Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

brgalvao

Dicas – SANTIAGO e CAJÓN DEL MAIPO, 10 dias, março de 2017.

Posts Recomendados

SANTIAGO

 

Transporte

O “transfer” no aeroporto, feito em vans que ficam paradas na porta do desembarque (há mias de uma empresa), custa CLP 7.600, contra os CLP 18.000 do táxi, negociados, estes. Sem qualquer justificativa, porque o aeroporto fica bem perto do Centro.

O táxi em Santiago sai mais barato que no Rio, e também tem a bandeirada mais barata. Só uma vez achei mal. Era domingo de noite e tomei um táxi no ponto do Pátio Bellavista. Para andar quatro quadras, literalmente, o motorista me cobrou uma tarifa mínima de $ 3.000.

O metrô é ótimo, tem cinco linhas e custa algo em torno de $ 600 a $ 800, a variar conforme a hora.

O trânsito é ruim. Se a pessoa tiver hora é melhor sair com antecedência ou ir de metrô. Os dois dias em que dirigi em Santiago foram os mais tensos da viagem. As pessoas são grosseiras, impacientes e idiotas, como costuma acontecer no trânsito das cidades grandes. O que contrasta com a simpatia e a cordialidade que vi no geral. Dirigir na estrada é ótimo. Na cidade é horrível.

 

Hospedagem

De maneira geral, fiquei bem hospedado no Hostel Bella 269, que fica na Rua Bellavista, 269, no bairro da Recoleta, ao lado da Providência, bem central; bairros ótimos para se ficar. Paguei US$ 41 (cerca de R$ 126,00) a diária, pelo Booking.com. A Rua Bellavista tem uma numeração estranha, que me fez pensar que eu tava no seriado Além da Imaginação, num dia em que não conseguia encontrar o hostel. Os números vão decrescendo, chegam no zero e voltam a crescer. É isso mesmo. Pode haver o número 100 duas vezes na mesma rua. A transversal Pio Nono é o marco zero. De um lado dela é chamado de 100; do outro, de 0100, para marcar a diferença. Por que facilitar se é possível complicar?

Em outra viagem que fiz (aproveitando a oportunidade), fiquei muito mal hospedado no Tralkan B&B, na Providencia.

 

Câmbio

Tem várias casas de câmbio, uma ao lado da outra, na Rua Agustinas, no Centro, iniciando na altura do nº 1100. Comprei pesos a 210 e a 212 reais.

Pra se ter ideia do valor das coisas em real, a conversão prática, pro dia-a-dia, é feita multiplicando o valor em pesos por cinco e tirando os zeros do milhar, é feita multiplicando por cinco e tirando os zeros do milhar. Por exemplo, 200 pesos dá (5 x 200 = 1.000) 1 real.

Fiz a maior burrada no aeroporto do Galeão, vendendo os pesos que tinham me sobrado, que não eram poucos, a um valor irrisório (à base de 430 pesos por real).
 
Glossário de "Chileno"
É bom para a comunicação saber estes regionalismos chilenos:
¿Cachai?: Entendeu? Como o "capicce" italiano.
Al tiro: Imediatamente.
Chascona: Despenteada.
Pololo: Namorado.
Tuto: Sesta, soneca.
Sites a consultar:
https://feitonacasa.wordpress.com/diccionario-chileno-espanol/
http://html.rincondelvago.com/diccionario-de-palabras-chilenas.html
 
Pátio Bellavista

O Pátio Bellavista é um lugar agradável para se comer e tomar cerveja. Comi bem no Backstage Life BKS, pratos de CLP 9.000, 10.000. Tem um suco maravilhoso que se chama Windy, uma mistura de manga, framboesa e “chirimoya”, a $ 5.000. A “chirimoya” é parecida com a fruta-do-conde.

Dentro do Pátio Bellavista, ainda, recomendo também o Le Fournil. Nos arredores do PB, principalmente na Rua Pio Nono e na Constitución, tem vários bares com mesas nas calçadas, onde se pode tomar, facilmente, uma variedade de cervejas.

Fora do Pátio Bellavista, comi muito bem no La Signoría (Rua Bellavista, 211) – entrada, prato principal e sobremesa por $ 9700.

O cigarro (que se compra nas Botillerias) é caríssimo, coisa de CLP 3.500. Mas tem aquele pacote com 10, que também se encontra em outras cidades sulamericanas.
 
Museu Violeta Parra

O Museu Violeta Parra foi interessante para mim, que amo a Violeta Parra. Podia ter mais coisas relativas à música. Fez falta pra mim, que conheço, e faz mais falta ainda para quem não a conhece, que deve ficar com a impressão de que o seu trabalho artístico principal foi a tapeçaria e não a música. Tem letras de música, o violão de muitas cordas que ela tocava, mas quase não tem música no museu. Mas tem aqueles bordados bonitos que se vêem no filme Violeta Foi para o Céu, de 2011. O Ángel Parra, filho dela e músico também, morreu poucos dias antes de eu estar lá, em 11/03/2017.

Seguindo o tema da música, para quem gosta da música folclórica, da Nova Canção Chilena, o Quilapayún e o Inti-Illimani Histórico vão tocar juntos no Teatro Municipal de Santiago, em 19/05/2017. Tô pensando em ir assistir.
 
Salsería Maestra Vida

A Salsería Maestra Vida é um lugar onde as pessoas vão para dançar, muito bem, por sinal, como são as nossas gafieiras. Com a diferença do ritmo, que lá é salsa, predominantemente, cumbia e até cueca (uma dança folclórica). Da outra vez em que eu estive em Santiago, as meninas que tavam comigo foram chamadas várias vezes para dançar. Dançaram o quanto quiseram. Eu me contentei em assistir, enquanto tomava cerveja e batucava o ritmo, porque tive pena dos pés das dançarinas. Mas só ver já foi bom.

 

Centollas e Mercado Municipal (furada)

Esta dica é da outra viagem a Santiago, que fiz com duas amigas. Não comer centollas no Mercado Municipal. O garçom dividiu uma centolla pra nós três, que era muito cara e vinha sem acompanhamento. Comemos pouco e mal. Aliás, recomendo não comer nada no Mercado Municipal.
 
Teatro Mori Bellavista

Assisti a uma montagem ótima da peça Oleanna, do David Mamet, no Teatro Mori Bellavista (Constitución, 183, Providencia). O público é tão avaro em expansões, que eu fui o único que aplaudiu de pé; e o ator merecia.

 

Outros

Algumas coisas que eu não fiz, mas de que me falaram bem, foi alugar bicicleta e subir no prédio La Costanera, que tem vista pra toda a Santiago, e uma guia que dá um panorama geral da cidade. Sobre a bicicleta, procure por “bicicleta verde” na Internet. Tem também uns passeios guiados.
 
 
CAJÓN DEL MAIPO
 
Hospedagem

Fiquei bem hospedado nas Cabañas La Bella Durmiente, por US$ 80 a diária, cerca de R$ 250,00. Caro pra uma pessoa só, mas fiquei num chalé, com fogão pra cozinhar e geladeira. Os funcionários são muito atenciosos, sobretudo o Álvaro. Apesar de ter fogão, comi uma vez por dia no restaurante de dentro da hospedagem, bonzinho. Não recomendo a pizza, que me fez passar mal, por excesso de farinha, ou de gordura, sei lá.

 

Aluguel de carro, carona, estradas e povoados (e travessia dos Andes!)

Aluguei um carro em Santiago, para ir até Cajón e andar por lá. Recomendo fortemente. Não sei como teria sido sem carro. Não teria feito a metade das coisas que fiz. Me saiu a CLP 98.000 o aluguel, mais CLP 30.000 de gasolina, mais CLP 5.000 pra lavarem por fora, no final. O carro fica muito sujo, e a lavagem na locadora sairia a CLP 40.000.

A paisagem das estradas do Cajón é bonita. Vale a pena entrar nos povoados, em El Ingenio e em Queltehue, simplesmente para dirigir na estrada. Este último tem uma estrada linda, que margeia o rio (com plantas do campo) e termina numa propriedade privada, de onde se tem que voltar. Sobre essa estrada, no entanto, acho que dei sorte, porque não vinha carro nenhum na direção contrária. Se tivesse vindo, não sei o que aconteceria, porque parecia difícil dois carros passarem ao mesmo tempo. Mas dei sorte e não me arrependi.

Dei três caronas, e numa delas conheci duas pessoas que estavam chegando de uma travessia nos Andes, de cinco dias, caminhando! Elas tinham feito por conta própria, mas a menina me deu o contato de uma empresa que faz isso: http://www.crucelosandes.com.ar. Ainda vou fazer.
 
Caminhada, cavalgada, rafting e tuna

Fui em fim de março e encontrei pouco movimento, e a maioria dos restaurantes e agências de passeios fechadas. Também me disseram que fica mais cheio no fim de semana, enquanto que eu cheguei em plena segunda-feira.

Fiz caminhada e cavalgada pela agência (também pousada) Cascada de las Animas, e foi ótimo. Como tinha poucos turistas em Cajón, não conseguiram formar grupo para o rafting. A pousada onde fiquei conseguiu me encaixar na Chile Rafting, onde correu tudo bem. Acho que as duas eram das poucas empresas que funcionavam no período em que fiquei (fim de março, fora do fim de semana), porque, ainda no Rio de janeiro, mandei e-mail sondando várias empresas e uma minoria me respondeu. Fiquei seco pra andar de caiaque nas corredeiras, como fazia o cara que tirava foto da gente. Mas me explicaram que era preciso um curso de dez dias! Como insisti, me diseram que eu podia fazer, desde que soubesse desvirar o caiaque, girando sobre o eixo horizontal, sem sair dele. Eu ainda não sei, mas vou aprender.

A cavalgada que contratei foi de duas horas, até La Meseta, por CLP 23.000. Dei uma gorjeta por fora desse valor, pro guia, porque fiz o passeio sozinho. O guia me disse que a cavalgada de cinco horas, que inclui um churrasco, não faz muito diferença em tempo sobre o cavalo. Como eu estava sozinho, ele me deixou cavalgar em vários trechos, com curvas, inclusive, em vez de simplesmente trotar. Ele também arrancou do pé de cacto duas tunas pra mim, que são frutos deliciosos (parecem kiwis por dentro, mas são melhores), mas com espinhos pequenos, que são uma bosta pra sair das mãos. Eu sei, porque precisei passar pela experiência própria de meter as mãos nelas. Tentei tirar com pinça e com lâmina de barbear. Uma moça de lá me recomendou cera de depilar. Quase duas semanas depois, ainda tenho espinhos encravados nas mãos.

A caminhada foi de hora e meia, menos do que eu queria, mas interessante. Essa Cascada de las Animas é um refúgio ambiental e eles mantêm dois pumas presos (contraditório, mas explicável, pelo perigo pros turistas). Pumas são o mesmo que onças pardas ou leões baios, a depender da região do Brasil. Me custou CLP 7.000. Não sei mais quanto me custou o rafting.
 
Embalse El Yeso, Monumento El Morado e Baños Morales

Tentei fazer a caminhada para o Monumento El Morado, mas me frustrei, porque a entrada estava fechada durante todo o tempo em que estive lá, por conta de umas chuvas, com deslizamento e desastre, que tinham caído havia duas semanas. Apesar de já estar sol há vários dias, e de todos estarem achando o zelo dos carabineiros excessivo, ficou fechado. Então, não posso dizer nada sobre El Morado, a não ser que me disseram que é lindo.

Como a estrada para El Morado fica junto de Baños Morales, entrei para ver. Mas não achei nada demais. Nada que valesse ter levado a sunga que não levei. Parti pro Embalse El Yeso, este sim deslumbrante. O terreno é muito cheio de cascalho, num grande trecho de estrada de terra. Melhor dirigir com calma ali, pra evitar derrapar. A queda é grande. Vi um relato em que o cara disse que o pneu do 4x4 que o levou, furou. E vi outro em que o sujeito disse que descalibrou um pouco os pneus, para evitar que furassem. Eu ia fazer isso mas me esqueci. Ainda assim, meu Suzuki popular sem tração, alugado, deu conta do recado. Fiz isso tudo no mesmo dia, e calculo que dirigi umas cinco horas. Portanto, o carro é mesmo muito recomendável.
 
Baños Colina

Depois do rafting fui direto para Baños Colina, este sim bacana. Paga-se CLP 8.000 para entrar e ficar quanto tempo quiser. Ninguém me deu a menor pelota e, se não fosse por um casal que conheci no rafting, não teria sabido do funcionamento da paradinha. São cinco piscinas naturais. A mais baixa é a de água menos quente, e o negócio é começar por ela e ir subindo, para se acostumar com a temperatura. Quanto mais em cima, mais quente. Parei na terceira piscina, depois de fazer uma hidromassagem prolongada na primeira piscina, para aliviar as dores musculares do rafting.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

SANTIAGO

 

Transporte

O “transfer” no aeroporto, feito em vans que ficam paradas na porta do desembarque (há mias de uma empresa), custa CLP 7.600, contra os CLP 18.000 do táxi, negociados, estes. Sem qualquer justificativa, porque o aeroporto fica bem perto do Centro.

O táxi em Santiago sai mais barato que no Rio, e também tem a bandeirada mais barata. Só uma vez achei mal. Era domingo de noite e tomei um táxi no ponto do Pátio Bellavista. Para andar quatro quadras, literalmente, o motorista me cobrou uma tarifa mínima de $ 3.000.

O metrô é ótimo, tem cinco linhas e custa algo em torno de $ 600 a $ 800, a variar conforme a hora.

O trânsito é ruim. Se a pessoa tiver hora é melhor sair com antecedência ou ir de metrô. Os dois dias em que dirigi em Santiago foram os mais tensos da viagem. As pessoas são grosseiras, impacientes e idiotas, como costuma acontecer no trânsito das cidades grandes. O que contrasta com a simpatia e a cordialidade que vi no geral. Dirigir na estrada é ótimo. Na cidade é horrível.

 

Hospedagem

De maneira geral, fiquei bem hospedado no Hostel Bella 269, que fica na Rua Bellavista, 269, no bairro da Recoleta, ao lado da Providência, bem central; bairros ótimos para se ficar. Paguei US$ 41 (cerca de R$ 126,00) a diária, pelo Booking.com. A Rua Bellavista tem uma numeração estranha, que me fez pensar que eu tava no seriado Além da Imaginação, num dia em que não conseguia encontrar o hostel. Os números vão decrescendo, chegam no zero e voltam a crescer. É isso mesmo. Pode haver o número 100 duas vezes na mesma rua. A transversal Pio Nono é o marco zero. De um lado dela é chamado de 100; do outro, de 0100, para marcar a diferença. Por que facilitar se é possível complicar?

Em outra viagem que fiz (aproveitando a oportunidade), fiquei muito mal hospedado no Tralkan B&B, na Providencia.

 

Câmbio

Tem várias casas de câmbio, uma ao lado da outra, na Rua Agustinas, no Centro, iniciando na altura do nº 1100. Comprei pesos a 210 e a 212 reais.

Pra se ter ideia do valor das coisas em real, a conversão prática, pro dia-a-dia, é feita multiplicando o valor em pesos por cinco e tirando os zeros do milhar, é feita multiplicando por cinco e tirando os zeros do milhar. Por exemplo, 200 pesos dá (5 x 200 = 1.000) 1 real.

Fiz a maior burrada no aeroporto do Galeão, vendendo os pesos que tinham me sobrado, que não eram poucos, a um valor irrisório (à base de 430 pesos por real).
 
Glossário de "Chileno"
É bom para a comunicação saber estes regionalismos chilenos:
¿Cachai?: Entendeu? Como o "capicce" italiano.
Al tiro: Imediatamente.
Chascona: Despenteada.
Pololo: Namorado.
Tuto: Sesta, soneca.
Sites a consultar:
https://feitonacasa.wordpress.com/diccionario-chileno-espanol/
http://html.rincondelvago.com/diccionario-de-palabras-chilenas.html
 
Pátio Bellavista

O Pátio Bellavista é um lugar agradável para se comer e tomar cerveja. Comi bem no Backstage Life BKS, pratos de CLP 9.000, 10.000. Tem um suco maravilhoso que se chama Windy, uma mistura de manga, framboesa e “chirimoya”, a $ 5.000. A “chirimoya” é parecida com a fruta-do-conde.

Dentro do Pátio Bellavista, ainda, recomendo também o Le Fournil. Nos arredores do PB, principalmente na Rua Pio Nono e na Constitución, tem vários bares com mesas nas calçadas, onde se pode tomar, facilmente, uma variedade de cervejas.

Fora do Pátio Bellavista, comi muito bem no La Signoría (Rua Bellavista, 211) – entrada, prato principal e sobremesa por $ 9700.

O cigarro (que se compra nas Botillerias) é caríssimo, coisa de CLP 3.500. Mas tem aquele pacote com 10, que também se encontra em outras cidades sulamericanas.
 
Museu Violeta Parra

O Museu Violeta Parra foi interessante para mim, que amo a Violeta Parra. Podia ter mais coisas relativas à música. Fez falta pra mim, que conheço, e faz mais falta ainda para quem não a conhece, que deve ficar com a impressão de que o seu trabalho artístico principal foi a tapeçaria e não a música. Tem letras de música, o violão de muitas cordas que ela tocava, mas quase não tem música no museu. Mas tem aqueles bordados bonitos que se vêem no filme Violeta Foi para o Céu, de 2011. O Ángel Parra, filho dela e músico também, morreu poucos dias antes de eu estar lá, em 11/03/2017.

Seguindo o tema da música, para quem gosta da música folclórica, da Nova Canção Chilena, o Quilapayún e o Inti-Illimani Histórico vão tocar juntos no Teatro Municipal de Santiago, em 19/05/2017. Tô pensando em ir assistir.
 
Salsería Maestra Vida

A Salsería Maestra Vida é um lugar onde as pessoas vão para dançar, muito bem, por sinal, como são as nossas gafieiras. Com a diferença do ritmo, que lá é salsa, predominantemente, cumbia e até cueca (uma dança folclórica). Da outra vez em que eu estive em Santiago, as meninas que tavam comigo foram chamadas várias vezes para dançar. Dançaram o quanto quiseram. Eu me contentei em assistir, enquanto tomava cerveja e batucava o ritmo, porque tive pena dos pés das dançarinas. Mas só ver já foi bom.

 

Centollas e Mercado Municipal (furada)

Esta dica é da outra viagem a Santiago, que fiz com duas amigas. Não comer centollas no Mercado Municipal. O garçom dividiu uma centolla pra nós três, que era muito cara e vinha sem acompanhamento. Comemos pouco e mal. Aliás, recomendo não comer nada no Mercado Municipal.
 
Teatro Mori Bellavista

Assisti a uma montagem ótima da peça Oleanna, do David Mamet, no Teatro Mori Bellavista (Constitución, 183, Providencia). O público é tão avaro em expansões, que eu fui o único que aplaudiu de pé; e o ator merecia.

 

Outros

Algumas coisas que eu não fiz, mas de que me falaram bem, foi alugar bicicleta e subir no prédio La Costanera, que tem vista pra toda a Santiago, e uma guia que dá um panorama geral da cidade. Sobre a bicicleta, procure por “bicicleta verde” na Internet. Tem também uns passeios guiados.
 
 
CAJÓN DEL MAIPO
 
Hospedagem

Fiquei bem hospedado nas Cabañas La Bella Durmiente, por US$ 80 a diária, cerca de R$ 250,00. Caro pra uma pessoa só, mas fiquei num chalé, com fogão pra cozinhar e geladeira. Os funcionários são muito atenciosos, sobretudo o Álvaro. Apesar de ter fogão, comi uma vez por dia no restaurante de dentro da hospedagem, bonzinho. Não recomendo a pizza, que me fez passar mal, por excesso de farinha, ou de gordura, sei lá.

 

Aluguel de carro, carona, estradas e povoados (e travessia dos Andes!)

Aluguei um carro em Santiago, para ir até Cajón e andar por lá. Recomendo fortemente. Não sei como teria sido sem carro. Não teria feito a metade das coisas que fiz. Me saiu a CLP 98.000 o aluguel, mais CLP 30.000 de gasolina, mais CLP 5.000 pra lavarem por fora, no final. O carro fica muito sujo, e a lavagem na locadora sairia a CLP 40.000.

A paisagem das estradas do Cajón é bonita. Vale a pena entrar nos povoados, em El Ingenio e em Queltehue, simplesmente para dirigir na estrada. Este último tem uma estrada linda, que margeia o rio (com plantas do campo) e termina numa propriedade privada, de onde se tem que voltar. Sobre essa estrada, no entanto, acho que dei sorte, porque não vinha carro nenhum na direção contrária. Se tivesse vindo, não sei o que aconteceria, porque parecia difícil dois carros passarem ao mesmo tempo. Mas dei sorte e não me arrependi.

Dei três caronas, e numa delas conheci duas pessoas que estavam chegando de uma travessia nos Andes, de cinco dias, caminhando! Elas tinham feito por conta própria, mas a menina me deu o contato de uma empresa que faz isso: http://www.crucelosandes.com.ar. Ainda vou fazer.
 
Caminhada, cavalgada, rafting e tuna

Fui em fim de março e encontrei pouco movimento, e a maioria dos restaurantes e agências de passeios fechadas. Também me disseram que fica mais cheio no fim de semana, enquanto que eu cheguei em plena segunda-feira.

Fiz caminhada e cavalgada pela agência (também pousada) Cascada de las Animas, e foi ótimo. Como tinha poucos turistas em Cajón, não conseguiram formar grupo para o rafting. A pousada onde fiquei conseguiu me encaixar na Chile Rafting, onde correu tudo bem. Acho que as duas eram das poucas empresas que funcionavam no período em que fiquei (fim de março, fora do fim de semana), porque, ainda no Rio de janeiro, mandei e-mail sondando várias empresas e uma minoria me respondeu. Fiquei seco pra andar de caiaque nas corredeiras, como fazia o cara que tirava foto da gente. Mas me explicaram que era preciso um curso de dez dias! Como insisti, me diseram que eu podia fazer, desde que soubesse desvirar o caiaque, girando sobre o eixo horizontal, sem sair dele. Eu ainda não sei, mas vou aprender.

A cavalgada que contratei foi de duas horas, até La Meseta, por CLP 23.000. Dei uma gorjeta por fora desse valor, pro guia, porque fiz o passeio sozinho. O guia me disse que a cavalgada de cinco horas, que inclui um churrasco, não faz muito diferença em tempo sobre o cavalo. Como eu estava sozinho, ele me deixou cavalgar em vários trechos, com curvas, inclusive, em vez de simplesmente trotar. Ele também arrancou do pé de cacto duas tunas pra mim, que são frutos deliciosos (parecem kiwis por dentro, mas são melhores), mas com espinhos pequenos, que são uma bosta pra sair das mãos. Eu sei, porque precisei passar pela experiência própria de meter as mãos nelas. Tentei tirar com pinça e com lâmina de barbear. Uma moça de lá me recomendou cera de depilar. Quase duas semanas depois, ainda tenho espinhos encravados nas mãos.

A caminhada foi de hora e meia, menos do que eu queria, mas interessante. Essa Cascada de las Animas é um refúgio ambiental e eles mantêm dois pumas presos (contraditório, mas explicável, pelo perigo pros turistas). Pumas são o mesmo que onças pardas ou leões baios, a depender da região do Brasil. Me custou CLP 7.000. Não sei mais quanto me custou o rafting.
 
Embalse El Yeso, Monumento El Morado e Baños Morales

Tentei fazer a caminhada para o Monumento El Morado, mas me frustrei, porque a entrada estava fechada durante todo o tempo em que estive lá, por conta de umas chuvas, com deslizamento e desastre, que tinham caído havia duas semanas. Apesar de já estar sol há vários dias, e de todos estarem achando o zelo dos carabineiros excessivo, ficou fechado. Então, não posso dizer nada sobre El Morado, a não ser que me disseram que é lindo.

Como a estrada para El Morado fica junto de Baños Morales, entrei para ver. Mas não achei nada demais. Nada que valesse ter levado a sunga que não levei. Parti pro Embalse El Yeso, este sim deslumbrante. O terreno é muito cheio de cascalho, num grande trecho de estrada de terra. Melhor dirigir com calma ali, pra evitar derrapar. A queda é grande. Vi um relato em que o cara disse que o pneu do 4x4 que o levou, furou. E vi outro em que o sujeito disse que descalibrou um pouco os pneus, para evitar que furassem. Eu ia fazer isso mas me esqueci. Ainda assim, meu Suzuki popular sem tração, alugado, deu conta do recado. Fiz isso tudo no mesmo dia, e calculo que dirigi umas cinco horas. Portanto, o carro é mesmo muito recomendável.
 
Baños Colina

Depois do rafting fui direto para Baños Colina, este sim bacana. Paga-se CLP 8.000 para entrar e ficar quanto tempo quiser. Ninguém me deu a menor pelota e, se não fosse por um casal que conheci no rafting, não teria sabido do funcionamento da paradinha. São cinco piscinas naturais. A mais baixa é a de água menos quente, e o negócio é começar por ela e ir subindo, para se acostumar com a temperatura. Quanto mais em cima, mais quente. Parei na terceira piscina, depois de fazer uma hidromassagem prolongada na primeira piscina, para aliviar as dores musculares do rafting.

 

 

Olá!! Muito bom o seu relato!

Estou programando de ir a Santiago em Setembro/17. Pretendo ir com mais 3 pessoas. Queremos muito conhecer Cajon del Maipo, de preferência de carro p aproveitar mais. Quero conhecer pelo menos o Embalse El Yeso e Baños Colina. Vc acha q dá pra fazer em 1 dia? Vale a pena ir até Baños Morales?

Outra coisa, estou pensando em conhecer algumas vinicolas no Vale do Maipo (Santa Rita, Cousi Macul). Será que vale a pena fazer o Cajon del Maipo em um dia, dormir em San Jose de Maipo para no dia seguinte voltar e conhecer as vinicolas?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Bacana, visitei o Cajon em maio do ano passado, vale muito a pena. Eu não me arriscaria a dirigir sem o auxílio de alguem que conheça a região, pois a estrada tem trechos perigosos, ainda mais quando chove. Há agências que fazem o passeio, e não custa tão caro, coisa de R$160 por pessoa.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olá, Glau87! Acho que é possível conhecer o Embalse e Baños Colina no mesmo dia, mas é bem puxado. Você vai dirigir o dia todo, e talvez não dê tempo de aproveitar direito os lugares. Em matéria de banho termal, melhor ir direto pra Baños Colina. Baños Morales não faz falta conhecer. Em comparação com o outro, é uma piscina de clube. Eu não vi problema em ir de carro, sozinho. Se você vai com mais gente, é ainda melhor, mais seguro. Você passa por uns pedaços com muita brita, perto de abismo. Tem que dirigir com cuidado, mas nada desesperador. Se chover, realmente fica perigoso. Mas, a julgar pelo cuidado que os carabineiros tiveram (até excessivo) em fechar o caminho do Monumento El Morado por causa da chuva que tinha caído muitos dias antes, acho que existe essa preocupação com segurança, de alertar, até de fechar os trechos perigosos. Abraço. Boa viagem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por Banes Gonçalves
      insta @banesgoncalves
    • Por Thiago e Priscila Blumenau
      Olá amigos da comunidade Mochileiros.com.
      Aqui é o Thiago e a Priscila. Nós moramos na cidade de Blumenau-SC.
      Em dezembro de 2018 fizemos nossa viagem de carro até San Pedro de Atacama no Chile. 
      A comunidade mochileiros.com nos ajudou bastante, pois no site conseguimos várias dicas e conhecemos outras pessoas que também nos ajudaram com informações. Por esse motivo queremos compartilhar nossa experiência. E quem sabe poder ajudar ou até mesmo encorajar outras pessoas a saírem do sofá e encarar essa aventura.
      Para realizar esta viagem primeiro nós fizemos algumas pesquisas, como por exemplo: documentos necessários, seguros obrigatórios, melhor roteiro, condição das estradas, hotéis, pontos turísticos, custo com passeios, custo com alimentação, custo com gasolina, custo com pedágios, melhor câmbio, o que levar na bagagem, etc. 
      Juntamos todas essas informações numa planilha e então começamos a trabalhar nela. Então no mês de Setembro/2018 começamos a fazer as contas e preparar tudo o que precisava para viajar.
      Nessa primeira parte vamos tentar abordar o máximo de informações com relação ao roteiro, situação das estradas, GPS, câmbio, aduanas, seguros, itens obrigatórios, pedágios e combustível. 
      Na segunda parte vamos falar um pouco sobre San Pedro de Atacama e sobre os nossos passeios.
      Então vamos ao que interessa:
      Nessa viagem foram 04 pessoas: Eu (Thiago), minha esposa Priscila, meu Pai e a namorada do pai.
      Saída de Blumenau: 22/12/2018.
      Chegada em San Pedro de Atacama: 25/12/2018.
      Saída de San Pedro de Atacama: 31/12/2018.
      Chegada em Blumenau: 03/01/2019.
      Carro utilizado: Peugeot 207, ano 2012. Motor 1.4, c/ 04 portas.
      Roteiro/Condição das estradas/Pedágios:
      Dia 01 - Blumenau - SC x São Borja - RS. Total: 860 Km.
      Esse caminho é o mais curto, porém tem muitos trechos com pista ruim (buracos, desníveis, etc.), além disso tem muitos radares e lombadas eletrônicas. O motorista tem que ficar atento.
      Pedágios:  Nenhum.
      Dia 02 - São Borja-RS x Presidência Roque Sáenz Peña - Argentina. Total: 620 Km.
      As estradas são boas, pelo menos são melhores que do que as do Brasil.
      Pedágio 01: logo que passa a Aduana, já tem um guichê de pedágio. Valor pago em moeda brasileira: R$ 50 para veículos de passeio. (na volta ao Brasil, o valor é R$ 65)
      Pedágio 02: RN-12 aprox. no Km 1262. Valor: 50 Pesos Argentinos.
      Pedágio 03: RN-16 aprox. no Km 05. Valor: 40 Pesos Argentinos.
      Pedágio 04: RN-16 aprox. no Km 60. Valor: 65 Pesos Argentinos.
      Dia 03 - Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina) x Salta (Argentina). Total: 630 Km. 
      As estradas também são muito boas.
      Observação: na RN-16, entre os KM 410 e 481 a estrada é "horrível". Tem muitos buracos. Buracos gigantes. Você vai perder tempo desviando deles.
      Pedágios: RN-09 chegando na cidade de Salta. Valor: 25 Pesos Argentinos.
      Dia 04 - Salta (Argentina) x San Pedro de Atacama (Chile). Total: 580 Km.
      As estradas também são muito boas.
      Observação: Nós usamos o caminho Paso de Jama, que é melhor, pois é todo asfaltado até San Pedro de Atacama.
      Pedágios:  Nenhum.
      *Na volta pra casa fizemos o mesmo trajeto. 
      Hospedagem:
      Dia 01 - Dormimos na casa de parentes. Não tivemos gastos com hospedagem nesse dia.
      Dia 02 - Ficamos hospedados no hotel de campo El Rebenque, que fica na cidade de Presidência Roque Sáenz Peña (Argentina).
      Dia 03 - Ficamos hospedados no hotel Pachá, que fica na cidade de Salta (Argentina).
      Dia 04 - Ficamos hospedados no hostal Casa Lascar, que fica em San Pedro de Atacama (Chile).
      Aqui dormimos dia 25, 26, 27, 28, 29 e 30 de dezembro/2018.
      *Na volta pra casa ficamos nos mesmos hotéis.
      Câmbio:
      Peso Argentino: nós trocamos todo o dinheiro brasileiro por Peso Argentino na aduana, que fica logo depois da Ponte internacional, saindo de São Borja-RS.
      Valeu muito a pena trocar o dinheiro na aduana, pois pagamos 0,10 por cada Peso Argentino. Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi 0,15.
      Comparação de preços Blumenau x Aduana Argentina:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 6.666 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,15)
      R$ 1 Mil reais trocados na Aduana valem: 10.000 Pesos Argentinos (sendo: 1000 / 0,10)
      Peso Chileno: nós trocamos R$ 1 Mil (reais) em Pesos Chilenos aqui em Blumenau, para ter um pouco de dinheiro na chegada à San Pedro de Atacama.
      O restante do dinheiro brasileiro nós trocamos em San Pedro de Atacama. Trocar o dinheiro em San Pedro valeu muito a pena, pois recebemos 170 Pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real). Já em Blumenau a melhor taxa que encontramos foi de 154 pesos Chilenos por cada R$ 1,00 (Real).
      Comparação de preços Blumenau x San Pedro de Atacama:
      R$ 1 Mil reais trocados em Blumenau valem: 154.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 154)
      R$ 1 Mil reais trocados em  San Pedro de Atacama valem: 170.000 Pesos Chilenos (sendo: 1000 x 170)
      *Compare antes de trocar seu dinheiro.
      Combustível / Postos de abastecimento:
      Na Argentina tem dois tipos de gasolina: a Super (comum) e a Infinia (aditivada).
      Infinia: variava de 45 a 48 pesos.
      Super: variava de 41 a 44 pesos.
      *Abastecemos com gasolina Infinia nos Postos YPF.
      *No Chile não abastecemos, por isso não informamos os tipos e preços que existem.
      Na Argentina tem muitos postos de abastecimento durante o trajeto. O último posto fica bem próximo da Aduana, no Paso Jama (divisa entre Argentina e Chile).
      Depois da Aduana não tem mais posto durante o caminho. Vai ter um posto somente em San Pedro Atacama (distância entre Aduana e San Pedro Atacama: 160 KM aprox.)
      GPS:
      Nós utilizamos dois aplicativos de geolocalização: o Google Maps e o Maps.me. Levamos dois Smartphones, em um deles usamos o Maps.me e no outro com Google Maps.
      Antes de sair nós fazíamos os trajetos pela rede WiFi e depois saíamos para a estrada. Os dois aplicativos funcionaram muito bem no modo off-line.
      Dica: o aplicativo Maps.me funciona totalmente no modo off-line. Para isso é necessário baixar os mapas off-line da região que você vai passar. Exemplo: nós baixamos todos os mapas da Argentina, do Chile e também dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. 
      Seguros obrigatórios para seu carro:
      Na Argentina: seguro Carta Verde. Você pode fazer em qualquer corretora de seguros.
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro com a Porto Seguro, com a cobertura de até 15 dias. Custo: R$ 125. Débito em conta corrente.
      No Chile: seguro SOAPEX. Você pode fazer este seguro com a HDI do chile. Só digitar no Google "HDI Chile".
      Ele cobre danos a terceiros em caso de acidentes.
      Nós fizemos o seguro direto no site da HDI Chile, com a cobertura de até 10 dias. Custo: R$ 40. Pagamento somente no cartão de crédito. 
      *Veja se o seu cartão está liberado para realizar esta compra.
      Observação: em nenhum momento a polícia ou aduana nos cobrou esses documentos.
      Seguros para você:
      Nós optamos por não fazer nenhum seguro de vida ou de acidente. 
      Mas as empresas de seguro oferecem inúmeras modalidades.
      Avalie a que melhor se enquadra com seu bolso.
      Itens obrigatórios para o carro:
      Na Argentina:
      Vários blogs e pessoas nos disseram que teríamos que levar um monte de coisas no carro.
      Então nós entramos em contato com o departamento de trânsito da Argentina e também com o consulado Argentino no Brasil que fica em Florianópolis.
      Segundo eles, os itens obrigatórios são:
      - 01 Extintor de incêndio (exceto em motos);
      - 02 triângulos de segurança;
      - Além dos demais exigidos no Brasil (pneu estepe, chave de rodas e macaco).
      E tem também os itens recomendados: (notem que são recomendados, não obrigatórios)
      - Kit de primeiros socorros;
      Portanto, não é obrigatório levar o tal do "cambão", que muitos blogs informam ser obrigatórios.
      No Chile:
      Considerar todos os itens obrigatórios citados acima.
      E no Chile todos os motoristas são obrigados a ter no carro um "colete refletivo". Caso o motorista precise sair do carro para alguma manutenção ou emergência ele precisa estar vestindo o colete. Isso é LEI NACIONAL. Na dúvida leve um colete também.

      Observação:
      Na Argentina fomos parados diversas vezes pela polícia. Em quase todas as cidades que passamos ao longo do caminho a polícia nos parava para solicitar algum documento.
      Algumas vezes eles pediam os documentos de identidade e do carro. Em outras eles faziam o teste de bafômetro. Mas em nenhum momento a polícia precisou revistar o nosso carro.
      No Chile não fomos abordados.
      Aduana Brasil x Argentina: Muito tranquilo.
      O atendente solicita os documentos do carro e identidades.
      Preenche um formulário no computador.
      Por último entrega um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Argentina x Chile.
      Não tem custo.
      Aduana Argentina x Chile: chato/demorado (pode ter fila e os atendentes são malas)
      A Aduana que nós passamos foi no Paso Jama.
      Tem 06 guichês.
      É necessário preencher um formulário em espanhol. Nesse formulário tem uma parte que fala se você está levando algum alimento que é "proibido".

      Após passar em todos os guichês eles entregam um recibo (parecido com um cupom fiscal de mercado). Este recibo precisa ser bem guardado, pois ele será útil na Aduana Chile x Argentina.
      Comidas não podem passar. Exemplo: frutas, verduras, carnes, lanches, etc. Tudo que é animal ou vegetal fica na Aduana. Alimentos processados passam. Alegação deles é que pode haver alimentos contaminados ou pragas. Se no formulário estiver a opção NÃO, mas na hora de revistarem o carro eles encontrarem alguma coisa, você leva uma multa.
      Após sair dos guichês vem um fiscal da vigilância sanitária e inspeciona o carro.
      Só depois de inspecionar o carro você está livre para seguir viagem.
      Não tem custo.
      *Na volta pra casa é necessário fazer tudo de novo, porém a vigilância sanitária não revistou o carro dessa vez.
      Espero que tenham gostado dessa primeira parte.
      Se tiverem algum comentário ou dúvidas por favor nos retorne.
      Um abraço.
    • Por Alan karleno
      Fala Mochileiros..
      Procuro dicas para aperfeiçoar o meu roteiro e a quantidade de dias que se faz interessante para cada local. Planejo o roteiro entrando pela Argentina (buenos Aires), saindo pelo Chile (Santiago), em junho de 2020. Tenho 25 dias disponíveis. 
      Vôo. Teresina & buenos Aires (buenos Aires 3 dias).
      Vôo. Buenos Aires & Bariloche (Bariloche  + Villa la angostura 5 dias). 
      Vôo. Bariloche & Buenos Aires e Buenos Aires Ushuaia. (Dia para viagem). 
      Vôo. Ushuaia & El Calafate (4 dias El Calafate).
      Ônibus. El Calafate & Puerto Natales (5 dias Puerto Natales + Parque torres del paine). 
      Ônibus. Puerto Natales & Puta Arena (2 dias Puta Arena).
      Vôo. Punta arenas & Santiago ( 4 dias Santiago) + VALLE NEVADO ou FARELLONES.
      Vôo. Santiago & Teresina. 
      1 dias para emprevisto.
      Quero aproveitar ao máximo o tempo em viagem.
      Desde já agradeço pela atenção.
      Bora Mochila..
       
       
       
       
       
       
       
    • Por VoandoAltoFH
      Pessoal,
      Vou fazer um relato detalhado do Mochilão que fiz no comecinho deste ano, mas que lembrei só agora de postar aqui neste site.
      O legal de tudo isso é que registrei em videos, então estará bem fácil entender o passo a passo da viagem.
      Foram no total 32 dias de viagem e gastei R$ 13.560,00 para 2 pessoas, incluindo TUDO (hospedagem, comida, passagem aérea, passagem de ônibus, seguro viagem, passeios, transporte, taxi, mercado, museu, gorjeta, entrada de parques, etc)!!! Considerando que a cotação do dólar na época beiravam os R$ 3,85 posso dizer que em moeda americana saiu por US$ 3.522,00.
      Ressalto que se dividir o valor por pessoa, acabou saindo então por R$ 6.780,00 ou US$ 1.761,00 por pessoa aproximadamente. 
      Então, acredito que saiu bem barato e aproveitei muito a viagem.
      Todos os episódios estão registrados no meu canal do Youtube, mas postarei um pouco mais detalhado aqui, já que o conteúdo é escrito.
      Mas quem tiver curiosidades, poderá assistir por lá.
       
      Canal Voando Alto
       
      Abs!
    • Por VoandoAltoFH
      Assista em Video no Youtube - Cajon del Maipo
       
      Se estiver no inverno, recomendo visitar o Valle Nevado e aproveitar para esquiar nos resorts de ski. 
      Um outro passeio que recomendo, que é o tema deste video, seria o pacote para Cajón del Maipo, que inclua a visita ao próprio Cajón, as termas Valle de Colina, a represa, o Embalse El Yeso e no final ter um piquenique de vinho.
      Posso dizer que o valor do pacote está caro mesmo, mas valeu cada centavo. 
      Atualmente está custando em torno de 40.000 a 45.000 pesos chilenos. Em torno de US$ 60,00 ou R$ 230,00 por pessoa.
      Se estiver em 2 ou mais pessoas, sempre negocie um desconto, pois eles sempre dão. 
      Eles farão uma primeira parada na cidade San José del Maipo para que as pessoas possam tomar um café na manhã ou passar no banheiro. 
      Os lanches são muito mas muito caros. Eles estavam cobrando o combo com 1 empanada, 1 café e 1 garrafinha de água por apenas 5.000 pesos chilenos, que é em torno de R$ 30,00. 
      Eu tive que comer senão você ía passar mal dentro do carro, evite viajar de barriga vazia. 
      Recomendo que 1 dia antes, vá ao mercado, prepare o seu lanche ou um sanduiche, pra comer pela manhã e a tarde no almoço. Leve água, pelo menos 1 litro pra cada pessoa. 
      No mirante do Cajón del Maipo terá de 10 a 15 minutos para tirar fotos.
      Esqueci de comentar, o tour leva o dia inteiro, eles saem bem cedo, por volta das 06:00 da manhã e retornam às 19:00 da noite.
      Quase 99% das pessoas visitam este local, são brasileiros. 
      Além do turismo, a cidade tem como principal atividade economica, a mineração não metálica, exploração de minas de pedras. 
      Como é região montanhosa, recomento sempre vir bem agasalhado.
      Se tiver incluso a visita aos termas, será necessário levar roupa de banho e tolha.
      No caminho vocês verão algumas casas próximo às montanhas, que são refúgio para aqueles que visitam ou fazem trilhas na montanha, para que não morram congelados. Já que há uma grande variação de temperatura no local, chegando aos valores negativos.

      * Termas Valle da Colina
      Seria uma fonte de águas termais, com vários minerais que auxiliam na cura de algumas doenças de pele, bem como os 
      seus efeitos relaxantes. Ótimo para a pele, tanto é que vi algumas pessoas passando no rosto.
      As termas contam com 6 piscinas de vários tamanhos, variando a temperatura da água do morno para mais quentes, podendo chegar aos 50 graus Celsius na mais quente e alta do local.
      A infraestrutura do local é meio precária, os banheiros deixam a desejar e o chuveiro sai somente água fria. 
      O guia estará dando em torno de 1 hora a 1:30 para que possa desfrutar das termas, tempo mais do que suficiente para curtir o ambiente.
      Há também uma área para camping, conforme as imagens.

      * Embalse El Yeso
      Após o passeio nas termas, estamos indo à represa, o Embalse El Yeso. Ao lado o temos Rio Volcán.
      Ao lado vocês poderão verificar ao lado que tem uma montanha que praticamente se partiu ao meio, isso foi por conta de um dos grande terremotos que ocorreram no Chile. Principalmente o 
      terremoto de Las Melosas de 1958, que alcançou uma magnitude de 7 graus na escala Richter.
      Segundo o guia, o Chile é o número 2 no ranking de países com mais terremotos no mundo. Isso é assustador.
      Graças a Deus, durante a minha viagem, não senti nenhum tremor de terremoto.
      Chegamos agora na represa, Embalse El Yeso. Seria um reservatório de água doce, com capacidade de 250 milhões de metros cúbicos, com 8 km de extensão e 55 metros de profundidade, que abastece a cidade de Santiago e suas proximidades e essa obra foi concluído em 1964 .
      Geralmente as águas mudam de cor, neste caso está azul, em outras épocas ficam esverdeadas. 
      Se for no inverno, as montanhas ficam brancas, cobertos de neve. 
      Mas não é recomendado visitar durante o inverno, já que as estradas ficam escorregadias e bem perigosas. Além de não poder curtir bem os passeios, já que alguns trajetos o seu sapato vai 
      ficar todo encharcado.
      No geral é recomedado a visita durantes os meses de Outubro a Maio.

      * Piquenique
      Após isso, restará a última etapa do passeio que é o piquenique com vinho, geralmente ocorrerá em torno das 3 ou 4 horas da tarde.
      Este é o local para o piquenique com montanhas e em cima temos geleiras. É claro que por conta do aquecimento global, é praticamente que raro ver as geleiras no topo das montanhas, uma pena.
      Aí está o nosso guia preparando para o piquenique. Estará servido alguns salgados, frios, queijos com sucos e um bom vinho.

      * Itens para se levar no passeio
      - Agasalho, por conta da enorme variação de temperatura
      - 1 garrafa de água de 1 litro
      - Lanche ou sanduíche pro café da manhã e almoço
      - Biscoito pra matar a fome durante o trajeto
      - Roupa de banho
      - Toalha
      - Chinelo

      * Turismo "Miky" - Migguel 
      Celular/Whatsapp: +56 9 7257-2004
      E-Mail: [email protected]
      Instagram: migguel.azocar


×
×
  • Criar Novo...