Ir para conteúdo
  • Cadastre-se
Lívia Mara Silva

VIAGEM 22 DIAS - CHILE (SAN PEDRO DE ATACAMA E SANTIAGO), BOLÍVIA (UYUNI) E PERU (SALKANTAY, CUSCO E MP)

Posts Recomendados

Em 26/06/2017 em 23:00, Lívia Mara Silva disse:
Jenifferaraujo disse:

to e amando, estou planejando a algum tempo essa viagem também e se voce pudesse me ajudaria muito se pudesse me passar essa planilha de valores gastos para eu ja ter uma base e ir me planejando.

 

Grande abraço. :)

Oi, Livia!

Você pode enviar um email com a planilha? [email protected]

Brigada! =)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Obrigado por compartilhar o relato! Apesar das reviravoltas da natureza no começo da viagem, deve ter sido uma experiência incrível!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@amauryoliveirabatista Amaury,

Atacama é tudo de lindo! É bem diferente da parte que fui no Peru.. Na verdade, eu acho que é diferente de tudo que há no mundo. Vale muito a pena. Vou enviar a planilha... Se precisar de algo, tiver alguma duvida, pode falar....

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@rebeca_carvalho Rebeca, 

enviei a planilha!

Sim... Eles são ótimos! Você não vai precisar se preocupar com nada! Eu não fiz a tirolesa não. Confirme com eles, mas acho que a essa empresa não permite a tirolesa. Você ainda vai pegar o novo acampamento deles, que deve ser mágico! Aproveite e depois conte para gente como foi! QQ duvida, só falar!

  • Gostei! 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

@thiagodantas Oi, Thiago!

 

 

Que pena! Acho que fiquei um pouco distante do site e acabei não respondendo a tempo.. Me desculpe! Em relação ao que colocar na mochila, leve repelente. O segundo dia é cruel em relação aos mosquitos...

E se tiver como: Fôlego! ahahahaha

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
58 minutos atrás, Lívia Mara Silva disse:

@rebeca_carvalho Rebeca, 

enviei a planilha!

Sim... Eles são ótimos! Você não vai precisar se preocupar com nada! Eu não fiz a tirolesa não. Confirme com eles, mas acho que a essa empresa não permite a tirolesa. Você ainda vai pegar o novo acampamento deles, que deve ser mágico! Aproveite e depois conte para gente como foi! QQ duvida, só falar!

Muito obrigada!!!! Recebi aqui! Depois vou dar uma olhada com calma! Pode deixar q depois conto como foi!!! E daqui a pouco tiro mais dúvidas!!🤣🤣🤣

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
12 horas atrás, Lívia Mara Silva disse:

@amauryoliveirabatista Amaury,

Atacama é tudo de lindo! É bem diferente da parte que fui no Peru.. Na verdade, eu acho que é diferente de tudo que há no mundo. Vale muito a pena. Vou enviar a planilha... Se precisar de algo, tiver alguma duvida, pode falar....

 

 

Muito obrigado pela colaboração to muito afim de fazer esse roteiro de vocês no Peru, abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por aletchos
      Pessoal, estive no Deserto do Atacama em agosto de 2016 e queria colocar aqui meu relato para ajudar o pessoal do fórum que está planejando uma trip para lá.
       

      Como chegar no Deserto de Atacama
       
      Para visitar o Deserto de Atacama você quase certamente ficará hospedado em San Pedro de Atacama, um povoado com 3 mil habitantes instalado no meio do deserto e que serve de base para todos os principais passeios ao Deserto do Atacama.
       
      De avião
       
      O aeroporto mais próximo fica na cidade de Calama, situada a aproximadamente 1 hora e 20 minutos de carro de San Pedro de Atacama. Calama é o principal ponto de chegada para quem chega de avião ao Deserto do Atacama.
       
      Paguei 76 dólares pelo voo de ida e volta pela Sky Airline, saindo de Santiago.
       
      No aeroporto mesmo existem umas 5 empresas de transfers que fazem o trajeto Calama – San Pedro de Atacama. Todas cobram um preço tabelado de 12.000 pesos ida e 20.000 ida e volta.
       
      Se você chega e sai de Calama, feche ida e volta e informe o dia e horário do seu voo de volta que eles irão pegar você no seu hotel/hostel a tempo do seu voo de volta.
       
      Sobre qual empresa escolher, todas parecem sérias e estruturadas, mas a Transfer Vip aparentemente possui mais carros, o que pode ser uma vantagem.
       
      De ônibus
       
      Você também pode chegar a San Pedro de Atacama de ônibus. A viagem saindo de Santiago leva quase 24 horas, o que certamente é cansativo.
       
      Com a Tur Bus você consegue comprar passagens até San Pedro, e com a Pullman Bus você chega até Calama.
       

      Quanto gastei no Deserto de Atacama
       
      Bom, gastos são sempre importantes, mas cada um sabe o budget que tem e o que pode gastar em uma viagem.
       
      Eu anotei absolutamente tudo o que gastei nessa viagem, dos passeios ao chocolate. Usei um app que gosto demais, que é o Travel Pocket (recomendo!). Segundo minhas anotações no app, meus gastos ficaram assim:
       
      CLP 339.250,00 (pesos chilenos, aproximadamente 522 dólares); USD 575,00; e BRL 1.386,00 (neste valor está apenas a passagem para o Brasil).  
      Assim, podemos dizer que minha viagem no total saiu por algo como R$ 5.220,00 (considerando 1 real como 3,5 dólares).
       

      Quando ir ao Deserto de Atacama
       
      O Deserto do Atacama é um destino que pode ser visitado durante todo o ano, sem restrições. O tempo é extremamente seco e raramente chove.
       
      Temperaturas. Basicamente, essa é a principal questão envolvendo o clima que você vai se preocupar. A amplitude térmica é muito grande por lá, ou seja, você vai pegar frio à noite e nas primeiras horas da manhã e calor durante o dia.
       
      Nos meses de verão (mesmo período do verão no Brasil) você terá temperaturas mais altas durante o dia, e no inverno (período em que eu estive por lá) já não tão altas. Por outro lado, no inverno você terá noites e manhãs mais frias do que no verão.
       
      Para você ter ideia, no passeio aos Geysers del Tatio eu peguei -13 graus logo ao amanhecer. Na tarde, já de volta a San Pedro, a temperatura estava um pouco acima de 20 graus, ou seja, uma diferença de 33 graus no mesmo dia!
       

      Geysers del Tatio – Temperatura quando estive por lá foi -13 graus!
       
      Os períodos com temperaturas mais amenas e uma amplitude térmica não tão grande é de março a maio e de setembro a novembro, portanto esses seriam os melhores meses para visitar o Deserto do Atacama, mas, como falei antes, você tem condições climáticas para visitar o Atacama durante todo o ano.
       
      Sobre o tempo ser seco, leve Bepantol e um hidrante e beba bastante água. É que com o tempo seco, sua boca e pele ficarão secas (incrivelmente secas), então você deve passar o Bepantol nos lábios o dia todo ou vai ficar com a boca parecendo a lua cheia de crateras!
       

      Onde ficar em San Pedro de Atacama
       
      A não ser que você procure algo muito específico, você certamente ficará hospedado em San Pedro de Atacama. É aqui que estão as agências e de onde saem os passeios para visitar o Deserto do Atacama.
       
      A cidade é praticamente toda voltada para o turismo, então você encontra opções de hospedagem para todos os bolsos e gostos. Saiba, contudo, que você está no meio do deserto e, em razão disso, recursos são escassos. São comuns relatos de falta de água, falta de água quente, falta de luz, internet, etc. Também em razão disso os preços são relativamente mais caros do que em outros lugares que já visitei.
       

      As ruas bucólicas de San Pedro de Atacama. Na foto, a rua Caracoles.
       
      Li praticamente todos os reviews de todos os lugares, peguei recomendações de blogueiros que confio que estiveram por lá, e acabei fechando no Booking.com. Certamente não é a opção mais barata, mas longe de ser mais cara. Tinha um café da manhã excelente, um quarto extremamente confortável e limpo, banheiro ótimo com água quente, Wi-Fi que funcionava razoavelmente bem, excelente localização e um igualmente excelente atendimento (em breve um review mais detalhado).
       
      O Hotel Pat'ta Hoiri é uma boa opção para quem está disposto a investir um pouco mais em conforto, sem pagar os preços estratosféricos de alguns hotéis de San Pedro de Atacama. Contudo, certamente não é a opção para os mochileiros que querem economizar ao máximo!
       
      Além da análise preço, a localização é um fator relevante. A principal rua de San Pedro de Atacama é a Caracoles, onde estão a maioria das agências e serviços que você precisa (farmácia, restaurantes, bares, etc). Grande parte do comércio está na Caracoles ou nas ruas próximas, portanto o mais próximo que você ficar daqui, melhor.
       
      De todo modo, San Pedro não é uma cidade muito grande, então com alguns minutos de caminhada você chega à grande maioria das hospedagens. Contudo, quando você está cansado do dia inteiro de passeios, é sempre melhor que o restaurante ou bar que você vai jantar esteja o mais próximo possível de onde você está ficando. Enfim, um ponto a considerar!
       
      Um hostel que também é muito bem avaliado e que já bons reviews de blogueiros é o Hostal Lickana. Esse hostel fica muito bem localizado e tem excelente reviews no Booking.com também e tem preços mais em conta que o Hotel Pat'ta Hoiri.
       
      Estou escrevendo um post com uma pesquisa bem extensa de preços comparados com as avaliações de outros viajantes e opiniões de blogueiros e logo posto aqui para vocês.
       

      Onde comer em San Pedro de Atacama
       
      Apesar de ser um povoado pequeno e simples, San Pedro de Atacama oferece opções excelentes de comida. Na Rua Caracoles estão bons restaurantes, mas nas ruas próximas você encontra outras opções interessantes também.
       
      Vou relatar aqui os lugares onde comi, o que comi e quanto gastei exatamente em cada refeição, mas fico extremamente feliz se vocês colocarem outras opções nos comentários, assim aumentamos as opções para quem está lendo esse post aqui.
       
      Restaurante La Casona, na Rua Caracoles
       
      Restaurante muito bom, comida extremamente bem servida (mata a fome e sobra) e de qualidade. Paguei 15.070 pesos pelo menu do dia (foto abaixo) e uma cerveja.



       
      Restaurante Blanco, na Rua Caracoles
       
      Outro excelente restaurante na Caracoles, talvez um dos melhores da cidade. Paguei 20.405 pesos pelo jantar, com vinho e água. O menu do dia, que saia por 10.000 pesos (o meu saiu mais caro pelo vinho e água), está descrito na foto abaixo, juntamente com as fotos dos pratos que consegui tirar por lá.
       



       
      Restaurante La Pica del Indio, Rua Tocopilla
       
      Restaurante um pouco mais em conta, que fica na rua Tocopilla, uma travessa da Caracoles. Gastei 8.140 pesos para comer um ceviche como entrada e peito de frango com batatas de prato principal. O valor do menu, com sobremesa, era 4.500 pesos, mas como bebi duas cervejas o preço subiu! O frango não estava muito bom, mas é uma opção mais em conta para quem quer pagar menos.
       





       
      Restaurante Delicias del Carmen, Rua Caracoles
       
      Outro bom restaurante na Caracoles. Paguei 12.100 pesos por uma entrada de salada de quinoa e frango com fritas, e também bebi uma cerveja por lá. Uma outra opção do cardápio, pelo mesmo valor, era uma caesar salad. Fotos abaixo!
       


       
      Restaurante Tierra Natural, Rua Caracoles
       
      Aqui, paguei 9.900 pesos por um frango com batatas salteadas e uma Coca-Cola. Comida muito boa, feita com ingredientes orgânicos e naturais e um clima muito legal. Achei o serviço um pouco atrapalhado, mas acredito que isso se deu pois já era mais tarde do que o normal.
       

       
      Restaurante Adobe, Rua Caracoles
       
      Outro excelente restaurante de San Pedro. Jantei aqui em duas ocasiões. Na primeira, comi uma pizza muito boa e duas Coca-Colas, que me saíram por 16.830 pesos. A pizza alimenta duas pessoas que não comem muito (vou ficar devendo a foto)!
       
      Na segunda vez, um risoto de quinoa e uma Coca, que me saíram por 13.305 pesos.
       

       
      Fora essas opções acima, existem tantas outras na própria Caracoles. E como falei antes, ficaria feliz se outras pessoas pudessem comentar no post outras opções que usaram.
       
      Além dos restaurantes acima, também tomei uns chopps e comi uma pizza que eles mesmo fazem no Bar Chelacanbur, que fica também na Caracoles. Por lá, na final do futebol masculino da olimpíada e vendo o Brasil levar o ouro, deixei 12.500 pesos numa pizza que foi dividida em 5 pessoas e em uma quantidade de cerveja que me deixou relativamente bêbado!
       

      Agências de Viagem em San Pedro de Atacama
       
      Uma das grandes dúvidas na viagem ao Deserto do Atacama diz respeito às agências de viagem, afinal são muitas opções! Outra dúvida é se devemos fechar os passeios com antecedência ou se deixamos para fechar quando estivermos lá.
       
      Vou tentar responder essas dúvidas!
       
      Qual agência escolher?
       
      Como falei, são muitas. E os critérios de escolhas são muitos e muito pessoais também.
       
      Antes de qualquer coisa, só queria colocar que usei três agências diferentes e não recebi qualquer apoio delas por ter o blog. Aliás, elas sequer sabiam (e nem devem saber) do blog. Só escrevo isso pois li algumas críticas no TripAdvisor para alguns blogueiros que recomendavam passeios de agências que ofereceram apoio a esses blogueiros e o serviço e preço prestado por essas agências aparentemente não foi tão bom (e não estou fazendo qualquer julgamento aos blogueiros, agências ou a pessoa que escreveu no TripAdvisor).
       
      Enfim, vou dizer como eu escolhi a minha agência.
       
      No hotel que fiquei, o dono recomendou a agência Latchir. Visitei e verifiquei os preços, que eram bons. Os passeios são quase todos distantes de San Pedro, ou seja, você vai ter que percorrer longas distâncias de carro. É importante pagar barato, mas o barato pode sair caro, pois seu trajeto (seja de ônibus, van, pickup, etc) pode ser um inferno, isso sem falar no carro quebrar ou até algum acidente.
       
      Depois, visitei a Ayllu, muito recomendada por blogueiros e brasileiros que visitam o Deserto do Atacama. Achei a Ayllu com um preço alto (por vezes seis vezes mais caras que as demais), mas não fechei nenhum passeio com eles para dizer se o preço compensa ou não. Contudo, dada a grande diferença, acho bem difícil que valha até 6 vezes mais.
       
      Depois, visitei a Grado 10, também muito bem falada pelos viajantes brasileiros. Em termos de preço, saiu mais caro que a Latchir, mas bem mais barata que a Ayllu. Acabei fechando com eles.
       
      Por que escolhi a Grado 10? Bons reviews no Trip Advisor e em blogs no Brasil e, principalmente, pelo grande diferencial: O caminhão!
       
      Todas as demais agências fazem os trajetos em vans, micro ônibus ou pickups. A Grado 10 faz num caminhão overland adaptado para esse tipo de viagem. Eu já conhecia esse tipo de caminhão há muitos anos, pois meu grande sonho de viagem é cruzar a África num desses. Quando bati o olho não teve jeito! Apesar de ser rústico, o caminhão é extremamente confortável por dentro, com bancos reclináveis e janelas grandes. No Valle de la Luna pudemos assistir ao nascer da lua de cima do caminhão e na Laguna Cejar ficamos lá em cima enquanto o caminhão ia para o lugar onde faríamos nosso brinde da tarde!
       

       
      Claro que isso é um pequeno detalhe e que me cativou, mas achei o serviço excelente também. A nossa guia (Camila) era excelente, prestativa, com muito conhecimento e falava espanhol e inglês, mas todos os brasileiros entendiam ela sem problema algum.
       
      A Grado 10 só tem 4 passeios, os mais tradicionais: Laguna Cejar, Valle de La Luna, Geysers del Tatio e Lagunas Altiplanicas (sem Piedras Rojas). Fechei os 3 primeiros com eles e paguei 80.000 pesos.
       
      Também li bons reviews sobre a agência Atacama Connection e fechei com eles apenas o Lagunas Altiplanicas com Piedras Rojas (pois a Grado 10 não fazia Piedras Rojas). Tudo ocorreu bem, o veículo era um micro ônibus confortável, a guia tinha conhecimento e era muito prestativa, mas não tinha a mesma vibe do caminhão da Grado 10 hehe! De todo modo, nada a reparar quanto ao serviço prestado pela Atacama Connection. O preço que paguei por esse passeio foi 35.000 pesos.
       
      Por fim, fiz o Salar de Tara com a agência Crisol(não achei site, por isso estou indicando o Facebook). Honestamente, não pesquisei absolutamente nada sobre essa agência, fechei o passeio um dia antes depois de sentar num bar com uns brasileiros que iam no dia seguinte e recomendaram. O carro e o guia eram muito bons e o passeio foi excelente também, portanto não tenho absolutamente nada a reportar sobre eles.
       
      Um post que me ajudou bastante na avaliação de agências foi este aqui, do Viaje na Viagem, além, claro, do Trip Advisor.
       
      Geralmente, quando os passeios saem muito cedo da manhã (como é o caso dos Geysers del Tatio, que você sai próximo das 5, dependendo da época do ano) as agências oferecem café da manhã durante o passeio. Nos passeios de longa duração também é oferecido almoço, portanto a inclusão de refeições é um ponto também a ser observado na sua escolha.
       
      Devo reservar com antecedência?
       
      Sendo bem objetivo, não vejo razões para você reservar com antecedência.
       
      São muitas opções de agência e você dificilmente ficará sem poder fazer algum passeio que queira fazer. Ainda, quase todas aceitam uma chorada e concedem um desconto no preço inicial, então minha recomendação é que você feche os passeios apenas quando chegar em San Pedro de Atacama.
       

      Passeios no Deserto de Atacama
       
      Existem muitas opções do que fazer por lá.
       
      Os passeios tradicionais são 4:
       
      Valle de la Luna: O mais próximo de San Pedro, fica há uma meia hora do centro da cidade. Nesse passeio você faz uma visita guiada dentro do Valle de La Luna, que tem formações muito lindas. Ao final do dia, você sobe até onde fica a pedra do Coyote para ver o por do sol. Quando estive por lá também era época de lua cheia, e de lá vimos a lua nascer junto com o por do sol, foi lindo!
       




       
      Neste post aqui conto um pouco mais sobre o passeio ao Valle de La Luna e também mostro algumas das fotos que tirei por lá.
       
      Geysers del Tatio: Nesse passeio você sairá bem cedo de San Pedro (perto das 4 ou 5 da manhã), pois os geysers são mais ativos antes de o sol nascer. O problema é que faz muito frio por lá, e você deve ir preparadíssimo. Em agosto, quando estive lá, peguei temperaturas de -13 graus.
       




       
      É um passeio que dura o dia todo, você percorrerá uns 200 km de carro e atingirá uma altitude de 4.300 metros. Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Lagunas Altiplanicas: Um dos passeios mais distantes de San Pedro. As paisagens do altiplano são espetaculares (as fotos abaixo falam por si só). Este passeio dura o dia todo e você percorrerá uns 270 km de carro ida e volta. Você vai visitar a Laguna Chaxa e o povoado de Socaire, e também as lagunas Miscante e Miñiques. É na laguna Chaxa que você verá inúmeros flamingos e terá a chance de tirar as fotos que tirei abaixo!
       




       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Lagunas Cejar e Tebenquiche: Esse passeio tem duração de meio dia e fica a apenas 30 km de San Pedro de Atacama. Aqui você terá a oportunidade de nadar em uma das lagunas, que tem 200 vezes mais sal que o mar. É possível também avistar flamingos, mas eu não tive essa sorte.
       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Além dos passeios tradicionais mencionados acima, existem outras ótimas opções do que fazer. Algumas eu listo aqui:
       
      Salar de Tara: Além dos passeios acima, também visitei o Salar de Tara. É um dos mais distantes de San Pedro e também onde você atingirá uma das maiores altitudes (pouco mais de 4.800 metros). O frio não é tão extremo como nos Geysers, mas é bom ir preparado para temperaturas baixas. É um passeio de dia inteiro e você vai rodar quase 300 km ida e volta.
       
      Em breve, colocarei aqui o link para o post que estou escrevendo sobre o passeio.
       
      Tour Astronômico: A baixa luminosidade no deserto e a baixa umidade fazem do Atacama um dos melhores lugares do mundo para se observar as estrelas.
       
      Apesar de fotografia noturna ser uma das minhas preferidas, quando cheguei em San Pedro era a primeira noite de lua cheia, e a lua cheia, em razão da sua grande luminosidade, faz com que você veja um número menor de estrelas do que o normal. Em razão disso, o tour astronômico mais conhecido do Deserto do Atacama não estava ocorrendo. Esse tour é feito pela empresa Space e você pode encontrar maiores informações no site deles.
       
      No último dia, contudo, consegui ir para o meio do deserto tirar fotos noturnas, pois a lua cheia nasceria duas horas depois do anoitecer.
       
      Vulcão Lascar: O Lascar é um vulcão ativo que fica acima dos 5.500 metros de altitude. Inúmeras agências em San Pedro oferecem um hiking para subir o vulcão. Infelizmente, meu pouco tempo no Deserto do Atacama não permitiu incluir a subida ao Lascar.
       
      Sandboard: Você pode fazer sandboard no Valle de La Muerte. Essa é outra atividade que gostaria, mas que não consegui incluir no tempo que estive por lá. Em dias de lua cheia, o pessoal faz o sandboard à noite, o que deve ser muito legal. Inúmeras agências oferecem esse passeio, então você não terá problemas em encontrar alguém que leve você até lá!
       
      Termas de Puritama: Outro que não consegui incluir, as Termas de Puritama são piscinas termais no meio do deserto, localizadas a 30 km de San Pedro. É uma excelente opção para relaxar depois de um dia cansativo no deserto. Inúmeras empresas levam você até lá e o preço é algo em torno de 9.000 pesos.
       
      Salar de Uyuni: O Salar de Uyuni fica na Bolívia, mas inúmeras agências em San Pedro fazem travessias até lá pelo deserto, que duram de 3 a 4 dias.
       
      O que levar ao Deserto do Atacama
       
      Fazer as malas para essa viagem ao Deserto do Atacama não é muito simples. Você tem que considerar que vai pegar temperaturas extremamente frias e temperaturas relativamente quentes, tudo no mesmo dia.
       
      Fora os itens básicos de higiene pessoal e vestuário, acredito que a lista abaixo é suficiente:
       
      Meias para frio: Se você tiver meias de esqui, ótimo. Você vai usar no passeio dos Geysers del Tatio e pode ser bom para dormir também. Se você não tiver meias de esqui, leve a mais grossa que você tiver. Calçado confortável: Leve sandália e um tênis confortável para fazer os passeios, já que você vai andar com frequência. Não vejo necessidade para uma bota de trekking ou algo mais pesado, a não ser que você vá fazer algum trekking mais pesado, como o Lascar. Eu estava com um tênis goretex da The North Face, que é bem reforçado, mas praticamente todo mundo que vi por lá estava com tênis normal. Se você tiver uma bota ou um tênis mais reforçado, ótimo, caso contrário não vejo necessidade de comprar um. Calça térmica: Se você tiver, será muito útil. Ainda que você não tenha uma calça térmica técnica (aquelas para esqui, frio extremo, etc), uma ceroula ou uma calça justa ao corpo e que retenha o calor já será muito boa. Blusa térmica: Basicamente, o mesmo que da calça térmica, mas para a parte de cima do corpo. Eu tenho várias, porque esquio, e você pode encontrar umas baratinhas na Decathlon e na Centauro. Fleece: O fleece é o que chamamos de segunda camada, um blusão bem quentinho e excelente para reter o calor. Além do fleece, pense em moletons também para usar como segunda camada. Jaqueta: Terceira e última camada, você pode levar um corta vento ou até algo mais pesado (eu andei com minha jaqueta de ski nos dias de muito frio). Luva e touca: Eu usei luva de ski e passei frio nos geysers, mas em todos os outros passeios me virei bem com uma luva de lã e mão no bolso. Para quem sente frio na cabeça, uma touca é bem útil por lá. Roupas leves: Além das roupas acima focadas no frio, leve roupas leve, como camisetas, calça jeans, etc, pois boa parte dos passeios serão feitos em temperatura amena. Um casaquinho não muito pesado também é muito útil para as noites em San Pedro. Filtro solar: É sol o dia todo e sol forte, não economize no FPS! Mochila de ataque: Leve uma mochila de ataque para usar durante o dia, especialmente para guardar as roupas que você for tirando e a água que você precisará carregar com você. Bepantol e hidratante: O tempo é muito seco e seus lábios e pele ficaram muito ressecados, mas ressecados como você nunca viu antes. Sua mão vai ficar áspera e seus lábios vão rachar, então evite isso ao máximo com Bepantol e hidratante. Soro fisiológico ou Sorine: Seu nariz fica desconfortavelmente seco, então use esses produtos para ajudar um pouco. Colírio: O olho também sofre com o tempo seco.  
      Espero que a lista acima ajude vocês!
       
      Como falei antes, estou escrevendo uma série de posts sobre o Deserto do Atacama, e aos poucos vou publicando e colocando o link aqui para ajudar todo mundo.
       
      Coloquei aqui as informações que relatei no meu blog e o link para o post completo com mais fotos e informações está aqui. Espero que ajude!
      Não esquece de seguir o blog no Instagram para curtir as fotos que tirei lá no Atacama! Clica aqui.
    • Por MochilaEtc - Caroline Cruz
      Hey galerinha, depois de quase 9 meses meu roteiro nasceu 😂
      Durante o próximo mês vou compartilhar por aqui meu roteiro pela América do Sul ( Bolívia, Chile, Peru) de forma detalhada e no instagram em um formato mais compacto.
      Quem quiser me seguir no instagram e já pegar algumas dicas, fiquem a vontade vocês me acham lá como @Mochilaetc . 
      Link: Mochilaetc
       
       Está com viagem marcada e ainda tem alguma dúvida ? Pode me mandar mensagem que tento ajudar 🤩
        Antes de começar, gostaria de agradecer a Maryana Teles do Vida Mochileira por todas as dicas ❤️ e por ter me inspirado a escrever esse roteiro o mais detalhado possível.
       
       IMPORTANTE !!!   - TODAS AS INFORMAÇÕES ESTÃO COTADAS COM O GASTO PARA 2 PESSOAS ! 
      - Em anexo está o roteiro inicial (com a previsão de gastos)
       
      Bora lá 🎒
       
      Nosso estilo de viagem: Nossa intenção seria gastar em média R$ 12.000,00 (os dois) em 32 dias de viagem, não é o estilo de viagem mais econômico, mas também não seria o mais luxuoso. Optamos por fazer o roteiro e deixar um valor estipulado, dentro desse valor ao longo dos dias fomos escolhendo nossas prioridades. Nosso mochilão, acabou sendo uma viagem de férias em casal e nossa intenção era curtir do nosso jeito e no nosso tempo. Nada de passar perrengue, mas também nada de esbanjar.
       Hospedagem: Todas as hospedagens foram em quartos de casal (motivos: gosto de dormir em paz, segurança, conforto), não fechamos nenhuma hospedagem com antecedência. No roteiro, anotamos algumas dicas e a média de preço, e quando chegávamos no local procurávamos o melhor custo x benefício. *O único local que achamos que vale a pena reservar com antecedência é o Atacama. * Hotel / Hostel / Hostel badalado / ECÔNOMICO ? Tudo vai depender do seu estilo de viagem.
      - Viagem romântica: Existem boas opções de hotel em todas as cidades (PRINCIPALMENTE NO ATACAMA),
      -  Hostel custo x benefício: Conforto, silêncio, café da manhã, quarto privativo (é possível achar ótimos preços, em geral nossa média de diária pra casal variou entre R$ 50,00 à R$ 120,00)  * Se gosta de silêncio, fuja dos hostels mais badalados. 
      - VIVA LA VIDA LOCA: Quer curtir noite e dia, como se não houvesse amanhã ? Procure os hostels mais conceituados ! A rede Wild Rover é uma ótima opção e existe em quase todas as cidades. Porém não costumam oferecer quartos privativos. Obs: nem sempre vai ser a opção mais barata.
      - Econômico: Para economizar o máximo possível, fique sempre atento as promoções relâmpagos do Booking, em todos os locais cheguei a achar diárias na faixa de R$ 20,00 (por pessoa), sinceramente acho que nem sempre é a melhor opção.
       
       Alimentação: Variou entre bons restaurantes, pf, podrão da rodoviária 😂. A realidade foi que na maioria dos dias comemos PIZZA ❤️ (minha comida preferida). 
        "Cachaça" : Foi uma coisa que não abrimos mão. Pisco, singani, cerveja, vinho... todo dia era uma novidade alcoólica (trabalhamos com bar, então é tudo em nome do trabalho rs). 
         Passeios: Só fechamos com agência os passeios necessários, a maioria fizemos por conta própria. Os que fechamos super valeu o preço. 
      - Uyuni: Fechamos com a Esmeralda Tour, indicação da @Maryana Teles, anotamos algumas opções de agências bem avaliadas e no dia fizemos aquela busca pra saber qual seria o melhor custo x benefício. 
      - Atacama: Fechamos com a  FuieGosteiTrips, agência de brasileiros (Carla e Renato ❤️), indico de olhos fechados. Amamos tanto o atendimento e as dicas, que esse casal querido acabaram virando nossos amigos. A equipe da FuieGostei é enorme e conta com vários "agentes", eles montam o roteiro de acordo com o seu orçamento e estilo de viagem, tem opções para todos os gostos e bolsos. Sem contar que de brinde ganhamos ótimas dicas.
      Obs 1: Eles atendem São Pedro do Atacama, Santiago do Chile, Uyuni. 
      Obs 2: Pra quem prefere fechar os passeios com antecedência, tem a opção de solicita o orçamento com antecedência.
      Obs 3: Também foi indicação da Mary Telles ❤️  - La Paz: Downhill - Estrada da Morte - Xtreme Downhill (uma das agências mais bem avaliadas e por incrível que pareça uma das mais baratas) a única coisa ruim são as fotos (não levamos equipamento para filmar com a nossa GoPro, então não conseguimos bons registros desse dia [email protected]), mas mesmo assim vale muito a pena fechar com essa agência / Chalcataya e Valle de La Luna - Buho's Tour - a única agência que não indico, nosso passeio saiu super atrasado e acabou atrapalhando o roteiro.           
      Pré Viagem: 
      Companhia: Mozão ( Bernardo)
      Roupas e itens de viagem: Compramos o necessário na Decatlhon
      Passagem:  Milhas Smiles 2x Total: 77.000,00 ( passagem + bagagem despachada)  + R$ 500,0 tx
      Seguro Viagem: Seguro viagem Mondial Br x 2 Total: R$ 300,00
      Documentos necessários: RG + Certificado Internacional de Vacinação - CIVP
      Dolar ou Real ? Levamos os dois (mas teria sido mais vantagem levar tudo em Dólar)
      USD: 3.000,00 ( $1,00 = R$ 3,30) + R$ 1800,00 (Acabei sacando dinheiro em La Paz - Bs 1800,00  = R$ 2.000,00)
      Total gasto em real R$ 13.700,00
      O que reservamos com antecedência ? Compramos o ticket para Machu Picchu + Montaña Picchu
      Obs: 1: Melhor opção é comprar com antecedência, principalmente se você pretende visitar alguma das montanhas do parque
      Obs2: Comprar ingresso para o 1° horário.
      Como programei o meu roteiro ? Escolhi o mês de março pois a ideia principal seria comemorar meu aniversário viajando (11/03), pesquisei bastante sobre condições climáticas já que março é conhecido com mês das chuvas. Queria pegar o salar alagado, mas fiquei com medo de pegar chuva durante o resto da viagem. A escolha de datas deu super certo, pegamos o salar MUITO alagado e pegamos pouquíssima chuva durante os 32 dias. Fora isso, montei meu roteiro baseado em fase da lua, dia de semana. *Atacama é lindo de todos os jeitos, mas a melhor opção pra quem gosta de observar o céu é chegar  em SPA em época de lua nova / Em Pisac existe uma feirinha local em determinados dias da semana / Visite Isla del Sol com lua cheia - é SURREAL de tão lindo.
      Obs: Tudo isso está no roteiro que anexei. 
      Apps : 
      - Google Maps : existem outros apps de mapa online (a real é que em todos os lugares arrumamos um mapa de papel)
      - Booking e HostelWolrd: Não reservamos nenhum hostel com antecedência, mas o app nos ajudou bastante comparar preços e descobrir opções de hostel. Normalmente abríamos a plataforma, procurávamos as hospedagem que mais agradavam e anotávamos os preços. Depois disso íamos até o local e verificávamos se era melhor fechar no local ou pela plataforma 😂 Só fechamos uma hospedagem pelo app do Booking.
      - Rome2Rio: Tipo um Movit, um app que te diz a média de preços de transportes. Ao longo da viagem anotamos as melhores companhias, mas todas as passagem compramos direto nas rodoviárias.
      - Transporte: 
      - Rio da Janeiro > Santa Cruz de La Sierra : AVIÃO (nem se quer cogitamos a hipótese de nos aventurarmos de ônibus) a única passagem que compramos com antecedência. 
      - Santa Cruz de La Sierra > Sucre: Nossa primeira opção seria ir de avião, pesquisamos preço, tempo de viagem, condições de estrada e acabamos achando que não seria uma boa economia. Porém com medo de voo atrasar ou cancelar, deixamos pra comprar a passagem no aeroporto de VVR. 
      - Sucre > Uyuni: Ônibus "semi leito" -não vá contando com isso- . Era a única opção, lemos muitos relatos sobre a estrada e condições dos ônibus, não é uma maravilha.. mas da pra chegar vivo.
      - Uyuni > SPA: 4x4, a maioria das agências usam o mesmo modelo de carro (os carros das agências do Atacam são mais novos)
      - SPA > Arica: Ônibus semi leito, um dos melhores deslocamentos. 
      - Arica > Tacna: Taxi é a melhor forma de atravessar a fronteira.
      - Tacna > Arequipa: Ônibus "semi leito", a viagem foi super tranquila (essa viagem foi durante a tarde)
      - Arequipa > Cusco: Ônibus caindo aos pedaços, tinha uma goteira, poltrona quebrada, motorista dirigindo feito um louco. (não recomendo rs)
      - Cusco > Ollantaytambo: Van local (opção mais barata)
      - Ollantaytambo > Hidroelétrica Santa Maria: Ônibus (esse ônibus sai de Cusco e é um transporte oficial), bem confortável e deixa bem no "pé" da trilha. Se você gosta de aventura, vá sentado do lado do motorista rs.
      - Cusco > Copacabana: Ônibus semi leito, ok.
      - Copacabana > La Paz: Ônibus, ok.
      - La Paz> Santa Cruz de La Sierra: Ônibus leito, o melhor ônibus da viagem. 
      * OBS: Se sua viagem for durante a noite, não economize, opte pela melhor cia terrestre e por bancos confortáveis. Perdemos um dia em Cusco, pois cheguei na cidade me sentindo péssima, depois de ter passado a noite toda acordada (foi a viagem mais tensa da minha vida rs)
      *OBS 2: Quando o ônibus tem 2 andares, a melhor opção é ir na primeira fileira, da pra apoiar o pé na janela (mas se por algum acaso acontecer algum acidente..rs)
      Dicas:
      -  Voos RJ - Se o seu voo é na parte da manhã, a melhor opção é o Galeão.
      -  Sempre chegue com antecedência. Conte com trânsito e outros imprevistos.
      - Se atente para regras de bagagem de mão da cia aérea escolhida.
      - Verifique sempre se suas bagagens são despachadas direto ou se você precisa despachar novamente entre uma conexão e outra.No meu caso na ida não foi necessário, mas na volta precisei despachar novamente e mudar de terminal.
      - Documentos exigidos, parece bobeira mas eu vi uma moça quase sendo barrada por conta do estado da carteira de identidade. Se você pretende viajar para algum país da América do Sul, pode viajar apenas com identidade, alguns como no caso da Bolívia, também  pedem certificado internacional de vacina contra febre amarela.
      - Conte com surpresas desagradáveis da CIA aérea rs. Uma semana antes da minha viagem meu voo foi alterado, não consegui voar na data que planejei.
      - Verifique condições climáticas e notícias do seu destino. 
       
      MOCHILA ! 
      Documentos & outros (foi tudo na mochila de attack)
        - Passagem ou número de localizador - Identidade Carol  - Identidade Bê - Comprovante + Certificado Vacina Internacional Carol  - Comprovante+ Certificado Vacina Internacional Bê - Mini roteiro impresso - Caderno anotações  - Livro  - Uno - Pasta  - Doleira Carol - Doleira Bê *Baixar filmes/musicas/jogos   BOLSINHA DA HERMIONE ! Remédios - Vitamina C (tomamos todos os dias) - Remédio garganta (minha garganta vive ferrada) - Spray garganta  - Remédio cólica - Diamox (não usamos) - Vicky (não usamos) - Band-aid  - Cataflan  - Pomada tattoo (usamos muito) - Paracetamol (não usamos, mas é bom levar)  Cuidados Rosto - Sabonete rosto - Hidratante rosto - Esfoliante  - Lenço rosto - Escova de dente Carol  - Escova de dente Bê - Pasta de dente  - Fio dental  Make - Rímel - Batom nude - Gloss labial - Protetor/base   * O QUE ESTA NESSA RELAÇÃO FOI DIVIDO ENTRE OS DOIS MOCHILÕES !!! * LEMBRANDO QUE ALGUNS ITENS FORAM NA MOCHILA DE ATTACK !!!  Cuidados Corpo - Sabonete  - Hidratante  - Repelente - Álcool em gel - Hidratante mãos  - Barbeador bê - Gilete Carol - Desodorante Carol  - Perfume Carol - Desodorante Be - Perfume Be Cuidados Cabelo - Pente - Prendedor (muitos) - Shampoo neutro  - Condicionador - Ampola hidratante (o cabelo vira palha no Uyuni) - óleo reparador Cuidados Geral - Lixa - Algodão  - Cotonete  - Cortador - Pinça - Palito  - Absorvente - Lenço umidecido - Lenço de papel  
      MOCHILA DE ATTACK !  Carol   - Celular - Documentos (Identidades, comprovantes, caderno de anotação..) - Livro - 01 Muda de roupa (legging,segunda pele, calcinha,meia) - Manta - Fom (preso do lado de fora)  - Anorak+fleece  - Necessaire (hidratante mão, protetor rosto, corpo, boca, bepantol, dorflex, diomax, dramin, neosaldina, colírio, neosoro,lenço umidecido) * foram os remédios mais uteis, de resto usei muito pouco. - Óculos (sol e grau) - Acessórios (cordões, pulseiras e anéis) - Encharpe   Roupa Aeroporto - Blusão Jeans, t-shirt, legging, tenis keds - Doleira  Bê    - Celular - Eletrônicos (GoPro, carregador portátil, fones, adaptador fone, benjamim,hd externo, lanternas,carreadores celular) - 01 Muda de roupa (calça 2-1, segunda pele, cueca, meia) - 01 Encharpe - 01 Anorak - 01 Luva - 01 Gorro - Snack's  - Óculos de sol      Roupa Aeroporto - Fleece, t-shirt, calça jeans, bota impermeável  
      MOCHILÃO BERNARDO ! Blusas 01 Blusa segunda pele 01 Blusa xadrez 02 Blusas manga longa 04 T-shirts   Calças   02 Calças segunda pele 01 Bermuda cargo preta  02 Bermuda tactel  *Acessórios (alguns foram na mochila de attack e outros no mochilão)  02 Baterias extras (MUITO ÚTIL)  01 Carregador GoPro 01 Bastão X Acessórios GoPro  01 Lente celular (não usamos) 02 Cartões de memoria extra 01 Canivete 02 Isqueiros Underwear 01 Toalha secagem rápida 01 Canga 01 Roupa de dormir 01 Sunga  08 cuecas  04  meias     Sapatos 01 Chinelo   * LEMBRANDO DA ROUPA DE VIAGEM E ROUPA EXTRA MOCHILA ATTACK NÃO ESTÃO NESSA RELAÇÃO !!!      
      MOCHILÃO CAROL !   Blusas  01 Segunda pele pretas 01 Blusa manga longa  05 Blusas sem manga 04 T-shirts     Calças 01 Meia calça grossa  01 Leggings 01 Short Jeans 01 Calça moletom   * LEMBRANDO DA ROUPA DE VIAGEM E ROUPA EXTRA MOCHILA ATTACK NÃO ESTÃO NESSA RELAÇÃO !!!    Underwear  01 Toalha secagem rápida 01 Canga  01 Pijama 04 Meias  01 Echarpe 01 Maio 01 Biquíni  01 Top 04 Sutiãs  08 Calcinhas 01  Cinto     Sapatos 01 Bota impermeável 01 Chinelo
      Mochila Etc - Bolívia, Chile, Peru.docx
    • Por Thais Fidelis
      Você ama o céu? Você ama admirar a Lua? E as estrelas?
       

       
      Sério! Vocês precisam ir para o Deserto do Atacama e fazer o tour Astronômico, que experiência e momento do caramba!!!! Nunca tinha vivido essa experiência na vida, e posso falar que vale a pena cada momento, cada frio ( ) e cada suspirada.
       
      Não é atoa que está entre os 10 mais belos céus do planeta Terra!
       

       
      Quando chegar em San Pedro de Atacama, já se informem do Tour, não deixe para a última hora pois o ideal não é deixá-lo para a última noite da viagem, pois o passeio não é garantido, já que em algumas ocasiões há nuvens no céu do Atacama e não é possível observar as estrelas. E o tour pode ser cancelado, um dos motivos que não é um passeio que se paga com antecedência. Se um dos motivos de ir para o Atacama é o tour astronômico, veja a fase da Lua antes de marcar sua viagem, na Lua cheia o tour não é realizado.
       
      Leve seus pedidos, você verá muitas estrelas cadentes!! ( Estrellas Fugaz en español)
       
      O tour sai da frente da agência, e a van nos leva até o meio do deserto, quando a luminosidade é zero e só as estrelas nos iluminam!!
      Ocorrem as explicações, e vamos vendo tudo o que o Guia vai explicando pelos telescópios, para mim foi uma experiência impar. Tudo muito aconchegante, é servido chocolate, chá, vinho e petiscos para nos aquecer. !!Dica - vá muito beeeem agasalhado!! Calma, você estará tão encantadx que o frio não importará.
       
      Fechei meu tour direto com o Guia - Que por sinal foi um show a parte. Explicou tudo de forma clara, atenciosa e super divertida, que para quem está tremendo de frio, é uma salvação dar umas gargalhadas. Fazia questão que todo mundo estivesse gostando e entendendo a explicação. Super recomendo!!!
      ( contato do guia: Caio Fraga - Whatsapp 55 31 8814-0654)
       
      Voltei e ainda estou apaixonada, por cada momento que vi esse céu e pensei " Caraca é de verdade, estou aqui vendo tudo isso e é de verdade!"
      Gentem! ver cada detalhe da Lua? simplesmente um sonho

    • Por Salbazz
      Atacama, norte do Chile. Uma semana de intensas emoções vividas no deserto mais árido do planeta.
       
      Ao todo foram nove dias no Chile. Duas noites em Santiago e sete em San Pedro de Atacama, entre final de março e começo de abril de 2014. A época é considerada temporada baixa, más há turistas o ano todo por lá, especialmente entre dezembro a fevereiro e julho a setembro.
       
      Comprei as passagens saindo desde Montevidéu (onde moro atualmente) para Santiago. Pela Lan, os voos são diários e a viagem dura aproximadamente duas horas, sem conexões ou escalas. Recomendo pesquisar no site da empresa, pois sempre tem promoção rumo à capital chilena, saindo do Brasil.
       
      Em Santiago me hospedei uma noite na ida e outra na volta na casa do Benjamín -meu companheiro de viagem-, mas na cidade existem infinidades de hostels para quem quiser economizar. O bairro Bellavista oferece muitas opções e vale a noite, que costuma ser animada, com vários bares.
       
      No dia seguinte, saímos cedo rumo a Calama. O trajeto também foi feito pela Lan. Voo tranquilo de duas horas e com uma linda vista para a Cordilheira dos Andes. As passagens de ida e de volta custaram aproximadamente R$ 260,00. Tudo depende da época em que for, é claro. Outra opção de voo é voar com a empresa chilena Skyairline. Ir de ônibus também é outra alternativa. A desvantagem é o tempo: são quase 24 horas até chegar a Calama.
       
      Chegando no aeroporto, a paisagem assusta de tão bela. O azul e o laranja são um contraste perfeito que se desenha no horizonte ao pousar em Calama, ponto de partida para o destino base: San Pedro de Atacama.
       
      Cheguei com o sol forte do meio-dia. Ao sair do avião, a sensação de estar em um universo paralelo é latejante e toma conta do corpo. A partir dali, a mais de 2.000 metros de altura, a falta de ar era só o início da viagem.
       
      O caminho entre Calama e San Pedro dura aproximadamente uma hora. São várias as empresas que oferecem transporte até o povoado, por isso, sempre é bom pechinchar. Fomos até San Pedro com a empresa Licancabur, com direito a um repertório musical de gosto duvidoso escolhido pelo motorista/DJ, que variava entre as famosas canções interpretadas por flautas andinas e os clássicos de Frank Sinatra.
       
      Da para comprar o trecho de ida e de volta de uma vez. Porém, compramos o bilhete só de ida. Cada um saiu por R$ 40. Também há linhas regulares de ônibus que levam até o San Pedro, é questão de se informar no saguão do aeroporto.
       
      No trajeto, você começa a ter uma noção da imensidão do lugar. As paisagens mudam a cada curva, entre cordilheiras que contornam a estrada e o belo vulcão Licancabur, o abre-alas de toda a viagem.
       

      [creditos]Vulcão Licancabur visto desde as ruínas de Pukará de Quitor. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Como a viagem não foi muito planejada, chegamos em San Pedro sem nenhuma reserva. Ficamos na rua Caracoles para começar a peregrinação em busca de hospedagem, que variam desde hotéis de luxo a casas de família. Depois de pesquisar valores, nos hospedamos no Hostelling Internacional. A noite em quarto compartilhado, para seis pessoas, saiu em torno de R$ 30,00 com um singelo café-da-manhã incluído. Conseguimos um desconto pelas 7 noites. O hostel é bem simples, com banheiros pequenos, mas com chuveiro bom e água quente. A graça do local fica por conta do ambiente, tomado por bicicletas e um pátio interno para interagir com os outros hóspedes.
       
      Mochilas instaladas, era hora de fazer o reconhecimento do local. As ruas do povoado de terra, são tomadas por agências de turismo que oferecem os passeios para as principais atrações da região, locais para aluguel de bicicletas, casas de câmbios, restaurantes para todos os gostos e lojinhas de artesanato. Tudo parece igual. Serviços de cartão de crédito e de internet funcionam em quase todos os estabelecimentos. Há apenas um caixa eletrônico em San Pedro.
       

      [creditos]Uma das ruas de San Pedro.Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      A alimentação e os passeios vão depender do gosto do cliente. Às vezes fazíamos lanches, outras cozinhávamos no hostel ou então saíamos para jantar. Aproximadamente foram entre dez e trinta reais gastos por dia em refeições e provisões para os passeios.
       
      Já os passeios são um quesito à parte. A dica é pesquisar antes de fechar pacotes com alguma empresa -são muitas!- e os preços podem variar, assim como a qualidade do serviço. Se a escolha for fazer mais de dois ou três passeios, é interessante fechar com a mesma agência, pois geralmente tem desconto. Outra possibilidade bem mais legal é alugar bicicletas. Além de economizar em alguns passeios, a sensação de pedalar no deserto é indescritível e vale para testar a resistência física. Acredite, vai precisar! O aluguel por meio dia (5 horas) custa R$ 15,00 e R$ 25, 00 o dia inteiro (9 horas).
       
      Escolhemos três tours: Termas de Puritama, Geysers del Tatio e Lagunas Altiplánicas por R$ 200,00 (preço pelos três, com desconto e por pessoa). Vale lembrar que as entradas para os parques são pagas separadamente e à vista. Custam aproximadamente entre R$ 15 (ruínas de Pukará de Quitor, Valle de la Luna, Geysers del Tatio, Lagunas Altiplánicas, Aldea de Tulor, Lagunas Cejar, Laguna Chaxa, Tebinquinche , Valle del Arcoíris) a R$ 40 (Termas de Puritama). O passeio para o Salar de Tara, que dizem ser muito bonito, ficou para uma próxima.
       
      Depois de uma pausa para almoçar, chegamos a um consenso e definimos o roteiro da semana:
       
      Dia 1 - Bicicleta o dia inteiro: pela manhã, visita a Pukará de Quitor . Pela tarde, Valle de la Muerte.
       
      Dia 2 – Bicicleta pela manhã: Garganta del Diablo. À tarde, tour para as Termas de Puritama.
       
      Dia 3 – Tour para os Geysers del Tatio (não é recomendável logo de cara e depois entendi o porquê).
       
      Dia 4 – Bicicleta (odisseia para encontrar a Aldea de Tulor)
       
      Dia 5 – Pela manhã, tour para as Lagunas Altiplánicas, Comunidad de Toconao e Laguna de Chaxa, onde fica a reserva dos flamingos. À tarde, optamos por alugar uma camionete por um dia (compensa se conseguir mais gente para dividir o valor) e fomos à Piedra del Coyote e ao Valle de la Luna.
       
      Dia 6 - Com a camionete amanhecemos nos Ojos del Salar de Atacama,Laguna Tebinquinche e Laguna Cejar. À tarde partimos para o Valle del Arcoíris e visitamos os Petroglifos. Na volta, paramos novamente na Piedra del Coyote, a vista para o Valle de la Luna é sensacional e poderia ficar o dia inteiro lá!
       
      Dia 7 – Pela manhã e antes de partir para Calama, para pegar o voo de volta, deu tempo de conhecer o Museo Arqueológico R. P. Gustavo Le Paige e alugar bicicletas para conhecer o Cráter del Meteoríto, que fica a 4 km da saída de San Pedro.
       
      No mais, é levar muito protetor solar, roupas práticas e leves (ao amanhecer e à noite faz frio e durante o dia muito calor) e câmera fotográfica. Vai por mim, ficará dias depois da viagem olhando cada clique e pensando: estive mesmo lá?
       
      Mais dicas sobre San Pedro de Atacama e região: http://www.sanpedrochile.com
       
      Com os roteiros mais ou menos definidos, aproveitamos a primeira noite para descansar e perambular pelas ruelas de San Pedro. O clima de que todos se conhecem é bastante acolhedor. Começava a entender porque muitos se apaixonam pelo lugar e resolvem ficar mais um dia e outro e outro…
       
      Benjamín e eu resolvemos jantar num dos tantos restaurantes existentes e em vez do vinho, escolhemos a Atacameña, cerveja produzida na região -muito boa por sinal!- para brindar pela nossa chegada ao deserto.Uma curiosidade: nem todos os restaurantes podem vender bebidas alcoólicas. Alguns têm licença, outros apenas oferecem algum drink de boas-vindas, geralmente o famoso pisco sour. Para comprar bebidas há uma que outra bodega em San Pedro.
       
      Como a maioria dos passeios começa antes mesmo de amanhecer, os estabelecimentos fecham cedo, mas sempre tem alguma festinha quase clandestina agitando a noite. Preferimos descansar, afinal tínhamos um deserto inteiro pela frente.
       
      Ruínas de Pukará de Quitor
       
      Logo após o café da manhã, era hora enfim de começar a aventura. Pela facilidade, alugamos bicicletas no hostel mesmo. Compramos algumas provisões essenciais: bolachas, barrinhas de cereal, frutas, água, água e mais água. E mesmo assim nunca é suficiente. Sempre compre mais água!
      Antes de sair, e a partir dali, começava o ritual de todos os dias: creme hidratante, camadas de protetor solar (FPS 30 para o corpo e FPS 50 para o rosto) e labial, boné e óculos escuros.Todo listo e mapa em mãos, rumo às ruínas.
       
      O trajeto é relativamente curto e seguro. São 3 km saindo ao norte de San Pedro. Ao longo do caminho se vê o Río Grande com suas margens cobertas por pastagem verde e a entrada da Garganta del Diablo. É um bom passeio para começar a se ambientar com o lugar e testar a resistência física.
      Ao chegar, as bicicletas ficam estacionadas na entrada da fortaleza e logo após pagar a entrada, são 70 metros caminhando morro acima com duas trilhas: a das construções da época pré-incaicas e a do mirante.
       
      Ao chegar no topo, a beleza do horizonte é tamanha que se perde a noção do tempo. Do alto do mirante, a vista para o deserto é quase de 360º . A sensação de isolamento só aumenta com o vento constante e a imponência do Licancabur, que descansa plácido sob o olhar boquiaberto dos visitantes. O estado é de contemplação.
       

      [creditos]Ruínas de Pukará de Quitor. Ao fundo, o vulcão Licancabur. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Ladeira abaixo, depois de horas submersos pelo encanto do lugar, resolvemos voltar a San Pedro para abastecer. Almoçamos um super sanduíche feito com hallulla, uma espécie de pão plano da região e descansamos um pouco antes de seguir para o Valle de la Muerte.
       
      Valle de la Muerte
       
      Localizado na Cordillera de la Sal, o vale fica aproximadamente a 2 Km à direita, saindo de San Pedro pela estrada CH-23 rumo a Calama, não é preciso pagar para entrada.
       
      Ao entrar no labirinto de rochas, o único barulho que se escuta é dos cristais de sal rompendo-se, devido à baixa temperatura em contato com o sol. Não existe vida no lugar, por isso o nome sugestivo. Lá também se encontram as dunas de areia, destino bastante popular para quem gosta de praticar trekking ou sandboard.
       
      A cada instante, as cores da cordilheira variam dependendo da posição do sol. Durante à tarde, o laranja intenso invade os contornos do ambiente à espera do atardecer. Definitivamente estamos em outro planeta!
       

      [creditos]Pedalando no Valle de la Muerte. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Sensação de dever cumprido. Com o cair da tarde, voltamos a San Pedro para descansar e esperar entre uma piscola e outra, as surpresas do próximo dia.
       
      O destino do dia seguinte era visitar a Garganta del Diablo, que aliás, não estava previsto inicialmente, e foi indicação da recepcionista do hostel.
       
      Garganta del Diablo
       
      Alugamos bicicletas pela manhã e fomos em direção a Pukará de Quitor, o caminho utilizado é o mesmo, porém o trajeto que nos esperava era mais longo, ao todo 16 km entre ida e volta e sem muitas sinalizações. Mesmo com mapa, pedimos informações uma e outra vez.
       
      Ao passar as ruínas arqueológicas, seguimos margeando o Río Grande(ou Río San Pedro) até um ponto que nos foi indicado onde deveríamos cruzar o rio que, por sorte, não estava cheio. Mesmo assim, a frescura fez com que eu tirasse os tênis e atravessasse a pé a água geladíssima!
       
      É preciso atenção, pois o único mapa existente no lugar é uma placa de Bienvenidos a Catarpe com algum vestígio de sinalização, algo confusa. Sem muitos turistas, talvez pelo horário, a sensação de aventura só aumentava. Os únicos companheiros do passeio foram dois cachorros que serviam de guias para um casal de brasileiros que circulava por ali.
       
      Para encontrar a Garganta é preciso chegar até uma bifurcação na estrada e seguir os rastros das bicicletas e cavalos pela direita. Aos poucos o caminho se estreita e começa a verdadeira diversão para ciclistas, pois a formação das pedras impede a passagem de carros.Similar ao Valle da Muerte, a Garganta del Diablo é parte da Cordillera de la Sal. Ou seja, enormes paredões rochosos e sem vida. Também não é preciso pagar entrada.
       

      [creditos]Garganta del Diablo. Benjamín Vicuña[/creditos]
       
      O encanto do local é pedalar entre os túneis dourados e subir e descer pelas pedras estreitas, às vezes com a bicicleta no ombro. O passeio foi uma excelente escolha para começar o dia.
       
      Voltamos a San Pedro a tempo de almoçar e esperar pelo próximo passeio.
       
      Termas de Puritama
       
      Segundo a agência que contratamos, as termas seriam uma espécie de oásis com cachoeiras de águas quentes no meio do deserto, mas não foi bem essa a impressão que tive.
       
      Localizadas a uns 30 km de San Pedro, chega-se lá pela mesma estrada que leva aos Geysers del Tatio. O trajeto morro acima é muito bonito, com muitas curvas perigosas e paisagens grandiosas: de um lado os salares no deserto que do alto parecem diminutos e do outro, jardins de cactos gigantes que brotam das pedras.
       
      Uma hora depois chegamos à Quebrada de Puritama e em seguida, descemos um belo vale por aproximadamente 10 minutos até o local. A entrada é salgada. Pagamos 9.000 CLP (equivalente a 35 R$) com tarifa reduzida por ser à tarde.
       

      [creditos]Termas de Puritama. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       

      [creditos]Cruz para espantar os maus espíritos. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Apesar de bonito, a impressão que tive ao entrar era a de estar em um clube. As cachoeiras na verdade eram poços de águas termais entre 30 e 35 graus, um prato cheio para ficar boiando por horas! São mais ou menos 8 piscinas naturais separadas por trapiches. Algumas mais reservadas que outras. Ao passar de um poço a outro, a temperatura da água vai aumentando. O último poço que entramos parecia piscina de clube em dia de verão: muita gente e pouco espaço.
       

      [creditos]Trapiche das termas. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Por ser um lugar para relaxar, o passeio é bastante popular, porém às cinco da tarde o guia avisa que é hora de partir, pois a atração fecha antes das seis. E lá fomos nós correndo trocar de roupa nos vestiários instalados e bater retirada para San Pedro novamente.
       
      Dica: Muita gente prefere curtir as Termas de Puritama no último dia de viagem, depois dos passeios mais pesados.
       
      Após um fim de tarde submersos nas águas quentinhas das Termas de Puritana e de mais uma noite tranquila em San Pedro, chegou o momento do passeio que mais ansiava: os Geysers del Tatio.
       
      Geysers del Tatio
       
      Já havia lido algo a respeito dos famosos gêiseres antes da viagem e realmente estava expectante. O que sabia – e que não nos foi informado pela agência contratada – era que deveríamos evitar de comer carne vermelha, tomar bebidas alcoólicas no dia anterior ao passeio e usar camadas de roupas para proteger-se do frio ao amanhecer, já que a temperatura poderia chegar a – 22 graus dependendo da época do ano. Luvas e gorro são imprescindíveis!
       
      O passeio começa de madrugada. A van nos apanhou no hostel às quatro e meia da manhã. Logo após buscar os outros passageiros seguimos rumo à região do Tatio que fica a 4.320 metros de altura.O trajeto é sinuoso, escuro e perigoso. São muitas curvas e vans de outras excursões dividindo a mesma estrada. Vamos sacudindo em silêncio num misto de sono e apreensão até a chegada.
       
      No caminho o guia nos explica sobre os efeitos da altitude e nos orienta sobre os cuidados que devemos ter ao descer: movimentos lentos, respirar profundo, tomar água o tempo todo, não sair da trilha (muito importante) e sempre estar atento ao grupo. Ele nos contava que, anos atrás, alguns turistas morreram queimados ao pular nos poços, por bancarem os espertinhos. A temperatura da água pode chegar a 86 graus!
       
      Ao descer, o frio era cortante. Segundo o guia, tivemos sorte, pois fazia apenas – 7 graus. A entrada do parque é o único local em que há banheiros, então é bom aproveitar a parada para não se apertar depois.
       
      O lugar impressiona. A região do Tatio é composta por 80 gêiseres, a maior concentração do hemisfério sul e a terceira maior do mundo. Outra vez a sensação de estar em outro planeta toma conta do ambiente. O vapor dos poços em ebulição, que cortam os primeiros raios de sol. e o rugir da terra fervendo é quase hipnótico.
       

      [creditos]A terra ferve. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Após percorrer o primeiro campo de gêiseres, era hora de tomar o café da manhã preparado ali mesmo pelo guía. Hallulla com manteiga, café e chocolate quente aquecido nas poças de águas ferventes!
       
      Alimentados e com o dia mais claro, fomos para outra parte do parque, cujo terreno fora explorado anteriormente por uma empresa geotérmica, para fornecimento de energia. Após um incidente que provocou uma grande fuga de vapor de um dos gêiseres, a empresa foi desativada e hoje o terreno é considerado zona natural protegida pelo governo chileno.
       

      [creditos]Campo de gêiseres. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Terminado o passeio, há uma piscina termal a 36 graus no campo de entrada dos gêiseres para quem quiser nadar. Porém o nosso banho seria em outro lugar mais reservado e muito mais aconchegante, apesar do frio: à beira do lago Putana, rodeados por vulcões que fazem fronteira com a Bolívia.
      Porém, a essa altura do passeio, já sentia os efeitos da altitude e pela primeira durante a viagem percebi a fragilidade de meu corpo.
       
      Enquanto o pessoal do grupo se preparava mergulhar nas águas do Putana, o cansaço físico e a confusão mental, causado pela falta de oxigênio, me abatia, além da secura na garganta, do sangramento no nariz e do coração acelerado. Mal conseguia caminhar e foi preciso mastigar algumas folhas de coca para aliviar os sintomas do soroche. Resultado: nada de banho para mim.
       

      [creditos]38 graus a 4.300 metros de altura! Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Devido aos efeitos da altura no organismo, é recomendável fazer passeios em altitude superior a 3.000 metros nos últimos dias da viagem, uma vez que o corpo já está mais adaptado às condições climáticas da região.
       
      Mesmo com o mal-estar, o fascínio pelo lugar não diminuía. Em meio aos contrastes de cores, éramos observados de perto pelo ativo vulcão Putana e pelas desconfiadas vicunhas o tempo todo.
       

      [creditos]Vicunhas pastando. Ao fundo o vulcão Putana escorrendo enxofre. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Começava o retorno a San Pedro. Porém uma última uma parada para comer empanadas de queijo de cabra e espetinhos de carne de lhama – para os corações menos sensíveis -, no inóspito vilarejo de Machuca de origem ancestral. Hoje em dia vivem apenas três famílias que sobrevivem da criação de lhamas e do turismo.
       

      [creditos]Ouro nas montanhas. Vilarejo de Machuca. Sabrina Pizzinato[/creditos]
       
      Novamente em “casa”, aproveitamos a tarde livre para descansar. As emoções do dia mal haviam começado.
      Passado os efeitos da altura e com as energias repostas, resolvemos nos dar ao luxo de jantar decentemente, depois de dias comendo bolachas, sanduíche e chocolate.
       
      O tempo passava entre pisco sour e conversas a fio, quando Benjamín chamou minha atenção para um pequeno quadro na parede que se movia. Sem dar muita atenção, continuei concentrada na conversa. Porém ele insistia para que olhasse novamente. Dessa vez tremia com mais força: estávamos sofrendo um terremoto!
       
      Estava excitada e apreensiva pela situação e por não saber ao certo o que estava acontecendo. O chão se movia cada vez com mais intensidade. Nesse instante, Benjamín – que é chileno e está acostumado com os constantes tremores no país – pediu que mantivéssemos a calma e saíssemos do lugar.
      Foi o tempo de levantar para que as luzes se apagassem. O dono do restaurante pediu que todos fôssemos para o lado de fora do estabelecimento. Alguns turistas mais nervosos começaram a se agitar, enquanto outros mais eufóricos riam da inusitada experiência.
       
      Com o povoado às escuras e todos na rua, a impressão era a de estar em um barco que balançava sobre agitadas ondas gigantes de terra que se moviam em um vai e vem tortuoso. Foram dois minutos eternos até que o sismo parasse.
       
      Passado o susto e com a energia restabelecida, todos voltamos a jantar. Porém logo veio a notícia que atestava o acontecido. Um forte tremor de 8,2 na escala ritcher, havia afetado uma região próxima a Iquique, cidade a 360 km ao norte de San Pedro. No povoado o terremoto chegou a magnitude 7.
      Esse seria apenas o primeiro tremor. Nas noites seguintes, sentimos as réplicas do sismo que afetou a região norte do Chile, onde estávamos.
       
      Depois das intensas emoções do dia em que a terra demonstrou, uma vez mais, a nossa fragilidade ante as adversidades da natureza, resolvemos dormir. Afinal, o dia seguinte nos esperava um agradável passeio de bicicleta ou pelo menos assim deveria ser.
       
      Dica: Chocolate! Para passeios nas alturas, nada melhor do que levar bombons ou barras, pois ajudam a repor as energias. Não dá para ficar apenas no chá de coca.
    • Por Márcio Alencar
      Viagem começou no dia 31/07/2015, saímos de Timbó no dia 31/07 as 19:00 hrs em direção a Palmas PR, eu e meu amigo Cleiton fizemos a viagem.
      Chegamos em Palmas as 00:20 e nos hospedamos no Hotel Antares, R$ 90,00 quarto para dois, hotel honesto e café da manhã muito bom.
       
      01/08 Palmas PR - Resistencia AR - Acordamos cedo e fomos em direção a Dionisio Cerqueira SC para atravessar a fronteira para Argentina e trocar reais por pesos, a passada pela aduana foi rápida e sem muita burocracia, depois dos procedimentos fomos trocar dinheiro, compensa muito trocar dinheiro na fronteira, tem muitos caras trocando dinheiro na rua e com uma cotação muito boa 4 pesos por 1 real.
      Depois de trocar dinheiro partimos para Resistencia, logo no primeiro trecho da Ruta 17 passamos pelo primeiro de muitos postos da policia, apenas conferiram os documentos e seguimos em frente, quando chegamos em Eldorado pegamos a Ruta 12, logo após passar por Posadas fomos parados mais uma vez, e olharam todos os equipamento de segurança, revistaram o porta malas e perguntaram se eu estava armado, mas foram educados e cordiais, alguns quilômetros a frente em San Borgira fomos parados novamente, mas desta vez apenas pediram carona para um policial até Ituzaingó uma cidade a 60km a frente, claro que não neguei rsrsrsrs, chegamos a noite em Resistencia e depois de muito procurar encontramos o Hotel Colon R$125,00 com banheiro privado e garagem, hotel ruim, mas para uma noite deu pro gasto.
       
      02/08 Resistencia AR - San Salvador de Jujuy AR - Levantamos, tomamos café e abastecemos o carro, a nafta estava em media R$3,80 o litro. Fomos enfrentar a grande reta do Chaco pela Ruta 16, logo após a saída de Resistencia tem um pedágio e lá fomos parados pela policia, pediram documentos, olharam extintor, triângulos e deram uma olhada superficial nas malas, foram cordiais e seguimos, a minha preocupação com a policia corrupta era tão grande que nem senti o tempo na estrada cruzando o Chaco, no posto famoso pela corrupação passamos direto, não tinha ninguém UFA!!!!!!
      Esse trecho apesar de grande foi tranquilo, lembrando que é bom abastecer quando chegar a meio tanque, não sofremos com falta de combustível, no final da Ruta 16 o asfalto não é bom, mesmo assim da pra andar legal, estão refazendo o asfalto desse trecho, as obras estavam bem adiantadas.
      Saímos da Ruta 16 e pegamos a Ruta 9 em direção a General Guemes, e continuamos até San Salvador, antes de chegar mais um posto policial, no final da tarde chegamos na cidade grande e bonita. Novamente a novela de procurar hotel, San Salvador não estava no roteiro como parada, mas como o dia na estrada rendeu fomos até lá, cansados ficamos no Hotel Fenicia R$ 162,00 quarto duplo com garagem e café da manhã, esse foi o melhor e mais cara hotel da viagem e valeu cada centavo, fomos jantar e dar uma volta na praça que estava bem movimentada.

  • Seja [email protected] ao Mochileiros.com

    Faça parte da maior comunidade de mochileiros e viajantes independentes do Brasil! O cadastro é fácil e rápido! 😉 

×