Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

Costa do Cacau e do Dendê - Itacaré/Barra Grande/Ilhéus março 2017


Posts Recomendados

  • Membros

Olá a todos os viajeros! Segue relato de um role pela Costa do Cacau (Ilhéus/Itacaré) e do Dendê (Barra Grande) na Bahia, e feito por três amigos, Diogo (eu!), Binho e Júnior.

 

1° dia, 16/03 (quinta)

 

Após sair de GRU com uma conexão em CNF chegamos à Ilhéus pouco depois das 15 horas. Fomos direto ao balcão da Movida pegar o carro reservado, que saiu por 80 reais a diária de um HB20 com seguro do carro e também proteção contra terceiros. Esse valor saiu com desconto por ter usado KM de Vantagens. Observamos que a lanterna traseira estava quebrada, deixamos formalizado para não quererem nos cobrar depois. Resolvido isto, pegamos a estrada e depois de uns 30 km paramos em Serra Grande. Primeiro num mirante onde se tem uma vista espetacular de uma praia e depois entramos na cidade propriamente. Pequenininha, e numa quinta-feira à tarde com todos os bares fechados e quase ninguém pelas ruas. Paramos na pracinha principal, compramos umas brejas num mercadinho e ficamos ali bebendo e observando o ritmo devagar-quase-parando da cidade. Júnior queria comer acarajé e pegou um na barraquinha da Lia (R$ 5), mas não estava bom.

598de0f876554_1-PracinhadeSerraGrande.jpg.e81e2dd180524edadb5cdf0c38df6aa9.jpg

 

Seguimos para Itacaré, onde ficamos no Casa Blanka Hostel (R$ 81 a diária para três pessoas). Quarto com uma cama de solteiro e uma de casal, e apenas um ventilador... Bem localizado, fica bem pertinho tanto da passarela quanto da Pituba, onde se concentram a maioria das atrações noturnas da cidade. E foi na Pituba que fomos em nossa primeira noite. Vários bares, restaurantes, hostels, pousadas, tattoo, agências de passeios... Quase tudo que você precisar em Itacaré será encontrado na Pituba (tem até camping de 10 reais a diária! Fica ao lado de um restaurante chamado Frango Carica). Paramos no restaurante Mediterrâneo, porque Júnior queria comer lá. Comida cara para padrões mochileiros, mas as bebidas estavam a preço até que justo, então eu e Binho só bebemos, pois já havíamos comido antes. Uma chuva torrencial encerrou a noite um pouco mais cedo do que esperávamos.

 

2° dia, 17/03 (sexta)

 

Acordamos meio tarde e fomos ver alguma praia para curtir, mas antes passamos num mercadinho perto da pousada (Mercado TC), com preços ótimos de cerveja, que é o que realmente interessa.

598de0f8ee38d_2-Promoo.jpg.4f2ab0c10782f591fc5deb30c230eda9.jpg

 

Perguntamos sobre praias lá e recomendaram a praia da Tiririca, que fica próximo ao centrinho da cidade. Fomos pra lá então, uma praia bonita com ondas fortes como quase todas em Itacaré. Na verdade existe um “corredor” com umas quatro praias na sequência, depois da Tiririca tem a praia da Ribeira, que tem muito mais estrutura, e portanto, muito mais gente.

598de0f8f3172_3-Tiririca.jpg.9827f8449b1f1f2ecf9d6223a3008b80.jpg

 

Demos um tempo por lá e voltamos para a cidade para almoçar. Fomos no restaurante Zig Zag, que é uma verdadeira pérola da economia! Tem PFs a partir de 6 reais (frango ensopado), mas tem também peixe frito, moqueca, filé de frango, por no máximo 10 reais. A guarnição vem com arroz, feijão, salada e pirão. O local é bem simples, então não recomendo para quem tem frescura. Fica ao final da Passarela.

598de0f904faa_4-ZigZag.jpg.b1ad0aa7d95af7cb3681887a76e5487e.jpg

 

Depois de forrar o estômago demos um tempo e fomos para o segundo tempo de praia do dia. Um pouco mais longe da cidade, na estrada sentido voltando para Ilhéus fomos na praia da Engenhoca. A partir da estrada tem que fazer uma trilha de mais ou menos 20 minutos, com algumas subidas e descidas. Mas vale a pena, pois a praia é sensacional. Bem mais bonita e agradável que a praia que tínhamos ido de manhã, com pouquíssimas pessoas. Não tem estrutura de quiosques e outras facilidades a não ser ao final da trilha quando se chega na praia que tem um bar que vende alguns comes e bebes. Cerveja Heineken long neck a 8 reais e caldo de cana a R$ 5 foram os valores do que consumimos. Uma tapioca é R$ 10 (caro!). Essa praia tem bastante ondas, então pra quem não sabe nadar só dá pra ficar na beirinha, mas para os surfistas é o paraíso Alguns turistas são trazidos para fazer aulas de surf por aqui. Gostamos bastante dessa praia e ficamos a tarde toda alternando entre mergulhos na água, apreciar a paisagem e tomar umas cervas!

598de0f94df33_5-Engenhoca.jpg.5206fae09665b1dab2fb653a9cf6c911.jpg

 

 

Depois de descansarmos na pousada fomos à Pituba no comecinho da noite. Tomamos umas brejas compradas num mercadinho e depois umas outras de um carinha que vende Heineken a 5 reais numa portinha ao lado de um restaurante. Júnior comeu acarajé de novo, numa barraquinha bem no fim da Pituba, e dessa vez estava bom. Da Pituba fomos para a Passarela, um outro point noturno de Itacaré, parece um pequeno boulevard com passagem proibida para carros. Alguns bares tentam atrair a atenção dos turistas com música ao vivo, mas o público costuma se concentrar mais em um só deles. Chegamos cedo e ainda não estava rolando nada. Fomos então à uma feirinha perto da orla, que é o terceiro point noturno de Itacaré, onde rolam várias barraquinhas com comes e bebes regionais e um palco onde rola um som com artistas da cidade (funciona das 18h as 22h). Comi uns pasteizinhos (R$ 3 cada) e um caldo delicioso de abóbora com camarão (R$ 5) de uma barraquinha. Também tomamos cerveja artesanal de uns gaúchos que fixaram residência em Itacaré, chama-se De La Óstia a breja e custou R$ 5 o copo de 300 ml. Voltamos para a Passarela e estava rolando um samba, vários brasileiros e os muitos gringos curtindo e bebendo e tentando sambar. Por ali, um tiozinho e uma garota estavam com isopores vendendo cervejas a preço melhor que o do bar, então a maioria comprava deles. A animação rolou até mais tarde ali, voltei para a pousada por volta da meia noite, mas os outros dois elementos da viagem chegaram bem mais tarde...

598de0f953dd6_6-Passarela.jpg.5543bcd7d534ab58df376bf934d0aeee.jpg

 

3° dia, 18/03 (sábado)

 

Após acordar tarde por causa da farra do dia anterior, comemos algo pela rua e decidimos ir para a praia de Itacarezinho. Pegamos a estrada, novamente no sentido voltando para Ilhéus e antes de chegarmos lá avistamos uma placa anunciando a Cachoeira Bom Sucesso. Adentramos ao local, vimos que cobra 5 reais por pessoa. Nenhum funcionário apareceu para falar com a gente, então resolvi descer para ver qual que era a dessa cachoeira. A queda é pequenininha e o poço d’água mal chega na canela. Maior furada! Fomos embora antes que aparecesse alguém para tentar nos convencer a ficar e logo chegamos ao portal de entrada da praia de Itacarezinho. Por ser área particular, cobra-se 30 reais para adentrar com o carro (há somente duas ou três vagas para estacionar do lado de fora sem ser sujeito a tomar uma multa). Pagamos então o valor e entramos, lembrando que pedestres não pagam nada para entrar.

598de0f9bec4e_7-ChegandoemItacarezinho.jpg.f79e54458143d898dd4a3c5516e3e6fa.jpg

 

O lugar tem uma estrutura bem bacana, mas se tem a impressão que se paga até para respirar. Guarda-sol e cadeiras de praia (R$ 20) são cobradas até de quem está consumindo, bem como umas pequenas coberturas para deitar debaixo. Como não tenho esse tipo de frescura dispensei isso. Tem um bar com Heineken a 8 reais, como não levamos isopor ficamos bebendo por lá mesmo entre um mergulho e outro.

A praia em si é enorme e com faixa de areia mais larga do que as outras que fomos em Itacaré. Tentei ir até o final do lado direito da praia, mas desisti, parecia que quanto mais eu andava mais longe eu estava do objetivo! A partir da entrada da praia, quanto mais pro lado direito você andar, mais você terá a praia só para você, pois as pessoas por lá estão mais interessadas em ficar sentadas em suas cadeiras de praia alugadas. Já da entrada para o lado esquerdo o trajeto é curto e a praia faz umas reentrâncias com pedras no final. Não suba nas pedras descalço, são pontudas e machucam. Tem também uma providencial bica d’água para tomar uma ducha e se livrar do sal do mar antes de ir embora. Foi a praia que mais gostei em Itacaré, tanto que ficamos o dia todo por aqui.

598de0f9ca028_8-PontaesquerdadeItacarezinho.jpg.90e385024cf58da58285be411d303297.jpg

 

598de0f9ceca6_9-VisodeItacarezinhoapartirdaspedras.jpg.0987a916bf6725e3bb1a19c75b674371.jpg

 

À noite dispensamos a Pituba e fomos direto à Passarela. Tal qual o dia anterior chegamos antes do horário mais animado e fomos em direção à feirinha da orla. Antes de chegar lá passamos em frente a um local chamado Confraria do Machado, um boteco arrumadinho que vende cervejas artesanais e estava rolando um som bem bacana. Música brasileira para dançar, inclusive uns samba-rocks setentistas bem bacanas (Marku Ribas, Di Melo, Bebeto, Benjor, Originais do Samba). Tomamos apenas uma cerveja cada pois o preço não é lá muito convidativo, mas ficamos ali na rua curtindo o som. Fomos para a feirinha, uma banda no palco estava mandando uns reggaes, tomei um caldo de sururu (R$ 5) e novamente cerveja De La Óstia, depois umas Heineken. Aí sim voltamos para a Passarela e dessa vez estava rolando forró em vez de samba. Um pouco menos gente que no dia anterior, mas a animação igual. Como tenho a coordenação motora de um aspirador de pó e não sei dançar, fiquei só curtindo o som da banda que mandava ver Alceu, Gil, Zé Ramalho, Jackson do Pandeiro, Luiz Gonzaga e alguns forrós pé-de-serra mais recentes como Peixeletrico e Falamansa. Novamente por volta de meia noite fui dormir enquanto o Binho e o Júnior ficaram um pouco mais.

 

4° dia, 19/03 (domingo)

 

Saímos da pousada às 11hs (o checkout era às 10h30, nunca vi bizarrice assim) e pegamos o carro para ir a Barra Grande. Os primeiros 30 km são tranqüilos em asfalto, mas depois tem mais 37 km em pista de terra. Em Itacaré todo mundo faz o maior terror sobre a pista, dizendo que é muito ruim, que vai zuar o carro que vai atolar etc etc etc. Na verdade eles fazem isso para os turistas não irem para lá e ficarem só em Itacaré. Mas posso afirmar que se não tiver chovido muito dá pra ir de boa com carro de passeio normal. E mesmo se tiver chovido muito anteriormente e a pista estiver realmente ruim, dá pra ir em asfalto até a cidade de Camamu, deixar o carro estacionado lá e seguir de barco para Barra Grande.

Bem, seguindo pela estrada de terra avistamos uma placa onde se lia “Praia de Algodões”. Resolvemos parar nela. Águas mais brandas e agradáveis, até quem não sabe nadar pode ir um pouco mais longe dentro do mar sem perigo. Em algumas partes tem que tomar cuidado, pois existem alguns corais que machucam o pé. Porém na maré baixa nestes mesmos corais se formam belas piscinas naturais. Em frente à praia tem um bar que serve refeições caras e cervejas caras. Ficamos só nas cervejas (Heineken 600 ml por 15 mangos) entre um mergulho e outro. Ficamos bastante tempo nessa praia, quando bateu umas 15hs resolvemos seguir caminho.

598de0fa464e5_10-BotecandoemAlgodes.jpg.7f8088050df942feab0a28df04920564.jpg

 

598de0fa4c3ed_11-DeveserporissoquesechamapraiadosAlgodes.jpg.129bca8cd708b0aae3ec0b2c7701c976.jpg

 

No caminho para a pousada em Barra Grande o navegador do Google Maps nos fez dar algumas estúpidas voltas a mais, mas graças a isso achamos um local bem interessante para comer: chama-se restaurante Família e fica anexo à casa da dona. Pedimos peixe frito no dendê (acompanha pirão, arroz, feijão salada e pimenta ::hahaha:: ). O preço eu não lembro, algo entre 18 e 20 reais. Lá tinha também umas maravilhosas cocadas feitas de coco e cacau por 1 realzinho cada! Ficamos de passar lá na volta para levar o estoque todo, mas não conseguimos achar o restaurante na hora de voltar ::putz::

598de0faaf496_12-RangonoRestFamlia.jpg.0e0e6d64be2840ff135f3114026e2d77.jpg

 

Estômago forrado, fomos ao Ganga Zumba Hostel. Parece um pequeno sítio o local com uma grande área verde. Tem uma parte que é hostel, com quartos coletivos e alguns quartos privativos na área externa. Ficamos num desse, que na verdade é quase como se fosse um pequeno apartamento: dois quartos, uma pequena cozinha (sem fogão, mas com pia e geladeira) e banheiro privativo. O hostel tem algumas comodidades como wifi, redes para descansar, lavanderia, cozinha comunitária e possui um bom café da manhã que ofereceu nos dois dias que ficamos lá pelo menos duas variedades de suco natural e de frutas, além de pão francês e pão de forma integral, mussarela, manteiga (e não margarina) e um carboidrato natural (um dia foi batata doce, no outro mandioca), além de leite e café. O preço do nosso chalé ficou em 160 reais por dia. Os preços em Barra Grande são um pouco mais altos que em Itacaré, embora a qualidade dessa pousada também seja superior ao da outra pousada que ficamos anteriormente.

598de0fab571a_14-GangaZumba.jpg.a9b19dda96f39fa16289d829be0eb94b.jpg

 

Como chegamos tarde não deu mais para pegar praia nesse dia, então fomos ao píer do cais, que é de onde chegam os barcos de Camamu. Curtimos um belo pôr do sol, Binho chegou a nadar por ali, não entrei na água porque a profundidade não me permitia, já que não sei nadar. Saindo do píer paramos no restaurante Clube do Mestre. Latinha de Skol a 4 reais, ficamos tomamos umas enquanto curtíamos uma boa preguiça nas cadeiras almofadadas de frente para o mar. Para jantar uns lanches e frutas que tínhamos comprado em Itacaré e para finalizar a noite uma voltinha na charmosa vilazinha de Barra Grande.

598de0fb008a7_13-PordosolnaBarraGrande.jpg.bf0dd81b7e8562348c9844e0a4595c5d.jpg

 

5° dia, 20/03 (segunda)

 

Neste dia iríamos fazer o Passeio das 5 Ilhas, um passeio de barco que leva a algumas ilhas na Baía de Camamu. Porém acordamos meio tarde, e depois de tomarmos o café não ia dar tempo de chegar ao ponto de encontro antes das 10hs. Então decidimos ir para Taipus de Fora, só eu e o Binho, já que o Júnior ficou amuado por causa do passeio e resolveu ficar na pousada. No caminho demos carona para uma gaúcha que resolveu largar tudo e morar em Barra Grande. Ela nos levou a uma praia que é chamada informalmente pelos locais como “Taipus de Cá” por ser bem próxima ao ponto principal de Taipus de Fora.

598de0fb057ad_15-ChegandoemTaipusdeC.jpg.0643aa0d2911796ba0e7d1781659ba6c.jpg

 

Ficamos num local chamado Dreamland Bungalows, que é um complexo de hospedagem e bar/restaurante chique e com cara de ser bem caro. Mas chegando os preços até que eram “acessíveis”, como uma Heineken de 600 ml por R$ 15. Porém o legal aqui é que como estávamos na baixa temporada, nos deixaram usar a estrutura do lugar sem pagar, esteiras, guarda-sol, almofadas etc. Na alta temporada deve-se consumir ao menos 80 reais no bar deles para ter direito a usar essa estrutura. Como outras praias de Barra Grande a água é morninha e tranqüila, foi a praia que mais deu pra ir longe mar adentro. Entre um mergulho e outro ficamos lá horas bebendo e curtindo um dolce far niente, pagando de patrão com pouco dinheiro no bolso.

598de0fbdc17b_16-DreamlandeTaipusdeC.jpg.f2cb9e393fe48f0396c9a7a394644937.jpg

 

Carol, a gaúcha que tínhamos dado carona já tinha ido embora trabalhar, mas na hora de comer nos lembramos que ela tinha comentado sobre uns bolinhos de queijo com melaço feito ali. Pedimos uma porção dessa iguaria (10 unidades, 35 reais) e não nos arrependemos, pois o negócio é realmente muito muito gostoso, a despeito de não ser barato. Depois de comer fomos para o carro e uma surpresa: vários cachos de banana prata caídos por ali, devoramos várias bananas antes de pegarmos o carro e irmos para a Taipus de Fora propriamente. Tem várias jardineiras que fazem o trajeto Barra Grande/Taipus de Fora, então mesmo quem está sem carro consegue chegar de boa. Pouco antes de chegarmos lá paramos no Empório Santo Antônio, compramos algumas barrinhas de doce de cacau puro por R$ 2,50 e umas brejas antes de irmos para a praia. Chegamos ali na parte mais turística de Taipus de Fora e a pegada era totalmente diferente da praia do Dreamland Bungalows: muito mais gente aqui, cadeiras de praia sendo cobradas, muitas famílias com criança pequena... deixamos nossas coisas num canto e fomos para a água, que é bem cristalina. Com um snorkel deu pra ver bastante peixes perto da área onde ficam os corais, apesar da maré alta. Na maré baixa formam-se as piscinas naturais e aí sim dá pra nadar com os peixes que ficam “aprisionados” entre os corais.

598de0fc6a9c4_17-TaipusdeFora.jpg.b6062cbb669b8fbff556aa689554b24a.jpg

 

Na verdade não aproveitamos tão bem Taipus de Fora e suas piscinas naturais, pois chegamos na lua errada. As piscinas naturais se formam nas luas cheia e nova, enquanto que nas luas minguante e crescente a maré fica alta (o ponto mais baixo da maré quando estávamos lá foi 0.9, enquanto que para aproveitar bem as piscinas naturais a maré tem que estar abaixo de 0.5). Para saber se vai rolar piscininha ou não tem que consultar a tábua das marés no site da Marinha e escolher o porto de Ilhéus como referência >> http://www.mar.mil.br/dhn/chm/box-previsao-mare/tabuas/

598de0fc74906_18-BardasMeninas.jpg.71d9ee9e8745326c2d22d44ca448754c.jpg

 

Curtimos bastante tempo dentro da água, e quando a maré estava subindo demais fomos ao famoso Bar das Meninas, referência naquela parte principal da praia. Dessa vez dispensamos a Heineken e fomos de Eisenbahn, naquele mesmo padrão caro de preço (R$ 15) pela garrafa de 600 ml. Não é fácil ser um bom apreciador de cerveja por estas bandas ::tchann:: Usamos o wifi do bar (a quem interessar a senha é meninas2016), tomamos uma ducha no chuveirinho deles e zarpamos de volta a Barra Grande. Mas não sem antes pararmos pra almoçar no restaurante O Cajueiro, pedi uma carne de sol (R$ 18) e o Binho pediu um peixe.

598de0fc7a9f3_19-OCajueiro.jpg.1f781dc1ba20165a7b266db7cd88b2c3.jpg

 

Cansados, não fizemos quase nada à noite, só fomos comer um crepe na Rota do Crepe, restaurante que a Carol trabalhava. Ambiente agradável, crepe delicioso (mas meio caro, acho que foi 18 reais), cerveja bem gelada e um amplo quintal com redes para descansar. Esse restaurante fica atrás da Praça da Tainha, um charmosíssimo boulevard pé na areia com diversos restaurantes.

 

6° dia, 21/03 (terça)

 

Dessa vez daria certo o passeio de barco. Acordamos mais cedo, fomos à Princesinha Turismo pagar o passeio (que saiu 35 reais no dinheiro e 40 reais no cartão por pessoa) e voltamos ao Ganga Zumba para tomar café. O passeio sairia às 10hs, chegamos uns 20 minutos antes e ficamos esperando por ali. Com um pouco de atraso partimos, o barco vai navegando devagar enquanto na caixa de som vai rolando o acústico do Cidade Negra (daora!) até chegarmos na primeira parada que é na Ilha da Pedra Furada. Praticamente não tem faixa de areia, então é recomendável ir de chinelo pra não machucar o pé nas pedras. Visualmente essa foi a ilha mais bonitas do passeio. Paisagens incríveis que rendem belas fotos. Nessa ilha deve-se pagar uma taxa de 5 reais por ser uma propriedade particular. Na verdade nós não pagamos, quando descemos na ilha fomos direto ao lado direito dela mergulhar e tirar fotos entre as pedras, quando chegou o cobrador nós já estávamos na água e acabou que ninguém veio receber ::otemo:: A única coisa que não gostei aqui é que poderíamos ter ficado mais tempo, talvez pelo atraso na saída do barco eles tenham reduzido o tempo aqui.

598de0fc84ec1_20-IlhadaPedraFurada.jpg.b2aa3cd78245fa1274ba0e1cf5f661f0.jpg

 

598de0fc8aabc_21-IlhadePedraFurada2.jpg.2c3d0ce9f7885f813f60160aa7328862.jpg

 

598de0fc906b9_22-IlhadaPedraFurada3.jpg.0bf60936e36b77e8b74de4958fcfc223.jpg

 

Na segunda ilha do passeio só passamos ao longo dela, pois não param para descer, é a Ponta da Ilha Grande. Totalmente dispensável, poderiam cortar essa do passeio e vender como “passeio das 4 ilhas”, assim ganhar mais tempo para as que realmente interessam. Em seguida fomos à Ilha do Goió, mas antes eles encostam na Ilha do Sapinho para quem quiser almoçar já fazer seu pedido, escolhemos peixe (R$ 60 prato para dois). Seguimos para Goió, descobrimos que lá serve comida e é mais barato, pois o barqueiro não ganha comissão em cima. Pegamos umas brejas e fomos aproveitar as águas claras e mansas do local. Delícia. Em frente à areia da praia tem um balanço montado numa árvore que dá até pra se jogar na água, se você conseguir pegar um grande impulso. Eu gostei demais de Goió, pensando bem agora, preferia ter dispensado o almoço só pra ficar mais tempo aqui.

598de0fc9d020_23-Goi.jpg.8dd479bd03c4de4890fe0e558af8785e.jpg

 

Depois de uns 50 minutos em Goió, o barco veio nos buscar e levar ao restaurante na Ilha do Sapinho. Apesar de já termos feito o pedido anteriormente a comida ainda não estava pronta. Esperamos uns 20 minutos ainda até chegar, e nem era essa coca-cola toda o rango. O pudim de tapioca (R$ 6) que pedi ao final da refeição estava melhor do que a comida em si. A ilha do Sapinho em si, não tem nada pra ver, só o restaurante mesmo. Finalizando o passeio, mais meia hora na Ilha do Campinho, que é meio parecida com Goió, mas sem o mesmo charme. Chegamos de volta à Barra Grande quinze minutos antes do previsto. Somado aos quinze de atraso na saída, ficamos com meia hora a menos de passeio. Mas apesar disso, o passeio vale a pena, sobretudo porque o valor de 35 reais pode ser considerado baixo face ao preço de passeios Brasil afora.

Saindo do passeio pegamos o carro e saímos imediatamente de Barra Grande, pois não queríamos pegar a estrada de terra sem a luz do dia. Voltamos ao Casa Blanka Hostel de Itacaré; eu só queria descansar, o Binho ainda teve pique pra ir no Marley’s, um bar na orla com cerveja barata e público majoritário de gringos.

 

7° dia, 22/03 (quarta)

 

Fizemos o checkout no hostel e fomos direto para Ilhéus, com uma paradinha rápida no mirante de Serra Grande. Chegando em Ilhéus demos uma voltinha pelo centro, tiramos fotos na bela catedral da cidade, fomos à Casa de Cultura Jorge Amado, mas estava fechada (fecha para almoço das 12h30 as 14h00). Já que não deu pra entrar na casa dedicada a um dos mestres da literatura brasileira, pelo menos deu para tirar umas fotos com a estátua dele que fica na rua em frente ao museu.

598de0fca8263_24-JorgeAmadoeacatedraldeIlhus.jpg.d3602d7f79de7778ea53688f17fcd37b.jpg

 

598de0fcb3884_25-Barraktika.jpg.5981c6f6e9d8d57d37c8b02a07d55e49.jpg

 

598de0fcb807a_26-OfamosoBataclan.jpg.74adb71d81a4481d61414d9ee8258400.jpg

 

Queríamos ir no famoso bar Vesúvio, freqüentado por Jorge Amado e onde foram filmadas cenas da minissérie Gabriela, comer o famoso kibe do Nacib. Mas ele estava fechado para reformas. O plano B, então, foi ir no Barrakítica, um outro tradicional bar onde Amado tomava seus birinaites.

Comemos kibe e tomamos cerveja, ficamos por ali vendo o vai e vem da cidade por um tempo. Pegamos o carro, fizemos um city tour pela orla e paramos em frente ao famoso Bataclan para tirar umas fotos. Dali, direto para a Movida entregar o carro e pegar o vôo de volta para casa. Aliás, os vôos, pois foram duas conexões, IOS/SSA/CNF/GRU! Chegamos em casa já no fim de noite, cansamos mas extremamente realizados por mais uma trip!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 semanas depois...

  • 9 meses depois...
  • Membros

ola. nao sei se eh a qualidade da maquina fotografica mas achei as paisagens tao desoladoras, vazias..... Deu ate um frio na barriga....  Eu gosto de locais mais movimentandos, e coloridos.....se eh que da pra entender....

Parece que em itacare nao tem nada, alem da natureza.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros
5 horas atrás, Rafael Frois disse:

Se quer lugares movimentados devem ir ´pra salvador, sao paulo, rio de janeiro, os grandes centros urbanos, itacare realmente é um paraiso.

Nao necessariamente megalopolis,  eu digo locais como morro de sao paulo que sempre tem bastante gente pra cima e pra baixo, arraial da ajuda, buzios, que sao paraisos tambem.....

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Membros

 

Em 15/01/2018 em 01:58, [email protected] disse:

ola. nao sei se eh a qualidade da maquina fotografica mas achei as paisagens tao desoladoras, vazias..... Deu ate um frio na barriga....  Eu gosto de locais mais movimentandos, e coloridos.....se eh que da pra entender....

Parece que em itacare nao tem nada, alem da natureza.

Na verdade, nós que escolhemos ir nos lugares mais vazios mesmo. Tem lugares bem cheios e badalados em Itacaré, e a noite de lá é boa. Já em Barra Grande a praia de Taipus de Fora é a mais lotada, e a noite é mais parada.

  • Gostei! 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora
  • Conteúdo Similar

    • Por CamillaBS
      Pessoal, estou indo pra Itacaré e gostaria de saber se vcs conhecem camping em praias como engenhoca, havaizinho, icarazinho (praias que não estão dentro da cidade, estão mais afastadas). Quero ir pra lá mas quero ficar um pouco isolada!
      Se que poderia acampar na praia, mas agora preciso de uma estrutura de camping pra cozinhar, tomar banho de água doce e tal.
    • Por ipamscf
      OLÁ!
      Essas informações foram do camping que fizemos em fevereiro/2018. O local ainda existe e ainda é bem estruturado. A ideia é mais saber que existem outros meios de chegar em #Maragogi ou nesse caso Barra Grande sem precisar de transfer ou carro particular, entretanto, esse é um caminho mais low cost.
      COMO CHEGAR:
      Tem três maneiras básicas de chegar em Maragogi - AL partindo de Recife - PE, que são de ônibus direto, de ônibus baldeação e de carro. Ônibus Direto: o caminho é feito pela empresa Real Alagoas e você poderá fazer esse trajeto apenas em alguns dias da semana e em horários um tanto incômodos. Não optei por esse e nem indico, só tô deixando aqui a opção.  
        Ônibus Baldeação:  esse caminho é mais demorado ainda (coisa de umas 3hrs de viagem) e começa pegando um ônibus na Av. Dantas Barreto (antiga rodoviária) da empresa Viação Cruzeiro ou, ainda, da Viação Progresso até a cidade de São José da Coroa Grande ou até Barreiros; esse ponto de saída pode ser ainda QUALQUER parada da Av. Mascarenhas de Morais, inclusive, na praça do Aeroporto no entanto, no carnaval (como foi o caso) o ônibus tinha ponto de partida na Praça Largo da Paz no bairro de Afogados, ao invés de na Dantas Barreto, mas o resto das paradas se mantinham o mesmo. Em São José você vai descer no centro, de frente aos dois grandes mercados da cidade e lá vai pegar uma van para Maragogi - AL mas no caso desse nosso roteiro pode pedir para descer em Barra Grande, de frente a concessionária da Fiat, sem erro. Esquema parecido é em Barreiros onde, descendo na rodoviária, vai sair dela e já pergunta nos alternativos quem ali faz esse trajeto. O preço das vans dependem da cidade de onde tá saindo.   Os valores dos trajetos: [valores consultados em 09.02.18 deixo contato da empresa no fim do post] Recife - São José da Coroa Grande - Recife: R$22,00; Recife - Barreiros - Recife: R$19,00; Alternativos São José da Coroa Grande/Barreiros - Maragogi - AL: R$5,00 - 7,00 Os horários dos trajetos: [horários consultados em 09.02.18 deixo contato da empresa no fim do post]
      Recife - São José da Coroa Grande                 Seg-Sáb: 05h40/ 9h15/ 13h40/ 15h/ 18h10  
      Dom-Feriados:  05h40/ 9h15/ 13h40/18h10 

      São José da Coroa Grande - Recife       
      Seg-Sáb: 05h40/  06h30/ 9h10/ 13h/ 18h         Dom-Feriados: 05h40/ 09h10/ 13h/ 18h Recife - Barreiros                                                                                   
      Seg-Sáb: 06h/06h30/7h30/8h30/10h30/11h30/12h30/14h40/15h3016h40/17h10                              
      Dom-Feriados: 06h30/ 08h30/ 11h30/14h30/ 16h40/ 17h40  
      Barreiros - Recife 
      Seg-Sáb: 06h/06h30/7h30/8h30/10h30/11h30/12h20/13h50/14h40/16h30/17h30              Dom-Feriados: 07h30/ 11h30/ 13h30/ 14h50     

      c) Carro: o jeito mais fácil de chegar, é só botar o GPS e seguir tranquilamente, não esquecendo, claro de baixar o mapa offline para já ajudar. Essa foi a opção que escolhemos pois, como conseguimos economizar muito no combustível valia mais a pena do que ir de busão, mas de busão era a primeira opção valendo.
      Depois de citar as maneiras de viajar, vale destacar que, indo pela antiga rodovia (que é por onde o maps indica) após passar o complexo de viadutos que fica uns km depois da garagem da Viação Cruzeiro na BR a pista fica MÃO DUPLA, isso mesmo, a BR 101 vira mão dupla e, devo dizer, num estado não muito bom; estreita, esburacada e MUUUITO sinuosa aqui fica o cuidado quadruplicado.
      A CHEGADA Depois de muita pesquisa decidimos onde ficaríamos uma parte do carnaval e escolhemos o Camping e Chalés Beira Mar, que fica localizado na praia de Barra Grande, município de Maragogi - Alagoas. Para chegar nele não tem errada, o ponto de referência principal é a concessionária da Fiat Mavel, descendo nela ou tendo ela como ponto de referência basta entrar na primeira rua imediatamente a esquerda e, mais uma vez, a esquerda e, do seu lado direito estará o camping.    
      Antes de chegar acertamos com o dono que pede para que o pagamento seja feito 50% antes do check in e os outros 50% na chegada. Lá eles aceitam cartão para o pagamento da outra metade mas não aconselho tendo em vista que lá o sinal de telefone é bem precário e eles usam aquelas maquinetas que precisa de telefone, sabe? (eu fiquei TOTALMENTE sem sinal da TIM pelos 3 dias que fiquei lá, foi ótimo!).
      Chegando lá o dono, Ronald, muito simpático acertou nosso check in, preencheu nosso cadastro e fez questão de nos mostrar toda a instalação e ainda disse qual era o lado da sombra durante a tarde (que é o lado direito de quem chega ;] ) ele é muito solícito e organiza de tudo dentro do camping.  
       
       
      A ESTADIA / INSTALAÇÕES DO CAMPING Depois do check in pudemos ir montar nossas coisas; Deixamos o carro bem de frente a porta do camping o que facilitou demais o manejo, montamos a barraca e tratamos de levar nossas coisas para dentro, tudo muito tranquilo e sem demais aperreios. Escolhemos a área protegida pela tela por ter alguma sombra e ser perto do totem de energia, ficamos sabendo depois que aquela tela serve para manter a grama sempre verde e confortável, testado e comprovado.    
      Quando tava tudo montado fomos conhecer o camping e sua estrutura. Nada muito diferente do que eu tinha visto na internet apenas um pouco menor, mas não menos aconchegante. Conta com uma cozinha completa (duas geladeiras, fogão 6 bocas, microondas, pia e balcão) uma área de convivência com mesa grande, algumas redes, um jogo de lançar aros uma tv e um ventilador.
        De frente à área da cozinha temos a piscina e, atrás dela, o salão de jogos que conta com uma mesa de sinuca, totó, basquete e ping pong e, nesse mesmo espaço estão os banheiros únicos (banheiros que contam com uma função, ou privada ou banho) 3 femininos, 2 masculinos e um adaptado para pessoas com locomoção reduzida. Dos lados da área de cozinha há banheiros completos (banho e privada) de um lado masculino e de outro feminino.  
         
      Conhecido o camping saímos e ficamos pelas proximidades do camping mesmo, fomos á praia (caminho muito fácil também só voltar para a rua que entrou depois que saiu da BR e seguir direto que já tá na praia) que é razoavelmente movimentada e, apesar de ser carnaval, não estava lotada. A praia em si não possui uma grande estrutura contando apenas com uma barraca ou outra mas a presença de vendedores ambulantes vendendo camarão (e até lagostinha) é bem grande.  
       
        Uma coisa que eu não estava preparada foi para o frio que fazia a noite. Claro que não era aquele frio de morrer mas, por ser praia, pensei que passaria calor mas nem perto disso, as noites foram de temperaturas muito amenas (pelo menos a sensação térmica era) e teve momentos em que desligamos o ventilador, tamanho era a friagem. No entanto, com ventilador desligado a barraca começa a esquentar cedo, 07h10 da manhã já estávamos despertando devido ao sol começar a bater na barraca, daí vai minha dica de mesmo que não chova leve uma lona para cobrir sua barraca do sol e de eventuais chuviscos. Foi só no segundo dia que notamos como deveríamos colocar a lona para proteger a barraca do sol. De tarde dentro da barraca era bem quente, mesmo com ventilador, mas isso só até umas 16h que é quando começa a amenizar a temperatura; como passamos o dia fora da barraca, não foi um problema não.
        LOCALIZAÇÃO E CONVENIÊNCIAS
      O Camping fica na área inicial da praia de Barra Grande, então para conseguir chegar num mercadinho tem que andar por uma distância de 700m pela beira da pista quase sem acostamento. O mercadinho tem um valor razoável mas, para quem estiver de carro, vale a pena dar mais uma caminhada. Conversando com um pessoal do camping fiquei sabendo que, no sentido de Maragogi, havia alguns restaurantes também e, no sentido voltando para Recife, havia até um restaurante japonês (rsrsrs) então, se andar um pouco, dá pra se ajeitar direitinho.
       
      EXPERIÊNCIA DO CAMPING Ficamos no camping por 2 noites e 3 dias e posso dizer que quando chegou na hora de ir embora nem eu nem o boy queríamos ir. Ficamos muito seguros em todo o momento que estivemos por lá, o policiamento é constante (num só dia vi 3 patrulhas) e todas as casas estavam ocupadas, o que dava uma circulação de gente bem bacana.
        Usar a cozinha foi tranquilo, exceto por um pessoal que veio em família e nem se incomodavam de tirar a panela deles de cima do fogão mesmo quando eles já não estavam mais usando aquela boca, isso um pessoal que estavam nos quartos por que os campistas sabiam dividir tudo e bem. Nas geladeiras ninguém mexeu nas nossas coisas nem ficavam mudando de lugar para benefício próprio, havia um clima de respeito e cumplicidade muito grande entre os campistas, a vibe era incrível. Teve uma hora que ficou um barulho de som terrível mas, novamente, foi um pessoal de outro quarto que estavam com som bem alto e não se importavam que pessoas queriam poder dormir ali, mas alguém pediu para que eles desligassem e eles o fizeram (pelo menos né).
        Outro porém que é preciso avisar de lá é que NÃO HÁ ABASTECIMENTO DE ÁGUA CONSTANTE EM MARAGOGI pois o estado de Alagoas passa por uma crise hídrica e, portanto, o uso da água era controlado, desta forma se forem para lá ECONOMIZEM ÁGUA não só os seus companheiros de hospedagem mas também o planeta agradece.  
         
      A VOLTA   Havia um trânsito bem intenso na segunda-feira no sentido oposto de onde estávamos indo, então acredito que quem viajar na segunda de carnaval (ou da segunda em diante) vai pegar uns lugares mais lotados. Os postos da polícia rodoviária e da polícia estadual também estavam muito atentos e parando carros com frequência para conferir documentos e situações.
        Para quem vai de ônibus há uma parada bem na saída da rua do camping mas como os horários dos alternativos não são concretos é bom se programar de acordo com o horário que pretende pegar o ônibus para voltar para Recife seja em São José seja em Barreiros mas, como eu vi, indico São José por que além de ser mais perto da divisa eu vi muito mais vans fazendo esse percurso.
        Dicas Extras: Fiquei sabendo lá que há transporte meio que municipal para chegar em Maragogi vindo de Maceió então, se for lá pro camping saindo da capital alagoana, pode valer a pena descer em Maragogi e pegar esse mesmo alternativo. Quem tem os horários e preços desse trajeto é a Arsal e no site deles tem sempre os valores das tarifas, onde pegar esses ônibus e quais os trajetos que eles fazem. O valor em 15.02.18 do trajeto Maragogi - Maceió (via Japaratinga) R$ 22,00
      PREÇOS No site deles eles disponibilizam os valores tanto de hospedagem quarto quanto de camping, daí o valor que vocês pagarão dependerá da quantidade de dias, de pessoas e época do ano em que irão. Vale a pena também confirmar o valor com eles pelo Facebook ou Whatsapp que eles respondem bem rápido.   Obrigada pela leitura e, até a próxima! _________________________________________________________________________ Links úteis   Camping e Chalés Beira Mar: http://campingmaragogi.wixsite.com/beiramar http://campingmaragogi.wixsite.com/beiramar/promoes-e-preos https://www.facebook.com/beiramarmaragogi/
        Real Alagoas: http://www.realalagoas.com.br/
        Viação Cruzeiro: https://rodoviariaonline.com.br/viacao/cruzeiro/ 0800-766-9000 (consegui todas as informações por aqui, então é melhor ligar)
      Empresa de transporte público em Alagoas: http://www.arsal.al.gov.br/ http://www.arsal.al.gov.br/tarifas/transporte/ http://www.arsal.al.gov.br/servicos/transporte/linhas-do-sistema http://www.arsal.al.gov.br/servicos (abrindo a aba transportes)  
    • Por rafael.gomes.3975
      Ola a todos.
      Estarei na Bahia entre os dias 12 e 25 de outubro, e viajarei entre Salvador e Itacaré, passando por Morro de São Paulo e Maraú. Gostaria de saber se alguém conhece algum grupo de canoagem ou caiaque nestas cidades. Se souberem, teriam como me enviar contatos.
      Obrigado.
    • Por Bete Pandini
      TREKKING LIGHT PELOS LENÇÓIS - PERNOITE EM QUEIMADA DOS BRITOS.
       
      Queridos amigos mochileiros, vim compartilhar minha viagem pela Rota das Emoções, embora tenham muitos relatos aqui sobre o assunto, porque acredito que talvez alguns irão gostar da ideia de fazer como fizemos: sair do tradicional, com pouca grana, muita disposição e pouco tempo disponível.
      Saída do aeroporto Navegantes dia 28/08 - 13:30h - Chegamos 10:30h em São Luís (MA) alugamos um FIat Mobi  para devolver em Fortaleza em 04/09. Utilizei o link da reserva da Latam e consegui desconto da taxa de devolução em outra loja gratuita.
      Fizemos no balcão o seguro de vidros e pneus. Foi um valor de R$12,90 por dia, mas salvou a viagem: A estrada está péssima entre Camocim e Fortaleza. Leva 3h para fazer apenas 57km.  Na verdade, trata-se de uma rodovia de buracos com algum asfalto ao longo da via.
      Na devolução em Fortaleza foi verificado uma roda amassada, uma picada de pedra no parabrisa e arranhões na calota. Que o seguro cobriu.
      Partimos para o Hotel Santos Dumont SLZ - 0,9km do aeroporto - diária casal sem café - 103,19- Suíte dupla com ar. Limpo e confortável.
      5h da manhã partimos rumo à Santo Amaro. Aqui vem o pulo do gato: Não fizemos o tradicional... depois de ler o relato do:
      Seguindos as informações e o contato que Mario disponibilizou resolvemos fazer um meio trekking. Saímos de Santo Amaro com o Sr. Zeca e o Fábio (moradores de Queimada dos Britos) que vou falar mais adiante, de quadriciclo e seguimos até onde é permitido o trajeto de carro, na Lagoa das Emendadas e depois seguimos com o Fábio a pé pelo Parque rumo a Queimada dos Britos e casa do Sr. Zeca e da Dona Evanira.
       
      RUMO AO PARAÍSO ESCONDIDO DOS LENÇÓIS MARANHENSES
       
      Chegar em Santo Amaro é tranquilo pelo asfalto foi só seguir o Waze, mas o asfalto está em obras e tem muitos animais na pista é bom ter cuidado. O Waze nos deixou em frente ao Estacionamento Municipal de Santo Amaro - gratuito e muito bem vigiado.

      De lá pegamos uma jardineira para atravessar o rio - 50,00 o casal. A travessia pelo rio já é é uma aventura. Esta foto é da volta que não tinha jardineira então pegamos um trator.  Pernoitamos em Santo AMaro e acordamos às 3h, encontramos nosso guia e seguimos pela área permitida até as Emendadas e de lá um quadriciclo levou nossas coisas, nós levamos apenas uma mochila pequena com água, protetor, toalhas e meias.
      DICAS: Use chapéu que seja possível amarrar no pescoço, meias, roupas compridas com proteção UV, mochila com capa para atravessar os rios. Chinelos, tênis e toalhas só atrapalham. 

      Primeira lagoa que visitamos
      Chegamos na casa do Sr. Zeca e da D. Evanira. Um amor de casal que nos recebeu muito bem, com almoço pronto. Galinha caipira (criada no quintal deles), arroz, macarrão, salada, macaxeira, feijão e cabrito ensopado. Sobremesa: caju, melancia, banana e tangerina. Suco de caju que mais parecia sorvete.

      Depois deitamos na rede, curtindo uma paisagem surreal. Paz e tranquilidade enquanto esperávamos o calor baixar e seguir para a Lagoa do quintal do Sr. Zeca que não tem nome, mas apelidamos de Esplendorosa.
      No caminho....
      Ficamos até o entardecer, subimos a duna mais alta para ver o por do sol, foi quando avistamos um casal que vinha de Baixa Grande sentido Santo Amaro, uma holandesa e o seu guia. Ela tirou essa foto maravilhosa enquanto estávamos na duna no pôr-do-sol.
      Uma Lagoa entre tantas que visitamos

      Lagoa dos fundos da casa do Sr. Zeca
      À noite D.Evanira nos esperava com um peixinho e um café preparado na hora. Depois uma boa conversa sobre cultura e costumes da região, cachaça com cobra para curar picada de cobra... e outras histórias regadas na cervejinha gelada. ELe tem placa solar onde é possível carregar os celulares (só para fotos não tem nada de sinal). Ele nos contou que seu bisavô materno foi quem descobriu a região numa viagem de caixeiro viajante, se encantou e ali fez sua morada.

      Hospedagem do Sr. Zeca

      Cachaça de Cobra coral - Remédio para eles.
      Assim passamos 3 dias e 2 maravilhosas noites, vendo o céu estrelado como nunca tinha visto antes. Após um curso de como dormir em rede, dormimos feito anjos... acordavámos e íamos para as lagoas ali próximas, víamos o sol se por e íamos para casa de lanterna (20min).Por dois dias tivemos os Lençóis só para nós. Uma vida fácil de se acostumar...
       

       
      Me arrependi de não ficar mais um dia e ir até à Praia de Atins. Lá Sr. Zeca tem um barraca onde pesca e prepara o peixe e é possível até dormir. Fica a sugestão de 3 dias para a região.
      Oque você deve fazer se quiser ficar ali na Hospedagem do Sr. Zeca
      QUEIMADA DOS BRITOS - Zeca e Evanira
      (98) 99810-9494 - Zeca
      (98) 98604-0016 - D. Evanira
      (98) 99217 - 8945 - Jonas (filho do Zeca)

      Donos dos Paraíso Perdido

      Sr. Zeca, D. Evanira, Michelle (holandesa) Sérgio, o guia.
      Telefone de antena então um sempre estará desligado. Vá tentando até conseguir... Melhor horário por volta das 19h.
      Nós pagamos:
      R$40,00 (rede com café da manhã)
      *Redes limpas e cheirando a sabão em pó. Não passamos nem frio, nem calor. Banho de chuveiro com banheiro masc e fem super limpos.
      R$30,00 jantar por pessoa
      R$ 40,00 almoço por pessoa
      Transporte:  A negociar (ele pode buscar em Barreirinhas de 4x4 só para dormir, sem fazer a travessia. Coloque sua intenção e ele dará um jeito de buscar você. ) De 4x4, a pé, de Quadriciclo, de jumento, do jeito que for, mas não deixe de conhecer os verdadeiros Lençóis Maranhenses. Simples, rústico, mágico e maravilhoso.
       
      Saímos de lá e fomos para as Lagoas de Barreirinhas  (consideradas postais: Lagoa Bonita e Lagoa Azul) e as achamos sem graça depois de ter ficado em Queimada dos Britos.
      Fizemos o caminho inverso aproveitando cada minuto. Atravessamos o Rio de Trator pegamos nosso carro e seguimos para Barreirinhas.
       
      BARREIRINHAS - CIRCUITO LAGOA BONITA.
      Seguimos viagem para Barreirinhas para curtir os restaurantes na beira rio. Ficamos na Pousada Parque dos Lençóis. (98) 98805-4811 Sany. ELes tem um espçao para trailers. Com sombra para o carro. Cavalo, papagaio e cachorro. Ótima! Limpa e aconchegante e bem localizada. Fizemos os passeios agendados com a Bella Turismo.

      Pousada Parque dos Lençóis
      Rio Preguiças - Travessia da Balsa.

      VIsta da Lagoa Bonita Barreirinhas
       

      Sobre Barreirinhas: As Lagoas já estão com a água morta (gíria do Sr. Zeca) ali mergulhar de olhos abertos arde, bem diferente das lagoas de Queimada onde a água é limpa e não arde. A visão de cima do parque vale a visita. Aprox 1 hora sacolejando na jardineira. Na saída da balsa é possível comer uma deliciosa Tapioca com café por R$ 5,00.
      A noite é só escolher um restaurante perto do rio e curtir a vista. Tem para todos os gostos e bolsos. Ficamos só uma noite.
       
      BARRA GRANDE - PIAUÍ
      Normalmente, as pessoas seguem para o Delta para os passeios pelo Delta do Parnaíba, mas eu optei por praia. Já fizemos Jalapão, Bonito, Mangues em Boipeba e Morro na Bahia e achei que seria mais do mesmo, mangue, pássaros, caranguejos e cavalos marinhos... Fomos para Barra Grande.
      A estrada de Barreirinhas até Barra Grande está razoável, foi recentemente recapeada e é possível trafegar facilmente de carro comum. No caminho paramos para visitar a usina Eólica e os pequenos Lençóis, mas o tempo era curto só tiramos algumas fotos, pois nada mais impressionava ali...
      Em Barra Grande ficamos hospedados no Guest Hostel Barra Grande nas tendas Pé na areia. Amei!!!!

      (86) 3369-8050 ou (86) 98134-5902 diretamente com eles o café é incluso na diária e ainda tem 10% desconto que pelo Booking. Fale com o Kennedy.
      Amei a praia. Os kites ficam colorindo o céu azul em uma praia semi deserta com águas limpas e mornas. De frente ao Hostel fica o melhor ponto da praia, barracas com espreguiçadeiras que servem na praia e wifi, paramos ali para informar a família que ainda estávamos vivos. 😁

      JERICOACOARA - CE - De carro 1.0 por dentro do Parque Nacional de Jericoacora
      Depois de 01 dia e meio em Barra Grande deixamos o lugar com gostinho de quero mais. Praia linda! De madrugada pegamos a estrada rumo a Jeri. Estrada péssima depois que saimos de Piauí. Vergonhosa a situação da BR. Deplorável! 3h para percorrer 57 km e ainda o governador tem coragem de colocar radares na rodovia. Caminhões desviando de crateras na contra-mão... Absurdo mesmo.
      Chegamos em Preá, o Waze leva até o centrinho de Preá. Lá fomos abordados por um guia que prometeu nos levar ao Parque com o Mobi. Com medo, mas arriscamos. Ele esvaziou os pneus - 15lb - abastacemos e partimos para o estacionamento na entrada da vila em Jeri.  Fomos pela areia com o Mobi, atolamos só uma vez e foi super divertido. Ele tirou fácil. No caminho tiramos foto na árvore da Preguiça completamente vazia. Já que os passeios de jardineira passam ali de manhã.

      Nosso guia Matheus - (88) 98871-0490


      Àrvore da Preguiça - Preá
      Marcamos o passeio para as 8h do dia seguinte. No contra-fluxo dos outros turistas que saem as 9h e vão para àrvore da Preguiça, depois lagoas do Paraíso e Azul. Paramos na Lagoa do AmÂncio que esta bem cristalina, mas nem entrei...Fomos direto para a Lagoa do Paraíso. Chegamos com ela vazia escolhemos o melhor sofá do Lounge e curtimos até as 11h da manhã quase vazia. Depois chegaram amontoados de jardineiras com centenas de turistas. Saímos e fomos para a Lagoa Azul que devido as chuvas está muito cheia e não mais tão azul, lá tem um parque aquático com piscinas e estrutura de parque aquático. Bem legal! R$ 5,00 a travessia de barco e entrada no parque. Comida bem acessível.
      WhatsApp: (88) 99752-1337
      WhatsApp: 088 98862-7842
      Instagram: @lagoaazuljeri
      Em Jeri, foi uma aventura dirigir pela areia, indo aonde queríamos e ficando o tempo que desejávamos sem aglomeros por apenas 120,00 do guia Matheus. Gastaríamos 60,00 por pessoa em Jardineiras ou 300,00 o bugue compartilhado. Assim fizemos o nosso horário e nosso roteiro. Super recomendo o Matheus. Não se arrisque a ir sem guia. Vimos Hillux e Duster atoladas, enquanto os carros comuns atravessam com guia e ainda paravam para ajudar a empurrar. Ali tem que ter a manha, como diz o Matheus, guia e nascido na região. Em hipótese alguma circule na vila de Jeri com carro, a multa é cruel e o carro do Detran circula pra cima e pra baixo em busca de desavizados. Para os passeios Lado Leste (Paraíso e Azul) e o Oeste (Mangue e TObogã) não tem problema nenhum ir de carro. A pedra furada é apenas a pé por cima do morro do Serrote ou pela praia na maré baixa. Baixe o aplicativo das marés para escolher os melhores horários e leve muita água para a subida da Pedra.
      Na Pedra Furada tem um jovem, Erivelton, que tira as melhores fotos de pedra furada em troca de comprar um dindin. Paguei o profissional  e fiquei na fila, mas as melhores fotos foram dele.
       
       
       

      Caminho para a Lagoa do Paraíso


      Telefone do Matheus:
      (88) 98871-0490 - Guia.
       
      FORTALEZA- CE - PRAIA DO FUTURO.
      Passamos nossa última noite na Maravilhosa Vila de Jeri e seguimos para Fortaleza. Estrada péssima, mas já um pouco melhor que a de Camocim. Fomos até o Crocobeach, almoçar, tomar um banho de mar em Fortaleza e preparmos tudo para voltar para casa.

      Praia do Futuro - CE

      Barraca do Crocobeach - CE
      O crocobeach tem estrutua de resort. Almoço buffet por 79,00kg , combo de 3 cocos por 10,00. Chuveiros e mesas pelo consumo. Muitos ambientes para fotos. Ás 4h pegamos o carro e uma fila enorme para devolver o carro na Locadora. Assim terminou nossa viagem. Embarcamos para Santa Catarina com 39 graus em Fortaleza, descemos em Navegantes com 11 graus e chuva....Mas foi inesquecível. Espero que inspire outros viajantes e amantes da Natureza.
      Sobre custos:
      Hospedagem:
      SLZ Santos Dumond - 103,40 - 1 noite
      Sto Amaro - Queimada dos Britos com guia excluisvo e alimentação inclusa - R$ 1255,00 -3 dias e 2 noites
      Barreirinhas - Parque dos Lençóis - 144,00
      Barra Grande Guest House Hostel - 100,00 - S/ café com café 120,00 - 1 noite
      Jeri - Airbnb - Villa Mar - 169,00 diária - 2 noites
      Média de Jantar - 70,00 a 90,00 peixe ou camarão no abacaxi, peixe na brasa - Romã e Marisol em Jeri. Maoumé em Barra Grande e Bambu em Barreirinhas.
      Almoço PF 15,00 em Barra Grande e Jeri - Pizza com refri 29,00 - Crocobech 79,00 kg
      Tapioca com café - 5,00 em Barreirinhas
      Dindin 0 5,00 - picolé 7,00
      Coco gelado - 1,00 em Fortaleza - 3,00 em Barra Grande
      Passeios e transfer
      Trator - gorjeta 10,00
      Jardineira - 50,00
      Guia  exclusivo - 120,00 Jeri
      Lagoa Paraíso - 20,00 pessoa entrada no The Alchymist Beach Club
      Lagoa Azul - 5,00 por pessoa
      Circuito Lagoa Bonita - R$ 60,00 por pessoa - Bella Turismo
       
      Carro:  - 530,77
      Combust- Etanol - 275,00
      1,160 km rodados em 8 dias
      Total gasto aprox: R$ 3.200,00 para o casal - 8 dias
       
       
      "A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos."
      Fernando Pessoa SOARES, B. Livro do Desassossego. Vol.II. Lisboa: Ática. 1982. 387p.  
       
       
       
       
       
       

       

       



       

       
       




       


       
       




    • Por gmussiluz
      Bom, já estava há um tempo querendo fazer uma trip desse tipo. Meu primeiro plano era fazer no litoral norte de Salvador, que foi reforçado mais ainda quando vi aqui no Mochileiros o relato do Jorge Soto, de Arembepe a Mangue Seco a pé (http://www.mochileiros.com/de-arembepe-a-mangue-seco-se-a-pe-t11941.html).
      O objetivo primário era de fazer uma trip de praia, em local que ainda não conhecia (ou não conhecia direito), a pé e com baixo custo. Mas pra quem nunca fez uma travessia longa de vários dias, é se aventurar demais querer fazer com equipamento, sem conhecimento do local e "às pressas", sendo melhor então fazer um trecho mais curto para conhecimento dos limites, analisar pontos a melhorar em questão de equipamento, organização e etc. Então, analisando o longo litoral da Bahia (maior do Brasil, diga-se de passagem), resolvi com minha então namorada fazer o trecho de Itacaré a Barra Grande, que é mais curto e daria pra fazer no tempo que tínhamos disponível. Pelo Google Maps/Earth, dá aproximadamente 46Km, mas lá ouvimos dizer de até 60Km.
       

      ORGANIZAÇÃO
      Moro em Salvador e estava de férias. Após 1 semana em Ilhéus na casa de parentes, partiríamos para Itacaré e seguiríamos viagem. Importante ressaltar que essa semana em Ilhéus foi determinante para redução do trecho percorrido, já que estávamos com roupas e itens para mais tempo na mochila, e não apenas o essencial para o percurso da trip. Entretanto, foi ponto importante para analisar que, em uma distância maior, onde teríamos mais coisas e consequentemente poderíamos estar com peso igual, deveríamos estar mais preparados, bem como se tivéssemos ido apenas para fazer a trip, estaríamos com menos peso e provavelmente teríamos completado o objetivo sem problema. Ambos estávamos com cargueiras de 40L: eu com aproximadamente 12Kg e ela com aproximadamente 8Kg. O tempo pretendido era de 2 dias de viagem, pernoitando na praia. Importante que, para caminhada em praia, tem que ter conhecimento da maré, do contrário, por falta de planejamento pode pegar uma maré cheia para caminhar e terá que ir pela areia fofa, obrigando a parar ou dobrar o esforço de caminhada e, assim, dificultando o percurso.
       
      1º DIA
      Saindo de Ilhéus, pegamos um ônibus para Itacaré logo de manhã cedo, ele passa de hora em hora e para em pontos ao longo da estrada, demorando aproximadamente 1h50 pra chegar em Itacaré. (Se conseguir uma carona, ótimo, já que de carro até lá leva cerca de 50min.)
      Ao chegar em Itacaré, já havia falado previamente com um amigo que mora lá para contatar um barqueiro para a travessia do Rio de Contas, que é o que separa Itacaré da Península de Maraú, onde fica situada Barra Grande. Encontrei meu amigo rapidamente só para confirmar o barqueiro, depois fizemos compras de água e alimentos num mercadinho e seguimos para a Praia da Concha, onde o barqueiro, com um daqueles barcos de alumínio a motor, já estava nos esperando (haviam outros barqueiros na praia, que ficam lá para fazer passeios turísticos rio acima e que com certeza fariam a travessia também, mas como eu ainda não sabia, preferi esse contato com o meu amigo). A travessia é bem rápida, são aproximadamente 100m e em menos de 5min se chega ao outro lado. Descemos, fizemos um rápido preparo, e demos início à caminhada às 10h40. (ao descer do barco, o barqueiro perguntou para onde iríamos daquele jeito. Quando falamos “Barra Grande”, ele arregalou os olhos e deu um sorriso, como quem diz “pirou” hahaha. Dessas coisas que quem viaja com mochila nas costas já está acostumado).
      Nesse ponto, ainda se vê pessoas por ali. Vez ou outra, algumas pessoas atravessam para surfar do outro lado do rio (Itacaré é um dos locais mais conhecidos do Brasil para a prática de surf) ou para ficar numa praia menos frequentada, já que do outro lado não tem povoamento nem acesso fácil e em 10min. de caminhada já não se vê ninguém.
       


      Com 1h20 de caminhada, paramos em frente a Piracanga, onde fizemos uma parada de 20min. para hidratar e comemos barra de cereal. Piracanga é uma “ecovila e centro holístico de cursos e terapias” que oferece cursos e retiros, basicamente um lugar pra “ficar de boa” e foi onde vimos apenas um casal na areia, que nos cumprimentou quando reiniciamos a caminhada. Ainda na frente de Piracanga, tem um pequeno rio, que passamos sem problema com a água não chegando nem na cintura. Não conheço o rio, mas a maré estava bem seca e possivelmente na maré cheia e dependendo da estação, pode ser que tenha que segurar a mochila acima da cabeça para atravessar.
      Desse ponto em diante, não há muita novidade: areia, coqueiral e água salgada, sem NENHUMA pessoa durante o percurso, nem sinal (apesar de o visual ser sempre “mais do mesmo”, é algo que não consigo descrever, porque ficamos deslumbrados o tempo todo, a cada passo ficávamos olhando para o que vinha à frente sempre achando cada vez mais bonito e paradisíaco). Mais 1h50, atravessamos mais um pequeno rio que também não tinha profundidade para se preocupar em molhar as mochilas, mas deixo aqui a mesma observação de antes: é bom atentar para a maré e estação do ano que, se for chuvosa, pode resultar num nível maior do rio. Logo após esse rio, fizemos mais uma parada para beber água e comer algo. Nesse local também não víamos nenhum sinal de habitação, mas um pouco acima da restinga parecia ter um rastro de quadriciclo, transporte bem comum naquela área. Dessa vez ficamos um pouco mais(30min.), porque ela já estava sentindo bastante dor no joelho e cansaço.

      Recomeçamos e percebemos que a maré já estava mais cheia. Além disso, nesse trecho a areia era mais fofa e a inclinação da praia era maior, e além de andar com os pés meio tortos, acaba havendo uma sobrecarga no joelho (nesse caso, o direito) e a gente vai ficando meio “descompensado” =S. A partir daí, as reclamações do joelho e cansaço foram aumentando e já comecei a procurar um local para pararmos e armar acampamento, quando, com aproximadamente 40min. de caminhada, paramos.
      Dei uma olhada no perímetro, tinha uma casa relativamente simples a uns 200m sem sinal de gente nela, além de um tipo de estradinha de areia em direção ao continente a uns 50m de onde estávamos e, claro, coqueiros por toda parte. Achei dois coqueiros baixos e consegui tirar mais de 10 cocos, aproveitando para reabastecer as garrafas que estavam vazias (aproximadamente 3L de água de coco!). Após isso, montamos a barraca, organizamos as coisas e tomamos banho (de mar hahahaha). Depois, foi só jantar (2 latas de atum com acompanhamento de bananas, puro luxo) e praticamente desmaiamos perto das 18h, contemplando um céu absurdamente estrelado, sem sinal de nuvens nem no horizonte.

      Como o quarto da barraca é quase totalmente telada (Azteq Nepal) e o céu estava muito limpo sem sinal nenhum de nuvens vindo, deixei a barraca sem o sobre-teto -mesmo sabendo, tendo experiência de chuva surpresa e claro, já tendo lido muita coisa- o que nos fez acordar com um belo banho de chuva às 22h. A chuva veio sem aviso, forte e pesada! Acordamos naquela agonia para pegar lanterna, abrir o sobre-teto que estava totalmente dobrado dentro da barraca e conseguir achar os pontos certos para fixar – tarefa de nível ultra hard. Provavelmente está pensando: “Mas já não sabe do risco de uma chuva surpresa?”, “Sobre-teto sempre!”, e etc., mas o céu estava tentador demais e serviu de experiência hahahaha. Nunca mais armo sem sobre-teto. Resultado: algumas coisas molhadas, outras encharcadas, frio e aprendizado! Afinal, temos que aprender com os erros (ou negligências) também. Depois de “rearrumar” tudo e secar um pouco algumas coisas, voltamos a dormir.
       
      2º DIA
      Acordamos às 5h. Assistimos o Sol nascer, café da manhã, arrumação, passar pano na barraca, curtir a praia um pouco e enquanto isso dando um tempo pro Sol subir mais e poder secar mais as coisas. Nesse tempo, passou um pescador empurrando a bicicleta e perguntei a ele se sabia quantos km faltavam para Barra Grande, que ele me respondeu “não sei direito não, mas está longe!” (depois descobrimos que, nesse ponto, estávamos mais ou menos próximos de Maraú. Provavelmente ele veio de lá).

      Reiniciamos às 9h e caminhamos por 3h30 até ela sentir o joelho e pararmos. Onde estávamos, não havia condições de parar, não tinha nada, então sugeri andarmos mais um pouco até onde tivesse alguma coisa. Estávamos nos aproximando de Algodões, e quanto mais perto, mais víamos casas de praia enormes e já com a “cara da riqueza” e$tampada nas fachadas, além de começarmos a ver algumas pessoas: algumas vezes caseiros, outras vezes pessoas trabalhando, e também pessoas passeando de quadriciclo na areia. Perguntamos a alguns trabalhadores quantos km faltavam até Barra Grande e ele sem muita certeza nos disse “uns 30” e foi quando “nós” (ela hahaha) decidimos parar. Desistimos e fomos perguntar a umas pessoas num bar onde poderíamos pegar ônibus para Barra Grande, e fomos informados que passaria um em 20min., logo ali perto. Fomos caminhando num Sol escaldante e, quando perguntamos a um cara de bicicleta o local do ponto de ônibus, ele disse que era ali, que o ônibus já tinha passado, mas que “sempre passa carro e logo vocês arranjam carona”. Fomos para o ponto e esperamos. Após 3 carros cheios, em menos de 10min. passou um cara sozinho num L200 e parou pra nos dar carona até Barra Grande, marcando o fim da nossa trip.

       
      O QUE APRENDEMOS NESSA VIAGEM?
      -É muito ruim fazer uma trip dessa com mala de 1 semana anterior em algum lugar. Se for pra fazer a trip, que seja uma viagem exclusiva pra ela, pra não ter que carregar coisas desnecessárias.
      -Vimos que ainda existe muitos lugares vazios e paradisíacos só esperando pela oportunidade e visita de quem estiver disposto.
      -Sobre-teto sempre! Mesmo no céu estrelado (hahaha).
      -É muito importante se concentrar no seu corpo e em seus limites, se respeitar, respeitar seu próprio tempo e o do outro, caso vá acompanhado.
      -Os nossos limites podem ser bem menores ou maiores do que imaginamos.
      -Independente do cansaço é bom olhar tudo mais de uma vez, pra não esquecer.
       
      EQUIPAMENTOS USADOS:
      -Curtlo Highlander 35+5L
      -Quechua Forclaz 50L
      -Azteq Nepal 2
       
      ATUALIZAÇÃO:
      Em dezembro de 2018 fiz uma travessia de Itacaré a Moreré, trecho que contempla o citado neste relato, segue link:
      Travessia Itacaré - Moreré (BA), a pé
×
×
  • Criar Novo...