Ir para conteúdo
  • Faça parte da nossa comunidade! 

    Encontre companhia para viajar, compartilhe dicas e relatos, faça perguntas e ajude outros viajantes! 

edver carraro

Travessia Guaporé-Muçum pela Ferrovia do Trigo

Posts Recomendados


Travessia Ferrovia do Trigo - De Guaporé a Muçum

 

Considerada uma das mais belas travessias do estado do Rio Grande do Sul, o trekking entre as cidades de Muçum e Guaporé margeia os belos vales do Taquari e Guaporé. Nos seus 49km de percurso total, o trekker passar por 20 viadutos e 22 túneis, além de desfrutar de uma caminhada única sobre os trilhos que contam um pedaço da história do Brasil. Obra do Regime Militar, que tinha na logística de transporte uma prioridade, uniu o “celeiro” à capital do Rio Grande do Sul.

 

Um Pouco de História

 

A Ferrovia do Trigo, localizada no estado do Rio Grande do Sul, interliga o Tronco Principal Sul em Roca Sales com a Ferrovia Marcelino Ramos-Santa Maria, em Passo Fundo. O trecho inicial passa pelo Vale do Rio Taquari e pelos municípios de Roca Sales e Muçum. A partir de Muçum inicia a subida em direção a Guaporé, pelas encostas ao longo do Rio Guaporé, passando por Vespasiano Corrêa e Dois Lajeados. Este trecho é repleto de túneis e viadutos, sendo o maior deles o Viaduto do Exército ou popular Viaduto 13. Com seus 143 metros de altura e 509 metros de extensão, foi inaugurado pelo então presidente Ernesto Geisel, em 19 de agosto de 1978, e é tido como o maior viaduto ferroviário da América Latina e o segundo mais alto do mundo, superado apenas pelo Viaduto Mala Rijeka, em Montenegro, de 198 metros de altura.

 

De Guaporé a Passo Fundo o relevo é mais suave, passando ao longo da linha divisória de águas das bacias do Rio Guaporé e do Rio Carreiro e pelo Planalto Rio-Grandense, nos municípios de Serafina Corrêa, Casca, Santo Antônio do Palma, Gentil e Marau.

 

A ferrovia foi concluída no final da década de 1970 e está atualmente sob concessão da ALL (América Latina Logística).

 

Orientação

 

Dependendo do ponto de início do trekking, a ideia é seguir a ferrovia. Tendo Muçum como ponto de partida, a cidade de destino é Guaporé, passando por Dois Lajeados e Vespasiano Corrêa. Contudo, é mais indicado o caminho inverso, em declive, de Guaporé para Muçum.

 

Trilhas para cachoeiras são facilmente encontradas à beira da ferrovia. O som das águas é bem evidente.

 

Para Começar o Trekking

 

O acesso ás principais cidades é feito pelas empresas Bento Tranportes e Unesul de Transportes Ltda. Os horários de ônibus podem ser consultados pelos sites e telefones abaixo.

 

Bento Tranportes – (054) 3452-2977 – http://www.bentotransportes.com.br/

Unesul de Transportes – (051) 3375-9000 – http://www.unesul.com.br/v1/index.php

 

Para hospedagem em Muçum, o Hotel Marchetti é uma boa pedida. Preço baixo e bem confortável, com um café simples e delicioso. Fica localizado na Av. Borges de Medeiros, 150 – Centro. Reservas e informações pelo telefone (051) 3755 – 1253. Aproveite para ouvir as histórias malucas do Sr. Marchetti, proprietário do hotel.

 

Para hospedagem em Guaporé, o Hotel JC Borsatto também é uma boa pedida e tem um restaurante delicioso. Fica na Rua Dr. Luiz Augusto Borsatto – Centro. Reservas e informações pelo telefone (054) 3443-5430.

Outra opção é o Hotel Topo Giggio, Av. Monsenhor Scalabrini, 928 – Centro – (054) 3443-1461.

 

Clima

A região sul é famosa pelo seu clima (subtropical úmido). Possui as 4 estações do ano bem definidas. As chuvas são bem distribuídas ao longo do ano, atingindo seu auge nos meses de setembro à novembro . Uma boa época para fazer o trekking é nos meses de março a junho e de setembro a outubro. Nas demais épocas, ou faz muito calor, ou faz muito frio.

 

Para os bem preparados, os dias longos de verão podem significar a travessia numa única jornada, saindo ao amanhecer de um dos lados, e encerrando no início da noite no outro, desde que não se leve nada mais do que água e lanche.

 

Equipamento, Roupa e Água

 

Encontra-se facilmente água ao longo do circuito. Ela é proveniente de córregos não confiáveis, portanto purifique ou ferva antes de consumir. Algumas bicas podem ser encontradas à beira da ferrovia. Em alguns locais, os agricultores transportam a água através de mangueiras que passam por baixo dos dormentes. Se for utilizar essas mangueiras, lembre-se de conectar novamente as pontas.

 

Como a região é bem abrigada do vento, uma barraca não muito técnica consegue dar conta do recado. Um bivak é muito útil, pois além de reduzir o peso da mochila, pode ser instalado facilmente em qualquer ponto da travessia, já que o número de árvores é grande.

 

Alimento pode ser comprado nos mercados locais das cidades, por um preço bem acessível, juntamente com a água.

 

Filtro solar é imprescindível. Durante a tarde o sol castiga muito, pois os trilhos seguem pelo lado oeste dos contrafortes da serra.

 

Não há necessidade de bastões (salvo se você domina a técnica de caminhar com eles no plano). Não saia sem lanterna. Há túneis de mais de um quilômetro, onde, acredite, você não verá nada, mesmo que o “nada” estiver colado no seu nariz. Aliás, você não enxergará seu nariz...

 

Acampamentos

 

Pode-se acampar ao longo de todo o circuito. Um bom ponto é o Viaduto 13. Outro ponto recomendado que fica praticamente na metade da travessia é o Viaduto Pesseguinho (viaduto metálico), localizado entre o Viaduto Mula Preta e o Viaduto 13.

 

Uma boa dica é acampar um pouco afastado da ferrovia. Os trens podem ter algum material solto nos vagões que podem atingir alguém.

 

Há alguns outros pontos fora da ferrovia, muito embora nem todos sejam confiáveis.

 

Informações Importantes

A atenção dentro dos túneis deve ser redobrada, já que a escuridão toma conta de tudo e o risco de ser atingido por alguma lasca de metal solta do trilho é grande.

 

Um trem pode ser ouvido de longe, mas se for surpreendido por algum, não entre em pânico e procure afastar-se da ferrovia o quanto mais puder. Antes de entrar nos túneis, pare na boca e tente escutar algum sinal de trem. Se for surpreendido por algum dentro do túnel, procure um guarda-vida, tire a mochila das costas e fique bem grudado à parede. Normalmente, os túneis tem guarda-vidas cavados à uma distância média de 20m a 30m.

 

Graxains, leões-baios (muito raros) e outros animais são comuns na região, portanto embale bem seu alimento e guarde tudo dentro de sua barraca, inclusive roupas e equipamentos. Os graxains têm o costume de revirar tudo.

 

O terreno que acompanha a ferrovia é muito irregular e as pedras são de tamanho significativo. Cuidado a cada passo dado, é muito fácil torcer um pé nesse tipo de terreno, ainda mais com peso nas costas.

 

Vale ressaltar que os dormentes cadenciam os passos. Se for passar de um em um, o passo fica muito curto e a caminhada não rende. De dois em dois, o passo fica muito aberto. O ideal é andar ao lado dos trilhos, sobre a brita, com atenção, porque quando colocamos peso nela, ela muda de lugar, assenta. Cuidado para não resvalar e distender algum músculo.

 

Muito cuidado ao atravessar os viadutos metálicos, alguns não tem guarda corpo com piso, somente a armação e os trilhos são sustentados somente pelos dormentes apoiados em estruturas metálicas. Aqui vale ressaltar que antes de atravessar um deles, pare e ouça se algum trem se aproxima.

Texto: Edver Carraro e Cacius Schuh

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Gostaria de saber, se tem que pedir autorização para alguém fazer esta caminhada.

 

Desde já agradeço pela atenção.

Obrigado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se você tem patroa, peça a ela ::lol4::

 

O trânsito de pedestres e demais meios de locomoção, salvo trens, vagonetas, etc., é proibido na ferrovia, porém não existe fiscalização alguma.

Não precisa solicitar autorização. Só botar o pé no trilho e curtir a caminhada, tomando as devidas precauções e cuidados.

 

Abraço

Edy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E aii pessoal!

 

Realmente é viável a travessia dos 49km em um único dia? alguém aqui ja fez isso?

 

Ótimo Guia, meus parabéns. Vou ver se vou pra lá agora no feriadão. mas provavelmente vou fazer em 2 dias.. ehhehe

 

abraços!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lucas

 

Se tiver preparo físico, fôlego e vontade, coloque bastante água e lanche numa mochilinha de ataque e seja feliz!

O bom é fazer em dois, três dias. Aí você explora toda região e tem mais tempo para registrar as belas paisagens.

 

Abraço

Edy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Edy, perguntei em outro post mas este(achei depois) me parece mais adequado. Quanto tempo antes do trem passar dá para perceber que ele está vindo? E tu achas seguro ir em grupo grande de pessoas? Realmente não é perigoso se deparar com um trem num viaduto ou túnel?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eduardo

 

É difícil precisar o tempo e calcular a distância. Normalmente, como nossa região é montanhosa e cheia de vales, o som ecoa facilmente e o mesmo é inconfundível. Arriscaria dizer que você pode ouví-lo a dois, três quilômetros!

 

As retas auxiliam a deduzir sua velocidade, pois você consegue vê-lo vindo de longe. Nas curvas fica difícil saber, por isso o cuidado é necessário. Nos túneis, antes de prosseguir caminhada adentro, pare e fique atento. Uma dica é dividir toda a trupe em grupos menores e manter uma certa distância para facilitar na travessia de túneis e viadutos, pois se o trem aparecer, a debandada é menor e controlada.

 

Nos viadutos metálicos (sem mureta lateral, somente guarda-vidas) o cuidado deve ser redobrado. Somente dois atravessam e o resto fica na espera, quando os dois chegarem no primeiro guarda-vidas, outros dois seguem e assim sucessivamente. Em alguns pontos de cortes de pedra, a lateral da ferrovia tem grande acúmulo de água que dificulta a proteção. Se o trem aparecer, ou entra na água lamacenta até os joelhos, ou corre para encontrar um local seguro.

 

A depender do tamanho do grupo, diria que é arriscado, pois quanto mais gente, mais barulho e mais difícil perceber se o trem vem vindo. Ele pode vir das duas direções, portanto quem está a frente deve tomar o cuidado de proteger o grupo e o mesmo acontece com quem está atrás. Na dúvida, se ouviu algum som diferente, pare e se afaste da ferrovia.

 

Abraço

Edy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa tarde, pretendo fazer a travessia este sabado (22/01/2011), quanto tempo mais ou menos levo de guaporé até o V13? que é onde pretendemos acampar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sérgio

 

A distância entre a Estação Guaporé e o Viaduto 13 é de aproximadamente 32km!

Se você tiver um bom preparo físico e manter uma média de 4,5km/h em 7h você chega no 13.

 

Mas vale considerar uma série de fatores como o clima (esse final de semana promete ser quente, ainda mais na ferrovia!), o peso da mochila, se vai em grupo, paradas estratégicas para água e lanche, que acabam por atrapalhar um pouco o progresso, fazendo aumentar o tempo do percurso.

 

Abraço

Edy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Participe da conversa!

Você pode ajudar esse viajante agora e se cadastrar depois. Se você tem uma conta,clique aqui para fazer o login.

Visitante
Responder

×   Você colou conteúdo com formatação.   Remover formatação

  Apenas 75 emoticons no total são permitidos.

×   Seu link foi automaticamente incorporado.   Mostrar como link

×   Seu conteúdo anterior foi restaurado.   Limpar o editor

×   Não é possível colar imagens diretamente. Carregar ou inserir imagens do URL.


  • Conteúdo Similar

    • Por mcm
      Como de hábito, se tem promoção pra Porto Alegre, não recusamos. Viajamos para lá com certa assiduidade desde o começo da década, salvo engano ao menos uma vez por ano. Nos últimos anos temos alternado sucessivamente entre Porto Alegre, Gramado e arredores, e, nossa opção preferencial, Vale dos Vinhedos. Com mais uma passagem comprada para um fim de semana, era questão de escolher. Mas deu coceira de conhecer lugares novos pelo RS.
      Um lugar que está no meu radar há tempos para conhecer é Mostardas, mas Katia sempre recusa. Então bolei uma rota alternativa que cabia num fim de semana, no nosso esquema. Montei um roteiro para conhecer algumas atrações em Lajeado, Lagoa da Harmonia (em Teutônia), e onde fosse possível chegar na Ferrovia do Trigo, sobretudo nos viadutos (V13, Dois Lajeados, Pesseguinho, Mula Preta), Serafina Corrêa e sua Via Gênova, e alguma coisa de Cotiporã. De lá, retornaríamos a Porto Alegre por Bento Gonçalves, velha conhecida de tantas idas. Onde quer que parássemos num dia, dali seguiríamos o roteiro no dia seguinte.
      Seria muito tempo de carro, sim, estava no radar. Meu foco maior era conhecer a ferrovia do trigo e aquelas pontes vazadas que parecem flutuantes. Era o ápice. Mas curtiríamos também o barato dos visuais das estradas rurais por onde certamente passaríamos.
      Há vários e ótimos relatos da famosa travessia sobre a ferrovia do trigo aqui no mochileiros.com, que a galera geralmente faz em 3 dias. Foi inspirador ler, mas nosso foco era chegar mesmo de carro. Esquema conforto, em virtude (também) da premência de tempo.
      Acompanhando a previsão de tempo na semana anterior, o plano ficou por um fio de ser abortado. Num determinado momento havia previsão de chuva forte em todo o fim de semana. Se fosse assim, ativaríamos o plano B, que seria novamente Vale dos Vinhedos, que cuja curtição independe de tempo bom.
      Dica: acompanhar os relatos do @fernandos que vem explorando esses cantinhos menos badalados do RS. Inspirador!

      Chegamos na sexta de noite, dormimos em Canoas, e deixamos para escolher qual plano seguir no sábado de manhã. Previsão para sábado era sem chuva. Plano A mantido. Amem! 
      Mas o roteiro acabou quebrado, porque choveu bastante na manhã de domingo, nos forçando a praticar um plano B parcial (Caminhos de Pedra, em Bento – sempre muito agradável!) naquele dia. No sábado conseguimos seguir até a Ferrovia do Trigo, especificamente Viaduto 13 e Pesseguinho (acabamos pulado o Dois Lajeados), e ainda esticamos até Serafina Corrêa, onde pernoitamos. Ficou faltando conhecer outros dois viadutos e Cotiporã, além de toda a paisagem rural que nos leva a esses cantinhos.
      Seguem abaixo os lugares que conhecemos:
      Jardim Botânico de Lajeado: pequeno, bonito, bem tratado.
       
      Parque dos Dick: com laguinho bacana e letreiro da cidade para curtir.
      Parque Histórico Municipal. Construções em estilo da época da imigração; muito bem transado, mas não muito cuidado.
       
      Lagoa da Harmonia: lindíssima. Propriedade privada, pagamos 15 pratas (os dois, acho que é por carro) para entrar. Tem chalés por lá, tem restaurante. Galera vai para curtir o lugar, fica no chimarrão e/ou no churrasco. Muito bacana. Curtimos um bom momento por lá. E ainda tem um mirante, que não dá vista para a Lagoa, mas para o vale na parte de trás. Vista panorâmica, aliás.
       
      Viaduto Brochado da Rocha: Imponente, uma prévia do que estava por vir.

      Viaduto 13: o mais alto das Américas, e segundo mais alto do mundo. Grande ponto turístico da região, com restaurante e camping na base lá embaixo. Chega-se facilmente de carro, tanto na parte baixa quanto na alta. Parte alta = onde efetivamente está a ferrovia. Tem o viaduto para vc curtir o visual. E tem tuneis para curtir também. Percorri três deles, fui até a cascata subterrânea (garganta do diabo), e voltei. Andando rápido dá uma meia hora de ida, mas levei mais tempo porque o visual das janelas e o barato do escuro absoluto dentro do túnel requer maior contemplação. Estava calor (era Março), mas dentro dos tuneis fazia até algum friozinho.
       
       
      O viaduto é facilmente caminhável, não é vazado, “flutuante” como os outros.
      Viaduto Pesseguinho: esse é vazado, um dos que chamo de “flutuantes”. Vc caminha sobre os trilhos ou sobre os dormentes. Se vc olha para baixo, enxerga o abismo a dezenas de metros abaixo sobre seus pés, entre os dormentes. Achei melhor prestar a atenção aos dormentes e onde eu pisava, enquanto andava. Sensação de olhar para baixo era bacana, mas aterrorizava também. Não tem parapeito, mureta ou qualquer tipo de proteção lateral. Há escapes laterais para vc se abrigar se por acaso passar algum trem. Mas somente de um lado que esses escapes têm base para vc se abrigar, do outro já não existe mais, a base já se foi. E há de se confiar naquela estrutura!
      Achei esses viadutos, essa ferrovia, tudo sublime. Gostei demais. Voltarei.

      Ao longo do caminho (rural) para chegar até o 13 é possível observar, além de belas paisagens rurais (belas para pessoas urbanas, como nós), os viadutos 11 e 12. Ou melhor, os viadutos que presumo que sejam o 11 e o 12. Podem ser vistos ao longe. Importante dizer que o google maps não mapeia todas as estradas rurais da região. Necessário ter algum senso de direção e apostar que aquela estrada em que vc está terá um fim!
      Serafina Corrêa: cidade pequena e bacana, onde jantamos e pernoitamos. Tem a Via Gênova, com réplicas de monumentos italianos, e tem um belo e simpático (e muito bem cuidado) centrinho com praça + igreja.

       
    • Por fernandos
      Saímos de Caxias do Sul as 11 horas rumo ao famoso Viaduto 13 (V13), na cidade de Vespasiano Corrêa, o mais alto Viaduto Férreo da América Latina, com 143 metros de altura. No caminho cruzamos por Bento Gonçalves, sentido Veranópolis, pegamos a estrada para localidade de Farias Lemos.    1ª Parada. Balneário do Rio das Antas. Cotiporã.RS: Certa altura vejo uma placa indicando o acesso secundário para a cidade de Cotiporã, não dei muita bola, ao passar avistei uma ponte, um rio, com suas margens repletas de pedras. Meia volta! Vamos ver do que se trata. Era o Balneário do Rio das Antas, já em Cotiporã, a uns 10 km do centro da cidade. Era quase meio dia, o sol estava forte, mas o lugar é bonito, uma ponte antiga, o rio caudaloso, algumas pessoas fazendo churrasco, outras nadando, um lugar tranquilo para se refrescar num dia de sol forte. O curioso que as margens rio nesse ponto, são cobertas por pequenas pedras, ao invés de terra como é mais comum em outros balneários. Pra mim o nome mais apropriado para o lugar seria "Praia de Pedras", enfim... O lugar rende belas fotos. Como não estava preparado para tomar banho, seguimos viagem.    2ª Parada. Vespasiano Corrêa.RS: O plano era almoçar em Vespasiano Corrêa, mas era domingo, e a cidade bem pequena, com seus 2.000 habitantes, e após darmos algumas voltas pelo centro não encontramos nada aberto. Ainda bem que havíamos tomado um café reforçado, e rumar ao V13. Já no centro de Vespasiano, existem placas indicando o caminho, são uns 13 km, de estrada de terra, estreita, morro abaixo, com pedras soltas, tem que se ter muito cuidado. E no caminho somos brindados com a visão dos viadutos V11 e V12. Chegando ao local  onde fica o V13, já na chegada avistamos muitos carros, estava havendo uma festa de alguma comunidade rural. Um grande aglomerados de pessoas, maioria mais velhas. Debaixo V13 impressiona por sua grandiosidade. E rumo ao dito cujo, são 1, 3 km morro a cima, mas da para fazer de carro, deixamos o carango, na via de entrada, junto com os muitos que estavam lá. Dia de casa cheia na Ferrovia do Trigo. Primeiro tratamos de explorar os Tuneis Férreos, muito legal, os tuneis são extensos, e a medida que se adentra, a escuridão toma conta, aqui uma dica: TEM QUE LEVAR LANTERNA! (É completamente escuro lá dentro). Legal ver apenas as luzes das lanternas das pessoas dentro do Túnel. Não foi muito fácil tirar fotos, pelo completo breu, e por estar muito movimentado esse dia. mas mesmo assim a experiência é muito interessante, vale a pena. Fomos até o final do túnel que deve ter uns 600 metros, sentamos e fizemos um lanche, já que o almoço não rolou. Retornamos pelo túnel, rumo ao V13. Chato foi nos depararmos com muitos turistas bêbados, e sem educação no local. Gente riscando as paredes dos tuneis com pedras, e por aí vai. Lá de cima a vista encanta, de um lado da para ver o Rio onde bote descem de rafting e do outros algumas belas cachoeiras. dessa vez o trem não passou (graças a Deus!),  o que seria bem tenso, mas no local tem alguns refúgios, caso isso ocorro. É um passeio bem divertido passar por cima do viaduto, da para tirar boas fotografias. Ficamos ali um bom tempo curtindo o visual. Depois descemos e fomos em direção as cascatas, seguindo as placas. Tem um balneáriozinho no local, e novamente muita gente bêbada, e sem noção. Um bando de velhos, borrachos, tomando long neck, e atirando as tampas na cachoeira. É o Fim da Picada!  Esse foi o unico porém da viagem, a falta da educação de nosso povo. Acho que não deve ser sempre assim, com certeza pegamos um dia ruim, mas mesmo assim o lugar é lindo. E infelizmente não pude tomar banho na cachoeira, pois, não levei roupa, pois, em Caxias estava friozinho quando saímos, no V13 bem calor. Então via das duvidas leve roupa de banho. 


        3ª Parada. Muçum: Para voltar e escapar da subida ingrime de volta, decidi ir em direção a cidade de Muçum, 14 km diz a placa, mas se anda uns 20 até o centro da cidade. Muçum intitulada a Capital das Pontes, destino já visitado. Possui uma bonita ponte de Brochado Rocha, e o Chafariz de Pedra da Praça Central. A cidade é impressionou pelo desenvolvimento, para seus ditos 5000 hab. Possui até prédio, e no entorno da praça, em frente a igreja, existem duas ruas cobertas, e diversos quiosques e estabelecimentos para lanche. Acabamos no Don Fulano, onde comemos um bom pastel, uma soda italiana, e uma Taça de Sorvete, tudo ótimo, e a bom preço. O ambiente é bem legal também. Muçum encantou pela  beleza, e limpeza da cidade. Mais uma atração de nosso RS visitado, e um ótimo passeio para recarregar as baterias. 

      Mais Fotos:
                    https://rotasetrips.blogspot.com.br/?view=magazine
    • Por luiz.junyor
      Há um tempo eu havia visto sobre a travessia da ferrovia do trigo, que é umas das travessias mais clássicas de Rio Grande do Sul e de cara fica fascinado, falei sobre ela a alguns amigos para ir comigo nessa grande aventura, poucos se mostraram interessados, então resolvi deixar para uma próxima oportunidade, então que um dia convidei meu amigo Jorge, que curtiu muito a ideia de ir, nesse mesmo tempo minha namorada Fernanda também iria, mas teve que desistir devido aos estudos, então eu e Jorge ficamos amadurecendo a ideia de irmos, até que mais dois amigos resolveram participar também, o Zé e o Franck. Então quando marcamos a data que seria no feriado de 7 de setembro, mais três amigos do Zé e do Jorge de Pato Branco embarcaram junto, o Cléber, o Randas e o Thomaz. Iríamos em dois carros, porém na véspera de ir, o Franck e o Thomaz tiveram que desistir devido a compromissos. Como estávamos em cinco, conseguiríamos ir em um carro só. Consegui contato com um hotel de Guaporé e reservei para nós 5, a maior preocupação era onde deixar o carro, pois iriámos de ônibus até muçum, e então subiríamos a ferrovia até retornar a Guaporé, o senhor do Hotel muito simpático falou que poderíamos deixar na garagem do Hotel, foi um alívio. Já liguei na rodoviária e peguei os horários de ônibus para nos organizar. Saímos de Coronel Vivida na quinta-feira, as 14:00hs no dia 06 de setembro, fomos a Pato Branco encontrar os piás e de lá continuamos com o carro de Cléber, que tinha espaço para colocar todas as mochilas cargueiras, foi uma viagem tranquila, paramos jantar em Casca/RS no Xis do Elvis, xis top.  Chegamos no Hotel Rocenzi em Guaporé as 22:40, fomos bem recebidos. Como nosso ônibus saia as 7:30 com destino a Muçum, não daria tempo de tomarmos café no hotel, mas o tiozinho serviu o café da manhã mais cedo para que conseguíssemos comer antes de ir. Embarcamos no Ônibus e fomos de pé pois não tinha lugar para sentar, uma hora depois estávamos em Muçum. Começamos nos arrumar para dar início a caminhada quando Jorge deu conta de deixou o celular no ônibus, a próxima parada era em encantado a 7 km a frente, então Jorge pegou um taxi e foi atrás do ônibus, voltou meia hora depois com o celular na mão e com a boca nas orelhas. Caminhamos alguns quilômetros dentro de muçum até encontrar a escadaria que levaria a Ferrovia.   Iniciamos a ferrovia do trigo era passada das 9:30, no começo era tudo muito fácil, todos estávamos descansados e aquecidos, logo de início já encontramos a estação ferroviária de muçum, que está abandonada.    Andamos mais de uma hora até chegar no primeiro túnel.        Como o sol estava quente foi um alívio, pois no túnel é muito fresco e gostoso de andar, os dormentes são mais conservados e alinhados, facilitando andar sobre eles, tem um bom espaço lá dentro, em caso de o trem vir é possível se proteger apenas ficando encostado na parede. Esse não tinha cheiro de mofo, então não era muito extenso. Logo mais à frente passamos pela primeira ponte, essa não era muito alta e sua estrutura não era vazada, então foi bem tranquilo.     Já era 13:00 e a fome estava chegando, paramos para preparar o almoço em uma sombra próximo a um túnel.         Foi nessa parada que percebi que minhas panturrilhas e meus pés estavam muito doloridos, devido aos pedregulhos da trilha e o peso da mochila, mas foi só começar a andar e aquecer o corpo que as dores diminuíram. Mais alguns quilômetros e aparece o primeiro viaduto vazado, chegou a dar um frio na barriga de ver ele lá de longe.      Andar nessa ponte foi uma emoção muito grande, a vista é espetacular, nos primeiros passos na parte vazada já é alto, tem que andar se concentrando nos dormentes para não ficar tonto, mas logo vai se acostumando e fica menos tensa a passagem.      Chegamos ao Viaduto 13 ou Viaduto do exército como também é conhecido, é o maior viaduto férreo das Americas, sendo o terceiro maior do mundo, com seus 143 metros de altura. Aqui o plano era descer até o camping que tem logo a baixo e ficar por lá, mas como chegamos cedo, era 15:30, não acampamos ali.    Resolvemos continuar para aproveitar o tempo, passamos por um grupo de vinha de Guaporé que nos deram algumas informações, nos disseram que mais uns 8km teria um camping ao lado do viaduto pesseguinho, que ficava no meio da travessia, foi então que decidimos fazer em dois dias em vez de três e seguimos até lá. Logo a frente chegamos no túnel onde tem as aberturas em formas de arcos. Lugar muito propício para lindas fotos.     Chegamos na Cachoeira que se chama garganta do diabo, esse túnel foi feito para desviar o fluxo do rio, onde ele passa por baixo dos trilhos.      Enfim chegamos no viaduto pesseguinho com o sol já se pondo, mais uma ponte vazada para atravessar, acampamos na casa recanto da ferrovia, com uma ótima estrutura, chuveiro com banho quente, área para preparar as refeições. O zé queria chegar e comer todas as batatas fritas que tivessem, o Randas queria uma cerveja, mas estava cagado de fome também, a noite estava com um céu muito estrelado, após montar a barraca deitei e fiquei lá por uma meia hora relaxando.   2º dia, um amanhecer com muita serração, conseguimos descansar bem, as dores eram menores, o Cléber fez alguns calos na sola dos pés, mas conseguiu continuar a jornada mesmo com as dores. Andar na ponte com cerração dá mais medo, pois parece que está mais alto devido ao nevoeiro, uma sensação muito legal, ficamos por ali fazendo algumas fotos e seguimos com a caminhada, pois já era 9:30 e precisávamos chegar no fim da tarde em Guaporé.        Nesse segundo dia, ainda tinha 24km para percorrer, no início da caminhada as dores eram grandes, mas foi só começar a caminhar que logo foi diminuindo, as paisagens eram muito lindas, com a serração ainda presente nos rendeu lindas fotos.     Passamos por mais alguns túneis e pontes, e o tão esperado túnel de 2km, que foi uma meia hora para atravessa-lo, esse tinha cheiro de mofo, por ser longo. O cansaço e as dores já nos dominavam, não foi cansativa a caminhada, mas sim dolorida, caminhar sob dormentes e pedregulhos com uma mochila de uns 15 kilos acaba dificultando, começamos a fazer mais pausas, para relaxar, cada retorno de caminhada era um sacrifício, pois a musculatura esfriava e as dores voltavam, mas como eu sempre digo, quando mais difícil for, maior a sensação de conquista e prazer de ter conseguido concluir.    Chegamos a Guaporé era passada das 17:00.     Concluindo, andamos 50km de trilhos em dois dias, nunca havia feito nada igual, andar em terreno onde só tem pedras é totalmente diferente que andar em trilhas de mato, exige mais preparo e uma boa bota com solado mais firme, mas tive muitos aprendizados que levarei para minha vida, fiz grandes amizades, nos divertimos muito, registramos todos os momentos, por trás de todas essas fotos tem uma grande história. Até breve!
    • Por AdrienSchmitz
      *No final há as dicas importantes para esta trilha

      Saímos de Tramandaí na sexta-feira, dia 28/04/2018, logo depois do serviço. Meu Brother Machado (crossfiteiro e responsável pela maior parte da água do grupo), meu brother Tailan (crosfiteiro e que levava a maior parte da comida) e eu, Adrien (sedentário e com a maior parte dos remédios e responsável pela navegação ). Dois dias antes nós já tínhamos reservado Hotel Marchetti, com o seu proprietário Tiago.
      Fomos dormir por volta da 1h, com alarmes setados para as 6h. Pela manhã levantamos, fizemos os últimos ajustes nos equipamentos, acertamos o hotel e nos dirigimos para a parte dos trilhos que passam no meio da cidade. Não sem antes tomar um último café no posto que fica bem próximo a entrada para trilha.
      Começamos a caminhar sobre os trilhos por volta das 7h40. Todo mundo animado e curioso pelo o que nos esperava. Logo encontramos uma laranjeira, e os frutos dela seriam preciosos alguns quilômetros além, naquele final de abril, mas que fazia 28C. A primeira estrutura que encontramos foi a estação abandonada. Prédio antigo, pichado, com poucos atrativos e ficamos pensando na gurizada que devia se reunir ali, sem a menor possibilidade de serem incomodados. A não mais de um quilômetro depois chegamos na primeira ponte. Um lindo vale com o nascer do sol entre os morros, e do outro lado ainda resquícios da cidade. Ficamos deslumbrados.
      Lá pelas 11h30 resolvemos que poderíamos descansar e já preparar nosso almoço. Catamos pedras, lenha , preparamos a panela e nosso cara das águas, o Machado, decidiu que deveríamos racionar água sempre. O resultado foi uma massa onde embaixo virou um mingau e em cima estava parcialmente crua. Mas nada que molho de tomate por cima e uma lata de atum não tornasse relativamente tragável. Foi pior massa que já comi, me arrepio só de lembrar. Nesta hora também notei o primeiro rasgo na lateral do meu velho tênis de guerra. A silver tape entrou em ação.
      Não perdemos muito tempo depois do almoço, pois estávamos com medo de não alcançar algum acampamento antes de escurecer. Na saída de um túnel nos deparamos com tres caras com aparência bastante exausta. Notamos que tinham poucos equipamentos. Eles nos contaram que estavam andando desde as 4h da manhã, pois queriam fazer os 50 quilômetros entre Guaporé e Muçum em um dia. Também nos contaram que não aguentavam mais e passamos a informação de que ainda faltavam 13 quilômetros para o seu destino. Ali estava a cara do desânimo.
      Seguimos em frente, nos deparamos com a parte mais crítica da expedição. O primeiro viaduto vazado, o V11. Nas fotos e olhando a distância, parece barbada. Mas se aproximando logo se nota que os dormentes não são tão próximos como pensávamos e a altura é nauseante. Eu, que era o cara destemido, sem medo de altura e que ria dos meus companheiros, fui logo a frente. Péssima ideia, pois depois de poucos metros: vertigem. A visão periférica parecia que passava mais rápido do que a visão central, a garrafa d’água chacoalhava na mão, pernas molengas quando eu mais precisava delas… Bem devagar, pouco a pouco, fomos avançando. Então finalmente alívio! E o pensamento: “Quantos desses mais será que tem pela frente?”
      Mais alguns quilômetros adiante, noto que o quilômetro 15,77 nunca termina. Nosso GPS se perdeu e já não sabiamos a quanto tempo estava parado. Sol escaldante, calor emanado das pedras do chão, o único alívio estava no ar gelado dos túneis que começaram a ficar cada vez mais numerosos.
      Já havia passado do meio da tarde e sem o GPS não sabíamos se já havíamos completado a meta de distância do dia, que era de 20km. Pernas doloridas, ombros esmigalhados, cansaço e desânimo. Não podíamos parar pois encontrar um lugar pra acampar era a nossa única meta. Nesse meio tempo, o Tailan que ainda tinha forças, desceu um barranco pra encher as garrafas de água e estreamos os Clor-in, ainda com bastante desconfiança da eficácia. Somente na hora de levantar, notamos a primeira aranha armadeira da trilha nos espreitando.
      Mais um túnel. Esse alem de longo, tinha uma atmosfera pesada. O facho da lanterna mostrava que ele estava cheio de poeira. Parecia que sugava nossas últimas energias. Além disso o receio de finalmente encontrarmos o trem dentro dele, já que o dia começava a findar e até agora nenhuma aparição. Quase não se falava mais. Quando acontecia, era alguma queixa.
      Finalmente o Machado, que andava mais a frente liderando a busca, berra que havia encontrou um lugar para nos instalarmos. Era uma estrada lateral, a uns 8 metros do trilho. Na saída de uma curva havia uma área de concreto. Enquanto os guris montavam o acampamento, eu fui em busca de lenha. De repente me chamam. Era pra dizer que não cabia a minha barraca sobre o concreto e que talvez deveríamos monta-la na estrada. Até porque já era muito tarde e nós sairíamos muito cedo, então não deveria haver problemas. Depois de muita discussão, resolvemos reajustar e colocar as barracas todas juntas, e isso evitaria uma possível tragédia mais adiante. O Machado resolveu jantar Clube Social e se recolher o mais rápido possível, eu e o Tailan comemos os raviollis prontos. Mais um tempo aproveitando a fogueira e me recolhi enquanto o Tailan ficou brisando, curtindo a noite. Aquele piso duro foi mais confortável da vida.
      Lá por uma 0h20 somos acordados por um barulho terrível. Alguns bugs gaiolas estavam a toda velocidade fazendo exatamente aquela curva onde estávamos acampando. E passaram bem onde havíamos planejado pôr a última barraca. Mais algumas horas de sono pesado e no meio da madruga um novo barulho ensurdecedor. Finalmente o trem nos encontrou. Algumas risadas depois do susto e voltamos a dormir, tamanho era o nosso cansaço.
      Pelas 6h30 da manhã, já recolhidos havia 10 horas seguidas, começamos a nos mexer. Consegui descobrir o nosso avanço do dia anterior. 22km. Então ainda teríamos 18km pra percorrer mesmo sentindo todas aquelas dores.
      Sem muita demora desarmamos o acampamento e começamos a caminhar. O café da manhã foram barrinhas de cereal, para não perdermos tempo. Agora, um pouco mais experientes com a trilha, e sem querer passar tanto trabalho como no dia anterior, descobrimos que apertar bem a barrigueira da mochila aliviava muito os ombros. E se ainda colocasse a garrafa d’água ali, daria ainda mais suporte e alívio. Somado a grande redução do peso da água que já havíamos consumido, conseguimos sair com um passo firme e rápido.
      Chegando perto do almoço e nós decididos a acabar com aquilo logo, estávamos dando o melhor possível. Mas veio o destino com mais algumas das suas. O Machado estava com um dos tornozelos inchado e piorava se ele deixava esfriar. Por por outro lado, o Tailan estava com uma forte fisgada na panturrilha e precisava parar por 10 minutos a um intervalo cada vez menor. Aos trancos e barrancos nos íamos avançando.
      Mais alguns túneis e chegamos no tal O Viaduto 13, com seus 143 metros de altura e 509 de comprimento, o 2º viaduto de trem mais alto do mundo e o mais alto da América Latina. E sim, ele é vazado e dividido em duas partes. Aflição geral e a galera relutando. Mas a vontade de ir embora logo era mais forte. E outra, não tinha pra onde correr. Fomos em uma nova configuração agora. O Machado, já bem mais seguro, puxou o pessoal. Eu fui no meio pra garantir que não ficaria muito para trás e por último foi o Tailan. A travessia foi muito mais tranquila que a primeira. E a felicidade foi geral ao perceber que a segunda parte dele não era vazada.
      Um quilômetro depois encontramos um tiozinho que parou pra conversar. Ele perguntou como estávamos indo, comentou que bem mais a frente teria o tal túnel de 2 quilômetros de extensão e mais um viaduto vazado. Minha aflição ficou estampada na cara e dei um pulo. Não estava acreditando que passaria por aquilo uma terceira vez. O ânimo de estar quase indo pra casa desapareceu de mim e do Tailan.
      Continuamos seguindo em frente. O sol já estava forte e a série de túneis que passamos, além de termos nos acostumado a andar dentro deles, era um momento de se refrescar. Perdemos as contas de quantos já tinham se ido.
      Finalmente nos deparamos com o último viaduto. O tal de Mula Preta. 98 metros no pilar central e 360 metros de comprimento. De novo desânimo, o Machado só pensando no almoço e eu e o Tailan procurando rota alternativa, nem que tivesse que descer todo o vale e escalar de volta lá no outro lado. Mas essa trilha não existia. A gurizada comeu seu atum e raviolli e eu preferi me abster. Estava com tanto medo que não conseguiria almoçar nem se quisesse. Só queria me livrar daquela situação.
      Então chegou a hora de enfrentar. O machado já tomou a frente. Com seu caminhar tranquilo, já bem a vontade logo se distanciou. Atras vinha eu, lembrando da dica do tiozinho: “para tirar o foco do cerebro quanto a altura, conte os dormentes”. O Mula Preta tem 719 dormentes, contados um a um. Após terminar minha longa caminhada, olho pra trás e lá estava o Tailan bem a vontade, parado no meio do viaduto tirando fotos, fazendo selfie e gravando vídeo. Ele tinha superado um de seus maiores medos.
      Seguimos em frente aguardando o último desafio. O tal túnel de 2 quilômetros de extensão. Cansaço, desânimo, as dores dos meus colegas estavam dominando e minha força de vontade se esgotando. Olho o GPS e ele estava novamente sem sinal, indicando que faltavam 7 quilômetros. Não sabíamos onde estávamos, nada mudava na paisagem e também não sabíamos qual era a hora de sair da ferrovia para ir até a rodovia pegar o ônibus.
      Depois de muito caminhar encontramos uma ponte que cruzava por cima da ferrovia. Eu lembrava dos relatos de que deveríamos escalar a lateral dela. Louco para ir embora, começei a estudar como subir ali, sobre os protestos do Machado. Tendo uma visão mais ampla, ele resolve caminhar um pouco mais e ver o que havia depois da curva. E foi uma surpresa descobrir que era uma uma rampa a esquerda que levava exatamente pra cima da ponte que eu insistia que teríamos que escalar.
      Estavamos finalmente chegando ao final daquela trilha que tanto tinha exigido de nós e nos mostrado até onde aguentavamos. Morro acima e sobre queixas de exaustão fomos seguindo em frente. A satisfação desse momento era apenas de que já tínhamos nos livrados dos trilhos e das britas.
      Finalmente, quase um quilômetro depois, conseguimos ver a rodovia. Apertamos o passo.
      Na parada, aguardávamos sem muita paciência que aparece algum onibus. Se é que tinha algum naquele dia de domingo. Depois de muito pedirmos carona, e finalmente pegarmos informação, esperaríamos o tal ônibus das 16h Guaporé- Lajeado.
      Eram ainda 15h35 e resolvi atravessar a rodovia apenas para tentar encontrar uma sombra. E, virando a curva já vinha o nosso tão esperado ônibus. Berro para a gurizada pra virem logo pra ali e trazerem minha mochila. o Machado, que tinha ido buscar água, arruma forças não sei de onde pra correr e trazer junto as duas bagagens.
      Finalmente estavamos voltando. Já deixo a aqui o pedido de desculpa daqueles passageiros que por 25 minutos aguentaram aqueles três caras fedendo a azedo, depois de dois dias sem tomar banho.
      Aqui encerra meu relato. Valeu a pena? Sim, valeu muito a pena. Faria de novo? Bem capaz!

       
      Dicas:
      1. Em Muçum recomendamos ficar no Hotel Marchetti (51) 3755-1253. O nome do Proprietário é Tiago. A entrada da trilha é a 200 metros deste hotel.
      2. Tem uma loja de conveniência em um posto bem perto da entrada para os trilhos, bom para um ultimo café. Comece a trilha bem cedo, pois terá que fazer pelo menos 22 quilômetros no primeiro dia, e sobre pedras e trilhos e com equipamento para acampar e água, o avanço é mais lento.
      3. Dependendo do teu consumo, 4 litros de água por pessoa dá, mesmo que pegue dois dias a quase 30C. Mas se levar Clor-in, há contato com uns poucos rios para coleta. Para as principais refeições, leve alimentos que consumam pouca água no preparo.
      4. Andando nesse sentido, os lugares interessantes pra acampar começam a aparecer pelo quilometro 22. Se aguentar caminhar mais uns 4 quilômetros, terá que passar por mais um viaduto vazado, mas depois dele terá um camping.
      5. Para passar sobre os viadutos vazados, caso comece a ter vertigem, não olhe diretamente por entre os vão dos dormentes e vá contando quanto dormentes tem, pra tirar o foco do cérebro.
      6. Dentro dos tuneis cuidado com dormentes quebrados ou com limo, com buracos naqueles recém trocados, com esporoes de aço soltando dos trilhos e sempre procure pelos salva vidas caso o trem resolva aparecer. De qualquer forma, ele vai apitar antes de entrar no túnel.
      7. Cuidado com aranhas, pois elas adoram os trilhos e estão em toda a parte, mesmo tu não vendo.
      8. Lá pelo quilometro 40, já é a ponte pra Colombo que passa por sobre os trilhos. Diferente de outros relatos, não precisa escalar a lateral dela. Caminhe mais uns 50 metros e a esquerda terá uma subida pra essa ponte. Depois dela terá uns 500 metros só de subida e mais uns 500 metros de descida até a rodovia.
      9. No domingo o ônibus Guaporé - Lajeado passa algumas vezes e te deixa na frente do hotel, onde deve estar teu carro. Fique do lado da rodovia que não tem a parada. Nós pegamos ele as 15h35 
       







    • Por marcos_RS
      Bem, resolvi escrever este relato depois que li o relato do Cacius, que está sempre ajudando o pessoal. Fiquei apenas um pouco triste com o desfecho de seu relato. Espero que me lembre de tudo, afinal, já faz 2 anos que fizemos esta travessia e me arrependi de não te-lo escrito antes, pois com certeza seria bem mais rico em detalhes do que este relato que escrevo hoje. Atualizarei-o quando lembrar de mais detalhes.
       
      Bom, tudo começou quando eu e mais três colegas de trabalho(Darcio, Jonas e Tom) resolvemos fazer esta travessia, após algumas pesquisas e um planejamento utilizando o Google-Earth, decidimos a data para esta aventura: 02 e 03/11/07. Sim é feriado de finados, mas era um feriadão, pois o feriado era na sexta-feira e assim teríamos o domingo para descansar em nossas casas antes de voltar ao trabalho na segunda-feira.
       
      Na quinta-feira dia 01/11/07, já com as mochilas devidamente prontas e com o hotel reservado, tomamos um onibus às 18:30 na rodoviária de Porto Alegre com destido à Muçum. Depois de 3 horas de viagem, desembarcamos bem em frente ao hotel reservado. O hotel é confortável e bem barato. Deixamos as mochilas no hotel e fomos comer um "chis" e tomar uma gelada. Logo depois, voltamos ao hotel, dividimos melhor os pesos das mochilas e fomos dormir.
       
      No dia seguinte, acordamos bem cedo e tomamos um simples mas generoso café da manhã e tomamos um mate com o simpático sr. Marchetti, dono do hotel. Aqui vale lembrar que se quiseres dar uma olhada mais de perto nas fotos, basta clicar nela para ampliá-la.
       

      Café da manhã do hotel.
       
      Conversamos mais um pouco com o sr. Marchetti e saímos do hotel por volta das 8:00 da manhã, mas não sem antes tirar uma foto com o proprietário em frente ao seu estabelecimento.
       

      Hotel Marchetti. Ponto de partida da caminhada. À esquerda, de branco o Sr. Marchetti.
       
      Iniciamos a caminhada, com uma temperatura muito agradável(cerca de 15º) e um céu nublado. O que nos ajudou e nos motivou bastante, pois sabíamos que teríamos uma boa caminhada pela frente.
       

      Saindo de Muçum.
       
      Caminhamos por cerca de 4 horas até chegar ao tão famoso viaduto V13. Imponente obra da engenharia do exército brasileiro, com 254m de comprimento e 146m de altura, sendo o mais alto das américas e o segundo mais alto do mundo.
      Durante o trajeto, fazíamos paradas a cada hora para descansarmos um pouco, tirar as mochilas das costas e apreciar a paisagem.
       

      Nunca pensei que britas pudesssem ser tão macias!!!!!!!
       
      Ao chegar no viaduto, encontramos o pessoal da ALL fazendo reparo nos trilhos. Perguntamos e descobrimos que não circularia nenhum trem até o final da tarde.
      Caminhamos mais 15 minutos e aproveitamos para almoçar já que a chuva fina que nos acompanhava por boa parte do trajeto engrossara. Paramos na entrada de um túnel e optamos por uma refeição leve, já que tínhamos tomado um reforçado café da manhã no hotel e deixamos a refeição mais "pesada" para o jantar no acampamento. Tínhamos previsto duas refeições quentes, um carreteiro de charque e uma massa com calabresa e creme de leite. Belo cardápio, que exigia apenas uma panela e nenhuma refrigeração,exigem um pouco mais de água para cozinhar, mas como tinha chovido uns dias antes, tínhamos água em abundância no trajeto. Depois da pausa, para o almoço, a chuva aliviara e retomamos a caminhada. No segundo túnel depois do V13(em direção à Guaporé), existe uma homenagem dos trabalhadores a um colega que morreu na construção do túnel durante a retirada das pedras em uma explosão de um dinamite que falhara durante a explosão principal.
       

      Homenagem póstuma.
       
      Cerca de uma hora de caminhada encontramos um grupo de escoteiros da região do vale dos sinos. Eles nos disseram que acampam todos os anos perto do viaduto V13. eles estavam em um grupo de umas 20 pessoas.
       

      Grupo de escoteiros. Encontro um pouco antes do acampamento.
       
      Caminhamos mais 3 horas e paramos por volta das 16:30 para montar o acampamento e cozinhar antes que escurecesse.
       

      Inspecionando o local do acampamento.
       

      Organizando o acampamento.
       

      Acampamento montado, carreteiro no fogo e um mate bem cevado para espantar o cansaço de um longo dia de caminhada.
       
      Enquanto montávamos o acampamento, tivemos nosso primeiro encontro com um trem. Fomos até o trilho, acenamos ao maquinista e apreciamos sua passagem. Nosso segundo encontro seria um pouco diferente.
       
      Após o jantar, fomos até um viaduto perto do nosso acampamento. Lá, fizemos uma roda de chimarrão enquanto conversávamos e apreciávamos um belo por do sol entre os vales. Quando a água acabou, já era escuro, voltamos ao acampamento e fomos dormir. Ao amanhecer do dia seguinte, acordamos, tomamos um café da manhã, levantamos o acampamento e recolhemos tudo o que levamos para lá(inclusive o lixo que é o mais importante!!!).
       
      Como tínhamos acampado na entrada de um grande túnel, os primeiros 40 ou 50 minutos da caminhada seriam no escuro. Após cerca de 10 minutos de caminhada, quando estávamos quase na metade do túnel, começamos a ouvir o ruído do trem. Em princípio ele era praticamente imperceptível e nem todos o ouviram, o que foi motivo de risadas entre os que não tinham ouvido, e acusação de paranóicos aos que tinham ouvido. Porém com o passar do tempo, o som ficou cada vez mais perceptível e dentro de alguns instantes o encontro com o trem seria realidade. A tensão aumentou, afinal, não é todos os dias que estamos dentro de um túnel estreito e com mais de 2 km de comprimento e cruzamos por um trem enorme e barulhento. Entramos em um dos inúmeros refúgios que existem nos túneis e viadutos e esperamos o trem passar. Após o barulho ensurdecedor, ainda agitados com o encontro, retomamos nossa caminhada. Aproximadamente meia hora depois, saímos do túnel.
       
       

      Saída de túnel no caminho.
       
      Logo após sair do túnel, encontramos dois casais de amigos que haviam passado a noite próximo a entrada oposta do túnel onde tínhamos passado a noite. Pausa para mais uma foto.
       

      Logo ao amanhecer do segundo dia, encontramos os dois casais que tinham acampado bem próximo ao local onde acampamos.
       
      A caminhada neste dia foi um pouco mais difícil. O dia amanhecera com neblina e como diz o ditado popular: "Cerração que baixa, sol que racha". Conforme o tempo ia passando, o calor ia aumentando, e aumentando muito! O calor, somando ao cansaço da caminhada do dia anterior e ao peso das mochilas, tornava a caminhada bem mais difícil do que no dia anterior. Entretando, a paisagem nos proporcionava belos visuais.
       

      Como era primavera, não poderiam faltar as flores.
       
      Mais cerca de uma hora de caminhada e nos deparamos com o também famoso viaduto da mula preta. O mais alto dos viadutos de ferro que se cruza pelo caminho. Ele não possui nada entre os dormentes e nenhuma mureta em sua lateral. Dá vertigem atravessá-lo.
       

      Viaduto da mula preta, um dos vários viadutos de aço, só com dormentes.
       
      Não muito depois de cruzar o viaduto da mula preta, passamos por uma casa que fica bem na beira da estrada e encontramos seu proprietário. Paramos para conversar com ele. Sujeito muito simpático e cujo nome, infelizmente não me recordo. Conversamos por uns 10 minutos com ele, ele nos ofereceu água, que nós aceitamos com prazer. Tiramos outra foto, nos despedimos e seguimos nossa caminhada.
       

      Parada para trocar uma idéia com os moradores do local.
       
      Durante a caminhada, principalmente dentro dos túneis, onde é completamente escuro, convém tomar cuidado com uma espécie de farpa que se forma nos trilhos com o passar dos trens. Irás te deparar com eles com relativa frequência e são bem afiados. Eles foram muito úteis na construção dos fogões para cozinhar.
       

      Cuidado com as lascas de aço presas aos trilhos.
       
      Já era perto do meio dia, o sol estava castigando e a fome apertando. Resolvemos parar para cozinhar a segunda refeição quente de nossa caminhada. Uma saborosa massa com calabresa ao molho de creme de leite.
       

      Almoço do segundo dia.
       

      Mesa do banquete.
       
      Enquanto cozinhávamos, uma vagoneta que percorre os trilhos verificando se não há problema e é utilizada para carregar pessoal e materail para realizar reparos, parou e nos ofereceu carona até Guaporé. Indagamos o condutor sobre a distância que nos faltava para o fim de nossa empreitada. A resposta foi: "faltam 10 km!". Após uma breve reflexão, optamos por seguir a pé. Claro que queríamos a carona, mas achamos que seria um "atalho" muito grande. É óbvio que, durante a tarde, com o sol escaldante, nos arrependemos diversas vezes da nossa decisão. Mas foi nossa escolha e a aceitamos com tranquilidade.
       

      Vagoneta oferecendo carona.
       
      Após refeitos e bem alimentados, foi a hora de tomar um bom banho de cascata(gelado e revigorante) e pegar a estrada novamente. A tarde foi muito quente e tranquila, sem nenhuma novidade ou percauço e depois de cerca de 4 horas, avistamos uma placa que nos avisava que nossa caminhada estava chegando ao fim.
       

      Última foto ainda nos trilhos do trem. Para que conheçam os personagens desta trilha: Eu, Tom, Darcio e Jonas.
       
      Mais um pouco de caminhada e avistamos o trevo de acesso de Guaporé, saímos dos trilhos e caminhamos pela estrada. Deixando para trás os trilhos e o som de nossos passos nas britas que insistia em querer nos acompanhar. Entramos na cidade e perguntamos aos moradores pela Estação Rodoviária. Eles nos indicaram o caminho. Cada um tomou um ônibus para sua casa já sentindo saudades do tempo em que passamos juntos.
       

      Fim da caminhada.
       
      Algo que nos foi bastante útil, mas não indispensável, foi o mapa que fizemos e que nos aciompanhou. Marcamos todos os túneis e pontes, desta forma podíamos acompanhar muito bem a evolução de nossa caminhada e que guardamos até hoje meio amassado e sujo.
       

      Ponto de partida.
       

      Destino.
       
      Espero ter aguçado a curiosidade de vários e espero também que este relato sirva de "empurrãozinho" pra as pessoas saírem de casa. Viaje, conheça pessoas, experimente novas sensações! E principalmente leve apenas fotografias e deixe apenas pegadas. Preserve a natureza!!! Dê aos outros o direito de encontrar o mesmo que encontraste na tua viagem!
       
      Forte abraço a todos!


×
×
  • Criar Novo...