para praça do Quadrado onde é impossível não querer morar em uma daquelas casinhas que circundam a praça quadrada, que na verdade é um retângulo. Tiramos algumas fotos e como ainda era cedo, decidimos naquele momento que iriamos dormir em CARAIVA, passando pela PRAIA DO ESPELHO. Partimos por uma estrada de terra que estava toda esburacada e em alguns pontos, com muita lama, devido à chuva que estava castigando a região. Tive quase certeza que iríamos beijar o chão em algum momento. Mas inacreditavelmente: não beijamos! Chegamos à praia do Espelho sem nenhum arranhão. Que praia espetacular! Tomamos um banho de mar enquanto observávamos tartarugas que nadavam livremente perto de nós. Já era próximo das 15h quando partimos para CARAIVA, rodando mais 25Km por estrada de terra, lama e areia! Chegamos em segurança também. Deixamos a XRE300 em um estacionamento na beira do rio e atravessamos em um barco rustico até a outra margem onde estava a bela vila de Caraiva. Lugar roots, com ruas de areia, transporte através de carroças. Estas também transportavam alguns mantimentos para as casas e pousadas mais afastadas da margem do Rio. Logo que conseguimos uma pousada, deixamos as coisas no quarto e fomos ver o pôr do sol no encontro do rio com o mar. Foi alucinante!! A noite ficou por conta do forró, que é marca registrada do local. O pessoal dançava muito bem! Depois de algumas cervejas fomos dormir para iniciar o retorno para casa, que seria no dia seguinte.
      10° Dia, 09/06/2018 – Caraiva, BA – A missão agora era retornar para casa e eu particularmente já estava bem cansado de tanta aventura. Saímos de lá por volta das 10:30h e de cara, tinham 48Km de estrada de terra, embaixo de uma forte chuva, antes de chegar na BR101. Foi tensa aquela estrada. Passamos um ponto de alagamento em um local inóspito com água batendo no meio da moto. Que adrenalina! Depois de 2 horas para sair desta estrada, chegamos na rodovia e seguimos com destino ao Rio de Janeiro. Neste dia tomamos chuva o dia inteiro. Já eram umas 17h quando chegamos na cidade de São Mateus, norte do Espirito Santo (ES), onde nos hospedamos. Um banho quente e descanso era tudo que estava precisando naquele momento. Meu filho também já demonstrava muito cansaço.
      11° Dia, 10/06/2018 – São Mateus, ES – Nesta noite não consegui dormir quase nada por conta de alguma coisa que havia comido no dia anterior... Tive uma noite de rei ;-). Mas como ainda tinha muita estrada pela frente, tomamos o café da manhã e partimos. Este trajeto, para mim, foi um dos mais cansativos devido ao “mal-estar” que me acompanhou o dia todo. Próximo à região de Serra (ES) tive que parar para tirar um cochilo na sombra de uma arvore. Meu filho cuidadosamente e com muita paciência fez a guarda enquanto eu me recuperava! Me recuperei um pouco e seguimos viagem, passando por Guarapari e avançamos com destino ao Rio de Janeiro. Chegamos por volta das 16h em Campos dos Goytacazes. Como eu estava muito debilitado, resolvemos procurar um hotel. Acredito que fizemos uma boa escolha em não arriscar seguir viagem naquele estado que me encontrava.
      12° Dia, 11/06/2018 – Campos dos Goytacazes, RJ – Depois do merecido descanso, acordei muito bem e o Jonatan também estava bem animado em saber que estávamos muito próximo de casa. Pegamos a estrada e viemos cantando por um longo trecho. Ainda não havíamos concluído a jornada, mas a sensação de gratidão já estava contagiante naquele momento. Logo que avistei a ponte Rio-Niterói, os meus olhos marejaram de alegria. No pedágio da linha amarela os motoristas deveriam estar me achando um doido. Segunda feira de manhã e eu cantando e desta vez, era muito alto, pra todos ouvirem! Cheguei em casa no mesmo horário que eu havia partido, 11:30h da manhã. Meu filho abriu o portão, coloquei a moto para dentro, desci da moto, olhei pro céu e agradeci muito a Deus pela oportunidade de ter vivenciado junto com o meu filho tantas aventuras, perrengues, risadas e emoções.
      No total foram 4.350KM, passando por 4 estados em 12 dias de viagem. Foram tantas estradas, tantas pessoas que conhecemos, tantos quebra-molas que pulamos, estrada de terra, chuva, frio, calor, risadas, conversas, cansaço, sustos e surpresas, que fizeram desta viagem algo marcante para mim e para o meu filho. A sensação de gratidão por ter conseguido atingir o objetivo, por estar vivo e por ter uma casa para retornar, são elementos básicos e essenciais para estes dois seres humanos que estavam perdidos em meio a tantas preocupações, atividades e compromissos. Desejo que estejamos sempre motivados em realizar sonhos, mas principalmente que tenhamos sabedoria para desfrutar as coisas simples! Obrigado ao Jonatan pela excelente companhia e parabeniza-lo pela coragem deste desafio. Te amo filho!
      Hermes, Minas/Rio de Janeiro



    • Por gmussiluz
      Fala pessoal, trazendo mais um relato pelo litoral baiano, dessa vez um pouco mais ao sul. O trecho que fiz saindo de Itacaré em direção a Barra Grande me motivou a fazer outro logo! hehehe (http://www.mochileiros.com/itacare-algodoes-a-pe-t141705.html)
      Idealizei essa travessia desde o carnaval, para realizar em abril, coincidindo com as férias, e fazendo um planejamento simples, por se tratar de um trecho curto. Serra Grande fica situada entre Ilhéus e Itacaré, e é uma pequena cidade que tem se desenvolvido mais atualmente, com surgimento de empreendimentos e inciativas com uma abordagem mais ecológica. Assim como toda a região, tem muitas opções de aventura, atividades ao ar livre e em contato com a natureza, oferecendo paisagens paradisíacas de rios, cachoeiras, costões rochosos e praias desertas.
       
      PLANEJAMENTO

      Idealizei fazer esse trecho saindo do pé da serra e contornando o costão rochoso pra então seguir pela areia até a praia da Engenhoca ou Jeribucaçu, isso tudo me baseando em muita pesquisa, vendo alguns vídeos do local no YouTube, imagens de satélite no Google Maps e fotos que procurava pela internet. Morei em Ilhéus minha vida quase toda e frequentava muito Itacaré, sempre de passagem por Serra Grande, mas nunca atento aos detalhes que eu precisava saber pra fazer esse trecho, principalmente do costão, (grau de declividade, distância "caminhável" entre a encosta e a água durante a maré seca, regularidade do solo nas rochas, entre outros) e, por esse motivo, o contorno do costão foi na completa aventura, já que essas pesquisas não me davam noção exata desses detalhes e não conheço ninguém que pudesse me dizer, me precavendo apenas com um tênis, que foi essencial! Entretanto, caso não fosse possível fazer esse trecho, subiria Serra Grande e desceria a trilha pro início da praia, local que inclusive já fui há um tempo. Pelo Google Maps/Earth, o trecho do pé de serra até Jeribucaçu deu um total de 16,3Km. Tinha observado um rio pequeno desaguando no trecho (Barra do rio Tijuípe) e, assim como qualquer caminhada de praia, é imprescindível que saiba a maré ideal pra o local que vai, que nesse caso seria seca. Isso pode evitar perrengues ou complicações (que vou citar a seguir! hahaha). Apesar de o trecho ser relativamente curto, não tenho costume de fazer grandes caminhadas e não sabia se dormiria no caminho ou se daria pra terminar em um dia, então levei a barraca. Como sempre tem muuuito coqueiro, acredito que fazer um trecho desse com rede e cobertura (lona, tarp...) deve ser uma boa, já que reduz o peso e volume da mochila. Além disso tudo, como já conhecia o início da praia, sabia que teria pelo menos um trecho de praia com declividade grande e areia grossa fofa (praia predominantemente refletiva), sabendo que seria hard caminhar nessa condição!
       
      ORGANIZAÇÃO
      De férias em Ilhéus, já tinha visto com muita antecedência o dia bom com maré seca pela manhã, para ter mais área de areia pra caminhar e um amigo iria comigo, mas cancelou na noite anterior ao dia combinado. Fiquei no impasse de ir sozinho ou cancelar de vez, mas a vontade era muita e me organizei pra ir sozinho no dia seguinte ao combinado. Consegui carona com outro amigo e tudo foi dando certo pra fazer nesse dia mesmo. Estava com uma cargueira de 35L.
      (Não levei minha câmera dessa vez, e a GoPro afogou uma semana antes, num acidente enquanto surfava . As fotos ficaram por conta do celular mesmo).
       
      CAMINHAR!

      A minha carona avisou que sairíamos de Ilhéus às 7h, me animei porque saindo essa hora a programação com o horário da maré ia encaixar tranquilo, entretanto acabamos saindo mais tarde, aproximadamente às 8h30. Chegando no pé de serra, me preparei e saí: camisa de manga comprida, óculos escuro e tênis! Do jeito que era acidentado, se caminhasse no costão descalço, chegaria sem pé . Saí às 9h50. O costão é acidentado em praticamente todo o contorno, mas em alguns trechos tem trilhas mais acima, que ficam na parte com grama, no pé dos coqueiros, inclusive já mostrando que passa gente por ali com certa regularidade, porque a trilha é bem marcada, provavelmente pelos pescadores que vi. Em algumas partes, caminha-se em parede quase vertical, e o "bastão de caminhada" (cajado de madeira hehehe) que achei no início me ajudou muito no apoio. A maré já estava cheia a um ponto considerável e cheguei a tomar alguns "sprays" das ondas em trechos mais estreitos, mas nada que pusesse a caminhada em risco, é sempre bom prezar pela segurança, ainda mais sozinho! Depois de andar mais um pouco sobre as rochas, surge um caminho bem fechado entre palmeiras baixas, que seguia até uma pequena praia onde vi algumas pessoas chegando e que aparentemente não tem acesso difícil, seguida por um grande gramado liso com coqueiros espaçados (gramado perfeito pra um camping! haha).

      Mais à frente, algumas piscinas naturais se formam entre as rochas, o visual é sempre convidativo e é tentador parar em cada lugar pra curtir um pouco.

      Depois, mais uma pequena (essa é beem pequena, com uns 10m de extensão!) praia paradisíaca com cara de cenário de filme/série, onde tinha uma família (4 pessoas), aparentemente da comunidade de Serra Grande, pescando. Dali pra frente, só mais um pequena parte e acabou o costão rochoso. O contorno do costão foi um trecho curto, mas bem puxado!

       
       
      Havia um pescador no início da praia, e era visível também muitos pontos de desova de tartaruga. Caminhei uns 100m até um lugar bom pra parar, me hidratar e comer algo pra então sair e iniciar a grande caminhada pela areia. Alguns metros depois, uma lagoa espelhada se destacou mais pra trás, muito bonita e parece ser um bom lugar pra acampar.

      Daí pra frente, o trecho segue praticamente o mesmo, com algumas casas bem grandes, mas vazias, dunas pequenas sempre beiram a praia e segue assim praticamente até chegar ao rio. Em cima das dunas se vê muitos mandacarus, e alguns tinham frutos que eu, com certeza, peguei pra comer! Quem conhece sabe como é bom e deve imaginar como foi bom esse achado! hahaha (importante não comer nenhum fruto se não conhecer! É melhor morrer de fome do que de envenenamento ).

       
      O RIO!
      Quando cheguei no rio tomei um susto! Tinha chovido um pouco nos dias anteriores, mas não imaginei que tivesse aquela intensidade de fluxo...pra dentro do rio! A maré estava enchendo e as ondas quebravam e entravam com força. A travessia era bem curta,15 a 20m. Dois pescadores estavam jogando tarrafa no rio e ainda de longe vi que um deles estava atravessando com água quase no pescoço e dava algumas braçadas pra conseguir andar e vencer a correnteza. Do lado de cá, chamei eles e gesticulei com a mão, perguntando em que altura estava a água, quando um deles fez o nível acima da cabeça. Nessa hora, tive uma breve certeza de que acamparia do lado de cá do rio, pra na manhã seguinte, na maré seca, atravessar e continuar. Larguei a mochila na beira e resolvi checar por conta própria, dando uma analisada visualmente antes, pra ver onde parecia estar mais raso. A correnteza estava forte, a areia era fofa e afundava o pé até um pouco acima do tornozelo e as ondas não paravam de entrar, andei até a metade e atravessei o resto com ajuda de braçadas, assim como o pescador. Do outro lado, dei uma olhada melhor, fui mais pra frente, voltei, fui de novo, olhei, olhei e atravessei traçando uma diagonal até o outro lado, dessa vez com a água no peito, chegando ao ombro. Dei uma pensada e confesso que quaase fiquei por ali mas, além de ter achado um local mais raso pra atravessar (mas ainda assim arriscado), ainda era cedo, 12:10! Única coisa que estragaria realmente se acontecesse de molhar a mochila acidentalmente, seria o celular, pois o resto era "recuperável" (claro que seria terrível molhar a barraca, mas é mais fácil de enxugar e recuperar). "Embrulhei" o celular em duas sacolas plásticas, pensei mais um pouco e resolvi atravessar segurando a mochila acima da cabeça pelo caminho que tinha traçado. Sim, deu tudo certo, mas foi bem hard hahaha, a mochila estava com um peso considerável, e todos os outros fatores dificultaram bastante também. Atravessei e deitei na água na "lagoa" que se formava do outro lado, muuuito boa pra tomar banho e além dos pescadores na beira do rio, só estavam duas meninas com uma mulher tratando uns peixes, à qual pedi pra tirar uma foto minha .
      (link com um vídeo curto que fiz do rio, depois de atravessar:
      )
      -Observação 1: muito importante analisar as condições do rio, bem como do local e o seu preparo e conhecimento de corrente, maré e etc., PRINCIPALMENTE ESTANDO SOZINHO. O risco de se afogar existe até para os mais experientes mesmo nas condições mais desprezíveis e a análise dos riscos podem livrar de um perrengue. Além da correnteza jogando para dentro da lagoa do rio, a profundidade era pouca, tenho boa natação, não atravessei preso à mochila (poderia largar para nadar) e haviam pessoas ali. Na dúvida, é melhor não arriscar!
      -Observação 2: por mais que tenha visto a desembocadura do rio pelas imagens do Google Earth, esse ambiente tem um perfil que está constantemente sujeito a mudanças causadas pelas forçantes locais como: ondas, maré, fluxo do rio, entre outras. O perfil que encontrei lá pessoalmente, já estava BEM diferente do que observei pelas imagens então, é bom estar preparado para isso (olhando as imagens históricas do Google Earth, vi que nas imagens de 2010 a desembocadura chegou a ter aproximadamente 100m de uma margem à outra, aparentemente com uma profundidade considerável, condição praticamente impossível de atravessar sem ajuda de um barco ou algo do tipo!).
       


       
      Dessa parte em diante, a praia já fica menos inclinada e em vez de dunas, uma mata fechada com muitas palmeiras e coqueiros beirava a praia, e seguiu assim até chegar num "morro" pequeno que debruçava na água, com um riacho na lateral (um pouco antes disso, vi um esqueleto de baleia realmente grande!).

      Comecei a subir o morro por uma trilha, que tinha uma cerca com uma passagem, mas na dúvida se também teria passagem do outro lado, resolvi voltar e contornar por baixo.

      Depois de contornar o morro, um coqueiro baixo com um cacho de cocos chamou minha atenção e não resisti em subir e tirar: bebi muita água de coco e segui. Nessa parte depois do morro, tinha também uma cerca com uma propriedade imensa com uma casa e até alguns cavalos pastando!

      A partir daí, algumas casas de alto nível, depois o resort Txai e a praia de Itacarezinho, onde vi que não tinha possibilidade de contornar o costão rochoso para a Engenhoca, porque tem uma declividade muuito acentuada.
      Me informei da trilha que sai dali para a Engenhoca, tomei um banho gelado na bica e segui. Nunca havia feito essa trilha de Itacarezinho pra Engenhoca, e é uma trilha bem fácil e bonita.

      Antes da Engenhoca, ainda se passa por duas praias, a primeira (pelas pesquisas, o nome parece ser Camboinha) estava deserta, e a segunda é a Havaizinho, conhecida, que tem estrutura bem simples de barraca de praia, dali pra Engenhoca é um pulo, mais dez minutos e finalizei o percurso na Engenhoca mesmo, às 15h15, totalizando 5h25 de percurso. Já era fim de tarde e cheguei à conclusão que não valeria a pena dormir ali para no outro dia só fazer o trecho até Jeribucaçu.

       
      Atualização: fiz uma estimativa do tempo parado, me baseando em fotos que havia feito na hora de cada parada longa e quando voltava a caminhar. Como além das paradas longas parei algumas vezes rapidamente pra tirar fotos e não contei o tempo, estimei um tempo somando cada foto. A soma das paradas longas totalizou 1h10min, mais uma estimativa de 20min das paradas curtas, resultando aproximadamente 1h30min de tempo parado. Dessa forma, o tempo efetivo de caminhada estimado foi de 3h50min. Considerando a distância do percurso como 15Km, a velocidade média foi de 3,9Km/h. Espero conseguir comprar meu GPS logo pra ter essas informações de forma mais prática e exata!
       
      O QUE APRENDI NESSA TRAVESSIA:
      -Nunca tinha usado "bastão de caminhada" e foi muito útil não só no costão rochoso mas também na praia;
      -Em casos como esse, trocar a barraca por uma rede e cobertura talvez seja ideal;
      -Acondicionar as coisas em sacos estanques dentro da mochila é realmente importante, ficaria menos preocupado no caso do rio, por exemplo;

      EQUIPAMENTOS USADOS:
      -Curtlo Highlander 35+5L
      -Azteq Nepal 2 (não usei)


×